Modernização da gestão pública: uma avaliação de experiências inovadoras./ Lucimar da Silva Guarneri (coord.). Rio de Janeiro: BNDES, 2002.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modernização da gestão pública: uma avaliação de experiências inovadoras./ Lucimar da Silva Guarneri (coord.). Rio de Janeiro: BNDES, 2002."

Transcrição

1 Modernização da gestão pública: uma avaliação de experiências inovadoras./ Lucimar da Silva Guarneri (coord.). Rio de Janeiro: BNDES, p.; il. - (BNDES Social; 4) ISSN 1. Gestão pública. 2. Desenvolvimento social. 3. Finanças públicas. 4. Responsabilidade fiscal. 5. Programa de Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos PMAT. I. Guarneri, Lucimar da Silva. II. Série. Os artigos assinados são de exclusiva responsabilidade dos autores, não refletindo, necessariamente, a opinião do BNDES. É permitida a reprodução parcial ou total dos artigos desta publicação, desde que citada a fonte. DISTRIBUIÇÃO: BNDES Av. República do Chile, º andar Rio de Janeiro CEP Tel.: (21) Fax: (21)

2 Apresentação Beatriz Azeredo Diretora A última década representou um marco fundamental para a modernização da gestão pública, trazendo à tona reflexões e debates acerca do processo de fortalecimento e desenvolvimento dos entes federativos, especialmente o nível municipal. A edição da Lei Complementar 101, de 4 de maio de 2000, teve um papel determinante nesse processo, consagrando um novo padrão de conduta do administrador público, pautado pelos princípios da responsabilidade fiscal, transparência e respeito ao contribuinte. O Programa de Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos (PMAT) é uma dessas iniciativas pioneiras do governo federal, iniciada pelo BNDES em 1997, que vem contribuindo para a ampliação das receitas próprias das prefeituras, o controle dos gastos e a racionalização do uso dos recursos públicos, além da melhoria da qualidade de atendimento ao cidadão e a maior transparência na ação governamental. A grande aceitação desse programa vem demonstrando o compromisso dos governos municipais com a modernização da gestão nas áreas tributária, financeira, administrativa e nos setores sociais básicos. As prefeituras estão buscando explorar seu potencial de geração de receitas próprias, através da ampliação e atualização de sua base tributária, da melhoria dos lançamentos dos tributos e da ação fiscalizadora, da cobrança mais eficiente de débitos em atraso, da modernização da legislação, rotinas e processos, entre inúmeras ações que têm como foco a melhoria da qualidade de atendimento ao contribuinte. Além disso, o PMAT é hoje considerado como a porta de entrada do município para as demais linhas de financiamento do BNDES, uma vez que contribui para o fortalecimento do governo local, habilitando-o a captar novos recursos para projetos de investimentos sociais e de infra-estrutura urbana. Nesse contexto, o BNDES iniciou um processo de avaliação do PMAT tendo em vista mapear os principais resultados dos investimentos que vêm sendo realizados. Os resultados da primeira etapa desse trabalho, apresentados nesta publicação, contemplam experiências em oito municípios, com estágios avançados em seus projetos de modernização: Belém, Belo Horizonte, Curitiba, Ipatinga, Manaus, Rio de Janeiro, São Luís e Vitória. Gostaríamos, por fim, de agradecer a disposição desses municípios na divulgação de suas experiências, contribuindo para a disseminação desses conhecimentos e, dessa forma, reforçando o intercâmbio já existente entre governos municipais no campo da responsabilidade fiscal e modernização da gestão.

3

4 Sumário PARTE 1: O APOIO DO BNDES À IMPLANTAÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL O apoio do BNDES à implantação da LRF 9 PARTE 2: O PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA E DA GESTÃO DOS SETORES SOCIAIS BÁSICOS Histórico 17 Objetivos 18 Procedimentos e condições 19 Carteira operacional do PMAT 22 PARTE 3: O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA Metodologia 33 As dimensões da avaliação 36 Seminário 46 Modernização da Gestão Pública: Enfrentando Desafios e Construindo a Cidadania 46 Pronunciamentos 48 PARTE 4: SÍNTESE DAS EXPERIÊNCIAS ANALISADAS Município de Belém: Cadastro Multifinalitário 57 Município de Belo Horizonte: Projeto S-Fiscal RCS 63 Município de Curitiba: descentralização do atendimento 68 Município de Ipatinga: integração das bases cadastrais tributárias ao geoprocessamento 76 Município de Manaus: substituição tributária do ISSQN 82 Município do Rio de Janeiro: otimização na cobrança da dívida 88 Município de São Luís: publicização da informação 93 Município de Vitória: atendimento concentrado 99

5 Lista de Tabelas, Gráficos e Figura Tabela 1 Dados gerais da carteira total Tabela 2 Focos de ação Tabela 3 Carteira do Banco do Brasil Tabela 4 Operações contratadas Tabela 5 Operações aprovadas Gráfico 1 Percentual de contratações por ano Gráfico 2 Distribuição percentual dos investimentos Gráfico 3 Distribuição da carteira total por população Gráfico 4 Distribuição da carteira total por partido político Figura 1 Impactos da Modernização da Gestão Municipal... 35

6 PARTE 1 O APOIO DO BNDES À IMPLANTAÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

7

8 O apoio do BNDES à implantação da LRF* A implantação do Plano Real, em 1994, iniciou uma nova etapa da política fiscal no Brasil, pois, sem o viés inflacionário, tornaram-se muito mais visíveis os problemas nas contas públicas. Como as receitas sempre foram mais bem indexadas que as despesas no período de alta inflação, era possível acomodar as pressões, seja porque a inflação constituía fonte de financiamento do setor público, via imposto inflacionário, seja porque funcionava como forma de compressão das despesas em termos reais. Após o Plano Real, os desequilíbrios ficaram mais transparentes, pois quaisquer decisões de gasto do setor público passaram a ter impacto real sobre os orçamentos. Assim, os históricos desequilíbrios das contas públicas vieram a exigir do poder público, em todos os níveis, uma nova postura na administração dos recursos postos à sua disposição pela sociedade. A edição da lei que posteriormente se tornou conhecida como Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), diferentemente das medidas de ajuste fiscal de curto prazo, os então tradicionais pacotes de fim de ano, representou uma mudança estrutural do regime fiscal, introduzindo conceitos novos, como os de responsabilidade e transparência, e harmonizando diferentes normas para a organização e o equilíbrio das finanças públicas. Tratava-se, portanto, de um verdadeiro código de boa conduta nas finanças públicas, com grande abrangência de temas tratados e aplicável aos três níveis de governo e aos três poderes. A necessidade da LRF, com seu caráter estrutural, já constava do Programa de Estabilidade Fiscal, divulgado em outubro de 1998, que previa a edição da lei como um instrumento capaz de instituir ordem definitiva nas contas públicas do conjunto dos Poderes e níveis de governo. Registre-se que a Constituição de 1988 previa, no seu artigo 163, uma lei complementar que disporia sobre finanças públicas, dívida pública externa e interna, * Elaborado por José Roberto Rodrigues Afonso, economista do BNDES. 9

9 garantias e fiscalização das instituições financeiras, tendo o Congresso, através da emenda constitucional que aprovou a reforma administrativa (junho de 1998), estabelecido o prazo de seis meses para que o Executivo enviasse o projeto dessa lei complementar. Assim, a partir de meados de 1998, o BNDES, através de sua Secretaria para Assuntos Fiscais (SF), atualmente transformada em Área para Assuntos Fiscais e de Emprego (AFE/BNDES), passou a trabalhar, em apoio ao Ministério do Planejamento e Orçamento, na elaboração do projeto da LRF. A proposta de implantação de uma lei que instaurasse um novo regime de gestão fiscal no Brasil não se resumia à fixação de metas temporárias para a geração de superávits fiscais, nem tratava de aspectos conjunturais, ou de diretrizes de curto prazo da política fiscal. Buscava-se, ao contrário, desenvolver uma nova cultura fiscal no Brasil. Um regime de gestão responsável das finanças públicas significaria instituir princípios permanentes e instrumentos modernos que se sobrepusessem e delimitassem a estratégia fiscal mais imediata, assegurando o equilíbrio fiscal de longo prazo. Atualmente, tanto a sociedade brasileira como os órgãos multilaterais envolvidos com aspectos econômicos já reconhecem os enormes benefícios que essa lei vem produzindo na credibilidade e nas expectativas favoráveis para a economia brasileira. Conforme estudos comparativos de legislações internacionais realizados pela AFE/BNDES, a década de 90 foi marcada por uma evolução nas práticas de gestão fiscal. Nos Estados Unidos, o Budget Enforcement Act (BEA), de 1990, introduziu, dentre outros, um mecanismo de corte automático para as despesas do governo federal sempre que as previsões indicassem o não-cumprimento das metas de resultado fiscal estabelecidas pelo Congresso no processo orçamentário. Na Europa, o Tratado de Maastricht, de 1992, estabeleceu normas a serem obedecidas por todos os países, tendo como princípio básico evitar déficits governamentais excessivos. Na Nova Zelândia, o Fiscal Responsibility Act, de 1994, estabeleceu princípios de manutenção da dívida e do patrimônio em níveis prudenciais, com o Parlamento fixando critérios de desempenho de forma genérica e o Executivo tendo a liberdade de orçar e gastar, desde que com amplo e rigoroso acompanhamento da sociedade. Nesse último caso, o controle social se sobrepõe à rigidez das regras, o que fez dessa experiência um paradigma internacional em termos de transparência. Em consonância com o espírito de transparência da futura LRF e para fomentar 10

10 os debates e gerar um reconhecimento nacional em torno da importância da matéria, foi elaborado um anteprojeto de lei que foi submetido a um processo de consulta pública, com divulgação, no início de dezembro de 1998, não apenas através da tradicional publicação na imprensa oficial, mas também em site na Internet. O processo de consulta, do qual participou ativamente o BNDES, envolveu, ainda, a realização de audiências públicas com representantes dos governos subnacionais e do setor privado, cujas sugestões foram consideradas no projeto de lei enviado ao Congresso em abril de Esse projeto estabelecia o que se pode legitimamente denominar um novo regime fiscal para a sociedade brasileira: um regime de gestão fiscal responsável, uma verdadeira revolução de costumes na gestão pública no Brasil. Para tanto, dispunha sobre os princípios fundamentais que devem nortear a ação dos homens públicos que administram recursos da população coletados na forma de tributos e taxas, além dos recursos financeiros oferecidos aos governos através de operações de crédito. O esforço era no sentido de disciplinar, de forma inovadora e abrangente, as principais questões referentes à captação, à gestão e aos gastos de recursos públicos, em todos os níveis de governo e poderes da República, a fim de conquistar para a sociedade brasileira o equilíbrio intertemporal das contas públicas. Tal equilíbrio pode ser visto como um bem coletivo, do interesse geral de nossa sociedade, por ser condição necessária para a consolidação da estabilidade e para a retomada do desenvolvimento. A lei, por sua concepção, torna-se um instrumento de longo prazo a favor do desenvolvimento econômico e social do país. Em termos específicos, os mecanismos que se destacam na lei são: a) a definição de princípios que evitem déficits excessivos e reiterados; e b) a imposição de restrições ao gasto público, seja através de regras, seja pelo controle social por meio da transparência. A lei define princípios, estabelece regras e exige maior transparência para a gestão fiscal responsável. Para cumprir essas regras, a LRF adota alguns mecanismos já consagrados: corte automático de despesas e necessidade de compensação no caso da criação de despesas de longo prazo. Devido às características da economia brasileira, a LRF confere tratamento especial: a) às relações federativas, respeitando a autonomia dos entes da Federação; b) às deficiências intertemporais do processo orçamentário, por determinarem parte dos desequilíbrios estruturais do setor público; e 11

11 c) aos níveis de endividamento e despesas com pessoal, por sua alta representatividade no total do gasto público. Vale repetir que a melhor forma de garantir a responsabilidade fiscal é a vigilância da sociedade sobre os atos daqueles a quem foram confiados os recursos públicos. Assim, a lei fixa diversos mecanismos e conceitos voltados para assegurar transparência fiscal, que significa amplo acesso público às informações relativas aos objetivos da política fiscal, às contas públicas e às projeções do orçamento público, com informações confiáveis e atualizadas. Além disso, propôs-se um sistema de sanções e punições que prevê penalidades para as entidades públicas e para os governantes que se comportem em desacordo com os princípios e com os limites da gestão fiscal responsável. O BNDES firmou, em 4 de maio de 2000, convênio de cooperação técnica com a União, por intermédio dos Ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP), e com a Fundação Escola Nacional de Administração Pública (Enap) com o objetivo de prestar apoio técnico e financeiro aos estados, Distrito Federal e municípios, para a implementação da LRF. O convênio atribuiu ao BNDES competência para elaborar, diretamente ou através de terceiros, estudos, manuais de orientação e modelos de relatórios e de documentos para o cumprimento da LRF. No âmbito do referido convênio, a AFE/BNDES vem participando ativamente de ações voltadas para a implantação da LRF nos diversos níveis da Federação brasileira, com especial ênfase para os municípios. Os tópicos principais dessa atuação encontram-se relatados a seguir: Apoio à produção e publicação de livros e manuais Publicação de livros ou manuais, todos de autoria de especialistas externos, relacionados à implantação da Lei de Responsabilidade Fiscal e dirigidos especialmente aos municípios de pequeno porte, com uma tiragem global de mais de 215 mil exemplares. Registre-se que a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil tornaram-se parceiros do BNDES na viabilização de algumas dessas obras. Edição de CD-ROM e CD-Card sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal Foram distribuídas cerca de 25 mil cópias de um CD-ROM contendo todas as publicações apoiadas pelo BNDES sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal, além de um conjunto de artigos sobre a lei, a legislação correlata e outras matérias de interesse dos municípios. Foi editado também, em formato mais compacto, um CD-Card com 13 mil exemplares. 12

12 Sítio Banco Federativo e mala direta Divulgação e atualização permanentes de guias práticos, manuais para a implantação da lei, regulamentação, estudos e artigos, através do Banco Federativo, sítio do BNDES especializado em finanças públicas, o qual, a propósito, ganhou o Prêmio Hélio Beltrão 2000 com outras 15 experiências inovadoras na administração pública. Parte dos trabalhos incluídos no Banco Federativo é, também, enviada regularmente por correio eletrônico para interessados nos temas. Apoio à elaboração do Programa Simples Municipal Relatórios LRF Foi colocado à disposição das prefeituras um software com o objetivo de auxiliá-las na elaboração dos relatórios exigidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal (acessível para download no sítio do Banco Federativo desde setembro de 2001). Produção de textos analíticos Produção de diversos informes que abordaram o tema da responsabilidade fiscal. Colaboração com outros órgãos governamentais e não-governamentais Destacam-se nesse campo: a atuação conjunta com Tribunais de Contas, objetivando o aperfeiçoamento de sua ação de controle dos gastos públicos municipais; a participação nos estudos para a criação do Conselho de Gestão Fiscal, prevista na Lei de Responsabilidade Fiscal e que se encontra em tramitação no Congresso; o apoio à elaboração de um estudo destinado a fornecer a estrutura básica de um sistema de informação gerencial para possibilitar a uma pequena prefeitura controlar com eficiência suas principais atividades; e a colaboração com o Ministério do Planejamento para a realização de um estudo visando identificar e avaliar a disseminação de informações fiscais no Brasil, por meio da Internet, nos três níveis da Federação brasileira. Treinamento Apoio a um programa de treinamento à distância para disseminar o conhecimento sobre a LRF, especialmente nos municípios de pequeno porte, sem custo para os mesmos; teleconferências promovidas conjuntamente com o Ministério do Planejamento e a Escola Superior de Administração Fazendária (Esaf), acompanhadas em 110 postos da Esaf e em cerca de postos do Banco do Brasil. Participação em eventos Participação, desde a edição da lei, em mais de 100 eventos nacionais e internacionais relacionados à LRF, incluindo seminários, palestras e jornadas. 13

13

14 PARTE 2 O PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA E DA GESTÃO DOS SETORES SOCIAIS BÁSICOS

15

16 HISTÓRICO Criado em agosto de 1997, através da Decisão de Diretoria do BNDES 328, o Programa de Modernização da Administração Tributária (PMAT) foi lançado pelo ministro do Planejamento em setembro de 1997 e, a partir de então, foi intensamente fomentado pelo BNDES, que recebeu consultas de praticamente todas as capitais e das principais cidades do país. Do início do programa até maio de 1999, as operações aprovadas na Diretoria do BNDES foram exclusivamente voltadas para a modernização da administração tributária, financeira e patrimonial. Em maio de 1999, com o objetivo de ampliar os efeitos fiscais do programa, através da Decisão de Diretoria do BNDES 211, o PMAT foi alterado para incorporar as ações voltadas à melhoria na qualidade do gasto público e ao aumento da eficiência nas demais esferas de atuação da prefeitura, passando a denominar-se Programa de Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos. A edição da Lei Complementar 101, em maio de 2000, ensejou várias consultas dos municípios ao BNDES, que já se encontrava disponível para, através do PMAT, no que diz respeito ao apoio financeiro, atender às necessidades de organização das prefeituras e, assim, atender ao cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal. A crescente demanda dos municípios, que passaram a buscar cada vez mais o apoio do BNDES através do PMAT, fez com que em dezembro de 2000, para melhor atender à necessidade dos pequenos e médios municípios, fosse assinado com o Banco do Brasil o contrato em que essa instituição passa a ser mandatária do BNDES para as operações do PMAT abaixo de R$ 2 milhões. Essa parceria é de grande importância para o aumento da capilaridade do PMAT, pois possibilita que o programa alcance, através da ampla rede de agências do BB, todos os pequenos municípios brasileiros, o que vem ocorrendo atualmente com o desenvolvimento de projetos para financiamento através do PMAT em todas as regiões do país. 17

17 Em abril de 2001, iniciou-se a primeira etapa de um processo de avaliação do programa, como forma de verificar se os objetivos previstos estavam sendo alcançados e como forma de aprimorá-lo. Houve todo um esforço metodológico na seleção dos municípios, na pesquisa elaborada através de questionários e entrevistas, na dinamização da consolidação dos resultados por meio de workshop e, principalmente, na divulgação da avaliação, com a realização do seminário Modernização da Gestão Pública: Enfrentando Desafios e Construindo a Cidadania, em dezembro de O programa pode ser visto como um instrumento de longo prazo a favor do desenvolvimento econômico e social dos municípios. O desenvolvimento do programa, em termos de quantidade de operações, caminhou em paralelo com a evolução da legislação e da regulamentação da questão do endividamento público, através das resoluções aprovadas e editadas pelo Senado Federal e pelo Conselho Monetário. A flexibilização ocorrida nas últimas resoluções tais como as Resoluções (dezembro de 2001), do Conselho Monetário Nacional (CMN), e 40 e 43 (dezembro de 2001), do Senado, a Portaria 4 (janeiro de 2002), da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), e a Resolução 3 (abril de 2002), também do Senado vem demonstrando o esforço dos órgãos normativos e responsáveis pelo controle do endividamento público em adequar o contingenciamento do crédito ao setor público com as necessidades de transparência, eficiência e modernização trazidas pela Lei Complementar 101 aos entes federativos brasileiros. OBJETIVOS Os desafios enfrentados pelos governos municipais no sentido de melhorar seu desempenho são grandes. A defasagem na sistemática dos processos; os cadastros não-atualizados, gerando impacto na arrecadação; a ausência de gestão estratégica para recursos humanos; a qualificação de servidores, que muitas vezes não alcançam o grau de serviço que executam; a ineficiência no processo de tomada de decisões, em função de dificuldades na obtenção de informações e da baixa confiabilidade dessas mesmas informações; os recursos tecnológicos não-compatíveis com as modernas ferramentas existentes no mercado; o custo de manutenção muito elevado, devido a sistemas desenvolvidos com tecnologias defasadas; as instalações físicas inadequadas para o servidor e para o atendimento ao cidadão; as legislações desatualizadas e várias outras situações levam a máquina administrativa a não ter a 18

18 eficiência esperada pelos cidadãos e pelas próprias prefeituras. O PMAT, devido a esse histórico das prefeituras, objetivava inicialmente facilitar o processo de modernização gerencial e a eficiência fiscal dos municípios, aproveitar o potencial de arrecadação e contribuir para a redução da dependência municipal em relação às transferências federais e estaduais. Primordialmente, o objetivo era o aumento das receitas próprias. Com isso, o PMAT espera cooperar para a geração de um fluxo adicional e permanente de recursos próprios, visando suportar o nível de despesas e os investimentos locais. Nessa fase, o programa voltou-se exclusivamente para a modernização da administração tributária, financeira e patrimonial, sendo os seus principais focos de ação o cadastro fiscal, a arrecadação, a cobrança administrativa e judicial, a fiscalização, os estudos econômico-tributários, a execução financeira, a contabilidade e a dívida pública, a auditoria e o controle interno, o patrimônio e o atendimento ao contribuinte. Em maio de 1999, a partir da percepção de que em outras áreas administrativas da prefeitura também havia desafios a transpor, decorrentes da ausência de mecanismos adequados de planejamento, do desconhecimento de custo e da qualidade dos serviços, vislumbrou-se, sempre objetivando a melhoria da gestão e o ganho de eficiência nos processos, a alteração do programa, passando ele a contemplar outras áreas. Embora o programa continue enfocando prioritariamente a modernização da administração tributária, as novas áreas abordadas são: Administração geral Gestão de recursos humanos, folha de pagamento, gestão de contratos, licitações e compras, controle de processos administrativos em geral e eficiência energética. Administração da saúde Atendimento ao cidadão, gestão das unidades de saúde, gestão dos programas de saúde, vigilância sanitária e conselho municipal de saúde. Administração da educação Gestão das unidades escolares, gestão dos programas de educação, conselhos escolares e conselho do Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério). Assistência a crianças e jovens Gestão das unidades e redes de atendimento, gestão dos programas de assistência e Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. PROCEDIMENTOS E CONDIÇÕES Sendo o PMAT um instrumento de política pública voltado para o aumento da capacidade de governo em diferentes áreas de gestão local, é fundamental, para o seu sucesso, um comprometimento sério das 19

19 prefeituras na elaboração, aplicação e manutenção de seus projetos. As normas orientadoras do programa têm, entre suas finalidades, a de auxiliar as prefeituras no planejamento da sua modernização e serão aqui explicitadas. Para coordenar o planejamento, a elaboração, a implantação, o acompanhamento e a avaliação do projeto, o município deverá constituir um Núcleo Especial de Trabalho de Modernização da Gestão Pública (Nemat), vinculado ao prefeito ou ao secretário responsável e composto por profissionais das diferentes áreas técnicas. O primeiro passo, portanto, está ligado à elaboração de um documento de consulta que deve conter três itens principais: informações sobre o município e a administração municipal; diagnóstico da administração municipal; o projeto de modernização da administração municipal. O formato detalhado do documento de consulta é encontrado no site do Banco Federativo (http://www.bndes.gov.br/ produtos/social/municip.asp), devendo ser preenchido adequadamente e encaminhado ao BNDES. As operações poderão ser realizadas diretamente com o BNDES ou por intermédio de seus agentes financeiros. 1 Após o envio da consulta e do enquadramento da operação, deverá ser enviado o projeto para que seja iniciada a análise, tomando por base as condições da proposta e a documentação para essa análise. Tanto na formulação da consulta quanto na do projeto, devem ser observados certos limites, especificados a seguir: O valor do financiamento deverá observar, simultaneamente, limites como o de atingir no máximo R$ 30 milhões, R$ 18 por habitante, e, conforme o conceito definido pelo Senado, 7% da receita líquida real, sendo considerado o que apresentar menor valor. O nível de participação do BNDES também varia de acordo com o porte de cada município, sendo de 90% do valor dos itens apoiáveis para municípios com população superior a 50 mil habitantes e de 100% para aqueles com população inferior a 50 mil habitantes. Nos itens considerados financiáveis, deve ser observado se o total de recursos alocados por item apoiável está de acordo com os limites de investimentos impostos pelo programa. São eles: tecnologia de informação e equipamentos de informática 35%; capacitação de recursos humanos 25%; serviços técnicos especializados 35%; 1 Até o mês de maio de 2002, o BNDES tinha pouco mais de 100 agentes credenciados, constituindo-se de bancos comerciais e de investimento interessados nessa associação. A lista completa dos agentes encontra-se disponível no site do Banco Federativo. 20

20 equipamentos de apoio à operação e fiscalização 25%; infra-estrutura física 20%. Tais limites apresentam soma superior a 100% com o objetivo de garantir maior flexibilidade na distribuição dos valores entre esses itens. Tendo em consideração o fato de algumas prefeituras já terem iniciado algum tipo de investimento nesse sentido, poderão ser considerados, para efeito de contrapartida do município ao projeto, os investimentos realizados até o sexto mês anterior à data de apresentação do pedido de apoio. Entretanto, as despesas com manutenção de atividades e de custeio da administração municipal, inclusive com pessoal ativo e inativo, não serão objeto de financiamento e nem consideradas para efeito de contrapartida do município ao projeto. Cabe ressaltar que o programa não contempla financiamento a gastos em: construção e reaparelhagem de escolas, unidades de saúde e de atendimento; obras de infra-estrutura não-voltadas para a melhoria de eficiência da administração; programas de desligamento de servidores; aquisição ou arrendamento de bens imóveis e benfeitorias; aquisição de máquinas e equipamentos usados. As garantias ficarão a critério do Sistema BNDES ou dos agentes financeiros, observadas as normas pertinentes do Banco Central e do Sistema BNDES. É usual utilizar o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e/ou o repasse do ICMS. No que diz respeito às condições financeiras, a taxa de juros usada é formada pelo custo financeiro (TJLP) 2 + spread básico (1% ao ano) + spread de risco (1,5% ao ano para operações diretas com o BNDES) + spread do agente (a ser negociado entre a instituição financeira credenciada e o cliente). Para o acompanhamento do projeto, o município deverá elaborar relatórios trimestrais do progresso físico-financeiro, com análise qualitativa de desvios e de aspectos relevantes e críticos. O BNDES realizará periodicamente visitas técnicas de acompanhamento e avaliação dos projetos realizados, com vistas ao atingimento das metas e objetivos, bem como para fomentar o intercâmbio de experiências e a difusão de iniciativas de sucesso. O prazo total da operação não poderá ser superior a oito anos, incluído o prazo máximo de carência, de até 24 meses. As operações com valores de financiamento inferiores a R$ 2 milhões devem realizar-se através dos agentes financeiros ou do Banco do Brasil, 2 Valor da TJLP: abril-junho de 2002: 9,5%. 21

21 TABELA 1 DADOS GERAIS DA CARTEIRA TOTAL Nível Financiamento (R$ Mil) Nº de Operações Contratadas Aprovadas Análise Enquadradas Perspectiva Total Dados de maio de mandatário do BNDES para o PMAT. Nesse caso, o encaminhamento da consulta se faz através das agências do Banco do Brasil, ficando a cargo do BNDES apenas a aprovação da operação e o acompanhamento da atuação do Banco do Brasil e do programa. Tais operações têm acrescido ao seu custo financeiro uma taxa flat de até 3% pelos custos do serviço do mandatário. CARTEIRA OPERACIONAL DO PMAT A carteira operacional do PMAT somava, até maio de 2002, 200 operações, representando o valor de R$ 652 milhões em solicitações de financiamento ao BNDES. Em termos de detalhamento por níveis operacionais, sua distribuição pode ser vista na Tabela 1, na qual há o valor da participação do BNDES e o número de cidades incluídas. No Gráfico 1, é demonstrado o percentual de contratações desde Percebe-se a maturação do programa, com o crescimento desses percentuais até o ano de Em 2001, ocorre uma grande queda devido, principalmente, ao processo sucessório municipal, que legitimou os prefeitos em janeiro desse ano, como já detalhado anteriormente. Embora o PMAT tenha tido seu escopo ampliado, com a introdução dos setores sociais básicos, a administração tributária é predominante, com 77% dos investimentos. Isso se deve, por um lado, à prioridade que o BNDES vem atribuindo ao programa desde a origem, ao adotar como marco zero a modernização da gestão municipal pela vertente do aumento da receita, além de vinculá-la, como condição obrigatória, ao apoio às outras áreas contempladas pelo programa. Por outro, à elevação do nível médio de consciência fiscal dos administradores locais, que estão passando a incluir em sua agenda de prioridades o foco de melhoria das receitas próprias. 22

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos

Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos BNDES PMAT Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos Encontro Nacional de Tecnologia da Informação para os Municípios e do Software Público Brasileiro

Leia mais

O que é o PMAT e qual o seu objetivo

O que é o PMAT e qual o seu objetivo BNDES PMAT O que é o PMAT e qual o seu objetivo É uma modalidade de financiamento do BNDES, que tem como objetivo auxiliar na modernização da administração tributária e a melhoria da qualidade do gasto

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

III Seminário de Gestão e. Arrecadação Municipal

III Seminário de Gestão e. Arrecadação Municipal III Seminário de Gestão e iza Arrecadação Municipal Modernização dos Instrumentos de Arrecadação Fontes de Financiamento para Fazendas Públicas Municipais. Temas abordados no evento: 1. Alternativas de

Leia mais

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios Maria Cristina Mac Dowell Diretora-Geral Adjunta Escola de Administração Fazendária Esaf/MF maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

XII Congresso Catarinense de Municípios

XII Congresso Catarinense de Municípios XII Congresso Catarinense de Municípios Linha de Financiamento para Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos - BNDES PMAT e BNDES PMAT Automático O que é o PMAT?

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

PMAT Gestão Municipal e Simplificação dos Procedimentos de Licenciamento

PMAT Gestão Municipal e Simplificação dos Procedimentos de Licenciamento PMAT Gestão Municipal e Simplificação dos Procedimentos de Licenciamento PMAT Ambiente de Negócios PMAT Ambiente de negócios Implantação da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Capacitação de Servidores

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

BNDES PMAT Linha de Financiamento para a Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos

BNDES PMAT Linha de Financiamento para a Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos BNDES PMAT Linha de Financiamento para a Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos Jorge Henrique de Araújo Souza DEPARTAMENTO DE GESTÃO PÚBLICA E AVALIAÇÃO DE IMPACTOS

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Novembro 2009 DEPARTAMENTO REGIONAL NORDESTE - DENOR O que apoiamos Projetos de investimento em indústria, comércio e serviços aumento da capacidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sorocaba Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal de Sorocaba Estado de São Paulo Programa de Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos Palestrante: Mauricio Biazotto Corte Secretário Municipal do Governo e Planejamento Características do Município:

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA

MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO E DO PLANEJAMENTO DOS ESTADOS BRASILEIROS E DO DISTRITO FEDERAL - PNAGE Subexecutor: Secretaria do Estado do... Componente:

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS INICIATIVAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL Projeto BRA 06/024 - PREMEF 1 I. INTRODUÇÃO A missão do Tesouro Nacional é

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral.

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral. APRESENTAÇÃO 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. 2. E-mail para contato eje@tre-rj.gov.br. 3. Nome do Projeto. 4. Tema escolhido Gestão Sócio Ambiental. 5.

Leia mais

Tributação Imobiliária no Brasil Revendo Desafios

Tributação Imobiliária no Brasil Revendo Desafios SEMINÁRIO INTERNACIONAL TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA INICIATIVAS PARA O FORTALECIMENTO DA AÇÃO FISCAL DOS MUNICÍPIOS EM TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Escola de Administração Fazendária _ ESAF Lincoln Institute of Land

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA, sobre o Ofício S nº 9, de 2011 (Ofício GS nº 2.097, de 22 de novembro de 2010, na origem), da Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL REGLAS FISCALES Y MECANISMOS DE RELACIÓN INTERGUBERNAMENTAL FEDERAÇÃO BRASILEIRA: ASPECTOS DESTACADOS

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias A ARTE DE GOVERNAR (segundo Matus) PROJETO DE GOVERNO SABER ARTICULAR GOVERNABILIDADE GOVERNANÇA Plano de Governo: Base do Planejamento

Leia mais

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES Governo do Estado do Espírito Santo Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo Subsecretaria de Estado da Receita Subsecretária do Tesouro Estadual Subsecretário de Estado para Assuntos Administrativos

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010 1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010 Em março, a Ouvidoria recebeu 2.362 manifestações, distribuídas conforme gráfico abaixo. Também foram respondidas 220 mensagens dirigidas ao Ministério por meio do

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 14 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal SPED Contábil e Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal SPED. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Experiência: SISTEMA DE GESTÃO FINANCEIRA E DE CONVÊNIOS GESCON

Experiência: SISTEMA DE GESTÃO FINANCEIRA E DE CONVÊNIOS GESCON Experiência: SISTEMA DE GESTÃO FINANCEIRA E DE CONVÊNIOS GESCON Fundo Nacional de Saúde Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires dos Reis - Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013 1 Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE Termo de Referência para Contratação de Serviço de Consultoria (Pessoa Jurídica) para Reestruturação do Portal da Transparência

Leia mais

DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE

DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE Fernando Luiz Abrucio DIMENSÃO DO ESTADO Principais Problemas Precariedade das informações Falta de Bancos de Dados compartilhados

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO OBJETIVO DO CURSO MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA Oferecer condições ferramentais para o profissional

Leia mais

RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO

RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO Prefeitura Municipal de Vitória Controladoria Geral do Município RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO Nome da Iniciativa ou Projeto Portal de Transparência Vitória Caracterização da situação anterior O Portal

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCT SP

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCT SP NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCT SP O Papel e a Missão do CFC: (1) No processo de adoção, no Brasil, do paradigma científico para a Contabilidade Aplicada ao

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais