Unity3D Uma introdução Autor: Thiago Campos Viana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unity3D Uma introdução Autor: Thiago Campos Viana"

Transcrição

1 Unity3D Uma introdução Autor: Thiago Campos Viana

2 Unity3D Uma introdução Copyright 2009 Thiago Campos Viana São Carlos, SP Brasil Creative Commons Attribution 3.0 Unported Você pode: copiar, distribuir, exibir e executar a obra. criar obras derivadas. Sob as seguintes condições Atribuição Você deve dar crédito ao autor original, da forma especificada pelo autor ou licenciante. Compartilhamento pela mesma Licença Se você alterar, transformar ou criar algo em cima deste trabalho, você deve distribuir o trabalho resultante somente com uma licença igual, similar ou com compatível com esta. Para maiores informações acesse:

3 Conteúdo Lista de Imagens... 3 Lista de códigos Introdução O que é o Unity 3D Unity3D no Brasil Exemplos de jogos Um aviso Programas auxiliares Instalando o Unity no Windows Principais conceitos O ambiente do Unity3D Visão de Projeto Hierarquia Menu de Topo Visão da Cena Posicionamento de objetos Scene Gizmo Barra de controle da cena Visão de jogo Play Mode Barra de controle da visão de jogo Inspetor Barra de Status Console Sistema de coordenadas 3D O plano cartesiano Coordenadas locais e globais Vetores Quaterniões e rotações Renderização Câmeras Representação de formas Materiais Física Corpos rígidos Detecção de colisão Conclusão Introdução ao Java Script Seu primeiro programa Variáveis e tipos de dados Declaração de variáveis e palavras reservadas Operadores Comandos condicionais Objetos, propriedades e métodos Comentários Isso não é tudo Terrenos

4 4.1 Utilizando Terrenos Criando um novo Terreno Navegando pelo terreno Editando o Terreno

5 Lista de Imagens Imagem 1 - Super Vôlei Brasil (Aquiris)... 4 Imagem 2 - Rally Touareg (Edgy)... 5 Imagem 3 - Rexona Race... 5 Imagem 4 - Fusion Fall ( Web MMORPG )... 6 Imagem 5 - JumpStart para Nintendo Wii... 6 Imagem 6 - Zombieville (iphone)... 7 Imagem 7 - Tela inicial do Unity Imagem 8 - Menu de Topo Imagem 9 - Visão da Cena Imagem 10 - Visão de jogo Imagem 11 - Estatística do jogo Imagem 12 - Console Lista de códigos Código 1 - Script inicial Código 2 Exemplo Ola Código 3 Exemplo gira cubo Código 4 Exemplo declaração de variável Código 5 Exemplo string Código 6 Exemplo if Código 7 Exemplo else Código 8 Exemplo while Código 9 Exemplo for Código 10 Exemplo break Código 11 Exemplo break Código 12 Exemplo break Código 13 Exemplo break

6 Capítulo 1: Introdução Capítulo 1 1 Introdução Bem vindo à área de desenvolvimento de jogos de jogos com o Unity3D! Em primeiro lugar gostaria de me apresentar, meu nome é Thiago Campos Viana e deixar claro que esta apostila foi criada de um hobbista para hobbistas. Não sou um desenvolvedor de jogos profissional, tenho mais experiência com desenvolvimento web, mais especificamente com o CMS ez publish, porém adoro a área de jogos e gostaria de compartilhar o pouco que sei sobre esta ferramenta de desenvolvimento que possui uma versão gratuita, a Unity3D, e como não se encontra apostilas em português sobre esta ferramenta, resolvi criar esta apostila. A apostila tem como público alvo todas as pessoas interessadas em desenvolvimento de jogos 3D sem muita experiência com programação ou com o Unity3D, assim, ao final da apostila espera-se que você esteja preparado para iniciar seu primeiro projeto de um jogo 3D. Tentarei evitar ao máximo termos muitos técnicos, pois gostaria de ver adolescentes de todas as classes econômicas criando jogos nessa ferramenta assim como eles criam vídeos para o site youtube.com com o Windows Movie Maker, pois quando eu comecei a usar a internet em 2002, antes de começar o curso de bacharelado em informática na USP de São Carlos eu era um desses adolescentes. Apesar de tudo, será necessário para quem deseja se aventurar na área de desenvolvimento um conhecimento mínimo de inglês. Então, sem mais delongas, vamos começar a falar de desenvolvimento de jogos com o Unity3D. 1.1 O que é o Unity 3D O Unity3D é um programa de desenvolvimento com todos os recursos necessários para desenvolver qualquer tipo de jogo em 3D que você possa imaginar. Ele possui uma versão gratuita, que pode ser encontrada no link com a maioria das funcionalidades que um desenvolvedor amador necessita para criar seus jogos e publicá-los como programa para Windows ou em uma página web. Estes jogos para sites funcionam de um modo parecido com os jogos ou animações para sites criados em Flash, ou seja, é necessário que a pessoa instale um plugin para que eles funcionem. 3

7 Capítulo 1: Introdução Esse plugin é um programa que é encontrado no link e funciona parecido com o plugin do Flash, ou seja, você consegue jogar através do seu navegador, Internet Explorer, Firefox, entre outros. 1.2 Unity3D no Brasil Algumas empresas brasileiras já estão utilizando esta ferramenta em seus projetos, um exemplo é Aquiris, empresa do sul do país, que criou o jogo Super Voleibol Brasil, imagem1. Esse jogo foi patrocinado pela Olympikus e pode ser jogado diretamente pelo navegador. Além desse jogo a Aquiris já trabalhou desenvolvendo jogos e programas para Embraer, GM, Coca-Cola, Kibon entre outros. Imagem 1 - Super Vôlei Brasil (Aquiris) A Edgy, que é uma empresa paulista, também trabalha com a ferramenta e já criou vários projetos para montadoras de automóveis, entre elas Chevrolet, Volkswagen, Peugeot, além de empresas de outros segmentos, como é o caso das Casas Bahia. Um exemplo de jogo que a empresa criou é o Rally Toureg, imagem 2. 4

8 Capítulo 1: Introdução Imagem 2 - Rally Touareg (Edgy) Além dessas empresas, existem mais, como é o caso da CuboCC (http://www.cubo.cc) e seu jogo para a Rexona (http://www.rexona.com.br/xrace, imagem 3) e a Quantix Games a qual não consegui encontrar um jogo desenvolvido por ela, mas em seu site encontra-se uma referência ao Unity3D. Imagem 3 - Rexona Race 1.3 Exemplos de jogos A versão gratuita do Unity3D tem como foco amadores e pequenas empresas desenvolvedoras de jogos, sendo quase impossível para nós, amadores, ou essas pequenas empresas criarem jogos como um World of Warcraft ou um FarCry, mas existem grandes empresas utilizando o Unity que criaram jogos impressionantes. 5

9 Capítulo 1: Introdução Um deles é o MMORPG mais conhecido desenvolvido com o Unity3D é o Fusion Fall, da Cartoon Network, ele é um jogo para web com visual de desenho animado, imagem 4. Para desenvolver esse tipo de jogo é necessário utilizar a licença profissional, a qual não é gratuita, mas aqui serve como exemplo de um jogo grande, para centenas de jogadores. Para jogos com poucos jogadores, cerca de 12, a versão gratuita é suficiente. Imagem 4 - Fusion Fall ( Web MMORPG ) Além disso, existem licenças do programas, não gratuitas, que permitem desenvolver jogos para o vídeo Nintendo Wii, como é o caso do JumpStart (http://jumpstart.com/), imagem 5, e para iphone, Zombieville, imagem 6. O jogo Zombieville é simplesmente um dos jogos mais vendidos para iphone, chegando a ficar no topo da lista de mais vendidos. Existe um plano da empresa criar uma licença para que se possa publicar os jogos também para o Xbox 360, assim, se você criar um jogo que faça sucesso, você tem a possibilidade de publicar para diversas outras plataformas. Imagem 5 - JumpStart para Nintendo Wii 6

10 Capítulo 1: Introdução Imagem 6 - Zombieville (iphone) 1.4 Um aviso Os jogos apresentados neste capítulo foram desenvolvidos por profissionais que trabalham neles durante muito tempo e já possuem uma grande experiência na área de desenvolvimento de jogos. Quando você começar a desenvolver, não fique frustrado se seu jogo não parecer tão bom ou não conseguir criar uma funcionalidade parecida com as dos jogos citados, com o tempo você aprenderá a desenvolver jogos cada vez melhores e quem sabe um dia faça parte do time de desenvolvimento de um grande jogo. Outra a coisa a ser lembrada é que a versão gratuita da engine não permite o desenvolvimento de jogos para iphone ou para o Nintendo Wii, apenas para Windows, MAC e para internet, mas nada impede de você comprar uma licença para desenvolver para essas plataformas após você desenvolver um jogo de sucesso para Windows, por exemplo, e comprar essas licenças com o dinheiro obtido para ganhar mais dinheiro. Mas isso não é um problema para aqueles que desejam apenas desenvolver para Windows e tem o desenvolvimento de jogos apenas como um hobby. 1.5 Programas auxiliares Além do Unity3D existem outros programas auxiliares para o desenvolvimento de um jogo, segue aqui uma lista desses programas, todos são gratuitos: Blender: Ferramenta para modelagem e animação de objetos 3D. Audacity: Editor de audio open source. Gimp: Editor de imagens. 7

11 Capítulo 1: Introdução Inkscape: Para criação de desenhos. Melody Raiser: Programa de geração de música procedural. SFXR: Programa de geração de efeitos sonoros. Não é o enfoque desta apostila detalhar o funcionamento desses programas, você só precisa saber que eles serão necessários caso você queira criar seus próprios modelos, animações, músicas e tudo mais. 1.6 Instalando o Unity no Windows Baixe o Unity, após terminar o download, execute o instalador. A seguinte tela irá aparecer: Clique em Next. 8

12 Capítulo 1: Introdução Leia o acordo de licença e, se concordar, clique em I Agree para ir para a próxima tela. 9

13 Capítulo 1: Introdução Clique em Next. 10

14 Capítulo 1: Introdução Escolha o local da instalação e clique em Install. 11

15 Capítulo 1: Introdução Aguarde a instalação finalizar. Clique em Finish, o Unity será executado. 12

16 Capítulo 1: Introdução Clique em Register. Selecione Internet Activation e clique em Avançar. 13

17 Capítulo 1: Introdução Espere o programa se conectar ao servidor e abrir seu navegador: Clique na página que foi aberta pelo navegador em Free. 14

18 Capítulo 1: Introdução Pronto! Agora você poderá utilizar a versão gratuita do Unity por tempo indeterminado, porém a versão pro por apenas 30 dias. 15

19 Capítulo 1: Introdução Clique em Concluir. E abra o Unity novamente. No próximo capítulo farei uma breve introdução à interface do Unity, aos principais conceitos envolvendo programação 3D e uma descrição das principais palavras relacionadas a esse tipo de programação. 16

20 Capítulo 2: Principais conceitos Capítulo 2 2 Principais conceitos Este capítulo apresenta uma breve introdução ao ambiente de desenvolvimento do Unity3D assim como alguns dos vários conceitos envolvidos na área de programação de jogos 3D. O objetivo deste capítulo é tornar o leitor mais familiar com o uso do Unity3D e com os principais termos encontrados na área, pois existem muitas pessoas com pouca experiência na área e que costumam ficar confusas com eles. Boa parte do que está neste capítulo está disponível na própria documentação do Unity, porém em inglês. 2.1 O ambiente do Unity3D Antes de continuar lendo este tutorial, recomendo que instale o programa do Unity3D (http://unity3d.com/unity/download/) e execute. Para aqueles que estão abrindo o programa pela primeira vez ele abrirá o projeto Tropical Paradise por padrão, imagem 7. 17

21 Capítulo 2: Principais conceitos Barra de Ferramentas / Menu Hierarquia Cena / Jogo Inspetor Projeto Imagem 7 - Tela inicial do Unity O Unity possibilita ao usuário escolher o lugar que cada elemento do programa irá ficar, porém o Unity possui alguns layout pré-configurados, o layout usado na imagem é o padrão, se o seu programa está configurado com um layout diferente você pode mudá-lo na Barra de ferramentas-> Window->Layouts- >Revert Factory Settings. Essa tela é composta dos seguintes elementos: Visão de Projeto Quando você cria um projeto no Unity, ele irá criar uma pasta contendo todas as Assets (scenes, scripts, modelos 3D, texturas, arquivos de áudio, vídeo, imagens, etc) do projeto. Tudo o que tem nessa pasta, é mostrado na visão de projeto. Se você clicar com o botão do direito do mouse em alguma dessas Assets, você poderá escolher a opção Reveal in Explorer, que abrirá a pasta que contém o arquivo. Atenção: não mova os arquivos usando o Explorer do Windows, use o editor do Unity, pois isso pode causar problemas ao projeto. Para adicionar novas Assets ao projeto, você pode arrastar o arquivo do Windows para a visão 18

22 Capítulo 2: Principais conceitos de projeto ou utilizar o comando na barra de ferramentas Assets -> Import New Asset. O arquivo ficará pronto para ser usado no projeto. As cenas do jogo também ficam nessa pasta. Cada cena representa um level do jogo. O Unity carrega por padrão a cena Islands.unity, para criar uma nova aperte ctrl+n ou vá na Barra de Ferramentas->File->New Scene. Para salvar a cena aperte ctrl+s ou vá na Barra de Ferramentas->File->Save Scene. Alguns Assets precisam ser criados diretamente no editor do Unity, para fazer isso, vá na visão do projeto e use o menu Create, ou clique com o botão direito do mouse->create. Mais tarde irei explicar o que é cada tipo de Assets, por hora tente criar uma pasta, para mudar o nome dela, a selecione com um clique e aperte F Hierarquia A visão da hierarquia da cena mostra todos os elementos presentes na cena, cada GameObject. Alguns desses objetos são instância diretas de Assets,m tais como modelos do Blender, outros são Prefabs, ou seja, objetos personalizados, uma mistura de modelos com scripts e outras coisas, que irão compor boa parte dos jogos do Unity. Você pode clicar e arrastar objetos para mudar a hierarquia deles, ou seja, organizálos como se fossem pastas, objetos que estão dentro de outro objetos são filhos deste objeto, o objeto que contém esses filhos é chamado de pai. Um objeto filho herdará o movimento, rotação e escala de seu pai. Essa informação é muito importante, pois você deverá ficar atento a este fato quando começar a programar seu jogo. 19

23 Capítulo 2: Principais conceitos Você pode expandir ou contrair o objeto pai para ver quais são seus filhos sem afetar com isso o jogo. Dois objetos sem pais Um objeto sendo pai de outro Menu de Topo Imagem 8 - Menu de Topo O menu de topo consiste em cinco controles básicos. Cada um relacionado a partes diferente do editor. mostra. Transform Tools ferramenta utilizada na visão da cena. Transform Gizmo Toggles -- afeta o que a visão da cena Play/Pause/Step Buttons -- used with the Game View utilizado para executar/pausar/encerrar o jogo. Layers Drop-down -- View controla quais objetos serão mostrados na cena. Layout Drop-down -- controla a disposição de todas as visões. 20

24 Capítulo 2: Principais conceitos Visão da Cena Imagem 9 - Visão da Cena A visão da cena é o lugar onde você pode organizar a disposição dos objetos na cena do jogo. Você pode selecionar e mudar de posição os jogadores, a câmera, os inimigos e todos os outros GameObjects, além de poder mudar a escala deles, ou seja, o tamanho desses objetos. Esse editor de cena é uma das ferramentas mais importantes do Unity, então você deve aprender a mexer com ele. Para selecionar um objeto basta clicar nele na visão de cena ou na visão de hierarquia, para focar o objeto basta apertar a tecla f na visão de cena Posicionamento de objetos Ao selecionar algum objeto você pode utilizar a Transform Tools,, para mudar sua posição (translate tool), rotação (rotate tool) ou tamanho (scale tool). 21

25 Capítulo 2: Principais conceitos Scene Gizmo No canto superior direito da visão da cena está o Gizmo da cena. Ela mostra a orientação da câmera da cena e possibilita você mudar rapidamente a orientação da mesma, basta clicar em algum de seus vértices ou no centro para habilitar uma visão em perspectiva da cena, se segurar o shift enquanto clica no centro do Gizmo, você habilita a visão isométrica. Visão em perspectiva. Visão isométrica. Os objetos não ficam menores com a distância aqui! 22

26 Capítulo 2: Principais conceitos Barra de controle da cena O primeiro menu drop-down é para escolher o modo de desenho. A mudança no modo de desenho não terá efeitos no jogo quando ele for publicado. Draw Mode drop-down O Segundo é o modo de renderização. Também não terá efeito no jogo após publicado. Render Mode drop-down Os outros dois botões são relacionados à iluminação da cena e o segundo a apresentação de skybox, elementos da GUI e outras coisas na visão da cena Visão de jogo Imagem 10 - Visão de jogo 23

27 Capítulo 2: Principais conceitos A visão de jogo é renderizada através da câmera dentro do jogo. Ela representa como seu jogo ficará quando for publicado Play Mode Use estes botões par controlar a visão de jogo. Aperte o play para iniciar o jogo, se apertar play novamente o jogo é encerrado, para pausar o jogo aperte pause Barra de controle da visão de jogo O primeiro menu drop-down controla a escala, o segundo maximize a tela quando o jogo começar, o terceiro mostra os Gizmos da cena e o quarto as estatísticas do jogo, tais como frame rate e número de polígonos na cena. Imagem 11 - Estatística do jogo 24

28 Capítulo 2: Principais conceitos Inspetor Jogos feitos no Unity são compostos de muitos GameObjects que contém modelos, scripts, som, ou outros elementos gráficos, tais como luz. O inspetor mostra detalhadamente as informações sobre o GameObject selecionado, incluindo todos os componentes pertencentes a este objeto. Nessa visão você pode modificar os valores das propriedades desses componentes que o GameObject possui. Toda propriedade mostrada no inspetor pode ser modificada. Até variáveis de scripts podem ser modificadas sem modificar o script original. Você pode mudar essas propriedades enquanto o jogo está rodando para experimentar e encontrar os valores ideais para essas propriedades para seu jogo. Esta é uma funcionalidade muito importante, pois na maioria dos casos de desenvolvimento de jogo não é possível modificar valores de variáveis enquanto o jogo está em execução. 25

29 Capítulo 2: Principais conceitos Adicionando componentes através do menu de componentes Clicando com o botão direito do mouse no título do componente na visão do inspetor, aparece uma lista de opções onde você pode remover o componente do GameObject. 26

30 Capítulo 2: Principais conceitos Use o menu drop-down de Layer para associar um layer de renderização a seu GameObject. Utiliza o menu drop-down de Tag para associar uma Tag a seu GameObject. Você também pode mudar o nome de seu GameObject através do inspetor Barra de Status A barra de status está no canto inferior da tela e ela mostra erros de compilação e mensagens de debug. Se existe algum problema no seu jogo, ficar de olho nessa barra é o melhor caminho, você pode dar um clique duplo com o mouse para mostrar o console com as mensagens da barra de status Console Se você der um clique duplo na barra de status ou escolhendo Barra de Ferramentas->Window->Console, aparecerá o Console. 27

31 Capítulo 2: Principais conceitos Imagem 12 - Console O Console mostra mensagens de erros, warnings e textos de debug. Você enviar suas próprias mensagens para o console utilizando Debug.Log() ou Debug.Error() em seus código Sistema de coordenadas 3D Nesta seção serão descritos alguns elementos do sistema de coordenadas 3D O plano cartesiano Uma das formas de descrever a posição de um ponto no espaço é representá-lo em um plano cartesiano. Para representar um ponto em duas dimensões, definimos o sistema de coordenadas como sendo composto por dois eixos, x e y, dispostos ortogonalmente, que dividem o plano em quatro quadrantes. O eixo x é denominado o eixo das abscissas e o y o das ordenadas. Esses eixos são divididos em unidades contadas a partir do ponto de origem do plano, o ponto de intersecção entre os dois eixos, que servem para nos dar uma idéia de distância, o que chamamos de coordenadas, assim, um ponto nesse plano é representado por um par de coordenadas, x e y, que representa a distância ao longo de cada eixo a partir do ponto de origem. A figura 1 mostra como representar um ponto P(4,6), em que P significa ponto e (4,6) significa que o ponto está quatro unidades de distância em relação ao ponto de origem do plano ao longo do eixo x, e seis unidades de distância em relação ao ponto de origem do plano ao longo do eixo y. 28

32 Capítulo 2: Principais conceitos O plano cartesiano 2D Para representar o espaço em três dimensões, adicionamos o eixo z ao sistema de coordenadas, esse eixo passa pelo ponto de origem do sistema de coordenadas e representa a profundidade do ponto. A figura 2 mostra como representar o eixo z no plano. O plano cartesiano com os eixos x, y e z Coordenadas locais e globais Como foi visto na seção anterior, a posição de um ponto pode ser representado em termos de três variáveis, x,y e z. Por ponto, podemos entender um objeto no espaço. A posição global de um objeto no espaço é representada em relação à origem do plano. Às vezes é necessário representar a posição de um objeto a outro, assim dizemos que todo objeto tem seu próprio ponto de origem e quando desejamos representar a posição de um objeto em relação a outro, dizemos que estamos utilizando coordenadas locais do objeto de referência. A figura 3 mostra a diferença entre coordenadas locais e globais. 29

33 Capítulo 2: Principais conceitos Coordenadas locais e globais Vetores Vetores são segmentos de reta usados para representar direção (reta suporte do segmento orientado), intensidade (valor numérico) e sentido (orientação do segmento de reta) no plano cartesiano. A figura 4 mostra a diferença entre ponto e vetor. Vetores, assim como pontos, não se limitam as duas dimensões e podem ser representados no espaço 3D. Através do uso de vetores é possível atribuir representar além da posição de um objeto no espaço, a sua direção. 30

34 Capítulo 2: Principais conceitos Diferença entre ponto e vetor Quaterniões e rotações Para realizar a rotação de objetos no espaço tridimensional são utilizados quaterniões. Para representar a direção que um objeto aponta no espaço não basta apenas representar sua posição, é necessário atribuir um ângulo a ela. Em jogos quando um objeto é criado, é definida a sua posição e um ângulo inicial a ele. Quando desejamos fazer alguma rotação nesse objeto, realizamos com base em sua posição e seu ângulo atual, ou seja, em seu quaternião Renderização Renderização é o ato de criar imagens 2D dada uma descrição geométrica de um mundo tridimensional e uma câmera virtual que especifica a perspectiva que o mundo está sendo visto Câmeras Câmeras em jogos servem para representar o comportamento dos olhos em um sistema em três dimensões. Através dela são determinados quais objetos devem aparecer na tela e como eles devem ser mostrados. Elas podem ser posicionadas em qualquer lugar no espaço, possuem uma direção e um campo de visão, ou Field of Vision (FoV). Esse campo de visão pode ser interpretado como uma pirâmide invertida com origem no ponto de origem da câmera e com direção determinada pela direção da câmera, assim, os pontos mostrados na tela são os que estão dentro dessa pirâmide. Quando limitamos a distância do campo de visão, estamos especificando uma distância máxima que um objeto deve estar do ponto de origem da câmera para que ele seja mostrado na tela, desde que ele esteja dentro do campo de visão da câmera. Também é possível especificar uma distância mínima que os objetos deverão estar da câmera para que eles sejam mostrados na tela. As figuras 5 e 6 ilustram o funcionamento de uma câmera, tudo o que está dentro do espaço delimitado pelo near plane e pelo far plane serão renderizados. 31

35 Capítulo 2: Principais conceitos A câmera Os objetos vermelhos não são renderizados Representação de formas Para representar formas em três dimensões são utilizados polígonos, em jogos geralmente são utilizados triângulos, ou faces, que são representados por três pontos interligados por vértices. A combinação de polígonos permite a construção de formas mais complexas, conhecidas como Meshes. É através desses dados que são feitos os cálculos de detecção de colisões entre um objeto e outro no espaço Materiais Materiais servem para definir a aparência de um modelo após renderizados. Materiais são cores ou texturas, que em conjunto com um script de renderização, conhecido como shader, determina a aparência de um objeto quando visualizado na tela Física Nesta seção serão descritos o que são corpos rígidos e detecção de colisão Corpos rígidos Corpos rígidos são objetos que, durante o jogo, são afetados pelas leis da física, ou seja, os motores de física realizam cálculos para tornar o movimento desses objetos realistas. Corpos rígidos podem possuir as seguintes propriedades: Massa; Gravidade; Velocidade; Atrito. 32

36 Capítulo 2: Principais conceitos Detecção de colisão A detecção de colisões entre objetos durante o jogo também é de responsabilidade do motor físico do jogo. Adicionando um elemento ao objeto denominado collider, o objeto passa a se comportar de um modo diferente quando algum objeto colide com ele, respondendo a colisão, normalmente alterando a velocidade e direção de seu movimento. 2.3 Conclusão Com as informações deste capítulo espera-se que o leitor se familiarize com a interface do Unity e com algumas palavras e conceitos envolvendo programação de jogos 3D. Espera-se que o leitor teste o projeto de demonstração do Unity, ou seja, mude a posição dos objetos, rode o jogo, mude as variáveis de alguns GameObjects enquanto o jogo está rodando e perceba os resultados das mudanças, ou seja, fuce bastante mesmo no Unity até se sentir a vontade com a interface. Tenta entender o que cada visão representa e como funciona o mouse naquela visão e o que seus botões fazem. No próximo capítulo farei uma introdução a programação de jogos com o Unity e o leitor criará seu primeiro programa. 33

37 Capítulo 3: Introdução ao Java Script Capítulo 3 3 Introdução ao Java Script O Unity permite aos desenvolvedores escolher entre três tipos de linguagem de programação diferentes: Java Script, C# e Boo. Dentre estas, por ser a mais simples, esta apostila adotou a linguagem Java Script para criar os códigos responsáveis por controlar o funcionamento do jogo. A partir deste ponto, assume-se que o leitor está familiarizado com a interface do Unity. 3.1 Seu primeiro programa Crie um novo projeto, Barra de Ferramentas->File->New Project. Aparecerá uma caixa de dialogo onde você poderá escolher o local onde seu projeto será criado em seu computador e os pacotes contendo um conjunto de Assets a serem importados para o projeto durante a criação do projeto. Cheque a opção Standard Assets.unityPackage, o local do seu projeto e o nome dele e clique no botão Create. Um projeto totalmente novo será criado, esse processo pode demorar um pouco. Você verá uma tela mais ou menos assim: 34

38 Capítulo 3: Introdução ao Java Script Salve a cena, ctrl+s, escolhe um nome para ela, por exemplo, level1. Crie um Cubo, Barra de Ferramentas->GameObject->Create Other- >Cube. Com o Cubo Selecionado aperte f na visão de cena. Selecione a câmera na visão de hierarquia e vá em Barra de Ferramentas->GameObject->Move To View. Você terá uma cena mais ou menos assim: 35

39 Capítulo 3: Introdução ao Java Script Mude a posição da câmera até que ela focalize o cubo, nesse caso clique na translate tool e mude a posição da câmera pelo eixo z, azul, aperte o play para ver como ficaria a cena durante o jogo. Você pode mudar o layout clicando e arrastando a aba Game até a parte inferior da visão de cena, faça isso até que o layout e a posição da câmera o do cubo fique do seguinte modo: Quando você apertar o play não verá apenas uma tela azul, verá um quadrado preto no centro da tela. Isso significa que você já aprendeu o básico da interface do Unity, agora estamos pronto para começar a aprender um pouco de Java Script. Na visão de projeto clique em Create->Java Script. Mude o nome do script, selecionando-o e apertando F2, para Ola. Dê um duplo clique no script na visão de projetos. Um editor de script será aberto e terá o seguinte conteúdo: 36

40 Capítulo 3: Introdução ao Java Script function Update () { } Código 1 - Script inicial Mude o script e escreva o seguinte código: function Update () { } print("ola"); Código 2 Exemplo Ola Clique e arraste o script da visão de projeto para a visão de hierarquia no objeto Cubo. Aperte o play. Você verá na barra de status, na parte inferior, a seguinte mensagem: Ola 37

41 Capítulo 3: Introdução ao Java Script Aperte o play novamente para encerrar o jogo. Dê um duplo clique na barra de status para abrir o console e confira que a mensagem foi exibida no console. Isso significa que tudo funcionou, mas agora você deve estar se perguntando, Ok, mas o que aconteceu?. A primeira parte que consiste em posicionar a câmera para que ela focalize o Cubo é intuitiva, funciona como na vida real, onde quando se deseja tirar uma foto, é necessário posicionar a câmera em um determinado local e mirar ela em um objeto para que este objeto apareça na foto. Foi o que fizemos. Você poderia utilizar as outras ferramentas de posicionamento, tais como a rotate tool para rotacionar a câmera em conjunto com a translate tool para que o objeto fosse visto de um outro ângulo. É necessário prestar atenção no campo de visão da câmera que é representado na visão de cena como um campo com arestas brancas. Tudo o que está dentro deste campo será renderizado na cena. Na segunda parte criamos um Java Script e adicionamos a ele a um objeto, assim o objeto passou a ter esse script como um de seus componentes. Esse script tem uma função chamada Update() que é executada repetidamente e automaticamente pelo Unity em intervalos curtos de tempo, várias vezes por segundo, depende da quantidade frames por segundo do jogo, ela é executada uma vez a cada frame. 38

42 Capítulo 3: Introdução ao Java Script Quando um script com essa função é colocado em um GameObject. Se você colocar esse script em mais de um GameObject, cada GameObject executará seu próprio script, executando a função Update() desse script. Não são todas as funções que são executadas automaticamente, porém se você colocar uma função em um script com o nome de Update(), essa função será executada automaticamente pelo Unity. O comando print exibe um texto no Console e na barra de status. Antes de explicar detalhadamente como o Java Script funciona, vamos a mais um teste, mude o código do script Ola para: function Update () { } transform.rotate(0, 5*Time.deltaTime, 0); Código 3 Exemplo gira cubo Aperte play e perceba que o cubo começa a girar ao redor do eixo y! Ou seja, a função transform.rotate(0, 5*Time.deltaTime, 0) fez com que ao invés do programa mostrar um texto na barra de status, faz o cubo girar. Agora é hora de entender como funciona a linguagem de programação Java Script, que será responsável por controlar todos os elementos dos jogos feitos com o Unity. 3.2 Variáveis e tipos de dados Na escola aprendemos a representar valores através de variáveis, principalmente nas aulas de matemática. Por exemplo, quando eu digo que um número x vale 5 e digo que um número y é igual a x+1, sabemos que o se substituirmos o x do x+1 por 5, que é o valor de x concluímos que y é igual a 5+1, ou seja, 6. Assim: x=5; y = x + 1 => y = => y = 6; Para declarar variáveis em Java Script, fazemos assim: var x = 5; var y = x+1; Vá no script Ola e mude-o para: 39

43 Capítulo 3: Introdução ao Java Script var x = 5; function Update () { var y = x+1; print(y); } Código 4 Exemplo declaração de variável Aperte o play e perceba que a barra de status mostra o valor 6. Nesse caso, x e y são variáveis, ou seja, valores que podem sofrem alteração. Se mudarmos o valor de x para 20 e se y é igual a x+1, então y passará a ser 21. Pois y é representado em função de x. Esse é um dos conceitos fundamentais que você deve entender para começar a programar Java Script, representar valores em forma de variáveis. Agora selecione o Cubo na visão de hierarquia e veja que a visão do inspetor está diferente na parte que mostra o script Ola. Mude o valor de x no inspetor para 20 e aperte play. Perceba que a barra de status agora mostra o valor 21. Se você abrir o script Ola verá que ele está inalterado, x ainda está com o valor 5, isso é por que o inspetor permite você alterar valores de variáveis de um script sem alterar o script em si. Isso evita que você tenha que reescrever o script toda vez que você tiver que adicionar ele a um novo GameObject e ter que mudar alguns valores desse script. Você pode alterar o valor de x enquanto o jogo está rodando e ver o resultado, isso permite você achar um bom valor para a variável, porém valores alterados durante a execução do jogo serão revertidos para o valor que estava antes da execução. 40

PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I

PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I Aula 1 Programa da Aula Apresentação Professor Disciplina Projeto Engine Apresentação Introdução ao Unity Aprendendo a Interface Fluxo de trabalho dos Assets Apresentação

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Desenvolvimento de jogos com Unity

Desenvolvimento de jogos com Unity Desenvolvimento de jogos com Unity 1. Conhecendo a interface do Unity A interface do Unity é composta pela cena, assets do projeto, hierarquia dos objetos e o inspetor. Nas ferramentas da parte de cena

Leia mais

Criando um Jogo de Ping Pong no Unity tipo 2D

Criando um Jogo de Ping Pong no Unity tipo 2D Criando um Jogo de Ping Pong no Unity tipo 2D Criação do Jogo Crie um novo projeto do tipo 2D com nome PingPong2D. File New Project. Escolha o diretório e nome para salvar e como do tipo 2D. Veja abaixo:

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Criação de um Jogo Simples de Asteroides 2D no Unity

Criação de um Jogo Simples de Asteroides 2D no Unity Criação de um Jogo Simples de Asteroides 2D no Unity Este tutorial terá como base o tutorial http://blog.lessmilk.com/unity-spaceshooter-1/ E usará suas imagens. Baixe daqui: www.lessmilk.com/unity/assets.zip

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

Dominando Action Script 3

Dominando Action Script 3 Dominando Action Script 3 Segunda Edição (2014) Daniel Schmitz Esse livro está à venda em http://leanpub.com/dominandoactionscript3 Essa versão foi publicada em 2014-05-02 This is a Leanpub book. Leanpub

Leia mais

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação Lógica de Programação 3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Caro Aluno Vamos iniciar o terceiro capítulo da nossa disciplina. Agora vamos começar a aplicar os conceitos vistos nos capítulos anteriores em uma linguagem

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4 Sumário Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5.988 de 14/12/73. Nenhuma parte deste livro, sem prévia autorização por escrito de Celta Informática, poderá ser reproduzida total ou parcialmente,

Leia mais

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos.

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Fórmulas e Funções Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Operadores matemáticos O Excel usa algumas convenções

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

MANUAL DO BLOG. Blog IBS

MANUAL DO BLOG. Blog IBS MANUAL DO BLOG Blog IBS Seja bem vindo! O Blog é um website dinâmico, um espaço virtual que usa a internet para compartilhar informações. Por meio do blog você pode publicar textos, opiniões, notícias,

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática Folha 1-1 Introdução à Linguagem de Programação JAVA 1 Usando o editor do ambiente de desenvolvimento JBUILDER pretende-se construir e executar o programa abaixo. class Primeiro { public static void main(string[]

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice Índice Apresentação...2 Barra de Título...2 Barra de Menus...2 Barra de Ferramentas Padrão...2 Barra de Ferramentas de Formatação...3 Barra de Fórmulas e Caixa de Nomes...3 Criando um atalho de teclado

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados.

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados. Bem Vindo GDS TOUCH Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touchscreen de controle residencial, com design totalmente 3D, interativo

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks Code::Blocks Conhecendo a IDE Programação de Computadores I Professor: Edwar Saliba Júnior Conhecendo a IDE Code::Blocks Apresentação: 1) Abra a IDE (Integrated Development Environment), ou seja, o Ambiente

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Curso de Linguagem C

Curso de Linguagem C Curso de Linguagem C 1 Aula 1 - INTRODUÇÃO...4 AULA 2 - Primeiros Passos...5 O C é "Case Sensitive"...5 Dois Primeiros Programas...6 Introdução às Funções...7 Introdução Básica às Entradas e Saídas...

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8 NAPNE / RENAPI Google SketchUp 8 Agosto de 2011 Sumário 1 Introdução... 4 2 Requisitos básicos... 4 3 Itens... 4 3.1 Assista os tutoriais em vídeo... 5 3.2 Leia dicas e truques... 6 3.3 Visite a Central

Leia mais

Fundamentos de Programação II. Introdução à linguagem de programação C++

Fundamentos de Programação II. Introdução à linguagem de programação C++ Fundamentos de Programação II Introdução à linguagem de programação C++ Prof. Rafael Henrique D. Zottesso Material cedido por Prof. Msc. Everton Fernando Baro Agenda IDE HelloWorld Variáveis Operadores

Leia mais

2 Orientação a objetos na prática

2 Orientação a objetos na prática 2 Orientação a objetos na prática Aula 04 Sumário Capítulo 1 Introdução e conceitos básicos 1.4 Orientação a Objetos 1.4.1 Classe 1.4.2 Objetos 1.4.3 Métodos e atributos 1.4.4 Encapsulamento 1.4.5 Métodos

Leia mais

Microsoft Excel 2010

Microsoft Excel 2010 Microsoft Excel 2010 Feito por Gustavo Stor com base na apostila desenvolvida por Marcos Paulo Furlan para o capacitação promovido pelo PET. 1 2 O Excel é uma das melhores planilhas existentes no mercado.

Leia mais

A Linguagem Java. Alberto Costa Neto DComp - UFS

A Linguagem Java. Alberto Costa Neto DComp - UFS A Linguagem Java Alberto Costa Neto DComp - UFS 1 Roteiro Comentários Variáveis Tipos Primitivos de Dados Casting Comandos de Entrada e Saída Operadores Constantes 2 Comentários /** Classe para impressão

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

OPCEM 1.0. Versão 1.0 Copyright 2013 OpServices 1

OPCEM 1.0. Versão 1.0 Copyright 2013 OpServices 1 OPCEM 1.0 Versão 1.0 Copyright 2013 OpServices 1 OpCEM CONCEITO... 4 REQUISITOS MÍNIMOS... 4 INSTALANDO... 4 CONHECENDO A INTERFACE DO OPCEM... 7 CONFIGURAÇÃO DO GERENCIADOR... 7 ADICIONAR NOVO ROBÔ...

Leia mais

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso Manual de Apoio ao Treinamento Expresso 1 EXPRESSO MAIL É dividido em algumas partes principais como: Caixa de Entrada: local onde ficam as mensagens recebidas. O número em vermelho entre parênteses refere-se

Leia mais

Sobre a Segunda Parte: Sobre a Primeira Parte:

Sobre a Segunda Parte: Sobre a Primeira Parte: Tutorial Sobre Como Criar Sprites 3D Utilizando o Editor Gráfico do Word e Sobre Como Manipular Sprites Criados no Word Utilizando o Programa de Criação de Jogos Game Maker Sobre a Primeira Parte: Esta

Leia mais

Início Rápido Web. 2015 Release 1 Xojo, Inc.

Início Rápido Web. 2015 Release 1 Xojo, Inc. Início Rápido Web 2015 Release 1 Xojo, Inc. Capítulo 1 Introdução Bem-vindo ao Xojo, O jeito mais fácil de criar aplicativos multi-plataforma para Desktop e Web. Seção 1 Sobre o Início Rápido Web INICIANDO

Leia mais

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados

Construtor Iron Web. Manual do Usuário. Iron Web Todos os direitos reservados Construtor Iron Web Manual do Usuário Iron Web Todos os direitos reservados A distribuição ou cópia deste documento, ou trabalho derivado deste é proibida, requerendo, para isso, autorização por escrito

Leia mais

Dando um passeio no ASP.NET

Dando um passeio no ASP.NET Dando um passeio no ASP.NET Por Mauro Sant Anna (mas_mauro@hotmail.com). Mauro é um MSDN Regional Director, consultor e instrutor. O principal objetivo da arquitetura.net é permitir ao usuário o fácil

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Unidade 4 Ambiente de desenvolvimento Java QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática SUMÁRIO A LINGUAGEM JAVA... 3 JVM, JRE, JDK... 3 BYTECODE... 3 PREPARANDO O AMBIENTE

Leia mais

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Processamento da Informação. Equivalência Portugol Java. Linguagem Java

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Processamento da Informação. Equivalência Portugol Java. Linguagem Java Linguagem Java Objetivos Compreender como desenvolver algoritmos básicos em JAVA Aprender como escrever programas na Linguagem JAVA baseando-se na Linguagem Portugol aprender as sintaxes equivalentes entre

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java)

Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java) Universidade Federal do ABC (UFABC) Disciplina: Processamento da Informação (BC-0505) Assunto: Java e Netbeans Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java) Conteúdo 1. Introdução... 1 1.1. Programas necessários...

Leia mais

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT

ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT ALBUM DE FOTOGRAFIAS NO POWER POINT O PowerPoint é uma poderosa ferramenta que faz parte do pacote Office da Microsoft. O principal uso desse programa é a criação de apresentação de slides, para mostrar

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre 17:47:08 Introdução à Informática com Software Livre 1 17:47:09 Audacity 2 Audacity 17:47:09 Audacity é um Software Livre de edição digital de áudio, disponível principalmente nas plataformas: Windows,

Leia mais

Prática 3 Princípios da Animação

Prática 3 Princípios da Animação Prática 3 Princípios da Animação As animações em um site são bem discutidas quanto ao seu uso, pois, qualquer coisa que se movimenta na visão periférica ocupa lugar na consciência. Isso faz com que o usuário

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

GraphicsLib Biblioteca Gráfica 2D. Documentação

GraphicsLib Biblioteca Gráfica 2D. Documentação GraphicsLib Biblioteca Gráfica 2D Documentação Edirlei Soares de Lima elima@inf.puc-rio.br Sumário 1 Instalação e Configuração... 4 2 Manual de Utilização... 10 2.1 Estrutura de um Programa... 10 2.2 Loop

Leia mais

Curso de Navegadores e Internet

Curso de Navegadores e Internet Universidade Estadual do Oeste do Paraná Pró Reitoria de Extensão Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Licenciatura em Matemática Colegiado da Ciência da Computação Projeto de Extensão:

Leia mais

Manual Simulador de Loja

Manual Simulador de Loja Manual Simulador de Loja Índice Início Menu Loja Modelo Loja Modelo Menu Criar Minha Loja Criar Minha Loja Abrir Projeto Salvo Teste Seu Conhecimento 0 04 05 08 09 8 9 0 Início 5 4 Figura 00. Tela inicial.

Leia mais

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes ALUNES MANUAL DO USUÁRIO Guia rápido Alunes 1 Manual de Instruções Versão 2.0 Alunes Informática 2 Sumário Introdução... 5 Pré-requisitos... 5 Principal/Home... 6 Como editar texto do home... 7 Desvendando

Leia mais

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER*

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* * Microsoft Windows MovieMakeré um programa da Microsoft Corporation. A versão utilizada é a 5.1 que já vem instalada no Microsoft Windows

Leia mais

XXIV SEMANA MATEMÁTICA

XXIV SEMANA MATEMÁTICA XXIV SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA Minicurso: Produção de Páginas Web para Professores de Matemática Projeto de Extensão: Uma Articulação entre a Matemática e a Informática como Instrumento para a Cidadania

Leia mais

Início Rápido Desktop. 2015 Release 1 Xojo, Inc.

Início Rápido Desktop. 2015 Release 1 Xojo, Inc. Início Rápido Desktop 2015 Release 1 Xojo, Inc. Capítulo 1 Introdução Bem-vindo ao Xojo, O jeito mais fácil de criar aplicativos multi-plataforma para Desktop e Web. Seção 1 Sobre o Início Rápido para

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1 EXCEL 2007 O Excel 2007 faz parte do pacote de produtividade Microsoft Office System de 2007, que sucede ao Office 2003. Relativamente à versão anterior (Excel 2003), o novo programa introduz inúmeras

Leia mais

APOSTILA PHP PARTE 1

APOSTILA PHP PARTE 1 APOSTILA PHP PARTE 1 1. Introdução O que é PHP? PHP significa: PHP Hypertext Preprocessor. Realmente, o produto foi originalmente chamado de Personal Home Page Tools ; mas como se expandiu em escopo, um

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

O Programa. Construir o ambiente. Acesso ao programa

O Programa. Construir o ambiente. Acesso ao programa Manual de Uso 1 O Programa O Tok3D é uma ferramenta para realização de projetos de decoração empregando recursos avançados de modelagem 3D. Desenvolvido na plataforma gráfica Unity um aplicativo baixado

Leia mais

A Estação da Evolução

A Estação da Evolução Microsoft Excel 2010, o que é isto? Micorsoft Excel é um programa do tipo planilha eletrônica. As planilhas eletrônicas são utilizadas pelas empresas pra a construção e controle onde a função principal

Leia mais

XXIV SEMANA MATEMÁTICA

XXIV SEMANA MATEMÁTICA XXIV SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA Minicurso: Criação e Desenvolvimento de Cursos Online via Moodle Projeto de Extensão: Uma Articulação entre a Matemática e a Informática como Instrumento para a Cidadania

Leia mais

Manual do Cantor. Alexander Rieder Tradução: Marcus Gama

Manual do Cantor. Alexander Rieder Tradução: Marcus Gama Alexander Rieder Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Usando o Cantor 6 2.1 Recursos do Cantor..................................... 6 2.2 As infraestruturas do Cantor...............................

Leia mais

Apostila Básica de Lógica e Programação para Game Maker por Giosepe Luiz 1

Apostila Básica de Lógica e Programação para Game Maker por Giosepe Luiz 1 Apostila Básica de Lógica e Programação para Game Maker por Giosepe Luiz 1 Sumário 1. Introdução a Lógica... 03 2. Verdadeiro e Falso... 03 3. Conectivo E e OU... 03 4. Negação... 04 5. Introdução a Programação...

Leia mais

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova.

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova. 3.5 Páginas: Ao clicar em Páginas, são exibidas todas as páginas criadas para o Blog. No nosso exemplo já existirá uma página com o Título Página de Exemplo, criada quando o WorPress foi instalado. Ao

Leia mais

Manual de Instalação e Utilização

Manual de Instalação e Utilização Manual de Instalação e Utilização http://www.pdfsam.org Sumário Apresentação... 3 Ferramenta... 3 Finalidade... 3 Instalação... 4 Utilizando o PDFsam... 8 Dividir... 9 Mesclar/Extrair... 11 Rotacionar...

Leia mais

Introdução ao GeoGebra

Introdução ao GeoGebra Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Introdução ao GeoGebra Prof. Dr. José Carlos de Souza Junior AGOSTO 2010 Sumário 1 Primeiros Passos com o GeoGebra 4 1.1 Conhecendo o Programa............................

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 Continuando nossa saga pelas ferramentas do Visual FoxPro 8.0, hoje vamos conhecer mais algumas. A Ferramenta Class Designer A Class Designer é a ferramenta

Leia mais

( TIAGO DOS SANTOS MENDES ) PROGRAMAÇÃO DISPOSITIVOS MOVEIS ANDROID STUDIO

( TIAGO DOS SANTOS MENDES ) PROGRAMAÇÃO DISPOSITIVOS MOVEIS ANDROID STUDIO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática ( TIAGO DOS SANTOS MENDES ) PROGRAMAÇÃO

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

Java - Introdução. Professor: Vilson Heck Junior. vilson.junior@ifsc.edu.br

Java - Introdução. Professor: Vilson Heck Junior. vilson.junior@ifsc.edu.br Java - Introdução Professor: Vilson Heck Junior vilson.junior@ifsc.edu.br Agenda O que é Java? Sun / Oracle. IDE - NetBeans. Linguagem Java; Maquina Virtual; Atividade Prática. Identificando Elementos

Leia mais

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS 2. ENTRADA DE DADOS Os dados digitados em uma célula são divididos em duas categorias principais: constantes ou fórmulas. Um valor constante é um dado digitado diretamente na célula e que não é alterado.

Leia mais

Explorando a Interface Flash

Explorando a Interface Flash CAPÍTULO UM Explorando a Interface Flash Se essa é sua primeira vez utilizando o Flash, pode levar algum tempo até que você se acostume com a abordagem idiossincrática do programa em relação aos desenhos

Leia mais

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Página 1 Índice Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 1 O que é o EasyReader? 4 Abrir um livro 5 Abrir um novo livro de um CD/DVD 5 Abrir um novo livro

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Técnico em Informática Professora Michelle Nery

Linguagem de Programação JAVA. Técnico em Informática Professora Michelle Nery Linguagem de Programação JAVA Técnico em Informática Professora Michelle Nery Agenda Regras paravariáveis Identificadores Válidos Convenção de Nomenclatura Palavras-chaves em Java Tipos de Variáveis em

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Depurando aplicações Professor: Danilo Giacobo OBJETIVOS DA AULA Aprender dicas e técnicas para encontrar erros em aplicações Android. Conhecer os recursos que auxiliam

Leia mais

SIMÃO PEDRO PINTO MARINHO MANUAL DO PARTE 1 - USO RÁPIDO

SIMÃO PEDRO PINTO MARINHO MANUAL DO PARTE 1 - USO RÁPIDO SIMÃO PEDRO PINTO MARINHO MANUAL MANUAL DO IHMCCmapTools PARTE 1 - USO RÁPIDO Simão Pedro P. Marinho IHCM CMAP TOOLS MANUAL DE USO RÁPIDO Manual criado para uso dos alunos das disciplinas Informática no

Leia mais

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR Novell Teaming - Guia de início rápido Novell Teaming 1.0 Julho de 2007 INTRODUÇÃO RÁPIDA www.novell.com Novell Teaming O termo Novell Teaming neste documento se aplica a todas as versões do Novell Teaming,

Leia mais

Prática 6 ActionScript

Prática 6 ActionScript Prática 6 ActionScript 1. Objetivos Se familiarizar com o ActionScript. Usar comandos e funções básicas. 2. Recursos Necessários Computador com o programa Macromedia Flash MX ou superior. 3. Conceitos

Leia mais

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

BrOffice Módulo 01 ÍNDICE

BrOffice Módulo 01 ÍNDICE ÍNDICE Vídeo 01: Introdução ao BrOffice Vídeo 02: Componentes Vídeo 03: Outras funções Vídeo 04: Formato de arquivo Vídeo 05: Uso Vídeo 06: Multiplataforma Vídeo 07: Conhecendo a interface Vídeo 08: Experimentando

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral MICROSOFT WORD 2007 George Gomes Cabral AMBIENTE DE TRABALHO 1. Barra de título 2. Aba (agrupa as antigas barras de menus e barra de ferramentas) 3. Botão do Office 4. Botão salvar 5. Botão de acesso à

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

JavaScript. JavaScript é uma linguagem de script usada em navegadores web. É uma linguagem dinâmica, estruturada e orientada em objetos.

JavaScript. JavaScript é uma linguagem de script usada em navegadores web. É uma linguagem dinâmica, estruturada e orientada em objetos. JavaScript JavaScript é uma linguagem de script usada em navegadores web. É uma linguagem dinâmica, estruturada e orientada em objetos. Pode ser usada dentro do próprio arquivo HTML ou estruturada em um

Leia mais

Capítulo 12 Criando Páginas Web

Capítulo 12 Criando Páginas Web Guia do Iniciante Capítulo 12 Criando Páginas Web Salvando documentos como arquivos HTML Direitos Autorais Este documento é protegido por Copyright 2010 por seus contribuidores listados abaixo. Você pode

Leia mais

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação: Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Programação Android na IDE Eclipse PROGRAMANDO ANDROID

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

http://www.blender.org/ Curso de extensão em Blender Prof. Luiz Gonzaga Damasceno

http://www.blender.org/ Curso de extensão em Blender Prof. Luiz Gonzaga Damasceno 1. Introdução http://www.blender.org/ Curso de extensão em Blender Prof. Luiz Gonzaga Damasceno Damasceno www.damasceno.info - damasceno12@hotmail.com Google: Blender 3D: Guia de sobrevivência 1. Introdução

Leia mais

Aula Dirigida de Introdução ao Dev-C++

Aula Dirigida de Introdução ao Dev-C++ Aula Dirigida de Introdução ao Dev-C++ 1 Introdução Departamento de Ciência da Computação IME/USP J.C. de Pina, J. Soares e C.H. Morimoto O que vem a ser um programa em C? Você talvez já tenha ouvido falar

Leia mais

Publicação de uma pesquisa na web

Publicação de uma pesquisa na web Publicação de uma pesquisa na web Pré-requisitos: Lista das questões Formulário multimídia A publicação de pesquisas na web possibilita que pesquisas sejam respondidas de qualquer computador com acesso

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Manual do usuário Desenvolvendo páginas em Drupal Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Conteúdo Primeiro Passo... 3 1.1 Login... 3 1.2 Recuperando a Senha...

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

INTRODUÇÃO AO JAVA PARA PROGRAMADORES C

INTRODUÇÃO AO JAVA PARA PROGRAMADORES C PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB INTRODUÇÃO AO JAVA PARA PROGRAMADORES C Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar a grande semelhança entre Java e C Apresentar a organização diferenciada

Leia mais

Manual do Editor de Menus do KDE. Milos Prudek Anne-Marie Mahfouf Lauri Watts Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do Editor de Menus do KDE. Milos Prudek Anne-Marie Mahfouf Lauri Watts Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga Milos Prudek Anne-Marie Mahfouf Lauri Watts Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Casos de uso......................................... 6 1.1.1 Adaptar o

Leia mais