UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA EMERSON RODRIGUES DUARTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA EMERSON RODRIGUES DUARTE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA EMERSON RODRIGUES DUARTE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR E NOS CURSOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE JUIZ DE FORA PEDE PASSAGEM. E AGORA? Juiz de Fora 2009

2 EMERSON RODRIGUES DUARTE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR E NOS CURSOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE JUIZ DE FORA PEDE PASSAGEM. E AGORA? Dissertação apresentada à Universidade Federal de Juiz de Fora/Universidade Federal de Viçosa, como requisito parcial para a obtenção do Título de Mestre em Educação Física, Área de Concentração: Educação Física. Linha de Pesquisa: Aspectos socioculturais do movimento humano. Orientadora: Profª. Drª. Maria Elisa Caputo Ferreira Juiz de Fora 2009

3 Duarte, Emerson Rodrigues. A inclusão de pessoas com deficiência nas instituições de ensino superior e nos cursos de educação física de Juiz de Fora pede passagem. E agora? / Emerson Rodrigues Duarte f. : il. Dissertação (Mestrado em Educação Física) Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Ensino superior. 2. Inclusão social. 3. Pessoas portadoras deficiência. I. Título. CDU 378

4 EMERSON RODRIGUES DUARTE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR E NOS CURSOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE JUIZ DE FORA PEDE PASSAGEM. E AGORA? Dissertação de Mestrado submetida ao Programa de Pós-Graduação em Educação Física, da Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF em parceria com a Universidade Federal de Viçosa (UFV), como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Educação Física. Aprovada em / / BANCA EXAMINADORA Profª. Drª. Roseli Cecília Rocha de Carvalho Baumel Universidade de São Paulo USP Profª. Drª. Lídia dos Santos Zacarias Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF Profª. Drª. Maria Elisa Caputo Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF

5 A Lucimar, pela cumplicidade, companhia e apoio. Às minhas filhas queridas, Marina, Júlia e Laura, pelos ensinamentos da vida. Aos meus pais, pela oportunidade da vida.

6 AGRADECIMENTOS À Professora Drª. Maria Elisa Caputo Ferreira, pela coragem, disposição e conhecimento. Agradeço por ter aceitado a orientação deste trabalho em um momento tão difícil. À Professora Leila Rose Márie Batista da Silveira Maciel, pela paciência e profissionalismo. A todos os coordenadores dos cursos, funcionários e secretárias das IESs participantes desta pesquisa, pela atenção e prontidão no atendimento. Às Diretoras da Escola Municipal Santana do Itatiaia e da Escola Municipal Santa Catarina Labouré, Adriana e Sandra, pelo apoio irrestrito. Aos companheiros professores, coordenadoras pedagógicas e secretárias da Rede Municipal de ensino de Juiz de Fora, pelos ricos momentos de partilha. Ao Professor Dr. Jorge Perrout, pelo apoio no momento de transição. Aos professores e secretário do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação Física da UFJF, pela compreensão. À direção, professores e funcionários da Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Juiz de Fora, pela amizade. Aos amigos Wendel, Felipe, Natal, José Luis, Consolação, José Antônio e Rodrigo, pelo convívio. À Associação dos Cegos de Juiz de Fora, Associação dos Surdos de Juiz de Fora, APAE, Quintal Mágico, ALAE, IMEPP, E. E Maria das Dores, pelos ensinamentos. Aos companheiros do Laboratório de Estudo sobre o Corpo, em especial, a Fabiane e a Daniele, pelo carinho ao longo do curso. E por fim, meu reconhecimento a Hilda, Alciones e Elza, pela oportunidade. A todos o meu muito obrigado.

7 Na minha civilização, aquele que é diferente de mim não me empobrece: me enriquece. (Saint-Exupéry)

8 Sempre disse que quando eu passasse no vestibular para comunicação eu venceria a minha deficiência [visual], pois o jornalismo é a profissão que escolhi de coração. (Rosani Martins)

9 RESUMO No mundo contemporâneo, a inclusão do aluno com deficiência representa desafio, desde a modalidade de Educação Infantil até o Ensino Superior, tanto em instituições privadas quanto públicas. Este trabalho procurou colaborar para que esse paradigma educacional seja rompido, tendo como foco principal o Ensino Superior em Juiz de Fora, MG. Justifica-se pela necessidade contemporânea de estabelecer processos e metodologias, em políticas educacionais, que contemplem um Ensino Superior atento à diversidade humana. Para tanto, buscou-se recorrer aos conhecimentos já produzidos a respeito do tema inclusão, especificamente, no Ensino Superior, com base nos autores, tais como Mansini e Bazon (s./d), Delpino (2004), Moreira (2005), Gomes e Lima (2006), Perini (2006), Chahin (2006), Pellegrin (2006), Ferreira (2006), Rodrigues (2007), Pereira (2007). O objetivo deste trabalho foi realizar um levantamento dos alunos com deficiência em processo de inclusão no Ensino Superior de Juiz de Fora e analisar a história de vida dos alunos com deficiência nos cursos superiores de Educação Física. Metodologicamente, esta pesquisa foi dividida em duas etapas: a primeira trata-se de um Survey, em que foi possível levantar quantos são os alunos com deficiência matriculados nas Instituições de Ensino Superior, na cidade de Juiz de Fora. O instrumento utilizado foi entrevista semiestruturada aplicada aos coordenadores de cursos de Instituições de Ensino Superior (IESs) privada e de uma IES pública. Na segunda etapa, analisou-se o conteúdo das entrevistas, de acordo com a Análise de Conteúdo, a partir do pensamento de Bardin (2008), dos alunos autodeclarados com deficiência dos cursos de Educação Física. Foram pesquisadas 11 IESs, 10 da rede privada e 1 (uma) da rede pública. Conclui-se que a inclusão nos cursos superiores em Juiz de Fora vem acontecendo. Atualmente, são 45 alunos com deficiência os quais estão em processo de inclusão, sendo 37 na rede privada e 8 na rede pública. Em sua maioria, são alunos da rede privada, com deficiência visual, do sexo masculino. Estudam no período noturno e há maior procura pelos cursos da área de Humanidades. Em uma das IESs pesquisada, foi possível identificar a presença de 2 alunos com deficiência física, originada de acidente automobilístico. Esses consideram a necessidade da quebra de barreias arquitetônicas e atitudinais para o sucesso desse novo processo de escolarização. Palavras-chave: Ensino Superior. Inclusão. Pessoas com deficiência.

10 ABSTRACT In today s world, the inclusion of students with disabilities represents a challenge from Children's Education up to Higher Education both in private and public institutions. This work has sought to help break this educational paradigm, focusing mainly on higher education in Juiz de Fora, MG. It can be justified by the current need to establish processes and methodologies in educational policies which deal with higher education which privileges human diversity. In order to do so, knowledge already produced on the theme of inclusion specifically concerning higher education- was sought in authors such as Mansini and Bazon (s./d), Delpino (2004), Moreira (2005), Gomes and Lima (2006), Perini (2006), Chahin (2006), Pellegrin (2006), Ferreira (2006), Rodrigues (2007), and Pereira (2007). The aim of this dissertation was to do a survey of the students with disabilities in process of inclusion in the higher education institutions of Juiz de Fora and to analyze their academic histories in the physical education courses. Methodologically, this research was divided into two stages: The first one is a survey carried out to know how many students with disabilities are enrolled in the higher education institutions of Juiz de Fora. The tool used was a semi-structured interview applied to the course coordinators of the private Higher Education Institutions (HEI) and of one public HEI. In the second stage, the content of the interviews was analyzed according to Bardin s (2008) Content Analysis and the self-declared disabled students enrolled in the Physical Education school. Eleven HEIs were surveyed, consisting of ten private institutions and one public. The conclusion is that inclusion is a reality in the higher education institutions of Juiz de Fora. Currently, 45 students with disabilities are in the process of inclusion, 37 of whom are in private institutions and 8 in the public ones. Most of them are visually impaired males. They attend evening courses, mostly in the Humanities. In one of the HEIs studied, it was possible to identify the presence of two students with physical impairment due to car accidents. These consider the need to break architectural and attitudinal barriers, integral to the success of this new educational process. Key-words: Higher education. Inclusion. People with disabilities.

11 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1 Concepções e noção de inteligência e cognição através dos tempos.. 25 Gráfico 1 Percentual de pessoas com deficiência Gráfico 2 Distribuição do percentual de pessoas com deficiência por tipologia Gráfico 3 Deficiência congênita e adquirida por tipo Gráfico 4 Fatores causadores de deficiência por tipo Gráfico 5 Percentual de pessoas com deficiência por faixa etária Gráfico 6 Posição na família da pessoa com deficiência Gráfico 7 Estado civil da pessoa com deficiência Gráfico 8 Percentual em relação ao emprego das pessoas com deficiência Gráfico 9 Faixa de renda da pessoa com deficiência Gráfico 10 Pessoas com deficiência que trabalham formalmente Gráfico 11 Principais ocupações das pessoas com deficiência Gráfico 12 Trabalho formal segundo idade/pessoas com deficiência e População Total Gráfico 13 Trabalho formal segundo anos de estudo/pessoas com deficiência e População Total Gráfico 14 Trabalho formal segundo tempo de emprego/pessoas com deficiência e População Total Gráfico 15 Tempo de estudo da pessoa com deficiência Gráfico 16 Evolução do número de matrículas no ensino regular de pessoas com deficiência Gráfico 17 Evolução da política de inclusão nas classes comuns do ensino regular Gráfico 18 Evolução do número de matrículas de pessoas com deficiência no ensino regular, nas redes pública e privada Gráfico 19 Distribuição do percentual de matrículas de pessoas com deficiência por etapa de ensino Gráfico 20 Evolução de matrículas de alunos com deficiência no Ensino Superior de 2003 a Gráfico 21 Evolução de matrículas de alunos com deficiência no Ensino Superior de 2003 a 2005 por deficiência Gráfico 22 Alunos com deficiência matriculados na rede pública de Juiz de Fora por nível de ensino Gráfico 23 PROUNI Bolsas ofertadas por ano Gráfico 24 Bolsas do PROUNI ofertadas por ano em Juiz de Fora... 76

12 Gráfico 25 Bolsistas Pessoas com deficiência PROUNI 1º semestre/ Quadro 2 Resumo das produções sobre inclusão de pessoas com deficiência no Ensino Superior Organograma 1 Organograma da Secretaria de Desporto da Presidência da República Gráfico 26 Alunos com deficiência por cursos da UFJF Gráfico 27 Alunos com deficiência matriculados por turno de estudo na UFJF Gráfico 28 Alunos com deficiência matriculados por sexo na UFJF Gráfico 29 Alunos com deficiência matriculados por área de conhecimento na UFJF Gráfico 30 Valores absolutos e percentuais de matrículas de alunos com deficiência por IES privada Gráfico 31 Alunos com deficiência matriculados por turno de estudo nas IESs privadas Gráfico 32 Alunos com deficiência matriculados por sexo nas IESs privadas Gráfico 33 Alunos com deficiência matriculados por área de conhecimento nas IESs privadas Quadro 3 Perfil dos alunos com deficiência dos cursos de Educação Física pesquisados

13 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Cruzamento de idade, tempo de estudo e pessoal deficiente não ocupado Tabela 2 Dados referentes à inclusão de pessoas com deficiência na UFJF Tabela 3 Alunos com deficiência por cursos da UFJF Tabela 4 Alunos com deficiência matriculados por turno de estudo na UFJF Tabela 5 Alunos com deficiência matriculados/sexo na UFJF Tabela 6 Alunos com deficiência matriculados por área de conhecimento na UFJF Tabela 7 Dados referentes à inclusão de pessoas com deficiência nas IESs privadas de Juiz de Fora Tabela 8 Dados referentes à inclusão de pessoas com deficiência por IES privada Tabela 9 Alunos com deficiência por cursos nas IESs privadas Tabela 10 Alunos com deficiência matriculados por turno de estudo nas IESs privadas Tabela 11 Alunos com deficiência matriculados por sexo nas IESs privadas Tabela 12 Alunos com deficiência matriculados por área de conhecimento nas IESs privadas

14 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABMES BPC ALAE APAE CFE CAPS/SUS CNE/CEB CNE/CP CENESP CND CSD CORDE CPS/FGV DEF ECA EJA EPT FNAS FUNDESP ENEM FEBRABAN FESJF FIES IBC IBGE IES IFES INDESP IMEPP INES INSS IPEA LDB LIBRAS MDS MEC MEC/CES MEC/GM MEC/INEP MMI MTE MJ NEACE Associação Brasileira de Mantenedores de Ensino Superior Benefício de Prestação Continuada Associação de Livre Apoio ao Excepcional Associação de Pais de Amigos dos Excepcionais Conselho Federal de Educação Centro de Apoio Psicosocial do Sistema Único de Saúde Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno Centro Nacional de Educação Especial Conselho Nacional do Desporto Conselho Superior do Desporto Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência Centro de Políticas Sociais/Fundação Getúlio Vargas Divisão de Educação Física Estatuto da Criança e do Adolescente Educação de Jovens e Adultos Esporte Para Todos Fundo Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Desenvolvimento do Esporte Exame Nacional do Ensino Médio Federação Brasileira dos Bancos Faculdade Estácio de Sá Juiz de Fora Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior Instituto Benjamin Constant Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Instituições de Ensino Superior Instituições Federais de Ensino Superior Instituto Nacional de Desenvolvimento do Desporto Instituto Médico Psicopegagógico Instituto Nacional de Educação dos Surdos Instituto Nacional do Seguro Social Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas Lei de Diretrizes e Dados da Educação Nacional Língua Brasileira de Sinais Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério da Educação Ministério da Educação/Censo da Educação Superior Ministério da Educação Gabinete do Ministro Ministério da Educação/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Membros inferiores Ministério do Trabalho e Emprego Ministério da Justiça Núcleo de apoio à criança escolar da Prefeitura de Juiz de Fora

15 NEE Necessidades Educacionais Especiais OCDE Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico OMS Organização Mundial da Saúde ONU Organização das Nações Unidas PCN Parâmetros Curriculares Nacionais PIERI Projeto de Iniciação Esportiva e Recreativa Inclusiva PMJF Prefeitura Municipal de Juiz de Fora PNEE Pessoa com necessidades educacionais especiais PDE Plano de Desenvolvimento da Educação PROENE Programa de Acompanhamento a Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais PROUNI Programa Universidade para Todos PUC Campinas Pontifícia Universidade Católica de Campinas RAIS Relação Anual de Informações Sociais REUNI Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais Brasileiras SD Síndrome de Down SENAC Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial SEED Secretaria de Educação à Distância SEESP Secretaria de Educação Especial SESU Secretaria de Ensino Superior UEL Universidade Estadual de Londrina UERGS Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UFC Universidade Federal do Ceará UFJF Universidade Federal de Juiz de Fora UFFS Universidade Federal da Fronteira Sul UFMS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul UFOPA Universidade Federal do Oeste do Pará UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFSC Universidade Federal de Santa Catarina UFSCAR Universidade Federal de São Carlos UFSM Universidade Federal de Santa Maria ULBRA Universidade Luterana do Brasil UnB Universidade de Brasília UNESP Universidade Estadual Paulista UNICAMP Universidade Estadual de Campinas UNICID Universidade Cidade de São Paulo UNILA Universidade Federal da Integração Latino-Americana UNILAB Universidade Luso-Afro-Brasileira

16 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA DA EXCLUSÃO/SEGREGAÇÃO À POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO Do direito à diferença Breve histórico da inclusão educacional das pessoas com deficiência A inclusão educacional no Brasil: marcos históricos e normativos Perfil da pessoa com deficiência no Brasil Faixa etária Estado civil Ocupação Faixas de renda Mercado de trabalho Idade e escolaridade Tempo de emprego Pessoas com deficiência disponíveis no mercado de trabalho Educação A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS Breve histórico da universidade no Brasil Programa de apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais REUNI Programa Incluir Programa Universidade para Todos PROUNI A inclusão de pessoas com deficiência no Ensino Superior: produções da área A EDUCAÇÃO FÍSICA, O ESPORTE E O PROCESSO DE INCLUSÃO A Educação Física frente às políticas dos Ministérios da Educação e do Esporte em prol da inclusão da pessoa com deficiência Os congressos brasileiros do Esporte Para Todos (EPT) Projeto integrado SEED/CENESP Plano nacional de ação conjunta para integração da pessoa deficiente Plano Plurianual A criação do INDESP PROBLEMATIZAÇÃO METODOLOGIA METODOLOGIA DA PESQUISA Modelo de Estudo Instrumentos e procedimentos de coletas de dados A realização das entrevistas

17 5. RESULTADO E DISCUSSÃO RESULTADO DA PESQUISA NA INSTITUIÇÃO PÚBLICA A UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA RESULTADO DA PESQUISA NAS INSTITUIÇÕES PRIVADAS PERFIL DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ANÁLISE DESCRITIVA DAS NARRATIVAS AUTOBIOGRÁFICAS Narrativa 1: João Exemplo de Comprometimento Narrativa 2: Pedro Exemplo de Dedicação CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS

18 1.INTRODUÇÃO A presente dissertação tem como objetivo realizar um estudo sobre a inclusão de pessoas com deficiência no Ensino Superior. Tal temática que, neste momento histórico brasileiro, merece destaque em razão das políticas implementadas pelo Governo Federal no que se refere ao acesso ao Ensino Superior com a finalidade de ampliar o nível de escolarização da população, é fruto de questionamentos na trajetória estudantil e profissional do pesquisador. No mundo contemporâneo, a inclusão do aluno com deficiência representa desafio desde a modalidade de Educação Infantil até o Ensino Superior, em instituições tanto privadas quanto públicas. No Brasil, as estatísticas oficiais, bem como estudos e pesquisas, elucidam apenas a condição desse alunado em processo de inclusão na Educação Básica, principalmente após os anos Esses foram subsidiados pela Declaração de Salamanca (1994). Entretanto, o interesse pelo estudo da inclusão no Ensino Superior parece ser uma realidade que vai além do território brasileiro. Costa e Rodrigues (1999), ao levantarem essas questões na educação portuguesa, lembram que, há 25 anos, o tema central em Educação Especial versava sobre as possibilidades e as metodologias de integração de alunos com necessidades educativas especiais nos níveis iniciais da educação. Hoje, com os avanços que se foram verificando nos diferentes graus de ensino, a reflexão começa a se estender sobre a inclusão de alunos com deficiência na universidade. Para refletir sobre aspectos dessa realidade, são trazidos à tona, neste trabalho, elementos da trajetória da universidade brasileira e seus papéis diante da construção de uma educação menos excludente. Todavia, pouco se tem sobre a inclusão de pessoas com deficiência no Ensino Superior no Brasil, indicando uma carência de reflexões, estudos e estatísticas, fato que dificulta a formulação de políticas públicas as quais contemplem ações que avancem para uma educação inclusiva também no Ensino Superior. Entre os autores que apresentam estudos sobre o tema, podem ser citados, atualmente, Masini e Bazon (s./d), Delpino (2004), Moreira (2005), Gomes e Lima (2006), Perini (2006), Chahin (2006), Pellegrin (2006), Ferreira (2007), Rodrigues

19 (2004), Pereira (2007), os quais são de várias regiões do Brasil, demonstrando a relevância dessa temática. Os estudiosos se dedicaram a estudar esse paradigma educacional da sociedade contemporânea, apontando valores, processos, caminhos e dificuldades a serem considerados a respeito das possibilidades de acesso e permanência de pessoas com deficiência no Ensino Superior. Com o objetivo de demonstrar ainda a atualidade e a relevância do tema desta pesquisa, cita-se a realização do I Seminário de Práticas de Inclusão no Ensino Superior, promovido pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP), em março de 2009, que procurou estabelecer discussões sobre as metodologias desenvolvidas e necessárias adotadas pelas diferentes IESs quando da inclusão desses estudantes. Esses vão desde a organização do vestibular/processo seletivo, procedimentos acadêmicos e administrativos até o acompanhamento das vivências acadêmicas cotidianas. Especificamente na cidade em estudo, destaca-se que nem na Universidade Federal de Juiz de Fora nem nas faculdades particulares foi possível encontrar dados referentes ao número de pessoas com deficiência em seus diversos cursos de graduação. Por isso foi necessário realizar uma pesquisa de campo que abordasse desde a secretaria até a coordenação de curso, funcionários, tendo sido feito até mesmo contato com pessoas que frequentam os espaços de convívio como as cantinas das instituições pesquisadas. Desse modo, em razão dessa lacuna no tocante aos dados, foi possível contar apenas com valores nacionais que apontam para o crescimento do número de matrícula de alunos com deficiência no Ensino Superior de uma forma geral. Segundo o Censo da Educação Superior MEC/INEP , havia, nesse ano, matrículas de alunos com deficiência no Ensino Superior e, desse total, nas Instituições de Ensino Superior (IESs) privadas e nas Instituições Federais de Ensino Superior (IFESs). Assim, é nesse sentido que o eixo de análise deste trabalho se encaminha, ou seja, apontar para o desafio da universidade brasileira incluir o aluno com deficiência em seus quadros. O presente trabalho foi dividido em duas partes: na primeira, procuro registrar o processo histórico da inclusão escolar, percorrendo o discurso 1 Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira do Ministério da Educação

20 educacional e os registros de movimentos que ajudaram a construir esse conceito, bem como seu significado antagônico, ou seja, o conceito de exclusão. Proponho, ainda, uma discussão que enfoque o papel da universidade frente às mudanças sociais e políticas, especificamente os movimentos de integração escolar, iniciados na década de 1980 e os movimentos de inclusão escolar, que tiveram início na década de A segunda parte compõe-se de uma breve discussão teórica sobre a universidade e seu papel social, com um recorte sobre a inclusão, entendida como o acesso e a permanência, no Ensino Superior, de pessoas com deficiência. Para refletir sobre aspectos dessa realidade, são trazidos à tona elementos da trajetória da universidade brasileira e seus papéis face à construção de uma educação menos excludente com o levantamento de dispositivos legais que indicam para o acesso, o ingresso e a permanência desse alunado na universidade. Para finalizar, são levantados pontos de vista de pesquisadores que podem contribuir para a inclusão desse aluno na universidade. A Instituição Federal de Ensino Superior pesquisada foi a UFJF, contemplada com o Programa Incluir, Edital 04/2008, do Ministério da Educação, lotado na Secretaria de Educação Superior, que convocou as IFESs a apresentarem propostas de criação, reestruturação e consolidação de Núcleos de Acessibilidade que atuarão na implementação da acessibilidade às pessoas com deficiência em todos os espaços, ambientes, materiais, ações e processos desenvolvidos na instituição. O objetivo é integrar e articular as demais atividades da instituição para a inclusão educacional e social das pessoas com deficiência, no âmbito do Programa de Acessibilidade na Educação Superior, promovendo, inclusive, o cumprimento disposto no Decreto nº /2004, nas Portarias do Ministério da Educação (MEC) e nº /2005, e no referido Edital. O Projeto Incluir tem como principais metas o acesso pleno de pessoas com deficiência às IFESs, apoiar propostas para superar situações de discriminação contra os estudantes com deficiência e implementação da política de inclusão das pessoas com deficiência no Ensino Superior. Para que seja realmente formado o quadro do processo de inclusão de pessoas com deficiência no Ensino Superior em Juiz de Fora, foram pesquisadas também todas as Instituições de Ensino Superior privadas, fato que possibilitou uma ampliação das perspectivas desta pesquisa no que se refere à discussão da função

21 e dos objetivos no que tange ao oferecimento da educação superior para pessoas com deficiência no Brasil.

22 2. REVISÃO DE LITERATURA Em uma sociedade como a nossa, o sujeito urbano é o corpo em que o capital está investido. (ORLANDI, 2001). Neste capítulo, buscar-se-á tratar das fundamentações teóricas referentes aos temas da inclusão/exclusão/segregação, das políticas públicas e da inclusão da pessoa com deficiência no sistema escolar, com uma posterior aproximação com a Educação Física e o Esporte, objetivando abrir o quadro teórico eleito para elaboração deste trabalho. 2.1 DA EXCLUSÃO/SEGREGAÇÃO À POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO O movimento mundial pela educação inclusiva é uma ação política, cultural, social e pedagógica desencadeada em defesa do direito de todos no sentido de estarem juntos, aprendendo e participando, sem nenhum tipo de discriminação. Portanto a ideia de inclusão caracteriza mudança de paradigma 2 fundamentado na concepção de direitos humanos, que conjuga igualdade e diferença como valores indissociáveis, e que avança em relação às ideias de equidade formal ao contextualizar as circunstâncias históricas da produção da exclusão nas relações sociais. Portanto, é nesta perspectiva dialética que serão abordados os temas da exclusão/segregação/inclusão a seguir. 2 Para Marcondes (1994), a noção de crise de paradigmas caracteriza-se como uma mudança conceitual, ou uma mudança de visão de mundo, consequência de uma insatisfação com os modelos anteriormente predominantes de explicação. Portanto a crise de paradigmas leva, geralmente, a uma mudança de paradigmas, sendo que as mudanças mais radicais consistem em revoluções científicas. Na sua visão, as mudanças na educação são resultado de fatores externos, ou seja, mudanças na sociedade e na cultura de nossa época que fazem com que as teorias educacionais tradicionais deixem de ser satisfatórias perdendo o seu poder explicativo, devendo ser substituídas por novas teorias.

23 2.1.1 O direito à diferença No mundo contemporâneo, a sociedade é constituída de diferentes comunidades, cada uma com sua identidade e defendendo seu direito à diferença na coletividade. Esse discurso sobre a diversidade não faz senão situar a lógica consensual numa escala diferente, deslocando-a para unidades menores da sociedade e reconstituindo no interior dessas a ideia de vínculo social, apoiado nos mesmos pensamentos/sentimentos desses (sub)grupos. Essa ideia fragmentária, separada, regionalizada das identidades comunitárias age no sentido contrário ao da instituição de uma identificação coletiva sobre a qual estabelece laços de sociabilidade e está baseada numa lógica discriminatória, quando não segregacionista (ORLANDI; RODRIGUEZ-ALCALÁ, 2004). Em um sentido mais geral do termo, discriminar é notar, perceber diferenças, fazer distinções e, em um sentido mais corrente, é a prática que, baseada nessas distinções, estabelece um tratamento diferencial; tratamento que pode, em alguns casos, ser favorável como nos casos da chamada discriminação positiva de certas categorias sociais. Já segregar dá uma ideia de separação mais acirrada, espacial, das diferenças. Segregar é, de acordo com as definições nas ciências sociais, o processo ecológico pelo quais as pessoas se estabelecem ou se localizam dentro de uma comunidade nas áreas já ocupadas por pessoas de características ou atividades sociais semelhantes às suas (SILVA, 2001, p. 104). A segregação é, assim, uma prática que pressupõe a discriminação, levando-a a extremos: ela faz distinções, visando à máxima separação dos diferentes, reduzindo ao mínimo indispensável o contato entre eles. A segregação representa, nesse sentido, a culminância do processo da insociabilidade e da incivilidade. A lógica consensual é assim de modo articulado à lógica segregacionista, ou melhor, a segregação é seu avesso, seu rastro: na medida em que aquela pressupõe uma concordância geral de pensamento e sentimento, as pessoas que pensam e se sentem diferentes ficam situadas do lado de fora, excluídas do vínculo social, separadas. Cabe às políticas públicas tentar juntá-las posteriormente. E eis aí a vez das políticas de inclusão, de direito à identidade, que trabalham nessa lógica e a complementam ao pressuporem a existência de uma identidade separada dos

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE ESTUDOS E NORMAS PEDAGÓGICAS CENP SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO BPC NA ESCOLA AÇÃO DA

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado

Atendimento Educacional Especializado Atendimento Educacional Especializado Do preferencial ao necessário Meire Cavalcante Insira aqui o seu nome Deficiência... EXCLUSÃO NÃO HUMANIDADE SEGREGAÇÃO INTEGRAÇÃO INCLUSÃO Concepções... Segregação

Leia mais

INCLUSÃO NA EDUCAÇAO INFANTIL: IGUALDADE, RESPEITO E DIREITO DE TODOS AO ACESSO E À PERMANÊNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO

INCLUSÃO NA EDUCAÇAO INFANTIL: IGUALDADE, RESPEITO E DIREITO DE TODOS AO ACESSO E À PERMANÊNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO INCLUSÃO NA EDUCAÇAO INFANTIL: IGUALDADE, RESPEITO E DIREITO DE TODOS AO ACESSO E À PERMANÊNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO Jacira Amadeu Mendes 1 RESUMO: O presente trabalho aborda questões sobre a inclusão

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial DIRETRIZES OPERACIONAIS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO BÁSICA O Ministério da Educação, por intermédio

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Inclusão A concepção da inclusão educacional expressa o conceito

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

A INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: CONTRIBUIÇÕES DE LEV VIGOTSKI E A IMPLEMENTAÇÃO DO SUPORTE PEDAGÓGICO NO IM-UFRRJ

A INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: CONTRIBUIÇÕES DE LEV VIGOTSKI E A IMPLEMENTAÇÃO DO SUPORTE PEDAGÓGICO NO IM-UFRRJ A INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: CONTRIBUIÇÕES DE LEV VIGOTSKI E A IMPLEMENTAÇÃO DO SUPORTE PEDAGÓGICO NO IM-UFRRJ Saionara Corina Pussenti Coelho Moreira; UFRRJ/IM, saionara.pussente@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 Aline Cezário Coutinho 2 Cristiane Tenuta Cabral

Leia mais

Revista Educação Especial ISSN: 1808-270X revistaeducaçãoespecial.ufsm@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Revista Educação Especial ISSN: 1808-270X revistaeducaçãoespecial.ufsm@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria Brasil Revista Educação Especial ISSN: 1808-270X revistaeducaçãoespecial.ufsm@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria Brasil Rodrigues Duarte, Emerson; Caputo Ferreira, Maria Elisa Panorama da inclusão

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Natássia Contrera Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: natassiac@hotmail.com Giseli Bueno Berti Universidade

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte. 3 Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro de Estado da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária de Educação Especial Marilene Ribeiro dos Santos

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. Marcos Lógicos Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS Convenção Relativa à Luta contra a Discriminação no Campo do Ensino Convenção

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010

TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010 TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010 PROJETO: OEI/BRA 08/003 Fortalecimento da Capacidade Institucional da Secretaria de Educação Especial SEESP/MEC em Gestão e Avaliação do Programa de Acompanhamento e Monitoramento

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO Soraya Hissa Hojrom de Siqueira Diretora da Superintendência de Modalidades e Temáticas

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretoria de Políticas de Educação Especial

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretoria de Políticas de Educação Especial MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Coordenação Geral de Políticas Pedagógicas de Educação Especial

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL ANTUNES, Clarice Filipin de Castro (UNIOESTE) 1 ROSSETTO, Elisabeth (Orientadora/UNIOESTE)

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Autor: Brena Samyly S. de Paula, Élida Mônica S. da Silva, Karlianne Sousa Silva Falção e Marilia Moreira Pinho Data: 13/05/2010 Resumo Nosso trabalho

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando: RESOLUÇÃO Nº 07/2015. Estabelece normas para Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva para Alunos com necessidades educacionais especiais durante o período escolar em todas as etapas e modalidades

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE Ana Carolina Marques de GOES 1 RESUMO: A educação inclusiva, especificamente relativa às pessoas com deficiência, é um assunto muito

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 13/09/2013-17:59:14 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas REGULAMENTO DA POLÍTICA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CEFET-MG Aprovado pela Resolução CD-083/04, de 13/12/2004 Capítulo I Dos Princípios Art. 1º - A

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE Adrina Mendes Barbosa (UFBA) 1 Bárbara Vergas (UEFS) 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho aborda as políticas

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais. Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais. Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013 O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS Secretaria Nacional de Promoção

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO ESCOLAR

ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO ESCOLAR ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO ESCOLAR É É importante que as pessoas se sintam parte de um processo de melhoria para todos Luiz Fábio Mesquita PROEN 2011 Luiz Alberto Rezende / Tânia Mára Souza / Patrícia

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais