O cotidiano dos vigilantes: trabalho, saúde e adoecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O cotidiano dos vigilantes: trabalho, saúde e adoecimento"

Transcrição

1 O cotidiano dos vigilantes: trabalho, saúde e adoecimento Carlos Eduardo Carrusca Vieira Francisco de Paula Antunes Lima Maria Elizabeth Antunes Lima (orgs.) Editora Belo Horizonte 2010

2 Copyright 2010 by Fumarc Gráfica Os direitos de propriedade desta edição estão reservados à: Editora FUMARC - Fundação Mariana Resende Costa. Avenida Francisco Sales, Bairro Floresta - Belo Horizonte/Minas Gerais (31) É permitido qualquer reprodução total ou parcial deste livro sem a permissão expressa do Editor e dos Autores. FICHA TÉCNICA: Editoração e Arte Aline Medeiros Capa Daniele Luz Copydesk Maria da Penha G. Souza Impressão Fumarc Gráfica Ficha Catalográfica Elaborada pela Biblioteca da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais C844 O cotidiano dos vigilantes: trabalho, saúde e adoecimento / Carlos Eduardo Carrusca Vieira, Francisco de Paula Antunes Lima, Maria Elizabeth Antunes Lima (org.). Belo Horizonte: FUMARC, p. ISBN: Guardas de vigilância. 2. Condições de trabalho. 3. Saúde. I. Vieira, Carlos Eduardo Carrusca. II. Lima, Francisco de Paula Antunes. III. Lima, Maria Elizabeth Antunes. IV. Título. CDU:

3 O cotidiano dos vigilantes: trabalho, saúde e adoecimento Carlos Eduardo Carrusca Vieira Francisco de Paula Antunes Lima Maria Elizabeth Antunes Lima (orgs.)

4

5 Equipe Técnica Responsável Carlos Eduardo Carrusca Vieira (coordenador) Graduado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2004). Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2006). Doutorando em Psicologia pela UFMG. É professor na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, idealizador e cofundador do núcleo de atendimento aos vigilantes vítimas de violência no trabalho (NAPSI). Caroline Alda de Matos Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Psicologia do Trabalho pela Universidade Federal de Minas Gerais. Cassiana Machado Freitas Oliveira Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Pós-graduanda em Gestão de Negócios pela Fundação Dom Cabral. Francisco de Paula Antunes Lima Graduado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Minas Gerais (1981). Mestre em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina (1985). Doutor em Ergonomia - Conservatoire National des Arts et Metiers (1995). Pósdoutorado em Ergologia - Université de Provence (2003). Atualmente, é professor associado II da Universidade Federal de Minas Gerais. Maria Andréia Alves Leandro Graduada em Psicologia pelo Centro Universitário Newton de Paiva. Pós-graduanda em Psicologia do Trabalho pela Universidade Federal de Minas Gerais. Maria Elizabeth Antunes Lima Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1977). Mestra em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (1986). Doutora em Sociologia do Trabalho - Université de Paris IX (Paris-Dauphine) (1992). Atualmente, é professora associada da Universidade Federal de Minas Gerais.

6 Apoio Sindicato dos Empregados de Empresas de Vigilância e Transporte de Valores de Minas Gerais Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho (PRT - 3ª região)

7 Agradecimentos Ao Ministério Público do Trabalho e, em especial, à procuradora Advane de Souza Moreira, pelo espaço de diálogo sempre aberto, colaboração e empenho na concretização deste estudo, numa iniciativa a ser destacada na atuação do MPT em questões relacionadas à saúde do trabalhador, sobretudo, por assumir claramente uma intenção propositiva. À Confederação Nacional dos Trabalhadores da Vigilância (CNTV) e à Federação Interestadual dos Vigilantes pelas oportunidades de interlocução com os vigilantes e dirigentes sindicais, oferecidas aos pesquisadores em vários momentos deste estudo. Ao Sindicato dos Empregados das Empresas de Vigilância e Transporte de Valores de Minas Gerais que, no decorrer destes dois anos de estudo, não poupou esforços para que esta pesquisa pudesse ser realizada. Agradecemos também aos dirigentes sindicais pela confiança depositada no trabalho de cada um dos pesquisadores. À Superintendência Regional do Trabalho em Minas Gerais pelas contribuições dadas a este estudo, mediante a prestação de informações sobre as condições de trabalho da categoria. Ao Fundo de Incentivo à Pesquisa da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (FIP/PUC Minas) que, por meio de financiamento, contribuiu para viabilizar a realização da pesquisa quantitativa, realizada junto aos trabalhadores da vigilância de Belo Horizonte. À professora, Dra. Vanessa Andrade Barros (UFMG), e à bolsista de iniciação científica, Ingrid Habib, que também contribuíram para a realização deste estudo, em vários momentos. Aos bolsistas de iniciação científica, Gabriel Ferreira Nogueira e Amanda Morais de Faria, pelas contribuições à realização da pesquisa e o esforço empreendido na aplicação dos questionários. Aos alunos do curso de Psicologia da PUC Minas São Gabriel, que contribuíram para a consolidação do Núcleo de Apoio Psicológico aos vigilantes vítimas de violência no trabalho (NAPSI): Jaíza Pollyanna Dias da Cruz, Luiz Carlos R. de Souza, Domingos A. dos Santos Júnior, Fernanda Leite Bião, Andréia Ferreira dos Santos, Sara Lopes Fonseca, Cecília Castro Boaventura, Josiane de Souza Lino, Maria Luísa L. Moreira, Danusa

8 Black Matos, Allison Roberto, Marlene Francisca, Anna Paula, Angélica Pereira, Luana Alves, Luana Goulart, Priscila Pereira das Chagas, Pollyana Diniz, Delia Rita Maia, Washington Dias Silva, Hellder A. dos Santos Moreira. Aos alunos do curso de Psicologia da PUC Minas São Gabriel, que contribuíram para a coleta de dados da pesquisa em instituições de ensino: Erick Rastelli, Tatiane e Lidiane. Aos diretores da Escola Brasil de Vigilância, Escola de Formação de Vigilantes (CEPAV), Escola Mineira de Vigilantes e suas respectivas equipes pela atenção e disponibilidade, bem como pelo tratamento cordial que dispensaram à nossa equipe na etapa de aplicação dos questionários. Em especial, agradecemos aos vigilantes e guardiãs que participaram voluntariamente deste estudo, investindo seu tempo e suas emoções no relato de seus dramas profissionais. Por último, mas não menos importante, aos(as) nossos(as) queridos(as) pais, companheiros(as), familiares, amigos e colegas que souberam compreender as nossas ausências e partilhar das angústias e conquistas desta pesquisa.

9 Sumário Índice Gráfico...15 Índice Tabelas...15 Siglas...17 Apresentação...19 Parte I - Condições e situações de trabalho dos vigilantes Capítulo I - O percurso metodológico...25 A demanda...25 A coleta de dados: etapas e instrumentos...26 As observações sistemáticas das situações de trabalho e as entrevistas dos vigilantes...27 Os estudos de casos individuais...29 A análise dos dados qualitativos...30 A pesquisa quantitativa...30 Cálculo amostral e aspectos metodológicos...32 O pré-teste do questionário...33 Aplicação do questionário...34 O estudo dos temas transversais...36 A validação dos resultados...37 Capítulo II - Histórico da segurança privada no Brasil...39 Evolução da disciplina legal dos serviços de segurança privada no País...39 Evolução dos problemas e as reivindicações da categoria profissional...41 Leis e propostas de regulamentação em pauta...44

10 Capítulo III - As condições de trabalho dos vigilantes...47 As relações de trabalho: precarização e terceirização...47 Práticas de gestão...53 Condições materiais de trabalho...57 Capítulo IV - O desafio do trabalho real na vigilância...63 A vigilância no setor bancário...63 Caracterização do grupo...63 O cotidiano de trabalho...64 As diferenças entre os bancos e os conflitos no trabalho...64 Os conflitos com os clientes...66 Os conflitos na porta giratória...67 As atividades informais e a insuficiência das pausas...68 O aumento de guardiãs...69 O relacionamento interpessoal e com a empresa da vigilância...70 Inadequação dos equipamentos e o risco de assaltos...70 Os impactos do trabalho na saúde...71 A vigilância em hospitais...72 Caracterização do grupo...72 As condições de trabalho e o cotidiano da vigilância hospitalar...73 A vigilância nos shoppings centers...78 Caracterização do grupo...78 O cotidiano de trabalho...79 As condições de trabalho...79 O uso das armas de fogo...81 Os paradoxos da vigilância em shoppings: os vigilantes vigiados...82 O transporte de valores...84 Caracterização do Grupo...84 Condições e organização do trabalho...84 A vigilância nas indústrias Caracterização do grupo Condições de trabalho...104

11 A vigilância metroviária Caracterização do grupo O cotidiano de trabalho A atuação das guardiãs na vigilância metroviária O relacionamento com as empresas contratantes e de vigilância A vigilância em eventos Caracterização do grupo O cotidiano de trabalho Condições e organização do trabalho Os diferentes tipos de eventos e os conflitos com clientes O uso dos instrumentos de trabalho A importância do coletivo profissional A vigilância em instituições de ensino Caracterização do grupo O cotidiano de trabalho As condições de trabalho A relação com os alunos As estratégias de ação As relações de gênero Capítulo V - A saúde dos vigilantes Distúrbios mentais e comportamentais relacionados ao trabalho Com os nervos à flor da pele : tensão e conflitos no cotidiano de trabalho Problemas cardiovasculares Problemas digestivos e gástricos Os problemas decorrentes do trabalho na posição de pé Conclusões...156

12 PARTE I I - Casos Clínicos O Método Biográfico Antecedentes teóricos Caráter científico do método Capítulo I - A história de Evaldo Apresentação História familiar O casamento A trajetória profissional O trabalho como vigilante O primeiro assalto O segundo assalto O controle do horário, a jornada e as horas extras Os conflitos com os clientes A relação com a empresa As mudanças no comportamento Atingindo o limite A crise Situação atual Hipótese Diagnóstica Conclusão Capítulo II - A história de Ronaldo Introdução Histórico Familiar e Ocupacional O casamento O trabalho na vigilância O trabalho na vigilância bancária O Episódio do Assalto ao Banco O momento pós-assalto As perturbações no comportamento O diagnóstico inicial...217

13 Discussão: a relação entre distúrbio mental e trabalho A significação traumática do episódio do assalto Conclusão Capítulo III - A história de Guilherme Apresentação Infância e vida familiar O casamento A trajetória profissional O trabalho como vigilante O último emprego As condições de trabalho O trabalho no posto C O assalto Os afastamentos do trabalho Hipótese Diagnóstica Capítulo IV - A história de Norberto Introdução A história de Norberto Histórico Ocupacional O trabalho como vigilante Vigilância patrimonial em um shopping center Vigilância na Escolta Armada Vigilância em eventos Os problemas ortopédicos A patologia cardiovascular O afastamento do trabalho Discussão do caso: a relação entre o trabalho e os distúrbios cardiovasculares. 267 Capítulo V - A história de Rodrigo Histórico do trabalho de vigilante em uma indústria mineral O acidente de trabalho...275

14 A postura da empresa de vigilância A situação atual A sentença proferida Análise do caso Considerações finais Da pesquisa à ação Os atos de violência enfrentados pelos vigilantes Nexo Técnico Epidemiológico (NTEP) A valorização dos trabalhadores da vigilância Alcances e limites do estudo As possibilidades abertas por este estudo Referências Anexo Apêndice - Recomendações Eventos Transporte de valores Instituições bancárias Condomínios residenciais Condições Materiais de Trabalho Condições específicas do Transporte de Valores Relações de trabalho, regulamentação da profissão e gestão do trabalho Transporte de Valores Vigilância Patrimonial Questionário - Condições de Trabalho e Saúde dos Vigilantes Questionário - Condições de Trabalho e Saúde dos Vigilantes do Transporte de Valores

15 Gráficos Gráfico 1 - Apoio dado pelas empresas de vigilância aos vigilantes, em caso de assaltos..137 Gráfico 2 - Procedimento das empresas de vigilância em relação aos vigilantes no caso de assaltos Gráfico 3 - Sintomas psicológicos relatados pelos vigilantes Gráfico 4 - Agressões praticadas pelo público contra os vigilantes Gráfico 5 - Relação entre as agressões praticadas pelo público contra os vigilantes e o número médio de sintomas psicológicos relatados pelos trabalhadores Gráfico 6 - Problemas digestivos e gástricos que atingem os vigilantes Gráfico 7 - Problemas ortopédicos e distúrbios venosos que atingem os vigilantes..152 Tabelas Tabela 1 - Número de vigilantes entrevistados Tabela 2 - Plano amostral...32 Tabela 3 - Amostra final - número de vigilantes que responderam ao questionário, por setor Tabela 4 - Indicadores de crescimento do setor de segurança privada no Brasil...43 Tabela 5 - Como os vigilantes reagem na maioria das vezes quando são tratados com agressividade pelo público Tabela 6 - Apoio da empresa de vigilância para lidar com conflitos com clientes Tabela 7 - Apoio da empresa de vigilância para lidar com conflitos com as contratantes Tabela 8 - Tabela de Contingência: Hipertensão vs. Estresse Tabela 9 - Tabela de Contingência: Hipertensão vs. Nervosismo Tabela 10 - Em relação ao uso das cadeiras Tabela 11 - Relação entre a qualidade dos coturnos e as dores nas pernas...155

16

17 Siglas ACP ANVISA CAT CEREST CFP CID CRP CuT DELESP DPF EPI FENAVIST FGTS INSS MPT MTE NAPSI NR OMS PAT PCMSO PF PIS PRT Ação Civil Pública Agência Nacional de Vigilância Sanitária Comunicação de Acidente de Trabalho Centro de Referência em Saúde do Trabalhador Conselho Federal de Psicologia Classificação Internacional de Doenças Conselho Regional de Psicologia Central Única dos Trabalhadores Delegacia de Segurança Privada Delegacia de Polícia Federal Equipamento de Proteção Individual Federação Nacional das Empresas de Segurança e Transporte de Valores Fundo de Garantia por Tempo de Serviço Instituto Nacional de Seguridade Social Ministério Público do Trabalho Ministério do Trabalho e Emprego Núcleo de Apoio Psicológico aos vigilantes vítimas de violência no trabalho Norma Regulamentadora Organização Mundial de Saúde Programa de Alimentação do Trabalhador Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional Polícia Federal Programa de Integração Social Procuradoria Regional do Trabalho PuC Minas Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais RAIS RMbh SAMu SEESMG SEJuSP SuS TEPT ufmg Relação Anual de Informações Sociais Região Metropolitana de Belo Horizonte Serviço de Atendimento Móvel de Urgência Sindicato dos Empregados de Empresas de Segurança e Vigilância do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Justiça de Segurança Pública Sistema Único de Saúde Transtorno de Estresse Pós-traumático Universidade Federal de Minas Gerais

18

19 Apresentação Esta publicação apresenta os resultados da pesquisa intitulada Análise Ergonômica e Psicossocial das Condições de Saúde e Trabalho dos Vigilantes Patrimoniais e do Transporte de Valores, realizada a partir da abordagem de profissionais dessa categoria, atuantes na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Trata-se de um estudo inédito na área da vigilância, o primeiro realizado no Brasil, mediante a conjugação de investigações qualitativas e quantitativas das condições de trabalho e saúde dos seus trabalhadores. Categoria comumente invisível que ganha notoriedade, de tempos em tempos, ao ocupar as páginas dos jornais em decorrência dos atos de violência sofridos por seus profissionais em assaltos e, sobretudo, quando estes agridem algum usuário nos locais onde trabalham. Como teremos ocasião de retomar em vários momentos, os resultados obtidos neste estudo permitem compreender a causa dessa violência por parte dos vigilantes e, também, os desdobramentos da violência que eles enfrentam no dia a dia do trabalho. O estudo é fruto de uma parceria firmada entre o Sindicato dos Vigilantes de Minas Gerais, o Ministério Público do Trabalho, representado pela procuradora Advane de Souza Moreira, e pesquisadores vinculados à Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e à Universidade Federal de Minas Gerais. Desde o início, pretendia-se realizar uma pesquisa que fosse além de um estudo de natureza estritamente estatística, baseada na aplicação de questionários. Sendo assim, mais do que mensurar a incidência dos problemas existentes na área da vigilância, buscou-se compreender os dramas vivenciados e suas repercussões na saúde física e mental dos vigilantes para, ao final, propor alternativas para a melhoria das condições de trabalho da categoria. Com esse propósito, optou-se por uma abordagem metodológica pluridimensional, que agregou tanto as dimensões quantitativas quanto as qualitativas, sendo que, antes de se pretender mensurar aspectos da realidade de trabalho, procurou-se conhecê-la de perto. Isto porque se partiu do princípio de que a realidade é sempre mais rica, enigmática e diversa do que qualquer procedimento estatístico ou tabulação de dados é capaz de capturar ou mostrar e, quando se trata da relação saúde/trabalho, é preciso considerar não só os determinantes histórico-sociais, mas também o caráter singular dos processos de saúde/doença, o que exige sempre uma abordagem voltada para múltiplas dimensões.

20 20 Os objetivos principais a serem alcançados pelo estudo consistiam em: a. identificar as situações-problemas vivenciadas pelos trabalhadores e analisar a sua relação com as condições e a organização do seu trabalho; b. identificar possíveis paralelismos e/ou nexos entre os distúrbios psíquicos apresentados por eles e as situações-problemas detectadas no seu trabalho; c. reunir, produzir, sistematizar e analisar informações, relacionadas aos quadros de saúde dos trabalhadores da vigilância; d. produzir um relatório, apresentando recomendações e encaminhamentos para a melhoria das condições de trabalho e saúde desses trabalhadores, baseando-se nas análises feitas durante o processo de pesquisa. A pesquisa foi realizada em duas etapas complementares, cumpridas em um período de dois anos. Em um primeiro momento, cumpriu-se a etapa qualitativa, a qual durou cerca de oito meses, perfazendo um total de aproximadamente 560 horas de observações sistemáticas das situações reais de trabalho e 202 entrevistas com vigilantes pertencentes a vários segmentos: indústrias, agências bancárias, cemitérios, hospitais, instituições de ensino, metrô, transporte de valores, condomínios comerciais e residenciais. Essas observações ocorreram em momentos diversos, variando-se os dias da semana e os períodos do mês, na tentativa de se cobrir toda a jornada de trabalho e, assim, contemplar uma ampla gama de situações. A elucidação das situações de trabalho a partir da experiência dos próprios trabalhadores - tônica desta pesquisa - evidenciou a importância de situar a atividade de trabalho como principal objeto de análise, ou seja, não basta observar e analisar o contexto laboral, é preciso ir além, descrevendo e compreendendo o trabalho sob o ponto de vista do sujeito responsável pela sua realização. Assim, esse estudo ofereceu a possibilidade de se conhecer, de fato, as dificuldades vivenciadas pelos trabalhadores, em relação às situações diversas que envolvem conflitos e constrangimentos suscitados pelo próprio trabalho; às estratégias individuais e coletivas, criadas por eles em face das adversidades; às discrepâncias no tratamento dispensado aos homens e às mulheres nessa profissão; à ausência de um suporte psicossocial adequado, nas ocasiões em que os trabalhadores enfrentam assaltos e outros eventos traumáticos. Realizados junto a vigilantes acometidos por problemas de saúde diversos, os estudos de casos fecharam a etapa qualitativa, revelando os fatores responsáveis pelo adoecimento desses profissionais, com maior exatidão e detalhamento, pois, como esses fatores não apareceram de forma imediata aos pesquisadores, tornou-se necessário recuperar a trajetória biográfica dos trabalhadores para saber como certas experiências se converteram em problemas de saúde, mais ou menos graves. 1 1 Esse método será exposto com maiores detalhes na introdução da parte II desta obra, na qual serão também apresentados os casos clínicos.

21 Após essa etapa, com o objetivo de mapear mais amplamente a incidência das situações de trabalho nocivas e potencialmente nocivas à saúde dos vigilantes, foi realizada a etapa quantitativa da pesquisa. A diferença desta, em relação aos outros estudos, é o fato de seu questionário ter sido elaborado e orientado a partir dos dados obtidos durante as observações e entrevistas feitas com os vigilantes, período em que foram identificados alguns indicadores das condições de saúde e trabalho da categoria. É relevante registrar também que este estudo permitiu encaminhamentos práticos de notável importância para a categoria dos trabalhadores da vigilância, ainda, durante sua realização. É o caso, por exemplo, dos subsídios fornecidos pelos pesquisadores desta equipe às atividades de fiscalização da Delegacia Regional do Trabalho e às negociações sindicais. Dessa forma, a integração entre pesquisa científica e intervenção foi, sem dúvida, uma das características mais marcantes deste projeto, cujos resultados foram sendo incorporados à prática sindical, na medida em que eram produzidos 2. Com a publicação deste livro, além da contribuição especificamente acadêmica, cujo valor deixaremos para que nossos pares avaliem, pretendemos oferecer ao movimento sindical, às instituições de defesa dos direitos dos trabalhadores e dos direitos difusos e a cada trabalhador, em particular, um instrumento de apoio à sua atividade de luta por melhores condições de trabalho A título de ilustração, em uma das pautas de negociação do Sindicato dos Vigilantes/MG havia menções a problemas e soluções propostas pelo estudo, que foram entregues à entidade sindical e à PRT da 3ª Região.

22

23 PARTE I Condições e situações de trabalho dos vigilantes

24

25 CAPÍTULO I O percurso metodológico Carlos Eduardo Carrusca Vieira Caroline Alda de Matos Francisco de Paula Antunes Lima Maria Elizabeth Antunes Lima Este estudo possui um caráter quantitativo e qualitativo, o que significa que ele agrega essas duas dimensões, entendendo-as como complementares para a investigação de questões relacionadas à saúde no trabalho. Cronologicamente, tal estudo foi realizado em duas etapas consecutivas, cuja ordem seguida não é casual, ao contrário, obedece a critérios teórico-metodológicos bem definidos. Em um primeiro momento, a estratégia adotada visou à identificação e à análise dos problemas vivenciados pela categoria dos vigilantes, a partir de uma pesquisa exploratória das situações reais de trabalho, desenvolvida junto aos trabalhadores por meio de entrevistas realizadas em seus locais de trabalho ou com grupos focais. A identificação e a classificação da natureza desses problemas e dificuldades constituíram a base do instrumento quantitativo da pesquisa (questionário), adotado na etapa seguinte da mesma. A demanda Entre 2005 e 2006, foi realizada uma pesquisa sobre a saúde mental dos vigilantes bancários 3, dentro do programa de pós-graduação stricto sensu de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Em 2007, o pesquisador responsável pelo estudo, Carlos Eduardo Carrusca Vieira, contatou os dirigentes do Sindicato dos Vigilantes de Minas Gerais, propondo divulgar os resultados de sua pesquisa entre os trabalhadores e representantes sindicais. 3 (VIEIRA, 2006) Desautorização, paradoxo e conflito: a saúde mental dos vigilantes bancários. Dissertação de mestrado em Psicologia. UFMG, 2006.

26 26 Durante o encontro, o sindicato ratificou seu interesse em discutir a temática da saúde mental dos vigilantes e ventilou a possibilidade de ampliar a pesquisa sobre o assunto. Isso porque a entidade sindical e a procuradora do trabalho, Advane de Souza Moreira, do Ministério Público do Trabalho de Minas Gerais, encontravam-se em entendimento, visando conferir à multa aplicada em ação civil pública, que fora ajuizada contra empresa de transporte de valores, uma destinação que beneficiasse diretamente a categoria profissional, visto que nas conversações anteriores já havia sido registrado interesse na realização de um estudo sistemático, acerca das condições de trabalho e suas repercussões na saúde dos vigilantes. Assim, ficou sob a responsabilidade do pesquisador Carlos Eduardo Carrusca Vieira traduzir o interesse do Sindicato dos Vigilantes e do Ministério Público do Trabalho de beneficiar a categoria com um diagnóstico mais amplo, a respeito de suas condições de trabalho e saúde. Dessa forma, ainda no primeiro semestre de 2007, numa reunião com o Sindicato dos Vigilantes de Minas Gerais e o Ministério Público do Trabalho, foi apresentada a primeira versão de uma proposta de pesquisa sobre o tema. As duas instituições manifestaram-se favoravelmente à realização do estudo, o que permitiu a composição imediata de uma equipe de pesquisadores, formada por Carlos Eduardo Carrusca Vieira (PUC Minas), Maria Elizabeth Antunes Lima, Vanessa Andrade Barros 4, Francisco de Paula Antunes Lima (UFMG), além da psicóloga Carolina Alda de Matos, a qual ficou responsável por revisar o projeto e estabelecer suas diretrizes metodológicas, e as assistentes, Cassiana Machado Freitas Oliveira e Maria Andréia Alves Leandro, e a bolsista de iniciação científica, Ingrid Habib Moreira, que ingressaram na equipe em Durante o segundo semestre de 2007, foram acertados com o Ministério Público do Trabalho e o Sindicato dos Vigilantes de Minas Gerais os objetivos, o cronograma, os prazos e os recursos necessários (estes provenientes de quatro multas sobre incidentes, referentes a processos titulados pela Procuradora Advane Moreira, sendo três delas devidas por empresas de transporte de valores). A coleta de dados: etapas e instrumentos As informações e os dados apresentados neste estudo foram obtidos com o uso de basicamente três tipos de instrumentos: entrevistas em profundidade realizadas com vigilantes 6, observações in loco das situações de trabalho 7 e pesquisa quantitativa, por 4 A professora Vanessa Andrade Barros trabalhou com a equipe de pesquisa, durante o primeiro semestre de 2008, precisando se desvincular do projeto em função de outras atividades. 5 A bolsista de iniciação científica se desvinculou do projeto em Assim, recorreu-se à técnica da instrução ao sósia, conforme definida por Clot (2006), pois, de acordo com o autor o exercício de instrução ao sósia implica um trabalho de grupo no curso do qual um sujeito voluntário recebe a seguinte tarefa: Suponha que eu seja seu sósia e que amanhã eu deva substituir você em seu trabalho. Que instruções você deveria me transmitir para que ninguém perceba a substituição? (p. 144). No decorrer da técnica, o entrevistador focaliza a experiência do trabalhador, visando explicitar detalhes do modo de realização do trabalho, que atravessam tanto as dimensões individuais quanto as coletivas. 7 Evidentemente, a autorização das empresas de segurança privada foi essencial para a obtenção dos dados,

27 meio de um questionário formulado por nossa equipe (cf. anexo 1). A pesquisa documental foi também utilizada com a finalidade de esclarecer certos aspectos normativos da segurança privada, frequentemente citados pelos trabalhadores nas entrevistas, sendo que a legislação pertinente, normas de trabalho e convenções coletivas, foi estudada para esse fim. Além disso, foram consultadas estatísticas sobre motivos de afastamento dos trabalhadores do setor, junto ao INSS. A organização do trabalho da equipe de pesquisadores foi um fator crucial para o desenvolvimento deste estudo, já que o número de trabalhadores da área da vigilância é relativamente alto, se comparado às outras profissões, além de ser uma categoria que se divide em variados segmentos, tipos de trabalho e funções. Houve a necessidade de intenso intercâmbio entre os pesquisadores por variados meios de comunicação, além de reuniões mensais, para tratar de assuntos relacionados ao encaminhamento da pesquisa e fazer os ajustes necessários As observações sistemáticas das situações de trabalho e as entrevistas dos vigilantes A observação das situações reais de trabalho constitui o meio mais seguro para conhecer as dificuldades e os problemas vividos pelos trabalhadores, assim como as soluções encontradas para seu enfrentamento. Entre os benefícios desse instrumento se encontra o fato de que ele evita, em grande medida, que o pesquisador seja capturado pelas armadilhas das explicações moralizantes e/ou psicologizantes a respeito das condutas dos trabalhadores. Aliás, grande parte das explicações e interpretações, feitas sobre os comportamentos nos contextos de trabalho, tende a recair sobre os próprios trabalhadores, com termos pejorativos e/ou de cunho moral, a partir de juízos sobre a sua personalidade e/ou seu caráter. 9 Os equívocos e as falsas interpretações, produzidos por esse tipo de abordagem dos problemas laborais, sucedem-se e se acumulam muitas vezes por não se reconhecer embora em alguns casos tenhamos sido impedidos de entrevistar e observar os vigilantes em seus locais de trabalho. Nesses casos, em que tivemos de abrir mão das observações, os trabalhadores foram apenas entrevistados. 8 A título de ilustração, tome-se como exemplo o fato de que os pesquisadores trocaram mais de mil correspondências eletrônicas ( s), durante a realização deste estudo. 9 A tendência é afirmar, por exemplo, que a segurança no trabalho é uma responsabilidade exclusivamente individual e, no mesmo sentido, analisar os acidentes que ocorrem nesse contexto prioritariamente sob o viés do ato inseguro. O mesmo parece ocorrer com as questões ligadas à doença, frequentemente associadas ao perfil do indivíduo, às suas ações ou a motivos externos ao trabalho. A partir delas, são feitas afirmações parciais que concentram a responsabilidade no nível individual, tais como: Para não adquirir varizes, os vigilantes precisam se cuidar mais e fazer exercícios físicos ; Os vigilantes devem ficar atentos com a sua saúde e se cuidarem mais ; Os indivíduos que têm o perfil para a profissão tem menos chances de adoecer. Além de outras ideias simplistas, como a exposta por uma profissional da saúde entrevistada por nós: Os vigilantes bebem muito [...], mas isso não tem relação com o trabalho, pois usam o álcool depois do horário de trabalho. Ou seja, as análises tendem a se centrar no sujeito que trabalha e os problemas que este porventura apresentar serão atribuídos ao seu modo pessoal de atuar e nunca à organização do seu trabalho.

O cotidiano dos vigilantes: trabalho, saúde e adoecimento

O cotidiano dos vigilantes: trabalho, saúde e adoecimento O cotidiano dos vigilantes: trabalho, saúde e adoecimento Carlos Eduardo Carrusca Vieira Francisco de Paula Antunes Lima Maria Elizabeth Antunes Lima (orgs.) Editora Belo Horizonte 2010 Copyright 2010

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO 1. A comunicação durante o processo de enfermagem nem sempre é efetiva como deveria ser para melhorar isto, o enfermeiro precisa desenvolver estratégias de

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Novo Hamburgo, abril de 2013. 1 APRESENTAÇÃO Estas orientações foram elaboradas baseadas

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Especialização em Acessibilidade Cultural Departamento de Terapia Ocupacional da UFRJ. Rio de Janeiro, 2013 Responsáveis pela elaboração

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade estatuir a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), do Curso

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 008/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 08 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a metodologia

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL CENTRO UNIVERSITÁRIO PAULISTANO UniPaulistana Departamento de Pedagogia MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL PEDAGOGIA GESTÃO EDUCACIONAL São Paulo 2008 R. Madre Cabrini, 38 Vila Mariana

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000

RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 Ementa: Dispõe sobre a realização de pesquisa em Psicologia com seres humanos. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS

A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS Zangirolani LTO, Santos ACA, Fuentes ACRC, Andrade JC, Stuck RC, Garcia MAA. Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas,

Leia mais

NOTA TÉCNICA No 1/2011

NOTA TÉCNICA No 1/2011 Agência Nacional de Vigilância Sanitária NOTA TÉCNICA No 1/2011 Esclarecimentos e orientações sobre o funcionamento de instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com transtornos decorrentes

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Gestão Colegiada HOSPITAL DAS CLÍNICAS UNIDADE I

Gestão Colegiada HOSPITAL DAS CLÍNICAS UNIDADE I Gestão Colegiada HOSPITAL DAS CLÍNICAS UNIDADE I Gestão Colegiada Os aspectos que definem o grau de responsabilidade de uma instituição são: 1 - A conformação da agenda do gestor: isso significa que um

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 4 4. Área de Abrangência...

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL 2012 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de normalizar o Estágio Profissional Supervisionado, para os

Leia mais

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH Documento final do "Seminário: O trabalho docente em educação física face às atuais políticas públicas na educação na RMBH: Repercussões nas instituições Formadoras" O presente documento tem por finalidade

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Hospital de Clínicas de Porto Alegre Administração Central Responsável: Sérgio Carlos Eduardo

Leia mais

Manual do Projeto Integrado de Análise de Sistemas (PROINANSI)

Manual do Projeto Integrado de Análise de Sistemas (PROINANSI) Manual do Projeto Integrado de Análise de Sistemas (PROINANSI) Curso de Análise de Sistemas Centro UNISAL - Americana Nome do documento: ANSI2004 - Atividade Integrada v1.0.doc Localização: Versão: 1.0

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art. 1º -O Trabalho de Conclusão de Curso tem por objetivos contribuir

Leia mais

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos o conteúdo de artigo enviado pelo Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Capítulo 8 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Capítulo 8 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Capítulo 8 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 8 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 8.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução,

Leia mais

PROJETO DA CPA 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO. Nome: Faculdade São Salvador Código: 2581 Caracterização: Instituição privada com fins lucrativos

PROJETO DA CPA 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO. Nome: Faculdade São Salvador Código: 2581 Caracterização: Instituição privada com fins lucrativos PROJETO DA CPA Em atendimento ao que dispõe a Lei 10.861, de 14 de abril de 2004 que institui a obrigatoriedade da Avaliação Institucional e por entender a importância do SINAES para o desenvolvimento

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 2: TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES. - Retrospectiva - II Seminário Nacional de Pesquisa em Terapia Ocupacional / 2012

GRUPO DE TRABALHO 2: TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES. - Retrospectiva - II Seminário Nacional de Pesquisa em Terapia Ocupacional / 2012 GRUPO DE TRABALHO 2: TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES Autores: Profa Dra. Marysia Mara Rodrigues do Prado De Carlo Profa Dra. Sandra Maria Galheigo - Retrospectiva - II Seminário Nacional

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. RESOLVE:

RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. RESOLVE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO Nº 22/2005, de 30 de junho de 2005. Aprova as Normas Regulamentadoras da operacionalização da Monografia

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAP

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAP TEXTO COMPILADO Regulamenta o Núcleo de Apoio Psicopedagógico O Conselho de Administração, Ensino, Pesquisa e Extensão Consaepe, tendo em conta a Portaria

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1. Das Disposições Preliminares Art. 1 o. Este Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Preparação do Trabalho de Pesquisa

Preparação do Trabalho de Pesquisa Preparação do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Pesquisa Bibliográfica Etapas do Trabalho de Pesquisa

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARTIGO 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) tem os seguintes princípios: 1.1 Consolidar o ISEAT na

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciências Contábeis

Regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciências Contábeis Regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciências Contábeis O regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Ciências Contábeis do (UNIFEB) utiliza como embasamento a resolução nº 10 de

Leia mais