PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO"

Transcrição

1 Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROVA TESTE CIRURGIA GERAL 31 de Outubro de 2010 INSTRUÇÕES 1. Não manuseie este caderno e o cartão-resposta até receber a autorização do fiscal. 2. Ao receber autorização, verifique, neste caderno, se constam todas as questões e se há imperfeição gráfica que lhe cause dúvidas. Qualquer reclamação só será aceita durante os quinze minutos iniciais da prova. 3. No cartão-resposta, confira o seu nome e o seu número. Verifique se há imperfeição gráfica ou marcações indevidas no campo destinado às suas respostas. Se houver, reclame imediatamente. 4. Este caderno contém 50 questões objetivas. Cada questão contém cinco (5) alternativas, identificadas pelas letras (A), (B), (C), (D) e (E), das quais apenas uma é a correta. Transcreva para o cartão-resposta a letra correspondente à alternativa correta, preenchendo todo o espaço do círculo. Não deixe nenhuma questão sem preenchimento. 5. A prova terá duração de 4 (quatro) horas. Não haverá tempo adicional para transcrição do gabarito. 6. Você somente poderá deixar este recinto 2 horas após o início da prova. NOME:

2

3 CIRURGIA GERAL 01. Paciente de 18 anos apresenta diagnóstico de Doença de Crohn há 2 anos e está em tratamento, desde então. Apresenta episódios recorrentes de dor abdominal tipo cólica e diarreia, além de crescimento abaixo do esperado. Assinale a alternativa INCORRETA. (A) Há indicação de ressecção cirúrgica das áreas afetadas para que se corrija o déficit de crescimento, desde que se tenha chegado ao limite das possibilidades de tratamento clínico. (B) Áreas de estenose com dilatação à montante vistas no Trânsito Intestinal são melhor tratadas por estricturoplastias ou estenosoplastias (C) O uso de terapia biológica deve ser evitado no tratamento das estenoses de delgado por Doença de Crohn. (D) O uso de corticosteroides pode ser útil como auxiliar no tratamento das reagudizações (E) A Doença de Crohn é uma doença crônica e mais comum em indivíduos jovens. 02. Em relação ao trauma pancreático, assinale a alternativa INCORRETA. (A) O trauma pancreático é uma entidade rara, que ocorre em menos de 1% dos pacientes atendidos em hospitais de referência em trauma. (B) A Tomografia Computadorizada é o primeiro exame que deve ser solicitado no paciente estável hemodinamicamente, vítima de contusão abdominal com suspeita de trauma pancreático. (C) Todo hematoma peripancreático deve ser explorado. (D) Os traumas pancreáticos que evoluem tardiamente com abscesso e pseudocistos infectados devem ser tratados, preferencialmente, por laparotomia para drenagem e desbridamento (E) A espessura da parede do pseudocisto de pâncreas deve ser superior a 3mm para que se indique a marsupialização interna. 03. Em relação ao tratamento das fístulas digestivas, é correto o emprego das medidas abaixo, EXCETO: (A) Terapia nutricional. (B) Sutura do orifício fistuloso quando houver indicação de tratamento cirúrgico. (C) Tratamento da infecção associada por meio de antibióticos e drenagem de abscessos intraabdominais. (D) Uso de colas biológicas (E) Correção dos distúrbios hidroeletrolíticos e ácido-básicos. 04. Em relação à cirurgia bariátrica, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Após as gastroplastias em Y de Roux, Scopinaro e duodenal switch, os pacientes devem fazer uso de polivitamínicos e minerais, como, vitamina B1, B12, ferro e cálcio. (B) Vários estudos relatam que a perda do excesso de peso varia de 25% a 40%, sustentado nos cinco anos seguintes. (C) A população de obesos elegíveis para o tratamento cirúrgico é inferior a 1%. (D) A complicação tardia mais comum da banda gástrica ajustável é a esofagite que pode já existir previamente ou pode decorrer da má posição da banda. (E) Nas operações disabsortivas, a complicação mais grave é a desnutrição proteica que pode levar à anasarca. Nos casos em que isso ocorre, os pacientes devem ser manejados exclusivamente por tratamento clínico, uma vez que esses distúrbios tendem a ser resolver com o tempo. Cirurgia Geral Página 1

4 05. Em relação aos tumores gástricos, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Segundo a classificação de Lauren para os adenocarcinomas gástricos, o tipo difuso é aquele que tem características genéticas e familiares e o tipo intestinal é fortemente associado a fatores ambientais, dietéticos e cirúrgicos. Um indivíduo tem sete vezes mais chances de ter câncer gástrico do tipo difuso, se um familiar próximo tiver tido essa doença. (B) Dieta rica em sal e defumados e o tabagismo são fatores ambientais que predispõem ao desenvolvimento de neoplasias gástricas. (C) A anemia perniciosa, a atrofia gástrica, a metaplasia intestinal e a displasia estão implicadas nos mecanismos de carcinogênese gástrica. (D) Os pacientes submetidos à gastrectomia parcial com reconstrução à Billroth I ou II são mais propensos ao desenvolvimento de adenocarcinoma gástrico, provavelmente pelas alterações provocadas pela bile, banhando constantemente a mucosa gástrica. (E) Os pólipos gástricos hiperplásicos não têm potencial de malignização. 06. Em relação às metástases hepáticas de câncer colorretal, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Aproximadamente, 10% a 25% dos pacientes com câncer colorretal têm metástases hepáticas no momento do diagnóstico, ou seja, lesões sincrônicas. Nesses casos, a doença metastática pode ser diagnosticada durante o estadiamento do tumor primário, no pré-operatório, ou durante a cirurgia. (B) A sobrevida média em todos os pacientes com metástase hepática encontra-se entre cinco e nove meses. (C) Metástases hepáticas devem ser ressecadas com margem superior a um centímetro para qua haja algum benefício para o paciente. (D) Pacientes com parênquima normal suportam ressecções de até 75% do parênquima hepático. (E) A ultrassonografia intra-operatória não é superior a outros métodos de imagem realizados no préoperatório na detecção de metástases hepáticas. 07. Em relação aos nódulos pancreáticos, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Aproximadamente, 15% a 20% dos tumores pancreáticos são passíveis de ressecção cirúrgica. (B) Na duodenopancreatectomia, a reconstrução com uma, duas ou três alças intestinais não apresenta diferença na morbidade ou mortalidade. (C) A dilatação do ducto Wirsing à Tomografia é altamente sugestiva de carcinoma ductal, mesmo sem a visualização específica desse tumor. (D) O marcador tumoral mais específico para câncer de pâncreas é o CA19-9, entretanto, 7% a 10% da população não podem produzir esse marcador. (E) A biópsia percutânea nunca deve ser realizada para diagnóstico de nódulos pancreáticos em lesões passíveis de ressecções curativas. 08. Em relação à videolaparoscopia no trauma abdominal, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Estabilidade hemodinâmica e equipe devidamente capacitada são condições fundamentais para a realização de videolaparoscopia no trauma abdominal. (B) Ferimentos abdominais por arma branca podem ser tratados por videolaparoscopia em casos selecionados. (C) Ferimentos na transição toraco-abdominal são a principal indicação de videocirurgia. (D) Nos ferimentos de diafragma, pode haver pneumotórax hipertensivo após a realização do pneumoperitônio para a abordagem laparoscópica e aspiração para o tórax de secreções intestinais, caso haja lesão de alças. Dessa forma, na suspeita de tais lesões, é contra-indicada a abordagem laparoscópica. (E) Nos ferimentos por arma de fogo abdominais com trajeto tangencial, pode-se utilizar a videolaparoscopia para se avaliar a penetração na cavidade. Cirurgia Geral Página 2

5 09. Em relação a controle de danos, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Nos pacientes politraumatizados graves, considera-se a tríade letal: acidose, hipotermia e coagulopatia. (B) Cirurgia de controle de danos é o controle inicial da hemorragia e contaminação, seguido do tamponamento intraperitoneal e fechamento rápido, permitindo a reanimação para a fisiologia normal na unidade de terapia intensiva e subsequente reoperação definitiva. (C) A temperatura da sala cirúrgica deve permanecer em torno de 28⁰C, que é a xona termoneutra, e os cristaloides infundidos devem ser aquecidos a 39⁰C em microondas. (D) As lesões pulmonares e cardíacas podem ser tratadas por clampeamento direto da ferida na sala de emergência, para posterior sutura no Centro Cirúrgico. (E) Lesões intestinais com extravasamento podem ser tratadas por secção segmentar com grampeadores mecânicos, para posterior anastomose definitiva. 10. Em relação à isquemia mesentérica aguda, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Digitálicos e diuréticos podem ser fatores predisponentes para a isquemia arterial não-oclusiva. (B) A isquemia segmentar focal ocorre em, aproximadamente, 30% dos casos de isquemia mesentérica e tem melhor prognóstico que a Trombose Mesentérica. (C) A dor abdominal é de início súbito, de forte intensidade e está presente em 75% a 98% dos casos de isquemia mesentérica aguda. (D) A taxa de mortalidade é de 70% a 90%. (E) As angiografias, especialmente a aortografia e a arteriografia seletiva das artérias mesentéricas superior e inferior, representam os métodos propedêuticos de escolha. 11. Em relação às hérnias diafragmáticas traumáticas, assinale a alternativa INCORRETA. (A) As lesões do hemidiafragma esquerdo ocorrem com maior frequência do que as lesões do hemidiafragma direito, chegando a taxas de 25 para 1 em algumas séries. (B) São sinais clássicos de hérnia diafragmática traumática descritos por Bowditch: diminuição da mobilidade do hemitórax esquerdo, deslocamento da área cardíaca para a direita, ausência de murmúrio vesicular no hemitórax esquerdo, presença de ruídos hidroaéreos no hemitórax esquerdo e timpanismo à percussão no hemitórax esquerdo. (C) A radiografia de tórax é o exame de imagem inicial a ser realizado na suspeita de hérnia diafragmática traumática. (D) Toda lesão diafragmática deve ser corrigida. (E) O uso de próteses é contra-indicado no tratamento das hérnias crônicas pelo risco de lesão de alças e formação de fístulas digestivas. 12. Em relação ao câncer colorretal, assinale a alternativa INCORRETA: (A) Aproximadamente, 1% a 3% dos carcinomas colorretais são relacionados às síndromes polipoides hereditárias, tais como, Polipose adenomatosa familiar, Síndrome de Gardner e Síndrome de Turcot. (B) Não há evidências suficientes de que a dieta rica em gordura animal esteja relacionada com o aumento da incidência de câncer colorretal. (C) Mulheres com história pessoal de câncer de mama, endométrio e ovário têm maior probabilidade de desenvolver câncer colorretal que o restante da população normal. (D) Aproximadamente, 10% dos indivíduos com câncer colorretal desenvolvem metástases peritoneais. (E) Segundo a classificação TNM, pode-se dizer que um indivíduo com adenocarcinoma de colo que atinge até a camada muscular e apresenta comprometimento linfonodal encontra-se em estágio III. Cirurgia Geral Página 3

6 13. Em relação à Doença Diverticular dos Colos (DDC), assinale a alternativa INCORRETA. (A) A DDC tem distribuição homogênea em todos os segmentos colônicos. (B) O desenvolvimento da DDC está relacionado, dentre outros fatores, ao aumento da pressão intraluminal colônica. (C) Estima-se que 10% a 25% dos indivíduos com DDC apresentam Diverticulite em algum momento da vida. (D) Tomografia computadorizada de abdome é o método de imagem de escolha para o diagnóstico de Diverticulite Aguda. (E) Estenose, impossibilidade de diferenciar DDC de neoplasia e fístulas são indicações de tratamento cirúrgico na Diverticulite de sigmoide. Nessas situações, a melhor opção terapêutica é a sigmoidectomia. 14. Em relação à Fissura anal, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Hipertonia esfincteriana é, normalmente, observada em pacientes que apresentam Fissura anal. (B) Mais de 80% dos pacientes com Fissura anal as apresentam na linha média posterior. (C) O uso de nitratos e bloqueadores de canais de cálcio tópicos consiste no tratamento clínico da fissura aguda. (D) Para a fissura crônica, a melhor opção terapêutica é a fissurectomia e esfincterotomia interna na linha média posterior. (E) Fissura, papila hipertrófica e plicoma fazem parte da tríade da Fissura anal. 15. Em relação à Hipertensão portal, assinale a alternativa INCORRETA. (A) A Esquistossomose é causa frequente de Hipertensão portal, no Brasil, do tipo pré-sinusoidal, enquanto que a Cirrose alcoólica leva à Hipertensão portal do tipo sinusoidal. (B) A Classificação de Child-Pugh, que avalia o grau de comprometimento hepático, leva em consideração dosagem de albumina, tempo de protrombina, níveis de transaminases, presente de ascite e encefalopatia. (C) O gradiente de pressão venosa hepática é de 6mmHg a 8mmHg e na, Hipertensão portal, geralmente, é maior que 10mmHg. (D) Em vigência de hemorragia digestiva alta por varizes de esôfago, a ligadura elástica por endoscopia é a primeira opção de tratamento, sendo, hoje, considerada melhor opção que a escleroterapia endoscópica. (E) O TIPS (Transjugular intrahepatic portal systemic shunt) é um método de descompressão da hipertensão portal que pode ser utilizado em pacientes com varizes de esôfago sangrantes ou ascite. 16. Em relação à coledocolitíase, assinale a alternativa INCORRETA. (A) A Colangiorressonância é tão eficaz quanto a Colangiopancreatografia endoscópica no diagnóstico de coledocolitíase, porém, é menos efetiva, por não permitir o tratamento da afecção. (B) Aproximadamente, 4% dos pacientes submetidos a colecistectomia apresentam coledocolitíase não suspeitada, o que justifica a realização de colangiografia transoperatória sistemática em muitos serviços de cirurgia do aparelho digestório. (C) Em casos de acentuada dilatação da via biliar comum, pode-se realizar colédoco-jejunostomia em Y de Roux, tendo-se o cuidado de utilizar fios monofilamentares como polidioxanona (PDS ) ou polipropileno. (D) Colangite é a mais grave complicação da coledocolitíase e a principal etapa do tratamento é a drenagem da via biliar. (E) Hepatolitíase é, geralmente, uma doença primária das vias biliares intra-hepáticas. Cirurgia Geral Página 4

7 17. Em relação aos traumas colorretais, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Lesões colônicas menores que 50% e sem desvacularização podem ser tratadas por sutura primária, independente do segmento comprometido. (B) Lesões associadas aumentam a morbidade e mortalidade, porém, a contaminação fecal é o fator independente mais associado ao risco de sepse abdominal. (C) A técnica de reparo das lesões, seja sutura manual ou mecânica, não influencia no resultado ou complicações pós-operatórias. (D) Lesões do reto extra-peritoneal devem ser tratadas por sutura primária com ou sem colostomia. (E) Lesões do reto intra-peritoneal devem ser tratadas de forma semelhante às colônicas. 18. Em relação à parede abdominal e às incisões, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Incisões transversais resultam em menor número de eviscerações que incisões longitudinais, em decorrência das linhas de tensão da parede abdominal. (B) Incisões realizadas por bisturi de lâmina ou eletrocautério apresentam mesmo número de complicações de ferida operatória. (C) A síntese do peritônio é desnecessária independente do tipo de incisão realizada. (D) A síntese da parede abdominal com sutura contínua utilizando fio monofilamentar absorvível de longa permanência, resulta em menor índice de hérnia incisional. (E) Infecção do sítio cirúrgico é o principal fator de risco para deiscência da aponeurose. 19. Em relação às neoplasias esofagianas, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Tabagismo e consumo de álcool estão relacionados ao desenvolvimento de câncer de esôfago espinocelular, enquanto que a Doença de Refluxo Gastroesofagiano e Esôfago de Barret estão mais relacionados ao adenocarcinoma de esôfago. (B) A invasão tumoral do câncer de esôfago vista à broncoscopia contra-indica a ressecção cirúrgica. (C) A acurácia da ecoendoscopia e tomografia computadorizada é semelhante na avaliação da invasão local do câncer de esôfago. (D) Displasia de alto grau em pacientes com Esôfago de Barret, deve ser tratada por esofagectomia. (E) O uso de endopróteses e redução da massa tumoral por laser são opções válidas no tratamento paliativo do câncer de esôfago. 20. Em relação à cirurgia laparoscópica, assinale a alternativa INCORRETA. (A) A insuflação de CO 2 na cavidade abdominal, ao se realizar o pneumoperitônio, resulta em aumento dos níveis de CO 2 na corrente sanguínea. (B) O pneumoperitônio pode comprimir os vasos renais, porém, sem alterar o fluxo arterial renal ou o débito urinário. (C) Cirurgias laparoscópicas prolongadas e pressão abdominal acima de 15mmHg podem elevar a PaCO 2. (D) O retorno venoso aumenta, inicialmente, ao se fazer o pneumoperitônio por compressão sobre a veia cava, mas diminui progressivamente com a manutenção da pressão abdominal entre 12mmHg e 15mmHg. (E) Longos períodos de aumento da pressão abdominal, estiramento do peritônio e difusão do CO 2 para o intestino podem causar náuseas e vômitos no pós-operatório. Cirurgia Geral Página 5

8 21. Em relação às doenças benignas do fígado, assinale a alternativa INCORRETA: (A) Doenças das vias biliares são as principais causas de abscesso piogênico do fígado. (B) Bactérias gram-negativas são as principais causadoras de abscesso piogênico do fígado. (C) Febre é a manifestação clínica mais frequente nos pacientes com abscesso piogênico do fígado. (D) Quinolonas ou cefalosporinas de terceira geração são, atualmente, a primeira escolha no tratamento do abscesso amebiano hepático. (E) O cisto hidático do fígado é causado pelo Echinococcus granulosus e o albendazol é a droga de escolha para a terapia medicamentosa. 22. Em relação aos divertículos de Meckel, assinale a alternativa INCORRETA. (A) O divertículo de Meckel é a malformação mais frequente do tubo digestivo. (B) Apenas 4% dos que possuem divertículo de Meckel apresentarão manifestações durante a vida. Sessenta por cento desses apresentam-nas entre 15 e 18 anos, provavelmente devido a estímulos hormonais. (C) A mucosa dos divertículos de Meckel pode apresentar metaplasia de diversos tecidos, principalmente de mucosa gástrica e parênquima pancreático, que, através de suas secreções, levam, muitas vezes, à formação de úlceras da mucosa intestinal na base dos divertículos. (D) O sangramento é a complicação mais frequente do divertículo de Meckel. (E) O tratamento da diverticulite de Meckel consiste na ressecção do divertículo em cunha ou enterectomia envolvendo o divertículo com anastomose primária. 23. Em relação à Obstrução Intestinal, assinale a alternativa INCORRETA. (A) As causas mais comuns de obstrução intestinal são as aderências, seguidas das hérnias inguinais estranguladas e das neoplasias do intestino. (B) O tratamento clínico pode ser bem sucedido em até 90% dos casos de obstrução intestinal parcial. (C) Obstrução intestinal mecânica, no pós-operatório precoce de cirurgias abdominais, é, geralmente, causada por bridas. (D) O fator de maior gravidade e toxicidade na obstrução intestinal é a perda de líquidos e eletrólitos por sequestro no interior das alças e por vômito. (E) A mucosa é a camada mais resistente à isquemia na obstrução intestinal, devido à sua proximidade com os vasos da submucosa. 24. Em relação aos tumores colorretais, assinale a alternativa INCORRETA. (A) A principal via de disseminação dos carcinomas colorretais é a linfática. (B) A incidência de neoplasia maligna colorretal sincrônica é, em média, de 4%, variando de 1% a 9%. (C) A ressecção local de adenocarcinomas de reto baixo pode ser realizada para tumores classificados pré-operatoriamente como T1. (D) A excisão total do mesorreto (ETM) preconizada por Heald desde 1986, é indicada para tumores de reto médio e distal. Os tumores de reto proximal não necessitam de ETM. (E) A ressecção laparoscópica de adenocarcinomas de colo direito pode ser realizada com resultados semelhantes aos da cirurgia convencional. A literatura ainda não suporta, no entanto, a ressecção laparoscópica para tumores de colo esquerdo. Cirurgia Geral Página 6

9 25. Em relação aos tumores estromais, assinale a alternativa INCORRETA. (A) São considerados tumores estromais intestinais o leiomioma, o leiomiossarcoma e suas variantes, o schwannoma, o neurofibroma, os neuromas, o fibroma e o angiossarcoma. (B) Não é comum o envolvimento linfonodal nos tumores estromais malignos. O fígado e o peritônio adjacente são os locais mais acometidos nessa situação. (C) A única forma segura e efetiva de tratamento dos tumores estromais é a remoção cirúrgica do tumor. (D) Os tumores estromais localizam-se, mais frequentemente, no estômago e reto. (E) A atividade mitótica é o parâmetro mais confiável para o diagnóstico de benignidade ou malignidade do tumor estromal. 26. Em relação às hérnias incisionais, assinale a alternativa INCORRETA. (A) As hérnias incisionais são mais frequentes em mulheres, abaixo da cicatriz umbilical e predominantemente, acima dos 50 anos. (B) 25% a 50% dos pacientes submetidos à hernioplastias incisionais têm excesso de peso. (C) O pneumoperitônio progressivo, introduzido por Goñi-Moreno, em 1947, representa uma importante indicação nas hérnias gigantes e doentes com doenças pulmonares. (D) Em pacientes com hérnia incisional aguda, também denominada evisceração aguda, o tratamento cirúrgico deve ser realizado em caráter de urgência. (E) O melhor posicionamento para as próteses é a fixação das mesmas acima da aponeurose anterior. 27. Em relação à Colecistite Aguda Alitiásica (CAA), assinale a alternativa INCORRETA. (A) O tratamento da CAA é cirúrgico. (B) A laparotomia é a via de acesso preferencial no tratamento cirúrgico da CAA, considerando-se que essa é de maior gravidade e complexidade que a colecistite litiásica. (C) Citamegalovírus é fator etiológico frequente em pacientes imunodeprimidos. (D) Pacientes graves internados em unidade de terapia intensiva, grandes queimados e pacientes com choque prolongado são os que mais frequentemente apresentam tal afecção. (E) De 40% a 100% dos pacientes com CAA apresentam gangrena, empiema ou perfuração da vesícula no momento da operação. 28. Em relação à anatomia da região inguinocrural, assinale a alternativa INCORRETA. (A) O espessamento da aponeurose do músculo obliquo externo forma o ligamento inguinal de Poupart. (B) O canal femoral é formado pela bainha dos vasos femorais; anteriormente, pelo ligamento de Cooper e, lateralmente, pelo ligamento inguinal. (C) O triângulo de Hesselbach é limitado, medialmente, pela borda lateral do músculo reto, inferiormente, pelo ligamento inguinal e superior e, lateralmente, pelos vasos epigástricos profundos. (D) O nervo ilioinguinal situa-se abaixo da aponeurose do músculo obliquo externo e acompanha o funículo espermático/ligamento redondo pela sua face anterior até junto ao ânulo inguinal superficial. (E) A artéria testicular tem origem na aorta; a artéria deferencial emerge da artéria vesical inferior e a artéria cremastérica ou funicular origina-se da artéria epigástrica inferior. Cirurgia Geral Página 7

10 29. Em relação às Fístulas intestinais, assinale a alternativa INCORRETA. (A) Entre as fístulas digestivas, as jejunoileais são as mais comuns. (B) São consideradas de alto débito as fístulas que drenam mais de 500ml em 24 horas. (C) São fatores de mau prognóstico das fístulas digestivas: obstrução distal, trajeto curto, infecção associada e desnutrição. (D) Nas fístulas entéricas, o tratamento deve ser conservador, mesmo havendo peritonite, uma vez que essa pode se tornar orientada em poucos dias e apresentar boa resposta quando o tratamento clínico é iniciado rapidamente. (E) O tratamento cirúrgico, quando indicado, deve ser realizado após, no mínimo, seis semanas do início do quadro. 30. Em relação ao Abdome agudo inflamatório, assinale a alternativa INCORRETA. (A) O sinal de Lapinsky consiste na dor na fossa ilíaca direita, desencadeada pela palpação profunda no ponto de McBurney com o membro inferior direito elevado e estendido. (B) 80% a 90% dos casos de Pancreatite aguda são classificados como leves. (C) Na diverticulite de sigmoide Hinchey III, há indicação de tratamento cirúrgico. (D) A Ultrassonografia e Tomografia de abdome têm sensibilidade semelhante no diagnóstico de Diverticulite aguda. (E) Na suspeita de necrose infectada na pancreatite aguda, deve-se realizar punção guiada por Ultrassonografia ou Tomografia. Essa punção, para coleta de material para bacterioscopia e cultura, deve ser realizada pela região dorsal do paciente, já que o pâncreas é um órgão retroperitoneal. 31. Lactente, de 2 meses de vida, vem ao ambulatório encaminhado pelo pediatra, que, na carta de encaminhamento, relata não ter encontrado o testículo direito no escroto. Durante o exame físico, o cirurgião fez diagnóstico de criptorquidia, com o testículo palpável em canal inguinal. Sem demais queixas ou antecedentes importantes. Qual a conduta? (A) Orquidopexia imediata. (B) Programar orquidopexia para o período de 12 a 24 meses de vida. (C) Programar orquidopexia para depois dos sete anos de idade. (D) Iniciar tratamento hormonal com gonadotrofina coriônica e proceder orquidopexia após os sete anos de idade. (E) Fazer apenas o tratamento hormonal e reavaliar após três meses para verificar se houve a descida da gônada para o escroto. 32. Baseado nas assertivas abaixo, assinale a alternativa correta. I. A Zona de Transição que aparece no enema opaco, realizado em pacientes com megacolon congênito, corresponde a um segmento de cólon dilatado aganglionar e um segmento de cólon de calibre normal com a presença de gânglios mioentéricos normais II. II. A principal complicação do megacólon congênito é a enterocolite necrotizante A ocorrência de apendicite aguda no recém-nascido está, frequentemente, associada ao megacólon congênito (A) Nenhuma das afirmações é correta. (B) As afirmações I e II são corretas. (C) Apenas a afirmação II é correta. (D) As afirmações II e III são corretas. (E) Todas as afirmações são corretas. Cirurgia Geral Página 8

11 33. Sinal da dupla bolha: (A) Aparece no Raio X contrastado de estômago e duodeno e faz parte do diagnóstico de Estenose Hipertröfica do Piloro. (B) Aparece na cintilografia renal e traduz a doença cística renal. (C) Aparece na ultrassonografia hepática no caso de cistomatose hepática congênita. (D) Aparece no Raio X simples de abdome nos casos de atresia de duodeno e pâncreas anular. (E) Aparece no raio X simples de abdome, quando há pneumatose intestinal. 34. Recém-nascido de 20 dias de vida chega ao hospital com história de vômitos em jato, de conteúdo branco, há 3 dias. No exame físico, apresentava peristaltismo visível no epigastro e palpava-se tumoração em hipocôndrio direto, logo abaixo do lobo direto do fígado. A criança apresentava-se emagrecida, mas em bom estado geral. Quanto à história pregressa, esse RN nasceu de termo, parto normal, sem intercorrências, com apgar de 8 e 10 no primeiro e quinto minutos, respectivamente. Qual o provável diagnóstico e qual exame complementar pode auxiliar no diagnóstico? (A) Refluxo Gastro-esofágico, RX contrastado (SEED). (B) Atresia de Duodeno, Raio X contrastado. (C) Estenose Hipertrófica do Piloro, ultrassonografia. (D) Atresia de Duodeno, Raio X simples. (E) Estenose Hipertrófica do Piloro, RX contrastado. 35. Com relação à questão anterior, qual o tratamento que deve ser proposto? (A) Uso de procinéticos como bromoprida, orientação para o decúbito elevado e engrossar o leite com mucilon. (B) Piloroplastia pela técnica proposta por Miculikz. (C) Gastroenteroanastomose transmesocólica. (D) Gastroenteroanastomose premesocólica. (E) Piloromioplastia proposta por Fredet-Ramstedt. 36. Assinale a alternativa INCORRETA. (A) Hematoma pulsátil e sangramento ativo são sinais altamente compatíveis com lesão arterial. (B) Lesão nervosa associada à ferida por arma de fogo na região inguinal é sinal patognomônico de lesão vascular. (C) Em um membro com traumatismo ortopédico, a presença de pulso distal não descarta lesão arterial associada. (D) O espasmo arterial pode surgir em decorrência de traumatismo arterial, porém deve ser considerado diagnóstico de exclusão. (E) A reconstrução vascular deve ser feita de preferência com enxerto autógeno. 37. Homem de 62 anos, tabagista, com antecedentes de claudicação intermitente em panturrilha direita para 100 metros, procura o pronto-socorro com quadro clínico típico de obstrução arterial aguda no membro inferior direito. Não é cardiopata e, no exame arterial do membro inferior esquerdo, notou-se ausência de pulsos tibiais com fluxo monofásico ao Doppler. A provável causa da oclusão arterial é: (A) Trombose. (B) Embolia. (C) Ateroembolismo. (D) Aneurisma de aorta abdominal. (E) Aneurisma de poplítea. Cirurgia Geral Página 9

12 38. Assinale a alternativa INCORRETA. (A) A síndrome de Leriche ocorre devido à oclusão da porção terminal da aorta e a impotência sexual é um dos componentes da síndrome. (B) A distância da claudicação intermitente tende a diminuir quando ocorre piora do quadro oclusivo ou regressão da circulação colateral. (C) Obstruções aorto-ilíacas ou femoral superficial isoladas, geralmente, não determinam sintomas de isquemia grave devido à eficiência da circulação colateral. (D) As obstruções isoladas aorto-ilíacas, em geral, ocorrem em faixas etárias mais altas do que as fêmoro-poplíteas. (E) As lesões tróficas de etiologia ateroscleróticas tendem a ser menos dolorosas do que na tromboangeíte obliterante. 39. Quais sintomas fazem parte da tríade clássica á apresentação do aneurisma da aorta abdominal roto? (A) Dor abdominal / lombar, falta de ar e massa pulsátil. (B) Dor abdominal / lombar, hipotensão e massa pulsátil. (C) Dor abdominal / lombar, náusea e hipotensão. (D) Dor abdominal / lombar, dor torácica e hematoquezia. (E) Dor abdominal e torácica e vômito. 40. A complicação mais comum após reparo de aneurisma de aorta abdominal roto, é? (A) Fístula aortoentérica. (B) Isquemia intestinal. (C) Isquemia do miocárdio. (D) Êmbolos ateromatosos. (E) Insuficiência renal aguda. 41. A trombose arterial aguda tem como causa mais frequente: (A) Aterosclerose. (B) Trombofilia. (C) Aneurisma. (D) Prótese arterial infectada. (E) Endoprótese. 42. Na obstrução arterial aguda, qual a droga que deve ser imediatamente administrada? (A) AAS. (B) Heparina. (C) Antibiótico. (D) Vasodilatador. (E) Papaverina. 43. Na embolia aguda, a sequência dos eventos é: (A) Paralisia, dor, parestesia, ausência de pulso, palidez. (B) Ausência de pulso, dor, palidez,parestesia, paralisia. (C) Ausência de pulso, dor, palidez, paralisia, parestesia. (D) Necrose, palidez, dor, paralisia,parestesia. (E) Paralisia, necrose,dor parestesia. Cirurgia Geral Página 10

13 44. As artéria renais, comumente, se originam da aorta abdominal na: (A) 12ª vértebra. (B) 1ª vértebra. (C) 2ª vértebra lombar. (D) 3ª vértebra lombar. (E) 4ª vértebra lombar 45. As artérias testiculares se originam, mais comumente, da(as): (A) Artérias renais. (B) Artérias supra-renais. (C) Aorta abdominal acima da artéria mesentérica superior. (D) Aorta abdominal abaixo das artérias renais. (E) Artérias ilíacas comuns 46. O sítio linfonodal primário de drenagem do testículo direito são: (A) Os linfonodos lombares intercavoaórticos. (B) Os linfonodos inguinais superficiais direitos. (C) Os linfonodos inguinais profundos direitos. (D) Os linfonodos ilíacos comum direitos. (E) Os linfonodos no hilo renal direito. 47. A rotura da uretra peniana na transição penoescrotal pode resultar no extravazamento de urina para todas as estruturas a seguir, EXCETO: (A) A parede abdominal anterior até a clavícula. (B) O escroto. (C) O pênis, profundamente até a fáscia de dartos. (D) O períneo, em um padrão asa de borboleta. (E) As nádegas. 48. Para preservar a irrigação vascular do ureter, as incisões no peritônio devem ser feitas: (A) Medialmente no abdome e lateralmente na pelve. (B) Lateralmente no abdome e medialmente na pelve. (C) Sempre medial ao ureter. (D) Sempre lateral ao ureter. (E) Diretamente sobre o ureter. 49. O músculo cremáster é inervado pelo(s): (A) Nervo ilioinguinal. (B) Ramo genital do nervo genitofemoral. (C) Ramo femoral do nervo genitofemoral. (D) Ramos terminais do nervo bubcostal(t12). (E) Nervo iliohipogástrico. Cirurgia Geral Página 11

14 50. O (os) primeiros ramo(s) arteriais da aorta abdominal é (são): (A) O par de artérias renais. (B) A artéria supra-renal direita. (C) As artérias frênicas inferiores. (D) A artéria hepática. (E) A artéria mesentérica superior. Cirurgia Geral Página 12

15

16 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral QUESTÃO 01 Representa contra-indicação absoluta à colonoscopia: a) Volvo de sigmóide b) Doença inflamatória intestinal c) Câncer colorretal d) Doença diverticular e) Megacólon tóxico QUESTÃO 02 São fatores

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

Oclusão do tubo digestivo

Oclusão do tubo digestivo ABDOME AGUDO O diagnóstico sindrômico de abdome agudo (AA) é caracterizado pela presença de dor abdominal intensa e aguda (horas até 4 dias). O número de causas é enorme e ainda assim, a maioria dos casos

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1)

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1) AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL Prof. Erivan Façanha Tem início no hiato aórtico do diafragma (T12). Trajeto descendente, anterior aos corpos vertebrais e à esquerda da veia cava

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. Procedimentos Robóticos em Cirurgia abdominal 8:45-9:00 Cirurgia Robótica das afecções do

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ARTÉRIAS O suprimento arterial do abdome é todo proveniente da aorta, que torna-se aorta abdominal após passar pelo hiato aórtico do diafragma ao nível de T12, e termina dividindose

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES MAPA AUDITÓRIO LARGO DA ORDEM (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:15 8-30 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:30

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO. Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO. Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIÃO PEDIÁTRICO QUESTÃO 21 Com relação ao tratamento da hérnia inguinal na criança é INCORRETO afirmar: a) O reforço da parede posterior só estaria indicado em

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

203 A. 16:30-17:20 Trauma cervical Clinica Cirúrgica Raphael 17:20-18:10 Queimaduras Clínica Cirúrgica Raphael

203 A. 16:30-17:20 Trauma cervical Clinica Cirúrgica Raphael 17:20-18:10 Queimaduras Clínica Cirúrgica Raphael CRONOGRAMA INTERNATO DE CIRURGIA 1º 2013 9º PERÍODO DATA/LOCAL HORÁRIO AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 24/5/2013 11:00-11:50 Lesões corporais Medicina Legal Andressa 11:50-12:40 Lesões corporais Medicina

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites Abdome Agudo Inflamatório Peritonites Conceito: Classificação: Funcionais ou Fisiopatológicas Peritonite Primária ou Espontânea Peritonite Secundária Peritonite Terciária Quanto à Extensão Generalizada

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA QUESTÃO 21 São afirmativas verdadeiras sobre a anatomia colo-reto-anal, EXCETO: a) A fáscia de Denonvilliers não necessita ser removida na excisão

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO GERAL QUESTÃO 21 São afirmativas verdadeiras sobre o Hiperparatireoidismo, EXCETO: a) É mais comum no sexo feminino. b) Os adenomas são a causa mais

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR

DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA Você recebeu o seguinte material: 1. Um CADERNO DE PROVA ESCRITA

Leia mais

Presença de ar no fundo gástrico gerando a imagem da bolha gástrica em quadrante superior esquerdo em posição ortostática.

Presença de ar no fundo gástrico gerando a imagem da bolha gástrica em quadrante superior esquerdo em posição ortostática. Análise e avaliação do exame convencional e contrastado do abdômen Radiografia do Abdômen É realizada nas seguintes incidências: Decúbito dorsal (ou simples) Posição ortostática Decúbito lateral direito

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 QUESTÃO 17 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal, qual

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1

Residência Médica Seleção 2013 Prova de Cirurgia Geral Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 Caso Clínico 1 Paciente de 55 anos, sexo feminino, chega ao ambulatório de Cirurgia Geral com quadro de icterícia, colúria e acolia fecal. Segundo a paciente, já era portadora de colelitíase sintomática,

Leia mais

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO MEDICINA/GERIATRIA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 A surdez pode ser efeito colateral do uso de:

Leia mais

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica

HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 22/07/04 Anastomoses Bilio-digestivas Intra-hep hepáticas em Tumores da Convergência Diego Teixeira Alves Rangel Tratamento Paliativo em 10

Leia mais

TÉCNICAS CIRÚRGICAS NOS INTESTINOS

TÉCNICAS CIRÚRGICAS NOS INTESTINOS TÉCNICAS CIRÚRGICAS NOS INTESTINOS INTESTINOS - ANATOMIA Intestino de carnívoros 2 a 5 vezes o comprimento do tronco Intestino delgado 4 vezes o tamanho do grosso INTESTINOS - ANATOMIA DUODENO Relativamente

Leia mais

João Marcos + Raphael + Aisha + Clarissa + Tiago + Marcelo

João Marcos + Raphael + Aisha + Clarissa + Tiago + Marcelo DATA HORA AULA PROGRAMADA SALA MÓDULO PROFESSOR 05/02/2016 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica 14:10 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica Cirúrgica 15:25

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO RADIOLOGIA DO ESÔFAGO Esofagograma : administração de substância com densidade diferente do órgão. São elas sulfato de bário (rotina) e soluções iodadas (casos de suspeita de ruptura) na dose de 2 a 6

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA GERAL 21. Um paciente que será submetido a uma herniorrafia inguinal bilateral e tem hipertensão arterial moderada muito bem tratada e acompanhada por cardiologista,

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 03 DE AGOSTO DE 2015 (SEGUNDA FEIRA)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 03 DE AGOSTO DE 2015 (SEGUNDA FEIRA) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Espaço do Trauma CBC - SBAIT 03 DE AGOSTO DE 2015 (SEGUNDA FEIRA) Horário Programação 08:00 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 9:55 MESA REDONDA: Trauma

Leia mais

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 21/08 QUINTA-FEIRA 7:50 8:00 Abertura 8:00 9:30 Mesa Redonda: CEC de Esôfago 8:00 8:15 Ferramentas de estadiamento na neoplasia esofágica. É possível individualizar

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

www.ettinger.med.br Hérnia Inguinal Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral

www.ettinger.med.br Hérnia Inguinal Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral www.ettinger.med.br Hérnia Inguinal Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Copyright BGC- 2009 1 O que é uma hérnia abdominal? Hérnia é uma protrusão (abertura) na parede abdominal causada

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR QUESTÃO 21 Paciente com síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores de longa data apresentando queixa de claudicação incapacitante

Leia mais

Prof.: José Rubens de Andrade

Prof.: José Rubens de Andrade Prof.: José Rubens de Andrade 2º Semestre/2012 Divertículo verdadeiro (congênito) X Pseudodivertículos Pseudodivertículos: Formações saculares provenientes da herniação da mucosa e submucosa através da

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Carlo B Pilla e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2012 Obstruções à VSVD Estenose subvalvar pulmonar* Estenose valvar

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário

Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário Protocolo Clínico Câncer Colorretal Data de Emissão: maio/2010 Revisão: nº. Data de Revisão: mês/ano Elaboração: Prof. Ms. João Batista Pinheiro

Leia mais

Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais

Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA - 3ª Parte Capítulo V Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais Intestinal stomas (Ileostomy and Colostomy) and intestinal anastomosis

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes. MAPA AUDITÓRIO PARQUE TINGUI (280 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. ESPACO DO TRAUMA (SBAIT) SEGUNDA FEIRA 03 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

2ª PROVA CLINICA CIRURGIA II 1 PARTE

2ª PROVA CLINICA CIRURGIA II 1 PARTE 2ª PROVA CLINICA CIRURGIA II 1 PARTE 1 - Durante uma cirurgia de carcinoma de colo ascendente, uma metástase superficial, de cerca de 1,0 X 0,5 cm foi identificada em superfície de lobo hepático direito.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens.

obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens. Cirurgia Bariátrica obesidade é uma condição médica crônica de etiologia multifatorial, seu tratamento envolve vários tipos de abordagens. (Appolinário JC, Abuchaim ALG, Coutinho W et al. Transtornos alimentares

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 56

PROVA ESPECÍFICA Cargo 56 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 56 QUESTÃO 26 O principal suprimento arterial para músculo peitoral maior é fornecido pela artéria: a) toracodorsal. b) subescapular. c) toracoacromial. d) torácica interna. QUESTÃO

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs PREPAROS DOS EXAMES E PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM 08.01 Ablação por Cateter com Radiofrequência 08.02 Alergia aos Contrastes Iodados 08.03 Angio Ressonância Abdome

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR MÓDULO ABDOME AULA 2 AVALIAÇÃO INTESTINAL POR TC E RM Prof. Mauricio Zapparoli Neste texto abordaremos protocolos de imagem dedicados para avaliação do intestino delgado através

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 QUESTÃO 26 Todas as estruturas descritas abaixo estão no Canal Anal, EXCETO: a) Criptas Anais. b) Linha Denteada. c) Colunas de Morgani. d) Valva inferior de Houston. QUESTÃO

Leia mais

TRAUMA ABDOMINAL. Leonardo Oliveira Moura

TRAUMA ABDOMINAL. Leonardo Oliveira Moura TRAUMA ABDOMINAL Leonardo Oliveira Moura Trauma Abdominal Órgãos sólidos: Fígado, baço, pâncreas e rins Órgãos ocos: Esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso, reto e bexiga Vasos calibrosos:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

Raniê Ralph Semiologia 2

Raniê Ralph Semiologia 2 06 de Agosto de 2007. Professor Luiz Sérgio Emery. Hemorragia Digestiva Evolução 75% cessam espontaneamente. 25% persistem ou recorrem. 10% a 30% de morte. Trata-se de uma doença grave. Epidemiologia 10%

Leia mais

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Copyright Bahia Gastro Center - 2009 1 Quem pode ter pedra (cálculo) na vesícula?

Leia mais

Hospital Figueira da Foz. Sala 5. Sala 1. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Hospital

Hospital Figueira da Foz. Sala 5. Sala 1. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Hospital Quinta feira, 5 de Março 2015 Cursos pré Congresso 08:30 13:00 Cirurgia mamária Cancro da mama e tratamento sistémico primário Indicação para quimioterapia neoadjuvante Como monitorizar a resposta com

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais