RELATÓRIO DE PESQUISA RP0903

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE PESQUISA RP0903"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE PESQUISA RP0903 IDENTIFICAÇÃO DE ELEMENTOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM CÓDIGO DE CONDUTA DO VAREJO RESPONSÁVEL E DE UM MODELO DO VAREJO DO FUTURO CLÁUDIO BRUZZI BOECHAT BENEDITO NUNES ROSA PAULO DARIEN GUEDES POSSAS

2 Fundação Dom Cabral é um centro de desenvolvimento de executivos e empresas que há mais de 30 anos pratica o diálogo e a escuta comprometida com as organizações, construindo com elas soluções educacionais integradas. É orientada para formar equipes que vão interagir crítica e estrategicamente dentro das empresas. Depois de formar milhares de executivos, em constante integração com as empresas, a FDC tornou-se referência nacional em seu setor, participando da melhoria do nível gerencial e do desenvolvimento empresarial brasileiro. Circulam, anualmente, pelos seus programas abertos e fechados perto de 20 mil executivos de empresas de médio e grande portes. A sinergia com as empresas é resultado da conexão que faz entre a teoria e a prática de efetivas tecnologias de gestão. Essa prática é reforçada pelo trabalho interativo de sua equipe técnica, que combina formação acadêmica com experiência empresarial. Nos Núcleos de Desenvolvimento do Conhecimento (Núcleo Andrade Gutierrez de Sustentabilidade e Responsabilidade Corporativa, Núcleo CCR de Governança Corporativa, Competitividade, Núcleo de Desenvolvimento de Liderança, Núcleo de Empreendedorismo, Núcleo de Gestão Empresarial, Núcleo de Negócios Internacionais e Núcleo de Inovação) são produzidas pesquisas e outros trabalhos que dão sustentação aos programas da FDC, traduzindo seus avanços como instituição geradora de conhecimento. Suas soluções educacionais combinam: Desenvolvimento Empresarial Soluções construídas na perspectiva do cliente, aliando conteúdo a estratégia e necessidade das empresas. Atendem públicos dos diversos níveis funcionais, possibilitando o aprendizado coletivo e a formação de massa crítica na busca de resultados para a empresa. O grande diferencial dos programas é valorizar e potencializar o conhecimento existente na própria empresa. Desenvolvimento do Gestor Com foco no desenvolvimento do indivíduo e na sua atuação na empresa, muitos programas são realizados em parceria com escolas internacionais e abordam temas de gestão geral e específicos. Propiciam a aplicação prática de conceitos, desenvolvendo no indivíduo a capacidade de aprender fazendo. Pós-Graduação Fundamentam-se na perspectiva da educação continuada, centrada na realidade empresarial e voltada para o crescimento do indivíduo como pessoa e gestor. Contemplam níveis diversos de formação de Especialização a Mestrado e se complementam de forma conveniente aos participantes. Parcerias Empresariais A FDC estimula a troca de experiências entre e intra-empresas, conciliando, de forma estratégica, conceitos e práticas que possibilitam a aprendizagem coletiva e a busca compartilhada de soluções.

3 RP0903 Identificação de Elementos para a Construção de um Código de Conduta do Varejo Responsável e de um Modelo do Varejo do Futuro Atividades de 2008 Autores: Cláudio Bruzzi Boechat Professor da FDC Benedito Nunes Rosa Professor Associado da FDC Paulo Darien Guedes Possas Professor pesquisador do Núcleo Andrade Gutierrez de Sustentabilidade e Responsabilidade Corporativa da FDC 2009

4 RP 0903 Projeto gráfico Célula de Edição de Documentos Revisão Célula de Edição de Documentos Revisão técnica Teresa Goulart Assessoria editorial Centro de Informações Supervisão de editoração José Ricardo Ozólio Impressão Fundação Dom Cabral 2009 Reproduções integrais ou parciais deste relatório somente com a autorização expressa da FDC. É permitida a citação de dados, tabelas, gráficos e conclusões, desde que indicada a fonte. Para baixar a versão digital desta e de outras publicações de temas relacionados à Gestão Empresarial, acesse a Sala do Conhecimento da Fundação Dom Cabral através do link Copyright 2007, Fundação Dom Cabral. Para cópias ou permissão para reprodução, contatos pelo telefone ou Esta publicação não poderá ser reproduzida sem a permissão da FDC. Campus Aloysio Faria Centro Alfa Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses Nova Lima, MG Brasil Tel.: Fax:

5 SUMÁRIO Apresentação... 5 Antecedentes... 7 A sustentabilidade na Fundação Dom Cabral... 8 O Centro de Desenvolvimento do Varejo Responsável CDVR... 9 Capítulo 1 A pesquisa Justificativa Objetivos Fontes da pesquisa Elementos Referenciais do Modelo Conceitual...15 Capítulo 2 Em busca do varejo do futuro A competitividade responsável no mundo Varejo na Europa Varejo no Reino Unido Códigos de conduta oriundos dos países inovadores Visão do Varejo do Futuro...29 Capítulo 3 Em busca do varejo responsável no Brasil Por que as empresas devem trabalhar pela sustentabilidade? Os desafios da sustentabilidade e as empresas, no Brasil Desafios brasileiros mais ligados ao varejo Códigos de conduta das empresas no Brasil Percepções extraídas dos participantes do 1º Fórum do Varejo do Futuro Princípios operacionais do varejo responsável...48 Capítulo 4 Temas-chave para o código de conduta do varejo responsável e do modelo do varejo do futuro...51 Capítulo 5 Próximas etapas...59 Anexos

6

7 Apresentação O presente Relatório tem por objetivo consolidar o resumo de todas as etapas que contribuíram para o levantamento das informações e a proposição de elementos para a elaboração de um Código de Conduta do Varejo Responsável e de um modelo do Varejo do Futuro. As atividades relatadas ocorreram ao longo de 2008, e foram conduzidas pela equipe do Centro de Desenvolvimento do Varejo Responsável CDVR, com a participação de seus associados e conselheiros, em momentos e formas diversas. O conteúdo deste Relatório inclui, entre outros: uma pesquisa em Códigos de Conduta de empresas e associações do Varejo, nacionais e estrangeiras; um workshop-piloto na AMCHAM-MG; o 1º Fórum do Varejo do Futuro, realizado pelo CDVR em São Paulo em 27/11/2008, destacando-se: a palestra do professor Luiz Moutinho, da Universidade de Glasgow; a mesa redonda conduzida pelo presidente do Instituto Akatú pelo Consumo Consciente, Helio Mattar, e com a participação de representantes da Souza Cruz, do Banco Real, do Unibanco, do Sebrae, do Grupo Martins e do Instituto para o Desenvolvimento do Varejo IDV; dinâmica realizada com os participantes, com a participação da cineasta Elza Cataldo e conduzida pelos professores da FDC Paulo Darien Guedes Possas e Raimundo Soares. a avaliação de uma experiência realizada na Inglaterra em 2006, que envolveu representantes do varejo, das empresas e do governo para pensar o modelo do Varejo do Futuro naquele país; os temas-chave propostos pelos integrantes do CVDR, como elementos contribuintes e direcionadores da formulação do Código de Conduta do Varejo Responsável. Equipe de pesquisa Cáudio Bruzzi Boechat Benedito Nunes Rosa Paulo Darien Guedes Possas Paula Veloso 5

8 6

9 Antecedentes Conhecer as características e as tendências do varejo e estabelecer uma ideia do como podem ser sustentáveis suas práticas de negócios e relações com suas várias áreas de interesse são um desafio que se reveste de matizes especiais. O varejo tem nuances que só se encontram nas suas relações e, por isso mesmo, oferece um vasto campo para pesquisas, entendimentos e aplicações de experimentos que poderão se constituir nas bases de uma nova forma de fazer negócios. O varejo é quem seleciona os produtos que serão colocados em suas prateleiras, promove as liquidações, negocia descontos diretamente com o consumidor, oferece crédito para as compras a prazo, estabelece linguagens próprias para oferecer promoções, sugere a melhor alternativa de compra. Por seu intermédio é que se estabelecem a confiança e a desconfiança entre produção e consumo. Ele ocupa uma posição estratégica em relação à indústria, pois gera a demanda por produtos e influencia o consumidor que os utiliza. Não é por menos que o varejo é considerado por muitos pesquisadores um elemento civilizador, responsável pela organização de muitos povos, como as cidades que surgiram no caminho das caravanas de comércio da Rota da Seda. Assim, entender o varejo é compreender uma importante parcela de toda a dinâmica econômica vigente. Propor relações sustentáveis para os seus negócios passa necessariamente por compreender esse conceito, aplicado à luz dos interesses do varejo, e suas implicações em sua operação e sua rede de relacionamentos. Ao realizar a presente pesquisa, o CDVR pretende encontrar indicativos do atual estágio das práticas do varejo, no Brasil e em outros países considerados mais avançados, e de como elas podem ser melhoradas para absorver os conceitos de sustentabilidade. Como resultado concreto, pretende-se construir um Código de Conduta do Varejo Responsável que ajude a orientar a construção de um modelo do Varejo do Futuro no Brasil, caracterizado pela responsabilidade com seus potenciais impactos sobre as pessoas, as empresas, o mercado, a sociedade e o planeta. Uma vez constituído, tal Código de Conduta orientará o estabelecimento de indicadores e a realização de pesquisas periódicas para se conhecerem as tendências em relação às práticas e aos resultados sustentáveis. Essas análises e avaliações estarão agrupadas no Observatório do Varejo Responsável, que terá a função prática de permitir a verificação, a compreensão e a divulgação do comportamento do varejo atual sob a ótica de um modelo do Varejo do Futuro. Como componentes vitais dos esforços da pesquisa em 2008, a FDC reconhece os representantes das empresas associadas ao CDVR como co-autores desta pesquisa. Visões críticas, disponibilização de informações, apoio às realizações e participação na determinação das mesmas foram aportadas em diferentes momentos pelos colegas. 7

10 Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social Ricardo Young Instituto Akatú pelo Consumo Consciente Helio Mattar e Raquel Diniz Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável CEBDS Beatriz Bulhões e Márvio Alencar Associação Comercial de Minas ACMinas Charles Lotfi e Cláudia Volpini Instituto para o Desenvolvimento do Varejo IDV Emerson Kapaz Câmara Americana de Comércio Amcham-BH Mariana Bahia e Rodrigo Salles Esteves Sacrament Souza Cruz José Roberto Cosmo e Simone Veltri Banco Real Ulisses Salim, Sérgio Dias, Nasser Takieddine e Cláudio Marcos Otoni Teixeira Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais Sebrae-MG Agmar Abdon Campos e Vera Helena Lopes Unibanco Carlos Rodrigo Formigari e Mirelli Alves Grupo Martins Marco Antonio Tannus Filho, Cristiane Handel e Adriana Nozela A sustentabilidade na Fundação Dom Cabral Sustentabilidade e Responsabilidade Empresarial estão entre os temas mais importantes hoje no cenário geral de atuação das empresas. À medida que cresce a conscientização sobre a real situação de desequilíbrio e riscos para o futuro do mundo, a propensão é que tais temas ganhem ainda mais profundidade e extensão, alcançando novos conteúdos, públicos e desdobramentos. A Fundação Dom Cabral tem procurado atender às demandas de uma realidade empresarial cada vez mais envolvida com questões sociais e ambientais. Em consonância com seus valores, tem desenvolvido conhecimentos que a capacitam a orientar e a promover programas de formação destinados aos profissionais que atuam em empresas brasileiras. Em 2001, foi criado o Núcleo de Sustentabilidade e Responsabilidade Corporativa, com a missão de educar gerentes e líderes empresariais nos conceitos e práticas da responsabilidade corporativa e da sustentabilidade e a visão de ajudar a FDC a ser indutora da competitividade das empresas, harmonizando os aspectos econômicos, sociais e ambientais. 8

11 O Centro de Desenvolvimento do Varejo Responsável CDVR Em 2007, a FDC criou o Centro de Desenvolvimento do Varejo Responsável, com o propósito central de gerar conhecimento voltado às empresas de varejo de bens de consumo e serviços de massa e às componentes da sua cadeia de suprimentos que, na sua atuação no Brasil, se comprometem eticamente com as grandes questões demandadas pela sociedade brasileira. IDENTIDADE DO CDVR Visão Tornar-se referência, até 2010, no conhecimento requerido para implantação de um novo modelo de gestão do varejo, fortemente alinhado com a responsabilidade socioambiental e que estimule, em todas as suas relações comerciais, o comprometimento com a sustentabilidade global. Missão Pesquisar, avaliar, descrever e incentivar o desenvolvimento dos temas ligados à responsabilidade das empresas do varejo de bens de consumo e serviços de massa e das empresas componentes da sua cadeia de suprimentos, promovendo o avanço de suas práticas na busca do desenvolvimento sustentável. 9

12 10

13 OCapítulo 1 A pesquisa 1. Justificativa entendimento da sustentabilidade e da responsabilidade social ainda gera dúvidas nas organizações e na sociedade, no que diz respeito a sua aplicabilidade, vinculação estratégica, níveis de investimento e reais benefícios para as empresas e para a sociedade. No varejo, até mesmo por suas características bem peculiares atividades, dimensão, variedade, capilaridade e abrangência, o tema é ainda mais oportuno, pela riqueza e originalidade das informações pesquisadas e pelo impacto que o conhecimento a ser gerado, consolidado e disponibilizado pode causar nas formas de produção e nos hábitos de consumo. A elaboração de um Código de Conduta do Varejo Responsável fornecerá importantes subsídios para a construção de novas formas de produzir, comercializar e consumir, projetando novos princípios e valores que fortaleçam as relações entre seus atores e contribuam para o desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira, o que denominamos Modelo do Varejo do Futuro. Essa iniciativa difere daquelas atualmente em evidência nos meios acadêmicos e empresariais brasileiros, uma vez que trabalha com o olhar voltado para o futuro, para a construção consciente do que ainda está por acontecer. Ao antecipar e compreender o futuro dos negócios de varejo, a pesquisa proporcionará às empresas, aos consumidores e aos órgãos reguladores oportunidades de conhecer antecipadamente as tendências do mercado e de se preparar para esses desafios. 2. Objetivos Subsidiar a elaboração do Código de Conduta do Varejo Responsável, alinhado aos princípios do desenvolvimento sustentável. Estabelecer os elementos de caracterização do Modelo do Varejo do Futuro. 11

14 3. Fontes da Pesquisa A pesquisa se valeu de um conjunto de fontes, conforme descrito na FIG. 1. Figura 1: Fontes utilizadas Fonte: Elaborada pelos autores A programação dos trabalhos da pesquisa também previa a realização de entrevistas e surveys, direcionadas a um público que poderia ser originário dos trabalhos anteriores, ou de grupos diferentes, objetivando complementar as observações encontradas nos trabalhos da pesquisa. No entanto, essa fase do projeto foi reprogramada em razão das dificuldades de agendamento com os representantes das instituições pré-selecionadas, dificuldades estas motivadas principalmente pela crise econômica, que provocou o reordenamento das prioridades dos dirigentes das empresas e demais instituições, no período previsto para tais atividades. Os trabalhos deverão ser retomados, após a análise deste relatório, dependendo das avaliações dos parceiros do CDVR sobre a oportunidade e a necessidade desse aprofundamento. Fontes 1 e 2: Códigos de conduta brasileiros e estrangeiros A primeira fase da pesquisa, ocorrida entre os meses de julho e setembro de 2008, consistiu no levantamento e na análise de códigos de conduta de grandes empresas do Brasil e de associações nacionais ligadas ao varejo. As fontes de pesquisa para a escolha das empresas a serem pesquisadas foram: Revista Exame 500 Maiores (2007), Revista-guia Exame Melhores Empresas para se Trabalhar (2007), Revista Exame de Sustentabilidade (2005), Google e cadastros internos da FDC. No Anexo 1, estão listadas as empresas e associações cujos Códigos de Conduta foram acessados, destacando-se aquelas cujos códigos foram encontrados. Entre as 148 empresas pesquisadas, foram encontrados 46 Códigos de Conduta nacionais disponíveis nos websites das empresas. Esse fato parece demonstrar que as empresas 12

15 brasileiras não se interessam em divulgar ou talvez até não possuam informações acerca de seus valores e de suas ações. Dentre os 46 códigos encontrados, 24 foram objetos de estudo da pesquisa. No Anexo 2, estão listadas as empresas e associações cujos códigos foram estudados, bem como os temas que são tratados em seus Códigos. A segunda fase da pesquisa identificou (em um grupo de 264 empresas) e analisou os códigos de conduta de 119 empresas de 20 países considerados inovadores (de acordo com o ranking da Competitividade Responsável) ligadas ao Varejo. No Anexo 3, estão listadas as empresas e associações cujos códigos de Conduta foram acessados. A pesquisa estudou ainda os códigos de 3 empresas estrangeiras incluindo as questões analisadas. O Anexo 4 registra algumas citações referentes às questões-chave encontradas que servirão de base para a elaboração do Código de Conduta do Varejo Responsável. Para definir as empresas que teriam seus códigos estudados, utilizamos o critério da similaridade do negócio com empresas nacionais incluídas na pesquisa. Assim, dentre as empresas encontradas na fase de levantamento e, após verificar quais disponibilizavam seus códigos para estudo, trabalhamos com 3 organizações, sendo uma do setor bancário (Bank of Ireland), uma do setor de telecomunicações (Telekon Austria) e uma do setor de vestuário (Macy s). Fonte 3: Workshop-piloto Outra atividade prevista pelo projeto foi a realização de workshops junto às instituições participantes do CDVR. Esses workshops têm como objetivo: nivelar os participantes quanto aos conceitos que suportam a proposta de trabalho do CDVR; discutir aspectos importantes sobre a sustentabilidade nos negócios do varejo; obter a contribuição dos participantes acerca dos elementos da conduta do varejo responsável. A programação dos workshops foi feita para colher as impressões, o pensamento e a experiência dos profissionais sobre: as implicações da sustentabilidade para o varejo; os grandes desafios para o varejo no Brasil; a visão de sustentabilidade que o Varejo deveria adotar (o modelo do Varejo do Futuro); o que ajudaria a catalisar a mudança rumo a tal visão (a Conduta do Varejo Responsável). Foi concebido um modelo para os workshops, apresentado no Anexo 5. Para testar e aprimorar o modelo, realizou-se na AMCHAM-BH uma experiência-piloto. Ao mesmo tempo em que participavam das atividades propostas para o workshop, os participantes teriam a oportunidade de contribuir com a sua melhoria. Os Quadros 6 e 7, nas páginas 43 e 44, apresentam em detalhes as conclusões desse workshop. Apesar de iniciados os contatos com as demais empresas para organizar um calendário para realização dos encontros, a opção foi por começar os trabalhos em 2009, considerando- 13

16 se principalmente os efeitos da crise econômica a partir do último trimestre do ano. Assim, em 2009, o CDVR pretende retomar a realização dos trabalhos, a partir de uma renegociação de agenda com as instituições participantes. Fonte 4: Seminário A Vision for Sustainable Retail Uma experiência que teve importante contribuição para a pesquisa foi conhecer o trabalho realizado pela Comissão de Desenvolvimento Sustentável do Reino Unido, instituição independente, reconhecida pelo governo britânico como seu cão de guarda para o desenvolvimento sustentável. Em setembro de 2007, o Seminário A vision for a Sustainable Retail reuniu representantes do governo, empresas, academias e representantes da sociedade civil para discutir e explorar, de forma bem abrangente, como organizar e catalisar forças para se atingir a visão de um varejo sustentável. Em um dia de trabalho, 56 especialistas constataram a existência de uma clara vontade emergindo entre as empresas do setor de varejo para mostrar liderança e responsabilidade no sentido de uma maior sustentabilidade em suas operações, incluindo a sua cadeia de valor e seus clientes. O objetivo do seminário foi explorar: as implicações da sustentabilidade para o varejo; o que a visão para o varejo sustentável pode compreender; o que contribuiria para catalisar mudanças para tal visão. Fontes 5, 6 e 7: 1º Fórum do Varejo do Futuro Foi realizado em 27 de novembro, em São Paulo, o 1º Fórum do Varejo do Futuro, patrocinado pela Souza Cruz, com o objetivo de reunir os parceiros do CDVR, seus convidados e figuras representativas do varejo e de sua cadeia de valor, para discutir questões ligadas ao segmento, sob a ótica da sustentabilidade. O evento, do qual participaram cerca de 80 representantes do setor, foi aberto pelo diretor de Desenvolvimento da FDC, professor Paulo Resende, e teve em sua programação a realização de uma mesa-redonda, uma palestra sobre o tema central debatido e uma dinâmica com os participantes. A mesa-redonda foi dirigida pelo presidente do Instituto Akatú pelo Consumo Consciente, Hélio Mattar, e formada por representantes da Souza Cruz, do Grupo Martins, Unibanco, Banco Real, Sebrae e IDV. A palestra foi proferida pelo prof. Luiz Moutinho, da Universidade de Glasgow. Uma dinâmica conduzida pela equipe do CDVR trabalhou junto aos participantes algumas percepções sobre as práticas atuais do varejo e suas tendências para o futuro. O Fórum serviu para fortalecer o conteúdo da pesquisa, considerando-se que: a mesa-redonda debateu questões específicas sobre Varejo Sustentável e Consumo Consciente, trazendo as experiências das organizações que participam do Centro; a palestra do prof. Moutinho apresentou uma fotografia bastante atualizada das tendências do varejo e do consumo da Europa, com exemplos marcantes desses conceitos e práticas; a dinâmica com os participantes serviu para ampliar a observação sobre temas relevantes para a construção do Modelo do Varejo do Futuro, a partir da coleta de 14

17 percepções acerca de temas-chave pré-selecionados e discutidos pelos presentes. De acordo com essa percepção, o conjunto de práticas hoje adotadas pelo varejo é bem diferente daquelas desejadas para um novo modelo nas relações de consumo, embora se destaque uma forte expectativa dos participantes quanto às possibilidades dessa mudança. Nos Quadros 11 a 16, páginas 49 a 54, e no Anexo 6, deste relatório, encontram-se descritos e comentados os resultados da dinâmica realizada. 4. Elementos Referenciais do Modelo Conceitual 1º Elemento O Biograma Organizacional (FIG. 2) é um instrumento simbólico representativo da realidade viva das organizações, oriundo do exercício de um pensamento biossistêmico. Nesse modelo, empresas são organismos vivos e conscientes, articulados em redes de relacionamentos com partes interessadas (stakeholders). A caracterização do interesse predominante desses stakeholders como sendo de mercado, social ou ambiental é que determina a natureza das suas relações. Figura 2: Biograma Fonte: Instituto Orior 2º Elemento Ter responsabilidade é equilibrar as relações com as partes interessadas. Ser sustentável é atender as necessidades do presente sem sacrificar a capacidade das futuras gerações de atenderem as suas próprias necessidades. A responsabilidade no longo prazo impõe a inclusão das gerações futuras no conjunto de relacionamentos a se equilibrarem. O exercício da responsabilidade gera a sustentabilidade 15

18 (FIG. 3). Figura 3: Responsabilidade gera Sustentabilidade Fonte: Elaborada pelos autores 3º Elemento A Gestão Responsável para a Sustentabilidade (FIG. 4) é um modelo que estabelece a gestão estratégica empresarial com foco na sustentabilidade, orientando o exercício transparente das funções gerenciais. Para gerenciar adequadamente as empresas, não basta uma política geral para os relacionamentos com os stakeholders, nem o estabelecimento de uma área específica para cuidar dessas relações. Todos os indivíduos que representam uma empresa gerenciam essas relações. Portanto, para ocorrer a correta gestão das relações de uma empresa com seus stakeholders, um sistema de gestão deve alcançar todos os que se apresentam em seu nome, e promover a cultura de diálogo permanente. Figura 4: Gestão Responsável para a Sustentabilidade Fonte: Elaborada pelos autores 16

19 4º Elemento A criação de valor sustentável por uma empresa requer estratégias que considerem o curto e o longo prazo, o interior e o exterior da empresa (FIG. 5 e 6). Figura 5: Elementos da Geração de Valor Sustentável (Hart) Fonte: Elaborada pelos autores Figura 6: Estratégias para Valor Sustentável (Hart) Fonte: Elaborada pelos autores 17

20 5º Elemento Varejo Responsável é aquele que cria valor sustentável, garantindo que as práticas do presente não sacrifiquem as condições das gerações futuras de atenderem suas próprias necessidades. O exercício contínuo das práticas de Varejo Responsável configurará outro modelo de negócio, diverso do atual. Esse modelo é o Varejo do Futuro (FIG. 7). Figura 7 - Varejo Responsável como caminho para o Varejo do Futuro Fonte: Elaborada pelos autores 18

21 NCapítulo 2 Em busca do Varejo do Futuro este capítulo, serão expostas algumas investigações sobre o estágio alcançado pelo varejo em sociedades capitalistas mais avançadas que o Brasil. Não se parte da premissa de que o varejo no Brasil deverá obrigatoriamente construir um setor copiado ou igual ao desses países. As condições próprias dos países são diferentes: culturas nacionais, dimensões territoriais, clima, recursos naturais, riqueza econômica são apenas alguns dos elementos que sinalizam que modelos diferentes são necessários. Além disso, a dinâmica econômica, social e natural que vivemos e viveremos nas próximas décadas diverge sobremaneira da dinâmica em que tais países construíram seus modelos de varejo. Parte-se, sim, da ideia de que, pelos fatos de possuírem sociedades mais estruturadas, tecnológica, política e socialmente; de a globalização econômica impor a todos alguns condicionantes que deverão ser trabalhados por todos; de várias das principais empresas de varejo de classe mundial estarem lá sediadas, faz sentido imaginar que: já estão lá presentes elementos que ainda se constituirão no Brasil, pela própria força inercial de nossa cultura, da política, dos negócios e da tecnologia; países desenvolvidos e em desenvolvimento compartilharão, cada vez mais, as soluções de um e de outro, num processo de mútua influência que se insinua com maior evidência na medida em que crescem os mercados inclusivos e a integração internacional. 1. Competitividade Responsável e as nações mais avançadas Lançar mão do conhecimento adquirido com os estudos de competitividade responsável nos ajuda a entender o que está por trás das evidências que diferenciam os países no que diz respeito à sustentabilidade. Competitividade Responsável é um conceito desenvolvido pela AccountAbility, com a colaboração da FDC, que busca revelar o quanto as sociedades nacionais recompensam o comportamento responsável das empresas, e o quanto penalizam o contrário. Tema de relatórios produzidos bianualmente desde 2003, o conceito é traduzido por meio de procedimentos estatísticos aplicados a bases de dados múltiplas e confiáveis, em indicadores numéricos que permitem identificar as nações mais e menos responsavelmente competitivas, bem como em fatores que mais influenciam essas condições. Para construir o indicador, considera-se que a competitividade responsável é resultante de três conjuntos de características das sociedades: se as estratégias e práticas das empresas levam explicitamente em conta seus impactos sociais, econômicos e ambientais; 19

22 se o macroambiente legal e governamental do país orienta e favorece essas estratégias e práticas; se os habilitadores sociais (elementos culturais, como práticas de corrupção e liberdade de imprensa) do país pressionam ou travam o avanço da competitividade responsável. Essas características orientaram a busca de indicadores representativos da competitividade responsável dos países, que resultou no conjunto mostrado no Quadro 1. DIRECIONAMENTO POLÍTICO AÇÃO EMPRESARIAL HABILITADORES SOCIAIS Assinatura e ratifi cação de tratados ambientais Ratifi cação de direitos trabalhistas básicos Índice da infl exibilidade no emprego Seriedade da Regulamentação Ambiental Emissão de CO por bilhão de 2 dólares Emprego de mulheres no setor privado Regulamentação de impostos responsável Efi cácia da governança corporativa Comportamento ético das empresas Isonomia salarial para cargos similares Solidez das auditorias e padrões de contabilidade Extensão de treinamento ao contingente de trabalho Quociente de certifi cações ISO Fatalidades ocupacionais Índice de percepção da corrupção Orientação aos consumidores Liberdade de imprensa Transparência das transações Afi liação a Organizações Não- Governamentais Liberdades civis Impacto da salubridade da atmosfera e da água nas operações empresariais Quadro 1: Elementos componentes da competitividade responsável Fonte: Elaborado pelos autores Os resultados dos ranqueamentos do índice sugerem uma maior maturidade, dos países mais desenvolvidos para promover práticas responsáveis em seu seio. Em 2007, a Suécia foi a líder em competitividade responsável. Outros países nórdicos europeus estavam nas seis primeiras posições: Dinamarca, Finlândia, Islândia e Noruega. Entre os 20 melhores colocados, 13 eram europeus. Os outros sete eram, nesta ordem, Hong Kong, Japão, Singapura, Canadá, EUA, Austrália e Nova Zelândia. No bloco dos países emergentes conhecidos como BRICs, destaca-se a África do Sul, na 28ª posição. Chile e Malásia tiveram bom desempenho no índice e ficaram à frente de alguns estados que entraram recentemente para a União Europeia. Em relação às economias de baixa renda, Zâmbia e Uganda foram melhores colocados que outros países com mesmo nível de desenvolvimento, como classificado pelo Banco Mundial. Em Camboja, Marrocos e Bangladesh iniciativas de inovação na competitividade responsável já conseguiram gerar resultados em âmbito nacional. Em artigo constituinte do relatório de 2007, Simon Zadek e Alex MacGilivray afirmam: Estamos presenciando os primeiros estágios de uma revolução nas formas de governo e de como lidar com os negócios globais. Assegurar padrões trabalhistas adequados como uma vantagem competitiva em mercados globais tão distintos como o têxtil, o de bananas 20

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Na teoria e na vida, FDC

Na teoria e na vida, FDC C T E C E N T R O D E T E C N O L O G I A E M P R E S A R I A L C T E C o o p e r a ç ã o e n t r e e m p r e s a s d e g r a n d e p o r t e Na teoria e na vida, FDC AF - 05-006 - CTE02 R.indd 2 7/10/07

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Av. Princesa Diana, 760 34000-000 Nova Lima MG Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus BH Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

"Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein)

Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade. (Adaptado livremente de A. Einstein) Fácil assim. 12345 "Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein) 12345 Tudo é mais fácil com Lenze. O forte dinamismo dos tempos atuais o coloca em confronto

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Seu guia completo para nossos serviços móveis

Seu guia completo para nossos serviços móveis Seu guia completo para nossos serviços móveis Entre na maior comunidade de serviços móveis das Ilhas do Canal Guernsey GRÁTIS www.jtglobal.com Pesquise por Jtsocial A JT oferece mais Custo/benefício A

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

PESQUISA GESTOR GLOBAL FDC 2012

PESQUISA GESTOR GLOBAL FDC 2012 PESQUISA GESTOR GLOBAL FDC 2012 INTRODUÇÃO O aumento da internacionalização lança o desafio cada vez maior para as empresas atraírem e reterem líderes capazes de viver em ambientes complexos e compreender

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 George Alves Soares Chefe da Assessoria Corporativa e de Novos Negócios em Eficiência Energética

Leia mais

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 Caro Participante, Seja bem-vindo ao Programa de intercâmbio de estágio oferecido mundialmente pela IAESTE! Leia atentamente este manual. Ele contém todas as

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

O programa de Instaladores Qualificados da PROINSO ultrapassa as 2.000 empresas integradas em todo o mundo

O programa de Instaladores Qualificados da PROINSO ultrapassa as 2.000 empresas integradas em todo o mundo O programa de Instaladores Qualificados da PROINSO ultrapassa as 2.000 empresas integradas em todo o mundo PROINSO consolida assim a sua liderança internacional Desde a sua colocação em marcha, em 2010,

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1º de outubro de 2010 Tema 4.17 da agenda CD50/26

Leia mais

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001?

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? Oportunidades e desafios na expansão da oferta e no uso da energia - recursos, tecnologia e gestão Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? São Paulo, 27 de novembro

Leia mais

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001 Assim é a Telefónica A aquisição da Lycos, aliada ao fato de a nova empresa Terra Lycos operar em 43 países, permitiu, por um lado, uma maior penetração nos Estados Unidos e no Canadá. Por outro lado,

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

2º C o C n o g n r g esso o Br B asil-al A ema m nh n a h de d En E e n rgi g as

2º C o C n o g n r g esso o Br B asil-al A ema m nh n a h de d En E e n rgi g as 2º Congresso Brasil-Alemanha de Energias Renováveis e Eficiência Energética - Effizienz ISO 50001: cenário mundial e brasileiro George Alves Soares São Paulo, 02 de dezembro de 2014 Principais Funções

Leia mais

Campus Aloysio Faria. Campus BH. Campus SP. Campus RJ. Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil

Campus Aloysio Faria. Campus BH. Campus SP. Campus RJ. Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus BH Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho 30140-083 Belo Horizonte MG Brasil Campus

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Gestão do Desempenho Forecasting. Tomada de decisão. Profissional. Professional. Previsão. A qualificação de negócios profissionais.

Gestão do Desempenho Forecasting. Tomada de decisão. Profissional. Professional. Previsão. A qualificação de negócios profissionais. Professional Profissional Tomada de decisão Gestão do Desempenho Forecasting Previsão A qualificação de negócios profissionais globais O CIMA é a escolha dos empregadores no recrutamento de líderes de

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS PAINEL : FERRAMENTA PARA A GESTÃO DA ÉTICA E DOS DIREITOS HUMANOS RONI ANDERSON BARBOSA INSTITUTO OBSERVATORIO SOCIAL INSTITUCIONAL

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão Cafés e Internet A solução HORECA que lhe dá tudo O pacote é a solução para o segmento HORECA que conjuga os melhores conteúdos de desporto nacional e internacional, com telefone e internet. Chamadas ilimitadas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Institucional Tokio Marine Seguradora Tokio Marine no Mundo Grupo Tokio Marine é o um dos líderes entre os grupos seguradores globais. Fundada em1879 Ativos:US$98bilhões

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Expectativas para 2015

Expectativas para 2015 Crise Economia Pessimismo Política Otimismo Segurança Saúde Prosperidade Expectativas para 2015 OBJETIVO Medir a expectativa da população mundial para o ano seguinte, por meio de índices de esperança e

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO IN COMPANY E EM CONSÓRCIO

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO IN COMPANY E EM CONSÓRCIO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO IN COMPANY E EM CONSÓRCIO 2009 Na teoria e na vida, FDC Conheça a Fundação Dom Cabral A 16 a NO RANKING DE MELHORES ESCOLAS DE NEGÓCIOS DO MUNDO.* A Fundação Dom Cabral é um centro

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo Conteúdo O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

SEM FRONTEIRAS NA AMÉRICA LATINA

SEM FRONTEIRAS NA AMÉRICA LATINA SEM FRONTEIRAS NA AMÉRICA LATINA Case vencedor do VII Prêmio ANATEC na categoria B2B Serviços BANCA ASSINATURA CUSTOMIZADA PORTFÓLIO A maior provedora de conteúdo de economia, negócios e finanças da América

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais