MODELO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO AR ABORDAGEM PREVENTIVA E CORRETIVA. Paulina Maria Porto Silva Cavalcanti

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO AR ABORDAGEM PREVENTIVA E CORRETIVA. Paulina Maria Porto Silva Cavalcanti"

Transcrição

1 MODELO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO AR ABORDAGEM PREVENTIVA E CORRETIVA Paulina Maria Porto Silva Cavalcanti Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Planejamento Energético, COPPE, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Doutor em Planejamento Energético. Orientador: Emilio Lèbre La Rovere Rio de Janeiro Novembro de 2010

2

3 Cavalcanti, Paulina Maria Porto Silva Modelo de Gestão da Qualidade do Ar Abordagem Preventiva e Corretiva/ Paulina Maria Porto Silva Cavalcanti. - Rio de Janeiro: UFRJ/COPPE, XVII, 252 p.: il; 29,7cm Orientador: Emilio Lèbre La Rovere Tese (doutorado) UFRJ/COPPE/Programa de Planejamento Energético, Referências Bibliográficas: p Qualidade do Ar 2. Impactos Cumulativos 3.Capacidade de Suporte I. La Rovere, Emilio Lèbre. II. Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE, Programa de Planejamento Energético III. Título. iii

4 Agradecimentos: Ao Marcinho e Pedro, pela paciência ao longo desses anos, pela compreensão pelas horas intermináveis de ausências, pelos gestos carinhosos, pelos bons momentos, pela parceria, pelo amor constante e eterno companheirismo. Aos meus irmãos, sobrinhos, tias e amigos pelo incentivo e apoio durante a elaboração desse trabalho. Ao grande amigo e colaborador Arnaldo, pela amizade, apoio, paciência e inestimável contribuição, sem a qual esse trabalho não seria realizado. À grande amiga Heliana, pela grande ajuda, pelos valiosos ensinamentos, pelo apoio incondicional em horas tão difíceis, pela amizade, paciência e carinho. Ao amigo Prof. Maia, pelo apoio e colaboração prestada. À incansável Professora Míriam, que tanto me incentivou e ajudou durante toda essa jornada. À Iara Verocai, pelas informações prestadas, pelo carinho e pelo incentivo. Ao Professor e Orientador Emilio Lèbre La Rovere, pela compreensão e orientação recebida no desenvolvimento do trabalho, além da oportunidade de haver participado de estudos e pesquisas no Laboratório Interdisciplinar de Meio Ambiente (LIMA). Aos queridos amigos do LIMA: Carmen, Juliana, Daniel, Diego, Luigi, Denise, William, Fernanda, Fernando, Buzzatti, Martin, D Avignon, Vinicius, Adriano, Ângela, Flávia e Ana Ceci, que tanto me ajudaram nos projetos e tornaram minha estada no Laboratório muito agradável. Aos meus professores do Programa de Planejamento Energético, pelo conhecimento aqui utilizado e aos funcionários Paulo, Jô, Simone, Fernando, em especial, a querida Sandrinha, pelo apoio constante propiciado ao longo desse período. Aos colegas do INEA/FEEMA, que são muitos, pela tolerância e grande colaboração ao longo de todo esse trajeto. À Vanessa e Patrícia, pela eterna colaboração e amizade. A todos que, de alguma forma, contribuíram para que esse trabalho fosse realizado. iv

5 Resumo da Tese apresentada à COPPE/UFRJ como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Doutor em Ciências (D. Sc.). MODELO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO AR ABORDAGEM PREVENTIVA E CORRETIVA Paulina Maria Porto Silva Cavalcanti Novembro/2010 Orientador: Emilio Lèbre La Rovere Programa: Planejamento Energético Essa tese avalia os impactos cumulativos e sinérgicos causados na qualidade do ar pelas emissões atmosféricas provenientes da operação de dois conjuntos de atividades industriais, em regiões distintas: um já implantado, resultando em alto nível de degradação atmosférica e outro a ser implantado, ainda em fase de planejamento. Foram avaliados os instrumentos de gestão estabelecidos no Brasil, quanto à sua eficácia para a gestão da qualidade do ar, principalmente, na fase de planejamento. É proposto um modelo de gestão com duas variantes corretiva e preventiva. Para tal, discute-se a oportunidade de uso da Avaliação Ambiental Estratégica (AAE), em complementação à AIA, além de outros instrumentos de gestão ainda não contemplados no Brasil e, nesse contexto, a importância da avaliação de impactos cumulativos e sinérgicos que, embora previstos na legislação vigente, não são praticados. v

6 Abstract of Thesis presented to COPPE/UFRJ as a partial fulfillment of the requirements for the degree of Doctor of Science (D. Sc.) AIR QUALITY MANAGEMENT MODEL PREVENTIVE AND CORRECTIVE APPROACH Paulina Maria Porto Silva Cavalcanti November/2010 Advisor: Emilio Lèbre La Rovere Department: Energy Planning This thesis evaluates cumulative and synergic impacts caused in air quality by the atmospheric emissions originating from the operation of two sets of industrial activities in distinct regions: one already implemented, resulting in a high level of atmospheric degradation and another to be implemented, still being planned, in different regions. The instruments of management established in Brazil were assessed, in its efficacy to air quality management issues, mostly, in the planning phase. It s proposed a model of management, with two variants a corrective and a preventive one. For that, it is discussed the opportunity of the use of Strategic Environmental Assessment SEA in complementation to EIA. As well, other management instruments, not contemplated in Brazil are evaluated, and, in this context, the importance of the cumulative impacts that, although predicted in the current legislation, they are not executed. vi

7 ÍNDICE I. Introdução 1 II. Propósito, objetivos, problema da tese e hipóteses da 5 pesquisa III. O processo de pesquisa, metodologia e a estrutura da tese 6 Capítulo 1 O Problema da Poluição do Ar 1.1 Histórico da poluição do ar Conceitos e definições relacionadas à poluição do ar Meio ambiente Poluição do ar Poluente atmosférico Fontes de emissão Inventário de Emissões Atmosféricas Escalas da Poluição Atmosférica Efeitos da Poluição Atmosférica Níveis de referência Padrão de qualidade do ar Limites de emissão Fatores que influenciam a poluição do ar Pressão atmosférica Precipitação e evaporação Temperatura Umidade relativa Insolação e nebulosidade Vento Estabilidade Atmosférica Capítulo 2 Instrumentos de Gestão da Qualidade do Ar 2.1 Gestão ambiental Identificação e apresentação dos instrumentos de gestão da 55 qualidade do ar utilizados no Brasil Política Nacional do Meio Ambiente Constituição Federal de PRONAR Plano Nacional de Qualidade do Ar PROCONVE 70 vii

8 2.2.6 PROMOT Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas para Veículos 78 Automotores Rodoviários Instrumentos Preventivos da Política, do Planejamento e da 78 Gestão Ambiental Pública Licenciamento Ambiental Avaliação de Impacto Ambiental AIA Avaliação Ambiental Estratégica AAE Gestão da qualidade do ar no Estado de São Paulo Gestão da qualidade do ar no Estado do Rio de Janeiro Constituição do Estado do Rio de Janeiro Legislação ambiental do Estado do Rio de Janeiro Sistema de licenciamento ambiental Deliberação CECA Gestão da qualidade do ar nos EUA Gestão da qualidade do ar na Califórnia Gestão da qualidade do ar na União Européia Gestão da qualidade do ar no Reino Unido Considerações Capítulo 3 Proposta de modelo de gestão da qualidade do ar 3.1 Modelo de gestão da qualidade do ar preventivo Modelo de gestão da qualidade do ar corretivo Aspectos Institucionais 145 Capítulo 4 Aplicação de Modelo de Gestão da Qualidade do Ar Complexo Industrial do Açu Caracterização da região Caracterização e diagnóstico da qualidade do ar Caracterização Climatológica Caracterização das fontes de emissão Estudo de simulação da dispersão de poluentes Estabelecimento de Diretrizes Programas de Monitoramento Programa de avaliação de objetivos e metas Avaliação Independente Região do Pólo Gás-Químico de Duque de Caxias 180 viii

9 4.2.1 Caracterização da região Caracterização e diagnóstico da qualidade do ar Caracterização Climatológica Caracterização das fontes de emissão Avaliação dos impactos cumulativos e sinérgicos Estabelecimento de Diretrizes Programas de monitoramento Programa de avaliação de objetivos e metas Avaliação Independente 219 Conclusões e Recomendações 220 Referências Bibliográficas 234 Anexos 248 ix

10 Figuras Figura 1 Distribuição dos elementos pelas camadas 18 Figura 2 Esquematização do ciclo fotoquímico do ozônio 27 Figura 3 Dimensão local da poluição do ar 33 Figura 4 Poluição do ar urbana 34 Figura 5 Bacia Aérea III da RMRJ 35 Figura 6 Ciclo da poluição do ar 41 Figura 7 Característica interativa da gestão da qualidade do ar 104 Figura 8 Estratégia de controle da poluição do ar 123 Figura 9 Estrutura Metodológica do Processo de AAE 125 Figura 10 Emissão de poluentes durante a combustão 128 Figura 11 Representação esquemática do modelo de gestão preventivo 139 Figura 12 Representação esquemática do modelo de gestão corretivo 146 Figura 13 Área do Complexo do Açu 151 Figura 14 Localização da estação de monitoramento da qualidade do ar do Porto do Açu 152 Figura 15 Concentração média diária de PTS e PM10 na estação do Porto do Açu Figura 16 Concentração média diária de SO 2 na estação do Porto do Açu 154 Figura 17 Evolução média horária das concentrações de NOx na estação 155 do Porto do Açu 153 Figura 18 Evolução média horária das concentrações de O 3 na estação do Porto do Açu 156 Figura 19 Concentração média horária de O 3 na estação do Porto do Açu 157 Figura 20 Evolução média horária das concentrações de CO na estação 158 do Porto do Açu Figura 21 Evolução média horária das concentrações de HC na estação do Porto do Açu 159 Figura 22 Rosa dos Ventos na região do Açu 161 Figura 23 Rosa dos Ventos na região do Açu de acordo com o período do 162 dia Figura 24 Temperatura média mensal 163 Figura 25 Umidade relativa média mensal 164 Figura 26 Máximos valores de incidência de radiação solar 164 x

11 Figura 27 Precipitação média acumulada mensal 165 Figura 28 Área de estudo 174 Figura 29 Concentração de longo período de NOx 176 Figura 30 Bacias Aéreas da RMRJ 184 Figura 31 Estações de monitoramento da qualidade do ar na RMRJ 185 Figura 32 Concentração de PTS na RMRJ 186 Figura 33 Número de dias com registro de ultrapassagens ao padrão 187 diário de qualidade do ar para PTS Figura 34 Concentração de PI na RMRJ 188 Figura 35 Número de dias com registro de ultrapassagens ao padrão 189 diário de qualidade do ar para PI Figura 36 Concentração média anual de SO Figura 37 Concentração média anual de dióxido de nitrogênio 191 Figura 38 Concentração média anual de O Figura 39 Variação da pressão atmosférica na RMRJ 196 Figura 40 Variação sazonal da precipitação 197 Figura 41 Rosa dos Ventos do Aeroporto do Galeão Figura 42 Contribuição das fontes na carga poluidora da RMRJ 199 Figura 43 Emissão por tipo de fonte na RMRJ 200 Figura 44 Participação das emissões por Bacias Aéreas 200 Figura 45 Participação das emissões por tipologia industrial 201 Figura 46 Densidade de emissão para o SOx na RMRJ 203 Figura 47 Densidade de emissão para o NOx na RMRJ 204 Figura 48 Densidade de emissão para o CO na RMRJ 205 Figura 49 Densidade de emissão para o HC na RMRJ 206 Figura 50 Densidade de emissão para o MP10 na RMRJ 207 Figura 51 Concentração média de três horas de HC 211 Figura 52 Concentração média anual de NOx 212 Figura 53 Isopletas de Ozônio 215 xi

12 Tabelas Tabela 1 Poluentes monitorados, suas origens e efeitos à saúde 21 Tabela 2 Relação entre fontes e seus poluentes característicos 30 Tabela 3 Efeitos dos poluentes à saúde 39 Tabela 4 Padrões de qualidade do ar segundo a Resolução CONAMA 43 03/90 Tabela 5 Critérios para episódios agudos de poluição do ar 44 Resolução CONAMA Tabela 6 Partículas em suspensão concentração de longo período 45 Tabela 7 Partículas em suspensão concentração de curto período 45 Tabela 8 Ozônio - concentrações 45 Tabela 9 Dióxido de nitrogênio - concentrações 45 Tabela 10 Dióxido de enxofre concentração de curto período 45 Tabela 11 Limites máximos de emissão de poluentes para veículos 73 leves de passageiros Tabela 12 Limites do PROCONVE para veículos diesel (g/kw.h) 73 Tabela 13 Limites máximos de emissão para veículos automotores leves 74 de passageiros: vigência em 2013 e 2014 para os novos modelos e 2015 para os demais Tabela 14 Limites máximos de emissão para veículos automotores leves 74 comerciais, com massa do veículo para ensaio menor ou igual a quilogramas: vigência em 2013 para veículos do ciclo diesel, 2014 para novos modelos e 2015 para os demais Tabela 15 Limites de emissão para veículos automotores leves 74 comerciais, com massa do veículo para ensaio maior que quilogramas,com vigência em 2013 para veículos do ciclo diesel, 2014 para os novos modelos e 2015 para os demais Tabela 16 Novos limites de emissão para veículos pesados (g/kwh) 75 Tabela 17 Limites de emissão para Ciclomotores, Motociclos e Similares 77 Tabela 18 Métodos de avaliação de impactos cumulativos 85 Tabela 19 Concentração de material particulado inalável (PM10) e total 153 (PTS) na estação Porto do Açu Tabela 20 Concentração média de SO 2 na estação Porto do Açu 154 Tabela 21 Concentração média de NO e NO 2 na estação Porto do Açu 155 xii

13 Tabela 22 Concentração média de CO na estação Porto do Açu 156 Tabela 23 Resumo dos resultados de concentração de CO na estação 158 Porto do Açu Tabela 24 Concentração de HC na estação Porto do Açu 159 Tabela 25 Variáveis meteorológicas medidas no Porto do Açu 160 Tabela 26 Configuração do Núcleo Base 168 Tabela 27 Limites de emissão: CONAMA 382 x Usinas Siderúrgicas 169 Tabela 28 Limites de emissão: CONAMA 382 x Peletização 42Mt/ano 169 Tabela 29 Limites de emissão: CONAMA 382 x Produção de Cimento Mt/ano Tabela 30 Limites de emissão UTE a carvão 170 Tabela 31 Limites de emissão: CONAMA 382 x UTE a gás natural 170 Tabela 32 Limites de emissão: CONAMA 382 x Processos de geração 170 de calor Tabela 33 Emissões de NOx 172 Tabela 34 Contribuição percentual das emissões de NOx 175 Tabela 35 Normais Climatológicas do Estado do Rio de Janeiro 195 Tabela 36 Taxas de emissão por tipo de fonte na RMRJ (x1000 t/ano) 199 Tabela 37 Principais emissões atmosféricas provenientes das fontes 208 fixas localizadas no Pólo Gás-Químico de Duque de Caxias (ano-base 2006) Tabela 38 Estimativa das emissões atmosféricas provenientes das fontes fixas localizadas no Pólo Gás-Químico de Duque de Caxias e no Terminal Flexível de GNL 210 Abreviaturas AAE Avaliação Ambiental Estratégica AIA Avaliação de Impacto Ambiental ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás natural e Biocombustíveis AQG Air Quality Guidelines AQMA Air Quality Management Area ARH - Administração de Recursos Hídricos BAAQMD - Bay Area Air Quality Management District xiii

14 BACT - Best Available Control Technology BAT - Best Available Techniques BTX Benzeno, Tolueno e Xilenos CAA Clean Air Act CAFE - Clean Air for Europe CCA/RJ Câmara de Compensação Ambiental CE Comunidade Européia CECA Conselho Estadual de Câmaras Ambientais CETESB Companhia Estadual de Tecnologia e Saneamento Ambiental CENPES Centro de Pesquisas da Petrobras CEQ Council on Environmental Quality CF Constituição Federal CFC - Cloroflurorcarbonetos CIEP Centro Integrado de Educação Pública CIRS - Cumulative Impacts Reduction Strategy CONAMA Conselho Nacional do Meio Ambiente CONEMA Conselho Estadual de Meio Ambiente/RJ CONTRAN - Conselho Nacional de Trânsito CONSEMA Conselho Estadual de Meio Ambiente/SP COPPE Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia COV Compostos Orgânicos Voláteis CPTEC Centro de Pesquisas Tecnológicas DZ 056 Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental E Leste EEA European Environment Agency EI Ecologia Industrial EIA Estudo de Impacto Ambiental EPA Environment Protect Agency EUA Estados Unidos da América FECAM Fundo Estadual de Conservação Ambiental FEEMA Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente FGV/EAESP Fundação Getúlio Vargas/ Centro de Estudos em Sustentabilidade GEE Gases do Efeito Estufa GHG Protocol Green House Gas Protocol GNL Gás natural Liquefeito GTZ Deutsche Gesellschaft für Zusammenarbeit GmbH HAP - hidrocarbonetos aromáticos policíclicos xiv

15 HCnM Hidrocarbonetos não Metano HEW - Health Education and Welfare Department HPA Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos IBAMA Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IEF Instituto Estadual de Florestas INEA Instituto Estadual do Ambiente INMET Instituto Nacional de Meteorologia IMO International Maritime Organization ISC3 - Industrial Source Complex IT Interim Target LAQM - Local Air Quality Management LAR Licença Ambiental de Recuperação LAS Licença Ambiental Simplificada LCM - Licença para Uso de da Configuração de Ciclomotores, Motociclos e Similares LI Licença de Instalação LIMA Laboratório Interdisciplinar de Meio Ambiente LIO Licença de Instalação e Operação LO Licença de Operação LOR - Licença de Operação e Recuperação LP Licença de operação LPI Licença Prévia e de Instalação MINTER Ministério do Interior MMA Ministério do Meio Ambiente MNPT - Modelos Numéricos de Previsão do Tempo NAPCA National Air Pollution Control Administration NAAQS National Ambient Air Quality Standards NB Núcleo Base NCEP/EUA - National Center for Environmental Prediction NE Nordeste NEPA - National Environmental Policy Act NESHAP - National Emission Standards for Hazardous Air Pollutants OMS Organização Mundial de Saúde ONU Organização das Nações Unidas PAH - Polinuclear Aromatic Hydrocarbon PGQAr Plano de Gestão da Qualidade do Ar PLANGAS Plano de Oferta de Gás xv

16 PNA Polinuclear Aromatic Hydrocarbon PND Plano Nacional de Desenvolvimento PNMA Política Nacional de Meio Ambiente Pqar Padrão de Qualidade do Ar PROCONVE Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores PROMOT - Programa de Controle da Poluição do Ar por Ciclomotores PRONACOP Programa Nacional de Controle da Poluição PRONAR Programa Nacional de Qualidade do Ar PNQA Plano Nacional de Qualidade do Ar POM Policycle Organic Material POP Poluentes Orgânicos Persistentes PPP Política, Planos e Programas Pqar Padrão de Qualidade do Ar PREA Plano de Redução de Emissões Atmosféricas PROCON-Ar Programa de Autocontrole do Ar PRODETUR Programa de Desenvolvimento do Turismo PRQA - Piano di Risanamento della Qualità dell Aria RCQA Região de Controle da Qualidade do Ar REDUC - Refinaria de Duque de Caxias RMRJ Região Metropolitana do Rio de Janeiro SANERJ - Saneamento do Estado do Rio de Janeiro SCAQMD - South Coast Air Quality Management District SE Sudeste SEA Secretaria Estadual do Ambiente SEDEIS - Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEMA - Secretaria Especial do Meio Ambiente SERLA Superintendência Estadual de Rios e Lagoas SLAM Sistema de Licenciamento Ambiental SLAP Sistema de Licenciamento de Atividades Poluidoras SIP State Implementation Plan SISNAMA Sistema Nacional de Meio Ambiente SURSAN - Superintendência de Urbanização e Saneamento SUSAM - Superintendência de Saneamento Ambiental SW - Sudoeste UE União Européia UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro xvi

17 UNECE United Nations Economic Commission for Europe USEPA United States Environment Protection Agency UTE Usina Termoelétrica W Oeste WB World Bank WHO World Health Organization WNW Oeste-Nordeste xvii

18 INTRODUÇÃO A existência de regiões saturadas de poluição do ar se deve a um modelo de desenvolvimento econômico aplicado ao Brasil, sob o discurso das autoridades governamentais de que tínhamos muito que poluir, cujos efeitos deletérios ainda estamos colhendo e tentando corrigir. Tal modelo de desenvolvimento, baseado no crescimento a qualquer preço, conclamou as indústrias a se implantarem, desprovidas dos necessários sistemas de controle de poluentes e/ou em áreas inadequadas à dispersão de poluentes, o que resultou na poluição ambiental, submetendo populações a conviverem em áreas com elevada deterioração da qualidade do ar. Esse processo aconteceu em todo o mundo desenvolvido, em diferentes épocas. Os grandes episódios de poluição ambiental, que chamaram a atenção da sociedade para o problema, aconteceram nos países desenvolvidos, como os graves episódios em Londres e na Bélgica, o envenenamento da Baía de Minamata, no Japão, a contaminação do solo de Love Canal, nos Estados Unidos e, mais recentemente, a contaminação radioativa em Three Miles Island e Chernobyl. Os elevados índices de industrialização e urbanização verificados no País, desde a década de 70, levaram o Governo Brasileiro a implementar medidas de controle da qualidade do ar, orientado para as emissões procedentes das indústrias (fontes fixas) e dos veículos automotores (fontes móveis). Em 1989, foi criado o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar (PRONAR), por Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), com o objetivo de permitir o desenvolvimento econômico e social do país de forma ambientalmente segura, pela limitação dos níveis de emissão de poluentes por fontes de poluição atmosférica, com vistas à melhora da qualidade do ar, ao atendimento dos padrões estabelecidos e o não comprometimento da qualidade do ar nas áreas consideradas não degradadas. Para tal, tem como instrumentos os Padrões de Qualidade do Ar e Limites de Emissão na Fonte, Rede Nacional de Monitoramento da Qualidade do Ar e Inventário de Fontes e Poluentes Atmosféricos. O PRONAR estabeleceu novos padrões de qualidade do ar, em substituição aos fixados em 1976, pelo Ministério do Interior, e a aplicação do licenciamento ambiental para o controle das emissões fixas, de responsabilidade dos órgãos ambientais estaduais. 1

19 Quanto ao monitoramento, atualmente, somente algumas cidades e regiões metropolitanas já o realizam, sendo poucas as áreas que contam com redes automáticas. Com relação aos limites de emissão, alguns foram estabelecidos pela Resolução CONAMA 08/90, posteriormente revistos pela Resolução CONAMA 382, em 2006, incorporando novas tecnologias, novos combustíveis e acrescentando outros parâmetros. No entanto, até o momento, o Inventário Nacional de Fontes e Emissões não foi viabilizado. Em se tratando de fontes móveis, foi criado o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (PROCONVE) e, posteriormente, o Programa de Controle da Poluição do Ar por Motocicletas (PROMOT), com o objetivo de reduzir os níveis de poluentes originados pelo parque automotivo. A obrigatoriedade imposta à indústria automobilística de atendimento aos padrões de emissão estabelecidos em lei para novos modelos, a partir de 1988, serviu, na verdade, como promotora de inovações tecnológicas, fazendo aparecerem os sistemas de injeção eletrônica e os conversores catalíticos, reduzindo os níveis de emissão exigidos para o ano de 1992 e para os anos subsequentes. Incluem, também, medidas de qualidade dos combustíveis, tais como, a retirada do chumbo da gasolina; a redução do teor de enxofre do diesel; e a introdução do álcool na gasolina. Os ganhos do PROCONVE podem ser avaliados a partir da redução, na fonte, das emissões de monóxido de carbono e de outros poluentes, em relação aos valores constatados na década de 1980, em uma faixa que varia de 86% a 97%. Embora seja inegável o sucesso do PROCONVE, a poluição do ar proveniente dos veículos automotores ainda é a principal causa da contaminação atmosférica dos grandes centros urbanos. Deve ser ressaltado que mesmo tendo sido estabelecido limites de emissão para determinadas fontes de emissão, há que ser observado, dentre outros, os padrões de qualidade do ar, as condições meteorológicas e a topografia, pois é esse conjunto de fatores que irá assegurar a qualidade ambiental de uma determinada região. Parece claro que, conforme estabelecido no PRONAR, a utilização de limites de emissão como principal estratégia, em que o uso dos padrões de qualidade do ar é apenas uma ação complementar de controle, não promove a gestão da qualidade do 2

20 ar, uma vez que somente a visão de comando e controle, focada na fonte de poluição e não na qualidade do meio, não garante a qualidade do ar necessária à manutenção da saúde e bem-estar. Dessa forma, possibilita a ocorrência de situações em que, apesar do controle das fontes, são mantidos os problemas de degradação da qualidade do ar. Em termos gerais, a gestão ambiental pública tem se baseado, tradicionalmente, no processo de comando e controle, ou seja, na criação de dispositivos e exigências legais (comando) e na aplicação de mecanismos para garantir o cumprimento desses dispositivos e exigências (controle). Entretanto, todas essas medidas têm-se mostrado ineficientes na gestão dos recursos atmosféricos e vários esforços têm sido empreendidos no sentido de sua modernização. O que se observa no estado da arte da experiência internacional é que cada país tem desenvolvido um modelo próprio, de acordo com as suas peculiaridades, utilizando-se instrumentos que nem sempre são os mais adequados para o Brasil. A partir de década de 90, a questão ambiental ganhou destaque na esfera internacional motivada pelo debate sobre a sustentabilidade dos processos de desenvolvimento, tendo reflexos também no Brasil. Atualmente, em nível nacional, uma das principais iniciativas nesse campo está voltada para uma estreita articulação de alguns setores de governo à construção e à implementação de agendas ambientais, que especifiquem programas e atividades que conduzam, efetivamente, a resultados sustentáveis. As políticas setoriais, objeto dessa estratégia de articulação institucional, envolvem, especialmente, os segmentos de petróleo, energia elétrica e transportes. Ao longo do tempo, também, verifica-se que vêm se multiplicando as iniciativas de auto-gestão, levando as próprias empresas a adotarem estratégias e sistemas voluntários de auto-regulação relacionados à gestão ambiental. Hoje, as questões ambientais priorizam o controle da poluição, responsável por danos econômicos reais, por perdas ecológicas e pelo comprometimento da qualidade de vida. Conseqüentemente, os tomadores de decisão devem introduzir mecanismos inovadores no processo de gestão e implementar o controle ambiental, de forma que os seus resultados se traduzam, efetivamente, em ganhos na qualidade ambiental e na qualidade de vida da população. 3

21 A identificação de problemas ambientais críticos, resultantes do uso inadequado de recursos ambientais e da própria ineficiência do processo de gestão ambiental, aponta para a necessidade de adoção de novos modelos e procedimentos técnicos que deverão enfocar a magnitude dos danos gerados, principalmente, sociais (impactos sobre o ser humano), econômicos (perda de produtividade) e ambientais (degradação de recursos naturais) e a necessidade de cumprimento de acordos internacionais que definem normas específicas e comuns para problemas ambientais globais. São necessárias ações de gestão preventivas ou corretivas no sentido de reduzir as emissões de poluentes e os efeitos da degradação da atmosfera, o que já foi demonstrado ser compatível com o desenvolvimento econômico e social. Reduzir as concentrações de contaminantes na atmosfera, de modo a assegurar a melhoria da qualidade ambiental e a proteção à saúde, compatibilizando o alcance de metas de qualidade do ar com desenvolvimento econômico, requer a integração de políticas públicas e instrumentos que se complementem nas ações de planejamento territorial, setorial e de fomento, necessários ao alcance de metas de qualidade do ar temporalmente definidas. Nos últimos anos, a modernização do Estado brasileiro levou à proposição de políticas públicas voltadas a objetivos de desenvolvimento, numa concepção de uso do território segundo vocações e oportunidades de negócios. Tal processo culminou com a perspectiva da abordagem da variável ambiental como condicionante ao desenvolvimento. Entretanto, os instrumentos de gestão ambiental não vêm acompanhando tal avanço, fazendo com que se ressuscite a visão (extemporânea) de que a proteção do meio ambiente inviabiliza o desenvolvimento (TEIXEIRA, 2008). Assim sendo, o foco dessa pesquisa é discutir a aplicação dos atuais instrumentos de gestão estabelecidos no país, sua aplicabilidade para solucionar graves questões relativas à deterioração da atmosfera, em regiões com alto comprometimento da qualidade do ar, bem como discutir o atual processo de tomada de decisão, que envolve a apreciação das questões ambientais ainda no processo de planejamento, no sentido de verificar a contribuição de novos instrumentos de gestão de forma a garantir a promoção do desenvolvimento econômico de forma mais sustentável e com menor comprometimento da qualidade ambiental e da qualidade de vida da população. 4

22 II. Objetivos e Hipóteses da Pesquisa 1. Objetivo Geral Propor um modelo de gestão da qualidade do ar que garanta à atual e às futuras gerações a necessária disponibilidade da qualidade do ar, em padrões adequados para a proteção da saúde da população e do meio ambiente. 1.1 Objetivos Específicos Avaliar a aplicação dos instrumentos de gestão existentes; Desenvolver metodologia para aplicação de um sistema de gestão da qualidade do ar, com base nos padrões de qualidade do ar e avaliação dos impactos cumulativos; Identificar os pontos positivos e negativos da aplicação do licenciamento ambiental e de seus instrumentos de apoio para o controle da poluição do ar; Estabelecer critérios para tomada de decisões estratégicas para a ocupação industrial, em regiões específicas; Avaliar a aplicação de outros instrumentos de gestão tendo por base o planejamento estratégico e a sustentabilidade ambiental da região; Propor a constituição de Fórum Gestor, por região, com a participação do Poder Público e dos empreendedores, promovendo a descentralização do poder de decisão e implementando a negociação social. 2. Hipóteses Considerando-se que os objetivos ou benefícios delineados devem traduzir-se em uma contribuição à incorporação da variável ambiental no processo de planejamento da ocupação de regiões específicas por atividades do setor industrial e ao consequente acompanhamento do comprometimento da qualidade do ar de suas áreas de influência, são formuladas as seguintes hipóteses: 2.1 Hipótese 1 A aplicação dos instrumentos de comando e controle é insuficiente para garantir a gestão ambiental sustentável de uma região com múltiplas fontes de emissão de poluentes atmosféricos. 5

Combate à poluição: importante como o ar que você respira.

Combate à poluição: importante como o ar que você respira. Combate à poluição: importante como o ar que você respira. Ar A poluição do ar e a sua saúde O que é poluente atmosférico? É toda e qualquer forma de matéria ou energia em quantidade, concentração, tempo

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB 1 INTRODUÇÃO A poluição do ar é um fenômeno recorrente principalmente da atividade humana em vários aspectos. Dentre os quais podemos destacar:

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990.

Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990. São Paulo, 6 de fevereiro de 2014 Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990. Considera-se a iniciativa

Leia mais

Limites de emissão e caracterização de poluentes atmosféricos no estado de São Paulo

Limites de emissão e caracterização de poluentes atmosféricos no estado de São Paulo Limites de emissão e caracterização de poluentes atmosféricos no estado de São Paulo Marilin Mariano dos Santos marilin.mariano@gmail.com Pacto Engenharia e Meio Ambiente Resolução Conama n o 5 de 1989

Leia mais

Impactos na Qualidade do Ar e na Saúde Humana da Poluição Atmosférica na Região Metropolitana de São Paulo - SP

Impactos na Qualidade do Ar e na Saúde Humana da Poluição Atmosférica na Região Metropolitana de São Paulo - SP V Encontro Nacional da Anppas 4 a 7 de outubro de 2010 Florianópolis - SC - Brasil Impactos na Qualidade do Ar e na Saúde Humana da Poluição Atmosférica na Região Metropolitana de São Paulo - SP Louise

Leia mais

Considerando o previsto na Resolução CONAMA nº 5, de 15 de junho de 1989, que instituiu o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar PRONAR, e

Considerando o previsto na Resolução CONAMA nº 5, de 15 de junho de 1989, que instituiu o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar PRONAR, e Resolução CONAMA nº XX, de XX de XXXX, de 20XX Dispõe sobre padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a resolução CONAMA nº 3/1990. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONAMA,

Leia mais

América Latina Logística Malha Sul ALL

América Latina Logística Malha Sul ALL América Latina Logística Malha Sul ALL Capítulo 21. Gerenciamento de Emissões e Imissões Atmosféricas Rio Grande do Sul Junho/2010 Revisão 0 21.1 INTRODUÇÃO O presente documento visa a elaboração de um

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes. DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA

IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes. DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes { DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA Diretoria de Segurança Hídrica e Qualidade Ambiental Gerência da Qualidade

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR José de Sena Pereira Jr. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente, e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula A UU L AL A Poluição do ar Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador do laboratório de poluição atmosférica experimental da Faculdade de Medicina da USP, a relação entre o nível de poluição e a

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais 1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais A atmosfera da Terra é fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos. Evoluiu, a partir do gás carbônico (CO 2 ) e vapor d água (H 2 O),

Leia mais

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS 1. Objetivo: Considerando os limites estabelecidos pela CONAMA 382 como referências para as fontes existentes, este documento

Leia mais

XII Semana CIESP/FIESP de Meio Ambiente

XII Semana CIESP/FIESP de Meio Ambiente XII Semana CIESP/FIESP de Meio Ambiente Tema: As questões ambientais da Região Metropolitana de São Paulo Palestra: Estratégias de Proteção da Qualidade do Ar na RMSP Debatedor: Nelson Nefussi Consultor

Leia mais

GÁS NATURAL UMA ALTERNATIVA ENERGÉTICA À REDUÇÃO DE POLUENTES VEICULARES

GÁS NATURAL UMA ALTERNATIVA ENERGÉTICA À REDUÇÃO DE POLUENTES VEICULARES GÁS NATURAL UMA ALTERNATIVA ENERGÉTICA À REDUÇÃO DE POLUENTES VEICULARES Jorge Luiz Fernandes de Oliveira Universidade Federal Fluminense/Universidade Federal do Rio de Janeiro ABSTRACT The aim of this

Leia mais

SUGESTÃO PARA REDUÇÃO GLOBAL DA EMISSÃO DE POLUENTES DOS AUTOMOVEIS José Góes de Araujo Prof. Aposentado Abstract Comments about the reduction possibility of CO² on the atmosphere by the limitation of

Leia mais

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS Ronei Tiago Stein (*), Roberta Karinne Mocva Kurek, Marcelo Pozzagnolo * Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mestrando

Leia mais

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes Proposta REFINARIAS Subgrupo : CETESB, PETROBRAS Visão do Setor 12 Refinarias PETROBRAS: REMAN AM RPCC - RN RLAM BA LUBNOR CE REGAP MG REDUC RJ

Leia mais

Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares

Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares Apresentado por Engº Eduardo Luís Serpa eduardols@cetesbnet.sp.gov.br Baseada em apresentação elaborada por Engªs.

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Ambiental Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Avaliação de Impactos Ambientais CONAMA 01/1986 estabeleceu

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

ESTIMATIVA DAS EMISSÕES DE POLUENTES DOS AUTOMÓVEIS NA RMSP CONSIDERANDO AS ROTAS DE TRÁFEGO

ESTIMATIVA DAS EMISSÕES DE POLUENTES DOS AUTOMÓVEIS NA RMSP CONSIDERANDO AS ROTAS DE TRÁFEGO ESTIMATIVA DAS EMISSÕES DE POLUENTES DOS AUTOMÓVEIS NA RMSP CONSIDERANDO AS ROTAS DE TRÁFEGO Autor:Marcelo Camilli Landmann Aluno de doutorado do PROCAM/USP Programa de Ciência Ambiental Universidade de

Leia mais

FREQÜÊNCIA DE COLETA DE DADOS DA QUALIDADE DO AR AMBIENTE NAS ESTAÇÕES DE MONITORAMENTO DE SO 2, CO, O 3, NO 2 E MP 10

FREQÜÊNCIA DE COLETA DE DADOS DA QUALIDADE DO AR AMBIENTE NAS ESTAÇÕES DE MONITORAMENTO DE SO 2, CO, O 3, NO 2 E MP 10 ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 501-1998; Fax: (0xx21) 241-1354 FREQÜÊNCIA DE COLETA DE DADOS DA QUALIDADE

Leia mais

O AR QUE RESPIRAMOS Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

O AR QUE RESPIRAMOS Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br O AR QUE RESPIRAMOS Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija

Leia mais

ESTIMATIVA DA EMISSÃO DE POLUENTES POR VEÍCULOS PESADOS A DIESEL, MINAS GERAIS, BRASIL 2007

ESTIMATIVA DA EMISSÃO DE POLUENTES POR VEÍCULOS PESADOS A DIESEL, MINAS GERAIS, BRASIL 2007 ESTIMATIVA DA EMISSÃO DE POLUENTES POR VEÍCULOS PESADOS A DIESEL, MINAS GERAIS, BRASIL 2007 Edwan Fernandes Fioravante 1, Elisete Gomides Dutra 1, Leonardo Victor Pita Figueiredo 1 1 Fundação Estadual

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

Plano Nacional de Mudanças Climáticas

Plano Nacional de Mudanças Climáticas Plano Nacional de Mudanças Climáticas Metas de Redução de Emissões e Avaliação de Impacto no Setor de Transporte e Logística Ricardo Vieira - ABRALOG CENÁRIO ATUAL Política Nacional sobre a Mudança do

Leia mais

POLUIÇÃO Principais Conceitos Relacionados

POLUIÇÃO Principais Conceitos Relacionados CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Curso de Engenharia Civil Gestão da Poluição Ambiental POLUIÇÃO Principais Conceitos Relacionados Prof. HEITOR CINTRA 1 POLUIÇÃO - Principais Conceitos Relacionados MEIO

Leia mais

A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS

A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS A crescente preocupação da comunidade internacional com a proteção do meio ambiente tem trazido à baila a poluição do ar causada pelas embarcações. Em conseqüência, o Anexo

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental João Wagner Alves 1 Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Agradecimentos: Prof. Dr. Ronaldo Balassiano

Leia mais

Questões ambientais em regiões urbanas. Mônica Yukie Kuwahara Eraldo Genin Fiore

Questões ambientais em regiões urbanas. Mônica Yukie Kuwahara Eraldo Genin Fiore Questões ambientais em regiões urbanas Mônica Yukie Kuwahara Eraldo Genin Fiore Objetivos Apresentar os contornos gerais dos principais problemas ambientais de regiões urbanas, com foco para a cidade de

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel *MELO JUNIOR, A. S a.;gatti, L. b.; FERREIRA, P. G c.; FRUGOLLI, A. d a.universidade de São Paulo (USP)/Universidade Paulista,

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima PNMC e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima PNMC e estabelece seus

Leia mais

Atuação da ANP diante da legislação ambiental e dos novos combustíveis. III Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Novembro 2014

Atuação da ANP diante da legislação ambiental e dos novos combustíveis. III Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Novembro 2014 Atuação da ANP diante da legislação ambiental e dos novos combustíveis III Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Novembro 2014 1 Cenário Atual Poluição Local e Legislação Ambiental Óleo Diesel

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 2 968, de 14 de setembro de 1993 Publicada no DOERJ de 05 de outubro de

Leia mais

TEXTO DE APOIO I PERCURSO AR

TEXTO DE APOIO I PERCURSO AR TEXTO DE APOIO I PERCURSO AR Todas as atividades econômicas humanas geram poluição Quem vive nas grandes cidades, às vezes, enfrenta dias de pele irritada ou um incômodo nos olhos, sem uma razão aparente.

Leia mais

Emissões de poluentes e gases de efeito estufa por veículos automotores e motores de combustão. Paulo Romeu Moreira Machado Panambí, RS - 2010

Emissões de poluentes e gases de efeito estufa por veículos automotores e motores de combustão. Paulo Romeu Moreira Machado Panambí, RS - 2010 3:22:03 1 Emissões de poluentes e gases de efeito estufa por veículos automotores e motores de combustão Paulo Romeu Moreira Machado Panambí, RS - 2010 Roteiro 1 Introdução 2 O motor de combustão interna

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases:

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Poluição do ar Composição da atmosfera terrestre Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Nitrogênio 78% Oxigênio 21% Argônio 0,9% Gás Carbônico 0,03%

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS Meio Ambiente Tudo que está a nossa volta: todas as formas de vida e todos os elementos da natureza. Ecologia Ciência que estuda a relação dos seres vivos

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA NA QUALIDADE DO AR EM UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO

ESTUDO DE CASO DA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA NA QUALIDADE DO AR EM UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO ESTUDO DE CASO DA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA NA QUALIDADE DO AR EM UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Edvan Casagrande dos Santos¹; Alice César Fassoni de Andrade¹; Rita de Cássia Marques Alves¹ Norton

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES Sílvia Velázquez São Paulo, 17 de setembro de 2009. Resíduos Urbanos e Agrícolas Briquetes

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 42 DE 17 DE AGOSTO DE 2012 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL, FIXA

Leia mais

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina *MELO JÚNIOR, A. S a.; GATTI, L b.; SEVEGNANI, F c.; SATIE,I. d ; IZIDRO, J. e ; IANNUZZI, A. f a.universidade

Leia mais

A Influência da Indústria em Meio Urbano. Metodologia de Estudo. Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO

A Influência da Indústria em Meio Urbano. Metodologia de Estudo. Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO A Influência da Indústria em Meio Urbano Metodologia de Estudo Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO A metodologia de avaliação da influência da indústria na qualidade do ar em meio

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66;

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66; Página 1 de 5 Resoluções RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986 Publicado no D. O. U de 17 /2/86. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo

Leia mais

Emissão de poluentes por automóveis

Emissão de poluentes por automóveis Emissão de poluentes por automóveis Evandro Scholl¹, Fernanda Cardoso de Oliveira² Éder Geovane Schmitt 3 Ivanilde Boff Perottoni 4 Resumo Assuntos como aquecimento global e efeito estufa fazem, cada vez

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões Veiculares- PROCONVE.

Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões Veiculares- PROCONVE. Resoluções RESOLUÇÃO Nº 315, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões Veiculares- PROCONVE. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso de suas competências

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Obrigações Legais Ambientais

Obrigações Legais Ambientais Obrigações Legais Ambientais 2015 PROGRAME-SE PARA CUMPRIR AS OBRIGAÇÕES DE NATUREZA AMBIENTAL EM 2015 Alguns dos principais prazos para cadastros, registros, pagamentos de taxas e outras obrigações de

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo IV

Desenvolvimento Sustentável Capítulo IV Desenvolvimento Sustentável Capítulo IV As Normas e Legislação Ambiental Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo

Leia mais

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS Direito e Mudanças Climáticas Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: o que o Direito tem a ver com isso? Mudanças Climáticas Alterações

Leia mais

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática.

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Marcelo Pereira Bales (1) ; Cristiane Dias (1) ; Silmara Regina da Silva (1) (1) CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

MERCADO PAULISTA DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS

MERCADO PAULISTA DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS MERCADO PAULISTA DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS Fabricio Dorado Soler Advogado do escritório Pinheiro Pedro Advogados, especialista em Gestão Ambiental pela Faculdade de Saúde Pública da USP e pósgraduado em

Leia mais

Diretoria de Informação e Monitoramento Ambiental. Gerência de Qualidade do Ar. Serviço de Avaliação da

Diretoria de Informação e Monitoramento Ambiental. Gerência de Qualidade do Ar. Serviço de Avaliação da Estratégia de Gestão da Qualidade do Ar no Estado do Rio de Janeiro Gerência de Qualidade do Ar Diretoria de Informação e Monitoramento Ambiental Instituto Estadual do Ambiente Por: Mariana Palagano Gerência

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente CICLO DE VIDA DOS PNEUS

Ministério do Meio Ambiente CICLO DE VIDA DOS PNEUS Ministério do Meio Ambiente CICLO DE VIDA DOS PNEUS Zilda Maria Faria Veloso Gerente de Resíduos Perigosos Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade

Leia mais

Novos Padrões de Qualidade do Ar do Estado de São Paulo

Novos Padrões de Qualidade do Ar do Estado de São Paulo Novos Padrões de Qualidade do Ar do Estado de São Paulo BASE LEGAL Decreto Estadual nº 59.113 de 23 de abril de 2013 Resolução CONAMA 03/90 PONTOS IMPORTANTES Novos padrões de qualidade do ar, conforme

Leia mais

Frota de veículos automotores e seca no Distrito Federal: os efeitos sobre a saúde pública

Frota de veículos automotores e seca no Distrito Federal: os efeitos sobre a saúde pública Frota de veículos automotores e seca no Distrito Federal: os efeitos sobre a saúde pública Weeberb João Réquia Júnior (Universidade de Brasília - UnB) Engenheiro Ambiental, Doutorando do Instituto de Geociência

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 Institui a Política Municipal sobre Mudança do Clima e Desenvolvimento Sustentável, dispõe sobre o estabelecimento de metas de redução de emissões antrópicas de gases

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009 DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010 Dispõe sobre critérios para a elaboração de Planos de Controle de Poluição Veicular-PCPV e para a implantação

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Impactos Ambientais UFCG/UAEC/LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE PROFESSORA - MÁRCIA RIBEIRO

Impactos Ambientais UFCG/UAEC/LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE PROFESSORA - MÁRCIA RIBEIRO Impactos Ambientais UFCG/UAEC/LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE PROFESSORA - MÁRCIA RIBEIRO PAULO DA COSTA MEDEIROS Doutorando em Recursos Naturais INTRODUÇÃO CONSUMO/DEMANDAS MAU USO QUANTIDADE

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs:

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs: Institucional A Unidade de Recuperação Energética (URE) Barueri é um empreendimento da Foxx Haztec, empresa líder em serviços ambientais no Brasil com atuação nas áreas de resíduos sólidos, consultoria

Leia mais

5.2.5.5 Subprograma de controle e monitoramento de emissões atmosféricas e qualidade do ar

5.2.5.5 Subprograma de controle e monitoramento de emissões atmosféricas e qualidade do ar 5.2.5.5 Subprograma de controle e monitoramento de emissões atmosféricas e qualidade do ar 5.2.5.1 Introdução e escopo Durante o período de implantação do empreendimento as áreas relativas aos canteiros

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Combustíveis Alternativos e a Redução das Emissões de Poluentes 12ª Transpo-Sul Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Tecnologias, Combustíveis mais limpos e Redução das

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais