PROTOCOLO DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA NO PACIENTE CIRURGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA NO PACIENTE CIRURGICO"

Transcrição

1 PROTOCOLO DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA NO PACIENTE CIRURGICO 2014

2 INTRODUÇÃO O uso de antimicrobianos para prevenção de infecção pós-cirúrgica consolid-se após estudos experimentais e clínicos. Burke mostr, nos anos 60, a existência de uma "janela de oportunidade" temporal, em que a profilaxia se mostr eficaz. Este achado foi confirmado pelo estudo de Classen nos anos 90: pacientes que receberam antibioticoprofilaxia 2 horas menos antes da incisão cirúrgica tiveram menos infecções do que aqueles que a receberam mais de 2 horas antes, após a incisão cirúrgica. Aspectos críticos da antibioticoprofilaxia cirúrgica são a escolha do antimicrobiano adequado, o uso de dose adequada para o peso do paciente (atenção aos obesos) e a manutenção de níveis séricos e tissulares terapêuticos durante a cirurgia, o que pode requerer a repetição de doses em cirurgias mais prolongadas. Conseguir que o antimicrobiano seja dado no momento certo e que doses suplementares sejam administradas requer uma organização multidisciplinar principalmente no centro cirúrgico e em especial dos anestesiologistas. O uso da antibioticoprofilaxia no pós-operatório deve ser desencorajado, pois não há benefício adicional, podendo haver aumento de reações adversas como alergia, diarreia, infecção por Clostridium difficíle e da incidência de patógenos resistentes. O Protocolo de Antibioticoprofilaxia no Paciente Cirúrgico que se segue, ajuda o cirurgião e o anestesista a escolher a profilaxia adequada para cada tipo de cirurgia nas diferentes especialidades, apoiando a decisão clínica e colaborando para a segurança de nossos pacientes. Dra. Maria Beatriz Sza Dias- CCIH Dra. Mirian F Dal Ben Corradi - CCIH Dr. Jorge Mattar Junior - Gerente de Práticas Médica Março/2014 2

3 ÍNDICE INÍCIO DO ANTIMICROBIANO 4 CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO 5 CIRURGIA CARDÍACA 6 CIRURGIA GASTROINTESTINAL 7/8 CIRURGIA GINECOLÓGICA 9 CIRURGIA NEUROLÓGICA 10 CIRURGIA ORTOPÉDICA 11 CIRURGIA EM OTORRINOLARINGOLOGIA 12 CIRURGIA PLÁSTICA 13 CIRURGIA DE TÓRAX 14 CIRURGIA E PROCEDIMENTOS EM UROLOGIA 15/16 CIRURGIA DO TRAUMA 17 FERIMENTOS CORTO-CONTUSOS EM PARTES MOLES 18 CIRURGIA VASCULAR 19 VÍDEO CIRURGIAS 20 PROFILAXIA PARA TÉTANO 21 3

4 INÍCIO DO ANTIMICROBIANO (ATM) De acordo com cirurgião o Anestesiologista prescreve, prepara e administra o antibiótico profilático no Centro Cirúrgico antes da anestésica. Em cirurgias onde o preparo do paciente pós-indução é prolongado (algumas ortopédicas, neurológicas e cardíacas) o anestesiologista deve aguardar até os últimos minutos que precedem a incisão cirúrgica. As doses devem ser repetidas em cirurgias prolongadas : 2/2h (1g cefalotina/1g cefoxitina) 4/4h (1g cefazolina/750mg cefuroxime) Atenção para o uso de doses maiores nos obesos. (3g cefazolina cefoxitina; 2,25g cefuroxima; 2g vancomicina; 2g ceftriaxone) 4

5 CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO Procedimento Antibiótico Dose na Intervalo Pós-operatório Limpa sem lesão de mucosa Não indicado Limpa com lesão de mucosa cefazolina 2g EV Não indicado Não indicado Oncológica limpa cefazolina 2g EV 1g 4/4H Não indicado (cefazolina 2g EV 1g 4/4H 1g 8/8h Oncológica potencialmente contaminada metronidazol) 500mg EV 500mg 6/6h 500mg 8/8h clindamicina isoladamente 600 mg EV 600mg EV 6/6H 600mg 6/6h 24h Oncológica infectada clindamicina 600mg EV 600mg 6/6h 600mg 6/6h 10 dias ceftriaxone 1g EV 1g 12/12h 1g 12/12h (tratamento) Alérgico a beta-lactâmicos: clindamicina 600mg EV para cobertura de Gram-positivos/anaeróbios e ciprofloxacino 400mg para Gram-negativos. 5

6 CIRURGIA CARDÍACA Procedimento Cirurgia cardíaca Cirurgia cardíaca em crianças até 30 kg Instalação de marcapasso Antibiótico Dose na Intervalo Pós-operatório cefuroxima 750mg após termino da 1,5 EV 750mg 6/6 (4 doses) CEC 4/4 h 1g após o término da cefazolina 2g EV 1g 8/8h CEC 4/4h horas cefuroxima 50mg/kg após termino da 50mg/Kg EV 50mg/kg 6/6h CEC 4/4 h 30mg/kg após termino da cefazolina 30mg/Kg EV 30mg/kg EV 6/6h CEC 4/4h horas cefuroxima 1,5g EV 750mg após 12h Total 2 doses Não indicado cefazolina 2g EV Não indicado Dose única Transplante cardíaco adulto cefuroxima 1,5 EV 750mg 4/4h 750mg 6/6h 48 h Transplante cardíaco criança cefuroxima 50mg / Kg EV 50mg/Kg EV 4/4h 50mg/Kg EV 6/6 h 48h cefuroxima 750mg após termino da 1,5 EV 750mg 6/6h Ventrículo artificial CEC 4/4 h 48h vancomicina 15mg/ Kg EV* Não indicado 1g 12/12h Alérgicos a betalactâmicos: vancomicina 1g EV 12/12h clindamicina 600mg EV 6/6h para cobertura de Gram -positivos. * Iniciar 2h antes da cirurgia corrigir para função renal 6

7 Procedimento Esôfago CIRURGIA GASTROINTESTINAL Dose na Antibiótico Intervalo Pós-operatório Incisão na mucosa cefoxitina 2g EV 1g 2/2h 6/6h 24h Câncer Gastrostomia endoscópica Gastroduodenal Intestino delgado Apendicectomia Cólon Colecistectomia Hérnia de Hiato Gastrectomia Todas, na suspeita diagnostica e até avaliação intra-operátoria Opcional: preparo mecânico e descontaminação oral com neomicina + metronidazol VO ás 13h, 14h, 23h na véspera da cirurgia Alto risco: pacientes > 60 anos, inflamação aguda; coledocolitiase; cirurgia manipulação endoscópica prévias de trato biliar Baixo risco Laparoscópica ceftriaxone (clindamicina metronidazol) 1g EV 1g12/12h 1g12/12h 600mg EV 500mg EV 600mg 6/6h 500mg 6/6h 600mg 6/6h 500mg 8/8h cefazolina 2g EV não indicado não indicado Dose única cefazolina 2g EV 1g 4/4h 1g 8/8h cefoxitina 2g EV 1g 2/2h 1g 6/6h cefoxitina 2g EV 1g 2/2h não indicado cefoxitina 2g EV 1g 2/2h não indicado cefoxitina 2g EV 1g 2/2h 1g 6/6h metronidazol 500mg EV 500mg EV 6/6h 500mg EV 8/8h 24h 24h a depender do achado intra-operatório ceftriaxone 2g EV 1g 12/12h 1g 12/12h ertapenem 1g EV não indicado não indicado Dose única cefoxitina 2g EV 1g 4/4h não indicado Não indicado 24h 7

8 Esplenectomia Vacina anti-pneumocócica (Prevnar ) 2 semanas antes da cirurgia; se não for factível vacinar pré-alta hospitalar. Após 8 semanas da Prevnar, vacinar com vacina polissacarídica 23 valente (Pneumo 23 ) cefazolina (opcional) 2g EV 1g 4/4h não indicado não indicado Hepatectomia Hepatocarcinoma, meta hepática Colangiocarcinoma (orientar pela cultura de bile pré-op) cefazolina 2g EV 1g 4/4h 1g 8/8h metronidazol 500mg EV 500mg 8/8 500mg 8/8 ceftriaxone 1g EV 1g 12/12h 1g 12/12h metronidazol 500mg EV 500mg 8/8 500mg 8/8 48 h > 5 dias Transplante hepático adulto* Transplante hepático criança* cefotaxima 2g EV 1 g 3/3h 6/6h ampicilina 2g EV 1g 6/6h 6/6h cefotaxima 50mg/kg EV 50mg/kg 6/6h 50mg/kg 6/6h ampicilina 50mg/kg EV 50mg/kg 6/6h 50mg/kg 6/6h 24h 4 dias Pâncreas Sem abertura do trato GI** não indicado Com abertura do trato GI cefoxitina 2g EV 1g 2/2h não indicado Hérnia cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado *Avaliar o histórico recente de uso de antibióticos e colonização por bactérias MDR (multi-droga resistente). **Se pancreatite infectada, o antibiótico é terapêutico. Obs.: cirurgias vídeoassistidas seguem a mesma recomendação (exceto colescistectomia). Alérgicos a beta-lactâmicos: utilizar clindamicina 600mg 6/6 h para cobertura de gram-positivos, clindamicina metronidazol 0,5g 8/8 h para anaeróbios e gentamicina 240mg d.u. ciprofloxacino 400mg 12/12 h para Gram-negativos (todos EV). 8

9 Procedimento CIRURGIA GINECOLÓGICA Antibiótico Dose na Intervalo Pós-operatório Cirurgia de mama: Cirurgia estética reconstrutiva com sem prótese cefazolina 1g 4/4h 2g EV Mastectomia não indicado Nodulectomia Quadrantectomia Cirurgia ginecológica: Abortamento Cistocele Histerectomia abdominal/vaginal Miomectomia Ooforectomia cefoxitina 2g EV 1g 2/2h não indicado Pan-histerectomia Perineoplastia Retocele Uretrocistopexia Alérgicos a beta-lactàmicos: clindamicina GOOmg EV para cobertura de Gram-positivos/anaeróbios. Usar ciprofioxacino 400mg EV gentamicina 240mg EV/IM para Gram-negativos, se indicado. Cirurgias vídeoassistidas seguem a mesma recomendação. 9

10 CIRURGIA NEUROLÓGICA Procedimento Craniotomia sem implantação de corpo estranho Cirurgias com acesso transesfenoidal Laminectomia e demais cirurgias de coluna sem implantes Laminectomia e demais cirurgias de coluna com implantes cirurgia prolongada em múltiplos níveis, por trauma, em pacientes obesos, diabéticos com glicemia pré-op > 125mg% pós-op > 200 mg%, incontinentes, com déficits neurológicos tras comorbidades Antibiótico Dose na Intervalo Pós-operatório cefuroxima 1,5g EV 750mg 4/4 h Não indicado cefuroxima NASS sugere que cobertura adicional com esponja com gentamicina no local cirúrgico pode diminuir o risco infeccioso 1,5g EV 750mg 4/4 h 750mg 8/8h 24 h Nos pacientes com maior risco, não há evidência pró contra o prolongamento da antibioticoprofilaxia Implantação de DVE, DRP, DLE cefuroxima 1,5g EV 750mg 4/4 h 750mg 8/8h 24h. Fístula liquórica e pneumoencéfalo pós-trauma: eticácia não estabelecida cefuroxima 1,5g EV 750mg 4/4 h 1,5g 12/12h Alérgicos a beta-lactâmicos: vancomicina 1g EV 12/12h para cobertura de Gram-positivos NASS National Association for Spine Surgery. 5 dias. Em fístulas > 5-7 dias de duração, não está indicada a manutenção de antibiótico 10

11 Procedimento CIRURGIA ORTOPÉDICA Dose na Intervalo Antibiótico Pós-operatório Osteossíntese de fratura fechada cefazolina 2g EV 1g 4/4h 1g 8/8h 24 h ceftriaxone 2g EV Não indicado, exceto se hver perda sanguínea > 2 Não indicado Dose única litros (repor 1g) Próteses:Quadril, Joelho,Outras Obs.: chegar urocultura e tratar, se necessário, no pré-operatório cefazolina cefuroxima 2g EV 1,5g EV 1g 4/4h 750mg 4/4h 1g 8/8h 750 mg 8/8h 24 h Manipulação de tecidos infectados por S. aureus em portadores de próteses Sens OXA cefazolina 2g EV 1g 4/4 h Não indicado ortopédicas Res OXA - vancomicina 1 g EV 1g 12/12 h Revisão de artroplastia por suspeita de infecção (vancomicina teicoplanina) 15mg/ Kg EV 800mg EV 1g 12/12h /24h 1g 12/12h /24h 5 dias Reavalição após resultado da cultura ceftazidima 2g EV 2g 8/8h 2g 8/8h Cirurgia eletiva com implante cefazolina 2g EV 1g 4/4h 1g 8/8h 24 h manipulação óssea Cirurgia eletiva sem implante Não indicado Laminectomia e demais cirurgias de cefuroxima 1,5g EV 750mg 4/4h Não indicado coluna Fratura exposta (Tipo 1) cefazolina 2g EV 1g 4/4h 1g 8/8h 48h 2 Fratura exposta (Tipo 2 e 3) clindamicina 600mg EV 600mg 6/6h 600mg 6/6h semanas 240mg EV Não indicado, exceto se 24h após 1º dose: (controverso) gentamicina* hver perda sanguínea > 2 3-5mg/kg d.u. IM/EV litros (repor 80 mg) Artroscopia Não indicado Artroscopia em prótese articuladas cefazolina 2g EV 1g 4/4h 1g 8/8 24 h *Se o paciente tiver mais de 60 anos apresentar choque mioglobinúria, deverá ser utilizada clindamicina e ceftriaxona (2g seguidos de 1g a cada 12 horas). Alérgicos a betalactâmicos: vancomicina 1g EV 12/12H clindamicina 600mg EV 6/6 para cobertura de Gram-positivos; usar ciprofloxacino 400mg EV 12/12h gentamicina 240mg EV 24/24h para cobertura de Gram-negativos, se indicado. Cirurgias vídeoassistidas seguem a mesma recomendação. d.u. dose única diária 11

12 Procedimento CIRURGIA OTORRINOLARINGOLOGIA Antibiótico Dose na Intervalo Pós-operatório Estapedotomia cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado OMC sem colesteatoma Timpanoplastias Timpanomastoidectomia cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado Mastoidectomia OMC com colesteatoma Timpanoplastias Timpanomastoidectomia Mastoidectomia ciprofloxacino 400mg EV não indicado não indicado Ressecção de tumores de ângulo ponto-cerebelar Descompressão de saco endolinfático Neurectomia vestibular Implante coclear Resecção de tumores glômicos Ressecção externa de tumores de naso-sinusais Cirurgias endoscópicas de seios paranasais: sinusites crônicas,poliposes nasais, papilomas nasais Septoplastia / rinoplastia cefuroxima 1,5g EV 750mg 4/4h não indicado Se fístula, manter cefuroxima por 5 dias cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado Amoxicilina 500mg VO 8/8h cefadroxila (Cefamox ) 500mg 12/12h até retirada do tampão/ splint Amigdalectomia Adenoamigdalectomia Não indicado Hemilaringectomia Laringectomia total cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado Microcirurgias de laringe(pólipos, cistos e nódulos) Tireoplastias / Cirurgias de arcabço laringeo cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado Submandibulectomia / parotidectomia cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado Preparo do paciente: Lavar com clorexidina degermante 2% seguida de antissepsia com clorexidina alcoólica 0,5%. A clorexidina é ototoxica, nas cirúrgicas de vido: lavar com PVPI seguido de antissepsia com PVPI alcoólico. Não aplicar antisséptico alcoólico em mucosas usar a formulação tópica.. 12

13 Procedimento Estético: Abdominoplastia Blefaroplastia Dermolipectomia Lipoaspiração Otoplastia Ritidoplastia Septoplastia Rinoplastia (realizar apenas quando hver tampão por > 48h) Cirurgia de mama: Cirurgia estética reconstrução com sem prótese Mastectomia Nodulectomia Quadrantectomia CIRURGIA PLÁSTICA Antibiótico Dose na Intervalo Pós-operatório cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado amoxicilina 500 mg VO 8/8h cefadroxila (Cefamox ) 500 mg VO 12/12h até retirada do tampão/splint cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado Cirurgia de mão: Bridas/Sindactilia opcional: cefazolina 1-2g EV 1g 4/4h não indicado Transplante de pele em queimados Colher swab no planejamento operatório. A profilaxia antimicrobiana deverá ser feita EV de acordo Enxerto retalhos com os resultados de cultura e antibiograma.. manter 24 h Reparadora: Craniofacial (congênitas, trauma) cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado Microcirurgia Alérgicos a beta-lactâmicos: clindamicina 600mg EV 6/6h para cobertura de Gram-positivos. Usar ciprofioxacino 400mg EV 12/12 h para cobertura de Gram - negativos, se indicado. 13

14 Procedimento Correção de hérnia/eventração diafragmática Correção de pectus Decorticação pulmonar Pericardiectomia Ressecção de condrite Ressecção de estenose de traqueia Ressecção de tumor pleural Ressecção pulmonar: Nodulectomia, segmentectomia, Lobectomia, Toracectomia (tumor de parede) Toracoplastia Toracotomia para acesso à coluna Tromboendarterectomia pulmonar Transplante de pulmão (doença não supurativa) CIRURGIA DE TÓRAX Antibiótico Dose na Intervalo cefazolina Pós-operatório 2g EV 1g 4/4h 1g 6/6h cefuroxima 1,5 EV 750 mg 8/8h 750 mg 6/6h cefuroxima 1,5g EV 750 mg 4/4h 750 mg 6/6 h Intraoperatório, no máximo, 24h 48h, até resultado de cultura do coto brônquico do doador para ajuste terapêutico Transplante de pulmão terapêutica antimicrobiana orientada por culturas pré-operatórias (doença supurativa) Biópsia: transtorácica, gânglio, pleura, pulmão a céu aberto tumores de parede Costectomia segmentar Drenagem pleural (não empiema) Laringoscopia de suspensão não indicado Mediastinoscopia / Mediastinotomia Pleuroscopia diagnóstica Toracocentese diagnóstica Traqueostomia Nota: Quando hver necessidade de realizar procedimentos fora do centro cirúrgico, usar paramentação cirúrgica, campos cirúrgicos e fazer degermação da própria pele e da pele do paciente como a pré-operatória. Obs.: cirurgias vídeoassistidas seguem a mesma recomendação. Alérgicos a beta-lactâmicos: utilizar clindamicina 600mg para cobertura de Gram-positivos e gentamicina 240mg (d.u.) ciprofloxacino 400 mg EV para Gram-negativos (todos EV). 14

15 CIRURGIA E PROCEDIMENTO EM UROLOGIA Os pacientes devem ser tratados antes do procedimento invasivo se tiverem infecção bacteriúria assintomática Procedimento Antibiótico Dose na Intervalo Pós-operatório Biopsia de próstata transretal ciprofloxacino ceftriaxona 500mg VO 12h e 2h antes - 12/12h 3-7 dias Se uso recente quinolonas,substituir por sulfa+trimetoprim 1g EV - dose única Braquiterapia prostática transperineal ciprofloxacino 400 mg EV não indicado - dose única Extração endoscópica manipulação percutânea de ceftriaxona 1g EV cálculos norfloxacino 400mg não indicado até a retirada da SVD gentamicina 80mg EV VO 12/12h Litotripsia em obstrução total parcial de ureter ceftriaxone 1g EV não indicado não indicado dose única (recomendado) Estudos urodinâmicos norfloxacino 400mg VO não indicado 12/12h 24 h Citoscopia e pielografia retrógada simples Baixo risco Não indicado Alto risco norfloxacino 400mg VO não indicado 400 mg 12/12h 24 h Cirurgia endrológica ambulatorial (colocação/troca stent, ureteroscopia ciprofloxacino 500 mg VO não indicado não indicado dose única diagnóstica/terapêutica) Cirurgias limpas (orquiectomia, postectomia, vasectomia, varicocelectomia) não indicado Orquiectomia com colocação de prótese cefazolina 1-2 g EV não indicado não indicado Dose única Próteses penianas Esfíncter artificial cefuroxime vancomicina ceftriaxona 1,5 g EV 750 mg 4/4h 750 mg 6/6 h 24 h 15 mg/kg EV 2g EV 12/12h 12/12h Total 2 doses 15

16 CIRURGIA E PROCEDIMENTO EM UROLOGIA Os pacientes devem ser tratados antes do procedimento invasivo se tiverem infecção bacteriúria assintomática Procedimento Antibiótico Dose na Intervalo Nefrectomia limpa Nefrectomia infectada Prostatectomia aberta Ressecção transuretral de prostata/bexiga Cirurgias com manipulação intestinal Transplante renal* Transplante pâncreas duplo rim-pâncreas* Reoperação de transplante rim* duplo rim + pâncreas* Opcional: cefazolina Orientar pela urocultura ceftriaxona Pós-operatório 2g EV não indicado não indicado dose única 2g EV - Orientar pela urocultura ceftriaxona 1g EV 12/12h cefazolina 2g EV 1g 4/4h 1g 8/8h ciprofloxacino 400 mg EV 400mg 12/12h 500mg V0 12/12h ceftriaxona 2g EV 1g 12/12h 1g 12/12h cefoxitina (+ preparo intestinal) Tratar por 7 dias 2g EV 1g 2/2h 1g 6/6h 24h cefazolina 2g EV 1g 6/6h 1g 8/8h fluconazol 200mg EV 200 mg 12/12h 200mg 12/12h ceftriaxona 2g EV 1g 12/12h 1g 12/12h metronidazol 500mg EV 500 mg 8/8h 500 mg 8/8h 24h 24h Fazer profilaxia P. jirovecii 5 a 7 dias Fazer profilaxia P. jirovecii ampicilina 2g EV 1g 6/6h 1g 6/6h vancomicina 1g EV 1 g 12/12h 12/12h 24h até retirada SVD (ceftriaxona 1g EV 1 g 12/12h 12/12h Fazer profilaxia P. jirovecii Imipenem) 500 mgev 500 mg 6/6h 500 mg 6/6h * Corrigir doses de acordo com função renal. SVD - sonda vesical de demora. Alérgicos a beta-lactâmicos: clindamicina 600 mg EV 6/6h para cobertura de Gram-positivos e ciprofloxacino 400 mg EV 12/12 h para cobertura de Gram-negativos, se indicado. 16

17 CIRURGIA DO TRAUMA Procedimento Antibiótico Dose na Trauma abdominal penetrante* Trauma abdominal fechado com indicação cirúrgica * Trauma tóraco-abdominal penetrante* Lavagem peritoneal Laparoscopia diagnóstica Trauma torácico penetrante Trauma torácico fechado com dreno Trauma torácico penetrante em lesão de esôfago com contaminação grosseira Osteossíntese de fratura fechada Intervalo Pós-operatório cefoxitina 2g EV 1g 2/2h 1g 6/6h 24h não está indicado, se não hver indicação cirúrgica cefazolina 2g EV 1g 4/4h 1g 8/8h 24h clindamicina 900mg EV 600 mg 6/6h 600mg 6/6h Não indicado exceto se 3-5mg/kg d.u. diária gentamicina** 240mg/dia EV hver perda sanguínea > 2 IM/EV reavaliação após 7 dias litros (repor 80 mg) cefazolina 2g EV 1g4/4h 1g 8/8h 24 h Não indicado, exceto se ceftriaxone 2g EV hver perda sanguínea > 2 Não indicado Dose única litros (repor 1g) Fratura exposta (tipo 1) cefazolina 2g EV 1g4/4h 1g8/8h Fratura exposta (tipo 2 e 3) clindamicina 600mg EV 600mg 6/6h 600mg 6/6h 240mg EV Não indicado, exceto se 3-5mg/kg d.u. EV/IM hver perda sanguínea > 2 gentamicina** litros (repor 80 mg) Lesão vascular cefazolina 2g EV 1g 4/4h 1g 8/8h 24h Trauma cirúrgico cabeça/pescoço Trauma de crânio fechado, cirúrgico cefuroxima 1,5g EV 750mg 4/4h 1,5 g 12/12h 24h Trauma de crânio penetrante Trauma de crânio com fistula liquórica: eficácia não estabelecida cefuroxima 1.5 g EV 750mg 4/4h 1,5 g 12/12h 2 dias 14 dias (controverso) 5 dias. Em fístulas > 5-7 dias de duração, não está indicada a manutenção de antibiótico d.u. - dose única *com sem lesão de víscera oca, inclusive colon. **Se o paciente tiver mais de 60 anos apresentar choque mioglobinúria, deverá ser utilizado clindamicina e ceftriaxona (2g seguidos de 1g a cada 12 horas). Alérgicos a beta-lactâmicos: utilizar clindamicina 600 mg para cobertura de Gram-positivos; clindamicina metronidazol para anaeróbios; gentamicina 240 mg (d.u. diária) ciprofloxacino 400mg EV 12/12h para Gram-negativos (todos EV). OBS1: Esplenectomia por trauma: vacina conjugada para Pneumococcus (Prevnar ), seguida vacina Pneumocócica polissacarídica 23 valente (Pneumo 23 ) após 8 semanas OBS2: Ver profilaxia TÉTANO pág

18 TRAUMA - FERIMENTOS CORTO-CONTUSOS EM PARTES MOLES Atenção para profilaxia contra tétano (pag 21) Medidas de limpeza com soro fisiológico e desbridamento cirúrgico são prioritárias. Quando indicado, o antimicrobiano deve ser iniciado rapidamente. Ferimento Ferimento perfurante de ante-pé com calçado Ferimento perfurante de ante-pé sem calçado Laceração sem desbridamento cirúrgico Laceração com desbridamento cirúrgico limitado (sala de admissão) Laceração com desbridamento cirúrgico amplo (centro cirúrgico) Bactérias frequentes Staphylococcus Streptococcus Pseudomonas Staphylococcus Streptococcus Antibiótico preemptivo inicial vibramicina 100 mg VO+ ciprofloxacino 500 mg VO vibramicina 100 mg VO Antibiótico preemptivo oral vibramicina 100 mg VO 12/12 h + ciprofloxacino 500 mg VO 12/12h vibramicina 100 mg VO 12/12h 3-5 dias 3-5 dias Cocos Gram positivos Antimicrobiano tópico? Não indicado Até fechamento de ferida Staphylococcus cefazolina 1g IV 8/8h cefalexina 500mg VO 6/6h 3-5 dias Streptococcus Staphylococcus Streptococcus Enterobactérias clindamicina 600 mg IV 6/6h + ceftriaxona 1 g IV 12/12h clindamicina 600 mg VO 6/6h + ciprofloxacino 500 mg VO 12/12h 3-5 dias 18

19 Procedimento Varizes Embolectomia Baixo risco: ligaduras de pefurantes e colaterais Alto risco: Safenectomias Tromboflebite Dermatofibrose Úlceras de estase Fibredema Imunidade Varizes exuberantes Baixo risco: (CPK < 150) CIRURGIA VASCULAR Antibiótico Dose na Não indicado Intervalo Pós-operatório cefazolina 2g EV 1g 4/4h 1g 8/8h 24h não indicado Alto risco: extensas, em MMI, com alterações neurológicas cefazolina 2g EV 1g 4/4h 1g 8/8h 24h Enxertos com prótese vascular (sem LTI) cefazolina 2g EV 1g 4/4h 1g 8/8h 24-48h Enxertos com veia autóloga (sem LTI) cefazolina 2g EV 1g 4/4h não indicado Implante de cateter de longa permanência não indicado Fistula arteriovenosa sem próteses não indicado Fistula arteriovenosa com próteses cefazolina 2g EV não indicado não indicado dose única Amputações por gangrena seca cefoxitina 2g EV 1g 2/2h 1g 6/6h 24h clindamicina clindamicina 600mg EV 6/6h 600mg VO 8/8 h Amputações por gangrena úmida ciprofloxacino 400mg EV 12/12h ciprofloxacino 500mg VO 12/12 h Adequar segundo culturas e manter conforme a evolução clínica LTI = lesão trófica infectada. Alérgicos a betalactàmicos: clindamicina 600mg EV 6/6h para cobertura de Gram-positivos e ciprofioxacino 400mg EV para cobertura de Gram-negativos, se indicado. 19

20 VÍDEO CIRURGIAS Procedimento Antibiótico Dose na Gastrointestinal Ginecológica Ortopédica Intervalo Pós-operatório Indicação semelhante às cirurgias convencionais Torácica Colecistectomia ( Baixo risco) Não indicado 20

21 História de imunização contra tétano PROFILAXIA PARA TÉTANO Ferimento limpo superficial Todos tros ferimentos * Vacina Imunoglobulina humana antitetânica Vacina Imunoglobulina humana antitetânica Menos de 3 doses ignorado Sim Não Sim Não Vacinação primária completa (> 3 doses) Última dose há menos de 5 anos Não Não Não Não Última dose entre 5 a 10 anos Não Não Sim Não Última dose há mais de 10 anos Sim Não Sim Não *Consideram-se tros ferimentos: fraturas expostas, ferimentos por arma branca de fogo, queimaduras extensas, ferimentos com retenção de corpos estranhos, ferimentos profundos e puntiformes (provocados por agulhas, pregos tros objetos pontiagudos). VACINA Para menores de 7 anos: utilizar a tríplice (DPT), dupla infantil (DT) tríplice acelular Para maiores de 7 anos: utilizar a dupla tipo adulto (DT) Imunoglobulina humana antitetânica: 250 UI IM OBS: não administrar imunoglobulina e vacina no mesmo grupo muscular 21

22 - Elaboração Maria Beatriz Gandra de Sza Dias Mirian de Freitas Dalben Corradi Lorena Laborda - Coordenação: Dr. Jorge Mattar Jr -Colaboração: CCIH HSL GCIH e sub comissões de controle de infecção do HC FMUSP, SMA Equipes cirúrgicas do HCFMUSP e HSL Edição - Ano edição 22

23 HOSPITAL SÍRIO-LIBANÊS CCIH Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Sírio-Libanês Revisão e impressão 2014 (55-11) /

MANUAL DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA CIRÚRGICA

MANUAL DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA CIRÚRGICA MANUAL DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA CIRÚRGICA manual.indd 1 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar SCIH Índice Parâmetros para Antibióticoprofilaxia Cirúrgica... Cirurgia Cardíaca... Cirurgia de Cabeça

Leia mais

Dr. Ângelo Lobato Dr. Marcelo Sepúlveda Dr. Cervantes Caporossi Dr. José Milton Dr. Fernando Canavarros Dr. Luciano Corrêa Ribeiro

Dr. Ângelo Lobato Dr. Marcelo Sepúlveda Dr. Cervantes Caporossi Dr. José Milton Dr. Fernando Canavarros Dr. Luciano Corrêa Ribeiro Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Dr. Ângelo Lobato Dr. Marcelo Sepúlveda Dr. Cervantes Caporossi Dr. José Milton Dr. Fernando Canavarros Dr. Luciano Corrêa Ribeiro Drª Zamara Brandão Ribeiro

Leia mais

Parâmetros para profilaxia cirúrgica

Parâmetros para profilaxia cirúrgica Parâmetros para profilaxia cirúrgica O objetivo da profilaxia antimicrobiana em cirurgia é prevenir a infecção de sítio cirúrgico, atingindo níveis do antibiótico no sangue e nos tecidos que exceda, em

Leia mais

MANUAL DE PREVENÇÃO DE INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO

MANUAL DE PREVENÇÃO DE INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO MANUAL DE PREVENÇÃO DE INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO 1ª Edição INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO Dados epidemiológicos indicam que as infecções ocorrem em 2% a 5% dos pacientes submetidos a cirurgias, aumentando

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO Antibioticoprofilaxia em Cirurgias Limpas, Potencialmente Contaminadas e Contaminadas

PROTOCOLO CLÍNICO Antibioticoprofilaxia em Cirurgias Limpas, Potencialmente Contaminadas e Contaminadas Antibioticoprofilaxia em Cirurgias Limpas, Potencialmente e Código: PC.CIH.001 Data: 08/06/2010 Versão: 1 Página: 1 de 5 RESULTADO ESPERADO/OBJETO: O objetivo da antibioticoprofilaxia (ATBp) em qualquer

Leia mais

PROFILAXIA DA INFECÇÃO DA FERIDA CIRÚRGICA E TRAUMA

PROFILAXIA DA INFECÇÃO DA FERIDA CIRÚRGICA E TRAUMA PROFILXI D INFECÇÃO D FERID CIRÚRGIC E TRUM INDICÇÕES 1. Cirurgia limpa-contaminada 2. Cirurgia limpa: a. Com prótese vascular b. Com prótese intra-articular c. Em que a infecção do local cirúrgico se

Leia mais

PROTOCOLO DE RESERVAS CIRÚRGICAS

PROTOCOLO DE RESERVAS CIRÚRGICAS PROTOCOLO DE RESERVAS CIRÚRGICAS PROTOCOLO DE RESERVAS CIRÚRGICAS Protocolo de máxima utilização de sangue. Baseado no histórico transfusional de todos os procedimentos cirúrgicos realizados no HUWC de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA RESERVA CIRÚRGICA DE HEMOCOMPONENTES

ORIENTAÇÕES PARA RESERVA CIRÚRGICA DE HEMOCOMPONENTES ORIENTAÇÕES PARA RESERVA CIRÚRGICA DE HEMOCOMPONENTES O conhecimento e análise do consumo de hemocomponentes pelo paciente submetido à intervenção cirúrgica são de fundamental importância para que o Hemocentro

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves PROFILAXIA CIRÚRGICA Valquíria Alves INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO (ILC) Placeholder for your own subheadline A infecção do local cirúrgico (ILC) é uma complicação comum da cirurgia, com taxas de incidência

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Considerando a pauta das reuniões do Comitê Transfusional do HSPE, apresentamos o protocolo de Reserva Cirúrgica de Sangue aprovado.

Considerando a pauta das reuniões do Comitê Transfusional do HSPE, apresentamos o protocolo de Reserva Cirúrgica de Sangue aprovado. Considerando a pauta das reuniões do Comitê Transfusional do HSPE, apresentamos o protocolo de Reserva Cirúrgica de Sangue aprovado. O conhecimento e análise do consumo de hemocomponentes pelo paciente

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

ENFERMAGEM CIRÚRGICA CLASSIFICAÇÃO CIRÚRGICA

ENFERMAGEM CIRÚRGICA CLASSIFICAÇÃO CIRÚRGICA ENFERMAGEM CIRÚRGICA Profa. MsC. Valéria Aguiar CLASSIFICAÇÃO CIRÚRGICA 1 No conceito de cirurgia de urgência, tem-se que: A) O paciente deve ser operado de acordo com o agendamento prévio da sala de operação;

Leia mais

Dra. Thaís Guimarães

Dra. Thaís Guimarães Dra. Thaís Guimarães ANTIMICROBIANOS Produtos capazes de destruir microorganismos ou de suprimir sua multiplicação ou crescimento. Antibióticos = produzidos por microorganismos Quimioterápicos = sintetizados

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

PACIENTES AGUARDANDO CIRURGIA UROLOGIA

PACIENTES AGUARDANDO CIRURGIA UROLOGIA PACIENTES AGUARDANDO CIRURGIA UROLOGIA NA 1 24/03/2009 RTU DE PRÓSTATA 898-002-372-489-358 2 19/05/2009 RTU DE PRÓSTATA 201-020-664-630-007 3 06/07/2009 RTU DE PRÓSTATA 4 06/07/2009 RTU DE PRÓSTATA 206-277-959-480-001

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIATORÁCICA PROCEDIMENTOS E HONORÁRIOS

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIATORÁCICA PROCEDIMENTOS E HONORÁRIOS SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIATORÁCICA PROCEDIMENTOS E HONORÁRIOS ATIVIDADES CLÍNICAS Consulta em consultório 178,48 Acompanhamento enfermaria - diária 178,48 Acompanhamento UTI - diária 178,48 Consulta

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM N.º 07, 05 de setembro de 2006 (*)

RESOLUÇÃO CNRM N.º 07, 05 de setembro de 2006 (*) RESOLUÇÃO CNRM N.º 07, 05 de setembro de 2006 (*) Dispõe sobre a duração do programa de Residência Médica de Cancerologia/Cirúrgica e seu conteúdo programático O Presidente da Comissão Nacional de Residência

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

USO DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA EM CIRURGIA

USO DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA EM CIRURGIA USO DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA EM CIRURGIA O emprego de antibióticos de forma profilática em cirurgia significa a utilização desses fármacos na ausência de um processo infeccioso estabelecido com a finalidade

Leia mais

PROCEDIMENTOS MÉDICOS GERENCIADOS

PROCEDIMENTOS MÉDICOS GERENCIADOS PROCEDIMENTOS MÉDICOS GERENCIADOS Apresentação Prezado (a) Doutor (a), A fim de padronizar o atendimento de seus pacientes particulares e agilizar a consulta aos preços praticados pelo Hospital Santa Catarina,

Leia mais

Procedimentos incluídos

Procedimentos incluídos s incluídos SEGMENTAÇÃO MÉDICO-HOSPITALAR PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS Procedimento exame 1. Capilaroscopia periungueal Exame clínico Reumatologia Avaliação e auxílio diagnóstico de síndromes vasculares

Leia mais

Padronização da Profilaxia Antimicrobiana no Período Peri-Operatório

Padronização da Profilaxia Antimicrobiana no Período Peri-Operatório DIRETRIZES ASSISTENCIAIS DO HOSPITAL SÍRIO-LIBANÊS Padronização da Profilaxia Antimicrobiana no Período Peri-Operatório Documento Proposto pelo Comitê de Implementação de Diretrizes Assistenciais do HSL

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

Pacote de medidas (bundle) Expediente

Pacote de medidas (bundle) Expediente Expediente Coordenação e Edição Carolina Guadanhin Coordenação Técnica Ivan Pozzi Cláudia Carrilho Produção e Edição Dayane Santana Revisão Gramatical Jackson Liasch Projeto Gráfico OZLondrina Impressão

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem Cirurgica Ano letivo 2011 Série 3º Carga Horária Total 108 h/a T 54 h/a P 54 h/a Professora: Fabiola Vieira Cunha

Leia mais

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Profilaxia intraparto para EGB Importância para o RN Abordagem do RN com Risco de Infecção ovular e colonizado por Streptococcus do grupo B Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Infecção

Leia mais

PROCEDIMENTOS MÉDICOS GERENCIADOS

PROCEDIMENTOS MÉDICOS GERENCIADOS PROCEDIMENTOS MÉDICOS GERENCIADOS Apresentação Índice Prezado (a) Doutor (a), A fim de padronizar o atendimento de seus pacientes particulares pelo Hospital Santa Catarina, apresentamos a tabela de Procedimentos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL. Professora Marília da Glória Martins

MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL. Professora Marília da Glória Martins MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL Professora Marília da Glória Martins Definição Denomina-se infecção puerperal qualquer processo infecioso bacteriano do trato genital, que ocorra nos primeiros dez dias de puerpério,

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. Procedimentos Robóticos em Cirurgia abdominal 8:45-9:00 Cirurgia Robótica das afecções do

Leia mais

TICOS NO TRAUMA ABDOMINAL: Quando e como?

TICOS NO TRAUMA ABDOMINAL: Quando e como? ANTIBIÓTICOS TICOS NO TRAUMA ABDOMINAL: Quando e como? Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente - UFMA Trauma Principal causa de morte e incapacidade durante o período mais produtivo da vida.

Leia mais

GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011

GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011 INFECÇÕES S SITUAÇÃO CLÍNICA

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

MEDICINA/GERIATRIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO MEDICINA/GERIATRIA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 A surdez pode ser efeito colateral do uso de:

Leia mais

Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Guia de Antibioticoterapia 2014

Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Guia de Antibioticoterapia 2014 Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Guia de Antibioticoterapia 2014 Situação Clínica Situações Especiais Erisipela ou Celulite Clavulim Oxacilina sepse ou sepse

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina Preâmbulo: Vancomicina é um glicopeptídeo que tem uma ação bactericida por inibir

Leia mais

RESOLUÇÃO CIB Nº 265/2012

RESOLUÇÃO CIB Nº 265/2012 RESOLUÇÃO CIB Nº 265/2012 Aprova a Tabela de Valores Diferenciados da Tabela Unificada do SUS para Procedimentos Cirúrgicos Eletivos referentes à Portaria GM/MS Nº 1.340 de 29 de junho de 2012, no âmbito

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO PARA PROGRAMA DE FELLOWSHIP EM CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE DA ABCPF

REGULAMENTAÇÃO PARA PROGRAMA DE FELLOWSHIP EM CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE DA ABCPF REGULAMENTAÇÃO PARA PROGRAMA DE FELLOWSHIP EM CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE DA ABCPF I Introdução Definição da Especialidade A cirurgia plástica da face é uma área que inclui estudo e treinamento aprofundado

Leia mais

_, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

_, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável _, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

XXXIII Congresso Médico da Paraíba. Dr. Marcus Sodré

XXXIII Congresso Médico da Paraíba. Dr. Marcus Sodré XXXIII Congresso Médico da Paraíba Dr. Marcus Sodré Chamamos sinusite aos processos inflamatórios e/ou infecciosos que acometem as cavidades paranasais. Referências anatômicas Nariz : septo, cornetos médios

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Capítulo 20 (ex-capítulo 2) PROCEDIMENTOS

Capítulo 20 (ex-capítulo 2) PROCEDIMENTOS 2.1. VOLUME 3 da CID-9-MC Capítulo 20 (ex-capítulo 2) PROCEDIMENTOS O Volume 3 da CID-9-MC está dividido em Lista Tabular e Índice Alfabético. Os capítulos da Lista Tabular encontram-se organizados por

Leia mais

RESUMÃO AV1 - ENSINO CLÍNICO V TEÓRICO (CC) Resumão elaborado por: Edwallace Amorim

RESUMÃO AV1 - ENSINO CLÍNICO V TEÓRICO (CC) Resumão elaborado por: Edwallace Amorim ACERVO DE EDWALLACE AMORIM ACERVO DE EDWALLACE AMORIM RESUMÃO AV1 - ENSINO CLÍNICO V TEÓRICO (CC) Resumão elaborado por: Edwallace Amorim 1. A ANVISA - RDC 50/2002 (05 unidades/ambientes obrigatórios compõem

Leia mais

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAI VI Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias Bactérias anaeróbias não-esporuladas Participam

Leia mais

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS JANEIRO./2015.02 Proced com finalidade diagnóstica 8.946.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS JANEIRO./2015.02 Proced com finalidade diagnóstica 8.946.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS.02 Proced com finalidade diagnóstica 8.946.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia 33.02.01.01 biópsia do colo uterino 0.02.01.01 biópsia de fígado por punção

Leia mais

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) LIMPEZA Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A limpeza é um dos elementos eficaz nas medidas de controle para romper a cadeia epidemiológica das infecções. Ela constitui um fator

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Procedimentos Novos no Rol em Consulta Pública - termos técnicos e traduções

Procedimentos Novos no Rol em Consulta Pública - termos técnicos e traduções Procedimentos Novos no Rol em Consulta Pública - termos técnicos e traduções 1 CONSULTA COM FISIOTERAPEUTA consulta realizada com fisioterapeuta para diagnosticar as alterações do desempenho funcional,

Leia mais

INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus

INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus Atualmente no HUCFF quase 100% das amostras de MRSA isoladas em infecções hospitalares apresentam o fenótipo de CA-MRSA (S. aureus resistente a oxacilina adquirido na

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS E CONDUTAS NA PREVENÇÃO DE INFECÇÕES 2011 2012 SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Manual de Procedimentos e Condutas em Prevenção de Infecções 2011 2012 Serviço de Controle

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 03 DE AGOSTO DE 2015 (SEGUNDA FEIRA)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 03 DE AGOSTO DE 2015 (SEGUNDA FEIRA) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Espaço do Trauma CBC - SBAIT 03 DE AGOSTO DE 2015 (SEGUNDA FEIRA) Horário Programação 08:00 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 9:55 MESA REDONDA: Trauma

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos?

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Dra. Vanessa Schultz Médica Infectologista Especialização em Gestão de Risco Hospitalar Coordenadora do SCIH do Hospital Mãe de Deus Canoas Não possuo;

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA Procedimentos videoartroscópicos Procedimentos Porte

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA Procedimentos videoartroscópicos Procedimentos Porte RESOLUÇÃO NORMATIVA CNHM Nº 003/2007 AOS MÉDICOS, HOSPITAIS E ENTIDADES CONTRATANTES A Comissão Nacional de Honorários Médicos e Sociedades Brasileiras de Especialidade comunicam as seguintes alterações,

Leia mais

Procedimentos incluídos (RN nº 211) SEGMENTAÇÃO MÉDICO-HOSPITALAR

Procedimentos incluídos (RN nº 211) SEGMENTAÇÃO MÉDICO-HOSPITALAR Procedimentos incluídos (RN nº 211) SEGMENTAÇÃO MÉDICO-HOSPITALAR PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS PRESTADOR Procedimento Tipo de exame Especialidade Razão Social, CNPJ e CNES 1. Capilaroscopia periungueal Exame

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes. MAPA AUDITÓRIO PARQUE TINGUI (280 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. ESPACO DO TRAUMA (SBAIT) SEGUNDA FEIRA 03 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15

Leia mais

TERMINOLOGIA CIRÚRGICA. Prefixos da terminologia cirúrgica e seus significados

TERMINOLOGIA CIRÚRGICA. Prefixos da terminologia cirúrgica e seus significados TERMINOLOGIA CIRÚRGICA Essa terminologia é formada por prefixos, que designam a parte do corpo relacionada à cirurgia, e por sufixos, que indicam o ato cirúrgico referente. Prefixos da terminologia cirúrgica

Leia mais

Resolução CNRM Nº 02, de 20 de agosto de 2007

Resolução CNRM Nº 02, de 20 de agosto de 2007 Resolução CNRM Nº 02, de 20 de agosto de 2007 Dispõe sobre a duração e o conteúdo programático da Residência Médica de Cirurgia da Mão O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA, no uso das

Leia mais

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE)

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) SUBPAV/SVS COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) VACINA INATIVADA CONTRA POLIOMIELITE (VIP) Crianças imunocomprometidas (com deficiência imunológica congênita ou

Leia mais

ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST

ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST Coleta de culturas antes ATB adequado em h se sepse Intervalo e dose corretos (peso) Reavaliar em - com culturas Suspender em -0d se boa evolução tratar bacteriúria/

Leia mais

H Convencionados. Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010. 11 de Fevereiro de 2011

H Convencionados. Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010. 11 de Fevereiro de 2011 H Convencionados Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010 7 11 de Fevereiro de 2011 Título Actividade cirúrgica dos Convencionados Versão V1 Autores Unidade Central de Gestão

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

V. CONSIDERAÇÕES FINAIS

V. CONSIDERAÇÕES FINAIS AGENDA I. PERSPECTIVAS DA GESTÃO Trabalhando DA SAÚDE em Redes Cooperativas: Compartilhamento II. ABORDAGENS para DE CUSTEIO SUStentabilidade Case I Apresentação do III. EXPERIÊNCIA DAS SANTAS CASAS DE

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS)

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS) Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Áreas Técnicas da Saúde da Mulher e da Criança e Assistência Laboratorial Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Fev 2011 1 Como prevenir a disseminação de Enterobactérias

Leia mais

DROGA DIALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS AMICACINA AMOXICILINA AMPICILINA AMPICILINA+ SULBACTAM AZTREONAM

DROGA DIALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS AMICACINA AMOXICILINA AMPICILINA AMPICILINA+ SULBACTAM AZTREONAM ROGA IALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS Administrar a dose pós-diálise ou administrar 2 / 3 da dose normal como dose suplementar pós-diálise; acompanhar os níveis. AMICACINA P: dosar assim como o Cl

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

A CLÍNICA CIRÚRGICA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MANOEL GUEDES

A CLÍNICA CIRÚRGICA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MANOEL GUEDES A CLÍNICA CIRÚRGICA Definição A CIRURGIA Método de tratamento de doenças, lesões ou deformidades externas e/ou internas, por meio de técnicas realizadas geralmente com auxílio de instrumentos e requerendo

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo? 10 a Jornada de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Hospital de Câncer de Barretos da Maternidade Sinhá Junqueira Ribeirão Preto, 29 e 30 de julho de 2005 Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Leia mais

PROCEDIMENTOS HOSPITAL-DIA

PROCEDIMENTOS HOSPITAL-DIA PROCEDIMENTOS HOSPITAL-DIA PROCEDIMENTO PERM. DESCRIÇÃO PORTE 39.03.010-5 HD VARIZES - TRAT. CIRUR. UNIL. 1 MEMBRO 3 39.03.011-3 HD VARIZES - TRAT. CIRUR. BILAR. 2 MEMBRO 5 41.13.001-4 HD EXERESE CISTO

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 QUESTÃO 17 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal, qual

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1 ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA 1 I- CONCEITO: avaliação realizada por cardiologista, com fortes bases epidemiológicas, objetivando determinar classificação funcional do paciente, e risco de complicações

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA HIERARQUIZADA DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS

CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA HIERARQUIZADA DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA HIERARQUIZADA DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS Montagem: Dr. Jorge Utaliz Silveira - Diretor da AMRIGS Sra. Maria da Graça Gonzalez Schneider Gerente de Defesa Profissional AMRIGS Conceito:

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

URO-ONCOLOGIA( CÂNCER UROLÓGICO) A.Câncer de Pênis. Fernando da Rocha Camara

URO-ONCOLOGIA( CÂNCER UROLÓGICO) A.Câncer de Pênis. Fernando da Rocha Camara URO-ONCOLOGIA( CÂNCER UROLÓGICO) A.Câncer de Pênis O pênis, no ser humano é motivo de orgulho, e às vezes motivo de vergonha. Quando a pessoa imagina que o mesmo seja pequeno, chega a evitar contatos sexuais

Leia mais

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS FEVEREIRO./2015.02 Proced com finalidade diagnóstica 10.814.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS FEVEREIRO./2015.02 Proced com finalidade diagnóstica 10.814.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS.02 Proced com finalidade diagnóstica 10.814.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia 43.02.01.01 biópsia do colo uterino 1.02.01.01 biópsia de fígado por punção

Leia mais

SUBSECRETARIA PARA ASSUNTO DE GESTÃO HOSPITALAR Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano

SUBSECRETARIA PARA ASSUNTO DE GESTÃO HOSPITALAR Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano 1 SUBSECRETARIA PARA ASSUNTO DE GESTÃO HOSPITALAR Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano PROTOCOLO OSTOMIZADO AUTORES: Francisco Mario de Azevedo Barros Médico Cirurgião Geral do

Leia mais