PORTAL COMERCIAL UTILIZANDO CONCEITOS DE WEB 2.0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTAL COMERCIAL UTILIZANDO CONCEITOS DE WEB 2.0"

Transcrição

1 PORTAL COMERCIAL UTILIZANDO CONCEITOS DE WEB 2.0 BERNARDO MARONGIU HOFFMANN PÁDUA 1 Aluno do Curso de Ciência da Computação do Centro Universitário de Vila Velha. HENRIQUE PETERLE MIRANDA 1 Aluno do Curso de Ciência da Computação do Centro Universitário de Vila Velha. RAPHAEL LUGON CAMPO DALL ORTO 1 Aluno do Curso de Ciência da Computação do Centro Universitário de Vila Velha. OTACÍLIO JOSÉ PEREIRA 1 Mestre em Informática e Engenheiro de Computação pela UFES.

2 RESUMO A proposta deste trabalho é a criação de um portal web que visa facilitar a comunicação entre lojistas e clientes de um pólo comercial, além de agilizar o processo de compra para os clientes, que poderão interagir através de perguntas e comentários, e obter informações sobre as lojas e os produtos, disponibilizadas e atualizadas pelos próprios lojistas. Ferramentas da web 2.0, dentre elas AJAX, RSS e Mashups serão utilizadas na construção do portal. Palavras-Chave: Portal, web 2.0, AJAX, RSS, Mashups ABSTRACT The proposal of this work is to create a Web portal designed to facilitate communication between merchants and customers of a commercial center, in addition to expedite the process of buying for clients, which may interact with questions, comments and information about the stores and products, available and updated by the merchants. Web 2.0 tools, such as AJAX, RSS and Mashups will be used in the construction of the portal. Keywords: Portal, web 2.0, AJAX, RSS, Mashups

3 1. INTRODUÇÃO Com a globalização, surgiu a necessidade de as empresas expandirem seus negócios, de divulgarem mais amplamente seus produtos. A internet é um elo entre as empresas e o mundo. Com a rede mundial de computadores, surgiram serviços para auxiliar o usuário na navegação. Um deles é denominado portal. Um portal é um agrupador de informações, um website que normalmente oferece diversos tipos de serviços no mesmo local. Usados a princípio como agregadores de notícias, os portais evoluíram gradativamente para a forma atual, na qual fornecem serviços de , notícias, entretenimento, entre outras coisas. Há, no entanto, websites que se caracterizam como portais somente por sua grande extensão, embora sejam provedores de apenas um tipo de serviço. Exemplos são o Youtube, o MySpace e o del.icio.us. É neste sentido mais estrito que o presente trabalho usa o conceito do portal. A idéia de um portal na internet de um pólo comercial é muito mais limitada do que os exemplos citados anteriormente. Porém, é um mercado promissor. Não é possível estimar o potencial que um site como esse possa alcançar. Um exemplo é o Pólo de Confecções da Glória, que possui mais de 500 lojas, espalhadas por várias ruas. Muitas vezes é difícil para um cliente percorrer todas as lojas, analisar todas as promoções e fechar o melhor negócio. Um espaço na web completamente automático, onde os donos de lojas, através de um login, mantêm um cadastro de seus produtos e informações que ficam disponíveis para o acesso do público facilitaria os negócios dos comerciantes e dos clientes. Desta forma, um cliente pode pesquisar produtos pela descrição, por loja, por tamanho e comparar preços antes de se dirigir ao pólo, além de obter a localização geográfica das lojas em um mapa. O tempo gasto por um cliente para fazer compras será reduzido e é esperado um aumento das vendas nas lojas. O portal funcionará como uma ferramenta de marketing e, portanto, não oferecerá um serviço de vendas online.

4 A idéia de agilizar o processo de compras é um ponto importante do portal. Para construir um portal ágil, que possa interagir e fornecer localizações geográficas para o cliente serão utilizadas as ferramentas da web 2.0. Mas o que é web 2.0? Muito se discute sobre o significado do termo web 2.0. Há quem diga que seja um marco na história da World Wide Web - o começo de uma segunda geração da web. Mas há também aqueles que acreditam ser apenas uma buzzword (tendência, conceito novo) que define apenas uma nova fase da evolução natural da internet. Após a introdução, será apresentado no tópico 2 um panorama geral do tema abordado. No tópico 3, a concepção do sistema será apresentada. Ao final, as conclusões sobre esta etapa do trabalho serão apresentadas e um planejamento das atividades futuras será delineado.

5 2. REVISÃO LITERÁRIA Neste tópico serão apresentados os conceitos empregados e as tecnologias usadas no trabalho. Dentre elas estão web 2.0, AJAX, RSS e Mashups WEB 2.0 O termo "web 2.0" é comumente usado para designar a era atual das tecnologias da internet. A web 2.0, em contraste com a primeira geração da internet, seria uma nova fase de interatividade da rede. Em vez de páginas estáticas, que predominavam anteriormente, a web 2.0 caracteriza-se por páginas dinâmicas. Muito do que se utiliza na web 2.0, como ferramentas e linguagens para web, já existia antes de se começar a falar sobre o termo. Assim, a web 2.0 é uma segunda geração, ou apenas uma evolução natural da internet? Do ponto de vista das tecnologias usadas no desenvolvimento das aplicações web, não podemos dizer que houve tal mudança a ponto de podermos falar em uma nova geração. Porém, do ponto de vista dos usuários e dos desenvolvedores, a web 2.0 é uma forma completamente nova de se usar a internet. Páginas mais dinâmicas e ágeis, que não precisam de atualização completa a cada ação, além de conteúdos disponibilizados e compartilhados pelos próprios usuários, são fatores que fazem com que o usuário sinta esta grande diferença entre a antiga e a nova web. Uma das diferenças que podem ser notadas é o crescimento de sites que prestam serviços a usuários, que são pagos mensalmente. Um negócio muito mais lucrativo do que o velho conceito de vender pacotes de sistemas. É claro que as características que marcam a web 2.0 não foram inventadas a partir do momento que o termo web 2.0 começou a ser utilizado. Esses recursos vinham sendo desenvolvidos há algum tempo, antes que alguém, dadas as mudanças que haviam

6 acontecido até então e o que mais havia por vir, sentisse a necessidade de denominar esta nova fase da internet. O termo foi criado por Tim O Reilly e usado oficialmente pela primeira vez em Segundo ele as transformações através das novas tecnologias justificam essa nova fase - a fase de interação com usuário. Pode-se dizer, no entanto, que não há nenhuma grande inovação tecnológica na web 2.0. Trata-se, sobretudo, da utilização de velhas tecnologias com um novo enfoque VISÃO GERAL DAS TECNOLOGIAS A seguir serão apresentadas algumas das principais tecnologias da web 2.0 e que serão empregadas no desenvolvimento do projeto. São eles: AJAX, Mashups e RSS AJAX (Asynchronous Javascript and XML) A web clássica baseia-se na requisição HTTP (Hypertext Markup Language) isto é, ela requer que o usuário aguarde pelo recebimento de dados, que chegam na forma de HTML e CSS (Cascading Style Sheets). Os navegadores, portanto, funcionam como terminais burros, uma vez que não executam qualquer processamento de informação, tarefa que fica delegada exclusivamente ao servidor, como ilustra a figura 1.

7 Figura 1. Modelo tradicional de aplicações web [Garrett, 2005]. Há sérias limitações ao uso da web de acordo com esse modelo convencional. É necessário, por exemplo, carregar novamente as páginas toda vez que se fizer qualquer solicitação, por mínima que seja. Para tornar mais eficiente a interação com o usuário, surgiu o AJAX. Segundo Garret [2005], o AJAX não é uma nova tecnologia, mas um conceito mais amplo que abriga outras tecnologias. De fato, o AJAX constitui-se de quatro partes principais, a saber: o XHTML (Extensible Hypertext Markup Language) ou HTML, e o CSS, que apresentam visualmente a informação para o usuário; o DOM (Document Object Model), que confere interatividade e dinamismo à apresentação; o XML e o XSLT (Extensible Markup Language e Extensible Stylesheet Language Transformations, respectivamente), que permitem o intercâmbio e a manipulação de dados; o XHL (XMLHttpRequest), para a o envio e recebimento de dados de modo assíncrono; Javascript, que une todas as tecnologias citadas.

8 O AJAX possibilitou que não seja mais necessário recarregar toda a página a cada solicitação do usuário. Isto é possível através do emprego assíncrono do Javascript e do XML, o que permitiu a atualização de campos específicos das páginas. Com isso, a troca de dados entre o servidor e o navegador diminui consideravelmente. Isso ocorre porque as aplicações AJAX requisitam dados ao servidor indiretamente, por meio do motor AJAX. Esse motor é uma camada de aplicação; ele serve para requisitar dados assim que necessário. Toda vez que o cliente faz uma requisição, ele a solicita para o motor AJAX, e o motor faz a solicitação ao servidor. Uma vez que apenas os dados são atualizados e não toda a página, o fluxo de informações entre a rede e o servidor diminui e as requisições ficam muito mais rápidas, como ilustra a figura 2. Figura 2. Modelo AJAX de aplicações web [Garrett, 2005]. Uma pequena comparação entre o funcionamento clássico da web e o funcionamento do modelo AJAX pode ser instrutiva. No modelo clássico, para cada requisição ao servidor, o cliente deve esperar sua resposta individual. Isso acontece porque a transmissão de dados é síncrona, ou seja, não é possível requisitar múltiplas tarefas simultaneamente. No modelo AJAX, para cada requisição Javascript, o motor AJAX tenta realizar o processamento individualmente. Durante a requisição, o usuário pode continuar a utilizar a aplicação e até mesmo fazer outras requisições ao servidor. O que não pode ser processado pelo motor AJAX é solicitado por meio de uma requisição HTTP. Estes dados devolvidos servidor ao motor AJAX voltam na forma de dados XML, os quais, por sua vez, atendem as requisições. O funcionamento de ambos os modelos (síncrono e assíncrono, respectivamente) é melhor ilustrado na figura 3.

9 Figura 3. Comparação da Interação síncrona de aplicativos web tradicionais. (esquerda) com a interação assíncrona de aplicativos Ajax (direita) [Garrett, 2005] MASHUPS O termo Mashup (normalmente aplicado a músicas criadas a partir de outras músicas, conhecido por mix ) na web surgiu para designar aplicações compostas. Segundo Cleuton Sampaio, autor do livro WEB 2.0 e Mashups, Mashup é uma derivação do conceito de aplicação composta ou composite application - um padrão de projeto (project pattern) que utiliza a mesma ideologia -, que é uma aplicação que consome informação disponibilizada através de Web Services. Uma aplicação que utiliza este conceito pode se tornar muito poderosa e versátil, visto que em um único ambiente integrado podemos agrupar vários tipos de componentes e acessar várias fontes de dados, tratando e apresentando ao usuário como se fossem provenientes de uma única fonte. Utilizando as técnicas e API s (Application Programming Interface) existentes, é possível desenvolver sites poderosos e flexíveis contando com recursos atrativos como blogs, agendas, notícias e mapas. Atualmente temos exemplos bem sucedidos de uso de Mashups na web. A própria Google já integrou o serviço de mensagens instantâneas com e busca, e o site de

10 relacionamentos Orkut, com vídeos, SMS e comentários em fotos (serviço oferecido por sites como Fotolog). Podemos citar também o WalkJogRun, que permite aos corredores americanos, trocarem experiências e informações sobre rotas e distâncias. O Locate Me, que de acordo com seu endereço IP fornece sua localização no mapa, também é usada a API HostIP.info, e WeatherBonk, que fornecem informações climáticas com o auxílio de imagens de webcams dos próprios usuários. Todos estes exemplos combinam o uso da API do Google Maps com outras para prestar serviços para um público específico. A API do Google Maps é uma poderosa ferramenta para construir aplicações que necessitam de localização geográfica ao redor do mundo. A figura 4 ilustra a utilização de Mashups tomando como exemplo o site WalkJogRun citado acima. É possível observar a integração entre duas fontes de dados distintas (Google Maps e o banco de dados do próprio site). Figura 4. Exemplo de Mashups. [www.walkjogrun.net].

11 É possível ver várias características da web 2.0 interagindo nos exemplos citados acima, tais como: a colaboração dos usuários com o conteúdo, a rápida interação com o usuário com códigos rodando no servidor e no cliente para tornar a navegação mais ágil e o próprio Mashups que rege a integração entre as diversas partes que compõem estas aplicações RSS (Really Simple Syndication) Os usuários que necessitam estar conectados o tempo todo com informações provenientes de diversos sites, sabem que é fatigante visitar cada um para verificar se há alguma novidade. Durante as visitas, sensações de frustração pela perda de conteúdo ou por não haver nada de novo para se ver são freqüentes. Para eliminar esse problema, muitos sites vêm adotando o RSS (também chamado de feed). O padrão RSS facilita a vida dos usuários que querem saber das novidades assim que elas vão para o ar, sem ter que visitar sites periodicamente. Com ele podemos reunir informações (normalmente, resumos de conteúdo juntamente com os links para as versões completas deste conteúdo) de vários sites em uma única tela, sem a necessidade de acessar cada um dos sites responsáveis por elas. De uma maneira geral, o RSS permite o recebimento de informações, sincronizadas com os respectivos fornecedores de conteúdo de forma rápida, uma vez que o formato dos dados se restringe a texto simples. As atualizações são feitas consultando o banco de dados, ou seja, quando for cadastrado um novo produto ou uma nova notícia, por exemplo, o RSS vai buscar esse novo item cadastrado e adicionar no feed. O funcionamento da assinatura de um RSS é análogo ao de uma revista: ao invés de se deslocar para ir até a banca e comprar a nova edição, você consegue fazer com que a revista seja entregue na sua casa quando sair. O mesmo acontece com o RSS: a informação chega a você e não o contrário.

12 Normalmente este ícone está associado a links para páginas dinâmicas ou para arquivos RSS diretamente. A maioria dos sites de notícias e blogs já possuem conteúdo disponibilizado como RSS. Existem duas maneiras de fazer o uso de RSS: usar um programa cliente, também denominado de agregador, onde são incluídos os RSS que o usuário deseja acompanhar ou fazer um cadastramento em sites específicos, agregadores via navegador ou browser, e neles incluir os RSS que deseja acompanhar. O interessante de usar um site agregador como o Google Reader, por exemplo, é que podemos acessar de qualquer computador: de casa, do trabalho, da lan-house, o que é bem mais conveniente. A figura 5 ilustra um exemplo da utilização de um RSS. Figura 5. Exemplo de RSS [www.globo.com]

13 3. ANÁLISE Nesta parte será apresentada a concepção do projeto contemplando o diagrama de casos de uso, a descrição e as especificação dos casos de uso, alguns diagramas de seqüência e o diagrama de classes da aplicação DIAGRAMA DE CASOS DE USO A figura 5 ilustra o diagrama de Casos de Uso, com uma visão geral das funcionalidades do projeto.

14

15 Figura 6. Diagrama de Casos de Uso 3.2. ESPECIFICAÇÃO DE CASOS DE USO Um caso de uso define um conjunto de passos, no qual cada passo é uma seqüência de ações realizada por um sistema que produz um resultado de valor observável para determinado ator. Será apresentada a especificação de alguns casos de uso que representam as tecnologias utilizadas e que foram prototipados. A especificação será mais aprofundada para as funcionalidades em que foram aplicadas as tecnologias web 2.0, foco deste trabalho. Estas funcionalidades são: Pesquisar Produto, Cadastrar Lojista, Cadastrar Usuário entre outros casos de uso que representam bem a tecnologia AJAX através de seus formulários dinâmicos. Cadastrar Localização e Obter Localização, onde foi aplicado o conceito de Mashups interagindo com os dados provenientes do Google Maps Ler RSS, que ilustra o uso da tecnologia RSS, disponibilizando contudo através de arquivos xml no formato padrão RSS Caso de Uso Pesquisar Produtos Este caso de uso possibilita ao ator Pesquisar por lojas e por produtos cadastrados por qualquer lojista. Nome Sub-sistema Atores Descrição Pré-condição Pós-condição Pesquisar Produtos Visitante Visitante. O Ator digita uma ou mais palavras-chave no campo de pesquisa e confirma. Os produtos e as lojas devem estar cadastrados para que possam ser encontrados pela pesquisa. Retorna a página principal. Fluxo normal Ator Iniciar 1. O ator responsável inicia o caso de uso quando altera o conteúdo do campo de Sistema 2. O Sistema fornece possíveis palavraschave.

16 pesquisa. 3. O ator responsável pode escolher uma das alternativas ou digitar uma ou mais palavras-chave no campo de pesquisa e confirma. Exibir 5. O ator responsável seleciona um item para exibir detalhes sobre o mesmo. Ver mais produtos da mesma Loja 8. O ator responsável seleciona a opção Ver mais produtos da mesma loja correspondente a um produto encontrado a partir da pesquisa de produtos. 4. O sistema exibe os produtos e lojas que tenham relação com a(s) palavra(s)- chave fornecida(s). 6. Se for um produto, o sistema fornece todas as informações disponíveis sobre o produto, uma opção para ver mais produtos da mesma loja, e uma para Obter Localização da loja. As informações apresentadas serão: Descrição do Produto, Tipo de produto, Preço, Nome da Loja, Tamanho e Disponibilidade. 7. O sistema exibe informações sobre a empresa responsável pelo produto: Nome, Endereço, Categoria e Telefone além de informações sobre suas unidades tais como Endereço e Telefones para contato. Além disso, o sistema disponibiliza uma forma de se acessar o mapa de localização. 9. O sistema ativa o filtro nome da loja, o define com o nome da loja correspondente ao produto selecionado e faz uma pesquisa. Fluxos alternativos: Na ação 7: O usuário pode chamar a visualização do mapa, estendendo para o caso de

17 uso: Obter Localização. Cenários de Exceção: Na ação 4: Podem não existir produtos cadastrados no banco de dados relacionados às palavras-chave digitadas pelo usuário, então o sistema não retornará nenhum produto Caso de Uso Obter Localização Este caso de uso possibilita ao ator a Obter a Localização Geográfica de lojas por produtos e lojas cadastrados por qualquer lojista. Nome Sub-sistema Atores Descrição Pré-condição Pós-condição Obter Localização Visitante Usuário e Visitante. O Ator requisita a localização de uma loja e o sistema fornece um mapa com o local da loja assinalado. As Lojas devem cadastrar corretamente seus endereços para que possam ser localizadas. Retorna a página anterior. Fluxo normal Ator Iniciar 1. O ator responsável inicia o caso de uso a partir do caso de uso Pesquisar Produtos. 3. O Usuário passa o Mouse sobre a unidade no mapa. Sistema 2. O sistema exibe um mapa e de acordo com a empresa escolhida, assinala no mapa as localizações de suas unidades. 4. O sistema exibe informações da unidade dentro do mapa Caso de Uso Ler RSS Este caso de uso possibilita ao ator ler o conteúdo RSS disponibilizado pelo portal..

18 Nome Sub-sistema Atores Ler RSS Visitante Visitante Descrição O Ator tem acesso às últimas atualizações de produtos de acordo com a categoria escolhida. Pré-condição - Pós-condição Retorna a pagina principal Fluxo normal Ator Iniciar 1. O ator responsável ativa o caso de uso a partir da tela inicial. 3. O ator escolhe a categoria desejada.lembrando que o ator pode selecionar receber notificações relacionadas a todas as categorias. Sistema 2. O sistema exibe uma tela com opções de categorias de produtos, as quais o ator pode escolher de qual delas deseja receber notificações. 4. O sistema exibe uma mensagem de confirmação e exibe para o usuário o conteúdo em um arquivo XML para o usuário no padrão RSS Caso de Uso Solicitar Conta de Lojista Este caso de uso possibilita ao ator solicitar uma conta de lojista no sistema. Nome Sub-sistema Ator Solicitar conta de lojista Lojista Visitante Descrição O Ator faz uma solicitação ao sistema para receber uma conta de lojista. Pré-condição - Pós-condição O Ator recebe um com um login e uma senha para validação posterior. Fluxo normal Ator Sistema

19 Iniciar 1. O ator responsável ativa o caso de uso através da função de cadastro de lojista. 3. Em seguida o ator responsável chama o caso de uso Cadastrar Localização 5. O ator preenche os campos e seleciona no mapa a localização das unidades de sua empresa e confirma, estendendo para o caso de uso Validar conta Lojista. 2. O sistema solicita informações pessoais: (Nome, Telefone, Celular e CPF), informações de acesso: (Login, Senha e ), informações sobre a Empresa: (Razão Social, Nome Fantasia, CNPJ e Categoria), informações sobre as unidades da empresa: (Telefone, Fax, CEP, Logradouro, Complemento, Número, Bairro e Cidade). 4. O sistema ativa o caso de uso Cadastrar Localização. <Include Cadastrar Localização> 6. O Sistema ativa o caso de Uso Validar conta de Lojista Caso de Uso Cadastrar Localização Este caso de uso possibilita ao ator a Cadastrar a Localização Geográfica de unidades pertencentes à sua empresa.. Nome Sub-sistema Atores Descrição Pré-condição Pós-condição Cadastrar Localização Lojista Lojista. O Ator posiciona no mapa a localização das unidades de sua empresa. O Ator deve estar logado e já informou quantas unidades sua empresa possui. Retorna a página anterior. Fluxo normal

20 Ator Iniciar 1. O ator responsável inicia o caso de uso a partir do caso de uso Manter informações da Empresa. 3. O Usuário posiciona as unidades de acordo com seus respectivos endereços e Confirma. Sistema 2. O sistema exibe um mapa e disponibiliza no mesmo um marcador para cada unidade da empresa. 4. O sistema salva a localização das unidades no Banco de Dados DIAGRAMA DE SEQUÊNCIA Será apresentado o diagrama de sequência dos casos de uso especificados acima Diagrama de Seqüência Obter Localização A figura 7 ilustra o Diagrama de Seqüência do Caso de uso Obter Localização. Figura 7. Diagrama de Seqüência do Caso de uso Obter Localização Diagrama de Seqüência Assinar RSS

21 A figura 8 ilustra o Diagrama de Seqüência do Caso de uso Assinar RSS. Figura 8. Diagrama de Seqüência do Caso de uso Assinar RSS Diagrama de Seqüência Solicitar Conta de Lojista A figura 9 ilustra o Diagrama de Seqüência do Caso de uso Solicitar Conta de Lojista.

22 Figura 9. Diagrama de Seqüência do Caso de uso Solicitar Conta de Lojista MODELO DE CLASSES DA ANÁLISE A figura 10 ilustra o Diagrama de Classes do Projeto.

23 Figura 10. Diagrama de Classes.

24 3.5. TECNOLOGIAS EMPREGADAS O projeto abordará, além dos conceitos já citados, o Ambiente de desenvolvimento Visual Studio, as linguagens Asp.Net, Javascript e XML e o Banco de Dados Microsoft SQL Server. AJAX Será usado para transformar o portal em um site leve, fazendo dos menus principais fixos, sem a necessidade de recarregar a cada nova chamada do site, será utilizado também na parte de buscas, filtrando o conteúdo a ser buscado. Na parte de cadastro será utilizado para chamadas de endereço utilizando como entrada o CEP. Mashups - Será usado para receber os dados do Google Earth e do banco de dados (BD), integrá-los e apresentá-los para o usuário como ser fosse uma única fonte de dados. Combina as funcionalidade de localização com as funcionalidades do acesso ao BD do portal RSS O conceito será utilizado para mostrar as últimas inclusões ou atualizações de novos produtos, ou ainda de alguma novidade ou notícia sobre a loja. O usuário tem a opção de assinar ou não o RSS. Compatibilidade com os programas Firefox 2.0 e Internet Explorer 7.

25 4. PROJETO Na fase de projeto é executado o detalhamento de cada um dos casos de usos definidos na fase de análise. Nesta fase é incorporada a tecnologia (rede, linguagens, banco de dados, entre outros) que deverá ser implementada nos diversos casos de usos. Também são definidas as entradas e saídas (telas, relatórios, layouts) e o Modelo Lógico e Físico de Dados. Apesar do projeto envolver diversas funcionalidades, este capítulo de projeto enfatizará as partes do módulo do lojista, pois refletem melhor as tecnologias web 2.0 empregadas como foco deste trabalho. 4.1 Diagrama de Pacotes Geral O objetivo desse diagrama é separar o projeto em pacotes, e mostrar os relacionamentos entre cada pacote. A figura 11 retoma uma visão geral dos pacotes do sistema através do Diagrama de Pacotes Geral. Figura 11. Diagrama de Pacotes Geral A seguir, será apresentado o módulo de lojista que aborda a maioria destas funcionalidades focadas no desenvolvimento.

26 4.2 Diagrama de Pacotes Lojista A figura 12 ilustra o Diagrama de Pacotes Lojista. Figura 12. Diagrama de Pacotes Lojista 4.3 Diagrama de Classes da Camada de Apresentação dos Módulos de Lojista e Visitante O diagrama de classes é uma representação visual da estrutura e relações das classes que servem de modelo para objetos. A figura 13 ilustra o Diagrama de Classes da Camada de Apresentação do Módulo Lojista e do Módulo Visitante.

27 Figura 13. Diagrama de Classes do Módulo Lojista e Visitante da camada de Apresentação 5. PROTÓTIPO 5.1 Visão Geral do WebSite A seguir, a figura 14 apresenta uma visão geral do website. Observa-se à esquerda logo abaixo do banner o painel de login, onde os usuários e lojistas cadastrados podem efetuar autenticação. Abaixo há um menu de categorias, com o intuito de agilizar buscas direcionadas de visitantes. À direita há um link para acessar o conteúdo RSS do site e a barra de busca inteligente. Logo abaixo, o local onde aparecem os produtos e suas informações.

28 Figura 14. Visão Geral do WebSite

29 6. CONCLUSÃO Várias críticas podem ser levantadas ao modelo de negócios empregado atualmente pelo Pólo de Confecções da Glória. O modelo comercial do pólo pode ser substancialmente melhorado com um investimento relativamente baixo em um website para a internet. Um portal que apresentasse rapidamente os produtos das mais de quinhentas lojas, com preços, promoções, etc., facilitaria os negócios tanto de lojistas quanto de consumidores. Os consumidores poderiam encontrar rapidamente as melhores ofertas sem ter que se submeter a uma fatigante pesquisa física, na qual teriam que percorrer centenas de lojas em busca dos preços mais baixos. Os lojistas poupariam custos por não precisarem apresentar suas mercadorias a tantos consumidores em pesquisa. Os gastos em publicidade poderiam diminuir e o seu alcance aumentaria. Pode-se até mesmo vislumbrar um fortalecimento das relações entre os lojistas do Pólo graças às facilidades que a internet oferece. Certamente há muitos clientes que prefeririam continuar a dedicar várias horas entre lojas, vendo os produtos e os vendedores de perto. Porém, é inegável também que há um tipo de consumidor que preza mais pela agilidade e o conforto, que precisa de respostas rápidas às suas necessidades, e este é o público-alvo do portal do Pólo de Confecções da Glória. O diferencial do Pólo de Confecções são seus baixos preços e sua variedade de produtos em relação às outras lojas. No entanto, ainda é possível adicionar mais um diferencial a ele. E esse diferencial é a agilidade que somente um portal na internet pode proporcionar.

30 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] NIEDERAUER, J. Web interativa com ajax e php. [2] FOCUSNETWORKS.Web 2.0. guia rápido para uma estrutura web 2.0 de sucesso. [3] KONDO, R. T. Acelerando com ajax a biblioteca digital de testes e dissertações da usp. [4] CRANE, D. AJAX EM AÇÃO. [S.l.]: PRENTICE HALL, [5] SAMPAIO, C. 2.0 e MASHUPS REINVENTANDO A INTERNET. [S.l.]: BRASPORT, [6] SILVA, R. P. UML 2 EM MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS. [S.l.]: VISUAL BOOKS, [7] LOTAR, A. Como programas com ASP.NET e C#. [S.l.]: Novatec, [8] WAHLIN, D. Profissional ASP.NET AJAX. [S.l.]: Alta Books, [9] EVANS, K. A. XML e ASP.NET. [S.l.]: Ciência Moderna, [10] CARDOSO, C. UML na Pratica: do Problema ao Sistema. [S.l.]: Ciência Moderna, [11] LARMAN, C. Utilizando UML e Padrões. [S.l.]: Bookman, [12] PILONE, D. UML 2: Rápido e Prático. [S.l.]: Alta Books, [13] MARTIN, R. Projetando e Administrando Banco de Dados SQL Server [S.l.]: Alta Books, [14] SOUSA, R. F. M. Aprenda ASP.NET AJAX em 15 passos. [S.l.]: Érica, [15] BEZERRA, E. PRINCIPIOS DE ANALISE E PROJETO DE SISTEMAS COM UML. [S.l.]: ELSEVIER EDITORA LTDA, 2006.

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO Curso Superior de Graduação em ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática Por AUGUSTO CARRICONDE

Leia mais

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX Bruno Simões Kleverson Pereira Marcos Santos Eduardo Barrere Associação Educacional Dom Bosco - AEDB RESUMO

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

[SITE FÁCIL CDL MANUAL DO USUÁRIO]

[SITE FÁCIL CDL MANUAL DO USUÁRIO] Câmara de Dirigentes Lojistas [SITE FÁCIL CDL MANUAL DO USUÁRIO] Sumário 1. Controle de versão... 3 2. Objetivo... 4 3. Site fácil... 4 4. Acessando o sistema de gestão de conteúdo (SGC)... 5 5. Páginas

Leia mais

MANUAL. Perfil de Professor

MANUAL. Perfil de Professor MANUAL Perfil de Professor Índice 1. Acesso 1.1. Acessando o Canal do Norte... 03 2. Disciplinas 2.1. Acessando Disciplinas... 07 3. Recursos 3.1. Adicionando Recursos... 10 3.2. Página de texto simples...

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Manual do Usuário. Manual do Usuário - Versão 1.0. 1

Manual do Usuário. Manual do Usuário - Versão 1.0. 1 Manual do Usuário Manual do Usuário - Versão 1.0. 1 Índice 1. Visão Geral... 3 2. Acessar o sistema... 3 3. Módulo Inicial... 6 3.1. Cabeçalho do sistema... 6 3.2. Fale Conosco... 6 3.3. Meu Cadastro...

Leia mais

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot Proposta Loja Virtual Schmitt Tricot Apresentação: Atualmente atuo no mercado de sites e lojas virtuais desde 2010, desenvolvendo novas ideias, trabalhando com agilidade, para sempre atender a todas as

Leia mais

1. Objetivo do Projeto

1. Objetivo do Projeto PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VISNET - INTERNET E COMUNICAÇÃO Desenvolvimento de Site para CDL 1. Objetivo do Projeto O CDL Online é o mais novo sistema interativo especialmente projetado para criar

Leia mais

Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites

Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites Prof.: Salustiano Rodrigues de Oliveira Email: saluorodrigues@gmail.com Site: www.profsalu.wordpress.com Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites

Leia mais

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br 2013 inux Sistemas Ltda. s MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br Sumário 1 Introdução... 2 2 Visão Geral do Sistema... 2 3 Tela de Configuração... 3 4 Tela de Mensagens... 5 5 Tela de Importação... 8 6 Tela

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web

Introdução à Tecnologia Web Introdução à Tecnologia Web JavaScript Histórico e Características Índice 1 JAVASCRIPT... 2 1.1 Histórico... 2 1.2 Aplicações de JavaScript... 2 a) Interatividade... 2 b) Validação de formulários... 2

Leia mais

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados Construtor Iron Web Manual do Usuário Iron Web Todos os direitos reservados A distribuição ou cópia deste documento, ou trabalho derivado deste é proibida, requerendo, para isso, autorização por escrito

Leia mais

SISTEMÁTICA WEBMARKETING

SISTEMÁTICA WEBMARKETING SISTEMÁTICA WEBMARKETING Breve descrição de algumas ferramentas Sobre o Webmarketing Web Marketing é uma ferramenta de Marketing com foco na internet, que envolve pesquisa, análise, planejamento estratégico,

Leia mais

NAVEGANDO NA INTERNET

NAVEGANDO NA INTERNET UNIDADE 2 NAVEGANDO NA INTERNET OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Definir a forma de utilizar um software de navegação; Debater os conteúdos disponibilizados

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO Djalma Gonçalves Costa Junior¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil djalma.g.costajr@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS PARA CERTAMES SIGEDCERT - MODO USUÁRIO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS PARA CERTAMES SIGEDCERT - MODO USUÁRIO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS PARA CERTAMES SIGEDCERT - MODO USUÁRIO 1. Acesse através do navegador (preferencialmente Mozilla Firefox ou Google Chrome) o endereço web do sistema:

Leia mais

ClinicalKey 2.0. Guia do usuário

ClinicalKey 2.0. Guia do usuário ClinicalKey 2.0 Guia do usuário 2 Agenda 1. Introdução 2. Selecionando o navegador 3. Como acessar ClinicalKey 4. Como pesquisar no ClinicalKey 5. A informação que você precisa 6. Topic Pages 7. Página

Leia mais

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Desenvolvimento Andrique web Amorim II www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Sites e Aplicações Web Normalmente, as pessoas utilizam o termo SITE quando se referem a blogs, sites

Leia mais

ÍNDICE. Página 2 de 21

ÍNDICE. Página 2 de 21 Página 1 de 21 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. MINHA CONTA... 3 2.1. Introdução... 3 2.2. Telas do Menu Minha Conta... 4 2.2.1. Tela de Dados Cadastrais... 4 2.2.2. Tela Gerenciar Contatos... 5 2.2.3. Tela

Leia mais

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.0 2010 1 1. INTRODUÇÃO Administradores públicos defrontam-se diariamente com grandes dificuldades para fazer com que processos administrativos, documentos, pareceres e informações

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

A barra de menu a direita possibilita efetuar login/logout do sistema e também voltar para a página principal.

A barra de menu a direita possibilita efetuar login/logout do sistema e também voltar para a página principal. MANUAL DO SISCOOP Sumário 1 Menu de Navegação... 3 2 Gerenciar País... 5 3- Gerenciamento de Registro... 8 3.1 Adicionar um registro... 8 3.2 Editar um registro... 10 3.3 Excluir um registro... 11 3.4

Leia mais

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Conceitos Web Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011 Tecnologias Web jgw@unijui.edu.br Conceitos Básicos Sistema

Leia mais

Integração com a Mídia Social

Integração com a Mídia Social Guia rápido sobre... Integração com a Mídia Social Neste guia... Vamos mostrar como integrar seu marketing com as mídias sociais para você tirar o maior proveito de todo esse burburinho online! Nós ajudamos

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova.

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova. 3.5 Páginas: Ao clicar em Páginas, são exibidas todas as páginas criadas para o Blog. No nosso exemplo já existirá uma página com o Título Página de Exemplo, criada quando o WorPress foi instalado. Ao

Leia mais

Agregadores de Conteúdo

Agregadores de Conteúdo Agregadores de Conteúdo São programas ou sites capazes de interpretar e mostrar o conteúdo dos Feeds RSS. Essa é uma forma de facilitar a leitura de vários sites e blogs, acessando o que há de novo em

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Manual WordPress. Conteúdo Índice. Capítulo 1 Introdução. Capítulo 2 Conceitos básicos do Painel. Capítulo 3 Gerenciamento de Posts ( Artigos)

Manual WordPress. Conteúdo Índice. Capítulo 1 Introdução. Capítulo 2 Conceitos básicos do Painel. Capítulo 3 Gerenciamento de Posts ( Artigos) Manual WordPress Conteúdo Índice Capítulo 1 Introdução Sobre o WordPress Características principais Capítulo 2 Conceitos básicos do Painel Logando no Painel de Controle Alterando Usuário e Senha Painel

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. Conteúdo 1. Descrição geral 2 2. Resumo das funcionalidades 3 3. Efetuar cadastro no sistema 4 4. Acessar o sistema 6 5. Funcionalidades do menu 7 5.1 Dados cadastrais 7 5.2 Grupos de usuários 7 5.3 Funcionários

Leia mais

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Regilan Meira Silva Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização

Leia mais

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Sumário Visão geral Bilhetagem Eletrônica... 3 1 TDMax Web Commerce... 4 1.1 Requisitos e orientações gerais... 4 2 Acesso... 5 2.1 Como realizar um cadastro usuário

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

Linux. Educacional. Tutorial Buzzword

Linux. Educacional. Tutorial Buzzword Linux Educacional Tutorial Buzzword Para trabalhar com o programa Buzzword online, é necessário que crie uma conta no site. Para isso acesse o endereço - https://buzzword.acrobat.com/ Para criar uma conta

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura MANUAL DO PROPONENTE: ADMINISTRATIVO VERSÃO 1.0 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 08/01/2013 1.0 Criação do documento. Aline Oliveira - MINC 3 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Loja Virtual. O que a loja oferece? Características Disponíveis na Loja Virtual 1. SEO 2. FORMAS DE PAGAMENTO 3. FORMAS DE ENTREGA

Loja Virtual. O que a loja oferece? Características Disponíveis na Loja Virtual 1. SEO 2. FORMAS DE PAGAMENTO 3. FORMAS DE ENTREGA Loja Virtual Agora ficou fácil ter sua própria loja virtual na Internet. Com a Loja Virtual da Global Soft Union, você mesmo monta seu próprio site de comércio eletrônico, totalmente configurável, sem

Leia mais

Manual do Usuário. SefazNET com Bootstrap

Manual do Usuário. SefazNET com Bootstrap Manual do Usuário SefazNET com Bootstrap Versão: 01.03 Data: 05/12/2014 Responsável: Armando Wodson de Sousa Vieira E-mail: centraldeservicos@sefaz.ma.gov.br Célula de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

Proposta Revista MARES DE MINAS

Proposta Revista MARES DE MINAS SATIS 2011 Proposta Revista MARES DE MINAS 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5 Investimento 6

Leia mais

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes ALUNES MANUAL DO USUÁRIO Guia rápido Alunes 1 Manual de Instruções Versão 2.0 Alunes Informática 2 Sumário Introdução... 5 Pré-requisitos... 5 Principal/Home... 6 Como editar texto do home... 7 Desvendando

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas 2014 V.1.0 SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Contas Médicas SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Módulos CONTAS MÉDICAS Capa

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Jd Soft Informática Ltda F o n e : ( 0 4 8 ) 3 2 4 7-0 0 0 1

Jd Soft Informática Ltda F o n e : ( 0 4 8 ) 3 2 4 7-0 0 0 1 INFORMATIVO DPPH Nº 023 30/10/2014. MANTER EM DIA AS ATUALIZAÇÕES O programa DOWNLOAD JD é o nosso portal oficial onde são publicadas as versões e os manuais de atualização e de informação para o usuário.

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Serviço técnico de Biblioteca e documentação BIBLIOTECA PROF. PAULO DE CARVALHO MATTOS P@RTHENON

Serviço técnico de Biblioteca e documentação BIBLIOTECA PROF. PAULO DE CARVALHO MATTOS P@RTHENON Serviço técnico de Biblioteca e documentação BIBLIOTECA PROF. PAULO DE CARVALHO MATTOS P@RTHENON Botucatu 2013 NOVA FERRAMENTA DE BUSCA INTEGRADA: P@RTHENON 1. Para acessar o P@rthenon: Há três possibilidades

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

Ferramenta de Pré-agendamento Online Tutorial de Utilização para Usuários TUTORIAL P R É A G E N D A M E N T O O N L I N E.

Ferramenta de Pré-agendamento Online Tutorial de Utilização para Usuários TUTORIAL P R É A G E N D A M E N T O O N L I N E. TUTORIAL P R É A G E N D A M E N T O O N L I N E. P á g i n a 1 26 Carta de Apresentação Prezados Parceiros, A SEED Business Group traz uma inovação em seu atendimento, com o intuito de facilitar o processo

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Elaborado por SIGA-EPT. Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado

Elaborado por SIGA-EPT. Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado Elaborado por SIGA-EPT Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado Versão Dezembro - 2009 Sumário 1 Introdução 5 1.1 Entrando no sistema e repassando as opções................... 5 1.2 Administração......................................

Leia mais

Notas de Aula 05: Aplicação de um caso de uso

Notas de Aula 05: Aplicação de um caso de uso Notas de Aula 05: Aplicação de um caso de uso Objetivos da aula: Aprender a aplicar a técnica de casos de uso em um pequeno problema real Identificar as variáveis relevantes a serem consideradas Modelar

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Manual do Usuário Cidadão SIC Serviço de informação ao cidadão

Manual do Usuário Cidadão SIC Serviço de informação ao cidadão Manual do Usuário Cidadão SIC Serviço de informação ao cidadão NOVOSIS 3ª Versão Conteúdo Introdução... 3 Principais recursos:... 4 Para o cidadão:... 4 Para os órgãos públicos:... 4 Como Utilizar o SIC...

Leia mais

Documentação do IBM Lotus Mashups

Documentação do IBM Lotus Mashups Documentação do IBM Lotus Mashups ii Documentação do IBM Lotus Mashups Índice Introdução............. 1 Perguntas Mais Freqüentes Gerais.......1 Perguntas Mais Freqüentes Sobre Criar, Montar e Explorar

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

MANUAL DE MEMBRO COMUNIDADE DO AMIGO

MANUAL DE MEMBRO COMUNIDADE DO AMIGO SUMÁRIO Efetuando o Login na comunidade... 3 Esqueceu sua senha?... 3 Página Principal... 4 Detalhando o item Configurações... 5 Alterar Foto... 5 Alterar Senha... 5 Dados Pessoais... 6 Configurações de

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

DOWNLOAD DO APLICATIVO: INSTALAÇÃO DO APLICATIVO

DOWNLOAD DO APLICATIVO: INSTALAÇÃO DO APLICATIVO DOWNLOAD DO APLICATIVO: O aplicativo deve ser baixado pelo endereço: http://www.estudeadistancia.com/avamobile/ A partir do dia 03/06 será disponibilizado dois links para download: 1 download do aplicativo

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Administração dos Portais

2015 GVDASA Sistemas Administração dos Portais 2015 GVDASA Sistemas Administração dos Portais AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta

Leia mais

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema Footprints Service Core Manual de uso do sistema Sumário Acessando o sistema... 3 Visão geral... 4 Criação de chamados... 5 Acompanhamento de chamados... 7 Compartilhamento de chamados... 8 Notificações...

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Compartilhamento de Arquivos no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução...

Leia mais

VISTORIA DO SISTEMA REGIN PREFEITURAS

VISTORIA DO SISTEMA REGIN PREFEITURAS Página 1 / 29 ÍNDICE ÍNDICE... 2 APRESENTAÇÃO... 3 MÓDULO DE ACESSO... 3 CONFIGURAÇÃO MÓDULO VISTORIA... 4 ANÁLISE DOS PROTOCOLOS... 5 CONTROLE DE EXPORTAÇÃO MÓDULO VISTORIA... 8 DISPOSITIVO REGIN PREFEITURA...

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DO AFRAFEP SAÚDE

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DO AFRAFEP SAÚDE GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DO AFRAFEP SAÚDE INTRODUÇÃO O portal do Afrafep Saúde é um sistema WEB integrado ao sistema HEALTH*Tools. O site consiste em uma área onde os Usuários e a Rede Credenciada,

Leia mais

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias Darley Passarin 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil darley@centralrss.com.br,

Leia mais

Um Protótipo de Editor de Imagens via Web

Um Protótipo de Editor de Imagens via Web Um Protótipo de Editor de Imagens via Web Thiago Silva Borges 1, Jackson Gomes de Souza 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil {thiago,jgomes}@ulbra-to.br

Leia mais

Configurações de Campanha

Configurações de Campanha Guia rápido sobre... Configurações de Campanha Neste guia... Aprenda a criar campanhas e a ajustar as configurações para otimizar os resultados. Índice 1. Criar Nova Campanha! 4 1.1 Dar um nome à campanha!

Leia mais

Loja virtual. Integração com todos os meios de pagamento

Loja virtual. Integração com todos os meios de pagamento Loja virtual Integração com todos os meios de pagamento Loja virtual Mobile mais conforto e praticidade para fazer suas compras O que você acha de estar perto do seu cliente em qualquer lugar, no computador,

Leia mais

Web Interativa com Ajax e PHP

Web Interativa com Ajax e PHP Web Interativa com Ajax e PHP Juliano Niederauer Novatec Copyright 2007, 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

2013 GVDASA Sistemas Administração dos Portais

2013 GVDASA Sistemas Administração dos Portais 2013 GVDASA Sistemas Administração dos Portais 2013 GVDASA Sistemas Administração dos Portais AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova.

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova. 3.5 Páginas: Ao clicar em Páginas, são exibidas todas as páginas criadas para o Blog. No nosso exemplo já existirá uma página com o Título Página de Exemplo, criada quando o WorPress foi instalado. Ao

Leia mais

1. Áudio. Esta seção servirá para o cliente inserir músicas em formato mp3 para que os visitantes do site possam ouvi-las através do site.

1. Áudio. Esta seção servirá para o cliente inserir músicas em formato mp3 para que os visitantes do site possam ouvi-las através do site. 1. Áudio Esta seção servirá para o cliente inserir músicas em formato mp3 para que os visitantes do site possam ouvi-las através do site. 2. Atendimento online Seção destinada para que os visitantes do

Leia mais

iconnect 3.3 Atualizações Pesquisa Dinâmica

iconnect 3.3 Atualizações Pesquisa Dinâmica iconnect 3.3 Atualizações Pesquisa Dinâmica Conteúdo iconnect 3.3 Atualizações Pesquisa Dinâmica... 3 1. Feedback do Cliente...3 1.1 Feedback do Cliente no Email da Pesquisa Dinâmica... 3 1.2 Página de

Leia mais

Engenharia Requisitos Estudo de caso

Engenharia Requisitos Estudo de caso Engenharia Requisitos Estudo de caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Sistema de Matricula Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição

Leia mais

O SIPIRAHIBA se encontra disponível atualmente através do endereço eletrônico http://niema.ufam.edu.br

O SIPIRAHIBA se encontra disponível atualmente através do endereço eletrônico http://niema.ufam.edu.br Manual do Usuário - SIPIRAHIBA Acessando o SIPIRAHIBA O SIPIRAHIBA se encontra disponível atualmente através do endereço eletrônico http://niema.ufam.edu.br Visando o melhor aproveitamento da tecnologia

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

GUIA DE USO FRAMEWORK APLANAR Versão 0.1 21/07/2014 Cópia distribuída e controlada

GUIA DE USO FRAMEWORK APLANAR Versão 0.1 21/07/2014 Cópia distribuída e controlada GUIA DE USO SUMÁRIO 1. Utilizando o FrameWork Aplanar... 2 1.1 GRID... 2 1.1.1 Barra de menus:... 2 1.1.2 Barra de ferramentas:... 3 1.1.3 Barra de pesquisa:... 3 1.2 MENU ADMINISTRATIVO... 4 1.2.1 Usuário:...

Leia mais

Visão Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13

Visão Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13 Visão Empresa de Contabilidade Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse

Leia mais

RELEASE F-STORE v. 3.0.0.0

RELEASE F-STORE v. 3.0.0.0 Curitiba (2015) ÍNDICE Aumento de performance no carregamento de imagens Assinatura de produtos Barra de busca flutuante Boleto como imagem Cadastro de cliente com Double opt-in Cadastro de SEO Carrinho

Leia mais