Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro: história e memória?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro: história e memória?"

Transcrição

1 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro: história e memória? Celia Regina Otranto 1 1. Professora do Departamento de Teoria e Planejamento de Ensino do Instituto de Educação da UFRRJ Palavras-chave: memória institucional; ensino agronômico; reforma universitária; legislação educacional. Resumo A pesquisa investiga a trajetória histórica da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), de 1910 ao final da década de 1980, mediante análise de documentos produzidos no interior da Instituição nos diferentes períodos. Enfoca a criação da Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária (1910), que lhe deu origem, seu desmembramento nas Escolas Nacionais (1934) e as transformações em: Universidade Rural (1943); Rural do Rio de Janeiro (1960); Rural do Brasil (1962) e Federal Rural do Rio de Janeiro (1967). Examina a adaptação da UFRRJ à Reforma Universitária e a difícil redemocratização na década de Abstract The research investigates the Federal Rural University of Rio de Janeiro history, through analysis of documents produced inside the Institution in differents periods. It focuses the criation of Agriculture and Veterinary Medicine Higher School that was its origin, its expanding in National Schools (1934) and the transformations in: Rural University (1943); Rural of Rio de Janeiro (1960); Rural of Brazil (1962) and Federal Rural University of Rio de Janeiro (1967). It investigates the UFRRJ adjustment to the Academic Reformation and the difficult redemocratization during the eighties. Introdução As origens da UFRRJ remontam ao ano de 1910, quando o Decreto nº criou a Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária que somente foi instalada em A partir desta data a Instituição se ampliou e foi transferida várias vezes de sede até ocupar seu atual campus no Km 47 da antiga Estrada Rio-São Paulo. Permaneceu vinculada ao Ministério da Agricultura desde sua criação até o ano de 1967, quando passou a integrar o Ministério da Educação e Cultura, ocasião em que assumiu sua atual designação Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. As diferentes denominações adotadas anteriormente pela Instituição são abordadas nesta pesquisa, que examina, de forma especial, as décadas de 1960, 1970 e 1980, com destaque para o período militar ( ) e sua interferência nas relações institucionais internas. Material e Métodos O estudo foi desenvolvido a partir, prioritariamente, de fontes primárias, embora tenha se fundamentado também em pesquisas anteriores desenvolvidas por Mendonça (1994), Oliveira. et al (1996) e Oliveira (2000). Foram localizados documentos manuscritos e impressos em diferentes setores da Instituição: Sala dos Órgãos Colegiados; Centro de Leitura e Estudo Rômulo Cavina; Biblioteca Central; Associação

2 dos Docentes da UFRRJ (ADUR-RJ); Sindicato dos Trabalhadores em Educação da UFRRJ (SINTUR); Diretório Central dos Estudantes da UFRRJ (DCE); além de arquivos pessoais de professores da Instituição. A partir de 1955, ano da primeira ata do Conselho Universitário localizada na Sala dos Órgãos Colegiados, foram examinadas todas as atas deste Conselho até o final dos anos de 1980, constituindo-se esses documentos na principal fonte documental da pesquisa. A análise dos Regulamentos, Estatutos e Regimentos da Instituição, desde sua criação, também foi relevante para o registro de sua evolução histórica. Resultados e Discussão I Da origem à transformação em Universidade A Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária (ESAMV), que deu origem a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, foi criada em 1910, pelo Decreto nº O mesmo decreto que criou a Escola traçou as regras do ensino agronômico em todo o país, instituindo-o no interior do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio, e determinou a instalação da ESAMV na Fazenda Santa Cruz. No entanto, em virtude do estado de ruína dos edifícios existentes na Fazenda Santa Cruz, a Escola não pôde ser instalada de imediato (Grillo, 1938). No ano seguinte, em 1911, sua sede foi fixada na Rua General Canabarro nº 42, Rio de Janeiro (Decreto nº 8.970), mas a necessidade de reforma do prédio postergou, mais uma vez, sua instalação. Somente em 4 de julho de 1913 a ESAMV foi inaugurada, ocupando o Palácio do Duque de Saxe, no Maracanã, Rio de Janeiro, onde hoje está instalada a Escola Técnica Industrial (ESAMV, ). A Escola baseava sua trajetória em três pontos principais: a) o professor recrutado por concurso; b) a eficiência de seus laboratórios; c) o Campo de Experimentação e Prática Agrícola, localizado em Deodoro (ESAMV, 1911, 1913, 1920 & ESAMV ). Porém, apesar do reconhecimento do Ministério da Agricultura do trabalho desenvolvido dentro da nova proposta modernizadora para o ensino agrícola, em 1915, a ESAMV sofreu sua crise mais grave, que colocou em risco a existência da UFRRJ como hoje a conhecemos (ESAMV, ). Sob a alegação de falta de verbas e sem recursos de qualquer espécie, a Escola foi fechada, juntamente com todos os seus laboratórios, inclusive o Campo de Experimentação e Prática Agrícola (Grillo, 1938). Entretanto, o ensino agrícola federal teve sua sobrevivência mais uma vez assegurada, desta vez pelo Decreto nº , de A nova legislação reuniu a ESAMV às Escolas Médias ou Teórico-Práticas de Pinheiro e da Bahia, em um único estabelecimento, sediado na cidade de Pinheiro (hoje Pinheiral). Lá a Escola permaneceu por dois anos, até que foi transferida, em 1918, para os prédios do Horto Botânico do Rio de Janeiro, localizado em Niterói (Decreto nº ). Em 1927, o Decreto nº transferiu mais uma vez a Escola, agora para a Av. Pasteur, nº 404, na Praia Vermelha. Em 1934, a ESAMV foi desmembrada em Escola Nacional de Agronomia, Escola Nacional de Veterinária e Escola Nacional de Química. As Escolas de Agronomia e Veterinária tornaram-se padrão nacional, 2

3 passando seus currículos a servir de referência para os demais estabelecimentos de ensino agronômico do país (Decreto nº ). No ano de 1943 a Instituição adquire o status de universidade e passa a denominar-se Universidade Rural (UR, 1943). Cinco anos depois, em 1948, é transferida para o campus especialmente construído para abrigá-la, no Km 47 da antiga estrada Rio-São Paulo (Veterinária, 1947 e 1948). II A década de Em 1960, através do Decreto nº a Instituição consegue sua desvinculação do Centro Nacional de Estudos e Pesquisas Agronômicas CNEPA ao qual esteve atrelada desde sua transformação em universidade, em O mesmo decreto atribuiu-lhe nova designação: Universidade Rural do Rio de Janeiro. Porém, em 1962, a Lei Delegada nº 9 denomina-a Universidade Rural do Brasil, que, agora já contava com cinco Escolas: Escola Nacional de Agronomia; Escola Nacional de Veterinária; Escola de Educação Familiar; Escola de Educação Técnica; Escola de Engenharia Florestal (URB, ). Em 31 de março de 1964 tem Início o período militar que, na Universidade Rural do Brasil (URB), foi especialmente conturbado. O Reitor Ydérzio Luiz Vianna foi cassado, assim como vários outros professores. Estudantes foram perseguidos e a URB, assim como as demais universidades brasileiras, sofreu forte repressão política. No ano de 1967, a Instituição foi transferida do Ministério da Agricultura para o Ministério da Educação e Cultura e assumiu sua atual denominação: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). III A década de A década de 1970 é marcada pela adaptação da UFRRJ às normas do novo Ministério e às diretrizes da Reforma Universitária. A Instituição foi obrigada, pela Lei nº 5.540/68, a oferecer cursos de graduação nos diferentes campos do saber (universalidade de campo), que levou à criação do Instituto de Educação e do Instituto de Ciências Sociais (depois denominado Instituto de Ciências Humanas e Sociais). Instituiu o sistema de créditos, a departamentalização e pôs fim à cátedra. Adotou, em 1972, o sinete oficial contendo o símbolo da Universidade para todos os cursos, acabando, assim, com os sinetes individualizados, por curso. No ano de 1975, além do Conselho Universitário, tem início o funcionamento dos demais Conselhos Superiores previstos no Estatuto da Instituição: o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão e Conselho de Curadores (UFRRJ, ). Em 1979, é criada a Associação dos Docentes da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (ADUR-RJ), que foi fortalecida pela intensa mobilização de professores e alunos, após a morte do estudante George Ricardo Abdala e a demissão do professor Walter Motta Ferreira, ocorrida no final de 1979 (ADUR-RJ, 1979). IV A década de A década de 1980 caracterizouse, em todo o território brasileiro, pela redemocratização política, com o fim do regime militar, em Entretanto, no interior da UFRRJ a redemocratização foi muito mais lenta do que seria desejável para uma instituição universitária. No início do ano de 1980 o Reitor Arthur Orlando Lopes da Costa abre inquérito administrativo e policial contra 83 professores. Em 1981, a 3

4 Assessoria de Segurança e Informação é incorporada, oficialmente, no Regimento da UFRRJ (UFRRJ, ). As reações se traduzem em forma de confrontos diretos e greves, até que, em 1982, o Congresso de Docentes da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, promovido pela ADUR-RJ, congrega os três segmentos da comunidade universitária para discutir os problemas da Instituição e propostas de solução (ADUR-RJ, 1982). Isso pode ter colaborado para o fortalecimento dos Servidores Administrativos que criaram, em 1983, a Associação dos Servidores da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (ASUR-RJ), hoje SINTUR (ASUR-RJ, 1983a, 1983b, 1983c, 1983d). Efeito positivo trouxe, também, para o engajamento mais efetivo dos alunos que apresentaram, em 1985, um Plano de Emergência (DCE, 1985) que tinha por objetivo apresentar alternativas de solução para as demandas institucionais. Sob a liderança da ADUR-RJ, foi elaborada uma Proposta de Ação: Formação de Profissionais Competentes para uma Sociedade Democrática (ADUR-RJ, 1984a) que mobilizou grande parte da comunidade universitária e contribuiu para a formação de uma Comissão Eleitoral composta pelos três segmentos, com o objetivo de coordenar a eleição para reitor (ADUR- RJ, 1984b). Professores, estudantes e servidores, agora unidos, decidiram eleger, por voto direto um novo reitor para a Universidade, como forma de forçar a democratização interna. O professor eleito para assumir a reitoria, Jair da Rocha Leal, porém, não foi reconhecido pelo Colégio Eleitoral da UFRRJ (UFRRJ, 1 out. 1984). No entanto, as relações internas na Instituição já tinham sido suficientemente modificadas para que a próxima eleição fosse direta, com a posse do eleito. Isso ocorreu em 1988, quando o Reitor Hugo Édson Barbosa de Resende assumiu o cargo, marcando a democratização da UFRRJ e a vitória da autonomia universitária (UFRRJ, 27 jul. 1988). É importante ressaltar que essa autonomia foi construída pela comunidade universitária, composta pelos professores, alunos e funcionários que, quando empreenderam ações em conjunto, ampliaram a capacidade da Instituição de decidir seus destinos (Otranto, 2003). Conclusão Quando a Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária (ESAMV) foi criada, em 1910, e instalada, em 1913, ainda se discutia se a instituição universitária deveria ou não ser criada no território nacional. Porém, ao se comparar os debates a respeito da concepção de universidade, neste período, com os objetivos e a prática da ESAMV, pode-se detectar alguns pontos convergentes que remetem à idéia de que a Escola apresentava algumas similitudes com o projeto de universidade que se delineava no Brasil. A ESAMV pode ser vista, então, como o embrião da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, não somente pela semelhança entre os objetivos da Escola e as proposições de universidade emanadas da intelectualidade brasileira da época, mas, principalmente, porque a Universidade que surgiu a partir da ESAMV foi decorrente de seu crescimento e de sua evolução e não apenas da reunião de escolas isoladas, prática utilizada na criação das primeiras 4

5 universidades brasileiras. A vinculação ao Ministério da Agricultura até 1967 interferiu no perfil da Instituição, mantendo-a predominantemente agrária. As dificuldades enfrentadas para adaptar-se à Reforma Universitária foram agravadas pela adequação às normas do Ministério da Educação e Cultura. A transferência para um campus distante cerca de 80 Km do Rio de Janeiro (1948), acrescida do trabalho em regime de tempo parcial, diminuiu o período de permanência dos docentes na Universidade. O problema somente foi minimizado com a adoção do regime de trabalho em tempo integral. A década de 1980 foi determinante para a integração da comunidade universitária e para a democratização das decisões internas da UFRRJ, demonstrando que a ação conjunta de docentes, discentes e funcionários, direcionada para a resolução dos problemas internos da Universidade, tende a ampliar a autonomia universitária. Referências Bibliográficas ADUR-RJ. Boletins Especiais. 21 nov. 1979; 14 dez Congresso de Docentes da UFRRJ. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 27 e 28 mai Proposta de Ação: Formação de Profissionais Competentes para uma Sociedade Democrática. 1984a.. Carta Circular. UFRRJ / Comissão Eleitoral Coordenadora. 12 set. 1984b. ASUR-RJ. Estatuto da Associação de Servidores da UFRRJ. 1983a.. Documento do Comando de Greve dos Servidores da UFRRJ. 16 jun. 1983b.. Documento do Comando Geral de Greve dos Servidores da UFRRJ. 21 jun. 1983c.. Carta Aberta ao Reitor da UFRRJ. 23 jun. 1983d. DCE. Plano de Emergência. 24 abr ESAMV. Atas de Concurso para Professor. (manusc.). 1911, 1913 e Programa das Cadeiras. (manusc.) Regulamentos Archivos da Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária. Revista da ESAMV GRILLO, Heitor V. Silveira. Discurso do Diretor da Escola Nacional de Agronomia. In: Boletim da Escola Nacional de Agronomia, n. 1. Jubileu Comemorativo de sua fundação Rio de Janeiro: Escola Nacional de Agronomia, 1938, p MENDOÇA, Sonia Regina de. Saber e Poder no Brasil: o ensino agrícola na primeira república. Relatório Final de Pesquisa do CNPq. Universidade Federal Fluminense, Departamento de História, OLIVEIRA, Ana Lúcia V. Santa Cruz. et al. Memória da Rural. Revista Universidade Rural. Série Ciências Humanas. Vol. 18, n. 1-2, dez., p , OLIVEIRA, Ana Lúcia V. Santa Cruz. E nasce a ADUR: um caso de luta. Revista Universidade Rural. Série Ciências Humanas. Vol. 22, n. 02, jul/dez, p , OTRANTO, Celia Regina. A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e a construção da sua autonomia. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). UFRRJ / ICHS, UR. Estatuto da Universidade Rural Veterinária. Publicação do Diretório Acadêmico de Veterinária da Universidade Rural. Ano I, nº 2, jun., Veterinária. Publicação do Diretório Acadêmico de Veterinária da Universidade Rural. Ano II, nº 1, jan./mar.,

6 URB. Atas das Reuniões do Conselho Universitário Estatuto e Regimento da Universidade Rural do Brasil UFRRJ. Estatuto e Regimento da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Atas das Reuniões do Conselho Universitário Atas das Reuniões do Conselho Universitário Ata da Reunião Conjunta do Conselho Universitário, Conselho de Ensino e Pesquisa e Extensão e Conselho de Curadores. 1 out Ata da Reunião Conjunta do Conselho Universitário, Conselho de Ensino e Pesquisa e Extensão e Conselho de Curadores. 27 jul ? Este trabalho é parte da Tese de Doutorado da autora (Otranto, 2003). 6

Palavras-chave: Educação Superior, Memória Institucional, Ensino Agronômico.

Palavras-chave: Educação Superior, Memória Institucional, Ensino Agronômico. DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA INDÚSTRIA E COMÉRCIO AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA: A TRAJETÓRIA HISTÓRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO 1 Celia Regina Otranto 2 Resumo A pesquisa

Leia mais

A CRIAÇÃO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO

A CRIAÇÃO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO A CRIAÇÃO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO Celia Regina Otranto (UFRRJ) Trabalho apresentado no I Encontro de História da Educação do Estado do Rio de Janeiro IEHERJ.

Leia mais

RAÍZES HISTÓRICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO: 1910 1934 CELIA REGINA OTRANTO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO

RAÍZES HISTÓRICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO: 1910 1934 CELIA REGINA OTRANTO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO RAÍZES HISTÓRICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO: 1910 1934 CELIA REGINA OTRANTO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro percorreu um

Leia mais

USO DA PLATAFORMA MOODLE COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO AGRÍCOLA 1 *

USO DA PLATAFORMA MOODLE COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO AGRÍCOLA 1 * USO DA PLATAFORMA MOODLE COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO AGRÍCOLA 1 * Maria Luciene de Oliveira Lucas¹ Rafael Salazar Santos² Gabriel

Leia mais

MEMÓRIA DA UNIVERSIDADE RURAL / UNIVERSIDADE RURAL DO BRASIL: 1960 1964

MEMÓRIA DA UNIVERSIDADE RURAL / UNIVERSIDADE RURAL DO BRASIL: 1960 1964 MEMÓRIA DA UNIVERSIDADE RURAL / UNIVERSIDADE RURAL DO BRASIL: 1960 1964 Celia Regina Otranto Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Este trabalho apresenta parte da pesquisa desenvolvida para a minha

Leia mais

Catálogo Telefônico da UFRRJ

Catálogo Telefônico da UFRRJ Catálogo Telefônico da UFRRJ Os ramais (4600 à 4999) precedidos do prefixo (21) 2681 se transforma em telefone convencional. Ex. (21) 2681-4610 você fala com a Reitoria da UFRRJ de qualquer lugar do País.

Leia mais

ECEX ECEX - Pós Graduação em Comércio Exterior Campus da UFRJ da Praia Vermelha Av. Pasteur 250. Prédio de Economia Tel. 21 3893 5259 Cel. 21 9389 3337 e-mail: ecex@ie.ufrj.br http://www.ie.ufrj.br/ecex

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS RESUMO HISTÓRICO DA UFV

INFORMAÇÕES GERAIS RESUMO HISTÓRICO DA UFV INFORMAÇÕES GERAIS RESUMO HISTÓRICO DA UFV Com o incremento da produção agropecuária em Minas Gerais, o então presidente do Estado, Arthur da Silva Bernardes, tomou a iniciativa de criar uma escola que

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Conselho Universitário. Audiências Públicas 2ª fase

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Conselho Universitário. Audiências Públicas 2ª fase 1 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Conselho Universitário Comissão de Sistematização das Propostas para Reforma do Estatuto Audiências Públicas 2ª fase Espaço aberto pelo Conselho Universitário

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE ÓRGÃO DOS COLEGIADOS SUPERIORES CONSELHO UNIVERSITÁRIO EDITAL DE ELEIÇÃO PARA O CONSU MEMBROS INTERNOS MANDATO 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE ÓRGÃO DOS COLEGIADOS SUPERIORES CONSELHO UNIVERSITÁRIO EDITAL DE ELEIÇÃO PARA O CONSU MEMBROS INTERNOS MANDATO 2015 EDITAL DE ELEIÇÃO PARA O CONSU MEMBROS INTERNOS MANDATO 2015 O Presidente do Conselho Universitário (Consu), em cumprimento ao que estabelece o Regimento Interno desta Ifes, faz saber à comunidade universitária

Leia mais

AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS DOS ANOS DE 1960 E SUAS IMPLICAÇÕES NA UNIVERSIDADE RURAL DO BRASIL / UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO 1

AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS DOS ANOS DE 1960 E SUAS IMPLICAÇÕES NA UNIVERSIDADE RURAL DO BRASIL / UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO 1 AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS DOS ANOS DE 1960 E SUAS IMPLICAÇÕES NA UNIVERSIDADE RURAL DO BRASIL / UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO 1 Celia Regina Otranto 2 A pesquisa teve por objetivo investigar

Leia mais

I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo - Projeto Executivo -

I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo - Projeto Executivo - I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo - Projeto Executivo - Itabuna - julho de 2015. 1/3 I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo Objetivo Geral: Fortalecer

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGULAMENTO DO -CAEx CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art.1º O Conselho Acadêmico de Atividades de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, é um órgão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

PROPOSTA DE MINUTA DO PROCESSO ESTATUINTE NA UFRPE

PROPOSTA DE MINUTA DO PROCESSO ESTATUINTE NA UFRPE PROPOSTA DE MINUTA DO PROCESSO ESTATUINTE NA UFRPE 1. INTRODUÇÃO A COMISSÃO DA UFRPE nomeada pela Portaria nº 063/2014-GR, de 16 de janeiro de 2014, e, posteriormente alterada pela portaria nº 789/2014-GR,

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

OS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO: A BUSCA DE NOVOS CAMINHOS 1

OS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO: A BUSCA DE NOVOS CAMINHOS 1 OS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO: A BUSCA DE NOVOS CAMINHOS 1 Celia Regina Otranto 2 Toda vez que represento a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Sete Lagoas, 2010 2 REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960

LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade do Estado do Rio de Janeiro, e dá outras providências. O Presidente da República, Faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA FACIIP UNIDADE BAIANA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - UNIBAHIA PERÍODO 2015/2017. Lauro de Freitas - Bahia

FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA FACIIP UNIDADE BAIANA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - UNIBAHIA PERÍODO 2015/2017. Lauro de Freitas - Bahia FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA FACIIP UNIDADE BAIANA DE ENSINO PESQUISA E ETENSÃO - UNIBAHIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO 2015/2017 Lauro de Freitas

Leia mais

De escola a universidade: o desenvolvimento institucional da UFRPE e a legislação do ensino superior no Brasil.

De escola a universidade: o desenvolvimento institucional da UFRPE e a legislação do ensino superior no Brasil. De escola a universidade: o desenvolvimento institucional da UFRPE e a legislação do ensino superior no Brasil. DIEGO GOMES DOS SANTOS RICARDO DE AGUIAR PACHECO Acompanhando as mudanças da sociedade as

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.660, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DA FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS GOVERNADOR LAMENHA FILHO - UNCISAL, COMO UNI- VERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS

Leia mais

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional UESC Missão: Formar profissionais, construir conhecimento e criar cultura fomentadora da cidadania, do desenvolvimento humano, social, econômico, artístico

Leia mais

A Comissão Própria de Avaliação na Universidade Federal do Paraná.

A Comissão Própria de Avaliação na Universidade Federal do Paraná. A Comissão Própria de Avaliação na Universidade Federal do Paraná. Universidade Federal do Paraná (UFPR) Eixo I - Criação de estratégias e metodologias para o trabalho das CPA Robson Tadeu Bolzon (Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO. RESOLUÇÃO nº 02/2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO. RESOLUÇÃO nº 02/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO nº 02/2012 Aprova o Regimento Interno da Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia da UFBA. O Conselho Universitário

Leia mais

Levantamento de dados históricos sobre a Faculdade de Engenharia de Alimentos, a partir de documentos do Arquivo Central/SIARQ.

Levantamento de dados históricos sobre a Faculdade de Engenharia de Alimentos, a partir de documentos do Arquivo Central/SIARQ. Levantamento de dados históricos sobre a Faculdade de Engenharia de Alimentos, a partir de documentos do Arquivo Central/SIARQ. Atos de Criação, Instalação e Organização Contribuição para o estabelecimento

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005

DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005 DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005 Número total de Programas 1 e seus respectivos projetos vinculados, público atendido

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO

INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO Euro Oliveira de Araújo, graduado em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Bahia.

Leia mais

RESUMO HISTÓRICO DA UFV

RESUMO HISTÓRICO DA UFV INFORMAÇÕES GERAIS RESUMO HISTÓRICO DA UFV Com o incremento da produção agropecuária em Minas Gerais, o então presidente do Estado, Arthur da Silva Bernardes, tomou a iniciativa de criar uma escola que

Leia mais

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS PRÓ- DE EXTENSÃO INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS Olá! Você já deve ter feito uma dessas perguntas: O que são entidades estudantis? Para que servem? Qual a diferença entre um CA e um DA? Como criar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 04/99 Institui a Política de Apoio, Orientação e Assistência Estudantil para a UFBA. O DA, no uso de suas atribuições, RESOLVE: Art. 1º - Instituir a Política de Apoio,

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DISCENTE DO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CHAPA RDs 2014

REPRESENTAÇÃO DISCENTE DO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CHAPA RDs 2014 REPRESENTAÇÃO DISCENTE DO INSTITUTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CHAPA RDs 2014 Atualmente, o IRI é composto por conselhos e comissões. São eles: Congregação do Instituto; Comissão de Graduação, Cultura

Leia mais

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação 1. Apresentação Em novembro a comunidade do IFSC Câmpus Canoinhas elegerá seus novos dirigentes: Diretor Geral, Chefe de Departamento de Ensino, Pesquisa e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

MEC coloca Uenf entre as 12 melhores universidades do país

MEC coloca Uenf entre as 12 melhores universidades do país Campos dos Goytacazes (RJ) Terça-feira, 09 de setembro de 2008 MEC coloca Uenf entre as 12 melhores universidades do país A Uenf está entre as 12 melhores universidades brasileiras, segundo o mais novo

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO A Comissão Própria de Avaliação da FACISA CPA/FACISA, constituída pela Diretoria-Geral de acordo com o estabelecido pela Lei n 10.861 de 14

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA - UNIFOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA - UNIFOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA - UNIFOR REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor nº

Leia mais

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal de Uberlândia A discussão sobre a importância da participação

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Resumo O presente texto tem por objetivo refletir e discutir sobre a integração entre ensino,

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

A UNIVERSIDADE RURAL E A DISCUSSÃO SOBRE OS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO 1

A UNIVERSIDADE RURAL E A DISCUSSÃO SOBRE OS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO 1 A UNIVERSIDADE RURAL E A DISCUSSÃO SOBRE OS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO 1 Celia Regina Otranto 2 1- A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) 1.1. Histórico A UFRRJ tem suas origens

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 056/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA CENTRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA CENTRAL PROCEDIMENTO Nº 002/89-BC ASSUNTO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA CENTRAL Regimento interno do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Alagoas UNIDADE INTERESSADA:

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

- Cursos oferecidos: Agrárias: Agronomia Montes Claros Aquicultura Ciência de alimentos Medicina Veterinária Zootecnia Montes Claros

- Cursos oferecidos: Agrárias: Agronomia Montes Claros Aquicultura Ciência de alimentos Medicina Veterinária Zootecnia Montes Claros -Conceito no MEC: Pelo terceiro ano consecutivo, a UFMG obteve conceito máximo (5) no Índice Geral de Cursos da Instituição (IGC), que mede a qualidade das universidades brasileiras, considerando os cursos

Leia mais

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL VETERINÁRIO [adaptação à Resolução 11/98 do Conselho Universitário, de 3 de dezembro de 1998] (Aprovado em reunião da Congregação em 15-04-99 e reformulado em 27-10-2000 atendendo

Leia mais

Prof. Adilson Beatriz. Plano de Trabalho - Direção do Instituto de Química - UFMS. Gestão 2013-2017

Prof. Adilson Beatriz. Plano de Trabalho - Direção do Instituto de Química - UFMS. Gestão 2013-2017 Prof. Adilson Beatriz Plano de Trabalho - Direção do Instituto de Química - UFMS Gestão 2013-2017 Campo Grande, junho de 2013 1 Resumo da trajetória acadêmico-profissional - Prof. Adilson Beatriz Candidato

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO COM AÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DIREÇÃO GERAL DO IF BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA NO QUADRIÊNIO 2014 2018

PLANO DE TRABALHO COM AÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DIREÇÃO GERAL DO IF BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA NO QUADRIÊNIO 2014 2018 ~ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA PLANO DE TRABALHO COM AÇÕES ESTRATÉGICAS PARA

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE - SEE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL CONSELHO SUPERIOR - CONSU

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE - SEE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL CONSELHO SUPERIOR - CONSU RELATÓRIO DAS DELIBERAÇÕES ACERCA DO III FORUNIVER DECISÕES DO CONSELHO SUPERIOR ACERCA DAS PROPOSTAS ORIUNDAS DO III FÓRUM UNIVERSITÁRIO, REALIZADO ENTRE 13 E 15 DE SETEMBRO DE 2011. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM Programa de Educação Tutorial PET 2006 MEC/SESu/DEPEM ANEXO I Proposta

Leia mais

Resolução Normativa PUC n o 015/10 ASSUNTO: COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA - REGULAMENTAÇÃO

Resolução Normativa PUC n o 015/10 ASSUNTO: COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA - REGULAMENTAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Resolução Normativa PUC n o 015/10 Campinas (SP), 07/5/10 DESTINATÁRIO: TODAS AS UNIDADES DA PUC-CAMPINAS ASSUNTO: COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA - REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

PROCESSO Nº: 23078.019009/12-30 ASSUNTO: Proposta de regulamentação da Representação Discente da UFRGS COMISSÃO: LEGISLAÇÃO E REGIMENTOS

PROCESSO Nº: 23078.019009/12-30 ASSUNTO: Proposta de regulamentação da Representação Discente da UFRGS COMISSÃO: LEGISLAÇÃO E REGIMENTOS CONSUN Conselho Universitário PROCESSO Nº: 23078.019009/12-30 Relato Sr. Presidente, Sras. e Srs. Conselheiros: PARECER Nº 404/2012 Trata o expediente de solicitação de alteração da Decisão nº 172/2003

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art.

Leia mais

A experiência da USP e o repositório do CRUESP

A experiência da USP e o repositório do CRUESP A experiência da USP e o repositório do CRUESP Profa. Dra. Sueli Mara S. P. Ferreira Seminário VIABILIZANDO O ACESSO ABERTO AO CONHECIMENTO NA FIOCRUZ Rio de Janeiro - 30 de maio de 2014 Estrutura - Composição

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS. Art. 2º - São objetivos específicos da ESTATUINTE: a) definir os princípios e finalidades da UFRB.

METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS. Art. 2º - São objetivos específicos da ESTATUINTE: a) definir os princípios e finalidades da UFRB. METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS Art. 1º - A ESTATUINTE consiste em processo consultivo e deliberativo que tem por objetivo geral elaborar o Estatuto da UFRB. Art. 2º - São objetivos específicos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA UFGD

PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA UFGD MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS GRUPO DE TRABALHO DE IMPLANTAÇÃO PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA UFGD AÇÕES EXECUTORES PERÍODO ESTRATÉGIA Resultados/Observações 1. Elaboração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROPOSTA DE TRABALHO PARA FINS DE INSCRIÇÃO NO PROCESSO DE CONSULTA PRÉVIA PARA DIRETOR E VICE-DIRETOR DA FACULDADE

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES Art. 1º. - A Faculdade de Enfermagem (FAEN), com sede no campus da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA PERÍODO DE REFERÊNCIA: 2011 SANTA RITA DO SAPUCAÍ

Leia mais

Histórico. Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil

Histórico. Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil Histórico 40 ANOS DE Pós-graduação NO IME Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil Wilma de Araújo Gonzalez a, Itamar Borges Júnior a,b, José Luiz Lima Vaz

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVO DE GESTÃO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVO DE GESTÃO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVO DE GESTÃO INOVA, UERGS! Por uma Universidade Estadual pública, de excelência e comprometida com o desenvolvimento regional. Reitor: Prof. Dr. Fernando Guaragna

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS IFPE/IFS RECONHECIMENTO DE SABERES E COMPETÊNCIAS - (R.S.C.) UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA! Caro servidor: Como é do conhecimento de todos, o seguimento docente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 033 DE 10 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 033 DE 10 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 033 DE 10 DE MARÇO DE 2015. O CONSELHO DE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais, e considerando o Parecer nº. 01/2015 da Comissão Permanente

Leia mais

Art. 1º Criar a Editora da Universidade Federal de São João del-rei EdUFSJ e aprovar o seu Regimento Interno, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Criar a Editora da Universidade Federal de São João del-rei EdUFSJ e aprovar o seu Regimento Interno, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 026, de 5 de outubro de 2015. Cria a Editora da UFSJ e aprova o seu Regimento Interno. A PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de suas

Leia mais

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso 9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso Mesa de debate: O papel das instituições de ensino superior do ABC no desenvolvimento regional. Centro Universitário Fundação Santo André

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 683, publicada no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB INTRODUÇÃO A atividade de pesquisa científica é parte da tríade das funções das Instituições

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 08, de 25/03/2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 08, de 25/03/2014. Consulta para Identificação das Preferências da Comunidade Universitária para a escolha de Reitor e Vice-Reitor da UFF Quadriênio 204/208 INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 08, de 25/03/204. A Comissão Especial instituída

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE Regulamenta o regime de trabalho de Tempo Integral, em Dedicação Exclusiva

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA - CCS. Critérios para a Avaliação Docente referente à Progressão para a Categoria de PROFESSOR ASSOCIADO

FACULDADE DE MEDICINA - CCS. Critérios para a Avaliação Docente referente à Progressão para a Categoria de PROFESSOR ASSOCIADO FACULDADE DE MEDICINA - CCS Critérios para a Avaliação Docente referente à Progressão para a Categoria de PROFESSOR ASSOCIADO PROF. Grupo I - Ensino de Graduação e Pós-Graduação (Até 50 pontos) Mínimo

Leia mais

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil!

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Fora PM da USP! O estado de sítio na USP, com a instalação de bases da Polícia Militar

Leia mais

E o Centro de Educação, de onde se origina?

E o Centro de Educação, de onde se origina? DISCURSO DO DIRETOR DO CENTRO DE EDUCAÇÃO, PROFESSOR JOSÉ BATISTA NETO, PROFERIDO POR OCASIÃO DA SESSÃO SOLENE EM HOMENAGEM AOS 60 ANOS DO CENTRO DE EDUCAÇÃO, PROMOVIDA PELA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DE PERNAMBUCO,

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Universidade Federal Rural de Pernambuco UF: PE ASSUNTO: Recredenciamento da Universidade Federal Rural de Pernambuco,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC,

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC, REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE VOLUNTARIADO SOCIAL DO IPC E DA COMISSÃO EXECUTIVA Artigo 1º (Âmbito) De acordo com o estabelecido no ponto 5 do Artigo 4º do Regulamento de Enquadramento da Rede do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU

RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU Estabelece objetivos e dimensões da avaliação institucional, cria a Comissão Central Permanente de Avaliação Institucional da Unioeste e as Comissões Setoriais de Avaliação nos

Leia mais

Resolução 001/2011 - Conselho Superior/02/05/2011. Órgão Emissor: Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense

Resolução 001/2011 - Conselho Superior/02/05/2011. Órgão Emissor: Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Resolução 001/2011 - Conselho Superior/02/05/2011. Órgão Emissor: Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais