Ensino/ aprendizagem de inglês para alunos disléxicos: o que nos revelam os documentos 1?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ensino/ aprendizagem de inglês para alunos disléxicos: o que nos revelam os documentos 1?"

Transcrição

1 Ensino/ aprendizagem de inglês para alunos disléxicos: o que nos revelam os documentos 1? Juliana Reichert Assunção Tonelli - Mestre em Estudos da Linguagem. Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem (PPGEL) na Universidade Estadual de Londrina (UEL). Docente do curso de Letras na Universidade Estadual de Maringá (UEM). Vera Lúcia Lopes Cristovão - Pós Doutora em Lingüística Aplicada e Estudos da Linguagem pela PUC-SP. Professora PPGEL/UEL. RESUMO: Neste artigo procuramos discutir a questão da inclusão de alunos com dificuldades de aprendizagem, especificamente a dislexia, no sistema educacional regular brasileiro. Para isto, trazemos a análise discursiva parcial da Apresentação das Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica (Brasil, 2001). Na análise do documento em questão, buscamos, ancorados nos pressupostos teórico-metodológicos do Interacionismo Sociodiscursivo, identificar as principais marcas textuais que possam indicar como o trabalho docente é compreendido quando se trata da inclusão de alunos portadores de necessidades especiais na educação básica. Fundamentalmente os dados analisados indicam uma mobilização, por parte do agente produtor, quanto ao convencimento sobre a necessidade do envolvimento docente na tarefa de incluir todos os alunos no processo de escolarização. PALAVRAS-CHAVE: dislexia, aprendizagem, inclusão escolar. ABSTRACT: In this article we aim at discussing the issue of the inclusion of students with learning difficulties, particularly dyslexia, in the Brazilian regular educational system. Thus, 1 Este trabalho faz parte de minha pesquisa de doutorado em andamento cujo principal objetivo é compreender o processo de ensino/aprendizagem de inglês em crianças disléxicas, por ser esta considerada uma dificuldade diretamente ligada à aquisição de linguagem (leitura e escrita). A pesquisa está sendo desenvolvida sob a orientação da Prof. Dra. Vera Lúcia Lopes Cristovão na Universidade Estadual de Londrina (UEL).

2 we present a partial discursive analysis of the Presentation in the National Directives for Special Education in Basic Education (Brasil, 2001). In the analysis of such a document, based on the theoretical-methodological constructs of Sociodiscursive Interactionism, we aim at identifying the main textual marks that may indicate how teachers work is understood when it comes to the inclusion of students with special needs in the basic education. Fundamentally, the analyzed data point to a mobilization, from the producer s part, towards convincing the reader about the need of teacher s involvement in the task to include all students in the schooling process. KEYWORDS: dyslexia; learning; school inclusion. 1. Introdução O ensino de inglês para crianças como língua estrangeira já é uma prática consolidada em vários lugares do mundo, inclusive em nosso país, conforme apontado em pesquisas na área (TONELLI, 2005; SHIMOURA, 2005; MARINS, 2005; LINGUEVIS, 2007; FURTADO, 2007; SCHEIFER, 2008, só para citar alguns exemplos). Uma das justificativas para o fortalecimento desse quadro repousa no fato de que o poder econômico e a tecnologia cada vez mais acessível fazem dessa língua um instrumento fundamental para participação social em nível global (GIMENEZ, 2005; RAJAGOPALAN, 2005; GRADDOL, 2006; TONELLI; RAMOS, 2007). Sendo assim, conforme aponta Moita Lopes (2005) o ensino de línguas estrangeiras tem sido atualmente apontado como uma forma de inclusão social, o que, naturalmente nos expõe aos mais diferentes tipos de aprendizes. Nesse contexto, profissionais da área de ensino de línguas se deparam com algumas limitações, dentre as quais, alunos com dificuldades de aprendizagem. Uma dificuldade apontada em algumas pesquisas (ALVES, 2007; MASSI, 2007), como um quadro de dislexia, um distúrbio de linguagem diretamente relacionado a palavras e letras que provoca uma dificuldade específica na aprendizagem da identificação dos símbolos gráficos, mais observável na leitura e escrita, acarretando alto grau de dificuldade na ortografia (JOSÉ; COELHO, 2008). Entretanto, corroboramos o pensamento de Bronckart (1999/2003; 2006) quanto ao fato de que a linguagem só se manifesta por meio de textos com traços de condutas humanas organizadas socialmente. Deste modo, parece-nos inadequado tomar a concepção de linguagem como código isolado e na decodificação de estruturas lingüísticas

3 descontextualizadas, posicionamento comumente tomado por estudiosos da dislexia que analisam a linguagem como código decodificador, conforme aponta Massi (2007). Assim, ao investigarmos a dislexia em crianças aprendizes de língua inglesa, pretendemos discutir, a partir de levantamento bibliográfico, como tal quadro pode ser investigado no escopo da Lingüística Aplicada (LA), tomando como pressuposto a perspectiva vygotskyana do papel da linguagem, isto é, um meio de comunicação social, de enunciação e compreensão (VYGOTSKY, 2001, p. 11). Desta forma, nos distanciamos de perspectivas teóricas que desconsideram a historicidade da linguagem, do sujeito e de suas ações lingüísticas em situações reais de uso da língua, neste caso da língua inglesa, e o contexto de tais interações, conforme aponta Massi (2007, p. 53). Tomamos como um dos pilares para a compreensão do quadro acima descrito, os documentos que direcionam as leis educacionais brasileiras, especificamente, as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica (Brasil, 2001). Isto posto, neste trabalho, nos propusemos a analisar a parte introdutória do referido documento: a Apresentação das Diretrizes assinada pelo então Ministro da Educação, a fim de buscarmos identificar as principais marcas textuais que possam indicar como o trabalho docente é compreendido por parte dos agentes produtores de tal documento quando se trata da inclusão de alunos portadores de necessidades especiais na Educação Básica (Educação Infantil ao Ensino Superior). Este artigo encontra-se assim organizado: primeiramente trazemos uma breve reflexão sobre a importância da língua inglesa como forma constituinte da cidadania e do ser humano. Em seguida, apontamos algumas (in) definições do termo dislexia para, finalmente, apresentarmos extratos da Apresentação das Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica (doravante DNEEEB) e as análises a que nos propomos. Importa-nos ressaltar que, ainda que tal documento não contemple diretamente questões relacionadas ao ensino de inglês, por ser esta uma disciplina de oferta obrigatória no terceiro ciclo do ensino fundamental e uma língua que começa a ser considerada como língua global (GRADDOL, 2006), tomamos o ensino/aprendizagem de inglês também como uma forma de educação inclusiva, termo presente no documento analisado. 2. A língua inglesa como forma constituinte da cidadania e do ser humano Entendendo o ensino/aprendizagem de inglês também como uma forma de inserção social, nossa preocupação central está, portanto, em identificar por meio das principais marcas

4 textuais em documentos educacionais como o trabalho docente é compreendido quando se trata da inclusão de alunos portadores de necessidades especiais na educação básica. Corroboramos as idéias de Moita Lopes (2005) ao defender que a aprendizagem de inglês se transformou em um dos instrumentos centrais da educação contemporânea e a aprendizagem dessa língua estrangeira possui uma função de ampliação de oportunidades sociais. Nas palavras de Rajagopalan: O importante é, contudo, não esquecer que, em última análise, os nossos alunos precisam adquirir domínio da língua inglesa para o seu próprio bem e para se tornarem mais aptos a enfrentar os novos caminhos que o mundo coloca no seu caminho. (RAJAGOPALAN, 2005, p. 45). No que tange o ensino da língua inglesa a crianças, Bittinger (1999), Pires (2004) e Cameron (2003) acreditam que o crescente interesse pelo ensino/aprendizagem daquela língua tem ocorrido por conta do processo de globalização e sua influência na vida das pessoas (como por exemplo, o aumento das relações comerciais entre países). Além disto, os referidos autores consideram a crescente preocupação dos pais em proporcionar aos filhos o necessário conhecimento e fluência na língua inglesa, o que, teoricamente, pode significar certa vantagem na conquista de melhores universidades internacionais e, conseqüentemente, na fase adulta, de empregos com melhores salários. Conforme aponta Graddol (2006, p.88) a idade que as crianças começam a aprender inglês cada vez mais é menor por todo o mundo, caracterizando, portanto, uma tendência mundial. Diante de tais considerações, não podemos nos eximir de considerarmos a importância que a língua inglesa vem assumindo na constituição do sujeito na contemporaneidade. Sendo assim, acreditamos ser fundamental pensarmos o ensino de inglês a alunos (crianças, especificamente) portadores de necessidades educacionais especiais, no caso, estudantes com dificuldades relacionadas à linguagem. 3. Como definir a dislexia? De acordo com Salles, Parente e Machado (2004) o estudo dos problemas de leitura é bastante antigo e existem divergências quanto às perspectivas teórico-metodológicas assumidas. Muitas teorias foram elaboradas em várias áreas do conhecimento (neurologia, psicologia e educação) para descrever e explicar os déficits na aprendizagem da leitura e escrita em crianças.

5 Já a Associação Brasileira de Dislexia (ABD) 2 define dislexia como um distúrbio ou transtorno de aprendizagem na área da leitura, escrita e soletração. A ABD está vinculada à International Dyslexia Association que deixa claro que entende a linguagem como um código, ao caracterizar a dislexia como um distúrbio especificamente de ordem lingüística. Para Massi (2007), tal caracterização veicula a dificuldade da criança à codificação e decodificação de palavras simples e descontextualizadas. Visão esta que concebe a língua como um código organizado em função de um conjunto de sons, letras, sílabas e palavras isoladas de um contexto significativo e, o aprendiz como um ser passivo e mero memorizador de repetições. Para a autora, ao considerarmos o contexto social e as interações históricas como propriedades inerentes ao estudo da linguagem, os supostos erros cometidos por crianças diagnosticadas disléxicas, não são mais vistos como tais e sim, como indícios de mecanismos dos quais o aprendiz utiliza para compreender a leitura e a escrita no seu processo de construção, de aquisição ou, no caso do inglês, da aprendizagem. Segundo Bronckart (1999/2003; 2006) é ilusório interpretar a atividade de linguagem como produto do acúmulo de comportamentos resultantes do substrato neurobiológico humano. A linguagem só se manifesta por meio de textos com traços de condutas humanas socialmente organizadas. Ressaltamos que optamos por analisar, neste momento, apenas a parte da Apresentação das Diretrizes por entender que tal texto, embora tenha uma função de localizar o possível receptor quanto ao conteúdo dos documentos, em muitos momentos parece assumir um caráter prescritivo do papel da escola e do professor no processo de inclusão, conforme veremos adiante. No entanto, no corpo das Diretrizes encontramos a explicitação da dislexia como uma dificuldade de aprendizagem, daí a importância de considerarmos o mesmo em nossa pesquisa: O quadro das dificuldades de aprendizagem absorve uma diversidade de necessidades educacionais, destacadamente aquelas associadas a: dificuldades específicas de aprendizagem como a dislexia e disfunções correlatas (grifo nosso); problemas de atenção, perceptivos, emocionais, de memória, cognitivos, psicolingüísticos, psicomotores, motores, de comportamento; e ainda há fatores ecológicos e socioeconômicos, como as privações de caráter sociocultural e nutricional 3. (BRASIL, 2001, p. 44) 2 3 Parecer CNE/CEB nº 17/2001// Resolução CNE/CEB nº 2, de 11 de setembro de 2001.

6 Além disto, Alves (2007) afirma que, no Brasil, cerca de 30 a 40 % da população que freqüenta as primeiras séries do Ensino Fundamental possui algum tipo de dificuldade. Ancorada nos estudos de Ciasca (2003), Alves (op. cit.) pontua que daquele percentual, em torno de 3 a 5 % da população, apresentam uma dificuldade específica na aprendizagem da leitura. Essa dificuldade é denominada dislexia do desenvolvimento ou simplesmente dislexia (ALVES, 2007, p. 18). 4. Metodologia A partir do trabalho desenvolvido por Bronckart e Machado (2004), o qual apresenta uma metodologia de análise de textos referentes ao trabalho educacional, nos restringiremos à análise textual da Apresentação das Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica, assim como proposto por Bronckart (1999/2003) Descrição do objeto de análise/documento Assim como sinalizado anteriormente, apresentaremos as análises discursivas parciais da Apresentação das Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. O documento traz, de forma geral, concepções relativas à Educação Especial no contexto educacional brasileiro e está organizado em dois grandes temas: 1) a organização dos sistemas de ensino para o atendimento ao aluno que apresenta necessidades educacionais especiais e; 2) a formação do professor. Ao final, o documento apresenta a Resolução que institui as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica Procedimentos de análise Ancorados no trabalho de Bronckart (1999/2003) e de Bronckart e Machado (2004) que propõem a análise de documentos produzidos pelas instituições sobre as tarefas que os professores/ trabalhadores devem realizar, os quais são tomados, em princípio como textos de prescrição do trabalho ou de trabalho prescrito e incluem documentos do Ministério da Educação e de outras instâncias governamentais, projetos de escolas, etc., realizamos, portanto, (1) a análise do contexto sócio-histórico; (2) a análise lingüístico-discursiva do texto 4 Resolução CNE/CNB Nº 2, de 11 de Setembro de 2001.

7 e (3) uma análise interpretativa que possa ajudar-nos a alcançar o objetivo a que nos propusemos. 5. Apresentação das Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica: uma análise lingüística e interpretativa. Nossa análise está apoiada nos pressupostos teórico-metodológico do Interacionismo Sociodiscursivo (ISD) uma abordagem inserida na ciência do humano, cuja especificidade é a de postular que a linguagem é absolutamente central e constitui-se no principal instrumento do desenvolvimento humano, assim como postula Bronckart (2006) Análise do contexto sócio-histórico Bronckart (1999/2003) propõe um modelo de análise que envolve, entre outros aspectos, o levantamento de informações sobre o contexto de produção dos textos, entendidos como produtos da atividade de linguagem em funcionamento permanente nas formações sociais. Para ele, o contexto de produção é definido como o conjunto de parâmetros que podem exercer uma influencia sobre a forma como o texto é organizado (1999/2003, p. 93). Neste sentido, importa-nos compreender em que contexto as DNEEEB (BRASIL, 2001) foram produzidas. De acordo com Mendes (2006), após vários anos (desde a década de 1960) e várias tentativas, as escolas comuns passaram a aceitar crianças ou adolescentes deficientes em classes comuns ou em classes especiais. Em 1990 foi realizada na Tailândia a Conferência Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem, promovida pelo Banco Mundial, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura (UNESCO), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e Programa para das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Nesta ocasião, foi aprovada a Declaração Mundial sobre Educação para Todos. Em 1994 foi realizada a Conferência Mundial sobre Necessidades Educacionais Especiais: acesso e qualidade, promovida pelo governo da Espanha e pela UNESCO. Nesta Conferência foi então produzida a Declaração de Salamanca (BRASIL, 1997) que, nas palavras de Mendes (2006, p. 395), é tida como o mais importante marco mundial na difusão da filosofia da educação inclusiva.

8 Neste cenário, teoria e práticas inclusivas ganham terreno em muitos países, inclusive no Brasil. Em um ambiente controverso, o Ministério da Educação lança as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Ao realizarmos a análise do texto temos, seguindo o modelo de análise proposto por Bronckart (199/2003), o contexto físico de produção: O lugar de produção: Brasília. O momento de produção: ano de O emissor: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Especial. O receptor: diretores, professores, coordenadores pedagógicos, gestores escolares e todos aqueles diretamente ligados a educação/ educação especial. Ainda ancorados nos mesmos pressupostos teórico-metológicos temos, em um segundo plano, o contexto sociosubjetivo no qual um determinado texto foi produzido. O lugar social: Ministério da Educação (MEC), órgão regulador do ensino no Brasil. A posição social do emissor: Ministro da Educação. Papel social do receptor: profissional ligado a Educação. O objetivo da interação: instituir um documento oficial que legitime a inclusão nas escolas regulares (ou comuns) no Brasil. Embora não seja nossa intenção esgotar aqui o assunto, emprestamos de Bronckart e Machado (2004) a concepção de que o conhecimento dos aspectos sócio-históricos que presidiram a edição das Diretrizes nos permite uma leitura mais contextualizada e menos inocente do documento em pauta. Considerando tais informações, entendemos que o documento sob análise foi produzido em um contexto de discussões e de tomadas de decisões em nível mundial sobre a necessidade de reformulações educacionais em torno de uma série de argumentos como o de que todas as crianças (especialmente as portadoras de necessidades educacionais especiais) sejam incluídas no ambiente e processo educacional Análise Linguistico-discursiva Na visão de Bronckart e Machado (2004), um texto pode ser nomeado por seu autor como sendo uma carta aos professores e sua análise revelar que o gênero a que pertence é, na verdade uma circular administrativa. Segundo Bronckart (1999/2003) a análise organizacional constitui-se da identificação do plano global do texto e dos tipos de discurso que o constituem.

9 Nas palavras de Bronckart e Machado: A identificação do plano global do texto, de suas partes constitutivas e suas articulações deve levar-nos a clarificar o estatuto dialógico dessa estrutura composicional, que não pode ser vista como aleatória, mas sim como obedecendo a um objetivo específico, conforme as representações que o autor tem de seus destinatários (BRONCKART & MACHADO, 2004, p ). Na Apresentação do documento a que nos propomos a analisar podemos verificar basicamente as seguintes partes principais: 1) A educação é o principal alicerce da vida social. Tal afirmação parece sinalizar a intenção por parte do agente produtor (autor) de destacar o papel da educação como um todo e de valorizar o texto diante dos olhos do destinatário do mesmo. Especialmente ao usar o adjetivo principal. Tal escolha lingüística aponta para o desejo de convencimento de que é a educação (representada pela escola e pelo papel do professor) a responsável pelas bases de uma convivência social em harmonia. Outros aspectos presentes são a educação como objeto transformador e a expressão do desejo de uma sociedade mais justa (mais uma vez a escola é apontada como responsável pelo sucesso ou insucesso na construção de uma sociedade justa e livre), conforme apontamos no excerto abaixo: 2) Se o nosso sonho e o nosso empenho são por uma sociedade mais justa e livre, precisamos trabalhar desde a escola o convívio e valorização das diferenças, base para uma verdadeira cultura de paz. Por outro lado, a seção de Apresentação de um documento que é especificamente destinado a orientar a escola e os professores quanto ao trato de alunos portadores de necessidades especiais, generaliza, pelo menos é o que nos parece, o diferente : 3) Em todo o mundo, durante todo o tempo, o diferente foi colocado à margem da educação (...). Identificamos nas escolhas lingüísticas mobilizadas pelo agente produtor um agir autônomo, deslocado para um mundo distante ( todo o mundo, todo o tempo ) generalizando a presença do diferente, como se os portadores de necessidades especiais fossem os diferentes. Aqui, cabe-nos uma breve reflexão: Diferente de quem? Existe um padrão estabelecido para que se possa identificar o diferente? Além disto, para que a educação inclusiva em nosso país se torne realidade, esta é apontada como sendo uma tarefa de todos: 4) Empreender as transformações necessárias para que essa educação inclusiva se torne realidade nas escolas brasileiras é uma tarefa de todos.

10 Assim, analisando o plano global do texto percebe-se uma orientação argumentativa busca do convencimento da necessidade e da importância da educação escolar e da educação inclusiva. A análise enunciativa se dedica à investigação das relações de modalizações e análise dos valores assumidos pelos dêiticos (pessoa, por exemplo). Considerando as unidades dêiticas, como por exemplo, pronomes pessoais, possessivos, advérbios de lugar e de tempo, formas pessoais e temporais dos verbos podemos observar que existe um apagamento da responsabilidade do trabalho e, ao mesmo tempo, a indicação de que tal trabalho não está sendo efetivamente realizado em conjunto pelo produtor (ministério da educação) e pelo receptor do texto (professores da educação básica). A seguir, trazemos mais alguns extratos do documento: 5) Se o nosso sonho e o nosso empenho são por uma sociedade mais justa e livre, precisamos trabalhar desde a escola o convívio e a valorização das diferenças, base para uma verdadeira cultura de paz. Aqui, vemos o uso do pronome possessivo nosso como uma tentativa de aproximação do produtor do texto com o receptor do mesmo e, ao mesmo tempo, parece sinalizar uma tentativa de aproximação dos interlocutores, persuadindo o receptor quanto à idéia de que tanto o governo quanto a escola e, por sua vez, os professores (prováveis receptores) possuem o mesmo ideal. 6) À frente do Ministério da Educação estamos trabalhando para ter toda criança na escola (...) Considerando a análise da coesão verbal primeira pessoa do plural do presente do indicativo tempo composto - estamos trabalhando - (BRONCKART, 1999/2003) sugere um apagamento da responsabilidade do trabalho e, ao mesmo tempo, a indicação de que este não está sendo realizado pelo produtor (ministério da educação) admitindo que a produção do documento não foi feita pela pessoa que o assina ( no caso, o então Ministro da Educação), mas que houve uma equipe envolvida. Por outro lado, o emprego do gerúndio (trabalhando) indica uma ação em andamento, um processo ainda não finalizado do Ministério da Educação (MEC) e da Secretaria de Educação Especial (SEESP), imprimindo a intenção de dar continuidade ao trabalho de inclusão iniciado. Prosseguindo na análise, buscamos, por ora, identificar de forma geral sem a profundidade que o tema merece, as unidades que apontam os protagonistas colocados em cena na mensagem do Ministro da Educação brasileira na apresentação das Diretrizes.

11 De forma geral, podemos identificar (1) o papel da educação: A educação é o principal alicerce da vida social. ; (2) as DNEEEB: Integrando-se a esse processo, as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica (...) vêm representar ao mesmo tempo um avanço na perspectiva (...) ;(3) as instâncias educacionais, o governo, a comunidade escolar, professores, famílias, direação da escola, funcionários, entidades de pessoas com deficiência, instituições de de ensino superior e de pesquisa, os meios de comunicação, as organizações não-governamentais e outros segmentos da sociedade : (...) devem interagir nesse processo. Acreditamos que essa rápida exposição dos protagonistas do texto nos mostra dados importantes e que várias conclusões podem ser retiradas. Para efeito de conclusão geral, apontamos as várias entidades citadas como uma forma de fortalecer a intenção de convencimento quanto a necessidade do envolvimento de todos no processo de inclusão: Estamos certos de que participar do processo educativo juntamente com os demais alunos contando com os serviços e recurosos especiais necessários é um direito dos alunos que apresentam necessidades educacionais especiais. Empreender as transformações necessárias para que essa educação inclusiva se torne realidade nas escolas brasileiras é uma tarefa de todos. ( BRASIL.MEC/ SEESP, 2001, p. 6) Seguindo nossa análise, outros aspectos identificados foram: (a) O documento como representatividade do avanço do ensino; (b) A educação inclusiva implica mudanças significativas e requer esforços conjuntos e; (c) O processo educativo como sendo um direito dos alunos com necessidades especiais. No item seguinte, procuraremos discutir tais questões sob uma perspectiva interpretativa Análise Interpretativa A fim de identificar como o trabalho docente é compreendido quando se trata da inclusão de alunos portadores de necessidades especiais na educação básica a partir da análise da Apresentação das Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica, trazemos nesta seção uma análise interpretativa da mensagem do Ministro da Educação brasileira. Para tanto, fundamentamos nossas análises no trabalho de Bronckart e Machado (2004), adotando algumas das categorias utilizadas pelos referidos pesquisadores na perspectiva da semântica do agir. Considerando que o termo agir designa o dado sob análise (BRONCKART & MACHADO, 2004, p. 154), ou seja, as diversas formas de intervenção dos seres humanos no mundo, aqui especificamente no mundo do trabalho.

12 Seguindo a noção de agir, conforme Bronckart e Machado (op. cit.), esta indica intervenções humanas no mundo, incluindo o trabalho. Já no plano motivacional, os referidos autores fazem uma distinção entre o que denominam determinantes externos do agir (de natureza coletiva, material ou da ordem das representações sociais) e os motivos, compreendidos aqui como as razões de agir interiorizadas por uma pessoa particular. (BRONCKART & MACHADO, 2004, p. 155) Se o nosso sonho e o nosso empenho são por uma sociedade mais justa e livre, precisamos trabalhar desde a escola o convívio e a valorização das diferenças, base para uma verdadeira cultura de paz. Observando o excerto acima, é possível interpretar o agir como um envolvimento coletivo no processo da construção de uma nova sociedade que valorize as diferenças e sirva de base para uma cultura de paz. Além disto, pode-se identificar um determinante externo (trabalhar o convívio) que requer mudanças ou adequações por parte da comunidade escolar para receber os alunos portadores de necessidades educacionais especiais. Já no plano da intencionalidade, os autores distinguem as finalidades, considerando-as de origem coletiva e socialmente validadas e as intenções, que são as finalidades do agir interiorizadas por uma pessoa particular. (BRONCKART & MACHADO, 2004, p. 155) Concretamente, esse construir junto requer disposição para dialogar, aprender, compartilhar e trabalhar de maneira integrada no processo de mudança da gestão e da prática pedagógica Tomando a fala do Ministro identificamos no texto a intenção do mesmo de convencer os agentes 5 de que deve haver um desejo compartilhado a fim de alcançar mudanças no agir pedagógico quanto se trata de inclusão. Não deixando assim, opção ao professor: ele está incluído no TODOS marcado no documento, confirmando o papel de co-executor do trabalho a ser realizado. A guisa de conclusão esclarecemos que, ao recorrermos às unidades semânticas e às categorias de análise do agir, do plano motivacional e da intencionalidade procuramos apontar que, de forma geral, a seção de Apresentação das Diretrizes visa marcar o documento em discussão como representatividade do avanço do sistema educacional brasileiro. Dentro desse quadro, a educação inclusiva requer mudanças significativas e esforços conjuntos para que os alunos com necessidades educacionais especiais sejam incluídos na 5 Faz-se (Bronckart & Machado, 2004) uma distinção entre os termos actante - utilizado para qualquer pessoa implicada no agir, ou seja, um agir ativo e o termo agente quando não são atribuídas nem capacidades nem intenções próprias ao agir.

13 escola de forma adequada, isto é, a escola (incluindo o professor) deve adequar-se àquele público. 6. Considerações finais Buscamos, através deste trabalho, tecer algumas considerações acerca da inclusão de alunos com dificuldades de aprendizagem, especificamente a dislexia, no sistema educacional regular brasileiro. Ao recorrermos às análises discursivas, seguindo os pressupostos teórico-metodológicos do ISD, na Apresentação das DNEEEB buscamos identificar as principais marcas textuais que possam indicar como o trabalho docente é compreendido quando se trata da inclusão de alunos portadores de necessidades especiais na educação básica. Entre outros aspectos, os resultados mostraram que, embora o título da seção analisada seja APRESENTAÇÃO, há uma mobilização (intencionalidade), por parte do agente produtor, quanto ao convencimento sobre a necessidade do engajamento docente na tarefa de incluir todos os alunos no processo de escolarização. Concluímos, portanto, que o autor do texto não apenas visava apresentar o documento, mas essencialmente convencer e direcionar o trabalho dos receptores do mesmo quanto ao fato de que a educação inclusiva passa, daquele momento em diante, a ser uma realidade no contexto educacional brasileiro e de que as DNEEEB são o documento maior que conduzem o agir de todos os envolvidos, direta ou indiretamente, no sistema educacional. Finalmente, apontamos o caráter prescritivo do documento em questão, não concordando com o título APRESENTAÇÃO que deveria, em nossa concepção, situar o receptor quanto ao conteúdo do documento. 7. Referências ALVES, L. M. A prosódia na leitura da criança disléxica. Belo Horizonte, Tese (Doutorado em Estudos Lingüísticos) - Universidade Federal de Minas Gerais. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília, DF, p.79.. Declaração de Salamanca: sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais Disponível em <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf > Acesso em 13 nov

14 BITTINGER, J. M. Teaching young children in a nurturing environment. New Routes, São Paulo, n. 8, p , Nov CAMERON, L. Challenges for ELT from the expansion in teaching children. ELT Journal - Oxford University Press, London, n. 57, p , abr BRONCKART, J. P. Atividades de Linguagem, textos e discursos. Por um interacionismo sócio-discursivo. (Trad.) Anna Rachel Machado. São Paulo, SP: EDUC, 1999/ MACHADO, A. R.; MATENCIO, M. L. M. (Orgs.) Atividade de Linguagem, Discurso e Desenvolvimento Humano. Campinas: Mercado de Letras, BRONCKART, J. P.; MACHADO, A. R. Procedimentos de análises de textos sobre o trabalho educacional. In: MACHADO, A. R. O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: EDUEL, CIASCA, S. M. Distúrbios de aprendizagem: propostas de avaliação interdisciplinar. São Paulo: Casa do Psicólogo, FURTADO, C. P. Saberes para um ensino bilíngüe na educação infantil. Goiás, Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Católica de Goiás. GIMENEZ, K. M. P. (Org.). Contribuições na área de línguas estrangeiras. Londrina: Moriá, GRADDOL, D. English Next. Plymouth: British Council JOSÉ, E. A.; COELHO, M. T. Problemas de Aprendizagem. São Paulo: Ed. Ática, LINGUEVIS, A. M. Educação Infantil: a porta de entrada para o ensino-aprendizagem de língua inglesa. São Paulo, f. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Lingüística Aplicada e Estudos da Linguagem). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. MARINS, I. M. M. O contexto social na motivação de crianças aprendizes de uma língua estrangeira. Pelotas, f. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Letras). Universidade Católica de Pelotas. MASSI, G. A dislexia em questão. São Paulo: Plexus Editora, MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v.11, n. 33. Set./ Dez., p Disponível em: < Acesso em 26 mai MOITA LOPES, L. P. Conferência intitulada Inglês no Mundo Contemporâneo: Ampliando oportunidades sociais por meio da Educação Disponível em: < mporaneo.doc >. Acesso em 28 set

15 PIRES, S. S. Ensino de Inglês na Educação Infantil. In: SARMENTO, S.; MULLER, V. (org.). O ensino do inglês como língua estrangeira: estudos e reflexões. Porto Alegre: APIRS, p RAJAGOPALAN, K. O grande desafio: aprender a dominar a língua inglesa sem ser dominado por ela. In: GIMENEZ, T; JORDÃO, C.; ANDREOTTI, V. (Orgs.) Perspectivas Educacionais e o ensino de inglês na escola pública. Pelotas: Educat, p SALLES, J. F.; PARENTE, M. A. M. P.; MACHADO, S.S. As dislexias de desenvolvimento: aspectos neuropsicológicos e cognitivos. Interações, v. IX, n. 17, p SCHEIFER, C. L. Ensino de língua estrangeira para crianças: entre o todo e a parte : uma análise da dinâmica das crenças de uma professora e de seus alunos. Pelotas, Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Católica de Pelotas. SHIMOURA, A. S. Projeto de formação de professores de inglês para crianças: o trabalho do formador. São Paulo, f. Tese de Doutorado (Doutorado em Lingüística Aplicada e Estudos da Linguagem). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. TONELLI, J. R. A. Histórias infantis no ensino da língua inglesa para crianças. Londrina, Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) - Universidade Estadual de Londrina. TONELLI, J. R. A.; RAMOS, S. G. M. (Orgs.). O ensino de LE para crianças: reflexões e contribuições. Londrina: Moriá, p VYGOTSKY, L. S. (Trad.) Paulo Bezerra. A Construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS Débora Bortolon (Colégio Estadual Castelo Branco /Paraná) Terezinha Marcondes Diniz Biazi (/UNICENTRO/GP) e-mail: emebiazi@hotmail.com

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

ATIVIDADES DE DESENHO COMO PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: AS EXPECTATIVAS DE CRIANÇAS APRENDENDO INGLÊS

ATIVIDADES DE DESENHO COMO PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: AS EXPECTATIVAS DE CRIANÇAS APRENDENDO INGLÊS ATIVIDADES DE DESENHO COMO PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: AS EXPECTATIVAS DE CRIANÇAS APRENDENDO INGLÊS Hidemi Senno (Letras Inglês/UEL/Pibid/Capes) Ingrid Carvalho (Letras Inglês/UEL/Pibid/Capes)

Leia mais

220 D.E.L.T.A., 25:1

220 D.E.L.T.A., 25:1 220 D.E.L.T.A., 25:1 ROCHA, Cláudia H. e Edcleia A. BASSO (orgs.). 2007. Ensinar e aprender língua estrangeira nas diferentes idades: reflexões para professores e formadores. São Carlos, SP: Claraluz.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Língua francesa para deficientes visuais em Diadema, São Paulo: uma proposta de ensino de. inclusão social concebida segundo a abordagem acional

Língua francesa para deficientes visuais em Diadema, São Paulo: uma proposta de ensino de. inclusão social concebida segundo a abordagem acional Língua francesa para deficientes visuais em Diadema, São Paulo: uma proposta de ensino de Mestranda: Michelle A. G. Honório inclusão social concebida segundo a abordagem acional Orientadora: Profa. Dra.

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

êneros TExTUAIS NO ENSINO-APRENDIzAGEM E NA FORMAçÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS NA PERSPECTIVA INTERACIONISTA SOCIODISCURSIVA

êneros TExTUAIS NO ENSINO-APRENDIzAGEM E NA FORMAçÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS NA PERSPECTIVA INTERACIONISTA SOCIODISCURSIVA G êneros TExTUAIS NO ENSINO-APRENDIzAGEM E NA FORMAçÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS NA PERSPECTIVA INTERACIONISTA SOCIODISCURSIVA VERA LÚCIA LOPES CRISTOVÃO G êneros TExTUAIS NO ENSINO-APRENDIzAGEM E NA FORMAçÃO

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS: VISITANDO O ESTADO DO PARANÁ

FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS: VISITANDO O ESTADO DO PARANÁ FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS: VISITANDO O ESTADO DO PARANÁ Alessandra Ferraz TUTIDA (PG-UEL) Juliana Reichert Assunção TONELLI (UEL) RESUMO: Cresce cada

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SEQUÊNCIA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Comunicação e Expressão: Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem literária. Variação da língua,

Leia mais

Validório, Valéria Cristiane 1

Validório, Valéria Cristiane 1 A INTERAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM: uma perspectiva sociocultural Validório, Valéria Cristiane 1 RESUMO As relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior desenvolvem-se por meio de um processo

Leia mais

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO

Leia mais

II ENCONTRO DE DIVULGAÇÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO PIBID UENP: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

II ENCONTRO DE DIVULGAÇÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO PIBID UENP: DESAFIOS E PERSPECTIVAS PIBID INGLÊS - AÇÃO INTERVENTIVA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Bolsistas: ALMEIDA, D.; IDALGO, L.; KISHI, C; FAUSTINO, V.; SOUZA, E. (PIBID- LEM/ UENP) Orientadoras: Célia Regina Capellini

Leia mais

Línguas e sujeitos de fronteira: um pouco mais, e ainda, sobre a educação de surdos Regina Maria de Souza

Línguas e sujeitos de fronteira: um pouco mais, e ainda, sobre a educação de surdos Regina Maria de Souza Sumário Apresentação Valéria Amorim Arantes... 9 PARTE I Educação de surdos.... 15 Regina Maria de Souza Núria Silvestre Línguas e sujeitos de fronteira: um pouco mais, e ainda, sobre a educação de surdos

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LINGUAGEM E TRABALHO: UM OLHAR PERSPECTIVO SOBRE A SELEÇÃO DE PROFESSORES Fabio Sampaio de Almeida (UERJ) Maria Cristina Giorgi (Cefet-RJ) cristinagiorgi@terra.com.br INTRODUÇÃO Neste trabalho, temos como

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

O papel dos cursos de Letras na formação de professores de inglês para crianças 1

O papel dos cursos de Letras na formação de professores de inglês para crianças 1 Vol. 8, n. 1, p. 65-76, jan/abr 2010 2010 by Unisinos - doi: 10.4013/cld.2010.81.06 Juliana Reichert Assunção Tonelli teacherjuliana@uol.com.br Vera Lúcia Lopes Cristovão veracristovao@yahoo.com O papel

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

O AUTISTA NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA: UM DILEMA OU UM MUNDO DE OPORTUNIDADES?

O AUTISTA NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA: UM DILEMA OU UM MUNDO DE OPORTUNIDADES? 29 O AUTISTA NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA: UM DILEMA OU UM MUNDO DE OPORTUNIDADES? Eduardo Pimentel da Rocha 1 Juliana Reichert Assunção Tonelli 2 RESUMO: O presente estudo é uma pesquisa em andamento

Leia mais

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR Thassiana Reis Félix (PG-UEL) Maria IlzaZirondi (UEL) Resumo:

Leia mais

DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA

DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA Jaime Luiz Zorzi No o 8º Congresso Brasileiro de Psicopedagogia que acontecerá em São Paulo de 09 a 11 de

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna A ORALIDADE NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE LÍNGUA PORTUGUESA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 Maria Betânia Dantas de Souza - UFRN Márcia Rejane Brilhante Campêlo - UFRN Departamento do Programa de

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

DEFININDO OBJETIVOS PARA O ENSINO DE INGLÊS NA EDUCAÇÃO BÁSICA

DEFININDO OBJETIVOS PARA O ENSINO DE INGLÊS NA EDUCAÇÃO BÁSICA DEFININDO OBJETIVOS PARA O ENSINO DE INGLÊS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Mayara de Melo Santana Ana Lucia Galacini Vieira Prof. Telma Gimenez (Orientadora) RESUMO Nas últimas décadas o ensino de línguas estrangeiras

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS Polyana Lucena Camargo de Almeida (G-UEL) poly_uel@yahoo.com.br Viviane Boneto Pinheiro (G-UEL) vivianeboneto@hotmail.com

Leia mais

PEDAGOGIA. 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso.

PEDAGOGIA. 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso. PEDAGOGIA Ementas das Disciplinas 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso. 2. COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais.

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO EM LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NO ESTADO DO MARANHÃO Mauro Guterres Barbosa Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Pensar e construir o Projeto Político-Pedagógico é refletir, numa primeira instância, sobre questões fundamentais que assegurem uma visão de totalidade

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE PROFISSIONAL NO ESTÁGIO DE REGÊNCIA DE INGLÊS 1

A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE PROFISSIONAL NO ESTÁGIO DE REGÊNCIA DE INGLÊS 1 80 A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE PROFISSIONAL NO ESTÁGIO DE REGÊNCIA DE INGLÊS 1 Raquel Gamero 2 Vera Lúcia Lopes Cristovão 3 RESUMO: Desenvolvido em um contexto de prática de ensino, no qual o modelo adotado

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA - Clínica e Institucional

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA - Clínica e Institucional 1 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA - Clínica e Institucional A Psicopedagogia e seus desdobramentos conceituais podem ser vistos, na atualidade, como um movimento de novas buscas e conhecimentos.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores LETRAMENTO NA CONCEPÇÃO DE VIGOTSKI: O PAPEL DO/A PROFESSOR/A NA APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL

Leia mais

Pós-graduação Especialização em Educação Especial: Déficit Cognitivo/Deficiência Mental com Enfoque Pedagógico

Pós-graduação Especialização em Educação Especial: Déficit Cognitivo/Deficiência Mental com Enfoque Pedagógico Pós-graduação Especialização em Educação Especial: Déficit Cognitivo/Deficiência Mental com Enfoque Pedagógico Local: Taquari Carga horária: 400 horas. Resolução 01/2007 CES/CNE/MEC: "Art. 5. Os cursos

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL

O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL RESUMO Ana Raquel Abelha Cavenaghi (UEL) anaraquel@uel.br Valdirene Zorzo-Veloso valdirene@uel.br As histórias em quadrinhos (HQ) são lidas

Leia mais

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho 1 de 5 29/6/2010 00:34 www.ibmeconline.com.br De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho Autora: Patrícia Carla de Souza Della

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO Este artigo apresenta como objeto de as pesquisas sobre as Contribuições da Psicologia à Educação. O objetivo foi analisar a produção

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO 1 DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO Mara Aparecida de Castilho Lopes 1 Ida Lichtig 2 Universidade de São Paulo - USP Resumo:

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA INFÂNCIA: REFLEXÕES INICIAIS

Leia mais

Gêneros textuais e educação inicial do professor de língua inglesa Vera Lúcia Lopes CRISTOVÃO (UEL)

Gêneros textuais e educação inicial do professor de língua inglesa Vera Lúcia Lopes CRISTOVÃO (UEL) 2/29 veracristovao@yahoo.com Gêneros textuais e educação inicial do professor de língua inglesa Vera Lúcia Lopes CRISTOVÃO (UEL) OBJETIVOS: a) contribuir para as reflexões sobre questões que consideram

Leia mais

ELABORAÇÃO DE SEQÜÊNCIAS DIDÁTICAS PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA UMA PRODUÇÃO COLETIVA

ELABORAÇÃO DE SEQÜÊNCIAS DIDÁTICAS PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA UMA PRODUÇÃO COLETIVA ELABORAÇÃO DE SEQÜÊNCIAS DIDÁTICAS PARA O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA UMA PRODUÇÃO COLETIVA Vera Lúcia Lopes CRISTOVÃO Marlene Aparecida FERRARINI Célia Regina Capellini PETRECHE Maristela Miranda da

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO GOVERNO LULA: APROXIMAÇÕES INICIAIS Ana Paula Lima Barbosa Cardoso UECE Agência Financiadora: CAPES

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO GOVERNO LULA: APROXIMAÇÕES INICIAIS Ana Paula Lima Barbosa Cardoso UECE Agência Financiadora: CAPES POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO GOVERNO LULA: APROXIMAÇÕES INICIAIS Ana Paula Lima Barbosa Cardoso UECE Agência Financiadora: CAPES O presente texto apresenta resultados parciais de uma dissertação

Leia mais

ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA

ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA Georgyanna Andréa Silva Morais ¹ RESUMO O presente artigo é parte integrante das discussões empreendidas na pesquisa do Mestrado em Educação

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA

RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO IFPR ENGLISH STEPS: CRIANÇAS DA VILA MATILDE APRENDENDO A LÍNGUA INGLESA Resumo Simara Cristiane Braatz 1 - IFPR Câmpus Irati Grupo de Trabalho Formação de

Leia mais

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E IDENTIDADE PROFISSIONAL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E IDENTIDADE PROFISSIONAL FORMAÇÃO DE PROFESSORES E IDENTIDADE PROFISSIONAL Profª Ms. Vanderlice dos Santos Andrade Sól 1. INTRODUÇÃO A construção da identidade profissional possui relações estreitas com o ambiente de formação

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA GARCIA, Joe UTP joe@sul.com.br Eixo Temático: Violências nas Escolas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo Este trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE REDAÇÕES COMO METODOLOGIA AVALIATIVA DE ESTUDANTES BRASILEIROS DO ENSINO MÉDIO DE QUÍMICA

UTILIZAÇÃO DE REDAÇÕES COMO METODOLOGIA AVALIATIVA DE ESTUDANTES BRASILEIROS DO ENSINO MÉDIO DE QUÍMICA IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN UTILIZAÇÃO DE REDAÇÕES COMO METODOLOGIA AVALIATIVA DE ESTUDANTES BRASILEIROS DO

Leia mais

NEW PROJECTS FOR LIFE: MUSIC IS IN THE AIR

NEW PROJECTS FOR LIFE: MUSIC IS IN THE AIR 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Mesa-redonda: Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Debatedores: Profª, mestranda em Letras (UFSM) e professora de ensino médio público estadual; e Profª Me. Tânia Maria

Leia mais

Maria de Jesus Cano Miranda (DTP/UEM) Minicurso INTRODUÇÃO

Maria de Jesus Cano Miranda (DTP/UEM) Minicurso INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL INCLUSIVA: COMPARANDO PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS E FAMILIARES SOBRE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO NO CONTEXTO BRASILEIRO E ESPANHOL Maria de Jesus Cano Miranda (DTP/UEM) Minicurso INTRODUÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS VIRTUAL CATIACILENE LOPES MENDES

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS VIRTUAL CATIACILENE LOPES MENDES UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS VIRTUAL CATIACILENE LOPES MENDES PRÁTICAS DE LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL NO ENSINO MÉDIO JOÃO PESSOA

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO.

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE UM CURSO DE ESPANHOL EAD PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES

O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE UM CURSO DE ESPANHOL EAD PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE UM CURSO DE ESPANHOL EAD PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES OLIVEIRA, Janio Davila de; 1 FONTANA, Marcus. 2 RESUMO: O presente artigo se propõe a

Leia mais

DO PRESENCIAL PARA O DIGITAL: UMA MUDANÇA SIGNIFICATIVA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES (CURSO DE LETRAS)

DO PRESENCIAL PARA O DIGITAL: UMA MUDANÇA SIGNIFICATIVA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES (CURSO DE LETRAS) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Programa de Pós-graduação Educação: Currículo Revista E-Curriculum ISSN: 1809-3876 DO PRESENCIAL PARA O DIGITAL: UMA MUDANÇA SIGNIFICATIVA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais