O PROCESSO DE VALIDAÇÃO DA GESTÃO DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA MILITAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROCESSO DE VALIDAÇÃO DA GESTÃO DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA MILITAR"

Transcrição

1 O PROCESSO DE VALIDAÇÃO DA GESTÃO DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA MILITAR Milton José Gonçalo de Oliveira, M.Sc. (CEPPEV) Anselmo Alves Bandeira, D. Sc. (Personnalité Gestão Empresarial) Resumo Em um ambiente em que a informação tornou-se um bem comum e a sociedade está cada dia mais consciente dos seus direitos, deve o Estado alinhar-se com as expectativas dos seus cidadãos. Uma das ferramentas utilizadas para se verificar a eficácia e a eficiência de uma organização, seja ela pública ou privada, é por meio da auto-avaliação com base no Modelo de Excelência em Gestão e, posteriormente, sua validação por um órgão certificador. Quando a validação atinge valores elevados, a organização pode procurar na sociedade o reconhecimento em forma de prêmios, como no caso da organização aqui relatada.

2 I -Introdução Segundo Oliveira (2006), apesar do uso de sistemas de qualidade não ser novidade em organizações públicas militares, a adoção de um modelo comum a outros segmentos da iniciativa pública e privada constitui-se em uma realidade recente. Com a Portaria nº 348, de 01 de julho de 2003, do Comandante do Exército (Brasil, 2003), institui-se na Força Terrestre uma política específica para a implantação do Programa Excelência Gerencial do Exército Brasileiro (PEG-EB). Este programa, baseado nos Fundamentos da Excelência em Pública (Brasil, 2006), visa aumentar a operacionalidade da Força Terrestre (GESPÚBLICA, 2006). O PEG-EB está alinhado com o Programa Nacional da Gestão Pública e Desburocratização (GESPÚBLICA) e com a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), dentre outras (Brasil, 2006a). Suas ações se caracterizam por serem voltadas para a otimização dos processos, o gerenciamento de projetos e o permanente estímulo para a motivação de todos os integrantes do Exército (Brasil, 2006a). Por visar produzir os resultados similares aos da iniciativa privada no que compete à gestão (satisfação do cliente, melhoria dos processos, redução dos custos e satisfação das pessoas), é uma conseqüência natural que as organizações públicas procurem ao alcançarem esses resultados um reconhecimento externo pelo seu esforço. Do universo de instituições certificadoras no país, dois deles se destacam para a realidade da organização em pauta: o Prêmio Nacional da Gestão Pública e o Prêmio Gestão Qualidade Bahia. O presente trabalho apresenta um relato sobre a participação no processo de premiação do segundo prêmio. II -A organização pública O 35º Batalhão de Infantaria (35º BI) é uma Organização Militar (OM) do Exército Brasileiro sediada em Feira de Santana-Bahia e, dentre as outras sediadas na Bahia, foi escolhida para participar deste processo por possuir as seguintes características: -ter uma equipe de qualidade na qual seus membros tinham mais de um ano na função; -estar num processo de melhoria da gestão desde 2003; -ter mudado seu mais alto dirigente (comandante) recentemente; -ter obtido uma pontuação alta nos critérios 1 a 6 do Modelo de Excelência em Gestão Pública na auto-avaliação do ciclo de 2004; -ter obtido uma pontuação baixa no critério 7 (resultados) no mesmo ciclo. Analisando-se estas características, chegou-se à conclusão de que a organização escolhida reunia condições ideais para participar de um processo de validação externa: havia uma cultura de excelência em gestação, uma equipe motivada, processos definidos apesar de não registrar seus resultados com freqüência e um gestor ávido por resultados. III -A busca pela excelência Escolhida a OM a ser participar do processo de validação externa, o segundo passo foi designar um consultor interno para auxiliar a equipe de qualidade do 35º BI na fase de autoavaliação. A escolha recaiu sobre um oficial que já possuía experiência na avaliação da gestão que coordenava a Assessoria de Gestão do Comando da 6ª Região Militar, Grande Comando enquadrante do 35º BI. A intervenção do consultor no processo de preparação para a validação externa baseou-se

3 em Foguel & Souza (1985), constituído de cinco fases: contato, diagnose, planejamento, ação e desengajamento. A seqüência dessa intervenção está demonstrada na figura 1. Após reuniões entre o consultor e os membros da equipe de qualidade, levantaram-se fatores críticos para o sucesso (FCS) do empreendimento: -comprometimento da alta administração; -local adequado para trabalho da equipe da qualidade; -fácil acesso às informações da organização; -conhecimento do Modelo de Excelência em Gestão pela equipe de qualidade; -escolha adequada do organismo certificador. Para cada FSC montou-se uma estratégia que assegurasse sua consecução. O comprometimento da alta administração, e em particular do comandante, foi neste caso um dos mais fáceis. Como já havia um clima favorável para a implantação de mudanças decorrentes da boa administração anterior, não foi difícil mostrar ao novo gestor a conveniência e a oportunidade de mostrar os resultados recentemente alcançados ao público externo. O local escolhido para as atividades da equipe de qualidade foi junto ao gabinete do comandante da unidade. Desta forma, a proximidade física com o número 1 tornou o processo de tomada de decisões mais célere. O acesso às informações foi resolvido de duas maneiras: com a proximidade do comandante e com o perfil dos membros da equipe de qualidade. Ela foi composta por três membros, cada um deles pertencente a um estrato hierárquico da organização. Desta forma, o fluxo de informações, formais e informais, se tornou dinâmico e eficiente. O conhecimento necessário para a equipe de qualidade desenvolver seus trabalhos foi obtido por meio de cursos de capacitação presenciais e à distância. Dentre eles, destacam-se os de Gestão

4 Pública (ministrado pelo GESPÚBLICA-BA) e o de Examinador do Prêmio Gestão Qualidade Bahia (ministrado pela ABGC). A escolha do organismo certificador foi o FCS que demandou mais estudos. Havia quatro instituições a serem escolhidas: BVQI, FNQ, GESPÚBLICA-BA e ABGC. Para definir a escolha, utilizou-se a ferramenta Matriz BASICO (Brasil, 2006c). Com ela buscou-se encontrar a solução mais equilibrada para o trinômio custos-benefícios-exeqüibilidade, além de atender às partes interessadas (pessoas e clientes). A matriz possui os seguintes itens: -Benefícios para a organização representa o impacto da solução analisada nos resultados do processo. Procura-se neste item identificar a redução de custos, o aumento da produção e a redução de defeitos advindos da solução em pauta; -Abrangência concernente às áreas e processos da organização que serão beneficiados com a solução em escolhida; -Satisfação das pessoas corresponde ao grau de satisfação a ser gerado nos integrantes da organização que tem alguma relação com o processo estudado; -Investimentos requeridos este item considera o montante dos recursos necessários para a execução da alternativa estudada; -Clientela externa satisfeita compreende o impacto exercido sobre o cidadão-usuário pela melhoria do processo em questão; -Operacionalização significa a exeqüibilidade da implantação da solução em estudo. Ela considera aspectos como: resistência à mudança; impedimentos de ordem social, cultural ou legal; domínio da tecnologia requerida para tal; simplicidade da implantação; e facilidade de uso dos pontos fortes da organização. Para cada item, atribui-se uma nota de acordo com o sentimento positivo ou negativo que expresse cada critério. Esta escala, que pode variar de 1 a 5, significa que quanto maior o sentimento positivo em relação a um determinado item, maior será o valor atribuído a ele. A tabela 1 apresenta o resultado obtido no processo de escolha do organismo certificador pela organização. Tabela 1 Matriz BASICO (baseada em Brasil (2006c. p. 5-6) Organização: 35º Batalhão de Infantaria Elaborado por: Eq Op PEG-EB/35 Data: 27-Fev-06 Processo: Organismo certificador da gestão Alternativas de solução B A S I C O Total Prio ABGC GESPÚBLICA-BA FNQ BVQI Após a análise dos dados com uso da referida ferramenta, optou-se pela ABGC (Associação Baiana para a Gestão Competitiva). As características da ABGC foram vitais para a sua escolha. Permite a utilização do modelo

5 de avaliação de 500 pontos (BRASIL, 2006a, GESPÚBLICA, 2006 e FNQ, 2006a). É uma organização com atuação na Bahia (o que minimiza os custos com deslocamento de validadores), utiliza o Modelo de Excelência em Gestão da FNQ, e é apoiada pela FIEB (Federação das Indústrias do Estado da Bahia), o que lhe dá amplo respaldo na sociedade baiana. IV -O processo de produção do relatório de gestão O levantamento dos dados para a confecção do RG (Relatório de Gestão) foi apoiado no software SISPEG. Esse software, desenvolvido pelo Exército Brasileiro, automatiza as rotinas de inserção de dados e de pontuação do nível de gestão. A figura 2 mostra a tela inicial do SISPEG. Figura 2 Tela inicial do aplicativo SISPEG Uma dificuldade surgiu durante a redação das evidências. O texto dos itens trazia várias questões em uma única pergunta, o que confundia os avaliadores e os fazia omitir determinados assuntos. Para solucionar este problema, foi elaborado um Gabarito de Idéias. A solução consistiu em desmembrar o texto de cada requisito (Brasil, 2006a) em quantas idéias fossem necessárias para facilitar o entendimento dos avaliadores. A figura 3 mostra a tela do SISPEG. Em destaque, o texto do requisito. Figura 3 Tela do aplicativo SISPEG: interface para digitação das evidências. O texto em destaque na figura 3 traz a seguinte questão: Como as principais decisões são tomadas, comunicadas e implementadas pela Alta Administração?. Percebe-se a pergunta embute três questionamentos versando sobre a tomada de decisões, a comunicação destas e a implementação das mesmas.

6 Este tipo de redação, presente tanto no modelo adotado pelo PEG-EB (GESPÚBLICA, 2006) quanto pela FNQ (FNQ, 2006a) dão margem a uma inconsistência na elaboração dos relatórios de gestão em face de possível omissão de práticas de gestão ocasionadas por leituras menos apuradas. Para reduzir a incidência de tais fatos, o texto de cada alínea de cada um dos requisitos foi separado em quantos questionamentos fossem necessários. Para fins didáticos, esses questionamentos foram batizados de idéias. A separação de todas as idéias que compõem o cabedal de assuntos devem ser detalhados no Relatório de Gestão gerou um documento de apoio que foi denominado de Gabarito de Idéias. Na Tabela 2, parte do Gabarito de Idéias é apresentada mostrando a forma de separar as idéias apresentadas. Na tabela 2 (abaixo) está exemplificada a separação das idéias contidas no requisito da alínea A, do Item 1.1 (Sistema de Liderança) do Critério 1 (Liderança). ITEM Tabela 2 Extrato do Gabarito de Idéias IDÉIA /ALÍNEA Nº DESCRIÇÃO 1 Como as principais decisões são tomadas pela Alta Administração. SIST DE LIDERANÇA A 2 3 Como as principais decisões são comunicadas pela Alta Administração. Como as principais decisões são implementadas pela Alta Administração. Como controle auxiliar, usou-se a seguinte notação na coluna Nº para se saber o grau de aderência das evidências redigidas ao modelo: X satisfazem totalmente a idéia; / satisfazem parcialmente a idéia; O não satisfazem à idéia ou não respondido. Levantadas todas as evidências, foi necessário fazer uma adaptação ao modelo escolhido. Como o software SISPEG é baseado no modelo no Modelo de Excelência em Gestão Pública (coordenado pelo GESPÚBLICA) e o processo de auto-avaliação e validação da ABGC baseia-se no Modelo de Excelência em Gestão (coordenado pela FNQ), os critérios precisaram ser equalizados. A figura 4 apresenta o modelo do GESPÚBLICA (GESPÚBLICA, 2006) com sete critérios: 1 Liderança; 2 Estratégias e Planos; 3 Cidadãos e Sociedade; 4 Informação e Conhecimento; 5 Pessoas; 6 Processos; e 7 Resultados.

7 A figura 5, apresenta o modelo da FNQ (FNQ,2006) que possui oito critérios: 1 Liderança; 2 Estratégias e Planos; 3 Clientes; 4 Sociedade; 5 Informações e Conhecimento; 6 Pessoas; 7 Processos; e 8 Resultados. A separação, pela FNQ, do critério Clientes do de Sociedade é o maior diferencial do modelo adotado pelo GESPÚBLICA. Esta situação no entanto, ao invés de causar obstáculos, cristalizou o entendimento de que, para uma organização pública, essas duas entidades não estão dissociadas. O cidadão-usuário é, segundo Brasil (2006) a pessoa física ou jurídica que demanda ou utiliza os produtos/serviços fornecidos por uma organização pública. Já a definição cidadão-usuário potencial se confunde com a de sociedade, pois também diz Brasil (2006) que ele é pessoa física ou jurídica que não demanda ou utiliza os serviços ou produtos da organização, mas integra o universo que a organização pode vir a atender. A elaboração do RG foi de total responsabilidade da organização. Ela foi precedida de uma análise do RA que apontou os principais pontos fortes e as oportunidades de melhorias detectadas. A figura 6 ilustra o processo de elaboração do RG com base nos pontos fortes e oportunidades de melhoria.

8 Figura 6 Processo de elaboração do RG a partir das evidências colhidas na auto-avaliação. A partir desses dados, as evidências descritas no RA foram transformadas em textos dissertativos, que corresponde ao formato do RG (FNQ, 2006b). O formato do RG também foi fruto de pesquisa junto a organizações que já haviam participado de processo de premiação da gestão. Após dois meses de pesquisa, foram selecionados dois RG de organizações que possuíam características similares ao 35º BI. A partir da escolha dos RG o consultor, em consenso com a equipe de qualidade, desengajou-se do processo para que não houvesse contaminação no texto produzido. Após a elaboração do texto, o RG foi enviado à ABGC. Seguiu-se então para a etapa da escolha das organizações candidatas que seriam visitadas pelas equipes de examinadores do prêmio. V -Resultados do processo de validação Além da obtenção do troféu Gestão Qualidade Bahia, nível prata ciclo 2006, o 35º BI obteve ganhos organizacionais importantes durante o processo de candidatura. Um deles foi a identificação dos seus pontos fortes e das suas oportunidades de melhorias, os quais foram hierarquizados segundo o grau de relevância de cada um deles. Assim, as decisões de melhoria (SLACK, 1997) puderam ser implementadas de acordo com a capacidade da organização. Ainda segundo o mesmo autor, a análise da importância de cada ponto forte ou oportunidade de melhoria é que balizou o montante de investimentos ou de retiradas de recursos de cada um deles. Como fruto maior desse processo pode ser definido como o conhecimento adquirido sobre a própria organização a partir da visão dos seus integrantes. Com a adoção do modelo de excelência em gestão, não só a alta administração daquela Organização Militar mas também seus integrantes passaram a ter uma visão sistêmica dos processos, dos produtos e clientes. Outro ganho significativo para a organização foi a exposição positiva da sua imagem perante a sociedade. À cerimônia de premiação estavam presentes autoridades da área de gestão de

9 diversas partes do país, além de lideranças políticas e empresariais do estado da Bahia. VI -Conclusão A validação de uma organização pública militar é um processo que traz ganhos significativos para sua alta administração, seus demais integrantes e para a sociedade. Após realizar uma auto-avaliação com uma pontuação alta, a organização achou-se em condições de ao prêmio Gestão Qualidade Bahia, e para tal, teve a ajuda de um consultor para orientar os trabalhos da equipe de qualidade e, por conseqüência, rever o andamento da própria gestão organizacional. O uso do aplicativo SISPEG para dar suporte ao processo de auto-avaliação, a orientação do consultor e o empenho de todos os integrantes da organização militar trouxeram para ela ganhos organizacionais como um maior conhecimento dos seus processos, uma definição de um sistema de medição de desempenho, além de um maior conhecimento sobre as necessidades da sociedade e dos clientes. A elaboração de uma gestão estratégica é fundamental para um direcionamento preciso de uma organização para o sucesso. Essa formulação da estratégia é constituída de cinco etapas (Bandeira, 2001): definição dos objetivos corporativos; avaliação do ambiente que circunscreve a organização e de sua capacidade de reação a ele; identificação dos critérios competitivos; delineamento das estratégias para alcance dos objetivos colimados; escolha do processo de produção. A definição dos objetivos corporativos é uma decisão tomada no nível mais alto da hierarquia corporativa. Sua descentralização não é recomendada, pois se pode subutilizar o seu espectro. O mapeamento da ambiência organizacional é feito através da auto-avaliação, com base no Modelo de Excelência em Gestão Pública. Ela vai determinar três variáveis do processo decisório: onde se quer chegar, onde se está e, conseqüentemente, qual o intervalo entre esses dois extremos. Na execução da estratégia, dois aspectos devem ser observados: se a implementação está sendo fiel ao que fora planejado e se os resultados logrados são os mesmos pleiteados pela estratégia (Muralidharan, 1997, apud Bandeira, 2001). Como ferramenta auxiliar do processo está a definição dos critérios competitivos, que irão balizar a produção para que se alcance a excelência. A administração pública, apesar das diferenças conceituais da administração privada, pode utilizar-se dessas mesmas ferramentas para atingir os seus objetivos. Mais do que apontar fatores impeditivos para a sua implementação é importante descobrir pontos comuns com as empresas de sucesso que já usam esse processo de gestão. Como fatores em comuns, estão as disputas por recursos humanos e por recursos financeiros (Rowe, 2001). Como fatores limitantes, podem-se citar a grande normatização e seus múltiplos mecanismos de controle. Para o 35º Batalhão de Infantaria a experiência tem-se mostrado satisfatória à medida que

10 possibilita aos seus gestores uma radiografia precisa da administração da Unidade Militar dentro de parâmetros internacionalmente aceitos. Também se considera o fato de poder a organização se posicionar de forma precisa em uma escala de gestão e traçar uma estratégia para manter ou ampliar seus padrões de desempenho. Num mundo cada vez mais globalizado, onde os limites de atuação estão cada vez mais elásticos e os requisitos de conformidade cada vez mais exigentes, a organização pública precisa ser mais eficiente para sobreviver. E sobreviver significa ser, no mínimo, aceita pelo mercado para o qual se propõe atender. E para ser aceita é preciso hoje uma gestão estratégica eficaz e voltada para a razão de ser de qualquer organização: o seu cliente. Referências BANDEIRA, Anselmo A. Avaliação de Desempenho: uma abordagem estratégica aplicada ao controle das variáveis do setor siderúrgico, Tese (Doutorado) Departamento de Engenharia de Produção, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, p. BRASIL. Exército Brasileiro. Portaria nº 348, de 1º de julho de Boletim do Exército. Brasília, nº 27, p. 17, de 04 jul Instruções Provisórias Processo de Melhoria Contínua. Brasília. 2006a.. Instruções Provisórias de Planejamento Estratégico Organizacional. Brasília. 2006b.. Instruções Provisórias de Análise e Melhoria de Processos. Brasília. 2006c. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA; Prêmio Nacional da Gestão Pública PQGF: Instrumento para Avaliação da Gestão Pública Ciclo 2006 Brasília: MP, GESPÚBLICA, SEGES, versão 1 / FNQ -Fundação Nacional da Qualidade. Rumo à Excelência 2006 Critérios para a avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional. 1ª ed. 2006a.. Rumo à Excelência 2006 Relatórios de Gestão. Casos para estudo. 1ª ed. 2006b. FOGUEL, Sérgio; SOUZA, Carlos César. Desenvolvimento e Deterioração Organizacional. 2ª ed. São Paulo: Atlas, ROWE, W. G. Liderança estratégica e Criação de Valor. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 42, n. 1, p.7-19, jan/mar SLACK, N. Vantagem competitiva em manufatura. São Paulo: Atlas, In GIANESI, Irineu G. N., CORRÊA, Henrique Luiz. Administração estratégica de serviços: operações para satisfação do cliente. São Paulo: Atlas, 1996.

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6.

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6. Sumário Resumo de Qualificações... 2 Atuação no Mercado... 3 Formação Profissional... 5 Contatos... 6 Página 1 de 6 Resumo de Qualificações Consultora responsável pela organização e gestão da RHITSolution,

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL Conhecimento em Tecnologia da Informação Gestão de Processos Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL 2011 Bridge Consulting Apresentação É comum que as

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Núcleo Estadual GesPública RS

Núcleo Estadual GesPública RS Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA Núcleo Estadual GesPública RS Contexto do GESPÚBLICA no MINISTÉRIO Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão G E S P Ú B L I C A Conselho

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS COMO ELABORAR ORIENTAÇÕES IMPORTANTES CARTA DE SERVIÇOS. 1) Carta de Serviços. 2) Finalidades

CARTA DE SERVIÇOS COMO ELABORAR ORIENTAÇÕES IMPORTANTES CARTA DE SERVIÇOS. 1) Carta de Serviços. 2) Finalidades COMO ELABORAR CARTA DE SERVIÇOS ORIENTAÇÕES IMPORTANTES 1) Carta de Serviços É um documento elaborado por uma organização pública que visa informar aos cidadãos quais os serviços prestados por ela, como

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA IMPLANTAR AS TRANSFORMAÇÕES GERENCIAIS NAS ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS

ORIENTAÇÃO PARA IMPLANTAR AS TRANSFORMAÇÕES GERENCIAIS NAS ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS ORIENTAÇÃO PARA IMPLANTAR AS TRANSFORMAÇÕES GERENCIAIS Realização Apoio GESPÚBLICA Programa de Excelência na Gestão Pública do Estado de Goiás Orientações para implantação Goiânia - 2009 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...

Leia mais

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Condicionantes da Estrutura Organizacional De acordo com Simeray ( 1970) é produto dos seguintes fatores: O valor do homem O conhecimento

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

RUMO DAS FORMAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE DOS PROGRAMAS

RUMO DAS FORMAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE DOS PROGRAMAS Natureza Jurídica Característica da Qualidade Rio Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Rio de Janeiro Critérios de Excelência da FNQ e Norma ISO 9001:2000

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS Daniel Gueiber (UTFPR) gueiber@copel.com Cezar Augusto

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA. *Edição 2013*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA. *Edição 2013* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *Edição 2013* Participante: Cia Ultragaz S.A. Categoria: Infraestrutura Título Ultragaz na busca da excelência da Gestão Ultragaz na Busca da Excelência da Gestão Uma

Leia mais

Seminário Regional em Busca de Excelência. Programa de Excelência em Gestão SESDEC

Seminário Regional em Busca de Excelência. Programa de Excelência em Gestão SESDEC Seminário Regional em Busca de Excelência Programa de Excelência em Gestão SESDEC Criado em 2007 o PEG tem por objetivo qualificar a gestão da SESDEC utilizando os modelos preconizados pela FNQ, GESPÚBLICA

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

PRÁTICAS GERENCIAIS COMO INSTRUMENTO DE

PRÁTICAS GERENCIAIS COMO INSTRUMENTO DE PRÁTICAS GERENCIAIS COMO INSTRUMENTO DE MELHORIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE UNIDADES PÚBLICAS DE SAÚDE QUE ADOTARAM MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO VISANDO A MELHORIA NOS RESULTADOS MEIRELANE

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

38 Fórum de QPC. Realizações 2007 Seminário de Benchmarking Prêmio Realce ABGC Acontece

38 Fórum de QPC. Realizações 2007 Seminário de Benchmarking Prêmio Realce ABGC Acontece 38 Fórum de QPC Realizações 2007 Seminário de Benchmarking Prêmio Realce ABGC Acontece Perspectivas 2007 PGQB Programa de Capacitação Prêmio Realce Seminário de Excelência na Saúde Comitês Temáticos Projeto

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

Nota Técnica 2015 Fundação Nacional da Qualidade

Nota Técnica 2015 Fundação Nacional da Qualidade Nota Técnica 2015 Fundação Nacional da Qualidade As orientações aqui inseridas visam à antecipação de dúvidas que possam surgir durante o processo de avaliação. Não visam substituir ou suplantar as conclusões

Leia mais

Autoavaliação da Gestão Pública - 500 Pontos. Guia para utilização da Planilha Eletrônica

Autoavaliação da Gestão Pública - 500 Pontos. Guia para utilização da Planilha Eletrônica Autoavaliação da Gestão Pública - 500 Pontos Guia para utilização da Planilha Eletrônica Avaliar a gestão de uma organização significa verificar o grau de aderência das suas práticas de gestão em relação

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Mapeamento de processos para desenvolvimento organizacional em serviços de TI

Mapeamento de processos para desenvolvimento organizacional em serviços de TI Mapeamento de processos para desenvolvimento organizacional em serviços de TI Ângela de Moura Ferreira Danilevicz¹, Camila Fraga Serafim¹, Jussara Issa Musse² ¹ Departamento de Engenharia de Produção e

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO PÚBLICA E DESBUROCRATIZAÇÃO GESPÚBLICA

PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO PÚBLICA E DESBUROCRATIZAÇÃO GESPÚBLICA Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN 6º ENCONTRO NACIONAL DOS OBSERVATÓRIOS SOCIAIS PAINEL 1 EFICIÊNCIA DA GESTÃO MUNICIPAL PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO PÚBLICA

Leia mais

Autoavaliação da Gestão Pública - 250 Pontos. Guia para utilização da Planilha Eletrônica

Autoavaliação da Gestão Pública - 250 Pontos. Guia para utilização da Planilha Eletrônica Autoavaliação da Gestão Pública - 250 Pontos Guia para utilização da Planilha Eletrônica Avaliar a gestão de uma organização significa verificar o grau de aderência das suas práticas de gestão em relação

Leia mais

Ajudamos empresas a prosperar por meio da Excelência em Gestão

Ajudamos empresas a prosperar por meio da Excelência em Gestão Ajudamos empresas a prosperar por meio da Excelência em Gestão v5 Sobre o IPEG Organização sem fins lucrativos Fundação em 2001 Lei no 11594/2003 cria o PPQG Mais de 300 empresas reconhecidas 13 Associadas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO Emitente QUALIDADE E GESTÃO Revisão: 00 Pág. 1/5 Nome Data Elaboração Verificação Aprovação Núcleo de Gestão e Qualidade. Núcleo de Gestão e Qualidade Alta Direção (subprefeito, coordenadores, chefe de

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO

RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO 2010/2011 1. INTRODUÇÃO Nas escolas públicas portuguesas a procura da excelência é uma preocupação de longa data, uma vez que a estas compete a formação das mulheres

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

20 DICAS PARA CONTRATAR UMA EMPRESA DE CONSULTORIA

20 DICAS PARA CONTRATAR UMA EMPRESA DE CONSULTORIA 20 DICAS PARA CONTRATAR UMA EMPRESA DE CONSULTORIA Para implantar um Sistema de Gestão (Gestão por Processos, ISO 9001, SA 8000, OHSAS 18000 ou outras), muitas empresas têm recorrido aos serviços de Consultorias,

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO O mundo corporativo tem demonstrado muito interesse nos aspectos que se relacionam à adoção de metodologias de controles internos, motivado

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.4, julho-dezembro/2013 QUALIDADE TOTAL

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.4, julho-dezembro/2013 QUALIDADE TOTAL QUALIDADE TOTAL Fabiana Neves Jussara Rodrigues Menezes Faculdade Paulo Setúbal Prof. Engo. Helder Boccaletti Faculdade Paulo Setúbal, Tatuí-SP/ Fatec Itapetininga Revista Perspectiva em Educação, Gestão

Leia mais

Atualização constante, o segredo do S U C E S S O D A F N Q

Atualização constante, o segredo do S U C E S S O D A F N Q Atualização constante, o segredo do S U C E S S O D A F N Q Instituição atualiza Fundamentos da Excelência e lança produtos que ajudam empresas a melhorar seus sistemas de gestão Ao longo dos 15 anos de

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores Apresentação A Rede de Nacional de Consultores "ad hoc" do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GesPública se constitui elemento de suma importância

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

COMITÊ NACIONAL DA QUALIDADE ABES CNQA. Ata da 50ª Reunião do CNQA

COMITÊ NACIONAL DA QUALIDADE ABES CNQA. Ata da 50ª Reunião do CNQA COMITÊ NACIONAL DA QUALIDADE ABES CNQA ATA de Reunião Ata da 50ª Reunião do CNQA Local: Estação Business School - Curitiba - Paraná. Data: 23/01//2014 Horário: 14h00minh às 18h00min Coordenação: Carlos

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM

AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM Lidiane Nazaré da Silva Dias Instituto de Estudos Superiores da Amazônia

Leia mais

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD Maringá-PR Maio 2014 Prof. Evandro Paulo Bolsoni Centro Universitário de Maringá NEAD-UniCesumar evandro.bolsoni@unicesumar.edu.br

Leia mais

Planejamento Estratégico da Rede QPC

Planejamento Estratégico da Rede QPC Planejamento Estratégico da Rede QPC Projeto GERA AÇÃO FÓRUM QPC Vitória, 24 de outubro de 2006 O caminho... 1 o o ENCONTRO 24/nov/04 24/nov/04 Desafios e Oportunidades PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO LEVANTAMENTO

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

3.9 Malcolm Baldrige Award

3.9 Malcolm Baldrige Award 3.9 Malcolm Baldrige Award 3.9 Malcolm Baldrige Award (MBA) Criado pelo Congresso dos Estados Unidos em 1987, o Baldrige National Quality Program (Programa Nacional de Qualidade Baldrige) foi instituído

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS O programa irá capacitá-lo a interagir em um contexto empresarial de inúmeras transformações e mudanças, desenvolvendo competências para conhecer,

Leia mais

O&M Organizações e Métodos I

O&M Organizações e Métodos I UFF Universidade Federal Fluminense O&M Organizações e Métodos I UNIDADE I INTERODUÇÃO À O&M Fabio Siqueira 1. Apresentação do professor 2. Teste de sondagem (reconhecimento da turma) 3. Apresentação dos

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU)

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU) Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU) Alan Rodrigues da Silva Iuri Frederico de Oliveira Santos

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática

Leia mais

Palavras-chave: Gestão de qualidade, Sistema de Informação, Processo, Normas, ISO/IEC 17025

Palavras-chave: Gestão de qualidade, Sistema de Informação, Processo, Normas, ISO/IEC 17025 PROPOSTA DE MELHORIA DE QUALIDADE EM ORDENS DE SERVIÇO COM USO DE SOFTWARE APLICANDO A ISO 17025 - ESTUDO DE CASO Bruno Renato de Oliveira 1 ; Marcos Roberto Xavier Guimarães 1 ; Maxwel Silva Matos 1 ;

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Avaliação da Gestão. Bruno Carvalho Palvarini

Avaliação da Gestão. Bruno Carvalho Palvarini Avaliação da Gestão Bruno Carvalho Palvarini Departamento de Inovação e Melhoria da Gestão Secretaria de Gestão Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Origem dos Critérios de Excelência:

Leia mais

Prêmio de gestão pública estimula a qualidade no serviço público

Prêmio de gestão pública estimula a qualidade no serviço público Prêmio de gestão pública estimula a qualidade no serviço público CIRLENE LOPES Redação/Secom-MT Edson Rodrigues/Secom-MT Prêmio de Reconhecimento de Excelência em Gestão Pública em Mato Grosso Pela primeira

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME Felipe Barbetta Soares da Silva 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias Referência: CPA-002-2006 Versão: 2.0 Status: Ativo Data: 24/maio/2006 Natureza: Aberto Número de páginas: 26 Origem: Revisado por: Aprovado por: GEOPI Grupo Gestor xxx Título: Orientações gerais aos Grupos

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS 6º FÓRUM NACIONAL DE ESTRATÉGIA NA PRÁTICA & GESTÃO POR PROCESSOS Conteúdo da Apresentação Modelo de Gestão de Porto Alegre Alinhamento Planejamento Estratégico e Orçamento

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

A revolução da excelência

A revolução da excelência A revolução da excelência ciclo 2005 PNQ Foto: Acervo CPFL CPFL Paulista, Petroquímica União, Serasa e Suzano Petroquímica venceram o Prêmio Nacional da Qualidade 2005. A Albras, do Pará, foi finalista.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Oficina de Autoavaliação da Gestão Pública 500 pontos

Oficina de Autoavaliação da Gestão Pública 500 pontos Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA Oficina de Autoavaliação da Gestão Pública 500 pontos Acordos Respeitar os horários Manter o celular no modo silencioso Utilizar os intervalos

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO DE MECATRÔNICA SENAI. Centro Tecnológico de Mecatrônica SENAI

CENTRO TECNOLÓGICO DE MECATRÔNICA SENAI. Centro Tecnológico de Mecatrônica SENAI CENTRO TECNOLÓGICO DE MECATRÔNICA SENAI Centro Tecnológico de Mecatrônica SENAI Data de Fundação: 16 de novembro de 1992 Inaugurada em Caxias do Sul para dar suporte a formação de recursos humanos e tecnológicos

Leia mais