APLICAÇÃO COMERCIAL PARA CELULARES BASEADA EM M-COMMERCE UTILIZANDO J2ME

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO COMERCIAL PARA CELULARES BASEADA EM M-COMMERCE UTILIZANDO J2ME"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BACHARELADO APLICAÇÃO COMERCIAL PARA CELULARES BASEADA EM M-COMMERCE UTILIZANDO J2ME DAIANA MARIA SEDREZ BLUMENAU /1-07

2 DAIANA MARIA SEDREZ APLICAÇÃO COMERCIAL PARA CELULARES BASEADA EM M-COMMERCE UTILIZANDO J2ME Trabalho de Conclusão de Curso submetido à Universidade Regional de Blumenau para a obtenção dos créditos na disciplina Trabalho de Conclusão de Curso II do curso de Sistemas de Informação Bacharelado. Prof. Marcel Hugo, M. Eng. Orientador BLUMENAU /1-07

3 APLICAÇÃO COMERCIAL PARA CELULARES BASEADA EM M-COMMERCE UTILIZANDO J2ME Por DAIANA MARIA SEDREZ Trabalho aprovado para obtenção dos créditos na disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso II, pela banca examinadora formada por: Presidente: Membro: Membro: Prof. Marcel Hugo, M. Eng. Orientador, FURB Prof. Francisco Adell Péricas, Mestre FURB Prof. Everaldo Artur Grahl, Titulação FURB Blumenau, 11 de julho de 2006.

4 Dedico este trabalho aos meus pais, aos meus familiares e amigos que sempre me apoiaram, ao meu namorado Babiton por me compreender e confiar em mim, os quais foram fundamentais para a realização do mesmo.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pela vida e pela minha vida. Aos meus pais Irineu e Edit, e às minhas irmãs Deisi e Daniela, que sempre me apoiaram, incentivaram a estudar e seguir em frente. Aos meus sobrinhos Bruno e Letícia que representam felicidade na minha vida. Ao meu namorado Babiton, por estar na minha vida, por me fazer amar, por me compreender e me ensinar a compreender. Ao Fabiano Rosa, por ter me auxiliado com seu conhecimento, o qual foi de grande importância para a conclusão do trabalho. Ao meu orientador, Marcel Hugo, pela ajuda e dedicação para que a conclusão deste trabalho tivesse sucesso.

6 Se podemos sonhar, também podemos tornar nossos sonhos realidade. Walt Disney

7 RESUMO Este trabalho apresenta o desenvolvimento de uma aplicação utilizando o conceito de M- Commerce, ou seja, o comércio móvel, possibilitando realizar a compra de um produto através de um celular. A utilização da plataforma Java, da tecnologia J2ME e de Web Services foram os componentes necessários para a implementação deste sistema. O sistema foi desenvolvido utilizando a ferramenta NetBeans, com o módulo NetBeans Mobility Pack na implementação da aplicação J2ME. Palavras-chave: M-Commerce. Comércio móvel. J2ME. Celular.

8 ABSTRACT This article has as objective the development of an application using M-Commerce concept, that is, the mobile commerce, making possible to carry through the purchase of a product through a cellular. Using Java platform, technology J2ME and Web Services it had been the necessary components for the implementation. The system was developed using the NetBeans tool, with the module NetBeans Mobility Pack in implementation of J2ME application. Key-words: M-Commerce. Mobile commerce. J2ME. Cellular

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Universo J2ME...25 Figura 2 Estrutura de uma mensagem SOAP...30 Figura 3 Comunicação entre módulos da aplicação M-Commerce...33 Quadro 1 Requisitos funcionais...35 Quadro 2 Requisitos não funcionais...35 Figura 4 Diagrama de pacotes...37 Figura 5 Diagrama de caso de uso módulo central...38 Figura 6 Diagrama de caso de uso módulo MIDP comprador...39 Figura 7 Diagrama de atividades do caso de uso Identificar usuário...40 Figura 8 Diagrama de atividades do caso de uso Cadastrar consumidor...40 Figura 9 Diagrama de atividades dos casos de uso Identificar consumidor e Efetuar compra...41 Figura 10 Diagrama de classes...43 Figura 11 Diagrama físico de dados...44 Figura 12 Diagrama de seqüência do caso de uso Cadastrar consumidor...45 Figura 13 Diagrama de seqüência do caso de uso Selecionar produtos para venda...46 Figura 14 Diagrama de seqüência dos casos de uso Identificar consumidor e Efetuar compra...47 Figura 15 Fluxo NetBeans Mobility Pack...51 Figura 16 Tela de login...56 Figura 17 Tela de cadastro de usuário...57 Figura 18 Tela de cadastro de forma de pagamento...58 Figura 19 Tela de cadastro de tipo de produto...59 Figura 20 Tela de cadastro de produto...60 Figura 21 Tela de cadastro de cidade...61 Figura 22 Tela de cadastro de local...62 Figura 23 Tela de cadastro de ponto de venda...63 Figura 24 Tela de cadastro de produto no ponto de venda...64 Figura 25 Tela inicial...65 Figura 26 Tela de identificação do consumidor...66 Figura 27 Tela de identificação do ponto de venda...66

10 Figura 28 Tela de aviso para conferir ponto de venda...67 Figura 29 Tela para conferir ponto de venda...67 Figura 30 Tela para informar produto e quantidade...68 Figura 31 Tela para escolher forma de pagamento...69 Figura 32 Tela para confirmar a compra...69 Figura 33 Tela de mensagem de finalizando a compra...70 Figura 34 Tela de confirmação da compra...70 Figura 35 Tela de recebido pelo ponto de venda...71 Quadro 3 Funcionalidades de cada trabalho...73 Quadro 4 UC01.01 Identificar usuário...79 Quadro 5 UC01.02 Cadastrar consumidor...80 Quadro 6 UC01.03 Cadastrar gerente / vendedor...81 Quadro 7 UC01.04 Cadastrar formas de pagamento...82 Quadro 8 UC01.05 Cadastrar tipos de produto...83 Quadro 9 UC01.06 Cadastrar produtos para venda...84 Quadro 10 UC01.07 Cadastrar cidade para o local de ponto de venda...85 Quadro 11 UC01.08 Cadastrar local para ponto de venda...86 Quadro 12 UC01.09 Cadastrar pontos de venda...87 Quadro 13 UC01.10 Selecionar produtos para venda...88 Quadro 14 UC02.01 Identificar consumidor...89 Quadro 15 UC02.02 Efetuar compra...89

11 LISTA DE SIGLAS Anatel Agência Nacional de Telecomunicações APIs Application Programming Interface B2B Business-to-Business B2C Business-to-Consumer B2E Business-to-Employee C2C Consumer-to-Consumer CDC Connected Device Configuration CLDC Connected Limited Device Configuration CTBC Companhia de Telecomunicações do Brasil Central E-Commerce Eletronic-Commerce E-M-Commerce Eletronic-Mobile-Commerce EA Enterprise Architect GPS Global Positioning System HTTP Hiper Text Transfer Protocol HTTPS Hyper Text Transfer Protocol Secure J2EE Java 2 Enterprise Edition J2ME Java 2 Micro Edition J2SE Java 2 Standard Edition JAR Java Archive JVM Java Virtual Machine JSP Java Server Pages KVM Kilobyte Virtual Machine M-Commerce Mobile-Commerce

12 MID Mobile Information Device MIDP Mobile Information Device Profile MP3 Mpeg Layer 3 MVC Model View Controller PDA Personal Digital Assistant RMS Record Management System RPC Remote Procedure Calls SMS Short Message Service SOAP Simple Object Access Protocol SSL Secure Sockets Layer T-Commerce TV-Commerce TLS Transport Layer Security UML Unified Modeling Language XML Extensible Markup Language

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS DO TRABALHO ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA COMÉRCIO ELETRÔNICO M-COMMERCE DISPOSITIVOS MÓVEIS JAVA J2ME Configuração CLDC Perfil MIDP J2EE WEB SERVICES SOAP TRABALHOS CORRELATOS DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO REQUISITOS PRINCIPAIS DO SISTEMA Requisitos funcionais Requisitos não funcionais ESPECIFICAÇÃO Casos de uso do sistema Diagramas de atividades do sistema Diagramas de classes do sistema Diagrama físico de dados Realizações de casos de uso Ferramenta utilizada para a especificação IMPLEMENTAÇÃO Técnicas e ferramentas utilizadas NetBeans IDE NetBeans Mobility Pack...49

14 Sun Java Wireless Toolkit Biblioteca ksoap2 e kxml Tomcat Hibernate Apache Struts Padrões de projeto implementados Padrão MVC Padrão Facade e Singleton Segurança na comunicação com o Web Service Operacionalidade da implementação Módulo central Módulo MIDP comprador RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÕES EXTENSÕES...74 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...76 APÊNDICE A Especificação dos casos de uso...79 APÊNDICE B Utilização da biblioteca ksoap APÊNDICE C Arquivo de mapeamento do Hibernate...91 APÊNDICE D Padrão Facade e Singleton...93 APÊNDICE E Código gerado pelo módulo NetBeans Mobility Pack...98

15 14 1 INTRODUÇÃO Mundialmente a telefonia celular tornou-se popular tanto no ambiente de trabalho quanto na vida privada. Segundo Alencar (2006, p. 1), a base de celulares no Brasil alcançou a marca de 89,4 milhões em março de Conforme a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o mês de março de 2006 foi o melhor desde o ano de 1999, registrando-se 1,3 milhões de novas habilitações, tendo os últimos 12 meses um crescimento de 30% comparado ao período anterior, pois o país ganhou 18 milhões de novos assinantes. De acordo com Teixeira (2005, p. 1), há dois bilhões de celulares no mundo, marca concedida em setembro de No Brasil o celular já faz parte do dia-a-dia dos brasileiros, onde 23 milhões de brasileiros pretendem comprar o primeiro celular e 10 milhões pretendem trocar seu aparelho por um novo (Rydlewski, 2004, p. 102). Hoje o aparelho celular é bastante diferente de 10 anos atrás, conforme Menezes (2003, p. 2), pois além de celular é também máquina fotográfica, Mpeg Layer 3 (MP3) Player, Personal Digital Assistant (PDA), rádio, internet, executor de aplicativos. É tendência natural da evolução do celular acrescentar a essas funcionalidades um cartão de crédito eletrônico, para que se faça presente o Mobile-Commerce (M-Commerce). De acordo com Moskorz (2002, p. 12), M-Commerce é a sigla para Mobile-Commerce. Numa tradução livre, poder-se-ia chamar de Comércio Móvel, onde na verdade, a própria sigla é uma derivada do Eletronic-Commerce (E-Commerce), ou comércio eletrônico. De certa forma, o termo mais correto seria Eletronic-Mobile-Commerce (E-M-Commerce). Então, uma melhor tradução seria Comércio Eletrônico Móvel. Segundo Observatório do Comércio (2000, p. 1), M-Commerce pode ser definido como a venda de produtos e serviços ao consumidor através de aparelhos móveis (Observatório do Comércio, 2000, p. 1). Conforme Adam Zawell (2005, apud Reuters, 2005, p. 1) do Yankee Group, a previsão

16 15 de transações de comércio eletrônico móvel é de somar US$ 1,2 bilhão na Europa em 2009, registrando alta em relação aos US$ 243 milhões registrados em Enquanto isso, as transações na Ásia podem crescer para US$ 1,7 bilhão daqui a quatro anos, partindo de um patamar de US$ 370 milhões registrados no ano passado. Se a tecnologia chegar a um ponto em que seja mais fácil usar o celular do que tirar dinheiro da carteira para pagar por um produto, então os consumidores vão adotá-la. Segundo Almeida (2004, p. 21), para a execução de aplicativos dentro dos celulares, é necessário algo para desenvolver os aplicativos. A tecnologia Java possui a edição Java 2 Micro Edition (J2ME) para pequenos dispositivos como pagers, telefones celulares, set-top boxes de TVs a cabo, PDA, sendo uma versão específica da máquina virtual criada para ser executada em um ambiente com recursos limitados de memória e processamento. Os desenvolvedores são livres para criar aplicações e executá-las em qualquer dispositivo de qualquer fabricante que possua uma máquina virtual, não sendo necessário se prender a um dos fabricantes ou a uma tecnologia. Também é livre a escolha do modelo de telefone celular que possa executar o aplicativo desejado. Conforme Montenegro e Pereira (2005, p. 29), na indústria de dispositivos de consumo, a área de celulares é onde o J2ME tem recebido mais investimentos. Atualmente existem mais de 350 modelos de handsets Java de 31 fabricantes. No final do ano de 2004, existiam mais de 570 milhões de aparelhos com suporte à J2ME. Antes do J2ME, para executar uma aplicação em um celular, ele deveria ser escrito na linguagem nativa do próprio dispositivo. O processo de conversão do aplicativo de um dispositivo para outro era potencialmente complexo, com custos que poderiam inviabilizá-lo. Portanto, neste trabalho foi realizada a construção de um aplicativo para celular para compra de produtos e serviços oferecidos para venda, utilizando o conceito de M-Commerce e os recursos disponibilizados pela tecnologia J2ME. Para a troca de informações entre os

17 16 aplicativos dos celulares que foram desenvolvidas em J2ME e a aplicação servidora que foi desenvolvida em Java 2 Enterprise Edition (J2EE), e vice-versa, foram utilizados Web Services em um servidor de aplicações, utilizando Hiper Text Transfer Protocol (HTTP) e Simple Object Access Protocol (SOAP). 1.1 JUSTIFICATIVA O aspecto principal identificado para desenvolver este trabalho é a utilização de um conceito novo, chamado M-Commerce. Conforme Reuters (2005, p. 1), as companhias norteamericanas têm mantido silêncio sobre o comércio via telefone celular desde que a bolha das empresas de tecnologia estourou em Segundo Chris Bierbaum (2005, apud Reuters, 2005, p. 1), executivo de desenvolvimento de negócios da Sprint, terceira maior operadora dos EUA, a discussão (sobre comércio móvel) tem mais validade agora. A tecnologia e os modelos de negócios estão evoluindo. O potencial de negócios do M-Commerce é imenso, pois os consumidores possuem cada vez menos tempo para dispensar às suas compras, preferindo soluções que oferecem comodidade, praticidade e horários adequados aos seus estilos de vida, podendo comprar um bem ou serviço a partir de qualquer lugar. Dessa forma o trabalho estará contribuindo para mais uma fonte de pesquisa sobre M- Commerce, juntamente com uma aplicação utilizando o conceito. 1.2 OBJETIVOS DO TRABALHO O objetivo deste trabalho é desenvolver uma aplicação que permita a compra de produtos pelo celular, utilizando a tecnologia J2ME e o conceito de M-Commerce.

18 17 Os objetivos específicos do trabalho são: a) oferecer uma aplicação servidora que disponibilizará uma lista de produtos / serviços que serão vendidos (módulo central); b) executar a aplicação no aparelho celular do consumidor (módulo Mobile Information Device Profile (MIDP) comprador) que irá interagir com a aplicação servidora (módulo central); c) efetuar o processo de compra e venda através da aplicação servidora (módulo central) e da aplicação no aparelho celular do ponto de venda (módulo MIDP vendedor). 1.3 ESTRUTURA DO TRABALHO Este trabalho está dividido em quatro capítulos. O primeiro capítulo é composto pela introdução do trabalho, os objetivos a serem alcançados com o desenvolvimento do trabalho e sua estrutura. O segundo capítulo apresenta a fundamentação teórica do trabalho, contextualizando o comércio eletrônico, o conceito de M-Commerce, a utilização dos dispositivos móveis, a tecnologia Java, os recursos do J2EE e J2ME e a utilização de Web Services. O terceiro capítulo aborda o desenvolvimento do trabalho, apresentando os requisitos do sistema, a especificação, como os diagramas de casos de uso, diagramas de atividade, diagramas de classe, diagrama físico de dados, diagramas de realização do caso de uso, ferramenta de modelagem utilizada na especificação, técnicas e ferramentas utilizadas na implementação do sistema, a operacionalidade da implementação passo a passo e resultados e problemas encontrados durante o desenvolvimento do trabalho. Por último, o capítulo quatro descreve as considerações finais sobre o trabalho, incluindo as extensões para trabalhos futuros.

19 18 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A fundamentação teórica traz o conceito dos itens abordados no trabalho e está dividida nos tópicos seguintes: a) comércio eletrônico; b) M-Commerce; c) dispositivos móveis; d) Java; e) Web Services; f) trabalhos correlatos. 2.1 COMÉRCIO ELETRÔNICO Segundo Franco Junior (2005, p. 19), a compra de produtos e serviços pela Internet está causando uma revolução bastante grande no mundo dos negócios e na vida dos consumidores. Segundo Alexander, Soares e Viana (2002, p. 15), através do comércio eletrônico é possível fazer várias negociações e transações, com muita rapidez, comodidade e segurança. Conforme Alexander, Soares e Viana (2002, p. 15), o conceito de E-Commerce, como é denominado o comércio eletrônico, significa um conjunto de atividades comerciais que acontecem online, ou seja, uma transação comercial. Alguns tipos de E-Commerce são TV- Commerce (T-Commerce) e M-Commerce. De acordo com Rodrigo (2005, p. 1), o E-Commerce faz parte do E-Business, pois além da parte de compras e vendas, o E-Business também compreende o marketing, a logística, a infra-estrutura e o atendimento ao cliente. Segundo Franco Junior (2005, p. 21), o

20 19 E-Business é o negócio eletrônico, ou seja, uma negociação feita pela Internet. A IBM define E-Business conforme abaixo. [...] uma forma segura, flexível e integrada de fornecer um valor diferenciado na gestão administrativa pela combinação de sistemas e processos para a administração e funcionamento de operações centrais, de forma simples e eficiente alavancada pela aplicação de tecnologia da Internet. (FRANCO JUNIOR, 2005, p. 21, grifo do autor). Segundo Rodrigo (2005, p. 1), o E-Business pode ser definido como sistemas de informação que auxiliam os processos de negócio. Além do E-Commerce o E-Business possui diversos sistemas como o Business-to-Business (B2B), Business-to-Consumer (B2C), Business-to-Employee (B2E), Consumer-to-Consumer (C2C). Todos os tipos possuem algumas finalidades em comum como conquistar a fidelidade de clientes, por exemplo. Abaixo segue a definição de alguns tipos de E-Business e E- Commerce. a) B2B: de acordo com Rodrigo (2005, p. 1), B2B são as transações de comércio entre empresas utilizando a Internet. Conforme Alexander, Soares e Viana (2002, p. 16), é um comércio bastante consolidado entre as empresas, o qual é de fundamental importância para a sobrevivência delas; b) B2C: segundo Alexander, Soares e Viana (2002, p. 16), é um comércio entre empresa e consumidor que também utiliza a Internet como meio, envolvendo todos os tipos de venda de produtos, serviços ou informações; c) B2E: conforme Alexander, Soares e Viana (2002, p. 17), B2E é classificada como a relação de negócios entre a empresa e seus colaboradores. Esta tecnologia esta relacionada aos portais (intranet) que as empresas possuem para atender seus colaboradores, possibilitando à empresa uma comunicação direta com eles; d) C2C: de acordo com Alexander, Soares e Viana (2002, p. 17), este tipo de comercialização é classificada pela comercialização realizada entre os consumidores. Este comércio oferece aos consumidores serem compradores e/ou

21 20 vendedores, podendo oferecer seus produtos através de classificados, leilões eletrônicos; e) T-Commerce: conforme Alexander, Soares e Viana (2002, p. 18), este é o comércio eletrônico pela televisão, sendo oferecido aos usuários serviços interativos, permitindo a compra de produtos via TV utilizando somente o controle remoto. 2.2 M-COMMERCE Segundo Dornan (2001, p. 145), o maior interesse comercial por dados móveis e pela Web sem fio está direcionado à promessa de um grande e novo mercado de produtos e serviços. As operadoras sem fio esperam ser capazes de fazer com que seus negócios cresçam até mais rapidamente do que o setor como um todo. Entretanto, a receita obtida não será suficiente para as empresas permanecerem no negócio. Acredita-se que a maior parte da receita seja obtida com o comércio eletrônico móvel ou M-Commerce. A questão é por que as pessoas escolheriam fazer compra pelo telefone móvel? Muitas pessoas portam seus telefones o tempo todo, mesmo quando estão distantes de uma loja, de um micro conectado à Internet ou de qualquer outro recurso que possa ser utilizado para lhes vender algo. O M-Commerce fornece aos comerciantes a capacidade de entrar em contato com os clientes a qualquer hora e de acompanhar seus movimentos no ciberespaço e no mundo real. De acordo com Prado (2005, p. 1), o negócio de telefonia móvel no futuro será um pote de ouro pois os celulares terão muitas utilidades e muitos serviços. Um exemplo desta tendência são as visões da empresa NTT DoCoMo do Japão, que anunciou que em 2006 terá um cartão de crédito embutido nos seus celulares. No entanto, a primeira versão do seu celular, chamado telefone carteira, foi lançada em julho de 2004, onde 22 mil lojistas do

22 21 Japão possuem instalados dispositivos especiais nas suas caixas registradoras, os quais recebem o sinal do telefone carteira. Além disso, ainda em 2006, os japoneses poderão pagar o seu metrô acenando seus telefones móveis em sensores especiais. Conforme Moskorz (2002, p. 90), o M-Commerce, se for considerado como um produto, é muito diferenciado, tanto pelas tecnologias utilizadas, quanto pelos novos valores adicionados ao conceito. É uma nova tecnologia, composta de software e hardware, que vem para melhorar a qualidade de vida das pessoas. Os benefícios desta tecnologia não são imediatamente claros para as pessoas e isto gera uma incerteza com relação a sua utilização e conseqüentemente aos seus resultados. Mas também é uma oportunidade para a melhoria de qualidade de vida e esta pode ser a motivação para uma pessoa aprender sobre a inovação, no caso o M-Commerce. Quando se fala de M-Commerce e de aparelhos sem fio, não se pode limitar a celulares. Vários outros aparelhos poderão fazer conexão com o mundo a partir de qualquer lugar, no entanto as tecnologias envolvidas no M-Commerce vão muito além dos aparelhos. Basicamente, segundo Siau, Lim e Shen (2001, apud Moskorz, 2002, p. 38), existem três tecnologias-chave envolvendo o M-Commerce: f) tecnologias de comunicação: para que o potencial do M-Commerce se realize, é necessária uma taxa consideravelmente alta em relação à velocidade de transmissão; g) tecnologia de troca de informação: a utilização de tecnologias de telecomunicações tem como principal característica a troca de informações. Atualmente existem dois grandes padrões de linguagem para a troca de informações por dispositivos móveis. (i) Padrões de troca de informações baseados em HTML: Uma grande vantagem é que HTML já é bastante utilizado como padrão para a Internet. A maioria dos navegadores suportam este padrão e existem diversas ferramentas para

23 22 ele; (ii) Padrões baseados em Extensible Markup Language (XML): O XML etiqueta os dados, pondo conteúdo num contexto. Através do uso extensivo do XML, pretende-se fazer com que diversos softwares, escritos em diversas linguagens diferentes se comuniquem entre si; h) tecnologia de identificação da localização e do usuário: A localização do usuário é de bastante importância na comunicação móvel, de modo a lhe fornecer apenas serviços e informações relevantes. A tecnologia Global Positioning System (GPS), que usa satélites para calcular a posição geográfica com grande precisão, promete desempenhar um importante papel na comunicação sem fio. Já sobre a identificação do usuário, uma das tecnologias-chave para isto está sendo o Smartcard. São cartões do tamanho de cartões de crédito magnéticos, mas com um chip e um pequeno processador, que podem ter a funcionalidade de cartão de débito/crédito e também servir como assinatura digital ou carteira eletrônica. De acordo com Barbosa (2006, p. 1), um estudo da consultoria In-Stat indica que na próxima década cerca de 25 milhões de telefones nos EUA farão pagamentos, ou seja, poderão ser utilizados como carteiras. Em lugar do M-Commerce, o celular será utilizado para finalizar transações de compra. Isso ocorreria por meio de mecanismos seguros de autenticação e pelo fato do celular ser um aparelho que acompanha o usuário pela maior parte do tempo. 2.3 DISPOSITIVOS MÓVEIS Conforme Schmitt Junior (2004, p. 17), pode ser considerado como dispositivo móvel, um dispositivo com capacidade de processamento em um ambiente de rede sem fio. Os dispositivos móveis possuem algumas limitações em relação à taxa de comunicação e

24 23 processamento, por se tratar de um ambiente de rede sem fio e por terem um tamanho pequeno. Alguns dos dispositivos móveis que são encontrados atualmente são: a) telefones celulares; b) pagers; c) PDAs; d) dispositivos embarcados; e) computadores de bordo automotivo; f) handheld. Conforme Nokia (2005, apud Pamplona, 2005, p. 18), hoje em dia os mais conhecidos e utilizados dispositivos são os celulares, que evoluíram tanto que não podem mais ser considerados como simples telefones. Segundo Teixeira (2005, p. 1), o celular é a tecnologia que mais rapidamente cresce na história da humanidade. Pode-se destacar o número de dois bilhões de celulares como um número fabuloso, sendo talvez difícil de compreender. A população mundial, por exemplo, é de pessoas, segundo U.S. Census Bureal (2005, apud Teixeira 2005). Este número pode ser comparado com outras estatísticas tecnológicas, onde dois bilhões é cerca do dobro do número de usuários da Internet; dois bilhões é o triplo do número de computadores pessoais funcionando no mundo. Existem mais celulares do que televisão, mais celulares do que cartão de crédito, mais celulares do que automóveis e muito mais celulares do que aparelhos de telefonia fixa. Conforme Teixeira (2005, p. 1), o celular é o único aparelho digital portado por quase qualquer pessoa economicamente viável no planeta Terra. Cada vez menos pessoas estão usando relógios de pulso, dependendo do celular como referência de hora certa. A febre do celular chegou a ponto de que a maioria dos usuários mantém seu aparelho ao alcance da mão às 24 horas do dia. Cerca de 60% dos usuários de celular levam seu aparelho para perto de

25 24 onde dormem, seja para receber chamadas de voz, ou então para utilizá-lo como despertador, ou para ler mensagens Short Message Service (SMS), caso receba. Segundo Teixeira (2005, p. 1), quanto ao futuro é esperado três bilhões de aparelhos celulares para o ano de 2010, portanto é possível imaginar as variadas funcionalidades que esses aparelhos terão. É provável um grande aumento das taxas de penetração das redes de alta velocidade e também um grande aumento de processamento dos aparelhos de telefonia móvel. 2.4 JAVA Segundo Montenegro e Pereira (2005, p. 28), a tecnologia Java completa 10 anos e o seu sucesso é inquestionável. As milhares de aplicações Java existentes englobam as variadas áreas do conhecimento e rodam nas mais diversas plataformas e sistemas operacionais, desde equipamentos bastante limitados (como celulares, PDAs, computadores de bordo) até poderosos clusters de servidores, atendendo a centenas ou milhares de clientes simultâneos. A plataforma Java foi dividida em três grandes edições: a) Java 2 Standard Edition (J2SE): o núcleo da plataforma, com a máquina virtual e as Application Programming Interface (APIs) básicas; b) Java 2 Enterprise Edition (J2EE): complementando a J2SE e fornecendo recursos para o desenvolvimento de aplicações Web e corporativos; c) Java 2 Micro Edition (J2ME): definindo um ambiente Java para dispositivos móveis.

26 J2ME Segundo Muchow (2004, p. 2), J2ME é destinado aos dispositivos consumidores com poder limitado. Muitos desses dispositivos (por exemplo, celular ou pager) não tem opção de download e software de instalação, além daquele que foi configurado durante o processo de fabricação. Com o conceito de J2ME, os dispositivos móveis não precisam mais ter natureza estática. Exatamente como um navegador Web fazendo download de applets Java, uma implementação de J2ME em um dispositivo permite a opção de navegar, fazer download e instalar aplicativos Java e conteúdo. De acordo com Almeida (2004, p. 21), atualmente a plataforma J2ME consiste de um conjunto de configurations (configurações), profiles (perfis) e APIs opcionais. Essa divisão permite ao desenvolvedor conhecer informações específicas sobre as diferentes famílias de dispositivos e as APIs disponíveis em cada uma delas. Na Figura 1 é possível visualizar os componentes da J2ME. Fonte: Knudsen (2003, p. 2) Figura 1 Universo J2ME

27 26 Conforme Muchow (2004, p. 3), uma configuration define uma plataforma Java para uma ampla variedade de dispositivos. Ela está intimamente vinculada a uma máquina virtual Java (Java Virtual Machine (JVM)). Na verdade, uma configuration define os recursos da linguagem Java e as bibliotecas Java básicas da JVM para essa configuração em particular. Entre as configurações disponíveis destacam-se a Connected Device Configuration (CDC) que possui um conjunto de APIs que suportam equipamentos fixos de porte médio, tal como televisores e a Connected Limited Device Configuration (CLDC) que possui um conjunto de APIs destinadas a aparelhos cujo poder de processamento, display e memória são limitados. Segundo Almeida (2004, p. 22), profiles são conjuntos de APIs que suplementam as configurations, fornecendo funcionalidades para um determinado tipo de dispositivo ou mercado vertical. São mais específicos que as configurations, apesar de serem baseados nelas. Adicionam APIs para interface com o usuário, armazenamento persistente e outras funções auxiliares. O profile utilizado em celulares é a MIDP; o utilizado em dispositivos de rede sem interface gráfica é o Foundation Profile; já o profile utilizado em dispositivos com suporte gráfico é o Personal Profile Configuração CLDC Conforme Almeida (2004, p. 21), a CLDC consiste em uma máquina virtual chamada de Kilobyte Virtual Machine (KVM) e um conjunto de classes mais apropriado para dispositivos pequenos e com limitações de desempenho e memória. Esta configuração é destinada para dispositivos wireless menores, possuindo geralmente entre 160 kilobytes (kb) e 512 kb disponíveis para Java (mínimo de 128 kb), uma conexão à rede limitada, intermitente e provavelmente lenta. A tela é de tamanho pequeno, e a fonte de energia é reduzida, fornecida por baterias. Este ambiente foi desenvolvido para dispositivos como telefones celulares,

28 27 pagers, PDAs Perfil MIDP Segundo Almeida (2004, p. 22), o perfil MIDP traz as classes de interface com o usuário e acesso à rede, dando nome aos aplicativos desenvolvidos para celulares. De maneira semelhante às applets e aos servlets, um aplicativo MIDP é chamado de midlet, por herdar de uma classe denominada MIDlet. Com essa herança, a classe recebe a capacidade de se comunicar com o gerenciador de aplicativos que os dispositivos MIDP possuem e de interagir com a interface do aparelho. Um aplicativo MIDP é um conjunto de classes que implementam seu funcionamento, reunidas em um pacote chamado MIDlet Suite. O aplicativo é desenvolvido em um computador desktop, compilado, pré-verificado, empacotado no arquivo Java Archive (JAR) e então instalado em um dispositivo para execução ou em um emulador. Segundo Muchow (2004, p. 20), os requisitos de hardware de um dispositivo que pretende implementar o MIDP, são: a) a tela deve suportar pelo menos 96 x 54 pixels; b) deve haver pelo menos um tipo de entrada de usuário disponível: teclado de uma mão (teclado de telefone), teclado de duas mãos (teclado de computadores), ou uma tela de toque; c) 128 kb de memória não-volátil para executar os componentes Mobile Information Device (MID), dispositivo de informação móvel; d) 8 kb de memória não-volátil para os aplicativos armazenarem dados persistentes, como configurações e dados do aplicativo; e) 32 kb de memória volátil para executar o Java;

Acadêmico: Marciane Schotten Prof. Orientador: Ricardo Alencar de Azambuja

Acadêmico: Marciane Schotten Prof. Orientador: Ricardo Alencar de Azambuja PROTÓTIPO DE UMA APLICAÇÃO MÓVEL PARA LOCAÇÃO DE VEÍCULOS UTILIZANDO J2ME Acadêmico: Marciane Schotten Prof. Orientador: Ricardo Alencar de Azambuja Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Fundamentação

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo Programação para Dispositivos Móveis Prof. Wallace Borges Cristo Acesso a informação Notícias, Ringtones, Vídeos Messenger/Chat Jogos Acesso a instituições financeiras M-commerce (Mobile Commerce) Aplicações

Leia mais

Java ME e suas principais tecnologias de conectividade. Gracieli Begia Mateus

Java ME e suas principais tecnologias de conectividade. Gracieli Begia Mateus Java ME e suas principais tecnologias de conectividade Gracieli Begia Mateus Telefones Celulares no Mundo Fonte: UIT e Wireless Intelligence (Ovum/GSM Association) Posição do Brasil no Mundo Principais

Leia mais

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Uma Introdução ao J2ME Computação Móvel (MAC5743/MAC330) DCC-IME-USP Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Visão Geral do Java 2 (1) A plataforma Java 2 engloba três elementos:

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

BrokerCell: programando celular com J2ME para cotar papéis na Bovespa

BrokerCell: programando celular com J2ME para cotar papéis na Bovespa BrokerCell: programando celular com J2ME para cotar papéis na Bovespa Nairon Neri Silva 1, Luís Augusto Mattos Mendes(Orientador) 1 1 Ciência da Computação - Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Disciplina: Computação Móvel Professor: Mauro Nacif Rocha Data: 27/02/2007 Hadriel Toledo Lima 50290 Juliana Pinheiro Campos 47683 Luis Felipe Hussin Bento

Leia mais

SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados

SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados Acadêmico: Bernardo Marquardt Müller Orientador: Prof. Dr. Mauro Marcelo Mattos Roteiro

Leia mais

Manual de Operação Aplicativo ClickIt

Manual de Operação Aplicativo ClickIt Manual de Operação Aplicativo ClickIt Rev. 1.1 Agosto/2010 GSControl Automação Ltda. Rua Washington Luiz, 675 ITC Conjunto 1101 Centro Porto Alegre RS CEP 90010-460 Telefone: (51)3026-0945 / (51)3287-2167

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO Ramon R. Rabello, Pedro J. Treccani, Thienne M Johnson Universidade da Amazônia, Av Alcindo Cacela, 287, Belém, PA CEP 66092-010 ramon.rabello@gmail.com,

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM DIÁRIO DE CLASSE EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO J2ME

PROTÓTIPO DE UM DIÁRIO DE CLASSE EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO J2ME UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO PROTÓTIPO DE UM DIÁRIO DE CLASSE EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO J2ME FABIANO ROSA BLUMENAU

Leia mais

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe:

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe: Versão Documento de Requisitos Documento de Requisitos Equipe: Bruno Harada (bhhc) Edilson Augusto Junior (easj) José Ivson Soares da Silva (jiss) Pedro Rodolfo da Silva Gonçalves (prsg) Raphael

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Aluno: Fábio Bicalho de Araujo Orientador: Marco Antonio Grivet Matoso Maia Introdução Um fato da atualidade: o mundo está se tornando cada vez mais

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Marcus Vinicius Cruz Xavier Rascunho do trabalho de conclusão de curso Título

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 Londrina, 07 de outubro de 2015. EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 OBJETO: Art.1º. Constitui objeto desta licitação a aquisição de 01 (uma) Plataforma de Solução

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Como dito anteriormente, a JCP especificou dois grupos para a J2ME conforme as necessidades dos dispositvos, chamadas Configurações:

Como dito anteriormente, a JCP especificou dois grupos para a J2ME conforme as necessidades dos dispositvos, chamadas Configurações: 1 TECNOLOGIA J2ME A J2ME, Java Micro Edition, é uma tecnologia que permite o desenvolvimento de aplicações Java para dispositivos com poder de processamento, vídeo e memória limitados. Possui uma coleção

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE J2ME

UMA ABORDAGEM SOBRE J2ME UMA ABORDAGEM SOBRE J2ME Júlio César Jardim Júnior 1, Elio Lovisi Filho (Orientador) 1 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rua Palma Bageto Viol, s/n Barbacena - MG.

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA UTILIZANDO A TECNOLOGIA J2ME

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA UTILIZANDO A TECNOLOGIA J2ME DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA UTILIZANDO A TECNOLOGIA J2ME Ana Paula A. ZANELATO 1 Eliezer Gomes Paraganba FILHO 2 Emerson Silas DÓRIA 3 RESUMO: Este artigo pretende apresentar a tecnologia J2ME (linguagem

Leia mais

Orientação a Objetos com Java

Orientação a Objetos com Java Orientação a Objetos com Java Julio Cesar Nardi julionardi@yahoo.com.br 2011/2 Aula 01: Começando com Java Objetivos: Compreender o que é Java, OO e suas vantagens; Entender os procedimentos para criação

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

Millennium ECO 2.0 (beta)

Millennium ECO 2.0 (beta) MILLENNIUM NETWORK Millennium ECO 2.0 (beta) Documentação Técnica (draft) 10/2013 Este documento contém as instruções para a utilização da biblioteca Millenium_Eco que se presta à comunicação de aplicativos

Leia mais

Guia Rápido de Uso. Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO

Guia Rápido de Uso. Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO 1 Guia Rápido de Uso Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO 1 Acesso ao sistema...3 2 Entenda o Menu...4 3 Como enviar torpedos...6 3.1 Envio

Leia mais

SISTEMA PARA AUTOMATIZAR O MONITORAMENTO DE ROTEADORES DE UM PROVEDOR DE ACESSO

SISTEMA PARA AUTOMATIZAR O MONITORAMENTO DE ROTEADORES DE UM PROVEDOR DE ACESSO FURB Universidade Regional de Blumenau Bacharelado em Ciência da Computação SISTEMA PARA AUTOMATIZAR O MONITORAMENTO DE ROTEADORES DE UM PROVEDOR DE ACESSO Jean Victor Zunino Miguel Alexandre Wisintainer

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

PROTÓTIPO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVO MÓVEL (PDA) USANDO A TECNOLOGIA J2ME E BANCO DE DADOS

PROTÓTIPO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVO MÓVEL (PDA) USANDO A TECNOLOGIA J2ME E BANCO DE DADOS PROTÓTIPO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVO MÓVEL (PDA) USANDO A TECNOLOGIA J2ME E BANCO DE DADOS Acadêmico: Robson Luis da Silva Orientador: Alexander R. Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO

MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO: Julho, 2013. DIREITOS DE USO: Publicação de uso exclusivo, classificada quanto ao nível de sigilo como RESERVADA. A presente documentação é propriedade da Tellfree Brasil

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2 Estrutura de Repetição. Ex. 2 A ESTRUTURA Enquanto faça{} É MELHOR UTILIZADA PARA SITUAÇÕES ONDE O TESTE DE CONDIÇÃO (V OU F) PRECISA SER VERIFICADO NO INÍCIO DA ESTRUTURA DE REPETIÇÃO.

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Manual do aplicativo Conexão ao telefone

Manual do aplicativo Conexão ao telefone Manual do aplicativo Conexão ao telefone Copyright 2003 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. O logotipo da Palm e HotSync são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo da HotSync e Palm são marcas

Leia mais

Perguntas e Respostas. Relatórios

Perguntas e Respostas. Relatórios Perguntas e Respostas 1. Por que o @ Work mudou? R: Pensando na satisfação dos nossos clientes para com os serviços via Web, foi realizado uma reformulação de toda estrutura do site otimizando a disponibilidade

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML

Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML Acadêmico: Leonardo Chagas D Ippolito Orientador: Prof. Marcel Hugo Blumenau, Dezembro de 2004

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

AQUI SEGUEM OS TÓPICOS TRATADOS NESSE GUIA, PARA QUE VOCÊ APRENDA A USAR O SISTEMA CLUBE TURISMO MOBILE.

AQUI SEGUEM OS TÓPICOS TRATADOS NESSE GUIA, PARA QUE VOCÊ APRENDA A USAR O SISTEMA CLUBE TURISMO MOBILE. GUIA RÁPIDO DE USO AQUI SEGUEM OS TÓPICOS TRATADOS NESSE GUIA, PARA QUE VOCÊ APRENDA A USAR O SISTEMA CLUBE TURISMO MOBILE. 1 Acesso ao sistema...3 2 Entenda o Menu...3 2.1 Contatos...3 2.2 Mensagens...4

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

Roteiro. Linguagens, plataformas e ambientes de Desenvolvimento. Desenvolvimento de Aplicações para DM. Java. Linguagem C

Roteiro. Linguagens, plataformas e ambientes de Desenvolvimento. Desenvolvimento de Aplicações para DM. Java. Linguagem C Desenvolvimento de Aplicações para Dispositivos Móveis José de Ribamar Martins Bringel Filho Mestre em Ciência da Computação (UFC) bringel@cenapadne.br Roteiro Overview das Plataformas e Linguagens J2ME

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Histórico Diversas metodologias e métodos surgiram para apoiar OO. Evolução a partir de linguagens C++ e SmallTalk. Anos 80 Anos 80-90: diversidade de autores.

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede VirtueMart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Permissões 4 4.2 Instalação

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais