10/03/2015. IEEE 802.1Q Virtual LAN (VLAN) Virtual Trunk Protocol(VTP) Prof. Alexandre Beletti IEEE 802.1Q

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "10/03/2015. IEEE 802.1Q Virtual LAN (VLAN) Virtual Trunk Protocol(VTP) Prof. Alexandre Beletti IEEE 802.1Q"

Transcrição

1 IEEE 802.1Q Virtual LAN (VLAN) Virtual Trunk Protocol(VTP) Prof. Alexandre Beletti IEEE 802.1Q 1

2 IEEE 802.1Q Norma e protocolo definidos pelo IEEE Permite a criação de VLANsdentro de uma rede ethernet Permite adicionar rótulos de 32 bits nos quadros ethernet para instruir os elementos comutados da camada de ENLACE Switches e Bridgestrocam entre si apenas quadros com o mesmo identificador IEEE 802.1Q Essa norma define os mecanismos para permitir que uma rede física seja divida em várias redes virtuais Essa norma também padroniza extensões para protocolos Spanning-Tree, qualidades de serviços e outros aspectos de redes comutadas Ethernet 2

3 Quadro 802.1Q Recursos do Protocolo Em vez de ir ao RACK e mover um cabo para uma LAN diferente, os administradores da rede podem realizar esta tarefa remotamente configurando uma porta em um protocolo 802.1Q para pertencer a uma VLAN diferente. 3

4 Virtual LAN (VLAN) Introdução VLAN: Rede Local Virtual Rede logicamente independente Várias VLANspodem co-existirem um mesmo comutador (switch) Dividideuma rede local física em mais de uma rede (virtual), criando domínios de broadcast separados 4

5 Objetivos Quebrar o domínio de broadcast para: Desempenho Segurança Os quadros de broadcast ficam restritos as portas dos switches alocadas para uma determinada VLAN VLAN -Camada do OSI Uma VLAN também torna possível colocar em um mesmo domínio de broadcast hosts com localizações físicas distintas e ligados a switches diferentes. Redes virtuais operam na camada 2 domodelo OSI. No entanto, uma VLAN geralmente é configurada para mapear diretamente uma rede ou sub-rede IP, o que dá a impressão que a camada 3 está envolvida. 5

6 VLAN -Camada do OSI Enlaces switch-a-switch e switch-aroteadorsão chamados de troncos. Um roteador ou switch de camada 3 serve como obackbone entre o tráfego que passa através de VLANs diferentes. VLAN Estática Também chamadas de baseadas em portas São criadas atribuindo-se cada porta de um comutador a uma VLAN Quando um novo dispositivo se conecta à rede ele assume a VLAN da porta à qual ele está ligado Em caso de mudança, se esse dispositivo for ligado a uma nova porta por exemplo, para mantê-lo na VLAN original será necessário que o administrador de rede reconfigure manualmente as associações porta-vlan. 6

7 VLAN Dinâmica São criadas e alteradas dinamicamente via software Através de um servidor VMPS (VLAN Management Policy Server) e de um banco de dados que armazena os dados dos membros das VLANs VLANs dinâmicas baseiam-se em critérios estabelecidos pelo administrador de rede, como o MAC address ou o nome do usuário de rede de cada dispositivo conectado ao comutador. Virtual Trunk Protocol(VTP) 7

8 Introdução VTP: Virtual Trunk Protocol Protocolo da camada 2 Utilizado para manter a configuração de VLANs consistentes em uma rede Responsável por gerenciar as VLANs Justificativa Em uma rede de switches sem o VTP, o administrador deverá fazer manualmente a criação de VLANsem cada um dos switches da rede Configurações manuais podem ser trabalhosas e a ocorrência de erros é maior 8

9 Funcionamento Com o VTP, o administrador irá inserir as configurações em um único switch O switch com essas configurações distribuí e sincroniza as informações com os outros switches da rede Modos do VTP VTP Server: criar, apagar e renomear VLAns. Propaga (anuncia) o nome do domínio VTP, a configuração e o número da revisão. VTP Client: não pode fazer o que o Server faz, apenas recebe as configurações. VTP Transparent: as VLANsprecisam ser configuradas manualmente, não participa do VTP e nem anuncia as suas configurações VLANs 9

10 Versões 1 e 2 do VTP Esse protocolo tem duas versões, a qual pode gerar incompatibilidade no meio em que os switches estão configurados Hoje todos os switches vêm com oversão 1por padrão, sendo assim se desejamos trabalhar com aversão 2temos que habilitar manualmente Lembrando-se que switches mais antigos não suportam a versão 2, portanto terá que manter a versão 1 funcionando Senha no VTP Um outro ponto que deve ser sempre verificado é a senha que pode ser configurada separadamente em cada switch, pois esse parâmetro não é enviado pelos anúncios de VTP, ou seja, se a senha estiver incorreta o seu switch não irá popular as informações do database de VLANs 10

11 Domínio do VTP Para que seu switch armazene as informações ele tem que estar no mesmo domínio, senão você pode perder informações importantes nos anúncios Exemplo de Topologia com VTP 11

12 Referências VLAN VLAN VLAN Protocolo VTP lo-vtp-parte-1/ IEEE 802.1Q ad/802.1q-2011.pdf 12

DHCP. Prof. Hederson Velasco Ramos REDES

DHCP. Prof. Hederson Velasco Ramos REDES Prof. Hederson Velasco Ramos REDES DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol) É um protocolo, parte da pilha de serviços TCP/IP, que disponibiliza endereços ip por concessão e as configurações a dispositivos

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Protocolos de Rede. Protocolos em camadas

Protocolos de Rede. Protocolos em camadas Protocolos de Rede Prof. Alexandre Beletti Protocolos em camadas Existem protocolos em diferentes camadas dos modelos de estudo (OSI e TCP/IP) Lembre-se de diferencias tipos de programas de tipos de protocolos

Leia mais

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP)

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP) Protocolo PPP 1 Protocolo PPP Substitui o protocolo SLIP Em Enlaces Seriais Conexões Síncronas e Assíncronas Controle da configuração de enlace Permite endereços IP dinâmicos Multiplexação de protocolos

Leia mais

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede.

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Pontes. Aula 14. VLANs. Pontes (bridges) Virtual LANs (VLANs) 2005-2006

Pontes. Aula 14. VLANs. Pontes (bridges) Virtual LANs (VLANs) 2005-2006 Aula 14 (bridges) Virtual LANs () FCUL 2005-2006 Nível 1/2 vs nível 3 A interligação de redes é, de acordo com os modelos OSI ou TCP/IP, feita no nível 3. Vantagens da interligação nível 3 Genérica, pois

Leia mais

Laboratório 2.6.1: Orientação de Topologia e Construção de uma Pequena Rede

Laboratório 2.6.1: Orientação de Topologia e Construção de uma Pequena Rede Laboratório 2.6.1: Orientação de Topologia e Construção de uma Pequena Rede Diagrama de Topologia Rede Peer-to-Peer Objetivos Rede Comutada Com a conclusão deste laboratório, você será capaz de: Identificar

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Fundamentos de Redes II

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Fundamentos de Redes II Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Fundamentos de Redes II Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Site da disciplina http://echaia.com Ementa: Camada física do modelo OSI; Camada

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR Segundo Bimestre Exercício 1: Considere a seguinte configuração de árvore de nomes DNS. ZONA.br dns (200.0.0.1) SOA br dns2

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Introdução à Certificação Cisco... 1 Capítulo 2 Redes de Computadores... 21

Sumário Capítulo 1 Introdução à Certificação Cisco... 1 Capítulo 2 Redes de Computadores... 21 Sumário Capítulo 1 Introdução à Certificação Cisco... 1 Por que Ser um Profissional Certificado... 2 CCNA 4... 3 A Carreira de Certificação Cisco... 4 Profissional de Suporte... 6 Engenheiro de Projeto...

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Guia de boas práticas para cascateamento de switches

Guia de boas práticas para cascateamento de switches Guia de boas práticas para cascateamento de switches Apresentação Este guia surgiu para melhorar o desempenho dos switches em condições externas de utilização e cascateamento. Neste material você encontrará

Leia mais

Exemplo de configuração da opção de DHCP 82 do controlador do Wireless LAN

Exemplo de configuração da opção de DHCP 82 do controlador do Wireless LAN Exemplo de configuração da opção de DHCP 82 do controlador do Wireless LAN Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Opção de DHCP 82 Configurar Configurar o controlador

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

# $ % & ' ( ) * ' ( ) *! " " Orientador +, -

# $ % & ' ( ) * ' ( ) *!   Orientador +, - #$ %&'()* '()*!"" Orientador +,- ."%&/0#12 3"/%'0)/))&/ )4506 7" %/0)/))&/ 8906 8)) :"'/0)/))&/ '% '); Um roteador recebe em alguma de suas interfaces um pacote vindo da rede local ou da rede externa.

Leia mais

Código de Barras Dinâmico FS162

Código de Barras Dinâmico FS162 Código de Barras Dinâmico FS162 Sistema: Futura Server Caminho: Etiquetas >Produto>Código de barras dinâmico Referência: FS162 Versão: 2016.05.09 Como Funciona: Esta tela é utilizada para gerar e imprimir

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Nível de rede Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Nível de rede Aula 6 Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Protocolo nível de aplicação Protocolo nível

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 06 Elementos de Interconexões

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta. CST em Redes de Computadores

Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta. CST em Redes de Computadores Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta CST em Redes de Computadores Introdução Computadores Computadores são compostos, basicamente, de CPU, memória e dispositivos de entrada e saída

Leia mais

Este artigo é um em uma série para auxiliar na instalação, no troubleshooting e na manutenção de produtos Cisco Small Business.

Este artigo é um em uma série para auxiliar na instalação, no troubleshooting e na manutenção de produtos Cisco Small Business. Índice Introdução Como posso eu estabelecer um roteador VoIP da empresa de pequeno porte de Cisco usando o serviço de Internet DSL? Informações Relacionadas Introdução Este artigo é um em uma série para

Leia mais

DEDICATÓRIA. COMO UTILIZAR ESTE LIVRO vii ÍNDICE... 1 - INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMUNICAÇÃO... 1

DEDICATÓRIA. COMO UTILIZAR ESTE LIVRO vii ÍNDICE... 1 - INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMUNICAÇÃO... 1 índice DEDICATÓRIA v COMO UTILIZAR ESTE LIVRO vii ÍNDICE...... ix 1 - INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMUNICAÇÃO...... 1 Introdução 1 Redes de Comunicação 2 Arquitectura de Comunicação OSI 4 Funcionamento do Modelo

Leia mais

Guia Planejando a Infra-estrutura de Rede Privada TCP/IP

Guia Planejando a Infra-estrutura de Rede Privada TCP/IP Guia Planejando a Infra-estrutura de Rede Privada TCP/IP Sumário Introdução... 2 Definindo a Classe IP... 2 Modelo de Rede Privada 1 Única Rede... 4 Etapas... 4 Configurações da Rede Privada... 4 Roteador...

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Índice. Introdução. Pré-requisitos. Configuração. Requisitos. Componentes Utilizados. Crie alguns usuários de teste no ACS

Índice. Introdução. Pré-requisitos. Configuração. Requisitos. Componentes Utilizados. Crie alguns usuários de teste no ACS Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Configuração Crie alguns usuários de teste no ACS Estabelecendo elementos da política e perfis do shell Criando o perfil nivelado do acesso

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 10 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Objetivos: Ativar e gerenciar compartilhamentos locais e remotos; Ativar e gerenciar o sistema de arquivos distribuídos (DFs); Gerenciar compartilhamentos ocultos;

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Modem e Rede Local Guia do Usuário

Modem e Rede Local Guia do Usuário Modem e Rede Local Guia do Usuário Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso. As únicas garantias para produtos

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Licenciatura em Engenharia Informática 1. Tecnologias WAN.

Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Licenciatura em Engenharia Informática 1. Tecnologias WAN. Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, Licenciatura em Engenharia Informática 1 Tecnologias WAN (Dezembro 2009) Autor: José Afonso Esteves Janeiro Resumo- Este relatório

Leia mais

Virtual Local Area Network VLAN

Virtual Local Area Network VLAN Virtual Local Area Network VLAN 1 Domínios de broadcast com VLANs e Roteadores Permite a criação de Redes Lógicas distintas e independentes em uma mesma rede física Configuração por software (Switch) Hosts

Leia mais

Digitalizando e enviando por e mail

Digitalizando e enviando por e mail Digitalizando e enviando por e mail Você pode digitalizar documentos e enviar a imagem digitalizada para vários destinos do equipamento por email. Para digitalizar e enviar uma imagem como um anexo de

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores O problema fundamental da comunicação é reproduzir em um ponto exatamente ou aproximadamente

Leia mais

- Manual tocou.com - Anunciantes

- Manual tocou.com - Anunciantes - Manual tocou.com - Anunciantes Este manual se destina aos anunciantes que utilizam ou desejam utilizar o tocou.com. 2009 SUMÁRIO Apresentação... 2 Tipos de contas de usuários do tocou.com... 3 Requisitos

Leia mais

APRESENTAÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

APRESENTAÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 2000 APRESENTAÇÃO Parabéns! Você acaba de adquirir um produto Leucotron, construído sob as normas ISO 9001 com tecnologia de ponta, aprovado de acordo com as normas de telecomunicações vigentes. Este Manual

Leia mais

Como Instalar Nagios 4 E Monitorar Seus Servidores no Ubuntu 14 Introdução

Como Instalar Nagios 4 E Monitorar Seus Servidores no Ubuntu 14 Introdução Nagios e NRPE Como Instalar Nagios 4 E Monitorar Seus Servidores no Ubuntu 14 Introdução Neste tutorial, cobriremos a instalação do Nagios 4, um sistema de monitoramento de código livre muito popular,

Leia mais

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local.

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1. Introdução 1.1. - Conceitos REDES LOCAIS Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1 1.2. Tipos de Aplicações As Redes Locais têm em geral

Leia mais

Manual de instalação do Microsoft SQL Server 2008 R2 Express no Windows 10

Manual de instalação do Microsoft SQL Server 2008 R2 Express no Windows 10 Manual de instalação do Microsoft SQL Server 2008 R2 Express no Windows 10 1-Antes de iniciar a instalação do SQL é necessário liberar as permissões do usuário para evitar erro, para realizar esse procedimento

Leia mais

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Laboratório de IER 7 o experimento Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Introdução LANs Ethernet (padrão IEEE 802.3 e extensões) atualmente são construídas com switches

Leia mais

Endereçamento IP: introdução. Sub-redes. interface: conexão entre hospedeiro/ roteador e enlace físico. O que é uma sub-rede?

Endereçamento IP: introdução. Sub-redes. interface: conexão entre hospedeiro/ roteador e enlace físico. O que é uma sub-rede? Endereçamento IP: introdução endereço IP: identificador de 32 bits para interface de hospedeiro e roteador interface: conexão entre hospedeiro/ roteador e enlace físico roteadores normalmente têm várias

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Projeto de datacenters Instituto Federal de Alagoas. Prof. Esp. César Felipe G. Silva

Projeto de datacenters Instituto Federal de Alagoas. Prof. Esp. César Felipe G. Silva Instituto Federal de Alagoas Projeto de datacenters Conceito de datacenter Ao pé da letra significa centro de dados Na verdade trata-se de um ambiente com acesso e climatização controlados Nele encontramos

Leia mais

Procedimentos para configuração do DWL-G700AP em modo Access Point

Procedimentos para configuração do DWL-G700AP em modo Access Point 1 Procedimentos para configuração do DWL-G700AP em modo Access Point No modo Access Point o DWL-G700AP se conecta a várias máquinas, sejam elas notebooks ou desktops com adaptador wireless. Nesse Manual

Leia mais

Laboratório nº 5 FUNCIONAMENTO DO ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL

Laboratório nº 5 FUNCIONAMENTO DO ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL D E P A R T A M E N T O D E E N G E N H A R I A I N F O R M Á T I C A L i c e n c i a t u r a e m J o g o s D i g i t a i s e M u l t i m é d i a T e c n o l o g i a I n f o r m á t i c a e d e C o m u

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

TXA100 Kit Configurador KNX Easy Guia rápido

TXA100 Kit Configurador KNX Easy Guia rápido TXA100 Kit Configurador KNX Easy 09/2015 6LE001660A 1. PRIMEIRA INICIALIZAÇÃO... 3 1.1 LIGAÇÃO DA MALETA... 3 1.2 INSTALAÇÃO DO LAUNCHER... 4 1.3 SELEÇÃO DA REDE WI-FI... 4 1.4 INICIALIZAÇÃO DO SOFTWARE...

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Laboratório 4.2.9d Fluke LinkRunner Testes de LAN

Laboratório 4.2.9d Fluke LinkRunner Testes de LAN Laboratório 4.2.9d Fluke LinkRunner Testes de LAN Objetivo Familiarizar-se com as capacidades do Fluke LinkRunner Determinar se um cabo de acesso está ativo Identificar a velocidade, capacidades duplex

Leia mais

4. Configuração da interface no software megadmx

4. Configuração da interface no software megadmx Manual interface megadmx USB INPUT Autor: Luís Augusto Spranger (www.megadmx.com) data: 17.03.2008 / revisão: 12.01.2010 2006 2009 megadmx Índice 1. Introdução...1 2. LEDS indicadores...1 3. Drivers USB...1

Leia mais

Instalando e configurando Cisco IP SoftPhone no PC cliente

Instalando e configurando Cisco IP SoftPhone no PC cliente Instalando e configurando Cisco IP SoftPhone no PC cliente Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Antes de Começar Software da transferência de Cisco.com Instale

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Backup do Banco Sybase Passo a Passo

Backup do Banco Sybase Passo a Passo Backup do Banco Sybase Passo a Passo O backup do Sybase é feito por meio da execução de um utilitário do próprio Sybase. Os parâmetros que controlam o funcionamento deste utilitário podem ser definidos

Leia mais

MS1122 v3.0 Instalação e Considerações Importantes

MS1122 v3.0 Instalação e Considerações Importantes MS1122 v3.0 Instalação e Considerações Importantes O conteúdo deste documento é destinado a quem já possui algum conhecimento e deseja utilizar algumas REDEs comerciais disponíveis... V3.0 R2 Operadoras

Leia mais

Aula 12 Protocolo de Roteamento EIGRP

Aula 12 Protocolo de Roteamento EIGRP Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 12 Protocolo de Roteamento EIGRP 2014/1 09/06/14 1 2 de 34 Introdução Em 1985 a Cisco criou o IGRP em razão das

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 03 Visão Geral da

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Manual do KUser. Matt Johnston Revisão: Lauri Watts Revisão: Jonathan Singer Tradução: Marcus Gama

Manual do KUser. Matt Johnston Revisão: Lauri Watts Revisão: Jonathan Singer Tradução: Marcus Gama Matt Johnston Revisão: Lauri Watts Revisão: Jonathan Singer Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Iniciando 5 2 Utilização 6 2.1 Janela principal....................................... 6 2.2 Propriedades

Leia mais

Como configurar Conexão Remota no SQL Server 2005/2008

Como configurar Conexão Remota no SQL Server 2005/2008 Como configurar Conexão Remota no SQL Server 2005/2008 Passo 1: Para permitir que computadores acessem instâncias do SQL Server em outra máquina, a primeira coisa a ser feita é uma configuração na instância

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Número máximo da interface e subinterfaces para o Roteadores do Cisco IOS: Limites de IDB

Número máximo da interface e subinterfaces para o Roteadores do Cisco IOS: Limites de IDB Número máximo da interface e subinterfaces para o Roteadores do : Limites de IDB Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Número máximo de interfaces

Leia mais

GATEPLUS SISTEMA HOTSPOT DE GESTÃO E CONTROLE DE INTERNET

GATEPLUS SISTEMA HOTSPOT DE GESTÃO E CONTROLE DE INTERNET GATEPLUS 2.2 - SISTEMA HOTSPOT DE GESTÃO E CONTROLE DE INTERNET O GATEPLUS 1.5 POSSUI SISTEMA DE CONTROLE DE USUÁRIOS, PODE SER INTEGRADO AOS PRINCIPAIS PMS S ASSOCIANDO TARIFAS PAGAS OU GRÁTIS DE INTERNET

Leia mais

Assuma o controle da produção dos seus documentos e dos custos

Assuma o controle da produção dos seus documentos e dos custos i W A c c o u n t i n g M a n a g e r Versão 5. Assuma o controle da produção dos seus documentos e dos custos O iw Accounting Manager Coloca você no Controle Qualquer organização profissional, associação

Leia mais

Firewall. Andrei Jean Fabio Garzarella William Passig

Firewall. Andrei Jean Fabio Garzarella William Passig Firewall Andrei Jean Fabio Garzarella William Passig O que é? Firewall por Hardware Firewall por Software Camadas OSI Como funciona? Regras e Ações Tipo de Firewall Agenda O que é? Firewall é uma solução

Leia mais

Network Camera. Guia do SNC easy IP setup Versão de software 1.0 Antes de operar o aparelho, leia todo este manual e guarde-o para referência futura.

Network Camera. Guia do SNC easy IP setup Versão de software 1.0 Antes de operar o aparelho, leia todo este manual e guarde-o para referência futura. 4-441-095-71 (1) Network Camera Guia do SNC easy IP setup Versão de software 1.0 Antes de operar o aparelho, leia todo este manual e guarde-o para referência futura. 2012 Sony Corporation Índice Salvar

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes na Placa de 8 I/Os Ethernet suporte@cerne-tec.com.br www.cerne-tec.com.br Sumário 1. Reconhecendo o Kit 03 2. Reconhecendo a Placa de I/O Ethernet 04 3. Entradas

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Extensão de linhas analógicas Configuração de extensão de linhas analógicas sobre IP com os GATEWAYS FXO & FXS.

Extensão de linhas analógicas Configuração de extensão de linhas analógicas sobre IP com os GATEWAYS FXO & FXS. Configuração de extensão de linhas analógicas sobre IP com os GATEWAYS FXO & FXS. Descrição: No diagrama, usuários remotos em Fortaleza tem telefones analógicos conectados ao GXW400x (portas FXS), enquanto

Leia mais

Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso.

Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso. Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso. Objetivo: Construção de uma ferramenta capaz de auxiliar a construção de modelos de casos de uso de sistemas,

Leia mais

Introdução. Modelo de um Sistema de Comunicação

Introdução. Modelo de um Sistema de Comunicação I 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores Introdução FEUP/DEEC/CDRC I 2002/03 MPR/JAR Modelo de um Sistema de Comunicação» Fonte gera a informação (dados) a transmitir» Emissor converte os dados

Leia mais

Data and Computer Network Subnet-Mask & Routing

Data and Computer Network Subnet-Mask & Routing Subnet-Mask & Routing Prof. Doutor Felix Singo Ass. Velito Gujamo 1 Máscara de sub-rede Data and Computer Network Ao configurar o TPC/IP, além do endereço IP é preciso informar também o parâmetro da máscara

Leia mais

A camada de Enlace. Serviços e Protocolos

A camada de Enlace. Serviços e Protocolos A camada de Enlace Serviços e Protocolos Camada de Enlace Segunda camada do modelo OSI Primeira Camada do Modelo TCP/IP Modelo OSI Modelo TCP/IP Aplicação Apresentação Aplicação Sessão Transporte Rede

Leia mais

Conhecer algumas funcionalidades do software VMware Player e do sistema operacional

Conhecer algumas funcionalidades do software VMware Player e do sistema operacional ROTEIRO: CONFIGURANDO O WINDOWS 7 OBJETIVO Conhecer algumas funcionalidades do software VMware Player e do sistema operacional Windows 7. INTRODUÇÃO Devido à necessidade de de auxilio nesta configuração.

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DOS ACCESS POINT EM MODO AP REPEATE (REPETIDOR) TL-WA501G E TL-WA601G. Roteadores Versão:

CONFIGURAÇÃO DOS ACCESS POINT EM MODO AP REPEATE (REPETIDOR) TL-WA501G E TL-WA601G. Roteadores Versão: CONFIGURAÇÃO DOS ACCESS POINT EM MODO AP REPEATE (REPETIDOR) TL-WA501G E TL-WA601G Roteadores Versão: 080429 CONECTANDO O PONTO DE ACESSO 1. Primeiro, conecte o cabo de força no painel traseiro do TL-WA501G.

Leia mais

Este documento é uma introdução ao sistema de Unified Computing (UCS) mini.

Este documento é uma introdução ao sistema de Unified Computing (UCS) mini. Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Configurar Recursos suportados Recursos não suportados: Novos recursos: Configurando portas unificadas (portas 4*10G) Trocas FI a. Trocas válidas b. Trocas inválidas

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE GLOBUS NAS ESTAÇÕES DE TRABALHO

CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE GLOBUS NAS ESTAÇÕES DE TRABALHO Revisão: 17/jun/2009 Página: 1 de 28 CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE GLOBUS NAS ESTAÇÕES DE TRABALHO BgmRodotec Tecnologia e Inteligência para o Transporte Revisão: 17/jun/2009 Página: 2 de 28 ÍNDICE Instalação

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão Arquitetura TCP/IP Apresentado por: Ricardo Quintão Roteiro Conexões Inter-redes Serviço Universal Rede Virtual (inter-rede ou internet) Protocolos para ligação inter-redes (TCP/IP) Divisão em camadas

Leia mais

Introdução ao Roteamento

Introdução ao Roteamento Carlos Gustavo Araújo da Rocha Imagine o seguinte cenário IP= 10.0.0.15 Mask = End. Rede = 10.0.0.0 IP= 10.0.1.231 Mask = End. Rede = 10.0.1.0 Ethernet Roteamento Neste caso as duas estações estão em redes

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS REFERÊNCIA C DURAÇÃO 90 MINUTOS Switching

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS REFERÊNCIA C DURAÇÃO 90 MINUTOS Switching Switching 1. Responda Verdadeiro (V) ou Falso (F) a cada uma das seguintes afirmações: a) É possível inibir o acesso remoto a um switch Cisco através de uma ACL b) É possível fazer a autenticação num switch

Leia mais

Gerenciamento de Redes: Protocolo SNMP

Gerenciamento de Redes: Protocolo SNMP Gerenciamento de Redes: Protocolo SNMP Protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol Protocolo Simples de Gerência de Rede) é um protocolo usado para gerenciar redes TCP/IP complexas. Com

Leia mais

Informática Léo Matos Exercícios

Informática Léo Matos Exercícios 1 É PROIBIDO REPRODUZIR OU COMERCIALIZAR www.estudioaulas.com.br 1. (IDECAN 2014 COLÉGIO PEDRO II) Observe a imagem de uma planilha do BrOffice Calc. Assinale o valor gerado em G1, resultado da fórmula

Leia mais

BACKBONE e LANS VIRTUAIS. Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio

BACKBONE e LANS VIRTUAIS. Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio BACKBONE e LANS VIRTUAIS Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio Redes Backbone Um backbone permite que diversas LANs possam se conectar. Em uma backbone de rede, não há estações diretamente conectadas ao

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios Redes de Computadores I Gabarito da Lista de Exercícios 1) Uma rede comutada por circuitos cobra R$ 0,50 por minuto de utilização, comporta até 1000 circuitos simultâneos com capacidade de 64 kbps (cada)

Leia mais

Gerente 6.x das comunicações unificadas: Crie uma imagem de fundo personalizada para o Cisco IP Phone

Gerente 6.x das comunicações unificadas: Crie uma imagem de fundo personalizada para o Cisco IP Phone Gerente 6.x das comunicações unificadas: Crie uma imagem de fundo personalizada para o Cisco IP Phone Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Configurar Crie os arquivos

Leia mais

1. Após o boot se completar, será exibida a tela de inicial do Redo exibida abaixo, onde o usuário deverá escolher a opção Start Redo Backup.

1. Após o boot se completar, será exibida a tela de inicial do Redo exibida abaixo, onde o usuário deverá escolher a opção Start Redo Backup. RESTAURAÇÃO DE COMPUTADORES PREGÃO 83/2008 UTILIZANDO REDO BACKUP 1) RESTAURAÇÃO ATRAVÉS DE DISPOSITIVO USB COM IMAGEM DO SISTEMA O processo de restauração de imagem nos multiterminais deve ser feito utilizando-se

Leia mais

Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência. Thiago Leite

Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência. Thiago Leite Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência Thiago Leite thiago.leite@udf.edu.br As redes são organizadas em camadas Forma de reduzir a complexidade Um conjunto de camadas

Leia mais

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

DVR com mensagem no monitor Fora de escala ou Video is out of range ou unscaled

DVR com mensagem no monitor Fora de escala ou Video is out of range ou unscaled Para quais modelos de produtos as informações servem? SE104,SE108, SE116, SE204,SE208, SE216, SE404, SE408, SE416 Qual o objetivo do material? Quando o monitor não mostrar a imagem do DVR, aparecer a mensagem

Leia mais

Sistema de Gestão de Banco de Dados SGBD. David Fernandes França

Sistema de Gestão de Banco de Dados SGBD. David Fernandes França Sistema de Gestão de Banco de Dados SGBD David Fernandes França dffranca@gmail.com Desenvolvimento Bancos de Dados Através de Projeto de Dados O projeto de dados é o processo de identificar e formalizar

Leia mais

MANUAL PARA ACESSO AO TSWEB ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER VERSÃO 11

MANUAL PARA ACESSO AO TSWEB ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER VERSÃO 11 Para executar o Sistema de Controle Acadêmico (SCA) sobre o navegador Internet Explorer versão 11, tanto na rede interna ou externa ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará, é necessário

Leia mais

Verificando a Especificação de Nome de Usuário e de Senha para a Configuração do Cliente Cisco IP SoftPhone

Verificando a Especificação de Nome de Usuário e de Senha para a Configuração do Cliente Cisco IP SoftPhone Verificando a Especificação de Nome de Usuário e de Senha para a Configuração do Cliente Cisco IP SoftPhone Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Especificando o

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Fundamentos de Redes e Sistemas Distribuídos Aula 03 Camadas

Fundamentos de Redes e Sistemas Distribuídos Aula 03 Camadas Fundamentos de Redes e Sistemas Distribuídos Aula 03 Camadas Prof. Dr. Rodrigo Clemente Thom de Souza Camada de Aplicação É a única camada vista pela maioria dos usuários!!! Objetivo: Fornecer serviços

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

1. Monitorização. Índice. 1.1 Principais pontos críticos Pontos críticos directos

1. Monitorização. Índice. 1.1 Principais pontos críticos Pontos críticos directos Monitorização e Gestão do Servidor de Email ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ Índice 1. Monitorização...1 1.1 Principais

Leia mais