Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro: história e memória?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro: história e memória?"

Transcrição

1 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro: história e memória? Celia Regina Otranto 1 1. Professora do Departamento de Teoria e Planejamento de Ensino do Instituto de Educação da UFRRJ Palavras-chave: memória institucional; ensino agronômico; reforma universitária; legislação educacional. Resumo A pesquisa investiga a trajetória histórica da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), de 1910 ao final da década de 1980, mediante análise de documentos produzidos no interior da Instituição nos diferentes períodos. Enfoca a criação da Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária (1910), que lhe deu origem, seu desmembramento nas Escolas Nacionais (1934) e as transformações em: Universidade Rural (1943); Rural do Rio de Janeiro (1960); Rural do Brasil (1962) e Federal Rural do Rio de Janeiro (1967). Examina a adaptação da UFRRJ à Reforma Universitária e a difícil redemocratização na década de Abstract The research investigates the Federal Rural University of Rio de Janeiro history, through analysis of documents produced inside the Institution in differents periods. It focuses the criation of Agriculture and Veterinary Medicine Higher School that was its origin, its expanding in National Schools (1934) and the transformations in: Rural University (1943); Rural of Rio de Janeiro (1960); Rural of Brazil (1962) and Federal Rural University of Rio de Janeiro (1967). It investigates the UFRRJ adjustment to the Academic Reformation and the difficult redemocratization during the eighties. Introdução As origens da UFRRJ remontam ao ano de 1910, quando o Decreto nº criou a Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária que somente foi instalada em A partir desta data a Instituição se ampliou e foi transferida várias vezes de sede até ocupar seu atual campus no Km 47 da antiga Estrada Rio-São Paulo. Permaneceu vinculada ao Ministério da Agricultura desde sua criação até o ano de 1967, quando passou a integrar o Ministério da Educação e Cultura, ocasião em que assumiu sua atual designação Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. As diferentes denominações adotadas anteriormente pela Instituição são abordadas nesta pesquisa, que examina, de forma especial, as décadas de 1960, 1970 e 1980, com destaque para o período militar ( ) e sua interferência nas relações institucionais internas. Material e Métodos O estudo foi desenvolvido a partir, prioritariamente, de fontes primárias, embora tenha se fundamentado também em pesquisas anteriores desenvolvidas por Mendonça (1994), Oliveira. et al (1996) e Oliveira (2000). Foram localizados documentos manuscritos e impressos em diferentes setores da Instituição: Sala dos Órgãos Colegiados; Centro de Leitura e Estudo Rômulo Cavina; Biblioteca Central; Associação

2 dos Docentes da UFRRJ (ADUR-RJ); Sindicato dos Trabalhadores em Educação da UFRRJ (SINTUR); Diretório Central dos Estudantes da UFRRJ (DCE); além de arquivos pessoais de professores da Instituição. A partir de 1955, ano da primeira ata do Conselho Universitário localizada na Sala dos Órgãos Colegiados, foram examinadas todas as atas deste Conselho até o final dos anos de 1980, constituindo-se esses documentos na principal fonte documental da pesquisa. A análise dos Regulamentos, Estatutos e Regimentos da Instituição, desde sua criação, também foi relevante para o registro de sua evolução histórica. Resultados e Discussão I Da origem à transformação em Universidade A Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária (ESAMV), que deu origem a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, foi criada em 1910, pelo Decreto nº O mesmo decreto que criou a Escola traçou as regras do ensino agronômico em todo o país, instituindo-o no interior do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio, e determinou a instalação da ESAMV na Fazenda Santa Cruz. No entanto, em virtude do estado de ruína dos edifícios existentes na Fazenda Santa Cruz, a Escola não pôde ser instalada de imediato (Grillo, 1938). No ano seguinte, em 1911, sua sede foi fixada na Rua General Canabarro nº 42, Rio de Janeiro (Decreto nº 8.970), mas a necessidade de reforma do prédio postergou, mais uma vez, sua instalação. Somente em 4 de julho de 1913 a ESAMV foi inaugurada, ocupando o Palácio do Duque de Saxe, no Maracanã, Rio de Janeiro, onde hoje está instalada a Escola Técnica Industrial (ESAMV, ). A Escola baseava sua trajetória em três pontos principais: a) o professor recrutado por concurso; b) a eficiência de seus laboratórios; c) o Campo de Experimentação e Prática Agrícola, localizado em Deodoro (ESAMV, 1911, 1913, 1920 & ESAMV ). Porém, apesar do reconhecimento do Ministério da Agricultura do trabalho desenvolvido dentro da nova proposta modernizadora para o ensino agrícola, em 1915, a ESAMV sofreu sua crise mais grave, que colocou em risco a existência da UFRRJ como hoje a conhecemos (ESAMV, ). Sob a alegação de falta de verbas e sem recursos de qualquer espécie, a Escola foi fechada, juntamente com todos os seus laboratórios, inclusive o Campo de Experimentação e Prática Agrícola (Grillo, 1938). Entretanto, o ensino agrícola federal teve sua sobrevivência mais uma vez assegurada, desta vez pelo Decreto nº , de A nova legislação reuniu a ESAMV às Escolas Médias ou Teórico-Práticas de Pinheiro e da Bahia, em um único estabelecimento, sediado na cidade de Pinheiro (hoje Pinheiral). Lá a Escola permaneceu por dois anos, até que foi transferida, em 1918, para os prédios do Horto Botânico do Rio de Janeiro, localizado em Niterói (Decreto nº ). Em 1927, o Decreto nº transferiu mais uma vez a Escola, agora para a Av. Pasteur, nº 404, na Praia Vermelha. Em 1934, a ESAMV foi desmembrada em Escola Nacional de Agronomia, Escola Nacional de Veterinária e Escola Nacional de Química. As Escolas de Agronomia e Veterinária tornaram-se padrão nacional, 2

3 passando seus currículos a servir de referência para os demais estabelecimentos de ensino agronômico do país (Decreto nº ). No ano de 1943 a Instituição adquire o status de universidade e passa a denominar-se Universidade Rural (UR, 1943). Cinco anos depois, em 1948, é transferida para o campus especialmente construído para abrigá-la, no Km 47 da antiga estrada Rio-São Paulo (Veterinária, 1947 e 1948). II A década de Em 1960, através do Decreto nº a Instituição consegue sua desvinculação do Centro Nacional de Estudos e Pesquisas Agronômicas CNEPA ao qual esteve atrelada desde sua transformação em universidade, em O mesmo decreto atribuiu-lhe nova designação: Universidade Rural do Rio de Janeiro. Porém, em 1962, a Lei Delegada nº 9 denomina-a Universidade Rural do Brasil, que, agora já contava com cinco Escolas: Escola Nacional de Agronomia; Escola Nacional de Veterinária; Escola de Educação Familiar; Escola de Educação Técnica; Escola de Engenharia Florestal (URB, ). Em 31 de março de 1964 tem Início o período militar que, na Universidade Rural do Brasil (URB), foi especialmente conturbado. O Reitor Ydérzio Luiz Vianna foi cassado, assim como vários outros professores. Estudantes foram perseguidos e a URB, assim como as demais universidades brasileiras, sofreu forte repressão política. No ano de 1967, a Instituição foi transferida do Ministério da Agricultura para o Ministério da Educação e Cultura e assumiu sua atual denominação: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). III A década de A década de 1970 é marcada pela adaptação da UFRRJ às normas do novo Ministério e às diretrizes da Reforma Universitária. A Instituição foi obrigada, pela Lei nº 5.540/68, a oferecer cursos de graduação nos diferentes campos do saber (universalidade de campo), que levou à criação do Instituto de Educação e do Instituto de Ciências Sociais (depois denominado Instituto de Ciências Humanas e Sociais). Instituiu o sistema de créditos, a departamentalização e pôs fim à cátedra. Adotou, em 1972, o sinete oficial contendo o símbolo da Universidade para todos os cursos, acabando, assim, com os sinetes individualizados, por curso. No ano de 1975, além do Conselho Universitário, tem início o funcionamento dos demais Conselhos Superiores previstos no Estatuto da Instituição: o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão e Conselho de Curadores (UFRRJ, ). Em 1979, é criada a Associação dos Docentes da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (ADUR-RJ), que foi fortalecida pela intensa mobilização de professores e alunos, após a morte do estudante George Ricardo Abdala e a demissão do professor Walter Motta Ferreira, ocorrida no final de 1979 (ADUR-RJ, 1979). IV A década de A década de 1980 caracterizouse, em todo o território brasileiro, pela redemocratização política, com o fim do regime militar, em Entretanto, no interior da UFRRJ a redemocratização foi muito mais lenta do que seria desejável para uma instituição universitária. No início do ano de 1980 o Reitor Arthur Orlando Lopes da Costa abre inquérito administrativo e policial contra 83 professores. Em 1981, a 3

4 Assessoria de Segurança e Informação é incorporada, oficialmente, no Regimento da UFRRJ (UFRRJ, ). As reações se traduzem em forma de confrontos diretos e greves, até que, em 1982, o Congresso de Docentes da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, promovido pela ADUR-RJ, congrega os três segmentos da comunidade universitária para discutir os problemas da Instituição e propostas de solução (ADUR-RJ, 1982). Isso pode ter colaborado para o fortalecimento dos Servidores Administrativos que criaram, em 1983, a Associação dos Servidores da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (ASUR-RJ), hoje SINTUR (ASUR-RJ, 1983a, 1983b, 1983c, 1983d). Efeito positivo trouxe, também, para o engajamento mais efetivo dos alunos que apresentaram, em 1985, um Plano de Emergência (DCE, 1985) que tinha por objetivo apresentar alternativas de solução para as demandas institucionais. Sob a liderança da ADUR-RJ, foi elaborada uma Proposta de Ação: Formação de Profissionais Competentes para uma Sociedade Democrática (ADUR-RJ, 1984a) que mobilizou grande parte da comunidade universitária e contribuiu para a formação de uma Comissão Eleitoral composta pelos três segmentos, com o objetivo de coordenar a eleição para reitor (ADUR- RJ, 1984b). Professores, estudantes e servidores, agora unidos, decidiram eleger, por voto direto um novo reitor para a Universidade, como forma de forçar a democratização interna. O professor eleito para assumir a reitoria, Jair da Rocha Leal, porém, não foi reconhecido pelo Colégio Eleitoral da UFRRJ (UFRRJ, 1 out. 1984). No entanto, as relações internas na Instituição já tinham sido suficientemente modificadas para que a próxima eleição fosse direta, com a posse do eleito. Isso ocorreu em 1988, quando o Reitor Hugo Édson Barbosa de Resende assumiu o cargo, marcando a democratização da UFRRJ e a vitória da autonomia universitária (UFRRJ, 27 jul. 1988). É importante ressaltar que essa autonomia foi construída pela comunidade universitária, composta pelos professores, alunos e funcionários que, quando empreenderam ações em conjunto, ampliaram a capacidade da Instituição de decidir seus destinos (Otranto, 2003). Conclusão Quando a Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária (ESAMV) foi criada, em 1910, e instalada, em 1913, ainda se discutia se a instituição universitária deveria ou não ser criada no território nacional. Porém, ao se comparar os debates a respeito da concepção de universidade, neste período, com os objetivos e a prática da ESAMV, pode-se detectar alguns pontos convergentes que remetem à idéia de que a Escola apresentava algumas similitudes com o projeto de universidade que se delineava no Brasil. A ESAMV pode ser vista, então, como o embrião da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, não somente pela semelhança entre os objetivos da Escola e as proposições de universidade emanadas da intelectualidade brasileira da época, mas, principalmente, porque a Universidade que surgiu a partir da ESAMV foi decorrente de seu crescimento e de sua evolução e não apenas da reunião de escolas isoladas, prática utilizada na criação das primeiras 4

5 universidades brasileiras. A vinculação ao Ministério da Agricultura até 1967 interferiu no perfil da Instituição, mantendo-a predominantemente agrária. As dificuldades enfrentadas para adaptar-se à Reforma Universitária foram agravadas pela adequação às normas do Ministério da Educação e Cultura. A transferência para um campus distante cerca de 80 Km do Rio de Janeiro (1948), acrescida do trabalho em regime de tempo parcial, diminuiu o período de permanência dos docentes na Universidade. O problema somente foi minimizado com a adoção do regime de trabalho em tempo integral. A década de 1980 foi determinante para a integração da comunidade universitária e para a democratização das decisões internas da UFRRJ, demonstrando que a ação conjunta de docentes, discentes e funcionários, direcionada para a resolução dos problemas internos da Universidade, tende a ampliar a autonomia universitária. Referências Bibliográficas ADUR-RJ. Boletins Especiais. 21 nov. 1979; 14 dez Congresso de Docentes da UFRRJ. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 27 e 28 mai Proposta de Ação: Formação de Profissionais Competentes para uma Sociedade Democrática. 1984a.. Carta Circular. UFRRJ / Comissão Eleitoral Coordenadora. 12 set. 1984b. ASUR-RJ. Estatuto da Associação de Servidores da UFRRJ. 1983a.. Documento do Comando de Greve dos Servidores da UFRRJ. 16 jun. 1983b.. Documento do Comando Geral de Greve dos Servidores da UFRRJ. 21 jun. 1983c.. Carta Aberta ao Reitor da UFRRJ. 23 jun. 1983d. DCE. Plano de Emergência. 24 abr ESAMV. Atas de Concurso para Professor. (manusc.). 1911, 1913 e Programa das Cadeiras. (manusc.) Regulamentos Archivos da Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária. Revista da ESAMV GRILLO, Heitor V. Silveira. Discurso do Diretor da Escola Nacional de Agronomia. In: Boletim da Escola Nacional de Agronomia, n. 1. Jubileu Comemorativo de sua fundação Rio de Janeiro: Escola Nacional de Agronomia, 1938, p MENDOÇA, Sonia Regina de. Saber e Poder no Brasil: o ensino agrícola na primeira república. Relatório Final de Pesquisa do CNPq. Universidade Federal Fluminense, Departamento de História, OLIVEIRA, Ana Lúcia V. Santa Cruz. et al. Memória da Rural. Revista Universidade Rural. Série Ciências Humanas. Vol. 18, n. 1-2, dez., p , OLIVEIRA, Ana Lúcia V. Santa Cruz. E nasce a ADUR: um caso de luta. Revista Universidade Rural. Série Ciências Humanas. Vol. 22, n. 02, jul/dez, p , OTRANTO, Celia Regina. A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e a construção da sua autonomia. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). UFRRJ / ICHS, UR. Estatuto da Universidade Rural Veterinária. Publicação do Diretório Acadêmico de Veterinária da Universidade Rural. Ano I, nº 2, jun., Veterinária. Publicação do Diretório Acadêmico de Veterinária da Universidade Rural. Ano II, nº 1, jan./mar.,

6 URB. Atas das Reuniões do Conselho Universitário Estatuto e Regimento da Universidade Rural do Brasil UFRRJ. Estatuto e Regimento da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Atas das Reuniões do Conselho Universitário Atas das Reuniões do Conselho Universitário Ata da Reunião Conjunta do Conselho Universitário, Conselho de Ensino e Pesquisa e Extensão e Conselho de Curadores. 1 out Ata da Reunião Conjunta do Conselho Universitário, Conselho de Ensino e Pesquisa e Extensão e Conselho de Curadores. 27 jul ? Este trabalho é parte da Tese de Doutorado da autora (Otranto, 2003). 6

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO: HISTÓRIA E MEMÓRIA*

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO: HISTÓRIA E MEMÓRIA* OTRANTO, C.R. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO: HISTÓRIA E MEMÓRIA* CELIA REGINA OTRANTO *Este trabalho é parte da Tese de Doutorado da autora (OTRANTO, 2003); Professora do Departamento

Leia mais

Palavras-chave: Educação Superior, Memória Institucional, Ensino Agronômico.

Palavras-chave: Educação Superior, Memória Institucional, Ensino Agronômico. DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA INDÚSTRIA E COMÉRCIO AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA: A TRAJETÓRIA HISTÓRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO 1 Celia Regina Otranto 2 Resumo A pesquisa

Leia mais

A CRIAÇÃO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO

A CRIAÇÃO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO A CRIAÇÃO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO Celia Regina Otranto (UFRRJ) Trabalho apresentado no I Encontro de História da Educação do Estado do Rio de Janeiro IEHERJ.

Leia mais

RAÍZES HISTÓRICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO: 1910 1934 CELIA REGINA OTRANTO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO

RAÍZES HISTÓRICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO: 1910 1934 CELIA REGINA OTRANTO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO RAÍZES HISTÓRICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO: 1910 1934 CELIA REGINA OTRANTO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro percorreu um

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Escola Técnica de Saúde Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 Proposta de trabalho apresentada como pré-requisito para inscrição no processo

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960

LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade do Estado do Rio de Janeiro, e dá outras providências. O Presidente da República, Faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE ÓRGÃO DOS COLEGIADOS SUPERIORES CONSELHO UNIVERSITÁRIO EDITAL DE ELEIÇÃO PARA O CONSU MEMBROS INTERNOS MANDATO 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE ÓRGÃO DOS COLEGIADOS SUPERIORES CONSELHO UNIVERSITÁRIO EDITAL DE ELEIÇÃO PARA O CONSU MEMBROS INTERNOS MANDATO 2015 EDITAL DE ELEIÇÃO PARA O CONSU MEMBROS INTERNOS MANDATO 2015 O Presidente do Conselho Universitário (Consu), em cumprimento ao que estabelece o Regimento Interno desta Ifes, faz saber à comunidade universitária

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências

LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências Art. 1º É criada a Universidade Federal de Goiás, com sede em Goiás, capital do Estado de Goiás,

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

USO DA PLATAFORMA MOODLE COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO AGRÍCOLA 1 *

USO DA PLATAFORMA MOODLE COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO AGRÍCOLA 1 * USO DA PLATAFORMA MOODLE COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO AGRÍCOLA 1 * Maria Luciene de Oliveira Lucas¹ Rafael Salazar Santos² Gabriel

Leia mais

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional UESC Missão: Formar profissionais, construir conhecimento e criar cultura fomentadora da cidadania, do desenvolvimento humano, social, econômico, artístico

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS

A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS REMI SCHORN PLANO DE TRABALHO DO CANDIDATO A DIRETOR DO CAMPUS DA UNIOESTE TOLEDO Docentes, Agentes Universitários e Acadêmicos Unidos Por Um Campus Melhor A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS Reunimos e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 04/99 Institui a Política de Apoio, Orientação e Assistência Estudantil para a UFBA. O DA, no uso de suas atribuições, RESOLVE: Art. 1º - Instituir a Política de Apoio,

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Conselho Universitário. Audiências Públicas 2ª fase

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Conselho Universitário. Audiências Públicas 2ª fase 1 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Conselho Universitário Comissão de Sistematização das Propostas para Reforma do Estatuto Audiências Públicas 2ª fase Espaço aberto pelo Conselho Universitário

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº PROJETO DE LEI Nº Modifica a LC 30/93 e adota outras providências. Autoria: Poder Executivo A Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso aprova e o Governador do Estado sanciona a seguinte Lei Complementar:

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIT ITAPEVA, 2015 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 01 DE SETEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 01 DE SETEMBRO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Avenida Vicente Simões, 1111 Bairro Nova Pouso Alegre 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone:

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso 9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso Mesa de debate: O papel das instituições de ensino superior do ABC no desenvolvimento regional. Centro Universitário Fundação Santo André

Leia mais

MEMÓRIA DA UNIVERSIDADE RURAL / UNIVERSIDADE RURAL DO BRASIL: 1960 1964

MEMÓRIA DA UNIVERSIDADE RURAL / UNIVERSIDADE RURAL DO BRASIL: 1960 1964 MEMÓRIA DA UNIVERSIDADE RURAL / UNIVERSIDADE RURAL DO BRASIL: 1960 1964 Celia Regina Otranto Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Este trabalho apresenta parte da pesquisa desenvolvida para a minha

Leia mais

Projeto: Atualização da Infra-estrutura de Comunicação por Videoconferência, para promover as Atividades de Pesquisa multicampus.

Projeto: Atualização da Infra-estrutura de Comunicação por Videoconferência, para promover as Atividades de Pesquisa multicampus. FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO (FAPESP) AUXÍLIO À PESQUISA: Reserva Técnica Institucional Faculdade de Engenharia Unesp Campus de Bauru Relatório Científico Processo 2013/24395-4

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR LOMBARDO, Antonio lombardo@net.em.com.br, lombardo@crea-mg.com.br Universidade de Itaúna, Departamento de Engenharia Mecânica Campus Verde Universidade de Itaúna 35.680-033

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas

TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas I-Introdução A Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF é uma Instituição Estadual de

Leia mais

ORIENTAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA A INCLUSÃO SOCIAL

ORIENTAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA A INCLUSÃO SOCIAL ORIENTAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA A INCLUSÃO SOCIAL VASCONCELOS, Arthur Henrique Pacífico 1 ; CASTIGLIONI, Gabriel Luis 2 ; SILVA, Flavio Alves 2 ; RODRIGUES, Adelino José Saraiva 3. 1 Estudante

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA.

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÓ-SAÚDE/FAMEB/UFBA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA - FAMEB 199 anos Grupo Gestor do Projeto Pró-Saúde (Ministério da Saúde FAMEB/UFBA) Pavilhão de Aulas da FAMEB, Av. Reitor Miguel Calmon Campus

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Resumo O presente texto tem por objetivo refletir e discutir sobre a integração entre ensino,

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS RESUMO HISTÓRICO DA UFV

INFORMAÇÕES GERAIS RESUMO HISTÓRICO DA UFV INFORMAÇÕES GERAIS RESUMO HISTÓRICO DA UFV Com o incremento da produção agropecuária em Minas Gerais, o então presidente do Estado, Arthur da Silva Bernardes, tomou a iniciativa de criar uma escola que

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Faculdades Integradas Dom Pedro II São José do Rio Preto - SP

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Faculdades Integradas Dom Pedro II São José do Rio Preto - SP RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DAS FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS As, ao apresentar o Relatório do sistema de autoavaliação (CPA), consideram

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO REGIMENTO DE FACULDADES E ESCOLAS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO REGIMENTO DE FACULDADES E ESCOLAS 1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO REGIMENTO DE FACULDADES E ESCOLAS A intenção deste documento, sistematizado pela Câmara de Legislação e Normas do CONSUN, é oferecer diretrizes para a elaboração e a homologação

Leia mais

O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil

O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil 15 O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil Amarilis Maria Muscari Riani Costa Magali das Graças Machado Rafael de Oliveira Tavares Ruth Gelehrter da Costa Lopes Introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO Registro na Extensão Nº: Em / / FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO 1 - Identificação: 1.1 - Título 1 : 1.2 - Área Temática Principal (assinalar apenas uma área temática, aquela que melhor define o problema

Leia mais

CABO VERDE: A QUESTÃO UNIVERSITÁRIA E AS INSTÂNCIAS SUPERIORES DE PODER

CABO VERDE: A QUESTÃO UNIVERSITÁRIA E AS INSTÂNCIAS SUPERIORES DE PODER 919 CABO VERDE: A QUESTÃO UNIVERSITÁRIA E AS INSTÂNCIAS SUPERIORES DE PODER Isabela Pereira Lopes Lapeade PPGE UFRJ José Jairo Vieira Lapeade PPGE UFRJ Eixo Temático: Políticas de inclusão/exclusão em

Leia mais

Levantamento de dados históricos sobre a Faculdade de Engenharia de Alimentos, a partir de documentos do Arquivo Central/SIARQ.

Levantamento de dados históricos sobre a Faculdade de Engenharia de Alimentos, a partir de documentos do Arquivo Central/SIARQ. Levantamento de dados históricos sobre a Faculdade de Engenharia de Alimentos, a partir de documentos do Arquivo Central/SIARQ. Atos de Criação, Instalação e Organização Contribuição para o estabelecimento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005. (Do Sr. GERALDO RESENDE) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005. (Do Sr. GERALDO RESENDE) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. GERALDO RESENDE) Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal do Pantanal, por desmembramento da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS PRÓ- DE EXTENSÃO INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS Olá! Você já deve ter feito uma dessas perguntas: O que são entidades estudantis? Para que servem? Qual a diferença entre um CA e um DA? Como criar

Leia mais

Sobre a Universidade Banco Central do Brasil (UniBacen)

Sobre a Universidade Banco Central do Brasil (UniBacen) Sobre a Universidade Banco Central do Brasil (UniBacen) Histórico A UniBacen é um departamento vinculado diretamente ao Diretor de Administração do Banco Central do Brasil (BCB), conforme sua estrutura

Leia mais

Catálogo Telefônico da UFRRJ

Catálogo Telefônico da UFRRJ Catálogo Telefônico da UFRRJ Os ramais (4600 à 4999) precedidos do prefixo (21) 2681 se transforma em telefone convencional. Ex. (21) 2681-4610 você fala com a Reitoria da UFRRJ de qualquer lugar do País.

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DISCENTE DO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CHAPA RDs 2014

REPRESENTAÇÃO DISCENTE DO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CHAPA RDs 2014 REPRESENTAÇÃO DISCENTE DO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CHAPA RDs 2014 Atualmente, o IRI é composto por conselhos e comissões. São eles: Congregação do Instituto; Comissão de Graduação, Cultura

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO SEMESTRAL DE ATIVIDADES RELATÓRIO SEMESTRAL DE ATIVIDADES Goiânia julho/2015 1 SUMÁRIO 1) Apresentação. 2) Atividades Administrativas. 3) Atividades Pedagógicas. 4) Atividades em Projetos Especiais. 5) Conclusão. 1) Apresentação

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

Estimados Professores, Estudantes e Funcionários

Estimados Professores, Estudantes e Funcionários UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Autorizada pelo Decreto Federal Nº 77.496 DE 27.4.1976 Reconhecida pela Portaria Ministerial nº 874/86 de 19.12.86 Recredenciada pelo Decreto Estadual 9.271, de

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 056/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

Escola de Música da UFMG

Escola de Música da UFMG Escola de Música da UFMG Visão Histórica e Acadêmica Conservatório de Música ou Escola de Música de uma Universidade Conservatórios Instituições isoladas de ensino de música, que podem atender a todos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI TITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina a organização, o funcionamento e as atribuições do Núcleo

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

Histórico da Educação Farmacêutica no Brasil

Histórico da Educação Farmacêutica no Brasil Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Departamento de Farmácia Programa de Educação Tutorial Histórico da Educação Farmacêutica no Brasil Renata Camargo Bolsista PET-Farmácia/UFPR Sumário

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET BARBACENA 2010 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro

Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro A Associação Nacional de Política e Administração da Educação ANPAE, fundada em 1961 1, é uma associação civil de caráter educativo,

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura.

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura. PORTARIA Nº DE DE NOVEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, nomeado pela Portaria nº 824, de 29 de agosto de 2005, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA 1 DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS JUSTIFICATIVA Dois grandes órgãos de deliberação superior foram propostos: O Conselho Universitário e o Conselho de Administração e Finanças. Este último, com a missão de deliberar

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR

GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR A ênfase posta na atualidade no termo gestão educacional tem origem nas mudanças ocorridas nas relações da administração pública (aparato de Estado) com a sociedade.

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Estatuto do Centro Acadêmico da Engenharia Ambiental C.A.E.A. Mariana Braga

Estatuto do Centro Acadêmico da Engenharia Ambiental C.A.E.A. Mariana Braga Estatuto do Centro Acadêmico da Engenharia Ambiental C.A.E.A. Mariana Braga Capítulo I - Da Entidade Art. 1 - O Centro Acadêmico da Engenharia Ambiental, sob a denominação de C.A.E.A. Mariana Braga, entidade

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária

FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária Ano Base: 2012 Título do Projeto: CliqueCom site multimídia Tipo de

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ aprovou e eu, Reitora em exercício, sanciono a seguinte Resolução:

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ aprovou e eu, Reitora em exercício, sanciono a seguinte Resolução: Resolução CONSUN n o 046/2003. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97 Aprova o Regulamento Geral da Agência de Comunicação Integrada, do Curso de Comunicação Social

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Levantamento dos marcos lógicos e legais de Mobilidade Urbana, Transporte e Trânsito.

Levantamento dos marcos lógicos e legais de Mobilidade Urbana, Transporte e Trânsito. 1. Marcos Lógicos Levantamento dos marcos lógicos e legais de Mobilidade Urbana, Transporte e Trânsito. Publicação/Origem MARCOS LÓGICOS INTERNACIONAIS Declaração Universal dos Direitos Humanos 1948 Art.

Leia mais

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal de Uberlândia A discussão sobre a importância da participação

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CPA GESTÃO 2009

PLANO DE TRABALHO CPA GESTÃO 2009 Faculdades Integradas Einstein de Limeira PLANO DE TABALHO CPA GESTÃO 2009 Comissão Própria de Avaliação CPA Faculdades Integradas Einstein de Limeira FIEL Associação Limeirense de Educação e Cultura -

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional Por que Nos últimos anos, um número crescente

Leia mais

METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA ELABORAÇÂO DO NOVO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITICIONAL DO IFSC 1

METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA ELABORAÇÂO DO NOVO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITICIONAL DO IFSC 1 1 METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA ELABORAÇÂO DO NOVO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITICIONAL DO IFSC 1 1. Introdução O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) busca apresentar um caminho a ser

Leia mais