EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ"

Transcrição

1 GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ Disciplina i LPV 504 PLANTAS ESTIMULANTES ANA DIONISIA L. COELHO NOVEMBRE

2 EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ COTILEDONES EIXO EMBRIÃO Novembre, 2003 FRUTO DE CAFÉ Novembre, 2003

3 Endosperma Embrião SEMENTE DE CAFÉ Novembre, 2008

4 a Novembre, 2008 Sementes de café com endocarpo (pergaminho) (a) e sem (b) b Novembre, 2008

5 INTRODUÇÃO CONCEITOS DE GERMINAÇÃO Botânico: emissão da raiz primária Tecnologia de Sementes: formação da plântula

6 INTRODUÇÃO CONCEITO DE GERMINAÇÃO GERMINAÇÃO Semente de café Plântula Novembre, 2008 de café

7 INTRODUÇÃO Germinação: é o processo em que há o desenvolvimento das estruturas essenciais do embrião da semente, originando a plântula. Desenvolvimento: é o aumento do número ou do tamanho das células, com a formação e a diferenciação dos tecidos (crescimento e diferenciação).

8 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO INTRÍNSECOS LONGEVIDADE: depende do genótipo, é período de vida da semente o Sementes de café são classificadas como de vida curta (4 a 6 meses) Limitação para a manutenção do germoplasma e para a produção de mudas

9 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO NTRÍNSECOS VIABILIDADE: depende da associação do genótipo com os fatores de produção Planta-mãe: genótipo e características gerais Ambiente durante a formação da semente Fatores pós colheita: ambiente período e Fatores pós-colheita: ambiente, período e demais condições de armazenamento.

10 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO EXTERNOS ÁGUA TEMPERATURA OXIGÊNIO LUZ

11 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO EXTERNOS - ÁGUA A VELOCIDADE DE ABSORÇÃO DE ÁGUA DEPENDE: DISPONIBILIDADE DE ÁGUA ÁREA Á DE CONTATO TEMPERATURA COMPOSIÇÃO DA SEMENTE

12 SOJA ALGODÃO AVEIA MAMONA MAMONA AVEIA ALGODÃO SOJA Velocidade de absorção de água por quatro espécies (Burch e Velocidade de absorção de água por quatro espécies (Burch e Delouche, 1959)

13 TEOR DE ÁGUA (%) AVEIA EMBRIÃO ENDOSPERMA TEGUMENTO CASCA ENDOSPERMA EMBRIÃO Absorção de água pelos tecidos da semente de aveia (Burch e Absorção de água pelos tecidos da semente de aveia (Burch e Delouche, 1959)

14 Hidratação de sementes de café por 0, 4, 8 e 12 dias a 15, 25, 35 C (Adaptado d de Lima et al., 2004) Dias de hidratação Temperatura C 11, C 11, C 11,

15 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO EXTERNOS - TEMPERATURA PROCESSOS BIOLÓGICOS DEPENDEM DA TEMPERATURA TEMPERATURAS MÍNIMA ÓTIMA MÁXIMA

16 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO EXTERNOS - TEMPERATURA 25 C TEMPERATURA IDEAL PARA A GERMINAÇÃO DAS SEMENTES DE CAFÉ 35 C OU MAIS, HÁ AUMENTO DA VELOCIDADE DE GERMINAÇÃO, MAS REDUZ A SOBREVIVÊNCIA DAS PLÂNTULAS 15 C OU MENOS, HÁ REDUÇÃO DA VELOCIDADE DE, Ç GERMINAÇÃO E DA SOBREVIVÊNCIA DAS PLÂNTULAS

17 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO EXTERNOS - OXIGÊNIO (%) Germ minação Tempo (dias) Di ibilid d d i ê i i ã d t d t t 1 (3%) Disponibilidade de oxigênio para germinação de sementes de tomate: 1 (3%); 2 (5%); 3 (10%); 4 (15%) e 5 (21%) a 25 C (Corbineau e Come, 1995) 1

18 ETAPAS DA GERMINAÇÃO Hidratação dos tecidos Aumento da respiração Formação de enzimas Digestão enzimáticas das reservas Mobilização e transporte dos compostos Assimilação metabólica Crescimento e diferenciação dos tecidos (Adapatdo de Popinigis, 1976)

19 FASES TEOR DE AGU UA (%) Emissão raiz TEMPO HIDRATAÇÃO FASES DA GERMINAÇÃO EM FUNÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA PELAS SEMENTES. (Bewley & Black, 1994).

20 FASE I - EMBEBIÇÃO FASES DA GERMINAÇÃO POTENCIAL MATRICIAL SEMENTES VIVAS E MORTAS TEORES DE ÁGUA: 25% a 40% (sementes de café) ABSORÇÃO DE O 2 - RESPIRAÇÃO PREDOMINA DEGRADAÇÃO RESERVAS EMBEBIÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ, 3 DIAS (Silva, 2002)

21 FASE II LONGA FASES DA GERMINAÇÃO TEOR DE ÁGUA: 25% a 40% (sementes de café) PREDOMINA TRANSPORTE DE COMPOSTOS FASE III TEOR O DE ÁGUA: 35% a 60% %(sementes de café) AUMENTO RESPIRAÇÃO E ABSORÇÃO DE ÁGUA CRESCIMENTO VISÍVEL DO EIXO EMBRIÃO PLÂNTULA

22 Hidratação de sementes de café por 0, 4, 8 e 12 dias a 15, 25, 35 C (Adaptado d de Lima et al., 2004) Dias de hidratação Temperatura C 11, C 11, C 11,

23 FASES DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ FASE I 3 DIAS FASE II 3 AOS 6 AOS 9 DIAS FASE III 9 DIAS EMISSÃO RAIZ

24 F i i i i d i ã d t d fé Fases iniciais da germinação de sementes de café (Eira et al., 2006)

25 Tipo de germinação: epígea Endosperma Raiz primária PLÂNTULA DE CAFÉ Novembre, 2008

26 Folhas cotiledonares PLÂNTULA DE CAFÉ Raiz primária Novembre, 2008

27 Sementes e plântulas de café Novembre, 2008

GERMINAÇÃO DE SEMENTES

GERMINAÇÃO DE SEMENTES GERMINAÇÃO DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. DE PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ ESTUDO DA GERMINAÇÃO FISIOLOGIA VEGETAL ESTUDOS BÁSICOS E MAIS APROFUNDADOS, INDEPEN- DENTES DA IMPORTÂNCIA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery Formação da Semente Fonte: Daniel de Granville www.ib.usp.br/beelife www.passionflow.couk/images/nitseed DAG 503 - Fisiologia de Sementes 1 Formação

Leia mais

PRODUÇÃO DE SEMENTES Ai de ti, se por tua causa semente morrer semente.

PRODUÇÃO DE SEMENTES Ai de ti, se por tua causa semente morrer semente. PRODUÇÃO DE SEMENTES Ai de ti, se por tua causa semente morrer semente. Eng. Agr. Clélia Maria Mardegan O QUE VAMOS ESTUDAR SOBRE SEMENTES Conceitos iniciais. Um pouco de estória. Importância das sementes.

Leia mais

Teste de raios X: princípio e interpretação

Teste de raios X: princípio e interpretação Teste de raios X: princípio e interpretação Aula 2 LPV 5731 - ANÁLISE DE IMAGENS DE SEMENTES E PLÂNTULAS Programa de pós-graduação em Fitotecnia Francisco G Gomes-Junior Escola Superior de Agricultura

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES

GERMINAÇÃO DE SEMENTES GERMINAÇÃO DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ ESTUDO DA GERMINAÇÃO FISIOLOGIA VEGETAL ESTUDOS BÁSICOS E MAIS APROFUNDADOS, INDEPEN- DENTES DA IMPORTÂNCIA

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática Deterioração e vigor Profª Marcela Carlota Nery Deterioração Processo progressivo e irreversível Respiração Alterações na atividade enzimática Alterações no tegumento das sementes Alterações nas taxas

Leia mais

SEMENTE, GERMINAÇÃO E PLÂNTULAS

SEMENTE, GERMINAÇÃO E PLÂNTULAS BIB140 Forma & Função em Plantas SEMENTE, GERMINAÇÃO E PLÂNTULAS Atividade 1 Experimento sobre pressão de embebição Faça essa atividade ao início da aula prática. Só então comece a observação morfológica.

Leia mais

Tipos de propagação de plantas. Propagação de plantas. Propagação sexuada ou seminífera. Agricultura geral. Vantagens da propagação sexuada

Tipos de propagação de plantas. Propagação de plantas. Propagação sexuada ou seminífera. Agricultura geral. Vantagens da propagação sexuada Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

Embebição. Síntese de RNA e proteínas. enzimática e de organelas. Atividades celulares fundamentais que ocorrem na germinação. Crescimento da plântula

Embebição. Síntese de RNA e proteínas. enzimática e de organelas. Atividades celulares fundamentais que ocorrem na germinação. Crescimento da plântula Embebição Respiração Atividade enzimática e de organelas Síntese de RNA e proteínas Atividades celulares fundamentais que ocorrem na germinação Crescimento da plântula Manifestações metabólicas ou bioquímicas

Leia mais

PRÉ-CONDICIONAMENTO PARA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DA CULTIVAR BRS ENERGIA

PRÉ-CONDICIONAMENTO PARA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DA CULTIVAR BRS ENERGIA PRÉ-CONDICIONAMENTO PARA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DA CULTIVAR BRS ENERGIA Maria do Socorro Rocha 1,2, Maria Isaura P. de Oliveira 2, Napoleão Esberard de M. Beltrão 2, Julita Maria F.C. Carvalho

Leia mais

CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ

CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ Definição x Conceito A palavra CONCEITO tem vários significados

Leia mais

Aula Multimídia. Prof. David Silveira

Aula Multimídia. Prof. David Silveira Aula Multimídia Prof. David Silveira BOTÂNICA HISTOLOGIA VEGETAL 1) GERMINAÇÃO: Partes da semente: - TEGUMENTO (casca) proteção. - ENDOSPERMA (álbume/3n) reserva nutritiva. - EMBRIÃO Cotilédone (folhas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. DE PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ Qualidade de sementes: conjunto de características que determinam

Leia mais

Atividade B. Plano de aula. Explorando o comportamento. das sementes em água. 1. Propósitos/ Finalidades da Atividade. 2. Aprendizagens esperadas

Atividade B. Plano de aula. Explorando o comportamento. das sementes em água. 1. Propósitos/ Finalidades da Atividade. 2. Aprendizagens esperadas Plano de aula Actividade B: Explorando o comportamento das sementes na água. 1. Propósitos/ Finalidades da Atividade Constatar o comportamento evolutivo no tempo de sementes diversas quando colocadas em

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES

GERMINAÇÃO DE SEMENTES GERMINAÇÃO DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ ESTUDO DA GERMINAÇÃO FISIOLOGIA VEGETAL ESTUDOS BÁSICOS E MAIS APROFUNDADOS, INDEPEN- DENTES DA IMPORTÂNCIA

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Produção e Tecnologia de Sementes Código da Disciplina: AGR 271 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 6 Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência

Leia mais

DORMÊNCIA DE SEMENTES

DORMÊNCIA DE SEMENTES DORMÊNCIA DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. DE PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ ESTUDO DA GERMINAÇÃO FISIOLOGIA VEGETAL ESTUDOS BÁSICOS E MAIS APROFUNDADOS, INDEPEN- DENTES DA IMPORTÂNCIA

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes:

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes: LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Planejamento Estrutura disponível

Leia mais

DESENVOLVIMENTO OU MATURAÇÃO

DESENVOLVIMENTO OU MATURAÇÃO DESENVOLVIMENTO (MATURAÇÃO) DE SEMENTES Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ DESENVOLVIMENTO OU MATURAÇÃO Início indução do florescimento e diferenciação Desenvolvimento

Leia mais

RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES

RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES IMPORTÂNCIA E FUNÇÕES DA ÁGUA Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ PRESENTE EM TODOS OS PROCESSOS DINÂMICOS DA CÉLULA VIVA IMPORTÂNCIA E FUNÇÕES

Leia mais

26/6/2012. Em muitos casos, uma semente viável poderá não germinar mesmo que as condições ambientais sejam adequadas.

26/6/2012. Em muitos casos, uma semente viável poderá não germinar mesmo que as condições ambientais sejam adequadas. UNIDADE XIII DORMÊNCIA E GERMINAÇÃO 1. Introdução 2. Estrutura de sementes, plântulas e órgãos dormentes 2.1. Sementes e plântulas 2.2. Gemas 2.3. Rizomas, tubérculos, bulbos, bulbos sólidos, raízes modificadas

Leia mais

ORGANOLOGIA VEGETAL VEGETATIVOS: Raízes, caules e folhas. REPRODUTIVOS: Flores, sementes e frutos.

ORGANOLOGIA VEGETAL VEGETATIVOS: Raízes, caules e folhas. REPRODUTIVOS: Flores, sementes e frutos. ORGANOLOGIA VEGETAL VEGETATIVOS: Raízes, caules e folhas. REPRODUTIVOS: Flores, sementes e frutos. 1) RAIZ: órgão vegetativo, normalmente subterrâneo e aclorofilado, que faz parte do eixo da planta. Exerce

Leia mais

Técnicas de análise de imagens para avaliação da qualidade de sementes

Técnicas de análise de imagens para avaliação da qualidade de sementes Técnicas de análise de imagens para avaliação da qualidade de sementes Aula 2 LPV 5731 - ANÁLISE DE IMAGENS DE SEMENTES E PLÂNTULAS Programa de pós-graduação em Fitotecnia Francisco G Gomes-Junior Escola

Leia mais

PRODUÇÃO DE SEMENTES Ai de ti, se por tua causa semente morrer semente.

PRODUÇÃO DE SEMENTES Ai de ti, se por tua causa semente morrer semente. PRODUÇÃO DE SEMENTES Ai de ti, se por tua causa semente morrer semente. Eng. Agr. Clélia Maria Mardegan O QUE VAMOS ESTUDAR SOBRE SEMENTES Conceitos iniciais. Um pouco de estória. Importância das sementes.

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Estrutura disponível Planejamento

Leia mais

SEMENTE. CONSTITUIÇÃO DA SEMENTE Tegumento ou casca: protege a semente. Testa (camada mais externa) Tégmen ou tegma (camada mais interna) SEMENTE

SEMENTE. CONSTITUIÇÃO DA SEMENTE Tegumento ou casca: protege a semente. Testa (camada mais externa) Tégmen ou tegma (camada mais interna) SEMENTE SEMENTE MORFOLOGIA E ANATOMIA DA SEMENTE Anna Frida Hatsue Modro É o óvulo desenvolvido após a fecundação, contendo o embrião, com ou sem reservas nutritivas, protegido pelo tegumento Origem: Tem origem

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENZIMAS INDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL

PRODUÇÃO DE ENZIMAS INDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL 1 PRODUÇÃO DE ENZIMAS INDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL PAPAÍNA enzima constituinte do látex do fruto verde de mamão (Carica papaya) Látex bruto seco em pó papaína. Papaína não pode ser armazenada por longos

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB Sandra Maria de Figueiredo 1, Fernanda Fernandes de Melo

Leia mais

Fisiologia Vegetal RESPIRAÇÃO. Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa. Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA)

Fisiologia Vegetal RESPIRAÇÃO. Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa. Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) Fisiologia Vegetal Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa RESPIRAÇÃO Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) I- INTRODUÇÃO Plantas: Transformam energia luminosa em energia

Leia mais

INFLUÊNCIA DA LUZ NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES MORFOFISIOLOGIA DE SEMENTES

INFLUÊNCIA DA LUZ NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES MORFOFISIOLOGIA DE SEMENTES UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA INFLUÊNCIA DA LUZ NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES P R O F. D R. R O B E R T O C E Z A R L O B O DA C O S TA O QUE É GERMINAÇÃO? BOTÂNICOS A germinação é um fenômeno biológico

Leia mais

GIMNOSPERMAS. Relações filogenéticas BOTÂNICA. Prof. Gassem 02/04/2012. Embriófitas. Traqueófitas (plantas vasculares)

GIMNOSPERMAS. Relações filogenéticas BOTÂNICA. Prof. Gassem 02/04/2012. Embriófitas. Traqueófitas (plantas vasculares) BOTÂNICA GIMNOSPERMAS Prof. Gassem Relações filogenéticas Embriófitas Traqueófitas (plantas vasculares) Espermatófitas (plantas que produzem sementes Algas verdes (grupo externo) Briófitas Pteridófitas

Leia mais

Composição Química das Células: Água

Composição Química das Células: Água A Química da Vida Composição Química das Células: Água As substâncias que constituem os corpos dos seres vivos possuem em sua constituição cerca de 75/85% de água. Ou seja, cerca de 80% do corpo de um

Leia mais

CONDICIONAMENTO DE SEMENTES

CONDICIONAMENTO DE SEMENTES CONDICIONAMENTO DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ TECNOLOGIA DE SEMENTES Principal Missão da Pesquisa: desenvolvimento de tecnologia dirigida à produção

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO N 59 ISSN OUTUBRO/98

BOLETIM TÉCNICO N 59 ISSN OUTUBRO/98 BOLETIM TÉCNICO N 59 ISSN 0100-3054 OUTUBRO/98 Maria Cristina Leme de Lima Dias 1 Walter Rodrigues da Silva 2 1 Eng a. Agr a., Pesquisadora da Área de Propagação Vegetal, IAPAR. Caixa Postal 481. 86001-970

Leia mais

17/10/2014 MOLECULAR DOS VEGETAIS. Introdução QUÍMICA DA VIDA. Quais são os elementos químicos encontrados nos Seres Vivos? Elementos Essenciais

17/10/2014 MOLECULAR DOS VEGETAIS. Introdução QUÍMICA DA VIDA. Quais são os elementos químicos encontrados nos Seres Vivos? Elementos Essenciais UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE EDUCAÇÃO E SAÚDE CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA QUÍMICA DA VIDA Introdução COMPOSIÇÃO MOLECULAR DOS VEGETAIS Quais são os elementos químicos encontrados

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TRATAMENTOS PARA SUPERAÇÃO DE DORMÊNCIA EM SEMENTES DE PINHÃO MANSO (JATROPHA CURCAS L.)

AVALIAÇÃO DE TRATAMENTOS PARA SUPERAÇÃO DE DORMÊNCIA EM SEMENTES DE PINHÃO MANSO (JATROPHA CURCAS L.) AVALIAÇÃO DE TRATAMENTOS PARA SUPERAÇÃO DE DORMÊNCIA EM SEMENTES DE PINHÃO MANSO (JATROPHA CURCAS L.) Ana Paula Bento Barros, ICB/UIT, anabentobarros@hotmail.com Alex Nogueira Brasil, FAEN/UIT, brasil@uit.br

Leia mais

Enxofre Nutrição Mineral de Plantas ENXOFRE. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola

Enxofre Nutrição Mineral de Plantas ENXOFRE. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola ENXOFRE Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DOS PRINCIPAIS COMPONENTES E PROCESSOS DO CICLO DO ENXOFRE. Enxofre S -fontes Matéria

Leia mais

AGRICULTURA I Téc. Agronegócios

AGRICULTURA I Téc. Agronegócios AGRICULTURA I Téc. Agronegócios CULTURA DO MILHO IFSC CÂMPUS LAGES FENOLOGIA DO MILHO INTRODUÇÃO: Ciclo vegetativo variado Evidencia cultivares desde extremamente precoces, cuja polinização pode ocorrer

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ SUBMETIDAS A DIFERENTES TEMPOS DE HIDRATAÇÃO EM ÁGUA

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ SUBMETIDAS A DIFERENTES TEMPOS DE HIDRATAÇÃO EM ÁGUA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ SUBMETIDAS A DIFERENTES TEMPOS DE HIDRATAÇÃO EM ÁGUA João Paulo MARANA 1 E mail: joaopaulomarana@yahoo.com.br, Édison MIGLIORANZA 2 emiglior@uel.br 1 Aluno de Mestrado em

Leia mais

Caracterização da Curva de Embebição e Matéria Seca de Sementes de Amendoim. (Arachis hypogaea L.)

Caracterização da Curva de Embebição e Matéria Seca de Sementes de Amendoim. (Arachis hypogaea L.) Caracterização da Curva de Embebição e Matéria Seca de Sementes de Amendoim. (Arachis hypogaea L.) Thiago Medeiros Machado Oliveira 1, Hildeu Ferreira da Assunção 2, Laíze Aparecida Ferreira Vilela 3,

Leia mais

Angiospermas. Da polinização a germinação de um novo esporófito

Angiospermas. Da polinização a germinação de um novo esporófito Angiospermas Da polinização a germinação de um novo esporófito Introdução Na ultima aula evidenciamos os mecanismos de divisão celular que resultaram no desenvolvimento de um microsporocitos e um megaesporocito,

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Botânica (Reino Plantae ou Metaphyta) 1. Características Gerais Grupo monofilético; Eucariotos; Fotossintizantes; Substância de reserva; Parede celular. 2.

Leia mais

Relações Hídricas na estrutura vegetal FISIOLOGIA VEGETAL. Fenômenos relacionados com a água: Propriedades da água. Alto calor específico

Relações Hídricas na estrutura vegetal FISIOLOGIA VEGETAL. Fenômenos relacionados com a água: Propriedades da água. Alto calor específico Relações Hídricas na estrutura vegetal FISIOLOGIA VEGETAL Fenômenos relacionados com a água: Transpiração Absorção e transporte de água Transporte de açúcares Nutrição mineral Pigmentos Crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Apresentação Perdas pós-colheita Noções

Leia mais

Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI)

Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI) Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI) Visão termodinâmica Alfred J. Lotka trabalhou populações e comunidades em sistemas termodinâmicos. Cada sistema apresenta um conjunto de transformações e

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA (RESERVAS ARMAZENADAS) DE SEMENTES

COMPOSIÇÃO QUÍMICA (RESERVAS ARMAZENADAS) DE SEMENTES COMPOSIÇÃO QUÍMICA (RESERVAS ARMAZENADAS) DE SEMENTES Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ Semente x Planta: Variação quantitativa e qualitativa Importância: Uso

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTRUTURAS DE MADEIRA CLASSIFICAÇÃO DA MADEIRA AULA 2 EDER BRITO Classificação das árvores Pela Botânica as árvores são classificadas como vegetais superiores, denominados de fanerógamas, que apresentam

Leia mais

MÁQUINAS PARA PROCESSAMENTO DE CEREAIS

MÁQUINAS PARA PROCESSAMENTO DE CEREAIS MÁQUINAS PARA PROCESSAMENTO DE CEREAIS Prof. Walter Fr. Molina Jr ESALQ/USP www.ler.esalq.usp.br/molina.htm OBJETIVO Esclarecer e orientar sobre a necessidade de beneficiamento de grãos após a colheita

Leia mais

Reprodução nas plantas. Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira

Reprodução nas plantas. Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira Reprodução nas plantas Apresentação feita por Como se reproduzem as plantas com flor? As plantas com flor reproduzem-se por sementes, que resultam da reprodução sexuada, que ocorre quando as células sexuais

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) SOBRE O VIGOR DE SEMENTES DE SOJA [Glycine Max (L.) MERRILL] ARMAZENADAS SOB 31ºC

AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) SOBRE O VIGOR DE SEMENTES DE SOJA [Glycine Max (L.) MERRILL] ARMAZENADAS SOB 31ºC AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) SOBRE O VIGOR DE SEMENTES DE SOJA [Glycine Max (L.) MERRILL] ARMAZENADAS SOB 31ºC RESUMO Deyvid Rocha Brito 1 ; Raimundo Wagner de Souza Aguiar 2 ; Marcio

Leia mais

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL AGRICULTURA NA ECONOMIA BRASILEIRA REPRESENTA 28% PIB EMPREGA 37% DOS TRABALHADORES GERA 44% DAS EXPORTAÇÕES PRINCIPAIS CULTURAS BRASILEIRAS: SOJA, MILHO, ALGODÃO,

Leia mais

Unidade mestra de biologia com sensor e software para seis grupos

Unidade mestra de biologia com sensor e software para seis grupos Centro Industrial de Equipamentos de Ensino e Pesquisa LTDA. Unidade mestra de biologia com sensor e software para seis grupos EQ303 Função Destinado ao estudo da Biologia Geral: Histologia e Ciência Humana,

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Fisiologia Vegetal 1. Conceito: Ramo da botânica destinado a estudar as funções vitais das plantas. Absorção; Transpiração; Condução; Fotossíntese; Fotoperíodos;

Leia mais

ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE MUZAMBINHO Curso Superior em Tecnologia da Cafeicultura MARIA BERNADETE DA SILVA BRASIL

ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE MUZAMBINHO Curso Superior em Tecnologia da Cafeicultura MARIA BERNADETE DA SILVA BRASIL ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE MUZAMBINHO Curso Superior em Tecnologia da Cafeicultura MARIA BERNADETE DA SILVA BRASIL Efeito do Ácido Giberélico (GA 3 ) na aceleração do processo germinativo de sementes

Leia mais

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a):

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA: Biologia SÉRIE: 2 ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) O coqueiro (Cocos nucifera) é uma monocotiledônea de grande porte. Suas flores,

Leia mais

Escola do 2º Ciclo do Ensino Básico - Cód Benedita Ciências Naturais - 6ºANO Ficha informativa Nº

Escola do 2º Ciclo do Ensino Básico - Cód Benedita Ciências Naturais - 6ºANO Ficha informativa Nº ************************************************************************************************ Escola do 2º Ciclo do Ensino Básico - Cód. 310 130 - Benedita Ciências Naturais - 6ºANO Ficha informativa

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO.

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. Andréa dos Santos Oliveira, Renata Silva-Mann, Michelle da Fonseca Santos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE TOMATE ATRAVÉS DO TESTE DE TETRAZÓLIO

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE TOMATE ATRAVÉS DO TESTE DE TETRAZÓLIO AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE TOMATE ATRAVÉS DO TESTE DE TETRAZÓLIO MAGALI APARECIDA DE OLIVEIRA SANTOS Dissertação apresentada à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade

Leia mais

AGRICULTURA I Téc. Agroecologia

AGRICULTURA I Téc. Agroecologia AGRICULTURA I Téc. Agroecologia CULTURA DO MILHO IFSC CÂMPUS LAGES FENOLOGIA DO MILHO Etapas de desenvolvimento: 1.Germinação e emergência: Semeadura até o efetivo aparecimento da plântula, Duração pode

Leia mais

O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar.

O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar. SEMEADORAS 1 O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar. O órgão da planta utilizado para sua propagação pode ser: semente, tubérculo,

Leia mais

BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS

BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS A pastagem vista como um ecossistema Crescimento de uma gramínea Crescimento de uma leguminosa Do que as plantas precisam para crescer? Fotossíntese Quanto

Leia mais

BIOLOGIA Professores: Eduardo, Fabio, Julio

BIOLOGIA Professores: Eduardo, Fabio, Julio BIOLOGIA Professores: Eduardo, Fabio, Julio Comentário Geral A prova de biologia da UFPR 2015/2016 se mostrou sem maiores dificuldades referentes a conteúdo para nossos alunos! Foi uma prova abrangente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA (UFRA) COORDENADORIA DO CURSO DE AGRONOMIA ANO DA ÚLTIMA REVISÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA (UFRA) COORDENADORIA DO CURSO DE AGRONOMIA ANO DA ÚLTIMA REVISÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA (UFRA) COORDENADORIA DO CURSO DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS (ICA) CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CÓDIGO ANO DA ÚLTIMA REVISÃO

Leia mais

Germinação de sementes de Inga vera com diferentes graus de umidade

Germinação de sementes de Inga vera com diferentes graus de umidade SEMENTES Longevida: INTRODUÇÃO Período em que asemente permanece viva, quando conservada sob as condições ambientais mais favoráveis para a espécie e cultivar (Barton, 1961) Evolução do conhecimento tolerância

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS FRUTOS DE MAMONA DURANTE A SECAGEM

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS FRUTOS DE MAMONA DURANTE A SECAGEM PROPRIEDADES FÍSICAS DOS FRUTOS DE MAMONA DURANTE A SECAGEM André Luís Duarte Goneli 1, Paulo César Corrêa 1, Osvaldo Resende 2, Fernando Mendes Botelho 1 1 Universidade Federal de Viçosa, andregoneli@vicosa.ufv.br,

Leia mais

DOENÇA. Fenômeno de natureza complexa, que não tem definição precisa, mas que possui características básicas, essenciais

DOENÇA. Fenômeno de natureza complexa, que não tem definição precisa, mas que possui características básicas, essenciais Conceitos Básicos O que é DOENÇA? Limite entre normal/sadio - anormal/doente doença x injúria física ou química doença x praga (afetam o desenvolvimento) Fatores ambientais - causas de doença DOENÇA Fenômeno

Leia mais

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos.

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 1) Introdução A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 2) Elementos químicos da matéria viva Existem 96 elementos químicos que ocorrem

Leia mais

BIOLOGIA. Questões de 01 a 06. Fator II

BIOLOGIA. Questões de 01 a 06. Fator II Grupo 2 TIPO B BIO Pág.1 1 BIOLOGIA Questões de 01 a 06 01. Os gráficos a seguir representam a variação da taxa de fotossíntese de uma planta em função dos fatores ambientais I, II e III. Taxa de Fotossíntese

Leia mais

Y X. germinação. Pe ercentagem. Deterioração

Y X. germinação. Pe ercentagem. Deterioração INTRODUÇÃO Qualidade de sementes: conjunto de características que determinam o valor para a semeadura ou o potencial de desempenho de um lote de sementes JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO.

Leia mais

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho ANGIOSPERMAS Angeion: urna; Sperma: semente Também são denominadas por antófitas (anthos = flor), espermáfitas, traqueófitas e fanerógamas É o grupo mais numeroso de todos os vegetais, com cerca de 90%

Leia mais

A Adubação Foliar em culturas hortícolas

A Adubação Foliar em culturas hortícolas Bombarral 23 /JAN /2008 A Adubação Foliar em culturas hortícolas A saúde das plantas, a qualidade alimentar e a qualidade ambiental Maria da Conceição Jacob DGADR Da qualidade dos alimentos, em particular

Leia mais

RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES

RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ Relações água / sementes reúnem, basicamente, atividades dirigidas à garantia da continuidade da espécie

Leia mais

01/05/2012. Gimnospermas: Sementes não protegidas pinheiros, sequóias, araucárias

01/05/2012. Gimnospermas: Sementes não protegidas pinheiros, sequóias, araucárias UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE ALIMENTOS MATÉRIAS PRIMAS ALIMENTÍCIAS TEC 321 Matérias primas de origem vegetal Grãos PROFª TAÍS S. DE OLIVEIRA BRANDÃO

Leia mais

INFLUÊNCIA DA QUANTIDADE DE ÁGUA NO SUBSTRATO SOBRE A GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE AMENDOIM

INFLUÊNCIA DA QUANTIDADE DE ÁGUA NO SUBSTRATO SOBRE A GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE AMENDOIM INFLUÊNCIA DA QUANTIDADE DE ÁGUA NO SUBSTRATO SOBRE A GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE AMENDOIM María Aparecida de Souza Tanaka 1, Maria Inês Arruda Mariano 2 e Noemi Viana Martins Leão 3 Revista Brasileira de

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1)

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1) TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA Milena Fontenele dos Santos (1) 1 Aluna de graduação do curso de Agronomia do Centro Universitário de Patos de Minas

Leia mais

A CÉLULA EUCARIÓTICA

A CÉLULA EUCARIÓTICA A CÉLULA EUCARIÓTICA ... A célula é a unidade básica, estrutural e funcional de todos os seres vivos... A maioria das células têm um tamanho de 10 a 100 micrómetros e formas variadas De acordo com a estrutura

Leia mais

Biologia 3ª série 1º período

Biologia 3ª série 1º período Biologia 3ª série 1º período (Genética e Citoquímica) 1. Analise as opções a seguir e marque aquela que melhor define um organismo homozigoto. a) Organismos homozigotos são aqueles que apresentam um alelo

Leia mais

Magnésio Nutrição Mineral de Plantas MAGNÉSIO. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola

Magnésio Nutrição Mineral de Plantas MAGNÉSIO. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola MAGNÉSIO Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br COMPOSIÇÃO QUÍMICA MÉDIA DA CROSTA TERRESTRE NA PROFUNDIDADE DE 0 16 KM (MENEGEL & KIRKBY, 1987) Mg no solo

Leia mais

MÉTODO DE PREPARO DAS SEMENTES DE MAMONEIRA (Ricinus communis L.) PARA O TESTE DE TETRAZÓLIO 1

MÉTODO DE PREPARO DAS SEMENTES DE MAMONEIRA (Ricinus communis L.) PARA O TESTE DE TETRAZÓLIO 1 160 MÉTODO DE PREPARO DAS SEMENTES DE MAMONEIRA (Ricinus communis L.) PARA O TESTE DE TETRAZÓLIO 1 CAROLINA MARIA GASPAR-OLIVEIRA 2 ; CIBELE CHALITA MARTINS 3 ; JOÃO NAKAGAWA 4 RESUMO - O teste de tetrazólio

Leia mais

Emergência da plântula e germinação de semente de mamona plantada em diferentes posições

Emergência da plântula e germinação de semente de mamona plantada em diferentes posições REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 5- Número 1-1º Semestre 2004 Emergência da plântula e germinação de semente de mamona plantada em diferentes posições Liv Soares Severino 1,

Leia mais

Área: Engenharia de Alimentos AVALIAÇÃO DE GERMINAÇÃO PRÉ COLHEITA EM TRIGO

Área: Engenharia de Alimentos AVALIAÇÃO DE GERMINAÇÃO PRÉ COLHEITA EM TRIGO p. 1/6 Área: Engenharia de Alimentos AVALIAÇÃO DE GERMINAÇÃO PRÉ COLHEITA EM TRIGO Giordana Demaman Arend*, Eliana Maria Guarienti, Luiz Carlos Gutkoski Laboratório de Qualidade de grão, EMBRAPA Trigo,

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Ciências 7 o ano Unidade 2 5 Unidade 2 Nome: Data: 1. As cores das flores e o período do dia em que elas abrem são duas adaptações importantes das plantas e que facilitam a sua

Leia mais

DESPOLPAMENTO E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE AÇAÍ E JUSSARA

DESPOLPAMENTO E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE AÇAÍ E JUSSARA DESPOLPAMENTO E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE AÇAÍ E JUSSARA Profa. Dra. Cibele Chalita Martins Produção e Tecnologia de Sementes Departamento de Produção Vegetal - Prédio Fitotecnia FCAV - UNESP Jaboticabal

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 10 TRANSPORTES PASSIVOS PELA MEMBRANA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 10 TRANSPORTES PASSIVOS PELA MEMBRANA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 10 TRANSPORTES PASSIVOS PELA MEMBRANA Permeabilidade Saturação [S] Como pode cair no enem? (ENEM) A lavoura arrozeira na planície costeira da região sul do Brasil comumente

Leia mais

Utilização dos materiais que chegam às células

Utilização dos materiais que chegam às células Utilização dos materiais que chegam às células Metabolismo celular Conjunto de reacções químicas que ocorrem numa célula. É através do metabolismo que é feita a gestão de recursos materiais e energéticos

Leia mais

EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. ;José C.

EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. ;José C. EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. Ronaldo S. Viana ;José C. Lopes Bolsista, CNPq/PIVIC, Universidade Federal do

Leia mais

Efeito do Tratamento de Sementes com Micronutrientes (Zn e Mo) Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays)

Efeito do Tratamento de Sementes com Micronutrientes (Zn e Mo) Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Efeito do Tratamento de Sementes com Micronutrientes (Zn e Mo) Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Amadeu J. de Melo Neto 1, Ernane R. da Costa 1, Hélio Alves Gomes Júnior e Marcelo

Leia mais

Exercícios de Proteínas

Exercícios de Proteínas Exercícios de Proteínas 1. As são compostos formados por unidos (as) por ligações e as são orgânicos, de natureza sensíveis às variações de temperatura. Os termos que corretamente preenchem as lacunas

Leia mais

ÁGUA. Prof. Ricardo Kluge

ÁGUA. Prof. Ricardo Kluge ÁGUA Prof. Ricardo Kluge (rakluge@usp.br) www.rakluge.com.br ÁGUA COMO PRINCÍPIO UNITÁRIO DO UNIVERSO Tales de Mileto (~ 625-545 a.c.) Tudo é água. ESTRUTURA DA MOLÉCULA DE ÁGUA A atração eletrostática

Leia mais

BOTÂNICA ANGIOSPERMAS. Prof. Gassem ANGIOSPERMAS. Grupo de plantas vasculares (traqueófitas) que apresentam sementes protegidas por frutos:

BOTÂNICA ANGIOSPERMAS. Prof. Gassem ANGIOSPERMAS. Grupo de plantas vasculares (traqueófitas) que apresentam sementes protegidas por frutos: BOTÂNICA ANGIOSPERMAS Prof. Gassem ANGIOSPERMAS Grupo de plantas vasculares (traqueófitas) que apresentam sementes protegidas por frutos: do grego, angios (aggeîon) = vaso, urna; sperma = semente espermatófitas;

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: REINO ANIMAL- PLATELMINTOS E NEMATELIMINTOS Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: REINO ANIMAL- PLATELMINTOS E NEMATELIMINTOS Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: REINO ANIMAL- PLATELMINTOS E NEMATELIMINTOS Prof. Enrico Blota Biologia Reino animal Platelmintos e nematelimintos Platelmintos São bilateralmente simétricos que não possuem

Leia mais

Trabalhos de Bioquímica

Trabalhos de Bioquímica Trabalhos de Bioquímica Professora Liza Felicori Bioquímica do Exercício Bioquímica do Câncer Bioquímica do Envelhecimento Bioquímica do Diabetes Bioquímica da Obesidade 5 pontos : material Fórum Moodle

Leia mais

PALESTRA O ALGODÃO COMO TRANSFORMADOR ENERGÉTICO. Napoleão E. de M. Beltrão. Pesquisador da EMBRAPA. Uberlândia, MG Agosto de 2007

PALESTRA O ALGODÃO COMO TRANSFORMADOR ENERGÉTICO. Napoleão E. de M. Beltrão. Pesquisador da EMBRAPA. Uberlândia, MG Agosto de 2007 Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 PALESTRA O ALGODÃO COMO TRANSFORMADOR ENERGÉTICO Napoleão E. de M. Beltrão Pesquisador da EMBRAPA Uberlândia, MG Agosto de 2007 Uberlândia - 13 a 16 de agosto de

Leia mais

Fisiologia Vegetal O 2 ATMOSFERA H 2 O SOLO CO 2

Fisiologia Vegetal O 2 ATMOSFERA H 2 O SOLO CO 2 Fisiologia Vegetal Fatores ambientais Abióticos e bióticos CO 2 O 2 ATMOSFERA Crescimento e desenvolvimento SOLO H 2 O Elementos minerais Mecanismos das células vegetais Absorção e transporte de água e

Leia mais

Aula 02 Agricultura Geral

Aula 02 Agricultura Geral Aula 02 Agricultura Geral NOÇÕES DE FERTILIDADE DO SOLO a. Conhecendo os elementos essências para as plantas b. Adubação: métodos e princípios c. Necessidade de correção do solo Prof. Ednei Pires Eng.

Leia mais

Botânica. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Botânica. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Botânica Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade I Órgãos vegetais Órgãos Vegetais: FLOR A flor é um ramo altamente modificado, apresentando apêndices especializados. Órgãos Vegetais:

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL 24/05/2017. Prof. Leonardo F. Stahnke

HISTOLOGIA VEGETAL 24/05/2017. Prof. Leonardo F. Stahnke Prof. Leonardo F. Stahnke HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL Os tecidos são conjuntos de células especializadas em determinada função. Há quatro tipos básicos de tecido vegetal: Tecido de Revestimento:

Leia mais