Ele veio para libertar os cativos Rebecca Brown

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ele veio para libertar os cativos Rebecca Brown"

Transcrição

1 Ele veio para libertar os cativos Rebecca Brown Título original: He Came to Set the Captives Free Tradução de Margaret de Jesus Ramos Edição - Janeiro de 2000 DYNAMUS Editorial ISBN: Digitalizado por: BlacKnight Revisado e Formatado por SusanaCap FORUMNOVO/

2 ÍNDICE 1. REBECCA ELAINE A IRMANDADE RUMO AO PODER VIVENDO COMO UMA SACERDOTISA SUPERIOR O CASAMENTO A DISCIPLINA NA IRMANDADE O BLACK SABBATH E OS SACRIFÍCIOS HUMANOS MOMENTOS CRUCIAIS O ENCONTRO ENTRANDO NA BATALHA ESPIRITUAL A BATALHA AS PORTAS O ESPÍRITO HUMANO, O ESTAR NA BRECHA E O MUNDO ESPIRITUAL POR QUE DEVEMOS LUTAR COMO LUTAR DESTRUIÇÃO DAS IGREJAS CRISTÃS AS DOENÇAS DEMONÍACAS FALANDO DIRETAMENTE AOS QUE QUEREM SAIR DO OCULTISMO DEFINIÇÕES

3 Apresentação Meu prim eiro con ta to com es te livro s e deu h á m a is de cin co a n os, qu a n do m e veio à s m ã os n a lín gu a origin a l. Lem bro-m e bem da ora çã o qu e fiz n a qu ela oca s iã o, pedin do a Deu s qu e o torn a s s e disponível em nossa língua. Interesso-m e pelo tem a do livro des de 1980, qu a n do tive minha prim eira experiên cia com m a n ifes ta çã o de dem ôn ios. Nã o m e s a í m u ito bem. Foi u m en con tro difícil, fru s tra n te. Meu pai, qu e ta m bém é pastor, experien te, m e a dvertiu : Filh o, pa rte de nossa vitória consiste em não ignorarmos os ardis do inimigo. Após es s a experiên cia doloros a, com ecei a ler, pes qu is a r e es tu da r tu do qu e en con tra va s obre o a s s u n to; m a s n a qu ela época n ã o h a via m u ita cois a de pes o s obre o m in is tério de liberta çã o. Ven do m eu in teres s e, m eu pa i en ca m in h ou -m e à ca s a de u m a m igo s eu, o Pr. Alm ir Gu im a rã es, da Rocin h a, Rio de J a n eiro. Dele recebi orien ta çã o precios a e de gra n de u tilidade prá tica. Aprofundei-m e n o a s s u n to e a in da h oje leio o qu e de m elh or s u rge nas livrarias evangélicas sobre anjos, libertação, satanismo, etc. A Dra. Rebecca Brown foi m u ito a ben çoa da com a in s pira çã o es piritu a l pa ra es te livro. Foi ta m bém m u ito cora jos a em es crevêlo, e is s o m u ito m a is pelo ris co de s e expor, com o o fez, pera n te o povo eva n gélico, do qu e pela pos s ibilida de de rea çã o h os til por pa rte dos dem ôn ios o Sen h or J es u s os ven ceu a todos. Sei m u ito bem o qu a n to cu s ta tom a r u m a pos içã o des s a n a tu reza e por is s o en ten do qu e a cora gem des s e a to con fere a es te livro n ova dimensão e valor. Ao con trá rio dos es pírita s, n ós, eva n gélicos, tem os pou cos regis tros de n os s a s experiên cia s n es s a á rea. É u m a pen a. A troca de in form a ções é va lios ís s im a para o des en volvim en to de n os s a s h a bilida des es piritu a is, pois n os s a vivên cia cris tã pode s er m u ito enriquecida com as experiências de outros irmãos. Fu i trem en da m en te a ben çoa do com a leitu ra des te livro. De ta n to fa la r dele pa ra ta n ta gen te, a ca bei m e en volven do com o preparo des ta ediçã o. Por is s o m es m o, é com en orm e s a tis fa çã o qu e o recom en do, prim eiro a os pa s tores, m eu s colega s de m in is tério, e a os s em in a ris ta s, fu tu ros obreiros qu e deverã o s e

4 a pres en ta r prepara dos! Ta m bém recom en do s u a leitu ra a os gu erreiros e gu erreira s qu e crêem n a vida a bu n da n te, n a vida plen a de vitória s obre o m a lign o. Va le a pen a! Qu e Deu s a ben çoe a cada um de vocês. Pr. Ciro Otávio Igreja Batista da Floresta Belo Horizonte Atenção! SATANÁS NÃO QUER QUE VOCÊ LEIA ESTE LIVRO! O qu ê o torna um dos livros mais difíceis que você já tentou ler. Pai celestial peço- te que protejas o nosso leitor dando- lhe entendim ento exato de tudo o que nos direcionastes a dizer. Peço e agradeço no precioso nom e de teu filho Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, amém. O propós ito des te m a teria l é m os tra r com o Sa ta n á s e s eu s dem ôn ios a tu a m n o m u n do, e com o você poderá, de m odo efica z lutar contra eles, libertando-se da escravidão. Sa ta n á s fa rá tu do pa ra im pedi-lo de ler. Ten ta rá im por s on olên cia, con fu s ões, in terru pções con s ta n tes e m u ita s ou tra s cois a s. Sen do qu e, o m edo é u m a de s u a s m a iores a rm a s, ele a u s a rá pa ra in tim idá -lo. Será precis o ch a m a r o n om e de J es u s pa ra afastá-lo. Não deixe de orar e pedir ao Senhor cobertura para o quê irá ler. Minha profunda gratidão é primeiro atribuída a Deus e depois à Ela in e. Nã o s eria pos s ível es crever es te livro s em a s in form a ções cedida s por ela e s em a força, orien ta çã o e es tím u lo vin dos do Sen h or. Do m es m o jeito qu e Ela in e m e n a rrou s u a vida eu a es crevi. É cla ro qu e n ã o pos s o docu m en ta r tu do n es s a n a rra tiva. Porém, ela n ã o é ú n ica. Exis tem ta n ta s ou tra s qu e s a íra m do rein o de Sa ta n á s e dã o tes tem u n h os pa recidos. Todos os n om es fora m m u da dos para proteger a s pes s oa s en volvida s n a es tória. Ora m os fervoros a m en te pa ra qu e o Sen h or J es u s Cris to a ben çoe você tã o logo comece a ler as páginas que se seguem.

5 Indo para Nazaré, onde fora criado, entrou, num sábado, na sinagoga, segundo o seu costum e, e levantou-se para ler. Então, lhe deram o livro do profeta I saías, e, abrindo o livro, achou o lugar onde estava escrito: O Espírito do Senhor está sobre m im pelo que m e ungiu para evangelizar os pobres; enviou-m e para proclam ar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprim idos, e apregoar o ano aceitável do Senhor. Tendo fechado o livro, devolveu-o ao assistente e sentou-se; e todos na sinagoga tinham os olhos fitos nele. Então, passou Jesus a dizer-lhes: Hoje, se cum priu a Escritura que acabais de ouvir. (Lucas ). ELE VEIO PARA LIBERTAR OS CATIVOS! 1. R E BECCA Ela s en tiu qu e h a via a lgo diferen te n o lu ga r, des de o prim eiro m om en to qu e a tra ves s a ra a porta. Era com o s e a es cu ridã o pa ira s s e. Nã o podia defin ir. Ma s, es ta va lá. Algo qu e ela s a bia nunca ter experimentado. Rebecca é m édica, e era a prim eira vez qu e en tra va n o h os pita l Mem oria l pa ra com eça r s eu trein a m en to em res idên cia. Term in a ra o cu rs o de m edicin a n o m ês a n terior e, pela prim eira vez em s eu s trin ta a n os, s a ía de ca s a. Nã o tin h a idéia de qu e a s tra gédia s qu e a con teceria m n a qu ele h os pita l tra n s form a ria m pa ra s em pre ela e o cu rs o da s u a vida. A es cu ridã o s in is tra qu e s en tira n o es pírito parecia es preitá -la... es preitá -la... e, de repen te a envolveria n u m a s érie de a con tecim en tos qu e tes ta ria m n o lim ite m á xim o o com prom is s o dela com o Sen h or e Sa lva dor J es u s Cristo. O prim eiro tes te viria logo. Rebecca já tra ba lh a va h á cerca de dois m es es n o h os pita l. Nu m a n oite en qu a n to tra ba lh a va n a s a la de em ergên cia (S.E.), lá pela s du a s da m a dru ga da, trou xera m u m homem aparentando ter trinta anos. Qu a n do viu o corpo dele todo m a ch u ca do e es tra ça lh a do, Rebecca recu ou de pa vor. An tes de s er m édica ela já h a via

6 trabalhado como enfermeira em hospitais da cidade. Contudo, nem a s experiên cia s de s eis a n os n a s S.E. fa zia m -n a lem bra r de ter vis to a lgo s em elh a n te! Mes m o n a correria com os colega s de tra ba lh o para s a lva r a vida do jovem pa s tor, ela n ã o con s egu ia pa ra r de pen s a r. Com o is to pôde a con tecer? Qu em teria feito ta l coisa? Era óbvio que ele havia sido torturado. O s eu corpo es ta va parcia lm en te s em a pele. In ú m eros era m os ferim en tos de qu eim a du ra s, cortes, ch icota das e o m a is terrível: bu ra cos n a s pa lm a s das m ã os ca u s a dos pela in trodu çã o de ferros nela. Ele estava inconsciente e em profundo choque. Depois dos cu ida dos m édicos, o pa cien te es ta biliza do e tra n s ferido pa ra o CTI, Rebecca procu rou pelos policia is qu e h a via m s ocorrido o m oço. Eles n ã o tin h a m m u ito o qu e dizer, a n ã o s er de qu e pa recia tra ta r-s e de u m ca s o típico de s eqü es tro. Acharam-n o des m a ia do e o prim eiro pen s a m en to fora de qu e es tives s e m orto. Recu s a ra m -s e a fa la r s obre o in ciden te e s a íra m rapidamente resmungando sobre ter de arquivar o caso. Todos n a S.E. volta ra m à s s u a s ta refa s com o s e n a da de a n orm a l tives s e a con tecido. Pa rticu la rm en te, n in gu ém parecia s u rpres o pela con diçã o do pacien te. Rebecca, n ova m en te, s en tiu a qu ela es m a ga dora a tm os fera. Es ta va trem en da m en te con fu s a e preocu pa da. No en ta n to, a des peito das circu n s tâ n cia s, o tra ba lh o a es pera va. Até en tã o, n a da em s u a experiên cia de vida poderia têla prepa ra do ta n to com o o ch oqu e qu e o tes tem u n h o do pastor ca u s a ria a o n a rra r o qu e lh e a con tecera a n tes de en tra r n o h os pita l n a qu ela n oite. Ela, n em m es m o s a bia qu e o próxim o golpe seria contra uma de suas pacientes, uma pessoa que amava muito. Ma s, prim eiro, deixe-n os des crever o trein a m en to qu e o Sen h or deu à Rebecca prepara n do-a pa ra tu do o qu e viria a acontecer. Foi-lh e con cedido o trem en do privilégio e bên çã o de n a s cer em u m la r cris tã o. Seu s pa is ora va m por ela dia ria m en te. Qu a n do m u ito jovem a ceitou a J es u s com o Sa lva dor, m a s n ã o s a bia n a da s obre rela cion a m en to pes s oa l com Ele. Cres ceu em u m a den om in a çã o res trita e rigoros a on de n ã o lh e era perm itido fa zer a m igos ou rela cion a r-s e com pes s oa s de ou tros gru pos. Foi rejeitada tanto dentro de seu meio, como fora dele. Ridicularizada e critica da n a es cola por m em bros de ou tros gru pos, ela cres ceu s olitá ria. Além do m a is, era m u ito en ferm a pa s s a n do toda a

7 in fâ n cia ora em ca s a, ora n o h os pita l. Des cobrira m depois, qu e ela pos s u ía u m a doen ça n eu rom u s cu la r qu e, a lém de debilitá -la era in cu rá vel. Ma s a dedica çã o e a s ora ções de s eu s pa is fora m, para ela, es ta bilida de e proteçã o. Nen h u m tem or im pediu qu e Rebecca en tra s s e em u m m u n do ocu lto. Ocu ltis m o es te qu e a pris ion a tantos jovens com antecedentes similares. No prim eiro a n o n a es cola de m edicin a, ela, fin a lm en te, en tregou todas a s á rea s de s u a vida a o s en h orio de Cris to. Deixou qu e Ele fos s e o s eu m es tre, a s s im com o o s eu Sa lva dor. Os qu a tro a n os fora m de in ten s a lu ta devido à doen ça n eu rom u s cu la r e à s dificu lda des fin a n ceira s. Fora m a n os em qu e ela a pren deu a con fia r n o Sen h or, a a n da r com Ele dia -a -dia, ou vi-lo fa la r em s eu es pírito, a pren deu a s egu ir Su a s orien ta ções e a experim en ta r a provisão divina para cada necessidade diária. An tes de in gres s a r n a es cola de m edicin a, ela h a via tra ba lh a do, du ra n te s ete a n os, com o en ferm eira. En tã o, com o res u lta do do poderos o m over de Deu s em s u a vida, e de in ú m eros m ila gres, ela a ba n don ou a en ferm a gem, e voltou a es tu da r in do depois para a escola de medicina. Na época em qu e en trou n o h os pita l Mem oria l, Rebecca n ã o s a bia a bs olu ta m en te n a da s obre Sa ta n is m o ou m es m o s obre Ela in e, u m a poderos a bru xa qu e m ora va perto dali. Ela n em s on h a va qu e o fa to de a n da r com Cris to n a qu ele h os pita l, ca u s a ria u m im pa cto ta m a n h o n o m u n do es piritu a l e qu e a s força s da s treva s fica ria m en fu recida s. Viu -s e en volvida n u m a lu ta trem en da. Ela in e, u m a da s m a is poderos a s bru xa s n os EUA, liderou u m a ta qu e orga n iza do por m u ita s ou tra s qu e u s a ra m todos os poderes e habilidades da bruxaria para tentar matá-la. O prim eiro a n o de res idên cia é ta m bém o prim eiro do trein a m en to qu e u m m édico recebe depois da fa cu ldade, in do especializar-s e em a lgu m a á rea. É o m a is difícil e tem eros o, e n ã o foi diferen te pa ra Rebecca, exceto qu e ela es ta va con s cien te de h a via a lgo es tra n h o e in defin ível a cerca da qu ele h os pita l. Algo qu e n in gu ém parecia n ota r. Nem m es m o s eu s colega s cris tã os. Era com o s e fos s e u m a a tm os fera de ódio, m u rm u ra çã o e lu ta em todo departamen to, e, porqu e n ã o dizer, em todo o h os pita l. Um a a tm os fera extrem a m en te fria. Deu s u s ou a s pres s ões fís ica s e emocionais desse ano para aumentar sua intimidade com Rebecca. Ela con s ta tou qu e, des de o com eço, h a via u m a res is tên cia

8 in com u m a o eva n gelh o e, a s pes s oa s com qu em ten ta va com pa rtilh a r recu s a va m, en fa tica m en te, a té m es m o ou vir. De fa to, pa s s a dos os s eis m es es qu e tra ba lh a va n o h os pita l, a a dm in is tra çã o recolh era dos qu a rtos todos os n ovos tes ta m en tos. Coloca ra m n os pos tos de en ferm a gem o a vis o de qu e o em prega do qu e fos s e a pa n h a do evangelizando os pa cien tes s eria des pedido n o a to. Nã o deixa n do de m en cion a r qu e, a os m in is tros n ã o s eria perm itido vis ita r n a com pa n h ia de ou tros qu e n ã o fos s em os s eu s próprios pa roqu ia n os. E, s e ten ta s s em eva n geliza r outros pa cien tes s eria m es colta dos pela s egu ra n ça e a dvertidos a n ã o retorn a rem m a is. O Serviço de Ca pela n ia n ã o era perm itido. Na rea lida de, pa recia h a ver u m es forço n o s en tido de ban ir qu a lqu er menção ao cristianismo dentro do hospital. Rebecca fora des ign a da pa ra tra ba lh a r n o CTI. En treta n to, im edia ta m en te, s e viu m ergu lh a da n u m tu rbilh ã o de a tivida des. Era m 120 h ora s s em a n a is de tra ba lh o á rdu o. As s im, ela a tribu iu à exaustão a piora do seu estado físico. Nã o obs ta n te, o Sen h or com eçou a fa la r-lh e firm em en te n o cora çã o qu e ela deveria passar u m a h ora em ora çã o, toda s a s m a n h ã s, a n tes do tra ba lh o. Deveria pedir pela in s titu içã o e ta m bém pela cida de porqu e o eva n gelh o s eria procla m a do a lém de s e torn a r fru tífero. Tã o logo, com eçou a obedecer, a ch ou -se, repetidam en te, com pelida pelo Es pírito Sa n to a pedir a o Sen h or qu e s u jeita s s e o poder da s treva s n a qu ele lu ga r. Sem pre ela s e via citando Números 10.35, onde Moisés diz:...levanta-te, Senhor, e dissipados sejam os teus inimigos e fujam diante de ti os que te odeiam. Nã o s a bia porqu e ora va des s a m a n eira e, n a verdade, era es tra n h o pa ra ela a s itu a çã o. No en ta n to, in s is ten tem en te o Espírito Santo impulsionava-a a agir assim. Com o o Sen h or m a is e m a is, qu eim a va -lh e o cora çã o pela s a lm a s daqu ele lu ga r, ela com eçou a pedir-lh e, dia ria m en te, a perm is s ã o pa ra ta par a brech a pelo h os pita l e pela cida de do mesmo modo que está em Ezequiel : Busquei entre eles um hom em que tapasse o m uro e se colocasse na brecha perante m im a favor desta terra, para que eu não a destruísse, m as a ninguém achei. Por isso eu derram ei sobre eles a m inha indignação, com o fogo do m eu furor os consum i, fiz cair-lhes sobre a

9 cabeça o castigo do seu procedim ento, diz o Senhor Deus. Em particu la r, ela n em m es m o s a bia o s ign ifica do de estar n a brech a, con tu do, pedia a o Sen h or qu e a u s a s s e da m a n eira que Ele quisesse. Nos prim eiros m es es n o Mem oria l, Deu s en s in ou -lh e u m a precios a liçã o da tota l depen dên cia d Ele n o exercício da m edicin a. Um a n oite, m u ito ta rde, fora a dm itido u m pa cien te n a Un ida de de Tra ta m en to Coron á rio. Pos s ivelm en te, tra ta va -s e de u m in fa rto, pois o m es m o tin h a dores fortís s im a s n o peito e a pres s ã o s a n gü ín ea es ta va m u ito a lta. Na qu ela n oite, Rebecca fica ra res pon s á vel pa ra exa m in a r e cu ida r do pa cien te. Ele deu -lh e u ma lis ta dos rem édios qu e u s a va e en tre eles h a via u m qu e era m u ito bom pa ra a baixa r a pres s ã o, a o m es m o tem po qu e redu zia o tra ba lh o á rdu o do cora çã o. O pa cien te, firm em en te, a s s egu rou -lhe de qu e es ta va tom a n do u m a dos e es pecia l do rem édio e Rebecca aceitou o a rgu m en to. Decidiu da r-lh e a qu ela dos a gem n a in ten çã o de a ba ixa r a pres s ã o e a s s im evita r o in fa rto. O pior é qu e ela n ã o s a bia da gra vidade do qu e fizera. A dos a gem era m u ito perigos a, a m en os qu e o pa cien te tives s e s ido prepa ra do gra du a lm en te para tomar aquela quantidade. Depois de u m a h ora, a s en ferm eira s viera m ch a m á -la dizen do qu e a pres s ã o do pa cien te ca íra m u ito e qu e a lém de es ta r em ch oqu e, ele pa recia es ta r m orren do. O tem or a poderou -s e dela. Na a fliçã o, ch a m ou s eu s u perior. Con tou -lh e o ocorrido e pergu n tou o qu e poderia s er feito pa ra reverter o efeito do rem édio qu e a dm in is tra ra. De u m a m a n eira im pes s oa l, ele dis s e qu e ela com etera u m es tú pido en ga n o e qu e n ã o h a via n a da, a bs olu ta m en te n a da, a fa zer, a n ã o s er es pera r, pa ra ver s e ele sobreviveria ou n ã o. Nã o h a via dis pon ível, n en h u m rem édio qu e pudesse ser usado para anular os efeitos do que fora administrado. E, a lém do m a is, o s u perior a cres cen tou qu e, qu a n do res iden te, com etera u m en ga n o s em elh a n te e qu e o pa cien te dele fica ra com seqüelas, devido ao período do choque em que quase morrera. Os pen s a m en tos s obres s a lta va m -lh e a m en te en qu a n to ca m in h a va pela s a la s es cu ra s e s olitá ria s n a direçã o da Un ida de de Tra ta m en to Coron á rio para ver o pacien te. O m edo, a cu lpa e a a u topu n içã o era m os qu e dom in a va m. Corria -lh e pela es pin h a u m suor frio só de pensar na possibilidade de ter matado o homem. Os

10 pen s a m en tos a tortu ra va m :...Deu s criou o u n ivers o on de ca u s a e efeito tra balh a m em h a rm on ia. Agora, por ca u s a des ta es tu pidez, es s e h om em prova velm en te m orrerá já qu e o rem édio é a bs olu ta m en te irrevers ível depois do efeito es ta biliza do, en tã o, n ã o é precis o n em m es m o ora r pedin do qu e Deu s m u de a ordem s ó por s u a ca u s a e s eu erro. Repen tin a m en te, o Es pírito Sa n to com eçou a mostra-lhe o erro dos seus pensamentos e, gentilmente, começou a flu ir den tro dela, m os tra n do qu e ela era diferen te! Ela era filh a do Rei! E, s en do a s s im, pos s u ía u m privilégio es pecia l qu e os ou tros m édicos n ã o tin h a m. Ela tin h a o direito de pedir a Deu s, o Pa i, n o n om e de J es u s, para corrigir o en ga n o, fora pa ra is to, e muitas outras coisas, que Cristo morrera na cruz. Abru pta m en te, virou -s e e correu a té a ca pela. Lá a joelh ou -se dia n te do Sen h or e com eçou a ora r fervoros a m en te, pedin do a recu pera çã o do pa cien te. Ba s eou -s e n o fa to de qu e era filh a do Rei e qu e podia obter a ju da n u m a h ora de a fliçã o, com o es tá em Hebreus 4.16: Acheguemo-nos, portanto, confiadam ente, junto ao trono da graça, afim de receberm os m isericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna. Rebecca levantou-se e voltou à Unidade. Ao chegar, constatou qu e a pres s ã o s a n gü ín ea do pacien te volta ra a o n orm a l e qu e ele já n ã o s en tia dor! Um n ovo eletroca rdiogra m a revelou qu e o cora çã o tra ba lh a va n orm a lm en te. Pa s s a ra m -s e dois dia s e ele s a iu de a lta não apresentando, absolutamente, qualquer seqüela! Rebecca a pren deu a ou vir, s em pre, a voz do Sen h or. Vez, após vez, Ele falaria suavemente em seu espírito, ora revelando um en ga n o a n tes qu e o m es m o pu des s e tra zer con s eqü ên cia s s éria s, ora des perta n do-lh e a a ten çã o s obre a lgo es qu ecido ou des a parecido e, ta m bém, lem bra n do-lh e o qu e fora lido ou a pren dido a n teriorm en te. Ela a pren deu a ora r e a jeju a r pedin do qu e Deu s revela s s e a ch a ve para dia gn os tica r doen ça s pa rticu la rm en te obs cu ra s. Apren deu, ta m bém, a depen der do Sen h or pa ra da r-lh e h a bilida de n a s m ã os e n u n ca execu ta r qu a lqu er procedim en to s em a n tes ora r e pedir a J es u s, o Médico dos m édicos, qu e a orien ta s s e. Lou va do s eja Deu s! Pois, em todos es s es a n os o Sen h or con tin u a m en te tem s ido fiel e n ã o aconteceram complicações sérias como resultado do trabalho dela. Pa s s a dos s eis m es es de res idên cia, n ova m en te depois de ter

11 s ido des ign a da a tra balh a r n o CTI, o jovem pa s tor qu e ela vira n a s a la de em ergên cia, fin a lm en te s e recu perou a pon to de poder fa la r. Ela a com pan h a ra o progres s o dele bem de perto. Agora, ora va por ele con s ta n tem en te e, m ovida pelo Es pírito, ia a té o qu a rto dele para con vers a rem. Um certo dia, ele n a rrou -lh e o qu e realmente acontecera antes de ser admitido no hospital. Bob era pa s tor de u m a pequ en a igreja n a cida de e en volvera - s e em u m m in is tério com ex-s a ta n is ta s. Con tou à Rebecca, qu e n u m a cida de próxim a, exis tia u m a gra n de com u n ida de s a tâ n ica e qu e o s a ta n is m o es ta va des en frea do n a qu ele Es ta do. Ele, s ob o s en h orio do Sen h or, con du zira u m bom n ú m ero des s a s pes s oa s a J es u s. Ela s deixa ra m de s ervir a o dia bo e fizera m de Cris to o Sa lva dor e Sen h or de s u a s vida s. As s im, expu ls a ra m os dem ôn ios qu e h a bita va m em s eu s corpos em troca de poderes m á gicos. Na n oite em qu e ela o vira pela prim eira vez, ele h a via s ido ra pta do pelos s a ta n is ta s e leva do a u m a de s u a s reu n iões. Coloca ra m -no s obre o a lta r, de fren te pa ra o gru po e o tortu ra ra m. Eles já s e prepara va m pa ra pregá -lo em u m a cru z, qu a n do u m dos m em bros gritou qu e a lgu ém, lá fora, vira a lgo s u s peito e ch a m a ra a polícia. (Os s a ta n is ta s tin h a m a ces s o a o rá dio da polícia e m on itora va m toda s a s ch a m a da s ). Bob des m a ia ra en qu a n to es ta va s en do crucificado e esteve inconsciente até acordar na cama do hospital. Com o n u n ca ou vira fa la r em ta l cois a, Rebecca es ta va atônita. Seria es s a a explica çã o para a s en s a çã o qu e tivera n o hospital? Outras revelações estavam por vir. Na s egu n da vez em qu e fora es ca la da pa ra tra ba lh a r n o CTI, aumentaram-lh e a s preocu pa ções. Na s n oites em qu e es ta va de plantão, ficava responsável por todos os pacientes em estado grave. Com o ora va in ten s a m en te por eles, com eçou a n ota r qu e m u ita s mortes ocorriam sem qualquer explicação. Norm a lm en te, h á u m a ordem n o des en volvim en to de u m a determ in a da doen ça qu e leva à m orte. Veja m os u m exem plo: s e u m pa cien te fica em ch oqu e (pres s ã o baixa ) devido à a lgu m a h em orra gia, e s e a m es m a for es ta n ca da ou s e o volu m e de s a n gu e perdido for repos to a tra vés de tra n s fu s ã o, a pres s ã o n ã o deverá ca ir n ova m en te, a n ã o s er qu e h a ja ou tra h em orra gia ou qu e es s e mesmo paciente sofra de uma infecção generalizada. No en ta n to, m u itos dos pa cien tes de Rebecca, depois de es ta biliza dos, s em qu a lqu er ra zã o a pa ren te, piora va m o qu a dro

12 clín ico. Qu a n do n ã o era o cora çã o qu e, de repen te, pa ra va de ba ter, era a pres s ã o qu e des cia à zero ou a respiração que cessava. Apes a r de todos os es forços pa ra s a lva r-lh es a vida, m u itos m orria m ra pida m en te. Rebecca pres en cia va a a u tópsia feita n eles e, ca da vez, fica va m a is con fu s a qu a n do a ca u s a da m orte n ã o era outra senão a mesma que os trouxera ao hospital. Ou tro problem a qu e a fligia Rebecca era m a s freqü ên cia s dos ca s os de, com o s ã o ch a m a dos n a m edicin a, Ps icos e a gu da do CTI. Os pacientes, quando estão sob stress de u m a doen ça crítica, s ã o tra n s feridos pa ra o CTI e fica m lá du ra n te u m determ in a do tem po. As lu zes fica m a ces a s vin te e qu a tro h ora s. Os m on itores fica m liga dos e n ã o existem janelas. Nessas condições, um considerável percentual fica des orien ta do e com eça a ter a lu cin a ções, is to é, com eça a ver cois a s qu e n ã o s ã o rea is. Coin ciden tem en te, n o Mem oria l, a in cidên cia da s Ps icos es do CTI era bem s u perior a o qu e Rebecca presenciara em outros hospitais. Ela s e s en tiu orien ta da pelo Sen h or, a con vers a r com os pa cien tes pa ra s a ber o qu e eles via m exa ta m en te, e para s u a surpresa, a maioria via demônios nos quartos! Profu n da m en te preocu pada com a s itu a çã o, ela com eçou a m en cion a r n a s con ferên cia s a s in cidên cia s da s m ortes e das ps icos es. E, pela s m a n h ã s con vers a va s obre o a s s u n to com ou tros res iden tes. Porém, n in gu ém pa recia preocu par-s e com a questão ou, a té m es m o, da r crédito a o qu e ela dizia. Depois da terceira ten ta tiva, ch a m a ra m -n a a té a s a la do diretor do progra m a de trein a m en to e a dvertira m -n a pa ra qu e s e ca la s s e. Dis s era m qu e ela n ã o tin h a experiên cia s u ficien te para s a ber s obre o qu e es tava fa la n do. Qu a n do Rebecca a rgu m en tou, qu e a s u a experiên cia, s om a da a o tem po de en ferm a gem e m edicin a, já era de dez a n os, dis s era m qu e s e a in da con tin u a s s e a cria r problem a s, s eria cortada do programa de treinamento. As s im, s u a s ora ções m a tin a is torn a ra m -s e in ten s a s n a bu s ca de u m a revela çã o do Sen h or s obre o qu e es ta va a con tecen do, e a primeira confirmação veio através de uma de suas pacientes. Pea rl era u m a s en h ora n egra do s u l dos EUA, cren te fervoros a qu e es tivera s ob os cu idados de Rebecca du ra n te seis m es es. Ela s s e a m a va m m u ito. Em u m a determ in a da n oite, Pea rl

13 chegou ao hospital muito doente e Rebecca a transferiu para o CTI. Na m a n h ã s egu in te, den tro da rotin a n orm a l de tra ba lh o, ela foi ver os pa cien tes, e a s en ferm eira s dis s era m qu e Pea rl es ta va a lu cin a n do. Rebecca a s s u s tou -s e porqu e con h ecia s u a pa cien te m u ito bem. Sa bia qu e ela era u m a cris tã fervoros a e qu e s ofrera muito, por isso, não se entregava ao pânico facilmente. No exa to m om en to em qu e en trou n o qu a rto, Pea rl es ta va ch ora n do. Qu a n do Rebecca qu is s a ber o m otivo, ela dis s e qu e s e não fosse retirada do CTI, uma enfermeira poderia matá-la naquela n oite. Con tou -lh e com o procedera es s a en ferm eira a o cu ida r dela n a n oite a n terior: dis s era à Pea rl qu e n ã o era n eces s á rio qu e ela lu ta s s e para viver porqu e poderia fa cilm en te reen ca rn a r-se numa vida fu tu ra. A en ferm eira fa lou, ta m bém, qu e in voca ria as en tida des s u periores pa ra levá -la pa ra es s a m a ra vilh os a vida futura. Qu a n do ela lh e im pôs a s m ã os fa la n do pa la vra s em u m a lín gu a es tra n h a, Pea rl recon h eceu qu e era u m ritu a l de feitiçaria. Ela con h ecia, por experiên cia própria, o vodu, a m a gia n egra e os dem ôn ios e decla rou tê-los vis to n o qu a rto. Dis s e à Rebecca qu e s e o m es m o a con teces s e de n ovo ela m orreria, pois es ta va ba s ta n te debilitada para lutar. Rebecca es ta va es ta rrecida! Ela con h ecia Pea rl o s u ficien te pa ra s a ber qu e ela n ã o es ta va m en tin do e qu e ta m bém n ã o es ta va lou ca. A en ferm eira de qu em Pea rl fa la va, era u m a s en h ora idos a, a gra dá vel, a tra en te e extrem a m en te h a bilidos a. Além de organiza da e in teligen te, ela procu ra va certifica r-s e do bem -estar dos pacien tes. E o pior: era res peita da pelos m édicos e pela s ou tra s en ferm eira s. No con ceito de Rebecca ela era u m ta n to in diferen te e ca rra n cu da. Porém, es s e con ceito, Rebecca a tribu ía à s pres s ões do tra ba lh o qu e ela exercia. De qu a lqu er m a n eira, ela não podia achar defeitos no trabalho da enfermeira. Nã o pos s u in do prova s, era im pos s ível con vers a r com qu em qu er qu e fos s e, pois iria m fa la r qu e ela es ta va lou ca. Na qu ela época, ela pou co s a bia s obre bruxas e quase nada sobre demônios. En tã o, s ó h a via u m a cois a a fa zer: ora r. Todo o tem po dis pon ível, ela pa s s a va de joelh os n a ca pela, em ora çã o. (Na rea lida de, a ca pela es ta va s em pre va zia porqu e n in gu ém a u s a va ). No fin a l do dia, o Senhor confirmou em seu coração que Pearl estava falando a verda de. Orden ou -lh e ta m bém, qu e du ra n te a n oite, a s s en ta s s e à beira de s eu leito, pois es ta va em es ta do tã o gra ve qu e n ã o poderia s er retira da do CTI e Rebecca poderia fa zê-lo porqu e n ã o es ta va de

14 plantão naquela noite. O qu e es ta va pa ra a con tecer n a qu ela n oite, m u da ria pa ra s em pre a vida de Rebecca. Qu a n do a s s en tou -s e a o la do da ca m a de Pea rl, n ã o es pera n do qu e, rea lm en te, a lgo a con teces s e, s en tiu u m a opres s ã o dem on ía ca com o n u n ca a n tes. Helen, a en ferm eira encarrega da do CTI, n ã o en trou n o qu a rto du ra n te toda a m a dru ga da. Rebecca s en tia vir con tra ela u m in crível e in vis ível poder. Era como se uma mão gigantesca tentasse esmagá-la contra o ch ã o e u m a força in vis ível ten ta s s e s u ga r toda a vida de s eu corpo. Ela ten ta va en ten der a s itu a çã o, cien tifica m en te, repetin do pa ra s i m es m a qu e tu do era fru to de s u a im a gin a çã o, con tu do, is s o n ã o a a ju dou. Sen tia -s e tã o fra ca qu e n ã o con s egu ia n em m es m o perm a n ecer a s s en ta da. Pea rl s en tia o m es m o. As s im de m ã os dada s e s em fa zer ba ru lh o, ela s ora ra m pedin do a o Sen h or que as cobrissem com o precioso sangue de Jesus. Eles, pois, o venceram [ Satã] por causa do sangue do cordeiro e por causa do testem unho que deram... (Apocalipse 12.11) Fora u m a n oite de u m a lu ta es piritu a l trem en da. Mes m o a s s im, Pea rl a m a n h eceu s egu ra e Rebecca retirou -a do CTI pela manhã. Ou tra s revela ções viera m logo a pós. Sem a n a lm en te, Rebecca lecion a va u m es tu do bíblico pa ra a lgu m a s da s en ferm eira s qu e ela m es m a con du zira à Cris to. Um a dela s, J ea n, fin a lm en te contoulh e com o s e en volvera n o s a ta n is m o a n tes de s e con verter. Ela dis s e qu e Helen a trein a ra pa ra qu e s e torn a s s e u m a m édiu m, e es ta va pa ra in icia r-s e qu a n do Rebecca en trou n o h os pita l e começou a fa la r-lh e s obre J es u s, e com o res u lta do, ela O con vidou para s er s eu Sen h or e Sa lva dor, recu s a n do-s e a m a n ter qu a lqu er rela cion a m en to com Helen e a s ou tra s bru xa s. Ma s, m es m o a s s im ficou com medo delas. De a cordo com J ea n, Helen con s idera va s er s eu m in is tério escalar-s e pa ra cu ida r dos pa cien tes m a is gra ves n o CTI. En tã o, qu a n do es ta va com eles, fa la va qu e n ã o era n eces s á rio qu e lu ta s s em pa ra viver porqu e poderia m, fa cilm en te, reen ca rn a r-se n u m a vida fu tu ra s em dores e s ofrim en tos. As s im, com ou s em o con s en tim en to deles, ela pou s a va a s m ã os s obre os m es m os e invocava as entidades superiores para virem e acompanhá-los até a ou tra vida. Is s o, n a tu ra lm en te, fa zia com qu e o es ta do deles

15 piora s s e e ch ega s s em a o óbito. J ea n es ta va tem eros a de con ta r a s itu a çã o a ou tra s pes s oa s porqu e Helen ocu pa va u m a pos içã o de respeito den tro do h os pita l, e dia n te dis s o, n in gu ém a credita ria n ela. De fa to, depois de ter a ceita do a Cris to, J ea n tra n s feriu -se pa ra u m ou tro tu rn o, evita n do, des s a form a, tra ba lh a r com Helen. Foi, por in term édio de J ea n, qu e Rebecca veio a s a ber ta m bém, sobre a com u n ida de s a tâ n ica qu e exis tia a li perto da cidade. Além de ter u m a da s m a iores dis tribu idora s de litera tu ra do ocu ltis m o, es s a com u n ida de pos s u ía ta m bém u m a igreja. Toda a n a rra tiva de J ea n con firm a va o qu e o pastor dis s era à Rebecca, e, por is s o, ela tin h a m edo de ter o m es m o des tin o dele. Na vizin h a n ça, n ã o h a via n in gu ém, qu e leva s s e a s ério a Com u n ida de. Sen do qu e is s o era, precisamente, o que Satanás queria. Atra vés de ou tra s fon tes, Rebecca s ou be do en volvim en to de en ferm eira s e m édicos com o ocu ltis m o, e viu a n eces s idade de a pren der u m pou co m a is s obre a Com u n ida de e s obre s a ta n is m o. Nova m en te, depois de leva r o problem a a o Sen h or, obteve d Ele a con firm a çã o. Com eçou, en tã o, a es tu da r a Bíblia fervoros a m en te para aprender mais sobre Satanás e seus demônios. Descobriu que eles podia m h a bita r n a s pes s oa s, e ela s, por m eio dos poderes s a tâ n icos, podia m fa zer qu a lqu er cois a. Foi en tã o, qu e Rebecca com eçou a gu errea r a tiva m en te con tra Helen e os ou tros satanistas do hospital. Em s u a s ora ções pela m a n h ã, ela pedia a Deu s qu e a m a rra s s e os poderes do dia bo n a s pes s oa s qu e, es pecifica m en te, s a bia es ta rem en volvida s com ele. Dia ria m en te, à n oite, a n tes de deixa r o h os pita l, ela ca m in h a va pelo CTI e ou tra s a la s e, tra n qü ila m en te, m a s de form a a u dível, u s a va de a u torida de s obre ca da es pírito dem on ía co on de os m es m os s e en con tra va m ou on de poderiam estar durante o dia ou durante a noite. Amarrava-os com o poder do n om e de J es u s Cris to e pedia a o Sen h or qu e coloca s s e proteçã o es pecia l s obre os pa cien tes res gu ardando-os da s força s demoníacas. Nas muitas noites que estava de plantão, era chamada ao CTI ou à u m a da s a la s para ver u m pa cien te qu e es ta va s ofren do piora do qu a dro clín ico. Com o Deu s lh e dera dis cern im en to de qu e ta is problem a s era m res u lta do da in terferên cia dem on ía ca, ela aprendeu a valer-se de Lucas e Marcos Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e

16 escorpiões, e sobre todo o poder do inim igo, e nada absolutamente vos causará dano. Estes sinais hão de acom panhar aqueles que crêem : em meu nome, expelirão demônios,... Fora m m u ita s a s vezes em qu e, a s s en ta da a o la do do en ferm o, lu tou s ilen cios a m en te em ora çã o, a m a rra n do e ordenando os demônios a saírem. Helen, por sua vez, do outro lado da ca m a des feria con tra ela e o pa cien te, todo o poder m a lign o a s eu dis por. Na s oca s iões em qu e Rebecca ten tou u s a r de s eu s con h ecim en tos m édicos para reverter o qu a dro clín ico do pa cien te, con s ta tou qu e eles s eria m in s u ficien tes s e n ã o fos s em com bin a dos à batalha espiritual em oração. Naturalmen te qu e, n em Helen, Sa ta n á s e a s ou tra s bru xa s tin h a m pra zer n a s a tivida des de Rebecca. Por is s o, a ba ta lh a já es ta va decla ra da. Rebecca ten tou com pa rtilh a r com u m ca s a l de colega s cris tã os o qu e es ta va a con tecen do. Eles, n o en ta n to, recu s a n do a a credita r, dis s era m qu e ela es ta va doen te, ca n s a da e imaginando coisas. Como a batalha se intensificasse, a doença neuromuscular de Rebecca piorou. Ela ficou s ob os cu ida dos de u m dos m édicos ch efe do h os pita l. À des peito das ora ções e dos es forços feitos a s eu fa vor, ela s a bia qu e es ta va m orren do. Fin a lm en te, n o ú ltim o dia de s u a res idên cia, ela ficou tã o doen te qu e já n ã o podia m a is tra ba lh a r. Um a a va lia çã o m édica feita por vá rios es pecia lis ta s revelou qu e ela n ã o viveria por m u ito m a is tem po e qu e n ã o h a via m a is o qu e fa zer. Pergu n ta ra m -n a s e qu eria fica r in tern a da ou ir pa ra ca s a. Ela decidiu qu e iria para ca s a. As s im, Rebecca deixou a cida de e o h os pita l pen s a n do qu e n ã o m a is iria vê-los. E s eu coração estava bastante pesaroso pelas muitas... muitas almas que naquele lugar estavam cativas pelos poderes das trevas. No a gon iza n te m ês qu e s e s egu iu a doen ça de Rebecca progrediu a pon to de deixá -la tã o fra ca, qu e já n ã o con s egu ia a n da r e n em m es m o leva n ta r-s e da ca m a. Mes m o a s s im, pos s u ía u m a com pleta e m a ra vilh os a pa z. J es u s es ta va n o con trole e, era tu do o qu e im porta va. Noite a pós n oite, qu a n do a s dores a im pedia de dorm ir, ela des fru ta va de u m a doce com u n h ã o com o Sen h or e da es pera n ça fervoros a de qu e Ele a ch a m a va, logo, pa ra o la r celestial. Um dia, pa s tor Pa t, o pa s tor de s u a igreja loca l, veio vis itá -la,

17 e s en do o h om em de Deu s qu e era, n ã o a ceita va o fa to de qu e Rebecca es tives s e à m orte e ora va con s ta n tem en te por ela. Certa feita, dis s e qu e Deu s revela ra n ã o s er da von ta de d Ele qu e ela morresse. O pastor disse-lhe, Is to pode pa recer lou cu ra, m a s es tou certo qu e o Sen h or revelou -m e qu e, o qu e es tá a con tecen do a você é um ataque de bruxas muito poderosas, e a piora da sua doença é devido a poderes dem on ía cos qu e es tã o s en do en via dos con tra você. Seria is s o pos s ível? Você con h eceu ou es teve em con ta to com alguma bruxa? De repen te Rebecca en ten deu! Por qu e ela n ã o a s s ocia ra a piora de s u a con diçã o à ba ta lh a qu e tra va ra com os s a ta n is ta s n o h os pita l? Ela n u n ca fa la ra a o pastor s obre a qu ele a s s u n to. En tã o, passou a contar-lhe o que acontecera no ano anterior. Ele a n da va de u m la do pa ra ou tro profu n da m en te preocu pa do. Fin a lm en te, voltou -s e e dis s e: Eu s ei qu e n ã o é a von ta de de Deu s qu e você m orra. Nã o ten h o dú vidas de qu e s u a en ferm ida de é res u lta do direto de bru xa ria. Devem os ora r e bloqu ea r o poder des s a s bru xa s. Com o ele orou! Nã o a pen a s ele, m a s os a n ciã os e cerca dos du zen tos m em bros da qu ela igreja jeju a ra m e ora ra m por toda a s em a n a. Fervoros a m en te, eles in tercedera m por Rebecca, pedin do a o Sen h or qu e a cobris s e e anulasse o poder enviado pelas bruxas contra ela. Ao fin a l da qu ela s em a n a, Rebecca es ta va qu a s e in con s cien te. En tã o, o Sen h or fez com qu e ela lem bra s s e de u m a passagem qu e lera no livro de Watchman Nee: A m enos que um cristão esteja plenam ente convencido de que seu trabalho term inou e que é a vontade de Deus levá-lo, ele deverá lutar com todos as suas forças contra a m orte. Se os sintom as da m orte aparecem em seu corpo antes que sua m issão haja term inado, ele, positivam ente deverá resisti-los. Adm itir, baseados em nossa condição física ou em ocional, que o nosso tem po term inou, é um erro de nossa parte. Nós, ao contrário, devem os ter convicção clara da parte de Deus no que diz respeito à nossa partida. Se vivem os para Ele, então devem os m orrer para Ele. Qualquer cham ada que não proceda d Ele deve ser rejeitada. Para vencer a m orte os crentes devem substituir a atitude passiva pela resistência. A m enos que lancem os fora nossa atitude

18 pacifista, não serem os capazes de sair da m orte. E, aí, serem os zom bados por ela e, finalm ente, vencidos. Num erosos são os santos que confundem, hoje, passividade com fé. Alegam que entregaram tudo a Deus. Pensam que se não for a hora da m orte, Deus os salvará. Porém, se essa hora chegou, que a vontade de Deus se cum pra. Esse com portam ento parece correto. Mas, podem os cham á-lo de fé? Não! Absolutam ente. É apenas passividade preguiçosa. Quando não sabem os a vontade de Deus, devem os orar: Não a m inha vontade, m as a tua seja feita. (Lucas 22.42). I sso não quer dizer que não devem os orar especificam ente levando diante d Ele os nossos pedidos. O certo é que: Não devem os submeter-nos passivam ente à m orte. Deus instruiu-nos a agir em conform idade com o querer d Ele. A não ser que saibam os ser Sua vontade, não devem os perm itir que a m orte nos oprim a. Ao invés disso, devem os resisti-la. Eis o porquê de tal atitude: A Bíblia fala dela com o sendo nossa inimiga (I Coríntios 15-26). Do livro: O Homem Espiritual, Watchman Nee. En qu a n to o Sen h or tra zia à m em ória de Rebecca a s passagens acima, o Espírito Santo suavemente, dizia que não era a von ta de do Pa i a m orte dela, e qu e a in da ela teria m u ito tra ba lh o a fa zer. Porta n to, ela deveria lu ta r e res is tir a Sa ta n á s recu s a n do-se a aceitar qualquer enfermidade ou morte trazidas por ele. Ela lutou por u m pou co, porqu e, n o fu n do do cora çã o, n ã o qu eria viver. Nã o qu eria lu ta r. Qu eria era ir pa ra o céu com o Sen h or e des fru ta r de toda a alegria e paz que aguardavam por ela. Porém, a voz mansa e doce do Es pírito Sa n to in s is tia. Fin a lm en te, com m u ita s lágrimas, m a s com os pés firm a dos n a Roch a, com eçou a res is tir a o dia bo e a ordená-lo a s a ir n o n om e de J es u s, e qu e ela n ã o m a is a ceita va a doen ça ou a m orte coloca da s por ele. Após a lgu m tem po, o Sen h or revela ria para Rebecca, qu e a ú n ica ra zã o pela qu a l Ele fora ca pa z de m os tra r-lh e Su a von ta de, e, fa zê-la lu ta r res is tin do a m orte, devia-se à poderosa intercessão do pastor Pat e dos irmãos. Os m ú s cu los de Rebecca es ta va m tã o fra cos, qu e ela teve qu e pa s s a r três m es es s e recu pera n do. O Sen h or, n o en ta n to, a s a rou por com pleto. As s im, ela retorn ou a o h os pita l m em oria l pa ra term in a r o trein a m en to, pron ta, a o m en os pa ra o en con tro qu e o Sen h or es ta va prepara n do pa ra ela e Ela in e, a bru xa qu e

19 organizara o ataque para matá-la. 2. E LAINE O casamento dos meus pais foi bastante conturbado. Meu pai era u m beberrã o qu e a credita va s er o dom de Deu s pa ra a s m u lh eres. Ele m a ltra ta va m u ito m in h a m ã e. Qu a n do n a s ci ele pa rou a os pés da ca m a dela e dis s e-lh e qu e des eja ria qu e eu tivesse morrido. Até que, finalmente, ela atirou um vaso contra ele. Meu nascimento foi como qualquer outro, igual a centenas no m es m o dia por todo o m u n do, exceto, qu e eu n a s cera deform a da. Nã o tin h a n a riz, lá bio s u perior e n em o céu da boca. É o qu e eles ch a m a m de lá bio leporin o. Min h a m ã e qu is m e ver tã o logo eu nasci, e para ela, eu era o bebê mais lindo do mundo. Sua primeira pergunta fora: Ela poderá ser operada? Ela era m u ito... m u ito... pobre. Nã o tin h a din h eiro e n em m eios para con s egu i-lo. Na qu ela época, os progra m a s des tin a dos à população ca ren te, n ã o era m a ces s íveis com o h oje, m a s m es m o a s s im, m in h a m ã e n ã o era o tipo de pes s oa qu e des is tia fa cilm en te só pelo fato de ser pobre. Acon teceu qu e, n o m es m o h os pita l, h a via u m a en ferm eira ch a m a da Helen. Ela dera a s s is tên cia a o m eu n a s cim en to, e no m a is, s a bia da s itu a çã o da m in h a m ã e, e ta m bém dos m a u s tra tos do m eu pa i. Helen n ã o era u m a pes s oa com u m, era u m a poderos a bru xa m em bro de u m a s eita qu e a pes a r de pou co con h ecida, s e tornou uma das mais poderosas em nosso país. Os membros dessa comunida de pres ta m u m a es pécie de cu lto e a dora çã o a Sa ta n á s e chamam a si mesmos de A Irmandade. Helen, era naquele tempo, o qu e eles den om in a va m em s eu s cu ltos de a pes s oa do con ta to. O con ta to dela com m in h a m ã e iria a feta r n ã o s ó todo o res to da minha vida como o de Rebecca também. No dia s egu in te a o m eu n a s cim en to, Helen a proxim ou -s e da m in h a m ã e com u m a propos ta. Se m in h a m ã e perm itis s e qu e ela pega s s e u m a pequ en a qu a n tida de do m eu s a n gu e, ela e s u a s amigas providen cia ria m todos os recu rs os fin a n ceiros e a a ju da n eces s á ria pa ra a obten çã o da m elh or ciru rgia e cu ida dos m édicos dis pon íveis. Ma m ã e n ã o con s egu ia en ten der porqu e ela oferecia ta n to em troca de tã o pou co. Porém, com o n ã o h ou ves s e ou tro

20 recu rs o pa ra u m a s itu a çã o des es pera dora com o a n os s a e, a inda, Helen a s s egu ra n do-lh e o tem po todo, qu e n ã o m e ca u s a ria m a l a lgu m, m a m ã e, fin a lm en te a ceitou a propos ta. Helen, era u m a jovem s en h ora a tra en te, qu e pa recia gen u in a m en te s in cera e preocupada no desejo de ajudar tanto minha mãe, como eu. O qu e ela n ã o explica ra pa ra a m in h a m ã e é qu e o m eu s a n gu e era u m a im porta n te venda. O pequ en o recipien te con ten do o m eu s a n gu e, foi leva do e da do a u m a ou tra m u lh er ch a m a da Gra ce. Ela fa zia parte da s eita s a tâ n ica. Lá, era con h ecida com o u m a s a cerdotis a s u perior. A ven da do m eu s a n gu e daria a ela m a ior poder, vigor e u m a pos içã o m a is eleva da na seita. Helen, também, obteve maior poder com a transação. O s a n gu e fora leva do por Helen e da do à Gra ce, qu e du ra n te a cerimônia, bebera do meu sangue. Isto fez com que ela e Satanás tom a s s em pos s e de m im. As s im, a pa rtir da qu ele m om en to, eu fica ra expos ta à en tra da de m u itos dem ôn ios. Gra ce, s ob a orien ta çã o do dia bo, en viou es pecifica m en te, pa ra o m eu corpo, divers os dem ôn ios qu e m olda ria m m in h a vida, pers on a lida de e futuro. Ma m ã e, n ã o s en do cris tã, ja m a is poderia im a gin a r qu e, o qu ê ela fizera, iria m e torn a r n u m a pes s oa m a rca da, cu ida dos a m en te vigia da pelos s a ta n is ta s. Ma is ta rde, com o res u lta do, o m eu próprio en volvim en to n a s eita. Mes m o qu e m a m ã e ja m a is tives s e dito: Tudo bem, você pode pega r u m pou co do s a n gu e dela, n o fu tu ro, eu tes tem u n h a ria a ven da do s a n gu e de ou tros bebês. Meu cora çã o s e a fligia s ó de pen s a r n a s con s eqü ên cia s qu e essas vendas causariam no futuro deles. Sa ta n á s tin h a, a gora, u m a precios a proprieda de. Um n ovo bebê, on de os dem ôn ios poderia m h a bita r, cres cer e torn a rem -se poderos os e á geis. Qu a n to m a is eu cres cia, tom a n do con s ciên cia de m im m es m a, m a is eu s a bia qu e a lgo diferen te e in com u m, acontecia dentro de mim, entretanto, não sabia o que era. Qua tro dia s, a pós o m eu n a s cim en to dis s era m à m in h a m ã e qu e ela poderia leva r-m e a u m h os pita l in fa n til perto da li. Lá, eu s ofreria vá ria s in terven ções cirú rgica s. Mu ita s n a verda de. Fora m n eces s á rios dezes s eis a n os de ciru rgia s plá s tica s pa ra qu e eu tivesse u m ros to n orm a l. Ta m bém, tive qu e freqü en ta r tera pia s pa ra a correçã o da fa la e da a u diçã o a lém das correções n a a rca da den tá ria. Era a pen a s o com eço dos a n os de m u ita dor, s olidã o e

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

Análise e Concepção de Sistemas

Análise e Concepção de Sistemas Análise e Concepção de Sistemas de Informação Caso de Estudo Versão 1.0 HouseWorks 2004-2005,QWURGXomR O pres en te docu m en to tem com o objectivo a pres en ta r o en u n cia do do projecto de s u porte

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

PARECER CÂMARA APROVADO EM

PARECER CÂMARA APROVADO EM INTERESSADO: Conselho Estadual de Educação de Mato Grosso do Sul ASSUNTO: Pa recer Orien ta tivo s obre a a plica bilida de da Delibera çã o CEE/ MS nº 8144/2006 RELATORA: Consª Mariuza Aparecida Camillo

Leia mais

,QVWLWXWRVIXQGDPHQWDLVGD3URSULHGDGH,QGXVWULDO. Edu a rdo Gou la rt Pim en ta

,QVWLWXWRVIXQGDPHQWDLVGD3URSULHGDGH,QGXVWULDO. Edu a rdo Gou la rt Pim en ta ,QVWLWXWRVIXQGDPHQWDLVGD3URSULHGDGH,QGXVWULDO Edu a rdo Gou la rt Pim en ta Mes tre e Dou tor em Direito Em pres a ria l pela Fa cu lda de de Direito da Un ivers ida de Federa l de Min a s Gera is Profes

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

O RIO QUE SAÍA DO ÉDEN

O RIO QUE SAÍA DO ÉDEN RICHARD DAWKINS O RIO QUE SAÍA DO ÉDEN UMA VISÃO DARWINISTA DA VIDA 1995 Orion Publishing Group Ltd TÍTULO ORIGINAL: River out of Eden A d arw in ian view of life TRADUTOR: Alexandre Tor ROCCO LTDA 1996

Leia mais

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ http://cachorritosdelsenor.blogspot.com/ A páscoa Volume 29 Escola: Nome : Professor (a): Data : / / 11 Ola Filhotes, vocês sabem o que é páscoa e quando ela começou?

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

O uso do método comparativo nas ciências sociais

O uso do método comparativo nas ciências sociais SCHNEIDER, Sergio; SCHIMITT, Cláudia Job. O uso do método comparativo nas Ciências Sociais. Cadernos de Sociologia, Porto Alegre, v. 9, p. 49-87, 1998. 1 O uso do método comparativo nas ciências sociais

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

O SENHOR É A NOSSA BANDEIRA. William Soto Santiago Sábado, 28 de Fevereiro de 2015 Vila Hermosa -Tabasco México

O SENHOR É A NOSSA BANDEIRA. William Soto Santiago Sábado, 28 de Fevereiro de 2015 Vila Hermosa -Tabasco México O SENHOR É A NOSSA BANDEIRA William Soto Santiago Sábado, 28 de Fevereiro de 2015 Vila Hermosa -Tabasco México Reverendo William Soto Santiago, Ph. D. CENTRO DE DIVULGAÇÃO DO EVANGELHO DO REINO http://www.cder.com.br

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso Água do Espírito De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso EXISTE O DEUS PODEROSO QUE DESFAZ TODO LAÇO DO MAL QUEBRA A LANÇA E LIBERTA O CATIVO ELE MESMO ASSIM FARÁ JESUS RIO DE ÁGUAS LIMPAS QUE NASCE

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Ava ta res com o Gu ia s In tera tivos para Au xílio n a Na vega çã o em Am bien tes Virtu a is Tridim en s ion a is

Ava ta res com o Gu ia s In tera tivos para Au xílio n a Na vega çã o em Am bien tes Virtu a is Tridim en s ion a is Un ivers ida de Federa l de Pern a m bu co Cen tro de In form á tica Pós -Gra du a çã o em Ciên cia da Com pu ta çã o Ava ta res com o Gu ia s In tera tivos para Au xílio n a Na vega çã o em Am bien tes

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Grupo de Evangelismo. Igreja Vida em Cristo

Grupo de Evangelismo. Igreja Vida em Cristo 1 GE Grupo de Evangelismo Igreja Vida em Cristo 2 GE Grupo de Evangelismo Índice Apresentação... 3 Introdução ao GE (Grupo de Evangelismo)... 4 Primeira semana... 5 Segunda semana... 6 Terceira semana...

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Tirado do website: www.spiritlessons.com

Tirado do website: www.spiritlessons.com Tirado do website: www.spiritlessons.com A artista foi levada para o inferno pelo proprio senhor Jesus. Essa artista vinha atendendo as reuniões de oração desde Abril de 2009 e continua a faze-lo. Nisso

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO 1 ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO LIÇÃO Nº 01 DIA 16/06/2014 INTRODUÇÃO: Vamos começar uma nova série de estudos em nossas células. Esta será uma série muito interessante

Leia mais

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito 9.9 Jesus Cristo é homem perfeito Aula 48 Assim como é importante verificarmos na Palavra de Deus e crermos que Jesus Cristo é Deus, também é importante verificarmos e crermos na humanidade de Jesus após

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

#68. 10.21 Introdução à Escatologia

#68. 10.21 Introdução à Escatologia 10.21 Introdução à Escatologia #68 Daqui para frente, estamos entrando na parte escatológica da Bíblia. O que é escatologia? É o estudo das últimas coisas. Vivemos a época da Igreja, a qual terminará com

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor!

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor! TUDO POR AMOR A dor, o espinho vil, as lágrimas, o seu sofrer, o meu Senhor na cruz está. Não posso suportar! O que o fez se entregar, pagar o preço lá na cruz? Como um cordeiro foi morrer pra vir me resgatar!

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

A cena começa com uma descida. Então, quem desceu se Jesus tomou o livro e se assentou?

A cena começa com uma descida. Então, quem desceu se Jesus tomou o livro e se assentou? A resposta para sua pergunta é Sim, e Não. Permita-me explicar porque as duas coisas. Eu creio que o Cordeiro saiu do Trono SIM, mas eu NÃO creio que ele desceu. Há aqueles que defendem a tese de que o

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco!

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco! Paixão do Povo de Cristo x Paixão de Cristo Texto Base: provérbios 24.10 na Linguagem de Hoje: Quem é fraco numa crise, é realmente fraco. Na Bíblia A Mensagem : Quem Desiste num momento de crise é porque

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Ele veio para libertar os cativos

Ele veio para libertar os cativos Ele veio para libertar os cativos Rebecca Brown Título original: He Came to Set the Captives Free Tradução de Margaret de Jesus Ramos Edição - Janeiro de 2000 DYNAMUS Editorial ISBN: 0-88368-323-7 Digitalizado

Leia mais

Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus

Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Preparando-se para a luta espiritual (O capacete da salvação e a espada do Espírito) Efésios 6.17,18 Pr. Vlademir Silveira Série Armadura de Deus Mensagem # 5 IBMC 03/11/12 INTRODUÇÃO Vídeo: Como ter a

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido Nesta Lição Estudará... A Natureza da Profecia Bíblica A Importância das Profecias O Desenvolvimento da Profecia Messiânica O Ritual Profético As Profecias Sobre o Messias Humano e Divino Sacrifício e

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS Data: 03/03/08 COMO A MORTE ENTROU NO MUNDO PECADO Significa errar o alvo, rebelião, desobediência. etc. HERMENEUTICA A arte de interpretar o sentido das palavras em leis, textos, Romanos, 5 : 12 12 Portanto,

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

O ÚNICO REFÚGIO ETERNO. Quarta-feira, 17de abril de 2013. Buenos Aires, Argentina.

O ÚNICO REFÚGIO ETERNO. Quarta-feira, 17de abril de 2013. Buenos Aires, Argentina. Quarta-feira, 17de abril de 2013. Buenos Aires, Argentina. NOTA AO LEITOR Nossa intenção é fazer uma transcrição fiel e exata desta Mensagem, tal como foi pregada. Portanto, qualquer erro neste livreto

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ JESUS E TENTADO NO DESERTO Volume 4 Escola: Nome : Professor (a): Data : / / 11 7) PERGUNTAS: 1. Depois de ser batizado, onde Jesus foi guiado pelo espírito? 2. Quem

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

MAIS DE TI JESUS (JULIANO SOCIO) SENHOR DESCOBRI QUE NAO VIVO SEM TI TENS ME SUSTENTADO EM TUAS MAOS

MAIS DE TI JESUS (JULIANO SOCIO) SENHOR DESCOBRI QUE NAO VIVO SEM TI TENS ME SUSTENTADO EM TUAS MAOS MAIS DE TI JESUS SENHOR DESCOBRI QUE NAO VIVO SEM TI TENS ME SUSTENTADO EM TUAS MAOS TODAS AS ANGUSTIAS DO MEU CORACAO EU ENTREGO AO SENHOR POIS TUA PALAVRA ALIVIA A ALMA TUA GRACA ME ATRAIU PRA TI E A

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU Secretariado Executivo Bilíngüe/Office Administration 127 A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU INTRODUÇÃO O p re s e n te

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

Consolidação para o Discipulado - 1

Consolidação para o Discipulado - 1 Consolidação para o Discipulado - 1 Fortalecendo o novo convertido na Palavra de Deus Rev. Edson Cortasio Sardinha Consolidador/a: Vida consolidada: 1ª Lição: O Amor de Deus O amor de Deus está presente

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém.

Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. 13 Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. O episódio relatado por Lucas aconteceu no dia da ressurreição, durante e após uma caminhada

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 #93r Há uma grande semelhança entre a sequência dos acontecimentos do período da Tribulação, descritos no livro do Apocalipse, com relação a Mateus 24. Vamos hoje, analisar

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

DEUS INFINITO Autor: Marília Mello Intro: F C/E B/D Db C F C/E B/D Db C F

DEUS INFINITO Autor: Marília Mello Intro: F C/E B/D Db C F C/E B/D Db C F DUS INFINITO utor: Marília Mello Intro: F / /D Db F / /D Db F m b F Senhor eu te apresento o meu coração m b F u coloco toda minha vida em tuas mãos b /b m Dm Porque sei que tudo sabes de mim, Senhor b

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

O NOME DE JESUS A AUTORIDADE DE CRISTO

O NOME DE JESUS A AUTORIDADE DE CRISTO 1 O NOME DE JESUS A AUTORIDADE DE CRISTO Fp 2 9 Por isso Deus o exaltou à mais alta posição e lhe deu o nome que está acima de todo nome, 10 para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na

Leia mais

O primeiro texto em II Rs 6:1 7 (versão RA), onde um servo perdeu um machado e o profeta Eliseu faz um ato profético e o machado flutua.

O primeiro texto em II Rs 6:1 7 (versão RA), onde um servo perdeu um machado e o profeta Eliseu faz um ato profético e o machado flutua. Vigie com os Valores e Ferramentas espirituais. Veremos dois textos que falam sobre perda, e tiraremos a lição para nossas vidas, para Não perdermos o que Deus já nos deu, e para que isso não aconteça,

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

TRÍDUO PASCAL Ano B QUINTA-FEIRA SANTA

TRÍDUO PASCAL Ano B QUINTA-FEIRA SANTA TRÍDUO PASCAL Ano B Quando chegou a hora, Jesus se pôs à mesa, com os apóstolos. Ele disse: Desejei muito comer com vocês esta ceia pascal, antes de sofrer. (Lc 22, 14-15) QUINTA-FEIRA SANTA Evangelho

Leia mais

Tema: Quatro Pecados Contaminantes

Tema: Quatro Pecados Contaminantes Tema: Quatro Pecados Contaminantes Data: 01.11.14 Culto: Sábado Pr. Leandro Hoje o mundo está à mercê do vírus ebola que é um vírus extremamente contaminante, porém há algo mais contaminante que este vírus

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos VERSÍCULOS a Bíblia na PARA Nova DECORAR Versão Internacional ESTA SEMANA NVI Usamos

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

Mais do que Vencedores ou Mais do que Vencidos. Missionário Pastor Danny Hawkins

Mais do que Vencedores ou Mais do que Vencidos. Missionário Pastor Danny Hawkins Mais do que Vencedores ou Mais do que Vencidos. Missionário Pastor Danny Hawkins Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Romanos 8:37 Todos os dias nós temos

Leia mais