EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ"

Transcrição

1 GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ Disciplina i LPV 504 PLANTAS ESTIMULANTES ANA DIONISIA L. COELHO NOVEMBRE

2 EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ COTILEDONES EIXO EMBRIÃO Novembre, 2003 FRUTO DE CAFÉ Novembre, 2003

3 Endosperma Embrião SEMENTE DE CAFÉ Novembre, 2008

4 a Novembre, 2008 Sementes de café com endocarpo (pergaminho) (a) e sem (b) b Novembre, 2008

5 INTRODUÇÃO CONCEITOS DE GERMINAÇÃO Botânico: emissão da raiz primária Tecnologia de Sementes: formação da plântula

6 INTRODUÇÃO CONCEITO DE GERMINAÇÃO GERMINAÇÃO Semente de café Plântula Novembre, 2008 de café

7 INTRODUÇÃO Germinação: é o processo em que há o desenvolvimento das estruturas essenciais do embrião da semente, originando a plântula. Desenvolvimento: é o aumento do número ou do tamanho das células, com a formação e a diferenciação dos tecidos (crescimento e diferenciação).

8 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO INTRÍNSECOS LONGEVIDADE: depende do genótipo, é período de vida da semente o Sementes de café são classificadas como de vida curta (4 a 6 meses) Limitação para a manutenção do germoplasma e para a produção de mudas

9 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO NTRÍNSECOS VIABILIDADE: depende da associação do genótipo com os fatores de produção Planta-mãe: genótipo e características gerais Ambiente durante a formação da semente Fatores pós colheita: ambiente período e Fatores pós-colheita: ambiente, período e demais condições de armazenamento.

10 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO EXTERNOS ÁGUA TEMPERATURA OXIGÊNIO LUZ

11 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO EXTERNOS - ÁGUA A VELOCIDADE DE ABSORÇÃO DE ÁGUA DEPENDE: DISPONIBILIDADE DE ÁGUA ÁREA Á DE CONTATO TEMPERATURA COMPOSIÇÃO DA SEMENTE

12 SOJA ALGODÃO AVEIA MAMONA MAMONA AVEIA ALGODÃO SOJA Velocidade de absorção de água por quatro espécies (Burch e Velocidade de absorção de água por quatro espécies (Burch e Delouche, 1959)

13 TEOR DE ÁGUA (%) AVEIA EMBRIÃO ENDOSPERMA TEGUMENTO CASCA ENDOSPERMA EMBRIÃO Absorção de água pelos tecidos da semente de aveia (Burch e Absorção de água pelos tecidos da semente de aveia (Burch e Delouche, 1959)

14 Hidratação de sementes de café por 0, 4, 8 e 12 dias a 15, 25, 35 C (Adaptado d de Lima et al., 2004) Dias de hidratação Temperatura C 11, C 11, C 11,

15 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO EXTERNOS - TEMPERATURA PROCESSOS BIOLÓGICOS DEPENDEM DA TEMPERATURA TEMPERATURAS MÍNIMA ÓTIMA MÁXIMA

16 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO EXTERNOS - TEMPERATURA 25 C TEMPERATURA IDEAL PARA A GERMINAÇÃO DAS SEMENTES DE CAFÉ 35 C OU MAIS, HÁ AUMENTO DA VELOCIDADE DE GERMINAÇÃO, MAS REDUZ A SOBREVIVÊNCIA DAS PLÂNTULAS 15 C OU MENOS, HÁ REDUÇÃO DA VELOCIDADE DE, Ç GERMINAÇÃO E DA SOBREVIVÊNCIA DAS PLÂNTULAS

17 FATORES ESSENCIAIS PARA A GERMINAÇÃO EXTERNOS - OXIGÊNIO (%) Germ minação Tempo (dias) Di ibilid d d i ê i i ã d t d t t 1 (3%) Disponibilidade de oxigênio para germinação de sementes de tomate: 1 (3%); 2 (5%); 3 (10%); 4 (15%) e 5 (21%) a 25 C (Corbineau e Come, 1995) 1

18 ETAPAS DA GERMINAÇÃO Hidratação dos tecidos Aumento da respiração Formação de enzimas Digestão enzimáticas das reservas Mobilização e transporte dos compostos Assimilação metabólica Crescimento e diferenciação dos tecidos (Adapatdo de Popinigis, 1976)

19 FASES TEOR DE AGU UA (%) Emissão raiz TEMPO HIDRATAÇÃO FASES DA GERMINAÇÃO EM FUNÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA PELAS SEMENTES. (Bewley & Black, 1994).

20 FASE I - EMBEBIÇÃO FASES DA GERMINAÇÃO POTENCIAL MATRICIAL SEMENTES VIVAS E MORTAS TEORES DE ÁGUA: 25% a 40% (sementes de café) ABSORÇÃO DE O 2 - RESPIRAÇÃO PREDOMINA DEGRADAÇÃO RESERVAS EMBEBIÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ, 3 DIAS (Silva, 2002)

21 FASE II LONGA FASES DA GERMINAÇÃO TEOR DE ÁGUA: 25% a 40% (sementes de café) PREDOMINA TRANSPORTE DE COMPOSTOS FASE III TEOR O DE ÁGUA: 35% a 60% %(sementes de café) AUMENTO RESPIRAÇÃO E ABSORÇÃO DE ÁGUA CRESCIMENTO VISÍVEL DO EIXO EMBRIÃO PLÂNTULA

22 Hidratação de sementes de café por 0, 4, 8 e 12 dias a 15, 25, 35 C (Adaptado d de Lima et al., 2004) Dias de hidratação Temperatura C 11, C 11, C 11,

23 FASES DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ FASE I 3 DIAS FASE II 3 AOS 6 AOS 9 DIAS FASE III 9 DIAS EMISSÃO RAIZ

24 F i i i i d i ã d t d fé Fases iniciais da germinação de sementes de café (Eira et al., 2006)

25 Tipo de germinação: epígea Endosperma Raiz primária PLÂNTULA DE CAFÉ Novembre, 2008

26 Folhas cotiledonares PLÂNTULA DE CAFÉ Raiz primária Novembre, 2008

27 Sementes e plântulas de café Novembre, 2008

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery Formação da Semente Fonte: Daniel de Granville www.ib.usp.br/beelife www.passionflow.couk/images/nitseed DAG 503 - Fisiologia de Sementes 1 Formação

Leia mais

Teste de raios X: princípio e interpretação

Teste de raios X: princípio e interpretação Teste de raios X: princípio e interpretação Aula 2 LPV 5731 - ANÁLISE DE IMAGENS DE SEMENTES E PLÂNTULAS Programa de pós-graduação em Fitotecnia Francisco G Gomes-Junior Escola Superior de Agricultura

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES

GERMINAÇÃO DE SEMENTES GERMINAÇÃO DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ ESTUDO DA GERMINAÇÃO FISIOLOGIA VEGETAL ESTUDOS BÁSICOS E MAIS APROFUNDADOS, INDEPEN- DENTES DA IMPORTÂNCIA

Leia mais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Apresentação Perdas pós-colheita Noções

Leia mais

RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES

RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES IMPORTÂNCIA E FUNÇÕES DA ÁGUA Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ PRESENTE EM TODOS OS PROCESSOS DINÂMICOS DA CÉLULA VIVA IMPORTÂNCIA E FUNÇÕES

Leia mais

26/6/2012. Em muitos casos, uma semente viável poderá não germinar mesmo que as condições ambientais sejam adequadas.

26/6/2012. Em muitos casos, uma semente viável poderá não germinar mesmo que as condições ambientais sejam adequadas. UNIDADE XIII DORMÊNCIA E GERMINAÇÃO 1. Introdução 2. Estrutura de sementes, plântulas e órgãos dormentes 2.1. Sementes e plântulas 2.2. Gemas 2.3. Rizomas, tubérculos, bulbos, bulbos sólidos, raízes modificadas

Leia mais

Técnicas de análise de imagens para avaliação da qualidade de sementes

Técnicas de análise de imagens para avaliação da qualidade de sementes Técnicas de análise de imagens para avaliação da qualidade de sementes Aula 2 LPV 5731 - ANÁLISE DE IMAGENS DE SEMENTES E PLÂNTULAS Programa de pós-graduação em Fitotecnia Francisco G Gomes-Junior Escola

Leia mais

Composição Química das Células: Água

Composição Química das Células: Água A Química da Vida Composição Química das Células: Água As substâncias que constituem os corpos dos seres vivos possuem em sua constituição cerca de 75/85% de água. Ou seja, cerca de 80% do corpo de um

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Botânica (Reino Plantae ou Metaphyta) 1. Características Gerais Grupo monofilético; Eucariotos; Fotossintizantes; Substância de reserva; Parede celular. 2.

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENZIMAS INDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL

PRODUÇÃO DE ENZIMAS INDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL 1 PRODUÇÃO DE ENZIMAS INDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL PAPAÍNA enzima constituinte do látex do fruto verde de mamão (Carica papaya) Látex bruto seco em pó papaína. Papaína não pode ser armazenada por longos

Leia mais

INFLUÊNCIA DA LUZ NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES MORFOFISIOLOGIA DE SEMENTES

INFLUÊNCIA DA LUZ NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES MORFOFISIOLOGIA DE SEMENTES UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA INFLUÊNCIA DA LUZ NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES P R O F. D R. R O B E R T O C E Z A R L O B O DA C O S TA O QUE É GERMINAÇÃO? BOTÂNICOS A germinação é um fenômeno biológico

Leia mais

GIMNOSPERMAS. Relações filogenéticas BOTÂNICA. Prof. Gassem 02/04/2012. Embriófitas. Traqueófitas (plantas vasculares)

GIMNOSPERMAS. Relações filogenéticas BOTÂNICA. Prof. Gassem 02/04/2012. Embriófitas. Traqueófitas (plantas vasculares) BOTÂNICA GIMNOSPERMAS Prof. Gassem Relações filogenéticas Embriófitas Traqueófitas (plantas vasculares) Espermatófitas (plantas que produzem sementes Algas verdes (grupo externo) Briófitas Pteridófitas

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTRUTURAS DE MADEIRA CLASSIFICAÇÃO DA MADEIRA AULA 2 EDER BRITO Classificação das árvores Pela Botânica as árvores são classificadas como vegetais superiores, denominados de fanerógamas, que apresentam

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

CONDICIONAMENTO DE SEMENTES

CONDICIONAMENTO DE SEMENTES CONDICIONAMENTO DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ TECNOLOGIA DE SEMENTES Principal Missão da Pesquisa: desenvolvimento de tecnologia dirigida à produção

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ SUBMETIDAS A DIFERENTES TEMPOS DE HIDRATAÇÃO EM ÁGUA

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ SUBMETIDAS A DIFERENTES TEMPOS DE HIDRATAÇÃO EM ÁGUA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ SUBMETIDAS A DIFERENTES TEMPOS DE HIDRATAÇÃO EM ÁGUA João Paulo MARANA 1 E mail: joaopaulomarana@yahoo.com.br, Édison MIGLIORANZA 2 emiglior@uel.br 1 Aluno de Mestrado em

Leia mais

Fisiologia Vegetal RESPIRAÇÃO. Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa. Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA)

Fisiologia Vegetal RESPIRAÇÃO. Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa. Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) Fisiologia Vegetal Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa RESPIRAÇÃO Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) I- INTRODUÇÃO Plantas: Transformam energia luminosa em energia

Leia mais

Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI)

Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI) Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI) Visão termodinâmica Alfred J. Lotka trabalhou populações e comunidades em sistemas termodinâmicos. Cada sistema apresenta um conjunto de transformações e

Leia mais

Reprodução nas plantas. Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira

Reprodução nas plantas. Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira Reprodução nas plantas Apresentação feita por Como se reproduzem as plantas com flor? As plantas com flor reproduzem-se por sementes, que resultam da reprodução sexuada, que ocorre quando as células sexuais

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO N 59 ISSN OUTUBRO/98

BOLETIM TÉCNICO N 59 ISSN OUTUBRO/98 BOLETIM TÉCNICO N 59 ISSN 0100-3054 OUTUBRO/98 Maria Cristina Leme de Lima Dias 1 Walter Rodrigues da Silva 2 1 Eng a. Agr a., Pesquisadora da Área de Propagação Vegetal, IAPAR. Caixa Postal 481. 86001-970

Leia mais

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos.

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 1) Introdução A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 2) Elementos químicos da matéria viva Existem 96 elementos químicos que ocorrem

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Fisiologia Vegetal 1. Conceito: Ramo da botânica destinado a estudar as funções vitais das plantas. Absorção; Transpiração; Condução; Fotossíntese; Fotoperíodos;

Leia mais

A Adubação Foliar em culturas hortícolas

A Adubação Foliar em culturas hortícolas Bombarral 23 /JAN /2008 A Adubação Foliar em culturas hortícolas A saúde das plantas, a qualidade alimentar e a qualidade ambiental Maria da Conceição Jacob DGADR Da qualidade dos alimentos, em particular

Leia mais

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a):

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA: Biologia SÉRIE: 2 ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) O coqueiro (Cocos nucifera) é uma monocotiledônea de grande porte. Suas flores,

Leia mais

Escola do 2º Ciclo do Ensino Básico - Cód Benedita Ciências Naturais - 6ºANO Ficha informativa Nº

Escola do 2º Ciclo do Ensino Básico - Cód Benedita Ciências Naturais - 6ºANO Ficha informativa Nº ************************************************************************************************ Escola do 2º Ciclo do Ensino Básico - Cód. 310 130 - Benedita Ciências Naturais - 6ºANO Ficha informativa

Leia mais

Guia prático e resumido.

Guia prático e resumido. Guia prático e resumido. Da semente à colheita. Sobre as informações aqui contidas Este livro visa a disseminar conhecimento básico e simples. A utilização prática destas informações assim como os resultados

Leia mais

BIOLOGIA. Questões de 01 a 06. Fator II

BIOLOGIA. Questões de 01 a 06. Fator II Grupo 2 TIPO B BIO Pág.1 1 BIOLOGIA Questões de 01 a 06 01. Os gráficos a seguir representam a variação da taxa de fotossíntese de uma planta em função dos fatores ambientais I, II e III. Taxa de Fotossíntese

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE TOMATE ATRAVÉS DO TESTE DE TETRAZÓLIO

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE TOMATE ATRAVÉS DO TESTE DE TETRAZÓLIO AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE TOMATE ATRAVÉS DO TESTE DE TETRAZÓLIO MAGALI APARECIDA DE OLIVEIRA SANTOS Dissertação apresentada à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade

Leia mais

Protocolo experimental

Protocolo experimental Protocolo experimental Quem semeia, colhe 1 Enquadramento Teórico O Banco Mundial de Sementes (figura 1), localizado na ilha norueguesa de Spitsbergen, foi inaugurado no ano de 2008. Neste local estão

Leia mais

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Fisiologia Pós-colheita de Flores Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Floricultura Atividade em plena expansão; Flores de corte e vaso, folhagens e paisagismo. 200

Leia mais

Unidade mestra de biologia com sensor e software para seis grupos

Unidade mestra de biologia com sensor e software para seis grupos Centro Industrial de Equipamentos de Ensino e Pesquisa LTDA. Unidade mestra de biologia com sensor e software para seis grupos EQ303 Função Destinado ao estudo da Biologia Geral: Histologia e Ciência Humana,

Leia mais

19/11/2015. Recuperação: objetivos gerais. Recuperação: objetivos gerais. Recuperar... A fertilidade do ecossistema, Seus valores ecológicos,

19/11/2015. Recuperação: objetivos gerais. Recuperação: objetivos gerais. Recuperar... A fertilidade do ecossistema, Seus valores ecológicos, UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciência do Solo RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA MINERAÇÃO? Prof. Dr. TIAGO OSÓRIO FERREIRA Piracicaba 2015

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1)

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1) TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA Milena Fontenele dos Santos (1) 1 Aluna de graduação do curso de Agronomia do Centro Universitário de Patos de Minas

Leia mais

DESPOLPAMENTO E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE AÇAÍ E JUSSARA

DESPOLPAMENTO E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE AÇAÍ E JUSSARA DESPOLPAMENTO E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE AÇAÍ E JUSSARA Profa. Dra. Cibele Chalita Martins Produção e Tecnologia de Sementes Departamento de Produção Vegetal - Prédio Fitotecnia FCAV - UNESP Jaboticabal

Leia mais

Trabalhos de Bioquímica

Trabalhos de Bioquímica Trabalhos de Bioquímica Professora Liza Felicori Bioquímica do Exercício Bioquímica do Câncer Bioquímica do Envelhecimento Bioquímica do Diabetes Bioquímica da Obesidade 5 pontos : material Fórum Moodle

Leia mais

BOTÂNICA ANGIOSPERMAS. Prof. Gassem ANGIOSPERMAS. Grupo de plantas vasculares (traqueófitas) que apresentam sementes protegidas por frutos:

BOTÂNICA ANGIOSPERMAS. Prof. Gassem ANGIOSPERMAS. Grupo de plantas vasculares (traqueófitas) que apresentam sementes protegidas por frutos: BOTÂNICA ANGIOSPERMAS Prof. Gassem ANGIOSPERMAS Grupo de plantas vasculares (traqueófitas) que apresentam sementes protegidas por frutos: do grego, angios (aggeîon) = vaso, urna; sperma = semente espermatófitas;

Leia mais

Exercícios de Proteínas

Exercícios de Proteínas Exercícios de Proteínas 1. As são compostos formados por unidos (as) por ligações e as são orgânicos, de natureza sensíveis às variações de temperatura. Os termos que corretamente preenchem as lacunas

Leia mais

Plano de Intervenção

Plano de Intervenção INTERVENÇÃO AULA PRÁTICA GERMINAÇÃO Plano de Intervenção AUTOR: Luiz Felipe Ribeiro CONTEXTUALIZAÇÃO Em biologia chama-se germinação ao processo inicial do crescimento de uma planta a partir de um corpo

Leia mais

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea Parede primária e secundária Lomandraceae, Monocotiledônea Lamela média Cordia trichotoma Corte transversal caule Parede primária e secundária Parede primária Constituição 65% de água 25% celulose 25%

Leia mais

ABSORÇÃO IÔNICA RADICULAR

ABSORÇÃO IÔNICA RADICULAR ABSORÇÃO IÔNICA RADICULAR 1 Aspectos gerais Definições: a) Absorção b) Transporte ou translocação c) Redistribuição 2 Aspectos anatômicos da raiz Tecidos envolvidos: Epiderme (pêlos absorventes) Parênquima

Leia mais

ÁGUA. Prof. Ricardo Kluge

ÁGUA. Prof. Ricardo Kluge ÁGUA Prof. Ricardo Kluge (rakluge@usp.br) www.rakluge.com.br ÁGUA COMO PRINCÍPIO UNITÁRIO DO UNIVERSO Tales de Mileto (~ 625-545 a.c.) Tudo é água. ESTRUTURA DA MOLÉCULA DE ÁGUA A atração eletrostática

Leia mais

PALESTRA O ALGODÃO COMO TRANSFORMADOR ENERGÉTICO. Napoleão E. de M. Beltrão. Pesquisador da EMBRAPA. Uberlândia, MG Agosto de 2007

PALESTRA O ALGODÃO COMO TRANSFORMADOR ENERGÉTICO. Napoleão E. de M. Beltrão. Pesquisador da EMBRAPA. Uberlândia, MG Agosto de 2007 Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 PALESTRA O ALGODÃO COMO TRANSFORMADOR ENERGÉTICO Napoleão E. de M. Beltrão Pesquisador da EMBRAPA Uberlândia, MG Agosto de 2007 Uberlândia - 13 a 16 de agosto de

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: REINO ANIMAL- PLATELMINTOS E NEMATELIMINTOS Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: REINO ANIMAL- PLATELMINTOS E NEMATELIMINTOS Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: REINO ANIMAL- PLATELMINTOS E NEMATELIMINTOS Prof. Enrico Blota Biologia Reino animal Platelmintos e nematelimintos Platelmintos São bilateralmente simétricos que não possuem

Leia mais

A principal função da flor numa planta é a de reprodução. As flores de uma planta são constituídas por (Figura 1):

A principal função da flor numa planta é a de reprodução. As flores de uma planta são constituídas por (Figura 1): 1. Reprodução das plantas com flor 1.1. Flor principal função da flor numa planta é a de reprodução. s flores de uma planta são constituídas por (Figura 1): Figura 1 onstituição de uma flor completa de

Leia mais

Aumente o rendimento da soja

Aumente o rendimento da soja Aumente o rendimento da soja Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique. 1 Preparação

Leia mais

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 130/2016 22 de agosto de 2016 Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes Por meio deste Informe Técnico, a Aprosoja orienta o agricultor quanto às

Leia mais

Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque

Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque HORMONAS VEGETAIS Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque mecânico (contacto). Apesar de não

Leia mais

Sistemática As angiospermas constituem o maior grupo de vegetais do planeta, compreendendo cerca de 2/3 de todas as espécies de plantas.

Sistemática As angiospermas constituem o maior grupo de vegetais do planeta, compreendendo cerca de 2/3 de todas as espécies de plantas. ANGIOSPERMAS -angio = envoltório; sperma = semente Sistemática As angiospermas constituem o maior grupo de vegetais do planeta, compreendendo cerca de 2/3 de todas as espécies de plantas. Esse grupo encontra-se

Leia mais

I g r e j a P a r o q u i a l d o C a c é m, n o C a c é m, s o b a P r e s i d ê n c i a d e C r i s t i n a S o f i a

I g r e j a P a r o q u i a l d o C a c é m, n o C a c é m, s o b a P r e s i d ê n c i a d e C r i s t i n a S o f i a A T A Nº 6 /2014 A o s v i n t e e o i t o dias d o m ê s d e n o v e m b r o do ano de dois mil e catorze, pelas v i n t e h o r a s e c i n q u e n t a m i n u t o s r e u n i u e m s e s s ã o e x t

Leia mais

Aula: 26 Temática: Estrutura dos lipídeos parte I

Aula: 26 Temática: Estrutura dos lipídeos parte I Aula: 26 Temática: Estrutura dos lipídeos parte I Os lipídeos são abundantes em animais e vegetais. Compreendem os óleos, as gorduras, as ceras, os lipídios compostos como os fosfolipídios e os esteróides

Leia mais

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho ANGIOSPERMAS Angeion: urna; Sperma: semente Também são denominadas por antófitas (anthos = flor), espermáfitas, traqueófitas e fanerógamas É o grupo mais numeroso de todos os vegetais, com cerca de 90%

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO COLHEITA, SECAGEM ARMAZENAMENTO E CONTROLE DE QUALIDADE DE PLANTAS MEDICINAIS COLHEITA:

Leia mais

Pr P o r f o a f Al A essan a d n r d a r a B ar a o r n o e n

Pr P o r f o a f Al A essan a d n r d a r a B ar a o r n o e n Profa Alessandra Barone www.profbio.com.br Metabolismo Conjunto de reações realizadas a partir da transformação de substâncias com a finalidade de suprimento de energia, renovação de moléculas e manutenção

Leia mais

BOTÂNICA PARTE II Ramo da biologia que estuda as plantas. Gimnospermas

BOTÂNICA PARTE II Ramo da biologia que estuda as plantas. Gimnospermas BOTÂNICA PARTE II Ramo da biologia que estuda as plantas. Gimnospermas BOTÂNICA (Reino Plantae) Para pertencer ao grupo das plantas o organismo deve: Ter raiz, caule e folha; Ser autótrofo fotossintetizante

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 27 SUCESSÃO ECOLÓGICA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 27 SUCESSÃO ECOLÓGICA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 27 SUCESSÃO ECOLÓGICA Alterações nas condições ambientais Substrato aberto Organismos se estabelecem Novos organismos se estabelecem Estabilização da comunidade e das condições

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 121. Novembro/1980. ESTUDO PRELIMINAR SOBRE QUEBRA DE DORMÊNCIA EM FRUTOS DE CUMARU (Coumarouna spp.)

CIRCULAR TÉCNICA N o 121. Novembro/1980. ESTUDO PRELIMINAR SOBRE QUEBRA DE DORMÊNCIA EM FRUTOS DE CUMARU (Coumarouna spp.) IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS PBP/. CIRCULAR TÉCNICA N o 2 Novembro/980 ISSN 0003453 ESTUDO PRELIMINAR SOBRE QUEBRA DE DORMÊNCIA EM FRUTOS DE CUMARU (Coumarouna

Leia mais

Atualizado em 24/05/2015 Prof. Associado, Dr. Paulo Sergio Torres Brioso (http://lattes.cnpq.br/ )

Atualizado em 24/05/2015 Prof. Associado, Dr. Paulo Sergio Torres Brioso (http://lattes.cnpq.br/ ) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENTOMOLOGIA E FITOPATOLOGIA ÁREA DE FITOPATOLOGIA IB 237 (PATOLOGIA FLORESTAL) Atualizado em 24/05/2015 Prof. Associado,

Leia mais

EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. ;José C.

EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. ;José C. EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. Ronaldo S. Viana ;José C. Lopes Bolsista, CNPq/PIVIC, Universidade Federal do

Leia mais

FUVEST a Fase - Biologia - 05/01/2000

FUVEST a Fase - Biologia - 05/01/2000 Q.01 a) Apesar de o predatismo ser descrito como uma interação positiva para o predador e negativa para a presa, pode-se afirmar que os predadores têm um efeito positivo sobre a população de presas. Explique

Leia mais

Processo de obtenção de energia das células respiração celular

Processo de obtenção de energia das células respiração celular Processo de obtenção de energia das células respiração celular Macromolécula mais abundante nas células Grande variedade (tamanho e função) Pequenos peptídeos a grandes cadeias com PM alto Diversidade

Leia mais

BIOLOGIA BOTÂNICA PROF ESTEVAM

BIOLOGIA BOTÂNICA PROF ESTEVAM BIOLOGIA BOTÂNICA PROF ESTEVAM 1) (UFMG) Observe a figura: Com relação á figura, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO a) Ocorre duplicação do DNA viral no interior da célula bacteriana. b) São produzidas

Leia mais

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs FISIOLOGIA VEGETAL APLICADA EM CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Castro STAB CANAOESTE - Sertãozinho SP FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs Prof. Dr. Paulo A. M. de Figueiredo Engenheiro Agrônomo

Leia mais

CASTANEA SP. CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE FOTOSSINTÉTICA DE PARTÍCULAS BBY DESCENDENTES DE F 1 DE

CASTANEA SP. CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE FOTOSSINTÉTICA DE PARTÍCULAS BBY DESCENDENTES DE F 1 DE CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE FOTOSSINTÉTICA DE PARTÍCULAS BBY DESCENDENTES DE F 1 DE CASTANEA SP. Tiago Marques, Msc Bioquímica, CQ, UTAD Rita Costa, INIAV José Gomes Laranjo, CITAB, UTAD Trabalho inserido

Leia mais

Botânica. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Botânica. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Botânica Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade I Órgãos vegetais Órgãos Vegetais: FLOR A flor é um ramo altamente modificado, apresentando apêndices especializados. Órgãos Vegetais:

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Ciências 7 o ano Unidade 2 5 Unidade 2 Nome: Data: 1. As cores das flores e o período do dia em que elas abrem são duas adaptações importantes das plantas e que facilitam a sua

Leia mais

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari Adubação de Plantas Ornamentais Professora Juliana Ferrari Indícios que a planta pode precisar de nutrientes O crescimento se torna lento; Adubação É o método de corrigir as deficiências de nutrientes

Leia mais

b) a classificação deste vertebrado quanto à regulação térmica. c) o tipo de respiração predominante neste vertebrado na fase larval.

b) a classificação deste vertebrado quanto à regulação térmica. c) o tipo de respiração predominante neste vertebrado na fase larval. PROCESSO SELETIVO/2005 3 O DIA CADERNO 0 1 BIOLOGIA QUESTÕES DE 01 A 05 01. Em um experimento realizado com determinado vertebrado adulto, as funções relativas à tomada de oxigênio (entre 0 e 120 ml/kg/h)

Leia mais

Utilização dos materiais que chegam às células

Utilização dos materiais que chegam às células Utilização dos materiais que chegam às células Metabolismo celular Conjunto de reacções químicas que ocorrem numa célula. É através do metabolismo que é feita a gestão de recursos materiais e energéticos

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E

U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E E S T U D O D O S P R O B L E M A S D A E C O N O M I A B R A S I L

Leia mais

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Dpto de Zootecnia Fones:

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Dpto de Zootecnia Fones: Profa. Angélica Pinho Zootecnista Dpto de Zootecnia Fones: 3243-7070 Email: angelicapinho@unipampa.edu.br UNIDADE 1 INTRODUÇÃO AO METABOLISMO 1.1 Visão geral do metabolismo. 1.2 Catabolismo e anabolismo.

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES PROFESSOR DISCIPLINA TURMA DEISE MENEZES CIÊNCIAS 201 ALUNO SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br Questão 1 Pense no que você

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física Energia em Sistemas Biológicos Edi Carlos Sousa

Universidade de São Paulo Instituto de Física Energia em Sistemas Biológicos Edi Carlos Sousa Universidade de São Paulo Instituto de Física Energia em Sistemas Biológicos Edi Carlos Sousa edisousa@if.usp.br Metabolismo Celular Cada reação que ocorre em um organismo vivo requer o uso de energia

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências da Natureza Disciplina: Série: 2ª Ensino Médio Professor: Pascoal Belico Cária Atividades para Estudos Autônomos Data: 25 / 4 / 2016 Aluno(a): N o : Turma: TEMAS:

Leia mais

As camadas da atmosfera

As camadas da atmosfera A ATMOSFERA A Atmosfera Atmosfera significa esfera de ar; A atmosfera é uma camada formada por diversos gases e vapor de água, que envolve todo o nosso planeta; Sem a atmosfera provavelmente não haveria

Leia mais

ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE MUZAMBINHO Curso Superior em Tecnologia da Cafeicultura MARIA BERNADETE DA SILVA BRASIL

ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE MUZAMBINHO Curso Superior em Tecnologia da Cafeicultura MARIA BERNADETE DA SILVA BRASIL ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE MUZAMBINHO Curso Superior em Tecnologia da Cafeicultura MARIA BERNADETE DA SILVA BRASIL Efeito do Ácido Giberélico (GA 3 ) na aceleração do processo germinativo de sementes

Leia mais

Disciplina: Ciências 8º ano Turma: CONHECENDO OS CARBOIDRATOS

Disciplina: Ciências 8º ano Turma: CONHECENDO OS CARBOIDRATOS Disciplina: Ciências Ficha nº 8º ano Turma: CONHECENDO OS CARBOIDRATOS Nesta ficha você conhecerá: O que são os carboidratos; Onde encontrar os carboidratos; A diferença entre carboidratos de alto e baixo

Leia mais

Fatores de estresse no milho são diversos e exigem monitoramento constante

Fatores de estresse no milho são diversos e exigem monitoramento constante Produtividade Fatores de estresse no milho são diversos e exigem monitoramento constante Gustavo Maia Souza e Alexandrius de Moraes Barbosa* Rodrigo Almeida Fatores bióticos e abióticos podem causar situações

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade: Fotossíntese Fase química ou de fixação/redução de carbono da fotossíntese: Todos os organismo que fotossintetizam precisam

Leia mais

M a n h ã... p r e s e n t e! L u g a r... p r e s e n t e! Q u e m... p r e s e n t e! N e n h u m... p r e s e n t e! C u í c a... p r e s e n t e!

M a n h ã... p r e s e n t e! L u g a r... p r e s e n t e! Q u e m... p r e s e n t e! N e n h u m... p r e s e n t e! C u í c a... p r e s e n t e! C a r o l i n a M a n h ã......................................................................... p r e s e n t e! L u g a r.......................................................................... p

Leia mais

MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS

MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS Capítulo 2 MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS Renato Serena Fontaneli, Henrique Pereira dos Santos e Roberto Serena Fontaneli A família das gramíneas (Poaceae ou Gramineae) é uma das principais famílias

Leia mais

Germinação. Dra Maria Izabel Gallão

Germinação. Dra Maria Izabel Gallão Germinação Sementes secas viáveis embebição inicia uma cadeia de eventos resultado na emergência da radícula germinação ocorreu com sucesso. Embebição metabolismo rapidamente reinicia. Respiração Atividade

Leia mais

Multi-Science Journal. Preparo de sementes de corda-de-viola para o teste de tetrazólio utilizando micro-ondas

Multi-Science Journal. Preparo de sementes de corda-de-viola para o teste de tetrazólio utilizando micro-ondas Multi-Science Journal, v. 1, n. 4 (2016) 7-11 Conteúdo disponível em: https://www.ifgoiano.edu.br/periodicos/ Multi-Science Journal W e b s i t e d o p e r i ó d i c o : h t t p s : / / w w w. i f g o

Leia mais

Arnaldo Bianchetti * Adson Ramos ** RESUMO

Arnaldo Bianchetti * Adson Ramos ** RESUMO EFEITO DA TEMPERATURA DE SECAGEM SOBRE O PODER GERMINATIVO DE SEMENTES DE Araucaria angustifolia (BERT.) O. KTZE. 1 (Effect of drying temperature on the germination of Araucaria angustifolia (Bert.) O.Ktze.

Leia mais

Tema: Viver melhor na Terra (48 Blocos) ANO LECTIVO 2011/2012

Tema: Viver melhor na Terra (48 Blocos) ANO LECTIVO 2011/2012 Tema: Viver melhor na Terra (48 Blocos) ANO LECTIVO 2011/2012 PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES VIVOS TROCAS NUTRICIONAIS ENTRE O ORGANISMO E O MEIO Nos animais: Alimentos como veículo de nutrientes Como

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 20 SISTEMA DIGESTÓRIO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 20 SISTEMA DIGESTÓRIO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 20 SISTEMA DIGESTÓRIO Relação Superfície x Volume Taxa metabólica rato coelho homem vaca elefante Peso corporal Na esponja, a digestão é intracelular e ocorre em vacúolos digestivos

Leia mais

BB.02: Angiospermas BIOLOGIA

BB.02: Angiospermas BIOLOGIA ATIVIDADES 1. (UFPE) Com relação aos vegetais, julgue (V ou F) as proposições a seguir, correlacionado-as com as indicações dadas na figura. a) c) b) d) 01. Na etapa I ocorre meiose. 02. Na etapa II ocorre

Leia mais

MÓDULO 2 - METABOLISMO. Bianca Zingales IQ-USP

MÓDULO 2 - METABOLISMO. Bianca Zingales IQ-USP MÓDULO 2 - METABOLISMO Bianca Zingales IQ-USP INTRODUÇÃO AO METABOLISMO CARACTERÍSTICAS DO SER VIVO 1- AUTO-REPLICAÇÃO Capacidade de perpetuação da espécie 2- TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA O ser vivo extrai

Leia mais

NUTRIENTES. Profª Marília Varela Aula 2

NUTRIENTES. Profª Marília Varela Aula 2 NUTRIENTES Profª Marília Varela Aula 2 NUTRIENTES NUTRIENTES SÃO SUBSTÂNCIAS QUE ESTÃO INSERIDAS NOS ALIMENTOS E POSSUEM FUNÇÕES VARIADAS NO ORGANISMO. PODEM SER ENCONTRADOS EM DIFERENTES ALIMENTOS, POR

Leia mais

COMPONENTES ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS. Glicídios ou Açúcares

COMPONENTES ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS. Glicídios ou Açúcares COMPONENTES ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS Glicídios ou Açúcares COMPOSIÇÃO DOS CARBOIDRATOS Compostos constituídos principalmente de: Carbono, Hidrogênio Oxigênio Principal fonte de energia para os seres vivos.

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

29/9/2011 IMPLANTAÇÃO E ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS. Universidade Federal de Pelotas. Curso de Zootecnia Cultivo convencional

29/9/2011 IMPLANTAÇÃO E ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS. Universidade Federal de Pelotas. Curso de Zootecnia Cultivo convencional Universidade Federal de Pelotas Curso de Zootecnia Cultivo convencional IMPLANTAÇÃO E ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS I) QUANTO AO PREPARO DO SOLO E INCORPORAÇÃO DAS SEMENTES: Plantio

Leia mais

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho ANGIOSPERMAS Angeion: urna; Sperma: semente Também são denominadas por antófitas (anthos = flor), espermáfitas, traqueófitas e fanerógamas É o grupo mais numeroso de todos os vegetais, com cerca de 90%

Leia mais

Colheita e armazenamento

Colheita e armazenamento 1 de 5 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Arroz Irrigado Nome Cultura do arroz irrigado Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura

Leia mais

CURSO SOBRE PRODUÇÃO DE MORANGO Cultivo em Semi-Hidroponia. Eng.-Agr. Luciano Ilha Eng.-Agr. Cristina Gadea EMATER/RS-ASCAR

CURSO SOBRE PRODUÇÃO DE MORANGO Cultivo em Semi-Hidroponia. Eng.-Agr. Luciano Ilha Eng.-Agr. Cristina Gadea EMATER/RS-ASCAR CURSO SOBRE PRODUÇÃO DE MORANGO Cultivo em Semi-Hidroponia Eng.-Agr. Luciano Ilha Eng.-Agr. Cristina Gadea EMATER/RS-ASCAR VI Seminário Brasileiro sobre Pequenas Frutas Vacaria/RS - 2011 Cultivo em semi-hidroponia:

Leia mais

Tabela de produtos esquema de rebate 7 (Janeiro 2013) COD PRODUTO CONSIDERAR RELATORIO

Tabela de produtos esquema de rebate 7 (Janeiro 2013) COD PRODUTO CONSIDERAR RELATORIO Tabela de produtos esquema de rebate 7 (Janeiro 2013) COD PRODUTO CONSIDERAR RELATORIO 90001 AVICULTURA INTEGRADA 0.10 1 90002 SUINOCULTURA INTEGRADA 0.10 1 3500 ALHO 0.30 2 11500 CEBOLA 0.30 2 21219 QUEIJOS

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS Cita e explica os 4 fatores que interferem na fotossíntese. Temperatura Concentração CO2 na atmosfera Intensidade e Comprimento

Leia mais

REINO PLANTAE. Biologia 2, Capítulo 1. Prof. João

REINO PLANTAE. Biologia 2, Capítulo 1. Prof. João REINO PLANTAE Biologia 2, Capítulo 1 Prof. João DIVISÃO E CARACTERÍSTICAS GERAIS O reino Plantae corresponde à todas as plantas e vegetais encontrados no mundo. Os representantes do reino podem ser reunidos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais