UFTM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UFTM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS"

Transcrição

1 UFTM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Prof. Dr. CARMINO HAYASHI Professor Visitante Nacional Sênior PVNS/CAPES

2 I SEMINÁRIO DE PISCICULTURA DO TRIÂNGULO MINEIRO E ALTO PARANAÍBA PALESTRA IMPORTÂNCIA DAS ESPÉCIES NATIVAS NA PISCICULTURA COMERCIAL

3 PISCICULTURA DE ESPÉCIES NATIVAS 1- ESPÉCIES MAIS UTILIZADAS/IMPORTANTES 1.1- CHARACIFORMES 1.2- SILURIFORMES 2- ESPÉCIES PARA PISCICULTURA (POTENCIAIS) 3- PISCICULTURA DE PEIXES ORNAMENTAIS

4 AQUICULTURA & PISCICULTURA NO BRASIL

5 PRODUÇÃO TOTAL DE PESCADOS NO BRASIL (ton) (1997/ 2005) Estudo Setorial para o Desenvolvimento Sustentável da Aqüicultura 2007 SEAP/PR/ FAO

6 ESTUDO SETORIAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AQÜICULTURA, SEAP/PR/ FAO arroz trigo milho soja aquicultura suinocultura pecuária avicultura Taxa anual de crescimento (%)

7 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAIS PESCA E AQÜICULTURA / Ministério da Pesca e Aquicultura MACROINDICADORES Macroindicador Situação atual Situação pretendida (2011) Postos de trabalho 3,5 milhões 5 milhões Consumo 7kg/hab.ano 9 kg/hab.ano Produção da pesca Produção da aqüicultura Produção total de pescado (anual) ton ton ton ton ton ton

8 PLANO MAIS PESCA E AQUICULTURA Previsão: 1,43 milhão de toneladas em 2011

9 PESCADO NO BRASIL Responsável pelo sustento de 1 milhão de famílias de pescadores e de 150 mil famílias de aquicultores NECESSIDADE DE INFRAESTRUTURA Terminais pesqueiros, entrepostos, fábricas de gelo, treinamento, pesquisas, política pesqueira/aquicultura

10 CONSUMO PER CAPITA DE PESCADO Japão = 60 Kg/ano China = 30 Kg/ano Chile = 12 Kg/ano Brasil em 2003 = 6,5 Kg/ano Brasil em 2010 = 9,0 Kg/ano AUMENTO DE 40% OBS- 20% deste consumo atendido pela importação

11 PRODUÇÃO BRASILEIRA DE PESCADO 2003 = 990 mil toneladas 2009 = 1,24 milhão de toneladas Brasil importa anualmente: 200 mil toneladas (principalmente salmão e bacalhau) POTENCIAL DE PRODUÇÃO BRASILEIRO Até 20 milhões de toneladas/ano Meta para 2011 = chegar a 1,4 milhão de toneladas Meta para 2015 = chegar a 2 milhões de toneladas

12 IMPORTÂNCIA DO CULTIVO DE ESPÉCIES NATIVAS ASPECTOS ECONÔMICOS DA AQUICULTURA PRODUÇÃO DA AQUICULTURA NO BRASIL 72% cultivo de espécieis exóticas REPRESENTATIVIDADE DA PRODUÇÃO NACIONAL Camarão Marinho Litopennaeus vannamei = representa 24% Tilápias = representam 23% Carpas = representa 22%

13 Produção da Aquicultura Nacional Espécies Nativas x Espécies exóticas Especies Nativas 28% Especies exóticas 72% FONTE: IBAMA/DIFAP/CGREP

14 % PRODUÇÃO DAS ESPÉCIES NATIVAS NA PRODUÇÃO NACIONAL 0,07% Traíra 0,46% 0,54% Curimatã Piraputanga 1,01% Jundiá 2,48% Pacu 8,64% Tambaqui 4,94% 6,07% Fonte: IBAMA/DIFAP/CGREP-2002 Outros Tambacu 3,61% Mexilhões FONTE: IBAMA/DIFAP/CGREP

15 I - PISCICULTURA DE ESPÉCIES NATIVAS DE ESCAMAS ORDEM CHARACIFORMES

16 1- ESPÉCIES MAIS UTILIZADAS/IMPORTANTES ORDEM CHARACIFORMES 1.1- Família Characidae Dourado e tabarana 1.2- Família Characidae Peixes Redondos pacú, tambaqui e outros 1.3- Familia Bryconidae Piracanjuba, matrinxã, piraputanga e outros 1.4- Família Anostomidae Piavuçu, piapara e outros 1.5- Outros peixes de escamas

17 1.1.- FAMILIA CHARACIDAE 1- DOURADO Salminus brasiliensis (Salminus maxillosus) 2- TABARANA Salminus hilarii

18 01- DOURADO Salminus brasiliensis (Salminus maxillosus) Bacia do Prata = Salminus maxillosus Bacia do São Francisco = Salminus brasiliensis Maior peixe de escama da bacia do Prata Mais de 1m de comprimento e 25kg de peso Têm grande importância comercial (sabor da carne) Valor na pesca esportiva (em torno de 1 Kg) Treinável na ração para criações intensivas

19

20 02- TABARANA Salminus hilarii Bacias do São Francisco, Prata e Araguaia-Tocantins Espécie de médio porte, cerca de 40cm de comprimento total Espécie piscívora, prefere locais de correnteza

21 TABARANA Salminus hilarii

22 1.2- FAMILIA CHARACIDAE PEIXES REDONDOS 1- PACÚ Piaractus mesopotamicus 2- TAMBAQUI Colossoma macropomum 3- PIRAPITINGA Piaractus brachypomus

23 01- PACU - PACU CARANHA Piaractus mesopotamicus Bacia do Prata Alcança cerca de 50cm de comprimento Espécie onívora (tendência a herbívora) Peixe mais esportivos do Pantanal, Grande importância comercial

24 Piaractus mesopotamicus

25 02- TAMBAQUI Colossoma macropomum Bacia amazônica Alcança cerca de 90cm de comprimento, com até 45kg Espécies comercial mais importantes da Amazônia central

26 Colossoma macropomum

27 03- PIRAPITINGA Piaractus brachypomus Bacias amazônica e Araguaia-Tocantins. Alcança 80cm de comprimento e 20kg Espécie herbívora, com tendência a frugívora Importante nas pescarias comerciais e na pesca esportiva

28 PIRAPITINGA Piaractus brachypomus

29 1.3- FAMÍLIA BRICONIDAE 1- PIRACANJUBA Brycon orbignyanus 2- MATRINXÃ Brycon cephalus 3- PIRAPUTANGA Brycon microleps e Brycon hilarii

30 01- PIRACANJUBA Brycon orbignyanus Bacia do Prata Pode alcançar 1m de comprimento total e 5kg Herbívora, alimenta-se de frutos/sementes, flores e folhas Muito esportivo e carne rosada de excelente qualidade Espécie está cada dia mais rara

31 PIRACANJUBA Brycon orbignyanus

32 02- MATRINXÃ - (JATUARANA?) Brycon cephalus Bacias amazônica e Araguaia-Tocantins Alcança 80cm de comprimento total e 5kg Realiza migrações reprodutivas e tróficas OBS- Na Bacia do Rio Paraná há Jatuarana (Crenicichla spp)

33 MATRINXÃ Brycon cephalus

34 03- PIRAPUTANGA Brycon microleps e Brycon hilarii Bacias do Prata (B. microleps) e São Francisco (B. hilarii) Alcançam cerca de 50cm de comprimento total e 2,5kg Espécie da bacia do Prata tem sido identificada como Brycon hilarii Onívoras (comem peixes, frutos e sementes)

35 PIRAPUTANGA Brycon microleps e Brycon hilarii

36 1.4- FAMILIA ANOSTOMIDAE 1- PIAVUÇU / PIAUÇU Leporinus macrocephalus 2- PIAPARA Leporinus elongatus, Leporinus obtusidens 3- PIAU-TRÊS-PINTAS - Leporinus friderici

37 01- PIAVUÇU Leporinus macrocephalus Bacia do Prata, Pantanal Mato-grossense e estados de MG, GO e SP Alcança 60cm de comprimento total Onívora (herbívora) No Pantanal, proporciona ótimas pescarias de barranco

38 PIAVUÇU Leporinus macrocephalus

39 02- PIAPARA Leporinus elongatus e Leporinus obtusidens Bacia do Prata e do São Francisco Média de 40cm comprimento total e 1,5kg (maiores: 80cm e 6kg) Conhecidos como aracus (amazônica), piaus (Araguaia-Tocantins, Paraná e São Francisco), piavuçu, piava etc. L. elongatus da bacia do S.Francisco: posição da boca é sub-inferior Onívora (vegetais, frutos e insetos- adultos/larvas) Realiza migração reprodutiva

40 PIAPARA Leporinus elongatus e Leporinus obtusidens

41 03- PIAU-TRÊS-PINTAS Leporinus friderici Bacias amazônica, Araguaia-Tocantins e Prata. Alcança de 30 a 40cm de comprimento total e 1,5kg Onívora, com tendência a carnívora ou frugívora Importante na pesca de subsistência, para o comércio local, mercados e feiras

42 PIAU-TRÊS-PINTAS Leporinus friderici

43 1.5- OUTROS PEIXES DE ESCAMAS 1- CURIMBATÁ Prochilodus lineatus 2- LAMBARI Astyanax sp 3- TRAIRÃO - Hoplias lacerdae Traíra Hoplias malabaricus 4- TUCUNARÉ - Cichla ocellaris 5- APAIARI Astronotus ocellatus 6- PIRARUCU - Arapaima gigas 7- ARUANÃ - Osteoglossum bicirrhosum

44 01- CURIMBATÁ - CURIMATÁ-PACU Prochilodus lineatus (P. scroffa) Família Prochilodontidae Bacias amazônica e Araguaia-Tocantins = P. nigricans Bacia do Prata = P. lineatus, P. scrofa, P. platensis Bacia S. Francisco = P. marggravii, P. affinnis, P. vimboides Detritívoras (matéria orgânica e microorganismos) Realizam migrações reprodutivas Espécie comercial de grande importância (preço)

45

46 02- LAMBARI Astyanax altiparanae e Astyanax spp. Família Characidae Bacias amazônica, Araguaia-Tocantins, São Francisco, Prata e Atlântico Sul Pequeno porte (20cm) Onívoras, alimentam-se de itens vegetais e animais Têm importância como peixe ornamental

47

48 03- TRAIRÃO Hoplias lacerdae Família Erythrynidae Bacias amazônica (áreas de cabeceiras dos tributários), Araguaia-Tocantins e do Prata (alto Paraguai) Pode atingir 20kg e mais de 1m de comprimento total Piscívora, muito voraz

49 TRAIRÃO - Hoplias lacerdae

50 TRAÍRA Hoplias malabaricus Família Erythrynidae Bacias Amazônica, Araguaia-Tocantins, São Francisco, Prata, Sul, Sudeste e Nordeste Carnívoros vorazes, atinge 3kg e 60cm comprimento Dentes afiadíssimos, extremamente lisa e escorregadia. Mais ativa quando a água está quente (+ 18 C) Enterram-se no fundo para suportarem a baixa temperatura

51 TRAÍRA Hoplias malabaricus

52 04- TUCUNARÉ Cichla ocellaris Família Cichlidae Amazônia e Araguaia-Tocantins (C. ocellaris, C. temensis, C. monoculus, C. orinocensis e C. intermedia) Medem 30cm - 1m Não migratória, formam casais e reproduzem em ambientes lênticos (cuidado parental) Alimentam-se de peixes e camarões Importantes comercialmente e na pesca esportiva

53 TUCUNARÉ Cichla ocellaris

54 TUCUNARÉ Cichla ocellaris

55 05- APAIARI OU ACARÁ-AÇU Astronotus ocellatus / Astronotus spp. Família Cichlidae Astronotus ocellatus (B. Amazônica, Araguaia-Tocantins e Prata) Astronotus crassipinis (bacia amazônica) Astronotus ocellatus: ocelos na base da nadadeira dorsal Atingem de 35-40cm de comprimento e peso entre 1,5 a 2kg Onívoros, com tendência carnivoria Reprodução parcelada/monogâmica - Cuidado parental Apreciado pela pesca esportiva e ornamental (Oscar)

56 APAIARI - ACARÁ-AÇU Astronotus ocellatus

57 06- PIRARUCU Arapaima gigas Família Osteoglossidae Bacias Amazônica e Araguaia-Tocantins Maior peixe que nos rios brasileiros (até 2 m. e kg) Hábito de subirem à superfície para absorver ar (respiração suplementar à da branquial) Macho e fêmea tomam conta dos filhotes Carne deliciosa, pode ser reproduzido em cativeiro Pesca bastante esportiva (tamanho)

58 PIRARUCU Arapaima gigas

59 07- ARUANÃ Osteoglossum bicirrhosum Família Osteoglossidae Bacias amazônica e Araguaia-Tocantins Alcança 1m comprimento total, + 25Kg Rio Negro ocorre outra espécie O. ferreirai (coloração + escura) Maior peixe do mundo, com dieta constituída por insetos e aranhas Reproduz nas cheias. Cuidado parental (ovos/larvas na boca) Alevinos com alto valor comercial (ornamental)

60 ARUANÃ Osteoglossum bicirrhosum

61 II - PISCICULTURA DE ESPÉCIES NATIVAS DE COURO ORDEM SILURIFORMES

62 I- ESPÉCIES MAIS UTILIZADAS/IMPORTANTES ORDEM SILURIFORMES FAMÍLIA PIMELODIDAE 1.1- Pintado / Surubim Pseudoplatystoma corruscans 1.2- Cachara Pseudoplatystoma fasciatum 1.3- Jundiá Cinza / Jundiá Rosa Rhamdia quelen

63 01- PINTADO / SURUBIM Pseudoplatystoma corruscans Família Pimelodidae Bacia dos rios São Francisco, Prata e Paraguai Pode atingir até 1,5m de comprimento Espécie piscívora Realiza migrações de desova. Importante na pesca comercial e esportiva

64 PINTADO / SURUBIM Pseudoplatystoma corruscans

65 PINTADO / SURUBIM Pseudoplatystoma corruscans

66

67 PINTADO SURUBIM Pseudoplatystoma corruscans

68 02- CACHARA Pseudoplatystoma fasciatum Família Pimelodidae Bacias amazônica, Araguaia-Tocantins e Prata Grande porte, pode alcançar mais de 1m de comprimento Piscívora (peixes de escamas), consome também camarões Realiza migração reprodutiva (período das cheias) Importante na pesca comercial e esportiva

69 CACHARA Pseudoplatystoma fasciatum

70 03- JUNDIÁ CINZA Rhamdia quelen Família Pimelodidae Zona tropical da América do Sul Vários pimelodídeos são do gênero Rhamdia Espécies onívora Difícil de se trabalhar (temperatura e canibalismo)

71 JUNDIÁ CINZA Rhamdia quelen

72 JUNDIÁ ROSA E JUNDIÁ CINZA Rhamdia quelen

73 II - ESPÉCIES ALTERNATIVAS / EM ESTUDOS ORDEM SILURIFORMES FAMÍLIA PIMELODIDAE 1- Jaú Zungaro jahu (Paulicea luetkeni) 2- Pirarara Phractocephalus hemioliopterus 3- Piraíba Brachyplathystoma filamentosum 4- Jurupoca Hemisorubim platyrhynchos 5- Mandí Pimelodus maculatus 6- Jurupensém Sorubim lima

74 01- JAÚ Zungaro jahu (Paulicea luetkeni) Família Pimelodidae Distribuído pela América do Sul Grande porte, mais de 1,5m de comprimento total e 100kg Piscívora, vive no canal do rio (poços e cachoeiras) Carne considerada "remosa", pouco apreciada na amazônia Frigoríficos (exportação filé) Declínio na captura da espécie na Amazônia

75 JAÚ Zungaro jahu

76 02- PIRARARA Phractocephalus hemioliopterus Família Pimelodidae Bacias amazônica e Araguaia-Tocantins Peixe de couro mais coloridos da Amazônia Mais de 1,50m de comprimento e mais de 50kg Alimenta-se de peixes, frutos e caranguejos Tem reputação de atacar seres humanos (?)

77 PIRARARA Phractocephalus hemioliopterus

78 03- PIRAÍBA Brachyplathystoma filamentosum Família Pimelodidae Bacias amazônica e Araguaia-Tocantins Grande porte: até 300kg e cerca de 2m de comprimento Pouco interesse por pescadores comerciais (creditam que sua carne faz mal e transmite doenças) Vísceras e músculos costumam ser repletos de parasitas

79 PIRAÍBA Brachyplathystoma filamentosum

80 04- JURUPOCA Hemisorubim platyrhynchos Família Pimelodidae Bacias amazônica, Araguaia-Tocantins e Prata Médio porte, cerca de 60cm de comprimento total e 3kg Espécie carnívora, alimenta-se de peixes e invertebrados A carne é amarelada e de excelente sabor

81 JURUPOCA Hemisorubim platyrhynchos

82 05- MANDI Pimelodus maculatus Família Pimelodidae Bacias amazônica, Araguaia-Tocantins, Prata, São Francisco Existem várias espécies de Pimelodus P. blochii: bacia amazônica e Araguaia-Tocantins

83 MANDI Pimelodus maculatus

84 06- JURUPENSÉM Sorubim lima Família Pimelodidae Bacias amazônica, Araguaia-Tocantins e Prata Espécie de médio porte, atinge 70cm de comprimento Espécie carnívora (peixes, camarões e outros invertebrados) Formam cardumes, migratório para desova Pouca importância comercial

85 JURUPENSÉM Sorubim lima

86 PROBLEMA DOS PEIXES HÍBRIDOS 1- HÍBRIDOS DE PEIXES REDONDOS (GENÊRO COLOSSOMA e PIARACTUS) 2- HIBRIDOS DO GÊNERO LEPORINUS 3- HÍBRIDOS DO GÊNERO PSEUDOPLATYSTOMA 4- HÍBRIDOS DO GÊNERO RHAMDIA

87 1- HÍBRIDOS DE PEIXES REDONDOS Piaractus e Colossoma 1.1- TAMBACU Híbrido: Tambaqui X Pacu 1.2- PAQUI Híbrido: Pacu X Tambaqui 1.3- PATINGA Híbrido: Pacu X Pirapitinga 1.4- TANTINGA Híbrido: Tambaqui X Pirapitinga

88 1.1- TAMBACU Colossoma macropomum (F) X Piaractus mesopotamicus (M) 1.2- PAQUI Piaractus mesopotamicus (F) X Colossoma macropomum (M) Peixe híbrido: cruzamento do Pacu com o Tambaqui Vantagem: crescimento mais rápido e ser mais resistente Em viveiros e TR obtém-se um bom resultado com ração extrusada Recomenda-se densidade no tanque de 1 peixe m2 (TR = 3-5 peixe m2) Intensivo/Consorciamento com outras espécie (onívoro)

89

90 1.3- PATINGA Piaractus mesopotamicus X Piaractus brachypomus Híbrido: cruzamento do pacu com a pirapitinga da amazônia

91 1.4- TANTINGA (Tambaqui - Pirapitinga) Colossoma macropomum X Piaractus brachypomus Híbrido: Tambaqui X Pirapitinga Tambaqui light - ganho de 1,2 Kg/ano de cultivo Existem exemplares com mais de 8 Kg Onívoro e filtrador Aceita bem ração 32% proteína crescimento OBS- Tambatinga = C. macropomum X C. brachypomum

92

93 2- HIBRIDOS DO GÊNERO LEPORINUS (FAMILIA ANOSTOMIDAE) 2.1- PIAUPARA CRUZAMENTO Piauçu/Piavuçu (Leporinus macrocephalus ) X Piapara (Leporinus elongatus)

94 3- HÍBRIDOS DO GÊNERO PSEUDOPLATYSTOMA 3.1- CACHAPIRA = cachara x pirarara Pseudoplatystoma fasciatum x Phractocecphalus hemeliopterus

95 CACHAPIRA = P. fasciatum x Phractocecphalus hemeliopterus

96 ALEVINOS DE CACHAPIRA Cachara X Pirarara

97 3.2- PINCACHARA = P. corruscans X P. fasciatum

98 HÍBRIDOS? QUAIS CRUZAMENTOS? Pseudoplatystoma tigrinum? SORUBIM?

99 4- HÍBRIDOS DO GÊNERO RHAMDIA 4.1- JUNDIÁ AMAZÔNICO (híbrido?) Rhamdia quelem? Rhamdia sapo? Jundiá da Amazônia: Rhamdia quelen (jundiá) X Pseudoplatystoma fasciatum (cachara)?

100 RESUMO I- ESPÉCIES QUE PODEM SER UTILIZADAS ATUALMENTE 1- CHARACIFORMES 1- DOURADO Salminus brasiliensis 2- PACÚ Piaractus mesopotamicus 3- PIRACANJUBA Brycon orbignyanus 4- PIAVUÇU / PIAUÇU Leporinus macrocephalus

101 RESUMO I- ESPÉCIES QUE PODEM SER UTILIZADAS ATUALMENTE 2- SILURIFORMES 1- PINTADO / SURUBIM Pseudoplatystoma corruscans 2- CACHARA Pseudoplatystoma fasciatum 3- JUNDIÁ CINZA / JUNDIÁ ROSA Rhamdia quelen

102 RESUMO II- ESPÉCIES POTENCIAIS QUE DEVEM SER MELHOR ESTUDADAS 1- CHARACIFORMES 1- TAMBAQUI Colossoma macropomum 2- PIRAPITINGA Piaractus brachypomus 3- MATRINXÃ Brycon cephalus 4- PIRAPUTANGA Brycon microleps e Brycon hilarii 5- PIAPARA Leporinus elongatus 6- PIRARUCU Arapaima gigas

103 RESUMO II- ESPÉCIES POTENCIAIS QUE DEVEM SER MELHOR ESTUDADAS 2- SILURIFORMES 1- MANDÍ Pimelodus maculatus 2- JAÚ Zungaro jahu (Paulicea luetkeni)

104 MUITO OBRIGADO PELA ATENÇÃO! UFTM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Prof. Dr. CARMINO HAYASHI Professor Visitante Nacional Sênior PVNS/CAPES

105 BIJUPIRÁ Rachycentron canadus Família Rachycentridae Mais de 1,8 m. comprimento total Mais de 80 quilos de peso OCORRÊNCIA Ambiente marinho Da costa do Amapá ao Rio G.do Sul Mais comum no Nordeste

106 PANGASSIUS Pangasius hypophthalmus Família: Pangasiidae Origem: Vietnã e Tailândia Atinge + 1m comprimento

107 8- ROBALO Robalo flecha (Centropomus undecimalis) Robalo peva (Centropomus paralellus) Familia Centropomidae Robalo-flecha: 1,2m de comprimento total e 25kg Robalo-peva: 50cm de comprimento e 5kg Vivem em regiões costeiras, manguezais, estuários (águas salobras) Carne apreciada, especialmente na região Sudeste Importante para pesca esportiva

108 ROBALO Centropomus undecimalis

PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998

PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998 PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA, no uso das atribuições previstas posto no Art. 35 do Decreto

Leia mais

PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE

PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE 2012 Estabelece normas e define os locais, formas e quantidades de captura de peixes oriundos da pesca amadora e profissional nas bacias hidrográficas dos Rios Paraná,

Leia mais

Odonthestes bonariensis/ Atherinella brasiliensis. Instrução Normativa IBAMA nº83/2006, área de abrangência: Canavieiras/ Bahia

Odonthestes bonariensis/ Atherinella brasiliensis. Instrução Normativa IBAMA nº83/2006, área de abrangência: Canavieiras/ Bahia mínimo de captura O tamanho mínimo de captura refere-se ao tamanho a partir do qual é autorizada a pesca de uma determinada espécie, baseado no tamanho da 1º maturação sexual da espécie e é implantado

Leia mais

Tabela oficial de Medidas para Captura de Peixes

Tabela oficial de Medidas para Captura de Peixes Tabela oficial de Medidas para Captura de Peixes ESTADO DE GOIÁS NOME VULGAR TAMANHO MÍNIMO PARA CAPTURA Aruanã 50 cm Barbado 50 cm Bargada 80 cm Cachorra 50 cm Caranha/Pirapitinga 40 cm Curimatã 20 cm

Leia mais

CRÉDITOS. Foto Capa: Ascom/ Arout

CRÉDITOS. Foto Capa: Ascom/ Arout Peixes 2013 CRÉDITOS Foto Capa: Ascom/ Arout Edição e Texto: - Diego de Oliveira Tavares - James Blanco Nunes - Kauana Peixoto Mariano - Tatiane Santiago Lopes - Marina Alberti Macedo - Laryssa Lorrany

Leia mais

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Prof. Evoy Zaniboni Filho, Dr. Departamento de Aqüicultura / CCA Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 48, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2007

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS <!ID669947-0> PORTARIA Nº 48, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2007 DOU Nº 213, terça-feira, 6 de novembro de 2007 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 48, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2007 O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO

Leia mais

Carlos Figueiredo Cristiano Fernandes Fábio Pinheiro Curso Profissional de Técnico de Manutenção Industrial/Electromecânica 12ºAno

Carlos Figueiredo Cristiano Fernandes Fábio Pinheiro Curso Profissional de Técnico de Manutenção Industrial/Electromecânica 12ºAno Carlos Figueiredo Cristiano Fernandes Fábio Pinheiro Curso Profissional de Técnico de Manutenção Industrial/Electromecânica 12ºAno A Biodiversidade desta região é única e uma das mais ricas do mundo. Estima-se

Leia mais

PORTARIA IBAMA N 132, DE 7 DE OUTUBRO DE 2002.

PORTARIA IBAMA N 132, DE 7 DE OUTUBRO DE 2002. PORTARIA IBAMA N 132, DE 7 DE OUTUBRO DE 2002. O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, nomeado por Decreto de 13 de maio de 2002, publicado no

Leia mais

ÍNDICE -Nome popular: Apaiari, Oscar -Nome popular: Bagre africano -Nome popular: Bagre-do-canal, Catfish -Nome popular: Black-Bass

ÍNDICE -Nome popular: Apaiari, Oscar -Nome popular: Bagre africano -Nome popular: Bagre-do-canal, Catfish -Nome popular: Black-Bass ÍNDICE Página -Nome popular: Apaiari, Oscar 07 Nome científico: Astronotus ocellatus -Nome popular: Bagre africano 08 Nome científico: Clarias gariepinus -Nome popular: Bagre-do-canal, Catfish 10 Nome

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 44 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES Paula Adriane Perez Ribeiro 1 Juliana Sampaio Guedes Gomiero 2 Priscila Vieira Rosa Logato 3 1 Introdução Dentre os diversos aspectos relacionados à piscicultura, aqueles envolvidos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº 155, 13 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação da pesca nas Bacias Hidrográficas do Leste, no Estado de Minas Gerais, excetuando-se as bacias dos rios Grande, Paranaíba e São Francisco,

Leia mais

Pesca predatória e (in)sustentável entre os pescadores do médio rio Juruá - Carauari-Am. Resumo

Pesca predatória e (in)sustentável entre os pescadores do médio rio Juruá - Carauari-Am. Resumo Pesca predatória e (in)sustentável entre os pescadores do médio rio Juruá - Carauari-Am Gelson Dias Florentino 1 Nelcioney José de Souza Araújo 2 Resumo Este artigo apresenta as principais características

Leia mais

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS.

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. 1 Nome popular: Dourado Ordem: Characiforme Família: Characidae Gênero: Salminus Espécies: maxillosus, brasiliensis

Leia mais

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT Atividade Conjunta Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA-MT de: Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores

Leia mais

As principais espécies e os híbridos

As principais espécies e os híbridos 1 Por: Fernando Kubitza, Ph.D. (Acqua & Imagem) fernando@acquaimagem.com.br U m grande número de estudos científicos já foi realizado sobre diversos aspectos da biologia e cultivo dos peixes do gênero

Leia mais

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA RELATÓRIO 2007 USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO Água e Terra Planejamento Ambiental Ltda. PATOS DE MINAS, MARÇO DE 2008. 1 RESPONSABILIDADE TÉCNICA Água e Terra Planejamento Ambiental

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 45 2013 COORDENAÇÃO

Leia mais

Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil:

Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil: Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil: dificuldades e necessidades do usuário Alexandre Godinho Centro de Transposição de Peixes (CTPeixes) UFMG agodinho@ufmg.br Sumário da Apresentação Espécies

Leia mais

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios Piscicultura Descrição Empreender e atrair projetos para consolidação e expansão da piscicultura em Alagoas, envolvendo todos os elos da cadeia produtiva: criadores, beneficiadores, fornecedores de insumos

Leia mais

A força bruta dos PEIXES DE COURO

A força bruta dos PEIXES DE COURO Texto: Rubinho de Almeida Prado Fotos: arquivo Pescaventura A força bruta dos PEIXES DE COURO Revista Pesca 28 Embora nos dias de hoje muito se fale da pesca esportiva com iscas artifi ciais, não há como

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº 154, 13 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação da pesca na Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, no Estado de Minas Gerais, no período da piracema, e dá outras providências. O

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 42 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL A CRIAÇÃO DE PEIXES EM TANQUES ESCAVADOS COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA PEQUENOS PRODUTORES DO MUNICÍPIO

Leia mais

PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO PLANO DE TRABALHO 2001-2002

PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO PLANO DE TRABALHO 2001-2002 PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO PLANO DE TRABALHO 2001-2002 POLÍTICA DE MEIO AMBIENTE DA CESP Princípios: 1. Planejar, projetar e desenvolver suas atividades levando em consideração todas as implicações ambientais.

Leia mais

Os caminhos da produção de peixes nativos no Brasil:

Os caminhos da produção de peixes nativos no Brasil: Os caminhos da produção de peixes nativos no Brasil: Uma análise da produção e obstáculos da piscicultura Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua Imagem Serviços Ltda. fernando@acquaimagem.com.br Eduardo Akifumi

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA CAROLINY OLIVEIRA MELO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REPRODUÇÃO INDUZIDA DE ESPÉCIES DE PEIXES NATIVOS Trabalho

Leia mais

Fundo Para o Meio Ambiente Mundial

Fundo Para o Meio Ambiente Mundial Fundo Para o Meio Ambiente Mundial Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO

Leia mais

DATA 26 / 10 / 2011 PÁGINA: 127-128-129

DATA 26 / 10 / 2011 PÁGINA: 127-128-129 DATA 26 / 10 / 2011 PÁGINA: 127-128-129 GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL No- 13, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA PESCA E AQUICULTURA e a MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Ricardo Neukirchner Presidente da ABCT Ass. Brasileira dos Criadores de Tilápia Sócio-Diretor Piscicultura Aquabel Ltda Sócio-Diretor

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

TABELAS COM AS REGRAS PARA A PESCA AMADORA NO PERIODO DE DEFESO 2008-2009 OBS:

TABELAS COM AS REGRAS PARA A PESCA AMADORA NO PERIODO DE DEFESO 2008-2009 OBS: TABELAS COM AS REGRAS PARA A PESCA AMADORA NO PERIODO DE DEFESO 2008-2009 OBS: nas tabelas estão resumidas somente as regras relativas à pesca amadora. Conteúdo Bacia do rio Araguaia... 2 Bacias dos rios

Leia mais

Capítulo I. Caracterização da frota e do desembarque da pesca comercial no município de Coari, Amazonas, Brasil.

Capítulo I. Caracterização da frota e do desembarque da pesca comercial no município de Coari, Amazonas, Brasil. Capítulo I Caracterização da frota e do desembarque da pesca comercial no município de Coari, Amazonas, Brasil. 1 RESUMO Neste estudo, foi avaliado o potencial da pesca comercial no município de Coari,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO. Roteiro Orientativo

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO. Roteiro Orientativo GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE - SEMA/MT Superintendência de Infra-Estrutura, Mineração, Indústria e Serviços - SUIMIS Número Roteiro Nome Roteiro Objetivo Roteiro

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br Orientações para Arraçoamento (Ração) O consumo

Leia mais

Sistemas de estatísticas pesqueiras no Pantanal, Brasil: aspectos técnicos e políticos

Sistemas de estatísticas pesqueiras no Pantanal, Brasil: aspectos técnicos e políticos Sistemas de estatísticas pesqueiras no Pantanal, Brasil: aspectos técnicos e políticos AGOSTINHO CARLOS CATELLA 1,4, RODRIGO DE OLIVEIRA MASCARENHAS 2,5, SELENE PEIXOTO ALBUQUERQUE 3,6, FRANCISCA FERNANDES

Leia mais

AQÜICULTURA. retoma desafios da

AQÜICULTURA. retoma desafios da Na década de 40 teve início uma grande mudança no modo de operar os sistemas de produção de alimentos em todo o mundo. A revolução verde introduziu novas tecnologias na forma de cultivar plantas e animais.

Leia mais

Pesca Experimental e Biologia Reprodutiva de Grandes Bagres na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Tefé (AM) Brasil

Pesca Experimental e Biologia Reprodutiva de Grandes Bagres na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Tefé (AM) Brasil Centro Universitário de Brasília UniCEUB Faculdade de Ciências da Saúde FCS Pesca Experimental e Biologia Reprodutiva de Grandes Bagres na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Tefé (AM) Brasil

Leia mais

Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade

Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade 1 Panorama da Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade Por: Fernando Kubitza João Lorena Campos Eduardo Akifumi Ono Pedro Iosafat Istchuk

Leia mais

ECOLOGIA ALIMENTAR DA CORVINA PLAGIOSCION SQUAMOSISSIMUS NO RESERVATÓRIO DE BARRA BONITA, SÃO PAULO.

ECOLOGIA ALIMENTAR DA CORVINA PLAGIOSCION SQUAMOSISSIMUS NO RESERVATÓRIO DE BARRA BONITA, SÃO PAULO. ECOLOGIA ALIMENTAR DA CORVINA PLAGIOSCION SQUAMOSISSIMUS NO RESERVATÓRIO DE BARRA BONITA, SÃO PAULO. Stefani, P. M. 1 ; Rocha, O. 2 INTRODUÇÃO No rio Tietê, inúmeras espécies de peixes foram introduzidas

Leia mais

RESPONSABILIDADE IMPORTANTE:

RESPONSABILIDADE IMPORTANTE: RESPONSABILIDADE IMPORTANTE: Toda a informação contida neste documento é de propriedade da Biofish Projetos Consultoria Ind. Com. Imp. & Exp. LTDA ( Biofish Aquicultura), sua reprodução de qualquer natureza

Leia mais

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA MONITORAMETO DE ICTIOFAUNA NO RESERVATÓRIO E A JUSANTE DA UHE DE SÃO SIMÃO, RIO PARANAÍBA, BACIA DO PARANÁ RELATÓRIO ANUAL OUTUBRO / 2006 1 RESPONSABILIDADE TÉCNICA TECNEVES

Leia mais

Invasões Biológicas em Águas

Invasões Biológicas em Águas Invasões Biológicas em Águas Odete Rocha Laboratório rio de Limnologia Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva, Universidade Federal de São Carlos Biodiversidade em Águas Doces e a Invasão Biológica

Leia mais

LEVANTAMENTO DE PREPARAÇÕES E ALIMENTOS DA REGIÃO AMAZÔNICA PARA COMPOR UM BANCO DE DADOS DE ALIMENTOS REGIONAIS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

LEVANTAMENTO DE PREPARAÇÕES E ALIMENTOS DA REGIÃO AMAZÔNICA PARA COMPOR UM BANCO DE DADOS DE ALIMENTOS REGIONAIS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL LEVANTAMENTO DE PREPARAÇÕES E ALIMENTOS DA REGIÃO AMAZÔNICA PARA COMPOR UM BANCO DE DADOS DE ALIMENTOS REGIONAIS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL LUCIA YUYAMA ERAL: Levantar um banco de dados de preparações

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL Levantamento da ictiofauna e caracterização da pesca comercial na área do reservatório e a jusante da Usina Hidrelétrica de São Simão Vista de jusante da barragem da UHE São Simão rio Paranaíba (MG/GO)

Leia mais

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul.

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul. O CULTIVO DOS SURUBINS PINTADO E CACHARA 1. PERSPECTIVAS PARA A CRIAÇÃO DOS SURUBINS Os surubins são peixes nobres, conhecidos e valorizados no mercado nacional, por sua carne branca, de sabor suave e

Leia mais

Situação Atual e Desafios

Situação Atual e Desafios III ENCONTRO DE NEGÓCIOS DA AQUICULTURA DA AMAZÔNIA Políticas para o Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura da Amazônia CADEIA PRODUTIVA DOS SURUBINS Situação Atual e Desafios Thiago Tetsuo Ushizima

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE NOMES VULGARES DE PEIXES COMERCIAIS DO BRASIL: 1. ESPÉCIES DULCIAQÜÍCOLAS. José Milton Barbosa*; Kelly de Souza Ferraz

SISTEMATIZAÇÃO DE NOMES VULGARES DE PEIXES COMERCIAIS DO BRASIL: 1. ESPÉCIES DULCIAQÜÍCOLAS. José Milton Barbosa*; Kelly de Souza Ferraz SISTEMATIZAÇÃO DE NOMES VULGARES DE PEIXES COMERCIAIS DO BRASIL: 1. ESPÉCIES DULCIAQÜÍCOLAS VULGAR NAMES SYSTEMATIZATION OF THE COMMERCIAL FISH FROM BRAZIL: 1. FRESHWATER SPECIES José Milton Barbosa*;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADEMICA DE GARANHUNS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADEMICA DE GARANHUNS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADEMICA DE GARANHUNS Aluno: Alex Marques Resende Curso de Zootecnia Relatório final apresentado ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica/

Leia mais

Fundo Para o Meio Ambiente Mundial

Fundo Para o Meio Ambiente Mundial Fundo Para o Meio Ambiente Mundial Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO

Leia mais

A situação da Aquacultura e da pesca no Brasil e no mundo World and Brazil situation of fisheries and Aquaculture

A situação da Aquacultura e da pesca no Brasil e no mundo World and Brazil situation of fisheries and Aquaculture Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.30, n.3/4, p.81-85, jul./dez. 2006. Disponível em www.cbra.org.br A situação da Aquacultura e da pesca no Brasil e no mundo World and Brazil situation of fisheries

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DE ICTIOFAUNA E ICTIOPLÂNCTON NA UHE SÃO DOMINGOS - MS

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DE ICTIOFAUNA E ICTIOPLÂNCTON NA UHE SÃO DOMINGOS - MS RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DE ICTIOFAUNA E ICTIOPLÂNCTON NA UHE SÃO DOMINGOS - MS Janeiro de 2015. SUMÁRIO 1 EQUIPE TÉCNICA... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 Ictiofauna... 5 Ictioplâncton... 6 2.1. OBJETIVO

Leia mais

Recebendo seus Alevinos

Recebendo seus Alevinos Recebendo seus Alevinos 1. Cuidados contra entrada e saída de peixes no viveiro O primeiro cuidado a ser tomado é a prevenção da entrada de peixes predadores nos viveiros. É possível fazer isso, protegendo

Leia mais

CADEIA ALIMENTAR: PLANTAS MARINHAS CARAMUJO PEIXE MENOR PEIXE MAIOR AVES DA MARGEM

CADEIA ALIMENTAR: PLANTAS MARINHAS CARAMUJO PEIXE MENOR PEIXE MAIOR AVES DA MARGEM CADEIA ALIMENTAR: PLANTAS MARINHAS CARAMUJO PEIXE MENOR PEIXE MAIOR AVES DA MARGEM Eduarda Poletto 1, Luiza Baiotto 2, Maria Luiza Meincke 3, Suélen Sandri 4, Carina Brezolin 5 e Claudicéia Kommers 6.

Leia mais

Viabilidade Binacional de Desenvolvimento da Pesca e Aqüicultura: abordagem socioambiental na área fronteiriça Brasil/Bolívia

Viabilidade Binacional de Desenvolvimento da Pesca e Aqüicultura: abordagem socioambiental na área fronteiriça Brasil/Bolívia MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL-MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA ADA SECRETARIA GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS UNIDADE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E MEIO AMBIENTE OEA Ministério

Leia mais

Reprodução induzida de híbridos do gênero Brycon em cativeiro: potencialidades e

Reprodução induzida de híbridos do gênero Brycon em cativeiro: potencialidades e Reprodução induzida de híbridos do gênero Brycon em cativeiro: potencialidades e ameaças à conservação das espécies nativas. Josi Margarete Ponzetto a,b, Carla Natacha Marcolino Polaz a*, Rita de Cássia

Leia mais

MELHORAMENTO ANIMAL NO BRASIL: UMA VISÃO CRÍTICA ESPÉCIES AQUÁTICAS

MELHORAMENTO ANIMAL NO BRASIL: UMA VISÃO CRÍTICA ESPÉCIES AQUÁTICAS MELHORAMENTO ANIMAL NO BRASIL: UMA VISÃO CRÍTICA ESPÉCIES AQUÁTICAS Emiko Kawakami de Resende 1, Carlos Antonio Lopes de Oliveira 2, Angela Puchnick Legat 3, Ricardo Pereira Ribeiro 2 1- Pesquisadora da

Leia mais

A PESCA ARTESANAL NO AMBIENTE DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL

A PESCA ARTESANAL NO AMBIENTE DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL A PESCA ARTESANAL NO AMBIENTE DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL Dannilo Carneiro Lima Depto. de Ciências Geográficas, UFPE. Bolsista/Pibic/CNPq/ Fundaj-BRA dannilolips@hotmail.com Lígia Albuquerque de Melo

Leia mais

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE Dr. Rodrigo Silva da Costa (rdgcosta@ufersa.edu.br) Dr. José Luís Costa Novaes (novaes@ufersa.edu.br) Universidade Federal Rural

Leia mais

INTRODUÇÃO INTENCIONAL E SUA RELAÇÃO COM O ESTABELECIMENTO DE ESPÉCIES INVASORAS

INTRODUÇÃO INTENCIONAL E SUA RELAÇÃO COM O ESTABELECIMENTO DE ESPÉCIES INVASORAS INTRODUÇÃO INTENCIONAL E SUA RELAÇÃO COM O ESTABELECIMENTO DE ESPÉCIES INVASORAS Oporto, Lorena Torres 1,a ; Latini, Anderson Oliveira 2,a INTRODUÇÃO Atualmente, a presença de espécies exóticas em ambientes

Leia mais

Pesca, Etnoictiologia e Ecologia de Peixes em Lagoas e Igarapés do Baixo Rio Tocantins

Pesca, Etnoictiologia e Ecologia de Peixes em Lagoas e Igarapés do Baixo Rio Tocantins Pesca, Etnoictiologia e Ecologia de Peixes em Lagoas e Igarapés do Baixo Rio Tocantins Renato A. M. Silvano 1, Gustavo Hallwass 2, Ariane R. Ribeiro 3, Heinrich Hasenack 4, Anastácio A. Juras 5, Priscila

Leia mais

Palavras-chave: etnoictiologia, pescadores artesanais, médio Rio Araguaia.

Palavras-chave: etnoictiologia, pescadores artesanais, médio Rio Araguaia. ETNOICTIOLOGIA DE PESCADORES PROFISSIONAIS ARTESANAIS DOS RIOS ARAGUAIA E GARÇAS NOS MUNICÍPIOS DE BARRA DO GARÇAS-MT, PONTAL DO ARAGUAIA-MT E ARAGARÇAS-GO. Marina Furtado e Rocha 1 Stephania Luz Poleto

Leia mais

Cartilha sobre o Uso e Conservação do Entorno do Reservatório da Corumbá IV

Cartilha sobre o Uso e Conservação do Entorno do Reservatório da Corumbá IV Cartilha sobre o Uso e Conservação do Entorno do Reservatório da Corumbá IV Coordenação Geral - Corumbá Concessões S.A. Marconi Melquíades de Araújo (Diretor Presidente) Ana Carolina G. da Silva Nunes

Leia mais

PIRACEMA. Contra a corrente

PIRACEMA. Contra a corrente PIRACEMA A piracema é um fenômeno que ocorre com diversas espécies de peixes ao redor do mundo. A palavra vem do tupi e significa subida do peixe. A piracema é o período em que os peixes sobem para a cabeceira

Leia mais

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você.

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014 Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura. 4,1 bilhões em crédito e investimentos. Mais crédito e investimentos.

Leia mais

Marcos Tavares Dias Embrapa Amapá

Marcos Tavares Dias Embrapa Amapá poderá ser necessário excluir a imagem e inseri-la novamente. Sanidade de Peixes Nativos Marcos Tavares Dias Embrapa Amapá Produção de peixes nativos oriundos da piscicultura em 2011 (MPA, 2013) 120000

Leia mais

Classificação: Público. Relatório Geral Programa Peixe Vivo 2012 2013

Classificação: Público. Relatório Geral Programa Peixe Vivo 2012 2013 Classificação: Público Relatório Geral Programa Peixe Vivo 2012 2013 Março/2014 Equipe: Superintendente de Gestão Ambiental da Geração e Transmissão: Enio Marcus Brandão Fonseca Superintendente de Sustentabilidade

Leia mais

A pesca de pequena escala no rio Madeira pelos desembarques ocorridos em Manicoré (Estado do Amazonas), Brasil

A pesca de pequena escala no rio Madeira pelos desembarques ocorridos em Manicoré (Estado do Amazonas), Brasil A pesca de pequena escala no rio Madeira pelos desembarques ocorridos em Manicoré (Estado do Amazonas), Brasil Renato Soares CARDOSO 1, Carlos Edwar de Carvalho FREITAS 2 Resumo O trabalho teve como objetivo

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MOLECULAR E FILOGENÉTICA DE ESPÉCIES DE PEIXES DE ÁGUA DOCE DO MATO GROSSO DO SUL

IDENTIFICAÇÃO MOLECULAR E FILOGENÉTICA DE ESPÉCIES DE PEIXES DE ÁGUA DOCE DO MATO GROSSO DO SUL IDENTIFICAÇÃO MOLECULAR E FILOGENÉTICA DE ESPÉCIES DE PEIXES DE ÁGUA DOCE DO MATO GROSSO DO SUL Allana Novais Aranda¹; Danielly Beraldo Dos Santos Silva²; Jussara Oliveira Vaini³; Alexéia Barufatti Grisolia

Leia mais

nosso território; são elas:. Rios que formam as bacias: 1. Oiapoque 2. Gurupi 3. Parnaíba 4. Jequitinhonha 5. Doce

nosso território; são elas:. Rios que formam as bacias: 1. Oiapoque 2. Gurupi 3. Parnaíba 4. Jequitinhonha 5. Doce 3URMHWR³&(33($±,WDWLED 5HVSRQViYHO INPA Instituto Nacional de Preservação Ambiental 6LQRSVHGR3URMHWR O projeto CEPPEA Itatiba visa criar um Centro de Preservação Pesquisa e Educação Ambiental (CEPPEA)

Leia mais

Diagnóstico. e Elaboração Participativa do Plano de Desenvolvimento da Pesca no Município de Lábrea-AM

Diagnóstico. e Elaboração Participativa do Plano de Desenvolvimento da Pesca no Município de Lábrea-AM Diagnóstico e Elaboração Participativa do Plano de Desenvolvimento da Pesca no Município de Lábrea-AM Projeto gráfico Alessandra Arantes Ekletica Design e Publicações Editoração eletrônica Guilherme Guimarães

Leia mais

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS Foto 01: Estação de coleta P01 localizada no rio Iguatemi no eixo Foto 02: Estação de coleta P01 localizada no rio Iguatemi no eixo Foto 03: Estação de coleta P02 localizada no rio Itaquiraí no eixo Foto

Leia mais

Medição de Densidade Específica de Ovos e Larvas de Peixes do Rio Madeira

Medição de Densidade Específica de Ovos e Larvas de Peixes do Rio Madeira Medição de Densidade Específica de Ovos e Larvas de Peixes do Rio Madeira Relatório Técnico Contrato JIRAU 263/09 Contratada: Projeto Pacu Aqüicultura Ltda. Responsáveis Técnicos: Martin Halverson (Mestre

Leia mais

PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO 2014-2015

PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO 2014-2015 Elevador, escada de peixes, levantamentos limnológicos e ictiológicos no reservatório da UHE Engenheiro Sérgio Motta (Porto Primavera). PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO 2014-2015 Relatório GA/259/2015 PRINCÍPIOS

Leia mais

UHE SÃO DOMINGOS Março de 2015

UHE SÃO DOMINGOS Março de 2015 UHE SÃO DOMINGOS Março de 2015 5º RELATÓRIO SEMESTRAL DE ANDAMENTO DOS USINA HIDRELÉTRICA SÃO DOMINGOS Florianópolis, março de 2015. USINA HIDRELÉTRICA SÃO DOMINGOS INFORMAÇÕES GERAIS EMPREENDEDOR Nome:

Leia mais

O MERCADO DO PESCADO DA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

O MERCADO DO PESCADO DA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS O MERCADO DO PESCADO DA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS 2010 André Lima Gandra Proyecto Mejoramiento del Acceso a los Mercados de Productos Pesqueros y Acuícolas de la Amazonia CFC/FAO/INFOPESCA CFC/FSCFT/28

Leia mais

ANIMAL: PORQUINHO DA ÍNDIA. LAURA E ANA BEATRIZ 2º ano H

ANIMAL: PORQUINHO DA ÍNDIA. LAURA E ANA BEATRIZ 2º ano H ANIMAL: PORQUINHO DA ÍNDIA LAURA E ANA BEATRIZ 2º ano H PORQUINHO DA ÍNDIA São roedores e tem hábitos noturnos. Tempo de vida: de 5 a 8 anos Alimentação: comem verduras, capins, raízes, sementes e tubérculos.

Leia mais

Art. 2 O Registro Geral da Pesca contemplará as seguintes categorias de permissão e registro:

Art. 2 O Registro Geral da Pesca contemplará as seguintes categorias de permissão e registro: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 18 DE JANEIRO DE 2001 Nota: Revogado(a) pelo(a) Instrução Normativa nº 3/2004/SEAP/PR O MINISTRO DE ESTADO,

Leia mais

Gerenciamento em unidade de produção de alevinos de peixes reofílicos: custos de produção e boas práticas de manejo

Gerenciamento em unidade de produção de alevinos de peixes reofílicos: custos de produção e boas práticas de manejo Gerenciamento em unidade de produção de alevinos de peixes reofílicos: custos de produção e 54 Gerenciamento em unidade de produção de alevinos de peixes reofílicos: custos de produção e Recebimento dos

Leia mais

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS Vander Bruno dos Santos Zootecnista, Dr. PqC do Pólo Regional Alta Sorocabana/APTA vander@apta.sp.gov.br

Leia mais

Relatório Parcial Produto 3 O médio rio Negro

Relatório Parcial Produto 3 O médio rio Negro Fundo Para o Meio Ambiente Mundial Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO

Leia mais

Conflitos entre pescadores e ariranhas (Pteronura brasiliensis) na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Uacari, rio Juruá, Amazonas

Conflitos entre pescadores e ariranhas (Pteronura brasiliensis) na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Uacari, rio Juruá, Amazonas INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA INPA Programa de Pós-Graduação em Ecologia Conflitos entre pescadores e ariranhas (Pteronura brasiliensis) na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Uacari,

Leia mais

Piscicultura familiar como ferramenta para o desenvolvimento e segurança alimentar no meio rural

Piscicultura familiar como ferramenta para o desenvolvimento e segurança alimentar no meio rural Panorama da AQÜICULTURA, janeiro, fevereiro, 2010 1 Piscicultura familiar como ferramenta para o desenvolvimento e segurança alimentar no meio rural E m 2004, o IBGE estimou que mais de 40% da população

Leia mais

Técnico em Agropecuária

Técnico em Agropecuária Técnico em Agropecuária Jackelline Cristina Ost Lopes Piscicultura CAF UFPI Piscicultura Jackelline Cristina Ost Lopes Floriano 2012 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação

Leia mais

Produto 5: Socieconomia e dados ambientais do hotspot Brasília, Brasil

Produto 5: Socieconomia e dados ambientais do hotspot Brasília, Brasil Fundo Para o Meio Ambiente Mundial Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N 194, DE 2 DE OUTUBRO DE 2008. O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA, no uso das suas atribuições legais previstas no

Leia mais

[ meio ambiente ] 68 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo. Por: Oswaldo Faustino

[ meio ambiente ] 68 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo. Por: Oswaldo Faustino [ meio ambiente ] Ameaçado de extinção, o Pirarucu, o maior peixe de escamas de nossas águas, ganhou programa de manejo e seus exemplares voltam a atingir número e tamanhos que permitem anualmente sua

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

PESCA E ICTIOFAUNA NO RIO MADEIRA por Geraldo Mendes dos Santos

PESCA E ICTIOFAUNA NO RIO MADEIRA por Geraldo Mendes dos Santos ALEXIS BASTOS/RIOTERRA INTRODUÇÃO Se por um lado as hidrelétricas têm a vantagem de não serem grandes fontes poluidoras e utilizarem recursos naturais permanentes ou bastante duráveis, elas, inevitavelmente

Leia mais

N as décadas de 50 e 60, a produção pesqueira mundial, marinha e de água

N as décadas de 50 e 60, a produção pesqueira mundial, marinha e de água RECURSOS PESQUEIROS AMAZÔNICOS: STATUS ATUAL DA EXPLORAÇÃO E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DO EXTRATIVISMO E DA PISCICULTURA Introdução Carlos Edwar de Carvalho Freitas 1 N as décadas de 50 e 60, a produção

Leia mais

on line ISSN 1808-9992 Dezembro, 2011 Peixes Nativos do Rio São Francisco Adaptados para Cultivo

on line ISSN 1808-9992 Dezembro, 2011 Peixes Nativos do Rio São Francisco Adaptados para Cultivo on line ISSN 1808-9992 Dezembro, 2011 244 Peixes Nativos do Rio São Francisco Adaptados para Cultivo Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Semiárido Ministério da Agricultura, Pecuária e

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA PROCESSO PRODUTIVO AGOSTO/SETEMBRO 2009 NATIV PESCADOS U.N.E. 1. CHAPECÓ

Leia mais

AS ISCAS DO MERCADO: RELAÇÕES DE TRABALHO NA PESCA DE BAGRES NO RIO SOLIMÕES1

AS ISCAS DO MERCADO: RELAÇÕES DE TRABALHO NA PESCA DE BAGRES NO RIO SOLIMÕES1 XIX ENCONTRO NACIONAL DE GEOGRAFIA AGRÁRIA, São Paulo, 2009, pp. 1-18. AS ISCAS DO MERCADO: RELAÇÕES DE TRABALHO NA PESCA DE BAGRES NO RIO SOLIMÕES1 MORAES, André de Oliveira. Universidade Federal do Amazonas

Leia mais

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Alguns, encobertos pela água. Outros, ativos à noite. A maioria, raramente vista. Os peixes e crustáceos presentes no PV-Sul representam dois grupos de animais presentes

Leia mais

O mar está prá peixe...prá peixe cultivado

O mar está prá peixe...prá peixe cultivado 1 O mar está prá peixe......prá peixe cultivado Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua Imagem Serviços Ltda. fernando@acquaimagem.com.br N ão poderia deixar a edição 100 passar em branco. Uma edição histórica,

Leia mais

III ENCONTRO DE NEGÓCIOS DA AQUICULTURA DA AMAZÔNIA - ENAq. 25 a 28 de novembro de 2009 - NOVOTEL, Manaus, Amazonas, Brasil

III ENCONTRO DE NEGÓCIOS DA AQUICULTURA DA AMAZÔNIA - ENAq. 25 a 28 de novembro de 2009 - NOVOTEL, Manaus, Amazonas, Brasil III ENCONTRO DE NEGÓCIOS DA AQUICULTURA DA AMAZÔNIA - ENAq 25 a 28 de novembro de 2009 - NOVOTEL, Manaus, Amazonas, Brasil Principais doenças bacterianas na piscicultura na Amazônia: impactos econômicos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE PESQUEIRA COMERCIAL NO ALTO RIO PARAGUAI, MUNICÍPIO DE BARRA DO BUGRES, MATO GROSSO 1

CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE PESQUEIRA COMERCIAL NO ALTO RIO PARAGUAI, MUNICÍPIO DE BARRA DO BUGRES, MATO GROSSO 1 1 CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE PESQUEIRA COMERCIAL NO ALTO RIO PARAGUAI, MUNICÍPIO DE BARRA DO BUGRES, MATO GROSSO 1 HEITOR QUEIROZ MEDEIROS 2, VIVIANE LUCAS AMARAL 3, LÚCIA APARECIDA DE FÁTIMA MATEUS 4,5,

Leia mais

Características biológicas

Características biológicas 1 Por: Eduardo Akifumi Ono onoedu@aol.com Martin Richard Halverson (Acqua & Imagem) mmhalver@hotmail.com.br Fernando Kubitza (Acqua & Imagem) fernando@acquaimagem.com.br Muitos conhecem o pirarucu (Arapaima

Leia mais

LEVANTAMENTO HISTÓRICO AVALIATIVO DA BACIA DO RIO URUGUAI MÉDIO

LEVANTAMENTO HISTÓRICO AVALIATIVO DA BACIA DO RIO URUGUAI MÉDIO LEVANTAMENTO HISTÓRICO AVALIATIVO DA BACIA DO RIO URUGUAI MÉDIO Bolina, V. A. (1) ; Pessano, E. F. C. (1) ; Gralha, T. S. (1) ; Querol, M. V. (1) viniciusbolina@aol.com (1) Universidade Federal do Pampa

Leia mais