A QUESTÃO CULTURAL NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS MODERNAS Henrique Evaldo Janzen Universidade Federal do Paraná

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A QUESTÃO CULTURAL NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS MODERNAS Henrique Evaldo Janzen Universidade Federal do Paraná"

Transcrição

1 A QUESTÃO CULTURAL NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS MODERNAS Henrique Evaldo Janzen Universidade Federal do Paraná I - INTRODUÇÃO O presente texto apresenta, de forma sucinta, duas visões diferentes de cultura e as associa, a partir da análise de livros didáticos de língua alemã (LEM), a concepções de ensino. Não é objetivo desse trabalho aprofundar a discussão que envolve os diferentes conceitos de cultura, mas objetiva-se, de uma maneira até um pouco esquemática, indicar que uma determinada visão de mundo funciona como substrato para escolhas temáticas, didático-metodológicas e discursivas inseridas nos livros didáticos. Em primeiro lugar, serão focalizados a visão tradicional de cultura e os desdobramentos desta concepção de cultura nos livros didáticos de alemão (como língua estrangeira) e, posteriormente, serão focalizados um outro vértice cultural e as ressonâncias didático-metodológicas desta mudança paradigmática nos livros didáticos de alemão. II - VISÃO TRADICIONAL DE CULTURA Welsch (2000), no texto Transkulturalität - Zwischen Globalisierung und Partikularisierung, faz uma breve incursão pela história cultural, apresentando o conceito de cultura desenvolvido por Herder na obra Ideen zur Philosophie der Geschichte der Menschheit. Segundo Welsch, o sentido cultural em Herder (visão tradicional) está estruturado em três eixos: homogeneização social (soziale Homogenisierung), fundamentação étnica (ethnische Fundierung) e delimitação intercultural (interkulturelle Abgrenzung). Welsch mostra que, para Herder, o conceito de cultura deve ser associado ao povo, delimitando-o em face do mundo exterior. A concepção tradicional de cultura, caracterizada pela homogeneização interna e delimitação (Abgrenzung) externa, é, segundo o autor, insustentável e perigosa sob a perspectiva normativa 1. Uma visão tradicional de cultura implica a busca do apagamento das diferenças sócio-culturais, de modo a propiciar uma homogeneização do grupo. A homogeneidade interna possibilita a delimitação externa, uma vez que o que é estranho é externo ao grupo. Um dos movimentos de unificação interna e delimitação externa é o de negação dos valores e crenças do outro, do estranho, reforçando uma perspectiva etnocêntrica (comum à visão tradicional de cultura). 1 Welsch destaca que, em uma visão moderna de cultura, a percepção tradicional se tornou insustentável, pois existem, nas sociedades modernas, múltiplos e diferenciados modos de viver, diferentes culturas, que são multiculturais em si.

2 Referindo-se à homogeneidade cultural, Waldenfels (1999), no mesmo sentido de Welsch, destaca que a idéia de os indivíduos percorrerem as mesmas fases de desenvolvimento cultural pertence a um esquema que procura reproduzir ou eliminar o estranho/estrangeiro. A perspectiva do movimento homogêneo, da generalização, é gerada muitas vezes pelas estruturas que detêm o poder e estimulam a percepção do enfoque monocultural, como se os valores e atitudes fossem inerentes ao poder e apenas assimilados pelos outros. Essa escolha é representativa de uma valoração e implica na ausência de outras vozes sociais 2. A homogeneização a partir de um discurso-mestre elaborado com funções de caráter prescritivo tem a intenção de produzir uma solidez sociológica, evitando o estranhamento, que é constitutivo da alteridade. A percepção monológica da cultura tende a produzir um discurso unitário. Esta concepção cultural pode facilitar uma percepção estereotipada do outro. Neste sentido, a percepção da tradição enclausurada em categorias fixas e monolíticas pode representar interesses ideológicos, emblemáticos de uma postura monocultural. 3 Bhabha (1998), em seu livro O Local da Cultura, indica que a tradição representada na visão homogênea de cultura outorga uma forma parcial de identificação, apontando para o caráter monolítico destas categorias. A atitude etnocêntrica pode explicar a forte tendência ao pensamento unitário (Lewinson,1964). Neste contexto, é emblemático que os que têm tal atitude não enxerguem os indivíduos, porém apenas grupos. A diluição do outro/do sujeito, ao ser percebido apenas como grupo, indica a representação generalizante/homogeneizante do outro, que caracteriza a visão tradicional de cultura. Na orientação de sentido em que a postura etnocêntrica está presente, percebe-se com freqüência um entendimento maniqueísta da relação com o outro/estranho, que aponta para delimitações claras dos pares bem/mal, certo/errado e uma disposição para pensar a relação a partir de categorias e esquemas rígidos. 2 O processo da perda de identidade (ou esta percepção), o medo do estranho/estrangeiro/desconhecido, a desestabilização e a estranheza do não-igual podem gerar um movimento de negação do outro e conduzir a uma perspectiva etnocêntrica, auxiliando na assimilação do discurso unitário. 3 Chauí, no texto Cultura e Democracia - discurso competente e outras falas, indica a construção de um discurso unitário elaborado pela elite brasileira, assinalando a postura segregacionista desta que, no entanto, dissimula esta divisão absorvendo a cultura popular a partir de um discurso unitário (construído pela elite) de universalidade abstrata, "de um padrão cultural único como o melhor para todos os membros da sociedade" (Chauí, 1982, p. 40). Esta postura (da elite brasileira) apontada por Chauí pode ser relacionada com o que Welsch denomina, ao focalizar os elementos constitutivos de visão tradicional de cultura, como homogeneização social: a visão de si e do outro é homogeneizada. Essa representação unitária da identidade nacional na construção da memória histórica faz com que muitos percebam estranheza em seu país, pois não se sentem representados pela homogeneização discursiva.

3 Em seus textos, Lewinson e Adorno associam o etnocentrismo ao estereótipo e entendem este como uma forma delimitadora de pensamento (ADORNO, 1992, p.55), Estereotipização é uma forma de limitação principalmente em questões sociais e psicológicas, uma forma de pensar a partir de esquemas pré-concebidos, normalmente fechados. Hansen (2000) assinala que a visão estereotipada permite uma aproximação para a comunicação, a partir de conhecimentos coletivos relacionados a um outro grupo ou nação. Quando não se conhece os indivíduos, recorre-se, em caso de dificuldades, a estereótipos, portanto, a avaliações coletivas. Pode-se partir deste conhecimento limitado anterior (avaliações coletivas) para posteriormente seguir substituindo-o (após conhecimento individualizado) por julgamentos individuais (quando se aprofunda o conhecimento do outro/outra cultura). Um encontro cultural fundamentado na visão tradicional de cultura torna inviável o diálogo, pela negação do outro. 4 Discutindo esta postura etnocêntrica, Hinderer (1993), no texto Das Phantom des Herrn Kannitverstan - Methodische Überlegungen zu einer interkulturellen Literaturwissenschaft als Fremdheitswissenschaft, ao analisar a recepção cultural de textos literários, questiona a possibilidade de efetivação do diálogo cultural, focalizando a relação do leitor com o estranho/estrangeiro (e o movimento homogeneizador). O autor assinala o perigo de uma visão generalizante como referência axiológica de análise do texto literário e o perigo da simples transposição das vivências e experiências da própria cultura para a outra cultura como se esta também se orientasse pelos mesmos valores. O autor indica neste procedimento o perigo de perceber o outro apenas como variante da própria cultura. Parece-me sintomático que, nesta visão de cultura, a história também seja percebida de um modo compacto, que passa de uma geração a outra de forma acabada. Esta visão de história presente nos textos e nas personagens dos livros didáticos publicados no final dos anos 60/70 5. As personagens, nos livros didáticos elaborados sob esta orientação ideológica e didático-metodológica, eram apresentadas (nos textos, mini-diálogos etc) sem um percurso histórico particular. O cotidiano era apresentado de uma forma idílica, idealizada e artificial 6. Não encontramos nos livros didáticos um problema relevante; todos permanecem conscientes e felizes com o papel que desempenham na família. Estava em questão apenas a vida privada. Tudo orbitava em torno da família, do círculo de amigos/parentes, conhecidos, colegas de trabalho etc. Esta vida privada (cotidiana) estava desconectada da situação econômica, social e política do país. 4 Ainda que a negação não seja explícita, a tentativa de apontar as próprias categorias culturais e valores como parâmetros para a outra cultura implica certo grau de negação das categorias e valores desta outra cultura. 5 Em algumas escolas esta abordagem esteve presente até o início da década de As férias eram tiradas em família, havia uma constante troca de presentes e o espírito de amizade e confraternização prevalecia.

4 Assim, por um lado, a vida privada era apresentada de uma forma descontextualizada da realidade social e, por outro lado, apagava-se também a história recente do país. Nesta imagem da Alemanha que os livros didáticos projetam, a busca pela homogeneização (relacionada anteriormente à visão tradicional de cultura),é representada de diversas maneiras. Citamos duas: A primeira maneira é através dos movimentos e papéis previsíveis das personagens. Se existe uma situação conflituosa no trabalho, escola ou casa, essa jamais perdura, pois a questão é sempre resolvida para que a harmonia possa ser restabelecida. A fim de ilustrar este movimento busco um exemplo na página 63 do VORWÄRTS K2 No Escritório : Lisa: Eu quero ir nadar. Erika: E eu quero ir para a Itália. Diretor: Boa tarde. Minhas senhoras! As senhoras querem ir nadar, não é verdade? Mas, trabalho é trabalho. Às quatro eu tenho que ter as outras cartas. Não esqueçam disso. Então, por favor! Ao trabalho! Erika: Claro, senhor diretor. É fundamental que a ordem, a harmonia e, principalmente, a estrutura hierárquica sejam preservadas O movimento do restabelecimento da harmonia e da ordem é recorrente nas mais diversas situações elaboradas nos livros didáticos sob esta orientação didático-metodológica, indicando o caráter prescritivo e generalista desta concepção de ensino de língua estrangeira. Verifica-se uma segunda maneira de busca de homogeneização na forma como muitas personagens são introduzidas nos livros didáticos deste período. Estas são tipificadas, construídas a partir de características gerais comuns e, portanto sem marcas individuais que possam diferenciá-las de outras que desempenham o mesmo papel. Nesse sentido, encontramos apenas o doutor (e não o doutor Meyer, por exemplo; com nome e individualidade), o professor, o pai, o estudante etc, que cumprem apenas o papel o mais tradicional possível que lhes é reservado pela sociedade. Claro que o doutor, por exemplo, é apresentado como alguém extremamente gentil (amigo da família) e cumpridor incansável de suas obrigações, estando estreitamente circunscrito ao papel a desempenhar. Esta diluição da individualidade, como apontado na apresentação da visão tradicional da cultura, está presente nesta concepção de livros didáticos. É o apagamento da individualidade através da apresentação de um perfil genérico próximo da estereotipização. Este processo com tendências ao estereótipo da cultura alemã também é percebido em outros exemplos do livro didático Vorwärts. De forma ilustrativa, podemos citar a ordem/disciplina e a pontualidade 7, que são apresentadas como constitutivas da cultura alemã. Abaixo apresento um exemplo que destaca a pontualidade como elemento constitutivo da cultura alemã. Chefe: Tem uma senhorita Schaudi aqui. Ela gostaria de trabalhar conosco como secretária. Ela diz que trabalhou 18 meses com vocês. Senhor Schultz: Sim, está correto. Chefe: Como era o seu trabalho? Senhor Schultz: Posso dizer que estava muito satisfeito com ela. Seu trabalho sempre foi bom. Ela era muito aplicada. 7 O alemão típico e idealizado destes livros didáticos é também aplicado e trabalhador.

5 Chefe: Ela era pontual? Senhor Schultz: Sim! Ela sempre foi pontual. Posso recomendá-la. Chefe: Muito obrigado pela informação, senhor Schultz. 8 Nesta visão homogeneizante das dramatis personae, a visão patriarcal, com óbvio caráter hierárquico, está subjacente a todas as relações que envolvem as personagens. Esta autoridade é inquestionável; a mãe é apresentada no papel de dona de casa e o pai como provedor do lar e responsável também pelas decisões da casa. No diálogo entre pai e filho do texto Na Farmácia, esta relação centrada no pai fica clara. Klaus: Pai, por favor, posso ir ao cinema? Pai: Ao cinema? O que está passando? Klaus: O assassino Pai: É um policial, certo? Klaus: Sim, pai. Pai: Pai. Não, Klaus! Hoje você não pode ir ao cinema. Klaus: Oh. Por favor, pai! Pai: Não, você não pode ir ao cinema. O assassino, isto é bobagem! Klaus: O que eu posso fazer então? Pai: Você pode jogar futebol. Ou passear. Mas para o cinema você não pode ir! A ordem, a disciplina, a organização e a hierarquia orientam as ações e o comportamento das personagens inseridas na visão de mundo dos livros didáticos fundamentados em uma visão tradicional de cultura. III - OUTRO VÉRTICE CULTURAL Alguns (poucos) livros didáticos produzidos no final dos anos 70 e início dos anos 80 procuram apresentar uma visão mais plural da cultura alemã, contrapondose à voz discursiva unitária dos livros didáticos de orientação cultural tradicional. Esta reorientação conceitual no ensino de alemão como língua estrangeira pode ser relacionada a um outro vértice cultural. As obras de autores como Homi Bhabha e Raymond Williams, que discutem a relação entre cultura e modernidade, são substratos para uma concepção cultural que consideramos produtiva para encaminhamento de práticas interculturais. Raymond Williams (1969), autor inglês, reflete no livro Cultura e Sociedade sobre a questão da cultura na modernidade. Vincula a sua concepção de cultura a mudanças e a ações do homem. Bhabha (1998) aponta para uma concepção cultural identificada com a dinâmica da vida moderna, assinalando a mobilidade das identidades coletivas, além de ressaltar a importância da presença de várias vozes sociais e das histórias heterogêneas de povos em disputa. Se na visão tradicional de cultura procura-se criar fronteiras delimitadoras com o estranho/estrangeiro, a perspectiva multicultural e pluridiscursiva concebe o estranhamento e o distanciamento cultural como inerente ao movimento intercultural. A concepção de identidade coletiva proposta por Bhabha parte de um conceito cultural marcado pela mobilidade, diferenciando-se da perspectiva na qual as gerações recebem a cultura demarcada de uma maneira acabada. A visão de cultura não está, portanto, vinculada a um discurso unitário, que flui de forma 8 A tradução dos diálogos foi efetuada pelo autor do texto.

6 homogênea (história sem conflitos), porém é vista como ponto de encontro de opiniões contraditórias (as mais diversas vozes sociais). Para Reif Husler (1999), assim como para Bhabha, cada ato cultural significa traçar fronteiras. Estas, diferentemente de uma visão tradicional, se caracterizam por sua fluidez. Existe uma flexibilidade das fronteiras que permite o intercâmbio de elementos culturais. Muitos elementos culturais vão sendo re-elaborados a partir de novas construções de sentido, e as marcas culturais vão sendo constantemente relativizadas, reconfigurando identidades culturais. Existe um dinamismo da identidade cultural. Neste mesmo sentido, Rieger et al (1999) argumentam que o sujeito precisa do outro para se identificar em sua própria cultura, auxiliando no distanciamento desta. Esta necessidade implica sempre, segundo os autores, um momento de desestabilização da própria cultura e, consequentemente, de mobilidade cultural. O teórico russo Mikhail Bakhtin (1997), em seu texto Os Estudos literários hoje, aborda a relevância do estudo da vida literária vinculada ao estudo da cultura e, no processo de compreensão, sublinha a importância da exotopia temporal, espacial e cultural. Na cultura, a exotopia é o instrumento mais poderoso da compreensão, a cultura alheia só se revela em sua completitude e em sua profundidade aos olhos de outra cultura (e não se entrega em toda sua plenitude, pois virão outras culturas que verão e compreenderão ainda mais). Um sentido revela-se em sua profundidade ao encontrar e tocar outro sentido, um sentido alheio; estabelece-se entre eles como que um diálogo que supera o caráter fechado e unívoco, inerente ao sentido e à cultura considerada isoladamente (1997: 368). Muitos elementos culturais vão sendo re-elaborados a partir de novas construções de sentido. As marcas culturais vão sendo constantemente relativizadas a partir do olhar e a interpretação do outro/da outra cultura. Nesta exotopia de sentido, a compreensão do outro/da outra cultura a partir de um olhar de fora cria um universo híbrido, pois a exotopia só se concretiza a partir de um movimento de empatia, ou seja, o individuo compreende a outra cultura sem mimetizá-la e sem apenas duplicar-se nela, enxergando-a de uma maneira diferente da qual os indivíduos da própria cultura a enxergam. Neste processo hermenêutico, é possível que o leitor/estudante produza, por exemplo, leituras híbridas de diversas situações sócio-verbais concretas, considerando-se a relação que o estudante/leitor constrói, a partir de sua realidade concreta, com as vozes discursivas na construção de seu universo axiológico, na formação de sua consciência - a voz da família, da igreja dos amigos, da mídia etc. Estas relações podem sofrer alterações a partir de outras perspectivas de interpretação. Neste sentido, Seddiki, germanista argelino, apresenta no texto Abmilderung bestehender Hindernisse beim Lesen fremdkultreller Texte, um exemplo que ilustra

7 este posicionamento. Segundo Seddiki, se um alemão 9 disser a alguém que vai ligar amanhã, ele provavelmente o fará. Por outro lado, se um mexicano (entendo que mais próximo da realidade brasileira) também se utilizar do mesmo enunciado, ele provavelmente não ligará nos próximos dias ou semanas e pode até mesmo jamais ligar 10. Retomando o exemplo citado por Seddiki (op. cit.) e recontextualizando-o, o falante alemão pode conceber a mesma sentença ( te ligo amanhã ) com outra expressividade 11. Ele poderá produzir o enunciado de modo ambíguo. Se este cidadão alemão já teve um contato com a cultura brasileira e reconhece algumas marcas desta, porém ainda com um certo grau de estranheza e distanciamento e não com a segurança que lhe permite o aprofundamento de sentido, ele poderá repetir a sentença do exemplo, recorrendo a um duplo universo de compreensão. Como alemão, poderá considerar ser imprescindível ligar efetivamente no outro dia, mas ao mesmo tempo desconfiará, com a experiência do universo cultural brasileiro, que talvez não seja tão necessário efetuar a ligação. A experiência da percepção calcada numa ambigüidade interpretativa é recorrente no ensino de língua e literatura estrangeiras. Os elementos constitutivos de uma nova visão cultural (e intercultural) só começam a aparecer nos livros didáticos de ensino de alemão como língua estrangeira, segundo Ammer (1987, p. 68), em De acordo com o autor (p.17 e p.30), a partir de uma mudança de paradigma, as aulas de língua estrangeira deveriam problematizar os mais diversos temas e situações da Alemanha. Nesta nova visão de ensino, as mais diversas vozes discursivas deveriam estar representadas (pluridiscursividade): o mundo idílico e idealizado e o discurso unitário deveriam dar espaço a uma percepção mais plural da sociedade alemã. E o estudante de alemão poderia dialogar com a cultura-alvo. Comunicação e emancipação são as palavras-chave desta nova concepção de ensino. No caso especifico do ensino de alemão como língua estrangeira, o objetivo era atingir a competência sociolingüística a partir do desenvolvimento da competência comunicativa. (id., ibid., p.65). Como visto anteriormente, a Alemanha era apresentada com um perfil predominantemente positivo, destacando a imagem da harmonia, estabilidade e ordem, vinculando estes elementos a uma imagem de bem estar social e constante progresso. A apresentação de aspectos da vida alemã presentes nesta concepção de livros didáticos dá-se pela combinação de textos normativos documentários, que refletem uma visão problematizadora e crítico-emancipatória; diversas situações da realidade alemã são apresentadas e problematizadas. Embora os aspectos 9 Ao nos referirmos, de uma maneira simplificada, a um cidadão alemão/brasileiro, fazemo-lo a partir de uma percepção multicultural (intra-intercultural). A simplificação, aqui, tem fins didáticos. 10 Entendo que a compreensão brasileira está muito mais próxima da realidade mexicana. 11 Seddiki aponta que um cidadão alemão pode proferir em espanhol Te hablo manana, mas a valoração do conteúdo se dará em alemão.

8 positivos também estejam contemplados, avulta a preferência para o questionamento das mais diversas esferas da vida cotidiana do adolescente alemão. Um dos temas mais recorrentes na proposta didático-metodológica anterior era a vida familiar harmoniosa, na qual a figura paterna controlava e tinha um papel superior na hierarquia familiar; a mãe desempenhava o papel de dona de casa, e aos filhos restava obedecer sem questionar a hierarquia. A esta visão idealizada e rígida da vida familiar contrapõe-se a visão de família da perspectiva da abordagem comunicativa, que pode ser ilustrada em DEUTSCH KONKRET 2, lição 5, com o texto Férias com os pais : Beatrix: Quem é este aqui? Hanne: Este é Robert. Um alemão. Beatrix: Onde você o encontrou? Hanne: No camping. Aqui tem uma fotografia. Beatrix: Você o tem visto com freqüência? Hanne: Ah sim. Ele é bem legal. Agora, os meus pais... Beatrix: Teus pais? Hanne: Eles ficaram profundamente aflitos. Beatrix: Como assim? Hanne: Robert e eu nos encontramos com freqüência. Na realidade, estávamos sempre juntos. Eles me disseram que eu era muito jovem para o Robert; e, além do mais, eu tinha vindo com eles para as férias e não com o Robert! Beatrix: Isto não é legal! Da próxima vez, é melhor você viajar com a nossa galera. Na lição número 2 do livro DEUTSCH KONKRET 2, pode ser percebida a mudança mais acentuada de concepção da imagem da Alemanha nos livros didáticos, pois neste texto não apenas é problematizada uma situação mas também sugerida uma atitude emancipatória contra o Estado. Na lição mencionada, os jovens reivindicam a manutenção de um centro para a juventude em detrimento do projeto da prefeitura. Eles elaboram um panfleto convocando a juventude local para uma manifestação e participar de um abaixo-assinado contra a destruição do centro da juventude para dar lugar a um estacionamento a ser construído pela prefeitura, com o apoio dos comerciantes locais. O panfleto: Nossa cidade precisa de um centro da juventude! Muitos jovens se perguntam: O que podemos fazer no fim de semana? O que podemos fazer às tardes? Nós precisamos de um centro da juventude! A cidade não conseguiu! Mas nós conseguiremos. Por isto iniciamos Um abaixo-assinado! Nós precisamos da tua ajuda!!! Nós precisamos da tua assinatura!!!!! Quando? Na quinta-feira, 1 de julho, às 16 horas. Onde? Na praça da prefeitura. Venham todos! Todos assinem a lista! Ajudem! Acabem com a monotonia manifestem-se a favor do Centro da Juventude!!!!!! Se anteriormente a imagem da Alemanha mostrava o Estado como órgão supremo e regulador, artífice da segurança e mantenedor da ordem, proporcionador da harmonia e da estabilidade da sociedade, no texto acima isto não é apenas criticado mas também confrontado por um segmento da sociedade que propõe uma ação emancipatória. A imagem da Alemanha é também representada pela imagem das personagens inseridas nos mais diversos textos. A construção das dramatis personae reflete a mudança de uma abordagem inspirada nos pressupostos estruturalistas/behavioristas (audiovisual) para outra, baseada nos pressupostos comunicativos.

9 I V - CONCLUSÃO Não era objetivo do presente trabalho aprofundar a análise dos pressupostos didático-metodológicos das diversas concepções de ensino, mas associar abordagens de ensino de alemão como língua estrangeira a concepções de cultura, tentando nesse processo, indicar que existem visões de mundo diversas que fundamentam seleções de textos e escolhas didático-metodológicas. Se, por um lado, apontei para uma mudança de paradigma (ocorrida no final dos anos 70) em alguns livros didáticos, em especial o DEUTSCH KONKRET e o DEUTSCH AKTIV, por outro lado, isto não invalida a crítica que esbocei anteriormente a diversas obras comunicativas ao indicar que o estudante, frente a textos autênticos e situações comunicativas, não precisa mais se digladiar com abstrações lingüísticas via estruturas descontextualizadas, mas, muitas vezes, ele se defronta com abstrações culturais. Se focalizarmos os livros didáticos lançados atualmente, o que chama atenção é a retomada de uma política cultural, segundo Zimmermann (1989, p. 25), neoconservadora e que, ainda segundo o autor, faz a defesa das ciências do espírito (no caso específico, a literatura) como uma forma de compensação à industrialização violenta do mundo globalizado. Nesse sentido, parece-nos interessante destacar o discurso do filósofo Odo Marquard, citado por Zimmermann no encontro de reitores em Bamberg no ano de As ciências do espírito ajudam as tradições, para que as pessoas possam suportar a modernização [...] como compensação aos prejuízos da modernização. Para este fim, não se contam apenas histórias que falam de proteção, mas também histórias de orientação e sensibilização. No mundo dos avanços tecnológicos, da coisificação, deve ser preservada a pluralidade cultural em associação com a tradição, a fim de proteger o homem do crescente processo de estranhamento. Em outras palavras: pelo menos sob diversos aspectos, é uma retomada da visão idealizada com a qual a Alemanha era representada na visão tradicional de cultura. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADORNO, Theodor W. Studien zum autoritären Charakter. Frankfurt, Suhrkamp, BAKHTIN, M.M. Estética da criação verbal. São Paulo, Martins Fontes, BHABHA, Homi K. O Local da Cultura. Belo Horizonte, Ed. UMG, CHAUÍ, Marilena. Cultura e Democracia: O discurso competente e outras falas. São Paulo, Moderna,1982. REIF-HÜSLER, Monika. Die Macht des Fremden : Überlegungen zu einer Kulturgeschichte der Barbaren. In: Interkulturalität : zwischen Inszenierung und Archiv/ Stefan Rieger...(Hrsg.) Tübingen : Narr, 1999.

10 RIEGER, Stefan; SCHAMMA Schahadat; WEINBERG, Manfred. Vorwort. In: Interkulturität: zwischen Inszenierung und Archiv / Stefan Rieger...(Hrsg.) - Tübingen : Narr, SEDDIKI, A. Abmilderung bestehender Hindernisse beim Lesen fremdkultureller Texte. [s.n.t.] WALDENFELS, Bernhard. Topographie des Fremden. Studien zur Phänomenologie des Femden 1. Frankfurt am Main, Suhrkamp,1999. WELSCH, Wolfgang. Transkulturalität. Zwischen Globalisierung und Partikulisierung. In: Jahrbuch Deutsch als Fremdsprache. München, iudicium, ZIMMERMANN, Peter. (Hg.) Interkulturelle Germanistik. Dialog der Kulturen auf Deutsch? Frankfurt am Main, Peter Lang, 1989.

A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless.

A aproximação intercultural entre os romances de formação Doidinho e Die Verwirrung des Zöglings Törless. Cristiane Maria Bindewald Universidade Federal do Paraná A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless. Este trabalho é resultado do nosso

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO

ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO ÍNDICES SOCIAIS DE VALOR: MASS MEDIA, LINGUAGEM E ENVELHECIMENTO Denise Regina Stacheski - UTP denise.stacheski@utp.br Giselle Aparecida Athayde Massi - UTP giselle.massi@utp.br Introdução: O resumo estendido

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL.

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. RICOMINI, Ingrid da Silva; GIROTTO, Cyntía Graziella Guizelim Simões.

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica DIALÉTICA NEGATIVA Theodor W. Adorno DIALÉTICA NEGATIVA Tradução MARCO ANTONIO CASANOVA Professor do Depto. de Filosofia, Uerj Revisão técnica EDUARDO SOARES NEVES SILVA Professor adjunto do Depto. de

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LINGUAGEM E TRABALHO: UM OLHAR PERSPECTIVO SOBRE A SELEÇÃO DE PROFESSORES Fabio Sampaio de Almeida (UERJ) Maria Cristina Giorgi (Cefet-RJ) cristinagiorgi@terra.com.br INTRODUÇÃO Neste trabalho, temos como

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

APRESENTAÇÃO LÍNGUAS E DISCURSO: A TEORIA NAS PRÁTICAS

APRESENTAÇÃO LÍNGUAS E DISCURSO: A TEORIA NAS PRÁTICAS APRESENTAÇÃO LÍNGUAS E DISCURSO: A TEORIA NAS PRÁTICAS A relação com as línguas é sempre um fenômeno complexo para toda pessoa, em termos lingüístico-discursivos, identitários e sociais. Este volume é

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA BILINGUE E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS NUMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL.

A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA BILINGUE E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS NUMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL. A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA BILINGUE E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS NUMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL. FIGUEIREDO, Flaviana Pereira RESUMO: A pesquisa foi realizada na escola Cacique João Batista

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

O USO DA MÚSICA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alessandra Ferreira Rosin, Bruno César Barbosa Tinoco Licenciandos de Letras Português-Alemão - UFRJ

O USO DA MÚSICA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alessandra Ferreira Rosin, Bruno César Barbosa Tinoco Licenciandos de Letras Português-Alemão - UFRJ O USO DA MÚSICA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alessandra Ferreira Rosin, Bruno César Barbosa Tinoco Licenciandos de Letras Português-Alemão - UFRJ Introdução Com o grande avanço no ensino de língua nos

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

O TESTE PILOTO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA E DIALÓGICA NA PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO

O TESTE PILOTO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA E DIALÓGICA NA PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO O TESTE PILOTO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA E DIALÓGICA NA PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO Cristiane Lisandra Danna (FURB) crisdanna@gmail.com RESUMO O teste piloto é um momento em que o pesquisador

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

INTERCULTURALIDADE NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA, UM OLHAR ATRAVÉS DO LIVRO DIDÁTICO.

INTERCULTURALIDADE NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA, UM OLHAR ATRAVÉS DO LIVRO DIDÁTICO. INTERCULTURALIDADE NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA, UM OLHAR ATRAVÉS DO LIVRO DIDÁTICO. Resumo BRUZ, Iara Maria - UFPR iarabruz@gmail.com Eixo Temático: Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Resenha do livro Comportamentos em Lugares Públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010).

Resenha do livro Comportamentos em Lugares Públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010). PITANGA, Carolina Vasconcelos. Resenha do livro Comportamentos em lugares públicos Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, de Erving Goffman (Petrópolis: Vozes, 2010). RBSE Revista Brasileira

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

A MODELAÇÃO DO CURRÍCULO DE HISTÓRIA PARA O ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A MODELAÇÃO DO CURRÍCULO DE HISTÓRIA PARA O ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A MODELAÇÃO DO CURRÍCULO DE HISTÓRIA PARA O ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS FURTADO, Claudia Mendes de Abreu Graduada em História pela UFPE, Especialista em Educação de Jovens e Adultos pela

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES Eliana Rela 1 Karla Marques da Rocha 2 Marceli Behm Goulart 3 Marie Jane Soares Carvalho 4 RESUMO: É inadiável tentar

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Tatiane Henrique Sousa Machado 1 RESUMO: O presente estudo de dedica-se

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

MARIA CRISTINA GIORGI (CEFET-RJ)

MARIA CRISTINA GIORGI (CEFET-RJ) LEITURA E TRABALHO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE A ESCOLHA DOS TEXTOS E A LEITURA NO ENSINO MÉDIO MARIA CRISTINA GIORGI (CEFET-RJ) O professor de E/LE no ensino médio Considerando artigos sobre leitura e

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS 1. As humanidades e suas repercussões sobre o pluralismo cultural 2. Humanidades e ciências: o debate transcultural em contextos plurais 3. Pedagogias

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Proposta N o 83 Dezembro/Fevereiro de 1999/00

Proposta N o 83 Dezembro/Fevereiro de 1999/00 Avaliação: face escolar da exclusão social? Maria Teresa Esteban* * Doutora em Educação. Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense e Pesquisadora do grupo Alfabetização dos

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO EM LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NO ESTADO DO MARANHÃO Mauro Guterres Barbosa Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

MESA REDONDA 1: PRÁTICAS SOCIODISCURSIVAS NO CIBERESPAÇO PROCESSAMENTO TEXTUAL: VELHAS PRÁTICAS, NOVOS RUMOS

MESA REDONDA 1: PRÁTICAS SOCIODISCURSIVAS NO CIBERESPAÇO PROCESSAMENTO TEXTUAL: VELHAS PRÁTICAS, NOVOS RUMOS RESUMOS DAS MESAS REDONDAS MESA REDONDA 1: PRÁTICAS SOCIODISCURSIVAS NO CIBERESPAÇO Coordenadora: Profa. Dra. Maisa Navarro PROCESSAMENTO TEXTUAL: VELHAS PRÁTICAS, NOVOS RUMOS Profa. Dra. Maria Eulália

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1 REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1 Jefferson Alves Batista 2 Resumo: Este artigo busca analisar a partir da obra do Antropólogo Luiz Gonzaga de Mello o conceito antropológico de Cultura.

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

O passado com o auxiliar sein: quais recursos podemos utilizar para sistematizar o seu uso e de que recursos podemos dispor na situação de ensino.

O passado com o auxiliar sein: quais recursos podemos utilizar para sistematizar o seu uso e de que recursos podemos dispor na situação de ensino. O passado com o auxiliar sein: quais recursos podemos utilizar para sistematizar o seu uso e de que recursos podemos dispor na situação de ensino. Edson Domingos Fagundes O elemento motivador deste trabalho

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA Lia Gonçalves Gurgel Projeto de pesquisa AQUISIÇÃO DA LÍNGUA DE SINAIS A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA BILÍNGÜE

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro Cláudia Mendes de Abreu Furtado e Rodrigo Cunha Santos, Serviço Social do Comércio SESC PE, Professora

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Propaganda institucional e formação cidadã no Colégio Pedro II: diálogo relevante nas aulas de E/LE

Propaganda institucional e formação cidadã no Colégio Pedro II: diálogo relevante nas aulas de E/LE Propaganda institucional e formação cidadã no Colégio Pedro II: diálogo relevante nas aulas de E/LE Viviane C. A. Lima (CPII/ UGF/ PG-UFRJ) 1. Considerações preliminares Há algumas décadas, o ensino da

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A ARTE DOS ENCONTROS: OS PROFESSORES E O CINEMA 1

A ARTE DOS ENCONTROS: OS PROFESSORES E O CINEMA 1 A ARTE DOS ENCONTROS: OS PROFESSORES E O CINEMA 1 RECH, Indiara 2 ; OLIVEIRA, VALESKA FORTES DE 3 ; BREOLIN, Caroline Ferreira 4 ; ZINI, Hallana Cristina Peransoni 5 ; FORTES, Nátali Dezordi 6 1 Trabalho

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

Pedagogia de Projetos

Pedagogia de Projetos Pedagogia de Projetos 1 Este texto foi adaptado pela Profª. Fábia Magali a partir das referências citadas na bibliografia e trabalhado no Encontro de Professores da Rede Municipal de Montes Claros em julho/98.

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Teste de Competência em Leitura em Língua Estrangeira ALEMÃO (Aplicação: 27/05/2012) LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique nos

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

A Pesquisa Crítica de Colaboração- aspectos teóricos-metodológicos da pesquisa

A Pesquisa Crítica de Colaboração- aspectos teóricos-metodológicos da pesquisa O BRINCAR NO PROCESSO DE REFLEXÃO CRÍTICA ENTRE PESQUISADORAS E COORDENADORAS DE CRECHES Resumo ABREU, Maritza Dessupoio de 1 - UFJF GOMES, Lilian Marta Dalamura 2 - UFJF SCHAPPER, Ilka 3 - UFJF Grupo

Leia mais

Notas sobre Educação Intercultural e Cidadania

Notas sobre Educação Intercultural e Cidadania 1 Notas sobre Educação Intercultural e Cidadania 1- Definição de Cultura. Cultura é tudo o que nos seres humanos vai além dos aspectos biológicos. Modos de sentir, pensar e agir. Crenças, valores (estéticos,

Leia mais

Sumário. Introdução 9

Sumário. Introdução 9 Sumário Introdução 9 1. A desigualdade racial brasileira 15 Os números da desigualdade 17 Existe racismo no Brasil? 21 A manifestação do preconceito no Brasil 23 A relação racial no espaço público e privado

Leia mais

ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria Elizete Guimarães Carvalho 1 Resumo Discute as experiências vivenciadas no Projeto de Extensão Educando Jovens

Leia mais

A (in)sustentável possibilidade da tradução

A (in)sustentável possibilidade da tradução A (in)sustentável possibilidade da tradução Débora Racy Soares * Tradução Manifesta: Double Bind e Acontecimento (Campinas, SP: Editora da UNICAMP, São Paulo, SP: EDUSP, 2005) é o livro mais recente de

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O espaço escolar e as diferenças étnico culturais Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O presente resumo questiona o preconceito étnico racial numa escola estadual a partir do olhar de uma coordenadora

Leia mais