TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ"

Transcrição

1 TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ

2 INTRODUÇÃO 1. As presentes regras que integram o programa de Certificação Profissional Elotech, instituído pela Diretoria da Elotech Informática e Sistemas Ltda. e gerido pela Equipe de Avaliação, tem por objetivo orientar os profissionais que preenchem os pré-requisitos estabelecidos no Regulamento da Certificação a adoção e manutenção de padrões de conduta julgados adequados ao processo desenvolvido, para atuação no mercado de trabalho. 2. Os princípios gerais que devem ser adotados por todos os candidatos têm como fundamento preceitos éticos e profissionais voltados à valorização das diversas carreiras nas áreas de Tecnologia da Informação. 3. A Equipe de Avaliação da Elotech, compete a gestão dessas normas, divulgando-as, atualizando-as, interpretando-as e aplicando-as, de forma que a incompatibilidade do candidato à certificação com elas, a sua não adesão ou a comprovação de que não foram cumpridas durante o prazo de validade da certificação poderão caracterizar rompimento de acordo que deverá ser submetido à avaliação da Diretoria e/ou Assessoria Jurídica Elotech. 4. O descumprimento desses preceitos sujeita o candidato à Certificação ou o Profissional Certificado às seguintes penalidades, segundo avaliação da Equipe de Avaliação: a. Indeferimento do pedido de inscrição; b. Advertência; c. Suspensão da certificação; d. Cancelamento da certificação.

3 PRINCÍPIOS 1. Além das normas e princípios gerais de direito, regras do estatuto e normas internas de cada organização, empresa, entidade ou instituição, o profissional certificado deve se conduzir de modo a valorizar ética e profissionalmente a sua atividade, zelando pelo padrão da marca Certificação Profissional Elotech. 2. Os direitos e obrigações derivados do uso da marca Certificação Profissional Elotech são intransferíveis, sendo certo, também, que não é condição de empregabilidade. 3. O Profissional Certificado Elotech deverá adotar os padrões de atuação que o distinguem, ressaltados, sobretudo, os seguintes aspectos: a. Valorizar sua atividade, pautando-se por elevados padrões éticos, de integridade, probidade e boa-fé; b. Zelar pelo seu constante aprimoramento, para a imprescindível competência técnica e gerencial; c. Manter-se permanentemente atualizado nas práticas, nos conceitos e ordenamentos técnicos da sua profissão, de modo a estar sempre preparado a exercer adequadamente seus misteres e competências legais e estatutárias; d. Agir na prevenção e na solução adequada de conflitos de interesse ou de divergência de opiniões; e. Disponibilizar para as devidas instâncias da Organização informações ou documentos pertinentes dos quais tenha posse e que sejam importantes para o processo de tomada de decisões ou para o desenvolvimento da Instituição; f. Decidir sempre com isenção e no interesse maior do coletivo da Organização, com total independência em relação a pessoas ou grupos responsáveis por sua indicação, nomeação ou eleição, bem como a pessoas ou grupos com maiores afinidades/proximidade pessoal ou social e, sobretudo, a aqueles que possam vir a oferecer vantagens de caráter pessoal; g. Manter, quando a legislação determinar e a ética recomendar, sigilo das deliberações das quais participa e zelar pelos documentos sob sua guarda, evitando mau uso deles ou seu uso para instalação de conflitos; h. Agir com diligência, atento à adoção das medidas recomendáveis de prevenção e monitoramento de riscos; i. Pautar suas relações pessoais e profissionais pela cooperação, cortesia, respeito, transparência e confiança; j. Conhecer, respeitar e aplicar com equidade todas as leis, regras, normas, princípios e regulamentos editados pela autoridade competente, agências reguladoras, órgãos de fiscalização, associações profissionais e estes preceitos; k. Cumprir com zelo e competência suas responsabilidades profissionais. 4. Ao Profissional Certificado Elotech não é permitido: a. Prestar ou prometer a prestação de serviços para os quais não esteja habilitado profissionalmente ou que não seja capaz de realizar; b. Estimular práticas ou praticar atos que contrariem estes preceitos, o Código de Ética dos Profissionais da Tecnologia da Informação, o Regulamento do Processo de Certificação Elotech, bem como aqueles firmados junto à Organização do qual faça parte ou seja contratado; c. Utilizar-se indevidamente da sua Certificação Elotech para garantir vantagens pessoais ou para terceiros.

4 INFRAÇÃO ÉTICA 1. Constitui infração ética todo ato cometido pelo Profissional Certificado ou candidato à Certificação que atente contra os princípios éticos, descumpra os deveres de ofício, pratique condutas expressamente vedadas ou lese direitos de outros profissionais, empregadores, contratantes, destinatários dos serviços ou da sociedade em geral. 2. A tipificação da infração ética para efeito de aplicação de medidas punitivas será estabelecida a partir das disposições deste Termo de Compromisso Ético, do Regulamento do Processo de Certificação e dos demais documentos que lhe são complementares. 3. Qualquer violação deste Termo de Compromisso Ético deve ser considerada prática não autorizada e investigada conforme os regulamentos do Programa de Certificação Elotech, para a aplicação de penalidades. 4. A convicção de delito, enquanto for válida a Certificação Profissional Elotech, ou o cancelamento ou a suspensão de licença de profissional por outra instituição, pode servir de base para uma acusação de violação deste código.

5 #OrgulhoDeSerElotech Rud Rizziolli

6 (44) Rua Prof. Giampero Monacci, 14 CEP: Maringá-PR

ICSS - INSTITUTO DE CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA SEGURIDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA PARA O PROFISSIONAL CERTIFICADO ICSS

ICSS - INSTITUTO DE CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA SEGURIDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA PARA O PROFISSIONAL CERTIFICADO ICSS ICSS - INSTITUTO DE CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA SEGURIDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA PARA O PROFISSIONAL CERTIFICADO ICSS INTRODUÇÃO 1. Estas regras foram aprovadas pelo Conselho Diretor do ICSS Instituto

Leia mais

Código de Ética Elaborado em Janeiro de 2016 Atualizado em Junho de 2016 1. INTRODUÇÃO Este Código de Ética estabelece as regras e princípios que nortearão os padrões éticos e de conduta profissional,

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

CÓDIGO DE ÉTICA PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CÓDIGO DE ÉTICA PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Previ Novartis Sociedade de Previdência Complementar ( Previ Novartis ) adotou este Código de Ética com a finalidade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA

CÓDIGO DE ÉTICA RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CÓDIGO DE ÉTICA RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA ( RECKITTPREV ) adotou este Código de Ética com a finalidade

Leia mais

Sistema Confea/Crea, Atuação Profissional e ART. Engº Agrônomo Gustavo de Faria Freitas

Sistema Confea/Crea, Atuação Profissional e ART. Engº Agrônomo Gustavo de Faria Freitas Sistema Confea/Crea, Atuação Profissional e ART Engº Agrônomo Gustavo de Faria Freitas Conselhos Profissionais Autarquias federais criadas para regulamentar e fiscalizar o exercício profissional (OAB e

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX:

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX: 1. INTRODUÇÃO Código de Ética Este Código de Ética reúne diretrizes que devem ser observadas em nossa ação profissional para atingirmos padrões Éticos no exercício de nossas atividades. Para a Sociedade

Leia mais

INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INPACTO. Código de Conduta

INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INPACTO. Código de Conduta INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INPACTO Código de Conduta Nos termos do parágrafo quarto, do artigo quarto do Estatuto Social do INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica.

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica. CÓDIGO DE ÉTICA Nestes três anos de muitas realizações, as relações da Agência de Desenvolvimento Paulista com seus parceiros, clientes, fornecedores, acionistas, entre outros, foram pautadas por valores

Leia mais

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve:

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve: Procedimento Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento 02.09.2016 1. Objetivo: Este procedimento visa regular as atividades dos Agentes Autônomos de Investimento no ambiente da Guide Investimentos

Leia mais

CREA-SP CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SÃO PAULO

CREA-SP CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SÃO PAULO 01 CREA-SP CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SÃO PAULO 02 No Brasil, existem profissões: Regulamentadas E não regulamentadas O Estado regulamenta uma profissão se entender que

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES ÍNDICE I - POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS,

Leia mais

TEMAS CENTRAIS EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAMENTO DOS TEMAS AOS SEGUINTES ASPECTOS ESTRUTURANTES

TEMAS CENTRAIS EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAMENTO DOS TEMAS AOS SEGUINTES ASPECTOS ESTRUTURANTES 6º CONGRESSO ESTADUAL DE PROFISSIONAL DO CREA AIPANA HOTEL G R U P O L O U R I V A L C A R D O S O F Á B I O V I E I R A 17 e 18 de Julho 2013 P R O P O S T A N º ( 0 0 1 ) de Roraima Formulação de Propostas

Leia mais

Política de Compra e Venda de Mobiliários por Colaboradores

Política de Compra e Venda de Mobiliários por Colaboradores Assunto Política de Compra e Venda de Mobiliários por Colaboradores Data 30 de junho de 2016 Páginas. 5 De Eros Henriques Dalhe e Rodrigo Gatti Telefone 3509 6600 Área Diretoria de Operações Para As sociedades

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL 0 8 0 0 7 2 9 1 1 1 2 w w w. b b p r e v i d e n c i a. c o m. b r Código de Ética da BB Previdência Fundo de Pensão Banco do Brasil Introdução

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558 1. Objetivo A administração de carteiras de valores mobiliários é o exercício profissional de atividades relacionadas, direta ou indiretamente, ao funcionamento, à manutenção e à gestão de uma carteira

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Dos Fundamentos. Do Objetivo. Da Abrangência. DELIBERAÇÃO 01/15 Em, 26 de maio de 2015

CÓDIGO DE ÉTICA. Dos Fundamentos. Do Objetivo. Da Abrangência. DELIBERAÇÃO 01/15 Em, 26 de maio de 2015 DELIBERAÇÃO 01/15 Em, 26 de maio de 2015 Dos Fundamentos Do Objetivo Da Abrangência Dos Valores Da Observância de Normativos Da Responsabilidade Da Confidencialidade Dos Relacionamentos Do Conflito de

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO PREÂMBULO

CÓDIGO DEONTOLÓGICO PREÂMBULO CÓDIGO DEONTOLÓGICO PREÂMBULO O tradutor/intérprete com inscrição na APTRAD - Associação Portuguesa de Tradutores e Intérpretes obriga-se a respeitar os princípios, deveres e usos profissionais objeto

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO Código de Ética aprovado pela resolução do C.F.B.M. - nº 0002/84 de 16/08/84 - D.O.U. de 27/08/84, e de conformidade com o Regimento Interno Art. 54,55,60 - publicado

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética TERCON INVESTIMENTOS LTDA. Rua Américo Brasiliense, 1765 cj. 32 Chácara Santo Antonio - São Paulo - SP CEP 04715-005 Fone (11) 5181 5841 Código de Conduta Ética O conjunto de princípios

Leia mais

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas Endesa Brasil ÍNDICE 3 3 3 3 4 6 6 1. Objeto 2. Alcance 3. Aplicação 4. Conceitos 5. Conteúdo 6. Responsabilidades

Leia mais

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição:

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição: RESOLUÇÃO N 2554 Dispõe sobre a implantação e implemenação de sistema de controles internos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO N. 147, DE 15 DE ABRIL DE 2011. Institui o Código de Conduta do Conselho e da Justiça Federal de primeiro e segundo graus. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, usando de suas atribuições

Leia mais

Disciplina: Engenharia de Segurança. Tema: Introdução à Engenharia de Segurança. NR 1 - Disposições Gerais

Disciplina: Engenharia de Segurança. Tema: Introdução à Engenharia de Segurança. NR 1 - Disposições Gerais Disciplina: Engenharia de Segurança Tema: Introdução à Engenharia de Segurança NR 1 - Disposições Gerais 1.1. As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória pelas empresas privadas e públicas

Leia mais

1 Código de Conduta do Fornecedor

1 Código de Conduta do Fornecedor 1 Código de Conduta do Fornecedor 2 Código de Conduta do Fornecedor Índice 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...03 2. DIRETRIZES...03 2.1. QUANTO À INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS...03 2.2. QUANTO À CORRUPÇÃO... 04 2.3.

Leia mais

FATEC-CARAPICUÍBA. Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

FATEC-CARAPICUÍBA. Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FATEC-CARAPICUÍBA Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO ASTI (Jogos, Segurança, Bacharel, SI) CURSO ADS (Análise e Desenvolvimento de Sistemas) 2 1. DA NATUREZA DO ESTÁGIO 1.1 O estágio curricular

Leia mais

Novo Código de Ética Profissional

Novo Código de Ética Profissional Novo Código de Ética Profissional As Entidades Nacionais representativas dos profissionais da Engenharia, da Arquitetura, da Agronomia, da Geologia, da Geografia e da Meteorologia pactuam e proclamam o

Leia mais

Receituário Agronômico. Aspectos legais e a fiscalização

Receituário Agronômico. Aspectos legais e a fiscalização Receituário Agronômico Aspectos legais e a fiscalização CONFEA / CREA O CONSELHO FEDERAL Órgão regulador das profissões. A ele compete baixar as Resoluções e demais normativos que dão corpo ao exercício

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GE 3 SECÇÃO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

Política de. Compliance, Controles Internos e. Prevenção à Lavagem de Dinheiro

Política de. Compliance, Controles Internos e. Prevenção à Lavagem de Dinheiro Política de Compliance, Controles Internos e Prevenção à Lavagem de Dinheiro Documento confidencial - Circulação restrita Compliance e Controles Internos Outubro / 2012 31/12/2015 02 2 ÍNDICE ASSUNTO PAG

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 CÓDIGO DEONTOLÓGICO Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 ÍNDICE I- ÂMBITO E VIGÊNCIA... 3 II- RESUMO... 3 III- PRINCÍPIOS E REGRAS... 3 3.1. Organização e Funcionamento Internos... 3 3.2. Prestação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL - ASPI

CÓDIGO DE ÉTICA DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL - ASPI CÓDIGO DE ÉTICA DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL - ASPI I. - INTRODUÇÃO Assim como na prática da advocacia, o exercício dos operadores das atividades da Propriedade Intelectual, sejam

Leia mais

Regulamento do Auditor Padi

Regulamento do Auditor Padi 1 de 7 1. OBJETIVO Caracterizar os auditores externos do Padi Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem, classificando-os e definindo os critérios de sua seleção, suas qualificações, competências

Leia mais

(DO PODER EXECUTIVO) MENSAGEM N SUBSTITUTIVO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

(DO PODER EXECUTIVO) MENSAGEM N SUBSTITUTIVO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS (DO PODER EXECUTIVO) MENSAGEM N 1.248 SUBSTITUTIVO O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre aerolevantamento e levantamento espacial no território nacional, e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Cabe a todos os integrantes e colaboradores diretos ou indiretos fazer valer, respeitar e cumprir todos os itens abordados neste código de ética.

Cabe a todos os integrantes e colaboradores diretos ou indiretos fazer valer, respeitar e cumprir todos os itens abordados neste código de ética. CÓDIGO CORPORATIVO DE CONDUTA ÉTICA Introdução A Alta Engenharia de Consultoria Ltda tem como seu objetivo principal, a transparência e a ética de conduta em seus negócios orientados por um conjunto de

Leia mais

Código de Ética ISSAI 30 I N T O S A I

Código de Ética ISSAI 30 I N T O S A I XX Title ISSAI 30 As Normas Internacionais das Entidades Fiscalizadoras Superiores (ISSAI) são emitidas pela INTOSAI, a Organização Internacional de Entidades Fiscalizadoras Superiores. Para mais informações

Leia mais

Comissão de Valores Mobiliários

Comissão de Valores Mobiliários Comissão de Valores Mobiliários A informação nas Companhias Abertas Sigilo e Divulgação Maio/2015 Ressalto que as opiniões que expressarei aqui hoje refletem exclusivamente a minha visão e não necessariamente

Leia mais

O profissional de engenharia no contexto dos serviços, obras e licitações públicas. Engº José Luiz Azambuja SENGE-RS

O profissional de engenharia no contexto dos serviços, obras e licitações públicas. Engº José Luiz Azambuja SENGE-RS O profissional de engenharia no contexto dos serviços, obras e licitações públicas Engº José Luiz Azambuja SENGE-RS Presença em todas as etapas dos processos de licitações públicas: - Planejamento Presença

Leia mais

POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS

POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS Versão 2016.1 Editada em abril de 2016 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DA POLÍTICA... 2 2.1. Dos prestadores de serviços... 2 2.2. Atribuições e responsabilidades...

Leia mais

Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia

Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC. Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Critérios Para Acreditação e Sanções de OAC Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade

Leia mais

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Rede de Controle da Gestão Pública, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito do Estado do Paraná, formada por órgãos/instituições integrantes

Leia mais

MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 13 DE ABRIL DE 2012

MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 13 DE ABRIL DE 2012 MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 13 DE ABRIL DE 2012 O MINISTRO DA PESCA E AQUICULTURA, no uso de suas atribuições que lhe confere a art. 87 da Constituição,

Leia mais

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE OS ÓRGÃOS DE CONTROLE SUPERIOR

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE OS ÓRGÃOS DE CONTROLE SUPERIOR PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE OS ÓRGÃOS DE CONTROLE SUPERIOR INTRODUÇÃO...- 1-1. ÓRGÃOS DE CONTROLE SUPERIOR...- 1-2. AUTONOMIA DOS ÓRGÃOS DE CONTROLE SUPERIOR...- 1-3. AUTORIDADES...-

Leia mais

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Capítulo I Do direito à informação Art. 1º O Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros tem como base o direito fundamental do cidadão à informação, que abrange

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO As obrigações de transparência, de responsabilidade, de solidariedade e cooperação que recaem sobre a Federação Portuguesa

Leia mais

RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009

RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009 RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009 EMENTA: Institui procedimentos que deverão ser adotados no processamento das denúncias éticas que forem objeto de DESAFORAMENTO, conforme previsão do artigo

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES Ex.mo(a) Senhor(a) Nome n.º, com relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado/termo resolutivo desta Câmara Municipal, com a carreira/categoria de e afeto ao setor,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Sumário Introdução Regras de Conduta da MIP Gestão do Código de Ética e Conduta da MIP Glossário Termo de Compromisso 03 05 10 12 15 2 Introdução A missão da MIP Engenharia S.A.

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor

Código de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Índice 1. Apresentação... 03 2. Abrangência... 04 3. Diretrizes de Conduta... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto à corrupção... 06 3.3. Quanto

Leia mais

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A.

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. 16 de dezembro de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA O presente Código de Conduta estabelece o conjunto de princípios e valores em matéria de ética profissional

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO Técnica Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda Técnica Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda

1. APRESENTAÇÃO Técnica Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda Técnica Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda 1. APRESENTAÇÃO O Código de Ética e Conduta visa estabelecer e manter o mais alto padrão de comportamento ético e profissional. O Código deve ser observado por todos os sócios, colaboradores, consultores,

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS

RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS A Congregação da Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas, no uso de suas atribuições regimentais e tendo em vista o

Leia mais

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Artigo 1 : O Comitê de Gestão de Pessoas e Governança Corporativa ( Comitê ) é um órgão de apoio ao Conselho de Administração

Leia mais

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia Introdução PROFISSÕES REGULAMENTADAS O QUE SÃO? POR QUE EXISTEM? CONSELHOS PROFISSIONAIS O QUE SÃO? O QUE FAZEM? Profissões regulamentadas * Medicina

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Proteção da Livre Concorrência Código da Norma: NAD-40 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Proteção da Livre Concorrência Código da Norma: NAD-40 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 5 Resumo: Estabelece as diretrizes e regras gerais para garantir a proteção da livre concorrência nas atividades da Duratex S.A. e suas subsidiárias (Organização). Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA

Leia mais

NR 3 EMBARGO OU INTERDIÇÃO. Portaria de 08 de junho de 1978

NR 3 EMBARGO OU INTERDIÇÃO. Portaria de 08 de junho de 1978 NR 3 EMBARGO OU INTERDIÇÃO Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A Norma Regulamentadora 3, cujo título é Embargo ou Interdição, estabelece as situações em que as empresas se sujeitam a sofrer paralisação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL 1. O presente Código de Ética contém os princípios de actuação dos gestores, demais dirigentes e trabalhadores do Centro Hospital de Lisboa Central,

Leia mais

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César Mercado de Capitais Sistema financeiro nacional Professor: Msc. Roberto César Sistema Financeiro Consumo Poupança Investimento Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido

Leia mais

*2FF6B6EB* PROJETO DE LEI. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o , de 8 de outubro de 1975.

*2FF6B6EB* PROJETO DE LEI. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o , de 8 de outubro de 1975. ** PROJETO DE LEI Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o 76.403, de 8 de outubro de 1975. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei, tendo em vista o disposto no inciso

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÕES E GESTÃO DE CONTRATOS DA FACEPI

PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÕES E GESTÃO DE CONTRATOS DA FACEPI PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÕES E GESTÃO DE CONTRATOS DA FACEPI SUMÁRIO 1 Objetivo... 03 2 Competência e responsabilidade... 03 3 Forma de execução... 03 4 - Cadastro de fornecedores... 04 5 Documentação

Leia mais

Projeto de Lei nº 190 /2015 Deputado(a) Marcel van Hattem

Projeto de Lei nº 190 /2015 Deputado(a) Marcel van Hattem Projeto de Lei nº 190 /2015 Institui, no âmbito do sistema estadual de ensino, o Programa Escola sem Partido. Art. 1º. Fica criado, no Estado do Rio Grande do Sul, o "Programa Escola sem Partido", no âmbito

Leia mais

Regulamento Específico OlimpiArqui 2016

Regulamento Específico OlimpiArqui 2016 Regulamento Específico OlimpiArqui 2016 TÍTULO I CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO Art. 1º. A competição tem por finalidade fazer o congraçamento de todos os alunos e colaboradores do Colégio Arquidiocesano.

Leia mais

MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS Objetivo Estabelecer regras gerais para os processos de contratação de terceiros e obrigações básicas que devem ser adotadas

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta Código de Ética e de Conduta Edição: 1 Maio - 2015 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Finalidade O estabelecimento de princípios e regras gerais de ética e conduta que assegurem o cumprimento dos valores estabelecidos

Leia mais

Código de Conduta Ética Profissional

Código de Conduta Ética Profissional Código de Conduta Ética Profissional 1. CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DA BRASIL BROKERS A Brasil Brokers é uma empresa de intermediação e consultoria imobiliária que atua em todo território nacional e para nos

Leia mais

NR4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho

NR4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho NR4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho A NR 4 diz respeito aos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT)e tem como finalidade

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS RODOVIÁRIOS

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS RODOVIÁRIOS RESOLUÇÃO Nº 003/2007 DP/SUSER Estabelece e regulamenta o Programa de Estacionamento Especial para pessoas com deficiência e dificuldade de locomoção e dá outras providências O DIRETOR PRESIDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

COMENTÁRIOS PROVA TRE/RS PROFª MARTHA MESSERSCHMIDT CÓDIGO DE ÉTICA DOS SERVIDORES DO TRE/RS RESOLUÇÃO Nº 246/2014

COMENTÁRIOS PROVA TRE/RS PROFª MARTHA MESSERSCHMIDT CÓDIGO DE ÉTICA DOS SERVIDORES DO TRE/RS RESOLUÇÃO Nº 246/2014 COMENTÁRIOS PROVA TRE/RS PROFª MARTHA MESSERSCHMIDT CÓDIGO DE ÉTICA DOS SERVIDORES DO TRE/RS RESOLUÇÃO Nº 246/2014 - QUESTÃO 07 GABARITO = D Segundo o inciso I, Art. 7º, da Resolução nº 246/2014 é vedado

Leia mais

MAUÁ INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS

MAUÁ INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS MAUÁ INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS MAIO 2016 Introdução O objetivo desta Política é estabelecer procedimentos e regras para os investimentos pessoais dos sócios, associados, dirigentes,

Leia mais

Celpa. serviços. Código de ética do prestador de serviços da Celpa

Celpa. serviços. Código de ética do prestador de serviços da Celpa Código de ética do prestador de da Índice Apresentação... 04 Missão, visão e valores... 04 Bom senso... 06 Abrangência... 06 Definição de Prestador de Serviços... 06 1. Conflito de interesses 1.1. Recursos

Leia mais

Procedimento de Gestão da Imparcialidade

Procedimento de Gestão da Imparcialidade Página 1 de 6 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Gerente de Certificações Executivo Sênior / RD 16/05/2016 1 OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer as diretrizes para a assegurar

Leia mais

GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional. Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7

GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional. Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7 GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA E PROFISSIONAL As regras de Conduta Ética e Profissional

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 301/22 P 18.11.2015 REGULAMENO DE EXECUÇÃO (UE) 2015/2066 DA COMISSÃO de 17 de novembro de 2015 que estabelece, nos termos do Regulamento (UE) n. o 517/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho, os requisitos

Leia mais

No. Revisão Data. Autor TRATAMENTO DE APELAÇÕES, RECLAMAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS.

No. Revisão Data. Autor TRATAMENTO DE APELAÇÕES, RECLAMAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS. Procedimentos Operacionais No. Revisão Data 1764/00 08 30/04/2012 SGS do Brasil Ltda. Manual de Procedimentos Industrial Autor Aprovado por Fabiane Vencato Marcelo Stenzel TRATAMENTO DE APELAÇÕES, RECLAMAÇÕES,

Leia mais

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE O Papel da ANEEL 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE Eduardo Ellery Diretor Sumário O Papel da ANEEL I. Competências II. Características III. Relacionamento e participação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA SANTOS BRASIL

CÓDIGO DE CONDUTA SANTOS BRASIL SANTOS BRASIL O Código de Conduta da Santos Brasil* (Companhia) é composto pelo conjunto de práticas e políticas internas estabelecidas para nortear a conduta de seus funcionários diante das diversas situações.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 464, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Dispõe sobre a criação de Acervos Técnicos de Pessoas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece as diretrizes que devem ser observadas na regulamentação, na vigilância e na supervisão das instituições de pagamento e dos arranjos de pagamento

Leia mais

TERMO DE ADESÃO E COMPROMISSO 2013

TERMO DE ADESÃO E COMPROMISSO 2013 PROGRAMA CULTURA É CURRICULO PROJETO: LUGARES DE APRENDER: A ESCOLA SAI DA ESCOLA PROJETO: ESCOLA EM CENA TERMO DE ADESÃO E COMPROMISSO 2013 A Escola Estadual, CIE nº e a Diretoria Regional de Ensino,

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Instrução 1/2009

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Instrução 1/2009 Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Instrução 1/2009 Assunto: Para: Reclamações/queixas ou informações sobre a má prática em Saúde Ocupacional Secretariado de apoio ao PNSOC

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA TSL ENGENHARIA, MANUTENÇÃO E MEIO AMBIENTE

CÓDIGO DE ÉTICA TSL ENGENHARIA, MANUTENÇÃO E MEIO AMBIENTE CÓDIGO DE ÉTICA TSL ENGENHARIA, MANUTENÇÃO E MEIO AMBIENTE CÓDIGO DE ÉTICA DA TSL Introdução Este é o Código de Ética da TSL Engenharia, Manutenção e Preservação Ambiental SA, que estabelece os princípios

Leia mais

Grupo de Segurança Informática

Grupo de Segurança Informática Grupo de Segurança Informática Capítulo I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Denominação, Âmbito e Sede 1. O GSI Grupo de Segurança Informática da UTAD - Universidade de Trás- os- Montes e Alto Douro ativado

Leia mais

PARECER JURÍDICO REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DE MOTORISTA

PARECER JURÍDICO REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DE MOTORISTA 1 PARECER JURÍDICO Trata se de consulta formulada pelo Sindicato do Comércio Atacadista do Distrito Federal SINDIATACADISTA referente ao impacto da Lei 12.619/12 sobre o setor atacadista. REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Fiscalização de atividades com organismos geneticamente modificados 15 Artigo Técnico 2 Fiscalização de Atividades

Leia mais

I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DIREITO UNICERP RESOLUÇÃO N 01/2014 Institui a monitoria acadêmica do Curso de Direito e dá outras providências. I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - A monitoria acadêmica do

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS & NORMAS INTERNAS Versão: 1- Objetivo O objetivo desta Política de Investimento Pessoal (ou Política) é estabelecer procedimentos e regras para os investimentos pessoais

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS COPPETEC. Regimento Interno. 01 de outubro de 2007

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS COPPETEC. Regimento Interno. 01 de outubro de 2007 FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS COPPETEC. 01 de outubro de 2007 Regimento elaborado e aprovado pelo Conselho de Administração da Fundação COPPETEC em 01/10/2007, conforme

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. Introdução

CÓDIGO DE CONDUTA. Introdução CÓDIGO DE CONDUTA Introdução Este Código de Conduta tem por objetivo estabelecer os princípios éticos e as normas de conduta que devem orientar as relações internas e externas de todos os associados do

Leia mais

Sonae Sierra Brasil Código de Conduta

Sonae Sierra Brasil Código de Conduta Sonae Sierra Brasil Código de Conduta INTRODUÇÃO O Que é Nosso Código de Conduta? Nosso Código de Conduta estabelece e promove os aspectos fundamentais de comportamento ético que, na opinião da nossa Companhia,

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº de março de 1994

DELIBERAÇÃO Nº de março de 1994 DELIBERAÇÃO Nº 180 10 de março de 1994 Estabelece mecanismos de fiscalização pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, das declarações de bens e rendas apresentadas pelas autoridades e servidores

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DAS EMPRESAS DO GRUPO VINIPLAN

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DAS EMPRESAS DO GRUPO VINIPLAN CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DAS EMPRESAS DO GRUPO VINIPLAN Viniplan Eficácia em Planejamento de Projetos Ltda. Viniplan Tecnologias para Gerenciar Projetos Ltda. 1 INTRODUÇÃO Para o GRUPO VINIPLAN, agir

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1025/09 CONFEA. Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica e o Acervo Técnico Profissional.

RESOLUÇÃO Nº 1025/09 CONFEA. Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica e o Acervo Técnico Profissional. RESOLUÇÃO Nº 1025/09 CONFEA Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica e o Acervo Técnico Profissional. Procedimentos para registro, baixa, cancelamento e anulação da ART e registro do Atestado

Leia mais

DECISÃO da Diretoria Executiva em sua 8ª reunião realizada no dia 11 de novembro de 2015, ad-referendum do Plenário,

DECISÃO da Diretoria Executiva em sua 8ª reunião realizada no dia 11 de novembro de 2015, ad-referendum do Plenário, Publicado no D.O.U. nº 223 de 23/11/2015, Seção 1 pag. 138 e 139 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 472, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2015, (Alterada pela RN 482,09/06/2016) Dispõe sobre os valores das anuidades, taxas

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL Versão: Abri/2016 1. Introdução POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL 1.1 Esta política visa determinar procedimentos e normas para os investimentos pessoais dos colaboradores

Leia mais

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. A ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO CONCEITO Ética é palavra

Leia mais