Palavras chaves: obesidade; crenças mágicas; cirurgia da obesidade; psicanálise

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras chaves: obesidade; crenças mágicas; cirurgia da obesidade; psicanálise"

Transcrição

1 CRENÇAS ALIMENTARES EM PACIENTES OBESOS CANDIDATOS A CIRURGIA DA OBESIDADE Isabel Cristina Malischesqui Paegle 1,Niraldo Oliveira Santos 2, Claudia Laham 3, Marlene Monteiro da Silva 4, Bruno Zilberstein 5, Mara Cristina Souza de Lucia 6 Resumo Este estudo apresenta a investigação de crenças alimentares e saúde de candidatos a cirurgia da redução do estômago. Os objetivos deste se referem a: estudo exploratório da presença de crenças mágicas sobre a saúde e alimentação; verificação dos componentes universais relacionados à saúde e alimentação; indicação de traços psicológicos neste grupo de pacientes.amostra de 57 pacientes do gênero masculino e feminino entre 26 e 50 anos, com renda familiar predominante em mais de 5 salários mínimos, escolaridade superior completa e incompleta (57,9%), perfil profissional na informalidade e religião católica em 54%. Instrumentos: questionário e a Escala MFH. As respostas ao questionário indicaram tendência de despedidas dos alimentos proibidos para o grau de obesidade (68,4% dos pacientes); cinco mostraram distorção da imagem corporal. As respostas ao MFH não foram conclusivas quanto às crenças mágicas. Pode-se deduzir a presença da constelação psicológica orientada para a atitude ambivalente, o que exige mais estudos. Palavras chaves: obesidade; crenças mágicas; cirurgia da obesidade; psicanálise FEEDING BELIEFS IN OBESITY SURGERY APPLICANTS OBESE PATIENTS Abstract The present study introduces an investigation on the obesity surgery applicants beliefs in feeding and health. The objectives of the research refer to: exploratory study about the presence of magical lines of thought concerning health and feeding; universal components related to health and feeding verification; psychological traces identification within this group of patients. Sample of 57 (fifty seven) patients of both genders, between 26 and 50 years old, with dominant family income of more than 5 minimum wages, complete and incomplete college education (57,9%), informality professional profile and catholic religion in 54%. Instruments: questionnaire and the MFH scale. The questionnaire answers showed a forbidden food for the obesity level farewell tendency (68,4% of the patients); five of them expressed body image distortion. The answers to the MFH were inconclusive about the magical lines of thought. The ambivalent attitude oriented psychological constellation presence can be deducted, what demands further studies on the matter. Keywords: obesity; magical lines of thought; obesity surgery; psychoanalysis 1 Psicóloga. Aluna do Curso de Especialização em Distúrbios Alimentares e Obesidade do Centro de Estudos em Psicologia da Saúde (CEPSIC) da Divisão de Psicologia do Instituto Central (DIP/ICHC) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP). 2 Psicólogo da Divisão de Psicologia do ICHC-FMUSP. Coordenador do Curso de Especialização em Distúrbios Alimentares e Obesidade do CEPSIC. 3 Psicóloga da Divisão de Psicologia do ICHC-FMUSP. Coordenadora do Curso de Especialização em Distúrbios Alimentares e Obesidade do CEPSIC. 4 Psicóloga da Divisão de Psicologia do ICHC-FMUSP. Co-orientadora da Pesquisa Multissetorial Crenças relacionadas à alimentação. 5 Diretor do Serviço de Cirurgia do Esôfago e Duodeno do HC-FMUSP. 6 Diretora da Divisão de Psicologia do ICHC-FMUSP. Presidente do CEPSIC. Coordenadora do Curso de Especialização em Distúrbios Alimentares e Obesidade. Orientadora da Pesquisa Multissetorial Crenças relacionadas à alimentação. 1

2 INTRODUÇÃO Este tema me despertou interesse em investigar as crenças alimentares nos pacientes candidatos a cirurgia da redução do estômago participando do processo pré-cirúrgico e avaliados por nutricionista, psicólogo, fisioterapeuta, anestesista, endocrinologista. Os pacientes relatam, nas entrevistas preliminares, os julgamentos relacionados ao poder que o alimento possui e a necessidade de fazerem despedidas das comidas. Nesta fase pré-cirúrgica, com o comer exagerado, acabam por fazer seus corpos engordarem, o que acarreta prejuízo na auto-avaliação da imagem corporal trazendo insatisfação em função de mais ganho de peso além de alterar para mais, o grau da obesidade. Apresentam-se os mais diversos perfis de dinâmica e estrutura de personalidade, hábitos alimentares diferentes, como por exemplo, a presença transtornos alimentares. O Centro Avançado de Gastroenterologia e Cirurgia da Obesidade "Gastro Obeso Center" representa um dos serviços que mais realiza a cirurgia bariátrica na cidade de São Paulo, com registro de 4000 pacientes operados pelos procedimentos de Banda Gástrica Ajustável, Fobi Capella, e alguns casos de Derivação Biliopancreática. O presente estudo faz parte de um projeto de pesquisa mais amplo desenvolvido a partir do curso de Especialização em Distúrbios Alimentares e Obesidade da Divisão de Psicologia, do Instituto Central do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo com 1043 sujeitos. Dentre os objetivos principais, a identificação das crenças alimentares e saúde, em adolescentes e adultos portadores ou não de distúrbios alimentares e com a permissão da Comissão de Ética. Convidou-se para o presente trabalho, pacientes candidatos à cirurgia bariátrica com vistas ao nosso aprimoramento da prática clínica e a prestação de serviços na instituição "Gastro Obeso Center". Os dados foram colhidos dentre os pacientes da "Gastro Obeso Center", no qual desenvolvo meu trabalho na equipe multidisciplinar constituída de cinco médicos gastroenterologistas, dois anestesistas, um endocrinologista, um endoscopista especializado em cirurgia bariátrica, dois estagiários médicos, dois nutricionistas, dois fisioterapeutas e três psicólogos. Desta forma esta pesquisa pretende verificar a presença de crenças alimentares e seu papel no ganho de peso no período pré-cirúrgico. 2

3 Segundo Mancini (2001), a obesidade é uma doença complexa, de múltiplas etiologias e suficientemente comum para constituir um problema de saúde pública. Especialistas da área clínica e cirúrgica são freqüentemente desafiados pelas alterações fisiopatológicas associadas à obesidade. A Organização Mundial de Saúde (OMS) classifica a obesidade baseando-se no índice da massa corporal (IMC) e no risco de mortalidade associada. Assim, considera-se obesidade quando o IMC encontra-se acima de 30 kg/m². Quanto à gravidade, a OMS define obesidade grau I quando o IMC situa-se entre 30 e 34,9 kg/m²., obesidade grau II quando o IMC está entre 35 e 39,9 kg/m², e por fim, obesidade no grau III quando o IMC ultrapassa 40 kg/m ² (Mancini 2001). Segundo Fandiño, et al. (2004), a obesidade é complexa, de condição médica crônica de etiologia multifatorial, o seu tratamento envolve várias abordagens (nutricional, uso de medicamentos antiobesidade e prática de exercícios físicos). Entretanto, vários pacientes não respondem a estas manobras terapêuticas, necessitando de uma intervenção mais eficaz. A cirurgia bariátrica tem se mostrado uma técnica de grande auxílio na condução clínica de alguns casos de obesidade. A indicação desta intervenção vem crescendo nos dias atuais e baseia-se numa análise abrangente de múltiplos aspectos do paciente. Dados epidemiológicos disponíveis pela Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (ABESO, 2005) indicam a porcentagem crescente desta enfermidade em mais de uma camada da população e em diferentes regiões do país. Comparadas as regiões nordeste e sudeste quanto ao índice de desnutrição e obesidade em adultos, em três diferentes momentos encontraram-se dados da obesidade crescente em ambas. Assim, no ano de 1975, região nordeste, 2,7% e em 1997, igual a 8,5%. Na região sudeste, 1975 índice de 5,4% e no ano de 1997, 10,4%. De posse dos dados da associação entre obesidade e renda, a escolaridade desenhouse como um dos fatores mais associados à obesidade. Isto é um indicativo do investimento que deve ser feito quanto a informações ao público em geral e especialmente, ao consumidor (ABESO,2005). 3

4 Aspectos clínicos e cirúrgicos da obesidade mórbida Fandiño et al. (2004) relatam que são candidatos para o tratamento cirúrgico, os pacientes com IMC maior que 40 kg/m² ou com IMC maior que 35kg/m² associado a comorbidades (hipertensão arterial, dislipidemia, diabetes tipo 2, apnéia do sono, entre outros). A situação dos pacientes requer um tempo mínimo de 5 anos de evolução da obesidade e história de falência do tratamento convencional realizado por profissionais qualificados. A cirurgia é contra-indicada em pacientes com pneumopatias graves, insuficiência renal, lesão acentuada do miocárdio e cirrose hepática. As cirurgias são classificadas como disabsortivas e/ou restritivas. São reconhecidas três técnicas de tratamento cirúrgico. A gastroplastia vertical com bandagem foi desenvolvida em 1982 por Mason; é uma cirurgia restritiva que consiste no fechamento de uma porção do estômago através de uma sutura, gerando um compartimento fechado, com a utilização de um esvaziamento mais lento deste "pequeno estômago". Com este procedimento, os pacientes experimentam uma redução em média de 30% do peso total nos primeiros anos. Porém, observa-se uma queda na velocidade da perda de peso para menos de 20% após 10 anos de seguimento. Uma das razões para este fato é o aprendizado realizado pelos pacientes. Eles passam a selecionar e ingerir alimentos líquidos hipercalóricos com uma passagem rápida pelo estômago estreitado" como por exemplo, milkshake e leite condensado. A Lap Band é outra técnica cirúrgica restritiva relativamente recente. Consiste na implantação videolaparoscópica de uma banda regulável na porção alta do estômago. Este artefato fica conectado a um dispositivo (portal) colocado sob a pele, o que permite o ajuste volumétrico do reservatório gástrico através da aplicação do soro fisiológico na Banda Gástrica envolvendo a primeira parte da câmera gástrica do estômago. Esta técnica ainda carece de uma melhor avaliação em estudos de seguimento. Fandiño et al (2004) relatam que nos últimos anos, entretanto, vem predominando uma terceira técnica que reúne a restrição à absorção, chamada cirurgia de Capella. Aqui, a gastroplastia está associada a uma derivação gastrojejunal em formato da letra Y (chamada de Y de Roux). Este procedimento consiste na restrição do estômago para se adaptar a um volume menor que 30 ml. A redução do volume da cavidade é obtida através da colocação 4

5 de um anel de contenção na saída do compartimento formado (orifício menor que 1,5 cm) e conexão com uma alça intestinal. A ingestão de carboidratos simples como doces, açúcar, mel, podem assim, ocasionar a chamada Síndrome de Dumping" (náuseas, vômitos, rubor, dor epigástrica, sintomas de hipoglicemia), porque os alimentos caem na corrente sangüínea como glicose, podendo ocorrer também com outros tipos de alimentos como farinha, arroz, batata, etc. A resposta insulínica é maior do que a quantidade de carboidratos ingeridos.esta síndrome pode desempenhar um importante papel na manutenção de perda de peso. Com esse procedimento os pacientes obtêm perdas médias na ordem de 35% em longo prazo. É uma técnica segura e com baixa morbidade. Valeria a pena, também, ressaltar outro procedimento cirúrgico utilizado menos freqüentemente por alguns centros médicos em pacientes extremamente obesos. Esta seria a técnica de Scopinaro: um "Bypass" Biliopancreático parcial com gastrectomia distal. Os resultados relacionados com a cirurgia bariátrica incluem perda de peso, melhora ou cura das comorbidades relacionadas e melhor qualidade de vida. Obesidade e crenças alimentares Segundo o dicionário Aurélio, crença é o ato ou efeito de crer; convicção íntima.e alimentar para o mesmo autor significa dar alimento, nutrir, sustentar, fomentar (Ferreira,1986). Para Diniz (2004) ter uma crença é "considerar algo verdadeiro" ; a proposição é construída a partir dos mecanismos naturais da experiência sensível, de caráter involuntário, e não a partir de uma decisão voluntária, consciente, do sujeito que crê. A concepção humana da crença como hábito e, conseqüentemente, como geradora de ações, requer um olhar cuidadoso. Este ato é realizado através da alimentação e Bonder (1989) estudando a Cabala da Comida entendeu que para os judeus é a forma de receber e saber receber, a capacidade de estabelecer uma troca com o universo circundante que inclui as pessoas na corrente ecológica assim formada. O autor ainda relata que os judeus podem ser considerados como um grupo oral. Sua tradição evidencia isso tanto através do que sai pela boca (a palavra) como o que entra por ela (alimento). 5

6 A alteração no equilíbrio para Perls (2002) acontece nos diferentes estágios no desenvolvimento do instinto da fome como pré- natal, pré-dental, incisivo, e molar. Muitos adultos encaram o alimento "sólido como se ele fosse líquido", a serem engolidos em goles, são pessoas caracterizadas pela impaciência, exigem satisfação imediata de sua fome que está combinada com a gula e a incapacidade de obter satisfação. Relata ainda que a fome de alimento mental e emocional se comporta como a fome física; o indivíduo neurótico está permanentemente ávido por afeto, mas esta avidez nunca é satisfeita e ele não assimila o afeto que lhe é oferecido. De acordo com De Lucia (2004) a indústria agroalimentar se revelou no século XIX, em virtude das mudanças sociais e no papel social das mulheres além das paredes de seus lares. O tempo se tornou escasso e a alimentação deixou de ser privilégio do lar e surgiram os Fast Foods, o cerimonial da alimentação se modificou, às vezes há dispensa de talheres e uso das mãos (Fingers Foods). Perdeu-se a ritualização no ato de comer. As experiências emocionais e as crenças contidas nos alimentos macios como hambúrgueres, por exemplo, constituem uma ameaça para os mais jovens podendo resultar em obstáculos de ordem simbólica. A temática do alimento está presente na cultura desde os primórdios da humanidade e resiste não só por fazer parte desta memória coletiva, mas também por envolver uma questão universal. Guimarães (2001) estudou a questão dos alimentos nas histórias da Bíblia, contos de fadas, fábulas, contos religiosos, narrativas que envolvem as dificuldades que os pais tinham para alimentar a família, o que segundo ela, caracteriza e confirma o caráter universal e o interesse pela temática do alimento. Os conceitos psicanalíticos em torno da alimentação do bebê e suas repercussões e significados para o desenvolvimento humano devem ser considerados na temática do alimento. Freud (1912) em suas investigações psicanalíticas sobre o dinamismo psíquico dos quadros neuróticos, pensava sobre a universalidade de alguns comportamentos manifestos e no quanto a civilização humana conservava determinados traços. Valendo-se dos estudos etnológicos de Frazer pensava na herança cultural dos grupos primitivos por meio do conceito de totem e a partir dele os mecanismos de controle grupal. 6

7 O totem, em geral, um animal (comestível, inofensivo, perigoso ou temido); uma planta ou uma força elementar (água, chuva) o pai ancestral do clã. O caráter totêmico envolvia não somente um animal, um objeto único mas os todos os indivíduos da mesma espécie. A regulação da vida era submetida à sagrada obrigação e sua violação diretamente ligada ao castigo, a abstinência de comer sua carne. Deduziu que os motivos mais elevados para o canibalismo entre os povos primitivos, era a incorporação de partes do corpo de uma pessoa pelo ato de comer, pois promovia a aquisição das qualidades por ela possuídas. Como por exemplo, uma mulher com o filho pequeno evitaria comer a carne de certos animais, pelo temor de que algumas qualidades indesejáveis como a covardia, fossem incorporadas. O poder mágico não é afetado mesmo que a conexão entre os dois objetos já tenha sido rompida ou mesmo que o contato tenha ocorrido apenas numa única ocasião de importância. Descreveu que a bebida originalmente consistia no sangue da vítima do animal, substituído mais tarde pelo vinho. Para os árabes, qualquer pessoa que tenha comido o menor pedaço de alimento dos deuses beduínos ou tomado um gole de leite, não mais precisaria temer o inimigo, enquanto a comida estivesse no corpo. O correlato psicológico nas sociedades modernas, segundo Freud, se refere à transferência de desejos originais para outras áreas de desejos. O conceito de posição esquizoparanóide e depressiva e a força dos mecanismos de introjeção e projeção na gênese do ego explicitada por Klein (1946) devem ser aqui lembrados. Na vida inicial do bebê, o impulso destrutivo é projetado para fora do ego sendo vivenciado como agressão oral.os impulsos destrutivos dirigidos contra o seio da mãe se intensificam como canibalescos com o início da dentição.dependendo das fantasias mais ou menos reforçadas de que o objeto amado está em pedaços os sentimentos do bebê são abalados pelas frustrações e pela ansiedade. Momentos regressivos da personalidade durante a vida adulta podem trazer à tona estas sensações primitivas. Melanie Klein (1952) também se referiu à questão do alimento como uma das primeiras experiências emocionais do bebê. A princípio, uma relação de objeto parcial, na qual impulsos orais, libidinais e destrutivos, são dirigidos para o seio da mãe e que esta interação entre impulsos libidinais e agressivos correspondem à fusão entre pulsão de vida 7

8 e de morte.nos momentos mais confortáveis, portanto, livres de fome e tensão ocorre maior equilíbrio entre as pulsões e os impulsos. Sugeriu que a alteração neste equilíbrio entre libido e agressão dá origem à emoção chamada voracidade, que é acima de tudo de natureza oral. Segundo Klein, as experiências intrapsíquicas e as ambientais, quando aliadas à forte frustração, ansiedade e voracidade dificultam o manejo da tolerância à privação. A proximidade física com a mãe durante a alimentação constitui um forte auxílio na superação de um estado anterior já perdido aliviando a ansiedade e criando bases mais seguras de confiança. Experiências gratificantes garantem maior equilíbrio para o desenvolvimento de uma personalidade sadia. Winnicott (1982) acreditava que a alimentação da criança é uma questão de relação mãe filho: o ato de pôr em prática a relação de amor entre dois seres humanos e se bem sucedido, a criança terá uma base autêntica para relações bem sucedidas.o sentido psicológico de suficiência nas relações com o mundo interno e externo deve ser levado em conta na vida adulta. Kusnetzoff (1982) destacou que as primeiras relações do bebê com o alimento acontecem além do seio, isto é, tudo aquilo que possa ser distinguido como a primeira fonte de alimento, seja o seio materno ou algo que o substitua. Além da nutrição, o seio será o objeto que trará prazer ao bebê tocado pela mucosa bucal, sua mão tocando a pele do seio ou qualquer outra sensação de calor que se origine do corpo da mãe. Um estudo sobre avaliação psicológica de candidatos à cirurgia bariátrica realizado por Silva, et al. (2005) indicaram a importância de se traçar um paralelo entre a alimentação, a nutrição e os afetos. O ato de alimentar-se transcende o equilíbrio energético com vistas à saúde corporal. Mostrou-se relevante o conceito apresentado por Kahtalian (apud Silva, et al. 2005) sobre as frustrações e o prazer advindo da comida: às vezes comese com raiva, rasgando-se o alimento. Com o uso de técnica projetiva, o Teste de Phillipson (1955), explorou-se três protocolos de candidatas à cirurgia. A análise do sistema tensional inconsciente dominante apontou ansiedade, medos e defesas típicos da constelação esquizoparanóide descrita por Melanie Klein (1946, 1952). 8

9 Os resultados indicados pelas pacientes, não apontaram transtornos psicopatológicos mas a psicodinâmica indicava uma intensa necessidade de cuidados externos, atenção, confiança e dificuldade de simbolização. Dentre as conclusões deste estudo os cuidados psicoterapêuticos eram necessários num continuum: período pré e pós-cirúrgico. A proposta de avaliação das crenças mágicas sobre a saúde e a alimentação na sociedade moderna pode trazer à discussão o valor universal e individual e contribuir para a associação entre estes e traços psicológicos. A Escala de Crenças Alimentares e de Saúde elaborada por Liderman, KesKivaara & Roschier (2000) constitui o ponto central deste trabalho. Os objetivos principais do presente trabalho se referem a: 1. estudo exploratório da presença destas crenças mágicas sobre a saúde e alimentação; 2. verificação dos componentes universais relacionados à saúde e alimentação; 3. indicação de traços psicológicos neste grupo de pacientes. MÉTODO Delineamento de Estudo Exploratório sobre as Crenças Alimentares. Participaram da pesquisa 57 sujeitos convidados num grupo de pacientes que freqüentavam um curso pré-operatório da cirurgia bariátrica. Todos adultos e maiores de 18 anos e a participação foi voluntária. Todos os sujeitos assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido de Helsinki. Dos 57 participantes em sua maioria do gênero feminino (77,2 %), a faixa etária predominante entre 26 e 50 anos de idade (56,1%), casados (52,6%), escolaridade superior completa e incompleta (57,9%), renda familiar predominante em mais de 5 saláriosmínimos (50,9%), perfil profissional na informalidade (31,6%) seguido de nível superior (24,6%), religião católica em 54,4% dos entrevistados. A coleta de dados foi feita por meio de questionário dirigido com respostas de múltiplas escolhas, constando de duas partes distintas. Os sujeitos que compareceram às consultas pré-agendadas com a equipe multidisciplinar (nutricionista, fisioterapeuta e psicóloga) da Gastro Obeso Center, foram convidados aleatoriamente a participar da pesquisa. 9

10 Após as consultas os pacientes compareciam ao curso pré-operatório da cirurgia bariátrica onde foi lido individualmente o termo de consentimento livre e esclarecido e em seguida aplicado os instrumentos de investigação da pesquisa. A escala foi aplicada aos pacientes intencionalmente no Curso pré-operatório da "Gastro Obeso Center" no período de setembro a outubro de A primeira parte do questionário refere-se à categorização sócio- demográfica com 11 questões; a segunda parte do questionário com 17 questões investiga as práticas de dietas e regimes já realizadas como também perda de peso, imagem corporal e métodos de emagrecimento. Utilizou-se a Escala de Crenças Alimentares e de Saúde (Magic Food Health) MFH, com 35 questões fechadas (Liderman, KesKivaara & Roschier,2000), como instrumento de verificação. É constituída por 18 itens relacionados às crenças mágicas gerais, itens de A até J. As crenças sobre produtos animais como contaminantes de alimentos itens K até O e também crenças de produtos animais como contaminantes de personalidade, itens P, Q e R. Conforme seus idealizadores, a escala foi construída para avaliar diferenças individuais na adoção de informações alimentares relativas à saúde e ideologia correspondente sob as leis universais de similaridade e contágio.a base lógica da escolha foi uma possível associação entre pensamento mágico sobre comida e saúde com questões ideológicas e psicopatologia de base ansiosa. A hipótese I referiu-se a pessoas propensas a pensamentos mágicos com elevado nível de depressão, ansiedade e neuroticismo; hipótese II, pessoas que endossam crenças mágicas mostram mais sentido de asco; hipótese III, crenças mágicas negativamente relacionadas com experiências de buscas (preferência por estrutura cognitiva simples, como o vegetarianismo); hipótese IV, estilo de pensamento com endosso das crenças positivamente relacionado ao pensamento experiencial; hipótese V, pensamento experiencial e racional de forma independente sem relação com superstição tradicional; hipótese VI, pensamento dicotômico como resultante da lei mágica do contágio; hipótese VII, pontuação alta no MFH indica atitude mais positiva com relação à medicina alternativa podendo se correlacionar positivamente com algumas filosofias de vida; hipótese VIII, pressupostos vegetarianos, com ideologia ecológica (hipótese IX) e ênfase aos valores 10

11 referentes ao universalismo e ao bem estar animal (hipótese X); as mulheres são mais propensas a endossar as crenças mágicas do que os homens. Os maiores resultados na MFH foram encontrados entre os semivegetarianos e os vegetarianos; resultados mais baixos, dentre os homens onívoros. Resultados altos também indicaram indivíduos mais envolvidos com a saúde e com o comer. O tratamento dos dados da presente pesquisa foram desenvolvidos no Programa SPSS for Windows 10; os dados e planilhas estão sob a guarda da pesquisadora. Nesta etapa do trabalho optou-se pela análise estatística descritiva em torno da validade de freqüência e percentagem, usando-se da análise quantitativa e qualitativa. 1. A nomeação das variáveis, categorias e legendas seguem modelo oferecido pelo projeto amplo. 2. As questões de número 6 até o número 10 e as de número 12, 13, 14, 15, 16 e 17 são apresentadas sem sub-itens ou sub-categorias. 3. A questão de número 11 recebeu sub-categorias para detalhamento do estudo. 4. A questão 18 seguiu o mesmo critério da questão de número Para as sub-categorias foram atribuídas letras em ordem alfabética. RESULTADOS E DISCUSSÃO Nesta secção apresentamos os resultados do questionário com a seleção das questões de números 6 até 17. As respostas à questão número 6: Você possui alguma das doenças abaixo? 42 pacientes afirmaram não ter doenças (73,7%). Comorbidade à obesidade foi declarada por 10 pacientes (17,6%). Pode-se inferir que este grupo de pacientes estaria indicado para a cirurgia com o adequado preparo da equipe multidisciplinar, do ponto de vista dos riscos à saúde. Esta informação está de acordo com os estudos da ABESO (2005) apontando as associações entre renda, obesidade e escolaridade. Estes pacientes de forma preventiva a comorbidades buscavam a solução mais adequada. 11

12 As respostas à questão 7: Como você se sente em relação ao seu peso? Afirmaram ter a imagem de muito gordo e gordo, 47 pacientes; apenas 5 deles se consideraram com peso médio ou normal (8,8%) manifestando distorção da imagem corporal, o que demanda um olhar mais individualizado pela equipe. As respostas à questão 8: No seu entender, porque você acha que engorda? Houve predomínio das respostas entre comer muito (21,1%) e beliscar o tempo todo (15,8%). As respostas indicadas a outros motivos sem especificação, merecem ser mais bem pesquisada uma vez que 22,8% (13 pacientes) incluíram-se nesta alternativa. Neste item deduz-se manifestação de comportamento ansioso, ou seja, a expectativa e o sentimento de privação desencadeia um traço de voracidade (Klein, 1952). As respostas às questões 9 e 10, seu pai é gordo e sua mãe é gorda, 50,9% afirmou não ter pai gordo e 49, 1% não ter mãe gorda. Para mais bem elucidar o que o paciente entende como genitores gordos ou não, seria necessário um dado mais objetivo, pois estes dois itens somaram 77,2% das respostas. Pode significar um correspondente psicológico de baixa auto-estima com sentimentos de desvalia :o sujeito como resultado do próprio fracasso. Este componente deixaria o paciente sem recursos para atribuir a outrem, a sua obesidade. As respostas à questão de número 11: Quantas vezes você buscou perder peso usando os seguintes métodos : letra a, Comprando revista que trazem novas dietas, a percentagem de nenhum método foi igual a 35,1% e mais de sete tentativas por meio de revistas foi igual a 19,3%. Estes dados sugerem um comportamento que pode ir além do conhecimento popular e do conhecimento científico (instruções médicas de especialistas), talvez como mecanismo de auto-regulação e resistência à ajuda especializada. letra b, A estimulação de programas ou comerciais de tevê, teve a concentração percentual de 47,4% (27 pacientes) que não investe neste tipo de ajuda e 12 pacientes (21,1%) fez uso deste tipo de propaganda por uma ou duas vezes. 12

13 letra c, A participação em programas de auto-ajuda, apontou maior concentração das respostas entre nenhuma vez e uma ou duas vezes, 40 pacientes, 70, 2% da amostra. letra d, O uso de fórmulas para emagrecimento que alguém indicou foi revelado por 19 pacientes, 33,3% da amostra, no sentido de ter usado esta indicação mais de sete vezes. Este sub-item revela a busca de fórmulas mágicas, sem prescrição médica. Apenas 12 pacientes indicaram a resposta nenhuma vez (21,1%). letra e, Tomando medicamentos indicados por médicos, 23 pacientes (40,4%) responderam que usaram esta indicação mais de sete vezes.nos chamou a atenção o fato de 8 pacientes (14%) afirmarem nunca ter tomado fórmulas para emagrecer por indicação médica e a postura de se deixar engordar ao longo do tempo sem procurar orientação, fica sem resposta neste momento. letra f, Comprando laxantes e diuréticos, a maior concentração variou entre nenhuma vez (43,9%) e uma ou duas vezes (26,3%), num total de 70,2%. letra g, Provocando vômitos, 75,4% dos pacientes afirmou não ter usado deste método nenhuma vez. Os pacientes que afirmaram usar deste método mais de sete vezes (7%) merecem ser olhados de forma mais apurada e individualizada sugerindo a presença de transtorno alimentar. letra h, Usando um método elaborado por você mesmo, as respostas entre nenhum e de uma a duas vezes somaram 59,6%. No grupo de respostas mais de sete vezes, cerca de 15, 8% da amostra afirmou o uso deste recurso. Estas afirmações merecem mais estudos para elucidar o grau de sugestão oferecido pela mídia, conforme citação de Liderman, KesKivaara & Roschier (2000). Esta questão, nas suas abordagens sobre a dificuldade em perder peso nos reporta aos estudos de Mancini (2001) e Fandiño, et al. (2004) e as porcentagens encontradas nas respostas nos permitem sustentar a hipótese de forte comportamento emocional, de tipos ansiosos, que se fortalece diante das frustrações em perder peso. 13

14 As respostas à questão de número 12, Quando você pensa em fazer uma dieta, antes mesmo de começar, você come mais do que costuma comer dos alimentos proibidos? A escolha da alternativa nunca foi igual a 22,8%; às vezes, 36,8%. A variação entre freqüentemente, quase sempre e sempre indicou este comportamento em 31,6% da amostra. Hipoteticamente, 68,4% dos pacientes indicaram a tendência de despedidas dos alimentos proibidos para o grau de obesidade. Pode-se inferir que há presença de comportamento ansioso por resultados concretos na expectativa de mudança no peso.os períodos de privação que serão experimentados não encontram bases emocionais seguras no mundo intrapsíquico e a fome física apresenta correlato emocional (Klein, 1952; Perls, 2002; Silva et al., 2005). A capacidade de renúncia ao que é proibido, estudada por Freud (1912) fica comprometida e na realidade vivida pelos pacientes, eles próprios se tornam alvos fáceis de retorno ao estado anterior. As descrições feitas por Klein (1946) sobre a elaboração da posição depressiva pressupõem a capacidade de elaborar perdas por meio da síntese entre aspectos amados e odiados do objeto de amor (completo). Esta condição favorece os sentimentos de luto e culpa e garantem o progresso na vida mental e intelectual da pessoa. Infere-se que estes pacientes não conseguem elaborar a perda da imagem grande do corpo ficando à mercê de um círculo vicioso: perder peso e perder a imagem e não ganhar nova condição tão desejada. As respostas à questão de número 13, Das vezes em que perdeu e ganhou novamente, assinale quanto perdeu e quanto ganhou da última vez que fez dieta. Cerca de 26 pacientes (45,6%) perderam mais de 22 quilos e 43,9% afirmaram ter ganhado mais de 22 quilos.deduz-se que a dieta adotada não apresentou a eficácia desejada pela maioria dos pacientes.este procedimento de fracasso deve ser mais investigado para se conhecer o tipo da dieta adotada e suas relações com métodos próprios para emagrecer (grau de adesão à instrução médica especializada). 14

15 As respostas à questão de número 14: Você se considera uma sanfona, ou seja, perde e ganha peso freqüentemente? Cerca de 27 pacientes (47,4%), afirmou que concorda totalmente com esta afirmação e 21,1% dos pacientes concordaram parcialmente com a mesma. Sugere a preservação da imagem corporal neste grupo de pacientes (negativo da distorção da imagem corporal). As respostas à questão de número 15: Se você perde peso e volta a ganhar, sentese muito mal, volta para a dieta e tudo se repete? Indicou 47,4% das respostas em concordo totalmente e 21,1% em concordo parcialmente, o que revela a não preservação da auto-estima e quiçá, sentimento de esperança em perder peso. Seria um item de fracasso de dieta? As respostas à questão de número 16: Se você volta a ganhar peso após a dieta, você normalmente volta ao peso que tinha antes, fica com menos peso do que tinha, ou muito mais peso do que quando iniciou a dieta? Teve a percentagem de 42,1% na alternativa mais do que tinha e 24,6% em muito mais do que tinha (total de 66,7%). Levanta-se a hipótese de que a dificuldade em perder peso é um fato, mas mereceria um estudo mais individualizado para verificação de variáveis nestes casos. As respostas à questão de número 17: Na sua alimentação você inclui, qualquer tipo de carne, somente carne branca, apenas ovos e / ou leite, nenhum tipo de produto animal. A primeira alternativa (a), categoria 1, onívora, teve a escolha por 46 pacientes (80,7%). Nenhum desses pacientes se declarou vegetariano ou outro modelo, semivegetariano (7%) e lácteo-vegetariano (3,5%). Os resultados encontrados por Liderman, KesKivaara & Roschier (2000) apontaram uma forte relação das crenças mágicas de comida com o vegetarianismo e o compromisso ideológico na escolha alimentar. No presente estudo não se pode confirmar o achado podendo-se pensar na hipótese da prevalência do pensamento racional. 15

16 As respostas à questão 18 foram estimuladas com a proposição: Você pensa que... A análise foi realizada por meio das sub-categorias A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, K, L, M, N, O, P, Q, R, e ilustradas pelas Figuras 1, 2, 3 a seguir. FIGURA 1. Distribuição das respostas dos pacientes nos sub-itens 18 A, até o sub-item 18 F A B C D E F 1 discordo completamente 2 mais discordo que concordo 3 nem concordo nem discordo 4 mais concordo que discordo 5 concordo completamente 6 não respondeu A questão 18 A Uma falta de equilíbrio na ingestão de alimentos está por trás de muitas doenças teve a indicação de concordância nas respostas de 35 pacientes. Cerca de 10 pacientes não se posicionaram (nem concordo e nem discordo). A questão 18 B As cores mudam a vibração de energia de um organismo de uma maneira que beneficia a saúde mostrou que 9 dentre os 57 pacientes concordam completamente com a afirmação; 28,1% (16) pacientes não se posicionaram seguido de 14 pacientes (24,6%) que afirmaram mais concordar do que discordar. Ou seja, 23 sujeitos simpatizam com a afirmação. A questão 18 C As plantas são seres vivos, cujos potenciais de energia podem ser transmitidos aos seres humanos apontou 23 pacientes (40,4%) concordando completamente com a afirmação, seguidos de 8 que mais concordam que discordam; 31 pacientes simpatizaram com a idéia. A tendência de não posicionamento foi mostrada por 16 deles. A questão 18 D Ao massagear o ponto na sola do pé que corresponde a um órgão doente, esse órgão será restaurado, 23 pacientes não se posicionou (40,4%); os 16

17 simpatizantes da idéia entre mais concordo que discordo (26,3%) e concordo completamente (8,8%), num total de 20 sujeitos. A questão 18 E Uma dieta incorreta faz com que a comida apodreça no corpo indicou a concentração na alternativa discordo completamente (33,3%), 19 sujeitos e 8 que mais discordo que concordo (14,0%). Não se posicionaram 28,1% da amostra. A questão 18 F Se não limparmos nosso corpo de algum jeito, toxinas pouco saudáveis, permanecem dentro dele foi apontada por 17 sujeitos (29,8%) concordando com a afirmação, seguidos de 12 sujeitos (21,1%) com a alternativa mais concordo que discordo (total de simpatizantes com a idéia, 29 sujeitos). Apenas 4 sujeitos discordaram completamente. FIGURA 2. Distribuição das respostas dos pacientes nos sub-itens 18 G até o sub-item 18 L G H I J K L 1 discordo completamente 2 mais discordo que concordo 3 nem concordo nem discordo 4 mais concordo que discordo 5 concordo completamente 6 não respondeu A questão 18 G É bom desintoxicar o corpo de vez em quando fazendo jejum apontou como predominante à tendência a não se posicionar (19 sujeitos, 33,3%). Cerca de 11 sujeitos (19,3%) escolheram a alternativa mais concordo que discordo e 7 sujeitos concordando completamente. A questão 18 H Uma doença deve ser tratada com remédios que tenham propriedades similares às doenças apontou a concentração de não posicionamento em 21 sujeitos (36,8%); os simpatizantes somaram 21 sujeitos (mais concordo e concordo completamente). 17

18 A questão 18 I Já que nossos corpos são 70% água, deveríamos seguir uma dieta que tivesse aproximadamente 70% de água mostrou que 25 pacientes (43,9%) não se posicionaram em relação à afirmação; 9 deles (15,8%) discordaram completamente e apenas 3 (5,3%) concordaram completamente. A questão 18 J A afirmação de que bebidas vermelhas melhoram a hemoglobina é provavelmente verdadeira indicou o não posicionamento de 29 pacientes (50,9%); a concordância completa e parcial da afirmação foi indicada por 5 pacientes e não concordância por 28,1%. A questão 18 K Eu ficaria aborrecido se um restaurante me servisse comida que tivesse entrado em contato com gordura animal, mesmo que ela tivesse sido completamente removida, mostrou o não posicionamento por 24 pacientes, seguidos por 9 com discordância completa e igualmente 9 com discordância parcial (15,8%). A questão 18 L Me incomodaria comer comida vegetariana que tivesse estado em contato com um bife estimulou 19 pacientes à discordância completa (33,3%) seguido de discordância parcial por 6 pacientes (10,5%). O não posicionamento foi mostrado por 16 pacientes (28,1%). FIGURA 3. Distribuição das respostas dos pacientes nos sub-itens 18 M até o sub-item 18 R M N O P Q R 1 discordo completamente 2 mais discordo que concordo 3 nem concordo nem discordo 4 mais concordo que discordo 5 concordo completamente 6 não respondeu A questão 18 M O sangue animal polui a comida apontou que 16 pacientes (28,1%) discordaram completamente, seguido de discordância parcial de 8 (14%); não se posicionaram, 16 (28,1%); concordaram completamente 8 e parcialmente, 2 pacientes. 18

19 A questão 18 N Comida vegetariana fica estragada se entrar em contato com a carne indicada por não posicionamento por 21 pacientes (36,8%); concordância de apenas 8 pacientes. A questão 18 O Ossos animais poluem a comida indicou predominância de discordância completa em 20 pacientes (35,1%) seguida de discordância parcial de 3 (5,3%); não se posicionaram, 19 (33,3%). A questão 18 P O consumo de carne faz com que as pessoas se comportem agressivamente indicou que 25 pacientes (43,9%) discordaram completamente seguido de discordância parcial de 5 (8,8%); não se posicionaram, 17 (29,8%); na faixa da concordância apenas 4 pacientes. A questão 18 Q O consumo de carne embota o pensamento indicou que 25 pacientes (43,9%) discordaram completamente seguido de discordância parcial de 5 (8,8%); não se posicionaram, 16 (28,1%); na faixa da concordância apenas 3 pacientes. A questão 18 R Comparada a comida vegetariana, o consumo de carne desperta mais instintos animais nas pessoas indicou que 26 pacientes (45,6%) discordaram completamente seguido de discordância parcial de 6 (10,5%); não se posicionaram, 16 (28,1%); na faixa da concordância apenas 3 pacientes. Frente às respostas de não posicionamento e de simpatias frente às afirmações nas sub-categorias da questão 18 deduzimos a presença da constelação psicológica descrita por Freud (1912), em seu artigo Totem e Tabu. Trata-se da atitude ambivalente, uma oposição de duas correntes; a proibição torna-se consciente, o prazer do contato é inconsciente e coexistem durante certo período; os sentimentos de ambivalência se manifestam com as proibições do tabu. De acordo com a leitura psicanalítica realizada por Freud, as proibições do tabu indicam a falta de motivação das prescrições, sua imposição por uma necessidade interna, capacidade de deslocamento e o perigo de contágio pelo proibido e cumprimento de atos cerimoniais e prescrições, originados das interdições. A lei do contágio pode ser aplicada nas situações de transgressão do que é proibido; pode provocar a tentação ou seja, permitir o que é proibido e experimentar limites e enfrentar desejos e contra-desejos. 19

20 A propensão ao pensamento mágico descrita por Liderman, KesKivaara & Roschier (2000), bem como a lei da similaridade e contágio, não pode ser afirmada neste estudo sem uma referência com outras escalas que pudessem indicar a constelação psicológica relatada por Freud (1912). Um estudo da constelação psicológica ambivalente sugerida por Freud pode ser mais bem compreendida com os conceitos trazidos por seus seguidores Klein (1946, 1952), Kusnetzoff (1982), Winnicott (1982) com ênfase na relação sujeito-alimento. CONCLUSÕES As teorias da psicanálise aplicada postuladas por Freud e seus seguidores podem representar no presente estudo a chave dialogal entre as alterações e modernização da cultura e a constelação psicológica individual. O fenômeno da transgressão do que é proibido, o tabu como imposição de autoridade externa ao indivíduo, a possibilidade de transferência do tabu e sua força mágica trazem em seu bojo, uma renúncia. A capacidade de renúncia implica a elaboração de perdas reais ou fantasiadas e o sentimento de luto correspondente. Os traços psicológicos de base ansiosa frente à frustração e privação merecem atenção especial nesta amostra estudada. Há necessidade de se usar outros instrumentos de avaliação psicológica que permitam levantar correlações entre as respostas, além de investigação mais específica dos sentimentos ambivalentes, exigência de resultados rápidos frente à obesidade. É mais provável que os pacientes com história de fracasso em dietas de emagrecimento sejam envolvidos com sentimentos de desesperança e abrir-se-ia uma porta para atitude ambivalente frente às crenças mágicas sobre alimentação e saúde. Os resultados deste estudo exploratório não se apresentaram de forma conclusiva. Não se pode afirmar a presença de crenças mágicas e componentes universais relacionados à saúde e alimentação. Recomenda-se um olhar psicológico mais individualizado envolvendo avaliação psicológica com instrumentos específicos e indicação de psicoterapia antes e após a cirurgia. 20

obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens.

obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens. Cirurgia Bariátrica obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens. (Appolinário JC, Abuchaim ALG, Coutinho W et al. Transtornos alimentares

Leia mais

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade Thaís Cristina Simamoto* Thaís Silva Luiz* A obesidade mórbida é uma doença crônica metabólica que combina grandes chances de

Leia mais

05/05/2014 NOTA TÉCNICA

05/05/2014 NOTA TÉCNICA Data: 05/05/2014 NOTA TÉCNICA 82/2014 Medicamento Material Solicitante Juiz Renato Luís Dresch Procedimento 4ª Vara da Fazenda Pública Municipal Cobertura Processo número: 0847203-25.2014 TEMA: Cirurgia

Leia mais

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 48/2014 Solicitante Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Processo número: 1.0421.14.000078-5/001 TEMA: Cirurgia bariátrica em paciente com obesidade mórbida Data: 19/03/2014 Medicamento Material

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Aspectos emocionais e interdisciplinares

Aspectos emocionais e interdisciplinares Aspectos emocionais e interdisciplinares Obesidade Mórbida A obesidade mórbida é definida como aumento do peso corporal, às custas de tecido adiposo(gordura), 45kg acima do peso considerado ideal, ou Índice

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Resposta Técnica 02/2015

Resposta Técnica 02/2015 Resposta Técnica 02/2015 Data: 10/02/2015 Solicitante: Dr. Sérgio Henrique Cordeiro Caldas Fernandes Juiz de direito da 23ª Vara Cível Comarca de Belo Horizonte Processo: 1682880-83.2014.8.13.0024 Ré:

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES PRÉ E PÓS- CIRURGIA BARIÁTRICA

PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES PRÉ E PÓS- CIRURGIA BARIÁTRICA PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES PRÉ E PÓS- CIRURGIA BARIÁTRICA GEROTTO, G. Resumo:A obesidade é uma condição complexa descrita como uma epidemia crônica da pós-modernidade e sua prevalência tem aumentado

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

Copyright Medical Port 2015 PROGRAMA DE PERDA DE PESO!

Copyright Medical Port 2015 PROGRAMA DE PERDA DE PESO! PROGRAMA DE PERDA DE PESO Agenda O método holístico de Perda de Peso Apresentação do corpo clínico Diferentes programas de perda de peso Unidades de saúde O Método holístico de Perda de Peso The importance

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 30 Setembro DE 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 30 Setembro DE 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 30 Setembro DE 2009. VILMONDES APRIGIO DA SILVA LUZ, Diretor Executivo do Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos Municipais de Rondonópolis SERV SAÚDE, no

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Profa. Mestre Cláudia Galvão Mazzoni Fabiana Lima Rosinski Lisiane Botelho Ferreira Patrícia dos Santos Silveira Resumo:

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PREZADO PACIENTE: O Termo de Consentimento Informado é um documento no qual sua AUTONOMIA (vontade) em CONSENTIR (autorizar) é manifestada. A intervenção cirúrgica indicada

Leia mais

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH Cirurgia de Obesidade Mórbida Documentação Necessária Para solicitar a análise de Cirurgia de Obesidade ao Economus, é imprescindível o envio da relação completa dos documentos descritos abaixo: 1. Solicitação

Leia mais

Rua Rio Grande do Norte 57 sala 407 Bairro Santa Efigênia Belo Horizonte MG. Telefone: (31) 3226-7997 www.nutricio.com.br

Rua Rio Grande do Norte 57 sala 407 Bairro Santa Efigênia Belo Horizonte MG. Telefone: (31) 3226-7997 www.nutricio.com.br Esta é uma publicação da Nutrício Reeducação Alimentar e Emagrecimento que tem por objetivo fornecer informações a respeito dos cuidados nutricionais pré e pós cirúrgicos. As informações contidas neste

Leia mais

O B E S I D A D E INSTITUTO DE MEDICINA FLUMIGNANO -CIRURGIA BARI TRICA - 2005 -

O B E S I D A D E INSTITUTO DE MEDICINA FLUMIGNANO -CIRURGIA BARI TRICA - 2005 - O B E S I D A D E -CIRURGIA BARI TRICA - 2005 - INSTITUTO DE MEDICINA FLUMIGNANO Registro no Conselho Regional de Medicina nº 52.1063219 - Núcleo de Tratamento do Obeso - - Rio de Janeiro - www.flumignano.com

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO Roberta Oliveira Barbosa Ribeiro- Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - São Paulo. Ana Catarina

Leia mais

INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS III Curso do IAB Formação de Agentes Multiplicadores em Prevenção às Drogas

INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS III Curso do IAB Formação de Agentes Multiplicadores em Prevenção às Drogas INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS III Curso do IAB Formação de Agentes Multiplicadores em Prevenção às Drogas Módulo IV O AFETO NA PRÁTICA TERAPÊUTICA E NA FORMAÇÃO DO MULTIPLICADOR Regina Lucia Brandão

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

O TER E O FAZER: A PSICOPATOLOGIA DA OBESIDADE INFANTIL. Carolina Mendes Cruz Ferreira. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima

O TER E O FAZER: A PSICOPATOLOGIA DA OBESIDADE INFANTIL. Carolina Mendes Cruz Ferreira. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima O TER E O FAZER: A PSICOPATOLOGIA DA OBESIDADE INFANTIL Carolina Mendes Cruz Ferreira Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima Profa. Dra. Valéria Barbieri INTRODUÇÃO A obesidade infantil é considerada uma patologia

Leia mais

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras Teóricos da abordagem fenomenológica Prof. Roberto Peres Veras Psicologia Fenomenológica Técnica Método Teoria Concepção de homem Concepção de mundo Filosofia Fenomenologia - Escola Filosófica Edmund Husserl

Leia mais

AVALIAR SE O USUÁRIO DO AMBULATÓRIO DE CIRURGIA BARIÁTRICA CONHECE SEUS DIREITOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

AVALIAR SE O USUÁRIO DO AMBULATÓRIO DE CIRURGIA BARIÁTRICA CONHECE SEUS DIREITOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS AVALIAR SE O USUÁRIO DO AMBULATÓRIO DE CIRURGIA BARIÁTRICA CONHECE SEUS DIREITOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS SOBREIRA, Élida Francisca Silva ¹ BARBOSA, Karina dos Santos ¹ FELICIANO, Suellen Alves

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

DE BEM COM O PESO... DE BEM COM A VIDA...

DE BEM COM O PESO... DE BEM COM A VIDA... DE BEM COM O PESO... DE BEM COM A VIDA... INSTITUTO ABESO Dr. Jean Ricardo Nicareta Cirurgia do Aparelho Digestivo Cirurgia Bariátrica Endoscopia Digestiva GUARAPUAVA - PR PORQUE AS PESSOAS GANHARAM PESO

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS COSTA, Eliene Pereira. Discente do curso de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

Motivações para a mulher HIV positivo gestar

Motivações para a mulher HIV positivo gestar Motivações para a mulher HIV positivo gestar Maria Regina Limeira Ortiz* Tania Mara Andreoli Gomes** Resumo Trabalhar com mulheres portadoras do vírus da Imuno Deficiência adquirida(hiv) é algo extremamente

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 02 - Edição 01 Julho - 2013 Entrevistada: Mayara Petri Martins Entrevistadora: Bruna Aguiar TEMA: OBESIDADE Mayara Petri Martins. Psicóloga analista do comportamento,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

Obesidade e Transtornos Alimentares

Obesidade e Transtornos Alimentares Obesidade e Transtornos Alimentares NECPAR Maringá 26 e 27 de Julho de 2013 Transtornos Alimentares (TA) Características Gerais: Severas perturbações no comportamento alimentar, que trazem sérios comprometimentos

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

Resultados 62 Resultados 63 Resultados 64 Resultados 65 Resultados 66 Discussão 67 4. DISCUSSÂO Até a década de 70, os estudos e os modelos de tratamento eram estruturados e embasados nas características

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Camila Chudek Ribeiro 1 Maria Virginia Filomena Cremasco 2 A obesidade tem atingido níveis epidêmicos na atualidade.

Leia mais

Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda

Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda TAVARES, AF;CAMPANA, ANNB; MORAES, MS Faculdade de medicina de São José do Rio Preto Tanto

Leia mais

OBESIDADE MÓRBIDA. 2012 doutorpinnacabral.com.br Este documento é original e não pode ser modificado!

OBESIDADE MÓRBIDA. 2012 doutorpinnacabral.com.br Este documento é original e não pode ser modificado! OBESIDADE MÓRBIDA Este documento é original e não pode ser modificado! SENTE-SE SOLITÁRIO? PESO IDEAL E IMC Peso ideal: altura X altura X 25 = Exemplo: 1.72 X 1.72 X 25 = 74 kg Excesso de peso : 89 kg

Leia mais

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 713 BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA Priscila Rodrigues da Silva * Prof. Ms. Clovis E. Zanetti ** RESUMO: A doença renal crônica é considerada

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE TEORIAS DA PERSONALIDADE Aluno(a) A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

FALANDO DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO

FALANDO DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO FALANDO DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO A criança portadora de doença cardíaca congênita e o adoecer as emoções e dos sentimentos de sua família. Edna G. Levy O coração está associado à vida e à morte. É o primeiro

Leia mais

Anexo I - Questionário

Anexo I - Questionário Anexo I - Questionário Joana Alexandra de Jesus Amorim, aluna do 4º ano da Licenciatura em Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa, encontra-se a realizar um trabalho de investigação com o título Cirurgia

Leia mais

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS 1INTRODUÇÃO A partir dos 40 anos, a estatura começa a se reduzir em torno de um centímetro por década¹.a capacidade de manter o equilíbrio corporal é um prérequisito

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade.

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade. Tratamento do TCAP Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito História individual, singularidade Psicoterapia: Tratamento: multidisciplinar Equipe coesa Importância de entender

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa)

Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa) Edson Saggese Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria. Doutor em Ciências da Saúde pelo IPUB/UFRJ, psiquiatra, psicanalista,

Leia mais

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês Regina Orth de Aragão Sumário Breve histórico. O acolhimento

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA

A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA A ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA CIRURGIA BARIÁTRICA 2012 Nara Saade de Andrade Psicóloga graduada pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Charlisson Mendes Gonçalves Mestrando em Psicologia pela

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

KratsPsiquê CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL

KratsPsiquê CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL Processos psíquicos envolvem duas áreas do processo psicológico, uma refere-se à cognição e a outra à dimensão afetivo-emocional. Ambas

Leia mais

PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013

PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013 PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013 A estrutura etária da população brasileira vem mudando ao longo dos anos, com aumento da expectativa de vida. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

A CIRURGIA BARIÁTRICA COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DA OBESIDADE

A CIRURGIA BARIÁTRICA COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DA OBESIDADE A CIRURGIA BARIÁTRICA COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DA OBESIDADE 2013 Nara Saade de Andrade Psicóloga graduada pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Charlisson Mendes Gonçalves Mestrando

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

A INFLUÊNCIA QUE A RELAÇÃO FAMILIAR PODE EXERCER NO PACIENTE PÓS CIRURGIA BARIÁTRICA

A INFLUÊNCIA QUE A RELAÇÃO FAMILIAR PODE EXERCER NO PACIENTE PÓS CIRURGIA BARIÁTRICA A INFLUÊNCIA QUE A RELAÇÃO FAMILIAR PODE EXERCER NO PACIENTE PÓS CIRURGIA BARIÁTRICA Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso de Psicologia do Centro Universitário Jorge Amado como pré-requisito

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle?

Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle? Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle? Tenho diabetes: o que isso significa, afinal? Agora que você recebeu o diagnóstico de diabetes, você começará a pensar em muitas

Leia mais