UNIRIO Universidade Federal do Estado. do Rio de Janeiro Caminhadas de universitários de origem popular UNIRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIRIO Universidade Federal do Estado. do Rio de Janeiro Caminhadas de universitários de origem popular UNIRIO"

Transcrição

1 UNIRIO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Caminhadas de universitários de origem popular UNIRIO

2 UNIRIO

3 Copyright 2009 by Universidade Federal do Rio de Janeiro / Pró-Reitoria de Extensão. O conteúdo dos textos desta publicação é de inteira responsabilidade de seus autores. Coordenação da Coleção: Organização da Coleção: Programação Visual: Coordenação: Jailson de Souza e Silva Jorge Luiz Barbosa Ana Inês Sousa Monique Batista Carvalho Francisco Marcelo da Silva Dalcio Marinho Gonçalves Aline Pacheco Santana Núcleo de Produção Editoria da Extensão PR-5/UFRJ Claudio Bastos Anna Paula Felix Iannini Thiago Maioli Azevedo C183 Caminhadas de universitários de origem popular : UNIRIO / organizado por Ana Inês Souza, Jorge Luiz Barbosa, Jailson de Souza e Silva. Rio de Janeiro : Universidade Federal do Rio de Janeiro, Pró-Reitoria de Extensão, p. ; il. ; 24 cm. (Coleção Caminhadas de universitários de origem popular) Ao alto do título: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Programa Conexões de Saberes : Diálogos entre a Universidade e as Comunidades Populares. Parceria: Observatório de Favelas do Rio de Janeiro. ISBN: Estudantes universitários Programas de desenvolvimento Brasil. 2. Integração universitária Brasil. 3. Extensão universitária. 4. Comunidade e universidade Brasil. I. Souza, Ana Inês, org. II. Barbosa, Jorge Luiz, org. III. Silva, Jailson de Souza e, org. VI. Programa Conexões de Saberes : Diálogos entre a Universidade e as Comunidades Populares. V. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. VI. Universidade Federal do Rio de Janeiro. VII. Observatório de Favelas do Rio de Janeiro. CDD:

4 Ministério da Educação Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade Programa Conexões de Saberes: diálogos entre a universidade e as comunidades populares Organizadores Jailson de Souza e Silva Jorge Luiz Barbosa Ana Inês Sousa UNIRIO Pró-Reitoria de Extensão - UFRJ Rio de Janeiro

5 Coleção Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministério da Educação Fernando Haddad Ministro Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade SECAD André Luiz de Figueiredo Lázaro Secretário Armênio Bello Schmidt Diretoria de Educação para a Diversidade - DEDI Leonor Franco de Araújo Coordenação Geral de Diversidade CGD Programa Conexões de Saberes: diálogos entre a universidade e as comunidades populares Jorge Luiz Barbosa Jailson de Souza e Silva Coordenação Geral Diógenes Pinheiro Coordenação Geral do Programa Conexões de Saberes/UNIRIO Alba Lucia Castelo Branco Maria Elena Viana Souza Coordenação Adjunta Mônica Borges Monteiro Luciana Campos Golarte Coordenação Assistente Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Malvina Tania Tuttman Reitora Luiz Pedro San Gil Jutuca Vice-Reitor Regina Guedes Moreira Guimarães Pró-Reitora de Extensão Autores Adriana Cristina Araújo Souza Alexsandro da Silva Evangelista Ana Carolina Pereira dos Santos Ana Margareth do Nascimento Amorim Ana Paula da Silva Mendonça Angélica do Carmo Coitinho Antonio Celso da Silva Campello Caroline de Aquino Pereira Emily Maviana da Trindade Santos Fabiana Santos de Paula Fabiana Santos de Souza Fabíola Estrela Dias Fabrice da Mota Cardoso Felipe Jorge Rodrigues Campos Fernanda Guimarães Felix Francelino Conceição Lopes Cruz Francisco de Paula Araújo Gabriele Silva dos Santos Janaína Silva Lucas Julio César da Silva Oliveira Lellis Hummenigg Cremonez Taveira Lia Evangelista dos Santos Lívia Ceschia dos Santos Miranda Louise Storni Vasconcelos de Abreu Luana Nascimento de Oliveira Luiz Antonio Gomes Cristóvão Marcelly Marques Pereira Maria Aparecida Mesquita dos Santos Marília Amaral Pepicon Melanie Pimenta Amaral Milena Martins Medina Priscila do Nascimento Pereira Priscila Maia Barcelos Rodolpho de Morais Pereira Rosana Nunes Dutra Rosangela Neder Sabrina Carvalho de Almeida Simony Costa de Oliveira Taíssa Pereira dos Santos Valéria Paixão de Vasconcelos Nepomuceno Vanessa Adalgiza Pimenta de Carvalho Vanessa Barbosa de Brito Luciana Campos de Golarte Mônica Borges Monteiro

6 Prefácio A sociedade brasileira tem como seu maior desafio a construção de ações que permitam, sem abrir mão da democracia, o enfrentamento da secular desigualdade social e econômica que caracteriza o país. E, para isso, a educação é um elemento fundamental. A possibilidade da educação contribuir de forma sistemática para esse processo implica uma educação de qualidade para todos, portanto, uma educação que necessita ser efetivamente democratizada, em todos os níveis de ensino, e orientada, de forma continua, pela melhoria de sua qualidade. No atual governo, o Ministério da Educação persegue de forma intensa e sistemática esses objetivos. Conexões de Saberes é um dos programas do MEC que expressa de forma nítida a luta contra a desigualdade, em particular no âmbito educacional. O Programa procura, por um lado, estreitar os vínculos entre as instituições acadêmicas e as comunidades populares e, por outro lado, melhorar as condições objetivas que contribuem para os estudantes universitários de origem popular permanecerem e concluírem com êxito a graduação e pós-graduação nas universidades públicas. Criado pelo MEC em dezembro de 2004, o Programa é desenvolvido a partir da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD-MEC) e representa a evolução e expansão, para o cenário nacional, de uma iniciativa elaborada, na cidade do Rio de Janeiro no ano de 2002, pela Organização da Sociedade Civil de Interesse Público Observatório de Favelas do Rio de Janeiro. Na ocasião constitui-se uma Rede de Universitários de Espaços Populares com núcleos de formação e produção de conhecimento em várias comunidades populares da cidade. O Programa Conexões de Saberes criou, inicialmente, uma rede de estudantes de graduação em cinco universidades federais, distribuídas pelo país: UFF, UFMG, UFPA, UFPE e UFRJ. A partir de maio de 2005, ampliamos o Programa para mais nove universidades federais: UFAM, UFBA, UFC, UFES, UFMS, UFPB, UFPR, UFRGS e UnB. Em 2006, o Ministério da Educação assegurou, em todos os estados do país, 33 universidades federais integrantes do Programa, sendo incluídas: UFAC, UFAL, UFG, UFMA, UFMT, UFPI, UFRN, UFRR, UFRPE, UFRRJ, UFS, UFSC, UFSCar, UFT, UNIFAP, UNIR, UNIRIO, UNIVASF e UFRB. Através do Programa Conexões de Saberes, essas universidades passam a ter, cada uma, ao menos 25 1 universitários que participam de um processo contínuo de qualificação como pesquisadores; construindo diagnósticos em suas instituições sobre as condições pedagógicas dos estudantes de origem popular e desenvolvendo diagnósticos e ações sociais em comunidades populares. Dessa forma, busca-se a formulação de proposições e realização de 1 A partir da liberação dos recursos 2007/2008 cada universidade federal passou a ter, cada uma, ao menos 35 bolsistas.

7 práticas voltadas para a melhoria das condições de permanência dos estudantes de origem popular na universidade pública e, também, aproximar os setores populares da instituição, ampliando as possibilidades de encontro dos saberes destas duas instâncias sociais. Nesse sentido, o livro que tem nas mãos, caro(a) leitor(a), é um marco dos objetivos do Programa: a coleção Caminhadas chega a 33 livros publicados, com o lançamento das 19 publicações em 2009, reunindo as contribuições das universidades integrantes do Conexões de Saberes em Com essas publicações, busca-se conceder voz a esses estudantes e ampliar sua visibilidade nas universidades públicas e em outros espaços sociais. Esses livros trazem os relatos sobre as alegrias e lutas de centenas de jovens, rapazes e moças, que contrariaram a forte estrutura desigual que ainda impede o pleno acesso dos estudantes das camadas mais desfavorecidas às universidades de excelência do país ou só o permite para os cursos com menor prestígio social. Que este livro contribua para sensibilizar, fazer pensar e estimular a luta pela construção de uma universidade pública efetivamente democrática, um sociedade brasileira mais justa e uma humanidade cada dia mais plena. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade Ministério da Educação Observatório de Favelas do Rio de Janeiro

8 Sumário Apresentação Parte 1: Caminhos e caminhadas Agradecimento Adriana Cristina Araújo Souza A história do nosso Brasil Alexsandro da Silva Evangelista Fluxo vertical Ana Carolina Pereira dos Santos Ninguém está totalmente só Ana Margareth do Nascimento Amorim Minha vida é assim... Ana Paula da Silva Mendonça Caminhando e cantando e seguindo a canção Angélica do Carmo Coitinho O início Antonio Celso da Silva Campello Mulheres de fibra, de coragem e de coração Caroline de Aquino Pereira Ter um bom motivo pra sonhar Emily Maviana da Trindade Santos Passo a passo para a universidade Fabiana Santos de Paula Minha vida acadêmica em poucas palavras, porém com muitas conturbações Fabiana Santos de Souza... 49

9 Transformando os sonhos em realidade Fabíola Estrela Dias No meio do caminho havia uma pedra Fabrice da Mota Cardoso Sonho impossível? Felipe Jorge Rodrigues Campos Minha vida contada em versos Fernanda Guimarães Felix Olhar Estrangeiro Francelino Conceição Lopes Cruz Minha percepção de mundo Francisco de Paula Araújo Maravilhada Gabriele Silva dos Santos Tomada de decisão Janaína Silva Lucas Meus referenciais Julio César da Silva Oliveira Acreditar em si mesmo Lellis Hummenigg Cremonez Taveira Pelas idas e vindas Lia Evangelista dos Santos De sonhos à realidade Lívia Ceschia dos Santos Miranda Minha caminhada, minha vida! Louise Storni Vasconcelos de Abreu A formação do ser contemplada a beleza do arborecer Luana Nascimento de Oliveira Superação Luiz Antonio Gomes Cristóvão Caminhadas de universitários de origem popular

10 Era uma vez uma linda gatita Marcelly Marques Pereira Vida, minha vida Maria Aparecida Mesquita dos Santos Minha trajetória de vida Marília Amaral Pepicon Entre quedas, lutas e desafios: o doce sabor da vitória! Melanie Pimenta Amaral Minha vida Milena Martins Medina Caminhadas Priscila do Nascimento Pereira Zero zero Priscila Maia Barcelos Risos e lágrimas Rodolpho de Morais Pereira Assim a vida foi passando Rosana Nunes Dutra A arte de resistir Rosangela Neder Eu tenho um sonho... Sabrina Carvalho de Almeida Conquista Simony Costa de Oliveira Metáfora da borboleta Taíssa Pereira dos Santos O sonho se alcança Valéria Paixão de Vasconcelos Nepomuceno Caminhando com motivação Vanessa Adalgiza Pimenta de Carvalho Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro 9

11 Minha caminhada Vanessa Barbosa de Brito Lembranças da Colina Luciana Campos de Golarte Do Ita do Norte para a universidade Monica Borges Monteiro Parte 2: a Universidade reencontra a Escola Pública Parte 3: A formação de um sujeito coletivo O discurso do sujeito coletivo conexista Caminhadas de universitários de origem popular

12 Apresentação Os textos que o leitor terá acesso neste livro são relatos escritos por bolsistas do Programa Conexões de Saberes da UNIRIO, narrando suas trajetórias educacionais e existenciais, desde o Ensino Fundamental até a Universidade. Como se sabe, a palavra trajetória vem do Latim (trajectore) e significa, basicamente, o que atravessa ou o que está em movimento. As histórias narradas em primeira pessoa pelos autores deste livro têm essa característica, pois captam os sentimentos desses estudantes em um momento crucial de suas caminhadas: a travessia turbulenta entre o Ensino Médio e o Superior, assim como a proximidade com as responsabilidades da profissão escolhida. Nesse sentido, pode-se dizer que esses relatos são também ritos de passagem de estudantes - autores e personagens dessas histórias - que têm em comum a sua origem popular, isto é, são moradores de favelas, periferias e os primeiros do seu grupo familiar a ingressar no ensino superior, oriundos de famílias humildes, como a de boa parte do povo brasileiro. A diferença fundamental é que eles conseguiram romper a barreira que ainda hoje exclui estudantes pobres da universidade pública. São, portanto, relatos de indivíduos vitoriosos, no sentido mais generoso do termo, pois são pessoas engajadas em trazer para a universidade outros tantos jovens pobres que ainda enfrentam a difícil tarefa de buscar ascender socialmente através da educação. Eles são também os mensageiros de uma postura intelectual renovada, já que estão fortemente imbuídos da vontade de levar o saber acadêmico adquirido na universidade para melhorar a vivência nas comunidades populares, como as de sua origem, ou nas escolas públicas, berços de tantos deles. Essa talvez seja a primeira vez em que são convidados a falar sobre suas vidas, a partir de um olhar para o passado, em busca de um sentido para as suas caminhadas até aqui. Os relatos corajosos que os leitores terão oportunidade de ler contam a aposta e o compromisso desses estudantes com a sua capacidade de construir uma vida mais digna para si mesmos, para suas famílias e para suas comunidades. Isso tem um valor extraordinário e aponta o caminho da solidariedade como o parâmetro ético norteador da ação política de estudantes de origem popular. A relevância deste livro está justamente na contribuição que possa dar ao desenho de políticas sociais consistentes para a juventude, que devem estar vinculadas à ampliação do campo de possibilidades dos jovens de origem popular, um dos segmentos mais vulneráveis da sociedade brasileira e, contraditoriamente, aquele que irá definir os rumos da nação mais justa, generosa e efetivamente democrática que todos desejamos. A chegada do Programa Conexões de Saberes à UNIRIO, em 2006, materializou um conjunto de ações e percepções que se tinha a respeito de nossa universidade, ou seja, algumas pesquisas já apontavam que a UNIRIO possui muitos alunos de graduação que têm origem popular ou que são trabalhadores, tanto nos cursos diurnos e vespertinos quanto nos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro 11

13 cursos noturnos. Do mesmo modo, políticas institucionais, como a bolsa permanência, buscavam apoiar alunos que tinham dificuldades de se manter na universidade. No entanto, não se tinha conhecimento de quantos eles são, quantos trabalham e no que trabalham, e quais são as condições que enfrentam para se manter na universidade. A realização de pesquisas qualificadas nessa direção tem sido um passo importante para subsidiar políticas institucionais de apoio estudantil. Os dados coletados servirão de base para estudos que dêem elementos para se conhecer melhor os alunos da instituição, permitindo, assim, políticas mais focadas e eficientes. A proposta do Programa Conexões de Saberes é estabelecer uma troca de conhecimento com as comunidades populares, partindo da premissa de que não existe um único saber, nem hierarquias entre os saberes erudito e popular, e de que a interação e a soma de esforços é o caminho mais fértil para o desenvolvimento do campo científico. Logo, o lugar desse projeto só poderia ser na extensão universitária, espaço privilegiado para essas práticas. A Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários - PROEX - fundamenta-se em um modelo político pedagógico participativo, que prima pela busca da qualidade social. Ela é responsável pela formulação de políticas, gerência e avaliação da Extensão e dos Assuntos Comunitários da Universidade. Apresenta-se como um espaço de construção do conhecimento, de preservação e recriação da cultura e de promoção do bem-estar da comunidade universitária, reafirmando o compromisso social da UNIRIO e interligando-a com as demandas de sua comunidade e da sociedade. A PROEX, dessa forma, vem contribuir, junto com outras instâncias da Universidade, para a instalação de um ambiente universitário estimulador, favorecendo o surgimento de condições propícias para o desenvolvimento do trabalho dos profissionais que atuam na UNIRIO, e para uma formação acadêmica crítica dos alunos, a partir do interrelacionamento dos membros da comunidade universitária. A Extensão passa a ser entendida como processo acadêmico, definido e efetivado em função das exigências da realidade, indispensável na formação do aluno, na qualificação do professor e no intercâmbio com a sociedade, implicando em relações multi, inter e transdisciplinares e interprofissionais. Por isso, a Extensão é o espaço por excelência para se iniciar um debate amplo sobre a ampliação do acesso e a criação de condições para a permanência qualificada de estudantes de origem popular. O que motivou este livro foi a possibilidade de propor outra abordagem para essa temática. A intenção aqui foi dar um rosto bem visível ao que teoricamente chamamos de desigualdade e de diferença. Reconhecer a diferença e trabalhar com ela é um passo essencial na criação de práticas educacionais e sociais mais modernas. O grande desafio é não permitir que a diferença se transforme em desigualdade. Nesse sentido, os relatos nos mostram que o acesso à universidade está longe de resolver os problemas dos estudantes de origem popular. O fato é que sua presença ainda não suscitou ações afirmativas capazes de garantir sua incorporação efetiva à vida acadêmica. É visível o despreparo da universidade para recebê-los: sem "bandejões" onde possam se alimentar a preços justos; sem bibliotecas atualizadas onde possam escapar dos textos obrigatoriamente "xerocados" para os quais não têm dinheiro; sem alojamentos para economizar nas passagens de ônibus, que são uma das maiores barreiras para sua permanência etc. 12 Caminhadas de universitários de origem popular

14 Quando iniciamos a seleção para o projeto, abrimos a porta para uma dimensão que era desconhecida mesmo por nós, profissionais acostumados a pesquisar a desigualdade dessa realidade vinda pela própria voz desses sujeitos, jovens e adultos, homens e mulheres que estão experimentando também um momento novo e radical nas suas trajetórias existenciais. Os relatos aqui reunidos são o resultado dessa descoberta, que foi ao mesmo tempo individual e coletiva, pois, ao ouvirmos eles contarem as suas dificuldades e conquistas na universidade, nos foi possível olhar para a nossa própria instituição de forma diferente, assim como compreender, de modo mais denso, a vivência nas comunidades populares de origem de nossos bolsistas. Entrevistamos dezenas de estudantes de origem popular na UNIRIO, candidatos a uma vaga no projeto, e percebemos que conhecemos muito pouco os nossos alunos. Cada um tem uma história de luta e de esperança que não conhecemos. E por não conhecer, não nos responsabilizamos por transformar a universidade em um lugar melhor, capaz de produzir um conhecimento mais completo, somente possível à medida que consiga incorporar ao seu quadro discente e docente pessoas de diversas origens sociais, econômicas e raciais. A presença cada vez maior de universitários de origem popular é um fenômeno relativamente novo no cenário político educacional brasileiro. Remonta ao início da década de 1990, quando mudanças importantes tornaram o acesso à universidade uma possibilidade real para alguns desses jovens, pois ainda hoje esse é um sonho distante para a maior parte dos estudantes pobres. A despeito do aspecto quantitativo, os desdobramentos políticoculturais da presença desse novo ator social são importantes e relativamente pouco tratados no debate sobre políticas institucionais para ampliar a presença de classes populares no Ensino Superior brasileiro. A intenção principal na publicação desses relatos é ampliar o debate sobre o acesso, a permanência qualificada e o sucesso de estudantes de origem popular no Ensino Superior brasileiro. Tornar a universidade a cara do Brasil é talvez o maior desafio que temos nesse momento e esse livro é um esforço modesto, mas muito sincero, nessa direção. A primeira parte do livro contém os memoriais escritos pelos 44 bolsistas que integraram o Programa em Embora os relatos sejam marcados pela emoção, incorporam também o que de melhor existe no espírito dos jovens, que é o bom humor, a vontade de usar o gracejo como arma de crítica sobre si e sobre os outros, no que Aristóteles chamou de "insolência polida" que caracteriza a juventude. Fizemos questão de incluir os dois relatos das bolsistas mestrandas que compõem a equipe de coordenação, pois elas também são estudantes de origem popular e suas trajetórias nos ajudam a dar um passo além na discussão, abordando o que chamamos de sucesso acadêmico de alunos com esse perfil. A segunda parte trata da ação de Extensão realizada pelos bolsistas junto ao Programa Escola Aberta (UNESCO/MEC). O reencontro de universidade com a escola pública rompe com uma separação histórica no modo como a estrutura de ensino tem sido pensada, e principalmente praticada, nos últimos anos no Brasil. Aproximar, de modo progressivo e orgânico, esses dois espaços está no centro de uma política pública de educação que aponte para a continuidade da jornada educacional de estudantes de origem popular. E, finalmente, na terceira parte, enfatizamos o caráter necessariamente coletivo desse intelectual em formação. Embora as falas individuais sejam importantes por lançarem luz a trajetórias marcantes e mostrarem estratégias pessoais e familiares relevantes, o ideal que rege o Programa aponta para a formação de um sujeito coletivo, que aposte na utopia e se lance no desafio de construí-la. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro 13

15 Esta publicação busca se juntar às vozes que afirmam que a universidade pode ser um ponto de partida para a maior democratização da sociedade brasileira, a partir do momento em que se torne cada vez mais aberta à presença de estudantes de origem popular no seu quadro discente. Essa questão tem aparecido de modo insistente nos últimos anos e com uma enorme carga de polêmica, sobretudo quando associada a algum tipo de ação afirmativa, especialmente às cotas para negros, pardos e indígenas. O debate tem se polarizado em torno de posições que são muito mais ideológicas do que analíticas. Os defensores das cotas, entre os quais nos incluímos, tendem, muitas vezes, a tachar de racistas aqueles que levantam qualquer objeção, por razoável que seja, a um projeto que é essencialmente polêmico e experimental e, portanto, naturalmente sujeito a muitas críticas, como aliás convém que seja o debate em uma sociedade democrática. Por outro lado, os que se colocam radicalmente contrários às tentativas recentes de democratização do ensino superior se apóiam em teses restritas de um universalismo inócuo e paralisante, que recusa o reconhecimento da desigualdade e da diferença em nome de um igualitarismo que mantém o status quo e que, nesse sentido, é essencialmente conservador. Como sair desse labirinto ideológico? Tarefa árdua, que naturalmente escapa às pretensões deste livro. Mas gostaríamos de sugerir a entrada de um personagem pouco ouvido nessa história, que são os próprios estudantes de origem popular, que têm estado na linha de frente desse movimento. São eles, em última análise, os sujeitos desse processo histórico recente e, portanto, possuem também um olhar apurado sobre as desigualdades que se reproduzem na própria universidade. O caminho a se percorrer para a construção de uma universidade cada vez mais democrática é longo, mas a caminhada tem sido, até então, repleta de descobertas e desafios. Aproximar a universidade das comunidades populares reorganiza, de modo profundo, a compreensão sobre a produção do conhecimento, associando intrinsecamente mérito acadêmico à relevância social. Buscamos, assim, repartir com a sociedade esse saber para que caiba a nós, cidadãos plenos, a decisão sobre os rumos a tomar na caminhada por essa geografia mítica que chamamos nação. Diógenes Pinheiro Alba Lúcia Castelo Branco Maria Elena Viana Souza Coordenadores do Programa Conexões de Saberes na UNIRIO 14 Caminhadas de universitários de origem popular

16 Parte 1 CAMINHOS E CAMINHADAS Memoriais dos bolsistas do Programa Conexões de Saberes UNIRIO

17

18 Agradecimento Adriana Cristina Araújo Souza * Onde tudo começou Vou contar um pouquinho da história da minha concepção, meus pais eram muito jovens e uma gravidez naquele momento não era esperada. Não que eles não me quisessem, mas estavam com medo. E, nesse momento, minha avó materna, madrinha e amiga, com muita sabedoria, contornou a situação e hoje estou aqui escrevendo minha caminhada. A primeira infância Logo que nasci fui morar com a vovó Ju, meu avô, tios e minha bisavó. Aos cinco anos, devido ao falecimento da minha bisavó, o que acarretou grande fragilidade na avó Ju, fui morar com meus pais. Apesar de tudo, eu estava feliz porque teria meus pais perto de mim. Infelizmente, meus pais brigavam muito e eu tive que ir morar com meus avôs paternos. Lá, não encontrei o mesmo carinho, atenção que recebia com vovó Ju. Porém não devo esquecer que foi nesse momento que iniciou minha história com a escola pública. Até o presente momento eu tinha estudado em redes particulares. No entanto, quando fui morar com meus avôs paternos, eles julgaram ser melhor para mim o estudo em uma instituição pública, já que todos os meus tios e primos tinham estudado em escolas públicas. Quando completaram dois anos em que eu estava com meus avôs paternos, nasceu minha irmã do meio. Ela nasceu prematura e precisei de muitos cuidados, por isso foi morar conosco após o término da licença maternidade da minha mãe. A distância entre minha avó e eu crescia. Pré-adolescência Depois de inúmeras discussões, consegui voltar a morar com minha avó materna, o que para mim era muito bom. Durante os três anos em que morei com meus avôs paternos, estudei em colégio público, mas, diferente do que eles acreditavam, a educação que recebi era de péssima qualidade e, por isso, não tive coragem de voltar a estudar na rede particular. Assim, no retorno ao lar de vó Ju, voltei a estudar em instituição pública. Nesse período, meus pais se separaram, o que tornou minha relação mais próxima com minha mãe e muito mais afastada com meu pai. * Graduanda em Enfermagem pela UNIRO. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro 17

19 Nessa fase, minha mãe ficou desempregada e foi morar com meus avós maternos porque as dívidas eram muitas e o dinheiro tinha acabado. Enquanto ela não arrumava outro serviço, resolveu investir na área de festas e cestas de café da manhã, e como eu era muito responsável passei a fazer diversos cursos sobre esse tipo de atividade para auxiliá-la. Adolescência Eu era uma menina tímida, educada e voltava a ter confiança em minha capacidade, principalmente porque tinha sido envolvida pelo regime de estudo contínuo dos meus tios, que estavam se preparando para a pós-graduação e o vestibular, respectivamente. Contrariando minhas professoras e colegas de classe, que não acreditavam na minha capacidade, pela primeira vez prestei prova para o concurso do Ensino Médio (Colégio Militar, CEFET, Pedro II, CEFETEC, FAETEC), fui muito feliz na classificação de quase todos eles, porém não passei para o Colégio Militar, o que me deixou muito chateada por desapontar minha mãe. Com tudo isso, resolvi me matricular no Colégio Pedro II (Ensino Médio) e CEFET (Ensino Técnico). O CEFET fazia parte das instituições de ensino em que meus familiares maternos tinham estudado, o que me deixou feliz em dar continuidade. As duas instituições eram tradicionais e me proporcionaram boa educação. Diferente das diversas reclamações existentes sobre a educação pública municipal e estadual, nas instituições federais esses problemas são ínfimos, pois eu tinha professores qualificados, aula de informática, biblioteca, boa alimentação e etc. Nessa época, minha mãe se casou novamente e, por problemas pessoais, saí da casa da minha avó fui morar com minha mãe e meu padrasto. Durante o Ensino Médio, descobri um mundo novo, repleto de informações que nem imaginava existir - estudava no centro da cidade do Rio de Janeiro e em São Cristóvão, o que me permitiu conhecer novos lugares e ganhar certa independência. Eu morava em Guadalupe, um bairro pequeno no município do Rio de Janeiro, sem atrativos. O pouco que eu conhecia do município era através dos passeios que fazia com meus pais nos finais de semana, mas não eram muitos. Logo é de se imaginar a diferença que senti em ter que me deslocar para tão longe para poder estudar e o enorme conhecimento sobre rotas que adquiri. Nesse período, minha mãe e meu padrasto se separaram e foi difícil retornar ao trabalho informal. Ah, eu me lembro como hoje e com lágrimas nos olhos as madrugadas trabalhadas para confeccionar doces, salgados e mini-bolos, que fazíamos para vender. Eu estudava longe de casa, tinha de levantar muito cedo, às vezes nem dormia para não chegar atrasada na escola. Nas mãos, levava bolsas abarrotadas de produtos para vender no recreio. Eu só tenho a agradecer a todos das escolas que muito me ajudaram não só na compra, pois eles eram clientes fiéis, mas por me permitirem vender meus produtos, mesmo sendo proibido em todas as duas instituições de ensino. Foram momentos difíceis, mas eu superei. Para minha tristeza, minha mãe voltou com meu padrasto e, dessa história, nasceu meu irmão caçula e minha mãe parou de trabalhar para se dedicar à família. No último ano do Ensino Médio, eu devia prestar o vestibular, mas não tinha decidido o curso. Como esperado, me inscrevi para algumas instituições federais (UFRJ, UNIRIO, UFF). Tinha passado para UFRJ, porém, com o passar do tempo vi que tinha escolhido o curso errado e abandonei a faculdade. Como a vontade de possuir um ensino superior era maior, retomei os estudos. Sendo que nesse momento eu fazia parte da lista de funcionários da empresa onde estagiava e, como trabalhava muito, o tempo para estudar foi limitando-se e cada dia eu chegava em casa mais cansada. Passei a imaginar que não conseguiria o acesso 18 Caminhadas de universitários de origem popular

20 no curso de Enfermagem, mas, para minha surpresa, fui contemplada nas três universidades mencionadas anteriormente. Sendo assim, conversei com minha família e optei pela UNIRIO, apesar de ser a mais distante da minha residência. Na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro No início das aulas, o entusiasmo era visível e muita era a força de vontade ao ponto de me desdobrar em duas para manter o emprego e dar conta dos afazeres na faculdade, porém, com o passar do tempo, o cansaço foi vencendo e se tornou inevitável a escolha. O que fazer? Largar a curso ou o emprego? Foi uma escolha muito difícil, mas, no início do segundo período, optei por pedir demissão e manter o curso. Nesse momento, inicio a luta pela permanência na Faculdade. Como pagar as despesas? Apesar de não trabalhar, o pouco que meu padrasto dava a minha mãe para algumas despesas de casa, ela me dava para que eu pudesse permanecer na UNIRIO. Aos trancos e barrancos, passaram-se 18 meses até que começaria minha verdadeira luta pela permanência; num acidente de trabalho, meu padrasto veio a falecer e a estrutura familiar e financeira se destruturou por completo. Morando de aluguel, com um filho de três anos e comigo na faculdade sem poder trabalhar, minha mãe entrou em desespero. É nesses momentos que conhecemos os amigos, e a família se torna importantíssima. Minha avó materna doou um lugar para morarmos, além de propor ficar com meu irmão enquanto minha mãe procurava emprego. Nessa fase das nossas vidas, não poderíamos perder tempo escolhendo emprego porque as contas não parariam de chegar e as dívidas aumentariam. Minha mãe, guerreira como sempre, aceitou o trabalho de cozinheira. Zelosa e preocupada, não deixou que eu largasse a faculdade, ela e minha avó materna faziam de tudo para me ajudar. Por me sentir muito mal e por achar que não tinha o direito de deixar minha mãe se sacrificar sozinha, todos os dias depois da faculdade, passei a ir para a pensão onde ela trabalhava e ajudá-la na confecção de salgados, doces e bolos, como eu já tinha feito antes. Foi muito duro lembrar de tudo que tínhamos passado no final da minha adolescência e ver que teríamos que passar por isso de novo. Noites de sono mal dormidas, excesso de cansaço nas aulas, baixo rendimento... Foi assim todo o quinto período, até que duas coisas novas aconteceram na minha vida. A primeira foi quando, ao saber da seleção para o Programa Conexões de Saberes, não pensei duas vezes, me inscrevi e tive a sorte e o auxilio de Deus, e fui uma das selecionadas para bolsista, pelos coordenadores do Programa, o que para mim era um sinal de esperança. Pois alteraria o meu rendimento dentro da faculdade. O segundo, foi meu casamento, que possibilitou o retorno para onde morávamos e a ajuda financeira proporcionada pelo meu esposo nas despesas da casa ajudando a minha mãe. Aos poucos, minha vida foi retornando ao eixo. Conexões de Saberes No Programa Conexões de Saberes, encontrei pares, indivíduos com histórias de lutas de altos e baixos como a minha. Nas aulas, aprendi a ver com outro olhar as desigualdades, preconceitos e descriminações existentes na sociedade e a acreditar na necessidade da divulgação maciça dos direitos humanos e é essa a temática por mim trabalhada na Escola Aberta, na cidade de Queimados, onde realizo oficinas com crianças em fase escolar, de origem popular, com o objetivo de proporcionar um futuro menos desigual e mais digno. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro 19

Olá, o meu nome é Vanessa. Neste trabalho que vou desenvolver, tentarei contar para você, amigo leitor, um pouco da minha vida e de toda a trajetória

Olá, o meu nome é Vanessa. Neste trabalho que vou desenvolver, tentarei contar para você, amigo leitor, um pouco da minha vida e de toda a trajetória Olá, o meu nome é Vanessa. Neste trabalho que vou desenvolver, tentarei contar para você, amigo leitor, um pouco da minha vida e de toda a trajetória que eu percorri até a entrada na Universidade Federal

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Quando me recordo dos tempos de infância sempre me vem a lembrança do primeiro dia de aula. As experiências deste dia foram essenciais para o resto

Quando me recordo dos tempos de infância sempre me vem a lembrança do primeiro dia de aula. As experiências deste dia foram essenciais para o resto Quando me recordo dos tempos de infância sempre me vem a lembrança do primeiro dia de aula. As experiências deste dia foram essenciais para o resto da minha vida não somente escolar, mas também minha vida

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 5 Marcelo Franca Alves De: "BDE online" Para: "BDE online" Enviada em: quinta-feira, 18 de maio de 2006 19:11 Assunto: BDE on-line - Nº 820-18.05.2006

Leia mais

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Histórias de Comunidade de Aprendizagem Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Introdução O projeto Comunidade de Aprendizagem é baseado em um conjunto de atuações de êxito voltadas para a transformação

Leia mais

O início de minha vida...

O início de minha vida... Relato 1 Memórias de minha vida Juliana Pedroso 1 O início de minha vida... Perceber com clareza é o mesmo que ter a visão iluminada pela Luz da Alma. Podemos ficar livres da ignorância e ver corretamente

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Coautores: Ellen Karoline Vierheller, Silvana Rodrigues, Wagner Ferreira dos Santos, Rita de Cassia Camisolão, João Vicente Silva Souza.

Coautores: Ellen Karoline Vierheller, Silvana Rodrigues, Wagner Ferreira dos Santos, Rita de Cassia Camisolão, João Vicente Silva Souza. Universidade pública é para todos? Eixo: Extensión, docencia e investigación. Autor: Priscila Nunes Pereira Coautores: Ellen Karoline Vierheller, Silvana Rodrigues, Wagner Ferreira dos Santos, Rita de

Leia mais

Discurso do concluinte do Ensino Médio Gabriel Mansur Colação 2011. Excelentíssimo Senhor Manoel de Medeiros Brito, Presidente da Liga de

Discurso do concluinte do Ensino Médio Gabriel Mansur Colação 2011. Excelentíssimo Senhor Manoel de Medeiros Brito, Presidente da Liga de Discurso do concluinte do Ensino Médio Gabriel Mansur Colação 2011 Excelentíssimo Senhor Manoel de Medeiros Brito, Presidente da Liga de Ensino do RN, Excelentíssima Senhora Angela Guerra, diretora do

Leia mais

Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Opinião N20 A PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE E MOVIMENTOS SOCIAIS NA AMPLIAÇÃO DO ACESSO E PERMANÊNCIA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO VINICIUS SANTOS FERNANDES 1 Atualmente, a universidade brasileira tem sido

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR TERMO DE REFERÊNCIA 063/2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR TERMO DE REFERÊNCIA 063/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR TERMO DE REFERÊNCIA 063/2011 1 NÚMERO E TÍTULO DO PROJETO Projeto OEI/BRA/10/002 - Atualização dos Processos de Gestão e Avaliação de Políticas e

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

coleção Conversas #8 - MAIO 2014 - Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #8 - MAIO 2014 - Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. c o coleção Conversas #8 - MAIO 2014 - criança m deficiênc ia? uma Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

POLÍTICAS DE ACESSO E PERMANENCIA NO ENSINO SUPERIOR: AS EXPERIÊNCIAS DE UMA BOLSISTA DO PROUNI

POLÍTICAS DE ACESSO E PERMANENCIA NO ENSINO SUPERIOR: AS EXPERIÊNCIAS DE UMA BOLSISTA DO PROUNI POLÍTICAS DE ACESSO E PERMANENCIA NO ENSINO SUPERIOR: AS EXPERIÊNCIAS DE UMA BOLSISTA DO PROUNI Thais Pacievitch thais_831@hotmail.com Agência financiadora: Observatório da Educação Superior da UFPR Resumo:

Leia mais

Escolas comunicadoras

Escolas comunicadoras Comunicação e Cultura Local de atuação: Ceará, Pernambuco, Pará e Bahia Data de fundação: 1996 Escolas comunicadoras No Ceará, quase quinhentas mil crianças da rede pública estudam em escolas que unem

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 4PRACOUT03 CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Alan Leite Moreira (1); Patrícia Roque Lemos (1); Profª. Vilma

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

Sistema completa quatro anos com crescimento significativo e novos problemas

Sistema completa quatro anos com crescimento significativo e novos problemas Sistema completa quatro anos com crescimento significativo e novos problemas AMANDA POLATO 10/02/2014 07h00 - Atualizado em 10/02/2014 13h31 Kindle O Sisu, sistema que seleciona alunos para instituições

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

PROJETO CURSO PRÉ-VESTIBULAR EDUCAÇÃO E CIDADANIA UFSCar/SOROCABA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CAMPUS SOROCABA

PROJETO CURSO PRÉ-VESTIBULAR EDUCAÇÃO E CIDADANIA UFSCar/SOROCABA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CAMPUS SOROCABA PROJETO CURSO PRÉ-VESTIBULAR EDUCAÇÃO E CIDADANIA UFSCar/SOROCABA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CAMPUS SOROCABA Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Targino de Araújo Filho Reitor Pedro

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Diretrizes Gerais Documento Complementar

Diretrizes Gerais Documento Complementar Diretrizes Gerais Documento Complementar Agosto 2007 Apresentação A seguir apresentamos as tabelas referentes às simulações dos recursos orçamentários previstos e das metas estabelecidas pelo Decreto nº

Leia mais

Cada pessoa tem a sua história

Cada pessoa tem a sua história 1 Cada pessoa tem a sua história Nina menina [...] Um dia desses, eu passei toda a tarde de um domingo assistindo às fitas de vídeo das minhas festinhas de aniversário de 2, de 3 e de 4 anos. O programa

Leia mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais 1016327-7 - set/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PROPOSTA DE AÇÃO Sensibilizar os professores sobre a importância de incentivar seus alunos a participarem do Concurso

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

P R Ê M I O : M E L H O R E S A L U N O S D A G R A D U A Ç Ã O

P R Ê M I O : M E L H O R E S A L U N O S D A G R A D U A Ç Ã O P R Ê M I O : M E L H O R E S A L U N O S D A G R A D U A Ç Ã O L i s t a c o m p l e t a d o s p r e m i a d o s c o n t e m p l a d o s F O R M A N D O S D A S T U R M A S D E 2 0 1 3 / 2 ALINE AUXILIADORA

Leia mais

COLETÂNEA DE POESIAS INFANTIS

COLETÂNEA DE POESIAS INFANTIS UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA INSTITUTO DOM JOSÉ DE EDUCAÇÃO E CULTURA - IDJ DISCIPLINA: LITERATURA INFANTO-JUVENIL FACILITADORA: Tânia Noemia Rodrigues COLETÂNEA DE POESIAS INFANTIS QUIXERÉ

Leia mais

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas.

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NÚCLEO DE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Caro(a) participante: Esta é uma pesquisa do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná e

Leia mais

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor.

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor. OSVALDO Bom dia! Meu nome é Osvaldo, tenho 15 anos, sou de Santa Isabel SP (uma cidadezinha próxima à Guarulhos) e, com muito orgulho, sou bolsista ISMART! Ingressei no ISMART este ano e atualmente estou

Leia mais

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões.

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões. Como tratar as pessoas: de uma maneira boa, ajudar todas as pessoas. Como não fazer com os outros: não cuspir, empurrar, chutar, brigar, não xingar, não colocar apelidos, não beliscar, não mentir, não

Leia mais

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail.

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail. A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO Igor Luiz Medeiros 2 igorluiz.m@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Artes, Filosofia

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Keyla Ferrari. Cada um pensa em mudar a humanidade, mas ninguém pensa em mudar a si mesmo. Leon Tolstoi. ilustrado por: Maria Isabel Vaz Guimarães

Keyla Ferrari. Cada um pensa em mudar a humanidade, mas ninguém pensa em mudar a si mesmo. Leon Tolstoi. ilustrado por: Maria Isabel Vaz Guimarães Cada um pensa em mudar a humanidade, mas ninguém pensa em mudar a si mesmo. Leon Tolstoi Keyla Ferrari ilustrado por: Maria Isabel Vaz Guimarães Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto.

Leia mais

FAEL comemora 15 anos de atividades

FAEL comemora 15 anos de atividades ANOS FAEL comemora 15 anos de atividades Hoje, comemoramos 15 anos de um projeto que visa à democratização do ensino e que tornou a FAEL uma referência em educação de qualidade. Com o objetivo de proporcionar

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES Shuellen Cristina Pereira da Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/shuellencristina@gmail.com) Marcos Junio Lira Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/marcos-junio100@hotmail.com)

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

1 - Confraternização Universal

1 - Confraternização Universal Caico, 16 anos é aluno do 2º ano do Ensino Médio e participa dos projetos do CENTRO SOCIAL CARISMA desde abril de 2005. Sempre foi um menino dedicado aos estudos e muito responsável em tudo o que faz.

Leia mais

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009 POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA Por Dentro da UFOP Ouro Preto 25 de abril de 2009 Debate sobre as ações afirmativas no ensino superior Democratização do acesso a este importante nível de ensino. Está diretamente

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Registro da Experiência: Acampamento Vaga Lume 2008

Registro da Experiência: Acampamento Vaga Lume 2008 Registro da Experiência: Acampamento Vaga Lume 2008 A Vaga Lume é uma organização social de interesse público, sem fins lucrativos, fundada a partir da crença de que o investimento em seres humanos é a

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO E CULTURAL DOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR

PERFIL SOCIOECONÔMICO E CULTURAL DOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR FÓRUM NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS PERFIL SOCIOECONÔMICO E CULTURAL DOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR RELATÓRIO SUMÁRIO FONAPRACE Do

Leia mais

A Faculdade e a Preparação para o Mercado de Trabalho

A Faculdade e a Preparação para o Mercado de Trabalho 1 A Faculdade e a Preparação para o Mercado de Trabalho Alexandre Ogusuku Advogado, especialista em Direito Tributário. Professor de Direito Tributário na Uniso e Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

Pedagogia in Foco. Faculdade Polis das Artes. Faculdade Polis das Artes na construção do Plano Municipal de Educação

Pedagogia in Foco. Faculdade Polis das Artes. Faculdade Polis das Artes na construção do Plano Municipal de Educação Pedagogia in Foco Faculdade Polis das Artes Volume 1, edição 1 2º Semestre de 2015 Destaques Faculdade Polis das Artes na construção do Plano Municipal de Educação O Plano Municipal de Educação PME, é

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Mas o mais importante é que saiba que irei sempre te amar

Mas o mais importante é que saiba que irei sempre te amar Eterna gratidão Pai, há tantas coisas que queria te falar Mas o mais importante é que saiba que irei sempre te amar É meu protetor, companheiro e amigo Aquele que sempre esteve comigo. Desde o primeiro

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Um grupo de alunos e uma professora. que decidiram escrever um livro...

Um grupo de alunos e uma professora. que decidiram escrever um livro... Um grupo de alunos e uma professora que decidiram escrever um livro... Tudo começou com um garoto chamado Luan que, num belo dia, resolveu compartilhar sua história... Luan Cardoso era um menino de apenas

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

MARCELO DA SILVA OLIVEIRA

MARCELO DA SILVA OLIVEIRA GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO/MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL MARCELO DA SILVA OLIVEIRA VULNERABILIDADE SOCIAL À

Leia mais

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille Água Tu és um milagre que Deus criou, e o povo todo glorificou. Obra divina do criador Recurso

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

RESGATANDO VALORES ÉTICOS E MORAIS: âmbito escolar e contexto social/mundo

RESGATANDO VALORES ÉTICOS E MORAIS: âmbito escolar e contexto social/mundo 1 de 6 RESGATANDO VALORES ÉTICOS E MORAIS: âmbito escolar e contexto social/mundo Caroline Rocha da Silva Jéssica Aparecida da Costa Leidimar Borges Araújo RESUMO: Resgatando valores éticos e morais: âmbito

Leia mais

30 de julho a 01 de agosto de 2014 Santa Maria/RS Brasil Associação Internacional de Pesquisa na Graduação em Pedagogia (AINPGP)

30 de julho a 01 de agosto de 2014 Santa Maria/RS Brasil Associação Internacional de Pesquisa na Graduação em Pedagogia (AINPGP) RELATO DE EXPERIÊNCIA COM O PROJETO AGENTE EXTENSIONISTA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL, SOBRAL, CEARÁ, BRASIL ¹ Antonio Wescla Vasconcelos Braga ² Leidy Dayane Paiva de Abreu 3 Antônio Emanuel Martins Bezerra

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

ENEM X Universidades Federais em 2012 COMO FICA?

ENEM X Universidades Federais em 2012 COMO FICA? ENEM X Universidades Federais em COMO FICA? SUDESTE Enem? Ufop (Universidade Federal de Ouro Preto) UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) UFV (Universidade Federal de Viçosa) 80% das vagas serão

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS

A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS Introdução A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS Ângela Noleto da Silva angelanoleto@uft.edu.br Darlene Araújo Gomes lenegomes20@yahoo.com.br Kátia Cristina Custódio Ferreira Brito katiacristina@uft.edu.br

Leia mais

ZÉLIA LUBÃO: A SIMONSEN E O PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO

ZÉLIA LUBÃO: A SIMONSEN E O PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO Revista Digital Simonsen 6 Entrevista ZÉLIA LUBÃO: A SIMONSEN E O PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO Por: Rodrigo Amaral e Fernando Gralha N esta terceira edição da RDS entrevistamos a Coordenadora Administrativa

Leia mais

Opinião N21 INGRESSO NA UNIVERSIDADE PELO SISTEMA DE COTAS: ENTRE DESAFIOS E SENTIDOS DIVERSOS

Opinião N21 INGRESSO NA UNIVERSIDADE PELO SISTEMA DE COTAS: ENTRE DESAFIOS E SENTIDOS DIVERSOS Opinião N21 INGRESSO NA UNIVERSIDADE PELO SISTEMA DE COTAS: ENTRE DESAFIOS E SENTIDOS DIVERSOS ANDREA BAYERL MONGIM 1 Introdução O recente processo de implantação de programas de reserva de vagas em instituições

Leia mais

Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1

Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1 Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1 Introdução: Como Professora do Colégio Pedro II (CPII), a mais de vinte anos,

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL Fernanda Oliveira Fernandes 1 José Heleno Ferreira 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar reflexões acerca da educação integral

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

Análise dos relatos de memória dos professores da EAJA Proeja-Fic /Pronatec

Análise dos relatos de memória dos professores da EAJA Proeja-Fic /Pronatec Universidade Federal de Goiás Faculdade de Educação Bolsista OBEDUC Escola Municipal Abrão Rassi Professora pesquisadora Rita de Cássia Balieiro Rodrigues Análise dos relatos de memória dos professores

Leia mais