InterSETORIALIDADE e TransDISCIPLINARIDADE: EDUCAÇÃO, CULTURA POPULAR E TURISMO COMUNITÁRIO O caso da Ação Griô Nacional VIVIAN MAITÊ CASTRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "InterSETORIALIDADE e TransDISCIPLINARIDADE: EDUCAÇÃO, CULTURA POPULAR E TURISMO COMUNITÁRIO O caso da Ação Griô Nacional VIVIAN MAITÊ CASTRO"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CCHLA DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO E TURISMO DECOM CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO InterSETORIALIDADE e TransDISCIPLINARIDADE: EDUCAÇÃO, CULTURA POPULAR E TURISMO COMUNITÁRIO O caso da Ação Griô Nacional VIVIAN MAITÊ CASTRO João Pessoa - PB Agosto de 2009

2 2 VIVIAN MAITÊ CASTRO InterSETORIALIDADE e TransDISCIPLINARIDADE: EDUCAÇÃO, CULTURA POPULAR E TURISMO COMUNITÁRIO O caso da Ação Griô Nacional Monografia apresentada ao Curso de Bacharelado em Turismo, do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em cumprimento às exigências da disciplina Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Turismo. Orientadora: Profa. Dr. Lígia Maria Tavares da Silva João Pessoa Agosto de 2009

3 3 C355i Castro, Vivian Maitê. Intersetorialidade e interdisciplinaridade: educação, cultura popular e turismo comunitário / Vivian Maitê Castro. João Pessoa, f. : il. Orientadora: Ligia Maria Tavares da Silva Monografia (Graduação) UFPB/CCHLA. 1. Cultura popular. 2. Política educacional. 3. OnG Associação Grãos de Luz e Griô. 4. Turismo comunitário. UFPB/BC CDU: (043.2)

4 4 Esta monografia foi submetida à avaliação da Banca Examinadora composta pelos professores abaixo relacionados, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Bacharel em Turismo, outorgado pela Universidade Federal da Paraíba UFPB e encontra-se à disposição dos interessados no Laboratório de Turismo da referida Universidade. A citação de qualquer trecho desta monografia é permitida, desde que feita de acordo com as normas de ética científica. VIVIAN MAITÊ CASTRO InterSETORIALIDADE e interdisciplinaridade: EDUCAÇÃO, CULTURA POPULAR E TURISMO COMUNITÁRIO O caso da Ação Griô Nacional Aprovada em 19 de agosto de 2009, com média 10,0. BANCA EXAMINADORA Nota: 10,0 Profª. Dra. Maria Adailza Martins de Albuquerque Departamento de Metodologia da Educação - UFPB (Examinadora) Nota: 10,0 Prof. Bruno Muniz di Britto Departamento de Comunicação e Turismo - UFPB (Examinador) Nota: 10,0 Profª. Dra. Lígia Maria Tavares da Silva Departamento de Geociências - UFPB (Orientadora)

5 5 Dedico este trabalho a minha família e a todos os mestres e amantes da cultura popular, que resistem fortemente lutando, cantando e contando histórias e saberes que são verdadeiras lições de vida e me fazem acreditar em possibilidades infinitas. Fontes inspiradoras de meu crescimento pessoal, eles encantam e mostram com simplicidade o verdadeiro significado de estarmos aqui: O amor pela vida e as Pessoas com as quais nos deparamos ao longo dela.

6 6 AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, por estar sempre ao meu lado, me guiando, protegendo e propiciando um caminho de autoconhecimento a partir dos erros e acertos ao longo da vida, porém tudo em seu devido tempo. Por permitir-me pertencer a uma família amorosa e aprender que não importa o que aconteça, com amor tudo é possível e resolvível. Por ensinarme o amor ao próximo e assim, buscar encontrar o melhor de cada pessoa. À minha mãe, Juraci Castro, e meu pai, Wilson Castro, maiores incentivadores e investidores de meus estudos. Pelo amor incondicional, apoio em todos os momentos e presença constante. Por acreditarem em mim, em meu potencial e em minhas decisões pessoais. Por serem referências de ideais, posturas, batalhas e ética frente ao que o mundo nos oferece. E, principalmente, por estarem sempre disponíveis, em qualquer momento, e sob qualquer circunstância. Aos meus irmãos, Vinícius Wilson Castro e Elis Valéria de Sousa Cornes, pelo amor, companheirismo, admiração e apoio. À minha orientadora, sobretudo amiga, a geógrafa e professora Lígia Maria Tavares da Silva, por acreditar em meus devaneios, sistematizar as possibilidades, cobrar com sutilidade, apoiar, incentivar, intervir em meu favor, rir e até me levar para viajar nos momentos finais de concepção do trabalho, onde o stress já atrapalha e uma pausa bem conduzida é essencial. Por me ensinar que o mais importante de tudo é estar em paz e feliz consigo mesmo e com a pesquisa, pois assim ela flui naturalmente. Pela competente e generosa orientação, muito obrigada. Ao professor Alberto Guy Nishida, pela amizade, compreensão, parceria e apoio no início das pesquisas para definição do objeto de estudo deste trabalho de conclusão de curso. Ao professor Elbio Troccoli, pela amizade, presença constante, críticas desafiadoras, apoio direto e indireto em meu caminho durante a graduação e nesta monografia. Ao professor Euler Siqueira, da Universidade Federal de Juiz de Fora, inspirador dos meus primeiros estudos aprofundados em ciências sociais na academia. Pela amizade e apoio na escolha de mudança de cidade e até mesmo propondo trabalhos conjuntos entre realidades diferentes, o Nordeste e o Sudeste do Brasil. Ao professor Gilberto Felisberto Vasconcellos, também da Universidade Federal de Juiz de Fora, folclorista nato que me apresentou e me fez despertar para a diversidade cultural brasileira, com suas peculiaridades e personalidades. Ensinou-me a reivindicar, questionar,

7 7 tentar promover e articular mudanças, enfim, a movimentar-se por aquilo em que acreditamos e a não compadecer com o injusto. Ao amigo Danylo Aguiar, por simplesmente ser aquele amigo de todas as horas, sejam elas de trabalho, de produção acadêmica ou de puro lazer e boas risadas. Ao amigo Saullo Farias, pelo companheirismo, carinho e afeto, e por lembrar-se de mim, mesmo com tamanha distância, incentivando-me a inscrever o projeto que culminou com a inclusão da Paraíba na rede da Ação Griô Nacional. À Leandro Cunha, pelo amor, carinho, paciência, apoio e presença essencial na finalização desta monografia. À Delci Gomes, pelas histórias, mensagens subliminares e lições de vida. Pela compreensão, apoio e por me adotar de braços abertos na Escola Viva Olho do Tempo. À Durval Leal, pela compreensão e apoio para realização desta monografia em paralelo com tantas outras demandas de trabalho na organização não governamental Para iwa. Aos meus amigos, de tantas caminhadas pelas longas e diversas estradas da vida. Por aqueles que estão longe, porém estiveram presentes em momentos importantes e ainda estão próximos em afeto. E aos que estão perto, afirmam e validam minha escolha de estar em João Pessoa. Com vocês, minha vida padece sob constante felicidade crônica. Aos professores do Curso de Turismo da Universidade Federal da Paraíba, por acreditarem que vale a pena educar em um contexto político e estrutural tão adverso. Aos colegas das diferentes turmas do Curso de Turismo da Universidade Federal da Paraíba pelas quais transitei. Pelos bons momentos de discussão, aprofundamento teórico e, principalmente, de estreitamento de laços afetivos. Aos mestres e griôs de tradição oral, e aos militantes da Ação Griô Nacional, por me fazerem acreditar em uma possibilidade de atuação política em prol de nossa cultura popular, mas, sobretudo, pelas lindas pessoas que são, pelos ensinamentos, carinho, afeto e união nos momentos vivenciados nesta caminhada pelas nossas tradições culturais. Por fim, a todos os seres viventes que contribuíram direta e indiretamente para minha formação acadêmica, política, ideológica e pessoal, e que fizeram e ainda fazem-me acreditar em tantas possibilidades de trabalho e atuação cidadã, que me fazem pensar ser possível modificar o mundo a partir de pequenas ações, que somadas a outras pequenas ações, resultam em grandes ações transformadoras. E assim, de pouquinho em pouquinho, vamos tentando melhorar nossas vidas e as vidas de outras pessoas, partindo do principio de que é possível sonhar e, principalmente, alcançar estes sonhos. Basta acreditar em si mesmo, e agir conforme!

8 8 A people without the knowledge of their history, origin and culture is like a tree without roots. Marcus Darvey

9 9 CASTRO, Vivian Maitê. InterSETORIALIDADE e TransDISCIPLINARIDADE: Educação, Cultura popular e Turismo Comunitário - O caso da Ação Griô Nacional. 105 p. Monografia (Bacharelado em Turismo) Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, RESUMO Esta pesquisa tem por objetivo contribuir para as discussões e reflexões sobre a participação da sociedade civil organizada, na elaboração de iniciativas sociais, culturais, educacionais e turísticas que visam promover a cidadania, ao acrescentar, aprimorar e propor novas políticas públicas no Brasil. Analisa-se o momento político atual, para compreender uma proposta apresentada pela organização não governamental Associação Grãos de Luz e Griô que fora incorporada às políticas públicas para as diretrizes das culturas populares do Ministério da Cultura, no âmbito do Programa Nacional de Arte, Educação, Cidadania e Economia Solidária Cultura Viva, denominado de Ação Griô. Ampliando sua abrangência em âmbito nacional, o programa objetiva a inclusão dos saberes e fazeres de tradição oral em diálogo com a educação formal, propondo uma reformulação na grade curricular brasileira, com vias a referenciar e afirmar a ancestralidade, identidade e diversidade cultural brasileira. A partir desse programa, a organização não governamental Associação Projeto Bagagem, de São Paulo, criou e implantou entre 2006 e 2008 as primeiras Trilhas Griô de Turismo de Base Comunitária na cidade de Lençóis, região da Chapada Diamantina, Bahia, em parceria com a Associação Grãos de Luz e Griô. Estruturadas em conjunto e de acordo com os anseios das comunidades tradicionais locais, e tendo como atrativo principal seus mestres e griôs de tradição oral, as Trilhas Griô fomentaram novas políticas públicas no Ministério do Turismo, que também incorporou a proposta advinda do terceiro setor e selecionou mais projetos similares de todo Brasil. Neste trabalho, exemplifica-se uma das trilhas griô, estruturada e em pleno funcionamento na cidade de Lençóis, a Trilha Griô do Quilombo, mostrando seus diferenciais e peculiaridades, que podem configurar como uma alternativa de turismo comunitário que gera renda aos receptores, promove cidadania, ao mesmo tempo em que valoriza os mestres de saberes populares da rica diversidade cultural brasileira. Palavras Chave: Cultura Popular, Política Educacional, Ação Griô, Turismo Comunitário

10 10 CASTRO, Vivian Maitê. InterSECTORY and TransDISCIPLINARY: Education, Popular Culture and Community Tourism The case of National Griô Action. 105 p. Final Thesis for Tourism Bachelor Degree Paraíba. Federal University, João Pessoa, ABSTRACT This research aims to contribute to the discussions and reflections on the participation of the organized civil society in creating social, cultural, educational and tourism projects to promote citizenship by adding, improving and proposing new public policies in Brazil. It analyzes the current political moment, to understand a proposal made by the non-governmental organization Grãos de Luz e Griô Association that has been incorporated as a public policy for popular culture in the Cultural Ministry, within the National Program of Arts, Education, Citizenship and Solidarity Economy Cultura Viva (Alive Culture), called Açao Griô (Griô Action). Expanding its coverage in the national territory, the program aims to include the knowledge of oral traditions in dialogue with formal education, proposing a review on the curricular of Brazilian education to create a cultural reference and to affirm the ancestry, identity and cultural diversity in Brazil. From this program, the non-governmental organization Projeto Bagagem Association (Luggage Project), from São Paulo, which has created and implemented between the years of 2006 and 2008 the first Trilhas Griô (Griô Tracks) of Community Tourism, in the city of Lençóis, Chapada Diamantina, Bahia, in partnership with the Grãos de Luz e Griô Association. Structured in accordance with the desires of local traditional communities, and having as its main attraction the masters and griôs of oral traditions, the Trilhas Griô (Griô Tracks) encouraged new public policies in the Tourism Ministry, which also incorporated the proposal coming from the third sector and selected more similar projects throughout Brazil. This research gives, as an example, one of the Trilhas Griô structured and fully functioning in the city of Lençóis, the Trilha Griô of the Quilombo, showing their differences and peculiarities, which can set up an alternative of community tourism that generates income to its recipients, promotes citizenship, as well as it gives values on the masters of popular knowledge of the rich Brazilian cultural diversity. Key Words: Popular Culture, Educational Policy, Griô Action, Community Tourism

11 11 SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT SUMÁRIO INTRODUÇÃO PRELIMINARES E ESTRUTURA DO TRABALHO OBJETIVOS METODOLOGIA REDEMOCRATIZAÇÃO BRASILEIRA E NOVAS PRÁTICAS PEDAGOGICO- CULTURAIS Resgate Histórico Redemocratização das Políticas Públicas Políticas Públicas para a Cultura Popular CULTURA POPULAR E IDENTIDADE BRASILEIRA A Formação Cultural do Povo Brasileiro A Cultura Popular e seus Saberes e Fazeres de Tradição Oral A AÇÃO GRIÔ NACIONAL: RESGATANDO A EDUCAÇÃO E A IDENTIDADE CULTURAL História da Educação no Brasil Os Problemas da Educação no Brasil Educação Biocêntrica A Pedagogia Griô A participação da sociedade civil no processo de redemocratização da Educação: A Associação Grãos de Luz e Griô A Vivência da Pedagogia Griô Ritual de Vínculo e Aprendizagem O Programa Ação Griô Nacional do Ministério da Cultura... 58

12 TURISMO DE BASE COMUNITÁRIA O Turismo e suas Contradições Turismo Comunitário: Sustentabilidade, Humanismo e Cidadania Projeto Bagagem de Turismo de Base Comunitária As Trilhas Griô Trilha Griô do Quilombo Comunidade do Remanso CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS... 98

13 13 INTRODUÇÃO PRELIMINARES E ESTRUTURA DO TRABALHO O turismo e seus diversos segmentos e desdobramentos, frente ao recente crescimento da atividade, instigam estudos aprofundados quanto ao seu desenvolvimento, formas e modelos de implantação. A fim de analisar os impactos positivos e negativos ocasionados no ambiente e nas populações locais dos destinos turísticos, esta pesquisa visou encontrar referências positivas de desenvolvimento turístico aplicadas no Brasil, que possam inspirar futuros planejamentos sustentáveis de atuação e manutenção da atividade. Entendendo o turismo como uma atividade econômica, porém com reflexos sociais, culturais e ambientais, buscam-se maneiras de viabilizar seu desenvolvimento, em consonância com todas as áreas que a atividade atinge. Dentro dos diversos segmentos e possibilidades, este trabalho foca-se no modelo de turismo de base comunitária, voltado às culturas e comunidades tradicionalmente orais do território brasileiro, criado e implantado por uma organização não governamental, a Associação Projeto Bagagem. Entretanto, para abordar esse modelo, com gestão proveniente do terceiro setor, em conjunto com outras instituições da sociedade civil organizada e as comunidades receptoras, o estudo inicia-se, no primeiro capítulo, com um resgate histórico da política brasileira e dos movimentos sociais ao longo dos anos. Passando pela Constituição de 1988, que marca um importante momento de abertura política, após o período ditatorial com vias à democracia, até chegar ao governo atual, analisamos as políticas públicas e seu processo de redemocratização, que destacou e potencializou as ações do terceiro setor. A gestão federal atual, referência mais recente de estreitamento do diálogo e da incorporação de ações desenvolvidas pelo terceiro setor nas políticas públicas de governo, propõe um novo modelo organizacional de gestão. Este modelo baseia-se nos preceitos do holismo, como visão global de mundo e de ações interligadas, e na gestão compartilhada entre governo, sociedade civil organizada e sociedade de forma geral, de maneira a otimizar os recursos e viabilizar atuações concretas de retorno à população brasileira. No segundo capítulo, abordaremos a cultura como elemento principal no modelo de turismo de base comunitária, tratado neste trabalho, focando mais precisamente, na cultura popular e suas diversas manifestações no Brasil. Esse capítulo segundo serve de embasamento teórico, para entrarmos no âmbito da educação brasileira e sua estruturação, assunto do terceiro capítulo, a fim de mostrar como a

14 14 grade curricular inspirada em modelos europeus apresenta uma lacuna, no que tange aos aspectos culturais, durante a formação do povo brasileiro. O modelo vigente não contempla disciplinas relacionadas à identidade e ancestralidade cultural brasileira, o que provoca um estranhamento nos estudantes que não se enxergam dentro do espaço escolar, podendo ocasionar desinteresse nos estudos, além de poder colaborar com os altos índices de analfabetismo que colocam o país abaixo de nações menos desenvolvidas economicamente. Ao constatar essa lacuna existente em nosso sistema educacional, uma organização não governamental, a Associação Grãos de Luz e Griô 1, criou uma pedagogia para suprir esse problema - a Pedagogia Griô - com referenciais teóricos da educação dialógica de Paulo Freire, do princípio biocêntrico de criação de vínculos afetivos de Rolando Toro, e dos saberes e fazeres 2 de tradição oral transmitidos pelos próprios mestres detentores desse conhecimento. Implantada com resultados positivos na cidade de Lençóis, na Bahia, em conjunto com a secretaria municipal e os professores locais, o projeto inspirou governantes, e passou a adentrar uma das ações do Ministério da Cultura, objetivando ampliá-lo em todo o país A Ação Griô Nacional. Proposta de mobilização pela educação brasileira, a Ação Griô atua em todo Brasil, dividindo o território nacional em regionais especialmente delimitadas para suprir a dimensão do país, e adotando um modelo de gestão compartilhada, com a participação de entidades sem fins lucrativos, órgãos governamentais parceiros, sociedade civil e os próprios mestres de tradição oral. Essa política pública vem promovendo uma revalorização desses mestres e seus saberes em diálogo aberto com a educação formal. O objetivo maior é dar identidade, ancestralidade e referência cultural às crianças e adolescentes brasileiros, durante o processo educacional dos mesmos, instituindo um ato de cidadania. A Ação Griô Nacional já engloba 130 projetos associados, com aproximadamente 655 mestres e griôs de tradição oral que, intermediados pelos griôs aprendizes de cada entidade, que transitam entre a educação formal e o conhecimento popular, transmitem seus saberes e fazeres de tradição oral em escolas públicas parceiras dos projetos, atingindo hoje 20 estados da federação. Esse projeto impulsionou diversas outras ações em seus participantes, tantos nos mestres e griôs de tradição oral, como nas instituições sem fins 1 A palavra abrasileirada griô vem do francês griot, que traduz a palavra dieli na língua bamanan do Mali, noroeste da África. São os mestres genealogistas, contadores de histórias, músicos, poetas populares, mediadores políticos. Dieli originalmente significa sangue que circula, pois os griots caminham de aldeia em aldeia aprendendo e ensinando cultura. São educadores do popular, que aprende, ensina e se torna a memória viva da tradição oral. É o sangue que faz circular os saberes e histórias, as lutas e glórias de um povo, dando vida à rede de transmissão oral de uma região e de um país. (PACHECO 2006, p. 45) 2 Termo utilizado para caracterizar trabalhos manuais, como o artesanato, e atividades ligadas à cultura popular.

15 15 lucrativos pertencentes ao programa. É prerrogativa da Ação Griô criar e distribuir produtos educativos, relacionados à proposta, que são confeccionados através da economia solidária em pequenas comunidades, gerando renda em lugares longínquos e carentes. Dessa idéia de produtos agregados ao programa, que promovessem uma alternativa de geração de renda às comunidades carentes, e com mestres e griôs de tradição oral, nasceram as Trilhas Griô de Turismo de Base Comunitária, foco do quarto capítulo. Apresentamos inicialmente o turismo como atividade econômica que se depara com contradições, quando dos modelos de estrutura e desenvolvimento implantados em muitos destinos turísticos para, enfim, mostrarmos uma alternativa de Turismo de Base Comunitária que já apresenta resultados positivos. Criada por uma organização não governamental, visando desenvolver um turismo mais humano e cultural, além de mostrar boas iniciativas sociais ao redor do Brasil, a Associação Projeto Bagagem trabalha sempre em parceria com outras organizações não governamentais locais e as comunidades receptoras, que participam efetivamente da elaboração e estruturação da atividade turística. Planejando ações a médio e longo prazo, e em consenso com a população local, o Projeto Bagagem dedica de um a dois anos de estruturação da atividade em cada localidade onde se pretende estabelecer um roteiro de turismo de base comunitária. Neste quarto capítulo, apresentamos o embasamento teórico do Projeto Bagagem e seu modelo de turismo que, recentemente, chamou a atenção do Ministério do Turismo, que não tinha uma linha de atuação no segmento de turismo de base comunitária. Tal Ministério agora patrocinará projetos já selecionados em edital de seleção pública, que apresentaram propostas semelhantes de turismo de base comunitária e trabalhos organizados em redes sociais, buscando uma gestão compartilhada que se mostra como alternativa de organização e administração vigente em alguns setores do país. As primeiras Trilhas Griô foram pensadas e estruturadas pelo Projeto Bagagem em parceria com a Associação Grãos de Luz e Griô, gestora da Ação Griô Nacional. São três atualmente, na cidade de Lençóis, na Bahia, porém focamos nosso exemplo em uma delas, vivenciada pela autora desta pesquisa. Com os resultados positivos alcançados nestas primeiras trilhas, já estão previstas cinco novas trilhas na Bahia e em Pernambuco, sempre em parceria com organizações não governamentais locais. Esta pesquisa partiu da premissa de aprofundar seus estudos quanto à criação do programa Ação Griô Nacional, que busca o reconhecimento e a valorização dos mestres e griôs de tradição oral que, até pouco tempo, não eram referenciados em políticas públicas

16 16 governamentais, assim como transpor para o espaço acadêmico uma iniciativa da sociedade civil organizada, setor pouco divulgado na academia e nunca antes abordado como criador e gestor de projetos turísticos, nos trabalhos de conclusão do curso de Turismo da Universidade Federal da Paraíba. Após a inclusão da Paraíba no programa, e da proposta de articulação da regional de parte do Nordeste, a autora, que participa do projeto, obteve a possibilidade de entender melhor suas diretrizes e prerrogativas, além de participar de encontros, eventos e vivências da pedagogia griô, o que propiciou um encantamento pessoal, assim como mostrou-se uma alternativa de desenvolver o lado humano das pessoas, propiciar um turismo mais enriquecedor, e promover a cidadania num Brasil com tantos problemas e desigualdades sociais. Após ter desenvolvido os aspectos que consideramos relevantes em relação ao tema que nos ocupa, chegamos à parte em que devemos exprimir as nossas conclusões, que pelo seu caráter preferimos denominar apenas como Considerações finais. Com o conhecimento do modelo de turismo de base comunitária, proposto e adotado pela coordenação geral do programa, as Trilhas Griô, a definição do objeto de pesquisa e dos elementos que seriam abordados surgirão da indagação: Qual a importância da Ação Griô Nacional, dentro de uma proposta de educação voltada à identidade e ancestralidade cultural brasileira, e como ela pode auxiliar na estruturação de um turismo de base comunitária sustentável? As Trilhas Griô, já implantadas em Lençóis, mostraram-se como real possibilidade de desenvolvimento da atividade turística de forma sustentável e em consonância com as comunidades locais, além de promoverem um enriquecimento cultural aos turistas e enaltecer a identidade e diversidade cultural brasileira. Promovendo um contato direto com culturas tradicionais, através de mestres de saberes e fazeres de tradição oral, estimulando a valorização destes conhecimentos orais e gerando renda para as comunidades receptoras, as trilhas griô se apresentam como um novo modelo de turismo de base comunitária viável, inspirador e encantador.

17 17 OBJETIVOS Objetivo Geral Analisar a importância da Ação Griô Nacional como política pública de educação e cultura, que tem, no turismo de base comunitária, uma das ações de desenvolvimento da economia solidária em comunidades tradicionais. Objetivos Específicos Traçar um panorama histórico-político sobre o processo de redemocratização das políticas públicas brasileiras dentro da visão holística, focando naquelas voltadas à cultura popular; Relatar o processo de formação cultural do povo brasileiro, mostrando o retrato dos excluídos e enfatizando a cultura popular e seus saberes e fazeres de tradição oral, característicos desta população; Construir uma visão acerca do modelo educacional implantado no Brasil, mostrando a necessidade de inclusão de aspectos de nossa cultura que aborde a identidade e a ancestralidade brasileira, apresentando, assim, uma nova pedagogia que contempla esta lacuna A Pedagogia Griô, que originou o programa Ação Griô Nacional, valorizando os mestres e griôs de tradição oral; Exemplificar um modelo de turismo de base local, as Trilhas Griô, elaborado por uma organização não governamental, que trabalha em parceria com outras entidades sem fins lucrativos e que tem, como atrativo principal, os mestres e griôs de tradição oral.

18 18 METODOLOGIA As metodologias utilizadas para realização deste trabalho, abrangem a pesquisa bibliográfica, documental e a observação in loco, como observador participante e participante ativa nos encontros e eventos ocorridos. A escolha do objeto de estudo, se deu através da minha entrada no programa Ação Griô Nacional, e a possibilidade de posicionar-se como participante, porém com um olhar exterior, observando seu funcionamento. Assim, a pesquisa principal pautou-se em conversas informativas com os envolvidos no programa, na realização da trilha de turismo de base comunitária e na estadia na comunidade onde este exemplo se desenvolve. O posicionamento adotado pela autora em sua maneira de ver o mundo, e conseqüentemente neste trabalho, se opõe ao cartesianismo e ao positivismo, que rejeitam a fluidez e a mobilidade da vida (HOLANDA, 1984, p.117). A perspectiva humanística, que engloba os conceitos de holismo, princípio biocêntrico e circularidade, tem como uma das prerrogativas essenciais, a vivência pessoal como objeto de estudo. Logo, a pesquisadora participou das vivências e práticas pedagógicas realizadas pela Associação Grãos de Luz e Griô, que coordena a Ação Griô Nacional, assim como em uma das Trilhas Griô de Turismo de Base Comunitária, exemplificada neste trabalho. O primeiro contato com o objeto de estudo ocorreu em agosto de 2008, com a leitura do livro Pedagogia Griô, escrito por Líllian Pacheco em 2006, para a inscrição de uma proposta pedagógica voltada ao edital de seleção pública Ação Griô Nacional, o qual fora realizado por mim em meu local de trabalho, a organização não governamental Congregação Holística da Paraíba, situada em Gramame, zona rural de João Pessoa. Com a aprovação do projeto, esta fora convidada a participar de um evento em novembro do mesmo ano, promovido pelo Ministério da Cultura, o TEIA 2008, que congrega todas as ações culturais promovidas pela atual Secretaria de Cidadania Cultural deste ministério, a qual a Ação Griô faz parte. Neste evento, houve o primeiro contato prático com a pedagogia griô proposta no programa, assim como com seus idealizadores, coordenadores, demais projetos aprovados, e os mestres de saberes de tradição oral de todo país. Em marco de 2009, realizei uma viagem à cidade de Lençóis, Bahia, para conhecer a organização não governamental que criou e implantou o programa, e suas outras ações na localidade. Desta visita, direcionou-se o objeto de pesquisa, assim como se extraíram experiências pessoais, conversas informativas e relatos acerca do objeto, os quais norteiam este trabalho.

19 19 Definido os objetivos procurados durante a observação in loco, apontamos os três principais citados por Hay (2002, p. 105, tradução da autora): A contagem, que enumera as funções a serem observadas, auxiliando na representação dos fatos e nas análises estatísticas de dados concretos. A evidência complementar, que são informações adicionadas antes, durante e depois da experiência, que auxiliam na estruturação e acréscimo de detalhes das descrições dos fatos. E o contexto subentendido, que procura construir uma interpretação profunda da experiência vivida. Outra metodologia muito utilizada durante a pesquisa foi à participação observante da autora que, segundo Kluckhohn apud HAY (2002, p. 109, tradução da autora) é definida de forma concisa como um momento de consciência, sistematização e compartilhamento de informações referentes às atividades humanas de um grupo específico de pessoas que sejam o foco do estudo, visando interpretar as experiências vividas. Esta pesquisa utilizou o participante como observador, que se caracteriza como o pesquisador que busca o entendimento social, gerado com a mudança no grupo estudado, realizando a pesquisa na própria localidade e em contato direto com a mesma. Neste estudo, a cidade de Lençóis, na Bahia, onde se localiza a organização não governamental Grãos de Luz e Griô, coordenadora do programa Ação Griô Nacional, focando o trabalho em sua área de formação acadêmica, no exemplo de turismo de base comunitária estruturado na comunidade tradicional do Remanso, zona rural da cidade.

20 REDEMOCRATIZAÇÃO BRASILEIRA E NOVAS PRÁTICAS PEDAGOGICO- CULTURAIS A política é a continuação da guerra por outros meios FOUCAULT, na obra - Em Defesa da Sociedade Resgate Histórico O Brasil colônia recebeu intensa influência européia de Portugal que, naquela época, era considerado uma potência mundial, devido às grandes navegações e colocava-se como nação desenvolvida frente às novas terras descobertas, numa espécie de competição com as outras nações colonizadoras. Assim, impôs seu modo de vida e costumes aos nativos que aqui se encontravam, e inseriu seus modelos estruturais em todos os setores a serem desenvolvidos na nova terra. Comércio, cultura, educação, saúde, manejo dos recursos naturais, idioma e política, são alguns dos setores que foram se estruturando ao longo dos anos, tendo como referência os modelos europeus. No campo da política e seu processo democrático, tema abordado neste primeiro capítulo, as idéias positivistas de Auguste Comte 3 destacaram-se durante o período republicano, o que resultou na presença de seguidores nos conselhos dos governantes. Entretanto, estes modelos importados não se adaptavam e, muitas vezes, ainda não se adaptam à realidade brasileira. Éramos essencialmente um país comandado por uma aristocracia agrária, que não compreendia os preceitos intelectuais positivistas, mas acabara por inserí-los aqui pela referência literária que estas idéias haviam alcançado na Europa. Era algo considerado superior, positivo, importado, algo a ser copiado das nações mais desenvolvidas, pois se funcionava no continente europeu, não tinha como não ser bom para o desenvolvimento do Brasil. Sergio Buarque de Holanda (1984), traça uma visão crítica acerca deste período de nossa história. Na verdade, a ideologia impessoal do liberalismo democrático jamais se naturalizou entre nós. Só assimilamos efetivamente esses princípios ate onde coincidiram com a negação pura e simples de uma autoridade incômoda, confirmando nosso instintivo horror às hierarquias e permitindo tratar com familiaridade os governantes. A democracia no Brasil foi sempre um lamentável mal-entendido. Uma aristocracia rural e semifeudal importou-a e tratou de acomodá-la onde fosse possível, aos seus direitos ou privilégios, os mesmos privilégios que tinham sido, no Velho Mundo, o alvo da luta da burguesia contra os aristocratas. E assim puderam incorporar a 3 O francês Auguste Comte foi filosofo e criador da Sociologia e do Positivismo, que abrange conceitos filosóficos, políticos, sociológicos e científicos do século XIX e XX.

AÇÃO GRIÔ NACIONAL: A TRADIÇÃO ORAL NA EDUCAÇÃO FORMAL. Resumo

AÇÃO GRIÔ NACIONAL: A TRADIÇÃO ORAL NA EDUCAÇÃO FORMAL. Resumo AÇÃO GRIÔ NACIONAL: A TRADIÇÃO ORAL NA EDUCAÇÃO FORMAL Vivian Maitê CASTRO. Estudante de Turismo- UFPB vivianmaite@gmail.com; Wanessa ALEXANDRE. Estudante de Geografia -UFPB wanessaalexandre@yahoo.com.br;

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 Naiara de Souza Araújo 2 Raquel Leandro Portal 3 Resumo O Brasil é um país com uma ampla diversidade cultural que necessita ser valorizada e por

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula.

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. 01_IN_CA_FolderTecnico180x230_capa.indd 3 sonhando com uma nova escola e uma nova sociedade 7/24/13 2:16 PM comunidade de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais Momento do Tipo de Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Desenvolvimento Social e Erradicação da Miséria Valor de Referência para Individualização de Projetos em Iniciativas Esferas Fiscal

Leia mais

ARTE INOVA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS

ARTE INOVA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS MERCADO ARTE INOVA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS Com apoio da Embratel, Instituto Ayrton Senna qualifica ONGs para o Programa Cidadão 21 Arte OInstituto Ayrton Senna e a Embratel aliaram-se há três anos para

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO: 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos 1 - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS A PRÁTICA MUSICAL NA ESCOLA PÚBLICA PAULISTA

POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS A PRÁTICA MUSICAL NA ESCOLA PÚBLICA PAULISTA POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS A PRÁTICA MUSICAL NA ESCOLA PÚBLICA PAULISTA Leila Guimarães dos Santos Dorotéa Machado Kerr RESUMO: Pretende-se discutir o papel do ensino da música nos diferentes períodos

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR

CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR Marie Jane Soares Carvalho Coordenadora Geral do FORPROF/RENAFOR/UFRGS Maio de 2013 Cursos SECADI - Catálogo EXTENSÃO, APERFEIÇOAMENTO E ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Impactos do turismo na identidade cultural. Impacts of tourism on cultural identity

Impactos do turismo na identidade cultural. Impacts of tourism on cultural identity ARTES E HUMANIDADES Impactos do turismo na identidade cultural. Impacts of tourism on cultural identity Jones da Silva Gomes Graduado em Turismo pelo Instituto Federal de São Paulo - IFSP e aluno especial

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS: DESAFIO PARA O GOVERNO BRASILEIRO E PARA A EDUCAÇÃO.

ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS: DESAFIO PARA O GOVERNO BRASILEIRO E PARA A EDUCAÇÃO. ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS: DESAFIO PARA O GOVERNO BRASILEIRO E PARA A EDUCAÇÃO. Larissa Gabrielle Braga e Silva 1 Orientadora: Profª Maria Helena Morra 2 RESUMO O Brasil é um país de faces contraditórias

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

PREFÁCIO. DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil. Prezada leitora, estimado leitor,

PREFÁCIO. DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil. Prezada leitora, estimado leitor, PREFÁCIO DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil Prezada leitora, estimado leitor, Ao longo dos séculos, a pobreza foi um fenômeno cercado de interesses e de preconceitos. Houve momentos

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA Rozieli Bovolini Silveira 1 Diane Santos de Almeida 2 Carina de Souza Avinio 3 Resumo: A educação inclusiva e processo de educação de pessoas

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador.

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador. I ENCONTRO, CAPOEIRA e PATRIMÔNIO IMATERIAL no BRASIL: perspectivas para a implementação de políticas públicas de salvaguarda da Capoeira. Local: UFF Niterói RJ Data: 3 de setembro de 2006 às 16:00 h Tema:

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA

PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA Palestra do secretário de Direitos Humanos e Cidadania, Rogério Sottili, no evento Diálogos em Ação: Educação Inclusiva na Cidade

Leia mais

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

A legislação e a Orientação Educacional

A legislação e a Orientação Educacional A legislação e a Orientação Educacional A legislação relacionada à educação no Brasil auxiliou o Orientador Educacional a fortalecer-se como profissional, muitas vezes embasado em pressupostos teóricos

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais