CONSIDERAÇÕES SOBRE INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSIDERAÇÕES SOBRE INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA"

Transcrição

1 CONSIDERAÇÕES SOBRE INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA. - 1 Todo o aterramento/conexão à terra e vinculação de terras (bonding) deverá atender aos códigos e regulamentos aplicáveis. Proteção de Circuito - 2 A proteção de circuito para o cabeamento de entrada ou saída de edifícios deverá atender aos códigos e regulamentos aplicáveis. ELEMENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES Os seguintes requisitos e recomendações aplicam-se ao cabeamento TP balanceado de 100 Ω, bem como a encaminhamentos e espaços usados para carregar ou abrigar cabeamento de telecomunicações que possa incluir fibra óptica. - 1 A proximidade do cabeamento a instalações e equipamentos elétricos que gerem altos níveis de interferência eletromagnética (EMI) deve ser levada em conta para o cabeamento metálico. As fontes de EMI incluem: cabos de força, máquinas fotocopiadoras, motores elétricos, transformadores, iluminação fluorescente, arco de solda, etc. = Normativo (Obrigatório) =Informativo (Recomendável) Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. B-1

2 A EMI é um aspecto importante no projeto de encaminhamentos e áreas de telecomunicações. Proporcionando espaçamentos das fontes de EMI para estes elementos de telecomunicações, a infra-estrutura proporciona, inerentemente, a separação dos seus elementos (exemplo, o equipamento e cabo e hardware de conexão). Posicione os encaminhamentos de telecomunicações, áreas e cabos de cobre o mais distante possível das fontes de EMI, tais como, fiação de energia elétrica e transformadores, ballasts eletrônicos, copiadoras, fontes de RF e transmissores, motores elétricos grandes e geradores, fornos de indução, soldadores a arco, e equipamentos de raio X. Manter o espaçamento máximo melhorará o desempenho da aplicação. Devido a limitações da estrutura do edifício, é difícil controlar a instalação de encaminhamentos e áreas próximas a EMI. Embora a Simon assegure as aplicações como parte de sua garantia, se houver influência de EMI, a Simon não se responsabiliza por falhas na aplicação. Para reduzir a influência de EMI, são fornecidas as seguintes tabelas e recomendações de espaçamento. Separação de Potência - 2 Os circuitos secundários com potência inferior a 3kVA e os cabos de telecomunicações devem manter uma separação mínima de: 50 mm (2 ) para cabeamento UTP (0 mm se houver barreira física) 50 mm (2 ) para hardware de cros- connect UTP(0 mm se houver barreira física) 0mm(0pol) para sistemas blindados Nota: Sistemas blindados consistem de cabos F/UTP ou S/FTP e cabos de telecomunicações ou cabos de potencia envoltos em um encaminhamento metálico tal como MC, BX ou EMT. - 3 Circuitos de energia elétrica com potência superior ou igual a 3 kva, porém inferior a 6 kva e cabeamento de telecomunicações devem manter uma separação mínima de: 1.5 m (5 pés) para cabeamento UTP 3 m (10 pés) para hardware cross-connects 0,6 m (2 pés) para sistemas blindados The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, 2012 B-2 = Normativo (Obrigatório) = Informativo (Recomendável) Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev.M.

3 - 4 circuitos e/ou painéis de distribuição de energia elétrica que operem com potências iguais ou superiores a 6 kva devem manter uma separação mínima de: 3 m (10 pés) para cabeamento UTP 6 m (20 pés) para hardware de cross-connect UTP 1 m (3 ft) para sistemas blindados Nota: todos os critérios de separação se aplicam às situações mostradas na figura B4. Figura B1 Critérios de Separação de Potência = Normativo (Obrigatório) =Informativo (Recomendável) Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. B-3

4 Requisitos de Separação para Cabeamento UTP TENSÃO X CORRENTE(VA) < 3 kva 3 kva < 6 kva > 6 kva Cabos de Cross-connects de 50 mm (2 ) 1,5 m (5 pés) 3 m (10 pés) 50 mm (2 ) 3 m (10 pés) 6 m (20 pés) Tabela B.1 Requisitos de Separação para Cabeamento UTP Requisitos de Separação para Cabeamento Blindado TENSÃO X CORRENTE(VA) < 3 kva 3 kva < 6 kva > 6 kva Cabos de Cross-connects de Eficiência de Blindagem 0 mm (0 ) 0,6 m (2 pés) 1 m (3 pés) 0 mm (0 ) 0,6 m (2 pés) 1 m (3 pés) Tabela B.2 Requisitos de Separação para Cabeamento blindado. - 3 Deverão ser atendidos os códigos e regulamentos relativos a segurança e compatibilidade eletromagnética. Observação: Os regulamentos para EMC aplicáveis não são necessariamente atendidos a instalação de componentes blindados. com - 4 O cabeamento blindado deverá manter a cobertura da blindagem das configurações Enlace Permanente ou Canal de modo que apenas o cabo blindado e o hardware de conexão também blindado sejam usados e apropriadamente instalados. Para manter a eficiência de blindagem em alta frequência, evitando as dificuldades dos loops de terra associadas ao aterramento de blindagem em múltiplas localidades, deverão ser atendidas as seguintes exigências: - 5 O cabeamento horizontal blindado deverá ter somente um ponto de conexão CC à terra. Essa conexão à terra deverá ser provida na Sala de, Sala de Equipamentos ou Infra-estrutura de Entrada e deverá ser independente do terra de equipamentos da rede. The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, 2012 Observação: Para evitar os loops de terra, é prática comum que o equipamento de rede seja projetado de forma que o seu circuito interno não proporcione um caminho de aterramento entre a blindagem do cabeamento e terra dos chassis, terra da B-4 = Normativo (Obrigatório) = Informativo (Recomendável) Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev.M.

5 edificação ou outras portas blindadas. Essa isolação blindada em CC é comumente obtida dentro da carcaça do equipamento blindado mediante o uso de capacitores de acoplamento em CA conectados entre a blindagem do cabeamento e terra do equipamento. - 6 Para garantia do canal, a eficiência da blindagem e o desempenho de transmissão dos cabos dos equipamentos na Área de Trabalho e espaços de cross-connects deverão ser mantidos até a interface do equipamento inclusive, a menos que seja especificamente proibido pelo fabricante deste. O uso de patch cords blindados nos equipamentos ativos pode depender do tipo de equipamento usado. - 7 O Instalador Certificado (empresa) deverá consultar os fabricantes de equipamentos e integradores de sistemas para determinar a adequação dos componentes de cabeamento e metodologias aqui descritas para aplicações específicas. = Normativo (Obrigatório) =Informativo (Recomendável) Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. B-5

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 7 Blindagem e Aterramento do Cabeamento Estruturado

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 7 Blindagem e Aterramento do Cabeamento Estruturado APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 7 Blindagem e Aterramento do Cabeamento Estruturado Porque blindar ou aterrar? Quando um cabo é submetido a um campo eletromagnético, correntes e tensões são induzidas em

Leia mais

CONTROLE DE INTERFERÊNCIA EM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO. Aterramento e Blindagem e Proteção contra Raios

CONTROLE DE INTERFERÊNCIA EM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO. Aterramento e Blindagem e Proteção contra Raios Curso de Formação: CONTROLE DE INTERFERÊNCIA EM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Aterramento e Blindagem e Proteção contra Raios Objetivo O curso tem como objetivo o estudo das técnicas necessárias à implantação

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE BACKBONE

DISTRIBUIÇÃO DE BACKBONE OBJETIVOS DA SEÇÃO Após concluir com êxito esta seção sobre Distribuição de Backbone, o aluno estará apto a: I. Lembrar-se das exigências associadas às seções dos anexos A e B do presente manual. II. III.

Leia mais

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a:

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: OBJETIVOS DA SEÇÃO Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: I. Definir os critérios da Área de Trabalho para o Sistema de Cabeamento Siemon, tanto para interfaces

Leia mais

Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado

Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado A prioridade desta norma é prover as especificações do projeto e direção para todas as instalações do prédio relacionadas

Leia mais

Legrand Cabling Systems

Legrand Cabling Systems Legrand Cabling Systems Módulo IV TIA 568.C - Parâmetros para projeto Conceitos de projeto para sistemas de cabeamento estruturado 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO Paulo Morais (31) 9 9922-4489

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE Junho/2016 1 Objetivo Este documento tem por objetivo estabelecer os procedimentos técnicos relativos à adequação

Leia mais

Para isolação e conversão de tensões e correntes alternadas senoidais em sinais padronizados.

Para isolação e conversão de tensões e correntes alternadas senoidais em sinais padronizados. Transmissores CA/CC Para isolação e conversão de tensões e correntes alternadas senoidais em sinais padronizados. As Vantagens A classe de precisão é de 0,5 não há necessidade de reajustar as faixas comutáveis.

Leia mais

@Box ATENUADOR VARIAVEL E INTERFACE BOX MANUAL DE INSTRUÇÕES

@Box ATENUADOR VARIAVEL E INTERFACE BOX MANUAL DE INSTRUÇÕES @Box ATENUADOR VARIAVEL E INTERFACE BOX MANUAL DE INSTRUÇÕES Índice Termo de garantia...4 Conteúdo da embalagem...4 Introdução...5 Controles...6 Ajuste inicial...8 Diagrama esquemático...9 Cabos de entrada

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente

Leia mais

PROJETO DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES IRT Curso Técnico em Telecomunicações 4ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

PROJETO DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES IRT Curso Técnico em Telecomunicações 4ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral PROJETO DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES IRT11104 Curso Técnico em Telecomunicações 4ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Visão geral do cabeamento estruturado Distribuidor de campus

Leia mais

Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de São Paulo. Campus Presidente Epitácio REDES DE COMPUTADORES I (RC1A2) MEIOS DE TRASMISSÃO

Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de São Paulo. Campus Presidente Epitácio REDES DE COMPUTADORES I (RC1A2) MEIOS DE TRASMISSÃO Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de São Paulo. Campus Presidente Epitácio REDES DE COMPUTADORES I (RC1A2) MEIOS DE TRASMISSÃO Aluna: Pamela Nascimento da Silva 2º Semestre ADS Presidente Epitácio

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 4 Práticas de Instalação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 4 Práticas de Instalação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 4 Práticas de Instalação Instalação de cabos e hardware metálicos Devem ser instalados de forma que se permita uma inspeção visual. Cabos com capa danificada; Cabos com

Leia mais

CCNA 1 Teste de Cabos. Kraemer

CCNA 1 Teste de Cabos. Kraemer CCNA 1 Teste de Cabos Testes de Cabos Tipos de sinais Características dos meios de cobre Características dos meios ópticos Tipos de sinais Sinal Analógico (ondas senoidais) Variam continuamente O que é

Leia mais

Legrand Cabling Systems

Legrand Cabling Systems Legrand Cabling Systems Módulo VIII Solução Legrand Linha completa de produtos para sistemas de Cabeamento Estruturado 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO Paulo Morais (31) 9 9922-4489 paulo.morais@psmgestec.com.br

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Cabo Coaxial

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Cabo Coaxial Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira COMPOSTO POR: Cabo Coaxial Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO. Topologias Lógicas x Topologias Físicas 01/09/2016

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO. Topologias Lógicas x Topologias Físicas 01/09/2016 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO A norma brasileira para instalações elétricas de baixa tensão é a NBR 5410 Fixa as condições que as instalações de baixa tensão devem atender; Primeira edição de 1941;

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA DA GARANTIA DOS EQUIPAMENTOS LICITADOS: O tempo de garantia mínimo para todos os equipamentos é de 02 anos, com no mínimo 01 ano para o compressor. DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA E

Leia mais

CONCEITOS DE CABOS COMPUTACIONAIS PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA

CONCEITOS DE CABOS COMPUTACIONAIS PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA CONCEITOS DE CABOS COMPUTACIONAIS PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA 1 2 Uma empresa relativamente informatizada finca seus pilares sobre depósitos de dados setoriais e globais e que são manipulados

Leia mais

Meios de proteção elétrica: Aterramento

Meios de proteção elétrica: Aterramento Meios de proteção elétrica: Aterramento (Estudo Técnico 3: 3: Aterramento de torres de telecomunicação) José Osvaldo S. Paulino-UFMG 1 Meios de proteção. Aterramento; Blindagem eletromagnética; Arranjo

Leia mais

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral Cabeamento Estruturado CAB6080721 Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Revisão da aula anterior... Atenuação Maior em maiores frequências e maior comprimento

Leia mais

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão 2 Moving together 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS DE CAPACITORES 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT CÁLCULO DE DEMANDA DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE USO COLETIVO

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT CÁLCULO DE DEMANDA DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE USO COLETIVO 1. OBJETIVO COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 01-07 CÁLCULO DE DEMANDA DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE USO COLETIVO Este comunicado técnico tem por objetivo estabelecer um novo processo de cálculo de demanda para

Leia mais

Qualidade de Energia Elétrica

Qualidade de Energia Elétrica Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Mestrado em Engenharia Elétrica - MEE Qualidade de Energia Elétrica Prof. Sérgio Vidal Garcia Oliveira, Dr. svgo_udesc@svgo.net

Leia mais

Exercício Etapa 4 PEA 2200 / PEA Etapa 4 - Sistema fotovoltaico

Exercício Etapa 4 PEA 2200 / PEA Etapa 4 - Sistema fotovoltaico Exercício Etapa 4 PEA 2200 / PEA 3100 Etapa 4 - Sistema fotovoltaico Objetivo Essa etapa do Seminário tem a função de realizar uma avaliação técnicaeconômica da implantação de um sistema fotovoltaico nas

Leia mais

LUMINÁRIA DE EMERGÊNCIA. Atende à norma NBR 10898:2013. alumbra.com.br

LUMINÁRIA DE EMERGÊNCIA. Atende à norma NBR 10898:2013. alumbra.com.br LUMINÁRIA DE EMERGÊNCIA Atende à norma NBR 10898:2013 alumbra.com.br SEGURANÇA E PROTEÇÃO PARA DESLOCAMENTO NO ESCURO As luminárias de emergência LED Alumbra, tem um design compacto e são ideiais para

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC-250ED

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC-250ED A SSISTÊNCIAS T ÊCNICASAUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - CAMPUS DE OEIRAS

MEMORIAL DESCRITIVO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - CAMPUS DE OEIRAS Projeto de Telefonia e Lógica por Cabeamento estruturado MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE TELEFONIA E LÓGICA POR CABEAMENTO ESTRUTURADO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - CAMPUS DE OEIRAS FAZENDA TALHADA,

Leia mais

SOLDA DE CORTE PLASMA 40

SOLDA DE CORTE PLASMA 40 *imagens meramente ilustrativas SOLDA DE CORTE PLASMA 40 Manual De Instruções 1. DADOS TÉCNICOS MÁQUINA DE CORTE PLASMA 40 Modelo Plasma 40 Corrente nominal 40A Tensão em vazio máxima 280V Ciclo de trabalho

Leia mais

1 REDE DE ACESSO DE PAR TRANÇADO

1 REDE DE ACESSO DE PAR TRANÇADO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES DISCIPLINA: EL85A REDES DE ACESSO PROF. LUIS VIEIRA 1 REDE DE ACESSO DE PAR TRANÇADO É a parcela do sistema

Leia mais

BLOCOS DE TOMADAS.

BLOCOS DE TOMADAS. BLOCOS DE TOMADAS ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Invólucros de chão para instalações salientes

Leia mais

INVERSOR DE EMERGÊNCIA

INVERSOR DE EMERGÊNCIA INVERSOR DE EMERGÊNCIA O Inversor de Emergência trata-se de um dispositivo que deve ser acoplado juntamente com um reator, transformando as luminárias fluorescentes em sistemas de iluminação normal e emergência.

Leia mais

INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM

INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM O Inversor de Emergência SLIM trata-se de um dispositivo que deve ser acoplado juntamente com um reator, transformando as luminárias fluorescentes em sistemas de iluminação

Leia mais

ANEXO VII. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Pontos de Rede Itens 01. 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012. Fls.

ANEXO VII. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Pontos de Rede Itens 01. 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012. Fls. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CASA CIVIL EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMATICA S.A - IPLANRIO Processo 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012 ANEXO VII Registro de Preços Rede Planilhas de Serviços

Leia mais

SPDA - SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFERICAS ( PARA-RAIOS ) Principais mudanças da norma NBR5419-Parte 3

SPDA - SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFERICAS ( PARA-RAIOS ) Principais mudanças da norma NBR5419-Parte 3 SPDA - SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFERICAS ( PARA-RAIOS ) Principais mudanças da norma NBR5419-Parte 3 A nova norma NBR5419 teve com o diretriz a IEC 62305 e se divide em 4 partes bem distintas,

Leia mais

compromisso, dedicação e qualidade do começo ao fim de sua obra

compromisso, dedicação e qualidade do começo ao fim de sua obra compromisso, dedicação e qualidade do começo ao fim de sua obra A MIL manutenções e instalações elétricas nasceu com o objetivo de garantir a todos os seus clientes acesso a serviços profissionais e de

Leia mais

ARC 600 & 1200 LÂMPADA LED PARA ÁREAS CLASSIFICADAS

ARC 600 & 1200 LÂMPADA LED PARA ÁREAS CLASSIFICADAS ARC 600 & 1200 LÂMPADA LED PARA ÁREAS CLASSIFICADAS Autor: Barel AS Rev 8 Data: 14/01/2016 Barel AS 9917 Kirkenes Noruega www.barel.no ÍNDICE: 1 APLICAÇÕES... 2 2 APROVAÇÕES... 2 3 DADOS TÉCNICOS... 3

Leia mais

Bastidor para instalação de equipamento de telecomunicações em campo Gabinete Outdoor com inversor DC/AC

Bastidor para instalação de equipamento de telecomunicações em campo Gabinete Outdoor com inversor DC/AC Bastidor para instalação de equipamento de telecomunicações em campo Gabinete Outdoor com inversor DC/AC INTRODUÇÃO Gabinete para instalação em campo de equipamento de telecomunicação da rede de transmissão

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Módulo Transformador para Iluminação de Emergência, até 2 Lâmpadas, Autonomia 1,5 h. Código AFILSI-NICAD Equipamento com a função de transformar uma ou mais luminárias fluorescentes comuns, instalada em

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

Normas para cabeamento estruturado

Normas para cabeamento estruturado Normas para cabeamento estruturado Recomendações normativas para cabeamento estruturado em edifícios comerciais e em data centers. Frequentemente observamos projetos de cabeamento estruturado sendo feitos

Leia mais

EXIGÊNCIA PARA FUNCIONÁRIOS E PRESTADORES DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS!

EXIGÊNCIA PARA FUNCIONÁRIOS E PRESTADORES DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS! Treinamento: Obrigatoriedade prevista na NR-10: Todos devem ter Treinamento básico de 40 horas; Trabalhos em SEP e proximidades o Treinamento complementar, além do básico, mais 40 horas Conteúdo e carga

Leia mais

Lâmpada TUBO LED HO Por que a lâmpada tubo led HO Intral têm qualidade superior?

Lâmpada TUBO LED HO Por que a lâmpada tubo led HO Intral têm qualidade superior? Fabricado no Brasil Lâmpada TUBO LED HO Por que a lâmpada tubo led HO Intral têm qualidade superior? As lâmpadas tuboled HO são indicadas para uso profissional, comercial e industrial. Construídas com

Leia mais

TVP. Manual de Instruções. MEDIDOR DE VAZÃO Tipo Deslocamento Positivo TECNOFLUID

TVP. Manual de Instruções. MEDIDOR DE VAZÃO Tipo Deslocamento Positivo TECNOFLUID Português TVP MEDIDOR DE VAZÃO Tipo Deslocamento Positivo Manual de Instruções Leia este manual atentamente antes de iniciar a operação do seu aparelho. Guarde-o para futuras consultas. Anote o modelo

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO Edição de Julho de 2.002 OBJETIVO Este fascículo compõe um regulamento geral, que tem por objetivo estabelecer

Leia mais

LUMINÁRIA FLUORESCENTE (segurança aumentada)

LUMINÁRIA FLUORESCENTE (segurança aumentada) LUMINÁRIA FLUORESCENTE (segurança aumentada) NA96372-73 NA96534-55 Atmosferas explosivas Zonas 1 e 2, 21 e 22 - Grupos IIA, IIB e IIC Grau de proteção: IP 66/67 NBR IEC 60079-10, NBR IEC 60079-1, NBR IEC

Leia mais

LCD DIGITAL de 3,5" com ajuste de Cor, Contraste, Brilho e Nitidez

LCD DIGITAL de 3,5 com ajuste de Cor, Contraste, Brilho e Nitidez LCD DIGITAL de," com ajuste de Cor, Contraste, Brilho e Nitidez Obs: Para evitar qualquer dano ao equipamento leia atentamente este manual. MONITOR PAINEL EXTERNO VOLTAGEM Bivolt automático Vdc pelo monitor

Leia mais

Par Trançado e Cabo Coaxial

Par Trançado e Cabo Coaxial UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL COMUNIDADE EVANGÉLICA LUTERANA SÃO PAULO Reconhecida pela Portaria Ministerial nº 681 de 07/12/89 DOU de 11/12/89 Campus Torres Par Trançado e Cabo Coaxial Redes 1 Vitor

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 015

NORMA TÉCNICA NTC 015 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 015 POSTE DE DIVISA Divisão de medição e fiscalização Emissão: 2015 Versão : 01/2015 1 2 Sumário 1. OBJETIVO... 4 2. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES...

Leia mais

CONVERSOR CA/CC TRM-250N

CONVERSOR CA/CC TRM-250N TRM-250N Manual do usuário Conversor CA/DC MAN-PT-DE-TRM250N Rev.: 1.00-12 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso TRM-250N. Para garantir o uso correto e eficiente do TRM-250N, leia este manual completo

Leia mais

Sabesp. Geração de energia elétrica a Diesel e Gás

Sabesp. Geração de energia elétrica a Diesel e Gás Sabesp Geração de energia elétrica a Diesel e Gás Enfrentamento da Crise Hídrica / 2014-2015 Reserva Técnica Cantareira Case 1 Geradores a Diesel Reserva Técnica Cantareira A necessidade de energia elétrica

Leia mais

Conjuntos Inversores de Potência

Conjuntos Inversores de Potência A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

3 - Cablagem estruturada

3 - Cablagem estruturada Capítulo 3 3 - Cablagem estruturada 1 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização da cablagem A identificação de um cabo é imediata (basta pôr-lhe a etiqueta correcta!!!!)

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO CATEGORIA: ILUMINAÇÃO DE Central de Iluminação de Emergência 24 V(cc), 41,7 A - com Capacidade de 1000 W. Código AFUSE241000 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial

Leia mais

Registro de Garantia do Sistema

Registro de Garantia do Sistema OBJETIVO DA SEÇÃO Registro de Garantia do Sistema I. Lembrar-se dos requisitos para adequado registro das garantias de cabo de par trançado balanceado e fibra óptica. II. III. Entender os formulários disponíveis

Leia mais

CONTROLADOR DE CARGA CTL-100

CONTROLADOR DE CARGA CTL-100 Manual do usuário Série: A MAN-DE- Rev.: 01.01-10 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso. Para garantir o uso correto e eficiente, é imprescindível a leitura completa deste manual para um bom entendimento

Leia mais

Coelba - Grupo Neoenergia No. DO CONTRATO ANEXO 1 PARTE 2 PROJETO BÁSICO

Coelba - Grupo Neoenergia No. DO CONTRATO ANEXO 1 PARTE 2 PROJETO BÁSICO ANEXO 1 PARTE 2 PROJETO BÁSICO SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ÁREAS PROPOSTAS PARA INSTALAÇÃO DOS MÓDULOS FOTOVOLTAICOS... 4 3 FIXAÇÃO DOS MÓDULOS FOTOVOLTAICOS... 6 3.1 Fixação dos fotovoltaicos nas estruturas

Leia mais

SENSOR MAGNÉTICO TIPO PICK-UP

SENSOR MAGNÉTICO TIPO PICK-UP SENSOR MAGNÉTICO TIPO PICK-UP Manual de usuário SENSOR MAGNÉTICO TIPO PICK-UP MAN-DE-PICKUP Rev.: 01.00-10 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso SENSOR MAGNÉTICO TIPO PICK-UP. Para garantir o uso

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO FINALIDADE

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO FINALIDADE INTRODUÇÃO O presente manual define um sistema de cabeamento de telecomunicações para edifícios comerciais. A metodologia aqui definida abrange os princípios do projeto e as práticas de instalação do Sistema

Leia mais

ARMARIOS MURAIS 19 OLIVETEL SA

ARMARIOS MURAIS 19 OLIVETEL SA ARMARIOS MURAIS 19 ÍNDICE Conteúdo Informação geral, normas e conformidade CE 1 Modelos e dimensões 2 Flexibilidade, produtividade, qualidade e segurança 3 Escalabilidade e Acessórios 4 Contactos e Informação

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

Prepare a sua construção para a instalação de energia solar

Prepare a sua construção para a instalação de energia solar Prepare a sua construção para a instalação de energia solar Se você está na fase de planejamento de sua construção, existem alguns pontos que devem ser previstos em seu projeto para facilitar a instalação

Leia mais

Laudo de Comissionamento das Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Laudo de Comissionamento das Instalações Elétricas de Baixa Tensão LEGGA SOLUÇÕES EM ENERGIA Eng. Adriel de Oliveira Engenheiro Eletricista - CREA PR: 119.257/D Av. Santos Dumont, 633 Londrina PR Fones: (43) 3039-2142 / (43) 9150-1414 E-mail: adriel@legga.com.br Laudo

Leia mais

Inversor Trifásico 1CV e 2CV

Inversor Trifásico 1CV e 2CV Inversor Trifásico 1CV e 2CV Página 1 de 10 Esta linha de inversores de frequência da Neotec tende a unir a versatilidade do seu firmware com o desempenho a um baixo custo. Com isso pode ser inserido em

Leia mais

Sem data Sheet online. Lector65x System Pro Lector65x System SISTEMAS DE RASTREAMENTO

Sem data Sheet online. Lector65x System Pro Lector65x System SISTEMAS DE RASTREAMENTO Sem data Sheet online Lector65x System Pro Lector65x System A B C D E F H I J K L M N O P Q R S T Dados técnicos em detalhe Características Sensor Resolução do sensor Resolução do código Largura da fita

Leia mais

HFX & HFXE LED REATOR ELETRÔNICO & REATOR ELETRÔNICO COMBINADO E INVERSOR DE EMERGÊNCIA PARA AMBIENTES EXTERNOS

HFX & HFXE LED REATOR ELETRÔNICO & REATOR ELETRÔNICO COMBINADO E INVERSOR DE EMERGÊNCIA PARA AMBIENTES EXTERNOS HFX & HFXE LED REATOR ELETRÔNICO & REATOR ELETRÔNICO COMBINADO E INVERSOR DE EMERGÊNCIA PARA AMBIENTES EXTERNOS Autor: Barel AS Rev 19 Data: 23.05.2016 Barel AS 9917 Kirkenes Noruega www.barel.no ÍNDICE

Leia mais

UPS. Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 50 kva a 500 kva. Aplicações para Missões Críticas

UPS. Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 50 kva a 500 kva. Aplicações para Missões Críticas INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA de Desenho Retificador IGBT Dupla Conversão Tensão e Frequência Independentes (VFI) Energia

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 4: Transformadores de potência Exercícios 4.1 Um transformador monofásico de dois enrolamentos apresenta os seguintes valores nominais: 20 kva, 480/120 V,

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição DICAS Instalações elétricas prediais/industriais 2ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRE Flexibilidade Os cabos flexíveis estão substituindo, com vantagens, os cabos rígidos tradicionais. Veja porque:

Leia mais

ADAPTADOR RJ-45 PARA BORNE AA-400

ADAPTADOR RJ-45 PARA BORNE AA-400 ADAPTADOR RJ-45 PARA BORNE Manual do usuário Adaptador RJ-45 para Borne MAN-PT-DE-AA400 Rev.: 1.00-11 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso. Para garantir o uso correto e eficiente, é imprescindível

Leia mais

Índice. Introdução. Capítulo 1 - Estudo dos componentes empregados em eletrônica de potência (Diodos, Tiristores e Transistores)

Índice. Introdução. Capítulo 1 - Estudo dos componentes empregados em eletrônica de potência (Diodos, Tiristores e Transistores) i Índice Introdução Capítulo 1 - Estudo dos componentes empregados em eletrônica de potência (Diodos, Tiristores e Transistores) Capítulo 2 Retificadores a diodo Capítulo 3 Retificadores a Tiristor Capítulo

Leia mais

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA.

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Invólucros Metálicos. Caixas de Encastrar

Invólucros Metálicos. Caixas de Encastrar Invólucros Metálicos. Caixas de Encastrar ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Invólucros metálicos

Leia mais

KIT DE ILUMINAÇÃO COM FIBRAS OPTICAS PARA DECORAÇÃO

KIT DE ILUMINAÇÃO COM FIBRAS OPTICAS PARA DECORAÇÃO MANUAL DE INFORMAÇÕES AO USUÁRIO E CONDIÇÕES DE GARANTIA A Fibra Óptica Brasileira KIT DE ILUMINAÇÃO COM FIBRAS OPTICAS PARA DECORAÇÃO ATENÇÃO: Não utilize este equipamento sem antes consultar este manual.

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Índice Breve introdução pg. 3 Princípio pg. 3 Características pg. 4 Principais parâmetros técnicos pg. 4 Instalação e avisos pg. 5 Manutenção pg. 5 Passos de operação pg. 6 Diagrama

Leia mais

MEIOS DE TRANSMISSÃO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC

MEIOS DE TRANSMISSÃO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC MEIOS DE TRANSMISSÃO REDES E SR1 Rio de Janeiro - RJ INTRODUÇÃO É a conexão física entre os nós. Pode ser através de cabos ou por ondas de rádio, como no caso do wireless. Influencia diretamente no custo

Leia mais

Faculdade de Engenharia da UERJ Instalações Elétricas

Faculdade de Engenharia da UERJ Instalações Elétricas Faculdade de Engenharia da UERJ Instalações Elétricas ATERRAMENTO DE INSTALAÇÕES EM BAIXA TENSÃO NORMAS BRASILEIRAS NBR-5410/2004 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR-5419/2005 - Proteção de Estruturas

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 4 Circuitos retificadores 2 Objetivos Estudo e montagem de diferentes circuitos retificadores. 3 Fundamentos

Leia mais

Cabos de Controle e Instrumentação

Cabos de Controle e Instrumentação Cabos de Controle e Instrumentação 1 Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. Somos um dos maiores fabricantes mundiais de fios e cabos, com mais de 170 anos de história de progresso contínuo em

Leia mais

POWER RETIFICADOR PARA SOLDAGEM NO PROCESSO ELETRODOS REVESTIDOS. Produtos

POWER RETIFICADOR PARA SOLDAGEM NO PROCESSO ELETRODOS REVESTIDOS. Produtos RETIFICADOR PARA SOLDAGEM NO PROCESSO ELETRODOS REVESTIDOS 425 POWER Produtos Av. Industrial, 364 - Distrito Industrial de Ibirité CEP: 32400-000 - Ibirité - MG / Telefax: (31) 3533-3300 www.eletrodosstar.com.br

Leia mais

Sumário: Par Trançado (UTP) 07/07/2016. Meios de Comunicação para (LAN): Fios e Cabos de Cobre; Fibras Óticas; Irradiação Eletromagnética;

Sumário: Par Trançado (UTP) 07/07/2016. Meios de Comunicação para (LAN): Fios e Cabos de Cobre; Fibras Óticas; Irradiação Eletromagnética; Sumário: Meios de Comunicação para (LAN): Fios e Cabos de Cobre; Fibras Óticas; Irradiação Eletromagnética; Técnico em Informática 4º Integrado Redes de Computadores Fabricio Alessi Steinmacher Par Trançado

Leia mais

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Objetivos da aula Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação triângulo e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores.

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações Gerência de Certificação - RFCEC/RFCE/SRF SÍNTESE DO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO

Agência Nacional de Telecomunicações Gerência de Certificação - RFCEC/RFCE/SRF SÍNTESE DO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO Laboratório LABELO/PUCRS Acreditação n CRL 0075 Produto Ensaios acreditados Norma e/ou procedimento Alarme para linha telefônica Modem analógico Equipamento de fac-simile Telefone de assinante Telefone

Leia mais

SW420S 420 WATTS HIGH POWER 1 CHANNEL

SW420S 420 WATTS HIGH POWER 1 CHANNEL SW420S 420 WATTS HIGH POWER 1 CHANNEL O amplificador automotivo SW420S que você adquiriu, é um produto de alta tecnologia projetado em um moderno laboratório de acordo com as mais modernas técnicas eletrônicas,

Leia mais

FieldLink MC. para controle de movimentos

FieldLink MC. para controle de movimentos FieldLink MC para controle de movimentos A LEONI Business Unit Industrial Solutions oferece uma grande variedade de produtos para cabeamento de acionamento, atendendo às tendências em relação à complexidade

Leia mais

Especificações Técnicas. Fonte de Alimentação CA Programável Modelo 9801

Especificações Técnicas. Fonte de Alimentação CA Programável Modelo 9801 Especificações Técnicas Fonte de Alimentação CA Programável O modelo 9801 da B&K Precision é tanto uma fonte de alimentação CA programável, como também um instrumento de medições, tudo em um gabinete compacto

Leia mais

Número PE052/2016. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE052/2016. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 UNIVERSIDADE DO SUDOESTE DA - CAMPUS VITORIA DA C 1 PAINEL, de manobras (patch panel), 24 portas, CAT 6, aderente a EIA 310D, montagem em rack 19 Un 19,00 polegadas - Conectores RJ - 45 femeas

Leia mais

CONVERSOR-ISOLADOR DE SINAIS TRM-670

CONVERSOR-ISOLADOR DE SINAIS TRM-670 CONVERSOR-ISOLADOR DE SINAIS TRM-670 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso CONVERSOR-ISOLADOR DE SINAIS TRM-670. Para garantir o uso correto e eficiente do TRM-670, leia este manual completo e atentamente

Leia mais

/sonarengenharia

/sonarengenharia A Sonar Engenharia, empresa atuante nos setores de ELÉTRICA e GÁS, possui em seu quadro profissionais graduados em Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Eletrotécnica e Engenharia de Segurança no Trabalho.

Leia mais

*Imagens meramente ilustrativas MÁQUINA DE SOLDA INVERSORA MMA 200. Manual de Instruções

*Imagens meramente ilustrativas MÁQUINA DE SOLDA INVERSORA MMA 200. Manual de Instruções *Imagens meramente ilustrativas MÁQUINA DE SOLDA INVERSORA MMA 200 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br Prezado Cliente Este manual tem como objetivo orientá-lo na instalação, operação e informações

Leia mais

Manual de Operação 1

Manual de Operação 1 1 Índice Ambiente operacional...03 Instalação...03 Precauções na instalação...04 Utilizando o controle da Cortina de Ar...05 Dados técnicos...06 Manutenção...06 Termo de garantia...07 2 As cortinas de

Leia mais

Water Cooled Motor refrigerado à água

Water Cooled Motor refrigerado à água Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Water Cooled Motor refrigerado à água Baixo nível de ruído Fácil manutenção Baixo custo operacional Motores Water Cooled Os motores refrigerados

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA AMPLIFICADOR DE SINAL DE ÁUDIO ESTÉREO PARA AUTOS O USO DE EQUIPAMENTOS DE SOM EM POTÊNCIA SUPERIOR A 85 DECIBÉIS, PODE CAUSAR DANOS AO SISTEMA AUDITIVO (LEI

Leia mais

Ensaio 6: Característica de Tensão-Carga de Geradores CC: Excitação Independente, Shunt Auto- Excitado e Série

Ensaio 6: Característica de Tensão-Carga de Geradores CC: Excitação Independente, Shunt Auto- Excitado e Série Ensaio 6: Característica de Tensão-Carga de Geradores CC: Excitação Independente, Shunt uto- Excitado e Série 1. Objetivos Os objetivos desse ensaio são: a) Construir a curva característica de tensão-carga

Leia mais

Transmissores de saída dupla OEM para aplicações de serviço pesado, tipo MBS 1300 e MBS 1350

Transmissores de saída dupla OEM para aplicações de serviço pesado, tipo MBS 1300 e MBS 1350 Ficha técnica Transmissores de saída dupla OEM para aplicações de serviço pesado, tipo MBS 1300 e MBS 1350 A série MBS 1300 é um transmissor de saída dupla. Saída 1 propicia um sinal de pressão na medida

Leia mais