Unidade III SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade III SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos"

Transcrição

1 Unidade III SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos

2 Sumário Unidade III Conceitos-Chave no Comércio Eletrônico: Mercado e Mercadorias digitais Mercadorias digitais Modelos de negócios de Internet Comunicação e comunidade Conteúdo digital, entretenimento e serviços E-marketing

3 Mercadorias digitais - Conexão Existe uma conexão entre informação e negócios: os modelos de negócios referentes a localização, tempo e receita baseiam-se, em alguma medida, no custo e na distribuição de informações. A Internet vem criando um marketplace digital em que milhões de pessoas são capazes de intercambiar imensas quantidades de informações de maneira direta, instantânea e gratuita.

4 Mercadorias digitais - Assimetria A Internet diminui a assimetria de informação, que existe quando um participante da transação tem mais informação relevante à transação do que o outro. Essa informação a mais pode determinar seu poder de barganha relativo. Como nos mercados digitais consumidores e fornecedores podem ver os preços cobrados pelas mercadorias, dizemos que tais mercados são mais transparentes do que os tradicionais.

5 Mercadorias digitais Assimetria Exemplo Por exemplo, até aparecerem sites de venda de automóveis na web, havia uma profunda assimetria de informação entre revendedores de carros e clientes. Somente os revendedores conheciam os preços dos fabricantes e era difícil para o consumidor pesquisar o melhor preço. As margens de lucro dos revendedores de automóveis dependiam dessa assimetria de informação. Agora, os consumidores têm acesso a uma legião de sites que oferecem informações sobre preço, usa a Internet para procurar o melhor negócio.

6 Mercadorias digitais Custo Os mercados digitais são tão flexíveis e eficientes porque operam com custos de busca e transação reduzidos. Custo de menu (os custos em que os vendedores incorrem para alterar preços) mais baixos, discriminação de preços e a capacidade de alterar preços dinamicamente, com base nas condições de mercado.

7 Mercadorias digitais Dinâmica Na determinação dinâmica de preços, o preço de um produto varia conforme as características de demanda do consumidor, ou a situação de oferta do vendedor. Esses mercados podem reduzir ou aumentar os custos de mudança, dependendo da natureza do produto ou serviço à venda, e também podem causar algum atraso no desfrute da mercadoria.

8 Mercadorias digitais versus Mercadorias físicas Ao contrário do que ocorre no mercado físico, você não pode consumir imediatamente um produto comprado pela web,( possível no caso dos downloads de música, livros e outros produtos digitais). Os mercados digitais abrem muitas oportunidades para vender diretamente ao cliente do varejo, driblando intermediários como distribuidores ou lojas de varejo. Eliminar intermediários no canal de distribuição pode reduzir significativamente os custos de transação.

9 Mercadorias digitais - Desintermediação Para pagar todas as fases de um canal de distribuição tradicional, um produto poderá ter um preço 135% maior do que seu custo original para o fabricante. Vendendo diretamente aos consumidores ou reduzindo o número de intermediários, as empresas podem conseguir lucros mais altos, mas cobrando preços mais baixos. A remoção de organizações ou de camadas de processos de negócios responsáveis pelas etapas intermediárias de uma cadeia de valor é chamada desintermediação.

10 Mercadorias digitais - Marketplace O marketplace digital da Internet tem expandido enormemente a venda de mercadorias digitais, isto é, mercadorias que podem ser fornecidas por meio de uma rede digital. Faixas de música, vídeos, softwares, jornais, revistas e livros podem ser, todos eles, transmitidos, armazenados e vendidos como produtos puramente digitais.

11 Mercadorias digitais Marketplace / Custo Na atualidade, a maioria desses produtos é vendida como produtos físicos CDs, DVDs e livros impressos, por exemplo. Mas a Internet oferece a possibilidade de fornecer todos esses produtos sob demanda, como produtos digitais.

12 Mercadorias digitais Marketplace / Custo produção Em geral, o custo marginal de produzir outra unidade de uma mercadoria digital é praticamente zero (não custa nada fazer uma cópia de um arquivo musical). No entanto, o custo de produzir a primeira unidade original é relativamente alto na verdade, corresponde praticamente ao custo total do produto, pois os outros custos envolvidos, de estoque e distribuição, são poucos.

13 Mercadorias digitais Marketplace / Custo internet Os custos de fornecimento pela Internet são muito baixos; os custos de marketing são iguais aos do mercado tradicional; e a determinação de preços pode ser altamente variável (na Internet, o vendedor pode alterar preços com a frequência que quiser, graças aos baixos custos de menu).

14 Mercadorias digitais Impacto O impacto da Internet no mercado dessas categorias de produtos é nada menos do que revolucionário, e vemos os resultados por todos os lados. As empresas que dependem da venda de produtos físicos, tais como livrarias, editores, selos fonográficos e estúdios de cinema enfrentam a possibilidade de vendas declinantes e até mesmo da extinção de seus negócios.

15 Mercadorias digitais Impacto Exemplo Videolocadoras como a Blockbuster, baseadas no mercado de DVDs físicos e lojas físicas, estão perdendo vendas para a NetFlix, que usa um modelo de Internet. Da mesma maneira, os estúdios de Hollywood enfrentam a perspectiva de que os piratas da Internet distribuam seus produtos como stream digitais, passando por cima do monopólio hollywoodiano sobre vendas e locações de DVDs, que hoje responde por mais da metade do faturamento da indústria cinematográfica.

16 Interatividade O que é a desintermediação? a) Entrega sem intermediário. b) Etapa para aumentar o lucro. c) Desfazer uma mediação. d) Poder das empresas na mediação de contratos. e) Revisitar contratos.

17 Modelos de negócios de Internet O resultado final dessas mudanças na economia da informação é praticamente uma revolução no comércio, com muitos novos modelos de negócios aparecendo e muitos velhos modelos inviabilizando- se. Todos eles, de um modo ou de outro, usam a Internet para agregar valor extra a produtos e serviços existentes ou para prover as fundações de novos produtos e serviços.

18 Modelos de negócios Loja virtual: vende produtos diretamente a consumidores ou a empresas individuais. Exemplo: amazon.com, submarino.com.br; Corretora de informações: provê informações sobre produtos, preços e disponibilidade a indivíduos e empresas. Gera receita com a colocação de anúncios ou indicando compradores aos vendedores;

19 Modelos de negócios Corretora de transações: poupa tempo e dinheiro aos usuários processando informações de venda online, gerando uma comissão cada vez que ocorre uma transação. Exemplo: kbb.com, edmunds.com; E-marketplace: provê um ambiente digital no qual compradores e vendedores podem se reunir, procurar e apresentar produtos e determinar preços. Pode promover leilões tradicionais ou reversos nos quais compradores, B2C e B2B.

20 Modelos de negócios Provedora de conteúdo: gera receitas provendo conteúdo digital, tais como notícias, música, foto ou vídeos digitais pela web. O cliente pode pagar pelo acesso ao conteúdo, ou podese gerar receita pela venda de espaço de propaganda; Provedora de serviços on-line: provê serviços on-line para indivíduos e empresas. Gera receita a partir de taxas de inscrição ou comissões de transação, propaganda ou coleta de informações de marketing dos usuários;

21 Modelos de negócios Comunidade virtual: provê um local de reunião on-line em que pessoas que tenham interesses semelhantes possam se comunicar e descobrir informações úteis. Exemplo: orkut.com, myspace.com; Portal: provê um ponto inicial de entrada na web juntamente com conteúdo especializado e outros serviços.

22 Comunicação e comunidade Alguns desses novos modelos de negócio tiram proveito dos abundantes recursos de comunicação da Internet. O ebay é um fórum de leilões on-line que usa s e outros interativos da web. O sistema aceita lances dados pela Internet, avalia esses lances e notifica o participante que deu o lance mais alto.

23 Comunicação e comunidade Cobrando uma pequena comissão a cada leilão e venda, o ebay tornou-se tão popular que seu site hoje serve como uma gigantesca plataforma comercial para outras empresas e hospeda milhares de vitrines virtuais. Os leilões entre empresas também vêm florescendo. O GoIndustry, por exemplo, oferece serviços de leilão baseados na web para vendas de equipamentos e maquinaria industrial.

24 Comunicação e comunidade A Internet tem criado comunidades online nas quais pessoas com interesses semelhantes situadas em localidades diferentes podem trocar ideias. Algumas dessas comunidades virtuais estão servindo como fundações para novas empresas. Uma importante fonte de receita para essas comunidades é oferecer a clientes corporativos meios para atingir clientesalvo, inclusive com a colocação de banners de propaganda em seus sites.

25 Comunicação e comunidade Fonte de receitas Banner de propaganda é um recurso gráfico usado para fazer propaganda em páginas web. O banner é ligado ao site do anunciante, de modo que, quando alguém clica sobre ele, é transportado a esse site, onde pode encontrar mais informações sobre o anunciante. Anúncios pop-up eles automaticamente se abrem quando um usuário acessa um site específico, precisa clicar no anúncio para fazê-lo desaparecer.

26 Comunicação e comunidade Relacionamentos Sites de redes Sociais são um tipo de comunidade online que se torna cada vez mais popular. Montar uma rede social é a prática de expandir o círculo de contatos profissionais ou sociais fazendo conexões por intermédio de outras pessoas. Os sites: myspace, facebook: ampliar círculos de amizade. Linkedin, ryze: relacionamentos profissionais.

27 Conteúdo digital Entretenimento e serviços A possibilidade de oferecer mercadorias digitais e conteúdo digital pela web vem criando novas alternativas à imprensa tradicional e às mídias radiofônica e televisiva. Existem sites que exibem versões digitais de publicações impressas, tais como o New York Times ou Wall Street Journal.

28 Conteúdo digital Entretenimento e serviços Jogos on-line, incluindo versões web de jogos de tabuleiro, jogos de cartas e videogames atraem um número gigantesco de participantes. As emissoras de televisão oferecem streaming de vídeos pela Internet, com clipes de noticiário e excertos de outros programas, incluindo antecipações de programas futuros e entrevistas com atores. Sites de notícias, como cnn.com, e de esportes, como Turner Sports Interactive e UEFA.com, oferecem clipes de áudio e vídeo, além de reprises de programas de televisão.

29 Conteúdo digital Entretenimento e serviços Alguns sites cobram pelo conteúdo de entretenimento. Com as conexões de banda larga, no futuro, os sites poderão exibir programas de televisão e filmes inteiros.

30 Interatividade Qual fonte de receita do conteúdo digital o usuário tem que clicar para desaparecer? a) Banner. b) Portal. c) Provedor. d) Conteúdo. e) Pop-up.

31 Podcasting Muitos de nós usamos a web para ouvir e baixar músicas. Embora uma parcela dessas músicas seja gratuita, o itunes, da Apple, e outros sites estão gerando receita com a cobrança de cada canção ou álbum baixado a partir de seus sites. A popularidade fenomenal do serviço de músicas itunes e do reprodutor de música portátil ipod, ambos da Apple, vem inspirando uma nova forma de fornecimento de conteúdo digital chamada podcasting.

32 Podcasting - Definição É um método para transmitir áudio pela Internet; com ele, os assinantes podem baixar arquivos de áudio em seus computadores pessoais ou reprodutores de música portáteis. O podcasting permite que produtores independentes divulguem seu próprio conteúdo de áudio e, ao mesmo tempo, dá aos programas de rádio tradicionais uma nova possibilidade de distribuição.

33 Podcasting - Recursos Os recursos de informação da web são tão vastos e ricos que surgiram modelos de negócios para auxiliar pessoas e empresas a localizar informações com maior eficiência os chamados portais. Um portal é como uma interface web para apresentar informações personalizadas e integradas provenientes de inúmeras fontes.

34 Podcasting Modelo de negócio Como modelo de negócios de e-commerce, um portal é um supersite que oferece um ponto de entrada abrangente para uma gigantesca variedade de recursos e serviços na Internet. O Yahoo! é um exemplo. Provê recursos para localizar informações na Internet, juntamente com notícias, esportes, condições do tempo, listas de portais, mapas, jogos, compras, s, bate-papo, fóruns de discussão e links para outros sites.

35 Podcasting Modelo de negócio Há também portais especializados que auxiliam os usuários com interesses específicos. O StarMedia, por exemplo, é um portal personalizado para os usuários de Internet da América Latina, enquanto o sina.com atende especificamente usuários chineses.

36 Sindicalizadores O Yahoo! e outros portais e sites de conteúdo frequentemente reúnem conteúdo e aplicações de muitas fontes e prestadores de serviços diferentes. Outros modelos de negócios da Internet usam também a sindicalização para fornecer valor adicional. A E*Trade, por exemplo, o site de negociação de valores mobiliários de desconto, compra a maior parte de seu conteúdo de fontes externas, como a Reuters (notícias) e a bigcharts.com (gráficos).

37 Sindicalizadores - Definição Sindicalizadores on-line, que agregam conteúdo e aplicações de múltiplas fontes, montam pacotes para distribuição e os revendem a sites de terceiros, têm surgido como uma nova variante de modelo de negócios de provedor de conteúdo on-line. A web faz com que se torne muito mais fácil para as empresas agregar, reempacotar, distribuir informação e serviços baseados em informação.

38 Cimento versus eletrônico Muitos dos modelos de negócios descritos aqui anteriormente são chamados de modelos de negócios puros (puramente virtuais), porque se baseiam exclusivamente na Internet. Essas empresas não tinham nenhum tipo de negócio ou estabelecimento no mundo real (de tijolos e cimento) quando fizeram o projeto de suas empresas de Internet.

39 E-marketing E-marketing pode ser conceituado como os esforços das empresas em informar, comunicar, promover e vender seus produtos e serviços pela Internet. Esta modalidade de promoção apresenta grandes vantagens em relação aos veículos de marketing tradicionais, como o fato de tanto grandes quanto pequenas empresas poderem enfrentar seus custos, já que estes são relativamente baixos, não há limite real de espaço para propaganda, o acesso é rápido e o site fica disponível para o mundo todo, sem limitações geográficas.

40 E-marketing Nova ferramenta Assim, o uso da Internet como ferramenta importante na busca por qualquer tipo de informação deixou de ser uma novidade e se tornou um hábito para as pessoas em qualquer parte do globo; o marketing soube identificar nessa rede mundial de computadores um potencial canal de promoção e distribuição de produtos e serviços.

41 E-marketing Ferramenta global A acessibilidade à Internet, além de tornar muito mais ágil e eficiente a forma como as pessoas se comunicam e procuram por informações também viabilizou o surgimento de uma nova modalidade de comercialização, tanto que as empresas podem operar através da Internet um poderoso canal de vendas e informação, obtendo um alcance geográfico ampliado para divulgar e promover seus negócios e produtos em qualquer parte do mundo (NUNES, 2009).

42 Interatividade O que é o Podcasting? a) Forma de seleção de pessoas. b) Método para transmitir áudio pela Internet. c) Método para transmitir vídeo pela Internet. d) Método para identificar vídeo pela Internet. e) Método para resolver problemas de áudio pela Internet.

43 E-marketing e o marketing tradicional O e-marketing é calcado nos mesmos conceitos do marketing tradicional em integrar um meio através do qual indivíduos tenham suas necessidades identificadas e supridas por meio da criação, divulgação, oferta e troca de produtos. A Internet é o canal utilizado pelo e- marketing para realizar essa comunicação de valor e propiciar interatividade ao cliente, possibilitando maior troca de informações e um relacionamento individualizado marketing one to one.

44 E-marketing e o e-commerce O e-marketing tem a sua base no e- commerce, seja este B2B ou B2C. Este novo canal de divulgação e promoção de produtos agrega a possibilidade de exposição global ao tradicional composto de marketing: produto, preço, praça (ponto de venda, distribuição) e promoção (propaganda, comunicação) - 4P s. Este incrementa potencialmente as relações de interação entre empresas e público-alvo; constitui uma ação complementar ao mix de marketing.

45 E-marketing - Desafios As empresas, hoje em dia, enfrentam o desafio de eliminar o abismo que existe entre a administração tradicional e a forma como os negócios são gerenciados na ótica do comércio eletrônico. A maioria das empresas precisará alterar drasticamente os alicerces que as guiaram até aqui, reformulando seus conceitos sobre onde é possível criar valor e como captá-lo.

46 E-marketing - Desafios As dimensões singulares das tecnologias de e-commerce abrem muitas novas possibilidades para as áreas de marketing e vendas. A Internet oferece às empresas novos canais de comunicação e interação com os clientes, capazes de proporcionar relacionamentos mais íntimos e com melhor relação custo/benefício, tanto em vendas quanto em marketing e atendimento.

47 Marketing interativo e personalização A Internet e o comércio eletrônico vêm ajudando certos vendedores a atingir o suprassumo do marketing: fazer produtos personalizados para milhões de consumidores, uma tarefa impossível nos mercados tradicionais. Sites como o da Lands End (camisetas e calças) e o da VistaPrint (cartões de visita, blocos de notas e etiquetas) apresentam ferramentas on-line que permitem aos clientes comprar produtos sob medida, de acordo com suas especificações individuais.

48 Marketing Rastreamento de clientes Ferramentas de rastreamento de cliques coletam dados sobre atividades de clientes em sites e os armazenam em um arquivo de registro. As ferramentas registram o site que os usuários visitaram antes de chegar a um site específico e para onde eles irão depois. Registram também as páginas específicas visitadas nesse site, o tempo gasto em cada uma, os tipos de páginas visitadas e o que os visitantes compraram.

49 Marketing Personalização da Web Utilizando a tecnologia de personalização web para modificar as páginas apresentadas a cada cliente, os promotores de marketing podem conseguir os benefícios de um vendedor individual, com custos muito mais baixos. A personalização também pode ajudar as empresas a formar relacionamentos duradouros com clientes, fornecendo conteúdo, informações e serviços individualizados.

50 Marketing Personalização da Web Filtragem colaborativa Uma das técnicas para a personalização na web é a filtragem colaborativa, que compra as informações obtidas sobre o comportamento de um usuário em determinado site com os dados de outros clientes, com interesses semelhantes, para prever o que esse usuário gostaria de ver em seguida. Então, o software faz recomendações ao usuário com base em seus supostos interesses.

51 Marketing Personalização da Web Filtragem colaborativa Por exemplo, a amazon.com e a barnesandnoble.com utilizam software de filtragem colaborativa para preparar recomendações de livros personalizados. Clientes que compraram este livro também compraram....

52 Blogs Os blogs vêm surgindo como outra promissora ferramenta de marketing baseada na web. Um blog, o termo popular para webblog, é um site informal, porém estruturado, em que os indivíduos inscritos podem publicar artigos, opiniões e links para outros sites de interesse.

53 Mblogs Moblogs especializados publicam fotos tiradas por celulares, com legendas, permitindo que os usuários comentem os flagrantes alheios, enquanto os videoblogs publicam diários on-line na forma de vídeo. As empresas também usam blogs internamente para se comunicar e trocar ideias sobre projetos e notícias corporativas. Ex. Polaroid, Cannon etc.

54 Autoatendimento do cliente Muitas empresas estão usando sites e e- mail para responder a perguntas dos clientes ou oferecer informações úteis. A web proporciona um meio pelo qual os clientes podem interagir com a empresa de acordo com sua conveniência e encontrar informações que anteriormente requeriam o apoio de um especialista em suporte ao cliente.

55 Autoatendimento do cliente - Exemplo Por exemplo, grandes companhias aéreas, como a American, a Northwest e outras criaram sites nos quais os clientes podem verificar horários de partida e de chegada, planos de assentos e logística de aeroportos, programas de milhagem e compra de passagens, tudo on-line. A FedEx e outras empresas de entrega de encomendas fornecem serviços web semelhantes.

56 Interatividade Qual a finalidade da filtragem colaborativa no e-marketing? a) Filtrar arquivos indesejados. b) Filtrar noticias de portais. c) Fazer recomendações ao usuário. d) Filtrar pop-up indesejáveis. e) Não existe uma finalidade específica.

57 ATÉ A PRÓXIMA!

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III 3 CONCEITOS-CHAVE NO COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS E MERCADORIAS DIGITAIS 1 Existe uma conexão entre informação e negócios: os modelos de negócios referentes a localização, tempo

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 UM BANHO DE LOJA NOS SITES DA GAP Problema: Concorrência pesada, site difícil de usar (excesso

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 7 Desafios para a Administração Comercio eletrônico e negócios eletrônicos

Leia mais

Comércio Eletrônico: Mercados Digitais, Mercadorias Digitais

Comércio Eletrônico: Mercados Digitais, Mercadorias Digitais Comércio Eletrônico: Mercados Digitais, Mercadorias Digitais 9.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Descrever as características distintivas do comércio eletrônico, dos mercados digitais e das mercadorias

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Aula 3 - Modelos de Negócios na Web Image: FreeDigitalPhotos.net Modelo de negócios Definição clássica "É um método de fazer negócios por meio do qual uma empresa

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS Capítulo 4 A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 4.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? O que é comércio eletrônico?

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 06. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 06. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 06 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 APRESENTAÇÃO ESTUDOS DE ESTUDOS DE CASOS B2B B2C B2G G2C G2G C2C 2 Os emarketplaces podem ser classificados em verticais

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Comércio Eletrônico: Mercados Digitais, Mercadorias Digitais Capítulo

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

SISTEMÁTICA WEBMARKETING

SISTEMÁTICA WEBMARKETING SISTEMÁTICA WEBMARKETING Breve descrição de algumas ferramentas Sobre o Webmarketing Web Marketing é uma ferramenta de Marketing com foco na internet, que envolve pesquisa, análise, planejamento estratégico,

Leia mais

Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas. Laura Fragomeni

Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas. Laura Fragomeni Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas Laura Fragomeni Agenda Crescimento do E-commerce Modelos de negócio Breve histórico das Vendas Coletivas Vendas Coletivas e o Marketplace Novas Tendências

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

Marketing Eletrônico e Comércio Eletrônico Prof. Dr. Sérgio Alves

Marketing Eletrônico e Comércio Eletrônico Prof. Dr. Sérgio Alves Marketing Eletrônico e Comércio Eletrônico Prof. Dr. Sérgio Alves www.profsergio.net CONCEITOS Reedy, Schullo e Zimmerman (2001, p. 26) colocam MARKETING ELETRÔNICO como todas as atividades on-line ou

Leia mais

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Marketing direto e mediação eletrônica Como a internet criou novos meios de intermediação entre as pessoas e as organizações? O que é marketing direto?

Leia mais

Modelos de Negócios Digitais

Modelos de Negócios Digitais Modelos de Negócios Digitais O que é um modelo de negócio? Um Modelo de Negócios descreve a lógica de criação, entrega e captura de valor por parte de uma organização. Definição do negócio da empresa Negócio

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo Comércio Eletrônico 1 A evolução do sistema mercadológico tem exigido das organizações grande esforço para a assimilação e utilização das tecnologias de informação referentes a comércio eletrônico, em

Leia mais

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br Desde 2008 Mídia Kit 2015 encontrasãopaulo www.encontrasaopaulo.com.br Introdução O Mídia Kit 2015 do guia online Encontra São Paulo tem o objetivo de contextualizar a atuação do site no segmento de buscas

Leia mais

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS Tópicos: ü e- business ü e- commerce ü e- procurement ü e-

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Os serviços de Campanha Digital são oferecidos pelo Portal BRASIL POSTOS COMERCIO DE MAQUINAS E EQUIPAMENTOS LTDA ME. CNPJ : 08.242.

Os serviços de Campanha Digital são oferecidos pelo Portal BRASIL POSTOS COMERCIO DE MAQUINAS E EQUIPAMENTOS LTDA ME. CNPJ : 08.242. 1 2 Apresentação O Portal Brasil Postos é uma plataforma digital desenvolvida para a geração de negócios, relacionamento e informação para o segmento de postos de combustíveis, lubrificação e Lojas de

Leia mais

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP Empresa Nome fantasia: Rádio Kiss FM Razão Social: Kiss Telecomunicações LTDA. Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Campinas 107,9 MHz; Brasília 94,1 MHz CNPJ: 59.477.240/0001-24.

Leia mais

FACULDADE UNIÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR LUCIANO ROCHA

FACULDADE UNIÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR LUCIANO ROCHA 1 Conteúdo Evolução da Comunicação Entre Computadores... 2 Evolução do Processamento e Transferência Eletrônica de Informações... 2 INTERNET E COMÉRCIO ELETRÔNICO ASPECTOS... 3 PESQUISAS SOBRE O MERCADO

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos White Paper 24 de Setembro de 2014 Rede IPTV DX - Clubes Desportivos Alcançando e realizando o potencial do torcedor móvel IPTV Móvel para Clubes Desportivos - DX - 1 O negócio de mídia e venda para torcedores

Leia mais

Apresentação dos Resultados 3T06

Apresentação dos Resultados 3T06 Apresentação dos Resultados 3T06 Aviso Legal Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

Capítulo 9. 9.1 Laudon, Cap. 9

Capítulo 9. 9.1 Laudon, Cap. 9 Capítulo 9 Comércio Eletrônico: Mercados Digitais, Mercadorias Digitais 9.1 Laudon, Cap. 9 OBJETIVOS DE ESTUDO Descrever as características distintivas do comércio eletrônico, dos mercados digitais e das

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

7 Passos para um e- Commerce de Sucesso. André Lucena 28.nov.2013

7 Passos para um e- Commerce de Sucesso. André Lucena 28.nov.2013 7 Passos para um e- Commerce de Sucesso André Lucena 28.nov.2013 MERCADO DE E- COMMERCE PORQUE INVESTIR... E- commerce Processo de compra e venda de produtos e serviços online. Além de catálogos, carrinhos

Leia mais

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo MOBILE MARKETING Prof. Fabiano Lobo - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer ESTRATÉGIA DIGITAL Prof. Luli Radfahrer - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Prezado Futuro Cliente

Prezado Futuro Cliente Prezado Futuro Cliente É com grade satisfação que encaminhamos nossa apresentação institucional e certos de estabelecermos uma parceria de sucesso e duradoura. Ela foi desenvolvida com objetivo de mostrar

Leia mais

Como sua empresa pode

Como sua empresa pode Como sua empresa pode [ O guia de segmentação por IP ] Tecnologia de Inteligência de IP e de geolocalização O método de encontrar a localização física e geográfica de um usuário com base unicamente em

Leia mais

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 7 Passos para um e-commerce de Sucesso André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 MERCADO DE E- COMMERCE PORQUE INVESTIR... Crescimento 20,3% Crescimento 24,4% 354% R$ 770 Milhões 117%

Leia mais

Marketing digital NARCISO SANTAELLA

Marketing digital NARCISO SANTAELLA Marketing digital 1 Introdução As agências de publicidade recorrem ao marketing digital para conquistar o público que hoje tem na web uma das principais fontes de informação. Utilizar todos os recursos

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sua melhor opção em desenvolvimento de sites! Mais de 200 clientes em todo o Brasil. Totalmente compatível com Mobile

APRESENTAÇÃO. Sua melhor opção em desenvolvimento de sites! Mais de 200 clientes em todo o Brasil. Totalmente compatível com Mobile APRESENTAÇÃO Totalmente compatível com Mobile Sua melhor opção em desenvolvimento de sites! Mais de 200 clientes em todo o Brasil APRESENTAÇÃO Muito prazer! Somos uma empresa que presta serviços em soluções

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

Crie seu mecanismo de engajamento: parte 2. David Mogensen. Novembro 2013

Crie seu mecanismo de engajamento: parte 2. David Mogensen. Novembro 2013 Crie seu mecanismo de engajamento: ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO Novembro 2013 parte 2 O RESUMO A jornada de decisão do consumidor já foi uma linha reta, mas agora é um caminho circular e em desenvolvimento.

Leia mais

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Marketing Digital de resultado para Médias e Pequenas Empresas Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

Social Media. Criação Personalização Gerenciamento.

Social Media. Criação Personalização Gerenciamento. Criação Personalização Gerenciamento. A Cafuné Design trabalha com as principais mídias e plataformas digitais do momento: Facebook, Twiiter, Instagram, Youtube e LinkedIn. Novas ferramentas de mídia social

Leia mais

Somos uma agência de soluções online, especializada em marketing digital e inovações.

Somos uma agência de soluções online, especializada em marketing digital e inovações. Somos uma agência de soluções online, especializada em marketing digital e inovações. Nós criamos marcas, desenvolvemos estratégias, produzimos conteúdo, além de cuidar do posicionamento estratégico da

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Mercados eletrônicos Os mercados facilitam a troca de: Informações Bens Serviços Pagamentos

Leia mais

Muitos varejistas têm adotado o uso de marketplaces como canais de venda adicionais às suas lojas virtuais já consolidadas.

Muitos varejistas têm adotado o uso de marketplaces como canais de venda adicionais às suas lojas virtuais já consolidadas. Os marketplaces são um modelo de e-commerce em que empresas comercializam seus produtos através de um site com grande fluxo de visitas e uma marca conhecida. Muitos varejistas têm adotado o uso de marketplaces

Leia mais

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS TEMAS o O que são mídias sociais (conceito, apresentação dos diversos canais das redes sociais, gestão dos canais) o Moda ou

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

Marketing. Conrado Adolpho Vaz. O Guia Definitivo de Marketing Digital. Novatec

Marketing. Conrado Adolpho Vaz. O Guia Definitivo de Marketing Digital. Novatec Google Marketing O Guia Definitivo de Marketing Digital Conrado Adolpho Vaz Novatec sumário Prefácio à 1ª. edição... 19 Prefácio à 2ª. edição... 21 Parte I O Novo Consumidor e o Mundo Digital... 23 Capítulo

Leia mais

PUBLICIDADE ONLINE uma visão geral. João Luiz Serpa Seraine Webdesigner 11/05/2007

PUBLICIDADE ONLINE uma visão geral. João Luiz Serpa Seraine Webdesigner 11/05/2007 PUBLICIDADE ONLINE uma visão geral João Luiz Serpa Seraine Webdesigner 11/05/2007 Nova Economia A nova economia está diretamente ligada à velocidade de informações, comunicação, conhecimento, tecnologia.

Leia mais

Glossário. Anúncios no Facebook

Glossário. Anúncios no Facebook Glossário Anúncios no Facebook Ações O número de vezes que as pessoas curtiram sua Página, curtiram publicações em sua Página, comentaram, @ mencionaram, fizeram o check-in em um local, marcaram sua marca

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Portal FENAM e Ambientes 2.0 Plano de comunicação digital 2010/2011

Portal FENAM e Ambientes 2.0 Plano de comunicação digital 2010/2011 Plano de Monetização Portal FENAM e Ambientes 2.0 Plano de comunicação digital 2010/2011 Brasília, 03 de dezembro de 2010 APRESENTAÇÃO Criado em Brasília em 2008, o Portal FENAM tem uma proposta única

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

Como interpretar métricas seus contextos e ferramentas

Como interpretar métricas seus contextos e ferramentas WEBINAR Como interpretar métricas seus contextos e ferramentas Sthefan Berwanger Consultor da Wa Consulting Como interpretar métricas seus contextos e ferramentas O que veremos hoje? Audiência Mídia Financeiro

Leia mais

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 Boas-vindas ao Comércio Eletrônico André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 SOBRE A TRAY Sobre a Tray + 10 anos de atuação em e-commerce + 4.500 lojas virtuais + 3MM pedidos processados em

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura!

APRESENTAÇÃO. Aprecie as apresentações a seguir. Boa leitura! APRESENTAÇÃO A Informatiza Soluções Empresariais está no mercado desde 2006 com atuação e especialização na criação de sites e lojas virtuais. A empresa conta com um sistema completo de administração de

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR RESUMO Este artigo defende a idéia de que na nova economia as empresas precisam incorporar a experiência do cliente a seus

Leia mais

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Mestre em Design (UFPR). MBA e pós-graduação em Marketing (UFPR). Pós-graduada em Web Design (PUCPR). Graduação em Desenho Industrial (UFPR). Técnico

Leia mais

... NOSSO MARKETING DE AFILIAÇÃO DE ALTO DESEMPENHO VEM DE + + PARCERIA

... NOSSO MARKETING DE AFILIAÇÃO DE ALTO DESEMPENHO VEM DE + + PARCERIA NOSSO MARKETING DE AFILIAÇÃO DE ALTO DESEMPENHO VEM DE... + + PARCERIA Uma plataforma de afiliados que ajuda você a obter resultados superiores com benefícios que só existem aqui. QUEM ANUNCIA? 1 O Anunciante

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

Bom dia, você! Parabéns por ter baixado essa super oportunidade!

Bom dia, você! Parabéns por ter baixado essa super oportunidade! 23/01/13 E-BOOK - Como ganhar dinheiro usando o facebook! Bom dia, você! Parabéns por ter baixado essa super oportunidade! Hoje é o dia que VOCÊ vai descobrir a melhor oportunidade da sua vida agora, neste

Leia mais

Apresentação. E-commerce de Sucesso. da plataforma para o seu. www.brasilnaweb.com.br 4003-3312 atendimento@brasilnaweb.com.br

Apresentação. E-commerce de Sucesso. da plataforma para o seu. www.brasilnaweb.com.br 4003-3312 atendimento@brasilnaweb.com.br Apresentação da plataforma para o seu E-commerce de Sucesso www.brasilnaweb.com.br 4003-3312 atendimento@brasilnaweb.com.br Assuntos nessa apresentação: - A loja virtual (acesso dos seus clientes para

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão I

Sistemas Integrados de Gestão I Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Sistemas Integrados de Gestão I Aula - 9 Comércio Eletrônico (E-commerce) Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 O que a Web mudou na vida das

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce?

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce? E-Commerce O que é e-commerce? Comércio electrónico ou e-commerce é um conceito aplicável a qualquer tipo de negócio ou transação comercial que implique a transferência de informação através da Internet.

Leia mais

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000).

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000). Comércio Eletrônico É a compra e a venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores. (Kalakota, 1997) É a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócios em um

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais