CÓDIGO DE ÉTICA UNICRED ALAGOAS MAIO DE 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÓDIGO DE ÉTICA UNICRED ALAGOAS MAIO DE 2010"

Transcrição

1 CÓDIGO DE ÉTICA UNICRED ALAGOAS MAIO DE 2010 O QUE É CÓDIGO DE ÉTICA? É o documento que contém juízos de apreciação ou princípios de convivência válidos para um grupo de pessoas ou uma sociedade, procedimentos e comportamentos que deverão ser praticados pelos membros desse grupo/ sociedade. Reúne as diretrizes que devem ser observados em nossa atuação profissional para atingirmos padrões éticos cada vez mais elevados no exercício de nossas atividades. Este código prescreve os padrões de conduta profissional exigidos dos gestores, colaboradores e prestadores de serviços por caráter não temporário da Unicred AL: Agir com integridade, competência, dignidade e ética quando lidarem com o público, clientes, colegas e membros dos demais órgãos públicos; Atuar e encorajar colegas e clientes a agirem profissionalmente de forma ética e de modo a assegurar credibilidade à instituição. Praticá-los é uma regra de ouro para fazer da Unicred, a cada dia, sempre um bom lugar para se trabalhar. Estratégia RH Maio de 2010 CÓDIGO DE ÉTICA ÍNDICE I- NORMAS

2 1. Comércio Interno 2. Recebimento de Presentes 3. Tratamento Interpessoal 4. Comportamento Financeiro Pessoal 5. Informações Confidenciais e Privilegiadas 6. Transparência nas Relações Negociais 7. Despesas Administrativas 8. Vantagens Financeiras Ilícitas 9. Conselhos e Orientações de Informações 10. Abuso de Poder 11. Jogos de Azar 12. Filiação a Outra Organização 13. Atividades Cívicas e Políticas 14. Contato com a Mídia II- PENALIDADES APROVAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA

3 I NORMAS 1. COMÉRCIO INTERNO: Não comercializar e nem intermediar quaisquer produto ou negócios estranhos às atividades do sistema Unicred; Não utilizar, para fins estranhos às suas atividades profissionais, os equipamentos, meios de comunicação e instalações, colocados à sua disposição pela Unicred; Comércio interno refere-se a comidas, bebidas, roupas, artesanatos, jóias, títulos de clubes, seguros, rifas, planos de saúde e demais serviços. 2. RECEBIMENTO DE PRESENTES: Ao receber, em razão de suas atribuições, comissão, presente ou vantagem de qualquer espécie, inclusive convites de caráter pessoal, deve comunicar imediatamente ao superior imediato, possibilitando bom relacionamento e adequada independência entre colaboradores, cooperados e fornecedores; Não solicitar, sugerir ou receber vantagem de qualquer espécie, utilizando o nome da UNICRED ou a função na obtenção de benefícios pessoais ou para terceiros. 3. TRATAMENTO INTERPESSOAL: Não permitir que empatias ou interesses de ordem pessoal interfiram no trato com os colegas e o público em geral; Avaliar as pessoas por seus méritos, não por sua raça, religião, nacionalidade, sexo, condição física ou mental, ou pelo nível social e econômico; Tratar com civilidade seus colegas e os associados, respeitando suas crenças e peculiaridades; Informações com características de boatos não devem ser passadas a outros colegas e, muito menos, a pessoas de fora da empresa. Pelo contrário, devem ter sua autenticidade verificada junto às gerências imediatas; Não é permitido na mesma agência, área, setor ou em nível de subordinação qualquer relação em que possa haver conflito de interesse, como relações afetivas, namoro, laços matrimoniais ou familiares. 4. COMPORTAMENTO FINANCEIRO PESSOAL: Pagar em dia seus compromissos financeiros com a Unicred e outras instituições;

4 Utilizar somente os seus recursos financeiros disponíveis para emissão de cheques ou assemelhados; Não emprestar dinheiro próprio a cooperados; Não apresentar: o Inadimplência em seus negócios; o Saque a descoberto em conta corrente; o Excedente do limite de cheque especial; o Cheques devolvidos por insuficiência de fundos. o Os limites de crédito devem ser compatíveis com sua renda e capacidade de pagamento; o Pagar em dia seus compromissos financeiros com a UNICRED; o Utilizar somente os seus recursos financeiros disponíveis para emissão de cheques ou assemelhados; o Não emprestar dinheiro próprio a cooperados. 5. INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS E PRIVILEGIADAS: Guardar sigilo sobre as operações, bem como sobre as informações ainda não tornadas públicas, do sistema UNICRED, seus clientes, prestadores de serviços e fornecedores das quais tenha conhecimento por sua atuação profissional; É proibido uso de informação privilegiada, obtido no exercício profissional, em benefício próprio ou de terceiros, na realização de negócios de qualquer natureza; Não expor documentos dos integrantes do sistema UNICRED ou de associados, a não ser para atender os interesses dos mesmos ou órgãos jurídicos; Evitar envolver-se em conversas de negócios em locais públicos. 6. TRANSPARÊNCIA NAS RELAÇÕES NEGOCIAIS: Relacionar-se com o cooperado e clientes de forma estritamente profissional, preservando a isenção necessária ao desempenho das suas atividades; Proteger os integrantes do sistema UNICRED, evitando que o relacionamento comercial entre colaboradores e associados prejudique a rentabilidade das operações. 7. DESPESAS ADMINISTRATIVAS: Quando ocorrer despesas administrativas o colaborador deverá ter uma postura que reflita coerência e razoabilidade dos valores envolvidos em função dos eventos correspondentes;

5 Deverão ter franqueza e bom senso ao apresentar uma despesa administrativa. 8. VANTAGENS FINANCEIRAS ILÍCITAS: Não aceitar qualquer abordagem que possa levar a uma situação de resultado financeiro ilícito; Não praticar a agiotagem, em qualquer de suas modalidades, ou servir de intermediário para tal propósito; Comunicar para a diretoria da Unicred qualquer proposta ou sugestão ilegal feita por parte de associados, colegas, fornecedores, prestadores de serviços, órgãos públicos e pessoas do mercado em geral. 9. CONSELHOS E ORIENTAÇÕES DE INFORMAÇÕES: Não fornecer orientações a cooperados que não estejam devidamente amparadas nos manuais existentes no Sistema Unicred, evitando o envolvimento e responsabilidade da Cooperativa em possíveis prejuízos aos cooperados, advindos de aconselhamento indevido. É permitida aos colaboradores a prestação de consultoria autônoma remunerada, desde que não seja atividade incompatível com o horário de trabalho junto a Unicred. Toda atividade autônoma deve ser comunicada ao superior imediato e este deverá informar à Diretoria Executiva para ciência. 10. ABUSO DO PODER: Tratar de forma cortês colegas, clientes e terceiros e respeitar sua privacidade, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade ou quaisquer formas de discriminação; Não usar de sua posição hierárquica para coagir ou assediar colaboradores, de ambos os sexos, sob sua gestão ou não; Não se utilizar do cargo ou função para intimidar colegas, fornecedores ou prestadores de serviços, com a finalidade de obter favores pessoais ou profissionais. 11. JOGOS DE AZAR: Não praticar ou colaborar de alguma forma com a prática de jogos de azar nas dependências do Sistema UNICRED, inclusive aqueles praticados no mercado

6 de apostas. 12. FILIAÇÃO A OUTRA ORGANIZAÇÃO: É permitido ao colaborador da UNICRED filiar-se a outras organizações (de fins lucrativos ou não), desde que não tenham qualquer atividade similar que concorra com as realizadas pela UNICRED; Não permitir que a UNICRED seja envolvida formalmente em atividades paralelas à do objetivo de seu estatuto social; Não permitir que sua filiação a outra organização interfira nas atividades para as quais foi contratado junto a Unicred. 13. ATIVIDADES CÍVICAS E POLÍTICAS: As atividades cívicas e políticas dos colaboradores serão permitidas, desde que não utilizem a Unicred como instrumento ou meio e não afetem suas atividades profissionais para o qual foi contratado; Não utilizar a UNICRED como instrumento de recusa a convocações cívicas e/ou políticas. 14. CONTATO COM A MÍDIA: Entrevistas, esclarecimento ou declarações em público que envolvam o nome ou as atividades dos integrantes da Unicred, só serão prestados por pessoas formalmente autorizadas. São elas: o Diretoria; o Gerência Geral; o Assessoria de imprensa; o Não receber membros da mídia sem a expressa autorização.

7 II- PENALIDADES Penalidades são sanções de caráter punitivo, aplicadas ao colaborador, de acordo com a natureza, circunstância e gravidade de infração cometida, independente de gradação. Consideram-se penalidades: Repreensão; Suspensão até 5 (cinco) dias; Descomissionamento ou impedimento para comissionamento; Demissão. Aplicação das penalidades: As penalidades são aplicadas por escrito, com indicação clara e expressa da falta que a motivou e do seu fundamento regulamentar, sendo consignada nos registros funcionais; A pena de demissão é aplicada na ocorrência de falta grave, apurada ensejada de justa causa, instaurando-se Processo Administrativo ou, quando for o caso, inquérito judicial trabalhista; A aplicação das penalidades previstas neste código de ética, não exime o colaborador da responsabilidade de ressarcir eventuais prejuízos causados a UNICRED. As penalidades são da competência da Diretoria Executiva. APROVAÇÃO A Diretoria Executiva aprova no mês de maio de Código de Ética. Dr. Edvaldo Maia Lopes Ferreira Filho Diretor Presidente Dr. Robson Jorge de Lima Diretor Administrativo Financeiro

8 Dr. Ricardo Gonçalves Tavares Diretor Operacional Estratégia RH

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX:

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX: 1. INTRODUÇÃO Código de Ética Este Código de Ética reúne diretrizes que devem ser observadas em nossa ação profissional para atingirmos padrões Éticos no exercício de nossas atividades. Para a Sociedade

Leia mais

Celpa. serviços. Código de ética do prestador de serviços da Celpa

Celpa. serviços. Código de ética do prestador de serviços da Celpa Código de ética do prestador de da Índice Apresentação... 04 Missão, visão e valores... 04 Bom senso... 06 Abrangência... 06 Definição de Prestador de Serviços... 06 1. Conflito de interesses 1.1. Recursos

Leia mais

Código de Ética FINALIDADE ÁREAS ENVOLVIDAS / RESPONSABILIDADES

Código de Ética FINALIDADE ÁREAS ENVOLVIDAS / RESPONSABILIDADES Código de Ética FINALIDADE Documentar e divulgar os preceitos e valores que a Empresa preconiza e exige em toda a sua organização, garantindo o adequado tratamento de todas as operações realizadas, através

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E NORMAS INTERNAS

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E NORMAS INTERNAS MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E NORMAS INTERNAS FINALIDADE Por ser o conceito de ética subjetivo, estando sujeito às variações de valores culturais de cada pessoa, o MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E NORMAS INTERNAS

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. No relacionamento com colegas e outros Profissionais, cada Profissional deverá:

CÓDIGO DE CONDUTA. No relacionamento com colegas e outros Profissionais, cada Profissional deverá: CÓDIGO DE CONDUTA Introdução Este Código define as regras de conduta aos quais os Sócios, os Diretores, bem como todos os funcionários da AGROFEL Agro Comercial Ltda, e terceiros, que ajam em seu interesse

Leia mais

Código de Ética Elaborado em Janeiro de 2016 Atualizado em Junho de 2016 1. INTRODUÇÃO Este Código de Ética estabelece as regras e princípios que nortearão os padrões éticos e de conduta profissional,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO ABRIL / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Objetivos... 3 1.3. Tecnologia da Informação... 3 1.4. Segregação de Atividades...

Leia mais

1 Código de Conduta do Fornecedor

1 Código de Conduta do Fornecedor 1 Código de Conduta do Fornecedor 2 Código de Conduta do Fornecedor Índice 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...03 2. DIRETRIZES...03 2.1. QUANTO À INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS...03 2.2. QUANTO À CORRUPÇÃO... 04 2.3.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Sumário Introdução Regras de Conduta da MIP Gestão do Código de Ética e Conduta da MIP Glossário Termo de Compromisso 03 05 10 12 15 2 Introdução A missão da MIP Engenharia S.A.

Leia mais

Cabe a todos os integrantes e colaboradores diretos ou indiretos fazer valer, respeitar e cumprir todos os itens abordados neste código de ética.

Cabe a todos os integrantes e colaboradores diretos ou indiretos fazer valer, respeitar e cumprir todos os itens abordados neste código de ética. CÓDIGO CORPORATIVO DE CONDUTA ÉTICA Introdução A Alta Engenharia de Consultoria Ltda tem como seu objetivo principal, a transparência e a ética de conduta em seus negócios orientados por um conjunto de

Leia mais

Código de Ética da ABTT

Código de Ética da ABTT Código de Ética da ABTT Prezados (as) Associados (as), A ABTT, ao longo de sua existência, tem conduzido suas atividades na crença de que para seu associado desenvolver-se e ter sucesso, é imprescindível

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Dezembro 2015 2015 Delta Economics & Finance Índice 1 Introdução 1 2 Visão, Missão e Valores 1 3 Conduta Esperada dos Funcionários 2 4 Conflito de Interesse 2 5 Informações Sigilosas

Leia mais

GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional. Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7

GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional. Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7 GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA E PROFISSIONAL As regras de Conduta Ética e Profissional

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO As obrigações de transparência, de responsabilidade, de solidariedade e cooperação que recaem sobre a Federação Portuguesa

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Proteção da Livre Concorrência Código da Norma: NAD-40 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Proteção da Livre Concorrência Código da Norma: NAD-40 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 5 Resumo: Estabelece as diretrizes e regras gerais para garantir a proteção da livre concorrência nas atividades da Duratex S.A. e suas subsidiárias (Organização). Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA

Leia mais

MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS Objetivo Estabelecer regras gerais para os processos de contratação de terceiros e obrigações básicas que devem ser adotadas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica.

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica. CÓDIGO DE ÉTICA Nestes três anos de muitas realizações, as relações da Agência de Desenvolvimento Paulista com seus parceiros, clientes, fornecedores, acionistas, entre outros, foram pautadas por valores

Leia mais

POLÍTICA DE CONSEQUÊNCIA PARA OS PARCEIROS RD 5794/12

POLÍTICA DE CONSEQUÊNCIA PARA OS PARCEIROS RD 5794/12 POLÍTICA DE CONSEQUÊNCIA PARA OS PARCEIROS RD 5794/12 Política de Consequências As reincidências dentro do período estipulado agravarão as penalidades Multa 1 5% sobre remuneração média Mínimo R$ 250,00

Leia mais

POL-006 Política de Investimentos Pessoais

POL-006 Política de Investimentos Pessoais POL-006 Política de Investimentos Pessoais POL-006 Política de Investimentos Pessoais (versão 01/2016) Sumário 1. Objetivo... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. Considerações Gerais... 1 4. Vínculos... 1

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ

TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ INTRODUÇÃO 1. As presentes regras que integram o programa de Certificação Profissional Elotech, instituído pela Diretoria

Leia mais

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas Endesa Brasil ÍNDICE 3 3 3 3 4 6 6 1. Objeto 2. Alcance 3. Aplicação 4. Conceitos 5. Conteúdo 6. Responsabilidades

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor

Código de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Índice 1. Apresentação... 03 2. Abrangência... 04 3. Diretrizes de Conduta... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto à corrupção... 06 3.3. Quanto

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS 1/5 POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVO... 1 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 3. DEFINIÇÕES... 1 4. PRINCÍPIOS DE ATUAÇÃO... 2 4.1. PRINCÍPIO DA NÃO DISCRIMINAÇÃO... 2 4.2. CONFLITO

Leia mais

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A.

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. 16 de dezembro de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA O presente Código de Conduta estabelece o conjunto de princípios e valores em matéria de ética profissional

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE MENSAGEM DO PRESIDENTE A Ética sempre se fez historicamente presente no ambiente corporativo da Schulz S/A, gerando relações exitosas e, por isso, duradouras entre clientes e fornecedores. A elaboração

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. O presente Código tem por finalidade orientar a empresa como um todo sobre questões éticas e de conduta.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. O presente Código tem por finalidade orientar a empresa como um todo sobre questões éticas e de conduta. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA O presente Código tem por finalidade orientar a empresa como um todo sobre questões éticas e de conduta. 1. Introdução O presente Código de Ética e Conduta tem por objetivo oferecer

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO N. 147, DE 15 DE ABRIL DE 2011. Institui o Código de Conduta do Conselho e da Justiça Federal de primeiro e segundo graus. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, usando de suas atribuições

Leia mais

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A. Acordo de Acionistas Regimento da Interno CPFL dos Energia Comitês S.A. de Assessoramento do Atual Denominação Social Conselho da de Draft Administração II Participações S.A. da CPFL Energia S.A. 1 Sumário

Leia mais

SUL BRASIL SECURITIZADORA S/A

SUL BRASIL SECURITIZADORA S/A SUL BRASIL SECURITIZADORA S/A 1 2 Código de conduta e ética. O sucesso não depende apenas de serviços de boa qualidade, mas sim da credibilidade e ética que assumimos perante a sociedade de uma forma em

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Mensagem da Diretoria Prezado(a), A conduta ética, compartilhada e reafirmada neste documento é o fundamento de sustentação, desenvolvimento e fortalecimento da Qualicorp. As

Leia mais

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE 14 07 10 01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES do CLIENTE / UTENTE Preâmbulo Tendo como referência o Código de Ética, a Carta dos Direitos e Deveres do Cliente reforça o compromisso da APCC com

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA PORTARIA Nº 23, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Fixa e regulamenta as normas de conduta dos empregados e as regras para o funcionamento do COFECON. O PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso de suas

Leia mais

Sonae Sierra Brasil Código de Conduta

Sonae Sierra Brasil Código de Conduta Sonae Sierra Brasil Código de Conduta INTRODUÇÃO O Que é Nosso Código de Conduta? Nosso Código de Conduta estabelece e promove os aspectos fundamentais de comportamento ético que, na opinião da nossa Companhia,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA \ CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Versão 2016.1 Editada em Junho de 2016 O estímulo a um ambiente de trabalho leal e saudável é parte fundamental para o sucesso de nossas atividades e realizações pessoais. Neste

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014.

CÓDIGO DE ÉTICA. Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014. CÓDIGO DE ÉTICA Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014. CÓDIGO DE ÉTICA (Aprovado pela Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014.) CONSIDERANDOS * Dada a missão da Faculdade Inedi, de constituir num centro

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética TERCON INVESTIMENTOS LTDA. Rua Américo Brasiliense, 1765 cj. 32 Chácara Santo Antonio - São Paulo - SP CEP 04715-005 Fone (11) 5181 5841 Código de Conduta Ética O conjunto de princípios

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS & NORMAS INTERNAS Versão: 1- Objetivo O objetivo desta Política de Investimento Pessoal (ou Política) é estabelecer procedimentos e regras para os investimentos pessoais

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E CONDUTA EMPRESARIAL

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E CONDUTA EMPRESARIAL E CONDUTA EMPRESARIAL R WEM EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS LTDA. Página 2 de 9 Ciente de sua responsabilidade como fabricante de produtos médicos, a WEM divulga seu manual de conduta ética e conduta empresarial.

Leia mais

Código de Conduta

Código de Conduta Código de Conduta WWW.METADADOS.COM.BR Apresentação O presente documento, intitulado Código de Conduta Metadados, tem como objetivo estabelecer, de maneira formal, o conjunto de normas que regram a conduta

Leia mais

INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INPACTO. Código de Conduta

INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INPACTO. Código de Conduta INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INPACTO Código de Conduta Nos termos do parágrafo quarto, do artigo quarto do Estatuto Social do INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO

Leia mais

Código de Conduta. Mensagem do Presidente. Marcos Sawaya Jank Presidente

Código de Conduta. Mensagem do Presidente. Marcos Sawaya Jank Presidente Código de Conduta Código de Conduta Mensagem do Presidente Elaborado de acordo com os princípios e políticas definidos e aprovados pelos Conselhos Deliberativo e Fiscal da UNICA, este código de conduta

Leia mais

Código de Conduta da SKF. para fornecedores e subcontratantes

Código de Conduta da SKF. para fornecedores e subcontratantes Código de Conduta da SKF para fornecedores e subcontratantes Código de Conduta da SKF para fornecedores e subcontratantes Os fornecedores e subcontratantes da SKF desempenham um papel importante em nossa

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

DIREITO ADMINISTRATIVO IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA DIREITO ADMINISTRATIVO IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Atualizado em 04/11/2015 IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA A exigência de uma atuação moral se relaciona com o dever de probidade, ética e honestidade da Administração

Leia mais

O Código de Conduta da Rio Shop apresenta os princípios direcionadores da conduta dos colaboradores no que concerne a aspectos éticos e morais.

O Código de Conduta da Rio Shop apresenta os princípios direcionadores da conduta dos colaboradores no que concerne a aspectos éticos e morais. 1 INTRODUÇÃO O Código de Conduta da Rio Shop apresenta os princípios direcionadores da conduta dos colaboradores no que concerne a aspectos éticos e morais. O código vem formalizar a expectativa quanto

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES Ex.mo(a) Senhor(a) Nome n.º, com relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado/termo resolutivo desta Câmara Municipal, com a carreira/categoria de e afeto ao setor,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015

CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015 CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...5 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...5 Artigo 2.º Princípios Gerais...5 Artigo 3.º Legalidade...5 Artigo 4.º

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA índice Páginas 5 1. OBJETO E ÂMBITO DO REGULAMENTO 2. COMPOSIÇÃO DO COMITÉ DE ÉTICA 6 7 8 3. COMPETÊNCIAS DO COMITÉ DE ÉTICA 4. FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA 5. SUPERVISÃO

Leia mais

REGRAS, PROCEDIMENTOS E DESCRIÇÃO DOS CONTROLES INTERNOS. Tutors Multi Family Office Gestão de Patrimônio EIRELI - ME

REGRAS, PROCEDIMENTOS E DESCRIÇÃO DOS CONTROLES INTERNOS. Tutors Multi Family Office Gestão de Patrimônio EIRELI - ME REGRAS, PROCEDIMENTOS E DESCRIÇÃO DOS CONTROLES INTERNOS Tutors Multi Family Office Gestão de Patrimônio EIRELI - ME Sumário I. Introdução... 3 II. Política de Confidencialidade... 4 III. Políticas de

Leia mais

Diretrizes para Uso das Contas de Correio Eletrônico ( )

Diretrizes para Uso das Contas de Correio Eletrônico ( ) Diretrizes para Uso das Contas de Correio Eletrônico (e-mail) 1. Introdução Neste documento estão definidas as diretrizes que devem ser observadas na utilização do endereço de correio eletrônico @fatec.sp.gov.br

Leia mais

NORMATIVO Nº 004 CONSIDERANDOS

NORMATIVO Nº 004 CONSIDERANDOS O Conselho de Ética e Autorregulação, com base no Estatuto Social da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (abecs) e no Código de Ética e Autorregulação, sanciona as regras

Leia mais

Código de Conduta do Grupo Cindapa

Código de Conduta do Grupo Cindapa Código de Conduta do Grupo Cindapa A MARCA DA SEGURANÇA 1 NOSSAS DIRETRIZES Nossa Missão Fornecer soluções em segurança patrimonial privada, mitigando os riscos e evitando perdas, por meio de uma Gestão

Leia mais

Código de Conduta Ética Profissional

Código de Conduta Ética Profissional Código de Conduta Ética Profissional 1. CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DA BRASIL BROKERS A Brasil Brokers é uma empresa de intermediação e consultoria imobiliária que atua em todo território nacional e para nos

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta Código de Ética e de Conduta Edição: 1 Maio - 2015 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Finalidade O estabelecimento de princípios e regras gerais de ética e conduta que assegurem o cumprimento dos valores estabelecidos

Leia mais

2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade Relacionamento com a comunicação social... 5

2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade Relacionamento com a comunicação social... 5 Índice 1. Âmbito de aplicação... 2 2. Princípios Gerais 2.1 Integridade... 2 2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade... 2 2.3 Igualdade de Tratamento e a não discriminação... 3 2.4 Lealdade e cooperação...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS E NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS SUMÁRIO

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS E NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS SUMÁRIO POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS E NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS SUMÁRIO I - Objetivo... 2 II - Aplicação... 2 III - Regras de Conduta... 3 IV - Disposições Gerais... 6 ANEXO A - Declaração Anual

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

Informações Gerais. Para fornecer materiais ou serviços ao Grupo NSG, exige-se que os fornecedores cumpram este Código de Conduta.

Informações Gerais. Para fornecer materiais ou serviços ao Grupo NSG, exige-se que os fornecedores cumpram este Código de Conduta. Informações Gerais Título da Política Código de Conduta do Grupo NSG (Grupo de Fornecedores) Aprovado Por Comitê Diretor da Política de Aquisição (compras) Data Aprovada 17.06.2009 Âmbito Esta política

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO Sumário INTRODUÇÃO... 3 LAVAGEM DE DINHEIRO... 3 FERRAMENTAS DE COMBATE E PREVENÇÃO AOS CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO... 4 KNOW YOUR CLIENT KYC... 5 MONITORAMENTO...

Leia mais

Manual para Contratação de Terceiros

Manual para Contratação de Terceiros Manual para Contratação de Terceiros 1 Objetivo... 2 2 Abrangência... 2 3 Serviços Eventuais... 2 4 Serviços Permanentes... 2 5 Tomador de Serviços... 3 6 Responsável Técnico... 3 7 - Restrições Administrativas...

Leia mais

identificáveis por meio de um protocolo de atendimento.

identificáveis por meio de um protocolo de atendimento. REGULAMENTO DO OMBUDSMAN DA BM&FBOVESPA 1 Definição 1.1 O Ombudsman é o canal de comunicação da BM&FBOVESPA ( Companhia ) com o público externo, como os participantes de ambientes de negociação, liquidação

Leia mais

Código de Ética e Conduta. Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal

Código de Ética e Conduta. Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal Código de Ética e Conduta Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal ÍNDICE ÍNDICE 1 PREÂMBULO 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4 Princípio 1 Proteção dos interesses dos associados 4 Princípio

Leia mais

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional Relatório Anual 2015 Gerenciamento de Risco Operacional Sumário Introdução Estrutura de Risco Operacional Responsabilidades Metodologia de Gerenciamento Aprovação e Divulgação Conclusão 1 Introdução Em

Leia mais

Política de Alçadas. a) Acionistas Controladores: grupo composto pela Votorantim Industrial S.A. e BNDES Participações S.A. BNDESPAR.

Política de Alçadas. a) Acionistas Controladores: grupo composto pela Votorantim Industrial S.A. e BNDES Participações S.A. BNDESPAR. Fibria Celulose S.A. Política de Alçadas 1. OBJETIVO Esta Política de Alçadas ( Política ) tem como objetivo fixar os limites de alçadas para aprovação pela Diretoria e pelo Conselho de Administração da

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA JUNHO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA JUNHO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA JUNHO 2016-2019 SUMÁRIO 01 APRESENTAÇÃO 03 02 APLICAÇÃO E VIOLAÇÃO A ESTE CÓDIGO 04 03 POLÍTICA DE QUALIDADE 05 04 VALORES E AMBIENTE DE TRABALHO 06 CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 CÓDIGO DEONTOLÓGICO Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 ÍNDICE I- ÂMBITO E VIGÊNCIA... 3 II- RESUMO... 3 III- PRINCÍPIOS E REGRAS... 3 3.1. Organização e Funcionamento Internos... 3 3.2. Prestação

Leia mais

Este manual tem o objetivo de orientar, com clareza, suas ações e decisões, de acordo com tudo aquilo que acreditamos ser correto.

Este manual tem o objetivo de orientar, com clareza, suas ações e decisões, de acordo com tudo aquilo que acreditamos ser correto. OBJETIVO Este manual tem o objetivo de orientar, com clareza, suas ações e decisões, de acordo com tudo aquilo que acreditamos ser correto. Trata-se de um instrumento legal para orientação e direcionamento

Leia mais

POLÍTICA RECEBIMENTO E ENTREGA DE BRINDES, PRESENTES, HOSPITALIDADES E VANTAGENS. Área Superintendência de Compliance

POLÍTICA RECEBIMENTO E ENTREGA DE BRINDES, PRESENTES, HOSPITALIDADES E VANTAGENS. Área Superintendência de Compliance 1. OBJETIVO 1.1 Esta Política tem por objetivo orientar e auxiliar a conduta dos profissionais da NEOENERGIA quanto a receber ou oferecer brindes, presentes, vantagens e cortesias nas suas relações profissionais

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade

Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade FECOMERCIO - 21/11 SÃO PAULO Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade LUIZ DE LUCA Coordenador Comissão GC em Saúde - IBGC Superintendente Corporativo Hospital Samaritano Governança Corporativa

Leia mais

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed Diretriz Nacional de Comunicação Sistema Unimed Diretriz de Comunicação Definição Política ou Diretriz de Comunicação é um processo articulado de definição de valores, objetivos, diretrizes, normas e estruturas,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ

GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ DA DEFINIÇÃO MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Art. 1 - O GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA EQS ENGENHARIA LTDA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA EQS ENGENHARIA LTDA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA EQS ENGENHARIA LTDA Revisão: 00 Data: 03/2016 Palavras chave: Ética, Conduta. 1. INTRODUÇÃO O presente Código de Ética e Conduta tem como objetivo apontar diretrizes e normas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU

ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU 0 ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU APRESENTAÇÃO Este manual busca orientar os funcionários do quadro da FAEPU sobre a Avaliação de Desempenho que será realizada.

Leia mais

Art. 2º- O Comitê Gestor será composto por 4 (quatro) membros titulares e seus respectivos suplentes. Sendo:

Art. 2º- O Comitê Gestor será composto por 4 (quatro) membros titulares e seus respectivos suplentes. Sendo: Regimento Interno Regimento Interno do Comitê Gestor de Investimento do Plano de Suplementação de Aposentadoria e Pensão da Bandeirante Energia S.A. PSAP/Bandeirante 26/2/2015 CAPÍTULO I - DA FINALIDADE

Leia mais

Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil. Centro Sergio Vieira de Mello

Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil. Centro Sergio Vieira de Mello Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil Centro Sergio Vieira de Mello Unidade 4 Parte 3 Respeito pela Diversidade Valores Organizacionais Essenciais da ONU Integridade Profissionalismo Respeito pela

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL 1. O presente Código de Ética contém os princípios de actuação dos gestores, demais dirigentes e trabalhadores do Centro Hospital de Lisboa Central,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Aprovada por: Diretor de Compliance CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Código MN-CE-001 Revisão 00 Página 1 de 7 Data 02/06/16 1. OBJETIVO 1.1. O presente instrumento tem como objetivo precípuo a definição de regras

Leia mais

Regulamento do Auditor Padi

Regulamento do Auditor Padi 1 de 7 1. OBJETIVO Caracterizar os auditores externos do Padi Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem, classificando-os e definindo os critérios de sua seleção, suas qualificações, competências

Leia mais

INSTITUTO MARQUÊS DE VALLE FLÔR

INSTITUTO MARQUÊS DE VALLE FLÔR INSTITUTO MARQUÊS DE VALLE FLÔR CÓDIGO DE CONDUTA CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO DE APLICAÇÃO ARTIGO PRIMEIRO (ÂMBITO) 1. O presente Código de Conduta, doravante apenas designado por Código, é aplicável a todos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL Versão: Abri/2016 1. Introdução POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL 1.1 Esta política visa determinar procedimentos e normas para os investimentos pessoais dos colaboradores

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS a EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS I) Dados cadastrais a) Razão Social: b) CNPJ: c) Inscrição Estadual: d) Inscrição Municipal: e) Endereço: f) Cidade:

Leia mais

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Comunicação Institucional A Petrobras já integra o grupo das grandes companhias que adotam as melhores práticas de governança

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. Os Colaboradores do Escritório entendem que em relação aos clientes deve se:

CÓDIGO DE CONDUTA. Os Colaboradores do Escritório entendem que em relação aos clientes deve se: 1 CÓDIGO DE CONDUTA PREÂMBULO O escritório MANUCCI ADVOGADOS ( Escritório ), na busca contínua pela excelência na prestação dos serviços e no melhor atendimento aos seus clientes, deve ter uma atuação

Leia mais

PROCESSO ELEITORAL DE MEMBROS DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE (CEP-UFAC)

PROCESSO ELEITORAL DE MEMBROS DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE (CEP-UFAC) EDITAL N º 01, de 28 de março de 2016 O Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal do Acre (CEP-UFAC), no uso de suas atribuições e na forma do seu Regimento Interno, torna público

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO PREÂMBULO

CÓDIGO DEONTOLÓGICO PREÂMBULO CÓDIGO DEONTOLÓGICO PREÂMBULO O tradutor/intérprete com inscrição na APTRAD - Associação Portuguesa de Tradutores e Intérpretes obriga-se a respeitar os princípios, deveres e usos profissionais objeto

Leia mais

COAF - RESOLUÇÃO Nº 14, DE 23 DE OUTUBRO DE 2006

COAF - RESOLUÇÃO Nº 14, DE 23 DE OUTUBRO DE 2006 COAF - RESOLUÇÃO Nº 14, DE 23 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas pessoas jurídicas que exerçam atividades de promoção imobiliária ou compra e venda de imóveis. O

Leia mais

Anexo I, da Portaria nº 142/2014

Anexo I, da Portaria nº 142/2014 Anexo I, da Portaria nº 142/2014 MANUAL DE USO DO CADASTRO DE VEÍCULOS DE DIVULGAÇÃO DA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA (Midiacad) Conteúdo OBJETIVO:... 2 USUÁRIOS DO MIDIACAD:...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO Sumário INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 3 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 3 SISTEMAS E BACKUPS... 5 SEGREGAÇÃO DE ATIVIDADES... 5 VIGÊNCIA E ATUALIZAÇÃO... 6 POLÍTICA DE SEGURANÇA

Leia mais

Política de Compras da Altranportugal

Política de Compras da Altranportugal Política de Compras da Altranportugal Índice 1. POLÍTICA DE COMPRAS..3 1.1 Expetativas da Altran perante os fornecedores... 3 1.1.1 No âmbito da Segurança e Saúde no Trabalho (SST).... 3 1.1.2 No âmbito

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MERCUR

GUIA DE RELACIONAMENTO MERCUR A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se preocupa em conduzir as suas relações de acordo com padrões éticos e comerciais, através do cumprimento da legislação e das referências deste Guia. Seu

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL - ASPI

CÓDIGO DE ÉTICA DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL - ASPI CÓDIGO DE ÉTICA DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL - ASPI I. - INTRODUÇÃO Assim como na prática da advocacia, o exercício dos operadores das atividades da Propriedade Intelectual, sejam

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001 DIREITOS E DEVERES DOS OFICIAIS. Elaboração Comissão de Arbitragem Data: 16/05/2016

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001 DIREITOS E DEVERES DOS OFICIAIS. Elaboração Comissão de Arbitragem Data: 16/05/2016 Página 1 de 6 Elaboração Comissão de Arbitragem Data: 16/05/2016 Análise crítica e aprovação Sérgio Corrêa Diretor da Comissão de Arbitragem Data: 30/05/2016 Descrição da revisão Rev. 0 Emissão inicial

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA BANCO DE PORTUGAL

CÓDIGO DE CONDUTA BANCO DE PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA DO BANCO DE PORTUGAL INDÍCE 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 2.1. Igualdade de tratamento e não discriminação 2.2. Diligência, eficiência e responsabilidade 3. RELACIONAMENTO

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta 1 Índice 1. Introdução 1.1 Objetivo 1.2 Abrangência 2. Relações Internas 2.1 Compromissos éticos e de conduta da Viver para com os seus Colaboradores 2.2 Compromissos éticos e

Leia mais