O PROCESSO DE VALIDAÇÃO DA GESTÃO DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA MILITAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROCESSO DE VALIDAÇÃO DA GESTÃO DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA MILITAR"

Transcrição

1 O PROCESSO DE VALIDAÇÃO DA GESTÃO DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA MILITAR Milton José Gonçalo de Oliveira, M.Sc. (CEPPEV) Anselmo Alves Bandeira, D. Sc. (Personnalité Gestão Empresarial) Resumo Em um ambiente em que a informação tornou-se um bem comum e a sociedade está cada dia mais consciente dos seus direitos, deve o Estado alinhar-se com as expectativas dos seus cidadãos. Uma das ferramentas utilizadas para se verificar a eficácia e a eficiência de uma organização, seja ela pública ou privada, é por meio da auto-avaliação com base no Modelo de Excelência em Gestão e, posteriormente, sua validação por um órgão certificador. Quando a validação atinge valores elevados, a organização pode procurar na sociedade o reconhecimento em forma de prêmios, como no caso da organização aqui relatada.

2 I -Introdução Segundo Oliveira (2006), apesar do uso de sistemas de qualidade não ser novidade em organizações públicas militares, a adoção de um modelo comum a outros segmentos da iniciativa pública e privada constitui-se em uma realidade recente. Com a Portaria nº 348, de 01 de julho de 2003, do Comandante do Exército (Brasil, 2003), institui-se na Força Terrestre uma política específica para a implantação do Programa Excelência Gerencial do Exército Brasileiro (PEG-EB). Este programa, baseado nos Fundamentos da Excelência em Pública (Brasil, 2006), visa aumentar a operacionalidade da Força Terrestre (GESPÚBLICA, 2006). O PEG-EB está alinhado com o Programa Nacional da Gestão Pública e Desburocratização (GESPÚBLICA) e com a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), dentre outras (Brasil, 2006a). Suas ações se caracterizam por serem voltadas para a otimização dos processos, o gerenciamento de projetos e o permanente estímulo para a motivação de todos os integrantes do Exército (Brasil, 2006a). Por visar produzir os resultados similares aos da iniciativa privada no que compete à gestão (satisfação do cliente, melhoria dos processos, redução dos custos e satisfação das pessoas), é uma conseqüência natural que as organizações públicas procurem ao alcançarem esses resultados um reconhecimento externo pelo seu esforço. Do universo de instituições certificadoras no país, dois deles se destacam para a realidade da organização em pauta: o Prêmio Nacional da Gestão Pública e o Prêmio Gestão Qualidade Bahia. O presente trabalho apresenta um relato sobre a participação no processo de premiação do segundo prêmio. II -A organização pública O 35º Batalhão de Infantaria (35º BI) é uma Organização Militar (OM) do Exército Brasileiro sediada em Feira de Santana-Bahia e, dentre as outras sediadas na Bahia, foi escolhida para participar deste processo por possuir as seguintes características: -ter uma equipe de qualidade na qual seus membros tinham mais de um ano na função; -estar num processo de melhoria da gestão desde 2003; -ter mudado seu mais alto dirigente (comandante) recentemente; -ter obtido uma pontuação alta nos critérios 1 a 6 do Modelo de Excelência em Gestão Pública na auto-avaliação do ciclo de 2004; -ter obtido uma pontuação baixa no critério 7 (resultados) no mesmo ciclo. Analisando-se estas características, chegou-se à conclusão de que a organização escolhida reunia condições ideais para participar de um processo de validação externa: havia uma cultura de excelência em gestação, uma equipe motivada, processos definidos apesar de não registrar seus resultados com freqüência e um gestor ávido por resultados. III -A busca pela excelência Escolhida a OM a ser participar do processo de validação externa, o segundo passo foi designar um consultor interno para auxiliar a equipe de qualidade do 35º BI na fase de autoavaliação. A escolha recaiu sobre um oficial que já possuía experiência na avaliação da gestão que coordenava a Assessoria de Gestão do Comando da 6ª Região Militar, Grande Comando enquadrante do 35º BI. A intervenção do consultor no processo de preparação para a validação externa baseou-se

3 em Foguel & Souza (1985), constituído de cinco fases: contato, diagnose, planejamento, ação e desengajamento. A seqüência dessa intervenção está demonstrada na figura 1. Após reuniões entre o consultor e os membros da equipe de qualidade, levantaram-se fatores críticos para o sucesso (FCS) do empreendimento: -comprometimento da alta administração; -local adequado para trabalho da equipe da qualidade; -fácil acesso às informações da organização; -conhecimento do Modelo de Excelência em Gestão pela equipe de qualidade; -escolha adequada do organismo certificador. Para cada FSC montou-se uma estratégia que assegurasse sua consecução. O comprometimento da alta administração, e em particular do comandante, foi neste caso um dos mais fáceis. Como já havia um clima favorável para a implantação de mudanças decorrentes da boa administração anterior, não foi difícil mostrar ao novo gestor a conveniência e a oportunidade de mostrar os resultados recentemente alcançados ao público externo. O local escolhido para as atividades da equipe de qualidade foi junto ao gabinete do comandante da unidade. Desta forma, a proximidade física com o número 1 tornou o processo de tomada de decisões mais célere. O acesso às informações foi resolvido de duas maneiras: com a proximidade do comandante e com o perfil dos membros da equipe de qualidade. Ela foi composta por três membros, cada um deles pertencente a um estrato hierárquico da organização. Desta forma, o fluxo de informações, formais e informais, se tornou dinâmico e eficiente. O conhecimento necessário para a equipe de qualidade desenvolver seus trabalhos foi obtido por meio de cursos de capacitação presenciais e à distância. Dentre eles, destacam-se os de Gestão

4 Pública (ministrado pelo GESPÚBLICA-BA) e o de Examinador do Prêmio Gestão Qualidade Bahia (ministrado pela ABGC). A escolha do organismo certificador foi o FCS que demandou mais estudos. Havia quatro instituições a serem escolhidas: BVQI, FNQ, GESPÚBLICA-BA e ABGC. Para definir a escolha, utilizou-se a ferramenta Matriz BASICO (Brasil, 2006c). Com ela buscou-se encontrar a solução mais equilibrada para o trinômio custos-benefícios-exeqüibilidade, além de atender às partes interessadas (pessoas e clientes). A matriz possui os seguintes itens: -Benefícios para a organização representa o impacto da solução analisada nos resultados do processo. Procura-se neste item identificar a redução de custos, o aumento da produção e a redução de defeitos advindos da solução em pauta; -Abrangência concernente às áreas e processos da organização que serão beneficiados com a solução em escolhida; -Satisfação das pessoas corresponde ao grau de satisfação a ser gerado nos integrantes da organização que tem alguma relação com o processo estudado; -Investimentos requeridos este item considera o montante dos recursos necessários para a execução da alternativa estudada; -Clientela externa satisfeita compreende o impacto exercido sobre o cidadão-usuário pela melhoria do processo em questão; -Operacionalização significa a exeqüibilidade da implantação da solução em estudo. Ela considera aspectos como: resistência à mudança; impedimentos de ordem social, cultural ou legal; domínio da tecnologia requerida para tal; simplicidade da implantação; e facilidade de uso dos pontos fortes da organização. Para cada item, atribui-se uma nota de acordo com o sentimento positivo ou negativo que expresse cada critério. Esta escala, que pode variar de 1 a 5, significa que quanto maior o sentimento positivo em relação a um determinado item, maior será o valor atribuído a ele. A tabela 1 apresenta o resultado obtido no processo de escolha do organismo certificador pela organização. Tabela 1 Matriz BASICO (baseada em Brasil (2006c. p. 5-6) Organização: 35º Batalhão de Infantaria Elaborado por: Eq Op PEG-EB/35 Data: 27-Fev-06 Processo: Organismo certificador da gestão Alternativas de solução B A S I C O Total Prio ABGC GESPÚBLICA-BA FNQ BVQI Após a análise dos dados com uso da referida ferramenta, optou-se pela ABGC (Associação Baiana para a Gestão Competitiva). As características da ABGC foram vitais para a sua escolha. Permite a utilização do modelo

5 de avaliação de 500 pontos (BRASIL, 2006a, GESPÚBLICA, 2006 e FNQ, 2006a). É uma organização com atuação na Bahia (o que minimiza os custos com deslocamento de validadores), utiliza o Modelo de Excelência em Gestão da FNQ, e é apoiada pela FIEB (Federação das Indústrias do Estado da Bahia), o que lhe dá amplo respaldo na sociedade baiana. IV -O processo de produção do relatório de gestão O levantamento dos dados para a confecção do RG (Relatório de Gestão) foi apoiado no software SISPEG. Esse software, desenvolvido pelo Exército Brasileiro, automatiza as rotinas de inserção de dados e de pontuação do nível de gestão. A figura 2 mostra a tela inicial do SISPEG. Figura 2 Tela inicial do aplicativo SISPEG Uma dificuldade surgiu durante a redação das evidências. O texto dos itens trazia várias questões em uma única pergunta, o que confundia os avaliadores e os fazia omitir determinados assuntos. Para solucionar este problema, foi elaborado um Gabarito de Idéias. A solução consistiu em desmembrar o texto de cada requisito (Brasil, 2006a) em quantas idéias fossem necessárias para facilitar o entendimento dos avaliadores. A figura 3 mostra a tela do SISPEG. Em destaque, o texto do requisito. Figura 3 Tela do aplicativo SISPEG: interface para digitação das evidências. O texto em destaque na figura 3 traz a seguinte questão: Como as principais decisões são tomadas, comunicadas e implementadas pela Alta Administração?. Percebe-se a pergunta embute três questionamentos versando sobre a tomada de decisões, a comunicação destas e a implementação das mesmas.

6 Este tipo de redação, presente tanto no modelo adotado pelo PEG-EB (GESPÚBLICA, 2006) quanto pela FNQ (FNQ, 2006a) dão margem a uma inconsistência na elaboração dos relatórios de gestão em face de possível omissão de práticas de gestão ocasionadas por leituras menos apuradas. Para reduzir a incidência de tais fatos, o texto de cada alínea de cada um dos requisitos foi separado em quantos questionamentos fossem necessários. Para fins didáticos, esses questionamentos foram batizados de idéias. A separação de todas as idéias que compõem o cabedal de assuntos devem ser detalhados no Relatório de Gestão gerou um documento de apoio que foi denominado de Gabarito de Idéias. Na Tabela 2, parte do Gabarito de Idéias é apresentada mostrando a forma de separar as idéias apresentadas. Na tabela 2 (abaixo) está exemplificada a separação das idéias contidas no requisito da alínea A, do Item 1.1 (Sistema de Liderança) do Critério 1 (Liderança). ITEM Tabela 2 Extrato do Gabarito de Idéias IDÉIA /ALÍNEA Nº DESCRIÇÃO 1 Como as principais decisões são tomadas pela Alta Administração. SIST DE LIDERANÇA A 2 3 Como as principais decisões são comunicadas pela Alta Administração. Como as principais decisões são implementadas pela Alta Administração. Como controle auxiliar, usou-se a seguinte notação na coluna Nº para se saber o grau de aderência das evidências redigidas ao modelo: X satisfazem totalmente a idéia; / satisfazem parcialmente a idéia; O não satisfazem à idéia ou não respondido. Levantadas todas as evidências, foi necessário fazer uma adaptação ao modelo escolhido. Como o software SISPEG é baseado no modelo no Modelo de Excelência em Gestão Pública (coordenado pelo GESPÚBLICA) e o processo de auto-avaliação e validação da ABGC baseia-se no Modelo de Excelência em Gestão (coordenado pela FNQ), os critérios precisaram ser equalizados. A figura 4 apresenta o modelo do GESPÚBLICA (GESPÚBLICA, 2006) com sete critérios: 1 Liderança; 2 Estratégias e Planos; 3 Cidadãos e Sociedade; 4 Informação e Conhecimento; 5 Pessoas; 6 Processos; e 7 Resultados.

7 A figura 5, apresenta o modelo da FNQ (FNQ,2006) que possui oito critérios: 1 Liderança; 2 Estratégias e Planos; 3 Clientes; 4 Sociedade; 5 Informações e Conhecimento; 6 Pessoas; 7 Processos; e 8 Resultados. A separação, pela FNQ, do critério Clientes do de Sociedade é o maior diferencial do modelo adotado pelo GESPÚBLICA. Esta situação no entanto, ao invés de causar obstáculos, cristalizou o entendimento de que, para uma organização pública, essas duas entidades não estão dissociadas. O cidadão-usuário é, segundo Brasil (2006) a pessoa física ou jurídica que demanda ou utiliza os produtos/serviços fornecidos por uma organização pública. Já a definição cidadão-usuário potencial se confunde com a de sociedade, pois também diz Brasil (2006) que ele é pessoa física ou jurídica que não demanda ou utiliza os serviços ou produtos da organização, mas integra o universo que a organização pode vir a atender. A elaboração do RG foi de total responsabilidade da organização. Ela foi precedida de uma análise do RA que apontou os principais pontos fortes e as oportunidades de melhorias detectadas. A figura 6 ilustra o processo de elaboração do RG com base nos pontos fortes e oportunidades de melhoria.

8 Figura 6 Processo de elaboração do RG a partir das evidências colhidas na auto-avaliação. A partir desses dados, as evidências descritas no RA foram transformadas em textos dissertativos, que corresponde ao formato do RG (FNQ, 2006b). O formato do RG também foi fruto de pesquisa junto a organizações que já haviam participado de processo de premiação da gestão. Após dois meses de pesquisa, foram selecionados dois RG de organizações que possuíam características similares ao 35º BI. A partir da escolha dos RG o consultor, em consenso com a equipe de qualidade, desengajou-se do processo para que não houvesse contaminação no texto produzido. Após a elaboração do texto, o RG foi enviado à ABGC. Seguiu-se então para a etapa da escolha das organizações candidatas que seriam visitadas pelas equipes de examinadores do prêmio. V -Resultados do processo de validação Além da obtenção do troféu Gestão Qualidade Bahia, nível prata ciclo 2006, o 35º BI obteve ganhos organizacionais importantes durante o processo de candidatura. Um deles foi a identificação dos seus pontos fortes e das suas oportunidades de melhorias, os quais foram hierarquizados segundo o grau de relevância de cada um deles. Assim, as decisões de melhoria (SLACK, 1997) puderam ser implementadas de acordo com a capacidade da organização. Ainda segundo o mesmo autor, a análise da importância de cada ponto forte ou oportunidade de melhoria é que balizou o montante de investimentos ou de retiradas de recursos de cada um deles. Como fruto maior desse processo pode ser definido como o conhecimento adquirido sobre a própria organização a partir da visão dos seus integrantes. Com a adoção do modelo de excelência em gestão, não só a alta administração daquela Organização Militar mas também seus integrantes passaram a ter uma visão sistêmica dos processos, dos produtos e clientes. Outro ganho significativo para a organização foi a exposição positiva da sua imagem perante a sociedade. À cerimônia de premiação estavam presentes autoridades da área de gestão de

9 diversas partes do país, além de lideranças políticas e empresariais do estado da Bahia. VI -Conclusão A validação de uma organização pública militar é um processo que traz ganhos significativos para sua alta administração, seus demais integrantes e para a sociedade. Após realizar uma auto-avaliação com uma pontuação alta, a organização achou-se em condições de ao prêmio Gestão Qualidade Bahia, e para tal, teve a ajuda de um consultor para orientar os trabalhos da equipe de qualidade e, por conseqüência, rever o andamento da própria gestão organizacional. O uso do aplicativo SISPEG para dar suporte ao processo de auto-avaliação, a orientação do consultor e o empenho de todos os integrantes da organização militar trouxeram para ela ganhos organizacionais como um maior conhecimento dos seus processos, uma definição de um sistema de medição de desempenho, além de um maior conhecimento sobre as necessidades da sociedade e dos clientes. A elaboração de uma gestão estratégica é fundamental para um direcionamento preciso de uma organização para o sucesso. Essa formulação da estratégia é constituída de cinco etapas (Bandeira, 2001): definição dos objetivos corporativos; avaliação do ambiente que circunscreve a organização e de sua capacidade de reação a ele; identificação dos critérios competitivos; delineamento das estratégias para alcance dos objetivos colimados; escolha do processo de produção. A definição dos objetivos corporativos é uma decisão tomada no nível mais alto da hierarquia corporativa. Sua descentralização não é recomendada, pois se pode subutilizar o seu espectro. O mapeamento da ambiência organizacional é feito através da auto-avaliação, com base no Modelo de Excelência em Gestão Pública. Ela vai determinar três variáveis do processo decisório: onde se quer chegar, onde se está e, conseqüentemente, qual o intervalo entre esses dois extremos. Na execução da estratégia, dois aspectos devem ser observados: se a implementação está sendo fiel ao que fora planejado e se os resultados logrados são os mesmos pleiteados pela estratégia (Muralidharan, 1997, apud Bandeira, 2001). Como ferramenta auxiliar do processo está a definição dos critérios competitivos, que irão balizar a produção para que se alcance a excelência. A administração pública, apesar das diferenças conceituais da administração privada, pode utilizar-se dessas mesmas ferramentas para atingir os seus objetivos. Mais do que apontar fatores impeditivos para a sua implementação é importante descobrir pontos comuns com as empresas de sucesso que já usam esse processo de gestão. Como fatores em comuns, estão as disputas por recursos humanos e por recursos financeiros (Rowe, 2001). Como fatores limitantes, podem-se citar a grande normatização e seus múltiplos mecanismos de controle. Para o 35º Batalhão de Infantaria a experiência tem-se mostrado satisfatória à medida que

10 possibilita aos seus gestores uma radiografia precisa da administração da Unidade Militar dentro de parâmetros internacionalmente aceitos. Também se considera o fato de poder a organização se posicionar de forma precisa em uma escala de gestão e traçar uma estratégia para manter ou ampliar seus padrões de desempenho. Num mundo cada vez mais globalizado, onde os limites de atuação estão cada vez mais elásticos e os requisitos de conformidade cada vez mais exigentes, a organização pública precisa ser mais eficiente para sobreviver. E sobreviver significa ser, no mínimo, aceita pelo mercado para o qual se propõe atender. E para ser aceita é preciso hoje uma gestão estratégica eficaz e voltada para a razão de ser de qualquer organização: o seu cliente. Referências BANDEIRA, Anselmo A. Avaliação de Desempenho: uma abordagem estratégica aplicada ao controle das variáveis do setor siderúrgico, Tese (Doutorado) Departamento de Engenharia de Produção, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, p. BRASIL. Exército Brasileiro. Portaria nº 348, de 1º de julho de Boletim do Exército. Brasília, nº 27, p. 17, de 04 jul Instruções Provisórias Processo de Melhoria Contínua. Brasília. 2006a.. Instruções Provisórias de Planejamento Estratégico Organizacional. Brasília. 2006b.. Instruções Provisórias de Análise e Melhoria de Processos. Brasília. 2006c. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA; Prêmio Nacional da Gestão Pública PQGF: Instrumento para Avaliação da Gestão Pública Ciclo 2006 Brasília: MP, GESPÚBLICA, SEGES, versão 1 / FNQ -Fundação Nacional da Qualidade. Rumo à Excelência 2006 Critérios para a avaliação do desempenho e diagnóstico organizacional. 1ª ed. 2006a.. Rumo à Excelência 2006 Relatórios de Gestão. Casos para estudo. 1ª ed. 2006b. FOGUEL, Sérgio; SOUZA, Carlos César. Desenvolvimento e Deterioração Organizacional. 2ª ed. São Paulo: Atlas, ROWE, W. G. Liderança estratégica e Criação de Valor. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 42, n. 1, p.7-19, jan/mar SLACK, N. Vantagem competitiva em manufatura. São Paulo: Atlas, In GIANESI, Irineu G. N., CORRÊA, Henrique Luiz. Administração estratégica de serviços: operações para satisfação do cliente. São Paulo: Atlas, 1996.

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Condicionantes da Estrutura Organizacional De acordo com Simeray ( 1970) é produto dos seguintes fatores: O valor do homem O conhecimento

Leia mais

38 Fórum de QPC. Realizações 2007 Seminário de Benchmarking Prêmio Realce ABGC Acontece

38 Fórum de QPC. Realizações 2007 Seminário de Benchmarking Prêmio Realce ABGC Acontece 38 Fórum de QPC Realizações 2007 Seminário de Benchmarking Prêmio Realce ABGC Acontece Perspectivas 2007 PGQB Programa de Capacitação Prêmio Realce Seminário de Excelência na Saúde Comitês Temáticos Projeto

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6.

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6. Sumário Resumo de Qualificações... 2 Atuação no Mercado... 3 Formação Profissional... 5 Contatos... 6 Página 1 de 6 Resumo de Qualificações Consultora responsável pela organização e gestão da RHITSolution,

Leia mais

Núcleo Estadual GesPública RS

Núcleo Estadual GesPública RS Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA Núcleo Estadual GesPública RS Contexto do GESPÚBLICA no MINISTÉRIO Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão G E S P Ú B L I C A Conselho

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

ANSELMO ALVES BANDEIRA INDICADORES DE DESEMPENHO: INSTRUMENTOS À PRODUTIVIDADE ORGANIZACIONAL

ANSELMO ALVES BANDEIRA INDICADORES DE DESEMPENHO: INSTRUMENTOS À PRODUTIVIDADE ORGANIZACIONAL ANSELMO ALVES BANDEIRA INDICADORES DE DESEMPENHO: INSTRUMENTOS À PRODUTIVIDADE ORGANIZACIONAL Salvador 2009 SUMÁRIO Prefácio... vi Capítulo 1 - Introdução... 1 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Justificativa...

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Sumário. Introdução... Diagnóstico... Objetivo: 100% de Aprovação... A Conquista...

Sumário. Introdução... Diagnóstico... Objetivo: 100% de Aprovação... A Conquista... Créditos Gilson Ribeiro Gomes Economista Jonatas Costa Monte Alto Administrador de Empresas Felipe Augusto da Silva Mendes - Psicólogo Bruna Albuquerque Graduanda em Administração de Empresas Sumário Introdução...

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004

XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004 Implantação e certificação do sistema de gestão da qualidade do Programa Especial de Treinamento da Engenharia de Produção da UFSC conforme a norma ISO 9001:2000 Victor Monte Mascaro Vietti (PET Produção

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA ,r Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Proposta de atualização da tabela de remuneração de pessoa física para o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Divisão de Planejamento e Projetos

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS Daniel Gueiber (UTFPR) gueiber@copel.com Cezar Augusto

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO O mundo corporativo tem demonstrado muito interesse nos aspectos que se relacionam à adoção de metodologias de controles internos, motivado

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA IMPLANTAR AS TRANSFORMAÇÕES GERENCIAIS NAS ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS

ORIENTAÇÃO PARA IMPLANTAR AS TRANSFORMAÇÕES GERENCIAIS NAS ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS ORIENTAÇÃO PARA IMPLANTAR AS TRANSFORMAÇÕES GERENCIAIS Realização Apoio GESPÚBLICA Programa de Excelência na Gestão Pública do Estado de Goiás Orientações para implantação Goiânia - 2009 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA. *Edição 2013*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA. *Edição 2013* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *Edição 2013* Participante: Cia Ultragaz S.A. Categoria: Infraestrutura Título Ultragaz na busca da excelência da Gestão Ultragaz na Busca da Excelência da Gestão Uma

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Gestão de Processos da Qualidade

Gestão de Processos da Qualidade Gestão de Processos da Qualidade WebQuest para a disciplina de Gestão de Processos e Qualidade. Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Estratégica de Negócios Unidade de São José dos Campos Elaborado por:

Leia mais

Palavras-chave: Gestão de qualidade, Sistema de Informação, Processo, Normas, ISO/IEC 17025

Palavras-chave: Gestão de qualidade, Sistema de Informação, Processo, Normas, ISO/IEC 17025 PROPOSTA DE MELHORIA DE QUALIDADE EM ORDENS DE SERVIÇO COM USO DE SOFTWARE APLICANDO A ISO 17025 - ESTUDO DE CASO Bruno Renato de Oliveira 1 ; Marcos Roberto Xavier Guimarães 1 ; Maxwel Silva Matos 1 ;

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

Bom-dia a todos! Prof. Oceano Zacharias. www.quality.eng.br 1

Bom-dia a todos! Prof. Oceano Zacharias. www.quality.eng.br 1 Bom-dia a todos! Prof. Oceano Zacharias www.quality.eng.br 1 1 ISO 9001 Sistema de Gestão da Qualidade RUMO À RECERTIFICAÇÃO Módulo 0 www.quality.eng.br 2 2 Oceano Zacharias Físico, Matemático e Engenheiro

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Metodologia de implementação e certificação ISO20.000. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Metodologia de implementação e certificação ISO20.000. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa de implementação e certificação ISO20.000 Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Por que estas organizações implementaram a ISO20.000? Alinhamento do negócio e TI Redução da exposição

Leia mais

Atualização constante, o segredo do S U C E S S O D A F N Q

Atualização constante, o segredo do S U C E S S O D A F N Q Atualização constante, o segredo do S U C E S S O D A F N Q Instituição atualiza Fundamentos da Excelência e lança produtos que ajudam empresas a melhorar seus sistemas de gestão Ao longo dos 15 anos de

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS O QUE É UM PROJETO? É um documento que organiza idéias para se realizar um empreendimento, explicitando o motivo de realizá-lo, as etapas de trabalho, as

Leia mais

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos www.tecnologiadeprojetos.com.br Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos Eduardo F. Barbosa Dácio G. Moura Material didático utilizado na disciplina Desenvolvimento de

Leia mais

Planejamento Estratégico da Rede QPC

Planejamento Estratégico da Rede QPC Planejamento Estratégico da Rede QPC Projeto GERA AÇÃO FÓRUM QPC Vitória, 24 de outubro de 2006 O caminho... 1 o o ENCONTRO 24/nov/04 24/nov/04 Desafios e Oportunidades PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO LEVANTAMENTO

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores Apresentação A Rede de Nacional de Consultores "ad hoc" do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GesPública se constitui elemento de suma importância

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Evolução Estratégica do Movimento Qualidade RS 13 anos de atividade Instalação do Programa Cumulativo Consolidação do Programa como Promotor da Causa Evolução

Leia mais

COMITÊ NACIONAL DA QUALIDADE ABES CNQA. Ata da 50ª Reunião do CNQA

COMITÊ NACIONAL DA QUALIDADE ABES CNQA. Ata da 50ª Reunião do CNQA COMITÊ NACIONAL DA QUALIDADE ABES CNQA ATA de Reunião Ata da 50ª Reunião do CNQA Local: Estação Business School - Curitiba - Paraná. Data: 23/01//2014 Horário: 14h00minh às 18h00min Coordenação: Carlos

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais