PLANO AQUARELA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO AQUARELA"

Transcrição

1 PLANO AQUARELA

2 Evolução do Turismo no Mundo TABELA 1 TENDÊNCIAS DO TURISMO MUNDIAL - ENTRADA DE TURISTAS (MILHÕES) Previsão 2010 Previsão 2020 MUNDO 694,0 764,0 806,0 842, , ,0 AMÉRICAS 112,4 125,7 133,5 136,2 190,0 282,0 AMÉRICA DO SUL 9,3 16,2 18,2 19,5 26,9 42,8 Fontes: Turismo: Panorama Previsiones mundiales y perfiles de los segmentos de mercado. OMT, & Barômetro OMT del Turismo Mundial, Vol. 4. Outubro de 2006 & Barômetro OMT del Turismo Mundial. Janeiro de 2007.

3 CRESCIMENTO DO TURISMO MUNDIAL POR REGIÃO TURISMO NO MUNDO % % 4% 16% 4% 4% 5% 5% 16% 16,5% ,5% 5% 17% 59% 17% 20% 59% 54% 19% 55% Europa Ásia e Pacífico Américas África Oriente Médio Fonte: Barômetro OMT del Turismo Mundial. Outubro de & Barômetro OMT del Turismo Mundial. Janeiro 2007.

4 CRESCIMENTO DO TURISMO NAS AMÉRICAS CHEGADAS DE TURISTAS INTERNACIONAIS NAS AMÉRICAS EM MILHÕES MÉDIA DE CRESCIMENTO 2003/ MÉDIA DE CRESCIMENTO 2004/ MÉDIA DE CRESCIMENTO 2005/2006 América do Norte 76,1 85,7 11,1% 89,9 6,2% 90,3 0,5% Caribe 17,3 18,1 10,9% 18,9 4,9% 19,5 3,2% América Central 4,9 5,7 5,9% 6,5 4,3% 6,9 6,1% América do Sul 14,2 16,2 15,6% 18,2 15,7% 19,5 7,2% TOTAL 112,4 125,7 17,2% 133,5 12,2% 136,2 2,1% Fontes: Tendências dos mercados turísticos: as Américas OMT Barômetro OMT del Turismo Mundial. Volume 4, outubro de OMT Barômetro OMT del Turismo Mundial.Janeiro de OMT

5 2005 O VOLUME TURÍSTICO NAS SUB-REGIÕES DAS AMÉRICAS 4,9% 13,6% ,4% 12,6% 15,4% 67,7% 14,2% ,5% 12,9% 14,4% 68,2% ,9% 13,6% 14,2% 67,3% 67,3% 14,3% 14,3% 5,1% 66,3% AMÉRICA DO NORTE CARIBE AMÉRICA DO SUL AMÉRICA CENTRAL Fonte: Barômetro OMT del Turismo Mundial & Janeiro 2007.

6 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TURISMO RECURSOS PRODUTOS OFERTAS MERCADO DESENVOLVIMENTO ATRATIVOS NATURAIS E CULTURAIS (patrimônio, artesanato, gastronomia, intangives) MARKETING MERCADOS NACIONAL INTERNACIONAL ATUAÇÕES TRADE CONSUMIDOR INFRA-ESTRUTURAS E SERVIÇOS GERAIS E DO SETOR TURÍSTICO PESSOAS PRODUTOS GERAIS ESPECIALIZADOS POSICIONAMENTO + TURISTAS + RECEITAS EMPREGOS ORGANIZAÇÃO PLANEJAMENTO E LEGISLAÇÃO MAIOR BEM ESTAR

7 PLANO AQUARELA- UMA ESTRATÉGIA DE PAÍS Implantação de um novo modelo de qualidade da promoção internacional; A criação e colocação no mercado turístico mundial da primeira marca turística do Brasil; Estabelecimento de uma imagem global do turismo do Brasil no mundo; Estabelecimento de posicionamento frente aos principais destinos líderes do turismo mundial; Orientações e diretrizes claras para as ações promocionais do Brasil no exterior; Compartilhamento das estratégias com o setor público dos Estados; Informações estratégicas sobre mercados, oferta e demanda; Criação e operação profissional dos escritórios brasileiros no exterior.

8 PARA ISSO... DEFINICAO DAS ESTRATEGIAS DE MARKETING DEFINICAO DO PLANO OPERACIONAL DE PROMOCAO E DAS ACOES NOS MERCADOS PRIORITARIOS

9 A VISÃO 2010 O POSICIONAMENTO DESEJADO OBJETIVOS 2010 METAS 2010 MERCADOS E SEGMENTOS SELEÇÃO DE PRODUTOS PORTFÓLIO PRODUTOS / MERCADOS ORÇAMENTO DE PROMOÇÃO

10 VISÃO 2010 O BRASIL É O DESTINO LÍDER DA AMÉRICA DO SUL E UM DOS PAÍSES LÍDERES NO TURISMO MUNDIAL

11 VISÃO 2010 DECÁLOGO MENSAGEM PERMANENTE MARCA

12 O DECÁLOGO DO BRASIL PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE PRAIAS (LITORAL) NATUREZA CULTURA VIVA POVO CLIMA CENÁRIO FLORESTA ÍCONES BIODIVERSIDADE FESTA E MÚSICA PATRIMÔNIO HISTÓRICO ARTE POPULAR ALEGRIA SOL O ANO INTEIRO ÁGUA FAUNA FLORA PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE + MODERNIDADE

13 OS CONCEITOS SUPERAR OS ESTEREÓTIPOS CONSTRUIR A MARCA NO LONGO PRAZO A MARCA EXPRESSA O PLANO AQUARELA O DESAFIO É CONSTRUIR UMA MARCA QUE SEJA ASSUMIDA POR TODO O PAÍS, NÃO APENAS PELO GOVERNO FEDERAL A MARCA DEVE OBEDECER AO POSICIONAMENTO DESEJADO: O BRASIL É NATUREZA E ESTILO DE VIDA A MARCA DEVE CARREGAR OS CONCEITOS DE BRASILIDADE AGREGANDO UM VALOR CENTRAL: MODERNIDADE

14 EXOTISMO PATRIMÔNIO NATURAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO BRASIL ESTILO DE VIDA

15

16

17 PLANO OPERACIONAL ATUAÇÃO NOS MERCADOS FERRAMENTAS DE PROMOÇÃO IMPRENSA TRADE CONSUMIDOR BANCO DE IMAGENS BRASILNETWORK BRAZILTOUR CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS CAPTAÇÃO E PROMOÇÃO DE EVENTOS CARAVANAS EBTs E COMITÊS DESCUBRA BRASIL EVENTOS E AÇÕES PROMOCIONAIS PARA O PÚBLICO FINAL EVENTOS PROMOCIONAIS FEIRAS INTERNACIONAIS DE NEGÓCIOS FEIRAS INTERNACIONAIS DE TURISMO MATERIAL PROMOCIONAL MONITOR BRASIL PRESS TRIPS PROJETOS ESPECIAIS RELAÇÕES PÚBLICAS SEMINÁRIOS DE VENDA TREINAMENTO À DISTÂNCIA PARA AGENTES DE VIAGEM

18 PARTE I O PLANO AQUARELA

19 Crescimento do turismo no Brasil

20 CRESCIMENTO DO TURISMO NO BRASIL NÚMERO DE TURISTAS ,4 % - CRESCIMENTO DE TURISTAS FONTE: DPF/ EMBRATUR

21 PERFIL DO TURISTA ESTRANGEIRO 11,78% É O AUMENTO DA ENTRADA DE DIVISAS COM TURISTAS ESTRANGEIROS ENTRE 2005 E ,2% VIERAM A NEGÓCIOS (29,1% EM 2005) 23,6% VISITARAM PARENTES E AMIGOS (22,6% EM 2005) 32,2% DOS TURISTAS DE LAZER CONHECERAM O NORTE E O NORDESTE Fonte: FIPE-2006

22 PERFIL DO TURISTA ESTRANGEIRO O TURISTA ESTRANGEIRO ESTÁ MAIS SATISFEITO E GASTA MAIS US$ 66,7 GASTO DIÁRIO DOS QUE VIERAM A LAZER EM ,2% DOS QUE VIERAM A NEGÓCIO PRETENDEM VOLTAR EXPECTATIVA DOS QUE VIERAM A LAZER 14,6% ATENDEU EM PARTE OU DECEPCIONOU 85,4% SUPEROU OU ATENDEU PLENAMENTE Fonte: FIPE-2006

23 OPINIÃO DO TURISTA ESTRANGEIRO NO BRASIL O BRASIL FIDELIZA O TURISTA ESTRANGEIRO 86% PRETENDE VOLTAR AO BRASIL 51% CONHECER NOVOS LUGARES EM OUTRAS REGIÕES DO PAÍS 28% PELA CULTURA VIVA E PELO POVO 57% 68% 94% 32% CONSIDERAM O PRODUTO DE BOA QUALIDADE CONSIDERAM O PREÇO DO PRODUTO DE MÉDIO A BAIXO RECOMENDARIAM O BRASIL A AMIGOS E FAMILIARES VIERAM POR RECOMENDAÇÃO DE AMIGOS E FAMILIARES Fonte: VOX POPULI -2006

24 PARTE II O PLANO AQUARELA

25 PARA MANUTENÇÃO DA LINHA ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO (Visão, Decálogo, Marca, Mensagem Global) ATUALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS E DAS PRIORIDADES DE MERCADO A PARTIR DAS MUDANÇAS E TENDÊNCIAS DO CENÁRIO MUNDIAL E DA EXPERIÊNCIA ADQUIRIDA ATUALIZAÇÃO DAS METAS 2010 DEFINIÇÃO DO PLANO DE AÇÕES POR MERCADO

26 OBJETIVOS GERAIS CRESCIMENTO DA ENTRADA DE TURISTAS ACIMA DA MÉDIA DA AMÉRICA DO SUL CRESCIMENTO DA ENTRADA DE DIVISAS CRESCIMENTO DO GASTO MÉDIO DO TURISTA AUMENTO DA PERMANÊNCIA MÉDIA ATUAL

27 PLANOS POR PAÍSES 1. ESTRATÉGIA EVOLUÇÃO DA ENTRADA DE TURISTAS METAS DA ENTRADA DE TURISTAS GASTO MÉDIO PERMANÊNCIA MÉDIA DESTINO COMPETIDORES SITUAÇÃO DA ACESSIBILIDADE AÉREA METAS DA ACESSIBILIDADE AÉREA RECOMENDAÇÕES PROMOCIONAIS CONTEÚDO DOS PRODUTOS MENSAGEM ESPECÍFICA PARA O MERCADO DISTRIBUIÇÃO DE ORÇAMENTO POR PÚBLICO ALVO

28 MERCADOS PRIORITARIOS Alemanha Holanda Paraguai Argentina Bélgica Peru Estados Unidos Itália Suécia Inglaterra Portugal Noruega Canadá Uruguai Dinamarca Chile Colômbia Finlândia Espanha Japão Suíça Franca México China

29 CRITÉRIOS PARA PRIORIDADES POR PAÍSES 1. ATRATIVIDADE DO MERCADO MAIOR NÚMERO DE TURISTAS ATUAIS. MAIOR GASTO DIÁRIO MAIOR PERMANÊNCIA MÉDIA RITMO DE CRESCIMENTO POTENCIAL DE CRESCIMENTO DO MERCADO GRAU DE INTERESSE DO TURISTA POTENCIAL 2. POSIÇÃO COMPETITIVA ACESSIBILIDADE AÉREA QUOTA COMPETITIVA INVESTIMENTO DE MARKETING ACUMULADO PRESENÇA ATUAL DO BRASIL NO TRADE

30 OBJETIVOS POR PAÍSES GRUPOS DE PAÍSES PRIORITÁRIOS: AZUIS ALTÍSSIMA PRIORIDADE VERDES ALTA PRIORIDADE O CONJUNTO DESTES DOIS GRUPOS CONFIGURA O SUBTOTAL ALTA PRIORIDADE. AMARELOS ALTO INTERESSE PELO BRASIL E PELA GRANDE ACESSIBILIDADE BRANCOS EMERGENTES E OPORTUNIDADES

31 PLANOS POR PAÍSES 2. PLANO OPERACIONAL AÇÕES GERAIS AÇÕES POR PÚBLICO ALVO IMPRENSA TRADE CONSUMIDOR CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO SETOR RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DA AÇÃO PARCEIROS PÚBLICOS E PRIVADOS

32 CONCLUSÕES ASPECTOS GERAIS DO CENÁRIO MUNDIAL DO TURISMO: GRANDE VULNERABILIDADE A FATORES EXTERNOS (CRISES POLÍTICAS E ECONÔMICAS, MODISMOS E TENDÊNCIAS DE CONSUMO, VARIAÇÕES CAMBIAIS, CRISES AÉREAS, ETC) CRESCENTE IMPORTÂNCIA PARA AS ECONOMIAS MUNDIAIS, NACIONAIS E LOCAIS MAIOR PROFISSIONALISMO O CENÁRIO SE TORNA MAIS COMPETITIVO NECESSIDADE DE PLANEJAMENTO DE MARKETING (INSERÇÃO COMPETITIVA DOS DESTINOS)

33 CONCLUSÕES BRASIL NO CENÁRIO MUNDIAL DO TURISMO: PLANO AQUARELA IMPORTANTE SALTO PARA O DESENVOLVMENTO DO TURISMO BRASILEIRO A NÍVEL INTERNACIONAL ATUAÇÃO MAIS FOCADA ATRAVÉS DO PLANEJAMENTO MAXIMIZAÇÃO DOS RESULTADOS

34 CONCLUSÕES BRASIL E PAÍSES DE FRONTEIRA: IMPORTANTES MERCADOS EMISSORES PARA O BRASIL (30% do volume total de chegadas em 2006) O POTENCIAL DE CRESCIMENTO E RELATIVAMENTE LIMITADO EM RELAÇÃO AO VOLUME DE TURISTAS DESAFIOS PARA O BRASIL: MANTER A POSIÇÃO COMPETITIVA E CONSOLIDAR UM CRESCIMENTO GRADUAL (Argentina) AUMENTAR O GASTO MEDIO E A PERMANÊNCIA (excursionista X turista) ATUAÇÃO DO EBT AMERICA DO SUL E DOS COMITES DESCUBRA O BRASIL

35 CONCLUSÕES RELAÇÃO BRASIL E PAÍSES DE FRONTEIRA: OPORTUNIDADE PARA ATUAÇÃO CONJUNTA EM PAÍSES MAIS DISTANTES (Japão, China, etc.) ESTABELECIMENTO DE PARCERIAS E ACORDOS DE COOPERAÇÃO PARA PROMOÇÃO DESAFIO: CONSOLIDAR OS PRODUTOS INTEGRADOS E ALINHAR ESTRATÉGIAS PARA PROMOÇÃO CONJUNTA ATUACAO DO ESCRITORIO DE TURISMO DO MERCOSUL NO JAPAO

Promoção Turística Internacional Copa do Mundo 2014 EMBRATUR. Brasília, 25 de agosto de 2011

Promoção Turística Internacional Copa do Mundo 2014 EMBRATUR. Brasília, 25 de agosto de 2011 Promoção Turística Internacional Copa do Mundo 2014 EMBRATUR Brasília, 25 de agosto de 2011 Plano Aquarela Marketing Turístico Internacional do Brasil Desde 2005 é a base metodológica de todo o trabalho

Leia mais

III SEMINÁRIO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA América do Sul

III SEMINÁRIO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA América do Sul SETEMBRO 2016 III SEMINÁRIO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA América do Sul Diretoria de Inteligência Competitiva e Promoção Turística ELIANA CAVALCANTI EBT Amesul I Balanço Os argentinos realizaram 8,2 milhões

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007.

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007. Brasil Brasília, novembro de 2007. Índice Páginas I Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas no Mundo por Regiões e Sub-regiões - 2002/2006 03 1.2 - Chegada de turistas:

Leia mais

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010 Regionalização e Segmentação do Turismo Natal, 23 de março de 2010 Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho

Leia mais

Ações de Promoção Internacional da Cidade de Brasília. Brasília - DF, 12 de setembro de 2014

Ações de Promoção Internacional da Cidade de Brasília. Brasília - DF, 12 de setembro de 2014 Ações de Promoção Internacional da Cidade de Brasília Brasília - DF, 12 de setembro de 2014 Comunicação Digital Portal Visit Brasil Baseado nas experiências possíveis de serem vividas no Brasil; Forte

Leia mais

A Promoção do Brasil como destino de Turismo Cultural no Mercado Internacional

A Promoção do Brasil como destino de Turismo Cultural no Mercado Internacional A Promoção do Brasil como destino de Turismo Cultural no Mercado Internacional 2º Encontro Brasileiro das Cidades Históricas Turísticas e Patrimônio Mundial São Luís, 24 a 27/02/2016 A EMBRATUR Missão

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

Plano Aquarela 2020. Promoção Internacional do Turismo do Brasil Estratégia e Plano de Ação 2012. Porto Alegre, 28 de maio de 2012

Plano Aquarela 2020. Promoção Internacional do Turismo do Brasil Estratégia e Plano de Ação 2012. Porto Alegre, 28 de maio de 2012 Plano Aquarela 2020 Promoção Internacional do Turismo do Brasil Estratégia e Plano de Ação 2012 Porto Alegre, 28 de maio de 2012 EMBRATUR - Estrutura Organizacional Presidência Diretoria de Mercados Internacionais

Leia mais

Como a Copa do Mundo vai movimentar o turismo brasileiro

Como a Copa do Mundo vai movimentar o turismo brasileiro Como a Copa do Mundo vai movimentar o turismo brasileiro Análise realizada até o dia 01 de julho de 2014: doze dias antes do fim do Mundial O estudo Principais mercados emissores Chegadas internacionais

Leia mais

PESQUISA COM IMPRENSA INTERNACIONAL

PESQUISA COM IMPRENSA INTERNACIONAL PESQUISA COM IMPRENSA INTERNACIONAL DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014 Resultados Finais São Paulo, Julho de 2014 METODOLOGIA Objetivos: Investigar a imagem do Brasil junto aos profissionais de imprensa durante

Leia mais

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências Mercado Brasileiro de Software e Serviços - 2013 Jorge Sukarie Neto jorge.sukarie@abes.org.br Panorama e Tendências A ABES PERFIL DAS EMPRESAS ASSOCIADAS - 1.478 Associados (*) - US$ 19,8 bilhões de dólares

Leia mais

O Turismo e a Hotelaria como Geradores de. Empresas, Emprego e Renda para a Região. Prof. Virgilio N. S. Carvalho. GPjr Belo Horizonte

O Turismo e a Hotelaria como Geradores de. Empresas, Emprego e Renda para a Região. Prof. Virgilio N. S. Carvalho. GPjr Belo Horizonte O Turismo e a Hotelaria como Geradores de Empresas, Emprego e Renda para a Região GPjr Belo Horizonte - 2016 Itajubá 26/08/2016 Prof. Virgilio N. S. Carvalho Turismo ainda pouco desenvolvido 52 Setores

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE?

POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE? POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE? Ligia Amorim Diretora geral da NürnbergMesse Brasil 1ª vice-presidente do capítulo América Latina da UFIthe Global Association of the Exhibition Industry. Vice-presidente

Leia mais

Copa das Confederações FIFA Brasil Características do público Geral e da demanda turística internacional

Copa das Confederações FIFA Brasil Características do público Geral e da demanda turística internacional Copa das Confederações FIFA Brasil 213 Características do público Geral e da demanda turística internacional AMOSTRA Pesquisa realizada nas seis cidades sedes da Copa das Confederações Público geral (estádios):

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO Josep-Francesc Valls Coordenador do Centro de Formação e Investigação em Turismo da UMa Professor Esade Business & Law School RESUMO 1. Posição de Portugal

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES BOLSA NACIONAL DE FRETE Sede: Palácio de Vidro, 5º andar; CX Postal 2223; Telefone +(244) 222-311339/40/41; Fax 222-310555- Luanda, Angola. TABELA DE FRETES

Leia mais

PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos

PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos Boletim PANORAMA DOS MERCADOS Sul-Americanos Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama

Leia mais

C. PLANO DE AÇÃO PARA O REFORÇO DAS ESTATÍSTICAS VITAIS E DE SAÚDE

C. PLANO DE AÇÃO PARA O REFORÇO DAS ESTATÍSTICAS VITAIS E DE SAÚDE - 13 - Anexo C C. PLANO DE AÇÃO PARA O REFORÇO DAS ESTATÍSTICAS VITAIS E DE SAÚDE Introdução 39. A finalidade deste documento é informar aos Órgãos Diretivos da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS)

Leia mais

COMUNICAÇÃO DIGITAL EMBRATUR

COMUNICAÇÃO DIGITAL EMBRATUR COMUNICAÇÃO DIGITAL EMBRATUR Nova forma de se COMUNICAR INTERAÇÃO E EXPERIÊNCIA Estratégia Macro de Mídia Apoio à operação com aumento dos esforços em web e trade Mídia de bordo em cias aéreas Publicações

Leia mais

PLANO AQUARELA MARKETING TURÍSTICO INTERNACIONAL DO BRASIL

PLANO AQUARELA MARKETING TURÍSTICO INTERNACIONAL DO BRASIL PLANO AQUARELA MARKETING TURÍSTICO INTERNACIONAL DO BRASIL 2007-2010 ANTECEDENTES Em 2004 foi iniciada a elaboração do Plano Aquarela - Marketing Turístico Internacional do Brasil, cujos objetivos foram

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Aula 05 Marketing Internacional e Global objetivos, funções, gráficos. E-mail: frentzen@labmundo.org MARKETING INTERNACIONAL Processo que visa otimizar os recursos e focar os objetivos

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio Camila Sande Especialista em Negociações CNA 16 de junho de 2016 Agronegócio consumo doméstico e exportação Exportação Consumo Doméstico

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA O investimento direto estrangeiro e o Brasil Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA 1. O que é o IDE? Investimento de Portfólio X Investimento Direto Investimento de Portfólio: É baseado na percepção do ganho financeiro

Leia mais

Risco não é Rabisco: Padrão de Plugues e Tomadas

Risco não é Rabisco: Padrão de Plugues e Tomadas Com a criação do Padrão Brasileiro de Plugues e Tomadas, o nosso mercado passa a comercializar apenas dois modelos de plugues e tomadas. Nele, os plugues possuem dois ou três pinos redondos e as tomadas

Leia mais

Santander Asset Management

Santander Asset Management Santander Asset Management Fundos São Paulo, 08 de novembro de 2006 2 1 2 3 A internacionalização das empresas brasileiras Fundos de Investimento Fundos Multimercados 3 1 2 3 A internacionalização das

Leia mais

A pesquisa foi realizada em 65 países. Foram entrevistas, representando mais de 75% da população adulta global.

A pesquisa foi realizada em 65 países. Foram entrevistas, representando mais de 75% da população adulta global. A WIN é uma associação que reúne as maiores empresas independentes de Pesquisa de Mercado do mundo. É uma plataforma global para intercâmbio de negócios internacionais entre mais de 70 países, presentes

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

SALÃO DO TURISMO - ROTEIROS DO BRASIL

SALÃO DO TURISMO - ROTEIROS DO BRASIL SALÃO DO TURISMO - ROTEIROS DO BRASIL Estratégia de mobilização, promoção e comercialização dos roteiros turísticos desenvolvidos segundo as diretrizes e os princípios do Programa de Regionalização do

Leia mais

MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL

MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA DE COMBATE AO CRIME ORGANIZADO DCOR/DPF Tema: Enfrentamento ao tráfico de drogas pela Polícia Federal. Brasília abril de 2011 OBJETIVOS : Apresentar as estratégias de enfrentamento ao tráfico

Leia mais

TURISMO NA REGIÃO NORDESTE

TURISMO NA REGIÃO NORDESTE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE 2012 Banco do Nordeste do Brasil S/A Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Central de Informações Econômicas, Sociais e Tecnológicas - CIEST Presidente:

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Evolução Recente da Economia Brasileira

Evolução Recente da Economia Brasileira Evolução Recente da Economia Brasileira Henrique de Campos Meirelles Novembro de 2008 1 Panorama Internacional 2 US$ bilhões EUA: Emissão de Commercial Papers (CP) por Empresas Não-Financeiras 2.400 subprime

Leia mais

6ª Oficina de Trabalho

6ª Oficina de Trabalho 6ª Oficina de Trabalho RENAI Rede Nacional de Informações sobre o Investimento Brasília, 18 de setembro de 2007 Definição Sistema de informações sobre a atividade de investimento produtivo no País, mantido

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

América Central e do Sul

América Central e do Sul América Central e do Sul Insular Ístmica Coralígeo Vulcanismo Tropical Equatorial Tectonismo Cuba Anos 60 e 70: Investimentos soviéticos Melhora no padrão de vida Economia: agricultura Cana Dependência

Leia mais

200 4 Anuário Estatístico

200 4 Anuário Estatístico 2004 Anuário Estatístico REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Presidente MINISTÉRIO DO TURISMO WALFRIDO SILVINO DOS MARES GUIA Ministro INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO EMBRATUR EDUARDO

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo DESDE 1990 O ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo é um estabelecimento de ensino superior politécnico, criado em 25 de

Leia mais

10 de agosto de 2009

10 de agosto de 2009 10 de agosto de 2009 1 A Missão Empresarial Brasileira à China 2009 faz parte do Programa de Ações Integradas de Promoção Comercial, desenvolvido pela Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios

Leia mais

Turismo Ornitológico em Portugal: potencialidades e panorama actual

Turismo Ornitológico em Portugal: potencialidades e panorama actual Turismo Ornitológico em Portugal: potencialidades e panorama actual Alexandra Lopes, Bragança, 7 Junho 2011 1. Observação de Aves 2. Turismo Ornitológico no Mundo 3. Perfil do Turista Ornitológico 4. Potencialidade

Leia mais

Base: INE (2008) Peso das Exportações do Vinho no total das Exportações da Economia Portuguesa (em Valor)

Base: INE (2008) Peso das Exportações do Vinho no total das Exportações da Economia Portuguesa (em Valor) OBSERVATÓRIO DO VINHO Análise de Mercados de Exportação EUA Canadá Brasil - Angola Mercados Internacionais de Vinho 1. Balança do Vinho Português 2. Exportações Terceiros de Vinho Português para Países

Leia mais

Panorama do Setor de HPPC 2016

Panorama do Setor de HPPC 2016 Evolução A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto próximo a 11,4% aa nos últimos 20 anos, tendo passado de um faturamento

Leia mais

Ferramentas de Marketing

Ferramentas de Marketing Pesquisa de Mercado, Treinamento de Vendas, Consultoria em Marketing SMGShare Marketing Group Ferramentas de Marketing O SMG presta consultoria para a adoção de Ferramentas de Marketing, auxiliando na

Leia mais

FLUXO TURÍSTICO INTERNACIONAL PARA O RS: A EVOLUÇÃO NA ÚLTIMA DÉCADA

FLUXO TURÍSTICO INTERNACIONAL PARA O RS: A EVOLUÇÃO NA ÚLTIMA DÉCADA FLUXO TURÍSTICO INTERNACIONAL PARA O RS: A EVOLUÇÃO NA ÚLTIMA DÉCADA RESUMO Leandro Carvalho 1 Maximilianus Andrey Pontes Pinent 2 Marcia Colao Merllo 3 Este artigo tem o objetivo de analisar a evolução

Leia mais

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul XI Congresso Acadêmico sobre Defesa Nacional AMAN, 12 de agosto de 2014 Antonio

Leia mais

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 Tabela 3.26 - ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 ALUNOS REGULARES / UNIDADE ALEMANHA - - - - - 1 - - - - 1 - - - - - - - - - 2 ANGOLA - - - - - - - 1-1 -

Leia mais

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO Marc Saluzzi AGENDA Alocação de ativos de fundos de pensão Os investimentos estrangeiros e sua lógica Como investir no exterior A ALOCAÇÃO DE ATIVOS DE FUNDOS DE

Leia mais

Comunicação Integrada. Principais ferramentes de comunicação

Comunicação Integrada. Principais ferramentes de comunicação Comunicação Integrada Principais ferramentes de comunicação Marca (qualidade) $ Posicionamento Embalagem Vendedor Promoção de Vendas (P.D.V) Posição( Visibilidade) Nomes usados no mercado Branding MKT

Leia mais

CONSULTORIA INBOUND MARKETING Conexão Agência Digital TDA Corretora de Seguros

CONSULTORIA INBOUND MARKETING Conexão Agência Digital TDA Corretora de Seguros CONSULTORIA INBOUND MARKETING Conexão Agência Digital TDA Corretora de Seguros CONEXÃO AGÊNCIA DIGITAL olá! A Conexão Agência Digital é uma empresa especializada em Construção de Estratégias de Marketing

Leia mais

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente:

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente: Resumo Com a criação do Ministério do Turismo em 2003, o Brasil passa a ter, pela primeira vez em sua história, um ministério voltado exclusivamente para a atividade turística. A partir de então a Embratur

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

19/10/2016. Liderança em custo. Processo de administração estratégica. Estratégias corporativas. Duas estratégias corporativas genéricas

19/10/2016. Liderança em custo. Processo de administração estratégica. Estratégias corporativas. Duas estratégias corporativas genéricas Liderança em custo Prof. Francisco César Vendrame Processo de administração estratégica Análise externa Missão Objetivos Escolha da estratégia Implementação da estratégia Vantagem competitiva Análise interna

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

ABEMEL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS EXPORTADORES DE MEL

ABEMEL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS EXPORTADORES DE MEL ABEMEL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS EXPORTADORES DE MEL A ABEMEL Associação Brasileira dos Exportadores de Mel, fundada em 15 de agosto de 2003, é a entidade com maior representatividade das empresas beneficiadoras

Leia mais

I Fórum ABRH-Brasil de Sustentabilidade O papel do RH na promoção da cultura da sustentabilidade

I Fórum ABRH-Brasil de Sustentabilidade O papel do RH na promoção da cultura da sustentabilidade I Fórum ABRH-Brasil de Sustentabilidade O papel do RH na promoção da cultura da sustentabilidade Anna Paula Rezende Diretora Executiva de Talentos & Sustentabilidade 17 de Novembro de 2015 Quem somos Uma

Leia mais

Educação e competitividade no mundo do trabalho: desafios e oportunidades

Educação e competitividade no mundo do trabalho: desafios e oportunidades Educação e competitividade no mundo do trabalho: desafios e oportunidades 7ª Economia 79º IDH 57º Competitividade 61º Inovação 35º Educação 12 indicadores Ranking de Competitividade Global Requisitos

Leia mais

Projeto de Intercâmbio e Cooperação dos Agricultores Nikkeis da América do Sul 2015 Plano do projeto

Projeto de Intercâmbio e Cooperação dos Agricultores Nikkeis da América do Sul 2015 Plano do projeto Projeto de Intercâmbio e Cooperação dos Agricultores Nikkeis da 2015 Plano do projeto Junho de 2015 Chuo Kaihatsu Corporation (CKC) Escritório de Tóquio 3-13-5, Nishi-waseda, Shinjuku-ku, Tokyo 169-8612

Leia mais

Internacionalização de Marcas Brasileiras Brazil for Export. Sérgio Frota CEO WTC Business Club

Internacionalização de Marcas Brasileiras Brazil for Export. Sérgio Frota CEO WTC Business Club Internacionalização de Marcas Brasileiras Brazil for Export Sérgio Frota CEO WTC Business Club WTC INTERNACIONAL...Rockfellers 334 CIDADES 92 PAÍSES 450 PROJETOS INTERNACIONAIS Internacionalização Contexto

Leia mais

Palestrante: Embaixador Norton de Andrade Mello Rapesta

Palestrante: Embaixador Norton de Andrade Mello Rapesta Palestrante: Embaixador Norton de Andrade Mello Rapesta Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral de Cooperação, Cultura e Promoção Comercial Departamento de Promoção Comercial e Investimentos

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 09 setembro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Competitividade na indústria brasileira e momento econômico Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Julho/2016 Evolução do PIB a preços de mercado (em US$ correntes) Fonte: World

Leia mais

O Paraná no mercado de turismo

O Paraná no mercado de turismo O TURISMO NO PARANÁ O Paraná no mercado de turismo Os principais pontos positivos são: 1.Cataratas de Foz de Iguaçu patrimônio natural da Humanidade (UNESCO), 3º destino mais visitado por turistas, além

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

Cobertura de, aproximadamente, 7% do PIB mundial

Cobertura de, aproximadamente, 7% do PIB mundial São Paulo Brasil I Outubro 2015 Comércio e Investimento Comércio e Investimento Acordos comerciais em vigor Acordos comerciais assinados, que ainda não entraram em vigor Acordos de Cooperação em Investimento

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA DO PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DO TURISTA DE EVENTOS NO RECIFE E NA REGIÃO METROPOLITANA

RELATÓRIO DE PESQUISA DO PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DO TURISTA DE EVENTOS NO RECIFE E NA REGIÃO METROPOLITANA RELATÓRIO DE PESQUISA DO PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO DO TURISTA DE EVENTOS NO RECIFE E NA REGIÃO METROPOLITANA 2008 OBJETIVO GERAL Identificar o perfil do turista de eventos na Região Metropolitana do Recife.

Leia mais

SUMÁRIO. l. INTRODUÇÃO... 17

SUMÁRIO. l. INTRODUÇÃO... 17 SUMÁRIO l. INTRODUÇÃO... 17 2. CONSTITUIÇÃO FEDERAL E LIBAÇÕES FUNDAMENTAIS... 21 2.1 Conceito de Constituição... 21 2.2 Direitos e garantias fundamentais... 26 2.3 Hegemonia constitucional... 29 3. MORAL,

Leia mais

Gestão de Eventos AULA 1. Temas: Gestão de Eventos Conceito de Evento Perfil Profissional do Promotor de Eventos

Gestão de Eventos AULA 1. Temas: Gestão de Eventos Conceito de Evento Perfil Profissional do Promotor de Eventos Gestão de Eventos AULA 1 Temas: Gestão de Eventos Conceito de Evento Perfil Profissional do Promotor de Eventos Gestão de Eventos A Gestão de Eventosestá relacionada a diversas áreas de trabalho, como

Leia mais

11.3 O turismo no mundo 11.4 Impactos da atividade turística

11.3 O turismo no mundo 11.4 Impactos da atividade turística 11.4 Impactos da atividade turística Na segunda metade do séc. XX, a melhoria do poder de compra das populações dos países desenvolvidos O e, turismo mais recentemente, são as atividades dos países que

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil

Estatísticas básicas de turismo. Brasil Estatísticas básicas de turismo Brasil Brasília, outubro de 2010 Estatísticas básicas de turismo Índice Páginas I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas internacionais

Leia mais

Reforma da Lei de Defesa da Concorrência Gesner Oliveira

Reforma da Lei de Defesa da Concorrência Gesner Oliveira Reforma da Lei de Defesa da Concorrência Gesner Oliveira Brasília, 14 de abril de 2009 CAE, Senado Federal Três pontos Defesa da concorrência ganhou importância crescente nas últimas duas décadas Defesa

Leia mais

O desafio da produtividade

O desafio da produtividade O desafio da produtividade 21º Seminário Dia da Qualidade Caxias CIC Renato da Fonseca Caxias do Sul, RS, 20/07/2015 Roteiro 1. O estado da indústria e da economia brasileira 2. Baixa competitividade:

Leia mais

Copa do Mundo FIFA 2014

Copa do Mundo FIFA 2014 Code-P0 Copa do Mundo FIFA 2014 AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Claudio Langone Coordenador da CTMAS/ME Code-P1 O QUE O BRASIL QUER COM A COPA DO MUNDO FIFA Mobilizar o país Promover o país

Leia mais

DISCIPLINAS/ATIVIDADES OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINAS/ATIVIDADES OBRIGATÓRIAS MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 374/2010 EMENTA: Estabelece o Ajuste Curricular do Curso de Graduação em Turismo, aprovado pela Resolução 226/2007 e alterada

Leia mais

A Cooperação Portuguesa

A Cooperação Portuguesa FICHA TEMÁTICA A Cooperação Portuguesa Março de 2015 Política de Cooperação para o Desenvolvimento A Cooperação para o Desenvolvimento é um vetor chave da política externa portuguesa, que assenta num consenso

Leia mais

Turismo Ferroviário Desenvolvendo toda uma cadeia de serviços!

Turismo Ferroviário Desenvolvendo toda uma cadeia de serviços! Turismo Ferroviário Desenvolvendo toda uma cadeia de serviços! Adonai Arruda Filho Vice-presidente ABOTTC Associação Brasileira de Trens Turísticos e culturais Dir. Brasileiro ALAF (Asociación Latinoamericana

Leia mais

Consideras a possibilidade de trabalhar no estrangeiro?

Consideras a possibilidade de trabalhar no estrangeiro? Inquérito Universia e Trabalhando 94% dos jovens portugueses considera a possibilidade de trabalhar no estrangeiro Lisboa, 29 de Novembro de 2012. O Universia Portugal (http://), a rede de universidades

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE- ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS ANÁLISE DO SETOR TURISMO NO NORDESTE EM 2009

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE- ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS ANÁLISE DO SETOR TURISMO NO NORDESTE EM 2009 O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE- ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS ANÁLISE DO SETOR TURISMO NO NORDESTE EM 2009 Ano IV No. 4 Fevereiro

Leia mais

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Ministério da A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Encontro de Política Fiscal - FGV Ministro Guido Mantega Brasília, 7 de novembro de 2014 Antes de 2008, Brasil tinha Situação Fiscal Confortável

Leia mais

MUNDO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO GLOBAL ( NO MATERIAL PÁGINAS 51 A 55

MUNDO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO GLOBAL ( NO MATERIAL PÁGINAS 51 A 55 MUNDO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO GLOBAL ( NO MATERIAL PÁGINAS 51 A 55 Pós-Segunda Guerra Mundial A regionalização do mundo em países capitalistas e socialistas Critério: organização econômica, social e política

Leia mais

Fórum Regional de Turismo da Reserva da Biosfera Goyaz

Fórum Regional de Turismo da Reserva da Biosfera Goyaz Fórum Regional de Turismo da Reserva da Biosfera Goyaz Rumo à Inovação No coração do Brasil Patrimônio Natural da Humanidade Cultura Natureza Ecoturismo História Aventura APRESENTAÇÃO A região Turística

Leia mais

Noções de Marketing para profissionais da Equinocultura

Noções de Marketing para profissionais da Equinocultura Noções de Marketing para profissionais da Equinocultura Marcelo Pardini Unifeob São João da Boa Vista/SP Maio/2013 Antes de falarmos sobre Marketing... Vamos falar do amor pelos cavalos! EQUINOS NO MUNDO

Leia mais

A Gerdau também é a maior recicladora de sucata da América Latina.

A Gerdau também é a maior recicladora de sucata da América Latina. A Gerdau nasceu em 1901, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, com o nome de Companhia Fábrica de Pregos Pontas de Paris, pequena indústria que se transformou na Metalúrgica Gerdau, hoje holding das empresas

Leia mais

Competitividade global: métodos e experiências

Competitividade global: métodos e experiências Competitividade global: métodos e experiências Nicola Minervini Caxias do Sul, RS 02/10/2013 Competitividade Método Inovação Internacionalização Os desafios da empresa na globalização Custo Brasil X

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

PRODETUR AÇÕES PREVISTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA

PRODETUR AÇÕES PREVISTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA PRODETUR AÇÕES PREVISTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA Secretária de Estado de Desenvolvimento do Turismo TETÉ BEZERRA O PRODETUR NACIONAL O PRODETUR Nacional tem o objetivo de fortalecer a Política Nacional

Leia mais

Espetáculo o Dentífrico Corajoso

Espetáculo o Dentífrico Corajoso Espetáculo o Dentífrico Corajoso Objetivos Desenvolver uma aliança estratégica que: Apoie o posionamento de seus produtos como aliados da saúde bucal das crianças brasileiras; Impacte de forma o seu publico

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO O SEBRAE-SP O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) - em SP, tem a missão de promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos

Leia mais

Números da Indústria Gráfica Brasileira

Números da Indústria Gráfica Brasileira Ago/2016 Números da Indústria Gráfica Brasileira Números da Indústria Gráfica Brasileira Jun/2016 INDÚSTRIA GRÁFICA BRASILEIRA Exportação Importação Indústria Gráfica Brasileira em 2015 FOB - US$ 270,4

Leia mais

UNCTAD WIR 2007 WORLD INVESTMENT REPORT SOBEET

UNCTAD WIR 2007 WORLD INVESTMENT REPORT SOBEET UNCTAD UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT WIR 2007 WORLD INVESTMENT REPORT LANÇAMENTO NO BRASIL: SOBEET SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS DE EMPRESAS TRANSNACIONAIS E DA GLOBALIZAÇÃO ECONÔMICA

Leia mais

IED PARTICIPACAO GUIDES ATUACAO CONJUNTA

IED PARTICIPACAO GUIDES ATUACAO CONJUNTA SUMARIO APEX-BRASIL ATRACAO DE INVESTIMENTOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS DIRETOS (IED) INVESTIMENTOS EM PARTICIPACAO INVESTMENT GUIDES PROPOSTA PARA UMA ATUACAO CONJUNTA PEX-BRASIL O MELHOR DO BRASIL PARA

Leia mais