Reflexões sobre o processo ensino-aprendizagem em um curso de inglês instrumental a distância

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reflexões sobre o processo ensino-aprendizagem em um curso de inglês instrumental a distância"

Transcrição

1 Reflexões sobre o processo ensino-aprendizagem em um curso de inglês instrumental a distância Lucy Raiane Peres Farias (UFPI) Resumo: Este artigo tem como objetivo analisar uma turma experimental de Inglês Instrumental de modalidade semipresencial, baseando-se nos conceitos de Autonomia e Identidade. Foi feito com um estudo de caso, no primeiro período letivo de 2010 na Universidade Federal do Piauí, percebendo um ligeiro aumento na autonomia dos alunos e a fragmentação de suas identidades, por conta do contato com a nova modalidade de ensino e suas consequências. Palavras-chave: Inglês Instrumental. Semipresencial. Autonomia e Identidade. Abstract: This article aims at analysing an experimental class of English for Specific Purposes on a semipresential mode, based on concepts of autonomy and identity. A case study was done in the first semester of 2010 at Universidade Federal do Piauí, and it perceived a slight increase in students' autonomy and a fragmentation of student s identities due to contact with the new mode of education and its consequences. Key words: English for Specific Purposes. Semipresential. Autonomy and Identity. Introdução Neste artigo será avaliada a evolução no processo de ensino-aprendizagem de uma turma de inglês instrumental semi-presencial, na Universidade Federal do Piauí, com base em princípios como Autonomia e Identidade de alguns estudiosos na área de lingüística aplicada. O objetivo básico deste texto é expor em sua análise conclusões qualitativas a respeito da evolução desta turma do primeiro período letivo de 2010; objetivo este que veio de um interesse pela utilização deste tipo de modalidade de ensino por meio da Internet. Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 1 -

2 O interesse neste estudo foi advindo, principalmente, do caráter experimental, na tentativa de introduzir uma turma à distância na disciplina de Inglês Instrumental, modalidade de ensino ainda, a meu ver, pouco utilizada em minha Universidade. Como graduanda do curso de Letras Inglês da UFPI, tive como objetivos também aprofundar meus conhecimentos sobre o processo ensinoaprendizagem de línguas, em um curso a distância, entendendo aula a distância como pesquisa e intercâmbio (Moran, 1999) e como prática interativa que visa encorajar a reflexão do aluno (Driscoll, 1998), considerando seus subsídios teóricos, bem como suas próprias limitações e horizontes. O presente trabalho, iniciado pela Introdução, seguirá com uma breve explanação teórica sobre a Identidade e a Autonomia; em seguida continuará com Metodologia e a análise dos dados em si. Finalmente, pretendo, ao concluir o artigo em questão, em caráter reflexivo, estender à comunidade observações de uma experiência de estudo de caso em ensino-aprendizagem, visando contribuir para estudos voltados à área de tecnologia na Educação, lingüística aplicada, além de outras áreas relacionadas. Teoria da Identidade Para estudar a identidade, preciso delimitá-la dentro de uma gama de significações que este termo tão geral possui. Começo por um breve histórico feito por Hall (2000), para perceber a diferença de sentidos dados ao conceito de identidade, em diferentes pontos da história, conforme sua evolução: A identidade do sujeito do Iluminismo, do sujeito sociológico e do sujeito pós-moderno. O sujeito do Iluminismo estava baseado numa concepção da pessoa humana como um indivíduo totalmente centrado, unificado, dotado das capacidades de razão, de consciência e de ação, cujo centro consistia num núcleo interior [...] que com ele se desenvolvia, ainda que permanecendo [...] essencialmente o mesmo ao longo da existência do indivíduo. O centro essencial do eu era a identidade do indivíduo. A noção de sujeito sociológico refletia a crescente complexidade do mundo moderno e a consciência de que este núcleo interior do sujeito não era autônomo e auto-suficiente, mas era formado na relação com outras Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 2 -

3 pessoas importantes para ele, que mediavam para o sujeito os valores, sentidos e símbolos a cultura dos mundos que ele habitava. O sujeito (pós-moderno), previamente vivido como tendo uma identidade unificada e estável, está se tornando fragmentado; composto não de uma única, mas de várias identidades, algumas vezes contraditórias ou não-resolvidas. (HALL, 2000, p. 10, 11, 12) Uma concepção individualista, uma interativa e uma fragmentada do conceito de identidade, sendo a última a mais recente, vista como uma identidade descentrada, deslocada. Podemos encontrar várias identidades num só indivíduo, de acordo com Hall: social, racial, cultural, lingüística, de classe, de gênero, de nacionalidade, e, conforme o conceito pós-modernista, essas identidades não precisam, necessariamente, apresentar coerência entre si. E é este último conceito, o de fragmentação ou pluralização da identidade, que nos interessa neste artigo. Stuart Hall prossegue relacionando identidade e globalização, no processo de consumismo global, que vem criando possibilidades de identidades partilhadas entre pessoas que estão distantes umas das outras. Ou seja, o acesso às redes de informações, à mídia, ao mercado global, conduzindo a uma interligação em todo o mundo, tudo isso vem a facilitar a interação e a absorção de influências externas, o que traz ao indivíduo cada vez mais possibilidades de identidades para si próprio; a fronteira do espaço, a partir daí, pode ser dissolvida. Trazendo esta ideia de identidade para o campo da lingüística, temos: As línguas são a própria expressão das identidades de quem delas se apropria. Logo, quem transita entre diversos idiomas está redefinindo sua própria identidade. Dito de outra forma, quem aprende uma língua nova está se redefinindo como uma nova pessoa. (RAJAGOPALAN, 2003, p. 69). Rajagopalan defende que o sujeito pertence à sua língua tanto como a língua pertence a ele. É desse modo que acontece o contato com o mundo a sua volta, recorrendo-se à língua. Rajagopalan utiliza-se do conceito de identidade do sujeito pós-moderno, de Stuart Hall, para caracterizar também a língua: Da mesma forma Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 3 -

4 que o nosso eu está em constante deslocamento, transformação, assim é a língua, ambos passam por processos de identificação. Os nossos conceitos básicos relativos à linguagem foram em grande parte herdados do século XIX, quando imperava o lema Uma nação, uma língua, uma cultura. Previsivelmente eles estão se mostrando cada vez mais incapazes de corresponder à realidade vivida neste novo milênio, realidade marcada de forma acentuada por novos fenômenos e tendências irreversíveis como a globalização e a interação entre culturas, com conseqüências diretas sobre a vida e o comportamento cotidiano dos povos, inclusive no que diz respeito a hábitos e costumes lingüísticos. (RAJAGOPALAN, 2003, p. 25) Em comparação a esse multiculturalismo, Rajagopalan fala do multilinguismo : [...] o multilinguismo está se tornando cada vez mais a norma e não a exceção em nosso mundo. [...] Este aumento exponencial, e, ao que parece, irreversível, de casos de multilinguismo se deve, de um lado, a ondas migratórias envolvendo grandes massas de população no cenário mundial pós-guerra, e, do outro lado, à popularização da informática e ao encurtamento de distâncias entre continentes, resultando no contato crescente entre povos. (RAJAGOPALAN, 2003, p. 27) É visível o peso das influências externas tanto em nosso país como no resto do mundo. O inglês, como língua, já se impôs como padrão mundial, fato que se torna perceptível quando se pensa em globalização, quebra de barreiras, Internet. O conceito de identidade de Hall, e mais especificamente identidade lingüística tratado por Rajagopalan serão de extrema importância no desenvolvimento do presente trabalho (não esquecendo também das funções social e política da língua), bem como as considerações atuais sobre globalização, processos de identificação e a influência do inglês, língua que foi estudada pela turma analisada neste artigo. Teoria da Autonomia O conceito de Autonomia aqui utilizado, saindo de um campo mais polissêmico da palavra para um mais específico, será relativo ao âmbito da sala de Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 4 -

5 aula (Não só como espaço físico concreto, mas considerando também a sala de aula como espaço abstrato social) e à aprendizagem de línguas. A autonomia na aprendizagem vem sendo discutida por diversos estudiosos desde o século XX. Autores como Wenden (1987; 1991), Dickinson (1991), O Malley e Chamot (1990) são importantes nomes nos estudos acerca da autonomia na aprendizagem de línguas. Apresentarei aqui algumas de suas ideias e conceitos. Para Dickinson (1987, p. 9), um aprendiz autônomo é aquele que é totalmente responsável por tomar decisões que dizem respeito à sua aprendizagem e para implementá-las (conceito posteriormente muito criticado por outros autores por seu caráter simplista ). Dickinson (1991, p. 2) objeta que os aprendizes não alcançariam a autonomia somente ao dizermos a eles para serem autônomos ou simplesmente ao negarmos a eles o ensino convencional. Nesses dois casos os aprendizes estariam, mais provavelmente, condenados ao fracasso. Para o autor, a autonomia só seria alcançada através de treinamento envolvendo alunos e professores. Em outras palavras, podemos dizer que a autonomia não consiste na mera independência do aluno em relação ao professor, mas em um processo que envolveria os dois sujeitos. Dickinson (1994) defende essa linha de pensamento afirmando que não existe contradição entre o aprendizado autônomo e o aprendizado numa sala de aula. Desta forma, para Dickinson, o papel e o emprego do professor não estariam, em qualquer hipótese, ameaçados pela autonomia do aluno. A necessidade do estímulo da independência do aluno pelo professor viria, então, apenas no tocante aos meios pelos quais e quando o aprendiz irá levar a cabo os seus objetivos de aprendizado (da língua-alvo). A maior parte dos trabalhos desenvolvidos na área da aprendizagem de línguas tem como base as estratégias de aprendizagem. O conceito de Wenden (1991, p. 18) para as estratégias de aprendizagem diz que são: passos e operações mentais que os aprendizes empregam para aprender uma nova língua. A visão cognitiva das operações a serem realizadas e a visão do aluno como sujeito ativo, Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 5 -

6 (empregando estas estratégias), também é compartilhada por O Malley e Chamot (1990), que realizaram pesquisas sobre a cognição do aprendiz. O Malley e Chamot (1990) discutiram as estratégias de aprendizagem de forma mais sistemática e detalhada. Segundo eles, todo aprendiz de uma língua estrangeira desenvolve suas próprias estratégias para melhor aprender a língua em questão. Definem as estratégias de aprendizagem como modos especiais de processar informações (cognição) que ajudem os alunos no processo de aprendizagem de uma língua. Os dois estudiosos defendem, ainda, que o emprego dessas estratégias está entre os fatores que mais contribuem para a autonomia na aprendizagem. É o aprender a aprender. O Malley e Chamot (1990) evidenciam a natureza mediadora e instrumental das estratégiase as dividem em três grandes grupos, cada um deles detalhado de modo a oferecer embasamento para a aplicação em sala de aula: Estratégias metacognitivas: implicam a reflexão sobre o processo de aprendizagem e a preparação, o controle e acompanhamento do próprio aluno em suas práticas, bem como a auto-avaliação. Estratégias cognitivas: implicam a interação com a matéria a ser estudada, envolvendo a manipulação direta da aprendizagem (técnicas de execução). Estratégias sócio-afetivas: implicam a interação social, com finalidade de favorecer a aprendizagem, e também o controle da dimensão afetiva que acompanha a aprendizagem. A autonomia implica diversos fatores: aluno, professor, material, instituição, legislação, os contextos sócio-afetivo, político e até de identidade. No caso do presente artigo também se deve levar em consideração a tecnologia, a sala de aula não como o espaço físico, mas como espaço metafórico e construído também fora das paredes convencionais do ensino tradicional. A discussão sobre autonomia cresce ainda mais quando se fala de ensino à distância, semi-presencial, ou até de ensino complementar por meio de Internet. Autores como Söntengs e Souza Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 6 -

7 discutem o papel da autonomia no ambiente virtual, e como este ambiente tem influência no desenvolvimento da autonomia. Daí a justificativa de se trabalhar o conceito de autonomia no processo de ensino-aprendizagem em modalidade semipresencial, o qual será analisado nesta pesquisa. Metodologia O objetivo deste artigo é observar e analisar como se desenvolve o processo de ensino-aprendizagem de uma turma experimental de inglês instrumental semipresencial, retratando problemas e facilidades em situações de adaptação a essa modalidade de ensino que vem ganhando cada vez mais evidência no campo educacional. Procuro expor pontos positivos e críticas construtivas feitas ao processo de ensino-aprendizagem à distância por meio da Internet, recurso que não poderia ser, em qualquer hipótese, excluído do ambiente escolar, porém necessitando sempre ser utilizado da melhor forma possível pelo professor (a fim de contribuir com seus alunos) e pelo aluno (construindo assim uma autonomia e senso crítico que lhe possibilitem desenvolver-se no próprio processo de aprendizagem). Esta pesquisa é descritiva, qualitativa e de natureza etnográfica. Foi feita com um estudo de caso e coleta de dados durante três meses, por meio de entrevistas semi-estruturadas e questionários. Também foi observada a participação dos alunos, considerando seu envolvimento nas atividades; a busca por encontros presenciais; os s trocados com a professora e os monitores da disciplina e as avaliações feitas durante o semestre. Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 7 -

8 Análise de dados Questionário O questionário, aplicado aos alunos pouco depois da apresentação da disciplina pela professora e do início efetivo das atividades propostas no site, teve como principais funções observar para discutir: (1) as experiências anteriores dos alunos em ensino à distância e em aprendizagem da língua inglesa; (2) as expectativas e interesses pelo curso e atividades propostas; (3) as dificuldades encontradas e os recursos buscados pelos alunos para saná-las; (4) críticas e sugestões, a fim de ajudar no desenvolvimento da disciplina. O primeiro questionamento me trouxe um padrão já esperado desde o início da ideia de pesquisa: todos os estudantes estavam tendo sua primeira experiência em aulas à distância. Este fato mostra que esta modalidade, apesar de seu potencial benefício como inovadora e tecnológica, ainda parece ter dificuldades em implantar-se. Dificuldades essas que podem ser tanto técnicas como relativas à comodidade ou ao preconceito. O professor, muitas vezes, acomoda-se a uma só modalidade de ensino (quase sempre a tradicional); há também, ainda, o preconceito em volta do ensino somado à tecnologia ou às atividades fora do convencional, tido por diversas vezes como mais simples ou como alternativa por parte do professor, quando este não tem uma aula planejada. Pude perceber através do questionário, que todos os estudantes já haviam tido algum contato com a língua inglesa antes da disciplina em questão, embora mais da metade considere insuficiente o tempo de contato com a língua. Pode-se inferir isso pelas expressões utilizadas, tais quais:... somente no ensino fundamental até o 2 ano [...], apenas no colégio, Só o do Ensino Médio.,... pouco contato em geral. [grifos meus] Quando questionados sobre a importância da língua inglesa em seu desenvolvimento acadêmico, poucos consideram o real objetivo da disciplina Inglês Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 8 -

9 Instrumental, que seria a utilização das estratégias de leitura aplicadas a fim de compreender do que trata um texto e quais as suas principais informações. A língua inglesa no ambiente acadêmico parece passar por um processo de supervalorização pelos seus aprendizes. As noções de inglês são explicadas pelos estudantes como sendo de suma importância para qualquer curso superior e também futuramente para o mestrado e doutorado, sendo já trabalhada pelos professores desses alunos, em leitura e discussões em sala de aula. Todos os questionados afirmam que costumam pesquisar na Internet assuntos referentes ao seu curso, de onde se infere um conhecimento já existente na área de informática, além do interesse em suas áreas de estudo escolhidas no curso superior. Todos os alunos responderam também sobre a facilidade de adaptação ao site utilizado pela professora, os mais dificultosos levando ainda menos de um mês. Sobre suas expectativas sobre o curso, os estudantes mostram uma preocupação maior com as estratégias de aprendizagem, pude grifar nas respostas verbos como compreender, entender, aprender. Preocupam-se também com questões como melhor tradução, vocabulário mais extenso, menos dificuldades, dispensar o uso de dicionários, até mesmo observar a realidade do curso em relação à língua inglesa. De acordo com as respostas do questionário, os exercícios e atividades foram considerados de nível mediano, a maioria dos alunos levando cerca de 1h para ler e responder o que foi proposto em cada uma. Em relação aos textos utilizados, pude tirar das respostas adjetivos como científicos, interessantes, recentes, apropriados, atuais. Um estudante considerou os textos muito extensos e que cansam o leitor, sugerindo textos mais breves, de leitura não-cansativa. Quando perguntados sobre a forma utilizada pela professora de abordar a língua, estratégias e metodologia, a maioria aprova o modo de abordar o ensino usado pela professora. Entre os pontos positivos citados estão... a prática para ler os textos e o interesse do aluno, por ser um jeito diferente de aprender, [que] requer um esforço bem maior. Um dos aprendizes diz que considera Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 9 -

10 interessante a forma de abordar as estratégias e completa... algumas eu até usava mas sem conhecimento. Fora que aprendi outras. Todos os alunos responderam sim para a utilização de recursos para melhor compreender as atividades (geralmente Internet ou dicionário), alguns com mais frequência que outros. Um dos aprendizes demonstra mais segurança em relação aos outros quando diz utilizar-se de Internet de vez em quando, quando tem uma palavra que não compreendo mesmo e que não dá pra seguir a diante sem ela. Esta passagem define claramente os conceitos e estratégias em questão dentro da disciplina de Inglês Instrumental, caracterizando a leitura como utilização das estratégias ensinadas, visando uma maior compreensão do aluno sem a necessidade de recursos que estariam fora da leitura em si. Metade dos alunos diz não procurar as alternativas para sanar dúvidas ( s e aulas extras com monitores) por não sentir necessidade. E os que procuram as alternativas dizem só o fazer quando realmente sentem dificuldades, o que pode reforçar a ideia de Autonomia desses aprendizes no que diz respeito ao desenvolvimento das atividades. Quando perguntados se sentem falta da mediação do professor em sala de aula, respondem de diferentes maneiras, mas a maioria ainda quer o professor em aulas presenciais [...] pois sempre há um método melhor de entender o assunto pelos métodos do professor. Assim, o aluno acredita que os métodos do professor são os melhores, não considerando as atividades propostas, os textos indicados e a escolha da modalidade semi-presencial métodos do professor, afinal, ele não está presente em sala de aula. Algumas vezes, o aprendiz parece não ter tanta autonomia em suas tarefas relacionadas aos estudos, prefere a intervenção do professor em sala de aula, assim, é obrigatória a sua presença, bem como a do professor: [...] Sem aula a responsabilidade fica por sua conta e é um pouco difícil resistir às tentações. Com a professora em classe não tem como fugir [risos]. Também é colocada mais responsabilidade no professor, e não tanto no aluno. As aulas e atividades via Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

11 Internet são vistas como não sendo aulas, realmente, apenas por causa da ausência do professor no espaço físico da sala de aula. Algumas respostas, como esta [...] eu vejo o professor como um facilitador para uma aprendizagem mais rápida, podem ilustrar a dificuldade sentida na nova modalidade de ensino. Não só professores, mas ainda muitos alunos se sentem mais seguros com a abordagem tradicional, talvez por terem crescido e aprendido com esse tipo de ensino, que ainda é presente em muitas escolas. Entre as sugestões oferecidas pelos aprendizes para o melhoramento do curso, é visível nas respostas a falta que alguns alunos sentem do ensino no espaço da sala de aula, apesar de ser uma turma semi-presencial, ou seja, uma turma que teria aulas mescladas à distância e também presenciais. Visto que os alunos sempre respondiam e enviavam as respostas e só então a professora os enviava o gabarito, há também a sugestão de uma outra forma de elaboração de exercícios, de modo que sejam objetivos e corrigidos logo que os aprendizes os respondam. Em posse dos questionários foi possível avaliar como se iniciou a turma, para uma melhor observação de seu desenvolvimento, dificuldades, expectativas e interesses ao longo do resto do curso. Pude observar a identidade abalada do aprendiz na Universidade, ao se deparar com uma modalidade de ensino inovadora e completamente diferente das quais conhecia; e depois ao ter que envolver-se em atividades também pouco usuais, como um desafio a ser vencido. Apesar do interesse e curiosidade inicial, há também dificuldades quando à falta sentida pelos alunos da presença da professora no ambiente de sala de aula, ao qual todos estariam acostumados; e a busca pela auto-superação no quesito aprendizagem, visto que se trata de uma disciplina tida como de essencial importância em um curso superior. Atividades O site utilizado pela professora hospedou apresentações em Power Point e atividades escolhidas, que eram a maior parte do material do curso. Como Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

12 observado na análise do questionário, os aprendizes demonstraram facilidade na exploração do site. Foram utilizados slides em formato PPT (Power Point), os quais tinham a função de introduzir o conhecimento/estratégia ao aprendiz. A análise dos slides mostrou grande apelo visual, considerado necessário em aulas à distância por chamarem atenção para o conhecimento apresentado, já que o professor não está presente. Os slides não utilizam somente a língua inglesa, também há comparações feitas entre a língua materna (Português) e o Inglês, facilitando a absorção de conteúdo pelo aluno. Além dessa ponte, os slides trazem uma linguagem acessível a alunos de nível superior. Houveram questionamentos, dúvidas comuns respondidas, abertura para discussões, tabelas, pequenas atividades objetivas ou de identificação, exemplos, recursos áudio-visuais, como vídeos, gravações, etc. As apresentações são sempre de cunho simples, direto, prático, voltadas para as técnicas/estratégias de aprendizagem da língua inglesa. No fim de cada apresentação há algum objetivo de fixar uma estratégia ou aprender um novo método de leitura. Encontrei expressões como Nesta aula você vai aprender a..., Atenção, Lembre-se, Congratulations! You made it!, Vamos praticar?. São algumas expressões que indicam objetivos específicos a serem atingidos no fim de cada apresentação, além do direcionamento e da estimulação do aprendiz. Todos os slides, de acordo com a disciplina, explanaram assuntos relativos ao que O Malley e Chamot (1990) chamam de Estratégias Cognitivas, que são aquelas que implicam a interação com a matéria e a aplicação de técnicas na execução de tarefas. Estratégias como skimming, scanning, inferências e predição são comumente usadas na leitura de textos associada ao Inglês Instrumental. Também alguns conhecimentos sobre afixos, nomes cognatos, marcas tipográficas, grupos nominais, foram explorados pelas apresentações em Power Point. Já as atividades completas propostas pela professora vieram em arquivos de formato Word e foram cobradas com prazos semanais de entrega. As atividades valiam as presenças em sala de aula, garantindo, assim, que os aprendizes se Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

13 exercitassem com freqüência de pelo menos uma vez por semana na disciplina em questão. Cada atividade utilizou-se de pelo menos um texto autêntico em Inglês abordando assuntos recentes e de interesse geral, tornando o ensino da leitura mais real para o aluno. Os textos escolhidos com fonte na Internet e em revistas eram de variados gêneros textuais, tais como notícias, manchetes, tiras cômicas, anúncios de lista telefônica, além de excertos retirados de dicionários da língua inglesa com o objetivo de ensinar aos alunos a como fazer bom uso de seus dicionários; e, por fim, os textos não-verbais, que também visam estimular o aprendiz a prover inferências sobre o texto escrito a partir das imagens, tabelas, gráficos, etc. Considerando os três grupos de estratégias definidos por O Malley e Chamot (1990), encontramos dois deles predominando nas atividades propostas: O grupo das estratégias Cognitivas e o grupo das estratégias MetaCognitivas. Entendendo as estratégias cognitivas como aplicação das técnicas na execução das tarefas, temos questões tais como Qual é o assunto do texto? que pedem ao aprendiz informações básicas sobre o texto (através da inferência, por exemplo), as quais ele deve ser capaz de responder satisfatoriamente, através da utilização das técnicas de leitura. Outras funções que os alunos precisam desenvolver dentro das atividades são: Identificar marcas tipográficas, localizar termos específicos e suas relações dentro do texto, conseguir tirar do texto (por meio de estratégias tais quais skimming, scanning, etc.) suas principais informações e/ou idéias gerais, analisar fotos ou figuras relacionadas ao texto, traduzir, tentar predizer do que trata o texto, etc. Em relação ao campo MetaCognitivo, que se refere ao acompanhamento ou reflexão do próprio estudante acerca de seu processo de aprendizagem, podemos notar no fim das atividades questões como Quais as estratégias de leitura você utilizou para ler o texto e responder os exercícios?, levando o aprendiz a refletir e avaliar sua aprendizagem, acompanhá-la, monitorá-la, ou seja, levando-o a ser um Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

14 sujeito consciente de seu próprio processo de aprendizagem, o que possibilita seu desenvolvimento na disciplina. Em suma, as apresentações em Power Point propiciam ao aprendiz de língua inglesa a base teórica e as estratégias necessárias para que ele as utilize no desenvolvimento das atividades propostas pela professora. As abordagens escolhidas foram basicamente a Cognitiva trabalhando-se as técnicas de aprendizagem diretamente e a MetaCognitiva trabalhando a auto-avaliação, monitoramento e direcionamento do próprio aluno em relação à sua aprendizagem. Porém, houve pouca manifestação do terceiro não menos importante grupo classificado por O Malley e Chamot (1990), o grupo das Estratégias sócioafetivas que remete à interação com outros no intuito de facilitar a aprendizagem e também ao controle da dimensão afetiva que acompanha a aprendizagem. Algumas tentativas de interação com o aluno no desenvolvimento das atividades puderam ser notadas nas perguntas e questões subjetivas, de cunho opinativo e crítico. Correio Eletrônico O uso dos s foi de grande importância para o curso, visto que todas as atividades relativas à contagem das presenças eram enviadas para o indicado pela professora. Havia um prazo a ser cumprido no envio das atividades, garantindo que os alunos estudassem a disciplina semanalmente, no mínimo. A professora teve a ajuda de monitores para organizar as atividades no site e os s enviados por alunos. Também eram os monitores que quase sempre respondiam, enviavam informações importantes e marcavam encontros com os alunos em dificuldades, sempre com a orientação da professora em casos de dúvida. Os s era recíprocos entre alunos, monitores e professora. Além dos s de entrega de atividades, foram contados s dos mais variados assuntos, todos relativos a algum problema no decorrer do curso de Inglês Instrumental. Dos 75 s identificados, os principais motivos de envio eram: Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

15 Tabela 1: Assuntos relativos aos s PROBLEMAS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES ASSUNTOS RELACIONADOS À MONITORIA AVALIAÇÕES E AULAS PRESENCIAIS Pedidos de reenvio; formato não compatível; data de entrega expirada; pedidos de aviso de recebimento; etc. Busca por tira-dúvidas com os monitores; pedidos de revisão pela monitoria; horários de disponibilidade; etc. Dúvidas sobre avaliações (datas, horários) e seus resultados; segunda chamada; pedidos de aulas presenciais e/ou de revisão; etc. 59,6% 17,6% 15,8% OUTROS Outros motivos ou s de difícil compreensão. Fonte: Dados coletados no correio eletrônico da professora 7% Por fim e de modo geral, o modelo de monitoria para administração do correio eletrônico mostrou-se eficaz, visto que os s contabilizados obtiveram respostas de no máximo um dia de diferença. Houve o acompanhamento diário por correio eletrônico a qualquer dúvida que pudesse surgir, bem como a preocupação com avisos, datas marcadas para provas, encontros presenciais ou problemas encontrados no decorrer do curso. Relatório final O relatório final foi proposto pela professora como 3ª nota para a definição da média final dos aprendizes, que o executaram individualmente ou em duplas. Dividi a atividade em três momentos principais, de acordo com suas funções. Inicialmente, houve a escolha de um texto autêntico em inglês pelos estudantes e a aplicação das técnicas aprendidas durante o curso (atividades ligadas diretamente ao campo cognitivo estabelecido por O Malley e Chamot, 1990); Em seguida, o relatório, a avaliação das estratégias e também auto-avaliação do aprendiz, caracterizando o aspecto metacognitivo de O Malley e Chamot (1990), onde o aluno atua no processo de auto-reflexão; No terceiro e último momento é pedido aos Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

16 estudantes que avaliem a disciplina de forma crítica, acrescentando sugestões que possibilitem melhoras em possíveis futuras turmas formadas à distância. A observação dos relatórios mostra que, no geral, os estudantes tiveram a oportunidade de reafirmar a importância da língua inglesa e da disciplina Inglês Instrumental em seu desenvolvimento acadêmico. Muitos avaliaram o próprio desempenho de forma positiva e proveitosa, embora alguns ainda reconhecessem suas dificuldades particulares na língua, como mostrarei a seguir: Aqui [...] comparando a primeira atividade à última atividade que fiz posso dizer que a última se tornou mais simples e mais fácil de ser feita [...]., o aluno consegue perceber, por meio de uma auto-reflexão e regressão ao início do curso, que melhorou sua capacidade de usar estratégias de modo a simplificar a execução das atividades. Neste outro excerto, a auto-avaliação é positiva, mas crítica e realista: [...] a habilidade de leitura foi consideravelmente elevada com o uso das estratégias de leitura, porém ainda não chegou ao ideal, até porque isso leva tempo. Continuaremos a aplicar os conhecimentos adquiridos durante as aulas em outras leituras e em textos de outras áreas. (ênfase minha). Há a manifestação da autonomia em estudantes mais conscientes de seu processo de aprendizagem e também da necessidade de continuação desse processo. Ainda observando as respostas em relação à noção de autonomia, temos: [...] a disciplina nos possibilitou um grande avanço pessoal por nos abrir ao acesso a novas ideias, isso foi um avanço muito grande e cabe a cada um aproveitar essa nova potencialidade [...]. (ênfase minha). O aprendizado passou a ser visto mais como o esforço do aprendiz do que exclusiva responsabilidade do professor. [...] com o que consegui adquirir e a prática ao ter que ler vários trabalhos [...], irei adquirindo mais vocabulário e conhecimento que me permitirão ir avançando Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

17 na interpretação de textos em Inglês. O bom é que já sei por onde devo começar e em que preciso trabalhar para que possa avançar mais. (ênfases minhas). O conhecimento passado pelo professor vai prover ao aluno a oportunidade de aprender a aprender, para que o estudante tenha bases sólidas para continuar sua aprendizagem naquela área, tendo ou não ajuda externa. Em relação ao uso da modalidade à distância ou semi-presencial no Brasil, pesquisas semelhantes à minha mostram o preconceito do aprendiz em relação às aulas ministradas por computador, ou auxiliadas pelo mesmo. O coro que envolve esses estudantes é de que a utilização de computador como recurso em cursos resulta no relaxamento do professor em relação nas aulas ou até numa abordagem falha, ineficiente, que os deixa livres e não os possibilita aprendizagem efetiva. De fato, esse olhar sobre o uso de tecnologias na educação vem precisando ser modificado, ao passo que cresce cada vez mais o número de profissionais que recorrem a essas práticas. A visão dos alunos de Inglês Instrumental observados ainda parece limitada com relação ao tema, mas pude retirar raros excertos do texto, indicando uma pequena, mas importante mudança de pensamento no que diz respeito ao ensino na modalidade semi-presencial: [...] deu-nos certa insegurança sobre o aprendizado, mas foi exatamente o contrário [...] considerando que nas atividades à distância era preciso que nos esforçássemos mais [...]. Ao contrário das aulas 100% presencial iríamos ter um professor disponível e consequentemente nos esforçaríamos bem menos [...] (ênfases minhas) A ideia do menor esforço e a insegurança do não-aprender foram substituídas por uma opinião diferente, face ao que foi apresentado. Aqui O método [...] tende a cada dia ser mais usado, pois é mais prático e faz com que o aluno estude mais., houve reconhecimento da praticidade da tecnologia no ensino e a maior exigência da parte do professor por uma aprendizagem continuada, fazendo com que os aprendizes estudem talvez mais do que se estivessem inseridos na modalidade totalmente presencial. Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

18 Apesar dos elogios à disciplina e o reconhecimento da coerência no ensino e nos métodos, os aprendizes mostram um verdadeiro paradoxo em relação à sua identidade como estudantes: quase metade de forma mais ou menos radical sugeriu mais aulas presenciais. Pela falta da interação com o professor, por achar que aulas presenciais tradicionais preenchem mais e melhor suas necessidades como aprendizes, por ser uma modalidade ainda pouco utilizada, ainda há uma menor aceitação pelos estudantes. Outras sugestões eram a maior utilização de recursos de interação bate-papo, fóruns ou áudio-visuais; o melhoramento da estrutura do site; e ainda, houve aprendizes que não apresentaram sugestões. O relatório me propiciou informações importantes para interligar o início e o final do curso, analisando o que mudou e o que continuou da mesma forma desde a aplicação do questionário. Pude observar que, indicando a identidade fragmentada que Hall (2000) define, os aprendizes demonstram concomitantemente o interesse pela nova modalidade, ao passo que a rejeitam no tocante à falta da interação com o professor, à qual estão tão acostumados. Considerações finais A partir de uma análise identitária focada nos aprendizes, podemos concluir que há uma fragmentação em suas identidades como estudantes, assim que se deparam com uma nova e diferente modalidade de ensino. Embora a globalização tenha transformado por completo o mundo em que vivemos e mudado nossos modos de vida, alguns conceitos e valores, de forma surpreendente, ainda continuam os mesmos, quase que parados no tempo. Na Educação, o desenvolvimento e implantação de novos métodos/abordagens acontece de forma lenta e gradativa, o ensino tradicional ainda permanecendo firme como modalidade de ensino vigente. De tal modo que a implantação do ensino à distância (ou semi-presencial) ainda anda em passos de formiga. No tocante ao desenvolvimento da autonomia, pude notar uma melhora, ainda que inicialmente forçada, e um maior entendimento e consciência dos Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

19 aprendizes em relação ao seu processo de aprendizagem. A ruptura na interação com o professor aconteceu, nesse caso, de forma brusca e sem que os alunos soubessem com certa antecedência (antes da matrícula no curso), o que pode ter levado, em parte, a alguma rejeição das aulas por computador. De fato, a interação foi uma das sugestões mais recorrentes, seja na forma de mais aulas presenciais ou mesmo em fóruns e bate-papos pela Internet, já que o foco maior era o computador. Após acompanhar esse estudo de caso, deixo aqui o questionamento: A fragmentação da identidade do estudante possibilitará a esses aprendizes uma futura mudança de pensamento, ou ainda estamos muito longe do ideal do ensino à distância merecido, pela crescente globalização? Referências bibliográficas BIZARRO, Rosa. Aprender, ensinar, avaliar em F.L.E. (3º ciclo do Ensino Básico): alguns percursos para uma autonomia. Disponível em: <http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/artigo8291.pdf>. Acesso em: 18 de Agosto de BOHN, Vanessa C. R. As estratégias de aprendizagem de professores de língua inglesa. Disponível em: <http://www.veramenezes.com/artigovanessa.htm>. Acesso em: 11 de Agosto de FAUSTINI, Christiane Heeman. Educação a distância: um curso de leitura em língua inglesa para informática via internet f. Dissertação (Mestrado em Linguística) Curso de PósGraduação em Letras, UniversidadeCatólicas de Pelotas, Pelotas, HALL, Stuart. A Identidade Cultural na pós-modernidade. 4ª edição. Rio de Janeiro: DP&A, LACOSTE, Yves; RAJAGOPALAN, Kanavillil. A geopolítica do Inglês. São Paulo: Parábola Editorial, Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

20 LIMA, Andréa. Pesquisando a autonomia do aprendiz. In: AND YOU [TEACHER]... DO YOU LIKE LEARNING ENGLISH?: CONSTRUINDO OPORTUNIDADES DE APRENDIZAGEM E DE ENTENDIMENTOS SOBRE AUTONOMIA EM UM ESTUDO DE CASO EXPLORATÓRIO. Disponível em:< p >. Acesso em: 11 de Agosto de MOURA FILHO, Augusto César L. O que há em um nome? O estado-da-arte da autonomia na aprendizagem de línguas. Disponível em: <http://rle.ucpel.tche.br/php/edicoes/v12n1/10augusto.pdf>. Acesso em: 18 de Agosto de PAIVA, Samuel (coordenador). Fragmentos de identidades unificados pela língua. Disponível em:< Acesso em: 13 de Agosto de PAIVA, Vera Lúcia M.O. Autonomia e complexidade: uma análise de narrativas de aprendizagem. Linguagem & Ensino, Pelotas, v.9, n.1, p , jan./jun RAJAGOPALAN, Kanavillil. Por uma lingüística crítica. Língua & Letras, Vol. 8 nº 14, p º, janeiro-junho SANTOS, João Francisco Severo. Avaliação no Ensino a Distância. Disponível em: <http://www.rieoei.org/deloslectores/1372severo.pdf>. Acesso em: 09 de Agosto de SILVA, Fábio L.; RAJAGOPALAN, Kanavillil. A lingüística que nos faz falhar. Investigação crítica. São Paulo: Parábola Editorial, VILAÇA, M. L. C. Estratégias de Aprendizagem de Línguas: Histórico, Definições e Classificações. Disponível em: <http://www.filologia.org.br/cluerjsg/anais/ii/completos/mesas/4/marcioluizcorreavilaca.pdf>. Acesso em: 09 de Agosto de Pesquisas em estratégias de aprendizagem: um panorama. Disponível em: <http://www.uniabeu.edu.br/publica/index.php/re/article/viewfile/4/pdf_2>. Acesso em: 09 de Agosto de Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de etapas, acompanhadas pelo

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Novo Hamburgo, abril de 2013. 1 APRESENTAÇÃO Estas orientações foram elaboradas baseadas

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci

Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci INGLÊS 1 2 Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci CARO ALUNO Não existem limites para a educação a distância. Seus desafios são os mesmos da educação convencional:

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO Eva Karolina Pereira Santos Isabela Almeida Valadares Marina Santos Silva Pedro Henrique Branco de Oliveira

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

MANUAL - DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL SUMÁRIO

MANUAL - DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL SUMÁRIO MANUAL - DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL SUMÁRIO APRESENTAÇÃO AMBIENTE VIRTUAL AS VANTAGENS DESSA MODERNA SISTEMÁTICA DO ENSINO SÃO: O PAPEL DO ALUNO PROFESSOR TUTOR AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ACESSO AO AMBIENTE

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Sumário Apresentação Ambiente Virtual As Vantagens Dessa Moderna Sistemática do Ensino O Papel do Aluno Professor Tutor Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

O intérprete de Libras na sala de aula de língua inglesa Angelita Duarte da SILVA 1 Maria Cristina Faria Dalacorte FERREIRA 2

O intérprete de Libras na sala de aula de língua inglesa Angelita Duarte da SILVA 1 Maria Cristina Faria Dalacorte FERREIRA 2 O intérprete de Libras na sala de aula de língua inglesa Angelita Duarte da SILVA 1 Maria Cristina Faria Dalacorte FERREIRA 2 Faculdade de Letras - UFG Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística

Leia mais

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL.

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. Wagner José Bolzan 1. Resumo Em minha dissertação de mestrado

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

01 UNINORTE ENADE. Faça também por você.

01 UNINORTE ENADE. Faça também por você. 01 UNINORTE ENADE Faça também por você. 02 ENADE UNINORTE Confira algumas questões e seus significados 03 UNINORTE ENADE O curso propiciou experiências de aprendizagem inovadora? Apesar de ser confuso,

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

USO DA PLATAFORMA MOODLE EM UMA DISCIPLINA PRESENCIAL: PERCEPÇÕES DE ALUNOS E PROFESSORA SOBRE A COMPLEMENTARIDADE DOS

USO DA PLATAFORMA MOODLE EM UMA DISCIPLINA PRESENCIAL: PERCEPÇÕES DE ALUNOS E PROFESSORA SOBRE A COMPLEMENTARIDADE DOS USO DA PLATAFORMA MOODLE EM UMA DISCIPLINA PRESENCIAL: PERCEPÇÕES DE ALUNOS E PROFESSORA SOBRE A COMPLEMENTARIDADE DOS AMBIENTES ONLINE E PRESENCIAL Renata Cristina de Azevedo Borges Peres Projeto Letras

Leia mais

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar as informações, antes é preciso

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

FAQ Escrita de Cases

FAQ Escrita de Cases FAQ Escrita de Cases 1. Sobre o que escrever um case e com qual foco? Sua EJ poderá escrever cases de sucesso ou insucesso que tenha trazido muito aprendizado e superação, ou seja, cases distintos da realidade

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Sumário Apresentação As Vantagens Dessa Moderna Sistemática do Ensino O Papel do Aluno Professor Tutor Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Dúvidas e Suporte

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Resultado da Avaliação das Disciplinas

Resultado da Avaliação das Disciplinas Avaliação Curso Direito Imobiliário Registral Aplicado aos Bens Públicos DISCIPLINAS: 1- Propriedade e demais direitos reais 2- Modos de aquisição e perda da propriedade e demais direitos reais CARGA HORÁRIA:

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES.

COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES. COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES. Iasmini Nicoli Galter 1, Mayla Gava ¹, Henrique Tabelini ¹, Elias Terra Werner².

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

Manual do Aluno Belo Horizonte 2013

Manual do Aluno Belo Horizonte 2013 Manual do Aluno Belo Horizonte 2013 Elaboração Carolina Vianini Amaral Lima Luciano Alves Lima Ronaldo Correa Gomes Júnior Coordenadora do Projeto IngRede Profa. Dra. Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva

Leia mais

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo Caro Monitor, Esta oficina tem como objetivo geral favorecer o primeiro contato do aluno da EJA Ensino Fundamental com o tipo textual que será

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA RESUMO

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA RESUMO MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO DE LICENCIATURA AÇÕES NA BUSCA DE UMA ABORDAGEM PEDAGÓGICA Denise Knorst da Silva 1 denisek@unijui.tche.br RESUMO Neste trabalho é apresentada uma discussão sobre atividades

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

O USO DO SIMULADOR ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA BÁSICO PARA O ENSINO DE QUÍMICA

O USO DO SIMULADOR ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA BÁSICO PARA O ENSINO DE QUÍMICA O USO DO SIMULADOR ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA BÁSICO PARA O ENSINO DE QUÍMICA Mariane Gama NABIÇA 1 mariane_gama@hotmail.com Davi Henrique Trindade AMADOR 1 henriquetrindade9@yahoo.com.br 1 Universidade

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais