PROVA DE CIRURGIA GERAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA DE CIRURGIA GERAL"

Transcrição

1 PROVA DE CIRURGIA GERAL Nº de Questões: 50 (cinqüenta) Valor de Cada Questão: 2 (dois) pontos CG 01. Dentre os itens abaixo, em qual cirurgia NÃO há indicação de antibioticoprofilaxia? A) Hernioplastia inguinal com tela de marlex B) Ressecção do intestino delgado C) Gastroplastia para obesidade mórbida D) Fundoplicatura E) Craniotomia CG 02. São medidas para o tratamento da hipercalemia, EXCETO: A) infusão intravenosa de sais de cálcio B) inibidores de anidrase carbônica C) infusão de glicose e insulina D) hemodiálise imediata E) diuréticos de alça CG 03. No câncer de mama, o linfonodo sentinela é o primeiro linfonodo na axila ipsilateral ou mamária interna a receber a drenagem do tumor. Em qual das situações abaixo a técnica de pesquisa deste linfonodo é indicada? A) Doença localmente avançada B) Operação axilar prévia C) Mulheres grávidas ou em amamentação D) Linfonodos clinicamente negativos em axila E) Doença metastática CG 04. Sobre a anatomia da glândula tireóide, responda o item correto. A) As artérias tireóideas superior e inferior são ramos diretos da artéria carótida externa e subclávia, respectivamente B) A glândula é drenada por três pares de sistema venoso: superior, média e inferior. A veia tireóidea média é encontrada em mais da metade das pessoas C) A tireóide apresenta um pobre sistema de drenagem linfática, justificando, portanto, a baixa incidência de metástases linfonodais D) Do lado esquerdo o nervo laríngeo recorrente separa-se do vago quando cruza com a artéria subclávia. Do lado direito esta separação se dá quando o nervo atravessa a artéria aorta E) O nervo laríngeo superior separa-se do nervo vago no pólo superior da tireóide e possui apenas função motora CG 05. Das síndromes de poliposes hereditárias citadas abaixo, qual apresenta menor potencial de malignização para câncer colorretal? A) Síndrome de Turcot B) Doença de Cowden C) Polipose adenomatosa familiar D) Síndrome de Gardner E) Síndrome de Peutz-Jeghens CG 06. O esfíncter esofágico inferior (EEI) é mais precisamente referido como o mecanismo EEI ou a zona de alta pressão esofágica distal (ZAP). São fatores que diminuem o tônus da ZAP: A) gastrina, colecistocinina B) histamina, meperidina C) atropina, hérnia de hiato D) metoclopramida, ethanol E) nicotina, operação anti-refluxo CG 07. São características hemodinâmicas do choque cardiogênico: A) infarto miocárdio anterior, pressão sanguínea diastólica mais alta B) acometimento de somente um vaso coronariano, pressão sangüínea sistólica baixa C) infarto miocárdio anterior, fração de ejeção ventricular esquerda maior de 60% D) acometimento de três vasos coronarianos, pressão sangüínea diastolica baixa E) pressão em cunha pulmonar alta, pressão sangüínea diastólica alta 1

2 CG 08. A NPT (nutrição parenteral total) NÃO é indicada em: A) fistulas gastrointestinais cutâneas B) insuficiência renal crônica C) doença inflamatória dos intestinos D) queimaduras E) enterite por radioterapia ou toxicidade devido à quimioterapia CG 09. O reparo de feridas é o esforço dos tecidos para restaurar a função e a estrutura normais após o trauma. A esse respeito, a seqüência correta nas fases da cicatrização é: A) fase inflamatória fase maturacional fase proliferativa B) fase reativa fase regeneradora fase remodelação C) fase proliferativa fase inflamatória fase maturacional D) fase regeneradora fase remodelação fase reativa E) fase maturacional fase inflamatória fase proliferativa CG 10. Antibióticos profiláticos sistêmicos reduzem a infecção, com significativo beneficio clínico, nas seguintes circunstâncias: A) herniorrafia inguinal B) tireodectomias C) cirurgia oftalmológicas D) ressecção de câncer de pele E) histerectomia vaginal ou abdominal CG 11. São fatores relacionados ao paciente que estão associados a uma maior taxa de infecção em áreas de cirurgia, EXCETO: A) má nutrição B) diabete melito C) uremia D) queimadura E) controle não adequado do sangramento da ferida operatória CG 12. Em relação à superinfecção, marque o item correto. A) É uma nova infecção que se desenvolve durante o tratamento da infecção original B) São decorrentes das bactérias sensíveis aos antibióticos usados C) Uma inspeção cuidadosa de pacientes hospitalizados revela a existência de superinfecções entre 15 e 20% dos pacientes em antibioticoterapia D) A maior ação preventiva é aumentar a dose e duração da antibioticoterapia E) O tratamento antibioticoterápico inicial da colite pseudomembranosa é a administração intravenosa de vancomicina, reservando o metronidazol oral nos casos de falha à vancomicina CG 13. Qual das patologias da mama relacionadas abaixo apresenta um risco aumentado para o desenvolvimento de carcinoma invasivo de mama? A) Adenose esclerosante B) Fibroadenoma C) Metaplasia escamosa D) Ectasia ductal E) Metaplasia apócrina CG 14. De acordo com a classificação do sistema de BI-RADS na mamografia, em qual categoria recomenda-se apenas controle anual? A) 0 B) 3 C) 2 D) 5 E) 4 CG 15. De acordo com o sistema de estadiamento de câncer de mama da AJCC 2002, marque o item correto. A) Tumor > 5 cm é classificado como T2 B) Tumor com extensão para pele com ulceração é classificado como T4a C) Carcinoma inflamatório é classificado como T4d D) Metástase para 1-3 linfonodos axilares é considerado N1b E) Metástase para linfonodos supraclaviculares ipsilaterais é classificado como M1 2

3 CG 16. Os carcinomas invasivos de mama são reconhecidos pela falta de arquitetura e infiltração desordenada de células em uma quantidade de estroma. Em relação aos subtipos mais comuns, marque o item INCORRETO: A) O carcinoma ductal invasivo é a apresentação mais comum do câncer de mama, responsável por 50 a 70% dos carcinomas B) O carcinoma lobular infiltrante é responsável por 10 a 15% dos cânceres de mama C) Nos tumores mucinosos ou colóides as células podem secretar quantidades copiosas de material mucinoso, sendo porém consideradas lesões de baixo grau D) No carcinoma tubular infiltrante as células formam pequenas glândulas, revestidas por uma camada única de epitélio branco E) Células invasivas bizarras, com características de baixo grau, e com componente in situ, caracterizam o carcinoma medular de mama CG 17. As tireoidites são processos inflamatórios da glândula que comumente cursam com hipotireoidismo. Com relação às tireoidites, marque o item correto. A) Na tireoidite supurativa aguda, os pacientes apresentam uma tumefação difusa na região cervical e dor súbita associada à febre e perda de peso B) O tratamento com esteróides e hormônio adrenocorticotrópico é eficaz para alívio dos sintomas de tireoidite subaguda C) A tireoidite de Riedel é uma patologia rara que se manifesta como um processo inflamatório agudo limitado à glândula e que não responde ao tratamento com reposição de hormônio tireoidiano D) O hipotireoidismo é um fenômeno inicial dos sintomas da tireoidite de Hashimoto decorrentes do processo inflamatório da glândula E) Não se conhece bem o mecanismo imunológico resultante dos efeitos da tireoidite de Hashimoto, nem a formação dos anticorpos anti-tireoidianos CG 18. Uma das causas de hipotireoidismo na população, decorrente de um complexo fenômeno imunológico, resultando em uma infiltração de linfócitos e conseqüente fibrose, presença de anticorpos bloqueadores de TSH e decrescente número e eficiência dos folículos são características da: A) Tireoidite de Hashimoto B) Estruma de Riedel C) Tireoidite subaguda D) Tireoidite supurativa aguda E) Doença de Graves CG 19. De acordo com a classificação do risco prognóstico em tumores bem diferenciados da tireóide, qual dos itens abaixo NÃO caracteriza baixo risco? A) Ausência de metástases B) Sexo feminino C) Ausência de invasão capsular D) Idade < 40 anos E) Tumor > 4cm CG 20. Sobre o carcinoma papilífero da tireóide, marque o item INCORRETO. A) É a mais comum das neoplasias da tireóide e pode estar relacionada à radiação local prévia B) Em geral apresentam um excelente prognóstico quando classificados como de baixo risco C) O encontro de grumos de células calcificadas provenientes de projeções celulares descamadas chamadas corpos psamomatosos é diagnóstico de carcinoma papilífero D) As metástases ocorrem mais frequentemente por via hematogênica E) Comumente apresentam-se como uma massa indolor cervical CG 21. As patologias malignas da tireóide são comumente classificadas como neoplasias de baixo grau, embora possam se manifestar de forma agressiva em alguns subtipos. Baseado nestas informações, marque o item correto. A) Em cerca de 10% dos carcinomas papilíferos de tireóide podemos prever multicentricidade B) O carcinoma folicular é a segunda neoplasia mais comum da tireóide, com uma maior incidência em homens abaixo dos 50 anos C) A variante folicular de células de Hürtle tende a incidir em idades mais avançadas, geralmente com 60 a 70 anos de idade D) No carcinoma medular as neoplasias desenvolvem-se nas células foliculares, cujo marcador tumoral de seguimento é a tireoglobulina E) O carcinoma anaplásico é uma forma agressiva de neoplasia da tireóide comumente restrita à glândula e mais incidente em jovens 3

4 CG 22. São ações do paratormônio, EXCETO: A) estimular a reabsorção de cálcio e fosfato no intestino B) inibir a reabsorção de fosfato e bicarbonato nos rins C) estimular a conversão de 25(OH)D 3 em 1,25(OH) 2 D 3 nos rins D) inibir os osteoblastos e estimular os osteoclastos E) estimular a reabsorção de cálcio e fosfato nos ossos CG 23. Os distúrbios da motilidade esofágica são alterações funcionais e interferem na deglutição ou produzem disfagia sem qualquer obstrução mecânica. Os sintomas de regurgitação, perda de peso, disfagia após ingestão inicial de líquidos gelados, hipomotilidade e aumento da incidência de câncer de esôfago são características comumente encontradas em: A) espasmo esofagiano difuso B) esôfago em quebra nozes C) esfíncter esofágico inferior hipertensivo D) síndrome de Plummer-Vinson E) acalásia CG 24. O câncer de esôfago é a sexta causa de neoplasia no mundo e a terceira do trato digestivo. Baseado nestas informações, marque o item INCORRETO. A) O carcinoma epidermóide é a mais comum neoplasia de esôfago, embora o adenocarcinoma venha aumentando em incidência nos últimos tempos B) Os sintomas mais comuns do câncer de esôfago são disfagia, perda de peso, dor, vômitos e tosse C) Fatores de risco relacionados à neoplasia de esôfago incluem esôfago de Barrett, acalásia, tilose, lesões cáusticas, síndrome de Plummer-Vinson e tabagismo D) A disseminação da neoplasia pode dar-se por via linfática, hematogênica, continuidade ou contigüidade E) O diagnóstico é freqüentemente feito em fases iniciais da doença, como conseqüência dos sintomas precoces da neoplasia CG 25. Sobre esôfago de Barrett, assinale a resposta correta. A) Na metaplasia de Barrett há uma transformação do epitélio colunar do esôfago distal em epitélio escamoso, decorrente do refluxo gastroesofágico persistente B) Pode ser encontrado em até 10 a 15% dos pacientes submetidos à endoscopia digestiva alta (EDA) por queixas de doença do refluxo gastroesofágico C) A incidência é maior em mulheres negras com idade abaixo dos 40 anos D) O tratamento da displasia de alto grau é a confecção de válvula anti-refluxo por laparoscopia E) A prevalência de adenocarcinoma em pacientes portadores de esôfago de Barrett ultrapassa 20% dos casos CG 26. De acordo com a classificação de Nyhus para as hérnias da região inguinal, marque o item INCORRETO. A) Hérnia femoral recorrente: tipo IVC B) Hérnia inguinal indireta com dilatação do anel e parede posterior preservada: tipo II C) Hérnia inguinal direta: tipo I D) Hérnia inguinal indireta com dilatação do anel e destruição da fascia transversalis: tipo IIIB E) Hérnia mista recorrente: tipo IVD CG 27. Baseado na anatomia e função das células gástricas, assinale o item INCORRETO. A) Os pepsinogênios são enzimas proteolíticas liberadas pelas células principais e pelas células da mucosa no corpo e antro gástrico B) As células parietais, encontradas no corpo gástrico, são responsáveis pela secreção de ácido e fator intrínseco C) A somatostatina é produzida pelas células D, existentes tanto no fundo quanto no antro gástrico D) A gastrina é o principal regulador hormonal da fase gástrica da secreção ácida após uma refeição. Este hormônio é liberado pelas células G antrais E) A histamina exerce um papel importante na estimulação da célula parietal. Sua liberação é inibida pela gastrina após ser armazenada em grânulos ácidos de células ECL 4

5 CG 28. O papel da linfadenectomia estendida para o câncer de estômago ainda é controverso. De acordo com a classificação do agrupamento de linfonodos regionais pela localização do tumor primário, qual estação NÃO pode ser classificada como dissecção D2? A) Artéria gástrica esquerda B) Pequena curvatura C) Paracárdicco direito D) Hepatoduodenal posterior E) Tronco celíaco CG 29. Os tumores carcinóides de apêndice representam sua mais comum neoplasia. Estes são derivados das células argentafins do intestino médio. Com base nestas informações, assinale o item correto. A) A idade média de apresentação dessa patologia é de 60 anos com uma maior incidência em homens B) É o terceiro sítio mais comum da doença no trato digestivo C) Sua apresentação mais comum é a presença de volumosa massa em topografia de FID D) Tumores maiores que 2 cm, mesmo sem comprometimento da base do apêndice devem ser tratados com hemicolectomia direita E) As metástases à distância são eventos comuns independente do tamanho da lesão inicial CG 30. São genes sabidamente envolvidos na carcinogênese colorretal, EXCETO: A) APC B) CDH1 C) K-RAS D) DCC E) P53 CG 31. Os critérios de Amsterdam são dados clínicos para o diagnóstico de câncer colorretal hereditário não polipóide (HNPCC). Deve-se identificar pelo menos três parentes com câncer de cólon e todos os seguintes dados, EXCETO: A) Uma das pessoas afetada é um parente de primeiro grau das duas outras pessoas afetadas B) Adenomas de cólon diagnosticados antes dos 40 anos C) Duas gerações sucessivas afetadas D) Pelo menos um caso de câncer de cólon diagnosticado antes dos 50 anos E) Exclusão de polipose adenomatosa familiar CG 32. Analisando as considerações anatômicas da glândula tireóide, a opção correta é: A) o nervo laríngeo direito não-recorrente é encontrado em 30% dos pacientes B) o nervo laríngeo recorrente, do lado esquerdo, separa-se do nervo vago quando cruza com a artéria subclávia ipsilateral C) um dano ao ramo externo do nervo laríngeo superior poderá resultar em grave perda da qualidade da voz ou da potência da voz D) o ligamento de Berry, ligamento suspensor é firmemente inserido à cartilagem tireóide E) as metástases linfáticas estão comumente relacionadas com o carcinoma folicular da tireóide CG 33. Nos cânceres de tireóide, bem diferenciados, pacientes classificados de baixo risco são aqueles que apresentam as seguintes características: A) idade > 40 anos, sexo masculino, nenhuma metástase B) idade > 40 anos, sexo feminino, tumor maior que 4cm C) idade > 40 anos, sexo feminino, mal diferenciado D) idade < 40 anos, sexo masculino, invasão capsular E) idade < 40 anos, sexo feminino, tumor intratireóide CG 34. São complicações da tireoidectomia total: 1. hipocalcemia, lesão do nervo laríngeo-recorrente 2. hipercalcemia, lesão do nervo laríngeo-recorrente 3. sangramento, rouquidão Está(ão) correta(s): A) todas (1, 2 e 3) B) somente 1 e 2 C) somente 2 e 3 D) somente 1 e 3 E) somente a 1 5

6 CG 35. Os sarcomas dos tecidos moles são neoplasias raras, porém de significante interesse biológico e clínico pelos desafios que apresentam para o diagnóstico e tratamento. Sobre eles, é correto afirmar: A) neurofibromatose a polipose adenomatosa familiar e síndrome de Li-Fraumeni não estão associadas ao desenvolvimento de sarcomas de tecidos moles B) o gene p53 não tem relevância na tumorigênese dos sarcomas de tecidos moles C) na infância, o rabdomiossarcoma embrionário é o mais comum D) o principal fator prognóstico é o tamanho do tumor E) a radioterapia associada a quimioterapia é a modalidade terapêutica curativa dominante CG 36. Sobre doenças que acometem o esôfago, assinale a correta. A) A síndrome de Plummer-Vinson refere-se ao desenvolvimento de disfagia cervical em pacientes com anemia crônica de ferro B) Membranas esofágicas congênitas são lesões freqüentes que se apresentam com regurgitação durante a infância C) Uma causa fisiológica a queixa de disfagia cervical, globo histérico, é um diagnóstico que se deve pensar em primeiro lugar nas disfunções crico-faríngeas D) A acalásia é a disfunção mais comum do esôfago cervical E) A lesão cáustica também resulta em esfíncter esofágico inferior (EEI) hipertenso com refluxo prolongada do esôfago distal CG 37. Sobre as neoplasias das glândulas salivares, é correto afirmar: A) a maioria das neoplasias (70%) se origina na glândula submandibular B) os adenomas pleomorficos são responsáveis por 40% a 70% de todos tumores das glândulas salivares, mais comumente ocorrendo na glândula sublingual C) o linfoma não-hodgkin é 44 vezes mais alto nas glândulas salivares nos pacientes portadores da síndrome de Sjögren D) os mais comuns tumores metastáticos à distância para glândulas salivares são de tumor da tireóide E) o melanoma e o carcinoma cutâneo da região pré-auricular dificilmente invadem a glândula parótida por esta apresentar uma barreira natural à invasão tumoral CG 38. Sobre a atividade das citocinas na cicatrização de ferida é FALSO afirmar. A) Quimitaxia de fibroblastos B) Síntese se colágeno C) Ativação de macrófago D) Retarda a migração, a proliferação e a diferenciação de ceratinócito E) Aumenta a vasopermeabilidade CG 39. São fatores que inibem a cicatrização da ferida: A) infecção, deficiência de magnésio B) isquemia, idade precoce C) diabete melito, deficiência de zinco D) doxorrubicina (adriamicina), deficiência de vitamina B E) desnutrição, deficiência de vitamina E CG 40. A hipertermia maligna é caracterizada por estado hipermetabólico desencadeado pela exposição a certos agentes inalatórios, ou a succinilcolina. Sobre o tratamento é verdadeiro afirmar que: A) a hipocalcemia deve ser tratada precocemente B) o uso de bicarbonato deve ser retardado C) o uso de insulina se faz necessário para diminuir o risco de hiperglicemia D) resfriar o corpo com um cobertor resfriador, é perigoso devido ao choque térmico E) administrar dantrolene, 2,5 mg/kg (podendo repetir), este indicado CG 41. Paciente 65 anos, sexo masculino, apresentou dor epigástrica inicial localizando-se posteriormente em fossa ilíaca direita. Ao exame físico, mostrava dor à descompressão brusca na fossa ilíaca D. Foi submetido a apendicectomia clássica, e o laudo histopatológico revelou tratar-se de adenocarcinoma invasivo mucinoso do apêndice. A conduta é mais adequada, neste caso, é: A) observação rigorosa do paciente nos primeiros dias de pós-operatório B) não existe diferença entre apendicectomia por apendicite aguda ou adenocarcinoma C) hemicolectomia direta D) seguimento com dosagem periódica do antígeno carcinoembrionário (CEA) E) a mesma para tumores carcinóides do apêndice medindo menos de 1cm 6

7 CG 42. Paciente de 15 anos de idade, sexo masculino, durante uma evacuação na escola, notou sangramento retal. A colonoscopia revelou incontáveis pólipos no cólon e no reto e o laudo histopatológico da biopsia de um destes pólipos confirmou pólipo adenomatoso. O pai dele morrera aos 54 anos devido a um sangramento retal. A conduta mais apropriada, neste caso, é: A) proctocolectomia total B) acompanhamento com colonoscopia a cada 2 meses C) dieta laxativa D) orientar o paciente a não usar papel higiênico E) aguardar a transformação de alguns pólipos para câncer CG 43. Paciente de 62 anos de idade, sexo feminino apresentou prurido intenso na região perianal há seis meses. Procurou o serviço público da saúde não sendo atendida por diversas vezes. No momento, refere hematoquesia de repetição e dor na região perineal com perdas espontâneas de fezes nas vestes. Ao exame físico, encontramos extensa lesão ulceroinfiltrativa do canal anal e incontinência fecal e o laudo histopatológico confirmou carcinoma espinocelular. A melhor conduta, neste caso, é: A) amputação abdomino-perineal do reto B) curativos compressivos com antibióticos tópicos C) radioterapia, quimioterapia D) colostomia, radioterapia, quimioterapia E) quimioterapia CG 44. São características do abscesso piogênico do fígado: A) proporção homem:mulher é 10:1 B) viagem em área endêmica C) icterícia D) paciente jovem (entre anos) E) a abscesso é único em mais de 90% CG 45. Paciente 25 anos, sexo feminino, referiu dor no hipocôndrio esquerdo. Tomografia computadorizada revelou lesão cística de 10,0 cm de diâmetro no baço. Após a esplenectomia, a imuno-histoquímica marcava tanto para CEA como para CA19.9. Neste caso, trata-se de: A) cisto verdadeiro do baço B) cisto parasitário do baço C) pseudocisto do baço D) leucemia mielóide crônica E) leucemia linfocítica crônica CG 46. São tumores mais freqüentes no mediastino anterior, médio e posterior, nesta ordem: A) Tu tímicos, Tu neurogênico, cistos B) Tu neurogênico, Tu tímicos, Tu endócrinos C) Tu de células germinativas, cistos, Tu neurogênico D) Cistos, Tu tímico, linfoma E) Tu tímicos, Tu endócrinos, Tu neurogênicos CG 47. Paciente submetido a herniografia inguinal recidivada à direita com a técnica do Lichtenstein. Evoluiu com dor e edema no escroto por volta do 4º dia pós-operatório, que perdurou por oito semanas. O quadro clínico acima sugere: A) lesão do nervo ilioinguinal direito B) lesão do ducto deferente direito C) lesão do nervo gênito-femoral, que seria evitada caso a técnica cirúrgica fosse laparoscópica D) torção testicular com re-exploração cirúrgica de urgência E) orquite isquêmica com tratamento conservador CG 48. Paciente 71 anos, sexo masculino com dor epigástrica, saciedade precoce e fadiga há seis meses. Apresentou quadro de abdômen agudo. Durante laparotomia, foram achadas perfuração gástrica e poli-linfoadenomegalia retroperitoneal. No exame de congelação, tratavase de linfoma gástrico tipo MALT. Sobre a questão é correto afirmar: A) o tratamento cirúrgico radical com gastrectomia e linfadenopatia neste caso se impõe B) os linfomas de MALT não estão associados com presença do H. pylori C) o tratamento seria igual ao adenocarcinoma gástrico D) rafia da perfuração e quimioterapia seriam o melhor tratamento E) rafia da perfuração e radioterapia intra-operatório são o tratamento mais moderno aceito 7

8 CG 49. São fatores associados a um risco aumentado de desenvolvimento do câncer de estômago: A) tabagismo, pólipos inflamatório B) operação gástrico previa, consumo baixo de nitratos C) classe social alta, carne e peixe salgados D) água de bebida tratada com cloro, atipia gástrica E) infecção pelo H. pylori, pólipos adenomatosos CG 50. Paciente 55 anos, sexo masculino com quadro de diarréia secretória persistente associado com elevação níveis de cálcio sérico e úlcera péptica de difícil controle clínico. Nesta situação, devemos investiga, principalmente: A) síndrome de Zollinger-Ellison B) síndrome Verner-Morrison (vipoma) C) somatostinoma D) glucagonoma E) lesão de Dienlafoy 8

PROVA DE MASTOLOGIA Nº de Questões: 50 (cinqüenta) Valor de Cada Questão: 2 (dois) pontos MA 01. MA 02. MA 03. MA 04. MA 05. MA 06. MA 07.

PROVA DE MASTOLOGIA Nº de Questões: 50 (cinqüenta) Valor de Cada Questão: 2 (dois) pontos MA 01. MA 02. MA 03. MA 04. MA 05. MA 06. MA 07. PROVA DE MASTOLOGIA Nº de Questões: 50 (cinqüenta) Valor de Cada Questão: 2 (dois) pontos MA 01. Qual das patologias da mama relacionadas abaixo apresenta um risco aumentado para o desenvolvimento de carcinoma

Leia mais

DE AUTORIZAÇÃO. 01 a 10 LEGISLAÇÃO. 03 (três) DURAÇÃO: horas PREFEITURA SAÚDE. reclamações posteriores. devem ser TINTA PRETA S. A.

DE AUTORIZAÇÃO. 01 a 10 LEGISLAÇÃO. 03 (três) DURAÇÃO: horas PREFEITURA SAÚDE. reclamações posteriores. devem ser TINTA PRETA S. A. PREFEITURA MUNICIPAL DE PARNAÍBAA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE LEIA AS INSTRUÇÕES E AGUARD DE AUTORIZAÇÃO PARA ABRIR O CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 01/2010 Verifique se este CADERNO

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Nódulo: - Pcp manifestação clínica das dçs da tireóide - 5% das mulheres e 1% dos

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

Tumores Gastrointestinais. Jorge Mugayar Filho

Tumores Gastrointestinais. Jorge Mugayar Filho Tumores Gastrointestinais Jorge Mugayar Filho Epidemiologia Tumor GI mais comum Segunda causa de morte por câncer Homem/mulher = 2:1 Faixa etária: 55-70 anos Variação Geográfica: Extremo Oriente, Leste

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE PROF.DR. PAULO HOCHMÜLLER FOGAÇA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO-RS Patologia cirurgica da tiroide localização NÓDULOS DE TIREÓIDE Prevalência clinicamente

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

da Junção Esofagogástrica

da Junção Esofagogástrica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 15/04/04 Carcinoma da Junção Esofagogástrica strica Diego Teixeira Alves Rangel Casos do Serviço (2001 2004) Nome Idade Diagnóstico Acesso Cirurgia

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA - INCA / 2016 PROVA DISCURSIVA - 2ª ETAPA PRM EM CANCEROLOGIA CIRÚRGICA Você recebeu o seguinte material: 1. Um CADERNO DE PROVA ESCRITA

Leia mais

PROVA DE CIRURGIA GERAL

PROVA DE CIRURGIA GERAL PROVA DE CIRURGIA GERAL CG 01. São causas comuns de hipocalemia no pós-operatório, EXCETO A) vômitos persistentes. B) uso de diuréticos de alça. C) insuficiência renal aguda. D) fístula entérica de alto

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

Tireóide. Prof. Thais Almeida

Tireóide. Prof. Thais Almeida Tireóide Prof. Thais Almeida Anatomia Localização: região cervical, anterior à laringe 2 lobos + istmo Histologia Folículos tireoidianos: células foliculares; material colóide (tireoglobulina). Septos

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos Doenças da Tireóide Prof. Fernando Ramos Introdução A tireóide é uma glândula localiza na porção anterior do pescoço e responde pela produção de hormônios como Triiodotironina (T3) e Tiroxina (T4) que

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 QUESTÃO 26 Todas as estruturas descritas abaixo estão no Canal Anal, EXCETO: a) Criptas Anais. b) Linha Denteada. c) Colunas de Morgani. d) Valva inferior de Houston. QUESTÃO

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Apresentador: Dr. Saul Oliveira e Costa Coordenador: Dr. Gustavo Caldas

Apresentador: Dr. Saul Oliveira e Costa Coordenador: Dr. Gustavo Caldas Apresentador: Dr. Saul Oliveira e Costa Coordenador: Dr. Gustavo Caldas Câncer Anaplásico de Tireóide INTRODUÇÃO Prognóstico => 6 meses após diagnóstico 1,7% dos cânceres da tireóide Incidência caindo:

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Patologia Bucal Prof. Patrícia Cé No organismo, verificam-se formas de crescimento celular controladas e não controladas. A hiperplasia,

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO. Luíse Meurer

SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO. Luíse Meurer SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO Luíse Meurer MANEJO DO CÂNCER GÁSTRICO: PAPEL DO PATOLOGISTA prognóstico Avaliação adequada necessidade de tratamentos adicionais MANEJO

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO DE MÉDICOS DA AERONÁUTICA (CAMAR 2013) LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

COMANDO DA AERONÁUTICA EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO DE MÉDICOS DA AERONÁUTICA (CAMAR 2013) LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. COMANDO DA AERONÁUTICA VERSÃO B EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO DE MÉDICOS DA AERONÁUTICA (CAMAR 2013) ESPECIALIDADE: CANCEROLOGIA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Este caderno contém

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Câncer da Tireóide. Dr. Pedro Collares Maia Filho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Câncer da Tireóide. Dr. Pedro Collares Maia Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO Câncer da Tireóide Maia Filho Revisão da Anatomia REVISÃO ANATOMIA REVISÃO ANATOMIA REVISÃO ANATOMIA REVISÃO

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

INTRODUÇÃO FISIOPATOLOGIA 01/05/2015 CÂNCER DE COLÓN E RETO

INTRODUÇÃO FISIOPATOLOGIA 01/05/2015 CÂNCER DE COLÓN E RETO INTRODUÇÃO UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE BACHARELADO EM ENFERMAGEM Oncologia Prof. Flávia CÂNCER DE COLÓN E RETO Edvânia Farias Josefa Juciélia Veruska Bezerra

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias NEOPLASIAS Prof. Dr. Fernando Ananias Neoplasia = princípio básico CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES Comportamento Benigno versus Maligno Crescimento lento rápido Semelhança com O tecido de origem (Diferenciação)

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

FÁRMACOS Moduladores GástricosG

FÁRMACOS Moduladores GástricosG Curso Noções Básicas B de Farmacologia Clínica nica FÁRMACOS Moduladores GástricosG Thyago Araújo Fernandes Secreção gástrica Produção diária de 2,5L de suco gástrico diariamente; Substâncias produzidas:

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

Eduardo Silveira Dantas Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Eduardo Silveira Dantas Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Eduardo Silveira Dantas Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço ASPECTOS GERAIS» São divididos em três tipos principais:

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. Na imunohistoquímica, qual(is) dos marcadores tumorais abaixo, em um paciente com carcinoma metastático de sítio primário desconhecido, sugere primário

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CIRURGIÃO ONCOLÓGICO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário

Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário Universidade Federal do Maranhão Hospital Universitário Protocolo Clínico Câncer Colorretal Data de Emissão: maio/2010 Revisão: nº. Data de Revisão: mês/ano Elaboração: Prof. Ms. João Batista Pinheiro

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Acerca dos tumores benignos que ocorrem na cavidade nasal, julgue os seguintes itens. 41 A maioria dos papilomas invertidos surge da parede lateral da cavidade nasal, sendo comum um envolvimento secundário

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA QUESTÃO 21 São afirmativas verdadeiras sobre a anatomia colo-reto-anal, EXCETO: a) A fáscia de Denonvilliers não necessita ser removida na excisão

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Processos Patológicos Gerais PPG Centro de Ciências Sociais - CCS

Universidade Federal de Pernambuco Processos Patológicos Gerais PPG Centro de Ciências Sociais - CCS Universidade Federal de Pernambuco Processos Patológicos Gerais PPG Centro de Ciências Sociais - CCS É um processo inflamatório agudo da mucosa, geralmente de natureza transitória. A inflamação pode ser

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Segundo Processo Seletivo à Residência 2006 Especialidade com exigência de pré-requisito em Cirurgia Geral QUESTÃO 01 Representa contra-indicação absoluta à colonoscopia: a) Volvo de sigmóide b) Doença inflamatória intestinal c) Câncer colorretal d) Doença diverticular e) Megacólon tóxico QUESTÃO 02 São fatores

Leia mais

AGLÂNDULA TIREOIDE SE LOCALIZA NA REGIÃO IN-

AGLÂNDULA TIREOIDE SE LOCALIZA NA REGIÃO IN- mulheres, ficando como o quinto tipo de câncer mais frequente na população feminina americana. No Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), a incidência dessa neoplasia foi estimada em 10,6

Leia mais

GETH REUNIÃO CIENTÍFICA. Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) Tumor desmóide e FAP Dra.Júnea Caris de Oliveira São Paulo 08 de maio de 2015

GETH REUNIÃO CIENTÍFICA. Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) Tumor desmóide e FAP Dra.Júnea Caris de Oliveira São Paulo 08 de maio de 2015 GETH REUNIÃO CIENTÍFICA Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) Tumor desmóide e FAP Dra.Júnea Caris de Oliveira São Paulo 08 de maio de 2015 Caso Caso 1 Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) A.R.P, masculino,

Leia mais

2ª PROVA CLINICA CIRURGIA II 1 PARTE

2ª PROVA CLINICA CIRURGIA II 1 PARTE 2ª PROVA CLINICA CIRURGIA II 1 PARTE 1 - Durante uma cirurgia de carcinoma de colo ascendente, uma metástase superficial, de cerca de 1,0 X 0,5 cm foi identificada em superfície de lobo hepático direito.

Leia mais

Tumores Benignos e Malignos de Esôfago

Tumores Benignos e Malignos de Esôfago Tumores Benignos e Malignos de Esôfago Isabel Fonseca Santos - R1 Gastroenterologia UFRJ Lesões Benignas Frequentemente assintomáticas, sendo achado incidental da EDA. Sintomas: o o o o o o o disfagia

Leia mais