INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DA ESTACA NO RAMO E DO TIPO DE SUBSTRATO SOBRE O ENRAIZAMENTO DE Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DA ESTACA NO RAMO E DO TIPO DE SUBSTRATO SOBRE O ENRAIZAMENTO DE Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) 1"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DA ESTACA NO RAMO E DO TIPO DE SUBSTRATO SOBRE O ENRAIZAMENTO DE Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) 1 ROCHA, Bruna N. 3 ; ZULIANI, Alberi J. B. 2 ; LÖBLER, Lisiane 3 ; BERTÊ, Rosiana 3 ; LUCHO, Simone R. 3 ; PARANHOS, Juçara T Trabalho de Pesquisa PPG Agrobiologia _UFSM 2 Curso de Agronômia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 3 Curso de Pós Graduação em Agrobiologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 4 Professora do PPG em Agrobiologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil RESUMO A Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) é conhecida popularmente como penicilina, sendo considerada uma espécie medicinal. O trabalho objetivou estudar a influência da posição da estaca no ramo e do tipo de substrato sobre o enraizamento de A. brasiliana. Os tratamentos foram constituídos por um trifatorial (3 x 2 x 2) três tipos de estacas: apicais; medianas e basais; duas concentrações de meio MS (0 e 20%) e duas concentrações de ácido indol butírico (AIB) no substrato (0,0 e 2,5 mg. L -1 ), fluxo de 15 dias. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com três repetições e oito estacas por repetição. As estacas foram mantidas em sala de crescimento com temperatura de 25 C ± 2 C. Estacas medianas e basais são mais adequadas para a propagação de A. brasiliana, não necessitando do meio nutritivo e do fitorregulador AIB para a indução do enraizamento, tornando-se um método de baixo custo para obtenção de mudas. Palavras-chave: Penicilina; Propagação vegetativa; Estacas de ramos. 1. INTRODUÇÃO A Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) conhecida popularmente como peniciliana ou terramicina pertence à família Amaranthaceae, sendo considerada uma espécie medicinal utilizada popularmente como digestiva, depurativa e diurética além de possuir comprovadamente atividade analgésica e antiproliferativa de linfócitos (MACEDO et al., 1999; MORS et al., 2000; BROCHADO et al., 2003; LORENZI & MATOS, 2008). Pesquisas envolvendo sua análise fitoquímica revelaram a presença de seis flavonoides 0-glicosilados, dentre estes metabólitos inéditos no gênero Alternanthera destacando-se Kaempferol 3-0-robinobioside e Kaempferol 3-0-rutinoside (BROCHADO et al., 2003). 1

2 Com base no extrativismo das plantas medicinais, é necessário buscar alternativas para a produção de mudas, contribuindo para a conservação e proporcionando informações para futuros estudos. A queda das sementes após o amadurecimento dos frutos de A. brasiliana dificulta a coleta e obtenção das mesmas para testes de germinação e consequentemente a produção de mudas através da germinação de sementes. Assim a estaquia é uma opção entre os métodos de propagação vegetativa, tornando-se viável se a espécie apresentar capacidade de formar raízes mantendo a qualidade do seu sistema radicular e desenvolvendo mudas saudáveis após o enraizamento. Alguns fatores podem interferir na propagação por estaquia, como a condição fisiológica do tecido, ao longo do ramo o conteúdo de carboidratos e substâncias que promovem e inibem o crescimento apresentam variação, principalmente quando as estacas são provenientes de diferentes porções do ramo, diferindo quanto ao potencial de enraizamento. Assim é necessário um balanço hormonal entre promotores e inibidores do processo de iniciação radicular, uma forma de promover o equilíbrio é pela aplicação exógena de reguladores de crescimento, como o ácido indolbutírico (AIB), que podem elevar o teor de auxina no tecido (FACHINELLO et al., 1994; PASQUAL et al., 2001). Considerando a importância e a inexistência de estudos abordando a propagação vegetativa por estaquia de A. brasiliana o presente trabalho objetivou observar a influência da posição da estaca no ramo e do tipo de substrato sobre o enraizamento de Alternanthera brasiliana. 2. METODOLOGIA O experimento foi conduzido no Laboratório de Cultura de Tecidos pertencente ao Departamento de Biologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). As estacas foram coletadas de ramos com 70 a 120 cm de comprimento em plantas existentes no Campus da UFSM. Os cortes foram feitos do ápice para a base utilizando-se estacas apicais; medianas e basais de 12 a 15 cm de comprimento. Foi retirado o excesso de folhas presentes nos ramos, permanecendo apenas duas folhas nas apicais e duas cortadas ao meio nas medianas e basais para haver semelhança quanto à área foliar existente. As estacas passaram por lavagem em água corrente e os cortes foram feitos com imersão em água destilada para evitar a cavitação do tecido, para desinfestação as estacas foram imersas em recipiente com solução de água destilada acrescida de 10 gotas de hipoclorito de sódio 11% por litro de água destilada. Os tratamentos foram constituídos por um trifatorial (3 x 2 x 2) três tipos de estacas: apicais; medianas e basais; duas concentrações de meio MS como substrato (Murashige e 2

3 Skoog, 1962) (0 e 20%) e duas concentrações de AIB (0,0 e 2,5 mg. L -1 ) no substrato em fluxo de 15 dias. Em todas as soluções foi utilizado 2 ml. L -1 de fungicida Bendazol e o ph foi regulado a ± 5,8 utilizando HCl ou NaOH. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com três repetições e oito estacas por repetição. As estacas foram mantidas em sala de crescimento com temperatura de 25 C ± 2 C, fotoperíodo de 16 horas e intensidade luminosa de 35 µmol m -2 s -1 fornecida por lâmpadas fluorescentes brancas-frias, em recipientes de vidro com 200 ml de substrato e fixadas com papel alumínio ao topo do recipiente (Figura 1). Para cada tratamento foram avaliados aos 21 dias o número de raízes, número de folhas e comprimento da maior raiz por estaca. A análise estatística foi realizada utilizando o software SOC (EMBRAPA, 1997). Os dados foram submetidos à análise de variância (ANOVA), e a análise complementar foi através do teste de Tukey à 5% de probabilidade de erro. Figura 1: Estacas de Alternanthera brasiliana mantidas em sala de crescimento. 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES Verificou-se através do resumo da análise de variância (Tabela 1) a interação tripla entre as variáveis, número de raízes, número de folhas e comprimento da maior raiz. Assim, para estas três variáveis foram realizados os desdobramentos que comparam os tipos de estaca em cada um dos substratos e a dose de fitorregulador utilizados. Tabela 1: Resumo da análise de variância das variáveis: Comprimento total do sistema radicular (CTSR), Número de Raízes (NR) e Número de Folhas (NF) de três tipos de estacas (TE) com dois 3

4 substratos (S) e duas concentrações de fitorregulador (F) em estacas de Alternanthera brasiliana. Santa Maria, RS, Quadrado Médio Fonte de Variação CTSR NR NF Tipo de Estaca 31.13* * * Substrato * Fitorregulador 57.28* * 0.07 TE x S TE x F S x F 24.44* * 39.32* TE x S x F 11.95* * 13.41* Resíduo CV *- F Significativo a 5% de probabilidade A suplementação do substrato com MS 20% e AIB 2,5 mg.l -1 em estacas apicais proporcionou o maior número de raízes entre as estacas com média de 44,45 raízes, diferindo significativamente apenas dos tratamentos com estacas apicais sem a adição de AIB e sem o MS 20%, com médias de 7,29 e 14,24 raízes respectivamente (Tabela 2). Tabela 2: Efeito dos três tipos de estacas Apical (1), Mediana (2) e Basal (3), e do substrato MS (Murashige e Skoog, 1962), (0 e 20%) com a aplicação de AIB (0,0 e 2,5 mg.l -1 ) no comprimento total do sistema radicular (CTSR), número de raízes (NR) e número de folhas (NF) de A. brasiliana. Santa Maria, RS, CTSR (cm) NR NF AIB (mg.l-1) Tipo de estaca + Substrato 0,0 2,5 0,0 2,5 0,0 2,5 Estaca 1 + MS 0% 7.04 a A 1.52 b A a A a B 5.16 a A 4.62 a B Estaca 1 + MS 20% 2.52 a B 3.64 a A 7.29 b A a A 4.87 a B 4.00 a B Estaca 2 + MS 0% 7.66 a A 4.89 a A a A a AB 9.75 a A a A Estaca 2 + MS 20% 8.31 a A 4.41 b A a A a A a A 7.25 b AB Estaca 3 + MS 0% 8.47 a A 4.25 b A a A a A 9.95 a A a A Estaca 3 + MS 20% 6.77 a A 6.91 a A a A a A 9.12 a AB 9.33 a A Médias seguidas pela mesma letra minúscula na linha e maiúscula na coluna não diferem entre si pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Este resultado sugere que estacas apicais necessitam de suplementação não apenas de nutrientes ao substrato, mas também da presença de AIB para induzir maior número de raízes em estacas apicais de A. brasiliana, no caso das basais a adição de meio nutritivo e do fitorregulador AIB no substrato não são necessários para um acréscimo no número de raízes, visto que não há diferença entre os tratamentos. 4

5 Blazich (1988) cita que os nutrientes presentes no meio (substrato) como nitrogênio, fósforo, zinco, potássio, cálcio e boro influenciam a resposta ao enraizamento, estando estes envolvidos nos processos metabólicos, proporcionando a desdiferenciação e formação de meristemas radiculares. No entanto a facilidade de enraizamento das estacas medianas e basais de A. brasiliana pode estar associada à maior concentração de carboidratos presentes nessa porção, não necessitando, portanto, de indução externa (NICOLOSO et al., 1999). A ocorrência de resultados superiores quanto ao número de raízes em estacas apicais também pode ser constatado por Salomão et al. (2002) em estacas de Passiflora alata (Dryand.), onde as da posição apical apresentaram resultados significativamente superiores às estacas medianas e basais. O mesmo pode ser observado para estacas apicais de Lippia sidoides Cham., sendo estas consideradas mais apropriadas para a estaquia da espécie, apresentando maior número de raízes que as estacas da porção mediana do ramo (OLIVEIRA et al. 2008). Em Pfaffia glomerata (Spreng.) a resposta das estacas medianas e basais quanto ao número de raízes e de folhas foi superior às estacas da porção apical (NICOLOSO et al., 1999). Este resultado corrobora com o obtido por estacas medianas e basais de A. brasiliana, onde ambas com o acréscimo de AIB e MS 0% formaram as maiores médias de número de folhas com 13,12 e 13,66 folhas respectivamente, sendo que a mediana com MS 0% diferiu significativamente da mediana com MS 20% (Tabela 3). Tabela 3: Efeito do tipo de estaca Apical (1), Mediana (2) e Basal (3) e concentração de AIB (0,0 e 2,5 mg.l -1 ) em substrato MS (Murashige e Skoog, 1962), (0 e 20%), no comprimento total do sistema radicular (CTSR), número de raízes (NR) e número de folhas (NF) de A. brasiliana. Santa Maria, RS, CTSR NR NF Substrato MS (%) Tipo de estaca + AIB (mg.l -1 ) Estaca 1 + AIB 0, a 2.52 b a 7.29 a 5.16 a 4.87 a Estaca 1 + AIB 2, a 3.64 a b a 4.62 a 4.00 a Estaca 2 + AIB 0, a 8.31 a a a 9.75 a a Estaca 2 + AIB 2, a 4.41 a a a a 7.25 b Estaca 3 + AIB 0, a 6.77 a a a 9.95 a 9.12 a Estaca 3 + AIB 2, a 6.91 a a a a 9.33 a Médias seguidas pela mesma letra na linha não diferem entre si pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. A presença de folhas nas estacas possivelmente influenciou no enraizamento facilitando o processo, sendo que estas podem auxiliar na formação de raízes adventícias com a translocação das auxinas produzidas nas folhas e gemas para a parte inferior da 5

6 estaca, estas se concentram na base do corte juntamente com os açucares, compostos nutricionais e fitohormonais auxiliando no enraizamento das estacas (NANDA et al., 1971; JANICK, 1996; ASSIS & TEIXEIRA, 1998). Conforme a Tabela 2 estacas medianas com substrato MS 20% e basais com MS 0% sem o acréscimo de AIB apresentaram média acima de 8,3 cm no comprimento da maior raiz, resposta significativamente superior às estacas com a adição de AIB 2,5 mg. L -1. As estacas apicais também apresentaram maior média no comprimento da maior raiz utilizando MS 0% sem o acréscimo de AIB. Esta variável influencia diretamente na capacidade de absorção de água e de nutrientes (Salomão et al., 2002), portanto, estacas com sistema radicular bem desenvolvido devem formar mudas mais vigorosas e, possivelmente, em menor tempo. Os resultados deste trabalho comprovam o potencial da estaquia como método de propagação vegetativa para A. brasiliana, considerando os altos índices no número de raízes, comprimento total do sistema radicular e número de folhas emitidas em todos os tratamentos, propõe-se que as estacas medianas e basais sejam as mais adequadas para a estaquia desta espécie, devido ao baixo custo que demanda a técnica, fazendo-se desnecessário o uso de meio nutritivo e reguladores de crescimento. 4. CONCLUSÃO É desnecessário o uso de fitorregulador AIB e meio nutritivo MS para a indução do enraizamento das estacas medianas e basais de Alternanthera brasiliana. A estaquia de ramos é um método adequado para a propagação vegetativa de A. brasiliana, sendo as estacas provenientes da porção mediana e basal as mais apropriadas para a obtenção de mudas de baixo custo. REFERÊNCIAS ASSIS, T.A.; TEIXEIRA, S.L. Enraizamento de plantas lenhosas. In: TORRES, A.C.; CALDAS, L.S.; BUSO, J.A. Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. Brasília: EMBRAPA, v.1, p , BLAZICH, F. A. Chemicals and formulations used to promote adventitious rooting. In: DAVIS, T.D.; HAISSIG, B. E.; SANKLHA, N. Adventitious rooting formation in cuttings. Portland: Dioscorides Press, 1988, p BROCHADO, C. O. et al. Flavonol Robinobiosides and Rutinosides from Alternanthera brasiliana (Amaranthaceae) and their effects on lymphocyte proliferation in vitro. Journal of the Brazilian Chemical Society, Campinas, v. 14, n. 3, p ,

7 EMBRAPA, SOC: Ambiente de software NTIA, versão 4,2,2: Manual do usuário ferramental estatístico, Campinas, p. FACHINELLO, J.C., HOFFMAN, A., NACHTIGAL, J.C., et al. Propagação de plantas frutíferas de clima temperado. Pelotas: Editora e Gráfica UFPEL, p. JANICK, J. A Ciência da Horticultura. Rio de Janeiro: F Bastos, 1996, 485 p. LORENZI, H.; MATOS, F.J. Plantas Medicinais: Nativas e Exóticas. 2. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, p. MORS,W.B.; RIZZINI, C.T.; PEREIRA, N. A. Medicinal Plants of Brazil. Reference Publications, Inc. Algonac, Michigan, MACEDO A. F. et al. Pharmacological and phytochemical studies of callus culture extracts from Alternanthera brasiliana. Pharmazie. v. 54, p , MURASHIGE, T.; SKOOG, F. A revised medium for rapid growth and bioassays with tobacco cultures. Physiologia Plantarum, Copenhagen, v.15, p , NANDA, K. K.; JAIN, M. K.; MALHOTRA, S. Effects of glucose and auxins in rooting etiolated stem segments of Populus nigra. Physiology Plantarum, v. 24, p , NICOLOSO, F. T.; FORTUNATO, R. P.; FOGAÇA, M. A. F. Influência da posição da estaca no ramo sobre o enraizamento de Pfaffia glomerata (Spreng.) Pedersen em dois substratos. Ciência Rural, Santa Maria, v. 29, n. 2, p , OLIVEIRA, G. L. et al. Enraizamento de estacas de Lippia sidoides Cham. utilizando diferentes tipos de estacas, substratos e concentrações do ácido indolbutírico. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v.10, n.4, p.12-17, PASQUAL, M.; CHALFUN, N. N. J.; RAMOS, J. D.; VALE, M. R. do; SILVA, C. R. de. R. e. Fruticultura comercial: propagação de plantas frutíferas. Lavras: UFLA/FAEPE, p. SALOMÃO, L. C. C.; PEREIRA, W. E.; DUARTE, R. C.C; SIQUEIRA, D. L. Propagação por estaquia dos maracujazeiros doce (Passiflora alata Dryand.) e amarelo (P. edulis f. flavicarpa O. Deg.). Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal- SP, v. 24, n. 1, p ,

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Gabriel Avelar LAGE 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO²; Iul Brinner Expedito de SOUZA³; Marcus Vinicius SANTOS 3 ; Guilherme

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO Valter de Oliveira Neves Júnior1; Zélio de Lima Vieira 1; Leandro Martins Prudente1; Rafael Benetti1; Sebastião Pedro da Silva Neto 2 1 Acadêmico PVIC/UEG

Leia mais

Enraizamento de estacas de oliveira (Olea europaea L.) utilizando diferentes substratos e ácido indolbutírico

Enraizamento de estacas de oliveira (Olea europaea L.) utilizando diferentes substratos e ácido indolbutírico Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Enraizamento de estacas de oliveira (Olea europaea L.) utilizando diferentes substratos e ácido indolbutírico Paula Nogueira Curi

Leia mais

USO DO BIOSSÓLIDO COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AROEIRA (Schinus terenbinthifolius Raddi)

USO DO BIOSSÓLIDO COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AROEIRA (Schinus terenbinthifolius Raddi) USO DO BIOSSÓLIDO COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AROEIRA (Schinus terenbinthifolius Raddi) Kelly Dayana Benedet Maas 1 ; Greyce Charllyne Benedet Maas 1 ; Cristiane Ramos Vieira 1, Oscarlina Lucia

Leia mais

1111111111111 Ilfi 111111

1111111111111 Ilfi 111111 07000 CPATU 1998 FL-07000 trnpa ISSNO101-5673 'e Empnza 8,nibk. de FUqWsa Agropecuáde Cento de Pnqidn Apto florestal de Amazónia Odantal MinistJ,'lo da Ap,icufture e do Abastecimento Trav. Dr. Enóes Pinheiro

Leia mais

PROPAGAÇÃO IN VITRO DE PORTA-ENXERTO DE MACIEIRA (MALUS PRUNIFOLIA) CV. MARUBAKAIDO: EFEITO DE BENZILAMINOPURINA E ÁCIDO GIBERÉLICO 1

PROPAGAÇÃO IN VITRO DE PORTA-ENXERTO DE MACIEIRA (MALUS PRUNIFOLIA) CV. MARUBAKAIDO: EFEITO DE BENZILAMINOPURINA E ÁCIDO GIBERÉLICO 1 PROPAGAÇÃO IN VITRO DE PORTA-ENXERTO DE MACIEIRA (MALUS PRUNIFOLIA) CV. MARUBAKAIDO: EFEITO DE BENZILAMINOPURINA E ÁCIDO GIBERÉLICO 1 SOUZA, Letiele Bruck de 2 ; COGO, Maurício Ricardo de Melo 2 ; SANTOS,

Leia mais

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO Rodrigo de Rezende Borges Rosa 1 ; Delvio Sandri 2 1 Eng. Agrícola, Discente do Mestrando Engenharia

Leia mais

A presença de Outliers interfere no Teste f e no teste de comparações múltiplas de médias

A presença de Outliers interfere no Teste f e no teste de comparações múltiplas de médias A presença de Outliers interfere no Teste f e no teste de comparações múltiplas de médias CHICARELI, L.S 1 ; OLIVEIRA, M.C.N. de 2 ; POLIZEL, A 3 ; NEPOMUCENO, A.L. 2 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Patologia, Tamanho de Grão, Poder Germinativo e Teor de Micotoxina em Genótipos de Cevada Produzidos em Ambiente Favorável a Doenças de Espigas

Patologia, Tamanho de Grão, Poder Germinativo e Teor de Micotoxina em Genótipos de Cevada Produzidos em Ambiente Favorável a Doenças de Espigas Patologia, Tamanho de Grão, Poder Germinativo e Teor de Micotoxina em s de Cevada Produzidos em Ambiente Favorável a Doenças de Espigas Maria Imaculada Pontes Moreira Lima 1 ; Euclydes Minella 1 ; Martha

Leia mais

FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS

FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS Júlia Carla de Queiroz 1, Veronica Rodrigues de Mendonça 2, Ammanda Adhemer Albuquerque Bandeira 3, Etienne

Leia mais

Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador

Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador Sueli Lourdes Ferreira Tarôco (1), Erivelton

Leia mais

Introdução do Cultivo de Physalis (Physalis angulata L.) de Base Agroecológica na Região Central do Estado do Rio Grande do Sul.

Introdução do Cultivo de Physalis (Physalis angulata L.) de Base Agroecológica na Região Central do Estado do Rio Grande do Sul. Introdução do Cultivo de Physalis (Physalis angulata L.) de Base Agroecológica na Região Central do Estado do Rio Grande do Sul. LISSNER, Rael Alfredo. Universidade Federal de Santa Maria rael_lissner@yahoo.com.br

Leia mais

Tipos e tamanhos de estacas na formação de mudas de Schinus terebinthifolius

Tipos e tamanhos de estacas na formação de mudas de Schinus terebinthifolius 17 Workshop de Plantas Medicinais do Mato Grosso do Sul/7º Empório da Agricultura Familiar PPM Tipos e tamanhos de estacas na formação de mudas de Schinus terebinthifolius Felipe Ferreira 1 (IC)*, Fagner

Leia mais

Pressuposições à ANOVA

Pressuposições à ANOVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Estatística II Aula do dia 09.11.010 A análise de variância de um experimento inteiramente ao acaso exige que sejam

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FÍSICA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Provas contém seis questões, constituídas de itens e subitens,

Leia mais

ANÁLISE DA ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS UTILIZADAS NO IFC-CÂMPUS CAMBORIÚ. Instituto Federal Catarinense, Camboriú/SC

ANÁLISE DA ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS UTILIZADAS NO IFC-CÂMPUS CAMBORIÚ. Instituto Federal Catarinense, Camboriú/SC ANÁLISE DA ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS UTILIZADAS NO IFC-CÂMPUS CAMBORIÚ Silva, Anelise Caroline da 1 ; Farias, Vitória da Silva 1 ; Teixeira, Ana Cristina Franzoi 1 ; Martendal, Adriano 1 1 Instituto

Leia mais

PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO

PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO Alfredo Penzo de Barros 1 ; Norton Hayd Rego 2 ; Aluisio Pereira da Luz 3 ; Aliston Flàvio de Souza 3 ; Nivaldo Liuzzi Gomes 4 ; Bruno Jacobson 5. 1

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus Macaé Professor Aloísio Teixeira Coordenação de Pesquisa e Coordenação de Extensão

Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus Macaé Professor Aloísio Teixeira Coordenação de Pesquisa e Coordenação de Extensão Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus Macaé Professor Aloísio Teixeira Coordenação de Pesquisa e Coordenação de Extensão EDITAL nº 1 Coordenação de Pesquisa/Coordenação de Extensão 2016 VIII JORNADA

Leia mais

Área de Atuação 2010/2011:

Área de Atuação 2010/2011: Área de Atuação 2010/2011: Área de Atuação 2012: Culturas mais Importantes: Norte do ES e Sul da Bahia: Café Conillon, Mamão, Melancia, Banana, Cana de Açúcar, Maracujá e Cacau Região Central do ES: Café

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Análise de Variância - ANOVA Cap. 12 - Pagano e Gauvreau (2004) - p.254 Enrico A. Colosimo/UFMG Depto. Estatística - ICEx - UFMG 1 / 39 Introdução Existem

Leia mais

EFEITOS DO REUSO DE ÁGUA RESIDUÁRIA NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO

EFEITOS DO REUSO DE ÁGUA RESIDUÁRIA NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO EFEITOS DO REUSO DE ÁGUA RESIDUÁRIA NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO DA Moreira 1, JAR Souza 2, WB Carvalho 3 e CVM e Carvalho 4 RESUMO: Neste trabalho objetivou-se analisar os efeitos do reuso de água

Leia mais

Estudo da produção de leite de caprinos da raça Saanen do IFMG Campus Bambuí

Estudo da produção de leite de caprinos da raça Saanen do IFMG Campus Bambuí Estudo da produção de leite de caprinos da raça Saanen do IFMG Campus Bambuí Larisse PEREIRA 1,2, ; André DuarteVIEIRA 1,3 ; Vanessa Daniella ASSIS 2 ; André Luís da Costa PAIVA 4 ; Rafael Bastos TEIXEIRA

Leia mais

Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos

Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos Cícero Pereira Cordão Terceiro Neto 1 ; Fred Carvalho Bezerra 2 ; Fernando Felipe Ferreyra Hernandez 1 ; José Vagner

Leia mais

Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro na Multiplicação e Alongamento de Eucalyptus Saligna Smith

Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro na Multiplicação e Alongamento de Eucalyptus Saligna Smith Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro na Multiplicação e Alongamento de Eucalyptus Saligna Smith Caroline Ribeiro Tunes 1 e Gessiel Newton Scheidt 2 1 Aluno do Curso de Biotecnologia; Campus

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

Competição inicial entre plantas de soja e Chloris polydactyla.

Competição inicial entre plantas de soja e Chloris polydactyla. Competição inicial entre plantas de soja e Chloris polydactyla. Arthur Arrobas Martins Barroso 1 ; Alfredo Junior Paiola Albrecht 2. 1 Doutorando do curso de Agronomia (Produção Vegetal), UNESP, Jaboticabal,

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO TUBARÃO PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO OBJETIVOS

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO TUBARÃO PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO OBJETIVOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO TUBARÃO PROJETO DE EXTENSÃO Horta Escolar Uma maneira gostosa de crescer COORDENAÇÃO Prof. Celso Lopes de Albuquerque

Leia mais

No contexto das ações de Pesquisa e Desenvolvimento

No contexto das ações de Pesquisa e Desenvolvimento Um método para avaliar o desempenho ótico de LEDs O LABelectron desenvolveu um método de testes para analisar influências ópticas em diferentes modos de acionamentos de LEDs André Andreta No contexto das

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Locação de Obra e Serviços em Terra. Roberto Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Locação de Obra e Serviços em Terra. Roberto Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Locação de Obra e Serviços em Terra Limpeza do terreno Dependendo do porte da obra e da declividade do terreno serão necessários a utilização de equipamentos de grande

Leia mais

INFLUENCIA DE BAP E ANA NA FORMAÇÃO DE CALOS DE Jatropha curcas L. INTRODUÇÃO

INFLUENCIA DE BAP E ANA NA FORMAÇÃO DE CALOS DE Jatropha curcas L. INTRODUÇÃO Página 270 INFLUENCIA DE BAP E ANA NA FORMAÇÃO DE CALOS DE Jatropha curcas L. Wesley Machado 1, Andréa Almeida Carneiro 2 e Gracielle Teodora da Costa Pinto Coelho 3 1 Agrônomo, Pós-graduando em Biotecnologia,

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

Proposta de ajuste de modelos não lineares na descrição de germinação de sementes de café

Proposta de ajuste de modelos não lineares na descrição de germinação de sementes de café Proposta de ajuste de modelos não lineares na descrição de germinação de sementes de café Iábita Fabiana Sousa 1 Joel Augusto Muniz 1 Renato Mendes Guimarães 2 Taciana Villela Savian 3 1 Introdução Um

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF.

ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF. ANÁLISE COMPARATIVA DOS DADOS METEOROLÓGICOS NAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET EM BRASÍLIA DF. Sidney Figueiredo de Abreu¹; Arsênio Carlos Andrés Flores Becker² ¹Meteorologista, mestrando

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET

TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET Maick Sousa Almeida (1); Anderson Oliveira de Sousa (1); Ana Paula Araújo Almeida (2) (1) Universidade Estadual da Paraíba;

Leia mais

FÍSICA. A) 2 J B) 6 J C) 8 J D) 10 J E) Zero. A) 6,2x10 6 metros. B) 4,8x10 1 metros. C) 2,4x10 3 metros. D) 2,1x10 9 metros. E) 4,3x10 6 metros.

FÍSICA. A) 2 J B) 6 J C) 8 J D) 10 J E) Zero. A) 6,2x10 6 metros. B) 4,8x10 1 metros. C) 2,4x10 3 metros. D) 2,1x10 9 metros. E) 4,3x10 6 metros. FÍSICA 16) Numa tempestade, ouve-se o trovão 7,0 segundos após a visualização do relâmpago. Sabendo que a velocidade da luz é de 3,0x10 8 m/s e que a velocidade do som é de 3,4x10 2 m/s, é possível afirmar

Leia mais

Influência Da Matéria Orgânica Na Produção De Mudas De Duas Espécies Arbóreas Da Caatinga

Influência Da Matéria Orgânica Na Produção De Mudas De Duas Espécies Arbóreas Da Caatinga Influência Da Matéria Orgânica Na Produção De Mudas De Duas Espécies Arbóreas Da Caatinga Artur Diego Vieira Gomes (1) ; Maria José de Holanda Leite (2) ; Rivaldo Vital dos Santos (3) ; Carlos Roberto

Leia mais

Observando embalagens

Observando embalagens Observando embalagens A UUL AL A O leite integral é vendido em caixas de papelão laminado por dentro. Essas embalagens têm a forma de um paralelepípedo retângulo e a indicação de que contêm 1000 ml de

Leia mais

EFEITO DO PRODUTO DIFLY S3 NO CONTROLE DO CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS EM BOVINOS DA RAÇA GIR, MESTIÇA E HOLANDESA

EFEITO DO PRODUTO DIFLY S3 NO CONTROLE DO CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS EM BOVINOS DA RAÇA GIR, MESTIÇA E HOLANDESA EFEITO DO PRODUTO DIFLY S3 NO CONTROLE DO CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS EM BOVINOS DA RAÇA GIR, MESTIÇA E HOLANDESA Cláudia Santos Silva (1), Américo Iorio Ciociola Júnor (2), José Mauro Valente Paes (2),

Leia mais

Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística TESTES DE HIPÓTESES (ou Testes de Significância) Estimação e Teste de Hipóteses Estimação e teste de hipóteses (ou significância) são os aspectos principais da Inferência Estatística

Leia mais

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Alcançar e manter índices ótimos de produtividade florestal é o objetivo principal do manejo

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências da Saúde Mestrado em Odontologia

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências da Saúde Mestrado em Odontologia Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências da Saúde Mestrado em Odontologia Abertura de inscrições para candidatos a bolsa do Programa Nacional de Pós-Doutorado PNPD/CAPES PORTARIA Nº 086, DE

Leia mais

ALTERAÇÕES TORÁCICAS CORREÇÕES CIRÚRGICAS

ALTERAÇÕES TORÁCICAS CORREÇÕES CIRÚRGICAS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde ALTERAÇÕES TORÁCICAS CORREÇÕES CIRÚRGICAS Prof. Dr. Luzimar Teixeira 1. Técnica cirúrgica corrige não só a região anterior do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica São Paulo Brasil

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica São Paulo Brasil TERMO DE REFERÊNCIA Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica São Paulo Brasil Contextualização e justificativa A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

Cultivo in vitro de Salvia hispanica L.

Cultivo in vitro de Salvia hispanica L. Artigo original DOI: 105902/2236117015566 Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental Santa Maria, v. 19, n.2, mai-ago. 2015, p. 1555-1560 Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas

Leia mais

I TORNEIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA TIC

I TORNEIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA TIC I TORNEIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA TIC Edital do Desafio Área: Petróleo, Gás e Biocombustíveis Tema: Produção de Biocombustíveis Maceió 2012 1. INTRODUÇÃO As razões para o interesse pelos biocombustíveis

Leia mais

Unidade 1. jcmorais 09

Unidade 1. jcmorais 09 Unidade 1 jcmorais 09 Actualmente possuímos conhecimentos e técnicas capazes de controlar a fertilidade, de modo a: Diminuir a fertilidade humana Aumentar a fertilidade humana Contracepção e métodos contraceptivos

Leia mais

1º Concurso - Universidades Jornalismo e Publicidade - Maio Amarelo 2016

1º Concurso - Universidades Jornalismo e Publicidade - Maio Amarelo 2016 1º Concurso - Universidades Jornalismo e Publicidade - Maio Amarelo 2016 Justificativa O Movimento Maio Amarelo nasceu com uma só proposta: chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e

Leia mais

O USO DO STOP MOTION COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA TORNAR MAIS LÚDICO O ENSINO DE BIOQUÍMICA NO ENSINO MÉDIO

O USO DO STOP MOTION COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA TORNAR MAIS LÚDICO O ENSINO DE BIOQUÍMICA NO ENSINO MÉDIO O USO DO STOP MOTION COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA TORNAR MAIS LÚDICO O ENSINO DE BIOQUÍMICA NO ENSINO MÉDIO Hadassa Carolinny Soares de Oliveira (UFPE/CAV) Gabriel Henrique de Lima (UFPE/CAV) Josely Alves

Leia mais

Plano de Manejo Parque Natural Municipal Doutor Tancredo de Almeida Neves. Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO. IVB-2012 Página 1

Plano de Manejo Parque Natural Municipal Doutor Tancredo de Almeida Neves. Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO. IVB-2012 Página 1 Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO IVB-2012 Página 1 CONTEÚDO 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 6.1 Monitoramento e avaliação anual da implementação do Plano 6.2 Monitoramento e avaliação da efetividade do

Leia mais

Transplante capilar Introdução

Transplante capilar Introdução Transplante Capilar Perda de cabelo e calvície são, muitas vezes, uma parte inesperada e indesejada da vida. Felizmente, com os recentes avanços na tecnologia, a perda de cabelo pode ser diminuída ou interrompida

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

REGULAMENTO I OLIMPÍADA A PRÁXIS DO SERVIÇO PÚBLICO

REGULAMENTO I OLIMPÍADA A PRÁXIS DO SERVIÇO PÚBLICO REGULAMENTO I OLIMPÍADA A PRÁXIS DO SERVIÇO PÚBLICO 1. Apresentação O Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus João Pessoa, por meio da Departamento de Gestão e Desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS P 2 CEM PLANO DE ENSINO DAS DISCIPLINAS PESQUISA I A PESQUISA VII

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO.

UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO. UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO. Silveira, Priscila Silva; Valner Brusamarello. Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Av. Osvaldo Aranha, 103 - CEP: 90035-190 Porto

Leia mais

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo Condicionalidades e Obrigações Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro Santarém 28 de fevereiro de 2015 Agenda 1. Definição

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES 1 1. VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Muitas situações cotidianas podem ser usadas como experimento que dão resultados correspondentes a algum valor, e tais situações

Leia mais

Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011

Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011 Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011 Anexo B Especificações do simulador Eduardo Lopes Pesquisador-Tecnologista em Metrologia e Qualidade Objetivos Apresentar o simulador de pista com

Leia mais

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS FITORMÔNIOS São substâncias orgânicas químicas que atuam em diferentes partes do vegetal, como raiz, caule, folha, flor e fruto. São sintetizados em pequenas porções. Responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F CADERNO DE EXERCÍCIOS F Ensino Fundamental Matemática Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Números inteiros (positivos e negativos) H9 Proporcionalidade H37 3 Média aritmética H50 4 Comprimento

Leia mais

Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados

Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados Disciplinas: Física III (DQF 06034) Fundamentos de Física III (DQF 10079) Departamento de Química e Física- CCA/UFES Objetivo:

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 8. o A/B PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 8. o A/B PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 8. o A/B PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Utilize as informações do texto abaixo para responder às questões que o seguem. Uma máquina simples para bombear água: A RODA D ÁGUA

Leia mais

5.1 -FERTIRRIGAÇÃO EM VIVEIROS DE MUDAS DE Eucalyptus e Pinus

5.1 -FERTIRRIGAÇÃO EM VIVEIROS DE MUDAS DE Eucalyptus e Pinus 5.1 -FERTIRRIGAÇÃO EM VIVEIROS DE MUDAS DE Eucalyptus e Pinus Edson Namita Higashi Ronaldo Luiz Vaz de Arruda Silveira RR Agroflorestal S/C Ltda. Rua Santa Cruz, 1109, CEP 13.416-763, Piracicaba - SP -

Leia mais

OS EFEITOS ALELOPÁTICOS DO EXTRATO DE PATA DE VACA (Bauhinia forticata BENTH) EM SEMENTES DE SOJA (Glycine max MERR)

OS EFEITOS ALELOPÁTICOS DO EXTRATO DE PATA DE VACA (Bauhinia forticata BENTH) EM SEMENTES DE SOJA (Glycine max MERR) ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 OS EFEITOS ALELOPÁTICOS DO EXTRATO DE PATA DE VACA (Bauhinia forticata BENTH) EM SEMENTES

Leia mais

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009 SOFTWARE DE CONTROLE DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DO IFMG CAMPUS BAMBUÍ Alex Daniel CASTANHA ¹; Bruno FERREIRA ² ¹ Estudante do Curso Superior de Tecnologia em Análise e

Leia mais

O POTENCIAL DE INOVAÇÃO E A QUESTÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS INDÚSTRIAS DA REGIÃO NOROESTE DO RS 1

O POTENCIAL DE INOVAÇÃO E A QUESTÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS INDÚSTRIAS DA REGIÃO NOROESTE DO RS 1 O POTENCIAL DE INOVAÇÃO E A QUESTÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS INDÚSTRIAS DA REGIÃO NOROESTE DO RS 1 Valquíria Marchezan Colatto Martins 2, Dieter Rugard Siedenberg 3, Marcos Paulo Dhein Griebeler

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Fundações Após a execução da sondagem, iremos definir qual o tipo de fundação mais adequada a ser utilizado no nosso empreendimento. As Fundações são elementos estruturais

Leia mais

PROGRAMA SULGÁS DE QUALIDADE DE VIDA

PROGRAMA SULGÁS DE QUALIDADE DE VIDA COMPANHIA DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Gerência Executiva de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde PROGRAMA SULGÁS DE QUALIDADE DE VIDA PROJETO 2014 Julho de 2014 1. DADOS DA COMPANHIA Razão

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES >ATO Nº. 3, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005.

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES >ATO Nº. 3, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS - Edifício BARACAT Sala 0 Brasília DF CEP 0.0-00 Fones/Fax: (0) -0 / -880 / -0 e-mail: abrasem@abrasem.com.br TEMÁRIO: Ato nº., de 8 de Novembro 00.

Leia mais

SICEEL. Simpósio de Iniciação Científica da Engenharia Elétrica. Edital de Abertura

SICEEL. Simpósio de Iniciação Científica da Engenharia Elétrica. Edital de Abertura EESC - Escola de Engenharia de São Carlos UFSCar - Universidade Federal de São Carlos SICEEL Simpósio de Iniciação Científica da Engenharia Elétrica Edital de Abertura São Carlos, 17 de Agosto de 2015

Leia mais

Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais.

Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais. Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais. RESUMO O trabalho foi conduzido na Área de Pesquisa

Leia mais

SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS)

SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS) SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS) João Carlos Chaves 1 Paulo Cesar Lima Segantine 2 1 Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Av. João Naves de Ávila, 2121 = Campus Santa Mônica = Sala 1G156 = CEP:38.408-100 = Uberlândia/MG

Leia mais

MOSTRA CIENTÍFICA DAS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - NORMAS PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS -

MOSTRA CIENTÍFICA DAS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - NORMAS PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS - MOSTRA CIENTÍFICA DAS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - NORMAS PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS - Data limite para envio: até 08 de junho de 2014 Modalidades de apresentação: Comunicação Oral e Pôster

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB EDITAL Nº 02/2009 CAPES/DEB PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau Alunos: Nota: 1-2 - Data: Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau 1.1 Objetivo O objetivo deste experimento é mostrar como se obtém o modelo matemático de um sistema através

Leia mais

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL Carolinne Isabella Dias Gomes (1) Possui Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS COMO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE ALFACE

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS COMO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE ALFACE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS COMO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE ALFACE Fred Carvalho Bezerra 1 ; Fernando Vasconcellos Meyer Ferreira 2 ;Tiago da Costa Silva 2, Daniel Barbosa Araújo

Leia mais

NOVO MAPA NO BRASIL?

NOVO MAPA NO BRASIL? NOVO MAPA NO BRASIL? Como pode acontecer A reconfiguração do mapa do Brasil com os novos Estados e Territórios só será possível após a aprovação em plebiscitos, pelos poderes constituídos dos respectivos

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE ADEQUAÇÃO

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS EM MG

DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS EM MG Universidade Federal de Lavras UFLA Departamento de Ciências Florestais DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS EM MG Antonio Claudio Davide ABORDAGENS PARA A RESTAURAÇÃO

Leia mais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais / 1. Princípios Gerais As instituições devem adotar uma política de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco, que evite potenciais conflitos

Leia mais

Sistema de Gestão Avícola SYSAVES. O sistema SYSAVES controla todo o processo, desde a saída dos

Sistema de Gestão Avícola SYSAVES. O sistema SYSAVES controla todo o processo, desde a saída dos Sistema de Gestão Avícola SYSAVES O sistema SYSAVES controla todo o processo, desde a saída dos galpões dos fornecedores (granjeiros) de aves até a emissão de relatórios das saídas dos galpões para os

Leia mais

Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais

Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais 1 Introdução A Estatística Espacial é uma área da Estatística relativamente recente, que engloba o estudo dos fenômenos em que a

Leia mais

Cronograma - Seguindo o plano de metas da USP para 2015

Cronograma - Seguindo o plano de metas da USP para 2015 GT - Atividade Docente avaliação, valorização do ensino e carreira / diretrizes gerais. Cronograma - Seguindo o plano de metas da USP para 2015 O documento mestre conceitual que apresentamos tem a função

Leia mais

Condução. t x. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Condução. t x. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Condução A transferência de energia de um ponto a outro, por efeito de uma diferença de temperatura, pode se dar por condução, convecção e radiação. Condução é o processo de transferência de energia através

Leia mais

Bitrens x vanderléias : a difícil escolha

Bitrens x vanderléias : a difícil escolha Bitrens x vanderléias : a difícil escolha Por: Antonio Lauro Valdivia* e Karênina Martins Teixeira** Resoluções Contran n os 21 o e 211 abrem espaço para novas combinações de veículos de carga O tradicional

Leia mais

Softwares para estimativa do crescimento, produção e carbono do componente arbóreo em ILPF

Softwares para estimativa do crescimento, produção e carbono do componente arbóreo em ILPF 64 Anais do 1º Simpósio Internacional de Arborização de Pastagens em Regiões Subtropicais Softwares para estimativa do crescimento, produção e carbono do componente arbóreo em ILPF Edilson Batista de Oliveira

Leia mais

PRINCIPAIS UNIDADES PARCEIRAS :

PRINCIPAIS UNIDADES PARCEIRAS : PRINCIPAIS UNIDADES PARCEIRAS : SECRETARIA GERAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL SPDI ESCRITÓRIO DE DESENVOLVIMENTO FÍSICO EDF PREFEITURAS UNIVERSITÁRIAS - PUs SECRETARIA GERAL DE GESTÃO

Leia mais

Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação

Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação 1 Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação Resumo O presente estudo objetivou levantar dados sobre o total

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Caixa/Estojo para Instrumental Cirúrgico NOME COMERCIAL: Caixa para Instrumental Cirúrgico PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL ATENÇÃO: Ler atentamente todas as instruções

Leia mais

FACULDADE SOGIPA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

FACULDADE SOGIPA DE EDUCAÇÃO FÍSICA REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE SOGIPA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º - A Ouvidoria da FACULDADE SOGIPA DE EDUCAÇÃO FÍSICA- é um canal de diálogo com a comunidade acadêmica ou

Leia mais

LT 500kV MARIMBONDO - ASSIS MEMORIAL DO PROJETO BÁSICO DE FUNDAÇÕES

LT 500kV MARIMBONDO - ASSIS MEMORIAL DO PROJETO BÁSICO DE FUNDAÇÕES 24/09/2013 Complementação torres MF SA 0A 03/05/2013 Emissão Inicial MF SA Rev. Data Descrição Por Aprovação Nome da Obra Título do Documento Projeto MARCOS F. 24/09/2013 Nº Rev Folha 1/13 Aprovação SÉRGIO

Leia mais

NA PROPAGAÇÃO ASSEXUADA DE HORTÊNSIA [Hydrangea macrophylla (Thunb.) Ser.]

NA PROPAGAÇÃO ASSEXUADA DE HORTÊNSIA [Hydrangea macrophylla (Thunb.) Ser.] INFLUÊNCIA DE Influência DIFERENTES de diferentestipos tipos de estacas DE ESTACAS e substratos... E SUBSTRATOS NA PROPAGAÇÃO ASSEXUADA DE HORTÊNSIA [Hydrangea macrophylla (Thunb.) Ser.] 699 Influence

Leia mais

EFEITO DE BAP E CINETINA NA MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE IPÊ-ROXO (Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos)¹

EFEITO DE BAP E CINETINA NA MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE IPÊ-ROXO (Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos)¹ EFEITO DE BAP E CINETINA NA MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE IPÊ-ROXO (Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos)¹ PIMENTEL, Nathalia 2 ; HEBERLE, Michele 3 ; KIELSE, Paula 4 ; LENCINA, Kelen H. 5 ; FISCHER,Hardi

Leia mais

Classificação de alimentos em relação à suas informações nutricionais por meio da Análise Multivariada

Classificação de alimentos em relação à suas informações nutricionais por meio da Análise Multivariada Classificação de alimentos em relação à suas informações nutricionais por meio da Análise Multivariada Lucas Santana da Cunha 1 Sonia Maria de Stefano Piedade 2 1 Introdução A presença de informações nutricionais

Leia mais

INFLUÊNCIA DO HORÁRIO DE COLETA DE ESTACAS E DA NEBULIZAÇÃO INTERMITENTE NA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ALECRIM-PIMENTA

INFLUÊNCIA DO HORÁRIO DE COLETA DE ESTACAS E DA NEBULIZAÇÃO INTERMITENTE NA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ALECRIM-PIMENTA INFLUÊNCIA DO HORÁRIO DE COLETA DE ESTACAS E DA NEBULIZAÇÃO INTERMITENTE NA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ALECRIM-PIMENTA Wellington Geraldo Oliveira Carvalho Júnior 1* ; Marco Túlio Pinheiro de Melo 1 ; Ernane

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM TANQUE DE DECANTAÇÃO DE SÓLIDOS UTILIZANDO FLUIDODINÂMICA COMPUTACIONAL

AVALIAÇÃO DE UM TANQUE DE DECANTAÇÃO DE SÓLIDOS UTILIZANDO FLUIDODINÂMICA COMPUTACIONAL AVALIAÇÃO DE UM TANQUE DE DECANTAÇÃO DE SÓLIDOS UTILIZANDO FLUIDODINÂMICA COMPUTACIONAL E. F. S. PEREIRA e L. M. N de Gois Universidade Federal da Bahia, Escola Politécnica, Departamento de Engenharia

Leia mais