PROJETO DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA. Educação Profissional Tecnológica de Graduação Presencial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA. Educação Profissional Tecnológica de Graduação Presencial"

Transcrição

1 PROJETO DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA 1 1. IDENTIFICAÇÃO Denominação Do Curso: Superior de Tecnologia em Gestão Pública Modalidade: Educação Profissional Tecnológica de Graduação Presencial Amparo legal do curso LDB nº 9.394/1996; Parecer CNE/CES 436/2001; Resolução CNE/CP 3/2002; Decreto 5154/04, Decreto n 5.773/06 Turno de Funcionamento Integral Matutino Vespertino Noturno 1 Totais Vagas por turma Nº de turmas/semestre: Total de vagas anuais Regime de Matrícula: Carga horária mínima 1800 horas em disciplinas, acrescidas de 60 horas de atividades Prazo de integralização da carga horária acadêmicas complementares TEMPO MÍNIMO (meses/semestre) 24/4 36/6 TEMPO MÁXIMO (meses/semestre) 2 JUSTIFICATIVA A UFPR ofertou o curso Técnico em Administração de Empresas desde o ano de 1997 por meio de sua Escola Técnica até 2008 quando se torno a referida escola no Setor de Educação Profissional e Tecnológica. Nestes anos de atuação, o curso preparou e lançou no mercado de trabalho profissionais capacitados a exercerem inúmeras atividades nos mais diversos segmentos de mercado. Os egressos atuaram nas áreas industrial, comercial e prestadora de serviços; em empresas com ou sem fins lucrativos; públicas, privadas ou de economia mista. Com a experiência acumulada ao longo dos anos e com a expertise adquirida com o Curso Superior de Tecnologia em Gestão da qualidade que iniciou suas aulas no ano de 2009, o Setor de Educação Profissional e Tecnológica da se credencia a apresentar nova proposta de curso, cujo objetivo é atender ao Estado, que necessita de uma qualificação específica. A oferta deste curso que dá qualificação específica para a área pública é oferecida por poucas instituições de ensino superior no estado do Paraná e no Estado brasileiro. Além disto, a condição atual apresenta uma significativa demanda por profissionais qualificados nesta área nas esferas municipal, estadual e federal. Diante destas constatações, da qualificação do corpo docente, da ampliação da infra-estrutura do Setor de Educação Profissional e Tecnológica da se resolve propor um curso que segundo pesquisas levadas a efeito através dos professores que participaram na elaboração deste projeto, vai apresentar um avanço no que se refere à formação tecnológica na área de Gestão. 1 As aulas se darão no período noturno de segunda-feira a sexta-feira e no sábado pela manhã. 2 O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública pode, por meio de acordos e convênios com órgãos da Administração Pública (direta ou indireta) abrir turmas especiais tendo em vista a necessidade de qualificação e capacitação do pessoal. 3 No caso de acordos e convênios com órgãos da Administração Pública (direta ou indireta) para qualificação e capacitação de pessoal, o número de vagas decorrente do consenso entre as partes acordantes assim como o processo seletivo para a entrada de alunos deve ser parte constante do texto que as partes interessadas venham a firmar entre si.

2 2 O Curso de Tecnologia em Gestão Pública vem suprir a demanda por profissionais na Cidade de Curitiba bem como em sua região metropolitana. Curitiba e as cidades vizinhas formam um aglomerado urbano único e concentra um contingente populacional e empresarial dos mais importantes do Estado do Paraná, certamente os alunos egressos do curso terão também muito a contribuir com outras cidades e Estado na eventualidade de migração. Há um número expressivo de entidades públicas (Administração direta e indireta) e, por isso, há a evidente necessidade de formação de gestores com características empreendedoras e preparados atender à sociedade a que se serve na esfera pública e que exige qualidade. O município de Curitiba não conta atualmente com instituições de ensino público e gratuito com foco Tecnológico em Gestão Pública presencialmente, o que justifica plenamente a implantação deste curso na. Assim, o curso proposto visa atender aos anseios regionais da comunidade formada pela esfera pública, alunos, e sociedade necessitados de boa formação tecnológica para fazer frente às exigências do contexto atual. Outro aspecto relevante é o atendimento da necessidade da formação rápida de mão de obra necessária à evolução do Município frente aos desafios e oportunidades pelas tendências aperfeiçoamento da Gestão Pública.

3 3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICO-METODOLÓGICA DO CURSO 3 Os componentes curriculares propiciadores de bases teórico-práticas e tecnológicas do Curso de Superior de Tecnologia em Gestão Pública deverão ser contextualizados e convergentes para as questões pertinentes à esfera pública em todos os níveis do Estado Democrático de Direito e dos poderes instituídos na República Federativa do Brasil. A prática vivenciada no desenvolvimento das disciplinas com metodologias que integram teoria e prática, de forma interdisciplinar, cumpre o papel de transportar para a sala de aula as experiências e vivências em informações e condutas inovadoras, que, certamente, estarão promovendo a aprendizagem de forma dinâmica, possibilitando o estudo de caso, a interdisciplinaridade e, principalmente, a integração com o mundo do trabalho e da vivência no serviço ao público, envolvendo procedimentos relacionados a diversos conteúdos e matérias curriculares. No decorrer do curso serão utilizadas estratégias metodológicas de ensino, tais como: Aulas expositivas; Visitas técnicas; Encontros e palestras com profissionais da área; Cursos de extensão relativos à Gestão Pública e a áreas afins; Participação em congressos ou encontros similares e em eventos de interesse acadêmico; Elaboração de projetos de pesquisa e operacionais, com caráter interdisciplinar e integrador; As atividades da prática profissional, integrantes do currículo, serão objeto de avaliação do desempenho escolar, tanto quanto as provas e trabalhos solicitados por cada docente. O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública não requer, obrigatoriamente, a realização do estágio supervisionado; ainda que a Disciplina Optativa Prática em Gestão Pública (contribui com 30 horas de efetiva orientação ministrada em sala de aula por professor responsável) possa fazer parte do itinerário formativo do aluno. Além disto, a legislação pertinente a cursos superiores de tecnologia não exige a obrigatoriedade de estágios supervisionados. 3.2 Trabalho de Curso - TC A elaboração de um trabalho de curso consta deste projeto, como item concernente à disciplina obrigatória Pesquisa em Gestão Publica, onde o aluno desenvolverá uma avaliação das condições de operacionalização de um setor, instituição, departamento ou seção da esfera pública, pelo uso de instrumentos de pesquisa, e proporá sugestões de aperfeiçoamento do mesmo. O referido trabalho será orientado pelo professor responsável pela disciplina e poderá ser coorientado por docente da que se disponha a tal mediante resposta a convite. O trabalho, avaliado pelo professor responsável pela disciplina como satisfatório, será apresentado a uma banca composta por três docentes (o orientador, o co-orientador quando houver, e um ou dois professores do curso ou convidado de outras instituições de ensino superior ou profissionais da esfera pública; perfazendo um total de três componentes) que terão como objetivo dar nota ao trabalho.

4 4 Os trabalhos terão formatação compatível com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas e as normas internas desta, que poderão ser flexionadas para o melhor desenvolvimento do trabalho a critério do professor responsável pela disciplina. 4 OBJETIVOS DO CURSO 4.1 Formar Tecnólogos em Gestão da Pública aptos a atender a demanda de Curitiba e Região Metropolitana nos mais variados segmentos da esfera pública. 3.2 : 1. Fornecer de forma pública e gratuita curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública à população de Curitiba e Região Metropolitana; 2. Proporcionar um curso ênfase em responsabilidade fiscal e de gestão, aplicável às instituições, setores e segmentos de todas as esferas do Estado; 3. Atender a uma demanda crescente de gestores públicos. 5 PERFIL PROFISSIONAL O egresso do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública deverá ser, antes de tudo, um profissional com reconhecida competência em gestão e processos da esfera pública. Apresentar-se à sociedade como um profissional integrado à realidade do local onde está inserido e dos imperativos de responsabilidade fiscal e de gestão tanto do órgão em que atua quanto da posição que ocupa, respeitando e aplicando posturas e condutas éticas em suas ações. Em concordância com o Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia, o: Tecnólogo em Gestão Pública atua em instituições públicas, nas esferas federal, estadual ou municipal. Suas atividades centram-se no planejamento, implantação e gerenciamento de programas e projetos de políticas públicas. Com sólidos conhecimentos sobre as regulamentações legais específicas do segmento, esse profissional busca a otimização da capacidade de governo. O trato com pessoas, a visão ampla e sistêmica da gestão pública, a capacidade de comunicação, trabalho em equipe e liderança são características indispensáveis a esse tecnólogo. Por outro lado, com base em auscultação a representante da Gestão Pública 4 se definiu o perfil de conclusão para o Tecnólogo em Gestão Pública para além do que está estabelecido acima. Com as seguintes habilidades e competências: 4 De modo informal, durante os trabalhos de elaboração deste projeto, foram auscultados gestores públicos das três esferas administrativas de governo e dos três poderes públicos.

5 5 Planejar, operacionalizar, contratar e avaliar a aplicação de processos gerenciais relacionados com a prestação de serviços públicos; Planejar, implantar e gerenciar programas e projetos de políticas públicas; Aperfeiçoar a capacidade de atendimento do governo (independentemente da esfera de atuação e do poder público) às necessidades da sociedade; Programar e implementar ações relacionadas com a prestação de serviços públicos envolvendo todos os setores e segmentos dos processos de gestão, tais como: recursos humanos, materiais e patrimoniais, serviços de informação, contábil e financeiro; Exercer a gestão pública otimizando (inclusive pela qualidade) rotinas e procedimentos; Liderar e atuar em equipes multidisciplinares tendo em vista a qualidade na gestão pública; Supervisionar a logística dos serviços públicos oferecidos à população nas diferentes esferas de atuação e níveis de atendimento; Prever e acompanhar os custos e os balanços da produção dos serviços públicos prestados; Elaborar processos licitatórios para aquisição de máquinas, equipamentos, ferramentas e outros materiais necessários à eficiência e eficácia dos serviços públicos prestados à comunidade; Aplicar no setor de gestão pública e administração pública (direta e indireta) novas tecnologias e métodos de trabalho e novas rotinas de procedimentos; Exercer suas atividades afinadas com as equipes de trabalho e com os princípios éticos que presidem as atividades do servidor público; Atender às exigências da modernidade na gestão pública. Controlar e avaliar os processos e rotinas da administração pública. Fiscalizar a atuação de pessoal e material nas atividades meio e fim e de assessoramento da administração pública. Fiscalizar processos licitatórios e de execução de contratos públicos. 6 PROJETO DE ORIENTAÇÃO ACADÊMICA A partir da aprovação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, a aprovou a resolução n.º 37/97 CEPE. O Capítulo XIV, Artigo 127, desta resolução estabelece que As coordenações de curso deverão apresentar aos respectivos colegiados projeto de orientação acadêmica que contemple a forma de acompanhamento da vida acadêmica dos seus alunos". Por conta da legislação, o Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública estabelece um Projeto de Orientação Acadêmica, baseado na estruturação do NOA (Núcleo de Orientação Acadêmica), vinculado à coordenação do curso, cujo objetivo é dirimir as dificuldades enfrentadas pelo curso e seus alunos. Buscase dessa forma diminuir o índice de reprovação e encaminhar orientação acadêmica no que concerne aos direitos e deveres constantes do Estatuto e Regimento da e da Resolução 37/97-CEPE. O NOA deve desenvolver atividades de: Orientação acadêmica; Compreensão e planejamento do currículo para integralizá-lo de acordo com a necessidade de cada

6 6 acadêmico; Acompanhamento no âmbito discente de atenções relacionadas ao atendimento à saúde, necessidades especiais, bolsas, coordenação de estágios, grupo antidrogas. Levantamento de dados com professores do Curso sobre as principais deficiências dos alunos quanto aos conhecimentos necessários para melhor desempenho nas disciplinas e no curso; Organização do conteúdo e atividades para transmitir aos alunos os conhecimentos requeridos como necessários para as disciplinas, principalmente as do ciclo básico; Desenvolvimento da interação professor-aluno, através do sistema de monitoramento docente; Fortalecimento da imagem da profissão e do tecnólogo em Comunicação Institucional perante os alunos, a partir do início do curso, com a inclusão em debates, palestras, visitas e incentivo a estágios, convidando profissionais que já atuam na área. A criação do Núcleo de Orientação Acadêmica deverá seguir as indicações propostas por este projeto de curso superior de tecnologia. Assim, depois de redigido pela comissão elaboradora, o projeto será apreciado pelo Colegiado de Curso, para que passe pelo crivo dos professores e alunos, buscando aperfeiçoar a proposta através da análise e discussão com todos. Em seguida, deve passar pelo crivo do Conselho Setorial. A cada ano, a relação dos professores que participaram do Núcleo de Orientação Acadêmica será apreciada pelo Colegiado do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública para certificação. Para coleta de dados e análise das informações serão efetuadas reuniões da Coordenação do Curso com todos os professores do colegiado. Em tais reuniões será dada orientação para levantamento de informações referentes aos alunos de Gestão Pública, tais como: notas dos alunos nas disciplinas em semestres anteriores (histórico), número de reprovações por nota e por freqüência, número de cancelamento de matrículas em disciplinas e de trancamento de matrícula no curso. Junto com os dados levantados será solicitada aos professores avaliação das principais dificuldades e deficiências dos alunos quanto ao conteúdo ministrado e as informações necessárias como pré-requisito para as disciplinas. Aos professores envolvidos serão oferecidos treinamento e documentação para compreensão do currículo; cópia da Resolução 37/97 CEPE; como encaminhar, quando necessário, os estudantes para o Grupo de Apoio aos Portadores de Necessidades Especiais, atendimento médico (CASA 3), Grupo contra o uso de Drogas e Álcool, bolsas e promoção de atividades de extensão, como cursos, palestras, encontros, debates, visitas técnicas (PRHAE); estágios (COE-CGE) e formação de grupos de estudos com auxílio de monitores e/ou estudantes de pós-graduação. Ao final de cada semestre, o Colegiado fará uma reunião para a discussão e implementação das sugestões para melhoria do NOA. Os critérios de avaliação do Núcleo serão discutidos e aprovados em Colegiado do Curso. Os parâmetros monitorados para esta avaliação serão: recuperação dos índices de rendimento acumulado (IRA) dos alunos, com o conseqüente aumento do número de aprovações e diminuição de represamento em disciplinas; diminuição do número de cancelamentos de matrículas em disciplinas; diminuição do número de trancamentos de curso; caracterização de conflitos disciplinares; caracterização de demandas de caráter pedagógico pelos alunos; quantidade de encaminhamentos para programas específicos da UFPR e sugestões de mudanças e incremento de ações de atividades complementares ao currículo.

7 7 A ação do Núcleo de Orientação Acadêmica poderá resultar em melhor desempenho dos alunos, melhor imagem do profissional formado na UFPR, aumento da concorrência no vestibular para o Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública, redução no número de trancamento de matrículas e abandono do curso. 7 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA 3 salas de aula 1 laboratório de informática 1 sala para desenvolvimento de projetos/reuniões 1 secretaria 4 gabinetes para professores 8 CORPO DOCENTE (FORMAÇÃO E TEMPO DE DEDICAÇÃO) E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO PROFESSORES Nome Formação Tempo de dedicação Luciane Schulz Fonseca Especialista em Direito Público 40h DE 5 Paulo Eduardo Sobreira Moraes Doutor em Engenharia Florestal 40h DE Cleverson Ribas Carneiro Doutor em Estudos Literários 40h DE Sandra Simm Rohrich Doutora em Política Científica e Tecnológica 40h DE Maura Regina Franco Doutora em Engenharia Florestal 40h DE Claudia Cunha Doutora em Filosofia 40h DE Eleni Elizabeth Gotrifid Perotti Mestre em Administração 20h Arno Schmidt Mestre em Economia 40h DE Júlio Cezar Martins Especialista em Metodologia do Ensino 20h Marcelo Ribeiro Losso Mestre em Direito 20h Christian Mendez Alcantara Doutor em Direito 40h DE Fernanda Landolfi Maia Mestre em Educação 20h Maria Aparecida Bridi Doutora em Sociologia 20h Guilherme Ricardo Silva Mestre em Economia 40h DE Claudir José Daltoé Beatriz Accioly Alves Marchiori Sávio Marcelo Leite Moreira da Silva Mestre em Educação Mestre em Tecnologia Mestre em Odontologia 40h DE 40h DE 5 DE é a abreviatura para Dedicação Exclusiva, conforme o regime de trabalho dos docentes pertencentes ao quadro do. 40h

8 8 8.1 PROPOSTA DE NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE PARA O CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA ÊM CONSONÂNCIA À RESOLUÇÃO CEPE 75/09 A, por meio de seu Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão no uso de suas atribuições constantes do art. 21 do Estatuto da UFPR e considerando o disposto na Portaria Ministerial nº 147 do Ministério da Educação, de , na Portaria Ministerial nº 1081 de 29/08/08, nas Portarias Ministeriais 01, 02 e 03 do Ministério da Educação, de , no parecer nº 258/09 exarado pelo Conselheiro Romualdo Wandresen no processo nº / e por unanimidade de votos, exarou a Resolução CEPE 75/09 que prevê o Núcleo Docente Estruturante para os cursos de graduação. O Núcleo Docente Estruturante constitui segmento da estrutura de gestão acadêmica em cada Curso de Graduação com atribuições consultivas, propositivas e de assessoria sobre matéria de natureza acadêmica, co-responsável pela elaboração, implementação e consolidação do Projeto Pedagógico de Curso. O Núcleo Docente Estruturante será constituído pelo(a) Coordenador(a) de Curso, como seu presidente nato, e por pelo menos 30% (trinta por cento) dos docentes efetivos atuantes no curso de graduação, relacionados pelo Colegiado de Curso, que satisfizerem os seguintes requisitos: I- titulação em nível de pós-graduação stricto sensu; II- regime de trabalho integral; III- experiência docente na instituição e também experiência profissional fora do magistério; e IV- preferencialmente, com participação na elaboração do Projeto Pedagógico de Curso ou em sua(s) reformulação(ões). A composição do Núcleo Docente Estruturante obedecerá ainda às seguintes proporções: I- pelo menos 50% (cinqüenta por cento) de docentes com título de doutor; II- pelo menos 40% (quarenta por cento) de docentes atuando ininterruptamente no curso desde o último ato regulatório (no caso deste Projeto Pedagógico, sua elaboração) A operacionalização do Núcleo Docente Estruturante ocorrerá na medida em que seus membros, no todo, em parte ou individualmente, participarem de atividades propostas pelo Colegiado ou Coordenação de Curso. Abaixo propõem-se qual seja o Núcleo Docente Estruturante do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública em função dos que participaram de sua elaboração e estão comprometidos com sua operacionalização como docentes, a saber: Presidente: Professor Doutor Paulo Eduardo Sobreira Moraes Vice-Presidente: Professora Doutora Claudia Cunha Membros: Professora Doutora Maura Regina Franco

9 Professor Doutor Cleverson Ribas Carneiro Professor Mestre Guilherme Ricardo Silva Professor Mestre Claudir José Daltoé 9 9 PROPOSTA DE ELABORAÇÃO, ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO E ATIVIDADES ACADÊMICAS A elaboração, o acompanhamento e a avaliação do projeto pedagógico e das atividades acadêmicas do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública, bem como sua flexibilização por meio das mais diversas atividades formativas, deverá ser feito por uma Comissão Permanente de Acompanhamento de Atividades Formativas, composta por membros indicados pelo Colegiado do Curso, com mandato de dois anos. O objetivo dessa Comissão é permitir a integração entre ensino, pesquisa e extensão, envolvendo coordenação, docentes, discentes, egressos e profissionais na constante avaliação do Projeto Pedagógico do Curso. Serão atribuições dessa Comissão: a) proporcionar um canal de acompanhamento permanente, por parte da Coordenação do Curso e seu Colegiado, dos programas e conteúdos programáticos desenvolvidos pelo curso; b) incentivar novas metodologias de ensino e processos alternativos de avaliação; c) identificar problemas e deficiências que levam os estudantes do curso a abandonar e/ou trancar matrícula; d) fomentar mecanismos que propiciem a melhora da relação professor/aluno e a motivação em relação ao curso; e) incentivar atividades complementares ou extracurriculares, como palestras, seminários, debates, simpósios. O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública busca estar em conformidade com a resolução 70/04 do CEPE, que dispõe sobre as atividades formativas na flexibilização dos currículos dos cursos de graduação. Dessa forma, as diversas atividades formativas descritas na referida resolução, e listadas abaixo, estão contempladas na proposta do curso com vistas a enriquecer a formação acadêmicoprofissional dos alunos. I - disciplinas eletivas; II - estágios não obrigatórios (apresentado no Anexo A); III - atividades de monitoria; IV - atividades de pesquisa; V - atividades de extensão; VI - atividades em educação à distância (EAD); VII - atividades de representação acadêmica; VIII - atividades culturais; IX - participação em seminários, jornadas, congressos, eventos, simpósios, cursos e atividades afins; X - participação no Programa Especial de Treinamento (PET); XI - participação em Oficinas Didáticas;

10 XII - participação em programas de voluntariado; 10 XIII- participação em programas e projetos institucionais. As atividades formativas devem seguir normatização interna aprovada pelos colegiados superiores, contemplando a articulação entre ensino, pesquisa e extensão, assegurando o caráter interdisciplinar em relação às diversas áreas do conhecimento, respeitando, no entanto, o Projeto Pedagógico deste curso, assim o aluno do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública deve cumprir pelo menos 60h não computáveis na carga horária mínima do curso durante todo o seu período de formação enquanto disciplinas. As atividades formativas realizadas pelos discentes no decorrer do curso podem ser registradas no histórico escolar do aluno, desde que tenham consonância com as diretrizes estabelecidas no Projeto Pedagógico, descritas na seguinte tabela: Atividade Forma de comprovação Disciplina Eletiva 1 Apresentação de documento comprobatório 100h Iniciação Científica 2 Atividades do Programa PET, não contemplados em outros Itens Monitorias Atividades de Extensão Apresentação de Trabalhos em Seminários ou Congressos Apresentação de Relatório assinado pelo orientador Declaração do Tutor Apresentação de documento comprobatório de carga horária Apresentação de documento comprobatório de Carga Horária. Apresentação de documento comprobatório Participação em seminários, congressos e 3 Apresentação de documento comprobatório 80h eventos afins Organização de Semanas, congressos e eventos afins Apresentação de documento comprobatório Participação em projetos de voluntariado Apresentação de documento comprobatório 60h Representação Acadêmica Apresentação de ata de posse na entidade Limite Validável 1 Disciplina Eletiva ofertada pela UFPR ou outras instituições de ensino, cursadas durante o período em que o aluno está matriculado no curso. 2 Iniciação Científica (voluntária ou com bolsa) em projeto de pesquisa registrado na PRPPG com participação obrigatória no EVINCI. 3 Participação em seminários, congressos, congressos e eventos afins limitada a 15h por evento e 30h por semestre. O presente Projeto Pedagógico assevera também que cursos formativos ministrados por instituições reconhecidas, durante o tempo da formação do aluno, também podem ser validados sem limites de carga horária a critério da Comissão Permanente de Acompanhamento de Atividades Formativas que solicitará documentação comprobatória dos mesmos. 80h 30h 80h 80h 40h 40h 30h 10 CURRÍCULO

11 11 A integralização do Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Pública deve se realizar em seis semestres, com um total geral de 1800 horas-aulas contando-se as disciplinas obrigatórias e o rol de optativas eleitas pelo aluno durante seu tempo de formação, tempo de integralização mínimo de 24 meses (2 anos) - para alunos que tenham desempenho acadêmico extraordinário - e máximo de 60 meses (5 anos). Entretanto, o tempo de formação do aluno é de 36 meses (3 anos) é entendido como o médio razoável. O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública é dividido em seis módulos que coordenam entre si temáticas próprias à formação do tecnólogo para a área. Ainda que as disciplinas obrigatórias não tem relação direta entre si na forma de pré-requisitos ou co-requisitos para que sejam cursadas, há todavia uma composição ideal na sua execução por módulos de aprendizagem. Cabe ressaltar que as disciplinas podem ser ministradas em assincronia com os módulos a que pertencem. Neste sentido, o módulo é a situação melhor para a efetivação transversal da interdisciplinaridade, mas esta deve estar presente sempre e entre todas as disciplinas. Ressalta-se que no sexto módulo o aluno deverá escolher cinco disciplinas dentre o rol das disciplinas optativas que o Projeto do Curso oferece e que o aluno pode preferir, havendo oferta das mesmas e se for de sua escolha, cursas as referidas disciplinas durante o transcorrer dos demais módulos. Abaixo se apresenta uma representação gráfica do currículo de formação do Tecnólogo em Gestão Pública em função de seus módulos. Representação do Currículo por Módulos do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública da 11 ANTEPROJETO DE RESOLUÇÃO (relação das disciplinas obrigatórias, optativas, atividades formativas e periodização recomendada.)

12 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA 12 MÓDULO I Disciplina Observação Carga Horária (em horas) Organização do Estado Obrigatória 60 Brasileiro Estatística Obrigatória 60 Fundamentos da Gestão Obrigatória 60 Língua Portuguesa Obrigatória 60 Informática Básica Obrigatória 60 Total 300 MÓDULO II Disciplina Observação Carga Horária Fundamentos da Qualidade Obrigatória 60 Direito Administrativo Obrigatória 60 Relacionamento Interpessoal Obrigatória 60 Métodos e Sistemas Obrigatória 60 Organizacionais Segurança no Trabalho Obrigatória 30 Legislação trabalhista aplicada Obrigatória 30 aos agentes públicos Total 300 MÓDULO III Disciplina Observação Carga horária Gestão de Materiais e Logística Obrigatória 60 Gestão de Pessoas Obrigatória 60 Ética na Gestão Pública Obrigatória 60 Licitações Obrigatória 60 Direito Tributário Obrigatória 60 Total 300 MÓDULO IV Disciplina Observação Carga Horária Contabilidade Pública e Obrigatória 60 Orçamentária Gestão de Contratos e Obrigatória 60 Convênios Administrativos Sociologia na Gestão Pública Obrigatória 60 Responsabilidade Fiscal Obrigatória 30 Marketing e Publicidade na Obrigatória 30 Gestão Pública Pesquisa em Gestão Pública Obrigatória 60 Total 300 MÓDULO V Disciplina Observação Carga Horária Planejamento Urbano Obrigatória 60 Serviços Públicos Obrigatória 60 Meio Ambiente e Obrigatória 60 Sustentabilidade Gerenciamento de Projetos Obrigatória 60 Projetos Comunitários e Ação Social Obrigatória 60

13 Total MÓDULO VI (o aluno deve escolher cinco ou mais disciplinas perfazendo o mínimo de 300 horas) Disciplina Observação Carga Horária Políticas de Saúde Optativa 60 Políticas de Educação Optativa 60 Políticas Econômicas Optativa 60 Políticas Sociais Optativa 60 Análise de Plano de Governo Optativa 60 Língua Brasileira de Sinais Optativa 60 Cultura Organizacional e Optativa 30 Cultura Brasileira Gestão de Documentos e Optativa 30 Arquivística Técnicas de Negociação Optativa 30 Prática em Gestão Pública Optativa 30 Ergonomia Optativa 30 Conjuntura Econômica Optativa 60 Contemporânea Empreendedorismo Optativa 60 Técnicas de Apresentação Optativa 30 Criatividade Optativa 30 Gestão da Saúde Suplementar Optativa 30 Atividades Acadêmicas Complementares Efetuadas durante todo o curso, em caráter obrigatório CERTIFICAÇÃO INTERMEDIÁRIA O aluno que cursar os quatro primeiros módulos com sucesso e não puder concluir o Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública, fazendo oficializar junto aos órgãos competentes a sua saída do curso, faz jus a receber Certificado de Qualificação Profissional de Nível Tecnológico em Gestão Pública, uma vez que o solicite. São competências e habilidades a serem registradas em função desta certificação: Avaliar a aplicação de processos gerenciais relacionados com a prestação de serviços públicos; Aperfeiçoar a capacidade de atendimento do governo (independentemente da esfera de atuação e do poder público) às necessidades da sociedade; Aperfeiçoar ações relacionadas com a prestação de serviços públicos; Exercer a gestão pública otimizando (inclusive pela qualidade) rotinas e procedimentos; Liderar e atuar em equipes multidisciplinares tendo em vista a qualidade na gestão pública; Aplicar no setor de gestão pública e administração pública (direta e indireta) novas tecnologias e métodos de trabalho e novas rotinas de procedimentos; Exercer suas atividades afinadas com as equipes de trabalho e com os princípios éticos que presidem as atividades do servidor público;

14 Controlar e avaliar os processos e rotinas da administração pública QUADRO DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (em forma de plano de periodização recomendado, contendo listagem das disciplinas do currículo proposto com códigos, denominações, carga horária semanal. As disciplinas do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública não guardam entre si relação tal que haja pré-requisitos ou co-requisitos entre as disciplinas. Também não adota o regime de crédito para sua efetivação. Ressalta-se que se a periodização recomendada para que as disciplinas optativas sejam cursadas é o 6º Período ou VI Módulo por outro lado podem ser cursadas durante o transcorrer do curso. Além disto, neste período o aluno deve cursar obrigatoriamente um total de disciplinas optativas que ofereçam carga horária minimamente igual a 300 horas caso não tenha integralizado seu curso até então; tendo cursado com aproveitamento todas as disciplinas obrigatórias. Quadro de Integralização Curricular Período ou Módulo Disciplina Natureza Carga Horária Semanal (em horas) Código AT AP EST Total 1 Organização do Estado Brasileiro Obrigatória GP Estatística Obrigatória GP Fundamentos de Gestão Obrigatória GP Língua Portuguesa Obrigatória GP Informática Básica Obrigatória GP Fundamentos da Qualidade 2 Direito Administrativo 2 Relacionamento Interpessoal 2 Métodos e Sistemas Organizacionais Obrigatória GP 011 Obrigatória GP 006 Obrigatória GP 007 Obrigatória GP 008

15 2 Segurança no Trabalho 2 Legislação Trabalhista Aplicada aos Agentes Públicos 2º Gestão de Materiais e Logística 15 Obrigatória GP 009 Obrigatória GP 010 Obrigatória GP Gestão de Pessoas Obrigatória GP Ética na Gestão Pública Obrigatória GP Licitações Obrigatória GP Direito Tributário Obrigatória GP 015 4º Gestão de Contratos e Convênios Administrativos 4 Contabilidade Pública e Orçamentária 4 Sociologia na Gestão Pública 4 Responsabilidade Fiscal 4 Marketing e Publicidade na Gestão Pública 4 Pesquisa em Gestão Pública 5 Planejamento Urbano Obrigatória GP 020 Obrigatória GP 017 Obrigatória GP 021 Obrigatória GP 019 Obrigatória GP 18 Obrigatória GP 022 Obrigatória GP Serviços Públicos Obrigatória GP Meio Ambiente e Obrigatória GP 025

16 Sustentabilidade 16 5 Gerenciamento de Projetos 5 Projetos Comunitários e Ação Social 6 Língua Brasileira de Sinais Obrigatória GP 026 Obrigatória GP 027 Optativa ET Políticas de Saúde Optativa GP Políticas de Educação 6 Políticas Econômicas Optativa GP 032 Optativa GP Políticas Sociais Optativa GP Análise de Planos de Governo 6 Conjuntura Econômica Contemporânea Optativa GP 037 Optativa GP Empreendedorismo Optativa GP Cultura Organizacional e Cultura Brasileira 6 Gestão de Documentos e Arquivística 6 Técnicas de Apresentação 6 Prática em Gestão Pública Optativa GP 036 Optativa GP 034 Optativa GP 040 Optativa GP Criatividade Optativa GP Técnicas de Negociação Optativa GP 030

17 6 Ergonomia Optativa GP º Gestão da Saúde Suplementar Optativa GP 042

18 18 14 EMENTARIO Disciplina: Organização do Estado Brasileiro EMENTÁRIO Todas as disciplinas são ministradas em regime semestral Módulo I Código: GP 001 Discutir a estrutura e funcionamento do Estado Brasileiro. Compreender os fundamentos e elementos do Estado Fundamentar a estrutura do Estado Democrático de Direito. Carga Horária: 60horas 30 horas teóricas 30 horas práticas Disciplina Obrigatória Mensurar as relações de interdependência entre as esferas de governo. Estabelecer o campo de atuação dos poderes públicos constituídos. Compreender todas as fases do processo legislativo brasileiro. Conhecer os direitos e garantias fundamentais Identificar os mecanismos de representação e participação popular. Conceito de Estado Elementos Constitutivos do Estado Constituição Federal Os modelos de estado: estado liberal, bem-estar social, neoliberal, contemporâneo República Federativa do Brasil Organização política e Administrativa da União, Estados Federados e Municípios Competências administrativas e legislativas da União, dos Estados Federados e dos Municípios Os Poderes (funções) Públicos: executivo, legislativo, judiciário, ministério público e tribunais de contas Processo legislativo brasileiro nas três esferas de governo Espécies Normativas: Controle de Constitucionalidade das leis Direitos e garantias fundamentais Democracia Representação popular Participação popular

19 19 Disciplina: Estatística Módulo I Código: GP 002 Carga Horária: 60horas 30 horas teóricas 30 horas práticas Disciplina Obrigatória Desenvolver soluções estatísticas para a organização e análise de dados. Organizar dados estatísticos. Mensurar as relações de dispersão de dados estatísticos. Cálculo de medidas de dispersão de dados estatísticos. Estatística Descritiva: Rol, intervalos e classes de dados. Gráficos de interesse estatístico. Variáveis contínuas Variáveis discretas Coleta de dados estatísticos: delimitação de universo e amostra. Medidas de dispersão: moda, média, mediana, desvio-padrão e coeficiente de dispersão Número índice

20 20 Disciplina: Informática Básica Módulo I Código: GP 003 Utilizar softwares na realização de tarefas. Elaborar planilhas eletrônicas utilizando recursos do software. Elaborar textos utilizando recursos de software. Elaborar gráficos utilizando recursos de software. Conceitos gerais de informática. Evolução da informática: mainframe, PC, micro, mini computadores. Carga Horária: 60horas 30 horas teóricas 30 horas práticas Disciplina Obrigatória Tecnologia de hardware: processadores, memória, dispositivos de E/S, redes de computadores. Sistemas distribuídos. Software: categorias, sistemas operacionais, linguagem de aplicação. Uso de aplicativos de comunicação. Utilização de editor de texto, banco de dados, gráficos. planilha eletrônica.

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014

Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014 Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014 O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE tornar

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR DA NATUREZA Art.1 o No Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Econômicas, as diretrizes curriculares incluem o estágio

Leia mais

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Aprovado na CamEx, na 84 Sessão, realizada em 18 de março de 2015, apreciada no CONSEPE, na 54ª Sessão,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º As Atividades Complementares (AC), doravante assim denominada, têm como objetivo geral flexibilizar e enriquecer a formação acadêmica e profissional proporcionada

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito.

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito do Centro Universitário do Cerrado-Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Aprovado pelo Colegiado do Curso de Bacharelado em Educação Física, em reunião

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE Aprova as normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação à Distância da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA LICENCIATURA I Da Exigência das Atividades Complementares As Atividades Complementares do Curso de graduação em Educação Artística,

Leia mais

REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de Ciências Contábeis

REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de Ciências Contábeis REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de O presente regulamento normativa as Atividades Complementares, componente do Projeto Pedagógico do Curso da Faculdade de Presidente Epitácio FAPE. DA NATUREZA

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA CEPE 04/12/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o O Curso de Mestrado do Programa

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar formação

Leia mais

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO 2013 CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANO 2007 CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS INTRODUÇÃO: Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Coordenação do Curso Superior de Química: Bacharelado em Química Industrial e Licenciatura em Química REGULAMENTO DAS

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional 1 PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) tem

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE DE ARACRUZ - FAACZ ARACRUZ 2010 CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIDORES PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS 1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS - EAD PARA SERVIDORES DO TCE E CURSOS OBJETIVO PÚBLICO-ALVO CARGA HORÁRIA N. DE VAGAS MODALIDADE 1. As Novas Normas de Contabilidade Aplicada

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INTRODUÇÃO À GESTÃO PÚBLICA

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INTRODUÇÃO À GESTÃO PÚBLICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS SANTA CRUZ COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS PROJETO

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA I - INTRODUÇÃO Art. 1º Art. 2º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades Complementares do Curso de

Leia mais

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE 1 REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º O Núcleo de Prática Jurídica é órgão destinado a coordenar, executar

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ANEXO I REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES I Da Exigência das Atividades Complementares As Atividades Complementares

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

ANEXO B REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Da caracterização

ANEXO B REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Da caracterização ANEXO B REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento aprovado pela Comissão de Curso em 07 de outubro de 2014 Este anexo regulamenta as Atividades Acadêmica- Científico-Culturais do Curso de Engenharia

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Palmeiras de Goiás Rua S-7, s/ nº _ Setor Sul_ Palmeiras de Goiás-GO Fone/ Fax: (64) 3571-1198 (64) 3571-1173 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS 1 FESP ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CGC/MF: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua General Carneiro, 216 Fone/Fax (0xx41) 264-3311

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral Regulamento de Programa de Atividades Complementares Abril de 2010 SUMÁRIO Sumário INTRODUÇÃO... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3

Leia mais

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA São Paulo - 2010 CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As Atividades Complementares, com a sigla ACs, de todos os

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Capítulo I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Capítulo I Das Disposições Gerais REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso Superior de Tecnologia em Análise e

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares para o curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis/Mato

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2013 1.ª SÉRIE Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR PROCESSOS GERENCIAIS (Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento objetiva disciplinar os procedimentos

Leia mais

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Abril / 2014 Apresentação O Estágio Supervisionado em Serviço Social é um ato educativo que acontece no ambiente de trabalho e

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE FISIOTERAPIA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE FISIOTERAPIA CARGA HORÁRIA: 140 horas O Colegiado da Coordenação do Curso de

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FAIT ATUALIZADO EM 22 DE MAIO DE 2013. PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 2013 2º SEMESTRE Itapeva- SP 1 ANO DE 2013 - REGULAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS -

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS - Direção da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco / AEDB Prof. Ms. Antonio Carlos Simon Esteves Coordenação do Curso de Pedagogia Profa. Ms. Sueli Sardinha Guedes 2 MISSÃO DA FFCLDB/AEDB Promover

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA ESCOLA DE ESTUDOS SUPERIORES DE VIÇOSA - ESUV CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA ESCOLA DE ESTUDOS SUPERIORES DE VIÇOSA - ESUV CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA ESCOLA DE ESTUDOS SUPERIORES DE VIÇOSA - ESUV CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. O presente regulamento tem por finalidade normatizar o aproveitamento de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET 1. DO CONCEITO E PRINCÍPIOS 1.1 As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter acadêmico, científico e cultural cujo foco

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, SEQUENCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

Normativas para as Atividades Complementares de Graduação do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores CTISM/UFSM

Normativas para as Atividades Complementares de Graduação do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores CTISM/UFSM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Normativas para as Atividades Complementares de

Leia mais

Regulamento das. Atividades Complementares

Regulamento das. Atividades Complementares BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento das Atividades Complementares Osasco 2013 Apresentação Este documento apresenta um conjunto geral de normas e orientações sobre a realização das Atividades

Leia mais