(1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor."

Transcrição

1 ABSTRACT: Following the tradition of English grammar, some authors have distinguished between count and non-count nouns in Portuguese. The present paper resumes this discussion and develops the hypothesis that contemporary Brazilian Portuguese does not have count nouns, but only non-count nouns and nouns that are neutral in relation to countability. CAMACHO & PEZATTI, em urn artigo dedicado it natureza da propriedade [±contavel] dos substantivos do portugues brasileiro falado (1996), observam diversos fatores que sugerem diferen~as entre 0 Ingles e 0 portugues em rela~ao a essa propriedade. Mesmo assim, mantem, em principio, a distin~ao entre duas classes de substantivos: conmveis e nao-contaveis. A combina~ao de substantivos com certos quantificadores pode levar a recategoriza~oes (ib.: 161), p.ex., Ii conversao de conmveis em nao-conmveis, como em (1), ou de nao-contaveis em contaveis, como em (2): (1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor. Por contabilidade de substantivos entende-se uma caracteristica gramatical de fundamenta~ao ontologica (cf. QUIRK et al. 1985: 246). Sabemos que existem entidades individuadas, como cadeiras, e entidades massivas, como cafe. Se dividirmos urna cadeira em duas partes, ambas deixarao de ser cadeiras e, se juntarmos duas cadeiras, 0 resultado nao sera uma cadeira. Se, ao contrlirio, dividirmos uma determinada quantidade de cafe em duas partes, ambas continuarao sendo cafe e, se juntarmos duas quantidades de cafe, 0 resultado sera tambem cafe. Em principio, os substantivos designadores de entidades individuadas sao conmveis e os designadores de entidades massivas sao nao-conmveis. 0 problema e que as categorias gramaticais nem sempre sao congruentes com a realidade extra-linguistica. No presente artigo, pretendemos retomar a discussao sobre a contabilidade de substantivos da lingua portuguesa. Primeiramente, discutiremos 0 comportamento distribucional de quantificadores nominais. Em seguida, desenvolveremos urn modelo composicional da propriedade [±conmvel] no sintagma nominal do portugues brasileiro.

2 Entre os elementos adnominais tradicionalmente denominados quantificadores encontram-se cada e todd, os quais chamaremos de totalizadores nominais (cf. BLUHDORN & NOMURA 1999). 0 totalizador distributivo cada pode ser combinado com substantivos que denotam massas (3.a) e com substantivos que denotam individuos no singular (3.b), mas nao com substantivos no plural (3.c): cada agua, cada pao, cada esperan~a cada estudante, cada familia, cada festa *cada estudantes, *cada familias, *cada festas Em combina~oes de cada com substantivos de massa, faz-se necessaria a interpreta~ao da entidade designada como individuo. o totalizador todo apresenta a mesma distribui~ao formal: toda agua, todo pao, toda esperan~a todo estudante, toda familia, toda festa *todos estudantes, *todas familias, *todas festas Mas, diferentemente de cada, todo nao e~ige a interpreta~ao de substantivos de massa (4.a) como individuativos. Ao contrario, parece sugerir urna interpreta~ao de substantivos individuativos (4.b) como designadores de massas. Em combina~ao com 0 artigo definido, todo e compativel com substantivos de massa (5.a) e individuativos (5.b), inclusive no plural (5.c): toda a agua, todo 0 pao, toda a esperan~a todo 0 estudante, toda a familia, toda a festa todos os estudantes, todas as familias, todas as festas (i) TodD em frente a urn substantivo no singular, sem artigo, totaliza urna massa nao~identificada. Essa constru~ao nao indica individua~ao. Com freqiiencia, e combinada com predicados genericos:. (6) Todo gada da came. (gado em geral) (7) Todo cachorro gosta de latir. (cachorro em geral) (ii) TodD em frente a urn substantivo no singular, com artigo definido, pode totalizar uma massa ou urn individuo identificados. Neste uso, devemos ter urn predicado individual (nao-generico): (8) Toda a agua estava turva. (a quantidade identificada inteira) (9) As pulgas cobriram todo 0 cachorro. (0 cachorro identificado inteiro)

3 (iii) Todo em frente a um substantivo no plural com artigo definido totaliza um grupo de individuos identificados. Neste caso, 0 predicado pode ser coletivo, como em (10) e (11) ou distributivo, como em (12) e (13): (10) Todas as cervejas estao guardadas no porno. (todas juntas) (11) Todos os cachorros fizeram urna fila. (todosjuntos) (12) Todas as aguas que eu bebi estavam quentes. (cada urna individualmente) (13) Todos os cachorros comeram sua ra~llo.(cada urn individualmente) Em combina~oes de todos os com substantivos de massa, como agua, as entidade designadas devem ser interpretadas como individuos, p.ex., unidades de medil;:aoou subtipos. Nesse caso, todos os comporta-se como cada. Entre os constituintes de sintagmas nominais, podemos observar que quantificadores de medi~ao (cf. ESCHENBACH 1995: 48 ss.), como muito, pouco, tanto, etc., comportam-se no singular como todo e no plural, como todo 0, Le., podem ser combinados com substantivos de massa (14.a), substantivos individuativos (14.b) e substantivos no plural (14.c). Substantivos individuativos no singular devem ser interpretados nessa constru~ao como massivos: muita agua, muito pao, muita esperan~a muito estudante, muita familia, muita festa muitos estudantes, muitas familias, muitas festas Neste item, desenvolveremos a hip6tese de que a contabilidade nllo e simplesmente urna propriedade lexical do substantivo, transferida ao sintagma nominal, mas urna propriedade composicional do sintagma, formada com base nos valores de contabilidade de seus diversos constituintes. A observa~ao crucial para essa hip6tese em rela~llo it lingua portuguesa e 0 fato de que 0 totalizador coletivo todo e os quantificadores de medi~ao possuem liberdade de combina~ao com substantivos individuativos: (15) Um dia, todo carro quebra. (16) Em Sao Paulo, tem muito carro andando na rua. Na perspectiva inversa, os substantivos individuativos, como carro, podem ser combinados com qualquer tipo de quantificador, 0 que sugere que eles sejam neutros em rela~ao it contabilidade. Atribuimos, portanto, a eles a marca [±contavel]. Substantivos como gado, por outro lado, podem ser livremente combinados com quantificadores de mediyao, mas nao com quantificadores de contagem. Tambem nao formam 0 plural. Esses tem, portanto, 0 valor [-contavel]:

4 Quando urn substantivo com 0 valor [4:ontavel] forma 0 plural e/ou c combinado com urn quantificador de contagem, e obrigatoriamente reinterpretado como designador de individuo(s) (unidade(s) de medicao ou subtipo(s». Nesse caso, 0 substantivo adquire 0 valor [±contlivel]: o plural como categoria gramatical exige a interpretacao do substantivo como individuativo e possui,portanto, 0 valor [+contavel].1 Para analisar melhor a composicao da contabilidade no sintagma nominal, dividiremos 0 sintagma em dois dominios: 0 dominio do substantivo (dominio N) e 0 dos demais constituintes (dominio extra-n)o Dentro do dominio N, urn substantivo [- contavel] pode ser antecedldo por urn substantivo [±contavel] que designa uma unidade de medicao: o primeiro desses substantivos atribui seu valor [±contavel] a combinacao como urn todo, 0 que fica nitido na combinabilidade do conjunto com quantificadores: o plural como categoria gramatical atribui ao dominio N inteiro 0 valor [+contavel]: Em suma, podemos distinguir tres possiveis componentes do dominio N que contribuem para a composicao do seu valor de contabilidade: substantivos com 0 valor [4:ontlivel], substantivos com 0 valor [±contavel] e 0 plural, com 0 valor [+contavel]. I Esse ndo e 0 caso dos plura/ia tantum como chimes, nupcias, trevas, tripas etc. Nesses substantivos, 0 plural ndo tern valor proprio de contabilidade, pois e uma forma lexicalizada, sem oposi~o ao singular.

5 No dominio extra-n, temos os totalizadores nominais, os quantificadores de contagem e de medicao e os determinantes. Ja vimos que 0 totalizador distributivo cada exige a interpretacao do substantivo como individuativo. Seu valor de contabilidade deve, portanto, ser [+contavel]. Todo exige a interpretacao do substantivo como massivo. Seu valor de contabilidade e [-contavel]. Todo 0 e composto de todo, com 0 valor [-contavel], e do artigo definido. 0 artigo pode ser combinado com qualquer tipo de substantivo sem exigir interpretacoes particulares em relacao it individuacao. Ele deve, portanto, ser [±contavel]. Seu valor de contabilidade e atribuido ao conjunto todo o. Todos os integra ainda 0 plural, com 0 valor [+contlivel], e adquire esse valor. Os quantificadores de contagem (numerais), como um, tres, vinte etc., sao marcados com 0 valor [+contavel]. Assim como cada, exigem uma interpretacao individuativa dos substantivos com que se combinam. No caso de combinacoes com substantivos [-contavel], 0 resultado sera a reinterpretacao do substantivo como [±contavel], designador de uma unidade de medicao ou de um subtipo. Os quantificadores de medicao, como muito, tanto, quanto, bastante etc., tem 0 valor [-contavel], por exigirem uma interpretacao massiva do substantivo. Eles podem tambem ocorrer no plural: muitos, tantos, quantos, bastantes etc. Neste caso, sao numerais relativos e adotam 0 valor [+contavel] do plural. Em suma, distinguimos entre cinco possiveis componentes do dominio extra- os totalizadores cada, com 0 valor [+contavel], e todo, com 0 valor [-contavel], os quantificadores de contagem, com 0 valor [+contavel], os quantificadores de medicao, com 0 valor [-contavel], os artigos, com 0 valor [±contavel] e 0 plural, com 0 valor [+contavel]. Enquanto os valores de contabilidade dentro de cada dominio do sintagma nominal sao formados composicionalmente, de maneira que 0 valor mais alto sempre passa a ser 0 valor do dominio como um todo, a combinacao dos dois dominios entre si exige concordancia dos valores de contabilidade. Isso significa que um dominio N com o valor [-contavel] e compativel com um dominio extra-n [-contavel] e um dominio N [+contavel], com um dominio extra-n [+contavel]. Porem, um dominio N [-contavel] nao e compativel com um dominio extra-n [+contavel] e vice-versa. Um dominio [±contavel] e compativel com um outro [+contavel], [±contavel] e [-contavel]. Para que o sintagma como um todo seja contavel, e necessario que pelo menos um de seus dominios tenha 0 valor [+contavel].

6 Concluimos que a divisao dos substantivos em contliveis e nao-contliveis nao se aplica adequadamente ao portugues brasileiro. Particularmente, a existencia de substantivos contliveis em portugues parece ser incompativel com as evidencias distribucionais. Portanto, sugerimos que 0 portugues brasileiro nao possui substantivos contaveis, mas apenas substantivos nao-contliveis e neutros. Substantivos nao-contliveis combinam-se com os totalizadores todo e todo 0 e com quantificadores de medi~ao, mas nao com quantificadores de contagem nem com 0 totalizador distributivo cada. Substantivos neutros sao combinaveis com qualquer elemento extra-no RESUMO: Seguindo 0 modelo da gramatica do ingles, os substantivos da lingua portuguesa foram divididos, por alguns autores, em contliveis e nao-contliveis. 0 presente trabalho retoma essa discussao e desenvolve a hip6tese de que 0 portugues brasileiro contemponineo nao possui substantivos contliveis, mas somente nao-contliveis e neutros em rela~ao a contabilidade. BLUHDORN, Hardarik; NOMURA, Masa. Observa~oes sobre 0 uso de totalizadores nominais no alemao e no portugues do Brasil. Pandaemonium Germanicum 3.1, p , CAMACHO, Roberto Gomes; PEZATTI, Erotilde de Goreti. As subcategorias nominais contlivel e nao-contavel. In: KATO, Mary A. (org.). Gramatica do Portugues Falado. Vol. 5. Campinas: Editora da Unicamp, p , ESCHENBACH, Carola. Ziihlangaben - MajJangaben. Bedeutung und konzeptuelle Interpretation von Numeralia. Wiesbaden: Deutscher Universitiits-Verlag, QUIRK, Randolph et al. A Comprehensive Grammar of the English Language. London: Longman, 1985.

SINTAGMAS NOMINAIS CONTÁVEIS E NÃO-CONTÁVEIS NO ALEMÃO E NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

SINTAGMAS NOMINAIS CONTÁVEIS E NÃO-CONTÁVEIS NO ALEMÃO E NO PORTUGUÊS BRASILEIRO A versão definitiva deste artigo foi publicada em: Battaglia, Maria Helena Voorsluys & Nomura, Masa (orgs.). Estudos lingüísticos contrastivos em alemão e português. São Paulo, Annablume, 2008, pp. 41-82.

Leia mais

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro

Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Traços da distinção contável-massivo no Chinês e no Português Brasileiro Nize Paraguassu Endereço Acadêmico: Departamento de Lingüística - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Universidade

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO Maria Isabel de Moura * Valdemir Miotello ** RESUMO: Os gerativistas colocam essa relação, como sendo a relação entre a gramaticalidade e a comunicabilidade.

Leia mais

WHAT WE EAT AND DRINK SAY A LOT ABOUT US

WHAT WE EAT AND DRINK SAY A LOT ABOUT US Aula9 WHAT WE EAT AND DRINK SAY A LOT ABOUT US META Apresentar os pronomes indefinidos some e any demonstrando os usos desses em relação aos usos dos artigos indefi nidos. Apresentar os pronomes interrogativos

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario

PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario ABSTRACT: This paper argues that stative predicates cannot occur with subject oriented secondary predicates. We are assuming a view that

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

CASOS PARTICULARES S + S + A Obs:

CASOS PARTICULARES S + S + A Obs: 1) Regra geral Palavra que acompanha substantivo concorda com ele. Ex.: O aluno. Os alunos. A aluna. As alunas. Meu livro. Meus livros. Minha pasta. Minhas pastas. Garoto alto. Garotos altos. Garota alta.

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO SINTÁTICO E SEMÂNTICO DOS ADVÉRBIOS EM - MENTE Coordenador/E-mail: Gessilene Silveira Kanthack/

Leia mais

PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE

PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE CO~CA~AOCOORDENADA PROCESSAMENTO SINrATICO E SEMANnCO: UMA TENrATWA PARA SfNrESE DAFALA Edson Campos MAlA (UNICAMP) ABSTRACT: This paper aims at investigating certain syntactic restrictions such as pronominal

Leia mais

Liliane Santana Curriculum Vitae

Liliane Santana Curriculum Vitae Liliane Santana Curriculum Vitae Abril/2008 Dados pessoais Nome: Endereço profissional: Endereço eletrônico: Liliane Santana UNESP - Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas de São José do Rio

Leia mais

Aula6 TALKING ABOUT THE TIME. Fernanda Gurgel Raposo

Aula6 TALKING ABOUT THE TIME. Fernanda Gurgel Raposo Aula6 TALKING ABOUT THE TIME META Complementar as aulas anteriores, apresentando as formas de informar as horas em inglês, telling the time; revisando as preposições relacionadas a tempo; as estações do

Leia mais

PREDICADOS COMPLEXOS. Maria José Foltran* Preliminares

PREDICADOS COMPLEXOS. Maria José Foltran* Preliminares ESTUDOS LINGÜÍSTICOS PREDICADOS COMPLEXOS Maria José Foltran* Preliminares T? ste artigo tem um caráter eminentemente descritivo. Nosso proposito B J é mostrar que os chamados predicados complexos englobam

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

CONCORDÂNCIA NOMINAL

CONCORDÂNCIA NOMINAL CONCORDÂNCIA NOMINAL O artigo, o numeral, o adjetivo e o pronome adjetivo concordam com o substantivo ou o pronome a que se referem. Exemplos: a) Achamos a festa maravilhosa. b) Aquela fazenda é a minha.

Leia mais

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (465-469) A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Elaine Teresinha Costa CAPELLARI (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) ABSTRACT:

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

1.0. Transitividade e intransitividade na gramatica tradicional e na gramatica gerativa

1.0. Transitividade e intransitividade na gramatica tradicional e na gramatica gerativa ABSTRACT: This paper presents a study of arbitrary null objects in Brazilian Portuguese. The main focus of this research is to discuss the relations of verbal transitivity and intransitivity in the subcategorization

Leia mais

Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA. Lêda Corrêa

Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA. Lêda Corrêa Aula4 ASPECTOS DA TRANSITIVIDADE VERBAL EM LÍNGUA PORTUGUESA META Apresentar questões problemáticas relativas à transitividade verbal pela gramática tradicional; propor novo modelo de transitividade verbal.

Leia mais

UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 LANGUAGE & LINGUISTIC IV IDE-PT202 THREE (3) HOURS

UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 LANGUAGE & LINGUISTIC IV IDE-PT202 THREE (3) HOURS UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 TITLE OF PAPER LANGUAGE & LINGUISTIC IV COURSE NUMBER IDE-PT202 TIME ALLOWED THREE (3) HOURS INSTRUCTIONS 1. ANSWER ALL QUESTIONS. 2. DO NOT WRITE

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

sue ANALISE DE NECESSIDADES DE ALUNOS DE PSICOLOGIA DAS FACULDADES SAO MARCOS

sue ANALISE DE NECESSIDADES DE ALUNOS DE PSICOLOGIA DAS FACULDADES SAO MARCOS sue ANALISE DE NECESSIDADES DE ALUNOS DE PSICOLOGIA DAS FACULDADES SAO MARCOS - SP Esta comunica9ao trata de resultados obtidos a partir de uma analise de necessidades de a1unos de 72 e 82 semestres do

Leia mais

Aula10 PEOPLE OF DIFFERENT KINDS. Fernanda Gurgel Raposo

Aula10 PEOPLE OF DIFFERENT KINDS. Fernanda Gurgel Raposo Aula10 PEOPLE OF DIFFERENT KINDS META A meta desta nossa última aula é tratar dos adjetivos relativos à personalidade, bem como das formas do comparativo e superlativo, comparative and superlative forms.

Leia mais

Breves considerações acerca de modificadores nominais (rentaishuushokugo) da língua japonesa, segundo Yamada a Watanabe

Breves considerações acerca de modificadores nominais (rentaishuushokugo) da língua japonesa, segundo Yamada a Watanabe Breves considerações acerca de modificadores nominais (rentaishuushokugo) da língua japonesa, segundo Yamada a Watanabe Junko Ota Centro de Estudos Japoneses Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Leia mais

3. Resultados e discussão. 3.1. Presença de nome nu singular na posição pré e pós-verbal

3. Resultados e discussão. 3.1. Presença de nome nu singular na posição pré e pós-verbal A INCORPORAÇÃO SEMÂNTICA NA AQUISIÇÃO DO NOME NU SINGULAR NA POSIÇÃO PÓS-VERBAL Luciana Santos Brito (Bolsista do PIBIC/UFPI), Gustavo Andrade Nunes Freire (Colaborador, IEL - UNICAMP), Ronald Taveira

Leia mais

O singular nu e a comparação: uma proposta de derivação semântica

O singular nu e a comparação: uma proposta de derivação semântica OLIVEIRA, Roberta Pires de; SOUZA, Luizandro Mendes de. O singular nu e a comparação: uma proposta de derivação semântica. Revista LinguíStica / Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade

Leia mais

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE Aula INTRODUÇÃO À SINTAXE META Expor informações básicas sobre sintaxe. OBJETIVOS Ao final desta aula o aluno deverá: levar o aluno a compreender o que seja sintaxe de regência, de colocação e de concordância.

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 INFLUÊNCIAS MÚTUAS DE UMA MODALIDADE SOBRE A OUTRA NO INCONSCIENTE DE UM INDIVÍDUO COM UM ALTO GRAU DE LETRAMENTO José Mario Botelho (UERJ e ABRAFIL) botelho_mario@hotmail.com Marcela Cockell (UERJ) marcelacockell@hotmail.com

Leia mais

O alfabeto A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V X Z ( W, Y)

O alfabeto A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V X Z ( W, Y) O alfabeto A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V X Z ( W, Y) Sons das palavras juntas : Nha Nhe Nho Nhi Ao Aos Aoes Ae Conversacao - Oi Maria como vao as coisas? - Ora pois vao muito bem e com tu

Leia mais

Professora Verônica Ferreira

Professora Verônica Ferreira Professora Verônica Ferreira 1- Prova: ESAF - 2013 - DNIT - Técnico Administrativo (questão nº 1) Disciplina: Português Assuntos: Crase; Assinale a opção que completa corretamente a sequência de lacunas

Leia mais

PROJETOS FORMADORES EM DISTRIBUIÇÃO SÉRICA

PROJETOS FORMADORES EM DISTRIBUIÇÃO SÉRICA PROJETOS FORMADORES EM DISTRIBUIÇÃO SÉRICA ENTRE OS CICLOS DE ESTUDOS DO GRUPO DE PESQUISA Ciclo de Pesquisa V Cultura e currículo de formação de professores para o letramento e a alfabetização FORMAÇÃO

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol

A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o presente do indicativo em português e espanhol Talita Vieira Moço (USP) Introdução Nesta ocasião apresentaremos algumas das observações

Leia mais

CURSO: TRIBUNAL REGULAR ASSUNTOS: CONCORDÂNCIA NOMINAL / CONCORDÂNCIA VERBAL SUMÁRIO DE AULA DÉCIO SENA

CURSO: TRIBUNAL REGULAR ASSUNTOS: CONCORDÂNCIA NOMINAL / CONCORDÂNCIA VERBAL SUMÁRIO DE AULA DÉCIO SENA CURSO: TRIBUNAL REGULAR ASSUNTOS: CONCORDÂNCIA NOMINAL / CONCORDÂNCIA VERBAL SUMÁRIO DE AULA DÉCIO SENA PRIMEIRA PARTE: CONCORDÂNCIA NOMINAL I. Regra Geral II. Casos Particulares I) Regra Geral: Exemplo:

Leia mais

o objetivo deste projeto 6 propor a analise e implementacao de urn "parser

o objetivo deste projeto 6 propor a analise e implementacao de urn parser PARSER: UM ANALISADOR SINTATICO E SEMANTICO PARA SENTEN«;AS DO PORTUGlltS Joao Luis Garcia ROSA (PUCCAMP) ABSTRACT: This work aims at the analysis and implementation 0/ a semantic parser for oral portuguese

Leia mais

Vantagens da integração de dicionários de palavras compostas em sistemas de PLN

Vantagens da integração de dicionários de palavras compostas em sistemas de PLN AVALON 2003 Encontro de Avaliação Conjunta de Sistemas de Processamento Computacional do Português Faro, 28 de Junho de 2003 Vantagens da integração de dicionários de palavras compostas em sistemas de

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

DICAS DE PORTUGUÊS. Sidney Patrézio Reinaldo Campos Graduando em Ciência da Computação

DICAS DE PORTUGUÊS. Sidney Patrézio Reinaldo Campos Graduando em Ciência da Computação DICAS DE PORTUGUÊS Sidney Patrézio Reinaldo Campos Graduando em Ciência da Computação CONCORDÂNCIA NOMINAL Concordância nominal é o princípio de acordo com o qual toda palavra variável referente ao substantivo

Leia mais

Correlação quando uma Variável é Nominal

Correlação quando uma Variável é Nominal Correlação quando uma Variável é Nominal Em geral, quando uma das duas variáveis é do tipo categórica e puramente nominal (isto é, não pode nem ser ordenada) não se pode fazer um estudo de correlação.

Leia mais

A EXPRESSÃO DA GENERICIDADE NO PORTUGUÊS DO BRASIL *

A EXPRESSÃO DA GENERICIDADE NO PORTUGUÊS DO BRASIL * A EXPRESSÃO DA GENERICIDADE NO PORTUGUÊS DO BRASIL * Ana Müller ** Introdução O objetivo deste trabalho é investigar a semântica das expressões de referência a espécie e das sentenças genéricas no Português

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

Concordância Nominal

Concordância Nominal Concordância Nominal Concordância Nominal Regra Geral O artigo, o pronome, o numeral e o adjetivo devem concordar em gênero e número com o substantivo ao qual se referem. Ex.: Os nossos dois brinquedos

Leia mais

Fundamentos em Informática (Sistemas de Numeração e Representação de Dados)

Fundamentos em Informática (Sistemas de Numeração e Representação de Dados) 1 UNIVERSIDADE DO CONTESTADO / UnC CAMPUS CONCÓRDIA/SC CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Fundamentos em Informática (Sistemas de Numeração e Representação de Dados) (Apostila da disciplina elaborada pelo

Leia mais

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE

[FOCO] É QUE / [FOCO] QUE X WH É QUE / WH QUE [FOO] É QUE / [FOO] QUE X WH É QUE / WH QUE Mariana RESENES (UFS) ABSTRAT: Our aim in this paper is to show that sentences formed by [focus]that... are not derived from clefts [focus] is that, parallel

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO André William Alves de Assis 1 ;

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA INTERATIVIDADE FINAL DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES AULA. AULA: 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo

LÍNGUA PORTUGUESA INTERATIVIDADE FINAL DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES AULA. AULA: 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo : 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo Habilidades: Perceber como se organizam os parágrafos de um texto dissertativo-argumentativo. Texto dissertativo O texto dissertativo é um tipo de texto

Leia mais

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905)

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Textos / Seminário de Orientação - 12 de Março de 2005 - Fernando Janeiro Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Assume-se que o objecto de uma teoria semântica é constituído

Leia mais

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN Aula2 TALKING ABOUT PLACES IN TOWN META Apresentar a estrutura gramatical there be a qual representa o verbo haver em português - bem como trabalhar os adjetivos possessivos e vocabulário de suporte aos

Leia mais

GUIA DE INTERPRETAÇÃO DO CELLA DA FLÓRIDA

GUIA DE INTERPRETAÇÃO DO CELLA DA FLÓRIDA GUIA DE INTERPRETAÇÃO DO CELLA DA FLÓRIDA INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O CELLA A Flórida utiliza o CELLA (Comprehensive English Language Learning Assessment, Avaliação Abrangente do Aprendizado de Língua Inglesa)

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SUBJUNTIVO EM ORAÇÕES SUBORDINADAS: DESCRIÇÃO SINTÁTICA PELA TEORIA X-BARRA Mário Márcio Godoy Ribas (UEMS) marcioribas@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@hotmail.com 1. Considerações

Leia mais

Turma Regular Semanal Manhã

Turma Regular Semanal Manhã A) ARTIGOS CORRELATOS CONCORDÂNCIA NOMINAL Introdução Leia a frase abaixo e observe as inadequações: Aquele dois meninos estudioso leram livros antigo. Note que as inadequações referem-se aos desajustes

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Relevância do tema

1 Introdução. 1.1 Relevância do tema 1 Introdução A semântica dos compostos nominais em língua inglesa tem sido objeto de investigação de muitas pesquisas no âmbito da Linguística e fora dela também. A interpretação das relações semânticas

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

- A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. latina. Nossos primeiros gramaticos optam por descrever

- A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. latina. Nossos primeiros gramaticos optam por descrever CLAUDI 0 PUC/Sp CAMPOS - A palavra isolada - morfologia - A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. - Considera~oes Nossa gramatica originou-se da gramatica latina. Nossos primeiros gramaticos optam

Leia mais

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas.

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. 36 4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. Em inglês, diversos nominais são formados a partir do processo de adição de sufixos, como er, e ing às suas

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

SOBRE A QUEBRA DE ENCONTROS CONSONANTAIS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

SOBRE A QUEBRA DE ENCONTROS CONSONANTAIS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO SOBRE A QUEBRA DE ENCONTROS CONSONANTAIS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Thaïs CRISTÓFARO-SILVA (UFMG) ABSTRACT: Branching onsets reduction in Brazilian Portuguese was analysed as a phonological process. The condition

Leia mais

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias Rosana do Carmo Novaes Pinto 1 Desde 1999, venho defendendo a relevância

Leia mais

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Cap. 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês 92 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Nesta parte do trabalho, analisarei alguns resultados da análise dos

Leia mais

SOLUÇÕES FINANCEIRAS FRENTE AO ESTADO DE EMERGÊNCIA CLIMA 2013/2014

SOLUÇÕES FINANCEIRAS FRENTE AO ESTADO DE EMERGÊNCIA CLIMA 2013/2014 SOLUÇÕES FINANCEIRAS FRENTE AO ESTADO DE EMERGÊNCIA CLIMA 2013/2014 Cenário 2013 - Definições - 2013 foi um ano de neutralidade climática, não tivemos a presença dos fenômenos La Niña e El Niño; (Em anos

Leia mais

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35 SUMÁRIO Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25 Prefácio de Rodolfo Ilari Introdução...31 Como consultar esta gramática...35 1. O que se entende por língua e por gramática...41

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

O Que São Dados? Mundo sensorial: Provar um alimento Medir: aroma Instrumento de medição: provadores Medida: ruim, regular bom excelente

O Que São Dados? Mundo sensorial: Provar um alimento Medir: aroma Instrumento de medição: provadores Medida: ruim, regular bom excelente O Que São Dados? Dados são observações documentadas ou resultados da medição. A disponibilidade dos dados oferece oportunidades para a obtenção de informações. Os dados podem ser obtidos pela percepção

Leia mais

Aula 1: Traços morfossintáticos

Aula 1: Traços morfossintáticos Aula 1: Traços morfossintáticos Quando pensamos nos elementos formativos da sintaxe, ou seja, com que tipos de elementos a sintaxe trabalha, pensamos automaticamente em palavras. Entretanto, essa não parece

Leia mais

TEXTO 1964, PASSADO E PRESENTE

TEXTO 1964, PASSADO E PRESENTE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1964, PASSADO E PRESENTE Mundo, maio/2014 O golpe de 1964, que completou meio século, é passado e presente simultaneamente. Passado: o golpe se inscreve na geopolítica da Guerra

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL

A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL Fábio Flores A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Estudos da Linguagem do Departamento

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

Relatório PIBIC 2012

Relatório PIBIC 2012 Relatório PIBIC 2012 Projeto: Déficit Específico da Linguagem (del) e problemas de linguagem ligados a dificuldades de aprendizagem: um estudo exploratório com vistas à intervenção 1 Alunas: Luiza Frizzo

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Turismo Disciplina: Língua Inglesa Carga Horária Semestral: 40 h/a Semestre do Curso: 5º Semestre 1 - Ementa (sumário, resumo) Compreensão de texto básico. Revisão

Leia mais

Pronomes pessoais atrelados ao uso do verbo to be (am, is e are)

Pronomes pessoais atrelados ao uso do verbo to be (am, is e are) É fundamental saber usar os pronomes, que nos ajudam a fazer substituições, evitando repetições em nossa fala e, principalmente, escrita. Os pronomes são usados para substituir nomes, objetos ou coisas,

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção?

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? 1 PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? Gissele Carraro 1 Nilda Stecanela 2 RESUMO O artigo discute alguns elementos imprescindíveis da gestão do planejamento

Leia mais

Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE. Fernanda Gurgel Raposo

Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE. Fernanda Gurgel Raposo Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE META Apresentar a estrutura gramatical do presente simples, simple present em inglês, nas formas afi rmativa, negativa e interrogativa, para as duas primeiras pessoas do

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DESCRIÇÃO FORMAL DE ADJETIVOS INTERSECTIVOS, SUBSECTIVOS E NÃO-PREDICATIVOS NO INGLÊS E NO PORTUGUÊS 1

UMA PROPOSTA DE DESCRIÇÃO FORMAL DE ADJETIVOS INTERSECTIVOS, SUBSECTIVOS E NÃO-PREDICATIVOS NO INGLÊS E NO PORTUGUÊS 1 16 UMA PROPOSTA DE DESCRIÇÃO FORMAL DE ADJETIVOS INTERSECTIVOS, SUBSECTIVOS E NÃO-PREDICATIVOS NO INGLÊS E NO PORTUGUÊS 1 Albano Dalla Pria (UNEMAT) RESUMO: Este trabalho investiga aspectos semânticos

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013 Artigo publicado na edição 34 Assine a revista através do nosso site maio e junho de 2013 www.revistamundologistica.com.br Paulo Guedes :: opinião Gastos e Custos Logísticos diferenciar para compreender

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA Neide Cesar CRUZ Universidade Federal de Campina Grande Resumo: Este estudo de pequeno porte focaliza as crenças que graduandos

Leia mais

A HARMONIA VOCÁLICA EM VERBOS DE 2ª E 3ª CONJUGAÇÕES NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A HARMONIA VOCÁLICA EM VERBOS DE 2ª E 3ª CONJUGAÇÕES NO PORTUGUÊS BRASILEIRO A HARMONIA VOCÁLICA EM VERBOS DE 2ª E 3ª CONJUGAÇÕES NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Guilherme Duarte GARCIA * (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) Emanuel Souza de QUADROS ** (Universidade Federal do Rio

Leia mais

Coleção: Encantando a Gramática. Autora: Pâmela Pschichholz* palavras que existem no mundo. Lá, várias famílias vivem felizes.

Coleção: Encantando a Gramática. Autora: Pâmela Pschichholz* palavras que existem no mundo. Lá, várias famílias vivem felizes. Coleção: Encantando a Gramática Autora: Pâmela Pschichholz* Um lugar diferente Em um vilarejo chamado classes Gramaticais moram todas as palavras que existem no mundo. Lá, várias famílias vivem felizes.

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

Brasileiros esperam ganhar salário três vezes maior após fazer MBA

Brasileiros esperam ganhar salário três vezes maior após fazer MBA COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 6º Ano Profª: Margareth Rodrigues Dutra Disciplina: Língua Portuguesa Aluno(a): TRABALHO DE RECUPERAÇÃO Data de entrega: 18/12/14 Questão 1- Leia o texto a seguir. Brasileiros

Leia mais

AS QUATRO PAREDES DE UMA SALA DE AULA: EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORAS DE PFOL

AS QUATRO PAREDES DE UMA SALA DE AULA: EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORAS DE PFOL Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul AS QUATRO PAREDES DE UMA SALA DE AULA: EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORAS DE PFOL Viviane Bagio Furtoso (Universidade Estadual de Londrina)

Leia mais

O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Poliana Helena Batista Thomaz PUC-Campinas Maria Auxiliadora Bueno Andrade Megid PUC-Campinas Na pesquisa

Leia mais

Base empírica da sintaxe. Luiz Arthur Pagani (UFPR)

Base empírica da sintaxe. Luiz Arthur Pagani (UFPR) Base empírica da sintaxe (UFPR) 1 1 Gramaticalidade vs. aceitabilidade aceitabilidade [2, ps. 143144]: Aceitável é um termo primitivo ou pré-cientíco, neutro em relação às diferentes distinções que precisaremos

Leia mais

O DISCURSO NOS QUADRINHOS: ANALISANDO CAPITÃO BRASIL

O DISCURSO NOS QUADRINHOS: ANALISANDO CAPITÃO BRASIL O DISCURSO NOS QUADRINHOS: ANALISANDO CAPITÃO BRASIL CASSILHAS, Cristiano FIOROT, João Victor LORDES, Antonio Wallace RESUMO: O principal objetivo do trabalho é analisar as divisões básicas do tópico discursivo

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

Erros mais freqüentes

Erros mais freqüentes Lição 1 Erros mais freqüentes Extraímos de comunicações empresariais alguns erros, que passamos a comentar: 1. Caso se faça necessário maiores esclarecimentos... Apontamos duas falhas: 1. Caso se faça

Leia mais

PROFESSORES E ÁREAS AFINS

PROFESSORES E ÁREAS AFINS ENSINO FUNDAMENTAL II 2015 EQUIPE PEDAGÓGICA Direção Pedagógica Ana Raphaela Medina Orientação Pedagógica Carmen Bonifati Coordenação Pedagógica Cristiane Almeida Fortes PROFESSORES E ÁREAS AFINS Língua

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO Joaquim Cesar Cunha dos Santos ATIVIDADE 07 DISCIPLINA:

Leia mais

o DID 93 integra 0 segundo tipo, e isto explica Ataliba T. de Castilho (UNICAMP)

o DID 93 integra 0 segundo tipo, e isto explica Ataliba T. de Castilho (UNICAMP) Ataliba T. de Castilho (UNICAMP) O. A elipse e a omissao de urn constituinte "estruturalmente necessario", cujo referente pode ser recuperado no texto (por ter side mencionado anteriormente ou por vir

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais