SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DO PIAUÍ RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DO PIAUÍ RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 SUEST/PI SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DO PIAUÍ

2 SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DO PIAUÍ RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 MARÇO/2012 2

3 SUPERINTENDENCIA ESTADUAL DO PIAUÍ RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 Relatório de Gestão do exercício de 2011 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas ordinárias anual a que esta Unidade está obrigada nos termos do art. 70 da Constituição Federal, elaborado de acordo com as disposições da Instrução Normativa TCU nº 63/2010, da Decisão Normativa TCU nº 108/2010 e da Portaria TCU nº 123/2011 e das orientações do órgão de controle interno. Teresina (PI), março/2012 3

4 LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS RG Relatório de Gestão IN Instrução Normativa DN - Decisão Normativa TCU Tribunal de Contas da União CGU Controladoria Geral da União Port. - Portaria FUNASA Fundação Nacional de Saúde CORE-PI Coordenação Regional do Piauí SUEST-PI Superintendência Estadual do Piauí CASAI-PI Casa de Saúde Indígena do Piauí DIESP Divisão de Engenharia de Saúde Pública PAC Programa de Aceleração do Crescimento ASI Sistema Automatizado de Inventário SPIUNET Sistema de Gerenciamento dos Imóveis de Uso Especial da União COMPRASNET Portal de Compras do Governo Federal SUS Sistema Único de Saúde SVS Secretaria de Vigilância em Saúde SUCAM - Superintendência de Campanha de Saúde Pública FSESP - Fundação Serviços de Saúde Pública SNABS - Secretaria Nacional de Ações Básicas de Saúde DATAPREV - Empresa de Processamento de Dados da Previdência Social MS Ministério da Saúde SESAI - Secretaria Especial de Saúde Indígena Coresa/ Sul Consórcio Regional de Saneamento do Sul do Piauí Cgpla Coordenação Geral de Planejamento e Avaliação CGERH Coordenação Geral de Recursos Humanos UJ Unidade Jurisdicionada UO Unidade Orçamentária UGO Unidade Gestora Orçamentária SIORG Sistema de Informações Organizacionais do Governo Federal LOA Lei Orçamentária Anual SIAFI Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal DENSP Departamento de Engenharia de Saúde Pública RIDE Regiões Integradas de Desenvolvimento Econômico ASCOM Assessoria de Comunicação e Educação em Saúde PESMS Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social ONG Organização Não Governamental DESAI Departamento de Saúde Indígena DEADM Departamento de Administração PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico NICT Núcleo Intersetorial de Cooperação Técnica OCI Órgão de Controle Interno IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística TCE Tomada de Conta Especial Plamsus Sistema de Planejamento, Orçamento e Monitoramento do SUS Sigplan Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento EP Emenda Parlamentar 4

5 TC/PAC Termo de Compromisso do PAC SALOG Seção de Recursos Logísticos SOPAT Setor de Patrimônio SECON Serviço de Convênio SOTRA Setor de Transportes APPM Associação Piauiense de Municípios PLOA Projeto de Lei Orçamentária Anual PPA Plano Plurianual CNAE Classificação Nacional de Atividades Econômicas SIAPE Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos SIAPECAD - Sistema de Cadastro SICOTWEB Sistema de Informações para Controle de Transportes SIDOC Sistema Inteligente de Documento RA Recomendação de Auditoria DBR Declaração de Bens e Rendas SESAM Serviço de Saúde Ambiental DSEI Distrito Sanitário Indígena 5

6 LISTA DE QUADROS E GRÁFICOS TÍTULO PÁGINA QUADRO 1 DESEMPENHO DAS METAS DO PLANO OPERACIONAL 49 DE 2011 (AÇÕES E SUBAÇÕES) GRÁFICO 1 DESEMPENHO DA SUEST-PI EM 2011 POR METAS 50 PROGRAMADAS POR UNIDADE GESTORA DE EXECUÇÃO QUADRO A.1.1 Identificação da UJ Relatório de Gestão Individual 12 QUADRO A Identificação do Programa, Ação e Subação 17 QUADRO A.2.2 Resumo Execução Física das Subações 35 QUADRO A.2.3 Identificação das Unidades Orçamentárias 51 QUADRO A.2.7 Movimentação Orçamentária por Grupo de Despesa 51 QUADRO A.2.11 Despesas por Modalidade de Contratação dos Créditos 52 Recebidos por Movimentação QUADRO A.2.12 Despesas Correntes por Grupo e Elemento de Despesa dos 52 Créditos Recebidos por Movimentação QUADRO A.2.13 Despesas de Capital por Grupo e Elemento de Despesa dos 53 Créditos Recebidos por Movimentação QUADRO A.3.1 Reconhecimento de Passivos por Insuficiência de Créditos 59 ou Recursos QUADRO A.4.1 Situação dos Restos a Pagar de Exercícios Anteriores 59 QUADRO A.5.1 Força de Trabalho da UJ Situação Apurada em 31/12/ QUADRO A.5.2 Situações que Reduzem a Força de Trabalho da UJ 60 Situação em 31/12/2011 QUADRO A.5.3 Detalhamento da Estrutura de Cargos em Comissão e 61 Funções Gratificadas da UJ (Situação em 31/12/2011) QUADRO A.5.4 Quantidade de Servidores da UJ por Faixa Etária Situação 61 Apurada em 31/12/2011 QUADRO A.5.5 Quantidade de Servidores da UJ por Nível de Escolaridade 61 Situação Apurada em 31/12/2011 QUADRO A.5.6 Composição do Quadro de Servidores Inativos Situação 62 Apurada em 31/12/2011 QUADRO A.5.7 Composição do Quadro de Instituidores de Pensão 62 Situação Apurada em 31/12/2011 QUADRO A.5.8 Composição do Quadro de Estagiários 63 QUADRO A.5.9 Quadro de Custos de Pessoal no Exercício de Referência e 63 nos Dois Anteriores QUADRO A.5.9 Cargos e Atividades Inerentes a Categorias Funcionais do 64 Plano de Cargos da Unidade Jurisdicionada QUADRO A.5.10 Relação dos Empregados Terceirizados Substituídos em 64 Decorrência da Realização de Concurso Público ou de Provimento Adicional Autorizados QUADRO A.5.11 Autorizações para Realização de Concursos Públicos ou 64 Provimento Adicional para Substituição de Terceirizados QUADRO A.5.12 Contratos de Prestação de Serviços de Limpeza e Higiene e 64 Vigilância Ostensiva 6

7 QUADRO A.5.13 Contratos de Prestação de Serviços com Locação de Mão 65 de Obra QUADRO A.6.4 Resumo da Prestação de Contas sobre Transferências 68 Concedidas pela UJ na Modalidade de Convênio, Termo de Cooperação e de Contratos de Repasse QUADRO A.6.5 Visão Geral da Análise das Prestações de Contas de 69 Convênios e Contratos de Repasse QUADRO A.8.1 Demonstrativo do Cumprimento, por Autoridades e 72 Servidores da UJ, da Obrigação de Entregar a DBR QUADRO A.9.1 Estrutura de Controles Internos da UJ 73 QUADRO A.10.1 Gestão Ambiental e Licitações Sustentáveis 75 QUADRO A.11.1 Distribuição Espacial dos Bens Imóveis de Uso Especial de 77 Propriedade da União QUADRO A.11.2 Distribuição Espacial dos Bens Imóveis de Uso Especial 78 Locados de Terceiros QUADRO A.11.3 Discriminação dos Bens Imóveis de Propriedade da União 78 sob Responsabilidade da UJ QUADRO A.12.1 Gestão da Tecnologia da Informação da Unidade 80 Jurisdicionada QUADRO A.13.1 Despesa com Cartão de Crédito Corporativo por UG e por 82 Portador QUADRO A.13.2 Despesa com Cartão de Crédito Corporativo (Série 82 Histórica) QUADRO A.15.1 Cumprimento das Deliberações do TCU Atendidas no 83 Exercício QUADRO A.15.2 Situação das Deliberações do TCU que Permanecem 85 Pendentes de Atendimento no Exercício QUADRO A.15.3 Relatório de Cumprimento das Recomendações do OCI 86 QUADRO A.15.4 Situação das Recomendações do OCI que Permanecem 100 Pendentes de Atendimento no Exercício QUADRO A.16.1 Informações sobre recomendação da unidade de controle 102 interno ou de auditoria interna atendida no exercício QUADRO A.16.2 Informações sobre recomendação da unidade de auditoria 102 interna pendente de atendimento no final do exercício de referência QUADRO B.1.1 Declaração de que as Demonstrações Contábeis do 104 Exercício Refletem Corretamente a Situação Orçamentária, Financeira e Patrimonial da Unidade Jurisdicionada 7

8 APRESENTAÇÃO O Relatório de Gestão/2011 foi desenvolvido pela Assessoria Técnica e Gabinete da Suest-PI, com o objetivo de contribuir para a transparência de sua gestão junto aos órgãos de controle e à sociedade em geral. O documento foi preparado com base na legislação vigente, composta pela Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União - TCU nº 63/2010, pela Decisão Normativa TCU nº 108/2010 e Portaria do Tribunal de Contas da União TCU nº 123/2011. No âmbito desta Suest-PI, o Plano Operacional e o seu monitoramento são as principais ferramentas utilizadas para a elaboração do Relatório de Gestão, e as informações prestadas estão coerentes com o Balanço de Governo, elaborado pela Superintendência, servindo este último documento como subsídio para a construção do Relatório de Gestão. Na elaboração do presente documento, estão registradas as informações referentes a cada subação, adstrita à Superintendência, visto que as informações referentes às ações do Plano Plurianual , exercício 2011, são de responsabilidade da Presidência da Funasa. É importante esclarecer que este documento pode necessitar de ajustes, caso novas instruções sejam publicadas pelos órgãos de controle ou caso haja detectado alguma imprecisão ou falta de clareza nos dados anunciados. 8

9 SUMÁRIO Organograma Funcional 09 Introdução 10 Informações sobre a Identificação da Unidade Jurisdicionada Informações sobre Planejamento e Gestão Orçamentária e Financeira da Unidade Informações sobre Reconhecimento de Passivos por Insuficiência de Créditos ou Recursos Informações sobre Recursos Humanos da Unidade Informações sobre Transferências Declaração Referente a Contratos e Convênios Informações sobre Declarações de Bens e Renda Informações sobre o Funcionamento dos Sistemas de Controle Interno da UJ Informações quanto à Adoção de Critérios de Sustentabilidade Ambiental Informações sobre Gestão de Patrimônio Imobiliário Informações sobre Gestão de Tecnologia da Informação (TI) Informações sobre a Utilização de Cartões de Pagamento Informações sobre as Providências Adotadas para Atender as Deliberações Exaradas em Acórdãos do TCU Informações sobre o Tratamento das Recomendações Realizadas pela Unidade de Controle Interno Informações Contábeis da Gestão Conclusão Anexo 1 Anexo 2 Anexo 3 Anexo

10 ORGANOGRAMA FUNCIONAL 10

11 INTRODUÇÃO A Fundação Nacional de Saúde (FUNASA) é uma fundação pública vinculada ao Ministério da Saúde, instituída com base no disposto no artigo 14 da Lei nº 8.029, de 16 de abril de 1990, regulamentada pelo decreto nº 100, de 12 de abril de 1991 e regida pela Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de Sua criação teve como finalidade precípua congregar as atividades até então desenvolvidas pela Superintendência de Campanha de Saúde Pública SUCAM, pela Fundação Serviços de Saúde Pública FSESP, e por outras atividades oriundas da Secretaria Nacional de Ações Básicas de Saúde SNABS e de Programas Especiais de Saúde do Ministério da Saúde MS, além daquelas relacionadas à área de informática do Sistema Único de Saúde (SUS) e as desenvolvidas pela Empresa de Processamento de Dados da Previdência Social DATAPREV. Em 2000, a Funasa passou por sua primeira reestruturação organizacional, regulamentada pelo Decreto nº 3450, de 09 de maio de Em 2003, foi estabelecido o Novo Modelo de Gestão Pública do Governo, fundamentado no compromisso de incluir socialmente a população carente. Neste sentido, coube à Funasa promover ações de saúde e saneamento para as comunidades indígenas e atender os municípios com baixa cobertura de serviço de saneamento com população de até 50 mil habitantes, bem como as populações vulneráveis: Quilombolas, Assentamentos, Ribeirinhos e Extrativistas. Ainda no ano de 2003, identifica-se o decreto nº 4.726, de 09 de junho, aprovando o novo Estatuto da Funasa, que exclui de sua estrutura organizacional o Centro Nacional de Epidemiologia, transferindo suas atividades para a Secretaria de Vigilância em Saúde SVS, vinculada ao MS. Além disso, o Decreto nº 4.727, de 09 de junho de 2003, que aprova o Regimento Interno da Funasa, através da Portaria nº de setembro de 2003, instituiu as novas competências deste órgão, efetivando definitivamente o seu papel no SUS como instância responsável pela preservação e controle de doenças, na assistência à saúde das populações indígenas, no fomento às ações de saneamento e educação em saúde, no estabelecimento de parcerias e firmando a descentralização das ações típicas da área de epidemiologia e controle de doenças. O exercício de 2010 foi notoriamente marcado por profundas mudanças institucionais na área indígena, com a publicação do Decreto nº 7.335, de 20 de outubro de 2010, que criou a Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) e transferiu a gestão do Subsistema de Atenção à Saúde Indígena, competência até então da Funasa, para o Ministério da Saúde. Coube à Funasa, no período de transição de 180 dias, assegurar todo o apoio administrativo necessário, para que não ocorresse prejuízo das ações e dos serviços prestados aos povos indígenas. Através do referido Decreto, as Superintendências Estaduais passam a incorporar novas demandas na área fim, com a inserção da Saúde Ambiental e, na área meio, com a descentralização da gestão de convênios. Atualmente, a Funasa é uma das instituições do Governo Federal responsável em promover a inclusão social por meio de ações de saneamento para prevenção e controle de doenças. É também a instituição responsável por formular e implementar ações de promoção e proteção à saúde relacionadas com as ações estabelecidas pelo Subsistema Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental. As ações de inclusão social, por meio da saúde, são realizadas com a prevenção e controle de doenças e agravos ocasionados pela falta ou inadequação nas 11

12 condições de saneamento básico em áreas de interesse especial, como assentamentos, remanescentes de quilombos e reservas extrativistas. As suas áreas de atuação encontram-se na área de Engenharia de Saúde Pública e na Saúde Ambiental. Na primeira, a Funasa detém a mais antiga e contínua experiência em ações de saneamento no país e atua com base em indicadores sanitários, epidemiológicos, ambientais e sociais. A estreita relação entre as condições ambientais, os problemas sanitários e o perfil epidemiológico das doenças e agravos integra definitivamente as ações de saneamento da Funasa ao Sistema Único de Saúde (SUS), visando à prevenção de doenças. Nessa área, a Funasa está implementando o programa Saneamento para Promoção da Saúde, que tem por meta, em quatro anos, beneficiar 60% dos municípios brasileiros com, aproximadamente, 35 milhões de pessoas. Entre as ações a serem desenvolvidas para a prevenção de doenças e controle de agravos estão a construção e ampliação de sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, além da implantação de melhorias sanitárias domiciliares. Ela está, ainda, implantando, ampliando ou melhorando os sistemas de tratamento e destinação final de resíduos sólidos, principalmente em áreas de proliferação do mosquito Aedes aegypti, efetivando a drenagem e o manejo ambiental em áreas endêmicas de malária e fazendo obras de engenharia em habitações visando ao controle da doença de Chagas. Fazem parte das prioridades deste órgão a promoção, o apoio técnico e financeiro ao controle de qualidade da água para consumo humano; o estímulo e financiamento de projetos de pesquisa em engenharia de saúde pública e saneamento; e o apoio técnico a estados e municípios para a execução de projetos de saneamento, passando por estratégias de cooperaçãotécnica. Na área de Saúde Ambiental, compete à Funasa planejar, coordenar, supervisionar e monitorar a execução das atividades relativas à formulação e implementação de ações de promoção e proteção à saúde ambiental, em consonância com a política do Subsistema Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental; ao controle da qualidade de água para consumo humano proveniente de sistemas de abastecimento público, conforme critérios e parâmetros estabelecidos pelo Ministério da Saúde; e apoio ao desenvolvimento de estudos e pesquisas na área de saúde ambiental. Dessa forma, os investimentos visam intervir no meio ambiente, na infra-estrutura dos municípios de até 50 mil habitantes, prioritariamente, e nas condições de vida de populações vulneráveis. Este Relatório de Gestão está estruturado na forma padrão proposta pela Portaria TCU nº 123/2011, Decisão Normativa TCU nº 108/2010 e Instrução Normativa TCU nº 63/2010. Destacamos que os Quadros A.2.4, A.2.5, A.2.6, A.2.8, A.2.9, A.2.10, A.6.1, A.6.2, A.6.3 e os Itens 14, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29 e 30, que constam na referida Portaria, não se aplicam a esta UJ. 12

13 1. INFORMAÇÕES SOBRE A IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE JURISDICIONADA 1.1 Relatório de Gestão Individual QUADRO A.1.1 IDENTIFICAÇÃO DA UJ RELATÓRIO DE GESTÃO INDIVIDUAL Poder e Órgão de Vinculação Poder: Executivo Órgão de Vinculação: Ministério da Saúde Código SIORG: 2207 Identificação da Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Superintendência Estadual da Fundação Nacional de Saúde do Piauí Denominação abreviada: FUNASA/SUEST-PI Código SIORG: 2207 Código LOA: Código SIAFI: Situação: Ativa Natureza Jurídica: Fundação do Poder Executivo Principal Atividade: Promoção de Programas de Saúde Federal, Estadual, Municipal. Código CNAE: /00 Telefones/Fax de contato: (086) (086) Página na Internet: Endereço Postal: Av. João XXIII, 1317, Jóquei Clube; CEP: ; Teresina - PI Normas Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Instituída pela Lei nº 8.029, de 12 de abril de 1990, pelo Decreto nº 100, de 16 de abril de 91, e em conformidade com o que dispõe o Decreto nº 4.727, de 9 de junho de 2003, publicado no Diário Oficial da União do dia 10 de junho de Portaria nº 1.776, de 8 de setembro de 2003, que aprova o Regimento Interno da Funasa. Outras normas infralegais relacionadas à gestão e estrutura da Unidade Jurisdicionada Manuais e publicações relacionadas às atividades da Unidade Jurisdicionada Unidades Gestoras e Gestões Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Unidades Gestoras Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome SUEST-PI Gestões Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Relacionamento entre Unidades Gestoras e Gestões Código SIAFI da Unidade Gestora Código SIAFI da Gestão Qualificação da Superintendência Estadual Nome do Superintendente Estadual Aurifrancis Pereira dos Santos População do Estado ( Fonte: IBGE/2010) Nº. de Municípios abrangidos pela SUEST

14 2. INFORMAÇÕES SOBRE O PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DA UNIDADE 2.1 Responsabilidades Institucionais da Unidade No Estado do Piauí, a Superintendência Estadual da Funasa, desde que foi instituída, vem desenvolvendo ações de Saneamento Ambiental em 100% dos municípios piauiense com população inferior a 50 mil habitantes, executando prioritariamente ações de: Construção e Ampliação de Sistemas de Abastecimento de Água, Construção e Ampliação de Melhorias de Sistemas de Esgotamento Sanitário, Implantação e Ampliação de Sistemas de Tratamento e Destino Final de Resíduos Sólidos, Implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares com o objetivo de controlar as doenças e outros agravos ocasionados pela falta de inadequação das condições de saneamento básico nos domicílios. Acresce-se a isto as ações de Saneamento em áreas de relevante interesse epidemiológico como é o caso da ação de Melhoria Habitacional para o Controle da Doença de Chagas, com o objetivo de promover na área endêmica a melhoria das habitações cujas condições físicas favoreçam a colonização de vetores transmissores dessa doença. O cumprimento das ações acima referenciadas tem por objetivo o atendimento da população no Estado que, segundo o Censo Demográfico de 2010, é de habitantes, onde se considera que um percentual significativo dessa população vive abaixo da linha de pobreza. Possui uma área de ,644 km 2 e uma densidade demográfica de 12,4 hab./km 2. Assim, o grande desafio da Funasa é fazer com que as ações de saneamento possam contribuir para a elevação do IDH no Estado, que atualmente é de 0,703 (PNUD 2008), para patamares que evidenciem uma qualidade de vida satisfatória, elevando a Expectativa de Vida do piauiense que atualmente é de 69,3 anos (2008), bem como diminuindo os índices de Mortalidade Infantil em crianças menores de um ano (este é de 24/1000 nascidos vivos no ano de 2009, conforme Indicadores de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde do Piauí). A missão institucional da Funasa concretiza-se mediante a atuação técnica das Superintendências Estaduais, que são unidades descentralizadas e diretamente subordinadas à Presidência da Funasa em Brasília-DF. Sua competência institucional se faz mediante o desenvolvimento de suas atribuições as quais são definidas em lei, estatuto e regimento e implementada por intermédio das políticas públicas para atender às necessidades dos beneficiários diretos e indiretos. Para tanto, atua através de Unidades Descentralizadas, que são as Superintendências Estaduais (Suest), que tem como competências regimentais: coordenar, supervisionar e desenvolver atividades de Engenharia de Saúde Pública e de Saúde Ambiental nas suas respectivas áreas de jurisdição. A partir do processo de estruturação e implementação do Subsistema de Atenção à Saúde Indígena no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Fundação Nacional de Saúde assumiu, no período de , a responsabilidade de operacionalização das ações de saúde para os povos indígenas, promovendo uma ampla e profunda estruturação institucional para dar conta de tamanho desafio. No entanto, o exercício de 2010 foi notoriamente marcado por profundas mudanças institucionais nessa área, com a publicação do Decreto nº 7.336, de 19 de outubro de 2010, que criou a Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) e transferiu a gestão do Subsistema de Atenção à Saúde Indígena, competência até então da Funasa, para o Ministério da Saúde. Coube à Funasa assegurar, até 31 de dezembro de 2011, todo o apoio administrativo necessário, para que não ocorresse prejuízo na execução das ações e dos serviços prestados aos povos indígenas. 14

15 2.2 Estratégia de Atuação Frente às Responsabilidades Institucionais A Saúde Ambiental e Engenharia de Saúde Pública Para garantir a concretização das responsabilidades institucionais, a Funasa, através do Programa de Aceleração do Crescimento PAC, vem promovendo ações de saneamento em municípios com até 50 mil habitantes. Assim, esta Suest/PI prioriza os seguintes eixos de atuação: Saneamento em áreas especiais, atendendo indígenas e comunidades remanescentes de quilombos certificadas pela Fundação Palmares; Saneamento em áreas de interesse epidemiológico, contemplando os programas de Melhoria Habitacional para Controle da Doença de Chagas; Saneamento em municípios com população total de até hab., contemplando programas como: Sistemas de Abastecimento de Água, Sistemas de Esgotamento Sanitário, Sistemas de Resíduos Sólidos e Melhorias Sanitárias Domiciliares; Saneamento Rural, contemplando: Assentamentos de Reforma Agrária, Reservas Extrativistas e Saneamento em Escolas Públicas; Ações Complementares de Saneamento, que engloba as Ações de Controle da Qualidade da Água para Consumo Humano. Destaca-se em 2011 o lançamento da segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), instituído através da Portaria Funasa nº 314, de 14 de junho de Esta etapa definiu uma carteira de investimentos em saneamento em todo o País, com previsibilidade da oferta de recursos em um horizonte quadrienal (2011 a 2014), e lançou um conjunto de medidas institucionais que visam a continuidade da execução dos empreendimentos, bem como o aumento nos investimentos realizados por Estados e Municípios. A Fundação Nacional de Saúde (Funasa), entidade integrante da administração federal indireta e vinculada ao Ministério da Saúde, tem como missão promover a inclusão social por meio de ações de saneamento. É também responsável por formular e implementar ações de promoção e proteção à saúde relacionadas com as ações estabelecidas pelo Subsistema Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental. O investimento da FUNASA com as ações do PAC 2 em todo o território nacional é de aproximadamente R$ 4 bilhões. No que se refere ao Estado do Piauí, o recurso assegurado para custear os 97 pleitos aprovados foi na ordem de R$ ,68; deste, R$ ,99 já foram liberados, beneficiando os municípios na elaboração de Projetos para implantação de Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário, execução de Cisternas para retenção e reservação de Água Pluviais e na Implantação de Sistemas de Abastecimento de Água, Esgotamento Sanitário e Melhorias Sanitárias Domiciliares. Também no ano de 2011 para o Estado do Piauí foram aprovados 50 Convênios por meio de Emendas Parlamentares, que contou com um valor de R$ ,14 para financiar a implantação de Sistema de Resíduos Sólidos e Planos Municipais de Saneamento Básico. Para isto, durante o ano de 2011, a Superintendência Estadual promoveu reuniões com gestores municipais para a orientação quanto aos procedimentos necessários para a celebração dos Termos de Compromisso/PAC, colocando à disposição dos municípios o seu corpo técnico de engenharia e de educação em saúde para atendimento individualizado, sob forma de plantão, visando esclarecer as dúvidas existentes sobre os pleitos. 15

16 Na área da Saúde Ambiental foram realizados durante o exercício de 2011: Assinatura do Termo de Cooperação Técnica entre a Funasa e a Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (SESAPI), no qual a Suest-PI apoiou a referida Secretaria no Controle da Qualidade da Água de 38 municípios piauienses; Realização do Dia Mundial da Água com o lançamento do selo personalizado para a comemoração deste Dia; Início da Construção do Laboratório de Análise do Controle da Qualidade da Água; Realização de Oficina de Capacitação em Saúde Ambiental, com a participação dos técnicos do Sesam e Instituições parceiras; Apoio técnico e acompanhamento por meio do Núcleo Intersetorial de Cooperação Técnica (NICT) aos municípios na elaboração dos Planos Municipais de Saneamento Básico; Realização de Oficina sobre Saúde Ambiental no município de Queimada Nova para formação de redes e construção de um projeto piloto para essa área; Apoio à SESAPI na realização de Curso Introdutório para Agentes de Controle de Endemias e no Projeto de Intervenção ao Programa de Controle da Doença de Chagas; Apoio técnico à Universidade Federal do Piauí (UFPI) na elaboração do Projeto de Educação em Saúde Ambiental ; Seminário sobre Coleta Seletiva no Ambiente de Trabalho, realizada em parceria com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Este teve por objetivo sensibilizar os trabalhadores desses órgãos para desenvolverem iniciativas ecologicamente corretas quanto à coleta seletiva do lixo no espaço institucional; Participação no Projeto TREciclar, criado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE/PI), que tratou da importância da coleta seletiva do lixo; Assinatura do Termo de Cooperação Técnica entre a Suest/PI e a Prefeitura Municipal de Queimada Nova com o objetivo de firmar parceria visando a prevenção e o controle de agravos à saúde relacionados aos fatores ambientais locais; Assinatura de Termo de Cooperação Técnica entre a Suest/PI e o Ministério Público Estadual/PI (MPE/PI) para o aprimoramento da ação fiscalizadora junto aos municípios piauienses, referente às ações de saneamento ambiental, ficando a Suest-PI responsabilizada em atender as demandas referentes ao Controle da Qualidade da Água solicitadas pelo MPE; Realização de visita in loco e aplicação de questionário juntos aos gestores para levantamento de informações sobre o Gerenciamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos em 29 municípios piauienses. Esses dados subsidiaram no mapeamento dos lixões ativos e desativados, bem como Aterros Controlados e Sanitários; Realização do Dia Nacional de Mobilização da FUNASA contra a Dengue, com distribuição de folhetos educativos, exposição no stand, inspeção acompanhada às dependências da Funasa, Sotra e CASAI. Realização de Oficina de Capacitação de Educação em Saúde Ambiental em Picos com o objetivo de capacitar técnicos dos municípios do vale do Sambito. Realização de reunião técnica no município de Paulistana com o objetivo de discutir as providências para a realização da Oficina de Capacitação e Testagem de Material Educativo (Projeto Piloto Funasa/Presidência). 16

17 B Saúde Indígena No que se refere à Saúde Indígena, esta Suest-PI, no exercício de 2011, manteve a gestão de contratos terceirizados, garantindo o funcionamento da Casa de Apoio à Saúde Indígena, em uma parceria com a Suest-MA. No que se refere à administração de contratos terceirizados, a Suest-PI realizou processos licitatórios com empresas para prestação de serviços (fornecimento de refeições, limpeza e conservação, serviços funerários, fornecimento de passagens terrestres, serviços de vigilância desarmada, fornecimento de medicamentos básicos e específicos, serviços de motorista, locação de imóvel), com vistas a garantir a qualidade no processo de atendimento ao indígena que vem à Teresina, em busca de tratamento de saúde de média e alta complexidade, bem como de seus familiares. Vale ressaltar que todos esses contratos foram sub-rogados para a Secretaria Especial de Saúde Indígena SESAI/MS/Distrito Sanitário Especial Indígena/DSEI- MA. C Gestão Na área de gestão, podemos inferir que as estratégias de atuação estiveram voltadas para os seguintes aspectos/áreas: Capacitação de Recursos Humanos o foco foi seguir as determinações regimentais, cumprindo essencialmente as demandas oriundas da CGERH, implementando na Suest o Plano Anual de Capacitação (PAC), em conformidade com as necessidades e/ou lacunas existentes nos serviços, visando fortalecer a capacidade executiva da força de trabalho das diferentes áreas (fim e meio). O processo de capacitação dos servidores da FUNASA é desenvolvido em consonância com o Decreto 5.707/2006 que instituiu a Política de Desenvolvimento dos Servidores Públicos Federais. O Programa Anual de Capacitação (PAC) é elaborado com base no modelo de Gestão por Competência, em que se busca alinhar as capacitações com as necessidades institucionais e individuais, habilidades e competências requeridas para o desempenho de uma função ou atividade. Neste sentido, no ano de 2011, a Suest-PI ofereceu 33 (trinta e três) capacitações, com ênfase para a área administrativa (área meio), seguida da área finalística e por último a área da gestão. Avaliação dos Imóveis pertencentes à Suest/PI no exercício de 2011, dos 46 imóveis pertencentes a esta Superintendência, 38 foram avaliados para atualização do valor de mercado. No entanto, apesar do comprometimento desta Suest/PI por meio do Plano de Providência Permanente, ainda não houve conclusão de todas as avaliações, restando 08 imóveis que serão avaliados no exercício de Tal fato se deve à priorização dada ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). Vale ressaltar que a última avaliação foi realizada no ano de 2000; 17

18 2.3 Subações sob a Responsabilidade da UJ Neste item constam a identificação dos Programas, das Ações e a Execução Física das respectivas Subações desenvolvidas no âmbito da Superintendência Estadual : Identificação das Subações sob Responsabilidade da UJ QUADRO A Identificação do Programa, Ação e Subação Identificação do Programa de Governo Código no PPA: 0016 Denominação: Gestão de Política de Saúde Tipo do Programa: Apoio às Políticas Públicas e Áreas Especiais Objetivo Geral: Fortalecer a gestão do SUS nas três esferas de governo, de modo a melhorar e aperfeiçoar a capacidade resolutiva das ações e serviços prestados à população. Objetivos Específicos: Coordenar o planejamento e a formulação de políticas setoriais e a avaliação e controle dos programas na área da saúde. Gerente: Márcia Aparecida do Amaral Ministério da Saúde Público Alvo: Governo. Fonte: Sigplan Responsável: Arionaldo Bomfim Rosendo Ministério da Saúde Identificação da Ação Denominação: 4572 Capacitação de Servidores Públicos Federais em Processo de Qualificação e Requalificação. Tipo de Ação: Atividade Finalidade: Promover a qualificação e a requalificação de pessoal com vistas à melhoria continuada dos processos de trabalho, dos índices de satisfação pelos serviços prestados à sociedade e do crescimento profissional. Descrição: Realização de ações diversas voltadas ao treinamento dos servidores, tais como custeio dos eventos, pagamento de passagens e diárias aos servidores quando em viagem para capacitação, taxa de inscrição em cursos, seminários, congressos e outras despesas relacionadas à capacitação de pessoal. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: Joselias Ribeiro da Silva Unidade Executora: Departamento de Administração (DEADM) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI Participação dos Servidores Públicos Federais em Processo de Qualificação e Requalificação. Descrição da Meta Promover a participação de 235 servidores da Suest-PI em evento de capacitação. Capacitar 80 servidores públicos federais em exercício na Suest-PI Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Produto Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % Servidor capacitado Unid ,91 Servidor capacitado Unid ,75 Identificação do Programa de Governo Código no PPA: 0122 Denominação: Serviços Urbanos de Água e Esgoto Tipo do Programa: Finalístico Objetivo Geral: Ampliar o acesso aos serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário e resíduos sólidos, com vistas à universalização. 18

19 Objetivos Específicos: Ampliar a cobertura e melhorar a qualidade dos serviços públicos urbanos de abastecimento de água e esgotamento sanitário. Gerente: Leodegar da Cunha Tiscoski - Ministério das Responsável: Ruy Gomide Barreira Funasa/MS Cidades Público Alvo: População urbana de menor nível socioeconômico, e a residente em áreas de habitação subnormal, em periferias de grandes centros e em municípios de pequeno porte. Fonte: Sigplan Identificação da Ação Denominação: 10GD Implantação e Melhoria de Sistemas Públicos de Abastecimento de Água em municípios de até Habitantes, exclusive de Regiões Metropolitanas ou Regiões Integradas de Desenvolvimento Econômico (RIDE) Tipo de Ação: Projeto Finalidade: Dotar os domicílios e estabelecimentos coletivos com abastecimento público de água visando à prevenção e ao controle de doenças e agravos. Descrição: Implantação e/ou a ampliação e/ou a melhoria de sistemas públicos de abastecimento de água, contemplando a elaboração de planos diretores e projetos, a realização de obras, incluindo ligação domiciliar, rede de distribuição e estação de tratamento, e ações voltadas para a sustentabilidade dos mesmos. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: Ricardo Frederico de Melo Arantes Unidade Executora: Departamento de Engenharia de Saúde Pública (DENSP) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI Implantação e Melhoria de Sist. Púb. de Abastecimento de Água em municípios de até Hab. Descrição da Meta Analisar 43 projetos de implantação e melhorias de Sistemas Públicos de Abastecimento de Água, relativos aos pleitos de exercícios anteriores a Realizar 24 visitas técnicas preliminares para viabilização de convênios de implantação e Melhorias de Sistemas Públicos de Abastecimento de Água, relativos aos pleitos de exercícios anteriores a Realizar 13 visitas de acompanhamento de convênios para implantação e Melhorias de Sistemas Públicos de Abastecimento de Água, relativos aos pleitos de exercícios anteriores a Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Produto Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % Projeto Analisado Unid Visita Realizada Visita Realizada Unid ,67 Unid ,54 Identificação da Subação Denominação: Suest-PI Impl. e Melhoria de Sist. Púb. de Abastecimento de Água em municípios de até Hab. Descrição da Meta Produto Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % 19

20 Recuperar 09 poços tubulares em municípios da região do semiárido. Fonte: Plano Operacional da Suest- PI/2011 Poço Recuperad o Unid ,11 Identificação da Ação Denominação: 10GE Implantação e Melhoria de Sistemas Públicos de Esgotamento Sanitário em municípios de até Habitantes, exclusive de Regiões Metropolitanas ou Regiões Integradas de Desenvolvimento Econômico (RIDE) Tipo de Ação: Projeto Finalidade: Dotar os domicílios e estabelecimentos coletivos de sistema público de coleta e tratamento de esgoto sanitário adequado, visando à prevenção e o controle de doenças e agravos. Descrição: Implantação e/ou a ampliação e/ou a melhoria de sistemas públicos de esgotamento sanitário, contemplando a elaboração de planos diretores e projetos, a realização de obras, incluindo ligação domiciliar, rede coletora e estação de tratamento, e ações voltadas para a sustentabilidade dos mesmos. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: Ricardo Frederico de Melo Arantes Unidade Executora: Departamento de Engenharia de Saúde Pública (DENSP) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI Impl. e Melhoria de Sist. Púb. de Esgoto Sanitário em munic. até Hab. Exercício 2011 Unidade Descrição da Meta Produto de Programado Realizado Medida Analisar 12 projetos de implantação e Melhorias de Sistemas Públicos de Esgotamento Sanitário, relativos aos pleitos de exercícios anteriores a Realizar 06 visitas técnicas preliminares para viabilização de convênios de implantação e Melhorias de Sistemas Públicos de Esgotamento Sanitário, relativos aos pleitos de exercícios anteriores a Realizar 07 visitas de acompanhamento de convênios para implantação e Melhorias de Sistemas Públicos de Esgotamento Sanitário, relativos aos pleitos de exercícios anteriores a Fonte: Plano Operacional da Suest - PI/2011 Realizado/ Programad o % Projeto Analisado Unid Visita Realizada Visita Realizada Unid ,67 Unid ,86 Identificação da Ação Denominação: 20AG - Apoio à Gestão de Sistemas de Saneamento Básico em Municípios de até Habitantes Tipo de Ação: Atividade Finalidade: Promover e apoiar, técnica e financeiramente, o desenvolvimento e a transferência de tecnologias para o fortalecimento institucional dos modelos de gestão dos serviços públicos de saneamento ambiental de estados e municípios. Descrição: Promoção de intercâmbio com estados, municípios, entidades de ensino e pesquisa, associações e instituições públicas de saneamento, a partir do repasse de experiências e de recursos financeiros, visando ao desenvolvimento de novas tecnologias e de Programas de modelo de gestão para qualidade dos serviços de controle de perdas, de fomento à capacitação, de aquisição de equipamentos, de controle de qualidade da produção de água, de elaboração de plano diretor de saneamento, dentre outros. Esta ação busca a melhoria contínua do desempenho 20

21 ambiental em um processo cíclico, em que os atores envolvidos revêem e avaliam, periodicamente, os sistemas de gestão em saneamento ambiental empregados, de modo a identificar oportunidades de melhorias. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: Patrícia Valéria Vaz Areal Unidade Executora: Departamento de Engenharia de Saúde Pública (DENSP) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Apoio à Gestão de Sistemas de Saneamento Básico em Municípios de até Habitantes Descrição da Meta Apoiar tecnicamente 06 municípios com a implantação de Planos Municipais de Saneamento Básico (PMSB), por meio dos NICTS. Analisar 09 planos de trabalho e orçamentos dos PMSB Elaborar 09 pareceres finais refrentes aos demais produtos contidos no Termo de Referência do PMSB Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Produto Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % Município apoiado Unid Plano analisado Unid Parecer elaborado Unid Identificação da Subação Denominação: Suest PI Fomento a estudos de pesquisa visando à avaliação do impacto das ações em Saneamento Básico. Descrição da Meta Acompanhar 01 pesquisa para avaliação do impacto das ações de saneamento básico em obras de execução direta. Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Produto Pesquisa acompanha da Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % Unid Identificação da Ação Denominação: Fomento à Educação em Saúde voltada para o Saneamento Ambiental Tipo de Ação: Atividade Finalidade: Assessorar gestores e técnicos em todos os níveis para o desenvolvimento de ações permanentes de educação em saúde, por meio da mobilização social, visando à promoção da saúde, prevenção e controle de doenças e agravos ocasionados pela falta e/ou inadequação de ações de saneamento ambiental. Descrição: As ações de Educação em Saúde e Mobilização Social nos projetos de saneamento ambiental financiados junto aos estados e municípios pela Funasa têm o sentido de fomentar, apoiar e fortalecer ações que resultem em efetiva melhoria na qualidade de vida da população beneficiada. A proposta é garantir que as melhorias em saneamento ambiental implementadas nos municípios de até habitantes, nos projetos das áreas metropolitanas e em áreas especiais (assentamentos, remanescentes de quilombo e áreas extrativistas) integrem-se de forma harmoniosa e sustentável nas comunidades, garantindo a inclusão social por intermédio do acesso das populações vulneráveis aos serviços a que têm direito e colaborando para a adequada e transparente aplicação dos recursos públicos nessa área, inclusive estimulando a parceria junto a outros projetos e programas de iniciativa governamental e não governamental. Com essas ações, esperam-se iniciativas nos municípios beneficiados. Para tal é necessário o assessoramento técnico qualificado, por intermédio das ações discriminadas a seguir: atuação junto aos gestores e técnicos em todos os níveis visando sensibilizá-los para a importância do desenvolvimento de atividades permanentes de Comunicação e Educação em Saúde; apoio técnico aos profissionais que atuam nas diversas instâncias de governo, representantes de ONGs para a elaboração, execução, acompanhamento e supervisão 21

22 de projetos, programas e atividades educativas de caráter permanente; ampliação do Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social (PESMS), financiada por recursos de convênio, para que se torne gerador/estimulador de outros projetos de alcance social; incentivo à integração das ações permanentes de Comunicação e Educação em Saúde a outros projetos sociais / comunitários visando estimular a participação, controle e inclusão sociais, geração de emprego e renda; fomento à organização de estruturas e equipes locais para o desenvolvimento de ações permanentes de Educação em Saúde. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: Onivaldo Ferreira Coutinho Unidade Executora: Departamento de Saúde Ambiental (DESAM) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI Fomento à Educação em Saúde voltada para o Saneamento Ambiental Exercício 2011 Unidade Realizado/ Descrição da Meta Produto de Programado Realizado Programad Medida Apoiar 14 municípios na implantação de ações de educação em saúde e mobilização social em PAC/EP/Convênios anteriores a Implantar 01 projeto piloto para formação de redes em saúde ambiental. Apoiar 02 municípios na implantação dos núcleos de educação em saúde. Apoiar 07 municípios na sustentabilidade das ações de educação em saúde ambiental nas comunidades de áreas especiais, quilombolas, ribeirinhos, extrativistas e assentados. Realizar 02 seminários sobre educação em saúde ambiental. Produzir 01 kit de material educativo sobre saúde ambiental Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Município apoiado Projeto implantado Município apoiado Município apoiado Seminário realizado Kit produzido o % Unid Unid Unid Unid Unid Unid Identificação da Ação Denominação: Implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares para Prevenção e Controle de Agravos Tipo de Ação: Projeto Finalidade: Dotar os domicílios e estabelecimentos coletivos de condições sanitárias adequadas visando à prevenção e controle de doenças e agravos. Descrição: Melhorias Sanitárias Domiciliares são intervenções promovidas, prioritariamente, nos domicílios e eventualmente intervenções coletivas de pequeno porte. Inclui a construção de módulos sanitários, banheiros, privada, tanque séptico, sumidouro (poço absorvente), instalações de reservatório domiciliar de água, tanque de lavar roupa, lavatório, pia de cozinha, ligação à rede pública de água, ligação à rede pública de esgoto, dentre outras. São consideradas coletivas de pequeno porte, por exemplo: banheiro público, chafariz público, ramais condominiais, tanque séptico, etc. Pode também fomentar a implantação de oficina municipal de saneamento. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: José Antônio da Motta Ribeiro Unidade Executora: Departamento de Engenharia de Saúde Pública (DENSP) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares para Prevenção e Controle de Agravos 22

23 Descrição da Meta Analisar 03 projetos de implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares, relativo aos exercícios anteriores a Realizar 03 visutas técnicas preliminares para viabilização de convênios de implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares, relativas aos pleitos de exercícios anteriores a Realizar 15 visitas de acompanhamento de convênios de implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares, relativas aos pleitos de exercícios anteriores a Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Produto Projeto analisado Visita realizada Visita realizada Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programado % Unid Unid ,67 Unid ,33 Identificação da Ação Denominação: 20 AF Apoio ao Controle da Qualidade da Água para Consumo Humano Tipo de Ação: Atividade Finalidade: Apoiar técnica e financeiramente os responsáveis pela operação de sistema ou solução alternativa de abastecimento de água visando à melhoria dos procedimentos de controle da qualidade da água e o atendimento dos padrões de potabilidade estabelecidos na legislação vigente. Proporcionar o financiamento da implantação de unidades de fluoretação da água. Descrição: Desenvolvimento e capacitação de recursos humanos envolvidos com a operação e manutenção de sistema ou solução alternativa de abastecimento de água; financiamento para aparelhamento e implantação de unidades laboratoriais e outras instalações destinadas ao controle da qualidade da água para consumo humano; desenvolvimento de ações de vigilância e controle de qualidade da água em áreas indígenas. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: Vilma Ramos Feitosa Unidade Executora: Departamento de Saúde Ambiental (DESAM) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Apoio ao Controle da Qualidade da Água para Consumo Humano. Exercício 2011 Unidade Descrição da Meta Produto de Programado Realizado Medida Apoiar 01 Sistema Público de Abastecimento de Água com implementação de Ações voltadas para o controle da qualidade da água para consumo humano. Realizar 03 visitas de acompanhamento da Reforma e Ampliação do Laboratório da Fundação Municipal de Saúde de Teresina - PI. Realizar o monitoramento do Controle da Qualidade da Água em 07 municípios de execução direta da Funasa. Firmar 01 Termo de Cooperação Técnica (TCT) com a Secretaria de Estado da Saúde para fortalecimento da parceria no Realizado/ Programad o % Sistema apoiado Unid Visita realizada Unid Monitoram ento realizado Termo de Coop. Téc. Firmado Unid Unid

24 Controle da Qualidade da Água - CQA. Firmar 01 Termo de Cooperação Técnica (TCT) com o Ministério Público Estadual visando a Prevenção e Controle de Agravos à Saúde, relacionados aos fatores ambientais locais. Apoiar a operacionalização do Consórcio Regional de Saneamento do Sul do Piaui -Coresa-Sul. Realizar 01 oficina sobre Controle de Qualidade da Água com os servidores e Instituições parceiras. Realizar 01 seminário sobre sustentabilidade do Controle de Qualidade da Água. Realizar 01 oficina de avaliação das ações do Programa de Controle da Qualidade da Água-PCQA. Elaborar 01 diagnóstico de gerenciamento dos resíduos sólidos nos municípios da área prioritária da Dengue. Capacitar 02 técnicos em Saúde Ambiental, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde do Estado - SESAPI Capacitar 02 técnicos em Noções de Epidemiologia para o Controle Ambiental, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde do Estado - SESAPI Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Termo de Coop. Téc. Firmado Unid Consórcio apoiado Unid Oficina realizada Unid Oficina realizada Unid Oficina realizada Unid Diagnóstic o elaborado Unid Servidor capacitado Unid Servidor capacitado Unid Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Reforma e adaptação de salas para o funcionamento do Laboratório de Análise da Qualidade da Água Descrição da Meta Contratação de 1 (uma) empresa para reforma e adequação de salas para instalação do Laboratório de Análise da Qualidade da Água. Aquisição de Equipamentos necessários para o funcionamento do Laboratório da Qualidade da Água (1 Autoclave vertical 75L; 1 Câmara de fluxo laminar; 1 Chuveiro lava olhos de emergência; 1 Deionizador de Água; 1 Destilador Elétrico; 1 Colorímetro Digital Portátil; 2 Estufas para Cultura Bacteriológica, Microprocessador Digital; 1 Medidor Múltiplo Parâmetro Portatil; 1 Turbidimetro Digital Microprocessador; 3 Lanternas U.V; 3 Aparelhos Digitais para leitura de cloro; 1 Balança Digital; 1 Câmera fotográfica; 4 Estabilizadores; 2 Refrigeradores Domésticos; 4 Notebook e 1 TV LED de 42". Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Produto Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % Empresa contratada Unid Equipamen tos adquiridos Unid

25 Identificação da Ação Denominação: 2272 Gestão e Administração do Programa Tipo de Ação: Atividade Finalidade: Construir um centro de custos administrativos dos programas, agregando as despesas que não são passíveis de apropriação em ações finalísticas do próprio programa. Descrição: Essas despesas compreendem: serviços administrativos; pessoal ativo; manutenção e uso de frota veicular, própria ou de terceiros, por órgãos da União; manutenção e conservação de imóveis próprios da União, cedidos ou alugados, utilizados pelos órgãos da União; despesas com viagens e locomoção (aquisição de passagens, pagamento de diárias e afins); estudos que tem por objetivo elaborar, aprimorar ou dá subsídios à formulação de políticas públicas; promoção de eventos para discussão, formulação e divulgação de políticas, etc; produção e edição de publicações para divulgação e disseminação de informações sobre políticas públicas e demais atividades meio necessárias à gestão e administração do programa. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: Patrícia Valéria Vaz Areal Unidade Executora: Departamento de Engenharia de Saúde Pública (DENSP) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Apoio ao processo de Seleção ao TC/PAC II para implantação de Sistema de Abastecimento de Água. Descrição da Meta Realizar 24 entrevistas com os gestores municipais para seleção de pleitos de convênios TC/PAC II 2011 visando a implantação de Sistema de Abastecimento de Água Realizar 21 visitas técnicas preliminares nos municípios selecionados para elaboração do projeto de TC/PAC II 2011 visando a implantação de Sistema de Abastecimento de Água Realizar 05 visitas técnicas nos municípios selecionados para orientações da Carta Consulta de TC/PAC II 2011 visando a implantação de Sistema de Abastecimento de Água Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Produto Entrevista realizada Visita realizada Visita realizada Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % Unid Unid Unid Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Apoio ao processo de Seleção ao TC/PAC II para implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares. Descrição da Meta Realizar análise de 165 projetos para seleção de pleitos de convênios TC/PAC II 2011 visando a implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares. Realizar 30 visitas técnicas nos municípios selecionados para orientações da Carta Consulta de TC/PAC II 2011 visando a implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Produto Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programado % Projeto analisado Unid Visita realizada Unid ,33 25

26 Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Apoio ao processo de Seleção ao TC/PAC II para implantação de Sistema de Esgotamento Sanitário. Descrição da Meta Realizar 15 entrevistas com os gestores municipais para seleção de pleitos de convênios TC/PAC II 2011 visando a implantação de Sistema de Esgotamento Sanitário Realizar 50 visitas técnicas preliminares nos municípios selecionados para elaboração do projeto de TC/PAC II 2011 visando a implantação de Sistema de Esgotamento Sanitário Realizar 03 visitas técnicas nos municípios selecionados para orientações da Carta Consulta de TC/PAC II 2011 visando a implantação de Sistema de Esgotamento Sanitário Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Produto Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % Entrevista realizada Unid Visita realizada Unid Visita realizada Unid Identificação do Programa de Governo Código no PPA: 0750 Denominação: Apoio Administrativo Tipo do Programa: Apoio às políticas e áreas especiais Objetivo Geral: Não definido Objetivos Específicos: Prover os órgãos da União dos meios administrativos para a implementação e gestão de seus programas finalísticos. Gerente: Não se aplica Público Alvo: Governo Fonte: Sigplan Responsável: Marcos Roberto Muffareg Funasa/MS Identificação da Ação Denominação: 20CW Assistência Médica aos servidores e empregados públicos Exames periódicos Tipo de Ação: Atividade Finalidade: Proporcionar aos servidores e empregados condições para manutenção da saúde física e mental. Descrição: Realização dos exames periódicos dos servidores e empregados da Administração Pública Federal Direta, Autárquica e Fundacional. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) Coordenador da Ação: Marcos Roberto Mufarreg Unidade Executora: Departamento de Administração (DEADM) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Assistência Médica aos servidores e empregados públicos (Exames periódicos) Descrição da Meta Produto Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % 26

27 Realizar Exames Periódicos em 125 servidores lotados na SUEST-PI Realizar Exames Periódicos em 212 servidores descentralizados Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Exame realizado Exame realizado Unid ,2 Unid ,13 Identificação da Ação Denominação: 2000 Administração da Unidade Tipo de Ação: Atividade Finalidade: Construir um centro de custo administrativo das unidades orçamentárias constantes do orçamento da União, agregando as despesas que não são passíveis de apropriação em programas ou ações finalísticas. Descrição: A atividade padronizada Administração da Unidade substitui as antigas atividades Manutenção de Serviços Administrativos, Manutenção de Serviços de Transportes e Manutenção e Conservação de Bens Imóveis. Nesse sentido se constitui na agregação de despesas de natureza administrativa que não puderem ser apropriadas em ações finalísticas, nem a um programa finalístico. Essas despesas, quando claramente associadas a determinada ação finalística, devem ser apropriadas nesta ação; quando não puderem ser apropriadas a uma ação finalística, mas puderem ser apropriadas a um programa finalístico, devem ser apropriadas na ação Gestão e Administração do Programa (GAP, 2272); quando não puderem ser apropriadas nem a um programa nem a uma ação finalística, devem ser apropriadas na ação Administração da Unidade (2000). Essas despesas compreendem: serviços administrativos; pessoal ativo; manutenção e uso de frota veicular, própria ou de terceiros por órgãos da União; manutenção e conservação de imóveis próprios da União, cedidos ou alugados, utilizados pelos órgãos da União; tecnologia da informação, sob a ótica meio, incluindo o apoio ao desenvolvimento de serviços técnicos e administrativos; despesas com viagens e locomoção (aquisição de passagens, pagamento de diárias e afins); sistemas de informações gerenciais internos; estudos que têm por objetivo elaborar, aprimorar ou dar subsídios à formulação de políticas públicas; promoção de eventos para discussão, formulação e divulgação de políticas etc.; produção e edição de publicações para divulgação e disseminação de informações sobre políticas públicas e demais atividades - meio necessárias à gestão e administração da unidade. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: Valteir Lopes Pereira Unidade Executora: Departamento de Administração (DEADM) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Implantação do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO Exercício 2011 Unidade Realizado/ Descrição da Meta Produto de Programado Realizado Programad Medida o % Implantar 01 programa de Educação e Acompanhamento da Hipertensão Arterial/Diabetes Mellitus e Obesidade. Implantar 01 Programa Preparando para Aposentadoria PPA. Implantar 01 Programa de Qualidade de Vida do Trabalhador QVT nas ações de Saúde Ambiental. Participar de 12 reuniões para implantação da Unidade do Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor SIASS. Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Programa implantado Unid Programa implantado Unid Programa implantado Unid Participaçã o efetivada Unid Identificação da Subação Denominação: Suest-PI Apoiar a gestão da saúde indígena CASAI Unidade Exercício 2011 Descrição da Meta Produto de Programado Realizado Realizado/ 27

28 Contratar 01 empresa para fornecimento de refeições diárias. Contratar 01 empresa para realizar serviços de limpeza e conservação. Contratar 01 empresa para prestar serviços funerários para Casai - PI. Contratar 01 empresa para fornecimento de passagens terrestre. Contratar 01 empresa para prestar serviços de vigilância desarmada na Casai - PI. Contratar 01 empresa para fornecimento de medicamentos básicos não contemplados na Farmácia Básica e os específicos. Contratar 01 empresa para prestar serviços de motorista para Casai - PI. Manter contrato de locação de 01 imóvel para Casai - PI e de serviços básicos. Fonte: Plano Operacional da Suest- PI/2011 Empresa contratada (refeições) Empresa contratada (serviços de limpeza) Empresa contratada (serviços funerários) Empresa contratada (passagem terrestre) Empresa contratada (vigilância desarmada ) Empresa contratada (medicame ntos) Empresa contratada (serviço de motorista) Empresa contratada (locação de imóvel) Medida Programad o % Unid Unid Unid Unid Unid Unid Unid Unid Identificação do Programa de Governo Código no PPA: 1287 Denominação: Saneamento Rural Tipo do Programa: Finalístico Objetivo Geral: Promover e participar da adoção de medidas voltadas à prevenção e ao controle dos determinantes e condicionantes de saúde da população. Objetivos Específicos: Ampliar a cobertura e melhorar a qualidade dos serviços públicos de saneamento ambiental em áreas rurais. Gerente: Gilson de Carvalho Queiroz Filho - Funasa Responsável: Ruy Gomide Barreira Funasa Público Alvo: População rural dispersa, residente em assentamentos de reforma agrária e em localidades de até habitantes e as minorias étnicos-raciais como quilombolas, população indígena e outros povos da floresta. Fonte: Sigplan Identificação da Ação Denominação: 4641 Publicidade de Utilidade Pública Tipo de Ação: Atividade Finalidade: Propiciar o atendimento ao princípio constitucional da publicidade, mediante ações que visam informar, esclarecer, orientar, mobilizar, prevenir ou alertar a população ou segmento da população para adotar comportamentos que lhe tragam benefícios sociais, com o fim de melhorar a sua qualidade de vida. Descrição: A ação se desenvolverá por meio de divulgação de conteúdos vinculados a objetivos sociais de interesse público, que assuma caráter educativo, informativo, de mobilização ou de orientação social, ou ainda que contenha 28

29 uma orientação à população que a habilite ao usufruto de bens ou serviços públicos e que expresse, com objetividade e clareza, mediante a utilização de linguagem de fácil entendimento para o cidadão. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: Geraldo Melo Corrêa Unidade Executora: Coordenação de Comunicação Social (COESC) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Divulgação Permanente da Imagem Institucional da Funasa das Ações de Saneamento e Saúde Ambiental Descrição da Meta Divulgar junto a mídia interna à FUNASA 60 matérias, informativos etc., sobre as ações, projetos e programas desenvolvidos na área de Saneamento e Saúde Ambiental. Produzir e divulgar 60 clipagem de jornais e outros meios de comunicação sobre as ações, projetos e programas desenvolvidos na área de Saneamento e Saúde Ambiental. Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Produto Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % Matéria divulgada Unid Matéria divulgada Unid Identificação da Ação Denominação: Implantação, Ampliação ou Melhoria do Serviço de Saneamento em Áreas Rurais, em Áreas Especiais (Quilombos, Assentamentos e Reservas Extrativistas) e em Localidades com População Inferior a Habitantes para Prevenção e Controle de Agravos. Tipo de Ação: Projeto Finalidade: Propiciar resolutibilidade em áreas de interesse especial (assentamentos, remanescentes de quilombos e áreas extrativistas) para problemas de saneamento, prioritariamente o abastecimento público de água, o esgotamento sanitário e as melhorias sanitárias domiciliares e/ou coletivas de pequeno porte, bem como a implantação de oficina municipal de saneamento visando à prevenção e ao controle de doenças e agravos. Descrição: Fomento e financiamento à implantação e/ou a ampliação e/ou a melhoria de sistemas públicos de abastecimento de água e de sistemas públicos de esgotamento sanitário, contemplando a elaboração de planos diretores e projetos, a realização de obras, incluindo ligação domiciliar, rede coletora de esgoto, rede de distribuição de água e estação de tratamento, ações voltadas para a sustentabilidade dos mesmos, bem como a implantação de melhorias sanitárias domiciliares e/ou coletivas de pequeno porte, assim como a implantação de oficina municipal de saneamento, compreendendo desde a elaboração do projeto até a sua operação plena. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: José Antônio da Motta Ribeiro Unidade Executora: Departamento de Engenharia de Saúde Pública (DENSP) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Implantação, Ampliação ou Melhoria do Serviço de Saneamento em Áreas Rurais, em Áreas Especiais (Quilombos, Assentamentos e Reservas Extrativistas) e em Localidades com População Inferior a Habitantes para Prevenção e Controle de Agravos Descrição da Meta Realizar 750 visitas domiciliares para levantamento da necessidade de Produto Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % Visita realizada Unid ,93 29

30 construção de cisterna em municípios do semiárido. Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Identificação da Subação Denominação: Suest-PI Implantação de Sistemas Simplificados de Abastecimento de Água em Comunidades Rurais do Semiárido. Descrição da Meta Implantar 18 Sistemas Simplificados de Abastecimento de Água em Comunidades remanescente de quilombo no Semiárido relativo a exercício anteriores ( até ) Implantar 12 Sistemas Simplificados de Abastecimento de Água em Comunidades Rurais no Semiárido Realizar 15 visitas de acompanhamento de convênios para implantação de Sistemas Simplificados de Abastecimento de Água no Semiárido relativo a exercícios anteriores (até ) Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Produto Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % Sistema implantado Unid Sistema implantado Unid ,33 Visita realizada Unid Identificação da Ação Denominação: 3921 Implantação de melhorias habitacionais para Controle da Doença de Chagas. Tipo de Ação: Projeto Finalidade: Melhorar as condições físicas e sanitárias das habitações, tornando-as refratárias à colonização de triatomíneos, contribuindo para controle da Doença de Chagas. Descrição: A ação visa melhorar as condições físico-sanitárias da casa por meio de restauração (reforma) ou reconstrução; a restauração compreende, dentre os principais serviços, os seguintes: reboco das paredes internas e externas e pintura das mesmas; calçada de proteção em torno da casa; cobertura com materiais adequados; piso cimentado ou de madeira; recuperação de abrigo de animais e depósitos; substituição de cercas; e implantação e/ou recuperação de instalações sanitárias. Nos casos em que as casas não suportarem reformas, as mesmas serão demolidas e reconstruídas. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: José Antônio da Motta Ribeiro Unidade Executora: Departamento de Engenharia de Saúde Pública (DENSP) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Implantação de melhorias habitacionais para Controle da Doença de Chagas. Exercício 2011 Unidade Descrição da Meta Produto de Programado Realizado Medida Analisar 04 projetos de Implantação de Melhorias Habitacionais para Controle da Doença de Chagas, relativos aos pleitos de exercícios anteriores (até ) Realizar 04 visitas técnicas preliminares para viabilização de convênios para Projeto analisado Unid. Realizado/ Programad o %

31 implantação de Melhorias Habitacionais para Controle da Doença de Chagas, relativas aos pleitos de exercícios anteriores (até ) Realizar 15 visitas de acompanhamento de convênios para implantação de Melhorias Habitacionais para Controle da Doença de Chagas, relativas a exercícios anteriores (até ) Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Visita realizada Unid Visita realizada Unid ,33 Identificação da Ação Denominação: 10GC Implantação de melhorias de serviços de Saneamento em Escolas Públicas Rurais Saneamento em Escolas. Tipo de Ação: Projeto Finalidade: Promover a melhoria das condições de saúde dos alunos, reduzir evasão escolar e elevar a capacidade de ensino e aprendizagem por meio da melhoria das condições sanitárias das escolas públicas rurais em municípios selecionados. Descrição: Implantação de sistemas simplificados de abastecimento de água mediante estudo hidrológico local e instalação de poço tubular (poços, cisternas, cacimbões, dentre outros); pequenas adutoras; dessalinizadores, quando necessário; caixas d'água; banheiros com dois gabinetes e um lavatório; cozinha e chafariz para atender as comunidades vizinhas, bem como capacitação de alunos, corpo docente e membros da comunidade local no uso e gestão da água. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: Ruy Gomide Barreira Unidade Executora: Departamento de Engenharia de Saúde Pública (DENSP) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Implantação de melhorias de serviços de Saneamento em Escolas Públicas Rurais Descrição da Meta Realizar 10 visitas de acompanhamento de TC/PAC de Exercícios Anteriores para Melhoria de Serviços de Saneamento em Escolas Públicas (até ) Fonte: Plano Operacional da Suest -PI/2011 Produto Unidade de Medida Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % Visita realizada Unid Identificação do Programa de Governo Código no PPA: 8007 Denominação: Resíduos Sólidos Urbanos Tipo do Programa: Finalístico Objetivo Geral: Promover e difundir a gestão ambiental, a produção e o consumo sustentável nos ambientes urbanos e rurais e nos territórios dos povos e comunidades tradicionais. Objetivos Específicos: Ampliar a área de cobertura e eficiência dos serviços públicos de manejo de resíduos sólidos, com ênfase no encerramento de lixões, na redução, no reaproveitamento e na reciclagem de materiais, por meio da inclusão socioeconômica de catadores. Gerente: Silvano Silvério da Costa - Ministério do Responsável: Ruy Gomide Barreira Funasa Meio Ambiente Público Alvo: População localizada em áreas de maior concentração de pobreza do país e/ou de fragilidade físicoambiental e em municípios de pequeno e médio portes nas periferias de grandes centros e de regiões metropolitanas. Fonte: Sigplan 31

32 Identificação da Ação Denominação: 10GG Implantação e Melhoria de Sistemas Públicos de Manejo de Resíduos Sólidos em municípios de até Habitantes, exclusive de Regiões Metropolitanas ou Regiões Integradas de Desenvolvimento Econômico (RIDE) Tipo de Ação: Projeto Finalidade: Apoiar, técnica e financeiramente, os estados e municípios na implantação, ampliação ou melhoria dos sistemas de coleta, tratamento e destinação final de resíduos sólidos para prevenção e controle de agravos nas áreas mais carentes do país e com população inferior a habitantes, preferencialmente, nos municípios acometidos de incidência da dengue. Descrição: A ação de implantação e ampliação dos sistemas de limpeza pública, acondicionamento, coleta, disposição final e tratamento de resíduos sólidos urbanos contemplam intervenções que visam contribuir para a universalização dos serviços de coleta, limpeza pública, tratamento e disposição final dos resíduos sólidos nas áreas mais carentes do país e com população inferior a habitantes, preferencialmente, nos municípios acometidos de incidência da dengue, e será implementada por intermédio das modalidades relacionadas a seguir: a) acondicionamento, coleta e transporte; implantação de sistema de coleta convencional e/ou seletiva incluindo a aquisição de veículos, material e equipamentos para acondicionamento (cestas e contenedores para Postos de Entrega Voluntária - PEV e Locais de Entrega Voluntária - LEV instalados em logradouros públicos); b) unidades de disposição final - aterros sanitários ou de rejeitos. É passível de apoio financeiro toda a infra-estrutura para implantar aterros sanitários, incluindo: acesso, proteção adequada da área (cercamento e barreira vegetal), edificações de controle e apoio (balança, escritório, oficina de reparos, etc.), drenagem pluvial de chorume e de gases, impermeabilização de base, tratamento do chorume e equipamentos para operação. c) unidades de tratamento - triagem e/ou compostagem. É passível de apoio financeiro toda a infra-estrutura de implantação de unidades de tratamento de resíduos, bem como galpão para separação de resíduos destinados a catadores, incluindo obras civis, materiais e equipamentos, pátio de compostagem, balança, aterro de rejeitos e equipamentos para a operacionalização da unidade de tratamento; d) erradicação de "lixões" e recuperação das áreas degradadas. Unidade responsável pelas decisões estratégicas: Fundação Nacional de Saúde Coordenador da Ação: José Antônio da Motta Ribeiro Unidade Executora: Departamento de Engenharia de Saúde Pública (DENSP) Fonte: Sigplan Identificação da Subação Denominação: Suest-PI - Implantação e Melhoria de Sistemas Públicos de Manejo de Resíduos Sólidos em municípios de até Habitantes, exclusive de Regiões Metropolitana ou Regiões Integradas de Desenvolvimento Econômico (RIDE) Descrição da Meta Analisar 18 projetos de implantação de Melhorias de Sistemas Públicos de Manejo de Resíduos Sólidos, relativos aos pleitos de exercícios anteriores (até ). Realizar 09 visitas técnicas preliminares para viabilização de convênios de implantação de Melhorias de Sistemas Públicos de Manejo de Resíduos Sólidos, relativas aos pleitos de exercícios anteriores (até ). Realizar 06 visitas de acompanhamento de convênios de implantação de Melhorias de Sistemas Públicos de Manejo de Resíduos Sólidos, relativas a exercícios anteriores (até ). Fonte: Plano Operacional da Suest-PI/2011 Produto Projeto analisado Unidade de Medida Unid. Programado Exercício 2011 Realizado Realizado/ Programad o % Visita realizada Unid Visita realizada Unid ,33 32

33 Análise Crítica De acordo com o Quadro A.2.2, QUADRO 1 e GRÁFICO 1, relacionados abaixo, verificamos os seguintes aspectos: Em relação à Ação 20AG, Subação 47705, que trata do fomento a estudos e pesquisas visando à avaliação do impacto das ações de saneamento e educação em saúde em obras de execução direta, meta programada no Plano Operacional da Suest/PI para 2010, que sem lograr o êxito pretendido, embora tendo para isto o reforço do Acórdão nº 3089/2010 do TCU que recomenda a Suest-PI a realização periódica de estudos detalhados acerca dos resultados alcançados com suas ações de saneamento e demais programas por ventura em execução, avaliando e monitorando, nos diversos municípios do Estado do Piauí, o impacto dessas ações nas comunidades beneficiadas, apresentando dados consistentes que possam subsidiar eventuais tomadas de decisão por parte dos gestores. Referida meta foi reprogramada para 2011, solicitando à Presidência da Funasa atenção ao pleito por meio do Memorando nº 01/GAB/SUEST-PI. Em maio/2011, por meio do Memorando nº 33/2011/GAB/SUEST-PI, foi encaminhado para a Presidência a Minuta do Termo de Referência e Cooperação Técnica para análise e manifestação, que emitiu Parecer Técnico nº 187/2011/DENSP/CGCOT/COATS solicitando algumas providências, no que foi atendido conforme Memorando nº 095/2011/GAB/SUEST-PI/mgcv (ANEXO 1), findando o ano sem manifestação. A Diesp programou para o ano de 2011 um total de 35 metas para serem trabalhadas, destas 25, aproximadamente 71,42%, tiveram um percentual de execução acima de 90%. Os programas que tiveram melhor desempenho podem ser evidenciados no QUADRO A.2.2 Resumo Execução Física das Subações. Justifica-se tal desempenho, considerando que a Suest/PI intensificou sua ação na análise e acompanhamento das obras, o que de certa forma contribuiu para um incremento do status das obras acompanhadas pela Suest/PI durante o ano de 2011 em relação ao ano de 2010, conforme podemos observar no Item referente aos Indicadores de Saneamento Ambiental. No entanto, convém destacar que as 03 metas previstas no Programa Saneamento Rural, Ação 7656, Subação 47644, não foram atingidas considerando que não houve prioridade para implantação de Sistema Simplificado de Abastecimento de Água em comunidades remanescentes de Quilombo no semiárido, em detrimento das demandas do PAC 2. Com relação à subação Implantação de Melhorias de Serviços em Escolas Públicas, cuja meta era realizar 10 visitas de acompanhamento, essas deixaram de ser cumpridas considerando que os convenentes deixaram de realizar a licitação e outras providências técnicas para consolidação dos pleitos, o que inviabilizou o cumprimento da meta. Em relação ao Programa 8007 Resíduos Sólidos Urbanos, Ação 10GG, Subação 47684, relativo à meta realizar 09 visitas técnicas preliminares para viabilização de convênios de implantação de melhorias de sistemas públicos de manejo de resíduos sólidos relativos aos pleitos de exercícios anteriores, esta não foi realizada considerando que os projetos apresentados, apesar de analisados, careceram de peças técnicas necessárias para gerar a demanda da visita técnica preliminar. Soma-se a isto a prioridade dada ao PAC 2, que de certa forma desviou o foco de atenção para cobranças sistemáticas e continuadas aos gestores quanto as peças técnicas dos seus respectivos pleitos. Finalmente, convém observar que a maioria das metas com percentual acima de 100% estão relacionadas não à execução física da obra, mas precipuamente à análise e acompanhamento de pleitos; as ações relacionadas ao Programa 1287/Ação 4641/Subação

34 que trata da divulgação permanente da imagem institucional da Funasa e das ações de saneamento e saúde ambiental, onde observa-se que que a meta extrapolou em 200%,justifica-se considerando a necessidade em acompanhar e divulgar o surto de Dengue no Estado no primeiro semestre de Ainda em relação ao Programa 1287, ressaltamos que a Subação referente à Implantação e Ampliação ou Melhoria do Serviço de Saneamento em Áreas Rurais, a meta foi atingida em 214,93%, o que justifica seu incremento considerando que a demanda da Funasa/Presidência foi superior à inicialmente prevista para o Estado do Piauí, visto que mais projetos foram selecionados para realização de visitas técnicas relacionadas ao Programa Brasil Sem Miséria. O Serviço de Saúde Ambiental SESAM programou para o ano de 2011 um total de 20 metas para serem trabalhadas pelas áreas daquele serviço; destas, 18 tiveram um percentual de execução acima de 90%, e 02 tiveram percentual de execução abaixo de 30%. Dentre os fatores que contribuíram para o atingimento das metas está o empenho das áreas de controle da qualidade da água para o consumo humano e educação em saúde voltadas para o cumprimento das ações planejadas. No entanto, somente 02 ações deixaram de ser executadas, são elas: Programa 0122 Serviços Urbanos de Água e Esgoto, Ação 20AF, Subação 47804, que estava programado para capacitar 02 técnicos em Noções de Epidemiologia para o Controle Ambiental em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde; no entanto, essa não realizou nenhum evento sobre Noções de Epidemiologia no exercício de A Ação 6908, Subação 47784, foi programada e consistia em produzir um kit de material educativo sobre saúde ambiental, sendo que o mesmo não foi concluído, considerando que houve atraso no certame licitatório. Na área de Gestão foram programadas 16 metas; destas, 10 ou 62,5% tiveram o percentual de alcance acima de 90%. Isto deve-se ao desempenho do Programa 0750 Apoio Administrativo, Ação 2000, Subação 47623, que refere-se às metas programadas pela Casai/PI para a gestão de contratos terceirizados, sendo as mesmas cumpridas em 100%. Vale destacar que todos os contratos foram subrogados para o DSEI-MA até dezembro de Restaram 06 metas que tiveram percentual inferior ao padrão esperado, a exemplo das 03 ações com percentual entre 0 e 30%, fato este justificado conforme abaixo: Ação 20 CW, Subação Assistência médica aos servidores e empregados (Exames Periódicos): justifica-se considerando que a realização dos Exames Médicos Periódicos se deu por meio de convênio com operadora de Plano de Saúde de auto-gestão. O mesmo contemplou servidores em exercício nesta Suest e servidores cedidos ao Sistema Único de Saúde/SUS com base no Artº 20 da Lei nº 8.270/91. Devido ao fato de que os servidores cedidos encontram-se distribuídos nos mais diversos municípios do Estado e que muitos desses não dispõem de rede credenciada, bem como para a realização dos exames ser necessário o deslocamento dos mesmos para outras cidades com oferta de rede credenciada, não foi possível atingir a totalidade dos servidores considerando a limitação de teto orçamentário para o custeio de passagens e diárias. Ação 2000 Subação Implantação do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO): a meta Implantar 01 Programa de Educação e Acompanhamento da Hipertensão Arterial/Diabetes Melitus e Obesidade não foi realizada, tendo em vista que a equipe do Programa Qualidade de Vida optou por aguardar o resultado dos exames periódicos para que se tenha uma real situação das causas de adoecimento dos servidores e assim 34

35 redirecionar as ações. Quanto à meta programada para implantação do programa Preparando para a Aposentadoria, destaca-se que esta também não foi executada, considerando a necessidade da realização de uma oficina com técnicos do Ministério da Saúde para exposição das experiências, uma vez que o projeto já é desenvolvido naquele órgão, e devido a agenda desses técnicos e restrições orçamentárias não foi possível a realização da referida oficina. 35

36 2.3.2 Resumo da Execução Física das Subações Realizadas pela UJ QUADRO A.2.2 Resumo Execução Física das Subações Função Subfunção Programa Ação Tipo Priorida de AG A AG A A 4 Subação Descrição da Meta Produto Suest-PI - Apoio à Gestão de Sistemas de Saneamento Básico em Municípios de até Habitantes Suest PI Fomento a estudos de pesquisa visando à avaliação do impacto das ações em Saneamento Básico Suest-PI - Apoio ao processo de Seleção ao TC/PAC II para implantação de Sistema de Abastecimento de Água. SANEAMENTO AMBIENTAL Apoiar tecnicamente 06 municípios com a implantação de Planos Municipais de Saneamento Básico (PMSB), por meios NICTS. Analisar 09 planos de trabalho e orçamentos dos PMSB. Elaborar 09 pareceres finais refrentes aos demais produtos contidos no Termo de Referência do PMSB Acompanhar 01 pesquisa para avaliação do impacto das ações de saneamento básico em obras de execução direta. Realizar 24 entrevistas com os gestores municipais para seleção de pleitos de convênios TC/PAC II 2011 visando a implantação de Sistema de Abastecimento de Água. Realizar 21 visitas técnicas preliminares nos municípios selecionados para elaboração Município apoiado Plano analisado Parecer elaborado Pesquisa acompanh ada Entrevista realizada Visita realizada Un. medida Unid. Unid. Unid. Execução Física Execução Financeira * Meta Meta Meta Meta Realiza Prevista Prevista Realizada da Unid Unid. Unid

37 do projeto de TC/PAC II 2011 visando a implantação de Sistema de Abastecimento de Água A A Suest-PI - Apoio ao processo de Seleção ao TC/PAC II para implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares Suest-PI - Apoio ao processo de Seleção ao TC/PAC II para implantação de Sistema de Esgotamento Sanitário. Realizar 05 visitas técnicas nos municípios selecionados para orientações da Carta Consulta de TC/PAC II 2011 visando a implantação de Sistema de Abastecimento de Água. Realizar análise de 165 projetos para seleção de pleitos de convênios TC/PAC II 2011 visando a implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares. Realizar 30 visitas técnicas nos municípios selecionados para orientações da Carta Consulta de TC/PAC II 2011 visando a implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares Realizar 15 entrevistas com os gestores municipais para seleção de pleitos de convênios TC/PAC II 2011 visando a implantação de Sistema de Esgotamento Sanitário. Realizar 50 visitas técnicas preliminares nos municípios selecionados para elaboração do projeto de TC/PAC II 2011 visando a implantação de Sistema de Esgotamento Sanitário. Visita realizada Projeto analisado Visita realizada Entrevista realizada Visita realizada Unid Unid Unid Unid Unid

38 Realizar 03 visitas técnicas nos municípios selecionados para orientações da Carta Consulta de TC/PAC II 2011 visando a implantação de Sistema de Esgotamento Sanitário. Visita realizada Unid Analisar 03 projetos de implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares, relativo aos exercícios anteriores a Projeto analisado Unid P GD P Suest-PI - Implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares para Prevenção e Controle de Agravos Suest-PI Impl. e Melhoria de Sist. Púb. de Abastecimento de Água em municípios de até Hab. Realizar 03 visitas técnicas preliminares para viabilização de convênios de implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares, relativas aos pleitos de exercícios anteriores a Realizar 15 visitas de acompanhamento de convênios de implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares, relativas aos pleitos de exercícios anteriores a Analisar 43 projetos de implantação e Melhorias de Sistemas Públicos de Abastecimento de Água, relativos aos pleitos de exercícios anteriores a Realizar 24 visitas técnicas preliminares para viabilização Visita realizada Visita realizada Projeto Analisado Visita Realizada Unid. Unid. Unid. Unid

39 de convênios de implantação e Melhorias de Sistemas Públicos de Abastecimento de Água, relativos aos pleitos de exercícios anteriores a GD P GE P Suest-PI Impl. e Melhoria de Sist. Púb. de Abastecimento de Água em municípios de até Hab. Exclus Suest-PI Impl. e Melhoria de Sist. Púb. de Esgoto Sanitário em munic. até Hab. Realizar 13 visitas de acompanhamento de convênios para implantação e Melhorias de Sistemas Públicos de Abastecimento de Água, relativos aos pleitos de exercícios anteriores a Recuperar 09 poços tubulares em municípios da região do semiárido. Analisar 12 Projetos de Implantação e Melhorias de Sistemas Públicos de Esgotamento Sanitário, relativos aos pleitos de exercícios anteriores a Realizar 06 visitas técnicas preliminares para viabilização de convênios de Implantação e Melhorias de Sistemas Públicos de Esgotamento Sanitário, relativos aos pleitos de exercícios anteriores a Visita Realizada Poço Recuperad o Projeto Analisado Visita Realizada Unid Unid Unid Unid

40 Realizar 07 visitas de acompanhamento de convênios para Implantação e Melhorias de Sistemas Públicos de Esgotamento Sanitário, relativos aos pleitos de exercícios anteriores a Analisar 04 projetos de Implantação de Melhorias Habitacionais para Controle da Doença de Chagas, relativos aos pleitos de exercícios anteriores (até ) Visita Realizada Projeto analisado Unid Unid P Suest-PI - Implantação de melhorias habitacionais para Controle da Doença de Chagas. Realizar 04 visitas técnicas preliminares para viabilização de convênios para implantação de Melhorias Habitacionais para Controle da Doença de Chagas, relativas aos pleitos de exercícios anteriores. Visita realizada Unid A Suest-PI - Divulgação Permanente da imagem Realizar 15 visitas de acompanhamento de convênios para implantação de Melhorias Habitacionais para Controle da Doença de Chagas, relativas a exercícios anteriores (até ) Divulgar junto à mídia interna a FUNASA 60 matérias, informativos etc., sobre as ações, projetos e programas Visita realizada Matéria divulgada Unid Unid

41 P P 1 institucional da Funasa e das ações de Saneamento e Saúde Ambiental Suest-PI - Implantação, Ampliação ou Melhoria do Serviço de Saneamento em Áreas Rurais, em Áreas Especiais (Quilombos, Assentamentos e Reservas Extrativistas) e em Localidades com População Inferior a Habitantes para Prevenção e Controle de Agravos Suest-PI Implantação de Sistema Simplificado de Abastecimento de Água em Comunidades Rurais do Semiárido. desenvolvidos na área de Saneamento e Saúde Ambiental. Produzir e divulgar 60 clipagem de jornais e outros meios de comunicação sobre as ações, projetos e programas desenvolvidos na área de Saneamento e Saúde Ambiental. Realizar 750 visitas domiciliares para levantamento da necessidade de construção de cisternas em municípios do semiárido. Implantar 18 Sistemas Simplificados de Abastecimento de Água em Comunidades remanescente de quilombo no Semiárido relativo a exercício anteriores ( até ) Implantar 12 Sistemas Simplificados de Abastecimento de Água em Matéria divulgada Visita relizada Sistema implantad o Sistema implantad a Unid Unid Unid Unid. 12 1

42 comunidades Rurais no semiárido. Realizar 15 visitas de acompanhamento de convênios para implantação de Sistemas Simplificados de Abastecimento de Água no Semiárido relativo a exercicios anteriores (até ) Visita realizada Unid GC P GG P Suest-PI - Implantação de melhorias de serviços de Saneamento em Escolas Públicas Rurais Suest-PI Implantação e Melhoria de Sistemas Públicos de Manejo de Resíduos Sólidos em municípios de até Habitantes, Exclusive de Regiões Metropolitana ou Regiões Integradas de Desenvolvimento Econômico (RIDE) Realizar 10 visitas de acompanhamento de TC/PAC de Exercícios Anteriores para Melhoria de Serviços de Saneamento em Escolas Públicas (até ) Analisar 18 projetos de implantação de Melhorias de Sistemas Públicos de Manejo de Resíduos Sólidos, relativos aos pleitos de exercícios anteriores (até ). Realizar 09 visitas técnicas preliminares para viabilização de convênios de implantação de Melhorias de Sistemas Públicos de Manejo de Resíduos Sólidos, relativas aos pleitos de exercícios anteriores (até ). Visita realizada Projeto analisado Visita realizada Unid Unid Unid. 09 0

43 Realizar 06 visitas de acompanhamento de convênios de implantação de Melhorias de Sistemas Públicos de Manejo de Resíduos Sólidos, relativas a exercícios anteriores (até ). Visita realizada Unid SAÚDE AMBIENTAL - Apoiar 01 Sistema Público de Abastecimento de Água com implementação de Ações voltadas para o controle da qualidade da água para consumo humano. Sistema apoiado Unid Realizar 03 visitas de acompanhamento da Reforma e Ampliação do Laboratório da Fundação Municipal de Saúde de Teresina - PI. Visita realizad a Unid AF A Suest-PI - Apoio ao Controle da Qualidade da Água para Consumo Humano. Firmar 01 Termo de Cooperação Técnica (TCT) com a Secretaria de Estado da Saúde para fortalecimento da parceria no Controle da Qualidade da Água CQA. Termo de Coop. Téc. Firmado Unid Firmar 01 Termo de Cooperação Técnica (TCT) com o Ministério Público Estadual visando a Prevenção e Controle de Agravos à Saúde, relacionados aos fatores ambientais locais. Termo de Coop. Téc. Firmado Unid 01 01

44 Apoiar a operacionalização do Consórcio Regional de Saneamento do sul do Piaui - Coresa-Sul. Consórc io apoiado Unid Realizar 01 oficina sobre Controle de Qualidade da Água com os servidores e Instituições parceiras. Oficina realizad a Unid Realizar 01 seminário sobre Sustentabilidade do Controle de Qualidade da Água. Seminár io realizad o Unid Realizar 01 oficina de avaliação das ações do Programa de Controle da Qualidade da Água-PCQA. Oficina realizad a Unid Elaborar 01 diagnóstico de gerenciamento dos resíduos sólidos nos municípios da área prioritária da Dengue. Diagnós tico elaborad o Unid Capacitar 02 técnicos em Saúde Ambiental em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde do Estado SESAPI. Servidor capacita do Unid Capacitar 02 técnicos em Noções de Epidemiologia para o Controle Ambiental, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde do Estado SESAPI. Servidor capacita do Unid. 02 0

45 Realizar o monitoramento do Controle da Qualidade da Água em 07 municípios de Execução Direta da Funasa Contratação de 01 empresa para reforma e adequação de salas para instalação do Laboratório de Análise da Qualidade da Água. Monitor amento realizad o Empresa contrata da Unid Unid AF A Suest-PI - Reforma e adaptação de salas para o funcionamento do Laboratório de Análise da Qualidade da Água Suest-PI Fomento à Educação em Saúde voltada para o Saneamento Ambiental Aquisição de Equipamentos necessários para o funcionamento do Laboratório da Qualidade da Água (1 Autoclave vertical 75L; 1 Câmara de fluxo laminar; 1 Chuveiro lava olhos de emergência; 1 Deionizador de Água; 1 Destilador Elétrico; 1 Colorímetro Digital Portátil; 2 Estufa para Cultura Bacteriológica, Microprocessador Digital; 1 Medidor Multiplo Parâmetro Portatil; 1 Turbidimetro Digital Microprocessador; 3 Lanternas U.V; 3 Aparelhos Digitais para leitura de cloro; 1 Balança Digital; 1 Câmera fotográfica; 4 Estabilizadores; 2 Refrigeradores Domésticos; 4 Notebook e 1 TV LED de 42"). Apoiar 14 municípios na implantação de ações de educação em saúde e mobilização social em PAC/EP/Convênios anteriores a Equipa mentos adquirid os Municíp io apoiado Unid Unid

46 Implantar 01 projeto piloto para formação de redes em saúde ambiental. Projeto apoiado Unid A 3 Apoiar 02 municípios na implantação dos núcleos de educação em saúde. Municíp io apoiado Unid Apoiar 07 municípios na sustentabilidade das ações de educação em saúde ambiental nas comunidades de áreas especiais, quilombolas, ribeirinhos, extrativistas e assentados. Municíp io apoiado Unid Realizar 02 seminários sobre educação em saúde ambiental. Sem.real izado Unid Produzir 01 kit de material educativo sobre saúde ambiental. Kit produz Unid A CW A Suest-PI Participação dos Servidores Públicos Federais em Processo de Qualificação e Requalificação Suest-PI - Assistência Médica aos servidores e empregados públicos GESTÃO Promover a participação de 235 servidores da Suest-PI em evento de capacitação. Capacitar 80 servidores públicos federais em exercício na Suest-PI Realizar Exames Periódicos em 125 servidores lotados na SUEST-PI. Realizar Exames Periódicos em 212 servidores descentralizados Servidor capacita do Servidor capacita do Exame realizad o Exame realizad o Unid. Unid. Unid. Unid A 4 Implantar 01 Programa de Educação e Acompanhamento Program a Unid. 01 0

47 da Hipertensão Arterial/Diabetes Mellitus e Obesidade. implanta do Suest-PI - Implantação do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO Implantar 01 Programa Preparando para Aposentadoria PPA Implantar 01 Programa de Qualidade de Vida do Trabalhador QVT nas ações de Saúde Ambiental Program a implanta do Program a implanta do Unid. Unid Participar de 12 reuniões para implantação da Unidade do Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor - SIASS Particip ação efetivad a Unid Contratar 01 empresa para fornecimento de refeições diárias. Emp.co ntratada (refeiçõ es) Unid Contratar 01 empresa para realizar serviços de limpeza e conservação. Emp.co ntratada (serv. de limpeza) Unid A Suest-PI Apoiar a gestão da saúde indígena CASAI Contratar 01 empresa para prestar serviços funerários para Casai - PI. Emp.co ntratada (serv.fu nerários Unid Contratar 01 empresa para fornecimento de passagens terrestre. Emp contrata da (p. terrestre Unid

48 Contratar 01 empresa para prestar serviços de vigilância desarmada na Casai - PI. Emp. contrata da (vig.des armada Unid Contratar 01 empresa para fornecimento de medicamentos básicos não contemplados na Farmácia Básica e os específicos. Emp.co ntratada (medica mentos) Unid Contratar 01 empresa para prestar serviços de motorista para Casai - PI. Emp.co ntratada (serv.de motorist a) Unid Manter contrato de locação de 01 imóvel para Casai - PI e de serviços básicos. Imóvel contrata do (locação de imóvel) Unid Fonte: PlamSUS * As colunas referentes à Execução Financeira não foram preenchidas, considerando que a UJ não fez o acompanhamento da execução financeira das Subações, uma vez que sua programação recai sobre custeio e a sua aplicação se realiza de forma compartilhada com outras Subações.

49 QUADRO 1 - DESEMPENHO DAS METAS DO PLANO OPERACIONAL DE 2011 (AÇÕES E SUBAÇÕES) UNIDADE DIESP (Saneamento Ambiental) SESAM (Saúde INTERVALOS DE DESEMPENHO QUANTIDADE DE METAS A = > 90% B = 71% a 90% C = 51% a 70% D = 31% a 50% E = 0% a 30% TOTAL Ambiental) GESTÃO TOTAL ÍNDICE PERCENTUAL 74,6% 2,81% 2,81% 2,81% 16,9% 100% Fonte: Plano Operacional Suest-PI/2011

50 Fonte: Plano Operacional Suest-PI/2011

51 2.4 Desempenho Orçamentário/Financeiro Programação Orçamentária da Despesa QUADRO A Identificação das Unidades Orçamentárias Denominação das Unidades Orçamentárias Código da UO Código SIAFI da UGO Superintendência Estadual da FUNASA no Piauí Programação de Despesas Correntes QUADRO A Programação de Despesas Correntes (NÃO SE APLICA A ESTA UNIDADE JURISDICIONADA) Programação de Despesas de Capital QUADRO A Programação de Despesas Capital (NÃO SE APLICA A ESTA UNIDADE JURISDICIONADA) Quadro Resumo da Programação de Despesas QUADRO A Quadro Resumo da Programação de Despesas e da Reserva de Contingência (NÃO SE APLICA A ESTA UNIDADE JURISDICIONADA) Movimentação Orçamentária por Grupo de Despesa Quadro A Movimentação Orçamentária por Grupo de Despesa Valores em R$ 1,00 Movimentação Interna Item de Informação Grupo de Despesa Função/Subfunção/Programa/Projeto_Atividade Provisão Recebida 1 PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS PAGAMENTO DE APOSENTADORIAS E PENSÕES - SERVIDORES CIVIS , ADMINISTRAÇÃO DA UNIDADE 3.159,06 3 OUTRAS DESPESAS CORRENTES GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA , ADMINISTRAÇÃO DA UNIDADE , GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA , MODERNIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA , CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS EM PROCESSO DE Q , FOMENTO À EDUCAÇÃO EM SAÚDE VOLTADA PARA O SANEAMENTO AMBIEN ,45 4 INVESTIMENTOS ADMINISTRAÇÃO DA UNIDADE , IMPLANTAÇÃO, AMPLIAÇÃO OU MELHORIA DO SERVIÇO DE SANEAMENTO ,00 Movimentação Externa Grupo de Despesa Função/Subfunção/Programa/Projeto_Atividade Item de Informação PROMOÇÃO, VIGILÂNCIA, Provisão Recebida PROTEÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE INDÍGE Provisão Recebida ,71 Fonte: Siafi Gerencial Execução Orçamentária da Despesa Execução Orçamentária de Créditos Originários da UJ

52 Despesas por Modalidade de Contratação QUADRO A Despesas por Modalidade de Contratação dos Créditos Originários da UJ (NÃO SE APLICA A ESTA UNIDADE JURISDICIONADA) Despesas Correntes por Grupo e Elemento de Despesa QUADRO A Despesas Correntes por Grupo e Elemento de Despesa dos Créditos Originários da UJ (NÃO SE APLICA A ESTA UNIDADE JURISDICIONADA) Despesas de Capital por Grupo e Elemento de Despesa QUADRO A Despesas de Capital por Grupo e Elemento de Despesa dos Créditos Originários da UJ (NÃO SE APLICA A ESTA UNIDADE JURISDICIONADA) Execução Orçamentária de Créditos Recebidos pela UJ por Movimentação Despesas por Modalidade de Contratação dos Créditos Recebidos por Movimentação QUADRO A DESPESAS POR MODALIDADE DE CONTRATAÇÃO DOS CRÉDITOS RECEBIDOS POR MOVIMENTAÇÃO Valores em R$ 1,00 Modalidade de Contratação Despesa Liquidada Despesa paga Licitação Convite Tomada de Preços Concorrência Pregão , , , ,52 Concurso Consulta Contratações Diretas Dispensa , , , ,73 Inexigibilidade 5.648, ,12 - Não se aplica , , ,67 Regime de Execução Especial Suprimento de Fundos 4.949, , , ,50 Pagamento de Pessoal Pagamento em Folha , , , ,63 Diárias , , , ,61 Outras Fonte: Siafi Gerencial Despesas Correntes por Grupo e Elemento de Despesa dos Créditos Recebidos por Movimentação QUADRO A DESPESAS CORRENTES POR GRUPO E ELEMENTO DE DESPESA DOS CRÉDITOS RECEBIDOS POR MOVIMENTAÇÃO Valores em R$ 1,00 Grupos de Despesa Despesa Empenhada Despesa Liquidada RP não processados Valores Pagos 1 Despesas de Pessoal , , , , º elemento de despesa (08)

53 2º elemento de despesa 3º elemento de despesa Demais elementos do grupo 2 Juros e Encargos da Dívida 1º elemento de despesa 2º elemento de despesa 3º elemento de despesa Demais elementos do grupo 3- Outras Despesas Correntes , , , , , , - - 1º elemento de despesa (14) º elemento de despesa (30) , , , , , , , , , , , , , , ,03 687,88 4º elemento de despesa (33) , , , , , , º elemento de despesa (36) , , , , , , 8.702, ,09 5º elemento de despesa (37) º elemento de despesa (39) , , , , , , , , 47 7º elemento de despesa (47) 1.004, ,35 918, ,35 86,27-918, ,35 8º elemento de despesa (92) 289,61 277,84 289,61 277, ,61 277,84 9º elemento de despesa (93) - 232,21-232, ,21 Fonte: Siafi Gerencial Observação: Esta Suest/PI não possui despesa com Juros e Encargos da Dívida. Deixamos de informar restos a pagar processados referentes ao exercício de 2010 devido não termos recebido informação da Presidência Despesas de Capital por Grupo e Elemento de Despesa dos Créditos Recebidos por Movimentação QUADRO A DESPESAS DE CAPITAL POR GRUPO E ELEMENTO DE DESPESA DOS CRÉDITOS RECEBIDOS POR MOVIMENTAÇÃO Valor es em R$ 1,00 Grupos de Despesa Despesa Empenhada Despesa Liquidada RP não processados Valores Pagos 4 - Investimentos º elemento de , , , , despesa (51) 8 8-2º elemento de , , , , , , ,0 despesa (52) , º elemento de despesa Demais elementos do grupo Inversões Financeiras 1º elemento de despesa º elemento de despesa º elemento de

54 despesa Demais elementos do grupo 6 - Amortização da Dívida 1º elemento de despesa 2º elemento de despesa 3º elemento de despesa Demais elementos do grupo Fonte: SIAFI Gerencial Observação: A Suest-PI não realiza Inversões Financeiras e Amortização da Dívida. Análise crítica As alterações ocorridas no exercício não foram significativas a ponto de permitir uma análise. Não houve outras ocorrências que tenham influenciado negativamente a execução do orçamento Indicadores Institucionais

55 Indicadores de Educação em Saúde Indicador Percentual de TC com projetos de Educação em Saúde e Mobilização Social Finalida de Verificar a adesão dos municípi os às ações de educação em saúde e mobiliza ção social Fórmula de Cálculo Memória de cálculo 0/46 x 100 = 0% Tipo Eficácia Fonte SIGOB Cgcon Equipe de educaç ão em saúde da Suest e Presi Método de Aferição Consulta aos TC/PAC e relatórios do SIGOB Área Responsável pelo Indicador Ascom- Suest Resultado 2010 Resultado % 0%

56 Indicadores de Saneamento Ambiental Indicador Finalidade Fórmula de Cálculo Percentual de execução física de obras de abastecimento de água com recursos do PAC (*) (*) Acumulado 2007 a (Parâmetro de verificação: Portaria 544). Medir a execução física das obras do PAC Memória de Cálculo 419/469 x 100 = 90,30% 45/464 x 100 = 9,70% 0/464 x 100 = 0% Tipo Eficáci a Eficáci a Eficáci a Fonte Sigesan Siscon Siafi Método de Aferição Relatórios do Sigesan; Parecer técnico de visita de acompanham ento (Diesp) Área Responsá vel pelo Indicador Densp Depin Suest Resulta do ,37% 0,63% 0% 0% Resultado ,30% 9,70%

57 Indicador Finalidade Fórmula de Cálculo Percentual de execução física de obras de esgotamento sanitário com recursos do PAC (*) (*) Acumulado 2007 a (Parâmetro de verificação : Portaria 544) Medir a execução física das obras do PAC Memória de Cálculo 28/36 x 100 = 77,78% 8/36 x 100 = 22,22% 0/36 x 100 = 0% Tipo Eficáci a Fonte Sigesan Siscon Siafi Método de Aferição Relatórios do Sigesan; Parecer técnico de visita de acompanham ento (Diesp) Área Responsá vel pelo Indicador Densp Depin Suest Resulta do ,37% 8,35% 0% Resultado ,78% 22,22% 0% Percentual de comunidades remanescentes de quilombo com SAA implantado com recursos do PAC (*) (*) Acumulado 2007 a Verificar o percentual de comunidad es remanesce ntes de quilombo com SAA implantado s com recursos do PAC 0/0 x 100 = 100% Eficáci a Relatório Consolidad o de atividades (Densp) Planilha de acompanha mento (Diesp) /Sensp) Programaç ão do PAC Planilha Acompanha mento (Densp) Visita de acompanham ento (Diesp/Sensp ) DENSP Suest 100% 0%

RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 SUEST/RJ

RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 SUEST/RJ RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 SUEST/RJ SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO 2 RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 ASSESSORIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Finalidade Proporcionar aos servidores, empregados, seus dependentes e pensionistas condições para manutenção da saúde física e mental.

Finalidade Proporcionar aos servidores, empregados, seus dependentes e pensionistas condições para manutenção da saúde física e mental. Programa 0390 Metrologia, Qualidade e Avaliação da Conformidade Numero de Ações 13 Ações Orçamentárias 09HB Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de São Paulo (Suest/SP)

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de São Paulo (Suest/SP) Fundação Nacional da Saúde RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de São Paulo (Suest/SP) Superintendência Estadual de São Paulo RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 SUEST/RR

RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 SUEST/RR RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 SUEST/RR SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DE RORAIMA Superintendência Estadual de Roraima RELATÓRIO DE GESTÃO DO EERCÍCIO DE 2011 Boa Vista/RR 2012 Superintendência Estadual de Roraima

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

Desenvolvimento e Implantação do Criptossistema da Autoridade Certificadora Raiz da ICP-Brasil

Desenvolvimento e Implantação do Criptossistema da Autoridade Certificadora Raiz da ICP-Brasil Programa 1109 Massificação da Certificação Digital ICP-Brasil Ações Orçamentárias Número de Ações 18 72640000 Produto: Sistema implantado Desenvolvimento e Implantação do Criptossistema da Autoridade Certificadora

Leia mais

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Workshop Saneamento Básico Fiesp Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Presidente da Funasa Henrique Pires São Paulo, 28 de outubro de 2015 Fundação Nacional de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Educação em Saúde Ambiental

Educação em Saúde Ambiental Educação em Saúde Ambiental ONIVALDO FERREIRA COUTINHO Departamento de Saúde Ambiental - Desam Coordenação de Educação em Saúde Ambiental - Coesa Constatações deste IV Seminário Engenharia de Saúde Pública:...aumento

Leia mais

Esfera: 10 Função: 04 - Administração Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 20204 - Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI

Esfera: 10 Função: 04 - Administração Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 20204 - Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI Programa 1109 Massificação da Certificação Digital ICP-Brasil Numero de Ações 14 Ações Orçamentárias 09HB Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos

Leia mais

Implantação de Sistema Integrado de Gerenciamento da Execução da Reforma Agrária e Agricultura Familiar

Implantação de Sistema Integrado de Gerenciamento da Execução da Reforma Agrária e Agricultura Familiar Programa 0139 Gestão da Política de Desenvolvimento Agrário Objetivo Coordenar o planejamento e a formulação de políticas setoriais e a avaliação e controle dos programas na área de desenvolvimento agrário

Leia mais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Programa 0641 Inteligência Federal Objetivo Desenvolver Atividades de inteligência e de Segurança da Informação no interesse do Estado e da Sociedade Indicador(es) úmero de Ações 14 Taxa de Relatórios

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 SUEST/AC

RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 SUEST/AC RELATÓRIO DE GESTÃO 2011 SUEST/AC SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DO ACRE Superintendência Estadual do Acre RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO 2011 RIO BRANCO, AC MARÇO DE 2012 MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG PROGRAMAS ABERTOS MINISTÉRIO DA PESCA Código do Programa 5800020130061 Administração Pública Estadual ou do Distrito Federal Programa 20.122.2113.2000.0001.0001 - Adminstração da Unidade - Nacional A atividade

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de Pernambuco (Suest/PE)

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de Pernambuco (Suest/PE) Fundação Nacional da Saúde RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de Pernambuco (Suest/PE) SUPERINTENDÊNCIAS ESTADUAL DA FUNASA EM PERNAMBUCO RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RECIFE, MARÇO 2012 2

Leia mais

META FÍSICA. UNIDADE RESPONSÁVEL GGEP Gerência de Gestão de Pessoas. - Sem meta. física da União. Pessoal Ativo empregados ativos civis da União.

META FÍSICA. UNIDADE RESPONSÁVEL GGEP Gerência de Gestão de Pessoas. - Sem meta. física da União. Pessoal Ativo empregados ativos civis da União. Gerente: Diretor-Presidente 20TP Pagamento de Pagamento de espécies remuneratórias devido servidores e Garantir o pagamento de - Sem meta Pessoal Ativo empregados ativos civis da União. espécies remuneratórias

Leia mais

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC Programa 0630 Desenvolvimento da Aviação Civil Numero de Ações 14 Ações Orçamentárias 0B09 Apoio a Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Produto: Entidade apoiada Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional

Leia mais

Superintendência Estadual do Acre RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO 2013 SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DA FUNASA NO ACRE

Superintendência Estadual do Acre RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO 2013 SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DA FUNASA NO ACRE Superintendência Estadual do Acre RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO 2013 RIO BRANCO, 2014 Superintendência Estadual do Acre RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO 2013 Relatório de Gestão do exercício de 2013

Leia mais

2101 Programa de Gestão e Manutenção da Presidência da República

2101 Programa de Gestão e Manutenção da Presidência da República 2101 Programa de Gestão e Manutenção da Presidência da República Objetivo específico: Prover as unidades da Presidência dos meios administrativos para a implementação e gestão de seus programas temáticos.

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

2004 - Assistência Médica e Odontológica aos Servidores Civis, Empregados, Militares e seus Dependentes

2004 - Assistência Médica e Odontológica aos Servidores Civis, Empregados, Militares e seus Dependentes Programa 2123 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério do Esporte Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 09HB - Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Superintendência Estadual de São Paulo

Superintendência Estadual de São Paulo Superintendência Estadual de São Paulo RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DA FUNASA EM SÃO PAULO São Paulo, 2015 1 Superintendência Estadual de São Paulo RELATÓRIO DE GESTÃO

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico.

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico. Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico. EIXO1: Monitoramento de possibilidades de captação de convênios para melhoria nos serviços e infraestruturas de saneamento básico. PRODUTO

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013 Programa 2101 - Programa de Gestão e Manutenção da Presidência da República 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 121 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA Funasa Programa de Cooperação Técnica Visa criar condições de sustentabilidade para o adequado atendimento populacional. Ênfase será conferida à qualificação dos investimentos

Leia mais

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires A construção da saúde pelo saneamento dos municípios Eng Civil Henrique Pires 2011 O Homem e a água uma longa história Os primeiros poços, chafarizes, barragens e aquedutos foram construídos no Egito,

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 LISTA DE QUADROS... 4

SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 LISTA DE QUADROS... 4 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 LISTA DE QUADROS... 4 1 IDENTIFICAÇÃO E ATRIBUTOS DAS UNIDADES JURISDICIONADAS CUJAS GESTÕES COMPÕEM O RELATÓRIO... 6 1.1. Identificação da unidade jurisdicionada... 6 1.2. Finalidade

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual do Acre (Suest/AC)

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual do Acre (Suest/AC) Fundação Nacional da Saúde RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual do Acre (Suest/AC) Superintendência Estadual do Acre RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO 2012 RIO BRANCO, 2013 Superintendência

Leia mais

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto Programa 2067 - Resíduos Sólidos 10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina Tipo: Projeto Número de Ações 10 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função: 18 - Gestão

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre orientações às unidades jurisdicionadas ao Tribunal quanto à elaboração dos conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2012. O

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS (Normativos e composição) Outubro - 2010 Coordenação-Geral de Técnicas, Procedimentos e Qualidade DCTEQ Eveline Brito Coordenadora-Geral de Técnicas, Procedimentos

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de Mato Grosso do Sul (Suest/MS)

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de Mato Grosso do Sul (Suest/MS) Fundação Nacional da Saúde RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de Mato Grosso do Sul (Suest/MS) RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO 2012 Relatório de Gestão do exercício de 2012 apresentados

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014 Programa 2123 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério do Esporte 00M1 - Benefícios Assistenciais decorrentes do Auxílio-Funeral e Natalidade Tipo: Operações Especiais Número de Ações 11 Despesas

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral Governo do do Amazonas Secretaria de de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Sistema de Planejamento, Orçamento e Gestão do do Amazonas SPLAM Pág. 3 de 2001 - da 25000 - Secretaria de de Infraestrutura

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 Lei n 763/2010. EMENTA: Dispõe sobre a política municipal de segurança alimentar e nutricional sustentável do município de Parnamirim-PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS LEI N o 1.633 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. DEFINE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE CAIAPÔNIA E DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

PORTARIA N.º 03 DE 14 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA N.º 03 DE 14 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA N.º 03 DE 14 DE JANEIRO DE 2014 O Superintendente Estadual da Fundação Nacional de Saúde no Estado de Santa Catarina, nomeado pela Portaria n.º 637 de 21 de outubro de 2011, publicada no DOU n.º

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 1/2012/DESAM/FUNASA/MS.

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 1/2012/DESAM/FUNASA/MS. EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 1/2012/DESAM/FUNASA/MS. 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A Fundação Nacional de Saúde FUNASA, observando as disposições da Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, Lei nº 8.142,

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual do Maranhão (Suest/MA)

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual do Maranhão (Suest/MA) Fundação Nacional da Saúde RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual do Maranhão (Suest/MA) SUPERINTENDENCIA REGIONAL DO MARANHÃO Relatório de gestão do exercício de 2012 São Luís-MA/2013 4 SUPERINTENDENCIA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO 20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE NACIONAL RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Brasília / 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas.

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas. Programa 1448 Qualidade na Escola Numero de Ações 48 Ações Orçamentárias 009U Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Produto: Bolsa concedida Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 364

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Introdução O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é um

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de Rondônia (Suest/RO)

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de Rondônia (Suest/RO) Fundação Nacional da Saúde RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Superintendência Estadual de Rondônia (Suest/RO) Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Superintendência Estadual de Rondônia PRESTAÇÃO DE CONTAS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

Detalhamento por Localizador

Detalhamento por Localizador Programa 2015 - Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) 20QI - Implantação e Manutenção da Força Nacional de Saúde Número de Ações 3 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social Função: 10 - Saúde

Leia mais

ANEXO XI Saúde Indígena Introdução

ANEXO XI Saúde Indígena Introdução ANEXO XI Saúde Indígena Introdução A Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas, aprovada na 114ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Saúde (em 8/11/2001) e sancionada pelo Ministro

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.051, DE 23 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 23.10.2015 N. 3.759 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão Semad, suas finalidades

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico EIXO1: Monitoramento de possibilidades de captação de convênios para melhoria nos serviços e infraestruturas de saneamento básico. PRODUTO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS,

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. Institui o Fundo Municipal de Saúde e da outras providencias.. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

1. AÇÕES ESTRATÉGICAS E METAS

1. AÇÕES ESTRATÉGICAS E METAS 1. AÇÕES S E S 1.1. Quadro de Ações Estratégicas e Metas para 2013 AÇÃO Criar filial da EBSERH ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Registrar nos órgãos federais, estaduais e municipais Delegar competências e definir

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014 Programa 2114 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Previdência Social Número de Ações 27 00M1 - Benefícios Assistenciais decorrentes do Auxílio-Funeral e Natalidade Tipo: Operações Especiais

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

Trabalho Social nos Empreendimentos De Saneamento Básico

Trabalho Social nos Empreendimentos De Saneamento Básico Trabalho Social nos Empreendimentos De Saneamento Básico Brasília, 01 de Dezembro de 2015 Definição O Trabalho Social: 1) compreende um conjunto de estratégias, processos e ações, 2) é realizado a partir

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014)

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Programa 2017 - Aviação Civil Número de Ações 26 Tipo: Operações Especiais 00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais