Publicado por: Programa Pró-Educação. Apoiando uma educação primária de qualidade e uma educação profissional orientada para o mercado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Publicado por: Programa Pró-Educação. Apoiando uma educação primária de qualidade e uma educação profissional orientada para o mercado"

Transcrição

1 Publicado por: Programa Pró-Educação Apoiando uma educação primária de qualidade e uma educação profissional orientada para o mercado

2 Promoção do Ensino Básico e Técnico Profissional em Moçambique No âmbito da Educação para todos, foram efectuados muitos investimentos na Educação na última década. Isto levou a um enorme aumento do número de crianças no ensino primário (5.4 milhões em 2012 contra 1.4 milhões em 1992). Apesar dos esforços do Ministério da Educação (MINED), o sistema de Educação em Moçambique apresenta ainda deficiências significativas. A fraca qualidade e a falta de relevância dos conteúdos colocam em risco o sucesso da Educação básica e técnico-profissional em Moçambique. A GIZ Pró-Educação implementa o Programa de Educação Básica e Formação Técnica e Profissional, em nome do Ministério Federal Alemão para Cooperação e Desenvolvimento Económico (BMZ). O seu programa está completamente integrado na estratégia de Educação do Governo de Moçambique e nas reformas de formação profissional. Na sua quinta fase de implementação, o Programa apoia a realização dos objectivos do Plano Estratégico da Educação ( ), para garantir que crianças, jovens e especialmente raparigas e mulheres jovens recebem Educação Básica e Técnico-Profissional de boa qualidade, orientada para a vida e para o emprego. Tanzânia Zâmbia Malawi As actividades da GIZ Pró-Educação centram-se nas províncias focais da Cooperação Alemã: Inhambane, Sofala e Manica e na capital, Maputo. Zimbabwe Os serviços prestados pelo programa são: SOFALA MANICA Oceano Índico INHAMBANE África do Sul Maputo Coordenação dos doadores e assessoria ao Ministério da Educação; Fortalecimento da administração da Educação e da gestão escolar descentralizadas; Melhoria da formação de professores do nível primário; Implementação, a título piloto, da reforma da Educação Profissional na área de manutenção industrial; Melhoria da formação e qualificação de professores da Educação Profissional; Fortalecimento da implementação do programa de HIV no Local de Trabalho no Sector da Educação. Suazilândia Resultados e experiências 1. A Planificação e gestão escolar é mais efectiva i. Os planos anuais de desenvolvimento escolar são criados a todos os níveis da administração, sendo a sua implementação monitorada e corrigida se necessário for; ii. Em muitas das escolas das três províncias focais estão a decorrer programas de desenvolvimento; iii. Em mais de dois terços das escolas, os planos de actividades são desenvolvidos e dirigidos em conjunto com os comités de escola. 2. A qualidade e a relevância do conteúdo nas aulas melhoraram i. Através da reforma na formação de professores, estão à disposição mais professores formados; ii. Os conteúdos das aulas são mais relevantes e os professores conseguem integrar assuntos relacionado com HIV/SIDA nas aulas. 3. A taxa de acesso aumentou i. Quase todas as crianças frequentam a escola primária em Sofala, Inhambane e Manica. 4. No ensino técnico, a estratégia da nova reforma permitiu a elaboração de um currículo baseado em competência para atender às demandas do mercado de trabalho. 5. Assuntos transversais, como género e HIV/SIDA, são mais tomados em conta na planificação anual a nível nacional, mas também nas províncias e sobretudo nos institutos de formação de professores.

3 Os projetos selecionados Ensino Profissional Ensino Básico Coordenação a Nível Nacional HIV no Local de Trabalho POEMA

4 Publicado por: Implementação da reforma da Educação Profissional Centros Pilotos Contextualização A economia moçambicana tem verificado um crescimento notável, sobretudo no sector de matéria-prima e nos ramos económicos a ele associados. Todavia, o sistema de Educação Profissional não está ainda em condições de formar técnicos qualificados de qualidade para responder a esta demanda. Os professores não possuem qualificação suficiente para implementarem os novos currículos ou assegurar a manutenção dos novos equipamentos. O Governo Alemão apoia o Programa Integrado de Reforma da Educação Profissional (PIREP) na área de Manutenção Industrial (electricidade, metal, mecânica, tecnologias de informação e comunicação TIC, energia renovável) nos Institutos Industriais sob tutela da DINET (Direcção Nacional do Ensino Técnico Profissional e Vocacional) e os Centros de Formação Profissional do INEFP (Instituto Nacional do Emprego e Formação Profissional) nas províncias de Maputo, Nampula e Sofala. Objectivo Introduzir nos centros-piloto formação baseada em competências nos ramos técnicos de Metal e Electrotécnica e contribuir para a criação de força de trabalho qualificada. Actividades principais 1. Desenvolvimento de capacidades das organizações executoras DINET e INEFP na condução da implementação da reforma da Educação Profissional: Assessoria e apoio técnico na planificação, monitoria e adaptação da implementação; Medidas de capacitação para pessoal técnico e dirigente da DINET e do INEFP. 2. Desenvolvimento de capacidades nos centros-piloto para a implementação da estratégia de Reforma: Assessoria e apoio ao pessoal técnico e dirigente dos centros-piloto em gestão e desenvolvimento escolar, implementação dos novos currículos, instalação, utilização e manutenção de novos equipamentos bem como na cooperação com o sector privado; Medidas de capacitação para pessoal técnico e dirigente no local de trabalho e na. 3. Elaboração de materiais didácticos e manuais, aquisição/ co-financiamento de equipamento complementar. Abordagem Na implementação da reforma estão envolvidos quadros dirigentes e técnicos (directores, direcção pedagógica, professores, etc.) dos centros piloto do programa. Aulas práticas. Fotografia: GIZ

5 Fotografia: GIZ Formação nos centros pilotos. A GIZ Pró-Educação apoia sobretudo professoras/es dos centros piloto, tendo em vista o reforço das suas capacidades didácticometodológicas, técnicas e orientadas para a acção no sentido de poderem ministrarem um ensino orientado para a práctica. O nosso conceito de assessoria centra-se na formação inicial e contínua de professores. O programa vai cooperar não só com a DINET e INEFP, mas também com o Instituto Superior Dom Bosco, a Universidade Pedagógica, a Universidade Eduardo Mondlane em Maputo e com outros institutos qualificados. Através de parcerias com o sector privado no desenho e desenvolvimento dos padrões e currículos mobilizamos novos recursos para a formação profissional e orientamos o nosso trabalho para as necessidades das empresas. Resultados e experiências 1. Professores formados (na área de Manutenção Industrial) das escolas-piloto aplicam os currículos baseados em competências. 2. Foram elaboradas novas directrizes e documentos estratégicos que, pela primeira vez, prevêem o envolvimento da economia privada e da sociedade civil na planificação e implementação da Educação Profissional. 3. As reformas já iniciadas permitem tornar as ofertas educativas mais orientadas para a realidade práctica, estando já a verificar-se uma maior demanda desta oferta melhorada. 4. Com os novos currículos, desenvolvidos conjuntamente com as empresas, é de prever que os futuros graduados consigam mais rapidamente emprego. 5. Foram instalados no Instituto Industrial, em Maputo, laboratórios exemplares para as áreas de electrónica, metalomecânica, tecnologias de informação e comunicação (TIC) e energias renováveis. 6. Um novo centro de treinamento para o ETP (Ensino Técnico Profissional) foi construído no CFP (Centro de Formação Profissional) de Inhambane no âmbito de uma aliança estratégica com a Rio Tinto, visando fornecer melhores serviços de treino técnico aos jovens. Contacto: Publicado por Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Em nome do Ministério Federal da Cooperação Económica e do Desenvolvimento (BMZ) Sedes da sociedade Bonn e Eschborn, Divisões Divisão regional / Educação e mundo digital Responsável GIZ Pró-Educação Rua Joseph Ki-Zerbo 99 Maputo, Mozambique T F Cornelia Batchi Endereços postais BMZ Bonn BMZ Berlin das sedes do BMZ Dahlmannstraße 4 Stresemannstraße Bonn Berlin T T F F Assistência editorial Nelly Guambe Composição Eva Hofmann, Katrin Straßburger, Edição de Junho 2014 A GIZ é responsável pelo conteúdo da presente publicação.

6 Publicado por: Melhoria sustentável da formação de formadores da Educação Profissional Contextualização Tal como no ensino básico, também na área da Educação Profissional os professores e outros quadros não possuem suficiente qualificação para, por exemplo, implementarem os novos currículos ou assegurarem a manutenção de novos equipamentos. Ao nível institucional, interesses divergentes por parte das instituições responsáveis pela governança da Educação Profissional conduzem a que o Sistema reaja de forma demasiado lenta à crescente demanda de pessoal técnico. A falta de coordenação entre as estruturas educativas nacionais e provinciais fortalece as dificuldades. Objectivos Melhoria da formação e qualificação de professores da Educação Profissional; Desenvolvimento de capacidades internas na Direcção Nacional de Ensino Técnico (DINET) para a coordenação da Formação de Formadores. Actividades Principais Assessoria Directa e Permanente na DINET para a Implementação do Plano Estratégico de Educação no que diz respeito à Formação de Formadores; Apoiar o Processo de Desenvolvimento Organizacional da DINET para garantir a continuidade do processo de Reforma da Educação Profissional e, sobretudo, para implementar o Plano Estratégico de Formação de Formadores; Fomentar acordos e compromissos de curto, médio e longo alcance entre os actores do sector público e privado envolvidos na Formação de Formadores; Criar condições para estabelecer um sistema eficaz de coordenação da Formação de Formadores; Criar sinergias entre a DINET, o INEFP (Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional) e o PIREP (Programa Integrado para a Reforma da Educação Profissional) por forma a garantir a implementação da Estratégia Nacional de Formação de Formadores da Educação Profissional; Expandir a Rede de Provedores de Formação de Formadores para a Educação Profissional, assim como melhorar a qualidade dos Programas Formativos. Trabalho em grupo durante a formação. Fotografia: GIZ

7 Fotografia: GIZ Formação nos centros pilotos. Abordagem Garantir o sucesso da Reforma da Educação Profissional através da qualidade na Formação de Formadores. Para este fim, o Programa pretende atingir compromissos realistas e factíveis entre todos os actores envolvidos na Formação de Formadores. Desenvolvimento de Capacidades para Implementar os Planos Estratégicos Nacionais. Tanto a DINET (do Ministério de Educação) como o INEFP (do Ministério de Trabalho) e estruturas responsáveis pela governação da Educação Profissional, precisam de se envolver em processos de Desenvolvimento Organizacional que garanta o desempenho eficaz das suas funções. Envolvimento do Sector Privado na Formação de Formadores. É necessário contar com um apoio permanente do sector privado no desenho dos programas de Formação de Formadores, sobretudo na parte da formação técnica dos formadores. Coordenação entre os diversos actores. A Educação Profissional necessita que a Formação de Formadores esteja bem estruturada e coordenada de modo a garantir a entrada no sistema de Formadores de qualidade que a nova Educação Profissional está a requerer. Contacto: Publicado por Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Em nome do Ministério Federal da Cooperação Económica e do Desenvolvimento (BMZ) Sedes da sociedade Bonn e Eschborn, Divisões Divisão regional / Educação e mundo digital Responsável GIZ Pró-Educação Rua Joseph Ki-Zerbo 99 Maputo, Mozambique T F Cornelia Batchi Endereços postais BMZ Bonn BMZ Berlin das sedes do BMZ Dahlmannstraße 4 Stresemannstraße Bonn Berlin T T F F Assistência editorial Nelly Guambe Composição Eva Hofmann, Katrin Straßburger, Edição de Junho 2014 A GIZ é responsável pelo conteúdo da presente publicação.

8 Publicado por: Aliança Estratégica com a Rio Tinto Uma aliança por uma mineração com responsabilidade social Contextualização A GIZ Pró-Educação tem vindo a prestar apoio técnico ao processo da reforma do Ensino Técnico-Profissional (ETP) com o objectivo de dotá-lo de maiores competências para melhor servir o mercado de trabalho. O apoio diz respeito à área de manutenção industrial e também à gestão escolar e formação de professores nas áreas de electricidade e metalo-mecânica. Em Junho 2013, a GIZ Pró-Educação iniciou uma parceira estra tégica de três anos com a companhia mineira Rio Tinto. O objectivo é fortalecer o desenvolvimento económico e social da população do distrito de Jangamo. Jangamo, adjacente à cidade de Inhambane, é um futuro local de extracção de areias pesadas (titânio) para a Rio Tinto. O Programa de Educação apoia o Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFP) de Inhambane no desenvolvimento de formação baseada em necessidades reais. Objectivo O objectivo é melhorar a ligação entre a procura de trabalhadores qualificados e a oferta de desenvolvimento de competências na província de Inhambane. Resultados esperados 1. Fortalecer as capacidades do INEFP de Inhambane na recolha de informação sobre o mercado; cooperação e coordenação com o sector privado; análise de demanda de trabalhadores; capacitação de trabalhadores. 2. Fortalecer capacidades e condições de formação do Centro de Formação Profissional (CFP). Aluno durante uma formação pratica. Fotografia: GIZ

9 Fotografia: GIZ Inauguração da oficina de electricidade. Actividades principais O alcance do objectivo desta aliança passa pelo: Apoio na recolha e utilização de dados e identificação de futuras tendências do mercado de trabalho no INEFP Inhambane; Identificação de necessidades de formação técnica; Apoio na implementação de cursos de formação e pela assistência na formação de formadores. Abordagem O grupo alvo são jovens entre 20 e 35 anos de idade à procura de trabalho, priorizando os jovens de Jangamo. O programa tem como foco as profissões de electricidade, electrónica e energias renováveis. Uma oficina será financiada e apetrechada com o respectivo mobiliário e equipamentos, e os cursos serão devidamente adaptados às necessidades existentes. Dentro da aliança, a GIZ Pró-Educação concentra-se no Desenvolvimento de Capacidades no INEFP e nos seus CFP s. Para isso, será utilizada assessoria de curto e de longo prazo e serão realizadas capacitações de quadros técnicos e dirigentes no local em cooperação com o Centro de Formação da Rio Tinto em Tete. Resultados e experiências Estabelecimento de uma oficina de electricidade para práticas de instalações eléctricas domésticas, Técnicas de Ajuste, Electrónica Básica e Energias Renováveis; Programa de formação e materiais para Electricidade, Electrónica e Energias Renováveis a curto prazo; Melhoria na oferta de formação do CFP Inhambane para uma melhor e mais abrangente empregabilidade dos formandos, bem como ainda uma melhoria nas oportunidades de empreendorismo e auto-emprego; Melhoria das capacidades e habilidades pedagógicas e técnicas dos formadores; Melhoria da ligação entre a procura de trabalhadores qualificados e a oferta de desenvolvimento de competências na província de Inhambane. Contacto: Publicado por Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Em nome do Ministério Federal da Cooperação Económica e do Desenvolvimento (BMZ) Sedes da sociedade Bonn e Eschborn, Divisões Divisão regional / Educação e mundo digital Responsável GIZ Pró-Educação Rua Joseph Ki-Zerbo 99 Maputo, Mozambique T F Cornelia Batchi Endereços postais BMZ Bonn BMZ Berlin das sedes do BMZ Dahlmannstraße 4 Stresemannstraße Bonn Berlin T T F F Assistência editorial Nelly Guambe Composição Eva Hofmann, Katrin Straßburger, Edição de Junho 2014 A GIZ é responsável pelo conteúdo da presente publicação.

10 Publicado por: Laboratório Informático instalado pela STRATO no Instituto Industrial de Maputo Contextualização Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC s), assim como aplicações de informação, tornam-se cada vez mais importantes em Moçambique. Para responder às necessidades, um grupo de praticantes da empresa Alemã STRATO instalou, em colaboração com a GIZ Pro-Educação o laboratório de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC s), em 2011, no Instituto Industrial de Maputo (IIM). Este laboratório tem vindo a proporcionar cursos de formação baseados no sistema operativo LINUX para uma vasta gama de estudantes. Para além de cursos de software, tem vindo também a decorrer em simultâneo, cursos de hardware no qual os participantes trabalham a parte prática de identificação de componentes nos computadores, discutem a função de cada um dos elementos, procedem à sua montagem e executam técnicas de reparação e manutenção dos mesmos. Objectivo Estabelecer no IIM cursos práticos e técnicos de formação em computação e (TIC s) para os alunos assim como qualificar seus professores. Actividades principais As principais actividades que se tem vindo a verificar neste laboratório estão relacionadas com a formação em tecnologias de informação tanto em software como em hardware. Para além desta formação, os estudantes beneficiam ainda da possibilidade de fazer pesquisas na internet relacionadas com qualquer outra actividade de estudo. Uma das tarefas prioritárias neste momento é a divulgação deste laboratório e das suas facilidades a elementos do grupo feminino, de modo a melhorar e aumentar o seu número de participações. Abordagem O laboratório permanece aberto durante três dias por semana para que os utentes possam beneficiar das facilidades proporcionadas com a utilização dos seus equipamentos. Para melhoria dos serviços prestados durante a primeira fase de formação foi contractada uma empresa local especializada neste tipo de cursos. Esta participação de uma empresa local Workshop sobre TIC s. Fotografia: GIZ

11 Fotografia: GIZ Cursos práticos de computação. foi feita mais uma vez para a consolidação da forma de ensino e aprendizagem, tendo seguidamente os cursos sido preparados e apresentados pelos professores e por um estudante universitário actualmente responsável pela manutenção do laboratório. O sistema instalado está equipado com vários programas de auxílio para estudantes na procura, identificação e exploração de materiais de estudo, e o seu servidor principal permanece em contacto a tempo inteiro com Berlim na para supervisão e controlo das actividades de formação. Resultados e experiências Até ao final do ano de 2013, receberam formação prática/teórica no referido laboratório, aproximadamente 60 estudantes. Dentro da cooperação com a STRATO, há visitas de estudo e trabalhos pela equipa instaladora do sistema durante a qual são trocadas experiências e efectuados trabalhos práticos de manutenção de redes com alunos moçambicanos. Estudantes talentosos no IIM têm a oportunidade de ganhar valiosa experiência de trabalho na STRATO. O estudante responsável pela manutenção do laboratório e o professor receberam formação em Berlim na sede da STRATO. A adesão a este tipo de formação por parte dos estudantes tem sido bastante encorajadora, e projecta-se para um futuro próximo a possibilidade de abertura de cursos para elementos da sociedade civil interessada. O projecto conjunto da STRATO e da GIZ Pró-Educação tornouse uma ideia criativa. Foi seleccionado como vencedor do prémio de inovação do Ministério Federal para a Cooperação e Desenvolvimento Económico Contacto: Publicado por Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Em nome do Ministério Federal da Cooperação Económica e do Desenvolvimento (BMZ) Sedes da sociedade Bonn e Eschborn, Divisões Divisão regional / Educação e mundo digital Responsável GIZ Pró-Educação Rua Joseph Ki-Zerbo 99 Maputo, Mozambique T F Cornelia Batchi Endereços postais BMZ Bonn BMZ Berlin das sedes do BMZ Dahlmannstraße 4 Stresemannstraße Bonn Berlin T T F F Assistência editorial Nelly Guambe Composição Eva Hofmann, Katrin Straßburger, Edição de Junho 2014 A GIZ é responsável pelo conteúdo da presente publicação.

12 Publicado por: Educação e Formação Técnico Profissional para Energias Renováveis Contextualização O Plano de Acção para a Redução da Pobreza vê no reforço da energia eléctrica um instrumento importante no apoio ao desenvolvimento económico e na redução da pobreza, nomeadamente nas zonas rurais. Grande importância tem neste contexto a promoção das energias renováveis. Aqui, a energia solar ganha cada vez mais importância. Contudo, Moçambique não possui especialistas nesta área. Por isso, a GIZ Pró-Educação apoia os Ministérios da Educação e do Trabalho na área das energias renováveis no sector de Educação e Formação Técnico-Profissional. Objectivo O objectivo do programa nesta área é a integração gradual do tema na Educação e Formação Técnico-Profissional nas ocupações de manutenção industrial através de novos módulos, capacitação de formadores e sensibilização de actores-chave do sector público e privado. Actividades principais Assessoria no desenvolvimento e implementação de novos módulos de energias renováveis para a profissões de electricista (técnico de energias renováveis); Capacitação de professores de electricidade em novas tecnologias, planificação de sistemas de energia solar, organização e realização de cursos e formações para alunos; Criação de um laboratório de formação em energias renováveis em Maputo: aquisição, instalação e uso de novo equipamento; Criação de parcerias entre o sector de Formação e Educação; Participação activa de dirigentes-chave do sector de Educação e Formação Técnico-Profissional em conferências e seminários nacionais e internacionais, facilitando o intercâmbio entre outros países e actores nacionais; Viagens de estudo; Assessoria técnica em três instituições de ensino técnicoprofissional que introduzem módulos de energias renováveis; Cooperação com ONGs, empresas, FUNAE (Fundo de Energia), associações e outros; Acompanhamento da rede alumni de energias renováveis. Experiência prática. Fotografia: GIZ

13 Fotografia: GIZ Aulas práticas. Abordagem A abordagem do programa tem duas dimensões: 1. Consciencialização e sensibilização a nível político central pelo tema com o objectivo de integrá-lo nas discussões e formulação de estratégias. 2. Realização de um exemplo prático na área de electricidade: desenvolvimento de módulos, formação de professores, criação de um laboratório de formação, gestão do laboratório, introdução dos módulos e a formação de alunos e outros. Esta abordagem permite que as experiências a nível prático sejam discutidas a nível político, servindo como exemplo de aprendizagem que pode ser adaptado e replicado a outras profissões. A cooperação com vários actores, especialmente do sector privado, é de grande importância nesta abordagem. Para este efeito o programa Pró-Educação trabalha em estreita linha com o programa multinacional AMES (Access to Modern Energy Services) que é implementado pela GIZ Moçambique. A troca de experiências com outros países da região e com a permite que os Ministérios da Educação e do Trabalho ganhem conhecimento sobre formas e fontes de energias renováveis e o seu potencial, sobre tecnologias novas, sobre a cooperação com empresas, desenvolvimento de currículos e abordagens de formação para energias renováveis. Resultados e experiências 25 Professores e técnicos de várias instituições de ensino foram formados na durante três meses; Depois de voltar para o seu país, formou-se uma rede de alumni que conseguiu até agora formar mais 25 outros professores e formadores, 500 alunos, mais de 100 membros das comunidades rurais e mais de 100 técnicos de diferentes áreas; O 1º laboratório de formação em energias renováveis foi criado no Instituto Industrial de Maputo. A gestão do laboratório, a cooperação com o sector privado e outros actores é um desafio para o Instituto; Cooperações estabelecidas entre o Instituto Industrial Maputo, a Universidade Pedagógica, FUNAE e outros; A rede alumni de energias renováveis realizou dois seminários nacionais sobre Educação para Energias Renováveis e Uso Sustentável de Energia ; A experiência de Moçambique foi apresentada em vários seminários regionais e na. Contacto: Publicado por Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Em nome do Ministério Federal da Cooperação Económica e do Desenvolvimento (BMZ) Sedes da sociedade Bonn e Eschborn, Divisões Divisão regional / Educação e mundo digital Responsável GIZ Pró-Educação Rua Joseph Ki-Zerbo 99 Maputo, Mozambique T F Cornelia Batchi Endereços postais BMZ Bonn BMZ Berlin das sedes do BMZ Dahlmannstraße 4 Stresemannstraße Bonn Berlin T T F F Assistência editorial Nelly Guambe Composição Eva Hofmann, Katrin Straßburger, Edição de Junho 2014 A GIZ é responsável pelo conteúdo da presente publicação.

14 Publicado por: Melhoria da Capacidade das Instituições Descentralizadas da Educação Contextualização Em 2001, com vista a melhorar a relação cidadão/sector Público em Moçambique, foi iniciado um processo de reforma que entre vários aspectos pretendia a aproximação dos serviços públicos ao cidadão e a tomada de decisão na base (descentralização e desconcentração). A reforma previu a criação dos governos distritais responsáveis no distrito pelas várias áreas de intervenção do Estado, entre elas a Educação. A GIZ Pró-Educação vem prestando apoio técnico e financeiro aos vários níveis e áreas do Sector da Educação. Objectivos Um dos objectivos do Programa é apoiar as instituições descentralizadas do Sector da Educação Direcção Provincial de Educação e Cultura (DPEC), Serviço Distrital de Educação, Juventude e Tecnologia (SDEJT) e os Institutos de Formação de Professores (IFP) a tornarem-se elas próprias e as suas instituições subordinadas, mais capazes para enfrentar os desafios trazidos pela reforma. Actividades principais 1. Assessoria às instituições de administração da Educação a nível provincial e distrital para: Elaboração, implementação e monitoria dos planos de Educação; Desenvolvimento organizacional; melhoria das competências administrativas e técnicas; Melhoria da gestão da planificação e financeira; Melhoria da supervisão. 2. Apoio ao Ministério da Educação no aperfeiçoamento e introdução dos módulos de capacitação e materiais de auto-aprendizagem POEMA (Planificação, Orçamentação, Execução, Monitoria e Avaliação) a nível nacional. 3. Assessoria às administrações provinciais e distritais para a melhoria das medidas de formação contínua e capacitação para pessoal das direcções das escolas na área de gestão escolar. 4. Assessoria às administrações distritais com vista a melhorarem o apoio às escolas na planificação e implementação de programas de desenvolvimento escolar. 5. Desenvolvimento de instrumentos e materiais para melhoria dos processos administrativos e de gestão a nível provincial, distrital, das ZIPs (Zonas de Influência Pedagógica) e das escolas. Alunos na sala de aula. Fotografia: GIZ

15 Fotografia: GIZ Capacitações. 6. Assessoria às instituições descentralizadas de Educação na integração de medidas de HIV/SIDA e de promoção da igualdade de género nos planos de actividades. 7. Vários instrumentos têm sido desenvolvidos conjuntamente de forma a apoiar a implementação das competências atribuídas: Módulos POEMA; Manual sobre Qualidade na escola; Manual de apoio a gestão de rotinas administrativas em recursos humanos e respectivo calendário; Manual de apoio as rotinas financeiras; Manual de apoio aos processos e actividades do serviço distrital responsável pelo sector da Educação; Caderno de registo de recomendações de supervisões, entre outros. Abordagem Os principais envolvidos são técnicos das instituições que gerem o sector da Educação a nível provincial, distrital e das instituições de formação de professores. Através deste grupo, pretende-se melhorar também o desempenho dos gestores de escolas do ensino primário, pois é na escola que o processo de ensinoaprendizagem se concretiza. Da parte do Programa de Educação foram colocadas equipas de assessores à disposição em três províncias de Moçambique (Sofala, Inhambane e Manica). Boas práticas desenvolvidas são apresentadas pela contraparte em encontros a nível nacional, ou canalizadas para o Ministério da Educação através dos escritórios do Programa em Maputo. Resultados e experiências Para medir os resultados do apoio foram definidos aspectos claros que são periodicamente medidos no terreno. A experiência mostra que os técnicos distritais já desenvolvem de forma independente e com qualidade razoável muitas das competências atribuídas. A mudança constante dos técnicos da contraparte com quem o Programa trabalha tem afectado negativamente a consolidação das capacidades das instituições. Ao nível das três províncias focais do Programa verifica-se uma melhoria na capacidade de desempenho das instituições descentralizadas (província, distrito e escola) da Educação, podendo-se notar uma melhoria da planificação e acompanhamento das actividades. Contacto: Pretende-se, com a assessoria, que a contraparte, no final do Programa, seja capaz de, por si mesma, continuar a desenvolver a sua capacidade institucional. Publicado por Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Em nome do Ministério Federal da Cooperação Económica e do Desenvolvimento (BMZ) Sedes da sociedade Bonn e Eschborn, Divisões Divisão regional / Educação e mundo digital Responsável GIZ Pró-Educação Rua Joseph Ki-Zerbo 99 Maputo, Mozambique T F Cornelia Batchi Endereços postais BMZ Bonn BMZ Berlin das sedes do BMZ Dahlmannstraße 4 Stresemannstraße Bonn Berlin T T F F Assistência editorial Nelly Guambe Composição Eva Hofmann, Katrin Straßburger, Edição de Junho 2014 A GIZ é responsável pelo conteúdo da presente publicação.

16 Publicado por: Formação de Professores do Ensino Primário Qualidade do Professor um imperativo da qualidade de Educação Contextualização O sector de Educação depende altamente de recursos humanos. Em 2009, 55 % dos trabalhadores do sector público trabalhavam no sector de Educação. Em resposta ao grande aumento de alunos foram contratados milhares de professores. Entre 1998 e 2009, o número de professores cresceu cerca de 100 %. Com vista à melhoria da qualidade do ensino, e reconhecendo que os professores são peças-chave no incremento da qualidade de Educação, o governo reformou em 2007 a formação de professores. Assim, desde 2007 que a formação de professores está a ser assegurada por uma única instituição, o Instituto de Formação de Professores (IFP), de nível médio e com entrada após a 10ª classe e um curso acelerado de um ano. A reforma previu a criação de um sistema integrado de formação inicial e capacitação contínua de professores, uma ligação entre a teoria e práctica e de introduzir um novo paradigma na formação de professores, prepará-los com competências essenciais de ensinar a saber analisar, reflectir, decidir e justificar. Objectivos Um dos objectivos do Programa é apoiar os Institutos de Formação de Professores (IFP) a tornarem-se mais capazes de formar professores competentes com conhecimentos profundos no uso de métodos de ensino participativo e centrado no aluno. Principais actividades 1. Assessoria em métodos de ensino participativo e centrado no aluno. 2. Estimular a produção e uso de material didáctico em aulas activas a partir de materiais locais. 3. Encontros de reflexão e sessões de aperfeiçoamento pedagógico. 4. Consolidação de uma estratégia de capacitação ao serviço dos gestores e professores, incluindo a elaboração de material das capacitações. 5. Elaboração de instrumentos de seguimento das capacitações. 6. Fortalecer as práticas pedagógicas e as escolas anexas como laboratório da formação. 7. Apoiar o plano de desenvolvimento institucional do IFP. 8. Fortalecer a comunicação e coordenação entre as instituições ao nível provincial e distrital. 9. Integração dos assuntos transversais HIV/SIDA, Género e Curriculum Local na formação de professores. Abordagem Os principais envolvidos são as direcções e técnicos de formação de professores das instituições que gerem o sector da Educação ao nível provincial, distrital e os formadores dos Institutos de Formação de Professores, bem como os professores das Escolas Anexas. Formação de professores. Fotografia: GIZ

17 Fotografia: GIZ Professora a ensinar. Em 2012, a Direcção Nacional de Formação de Professores (DNFP) e a GIZ Pró-Educação assinaram um Memorando de Entendimento com a finalidade de contribuir para a melhoria da qualidade do Ensino a partir da formação de professores de qualidade nas três províncias, Sofala, Inhambane e Manica e consequentemente a melhoria da qualidade do Ensino em Moçambique. Através deste grupo, pretende-se melhorar o processo de ensino-aprendizagem ao nível da escola. Da parte do Programa de Educação foi colocado uma equipa de assessores e para cada província de intervenção um Assessor de Formação de Professores para apoiar directamente a direcção dos Institutos de Formação de Professores. Resultados e experiências Reforçada a formação práctica de professores e as habilidades de uso de métodos activos e participativos; Fortalecido a produção e uso de material didáctico adaptado na formação de professores; Reforçada a supervisão das práticas pedagógicas e do acompanhamento dos formandos; Sistematização dos materiais para o Programa de Desenvolvimento Profissional Contínua (PDPC); Estabelecidas Oficinas Pedagógicas para produção de kit de materiais didácticos para o ensino inicial de matemática e leitura-escrita; Produzido um catálogo dos materiais didácticos; Desenvolvido um banco de dados de capacitações contínua de professores e directores; Fortalecidas as capacidades institucional da gestão da formação de professores; Ligação da formação inicial e contínua para a melhoria da qualidade do ensino; Troca de experiência entre IFPs inspira inovações e melhora a eficiência dos IFPs; Coordenação entre as instituições de Educação e os níveis provinciais e distritais, fundamentais para a melhoria da formação de professores. Contacto: Publicado por Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Em nome do Ministério Federal da Cooperação Económica e do Desenvolvimento (BMZ) Sedes da sociedade Bonn e Eschborn, Divisões Divisão regional / Educação e mundo digital Responsável GIZ Pró-Educação Rua Joseph Ki-Zerbo 99 Maputo, Mozambique T F Cornelia Batchi Endereços postais BMZ Bonn BMZ Berlin das sedes do BMZ Dahlmannstraße 4 Stresemannstraße Bonn Berlin T T F F Assistência editorial Nelly Guambe Composição Eva Hofmann, Katrin Straßburger, Edição de Junho 2014 A GIZ é responsável pelo conteúdo da presente publicação.

18 Publicado por: Conselho de Escolas Contextualização Nas últimas décadas, Moçambique obteve grandes progressos no alargamento do ensino primário. A taxa de matrícula escolar aumentou de 45 % em 1998 para 95 % em Não obstante todos estes sucessos, o país ainda não oferece um ensino primário satisfatório. Metade dos alunos do ensino primário abandona a escola sem concluir a 5ª classe. Também um maior acesso à Educação primária, não resultou num aumento de qualidade. Para responder aos desafios, passou-se a valorizar o envolvimento da comunidade na vida da escola. Em 2003, foi institucionalizado o Conselho de Escola (CE) e introduzido o projecto Apoio Directo às Escolas (ADE), por meio do qual as escolas recebem recursos com vista a melhorá-las. A substituição da Direcção pelo Conselho da Escola como o órgão máximo valorizou os diferentes actores envolvidos no processo educativo. Assim, o Conselho de Escola é composto por pelo menos o director da escola (único que não passa pelo processo de votação), 4 representantes dos professores, 2 representantes do pessoal, 3 representantes de pais e encarregados de educação, 2 representantes da comunidade e 3 representantes dos alunos. O Conselho de Escola está estruturado em 4 comissões: 1. Comissão de finanças, construção e produção escolar; 2. Comissão de HIV/SIDA, saneamento e saúde escolar; 3. Comissão de cultura e desporto escolar; 4. Comissão de género, órfãos e crianças vulneráveis. Os Conselhos de Escola enfrentam algumas dificuldades, como a rotatividade de 2 em 2 anos, o baixo índice de alfabetização dos seus membros, a oposição dos directores que tentam manter o seu poder e uma fraca estrutura de apoio. Objectivos A GIZ Pró-Educação apoia as estruturas provinciais e distritais de apoio ao funcionamento dos Conselhos de Escolas (CE) no seu esforço de melhorar o Processo de Ensino e Aprendizagem dos alunos e de alcançar uma Educação relevante e de qualidade. Actividades principais 1. Capacitação dos Conselhos de Escola para maior envolvimento da comunidade na vida da escola. 2. Assessoria as instituições provinciais e distritais de apoio aos Conselhos de Escolas em gestão e desenvolvimento escolar participativo. Processo de selecção o dos membros do comité. Fotografia: GIZ

19 Fotografia: GIZ Membro do comité apresenta os resultados. 3. Apoio na sistematização das informações das supervisões das escolas primárias. 4. Apoio na elaboração de instrumentos de auxílio para a gestão e desenvolvimento escolar participativo. 5. Assessoria na introdução de uma cultura de auto-avaliação no sistema nacional de indicadores e padrões de qualidades de gestão escolar. 6. Assessoria as unidades de Género na elaboração e monitora das estratégias de redução das desistências. 7. Promoção de concursos de melhor ambiente pedagógico e documentação de boas prácticas. Abordagem A GIZ Pró-Educação apoia os Conselhos de Escolas através do fortalecimento das instituições provinciais e distritais de apoio aos Conselhos de Escolas. Os principais envolvidos são os técnicos das instituições distritais que apoiam directamente as direcções de escolas e a unidade de Género ao nível provincial. Da parte do Pró-Educação foi colocada uma equipa de auxílio para: Desenvolver as capacidades das instituições provinciais e distritais de apoio aos Conselhos de Escolas; Apoiar a elaboração de instrumentos de apoio em gestão e desenvolvimento escolar participativo. Experiências e resultados Fortalecidas as capacidades das instituições provinciais e distritais que garantam que os Conselhos de Escola funcionem com participação activa dos pais e da comunidade escolar; Pais e comunidades mais preocupados com a qualidade do ensino e activos na vida da escola; Escolas com visão, planos de desenvolvimento escolar (PDE) a longo prazo e planos anuais das actividades (PdA) da escola com respectivo orçamento; Maior transparência na gestão financeira; Melhoradas infraestruturas educacionais através da participação comunitária em construções e reabilitações; Melhorado o ambiente de ensino e aprendizagem; Manuais de curriculum local com conteúdos locais para todos os distritos das três províncias; Ensino adoptado à realidade dos alunos; Supervisão e acompanhamento do funcionamento dos Conselhos de Escolas através das equipas distritais; Unidades de género activos e com estratégias locais para a redução das desistências. Contacto: Publicado por Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Em nome do Ministério Federal da Cooperação Económica e do Desenvolvimento (BMZ) Sedes da sociedade Bonn e Eschborn, Divisões Divisão regional / Educação e mundo digital Responsável GIZ Pró-Educação Rua Joseph Ki-Zerbo 99 Maputo, Mozambique T F Cornelia Batchi Endereços postais BMZ Bonn BMZ Berlin das sedes do BMZ Dahlmannstraße 4 Stresemannstraße Bonn Berlin T T F F Assistência editorial Nelly Guambe Composição Eva Hofmann, Katrin Straßburger, Edição de Junho 2014 A GIZ é responsável pelo conteúdo da presente publicação.

20 Publicado por: Fortalecimento das estruturas nacionais para a implementação do Plano de Educação Contextualização Apesar dos recentes sucessos em matéria de Educação a qualidade da mesma continua a ser fraca em Moçambique. Apenas 49 % das crianças concluem o ensino primário (45 % raparigas). Para melhorar esta situação o Ministério da Educação tem de implementar, em conjunto com os parceiros, o Plano Estratégico da Educação (PEE). O PEE é o documento orientador para a planificação e orçamentação de todas as intervenções no sector. Moçambique recebe apoio técnico e financeiro de vários parceiros. O apoio financeiro é canalizado para o Fundo de Apoio ao Sector da Educação (FASE) para realizar o plano do PEE. Objectivo O objectivo da Cooperação Alemã nesta área é o fortale-cimento das estruturas nacionais de coordenação para a implementação do PEE Actividades principais Assessoria do grupo de doadores às direcções nacionais responsáveis pela Educação básica e Educação profissional para a implementação do plano de Educação; Participação activa nos grupos de interesse Recursos Humanos, Planificação e Gestão Financeira, formação de formadores; Participação activa nas visitas conjuntas de supervisão às províncias; Assessoria no desenvolvimento de capacidades, especialmente no tema de POEMA (Planificação, Orçamentação, Execução, Monitoria e Avaliação) aos vários níveis institucionais; Compilação de boas práticas e inclusão destas na assessoria e no diálogo; Coordenação com o Banco Alemão de Desenvolvimento (KfW); Assessoria à representação do Ministério alemão para a Cooperação Económica e o Desenvolvimento. Abordagem A abordagem da GIZ Pró-Educação enquadra-se perfeitamente nos termos de referência para o Diálogo entre o Ministério da Educação e os seus parceiros. A abordagem do programa a nível central abrange duas dimensões: 1. Participação activa na coordenação dos doadores; 2. Desenvolvimento de capacidades individuais, organizacionais e institucionais. Memorando de entendimento, Plano estratégico da educação, Termos de Referência.

Moçambique Plano Estratégico 2012 2015. Moçambique Plano Estratégico

Moçambique Plano Estratégico 2012 2015. Moçambique Plano Estratégico Moçambique Plano Estratégico 2012 2015 Moçambique Plano Estratégico 2012 2015 1 Rainha Juga, beneficiaria de uma campanha de cirurgia do Hospital Central da Beira ao distrito de Gorongosa 2 Moçambique

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU A IBIS Moçambique é uma Organização Não Governamental Dinamarquesa, com sede em Maputo que trabalha em Moçambique desde 1976. As áreas temáticas actuais da

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior Autores: Maida Abdulssatar Khan, Eduardo Chiziane, Luisa Santos e

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

ESTRATÉGIA PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES GOVERNO DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES E TÉCNICOS DE EDUCAÇÃO ESTRATÉGIA PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 2004 2015 PROPOSTA DE POLÍTICAS Maputo 2004 Índice

Leia mais

O esporte tem o poder de mudar o mundo. Tem o poder de inspirar, tem o poder

O esporte tem o poder de mudar o mundo. Tem o poder de inspirar, tem o poder O esporte tem o poder de mudar o mundo. Tem o poder de inspirar, tem o poder de unir as pessoas de um jeito que poucas coisas conseguem. (Nelson Mandela) O esporte tem grande potencial para contribuir

Leia mais

Plano Estratégico da Educação 2012-2016

Plano Estratégico da Educação 2012-2016 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano Estratégico da Educação 2012-2016 - Anexo 2 - Matrizes Operacionais por Programa Agosto, 2012 PEE 2012-2016 Matrizes Operacionais Índice 1 Ensino (Pré-)

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TECNICA PARA FORMADOR/A EM COMUNICAÇÃO E VISIBILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES UE-PAANE

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

Curriculum Vitae. Luís Maria Ricardo Gujamo. Av. 24 de Julho, Cidade de Maputo (+258) 827626161 / (+258) 840150511

Curriculum Vitae. Luís Maria Ricardo Gujamo. Av. 24 de Julho, Cidade de Maputo (+258) 827626161 / (+258) 840150511 INFORMAÇÃO PESSOAL Luís Maria Ricardo Gujamo Av. 24 de Julho, Cidade de Maputo (+258) 827626161 / (+258) 840150511 luisgujamo@yahoo.com.br / lgujamo@ucm.ac.mz Sexo: Masculino Data de nascimento: 09/02/1987

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

RELATÓRIO SIMPLIFICADO DE AUDITORIA DE DESEMPENHO AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA

RELATÓRIO SIMPLIFICADO DE AUDITORIA DE DESEMPENHO AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE TRIBUNAL ADMINISTRATIVO Contadoria de Contas e Auditorias RELATÓRIO SIMPLIFICADO DE AUDITORIA DE DESEMPENHO AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA Distribuição Gratuita do Livro Escolar

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Id: 40938 (31 years)

Id: 40938 (31 years) Ver foto Id: 40938 (31 years) DADOS PESSOAIS: Gênero: Masculino Data de nascimento: 01/08/1984 País: Mozambique, Região: Maputo, Cidade: Maputo Cidade Ver CV completo Grave o CV TRABALHO DESEJADO: Objectivo:

Leia mais

OBJETIVO GERAL DA FUNÇÃO

OBJETIVO GERAL DA FUNÇÃO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO EM MOÇAMBIQUE FUNÇÃO: Técnico de Capacitação Institucional (TCI) LOCALIZAÇÃO: Moçambique, Província de Nampula DURAÇÃO: 17 meses (datas prováveis: 1 de agosto de 2015 a 31 de dezembro

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS)

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) 1 Plano Estratégico do CCM 2013 a 2017 Versão Resumida 1. ANÁLISE DO CONTEXTO 1. 1. Justiça Económica e Social A abundância dos recursos naturais constitui

Leia mais

COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO

COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO Instituição: Comissão da Bacia do Zambeze (ZAMCOM) Local de Trabalho: Harare, Zimbabwe Duração: Inicialmente um ano com possibilidade de renovação

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais TERMOS DE REFERÊNCIA Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais 1. ANTECEDENTES A Fundação IEPALA tem assinado com a Agencia Espanhola de Cooperação Internacional

Leia mais

Jornadas da Educação, 2015

Jornadas da Educação, 2015 República de Moçambique Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação Jornadas da Educação, 2015 A nossa escola por uma educação inclusiva, humanista

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ 1. SUMÁRIO EXECUTIVO O Programa Geração Biz (PGB) é um programa de promoção de Saúde Sexual e Reprodutiva e prevenção do HIV que teve o seu inicio em 1999, como um projectopiloto na Cidade de Maputo e

Leia mais

Moçambique. parcerias internacionais. Rede Bibliotecas Escolares

Moçambique. parcerias internacionais. Rede Bibliotecas Escolares Moçambique parcerias internacionais Rede Bibliotecas Escolares parcerias internacionais Moçambique Projeto de cooperação com Moçambique no âmbito das bibliotecas escolares Rede Bibliotecas Escolares Em

Leia mais

Audiência Parlamentar Internacional em Moçambique Maputo, 19 de Setembro de 2009 1. ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE Moçambique é rico em recursos energéticos, como é o caso da energia hidroeléctrica,

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Gabinete do Ministro

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Gabinete do Ministro REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Gabinete do Ministro DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DA EDUCAÇÃO, MESTRE AUGUSTO JONE LUÍS, POR OCASIÃO DA ABERTURA SOLENE DO ANO LECTIVO DE

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

Fazer da escola um polo de desenvolvimento consolidando a Moçambicanidade

Fazer da escola um polo de desenvolvimento consolidando a Moçambicanidade REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA Fazer da escola um polo de desenvolvimento consolidando a Moçambicanidade PLANO ESTRATÉGICO DE EDUCAÇÃO E CULTURA 2006 2010/11 (Versão 09/06/2006)

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004 N Ú M E R O I Série Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 DIREITOS HUMANOS A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

Leia mais

Relatório do primeiro Intercâmbio. Sul/Sul Brasil/Moçambique. projeto LigAção

Relatório do primeiro Intercâmbio. Sul/Sul Brasil/Moçambique. projeto LigAção Relatório do primeiro Intercâmbio Sul/Sul Brasil/Moçambique projeto LigAção Beira do 12 ate o 14 de outubro de 2011 Maputo do 17 ate o 20 de outubro de 2011 1. Contexto Esse evento, constitui uma das atividades

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Ministério da Educação Direcção Nacional de Alfabetização e Educação de Adultos. Estratégia de Alfabetização e Educação de Adultos

Ministério da Educação Direcção Nacional de Alfabetização e Educação de Adultos. Estratégia de Alfabetização e Educação de Adultos República de Moçambique Ministério da Educação Direcção Nacional de Alfabetização e Educação de Adultos Estratégia de Alfabetização e Educação de Adultos Maputo, Outubro de 2010 ÍNDICE PÁGINA Acrónimos

Leia mais

Ministério da Juventude e Desportos

Ministério da Juventude e Desportos Ministério da Juventude e Desportos Decreto Lei nº 7/97 Aprova o estatuto orgânico do Ministério da Juventude e Desportos e revoga toda a legislação que contrarie o presente decreto lei. Tornando se necessário

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Podíamos estar muito mais longe do que estamos, revela a Coordenadora Nacional do PAR em

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

1. Introdução. 2. Situação Actual da Área de Documentação e Arquivo

1. Introdução. 2. Situação Actual da Área de Documentação e Arquivo 1. Introdução A gestão documental e a protecção especial de documentos e arquivos são da responsabilidade do Governo, enquanto instrumento chave de apoio à administração, à cultura, ao desenvolvimento

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Gestão de Equipamentos PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Instalação e Manutenção de Equipamentos Escolas Proponentes / Autores ETAP

Leia mais

ISCTEM/UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Actualmente a frequentar o 2º Ano do Doutoramento em Direito Área de Concentração em Direito Público

ISCTEM/UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Actualmente a frequentar o 2º Ano do Doutoramento em Direito Área de Concentração em Direito Público CURRICULUM VITAE 1. DADOS BIBLIOGRÁFICOS NOME Gildo Manuel Espada DATA DE NASCIMENTO 19.02.79 NACIONALIDADE Moçambicana 2. HABILITAÇÕES ACADÉMICAS ISCTEM/UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Actualmente a frequentar

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Cooperação Financeira Oficial Moçambique/Alemanha Programa de Desenvolvimento Integrado para as Autarquias e as zonas rurais circunjacentes (PRODIA)

Cooperação Financeira Oficial Moçambique/Alemanha Programa de Desenvolvimento Integrado para as Autarquias e as zonas rurais circunjacentes (PRODIA) CONVITE PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Cooperação Financeira Oficial Moçambique/Alemanha Programa de Desenvolvimento Integrado para as Autarquias e as zonas rurais circunjacentes (PRODIA) N : 2009 67 471

Leia mais

ESTRATÉGIA DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MOÇAMBIQUE 2006 2015

ESTRATÉGIA DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MOÇAMBIQUE 2006 2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CONSELHO DE MINISTROS ESTRATÉGIA DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MOÇAMBIQUE 2006 2015 Aprovado pela 5º Sessão Ordinária do Conselho de Ministros de 14/03/06 ÍNDICE ÍNDICE...2

Leia mais

Avanço da Iniciativa Hospital Amigo da Criança em institucionais e comunidades

Avanço da Iniciativa Hospital Amigo da Criança em institucionais e comunidades PROJECTO DE NUTRIÇÃO INFANTIL RESUMO DAS ACTIVIDADES MOÇAMBIQUE Avanço da Iniciativa Hospital Amigo da Criança em institucionais e comunidades Apresentação do projecto IYCN em Moçambique O Projecto de

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union. AFRICAN UNION UNION AFRICAINE PRIMEIRO PROJECTO DO CONVITE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS SOBRE O TEMA: EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Ao abrigo das Decisões da Conferência da União Africana Assembly/AU/Dec.277(XVI)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto executivo n.º 131/06 de 3 de Novembro Considerando a necessidade de se regulamentar o funcionamento da Direcção Nacional para Acção Social Escolar. Considerando o disposto

Leia mais

Id: 41550 (37 years)

Id: 41550 (37 years) Foto não disponível Id: 41550 (37 years) DADOS PESSOAIS: Gênero: Masculino Data de nascimento: 20/08/1978 País: Mozambique, Região: Maputo, Cidade: Maputo Ver CV completo Grave o CV TRABALHO DESEJADO:

Leia mais

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação Sa A.1.a.

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (Unidade-Disciplina-Trabalho) DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O RECRUTAMENTO

Leia mais

O Ensino Superior na Região da África Austral Tendências, desafios e recomendações actuais

O Ensino Superior na Região da África Austral Tendências, desafios e recomendações actuais O Ensino Superior na Região da África Austral Tendências, desafios e recomendações actuais Apresentação feita durante a Reunião Extraordinária dos Ministros do Ensino Superior e Formação realizada em Joanesburgo,

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

ENTIDADE FORMADORA. C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico.

ENTIDADE FORMADORA. C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico. ENTIDADE FORMADORA Formadores: Eunice Macedo e Carlos Moedas C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico. Escola EB 2,3 Irmãos Passos Guifões 5, 7, 12, 14

Leia mais

H SS -SMT BOLETIM INFORMATIVO. Editorial. religiosas e comunitárias encontram-se também envolvidos.

H SS -SMT BOLETIM INFORMATIVO. Editorial. religiosas e comunitárias encontram-se também envolvidos. The Clinical HIV/AIDS Services Strengthening Project in Sofala, Manica and Tete Edição nº2 Junho de 2012 Editorial Um dos desafios que Moçambique enfrenta por forma a melhorar os serviços clínicos e de

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas.

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas. PLANO ESTRATÉGICO INTEGRADO DE ENSINO TÉCNICO, PROFISSIONAL E EMPREGO CONTEXTO: O Governo de Cabo Verde (CV) começou a trabalhar ao longo desta última legislatura na integração dos sectores da formação

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PESCAS NO.VA/NPCA/11/25

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PESCAS NO.VA/NPCA/11/25 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PESCAS NO.VA/NPCA/11/25 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo da rápida integração

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

Modelos Legais e Políticos para o Desenvolvimento de um Programa Nacional de Alimentação Escolar em Moçambique

Modelos Legais e Políticos para o Desenvolvimento de um Programa Nacional de Alimentação Escolar em Moçambique República de Moçambique Ministério da Educação Modelos Legais e Políticos para o Desenvolvimento de um Programa Nacional de Alimentação Escolar em Moçambique Senhor Augusto Jone Ministro da Educação Vamos

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

GOVERNANÇA NACIONAL E REGIONAL DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EXPERIÊNCIA DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA (PALOP)

GOVERNANÇA NACIONAL E REGIONAL DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EXPERIÊNCIA DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA (PALOP) MULTI STAKEHOLDERS PARTICIPATION IN THE CFS BUILDING INSTITUTIONS FOR NATIONAL AND REGIONAL FOOD SECURITY AND NUTRITION GOVERNANCE Side Event to the FAO Regional Conference for Africa Luanda, Angola, 5th

Leia mais

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng CONSTRANGIMENTOS (i) Coordenação A não sistematização dos encontros de concertação entre as instituições do governo

Leia mais

Plano de Desenvolvimento de Autonomia

Plano de Desenvolvimento de Autonomia Plano de Desenvolvimento de Autonomia O presente Plano de Desenvolvimento de Autonomia, produzido no âmbito do Contrato de Autonomia desta escola, celebrado com o Ministério da Educação em 10/9/2007, constitui-se

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010 O Plano de Acção da Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal é um instrumento de trabalho ao nível da organização e

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTORICO DE MOÇAMBIQUE TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Âmbito Artigo 1 (Denominação e natureza jurídica) O Arquivo Histórico de Moçambique,

Leia mais

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010 Plano de Actividades Ano Económico 2010 I - Nota Introdutória Ao Conselho de Administração da Assembleia Legislativa, incumbe, entre outras atribuições, exercer a gestão orçamental e financeira da Assembleia,

Leia mais

Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa

Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa Propriedade Intelectual nos Países de língua Portuguesa Politicas de Saúde e AIDS Moçambique Eusébio Chaquisse, MD, MIH Universidade Lúrio - Nampula Introdução: Moçambique possui uma população 20 milhões

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais