INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DA ESTACA NO RAMO E DO TIPO DE SUBSTRATO SOBRE O ENRAIZAMENTO DE Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DA ESTACA NO RAMO E DO TIPO DE SUBSTRATO SOBRE O ENRAIZAMENTO DE Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) 1"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DA ESTACA NO RAMO E DO TIPO DE SUBSTRATO SOBRE O ENRAIZAMENTO DE Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) 1 ROCHA, Bruna N. 3 ; ZULIANI, Alberi J. B. 2 ; LÖBLER, Lisiane 3 ; BERTÊ, Rosiana 3 ; LUCHO, Simone R. 3 ; PARANHOS, Juçara T Trabalho de Pesquisa PPG Agrobiologia _UFSM 2 Curso de Agronômia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 3 Curso de Pós Graduação em Agrobiologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 4 Professora do PPG em Agrobiologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil RESUMO A Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) é conhecida popularmente como penicilina, sendo considerada uma espécie medicinal. O trabalho objetivou estudar a influência da posição da estaca no ramo e do tipo de substrato sobre o enraizamento de A. brasiliana. Os tratamentos foram constituídos por um trifatorial (3 x 2 x 2) três tipos de estacas: apicais; medianas e basais; duas concentrações de meio MS (0 e 20%) e duas concentrações de ácido indol butírico (AIB) no substrato (0,0 e 2,5 mg. L -1 ), fluxo de 15 dias. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com três repetições e oito estacas por repetição. As estacas foram mantidas em sala de crescimento com temperatura de 25 C ± 2 C. Estacas medianas e basais são mais adequadas para a propagação de A. brasiliana, não necessitando do meio nutritivo e do fitorregulador AIB para a indução do enraizamento, tornando-se um método de baixo custo para obtenção de mudas. Palavras-chave: Penicilina; Propagação vegetativa; Estacas de ramos. 1. INTRODUÇÃO A Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) conhecida popularmente como peniciliana ou terramicina pertence à família Amaranthaceae, sendo considerada uma espécie medicinal utilizada popularmente como digestiva, depurativa e diurética além de possuir comprovadamente atividade analgésica e antiproliferativa de linfócitos (MACEDO et al., 1999; MORS et al., 2000; BROCHADO et al., 2003; LORENZI & MATOS, 2008). Pesquisas envolvendo sua análise fitoquímica revelaram a presença de seis flavonoides 0-glicosilados, dentre estes metabólitos inéditos no gênero Alternanthera destacando-se Kaempferol 3-0-robinobioside e Kaempferol 3-0-rutinoside (BROCHADO et al., 2003). 1

2 Com base no extrativismo das plantas medicinais, é necessário buscar alternativas para a produção de mudas, contribuindo para a conservação e proporcionando informações para futuros estudos. A queda das sementes após o amadurecimento dos frutos de A. brasiliana dificulta a coleta e obtenção das mesmas para testes de germinação e consequentemente a produção de mudas através da germinação de sementes. Assim a estaquia é uma opção entre os métodos de propagação vegetativa, tornando-se viável se a espécie apresentar capacidade de formar raízes mantendo a qualidade do seu sistema radicular e desenvolvendo mudas saudáveis após o enraizamento. Alguns fatores podem interferir na propagação por estaquia, como a condição fisiológica do tecido, ao longo do ramo o conteúdo de carboidratos e substâncias que promovem e inibem o crescimento apresentam variação, principalmente quando as estacas são provenientes de diferentes porções do ramo, diferindo quanto ao potencial de enraizamento. Assim é necessário um balanço hormonal entre promotores e inibidores do processo de iniciação radicular, uma forma de promover o equilíbrio é pela aplicação exógena de reguladores de crescimento, como o ácido indolbutírico (AIB), que podem elevar o teor de auxina no tecido (FACHINELLO et al., 1994; PASQUAL et al., 2001). Considerando a importância e a inexistência de estudos abordando a propagação vegetativa por estaquia de A. brasiliana o presente trabalho objetivou observar a influência da posição da estaca no ramo e do tipo de substrato sobre o enraizamento de Alternanthera brasiliana. 2. METODOLOGIA O experimento foi conduzido no Laboratório de Cultura de Tecidos pertencente ao Departamento de Biologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). As estacas foram coletadas de ramos com 70 a 120 cm de comprimento em plantas existentes no Campus da UFSM. Os cortes foram feitos do ápice para a base utilizando-se estacas apicais; medianas e basais de 12 a 15 cm de comprimento. Foi retirado o excesso de folhas presentes nos ramos, permanecendo apenas duas folhas nas apicais e duas cortadas ao meio nas medianas e basais para haver semelhança quanto à área foliar existente. As estacas passaram por lavagem em água corrente e os cortes foram feitos com imersão em água destilada para evitar a cavitação do tecido, para desinfestação as estacas foram imersas em recipiente com solução de água destilada acrescida de 10 gotas de hipoclorito de sódio 11% por litro de água destilada. Os tratamentos foram constituídos por um trifatorial (3 x 2 x 2) três tipos de estacas: apicais; medianas e basais; duas concentrações de meio MS como substrato (Murashige e 2

3 Skoog, 1962) (0 e 20%) e duas concentrações de AIB (0,0 e 2,5 mg. L -1 ) no substrato em fluxo de 15 dias. Em todas as soluções foi utilizado 2 ml. L -1 de fungicida Bendazol e o ph foi regulado a ± 5,8 utilizando HCl ou NaOH. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com três repetições e oito estacas por repetição. As estacas foram mantidas em sala de crescimento com temperatura de 25 C ± 2 C, fotoperíodo de 16 horas e intensidade luminosa de 35 µmol m -2 s -1 fornecida por lâmpadas fluorescentes brancas-frias, em recipientes de vidro com 200 ml de substrato e fixadas com papel alumínio ao topo do recipiente (Figura 1). Para cada tratamento foram avaliados aos 21 dias o número de raízes, número de folhas e comprimento da maior raiz por estaca. A análise estatística foi realizada utilizando o software SOC (EMBRAPA, 1997). Os dados foram submetidos à análise de variância (ANOVA), e a análise complementar foi através do teste de Tukey à 5% de probabilidade de erro. Figura 1: Estacas de Alternanthera brasiliana mantidas em sala de crescimento. 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES Verificou-se através do resumo da análise de variância (Tabela 1) a interação tripla entre as variáveis, número de raízes, número de folhas e comprimento da maior raiz. Assim, para estas três variáveis foram realizados os desdobramentos que comparam os tipos de estaca em cada um dos substratos e a dose de fitorregulador utilizados. Tabela 1: Resumo da análise de variância das variáveis: Comprimento total do sistema radicular (CTSR), Número de Raízes (NR) e Número de Folhas (NF) de três tipos de estacas (TE) com dois 3

4 substratos (S) e duas concentrações de fitorregulador (F) em estacas de Alternanthera brasiliana. Santa Maria, RS, Quadrado Médio Fonte de Variação CTSR NR NF Tipo de Estaca 31.13* * * Substrato * Fitorregulador 57.28* * 0.07 TE x S TE x F S x F 24.44* * 39.32* TE x S x F 11.95* * 13.41* Resíduo CV *- F Significativo a 5% de probabilidade A suplementação do substrato com MS 20% e AIB 2,5 mg.l -1 em estacas apicais proporcionou o maior número de raízes entre as estacas com média de 44,45 raízes, diferindo significativamente apenas dos tratamentos com estacas apicais sem a adição de AIB e sem o MS 20%, com médias de 7,29 e 14,24 raízes respectivamente (Tabela 2). Tabela 2: Efeito dos três tipos de estacas Apical (1), Mediana (2) e Basal (3), e do substrato MS (Murashige e Skoog, 1962), (0 e 20%) com a aplicação de AIB (0,0 e 2,5 mg.l -1 ) no comprimento total do sistema radicular (CTSR), número de raízes (NR) e número de folhas (NF) de A. brasiliana. Santa Maria, RS, CTSR (cm) NR NF AIB (mg.l-1) Tipo de estaca + Substrato 0,0 2,5 0,0 2,5 0,0 2,5 Estaca 1 + MS 0% 7.04 a A 1.52 b A a A a B 5.16 a A 4.62 a B Estaca 1 + MS 20% 2.52 a B 3.64 a A 7.29 b A a A 4.87 a B 4.00 a B Estaca 2 + MS 0% 7.66 a A 4.89 a A a A a AB 9.75 a A a A Estaca 2 + MS 20% 8.31 a A 4.41 b A a A a A a A 7.25 b AB Estaca 3 + MS 0% 8.47 a A 4.25 b A a A a A 9.95 a A a A Estaca 3 + MS 20% 6.77 a A 6.91 a A a A a A 9.12 a AB 9.33 a A Médias seguidas pela mesma letra minúscula na linha e maiúscula na coluna não diferem entre si pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Este resultado sugere que estacas apicais necessitam de suplementação não apenas de nutrientes ao substrato, mas também da presença de AIB para induzir maior número de raízes em estacas apicais de A. brasiliana, no caso das basais a adição de meio nutritivo e do fitorregulador AIB no substrato não são necessários para um acréscimo no número de raízes, visto que não há diferença entre os tratamentos. 4

5 Blazich (1988) cita que os nutrientes presentes no meio (substrato) como nitrogênio, fósforo, zinco, potássio, cálcio e boro influenciam a resposta ao enraizamento, estando estes envolvidos nos processos metabólicos, proporcionando a desdiferenciação e formação de meristemas radiculares. No entanto a facilidade de enraizamento das estacas medianas e basais de A. brasiliana pode estar associada à maior concentração de carboidratos presentes nessa porção, não necessitando, portanto, de indução externa (NICOLOSO et al., 1999). A ocorrência de resultados superiores quanto ao número de raízes em estacas apicais também pode ser constatado por Salomão et al. (2002) em estacas de Passiflora alata (Dryand.), onde as da posição apical apresentaram resultados significativamente superiores às estacas medianas e basais. O mesmo pode ser observado para estacas apicais de Lippia sidoides Cham., sendo estas consideradas mais apropriadas para a estaquia da espécie, apresentando maior número de raízes que as estacas da porção mediana do ramo (OLIVEIRA et al. 2008). Em Pfaffia glomerata (Spreng.) a resposta das estacas medianas e basais quanto ao número de raízes e de folhas foi superior às estacas da porção apical (NICOLOSO et al., 1999). Este resultado corrobora com o obtido por estacas medianas e basais de A. brasiliana, onde ambas com o acréscimo de AIB e MS 0% formaram as maiores médias de número de folhas com 13,12 e 13,66 folhas respectivamente, sendo que a mediana com MS 0% diferiu significativamente da mediana com MS 20% (Tabela 3). Tabela 3: Efeito do tipo de estaca Apical (1), Mediana (2) e Basal (3) e concentração de AIB (0,0 e 2,5 mg.l -1 ) em substrato MS (Murashige e Skoog, 1962), (0 e 20%), no comprimento total do sistema radicular (CTSR), número de raízes (NR) e número de folhas (NF) de A. brasiliana. Santa Maria, RS, CTSR NR NF Substrato MS (%) Tipo de estaca + AIB (mg.l -1 ) Estaca 1 + AIB 0, a 2.52 b a 7.29 a 5.16 a 4.87 a Estaca 1 + AIB 2, a 3.64 a b a 4.62 a 4.00 a Estaca 2 + AIB 0, a 8.31 a a a 9.75 a a Estaca 2 + AIB 2, a 4.41 a a a a 7.25 b Estaca 3 + AIB 0, a 6.77 a a a 9.95 a 9.12 a Estaca 3 + AIB 2, a 6.91 a a a a 9.33 a Médias seguidas pela mesma letra na linha não diferem entre si pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. A presença de folhas nas estacas possivelmente influenciou no enraizamento facilitando o processo, sendo que estas podem auxiliar na formação de raízes adventícias com a translocação das auxinas produzidas nas folhas e gemas para a parte inferior da 5

6 estaca, estas se concentram na base do corte juntamente com os açucares, compostos nutricionais e fitohormonais auxiliando no enraizamento das estacas (NANDA et al., 1971; JANICK, 1996; ASSIS & TEIXEIRA, 1998). Conforme a Tabela 2 estacas medianas com substrato MS 20% e basais com MS 0% sem o acréscimo de AIB apresentaram média acima de 8,3 cm no comprimento da maior raiz, resposta significativamente superior às estacas com a adição de AIB 2,5 mg. L -1. As estacas apicais também apresentaram maior média no comprimento da maior raiz utilizando MS 0% sem o acréscimo de AIB. Esta variável influencia diretamente na capacidade de absorção de água e de nutrientes (Salomão et al., 2002), portanto, estacas com sistema radicular bem desenvolvido devem formar mudas mais vigorosas e, possivelmente, em menor tempo. Os resultados deste trabalho comprovam o potencial da estaquia como método de propagação vegetativa para A. brasiliana, considerando os altos índices no número de raízes, comprimento total do sistema radicular e número de folhas emitidas em todos os tratamentos, propõe-se que as estacas medianas e basais sejam as mais adequadas para a estaquia desta espécie, devido ao baixo custo que demanda a técnica, fazendo-se desnecessário o uso de meio nutritivo e reguladores de crescimento. 4. CONCLUSÃO É desnecessário o uso de fitorregulador AIB e meio nutritivo MS para a indução do enraizamento das estacas medianas e basais de Alternanthera brasiliana. A estaquia de ramos é um método adequado para a propagação vegetativa de A. brasiliana, sendo as estacas provenientes da porção mediana e basal as mais apropriadas para a obtenção de mudas de baixo custo. REFERÊNCIAS ASSIS, T.A.; TEIXEIRA, S.L. Enraizamento de plantas lenhosas. In: TORRES, A.C.; CALDAS, L.S.; BUSO, J.A. Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. Brasília: EMBRAPA, v.1, p , BLAZICH, F. A. Chemicals and formulations used to promote adventitious rooting. In: DAVIS, T.D.; HAISSIG, B. E.; SANKLHA, N. Adventitious rooting formation in cuttings. Portland: Dioscorides Press, 1988, p BROCHADO, C. O. et al. Flavonol Robinobiosides and Rutinosides from Alternanthera brasiliana (Amaranthaceae) and their effects on lymphocyte proliferation in vitro. Journal of the Brazilian Chemical Society, Campinas, v. 14, n. 3, p ,

7 EMBRAPA, SOC: Ambiente de software NTIA, versão 4,2,2: Manual do usuário ferramental estatístico, Campinas, p. FACHINELLO, J.C., HOFFMAN, A., NACHTIGAL, J.C., et al. Propagação de plantas frutíferas de clima temperado. Pelotas: Editora e Gráfica UFPEL, p. JANICK, J. A Ciência da Horticultura. Rio de Janeiro: F Bastos, 1996, 485 p. LORENZI, H.; MATOS, F.J. Plantas Medicinais: Nativas e Exóticas. 2. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, p. MORS,W.B.; RIZZINI, C.T.; PEREIRA, N. A. Medicinal Plants of Brazil. Reference Publications, Inc. Algonac, Michigan, MACEDO A. F. et al. Pharmacological and phytochemical studies of callus culture extracts from Alternanthera brasiliana. Pharmazie. v. 54, p , MURASHIGE, T.; SKOOG, F. A revised medium for rapid growth and bioassays with tobacco cultures. Physiologia Plantarum, Copenhagen, v.15, p , NANDA, K. K.; JAIN, M. K.; MALHOTRA, S. Effects of glucose and auxins in rooting etiolated stem segments of Populus nigra. Physiology Plantarum, v. 24, p , NICOLOSO, F. T.; FORTUNATO, R. P.; FOGAÇA, M. A. F. Influência da posição da estaca no ramo sobre o enraizamento de Pfaffia glomerata (Spreng.) Pedersen em dois substratos. Ciência Rural, Santa Maria, v. 29, n. 2, p , OLIVEIRA, G. L. et al. Enraizamento de estacas de Lippia sidoides Cham. utilizando diferentes tipos de estacas, substratos e concentrações do ácido indolbutírico. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v.10, n.4, p.12-17, PASQUAL, M.; CHALFUN, N. N. J.; RAMOS, J. D.; VALE, M. R. do; SILVA, C. R. de. R. e. Fruticultura comercial: propagação de plantas frutíferas. Lavras: UFLA/FAEPE, p. SALOMÃO, L. C. C.; PEREIRA, W. E.; DUARTE, R. C.C; SIQUEIRA, D. L. Propagação por estaquia dos maracujazeiros doce (Passiflora alata Dryand.) e amarelo (P. edulis f. flavicarpa O. Deg.). Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal- SP, v. 24, n. 1, p ,

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Propagação Vegetativa de Piper hispidum Sw.

Leia mais

20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação da Embrapa Amazônia Oriental ANAIS. 21 a 23 de setembro

20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação da Embrapa Amazônia Oriental ANAIS. 21 a 23 de setembro 20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação ANAIS 21 a 23 de setembro 2016 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA DE ESTACAS DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM SUBSTRATOS COM DIFERENTES DOSES DE AIB PLANTADAS EM TUBETE

SOBREVIVÊNCIA DE ESTACAS DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM SUBSTRATOS COM DIFERENTES DOSES DE AIB PLANTADAS EM TUBETE 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG SOBREVIVÊNCIA DE ESTACAS DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM SUBSTRATOS COM DIFERENTES

Leia mais

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB Rafaelle da Silva Soares 1 ; Leonardo Cury da Silva 2 ; Paulo

Leia mais

INDUÇÃO DE RAÍZES EM ESTACAS DO ALGODOEIRO ARBÓREO EM CONDIÇÕES EX VITRO

INDUÇÃO DE RAÍZES EM ESTACAS DO ALGODOEIRO ARBÓREO EM CONDIÇÕES EX VITRO INDUÇÃO DE RAÍZES EM ESTACAS DO ALGODOEIRO ARBÓREO EM CONDIÇÕES EX VITRO Julita Maria Frota Chagas Carvalho (Embrapa Algodão / julita@cnpa.embrapa.br), Francisco Pereira de Andrade (Embrapa Algodão), Cristiane

Leia mais

Indução e crescimento de calos em explantes foliares de hortelã-docampo

Indução e crescimento de calos em explantes foliares de hortelã-docampo Indução e crescimento de calos em explantes foliares de hortelã-docampo Priscila P. Botrel ; Juliana F. Sales,2 ; José E. B. P. Pinto ; Fabiano G. Silva,3 ; Vivian E. Nascimento ; Suzan K. V. Bertolucci.

Leia mais

Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB Mariana Almeida Franca. Curitiba: f. il.

Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB Mariana Almeida Franca. Curitiba: f. il. F814 Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB966928. Mariana Almeida Franca. Curitiba: 2016. 64 f. il. Orientador: João Carlos Bespalhok Filho Dissertação (Mestrado) Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ESTACAS DE DRACENA EM DIFERENTES AMBIENTES COM E SEM HORMÔNIO AIB

AVALIAÇÃO DE ESTACAS DE DRACENA EM DIFERENTES AMBIENTES COM E SEM HORMÔNIO AIB AVALIAÇÃO DE ESTACAS DE DRACENA EM DIFERENTES AMBIENTES COM E SEM HORMÔNIO AIB Bruno F. VIEIRA 1 ; Felipe LONARDONI 2 ; Marcell T. M. da SILVA 3 ; José M. F. CAMILO 4 ; Ariana V. SILVA 5 ; Juliano F. RANGEL

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO E ACLIMATAÇÃO DE PLÂNTULAS DE MORANGUEIRO. Palavras chaves: Micropropagação. Isolamento de meristema. Explante. Mudas sadias.

MICROPROPAGAÇÃO E ACLIMATAÇÃO DE PLÂNTULAS DE MORANGUEIRO. Palavras chaves: Micropropagação. Isolamento de meristema. Explante. Mudas sadias. MICROPROPAGAÇÃO E ACLIMATAÇÃO DE PLÂNTULAS DE MORANGUEIRO Tamires Oviedo 1, Fabiana Raquel Mühl 2, Neuri Antonio Feldmann 3, Anderson Rhoden 3 Palavras chaves: Micropropagação. Isolamento de meristema.

Leia mais

Analista da Embrapa Mandioca e Fruticultura, Caixa Postal 007, , Cruz das Almas, BA. 2

Analista da Embrapa Mandioca e Fruticultura, Caixa Postal 007, , Cruz das Almas, BA.   2 ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE UM ACESSO DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) EM RELAÇÃO A DOIS TIPOS DE MEIO DE CULTURA E DOSES DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL COMERCIAL Karen Cristina Fialho dos Santos 1, Antônio

Leia mais

Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas

Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas Magda Araújo Brito 1 ; Valéria Gomes Momenté²; Ildon Rodrigues do Nascimento 3 1 Aluna do Curso de Engenharia de

Leia mais

INFLUÊNCIA DO MEIO DE CULTURA E DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL NA MICROPROPAGAÇÃO DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz)

INFLUÊNCIA DO MEIO DE CULTURA E DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL NA MICROPROPAGAÇÃO DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) INFLUÊNCIA DO MEIO DE CULTURA E DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL NA MICROPROPAGAÇÃO DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) Mariane de Jesus da Silva de Carvalho 1, Antônio da Silva Souza 2, Mariana Conceição

Leia mais

INFLUÊNCIA DA DESINFESTAÇÃO E MEIO DE CULTURA NA GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO IN VITRO DE Prosopis affinis Sprenger 1

INFLUÊNCIA DA DESINFESTAÇÃO E MEIO DE CULTURA NA GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO IN VITRO DE Prosopis affinis Sprenger 1 INFLUÊNCIA DA DESINFESTAÇÃO E MEIO DE CULTURA NA GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO IN VITRO DE Prosopis affinis Sprenger 1 ROCHA, Bruna Nery 2 ; LÖBLER, Lisiane 2 ; MARTINS, Carlos Roberto 3 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

Comunicado 133 Técnico ISSN Dezembro, 2005 Pelotas, RS

Comunicado 133 Técnico ISSN Dezembro, 2005 Pelotas, RS Comunicado 33 Técnico ISSN 506-985 Dezembro, 2005 Pelotas, RS Enraizamento de estacas de mirtilo provenientes de ramos lenhosos. Ângela Diniz Campos, Luis Eduardo Corrêa Antunes; Alexandre Couto Rodrigues2;

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO

Leia mais

ANÁLISE DO TECIDO VEGETAL DO PINHÃO MANSO, SUBMETIDOS A FONTES E DOSES DE FERTILIZANTES

ANÁLISE DO TECIDO VEGETAL DO PINHÃO MANSO, SUBMETIDOS A FONTES E DOSES DE FERTILIZANTES ANÁLISE DO TECIDO VEGETAL DO PINHÃO MANSO, SUBMETIDOS A FONTES E DOSES DE FERTILIZANTES Andréia de Sousa Guimarães 1, Napoleão Esberard de Macedo Beltrão 2 1 UFPB, asgbio@yahoo.com.br, 2 Embrapa Algodão,

Leia mais

TOLERÂNCIA DE CULTIVARES DE MAMONEIRA À TOXICIDADE DE ALUMÍNIO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA.

TOLERÂNCIA DE CULTIVARES DE MAMONEIRA À TOXICIDADE DE ALUMÍNIO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA. TOLERÂNCIA DE CULTIVARES DE MAMONEIRA À TOXICIDADE DE ALUMÍNIO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Adriana Rodrigues Passos 1, Simone Alves Silva 1, Fernando Irajá Félix de Carvalho 2, Irineu Hartwig 2, Maraísa Crestani

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA Propagação vegetativa em espécies florestais: Enxertia Estaquia Microestaquia Enxertia União de partes de uma planta em outra, de forma que as duas partes de plantas diferentes passem

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA REMOÇÃO DA MUCILAGEM DE SEMENTES DE TOMATE (Lycopersicon esculentum, MILL.)

AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA REMOÇÃO DA MUCILAGEM DE SEMENTES DE TOMATE (Lycopersicon esculentum, MILL.) AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA REMOÇÃO DA MUCILAGEM DE SEMENTES DE TOMATE (Lycopersicon esculentum, MILL.) Washigton Cézar de ANDRADE (1), Fabio TEZORI (1), Edson Pereira GUIA (1), Ediane Abadia SILVA (1),

Leia mais

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MÉTODOS DE SEMEADURA PARA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CORIANDRUM SATIVUM L.

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MÉTODOS DE SEMEADURA PARA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CORIANDRUM SATIVUM L. INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MÉTODOS DE SEMEADURA PARA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CORIANDRUM SATIVUM L. Elisiane Martins de Lima 1 ; Milena Maria 2 ; Cosmo Rufino de Lima 3 ; Pablo Radamés Cabral

Leia mais

Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS.

Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS. Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS. Mateus Cassol Tagliani 1, Katia Christina Zuffellato-Ribas 2 RESUMO: Biodiesel é

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

MUDAS DE JATOBÁ-DO-CERRADO EM DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATOS COM DOSES DE COMPOSTO ORGÂNICO COMERCIAL

MUDAS DE JATOBÁ-DO-CERRADO EM DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATOS COM DOSES DE COMPOSTO ORGÂNICO COMERCIAL MUDAS DE JATOBÁ-DO-CERRADO EM DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATOS COM DOSES DE COMPOSTO ORGÂNICO COMERCIAL Evandro Michel Valero Nardelli 1, Edílson Costa 2 1 Estudante do curso de agronomia, Bolsista PIBIC,

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB)

PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB) ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO

Leia mais

Origem da estaca, recipiente e composição do substrato na produção de mudas de carqueja [Baccharis trimera (Less.) DC.]

Origem da estaca, recipiente e composição do substrato na produção de mudas de carqueja [Baccharis trimera (Less.) DC.] Origem da estaca, recipiente e composição do substrato na produção de mudas de carqueja [Baccharis trimera (Less.) DC.] 97 BORGES SILVA, A.L.; MURAKAMI, D.M.*; BIZÃO, N. Departamento de Ciências Biológicas

Leia mais

EFEITO DE NÍVEIS DE RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA SOBRE A PRODUÇÃO DE CUMARINA EM GUACO (Mikania glomerata Spreng.)

EFEITO DE NÍVEIS DE RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA SOBRE A PRODUÇÃO DE CUMARINA EM GUACO (Mikania glomerata Spreng.) EFEITO DE NÍVEIS DE RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA SOBRE A PRODUÇÃO DE CUMARINA EM GUACO (Mikania glomerata Spreng.) Autores : Thuany ROCHA (1), Leandro Marcolino VIEIRA (1), Vagner Antônio FERREIRA (2), Cristiano

Leia mais

ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS CORRIGIDOS COM GESSO

ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS CORRIGIDOS COM GESSO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO DISCIPLINA: SEMINÁRIO II PROFº: MARIO DE ANDRADE LIRA JR. Ciência do Solo ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS

Leia mais

AÇÃO DA DESINFESTAÇÃO DE SUBSTRATOS COMERCIAIS SOBRE A EMERGÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE PORTA-ENXERTOS CÍTRICOS INTRODUÇÃO

AÇÃO DA DESINFESTAÇÃO DE SUBSTRATOS COMERCIAIS SOBRE A EMERGÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE PORTA-ENXERTOS CÍTRICOS INTRODUÇÃO 1 AÇÃO DA DESINFESTAÇÃO DE SUBSTRATOS COMERCIAIS SOBRE A EMERGÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE PORTA-ENXERTOS CÍTRICOS SANDRA RIETH 1, WAGNER SOARES², MARINA BACK 3, GIL VICENTE LOUROSA 3, PAULO VITOR DUTRA

Leia mais

Termos para indexação: maracujá-suspiro, Passiflora nitida, casca, propriedades funcionais

Termos para indexação: maracujá-suspiro, Passiflora nitida, casca, propriedades funcionais CARACTERIZAÇÃO DE MACRO E MICRO NUTRIENTES EM CASCAS DE FRUTOS DE MARACUJÁ-SUSPIRO (Passiflora nitida KUNTH.) André Lorena de Barros Santos 1,2, Fábio Gelape Faleiro 1, Ana Maria Costa 1, Angélica Vieira

Leia mais

EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.)

EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) Reynaldo de Mello Torres Docente da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal de Garça SP. Dagoberto

Leia mais

Palavras-chave: Integração Lavoura-pecuária; Desenvolvimento Forrageiro; Ccrescimento de Plantas. 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Integração Lavoura-pecuária; Desenvolvimento Forrageiro; Ccrescimento de Plantas. 1. INTRODUÇÃO HORMÔNIOS REGULADORES DE CRESCIMENTO E SEUS EFEITOS SOBRE OS PARÂMETROS MORFOLÓGICOS DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS 1 PELISSARI, G 2.; CARVALHO, I. R 2. SILVA, A. D. B 2.; FOLLMANN, D. N 2.; LESCHEWITZ, R 2

Leia mais

COMBINAÇÃO DE CASCA E TORTA DE MAMONA COMO ADUBO ORGÂNICO PARA A MAMONEIRA

COMBINAÇÃO DE CASCA E TORTA DE MAMONA COMO ADUBO ORGÂNICO PARA A MAMONEIRA COMBINAÇÃO DE CASCA E TORTA DE MAMONA COMO ADUBO ORGÂNICO PARA A MAMONEIRA Rosiane de Lourdes Silva de Lima 1, Liv Soares Severino 2, Ligia Rodrigues Sampaio 3 Maria Aline de Oliveira Freire 4, Valdinei

Leia mais

Influência do substrato e do recipiente no desenvolvimento de mudas de maracujá-amarelo (Passsiflora edulis Sims f.flavicarpa O. Deg.).

Influência do substrato e do recipiente no desenvolvimento de mudas de maracujá-amarelo (Passsiflora edulis Sims f.flavicarpa O. Deg.). Influência do substrato e do recipiente no desenvolvimento de mudas de maracujá-amarelo (Passsiflora edulis Sims f.flavicarpa O. Deg.). Maria Clarete Cardoso Ribeiro¹, Marcos Jerônimo Araújo de Morais¹,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

Hortic. bras., v. 30, n. 2, (Suplemento - CD Rom), julho 2012 S 6023

Hortic. bras., v. 30, n. 2, (Suplemento - CD Rom), julho 2012 S 6023 Produção de mudas de marmeleiro em função do tipo, concentração e tempo de exposição em auxina Ana Valéria Vieira de Souza 1 ; Nerimar Guimarães Barbosa da Silva 1 ; Fabiana Pereira da Silva; Danilo Diego

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Fisiologia Vegetal 1. Conceito: Ramo da botânica destinado a estudar as funções vitais das plantas. Absorção; Transpiração; Condução; Fotossíntese; Fotoperíodos;

Leia mais

CEP: Acadêmico do Curso de Agronomia, Unochapecó, Av. Senador Atílio Fontana, 591 E, Caixa Postal: 1141,

CEP: Acadêmico do Curso de Agronomia, Unochapecó, Av. Senador Atílio Fontana, 591 E, Caixa Postal: 1141, INFLUÊNCIA DE DIFERENTES FITOHORMÔNIOS (AIA, AIB E AUXINA NATURAL) SOBRE O ENRAIZAMENTO DE MINIESTACAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) Camilla Weber Langhinotti 2, Cristiano Reschke

Leia mais

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo PRANDO, A.M. 1 ; ZUCARELI, C. 1 ; FRONZA, V. 2 ; BASSOI, M.C. 2 ; OLIVEIRA, F.A. 2 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Vigor de Plântulas de Milho Submetidas ao Tratamento de Sementes com Produto Enraizador

Vigor de Plântulas de Milho Submetidas ao Tratamento de Sementes com Produto Enraizador Vigor de Plântulas de Milho Submetidas ao Tratamento de Sementes com Produto Enraizador RODRIGO B. SANTOS¹, ISABEL C. VINHAL-FREITAS 2, DIEGO A. F. FRANCO 3, CARLA V. FERREIRA 4 e HELVIO C. VIEIRA JUNIOR

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Piptadenia moniliformis BENTH.

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Piptadenia moniliformis BENTH. GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Piptadenia moniliformis BENTH. Laielle Lisboa da Silva (1) ; Alécio Martins Pereira da Silva (2). Estudante; UFPI/Universidade Federal do Piauí; laielle1@hotmail.com; (1) Estudante;

Leia mais

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1 140 CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1 JULIANE DOSSI SALUM 2, CLAUDEMIR ZUCARELI 3, EDUARDO GAZOLA 4, JOÃO

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ÁCIDO INDOL-3-BUTÍRICO NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLANTAS DE CONFREI (Symphytum officinale L.) 1

INFLUÊNCIA DO ÁCIDO INDOL-3-BUTÍRICO NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLANTAS DE CONFREI (Symphytum officinale L.) 1 INFLUÊNCIA DO ÁCIDO INDOL-3-BUTÍRICO NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLANTAS DE CONFREI (Symphytum officinale L.) 1 RESUMO - Com o objetivo de avaliar a influência do ácido indol-3-butírico (AIB) no crescimento

Leia mais

TÍTULO: BIOESTIMULANTES APLICADOS VIA FOLIAR EM CAFEEIROS COFFEA ARABICA EM PRODUÇÃO EM MINAS GERAIS

TÍTULO: BIOESTIMULANTES APLICADOS VIA FOLIAR EM CAFEEIROS COFFEA ARABICA EM PRODUÇÃO EM MINAS GERAIS TÍTULO: BIOESTIMULANTES APLICADOS VIA FOLIAR EM CAFEEIROS COFFEA ARABICA EM PRODUÇÃO EM MINAS GERAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Diagnose Foliar na Cultura do Maracujazeiro e do Abacaxizeiro

Diagnose Foliar na Cultura do Maracujazeiro e do Abacaxizeiro Diagnose Foliar na Cultura do Maracujazeiro e do Abacaxizeiro Prof. Almy Junior Cordeiro de Carvalho Profª Marta Simone Mendonça Freitas Prof. Pedro Henrique Monnerat Abril - 2012 APRESENTAÇÃO Sociedade

Leia mais

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 13-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Biasi, Luiz Antônio; Costa, Giampalolo Propagação vegetativa de Lippia alba Ciência Rural, vol. 33, núm.

Leia mais

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO Daniela GOETEN 1, Joacir do NASCIMENTO 2, Oscar Emilio Ludtke HARTHMANN 3 1 Acadêmica do curso de Agronomia

Leia mais

EFEITO DOS DIFERENTES TIPOS DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE LACTUCA SATIVA RESUMO

EFEITO DOS DIFERENTES TIPOS DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE LACTUCA SATIVA RESUMO Mostra Nacional de Iniciação Científica e Tecnológica Interdisciplinar II MICTI Camboriú, SC, 17, 18 e 19 de outubro de 2007. EFEITO DOS DIFERENTES TIPOS DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE LACTUCA SATIVA

Leia mais

Protocolo de Micropropagação de Cana-de-açúcar

Protocolo de Micropropagação de Cana-de-açúcar ISSN 1516-8832 Protocolo de Micropropagação de Cana-de-açúcar 128 Introdução A cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.) tem grande importância econômica na agricultura no Brasil e, mais recentemente,

Leia mais

QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA *

QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA * QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA * Tarcísio Marcos de Souza Gondim 1, Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva

Leia mais

EXTRATO DE TIRIRICA NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA COLETADAS NO INVERNO RESUMO

EXTRATO DE TIRIRICA NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA COLETADAS NO INVERNO RESUMO 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG EXTRATO DE TIRIRICA NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA COLETADAS NO INVERNO

Leia mais

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS 74 CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS Gilmar Silvério da Rocha (1), Rogério Faria Vieira (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Alexandre Cunha de Barcellos

Leia mais

Desenvolvimento in vitro de Ocimum selloi

Desenvolvimento in vitro de Ocimum selloi Desenvolvimento in vitro de Ocimum selloi em diferentes variações do meio de cultivo MS Lucila Elizabeth Fragoso Monfort 1 ; Ivan Caldeira Almeida Alvarenga 1 ; Carolina Mariane Moreira 1 ; José Eduardo

Leia mais

Produção de Mudas de Umburana-de-Cheiro em Diferentes Recipientes e Substratos

Produção de Mudas de Umburana-de-Cheiro em Diferentes Recipientes e Substratos Produção de Mudas de Umburana-de-Cheiro em Diferentes Recipientes e Substratos Production of Umburana-de- Cheiro in Different Containers and Substrates Danilo Diego de Souza 1, Nerimar Barbosa Guimarães

Leia mais

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM*

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* SILVEIRA, A.L. 1 ; SANTANA, M.J. ; BARRETO, A.C. ; VIEIRA, T.A. 3 * Projeto com apoio da FAPEMIG. 1 Estudante Agronomia

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO. Título do Trabalho: Doses de adubos para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO. Título do Trabalho: Doses de adubos para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO Título do Trabalho: Doses de adubos para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Autor (es): Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira, Laurenia Oliveria Pessoni,

Leia mais

TEOR E EXTRAÇÃO DE NPK EM DOIS GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA SOLTEIRO E CONSORCIADO COM BRAQUIÁRIA

TEOR E EXTRAÇÃO DE NPK EM DOIS GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA SOLTEIRO E CONSORCIADO COM BRAQUIÁRIA TEOR E EXTRAÇÃO DE NPK EM DOIS GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA SOLTEIRO E CONSORCIADO COM BRAQUIÁRIA Adriano dos Santos (1), Neriane de Souza Padilha (2), Valdecir Batista Alves (3), Gessí Ceccon (4) Introdução

Leia mais

TEORES DE AMIDO EM GENÓTIPOS DE BATATA-DOCE EM FUNÇÃO DA ADUBAÇÃO POTÁSSICA

TEORES DE AMIDO EM GENÓTIPOS DE BATATA-DOCE EM FUNÇÃO DA ADUBAÇÃO POTÁSSICA TEORES DE AMIDO EM GENÓTIPOS DE BATATA-DOCE EM FUNÇÃO DA ADUBAÇÃO POTÁSSICA Flávio Coelho Mendes 1 ; Priscila Fonseca Costa 1 ; Tânia Irres Lima de Sousa 1 ; Rodrigo de Castro Tavares 2 1 Aluno (a) do

Leia mais

Palavras-chave: germoplasma, recursos genéticos, variabilidade genética

Palavras-chave: germoplasma, recursos genéticos, variabilidade genética COMPARAÇÃO DE SEIS MÉTODOS DE EXTRAÇÃO DE DNA GENÔMICO EM BABAÇU Resumo: O babaçu (Orbignya phalerata Mart.) é uma das palmeiras mais importantes do Brasil. Estudar a variabilidade disponível em populações

Leia mais

USO DO HIDROGEL EM CULTIVO DE PLANTAS IN VITRO DE BROMÉLIAS E ORQUÍDEAS.

USO DO HIDROGEL EM CULTIVO DE PLANTAS IN VITRO DE BROMÉLIAS E ORQUÍDEAS. USO DO HIDROGEL EM CULTIVO DE PLANTAS IN VITRO DE BROMÉLIAS E ORQUÍDEAS. Cíntia Vidigal 1, João Pedro Braga 2, Karen Onga 3, Lara Furtado 4, Marília Souza 5 1, 2, 3, 4, 5 Instituto Federal de Educação,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E QUANTIDADE DE NUTRIENTES EM FRUTOS DE MARACUJÁ DOCE 1

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E QUANTIDADE DE NUTRIENTES EM FRUTOS DE MARACUJÁ DOCE 1 690 CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E QUANTIDADE DE NUTRIENTES EM FRUTOS DE MARACUJÁ DOCE 1 MARCO ANTONIO DA SILVA VASCONCELLOS 2, EDSON TADASHI SAVAZAKI 2, HÉLIO GRASSI FILHO 3, RUBENS NEI BRIANÇON BUSQUET 4, JOSÉ

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL EM OITO GENÓTIPOS DE CAJUEIRO ANÃO PRECOCE

ESTADO NUTRICIONAL EM OITO GENÓTIPOS DE CAJUEIRO ANÃO PRECOCE ESTADO NUTRICIONAL EM OITO GENÓTIPOS DE CAJUEIRO ANÃO PRECOCE Robson Assunção Cavalcante¹; Márcio Cléber de Medeiros Correa²; João Rodrigues de Paiva³; Afrânio Arley Telles Montenegro 4 ; Júnior Regis

Leia mais

EFEITO DA APLICAÇÃO DE GLYPHOSATE EM MUDAS DE CAJU ANÃO PRECOCE NO SUL DO ESTADO DO TOCANTINS

EFEITO DA APLICAÇÃO DE GLYPHOSATE EM MUDAS DE CAJU ANÃO PRECOCE NO SUL DO ESTADO DO TOCANTINS EFEITO DA APLICAÇÃO DE GLYPHOSATE EM MUDAS DE CAJU ANÃO PRECOCE NO SUL DO ESTADO DO TOCANTINS Arnaldo César Oliveira Assis 1 ; Susana Cristine Siebeneichler 2 ; Rogério Lorençoni³. 1 Aluno do Curso de

Leia mais

CAMPUS DE BOTUCATU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - HORTICULTURA PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA

CAMPUS DE BOTUCATU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - HORTICULTURA PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - HORTICULTURA PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DISCIPLINA: Produção de Plantas Ornamentais CURSO: Mestrado ( X ) Doutorado ( X ) DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL:

Leia mais

EFEITO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO SOBRE A GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DO ALGODOEIRO

EFEITO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO SOBRE A GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DO ALGODOEIRO EFEITO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO SOBRE A GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DO ALGODOEIRO Celma Lidiane Diogo de Lima 1, Virgínea de Araújo Farias 1, Liv Soares Severino 2, Napoleão Esberard de Macêdo

Leia mais

ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA 1

ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA 1 ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA 1 Andrei de Souza da Silva 2 ; José Ricken Neto 3 ; Vanderson Mondolon Duart 4 ; Fernando José

Leia mais

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Atualmente, pode-se dizer que um dos aspectos mais importantes no manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho refere-se à época de aplicação e

Leia mais

CRESCIMENTO DE CLONES DE

CRESCIMENTO DE CLONES DE CRESCIMENTO DE CLONES DE Eucalyptus EM FUNÇÃO DA DOSE E FONTE DE BORO UTILIZADA Parceria RR Agroflorestal e VM Claudemir Buona 1 ; Ronaldo Luiz Vaz de A. Silveira 1 ; Hélder Bolognani 2 e Maurício Manoel

Leia mais

Germinação de híbridos de melancia triploide submetidos a procedimentos pré-germinativos

Germinação de híbridos de melancia triploide submetidos a procedimentos pré-germinativos 125 Germinação de híbridos de melancia triploide submetidos a procedimentos... Germinação de híbridos de melancia triploide submetidos a procedimentos pré-germinativos Germination of watermelon triploid

Leia mais

PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE

PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE Carla M. de MORAES 1

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS Gislaine Paganucci Alves¹; Cinthia Eyng²; Valdiney Cambuy Siqueira²; Rodrigo

Leia mais

Nutrição, Adubação e Calagem

Nutrição, Adubação e Calagem Nutrição, Adubação e Calagem Importância da nutrição mineral Embora o eucalipto tenha rápido crescimento, este é muito variável. Os principais fatores que interferem no crescimento estão relacionados com

Leia mais

EMISSÃO DE GEMAS EM DIFERENTES COMPRIMENTOS DE ESTACAS DE ROSEIRA E HIBISCO EM FUNÇÃO DA ATIVIDADE HORMONAL DO EXTRATO DE TIRIRICA

EMISSÃO DE GEMAS EM DIFERENTES COMPRIMENTOS DE ESTACAS DE ROSEIRA E HIBISCO EM FUNÇÃO DA ATIVIDADE HORMONAL DO EXTRATO DE TIRIRICA EMISSÃO DE GEMAS EM DIFERENTES COMPRIMENTOS DE ESTACAS DE ROSEIRA E HIBISCO EM FUNÇÃO DA ATIVIDADE HORMONAL DO EXTRATO DE TIRIRICA Natalia Oliveira Silva 1, Maria Elisa de Sena Fernandes 2, Victor Hugo

Leia mais

EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA.

EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA. EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA Joab Josemar Vitor Ribeiro do Nascimento 1, Maria José Vieira Tavares 2, Liv Soares Severino 3, Valdinei Sofiatti 3 1UFCG,

Leia mais

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Hormonas vegetais Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Em resposta a factores externos, as plantas produzem mensageiros químicos, as hormonas vegetais

Leia mais

Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo

Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo Iara Cristina Santos Curvelo (1), Elka Fabiana Aparecida Almeida

Leia mais

PROPAGAÇÃO POR ESTAQUIA DOS MARACUJAZEIROS DOCE (Passiflora alata Dryand.) E AMARELO (P. edulis f. flavicarpa O. Deg.) 1

PROPAGAÇÃO POR ESTAQUIA DOS MARACUJAZEIROS DOCE (Passiflora alata Dryand.) E AMARELO (P. edulis f. flavicarpa O. Deg.) 1 163 (Passiflora alata Dryand.) E AMARELO (P. edulis f. flavicarpa O. Deg.) 1 LUIZ CARLOS CHAMHUM SALOMÃO 2, WALTER ESFRAIN PEREIRA 3, ROBERTA CRISTINA COTTA DUARTE 4, DALMO LOPES DE SIQUEIRA 2 RESUMO -

Leia mais

DESEMPENHO INICIAL DE SEMENTES DE MILHO TRATADAS COM BIORREGULADORES 1 RESUMO

DESEMPENHO INICIAL DE SEMENTES DE MILHO TRATADAS COM BIORREGULADORES 1 RESUMO DESEMPENHO INICIAL DE SEMENTES DE MILHO TRATADAS COM BIORREGULADORES 1 HUTH, Caroline 2 ; BECHE, Manoela 2 ; FUZZER, Fabricio Andrade 2 ; SEGALIN, Samantha Rigo 2 ; ZEN, Humberto Davi 2 ; BARBIERI, Ana

Leia mais

EFEITO DE MÉTODOS DE EXTRAÇÃO DO ARILO E EMBEBIÇÃO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Punica granatum

EFEITO DE MÉTODOS DE EXTRAÇÃO DO ARILO E EMBEBIÇÃO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Punica granatum EFEITO DE MÉTODOS DE EXTRAÇÃO DO ARILO E EMBEBIÇÃO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Punica granatum Larissa Vinis Correia (PIBICV), João Gabriel Prandini (UENP), Babara Saque (UENP), Gizele Spigolon Figueiredo

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE

PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE Antonio Flávio Arruda Ferreira 1 ; Edilson Costa 2 1 Estudante do Curso

Leia mais

ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS

ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS ESCOLA SECUNDÁRIA /3 GARCIA DE ORTA Utilização e organização dos laboratórios escolares Oficina de Formação ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS ANA LUÍSA SANTOS ÍNDICE pág. ÍNDICE 2 GUIÃO FORNECIDO

Leia mais

INFLUENCIA DO ENDOSPERMA NA CLASSIFICAÇÃO DE TRIGO À TOXIDEZ DE ALUMÍNIO 1

INFLUENCIA DO ENDOSPERMA NA CLASSIFICAÇÃO DE TRIGO À TOXIDEZ DE ALUMÍNIO 1 INFLUENCIA DO ENDOSPERMA NA CLASSIFICAÇÃO DE TRIGO À TOXIDEZ DE ALUMÍNIO 1 HILGERT, M. N. 2 ; SCHAICH, G. 3 ; GARLET, L. C. 2 ; NUNES, P. A. A. 2 ; SORIANI, H. H. 5 ; SAUSEN, D. 3 ; NEIS, F. A. 4 ; NICOLOSO,

Leia mais

AVALIAÇÃO FISICO-QUIMICA E MEDIDAS INSTRUMENTAIS DO DOCE DE CORTE DE GOIABA E MARACUJÁ

AVALIAÇÃO FISICO-QUIMICA E MEDIDAS INSTRUMENTAIS DO DOCE DE CORTE DE GOIABA E MARACUJÁ AVALIAÇÃO FISICO-QUIMICA E MEDIDAS INSTRUMENTAIS DO DOCE DE CORTE DE GOIABA E MARACUJÁ Rafaela Duarte Almeida Araújo 1 ; Renata Duarte Almeida 2 ; Anastácia Maria Mikaella Campos Nóbrega André 3 ; Ruth

Leia mais

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO E. D. ARAÚJO 1 ; A. M. A. AVILEZ 1 ; J. M. SANTOS 1 ; E. C. MANTOVANI 2 1 Estudante de Mestrado, Universidade Federal

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 465

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 465 Página 465 AVALIAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE ADUBOS ORGÂNICOS NO CULTIVO DA MAMONEIRA Dário Costa Primo (1) ; Kennedy N. de Jesus (1); Tácio O. da Silva (2) ; Leandro G. dos Santos (3), Karla M. M. Pedrosa

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE DEZ ACESSOS DE

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE DEZ ACESSOS DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE DEZ ACESSOS DE Passiflora nitida Kunth PROCEDENTES DO CENTRO-NORTE DO BRASIL Erivanda Carvalho Santos 1, Keize Pereira Junqueira 1, Nilton Tadeu Vilela Junqueira 1, Marcelo

Leia mais

Efeito da Aplicação de IBA no Enraizamento de Begônia.

Efeito da Aplicação de IBA no Enraizamento de Begônia. Efeito da Aplicação de IBA no Enraizamento de Begônia. Sérgio T. Fukasawa 1 ; Douglas V. A. Campos 1 ; Junichi F. Wada 1 ; Denise Laschi 1 1 UNESP - FCA - Departamento Produção Vegetal / Horticultura,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA

INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA Amanda Micheline Amador de Lucena 1, Liv Soares Severino 2, Valdinei Sofiatti 2, Maria Aline de

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR: COMPORTAMENTO DE VARIEDADES EM PIRACICABA, SP 0

CANA-DE-AÇÚCAR: COMPORTAMENTO DE VARIEDADES EM PIRACICABA, SP 0 CANA-DE-AÇÚCAR: COMPORTAMENTO DE VARIEDADES EM PIRACICABA, SP 0 VIRGINIO BOVIC 2,3 ), JOSÉ CIONE ( 2 ) e ANTÓNIO PEREIRA DE CAMARGO ( 2 ' 3 ) RESUMO Na Estação Experimental de Piracicaba, do Instituto

Leia mais

EFEITO DO SILICATO DE CÁLCIO USADO COMO FONTE DE SILÍCIO PARA A CULTURA DO ARROZ, COMPARADO AO CALCÁRIO. RESUMO

EFEITO DO SILICATO DE CÁLCIO USADO COMO FONTE DE SILÍCIO PARA A CULTURA DO ARROZ, COMPARADO AO CALCÁRIO. RESUMO EFEITO DO SILICATO DE CÁLCIO USADO COMO FONTE DE SILÍCIO PARA A CULTURA DO ARROZ, COMPARADO AO CALCÁRIO. Gisele Carneiro da Silva 1 ; Adilson Pelá 2,Camila Alves Rodrigues 3 ; Daline Benites Bottega 3

Leia mais

TEORES DE ÓLEOS ESSENCIAIS DE FOLHAS FRESCAS E SECAS EM DIFERENTES ESTADOS DE DIVISÃO DE CIDRÃO (Aloysia triphylla (L Hérit) Britton).

TEORES DE ÓLEOS ESSENCIAIS DE FOLHAS FRESCAS E SECAS EM DIFERENTES ESTADOS DE DIVISÃO DE CIDRÃO (Aloysia triphylla (L Hérit) Britton). TEORES DE ÓLEOS ESSENCIAIS DE FOLHAS FRESCAS E SECAS EM DIFERENTES ESTADOS DE DIVISÃO DE CIDRÃO (Aloysia triphylla (L Hérit) Britton). RENATA DA SILVA 1 ; JOSÉ EDUARDO BRASIL P. PINTO 2 ; SUZAN K. V. BERTOLUCCI

Leia mais

Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim).

Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim). Reprodução REPRODUÇÃO ASSEXUADA Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim). Essa planta se dissemina com muita rapidez, e isso é devido ao seu tipo de reprodução. A reprodução

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DO VASO E DA ÉPOCA DE CORTE DE PLANTAS DE TRIGO NO ESTUDO DA AÇÃO DOS NUTRIENTES N, P e K ( 1 )

EFEITO DO TAMANHO DO VASO E DA ÉPOCA DE CORTE DE PLANTAS DE TRIGO NO ESTUDO DA AÇÃO DOS NUTRIENTES N, P e K ( 1 ) EFEITO DO TAMANHO DO VASO E DA ÉPOCA DE CORTE DE PLANTAS DE TRIGO NO ESTUDO DA AÇÃO DOS NUTRIENTES N, P e K ( 1 ) HERMANO GARGANTINI e EDMIR SOARES (-), Seção de Fertilidade do Solo, Instituto Agronômico

Leia mais

Influência de diferentes métodos de remoção da sarcotesta na germinação e na aquisição de água em sementes de romã

Influência de diferentes métodos de remoção da sarcotesta na germinação e na aquisição de água em sementes de romã Influência de diferentes métodos de remoção da sarcotesta na germinação e na aquisição de água em sementes de romã Influence of different sarcotesta removal methods on the germination and the acquisition

Leia mais

DIFERENTES SUBSTRATOS, AMBIENTE E PRESENÇA DA GEMA APICAL NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE FIGUEIRA

DIFERENTES SUBSTRATOS, AMBIENTE E PRESENÇA DA GEMA APICAL NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE FIGUEIRA DIFERENTES SUBSTRATOS, AMBIENTE E PRESENÇA DA GEMA APICAL NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE FIGUEIRA DIFFERENTS SUBSTRATES, ENVIRONMENT AND THE PRESENCE OF APICAL BUD FOR ROOTING OF CUTTINGS FROM FIG TREE

Leia mais

Desinfestação de alecrim-pimenta utilizando hipoclorito de sódio.

Desinfestação de alecrim-pimenta utilizando hipoclorito de sódio. Desinfestação de alecrim-pimenta utilizando hipoclorito de sódio. Verônica F. Amancio 1 ; Aline B. de Mendonça 1 *; Maria de F. Arrigoni-Blank 1 ; Arie F. Blank 1 ; Ana da S. Ledo 2 ; Renato Innecco 3.

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS

BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS A pastagem vista como um ecossistema Crescimento de uma gramínea Crescimento de uma leguminosa Do que as plantas precisam para crescer? Fotossíntese Quanto

Leia mais

NOTA CIENTÍFICA ENRAIZAMENTO DE ESTACAS LENHOSAS DE PORTA-ENXERTOS DE VIDEIRA COM USO DE FERTILIZANTE ORGÂNICO

NOTA CIENTÍFICA ENRAIZAMENTO DE ESTACAS LENHOSAS DE PORTA-ENXERTOS DE VIDEIRA COM USO DE FERTILIZANTE ORGÂNICO NOTA CIENTÍFICA ENRAIZAMENTO DE ESTACAS LENHOSAS DE PORTA-ENXERTOS DE VIDEIRA COM USO DE FERTILIZANTE ORGÂNICO ROOTING OF GRAPEVINE ROOTSTOCK HARDWOOD CUTTINGS BY USING ORGANIC FERTILIZER Denise MONTEGUTI

Leia mais