ISSN número 14 fevereiro/março. A arte do grafite no Maranhão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN 22384413. número 14 fevereiro/março. A arte do grafite no Maranhão"

Transcrição

1 ISSN número 14 fevereiro/março A arte do grafite no Maranhão

2 ÍNDICE número 14 fevereiro / março 2014 As imagens poéticas e utópicas dos grafite no Maranhão Grafite em São Luís Edi Bruzaca Almir Valente Costa Intervenção Urbana Customização história do grafite Elissa do Mar da Rosa Apresentação Expediente

3 APRESENTAÇÃO A primeira edição do ano da revista Plural é totalmente dedicada à arte do grafite no Maranhão. Com textos de Almir Valente Costa, artista plástico, ilustrador e professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, do artista Edi Bruzaca e de Elissa do Mar da Rosa, extraído de monografia apresentada em curso de Licenciatura em Educação Artística da Universidade Federal do Maranhão, com o título Observe os muros: um estudo sobre a arte do graffiti, analisando as temáticas e características pessoais encontradas nas obras dos writters, o leitor dispõe de breve informação sobre os primórdios dessa arte, de sua disseminação em vários países e o seu florescimento no Brasil. Alguns dos trabalhos de Bruzaca e de outros artistas do spray Kdin, Gil Peniel, Ige e Gug, Alol, Gudo, Jig, Over e Stan, publicados neste número, revelam técnica apurada para o desenho de figuras e letras e grande sensibilidade no uso de cores. Viva os artistas do grafite! Jorge Murad Presidente do Conselho Deliberativo Instituto Geia

4 Ilustração: Gil Peniel As imagens poéticas e utópicas dos grafites no Maranhão Almir Valente Costa 4 / 51

5 É da humanidade do homem desenvolver sua tela mental a imaginação e utilizarse do que tem e do que cria para ter, com o objetivo de expressá-la, registrá-la, exteriorizá-la, torná-la pública. Assim é que da rocha bruta à superfície de exibição gráfica de um computador, têm sido diversas as formas que o homem encontra para cristalizar as imagens, fixando a criação, a devoção, a sensibilidade, a inteligência, a ciência e a história do homem no planeta. Dentre alguns, o grafite é um desses meios de expressão artística que, tal qual conhecemos hoje, tem uma história recente, consolidada na contemporaneidade como uma manifestação da arte urbana. A especificidade de sua linguagem artística tem origem na década de 1960, no fluxo do movimento de Contra-Cultura e das novas propostas trazidas pela Arte Contemporânea. Digo, por isso, que é recente sua história, com essa feição. Mas, ao localizar o grafite no panorama da História da Arte, vejo sua genealogia ligada a uma história bem mais antiga. O registro da imagem se antecipa ao registro da linguagem verbal como meio utilizado pelo homem para se comunicar, o que se pode verificar a partir das Pinturas Rupestres, realizadas na superfície das rochas, dos abrigos ou rock-shelters os primeiros suportes utilizados para estabelecer uma comunicação visual. Há registros de representações imagéticas de 5 / 51

6 pinturas parietais desde as pictografias egípcias, passando pelos afrescos da antiguidade greco-romana aos afrescos renascentista e barroco. No entanto, é a partir da Arte Moderna, principalmente com as pinturas dos muralistas mexicanos (1930), que esse tipo de pintura trará inspiração e referências para o atual grafite. Entre as primeiras imagens produzidas pelo homem caçador-pintor do paleolítico e aquelas produzidas pelos grafiteiros (writters), há o espaço de uma longa história de consolidação do pensamento imagético. Mas há, também, um forte elo. Olhando para essa ligação, tomo a questão levantada pelo Professor Vicente Martinez (1999) sobre o que levou o homem a questionar as noções tradicionais da arte e a expandir o seu conceito. Ele propõe que, para analisar as mudanças ocorridas nas artes plásticas, desde o início do século XX, há que se estar atento às modificações ocorridas, também, nos conceitos de tempo, espaço e matéria, a importância dada ao processo; as modificações ocorridas na relação com o espectador, a apropriação, as relações entre texto e contexto, o conceito de valor, as estratégias utilizadas pelos artistas na construção de suas obras. Nessa esteira, as rupturas e as integrações nas artes plásticas atuam diretamente em seus processos de significação e de recepção, principalmente quando a obra demanda cada vez mais atenção à sua relação com o espaço onde está inserida, ou seja, ao contexto de sua produção e de sua exposição, que possuem, portanto, também, uma ordem ideológica. Ancoro essa reflexão em Tassinari (2001, p. 75), que afirma que A comunicação, promovida por um espaço em obra, entre o espaço do mundo em comum e o espaço da obra de arte é algo de inteiramente novo na história da arte ocidental. O autor considera que determinadas funções que antes eram exercidas apenas nos limites internos do espaço da obra (em uma tela de Picasso do período do Cubismo Analítico, por exemplo) foram assumidas pelo espaço do mundo em comum (o espaço da galeria, o espaço urbano, a natureza etc.). Diz, ainda, que Uma obra contemporânea não transforma o mundo em arte, mas ao contrário, solicita o espaço do mundo em comum para nele se instaurar como arte. (p. 76). Assim, o que a arte contemporânea traz de novo é o fato de que a moldura espacial que envolve as obras não conseguiu mais separá-las do universo do mundo cotidiano. 6 / 51

7 Ilustração: Akira Outro aspecto importante que a arte contemporânea trouxe foi o questionamento político sobre o espaço institucional dos museus e galerias de arte. Alguns movimentos artísticos da arte contemporânea, como a Land/Earth Art ou de grupos ligadas a Happenings/Performance (como exemplo o grupo Fluxus), tiveram a atitude de ir contra qualquer regra mercadológica e levar sua arte para fora dos limites da cidade ou mesmo realizar ocupações/intervenções pela cidade, procurando espaços alternativos ao sistema de galerias comerciais e instituições de arte. Desde que Andy Wharol revelou e apresentou ao metiér da arte o jovem grafiteiro de rua Basquiat, levando-o para as principais galerias e museus de Nova Iorque e ampliando, assim, seus 15 minutos de fama, o grafite sai da condição marginal para adentrar o universo da arte contemporânea. A partir da década de 1980, o grafite toma conta das ruas de forma mais incisiva, colorindo a paisagem urbana das principais metrópoles do mundo. Atualmente a valorização do grafite como linguagem artística vem se desenvolvendo, a exemplo do que espaços como o MASP (Museu de Arte de São Paulo) e o MOCA (Museum of Contemporary Art, em Los Angeles) abrigaram, nos anos de 2009/2010 e 2011, as exposições DE DENTRO PARA FORA e ART IN THE STREET, respectivamente. Outro exemplo é a visibilidade dos trabalhos realizados nos últimos anos pelos Os Gêmeos e pelo grupo KOBRA, ambos com destaque no cenário brasileiro e internacional, com trabalhos que chegam a custar em média R$ 30 mil. 7 / 51

8 Afunilando a produção nacional, destaco, aqui, os talentos que tenho percebido, como um flâneur baudelairiano, ao andar pelas ruas de São Luís, cuja beleza arquitetônica colonial e o passado de letras eruditas vêm dialogando, de forma imprevista, com a beleza contemporânea da estética do grafite e de outras manifestações artísticas urbanas no espaço público. Já como artista e pesquisador de poéticas contemporâneas, começo por destacar-mostrando o trabalho do grupo paulista Urban Trash Art, realizado em São Luís, em 10 de agosto de 2013 um projeto de intervenção urbana na Praça Nauro Machado, no Centro Histórico de São Luís, que resultou na construção de uma instalação-escultura (assemblage) pelos artistas de São Paulo em parceria com grafiteiros (Edi Bruzaca) e artistas plásticos maranhenses 1. Link: https://www.youtube.com/watch?v=v6sa6hxbjjc#t=43 (ou) Esse trabalho serve, aqui, para mostrar como tem sido possível transformar o que sobra naquilo que falta; o que adormece em berço esplêndido naquilo que escapa da rede do tempo, sobretudo. Na análise do comunicólogo francês Regis Debray (1994), a apologia à literatura produzida em São Luís, outrora chamada Atenas Brasileira, acabou por negligenciar as artes visuais, fato que pode justificar o empobrecimento visual da paisagem urbana local. Também contribuem para esse empobrecimento a poluição visual produzida pela quantidade de placas de propagandas e fios elétricos que acobertam boa parte da beleza arquitetônica legada pelos lusitanos, além do equívoco de algumas esculturas espalhadas por locais emblemáticos da cidade, que em nada contribuem esteticamente ou simbolicamente para a produção cultural e artística maranhense. No entanto, esquivando-se da tradição de nomes e de títulos que já não nos traduz, o grafite vem ocupando as zonas mortas da cidade-cenário paredes abandonadas e em ruínas com formas expressivas e coloridos vibrantes produzidos por writters, jovens e talentosos grafiteiros, que dizem muito sem usar palavras. Em suas produções, mesmo as letras são imagens, visto ser o grafite uma linguagem sincrética. A tradição literária nos ensinou a ler. Agora é hora de aprender a olhar. Através da arte como expressão pessoal, é possível visualizar quem somos, onde estamos e como sentimos; como expressão da cul- 1 Alunos do curso de Licenciatura em Artes Visuais que criei e implantei no IFMA, em 2010 Bruzaca, Jabota, Tarsis, Weyder). 8 / 51

9 Ilustração: Natty Dread tura, a identificação nos impede de nos sentirmos estranhos em nosso próprio ambiente; permite-nos analisar a realidade percebida e desenvolver a criatividade de maneira a mudar o que precisa, do que foi analisado. A arte, e aqui mais especificamente o grafite, rompe com as barreiras/dicotomias entre a cultura erudita e a cultura popular e entre o dentro (espaço institucional) e o fora (espaço público), algo que a academia ainda não conseguiu concretizar, pois ainda acredita deter, com exclusividade, o poder do (re)conhecimento artístico, reduzindo-o ao saber epistemológico. Há muito sendo produzido nas academias sobre o grafite. E se há muito para dizer, é porque há muito sobre o que dizer. Para ver, no entanto, algumas vezes é preciso se despir de togas, de batas e de jalecos (símbolos da autoridade do saber) e olhar para além dos espaços institucionais; ousar (e) olhar para o lado de fora dos muros das cercarias feudais acadêmicas. Ou pelo menos olhar para o que está sendo criado e projetado nos muros. Parafraseando a letra de Milton Nascimento, a arte deve estar onde o povo está. E o povo está mais em espaços públicos, como em ruas e praças, que em espaços público-privados, como Museus e Galerias, que legitimam e institucionalizam a arte. O que acontece metaforicamente fora desses muros e objetivamente nesses muros, não é apresentado a priori como arte para o nosso conforto e tranquilidade intelectual. Nesses espaços, o lugar da autoridade legitimada é ocupado pela propriedade do saber fazer, cada um com estilo próprio. No Maranhão, tags como Edi, Naldo, Ige, Gug, Alol, Gil Peniel, Gudo, Jig, Kdin, Over e Stan trazem, em seus trabalhos, o ar da graça da contemporaneidade artística do grafite. Foi o que vi em algumas obras que venho mostrar: Edi Bruzaca é uma das referências ( kings ) do grafite ludovicense. Dotado de uma técnica de grafite meticulosa, extraindo todo o potencial de uma lata de spray de tinta, Edi cria uma plasticidade peculiar e vigorosa, com um estilo de pintura que o aproxima do movimento artístico do Surrealismo. Uma das obras de Edi da série O Mundo do Pescador de Sonhos está localizada próxima a uma parada de ônibus do bairro Angelim em São 9 / 51

10 Ilustração: Edi Bruzaca Luís, um ponto estratégico de visibilidade para que o espectador-trabalhador-estudante que utiliza o transporte público da cidade possa começar ou terminar seu dia com um pouco mais de sonhos arrefecidos pela an-estesia da vida cotidiana. Sua poética visual se configura entre o universo onírico e o universo da realidade urbana, conferindo a essa realidade um mundo da fantasia mítico que não mais somos capazes de vislumbrar com a perda do valor simbólico. O sim-bólico é aquilo que aproxima, que une em prol do coletivo, em oposição ao dia-bólico, aquilo que separa, que distancia pelo individualismo-egocêntrico (diferente da individualidade que é algo de valor positivo). Um dos elementos simbólicos e marcantes na obra de Edi é a casa. A casa, como elemento poético assim como proferiu Gaston Bachelard em seu livro A Poética do Espaço (2003, p. 26), abriga o devaneio (...) protege o sonhador. Permite sonhar em paz. Só os pensamentos e as experiências sancionam os valores humanos. A casa que Edi edifica não é a casa que queremos ter como propriedade privada (bem de consumo), mas sim a casa dos sonhos, aquela casa do campo onde podemos receber os amigos e nada mais, ambiente de plena poeticidade, que nos instaura no fundo da alma a serenidade e a sensibilidade (estesia) tão necessária e vital, condição sine qua non para a vida humana. Outro grande expoente do grafite ludovicense é o writter conhecido pelo tag de Naldo. De dentro de um ônibus, pude observar pela primeira vez o esplendor e o virtuosism o técnico desse artista e vi que temos o melhor da produção artística local contemporânea nas ruas, para a felicidade deste flâneur sedento de olhar um olhar novo. Uma das obras de Naldo, em especial, me chamou a atenção seu grafite, sem título, que está localizada na Avenida Beira-Mar em São Luís. Com uma técnica apuradíssima e virtuosa, demonstra não somente o saber fazer, mas também o domínio do que fazer com os elementos simbólicos de nossa cultura. 10 / 51

11 Ilustração: Naldo Com traços suaves e uma paleta de cores variadas, Naldo trabalha com uma harmonia plástica capaz de equilibrar as formas ora chapadas (bidimensionais) e ora em degradê (tridimensionais) no plano pictórico. Assim com Edi, tem um estilo de pintura que o aproxima também do movimento artístico do Surrealismo e até mesmo da Pintura Metafísica de Giorgio de Chirico. Na referida obra de Naldo há uma atualização iconográfica da cultura popular maranhense que se funde ao universo da cultura urbana contemporânea. Cazumbás? Bumba-Meu-Boi? Mãe Catirina que só queria comer a língua do boi? Eles estão presentes nos motivos plásticos expressos em sua obra, mas são elementos híbridos: Catirina é quase um ser andrógeno, as suas mãos são uma extensão do cazumbá e suas pernas do corpo do boi. A narrativa construída pelos motivos plásticos configura-se em termos sincrônicos (não linear) e não de forma diacrônica (linear). Uma bela fusão entre elementos populares e urbanos, que conferem singularidade e originalidade a essa obra. Ige e Kdin integram também o rol dos writters maranhenses e trazem em suas linguagens visuais propostas iconográficas diferentes em suas composições plásticas. A obra de Ige se inscreve dentro do linguajar do grafite como Bubble Style, com letras arredondadas que fazem referência ao seu próprio nome IGE, acrescido de characters ou personagens que, como o próprio nome diz, são personagens ou retratos. Ige representa em suas imagens uma espécie de auto-retrato, uma auto-referência expressa tanto pelo verbal quanto pelo visual, produzindo, assim, uma linguagem sincrética. 11 / 51

12 Ilustração: Ige e Gug Ilustração: Kdin O grafiteiro Kdin também trabalha nesse viés de estilo de grafite proposto por Ige, no entanto, poderia dizer que assume mais uma postura do wild style, com representações de letras quase ilegíveis e sem muita sugestão de tridimensionalidade (3D). O que se reaprende, então, para concluir, é que, como diria há quase cem anos Marchel Duchamp, nenhum lugar assegura ou atribui o valor de arte a uma obra nem Museus, nem Galerias, nem as ruas. O espaço da arte é o espaço mítico-poético, o espaço utópico que transforma a realidade, com envergadura para universalizar o que há de singular em uma cultura. A estética dos grafites inscritos nos muros espalhados pela cidade revela um rico universo a ser explorado por sua expressividade e contemporaneidade artística; para ser contemplado pelo olhar, com olhares que envolvem todo o corpo e todos os sentidos, um corpo que se soma à obra e compartilha sua experiência. O momento histórico mostra o eterno movimento das utopias, as quais mudam de forma e nome, mas não mudam em essência, não 12 / 51

13 desaparecem, estando, ao que parece, na Arte, em toda história da humanidade, pois a fonte que as alimenta nunca seca e, quando ofuscadas, brilham ainda mais na escuridão. Para existirem, as utopias só dependem do homem, da humanidade, de sua cultura e sua história. As obras aqui postas em visibilidade revelam que o universo da arte, o universo da literatura, sempre abrirá outros caminhos a explorar, novíssimos ou bem antigos, estilos e formas que podem mudar nossas imagens do mundo (CALVINO, 1990, p. 26). Os grafiteiros dão vida e um colorido especial à cidade, fazendonos comungar do que se pode ver escrito nos muros: VERACI- DADE quer dizer aos olhares menos atentos VER A CIDADE. Referências BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, DEBRAY, Regis. Vida e morte da imagem: uma história do olhar no Ocidente. Petrópolis: Ed. Vozes, CALVINO, Ítalo. Seis propostas para o novo milênio. São Paulo: Cia das Letras,1990. MARTINEZ BARRIOS, Vicente. A eloqüência da pintura de Ryman. In: Caderno de Discussão. São Paulo, PUC-SP:COS USP:FFLCH CNRS:Paris, V Colóquio do Centro de Pesquisas Sociossemióticas, 1999 OLIVEIRA, Ana Cláudia. (Org.). Semiótica Plástica. São Paulo, Hacker Editores, 2004 SCHAEFFER, J. M. A noção de obra de arte. In: OLIVEIRA, TASSINARI, A. O espaço moderno. São Paulo, Cosac & Naify, Almir Valente Costa Doutorando em Comunicação e Semiótica pela Pontifice Universidade Católica - São Paulo, Mestre em Arte pela Universidade de Brasília e Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão. 13 / 51

14 Grafite em São Luís Edi Bruzaca A arte de pintar superfícies foi iniciada na pré-história. Os homens pré-históricos pintavam as paredes das cavernas e pedras por onde passavam marcando seus caminhos, retratando principalmente o que vivenciavam. O graffiti, prática de fazer marcas, inscrições e desenhos em muros, surgiram no império romano, onde eram feitas estas manifestações artísticas, por isso o nome graffiti vem do italiano graffito, contudo, só ganhou popularidade nos anos 70, no Bronx, bairro de população negra de Nova York. Assim, as pessoas queriam uma forma de comunicação entre membros de uma mesma gangue ou registro de indignação frente ao preconceito e às injustiças sociais, assim os artistas criam uma linguagem intencional para interferir na cidade. No final da década de 70, o graffiti chega a terras brasileiras mais precisamente a cidade de São Paulo, através do filme Beat Street, que conta um pouco da história do movimento Hip Hop. Ilustração: Edi Bruzaca 14 / 51

15 Sem muita informação de como fazer o graffiti, os brasileiros buscaram um diferencial do norte americano, introduzindo novos materiais. A partir daí, o graffiti ganhou o Brasil de tal forma que todos os centros urbanos vivem a cultura do graffiti. Não diferente de outros estados, o Maranhão entra para cena do graffiti no final da década de 80, através de um skatista da época, que em uma de suas viagens adquiriu fita de vídeo de campeonato de skate onde tinham graffiti na pista de skate, essa fita serviu de motivação para que os jovens da época começassem a fazer graffiti. São Luís, capital do Maranhão, tem suas gerações de grafiteiros. A primeira geração vem de alguns jovens que faziam parte de grupos de breaks, rappers e do movimento punk da cidade. A segunda geração vem do movimento hip-hop na década de 90, onde existiam writers por todos os bairros da capital. Essas duas gerações chamamos de Old School. Já no ano 2000, cresce o numero de writers pela cidade, muitos vindo de projetos sociais, desenvolvido pelo movimento negro com parceria da cultura do hip hop. O graffiti vem ganhando espaços dentro da sociedade pela sua exuberância de formas, cores, texturas e por passar uma mensagem ampla para os apreciadores. Hoje a arte do graffiti esta sendo difundida de forma tão rápida que adentra a galerias de artes e se insere nos demais eventos de artes visuais, ganhando vários suportes onde podem se interagir e despertar curiosidade. Ilustração: Edi Bruzaca 15 / 51

16 Vocabulário do Grafite Ilustração: Edi Bruzaca Ilustração: Edi Bruzaca Ilustração: Stan Ilustração: Gil Peniel 3D- Estilo tridimensional, baseado num trabalho de sombra das letras. Bite- Influência direta de um estilo de outro writer. Bombing- Graffiti rápido, muitas vezes associado à ilegalidade, com letras mais simples. Bubble Style- Estilo de letras arredondadas, mais simples e primárias, mas que é ainda hoje um dos estilos mais presentes no graffiti. Characters\ Personagem- Retratos, caricaturas, bonecos pintados a graffiti. Crew- Equipe, grupo de amigos que pintam juntos e que representam todos o mesmo nome. Como regra geral os writers assinam o seu tag e também a sua crew em cada obra. Cross- Pintar um graffiti por cima de um trabalho de um outro writer. Degradé- Passagem de uma cor para a outra sem um corte direto. Por exemplo uma graduação de diferentes tons da mesma cor. Fill-in- Preenchimento do interior das letras de um graffiti. Hall of Fame- Graffiti em muro autorizado mais trabalhado, podendo haver mais que um artista na mesma obra e é um trabalho mais elaborado onde são usadas técnicas mais avançadas. Highline- Contorno geral de todo o graffiti, posterior ao outline. Kings- Writer que adquiriu respeito e admiração dentro da comunidade do graffiti. Um estatuto que todos procuram e que está inevitavelmente ligado à qualidade e anos de experiência. 16 / 51

17 Outline- Contorno das letras cuja cor é aplicada igualmente ao volume das mesmas, dando uma noção de tridimensionalidade. Tag- Nome ou pseudônimo do writter. Throw-up- Estilo situado entre o tag e o bombing. Letras rápidas normalmente sem preenchimento de cor (apenas contorno). Toy- O oposto de King. Writer inexperiente, no começo ou que não consegue atingir um nível de qualidade e respeito dentro da comunidade. Roof-top- Graffiti aplicado em telhados, outdoors ou outras superfícies elevadas. Um estilo associado ao risco e ao difícil acesso mas que é uma das vertentes mais respeitáveis entre os writers. Wild Style-Estilo de letras quase ilegível. Um dos primeiros estilos a ser utilizado no surgimento do graffiti. Writter- Pessoa que faz graffiti. Ilustração: Edi Bruzaca Ilustração: Gil Peniel Ilustração: Stan Edi Bruzaca Grafiteiro e estudante de Artes Visuais, Universidade Federal do Maranhão. Ilustração: Edi Bruzaca 17 / 51

18 Intervenção Urbana A intervenção cellograf surgiu em 2009, com os grafiteiros franceses Astro e Kano, explorando novas técnicas dentro do graffiti.trata-se de uma arte efêmera, pintada em uma superfície de plástico. O intuito é tocar a sociedade com o destino final da arte, utilizando suporte descartável. 18 / 51

19 19 / 51

20 20 / 51

21 21 / 51

22 22 / 51

23 Índice 23 / 51

24 Customização Personalização ou adaptação de uma peça, estilizando-a com a arte do graffiti. Peças customizadas por Edi Bruzaca 24 / 51

25 25 / 51

26 26 / 51

27 27 / 51

28 Ilustrações: Alol, NSW e WBS história do grafite * Elissa do Mar da Rosa O graffiti existe desde os primórdios da humanidade. A maioria das figuras, como as encontradas nas Grutas de Lascaux, na França, eram gravadas nas paredes das cavernas com ossos e pedras. Porém, ao formar silhuetas usando ossos furados para soprar pó colorido em volta das mãos (mão em negativo), os primeiros homens também anteciparam a técnica do estêncil (técnica que utiliza um molde vazado para dar forma ao desenho, de aplicação rápida e simples) e do spray. Tais indícios podem indicar que os homens primitivos sentiam a necessidade de deixar a sua marca pessoal (GANZ, 1999). Os desenhos de homens nas paredes das cavernas podem ser vistos como uma necessidade de se comunicar uns com os outros. * Texto extraído da monografia Observe os muros: um estudo sobre a arte do graffiti, analisando as temáticas e características pessoais encontradas nas obras dos Writers. 28 / 51

29 O vestígio mais fascinante deixado pelo homem através dos tempos em sua passagem pelo planeta foi, sem dúvida, a produção artística. Desta, a manifestação mais antiga, com certeza, foram os desenhos feitos nas paredes das cavernas. Aquelas pinturas rupestres são os primeiros exemplos de graffiti que encontramos na história da arte. Não sabemos exatamente o que levou o homem das cavernas a fazer essas pinturas, mas o importante é que ele já possuía uma linguagem simbólica própria (GITAHY, 1999, p. 11). Na Grécia antiga, foram encontrados fragmentos de argila com anotações entalhadas, enquanto escavações em Pompeia revelaram grande diversidade de graffiti, entre os quais slogans eleitorais, desenhos e cenas obscenas (GANZ, 1999). Em 1904, foi lançada a primeira revista a abordar o graffiti de banheiro: Anthropophyteia. Mais tarde, durante a Segunda Guerra Mundial, os nazistas usaram inscrições em muros como meio de propaganda para provocar o ódio contra os judeus e os dissidentes (GANZ, 1999). Contudo, o graffiti também foi importante para os movimentos de resistência, como forma de disseminar seus protestos entre o grande público. Um exemplo é o Rosa Branca, grupo de inconformistas alemães que se manifestava contra Hitler e seu regime, em 1942, por meio de folhetos e slogans pintados, até serem capturados, em 1943 (GANZ, 1999). Um espaço em branco foi preenchido na década de 1960 por diversos movimentos sociais que ocorreram não somente na Europa, mas em todo o mundo. Época em que a nuvem do contraditório pairou sobre Praga (capital e a maior cidade da República Checa), Woodstock (localiza-se no estado norte-americano de Virginia), Paris (capital da França) e em outros focos, abrindo as portas para que novas facetas culturais germinassem a partir de choques, protestos e tintas. Durante as revoltas estudantis nas décadas de 1960 e 1970, os manifestantes divulgavam suas ideias com pôsteres e palavras pintadas. Os estudantes franceses utilizavam com frequência uma técnica precursora do atual estêncil, a pochoir - palavra francesa para o graffiti feito com estênceis (GANZ, 1999, p. 08). Um dos mais emblemáticos arranjos de questionamentos ocorreu na França, em maio de A organização estudantil contra os ditames 29 / 51

30 Ilustração: Naldo reacionários do governo de Charles de Gaulle 1 repercutiu internacionalmente. O maio de 68 também prometeu perpetuar palavras de ordem, como é proibido proibir, escritas nos muros de toda a cidade de Paris (apud XAVIER, 2003). A perpetuação do maio de 1968 deu-se, sobretudo, nos muros que se caracterizam como painéis fundamentais de comunicação e disseminação de ideias, processo identificado pelo filósofo Jean-Paul Sartre: a poesia francesa está nos muros da Sorbonne 2 (apud FONSECA, 2008, p. 196). A conjuntura social que motivava os estudantes parisienses ecoou em outra grande cidade. Dessa vez, Nova York foi centro das manifestações dos imigrantes negros e porto-riquenhos habitantes de bairros da periferia, como o Bronx, que sofriam com os preconceitos no país. Buscando a produção de uma identidade, preencheram as ruas e metrôs da cidade, inicialmente com seus Nicks (do inglês, apelidos), também chamados signatures (do inglês, assinaturas), seguidos do número de sua casa. Magnani (2005) coloca exemplos como STITCH 1, Freddie 173, CAT 187, T-REX 131, SNAKE 1, RAY-B 954. Uma maneira gráfica de reforçar seu pertencimento àquele espaço urbano e àquela cultura. Esse processo culminou no fortalecimento da estética própria do graffiti. O perfil estético do graffiti nova-iorquino acrescentava elementos ilustrativos que transcendiam a tipologia natural. Em Paris, as mensagens eram deixadas nos muros sem qualquer figura ou distorções de letras. Na metrópole norte-americana, as letras assumiram o papel de ilustrações, uma vez que foram incrementadas quanto às cores e à ousadia do traço (SOUZA; MELLO, 2008, P. 196). 1 Charles de Gaulle foi um general, político e estadista francês que liderou as Forças Francesas Livres durante a Segunda Guerra Mundial. 2 Estabelecimento de ensino superior, hoje dividido em duas universidades: Paris III e Paris IV. 30 / 51

31 Denys Riout, professor de história em Sorbonne, diz que há duas teorias que explicam a origem dos grafiteiros pós-modernos, e, segundo Celso Gitahy, Alex Vallauri 3 e outros, uma completa a outra. Primeira: há quem diga que o graffiti surgiu com o Hip Hop, uma cultura de periferia, originária dos guetos americanos que une o Rap (música muito mais falada do que cantada), o Break (dança) e o Graffiti (Arte Plástica do movimento Cultural). Nos Estados Unidos, principalmente nos bairros pobres de Nova York, era comum que os moradores da periferia, impossibilitados de participar de eventos da cidade, que exigiam certo poder aquisitivo, fizessem festas de rua, conhecidas como Bailes Black. No geral, os promotores dessas festas faziam parte de gangues que representavam e defendiam seus bairros. Mais do que defesa, havia muita rivalidade entre uma gangue e outra. Para que seus integrantes pudessem se comunicar, eles escreviam com letras ilegíveis e faziam desenhos quase incompreensíveis nos muros dos guetos, numa espécie de código secreto. Esse código evoluiu para a arte e ganhou o mundo. A outra teoria afirma que o graffiti teria surgido também em Nova York (mais precisamente no bairro do Brooklyn) e de lá se espalhou pelo mundo. Desde o início os artistas, também chamados de writes, costumavam escrever seus próprios nomes ou chamar atenção para problemas do governo ou questões sociais da realidade em que viviam. Tais desenhos eram feitos, em sua maioria, em trens, Ilustração: Edi Bruzaca 3 Pioneiro na arte do graffiti no Brasil / 51

32 porque o verdadeiro interesse do grafiteiro era passar aquela mensagem para o maior número possível de pessoas. Sem os trens, isso talvez não fosse realizado. Outra possibilidade aproveitada pelos grafiteiros para passar as suas mensagens era espalhar as suas ideias em grandes muros da cidade (GITAHY, 1999). As teorias se unificam a partir do momento em que se aceita que os grafiteiros ou escritores dos trens são os mesmos integrantes das gangues dos guetos de Nova York. Não demorou muito para o graffiti, como movimento de rua, se espalhar pelas regiões de Washington e Manhattan. As assinaturas desses novos artistas, a princípio, até por chamarem a atenção de todos, pareceram estranhas para quem as viam. Em 1971, em Nova York, foi publicado um artigo no jornal The New York Times com um dos pichadores, TAKI 183, um pichador que, em suas assinaturas, juntava seu nome e o número da casa onde viveu (TAKI 183), em Washington. De certa maneira, era o primeiro grafiteiro a ser reconhecido, dando forma a um estilo de subcultura urbana. TAKI 183 foi considerado o primeiro rei do graffiti. Com o passar do tempo, essas assinaturas de rua foram ganhando cores, brilhos e formas mais estilizadas (ALMEI- DA, 2001, p. 03). O graffiti atual começou a se desenvolver no final da década de 1970, em Nova York e na Filadélfia, onde artistas como Taki 183, Julio 204, Cat 161 e Cornbread 4 (da Filadélfia) pintavam seus nomes em muros ou nas estações de metrô ao redor de Manhattan. A configuração singular da cidade de Nova York na qual se encontram, lado a lado, as ruas sujas do Harlem e o ambiente glamoroso da Broadway parece ter sido solo fértil para os primeiros grafiteiros, reunindo diferentes culturas e problemas de classe em um único lugar (GANZ, 1999, p. 08). Inicialmente, os artistas grafiteiros muitas vezes usavam seus verdadeiros nomes ou apelidos, porém logo os primeiros pseudônimos começaram a surgir. A profusão de novos artistas exibindo seus nomes por toda a cidade inspirou os grafiteiros a encontrar novas formas de dar destaque a suas obras. As tags se tornaram cada vez maiores, até aparecerem as primeiras pieces (abreviação de masterpiece, obra-prima ) nos trens de Nova York. Muitos artistas buscavam o reconhecimento, quer por pintar com spray o maior número de trens, quer por serem 4 Cornbread ganhou fama ao grafitar com spray a sua tag (assinatura chamativa do grafiteiro) num elefante em pleno zoológico (GANZ, 1999). 32 / 51

Título: Releitura da Arte Moderna através do Graffiti. Alunas: Débora Cozini Silva e Jociara Silva dos Santos. Curso: Artes Visuais.

Título: Releitura da Arte Moderna através do Graffiti. Alunas: Débora Cozini Silva e Jociara Silva dos Santos. Curso: Artes Visuais. Título: Releitura da Arte Moderna através do Graffiti Alunas: Débora Cozini Silva e Jociara Silva dos Santos Curso: Artes Visuais. Disciplina: Prática de Ensino da Arte no Ensino Médio Professora: Gerda

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

ARTE URBANA. Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2014)

ARTE URBANA. Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2014) ARTE URBANA Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2014) Arte em muros - uma das mais antigas formas de expressão. - mesmo sem considerar a arte da pré-história muitos outros povos, em diferentes épocas

Leia mais

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Leila Cristina Leite Ferreira-UFPA RESUMO: Este artigo traz como discussão a captação, a elaboração e a

Leia mais

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO Aluno (a): Série: Nº. Data: / /2012 Professor (a): Rosilene Ardengui 8º Ano Conceito de Arte A arte

Leia mais

Alegre. Câmara Municipal. de Porto PROC. N. 4823/05 P.L.L. N. 229/05 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Alegre. Câmara Municipal. de Porto PROC. N. 4823/05 P.L.L. N. 229/05 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A Dança de Rua surgiu através dos negros das metrópoles Norte Americanas. As primeiras manifestações surgiram na época da grande crise econômica dos EUA, em 1929, quando os músicos

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

Sobre a arte contemporânea, é correto afirmar que

Sobre a arte contemporânea, é correto afirmar que QUESTÃO 01 A arte contemporânea está consolidada no contexto atual das artes, mesmo sendo diversas vezes apontada como esquisita pelo público geral. Essa reação ocorre porque a arte contemporânea a) passou

Leia mais

Um olhar brasileiro sobre uma abordagem etnográfica do grafite português

Um olhar brasileiro sobre uma abordagem etnográfica do grafite português Um olhar brasileiro sobre uma abordagem etnográfica do grafite português Luciano Spinelli Porque Pintamos a Cidade?, indaga Ricardo Campos na capa do livro homônimo recém lançado pela editora Fim de Século,

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação Superintendência da Educação Departamento de Políticas e Programas Educacionais Coordenação Estadual do PDE

Secretaria de Estado da Educação Superintendência da Educação Departamento de Políticas e Programas Educacionais Coordenação Estadual do PDE Secretaria de Estado da Educação Superintendência da Educação Departamento de Políticas e Programas Educacionais Coordenação Estadual do PDE Plano de Trabalho Pedagógico UNIDADE DIDÁTICA DANÇA NA ESCOLA:

Leia mais

4. Palavras-chave: Converse, pop arte, campanha promocional, criatividade.

4. Palavras-chave: Converse, pop arte, campanha promocional, criatividade. 1 1. Portfólio Co.De 2. Autoria: Júlian Luise Toffoli Professor Orientador: Rodrigo Valente e Cátia Schuh Instituição de Ensino Superior: ESPM RS 3. Resumo: Este trabalho faz uma defesa criativa da campanha

Leia mais

SBT Rio, apresenta: PRODUÇÃO COMERCIALIZAÇÃO E REALIZAÇÃO

SBT Rio, apresenta: PRODUÇÃO COMERCIALIZAÇÃO E REALIZAÇÃO SBT Rio, apresenta: E REALIZAÇÃO OBJETIVOS DO PROJETO Promover a arte urbana carioca, e principalmente, recuperar as áreas da cidade degradadas pelas pichações, usando o grafite como instrumento de resgate

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Aptidão Arquitetura e Urbanismo APTIDÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1. INTRODUÇÃO Considerando que o trabalho do arquiteto é na verdade a articulação de inúmeras variáveis que se materializam e se configuram

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria.

Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria. 1 Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria. Quem somos: A Abrasa Associação Brasileiro-Afro-Brasileira para o Desenvolvimento da Dança, Cultura Educação e Arte, é uma Instituição

Leia mais

JUSTIFICATIVA. Excelentíssimo Senhor Vereador César Ribas Moreira MD Presidente da Câmara Municipal de Canoas

JUSTIFICATIVA. Excelentíssimo Senhor Vereador César Ribas Moreira MD Presidente da Câmara Municipal de Canoas Excelentíssimo Senhor Vereador César Ribas Moreira MD Presidente da Câmara Municipal de Canoas Eu, Vereador HUMBERTO DA SILVA ARAÚJO, (Betinho do Cartório), Líder da Bancada do Partido Trabalhista Brasileiro

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA

PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA BANCO DE QUESTÕES - EDUCAÇÃO ARTÍSTICA 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO - PARTE 1 =============================================================================================

Leia mais

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca O tema do folclore pintado pelos alunos passou por uma seleção de imagens escolhidas por eles mesmos, desenhadas anteriormente em classe para depois tais desenhos serem apresentados para a votação. As

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 FÉRIAS DE VERÃO. www.museuberardo.pt/ferias

Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 FÉRIAS DE VERÃO. www.museuberardo.pt/ferias Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 www.museuberardo.pt/ferias 29 junho 3 julho 2 Verão modernista Pinturas cubistas, pinturas abstratas, pinturas surrealistas, pinturas expressionistas, pinturas

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Arte Moderna Expressionismo A busca por expressar os problemas da sociedade da época e os sentimentos e emoções do homem no inicio do século xx Foi uma reação ao impressionismo, já que o movimento preocupou-se

Leia mais

A luta voltou ao muro Ricardo Campos

A luta voltou ao muro Ricardo Campos ENSAIO VISUAL A luta voltou ao muro Ricardo Campos Análise Social, 212, xlix (3.º), 2014 issn online 2182-2999 edição e propriedade Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Av. Professor

Leia mais

Semana do Design 2009. Programação dos workshops 3/11-3ª-feira

Semana do Design 2009. Programação dos workshops 3/11-3ª-feira Semana do Design 2009 Programação dos workshops 3/11-3ª-feira Workshop 1. Tema: Design de personagens e Toy Art Professor: Marcelo Bosqueti Data: 3/11 Local: Oficina de marcenaria Proposta da atividade:

Leia mais

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM Resumo: SALA DE AULA Mariza Barbosa de Oliveira mariza.barbosa.oliveira@gmail.com Escola Municipal Professor Eurico Silva As experiências relatadas

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: Fundamental II 8ª série) DISCIPLINA: Artes PROFESSOR (A): Equipe de Artes TURMA: TURNO: Roteiro e Lista de estudo para recuperação

Leia mais

Escritas Imagens: resultados das práticas de uma pesquisa

Escritas Imagens: resultados das práticas de uma pesquisa Escritas Imagens: resultados das práticas de uma pesquisa Marcela Cristina Bettega 1 (Arte-educadora / SECJ- PR) (...) Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar ou anunciar a novidade.

Leia mais

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner Introdução Histórico Inteligência Múltipla X Educação Avaliação A Pluralidades das Inteligências INTRODUÇÃO A principal idéia

Leia mais

A Ricardo Maia Produções Artísticas apresenta a seguir uma seleção de projetos culturais que têm como tema principal a sustentabilidade.

A Ricardo Maia Produções Artísticas apresenta a seguir uma seleção de projetos culturais que têm como tema principal a sustentabilidade. A Ricardo Maia Produções Artísticas apresenta a seguir uma seleção de projetos culturais que têm como tema principal a sustentabilidade. Considerando o crescente interesse geral de mobilização sobre o

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

PROJETO LITERATUDO JUSTIFICATIVA

PROJETO LITERATUDO JUSTIFICATIVA PROJETO LITERATUDO JUSTIFICATIVA Iniciado em 2010, o LITERATUDO é um projeto de incentivo à leitura desenvolvido pela Secretaria de Educação de Juiz de Fora (SE), por meio do Departamento de Planejamento

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

O duplo no grafite o arquétipo dos gêmeos

O duplo no grafite o arquétipo dos gêmeos VI Congresso latinoamericano de psicologia junguiana A amizade e seus paradoxos 19 a 22 de setembro Costão do Santinho - Florianópolis O duplo no grafite o arquétipo dos gêmeos por Denise Maia 2012 A parede

Leia mais

IDENTIDADE E AUTORRETRATO

IDENTIDADE E AUTORRETRATO IDENTIDADE E AUTORRETRATO Greice Silveira Monica Neves Rodrigues Justificativa O desenho é de grande importância na construção da identidade da criança, colocando-a presente no mundo, criando relações

Leia mais

Curso de capista Cabral Designer Design de interiores

Curso de capista Cabral Designer Design de interiores JOSÉ VIEIRA CABRAL http://cabralverissimo.loja2.com.br cabralverissimo@yahoo.com.br DESCRIÇÃO DO CURSO: 1) O Significado de Design e Designer; 2) Como usar o Microsoft Power Point 2010; 3) Exemplos de

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE PRONASCI GOVERNO FEDERAL

PREFEITURA DO RECIFE PRONASCI GOVERNO FEDERAL SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ PREFEITURA DO RECIFE PRONASCI GOVERNO FEDERAL RELATÓRIO DA OFICINA DE GRAFFITI NOS VIADUTOS DA CIDADE DE RECIFE/PE Períodos: Comunidade: Joana Bezerra

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES Ver nunca é um ato inocente. Ver é sempre um aprendizado. Diante de um quadro, uma foto, uma escultura ou um edifício, nosso corpo e nosso olhar informam a cena, isto é, tomam parte nela e leem cada um

Leia mais

Aula 4 - Design Moderno e Contemporâneo 1920-Atualmente. professor Rafael Hoffmann

Aula 4 - Design Moderno e Contemporâneo 1920-Atualmente. professor Rafael Hoffmann Aula 4 - Design Moderno e Contemporâneo 1920-Atualmente professor Rafael Hoffmann Art Déco (1923-1938) Art Déco - Fim da Primeira Guerra. - Retorno a normalidade. - Tempos de paz e prosperidade. - Celebra

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

A CULTURA DO HIP HOP NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (PIBID-UEL) RESUMO

A CULTURA DO HIP HOP NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (PIBID-UEL) RESUMO A CULTURA DO HIP HOP NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (PIBID-UEL) Márcio Henrique Laperuta João Henrique Ayzava RESUMO O programa institucional de bolsas de iniciação a docência (PIBID-UEL),

Leia mais

UM MINUTO NO MUSEU. Palavras-chave Arabescos; Islã; Arte Islâmica; Museu do Louvre; Arte decorativa.

UM MINUTO NO MUSEU. Palavras-chave Arabescos; Islã; Arte Islâmica; Museu do Louvre; Arte decorativa. UM MINUTO NO MUSEU Resumo O assunto principal do documentário é a Arte Islâmica. No filme, três personagens que parecem ter saído de uma história em quadrinhos visitam o Museu do Louvre. De maneira simples

Leia mais

SOBRE PROJETO OCUPAR URBANO

SOBRE PROJETO OCUPAR URBANO SOBRE PROJETO OCUPAR URBANO SUMÁRIO O QUE É OCUPAR URBANO MISSÃO OBJETIVO PLATAFORMA PRODUTOS SUSTENTÁVEL FORMAS DE PARTICIPAÇÃO REDES SOCIAIS MÍDIAS ELETRÔNICAS LOGOTIPO PROJETO EDITORIAL PROJETO GRAFICO

Leia mais

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) Pão, pão, pão escrito por ilustrado por Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman 2 O encanto e as descobertas que o livro nos

Leia mais

Grafite e o Design Gráfico

Grafite e o Design Gráfico Universidade federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Bacharelado em Design Gráfico Introdução aos estudos de Design Grafite e o Design Gráfico Gabriel Corá, Hugo Ribeiro e Melissa de Britto Goiânia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Roda de conversa 6 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela

Roda de conversa 6 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela A música do Brasil e do mundo Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela Sergio Molina Projeto A Música na Escola, roda de conversa número seis vai discutir

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

O que é a crítica de arte?

O que é a crítica de arte? Sala de Aula O que é a crítica de arte? Use exemplos de artistas que contestaram o que é verdadeiramente arte para explicar o trabalho do crítico à turma por Maria José Spiteri AAA Divulgação Objetivos

Leia mais

DESIGN RENDERING DESIGN

DESIGN RENDERING DESIGN PARA REDERING DESIGN Possui graduação em Comunicação Visual pela Fundação Educacional de Bauru (1982), mestrado em Projeto Arte e Sociedade pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho -

Leia mais

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso TEXTO 1 Leia o texto abaixo e nas alternativas de múltipla escolha, assinale a opção correta. INTERCÂMBIO BOA VIAGEM 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Cursos de intercâmbio são uma

Leia mais

PROVA MULTIDISCIPLINAR I

PROVA MULTIDISCIPLINAR I COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO PROVA MULTIDISCIPLINAR I Matemática, CFB, Filosofia, Arte 1º bimestre de 2014 2ª Chamada 6º ano Ensino Fundamental Aluno: Série: 6º ANO Turma: Data:

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

A arquitetura dos memoriais

A arquitetura dos memoriais PARTE 01: Conteúdo para a prova A arquitetura dos memoriais Você já ouviu falar em memorial ou já visitou um espaço arquitetônico destinado à memória de alguma personalidade, de um povo ou de algum fato

Leia mais

Original Hip Hop Stage

Original Hip Hop Stage Original Hip Hop Stage O QUE É A CULTURA HIP-HOP? O Hip-Hop nasceu na cidade de Nova York no início dos anos 70. Surgiu com o objetivo de promover a Paz, União e Diversão. É uma voz da intervenção e de

Leia mais

Contexto do Dadaísmo

Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá O movimento Dadá ou Dadaísmo foi uma vanguarda moderna iniciada em Zurique, em 1916, no chamado Cabaret Voltaire, por um grupo de escritores e artistas

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Donald Hugh de Barros Kerr Júnior 1 Como pensar em ensino de arte e contemporaneidade, sem perceber as transformações que

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas TURMA 601 Aula 07 Formas Geométricas As figuras geométricas sempre chamaram a atenção dos artistas plásticos. As composições com figuras geométricas é um trabalho de buscar o equilíbrio entre as formas.

Leia mais

Animação Cultural: Darcy Ribeiro e a Escola Nova para os brasileiros mais pobres

Animação Cultural: Darcy Ribeiro e a Escola Nova para os brasileiros mais pobres Relato Animação Cultural: Darcy Ribeiro e a Escola Nova para os brasileiros mais pobres Rudolf Rotchild Costa Cavalcante 1 (animador cultural e sociólogo) flodur72@yahoo.com.br Numa entrevista dada a um

Leia mais

Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série

Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série Aprendizagem é mais do que aquisição ou apreensão da rede de determinados corpos de conhecimentos conceituais, selecionados socialmente como relevantes e organizados

Leia mais

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Renato Dias PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Escrever não é olhar para a superfície, mas para dentro. Não me interessa descrever se o personagem

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Anais do I Seminário PIBID/FPA 2014. FPA. Vol I, nº 1. São Paulo, 2014. 1 A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Uma proposta pedagógica de ensino de artes visuais

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL HAB: JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CHS TEORIA PRÁTICA ANO 340.3451.1 ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE 4ª 04 04 2/2009 OBJETIVOS Desenvolver

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação CULTURA NOS CEUs Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação Resumo São Paulo, março de 2013. Por Ney Piacentini O projeto CULTURA NOS CEUs pretende levar às instalações culturais

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY Os seis passos para a modernidade Chegada da Família Real Portuguesa (1808); Missão Artística Francesa; Academia Imperial

Leia mais

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Eliane A Silva Rodrigues * Desde que a humanidade se afirmou capitalista, conheceu a modernidade e as indústrias se desenvolveram

Leia mais

Conteúdos Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano

Conteúdos Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano Compreendendo as Artes Visuais como área de conhecimento, que busca a formação de um sujeito atuante nos diferentes contextos da sociedade, pretendemos

Leia mais

Leitura de imagens. DEPEJA Setor de Educação de Jovens e Adultos

Leitura de imagens. DEPEJA Setor de Educação de Jovens e Adultos Leitura de imagens DEPEJA Setor de Educação de Jovens e Adultos LEITURA DE IMAGEM 1º. Passo: Identifique Como a obra visual foi feita (composição) Como o artista a produziu 2º. Passo: Contextualize Quem

Leia mais

TRIADES. Transversalidade Design Linguagens

TRIADES. Transversalidade Design Linguagens 2 Transversalidade Design Linguagens Marcos Rizolli ARTISTAS-DESIGNERS DO SÉCULO XX: UM INVENTÁRIO SEMIÓTICO 2 RESUMO O presente estudo apresenta as relações semióticas entre Arte e Design, percebidas

Leia mais

João Marinho Alves. 1º Ano 1º Semestre Nº 20110204

João Marinho Alves. 1º Ano 1º Semestre Nº 20110204 Observação geral: o trabalho que revela algum trabalho de pesquisa, capacidade de observação... Porém: 1) A falta de qualquer análise de aspectos concretos (apesar do que é prometido na Introdução) resulta

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa T om i e O ht ak e Sem t í t ulo, 1992, s er ig r afi a F ot o: Fau st o F leur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam

Leia mais

RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES

RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES EM UMA MESMA IMAGEM Maria da Glória Weissheimer Professora-Tutora Externa Marinilse Netto Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Curso Artes Visuais

Leia mais

Débora Machado. Relação de arquitetura e cidade como uma proposta de ocupação do espaço público, a importância da calçada no contexto urbano

Débora Machado. Relação de arquitetura e cidade como uma proposta de ocupação do espaço público, a importância da calçada no contexto urbano Débora Machado Relação de arquitetura e cidade como uma proposta de ocupação do espaço público, a importância da calçada no contexto urbano Avaliando as questões de transformação da sociedade, o texto

Leia mais

p r o j e t o De 27/09 a 21/10/2010

p r o j e t o De 27/09 a 21/10/2010 p r o j e t o Oficinas de Criação Deneir Lúcia Fidalgo Domi Junior Marco Antonio Cândido De 27/09 a 21/10/2010 Escola Municipal Dr. Deoclécio Dias Machado Filho, rua Carlos Frahia, 101, Cosmorama, - RJ

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

Comunicação A ARTE DE MÃOS DADAS COM A EDUCAÇÃO. Palavras-chave: Museus/Imagens, Interdisciplinaridade, Internet

Comunicação A ARTE DE MÃOS DADAS COM A EDUCAÇÃO. Palavras-chave: Museus/Imagens, Interdisciplinaridade, Internet Comunicação A ARTE DE MÃOS DADAS COM A EDUCAÇÃO BOLDRINI, Nanci Martinelli 1 Palavras-chave: Museus/Imagens, Interdisciplinaridade, Internet INTRODUÇÃO A Arte vem se mostrando forte aliada aos educadores

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais