PROVA E GABARITO PROVISÓRIO. Conforme previsto no ítem 5 do edital 02/13 (página 8 disponível no site):

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA E GABARITO PROVISÓRIO. Conforme previsto no ítem 5 do edital 02/13 (página 8 disponível no site):"

Transcrição

1 PROVA E GABARITO PROVISÓRIO Conforme previsto no ítem 5 do edital 02/13 (página 8 disponível no site): 1. Para interposição de recursos os interessados deverão recolher a taxa de R$ 100,00 (cem reais) por cada recurso a ser interposto, para Sociedade Hospitalar Angelina Caron, Banco HSBC, agência 1034, conta corrente e apresentar uma fotocópia do comprovante de depósito. 2. Das 13:00 até as 17:00 horas do dia 11 de dezembro de 2013, serão aceitas interposições de recursos. 3. Os recursos deverão ser encaminhados por escrito, em formulário específico disponível na COREME-HAC, devidamente fundamentados e assinados. 4. Os recursos deverão ser EXCLUSIVAMENTE fundamentados SOBRE A BIBLIOGRAFIA DA QUESTÃO, acompanhados da fotocópia da respectiva fundamentação e protocolados na COREME-HAC das 13:00 até as 17:00 horas do dia 11 de dezembro de Serão desconsiderados pela COREME-HAC os recursos que não estiverem de acordo com os ítens 3 e Uma vez julgados os recursos apresentados, não caberão recursos adicionais. 7. A pontuação referente às questões porventura anuladas será atribuída a todos os candidatos que fizeram a prova. Resultados finais Após a avaliação dos recursos pela banca examinadora designada pela COREME- HAC, será divulgado o gabarito definitivo a partir das 12:00 horas do dia 13 de dezembro de 2013 pelo site 1

2 1. Com relação às hérnias inguinais, assinale a resposta CERTA: a) A hérnia inguinal indireta, também chamada de oblíqua externa, é formada por um saco peritoneal que se exterioriza pelo ânulo inguinal profundo medialmente aos vasos epigástricos. b) A hérnia inguinal direta é mais comumente encontrada em pacientes jovens, sendo incomum em pacientes com idade avançada. c) A cirurgia para hérnia inguinal é classificada como cirurgia contaminada e haverá indicação de antibióticoprofilaxia. d) A hérnia crural femoral é mais comum em mulheres. Durante a correção cirúrgica desse tipo de hérnia, é imprescindível o uso de uma técnica que inclua o fechamento do espaço femoral. e) A técnica de Lichtenstein para reparo cirúrgico de hérnias inguinais é pouco utilizada pelo alto índice de recidiva herniário. COELHO JC e colaboradores. Aparelho Digestivo: Clínica e Cirurgia. Atheneu, Com relação a Hipertermia Maligna assinale a alternativa FALSA: a) A Hipertermia maligna é uma afecção rara de origem genética que acomete 1 em cada indivíduos b) Habitualmente manifesta-se por meio de febre alta (acima de 40 Graus), taquicardia, sudorese, rigidez muscular, cianose, rash cutâneo, geralmente 30 minutos após a indução anestésica, podendo manifestar-se até mesmo horas após o seu início. c) Hipocalemia e Alcalose metabólica são encontradas na maioria dos pacientes. d) O tratamento é específico, e a droga Dantrolene é o pilar fundamental para resolução do quadro. e) A Mortalidade dessa enfermidade é de aproximadamente 30%. Maia AM, Iglesias AC. Complicações em Cirurgia Prevenção e Tratamento Editora Guanabara Koogan Em paciente cirrótico com nódulo hipervascularizado medindo 4 cm, com trombose portal associada e alfafetoproteína com alteração significativa, o provável diagnóstico é: a) Doença metastática de provável origem coloretal. b) Hepatocarcinoma. c) Colangiocarcinoma, pois a alfafetoproteína é marcador específico desse tipo de câncer. d) Doença de Caroli. e) Rabdomiossarcoma. FORNER A, RODRÍGUEZ LC, REIG M, RIMOL J, VARELA M. early diagnosis of primary liver cancer: imaging versus genetics. Rev Esp Enferm Dig

3 4. Com relação aos princípios básicos para confecção de uma anastomose intestinal assinale a alternativa FALSA: a) A inversão das bordas deve ser evitada. b) Evitar tensão entre os segmentos a ser anastomosados. c) Manter adequada a perfusão sanguínea entre os segmentos. d) Evitar contaminação grosseira da sutura e) Evitar que haja obstrução distal à sua localização. Maia AM, Iglesias AC. Complicações em Cirurgia Prevenção e Tratamento Editora Guanabara Koogan No Esôfago de Barrett, podemos AFIRMAR que: a) O conceito atual de Esôfago de Barrett restringe-se somente à metaplasia intestinal no esôfago distal. b) O aspecto histológico da metaplasia intestinal no esôfago distal mostra células caliciformes também chamadas de células azuis quando coradas pelo corante alcian blue. c) A incidência de adenocarcinoma é elevada nas metaplasias intestinais do esôfago distal e tem aumentado nos últimos anos. d) É consenso que o esôfago de Barrett deve ser tratado por meio de cirurgia anti-refluxo. e) Na presença de displasia de alto grau, é consenso que este paciente deva ser encaminhado para terapia por ablação com a coagulação por plasma de argônio. SOBED - Soc. Brasileira de Endoscopia Digestiva. Endoscopia Gastrointestinal Terapêutica. Tecmed, A atelectasia é a mais comum complicação do trato respiratório e representa o colapso das vias aéreas menores e dos alvéolos. Assinala a alternativa FALSA: a) A atelectasia é, na sua grande maioria, difusa e de caráter heterogêneo. b) No pós-operatório, a mobilização precoce no leito e o início ainda no período de recuperação anestésica de fisioterapia diminuem muito a incidência de atelectasia. c) Grandes colapsos pulmonares geralmente são causados por obstrução de vias aéreas principais. d) Os primeiros sinais clínicos são taquicardia e febre. e) Hidratação eficiente, venosa ou oral, torna mais fluidas as secreções, facilitando a sua eliminação. Maia AM, Iglesias AC. Complicações em Cirurgia Prevenção e Tratamento Editora Guanabara Koogan

4 7. Com relação as perdas de eletrólitos e balanço hídrico em pacientes submetidos a cirurgias de médio e grande porte, assinale a alternativa verdadeira: a) Os pacientes em ventilação mecânica com pressão positiva com nebulizador estão menos expostos as perdas hídricas quando comparados a pacientes em ventilação espontânea. b) Ocorre mobilização de líquidos do interstício para o compartimento intra-vascular. c) Independem da faixa etária do paciente. d) Hiponatremia ocorre quando a dosagem sérica do sódio está abaixo de 145 meq/litro. e) As perdas pela via digestiva são as mais importantes. 8. Para investigação de icterícia obstrutiva, o exame mais indicado atualmente é: a) Colangiografia transparietohepática. b) Colangiografia trans-cística. c) Colangiorressonância. d) Colangiopancreatografia endoscópica retrógrada. e) Colecistograma oral. DANI, R. Gastroenterologia Essencial. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan Pág Com relação a Cirurgia de Varizes são considerados complicações do tratamento da croça da veia safena magna, EXCETO: a) Lesão do nervo ciático. b) Lesão da veia femoral. c) Lesão da artéria femoral. d) Lesão de linfonodos ou vasos linfáticos e) Coto residual (persistência do refluxo) Maia AM, Iglesias AC. Complicações em Cirurgia Prevenção e Tratamento Editora Guanabara Koogan Em relação ao risco cirúrgico: a) Em cirurgias de emergência nos pacientes acima de 70 anos, o risco de óbito é duas vezes maior, se comparado a cirurgias eletivas. b) Os avanços tecnológicos com cirurgias minimamente invasivas, avanços da anestesia e da técnica cirúrgicas não se mostraram eficazes na redução de complicações pós-operatórias. c) A idade cronológica é sempre um bom parâmetro para avaliar risco cirúrgico. d) Pacientes quer pararam de fumar 2 semanas antes da cirurgia tem risco de complicações pulmonares iguais aos não fumantes. e) No recém-nascido o risco cirúrgico é maior devido a labilidade no equilíbrio acido-básico e na hidratação e pela maior suscetibilidade a infecção. 4

5 11. Assinale os fatores locais que impedem ou dificultam o fechamento espontâneo das fístulas: a) Presença de abscesso intra-abdominal adjacente à fístula. b) Presença de corpo estranho. c) Fístula de trajeto curto. d) Todas as abaixo. e) Doença residual (câncer, doença inflamatória intestinal, enterite actínica). COELHO JC e colaboradores. Aparelho Digestivo: Clínica e Cirurgia. Atheneu, Considerando a ruptura de aneurisma aórtico abdominal uma cirurgia de emergência, qual das afirmativas abaixo está ERRADA? a) O paciente refere dor abdominal súbita com irradiação para dorso e região inguinal, sensação de desmaio e síncope. b) A tomografia de abdome é fidedigna para hemorragia por aneurisma roto; portanto, deve ser realizada mesmo com paciente instável. c) Podem ocorrer vasoconstrição periférica, hipotensão e anúria, indicando choque e necessidade de reposição imediata de solução salina isotônica endovenosa. d) Pode haver massa abdominal pulsátil se o sangramento permanecer contido no tecido periaórtico. e) A ecografia abdominal revela a presença de aneurisma, mas não é fidedigna para a presença de hemorragia. WAY, L. W.; DOHERTY,G. M. Cirurgia Diagnóstico e Tratamento. Guanabara Koogan, Com relação as complicações Pós-apendicectomia assinale a alternativa verdadeira: a) A maioria dos abscessos intraperitoneais localiza-se no espaço subfrênico direito. b) A drenagem das coleções intra-abdominais não devem ser realizadas por via percutânea guiada pela ultra-sonografia e/ou pela tomografia computadorizada. c) A bactéria causadora da Pileflebite é, na maioria das vezes, a Escherichia coli. d) Os abscesso intra-peritoneal é a complicações mais comum após a realização de apendicectomia. e) O uso de antibiótico, iniciado no período pré-operatório, não diminui a incidência de infecção da ferida operatória. Maia AM, Iglesias AC. Complicações em Cirurgia Prevenção e Tratamento Editora Guanabara Koogan

6 14. Assinale a alternativa CORRETA: a) A hérnia incisional é conseqüência do fechamento incorreto da parede abdominal com sutura contínua de um fio absorvível sintético como a poliglactina, quando foi submetido ao tratamento da úlcera perfurada. b) A hérnia incisional geralmente aparece nos primeiro 3 meses após a operação. c) A infecção pulmonar não pode ser considerada infecção hospitalar, visto que era esperada num doente portador de enfizema. d) O uso de pontos totais de reforço teria diminuído os riscos de hérnia incisional. e) A drenagem da cavidade abdominal foi primordial no tratamento de úlceras duodenais perfuradas com peritonite difusa. Norton JÁ, Barie PS, Bollinger RR, Chang AE. Surgery: basic Science and clinica evidence (Norton: Surgery). Springer 2008 Beauchamp DR, Ever MB, Mattox KL. Sabiston Textbook of Surgery: Expert Consult: On line print,townsend CM, As reações transfusionais mais comuns em ordem decrescente são: a) 1 a. Tranfusão incorreta de sangue ou hemoderivado; 2 a. Reação transfusional aguda; 3 a. Reação transfusional retardada. b) 1 a. Tranfusão incorreta de sangue ou hemoderivado; 2 a. Reação transfusional retardada; 3 a. Reação transfusional aguda; c) 1 a. Reação transfusional aguda; 2 a. Lesão aguda pulmonar; 3 a. Reação transfusional retardada. d) 1 a. Infecções; 2 a. Reação transfusional aguda; 3 a. Reação transfusional retardada. e) 1 a. Reação transfusional retardada; 2 a. Reação transfusional aguda; 3 a. Tranfusão incorreta de sangue ou hemoderivado Maia AM, Iglesias AC. Complicações em Cirurgia Prevenção e Tratamento Editora Guanabara Koogan Qual a constituição mais comum dos cálculos em vias urinárias? a) Ácido Úrico b) Cistina c) Indinavir d) Oxalato de cálcio e) Bicarbonato de Cálcio 6

7 17.Com relação as complicações pós-operatórias no paciente cirúrgico grave, assinale a alternativa FALSA: a) Náuseas e vômitos estão entre as complicações mais comuns do período pós-operatório. b) A causa do íleo pós-operatório prolongado é provavelmente multifatorial e mediado por reflexos neurais que potencializam o efeito negativo adrenérgico e inibem a resposta positiva colinérgica da atividade motora intestinal. c) A dilatação gástrica aguda é uma complicação pouco comum, geralmente relacionada a diagnóstico tardio e, por isso, com potencial letal. d) O principal agente etiológico envolvido na parotidite pós-operatória aguda é o Streptococcus pyogenes. e) O reflexo do soluço envolve uma alça aferente, uma central e uma eferente. Maia AM, Iglesias AC. Complicações em Cirurgia Prevenção e Tratamento Editora Guanabara Koogan Com relação ao risco cirúrgico relacionado ao paciente, são considerados preditores clínicos maiores de possíveis complicações no per operatório, EXCETO: a) Idade avançada. b) Infarto agudo do miocárdio recente (entre 7 e 30 dias) com evidência de isquemia residual importante por achados clínicos ou estudos não-invasivos. c) Valvulopatia severa. d) Bloqueio atrioventricular de alto grau. e) Angina instável ou severa (classes lll ou lv da Canadian Cardiovascular Society) Maia AM, Iglesias AC. Complicações em Cirurgia Prevenção e Tratamento Editora Guanabara Koogan Com relação as fístulas pós-operatórias são consideradas indicações da terapia de nutrição parenteral, EXCETO: a) Fístula Jejunal. b) Fístula Colocutânea. c) Fístula Ileal de Alto Débito. d) Intolerância a nutrição enteral. e) Fistula Esofágica, gástrica, duodenal e jejunal alta ( com acesso enteral distal impossível) 7

8 20. Paciente de 20 anos vítima de ferimento por arma de fogo em abdômen é atendido na sala de emergência com frequência cardíaca de 130bpm, PA 40/0, palidez cutânea. A enfermagem relata dificuldade de acesso venoso e consegue um Abocath 22 em mão. Qual a conduta correta: a) Dissecção de veia safena magna próximo ao tornozelo pois é um acesso rápido e calibroso. b) Levar o paciente imediatamente para o centro cirúrgico pois o acesso basta para a anestesia geral c) Acesso venoso central pois permite infusão de droga vasoativa para corrigir a pressão arterial d) Punção da tíbia pois o acesso intra-ósseo permite reposição volêmica e infusão de sangue e medicamentos. e) Insistir em acesso com Abocath 14 em veias do antebraço. ATLS 21. Recém nascido prematuro com polidrâminio durante a gestação não apresenta progressão da sonda nasogástrica para o estômago e não apresenta ar no estômago ao Rx. Qual a provável classificação de atresia de esôfago. a) Tipo A b) Tipo B c) Tipo C d) Tipo D e) Tipo E 22. Durante uma sutura de ferimento em face lateral de perna em terço superior próximo à cabeça da fíbula o paciente relata que não consegue levantar o pé. Qual o nome do nervo acometido? a) Nervo Sural. b) Nervo Tibial anterior c) Nervo Fibular comum d) Nervo Tibial posterior e) Nervo Ciático Sobotta - Anatomia 23. Sobre a fratura de Chance: a) Frequentemente causa lesão medular b) Ocorre em paciente vítima de acidente automobilístico com uso de cinto de 2 pontos comprimindo o corpo vertebral lombar. c) Ocorre luxação entre os corpos vertebrais 8

9 d) Ocorre em paciente vítima de acidente automobilístico por flexão e extensão do pescoço. e) Na radiografia há um aumento da distância entre os processos espinhosos e aumento da altura posterior do corpo vertebral. 24. Paciente vítima de contusão em cabeça apresenta perda da consciência cerca de 2 horas após o trauma. Durante o atendimento é indicado: a) Tomografia sem contraste pois é mais rápido e é suficiente para avaliar lesões graves. b) Tomografia com contraste pois é um exame mais completo. c) Radiografia de crânio e tomografia com contraste somente se a radiografia estiver alterada d) Ressonância magnética pois é um exame que demonstra melhor o parênquima cerebral e) Arteriografia cerebral pois demonstra o local de sangramento e possibilita embolização. 25. Durante uma laparotomia exploradora por traumatismo abdominal por projetil de arma de fogo é suspeitada uma lesão de veia cava inferior. O melhor acesso para correção dessa lesão é: a) Manobra de Cattell b) Dissecção pela face anterior da veia cava inferior c) Manobra de Kocher d) Manobra de Pringle e) Manobra de Mattox 26. A cirurgia pancreatojejunostomia longitudinal para pancreatite crônica objetiva: a) Prevenção do adenocarcinoma pancreático b) Melhorar a oferta de enzimas e diminuir a disabsorção c) Drenagem biliar d) Regressão da pancreatite crônica e) Analgesia 27.Qual o agente infeccioso mais frequente envolvido na colecistite aguda: a) Pseudomonas aeruginosa b) Escherichia coli c) Streptococcus faecalis d) Klebsiella pneumonieae e) Serratia marsensis 9

10 28.Sobre o tromboembolismo venoso, assinale a alternativa correta: a) A síndrome de May-Thurner leva a trombose das veias ilíacas direitas b) Insuficiência venosa crônica não é fator de risco para eventos tromboembólicos pósoperatórios c) Para profilaxia de tromboembolismo venoso no pós-operatório de artroplastia total de quadril deve-se manter o RNI do paciente entre 2,0 e 3,0 com uso de anticoagulantes d) Pacientes obesos que serão submetidos a cirurgias de grande porte devem ser submetidos a implante de filtro de veia cava como profilaxia de embolia pulmonar e) Mulheres grávidas tem risco de tromboembolismo venoso 10 vezes maior quando comparadas as não grávidas Brito CJ. Cirurgia vascular: 2 a edição, Qual das lesões polipóides colônicas abaixo possui maior risco para uma transformação maligna? a) Hamartoma. b) Adenoma serrilhado. c) Adenoma Tubular. d) Adenoma viloso. e) Pólipo hiperplásico. WAY, L. W.; DOHERTY,G. M. Cirurgia Diagnóstico e Tratamento. Guanabara Koogan, Sobre o abcesso de psoas: a) A drenagem percutânea é contraindicada pelo risco de perfuração intestinal b) A tríade clássica de febre, dor na região dorsal e dor à movimentação do quadril é patognomônica e indica a cirurgia apenas com esses achados. c) O melhor acesso cirúrgico para a drenagem é pela incisão oblíqua em quandrante inferior direito e dissecção do retroperitônio. d) A doença de Crohn não é causa secundária de abcesso de psoas pois a inflamação e infecção é intraperitoneal e o músculo psoas é retroperitoneal. e) A bactéria mais comumente envolvida é a Echerichia coli 31. A derivação intra-hepática portossistêmica transjugular (TIPS) tem como objetivo: a) Melhora da hemorragia digestiva alta enquanto aguarda transplante b) Melhora da insuficiência hepática enquanto aguarda transplante c) Tratamento da hipertensão portal com boa perviedade a longo prazo d) Drenagem biliar e portal enquanto aguarda transplante e) Diminuição da sobrecarga sinusoidal hepática. 10

11 32.O tratamento cirúrgico de hérnia inguinal que consiste em sutura do arco aponeurótico do músculo transverso, associado a uma incisão relaxadora na bainha do músculo reto abdominal é a técnica de: a) Shouldice b) Bassini c) Lichtenstein d) Marcy e) McVay 33.Os critérios de Ranson para pancreatite aguda são: a) Utilizados para definir a necessidade de jejum b) Utilizados para definir a quantidade de reposição volêmica c) Utilizados para definir a cirurgia de necrosectomia d) Utilizados para prognóstico e) Utilizados para definir as sequelas após o tratamento. 34.Paciente masculino, 65 anos, etilista, admitido no pronto atendimento com história de hematêmese há algumas horas. HMP: vômitos com sangue anterior. Ao exame: PA 90X50 P: 110. Emagrecido, palidez cutâneo-mucosa +++/4. Sudorese fria. Aranhas vasculares no tórax e abdômen. Ginecomastia. Piparote ++. Nesse caso, qual a conduta inicial mais adequada, segundo o consenso de Baveno IV: a) Endoscopia Digestiva de urgência para diagnóstico e ligadura elástica das varizes para tratamento do sangramento agudo. b) Iniciar reposição rápida de Solução salina isotônica por acesso venoso calibroso. Podem-se utilizar expansores de plasma para estabilidade hemodinâmica. c) Balão de Sengstaken-Blakemore como primeira alternativa para o tratamento. d) Tratamento clínico com Inibidor da Bomba de Próton em altas doses, betabloqueadores e análogo da Somatostatina como a Terlipressina. e) TIPS, Shunts cirúrgicos ou Transplante hepático. SOBED Soc. Brasileira de Endoscopia Digestiva. Endoscopia Gastrointestinal Terapêutica

12 35.Nos casos de Púrpura Trombocitopênica Idiopática, podemos afirmar que: a) A esplenectomia é a forma mais efetiva de tratamento para as formas de moderadas a graves. b) Os casos graves têm a alternativa de tratamento conservador, sem a necessidade de corticosteróides. c) A esplenomegalia geralmente está presente. d) Após a esplenectomia não há necessidade de vacinas anti-haemophilus. e) As plaquetas levam de 6 a 8 semanas para normalizarem. WAY, L. W.; DOHERTY,G. M. Cirurgia Diagnóstico e Tratamento. Guanabara Koogan, Detectado câncer colo-retal na presença de metástases hepáticas e pulmonares, por onde começar? a) Pelo intestino devido ao risco de obstrução. b) Por onde a doença for mais avançada. c) Pelo fígado. d) Pelos pulmões. e) Pelo intestino e fígado simultaneamente. CONSENSO - XXVI CONGRESSO BRASILEIRO DE CIRURGIA, Paciente de 27 anos dá entrada no pronto-socorro vítima de ferimento de arma branca em abdome (parede abdominal anterior periumbilical esquerda) e ferimento de arma branca em tórax (parede torácica anterior ao nível do quarto espaço intercostal à direita). Ao exame físico: paciente hemodinamicamente estável, freqüência respiratória de 18ipm, saturação de oxigênio 95%, murmúrio vesicular diminuído à direita, timpanismo à percussão torácica, dor abdominal difusa de moderada intensidade à palpação com sinais de irritação peritoneal. Em relação ao caso clínico exposto, assinale a alternativa CORRETA: a) Este paciente deve ser levado imediatamente ao centro cirúrgico e submetido à laparotomia mediana e à toracotomia antero-lateral direita pelo grande risco de lesão vascular torácica. b) Este paciente pode ser submetido a tratamento conservador em relação ao ferimento abdominal. c) Se durante a laparotomia para tratamento do ferimento abdominal fosse evidenciado lesão de intestino delgado a 40 cm do ângulo de Treitz grau II, a melhor conduta a ser adotada seria enterectomia segmentar. d) RX de tórax AP pode ser realizado como método de imagem diagnóstico auxiliar após avaliação primária, uma vez que o paciente está hemodinamicamente estável. e) A Toracocentese de alívio deveria ser realizada já na sala de emergência, após exame físico do paciente, pelo risco de pneumotórax hipertensivo. COELHO JC e colaboradores. Aparelho Digestivo: Clínica e Cirurgia. Atheneu, Advenced Trauma Life Support for Doctors ATLS- SAVT Manual do Curso para Alunos - Colégio Americano de Cirurgiões 12

13 38.Referente às doenças que acometem a via biliar: I. Na hemobilia, quando o sangramento é ativo e intenso, pode ocorrer solidificação de coágulos e icterícia obstrutiva. II. A discinesia do esfíncter de Oddi é uma constrição funcional devido a uma alteração primária da motilidade e pode estar presente em pequena porcentagem de pacientes com síndrome póscolecistectomia. III. Em caso de suspeita de cálculo em via biliar principal, a exploração transcística é a técnica mais comumente utilizada nas cirurgias videolaparoscópicas. IV. O câncer de ducto biliar extra-hepático é encontrado em mais da metade dos casos nas porções mais distais do ducto biliar comum. V. A síndrome de Mirizzi tipo II é definida como a compressão externa da via biliar principal por um cálculo impactado no infundíbulo vesicular, com processo inflamatório associado. São consideradas VERDADEIRAS as afirmações: a) II, III, IV. b) III, IV, V. c) I, II, V. d) I, IV,V. e) I, II, III. COELHO JC e colaboradores. Aparelho Digestivo: Clínica e Cirurgia. Atheneu, O abdome agudo oclusivo possui várias causas. Das afirmativas abaixo, qual está ERRADA: a) A obstrução mecânica da luz intestinal pode ocorrer por íleo biliar, fecaloma e bezoar. b) Pode haver obstrução por lesão da parede intestinal como ocorre nas doenças inflamatórias, diverticulite de cólon e neoplasias. c) Os vômitos são fecalóides quando a obstrução ocorre antes do ângulo de Treitz. d) A obstrução extrínseca ao intestino pode ser decorrente de aderências, hérnias, volvo intestinal, abscessos e hematomas. e) Neoplasia de cólon e diverticulite são causas mais freqüentes de obstrução nos idosos. SCHWARTZ SI, SHIRES GT, SPENCER FC. Princípios de Cirurgia. Guanabara-Koogan, No trauma abdominal fechado, com paciente estável hemodinamicamente, após uma ecografia positiva para líquido livre em cavidade abdominal, qual seria a próxima conduta? a) Observação. b) Tomografia abdominal. c) Laparotomia exploradora. d) Radiografia para abdome agudo. e) Repetir ecografia após 1 hora. 13

14 MACHI J, STAREN E. Ultrasound for Surgeons. Lippincott, USA: Landes. Bioscience, Considerando que o tumor de Wilms é uma neoplasia embrionária do rim, também chamado de nefroblastoma, qual das alternativas abaixo está ERRADA: a) Uma tumoração abdominal palpável está presente em quase todos os casos. b) A ecografia e tomografia abdominais geralmente distinguem o nefroblastoma de outros tumores. c) O tumor de Wilms está associado a anomalias geniturinárias. d) O pico de incidência dessa neoplasia ocorre dos 2 aos 3 anos de idade. e) É necessário realização de quimioterapia e radioterapia pré-operatória. WAY LW, DOHERTY GM. Cirurgia - Diagnóstico e Tratamento. Guanabara-Koogan, SCHWARTZ SI, SHIRES GT, SPENCER F. C. Princípios de Cirurgia. Guanabara-Koogan, Em relação à cicatrização normal de feridas por segunda intenção, qual das situações abaixo está ERRADA: a) Os macrófagos não interferem na formação do tecido de granulação. b) Na fase de hemostasia, ocorre a ativação do complemento e seqüência de eventos de inflamação. c) A formação do tecido de granulação é estimulada por níveis baixos de bactérias na ferida, mas é inibida quando o nível de contaminação é alto. d) A presença da fibronectina na matriz provisória do tecido conjuntivo auxilia a migração dos fibroblastos para o interior da ferida. e) A reepitalização da ferida ocorre a partir da movimentação dos ceratinócitos das bordas livres, dos folículos pilosos e glândulas sudoríparas. IRION G. Feridas Novas Abordagens, Manejo Clínico e Atlas em Cores. Guanabara Koogan Após ressecção distal extensa de intestino delgado (íleo), o paciente apresenta efeitos relacionados à absorção. A partir desse contexto, assinale a alternativa INCORRETA: a) Aumento da motilidade gástrica. b) Diarréia. c) Maior absorção de vitamina B12. d) Redução da absorção de sais biliares e aumento da incidência de cálculos biliares. e) Maior absorção de oxalato de cálcio e aumento da incidência de cálculos renais. COELHO JC e colaboradores. Aparelho Digestivo: Clínica e Cirurgia. Atheneu,

15 44. Paciente masculino, 61 anos de idade, refere início, há três meses, de disfagia progressiva para sólidos, pastosos e líquidos associada a emagrecimento de 7Kg nesse mesmo período. Após investigação detalhada do caso, foi diagnosticado câncer de esôfago. Em relação à essa patologia, assinale a alternativa INCORRETA: a) A dor de garganta e sialorréia são comuns nos estágios avançados dessa doença quando localizados nos segmentos cervical e torácico proximal. b) Disseminação hematogênica ocorre nas fases precoces da doença, sendo o fígado e os pulmões os órgãos preferências nesse processo. c) O objetivo comum do tratamento radical, curativo ou não, é realizar ressecção da maior extensão esofágica possível, já que a disseminação linfática submucosa axial é sempre extensa, mesmo em tumores não avançados. d) O procedimento cirúrgico de Akiyama (três acessos) apresenta grande agressividade operatória, porém das técnicas cirúrgicas utilizadas é aquela em que os princípios de ressecção oncológica são mais respeitados. e) O estômago é a víscera preferencial para substituir o esôfago nas ressecções por tumores do segmento torácico. COELHO JC e colaboradores. Aparelho Digestivo: Clínica e Cirurgia. Atheneu, Assinale a alternativa CORRETA: a) A infecção de área cirúrgica é a segunda causa mais freqüente de infecção hospitalar. b) Quanto à classificação ASA, poderemos considerar o paciente como ASA 4. c) As infecções de área cirúrgica ocorrem até 30 dias após a intervenção. O diagnóstico mais provável é de rejeição da tela. d) As telas de polipropileno são microporosas; logo, não são incorporadas no local da implantação e sim encapsuladas. e) O tabagismo por si só não é fator de risco no que concerne às infecções cirúrgicas. Center of Disease Control and Prevention Hospital Infection Control Practices Advisory Committee; Surgical Infectious Diseases. Richard Howard & Richard Simmons. Greca, F et al. The influence of porosity on the integration histology of two polypropylene meshes fot the treatment of abdominal wall defects in dogs Nos casos de pacientes com cirrose, são indicações de transplante de fígado: a) Hemorragia alta de repetição. b) Ascite descompensada. c) Hepatocarcinoma de 10 cm. d) Todas corretas. e) Questões b e c estão corretas. GARCIA VD, FILHO MA, NEUMANN, JM; PESTANA, JM. Transplante de Órgãos e Tecidos. Farma,

16 47. Em relação às cadeias de disseminação linfáticas do câncer gástrico, é CORRETO afirmar: a) As cadeias correspondentes à curagem ganglionar D1 incluem além das cadeias anteriormente mencionadas, também a cadeia da gástrica esquerda. b) As cadeias correspondentes ao grupo N1 incluem: os grupos gangionares paracárdicos direito e esquerdo, da pequena e da grande curvatura e supra e infra pilóricos. c) A curagem gangionar D 3 é consenso atualmente como a melhor alternativa para o câncer gástrico. d) Uma ressecção oncológica R1 significa presença de resíduo tumoral macroscópico. e) A radiofreqüência é, no consenso médico, a melhor alternativa no tratamento paliativo do câncer gástrico avançado. MARESCAUX J, EVRARD SC. Ganglionnaires Dans le Cancer de l`estomac: Enjeux et Techniques Chirurgicales. Techniques chirurgicales Appareil digestif. 48. Em relação ao transplante pancreático, é CORRETO afirmar: a) Paciente de 32 anos, diabético do tipo 1, com clearance de creatinina < de 20 ml/min, tem indicação de transplante isolado de pâncreas, pois ainda tem função renal residual. b) Paciente de 32 anos com infecção abdominal por bactéria fora transplantado de pâncreas há 2 meses. Nesse caso, o ideal é aumentar a imunossupressão pelo risco de a infecção desencadear rejeição. c) O transplante pancreático é feito de forma dita ortotópica. d) Paciente de 50 anos, diabético tipo 1, transplantado de rim há 5 anos, com alteração de creatinina pela diabetes, pode receber um transplante isolado de pâncreas. e) O transplante de pâncreas pós-rim tem o mesmo índice de rejeição que o transplante duplo de rim-pâncreas. GARCIA VD, FILHO MA, NEUMANN JM, PESTANA JM. Transplante de órgãos e tecidos. Farma, Paciente do sexo masculino, 50 anos, apresentando dor retroesternal há 4 semanas com investigação cardiológica normal. Nesse caso, qual exame solicitar e por quê? a) Endoscopia Digestiva Alta para investigação de esofagite. b) PHmetria de 24 horas para investigação de refluxo gastro-esofágico com sintoma atípico. c) Mais de uma correta. d) Manometria esofágica para investigação de distúrbio de motilidade (esôfago em quebra-nozes e espasmo difuso do esôfago). e) Iniciar tratamento clínico com bloqueador de canal de cálcio ou vasodilatador, pois estão indicados tanto para isquemia miocárdica quanto para distúrbios de motilidade esofágica. WAY, L. W.; DOHERTY,G. M. Cirurgia Diagnóstico e Tratamento. Guanabara Koogan,

17 50. Paciente de 52 anos sem co-morbidades faz diagnóstico de tumor de corpo gástrico de 4 cm ulcerado, com biópsia de adenocarcinoma pouco diferenciado e sem doença à distância. Nesse caso, a conduta seria: a) Radio-quimio somente. b) Gastrectomia subtotal com curagem D2. c) Gastrectomia polar superior. d) Gastrectomia total com curagem D2. e) Ressecção local. LY QP, SASSON AR. Modern surgical considerations for gastric cancer. J Natl Compr Canc Netw

PROVA E GABARITO FINAL MATRÍCULAS. 1. Primeira chamada para todos os candidatos aprovados para preencher as vagas a que

PROVA E GABARITO FINAL MATRÍCULAS. 1. Primeira chamada para todos os candidatos aprovados para preencher as vagas a que PROVA E GABARITO FINAL MATRÍCULAS 1. Primeira chamada para todos os candidatos aprovados para preencher as vagas a que fizeram juz deverão efetuar sua matrícula nos dias 20 a 21 de janeiro de 2014, das

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CIRURGIÃO GERAL C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral QUESTÃO 01 Representa contra-indicação absoluta à colonoscopia: a) Volvo de sigmóide b) Doença inflamatória intestinal c) Câncer colorretal d) Doença diverticular e) Megacólon tóxico QUESTÃO 02 São fatores

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

2. PRÉ- REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO:

2. PRÉ- REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO: EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA CATEGORIA ESPECIAL PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO 2010 Pelo presente edital, o CBCD Colégio Brasileiro de Cirurgia

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL QUESTÃO 21 São afirmativas verdadeiras sobre o Hiperparatireoidismo, EXCETO: a) É mais comum no sexo feminino. b) Os adenomas são a causa mais

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. Procedimentos Robóticos em Cirurgia abdominal 8:45-9:00 Cirurgia Robótica das afecções do

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

Oclusão do tubo digestivo

Oclusão do tubo digestivo ABDOME AGUDO O diagnóstico sindrômico de abdome agudo (AA) é caracterizado pela presença de dor abdominal intensa e aguda (horas até 4 dias). O número de causas é enorme e ainda assim, a maioria dos casos

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 QUESTÃO 17 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal, qual

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 355/2014 Informações sobre Questran Light

RESPOSTA RÁPIDA 355/2014 Informações sobre Questran Light RESPOSTA RÁPIDA 355/2014 Informações sobre Questran Light SOLICITANTE Drª. Mônika Alessandra Machado Gomes Alves, Juíza de Direito do Juizado Especial de Unaí NÚMERO DO PROCESSO 0049989-72.2014 DATA 07/06/2014

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

Comissão de Processos Vestibulares 23/03/2014. Médico Cirurgião Geral

Comissão de Processos Vestibulares 23/03/2014. Médico Cirurgião Geral Comissão de Processos Vestibulares 23/03/2014 Médico Cirurgião Geral Comissão de Processos Vestibulares PROCESSO SELETIVO - HUAC 23 de março de 2014 Nível Superior Médico Cirurgião Geral GABARITO DO CANDIDATO

Leia mais

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Copyright Bahia Gastro Center - 2009 1 Quem pode ter pedra (cálculo) na vesícula?

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos TRAUMA RAQUIMEDULAR Dr Antonio Eulalio TRAUMA RAQUIMEDULAR Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m Nº casos/ano : 8.000 Sexo : preferencialmente masculino Faixa etária : entre 15 e 40 anos Custo

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA Você recebeu o seguinte material: 1. Um CADERNO DE PROVA ESCRITA

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015

Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015 Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015 A COREME- Comissão de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas comunica que estarão

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO. Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO. Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO QUESTÃO 21 Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar: a) O reforço da parede posterior só estaria indicado em

Leia mais

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO 5º ANO SUMÁRIO Métodos de imagem (MI) Pancreatite aguda (PA) Pancreatite crónica (PC) Tumores do pâncreas MÉTODOS DE IMAGEM Ecografia ( ECO ) Tomografia computorizada ( TC ) Ressonância magnética ( RM

Leia mais

03 de dezembro de 2008

03 de dezembro de 2008 Processo Seletivo de Residência Médica da Aliança Saúde PUCPR Santa Casa para 2009 03 de dezembro de 2008 ESPECIALIDADES: CIRURGIA PLÁSTICA CIRURGIA TORÁCICA CIRURGIA VASCULAR CIRURGIA CARDIOVASCULAR CIRURGIA

Leia mais

Sessão Cardiovascular

Sessão Cardiovascular Sessão Cardiovascular Dr Carlos Jader Feldman Priscila Schenkel R3 26/10/2012 Sexo feminino, 46 anos Hemiplegia à esquerda Dissecção arterial 3 camadas: -intima, média, adventícia Dissecção = ruptura na

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 Caso Clínico 1 Paciente de 55 anos, sexo feminino, chega ao ambulatório de Cirurgia Geral com quadro de icterícia, colúria e acolia fecal. Segundo a paciente, já era portadora de colelitíase sintomática,

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO MEDICINA/GERIATRIA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 A surdez pode ser efeito colateral do uso de:

Leia mais

FUNDAÇÃO HOSPITALAR DE TERESINA CADERNO DE PROVA CLÍNICA CIRÚRGICA E OBSTETRÍCIA

FUNDAÇÃO HOSPITALAR DE TERESINA CADERNO DE PROVA CLÍNICA CIRÚRGICA E OBSTETRÍCIA 01. Paciente de 27 anos dá entrada no pronto-socorro vítima de ferimento de arma branca em abdome (parede abdominal anterior periumbilical esquerda) e ferimento de arma branca em tórax (parede torácica

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

da Junção Esofagogástrica

da Junção Esofagogástrica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 15/04/04 Carcinoma da Junção Esofagogástrica strica Diego Teixeira Alves Rangel Casos do Serviço (2001 2004) Nome Idade Diagnóstico Acesso Cirurgia

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos 09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos como os resíduos nos estados sólidos e semissólido,

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes;

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; CIRURGIAS CARDÍACAS CIRURGIA CARDÍACA As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; Na Europa e Brasil, até fins do século XIX não eram realizados procedimentos cirúrgicos na cardiologia; Com o avanço

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO...

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO gesep ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... 2009 Converse com o paciente... A Anamnese e o Ex. Físico 70% dos diagnósncos são baseados apenas na história 90% dos diagnósncos

Leia mais

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites Abdome Agudo Inflamatório Peritonites Conceito: Classificação: Funcionais ou Fisiopatológicas Peritonite Primária ou Espontânea Peritonite Secundária Peritonite Terciária Quanto à Extensão Generalizada

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais