A ATIVIDADE CLANDESTINA DE TELECOMUNICAÇÃO E A INTERNET VIA RÁDIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ATIVIDADE CLANDESTINA DE TELECOMUNICAÇÃO E A INTERNET VIA RÁDIO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CCJ CURSO DIREITO ANDESON DE AGUIAR PAES BARRETO A ATIVIDADE CLANDESTINA DE TELECOMUNICAÇÃO E A INTERNET VIA RÁDIO CAMPINA GRANDE PB 2013

2 ANDESON DE AGUIAR PAES BARRETO A ATIVIDADE CLANDESTINA DE TELECOMUNICAÇÃO E A INTERNET VIA RÁDIO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Bacharelado em Direito da Universidade Estadual da Paraíba, em cumprimento à exigência para obtenção do grau de Bacharel em Direito. Orientador: Profº. Especialista Plínio Nunes Souza CAMPINA GRANDE PB

3 FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA CENTRAL UEPB B273a Barreto, Andeson de Aguiar Paes A atividade clandestina de telecomunicações e a internet via rádio [manuscrito] / Andeson de Aguiar Paes Barreto f. Digitado. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito) Universidade Estadual da Paraíba, Centro de Ciências Jurídicas, Orientação: Prof. Esp. Plínio Nunes Souza, Departamento de Direito Privado. 1. Internet. 2. Telecomunicações. 3. Ilegalidade. I. Título. 21. ed. CDD

4 ANDESON DE AGUIAR PAES BARRETO A ATIVIDADE CLANDESTINA DE TELECOMUNICAÇÃO E A "INTERNET VIA RÁDIO" Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Bacharelado em Direito da Universidade Estadual da Paraíba, em cumprimento a exigência para obtenção do grau de Bacharel em Direito. Aprovada em 16/08/2013 Prof. Esp.Plí o Nufies s a/ UEPB Orientadora Q ' - Ca ProfaMse. Maria cezilene Araúj de Morais / EPB Examinador 10(i Vra l 05311/1 Prof Msc. Herry 1arriery da Costa tos / FACISA Examinador

5 A ATIVIDADE CLANDESTINA DE TELECOMUNICAÇÃO E A INTERNET VIA RÁDIO BARRETO, Andeson de Aguiar Paes 1 RESUMO Esse trabalho tem por objeto a análise da conduta de fornecer sinal de internet através de ondas de rádio, verificando se esta se amolda ao delito de exercer atividade clandestina de telecomunicações. Com amparo doutrinário, jurisprudencial e, sobretudo, com breve análise técnica, é demonstrado que o entendimento sobre o tema ainda não é pacífico, mas que em princípio o exercício de prover a chamada internet via rádio de forma clandestina não deve ser considerada crime. PALAVRAS-CHAVE: Crime de telecomunicações, serviço clandestino de telecomunicações, internet wireless, internet via rádio, internet clandestina. 1 Aluno do curso de direito na Universidade Estadual da Paraíba. 3

6 1 INTRODUÇÃO O surgimento e acesso a novas tecnologias é crescente. Essa fenômeno tem levado a um crescimento do uso de equipamentos emissores de radiofrequência, basta observar no cotidiano o uso crescente de aparelhos celulares, roteadores, tablets, entre outros. Essa nova demanda é acompanhada da ampliação de novas formas de acesso à internet, levando ao surgimento de novas empresas fornecedoras de conexão à rede mundial de computadores. Atualmente, além do tradicional acesso à internet através da rede telefônica, há outros métodos de fornecimento com utilização de radiofrequência, como os serviços denominados de internet via rádio. O crescimento se desenvolve em alta velocidade e faz surgir diversas empresas clandestinas que passam a oferecer esse serviço, em especial em bairros onde os serviços oferecidos por grandes empresas não chegam. Segundo dados da Polícia Federal de Campina Grande, na circunscrição das cidades de atribuição dessa Delegacia, foram instaurados 47 2 inquéritos policiais entre 2009 e 2012 para apuração da conduta das empresas clandestinas que provêm acesso à internet, através de onda de rádio. O número de 47 inquéritos é significativo por se tratar de uma região pequena em quantidade de habitantes - principalmente se considerado o número de inquéritos em todo o Brasil! Isso faz com que um enorme aparato estatal, envolvendo uma já escassa Polícia Federal, tenha que se ocupar em investigar uma conduta que ora é considerada criminosa, ora não, levando ao arquivamento de diversos inquéritos e denúncia de outros. Acontece que a jurisprudência brasileira tem em sua maioria considerado que o fornecimento clandestino de internet via rádio é crime, porém há um significativo e crescente entendimento em sentido contrário, afirmando ser atípica a referida conduta. Sendo assim, diante das pertinentes divergências jurisprudenciais esse trabalho tem o intuito de fazer uma análise sobre a conduta de fornecer internet via rádio sem a devida autorização, verificando seu aspecto sob a ótica do direito penal brasileiro e em especial sob a ótica do art. 183 da Lei Geral das Telecomunicações (LGT). 2 Relatório no anexo A 4

7 Este trabalho buscou a resposta sobre se a atividade de fornecer sinal de internet por radiofrequência constitui um serviço de telecomunicações ou um serviço de valor adicionado, e também se esta atividade, quando realizada de forma clandestina, constitui crime. A metodologia utilizada foi de pesquisa doutrinária e jurisprudencial, analisando decisões que defendem e que combatem a criminalização da conduta, também foi feito um breve estudo técnico sobre grandezas físicas envolvidas no tema, para que fosse realizada uma abordagem técnica dando uma visão além da jurídica. 2 A ATIVIDADE CLANDESTINA DE TELECOMUNICAÇÃO A norma do art. 183 da lei 9.472/97 (Lei Geral das Telecomunicações) determina ser crime o exercício da atividade clandestina de telecomunicações. A mesma Lei logo adiante define o que é atividade clandestina como sendo a atividade desenvolvida sem a competente concessão, permissão ou autorização de serviço, de uso de radiofreqüência e de exploração de satélite. (art.184, parágrafo único). Logo, conclui-se pela interpretação sistemática das duas normas que é crime o exercício de qualquer atividade de telecomunicação que use radiofrequência ou exploração de satélites sem a devida permissão, autorização ou licença da autoridade competente, no caso a ANATEL. Sendo assim, as estações de rádio que atuem sem as suas outorgas autorizativas cometem o crime prevista no art. 183 da citada lei. Como ocorre, por exemplo, nas comumente chamadas de Rádios Piratas, que são estações de radiodifusão que operam sem a autorização competente. A jurisprudência majoritária tem afirmado que tais condutas configuram, em tese, o crime expresso no aludido artigo. O julgado, transcrito a seguir, exemplifica bem posição em que considera crime as rádios clandestinas: DIREITO PENAL. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO. RADIODIFUSÃO CLANDESTINA. ENQUADRAMENTO. ART. 183 DA LEI 9.472/97. CRIME DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO. INOCORRÊNCIA A instalação e funcionamento de emissora de rádio clandestina é crime tipificado no art. 183 da Lei nº 9.472/97, afastando a competência dos juizados especiais federais, vez que a pena máxima cominada ultrapassa o limite previsto para as infrações penais de menor potencial ofensivo O tipo do art. 70 da Lei nº 4.117/62 é reservado às hipóteses em que, devidamente autorizado, o agente desenvolve a atividade infringindo as normas e regulamentos próprios. Precedente do STJ Recurso provido. 5

8 ( RJ , Relator: Desembargadora Federal NIZETE ANTONIA LOBATO RODRIGUES, Data de Julgamento: 19/04/2012, SEGUNDA TURMA ESPECIALIZADA, Data de Publicação: E-DJF2R - Data::04/05/ Página::104) Como observado, é considerado crime a operação de estações de rádio clandestina. Quanto a isto não se parece ter muita discussão. No entanto, se pode considerar crime do mesmo modo a conduta de se prover internet através de ondas de rádio de forma clandestina, sem a outorga do órgão competente? Guarda semelhança uma estação de radiodifusão clandestina e uma de fornecimento de internet via ondas de rádio? Inicialmente é preciso ponderar a norma contida no art. 183 da lei 9.472/97: Art Desenvolver clandestinamente atividades de telecomunicação: Pena - detenção de dois a quatro anos, aumentada da metade se houver dano a terceiro, e multa de R$ ,00 (dez mil reais). A indigitada norma preceitua um crime em tese formal, no qual a simples conduta de exercer a atividade clandestina já consumaria o delito. No entanto, a norma do parágrafo único do art. 184 dessa lei define a atividade clandestina como aquela que é exercida sem a concessão, licença ou autorização do órgão competente. Não havendo, portanto, crime quando a outorga (concessão, licença ou autorização) não for legalmente exigida. Nesse contexto, merece destaque a norma do 2º, I, do art. 163, da Lei 9.472/97: Art.163 (...) 2 Independerão de outorga: I - o uso de radiofreqüência por meio de equipamentos de radiação restrita definidos pela Agência; De acordo com o supracitado, é dispensado a outorga autorizativa para utilização de equipamentos de radiação restrita, assim definidos pela ANATEL. Regulamentando os equipamentos de radiação restrita, a ANATEL expediu a Resolução ANATEL nº 506. Esta, em seu art. 1º do anexo, estabelece: 6

9 Art. 1º Este Regulamento tem por objetivo caracterizar os equipamentos de radiação restrita e estabelecer as condições de uso de radiofreqüência para que possam ser utilizados com dispensa da licença de funcionamento de estação e independentes de outorga de autorização de uso de radiofreqüência, conforme previsto no art. 163, 2º, inciso I da Lei nº 9.472, de 16 de julho de No referido artigo, verifica-se que o aludido regulamento da ANATEL define as condições em que não se necessita de nenhuma autorização, licença ou concessão da autoridade regulamentadora para que se utilize os equipamentos de radiação restrita. O conceito de equipamento de radiação restrita está previsto no art. 2º, inciso VII desse mesmo regulamento, que reza: VII Equipamento de Radiocomunicação de Radiação Restrita: termo genérico aplicado a equipamento, aparelho ou dispositivo, que utilize radiofreqüência para aplicações diversas em que a correspondente emissão produza campo eletromagnético com intensidade dentro dos limites estabelecidos neste Regulamento. Eventualmente, pode estar especificado neste Regulamento um valor de potência máxima de transmissão ou de densidade de potência máxima em lugar da intensidade de campo; Os equipamentos utilizados nos serviços de internet via rádio normalmente atendem aos especificados no citado regulamento, portanto são de radiação restrita. Seguindo a resolução, observa-se no art. 3 : Art. 3º As estações de radiocomunicação, que fizerem uso de equipamentos de radiação restrita caracterizados por este Regulamento, estão isentas de cadastramento ou licenciamento para instalação e funcionamento. Conforme pode ser observado, a norma frisa que os aparelhos que atendem o preceituado podem funcionar sem licenciamento. Porém o parágrafo único do art. 3º prevê exceções a esta regra: Parágrafo único. Quando a atividade de telecomunicações desenvolvida pela estação de radiocomunicação extrapolar os limites de uma mesma edificação ou propriedade móvel ou imóvel, e as estações de radiocomunicações fizerem uso de equipamentos definidos nas Seções IX e X deste Regulamento, aplicam-se as seguintes disposições: 7

10 I - quando o funcionamento dessas estações estiver associado à exploração do serviço de telecomunicações de interesse coletivo, será necessária a correspondente autorização do serviço, bem como o licenciamento das estações que se destinem à: a) interligação às redes das prestadoras de serviços de telecomunicações; ou b) interligação a outras estações da própria rede por meio de equipamentos que não sejam de radiação restrita; II - quando o funcionamento dessas estações servir de suporte à rede de telecomunicações destinada a uso próprio ou a grupos determinados de usuários, será dispensada a obtenção da autorização de serviço, devendo ainda, caso as estações estejam operando em conformidade com as alíneas a ou b do inciso I deste artigo, ser cadastradas no banco de dados da Agência; III - os incisos I e II não se aplicam quando as estações operarem nas condições previstas no 2 º do art. 39, deste Regulamento. Nesse caso, será necessária a autorização de serviço, assim como o licenciamento das estações. Pela exegese dos preceitos apresentados acima, se entende que quando a radiocomunicação não extrapola uma única edificação não é necessário qualquer permissão ou autorização de uso. No entanto, quando a radiofrequência ultrapassa uma propriedade e fizerem uso dos equipamentos previstos em seção específica (seções IX e X) poderão ter ou não a dispensa da outorga. A primeira situação está prevista no inciso I, que prega: (...)I - quando o funcionamento dessas estações estiver associado à exploração do serviço de telecomunicações de interesse coletivo, será necessária a correspondente autorização do serviço, bem como o licenciamento das estações que se destinem à: a) interligação às redes das prestadoras de serviços de telecomunicações; ou b) interligação a outras estações da própria rede por meio de equipamentos que não sejam de radiação restrita;(...) Como perfeitamente observado, no caso a resolução exige a autorização quando as estações de telecomunicações explorarem serviço de interesse coletivo ou quando sem a utilização de equipamentos de radiação restrita. Consoante a resolução nº 73/1998 da ANATEL 3 o serviço de interesse coletivo é aquele prestado a qualquer interessado na fruição do serviço, ou seja, qualquer pessoa que tenha interesse pode utilizar o serviço (caráter comercial), por outro lado é de interesse restrito o serviço prestado ao próprio usuário ou a um grupo determinado de usuários. A princípio as provedoras de internet wireless, conhecidas também por internet via rádio exploram um serviço de interesse coletivo, logo, em tese, é necessária a autorização 3 Art. 17 e 18. Disponível em : 8

11 para o exercício deste tipo de serviço, e sua falta atenderá o preceito do art. 183 da lei das telecomunicações, acarretando a chamada tipicidade formal, e a conduta será delituosa. Seguindo a análise do artigo 3º do anexo da Resolução 506 da ANATEL, observa-se o inciso II: II - quando o funcionamento dessas estações servir de suporte à rede de telecomunicações destinada a uso próprio ou a grupos determinados de usuários, será dispensada a obtenção da autorização de serviço, devendo ainda, caso as estações estejam operando em conformidade com as alíneas a ou b do inciso I deste artigo, ser cadastradas no banco de dados da Agência; Segundo esse inciso, quando a estação de telecomunicação servir para o interesse do próprio usuário ou ainda um grupo determinado de usuários, a outorga é dispensada. Em análise sistemática das normas do inciso I e II, verifica-se que só se exige a autorização de funcionamento quando a estação servir para exploração de serviço de interesse coletivo. Por outro lado, não há a exigência de autorização quando for destinado ao próprio usuário ou a um grupo determinado de usuários. Desse modo, é preciso se analisar em qual situação se enquadram as prestadoras de internet wireless, também denominadas prestadoras de internet via rádio, para se verificar se é necessário outorga para seu funcionamento. A ANATEL através de sua documentação intitulada de Distribuição de internet por redes wireless pelo poder público 4 esclarece que o provimento de acesso à terceiros é atividade de interesse coletivo, portanto, é necessário licença. Todavia quando o serviço se tratar de atividade de interesse restrito essa será dispensada. Portanto, quando o fornecimento de internet via rádio é comercializado a atividade passa a ser considerada de interesse coletivo - pois qualquer interessado pode se tornar cliente e passar a receber o serviço - nessas situações o serviço precisará de outorga, devido a previsão do inciso I do art. 3º do anexo da Resolução 506 da ANATEL. Por outro lado, quando o serviço é feito sem o caráter comercial - como, por exemplo, a divisão do sinal entre duas filiais de uma mesma empresa - trata-se de um interesse restrito, sendo desnecessária autorização de funcionamento, pois a atividade preenche os preceitos do inciso II da citada norma. 4 Disponível em: <http://colab.interlegis.leg.br/raw-attachment/wiki/iiencontrogitec/anatel.pdf> 9

12 Prosseguindo na norma do artigo 3º, o seu inciso III apresenta exceções: Art.3º(...) III - os incisos I e II não se aplicam quando as estações operarem nas condições previstas no 2 º do art. 39, deste Regulamento. Nesse caso, será necessária a autorização de serviço, assim como o licenciamento das estações. Como observa-se em quaisquer das hipóteses já analisadas, haverá a necessidade de autorização ou licença quando o serviço operar nas condições previstas no 2º do art. 39, que reza: Art. 39. Equipamentos Utilizando Tecnologia de Espalhamento Espectral ou outras Tecnologias de Modulação Digital operando nas faixas ,5 MHz, MHz, ,5 MHz e MHz devem atender às condições estabelecidas nesta Seção. (...) 2º As condições estabelecidas nesta Seção, para a faixa ,5 MHz, não valem para os equipamentos cujas estações utilizem potência e.i.r.p. superior a 400 mw, em localidades com população superior a habitantes. Neste caso, as estações deverão ser licenciadas na Agência, nos termos da regulamentação específica pertinente a esta faixa. 5 Assim, conclui-se que se o equipamento utilizado pela estação funcionar cumulativamente na faixa de frequência de ,5 MHz com potência superior a 400 mw (0,4 W) e ainda em cidade com população superior a ,0 habitantes será necessária a autorização do serviço e licença da estação. Nota-se que há limitações de potência para ser exigido o licenciamento quando a população da cidade onde ocorrer o serviço for superior a 500 mil habitantes, não havendo essa limitação quando o local tiver população inferior a esse limite, sendo dispensada a autorização do serviço em cidades pouco habitadas. Nesse entendimento, já se manifestou a Justiça Federal no Estado da Paraíba em diversos julgados, deixando claro que em cidade com menos de habitantes, quando a estação atua nas frequências descritas acima, não há em que se falar em materialidade delitiva, independentemente da potência da estação, como por exemplo, em decisão 5 É importante frisar que a norma do 2º do art. 39 da resolução 506 da ANATEL fala em potência EIRP que significa a potência na saída da antena do transmissor, ou seja, é a potência levando-se em consideração o ganho da antena e as perdas do cabo condutor do equipamento até a antena. Em nossas pesquisas, verificamos que em nenhum dos inquéritos/processos pesquisados houve a consideração do valor do ganho da antena e da perda do cabo.. 10

13 monocrática proferida nos autos do , segundo a transcrição do trecho a seguir: ( ) 06. Ressalte-se que não são os equipamentos que operam na frequência de a Mhz atingidos, mesmo na hipótese de potência nominal superior a 400 mw, pela regra do art. 39, 2º, da referida Resolução, por ter a cidade de Campina Grande/PB, local de instalação da estação clandestina (f. 05), população inferior a habitantes (fl. 112), não precisando, assim, a estação base respectiva de licenciamento da ANATEL. (grifamos) Observa-se que as restrições de potência e de números de habitantes só se referem a faixa de frequência de MHz. A citada norma não faz qualquer restrição de potência para as faixas de frequências de ,5 MHz, Mhz e Mhz, logo em tais situações a outorga também é dispensada. Em interpretação conjunta de toda norma apresentada, pode-se fazer algumas considerações sobre a tipicidade formal da conduta de fornecer internet via rádio sem a outorga autorizativa: Quando o serviço é comercializado há a necessidade de outorga por se tratar de atividade de interesse coletivo. A ausência de autorização, permissão ou licença, preencheria a figura típica do art. 183 da lei 9.472/97. Haveria portanto tipicidade formal e a conduta seria criminosa, sob o ponto de vista formal. Por outro lado, se o serviço de provimento de internet através de ondas de rádio se der sem ultrapassar a barreira de uma única edificação ou ultrapassando-a, ocorrer no interesse restrito para uso próprio ou ainda para um grupo determinado de usuários, não haverá necessidade de qualquer autorização (apenas um cadastro) e a ausência desta não poderá configurar delito penal. Não haveria nesse caso a tipicidade formal. 3 SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO Segundo alguns posicionamentos doutrinários e jurisprudenciais, o serviço de provimento de internet nem ao menos pode ser considerado serviço de telecomunicação, e sim um serviço de valor adicionado. 11

14 define: Conforme a Lei Geral de Telecomunicações (LG T), lei 9.472/97, que em seu art. 60 Art. 60. Serviço de telecomunicações é o conjunto de atividades que possibilita a oferta de telecomunicação. 1 Telecomunicação é a transmissão, emissão ou recepção, por fio, radioeletricidade, meios ópticos ou qualquer outro processo eletromagnético, de símbolos, caracteres, sinais, escritos, imagens, sons ou informações de qualquer natureza. E o art. 61 reza: Serviço de valor adicionado é a atividade que acrescenta, a um serviço de telecomunicações que lhe dá suporte e com o qual não se confunde, novas utilidades relacionadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de informações. Dessa forma, como o provimento de internet serve de suporte dando nova utilidade de acesso, pois possibilita uma conexão sem fio, sem se tornar um serviço autônomo, se enquadraria tal serviço ao conceito de valor adicionado. Por outro lado, essa atividade transmite dados através de radioeletricidade, o que preenche o conceito de atividade de telecomunicação. A jurisprudência, em alguns julgados ainda não consolidados, se alterna entre considerar o provimento de internet ora como serviço de telecomunicação, ora como de valor adicionado. Consoante o entendimento de Aranha (2005) 6, nem sempre foi clara a distinção entre serviço de telecomunicação com o serviço de valor adicionado, sendo essa distinção mais problemática quando se trata de provimento de acesso à internet. Segundo o autor, a oferta de acesso à rede de telecomunicação configura serviço de telecomunicações, portanto, a princípio as provedoras de internet exerceriam essa atividade. No entanto, segundo os seus doutos ensinamentos: a Norma 004/95 Uso de meios da rede pública de telecomunicações para acesso à Internet (anexo à Portaria do Ministério das Comunicações nº 148, de 31 de maio de 1995) expressamente enquadra o serviço de conexão à internet como serviço de valor adicionado. 6 ARANHA, Márcio Iorio (Org). Direito das Telecomunicações: Estrutura Institucional regulatória e infra-estrutura das telecomunicações no Brasil. Brasília: Jf Gráfica,

15 Há, por conseguinte, uma norma expressa do Ministério das Comunicações que define o provimento de acesso à internet um serviço de valor adicionado. Todavia, ainda segundo Aranha (2005), a validade referida norma pode ser questionada tendo em vista ser anterior a LGT, por outro lado, a mesma pode ser considerada especial em relação a essa lei, por tratar especificamente de Internet. A jurisprudência pátria ainda não se pacificou com relação ao tema. Aranha (2005) afirma que o próprio STJ possui julgados nos dois sentidos, a primeira turma do tribunal já se posicionou no sentido de considerar as provedoras de internet empresas exercentes de atividade de telecomunicação. Por outro lado, a segunda turma apontou de forma diversa, considerando a atividade de prover acesso à internet um serviço de valor adicionado. No sentido de que o serviço em análise é de valor adicionado se manifestou o TRF5 em sede do mandado de segurança : ADMINISTRATIVO. ACESSO À INTERNET. PROVEDOR. SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO. TELECOMUNICAÇÕES. AGÊNCIA REGULADORA. LEI Nº 9.472/97. AUSÊNCIA DE TIPIFICAÇÃO DO ILÍCITO. PRINCÍPIO DA LEGALIDADE. OBSERVÂNCIA.9.472I - Serviço de valor adicionado é a atividade que acrescenta, a um serviço de telecomunicações que lhe dá suporte e com o qual não se confunde, novas utilidades relacionadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de informações (artigo 61 da Lei nº 9.472/97) II - O serviço prestado pelo provedor de acesso à Internet não se caracteriza como serviço de telecomunicação. Precedentes do Egrégio STJ: ERESP PR, DJ 20/03/2006, relator Ministro José Delgado; RESP MG, DJ de 19/12/2005, relator Ministro Luiz Fux.III - Além da não ocorrência da tipificação, inexiste autorização legal expressa para que a Administração proceda à interrupção manu militare da atividade não autorizada, não permitida ou não concedida.iv - A apreensão dos equipamentos, no caso do ilícito, restringe-se a bens que, por si, impliquem a prática de crime.v- Apelação provida. ( PB , Relator: Desembargadora Federal Margarida Cantarelli, Data de Julgamento: 06/05/2008, Quarta Turma, Data de Publicação: Fonte: Diário da Justiça - Data: 16/06/ Página: Nº: Ano: 2008) Como pode ser verificado, para o referido Tribunal não pode ser considerado o provimento de acesso à internet uma atividade de telecomunicação, mas sim um serviço de valor adicionado. Essa decisão em seu inteiro teor deixa claro que a situação referida se tratou de um serviço de provedor de internet via rádio. Todavia, embora existam entendimentos que corroboram a tese de se tratar de serviço de valor adicionado, poucos não são os entendimentos em sentido contrário, como por exemplo: 13

16 CRIMINAL -ARTIGO 183 DA LEI Nº 9.472/97 -ATIVIDADE CLANDESTINA DE TELECOMUNICAÇÃO - PROVEDOR DE INTERNET -VALOR ADICIONADO -AUSÊNCIA -DELITO CONSUMADO I- Se o provedor de internet fornece aos clientes acesso direto à rede mundial de computadores através de radiofrequência, não há que se falar em serviço de telecomunicação préexistente e serviço de valor adicionado, haja vista, o provedor fornecer o próprio serviço de telecomunicação que viabiliza o acesso à rede.ii- Consumado o tipo do art. 183, da Lei nº 9472/97, se o agente explora acesso direto à internet através de radiofreqüência sem a devida autorização da ANATEL, órgão regulador iii- Recurso conhecido a que se nega provimento. (6222 RJ , Relator: Desembargadora Federal MARIA HELENA CISNE, Data de Julgamento: 22/10/2008, PRIMEIRA TURMA ESPECIALIZADA, Data de Publicação: DJU - Data::07/11/ Página::131) Essa discussão deve-se ao fato do serviço de internet via rádio compor tanto um serviço de telecomunicações como um serviço de valor adicionado. O ato de dar acesso a um serviço de telecomunicação, como descrito no art. 61 da LGT, ser refere ao acesso lógico, virtual, como a autenticação, validação de usuário e fornecimento de número IP (internet protocol). Por outro lado, o acesso físico utilizando fios ou radiofrequência para emissão de dados amolda-se ao prescrito no art. 60 da LGT, constituindo um serviço de telecomunicação. A empresa que presta serviço de provimento de acesso à internet através de ondas de rádio, utiliza um meio físico de emissão de dados através de radiofrequência e também um acesso lógico de autenticação e validação de usuário, constituindo portanto os dois serviços (telecomunicações e valor adicionado). Neste sentido, a ANATEL 7 entende que: o provimento de acesso à Internet via radiofreqüência, na verdade compreende dois serviços: um serviço de telecomunicações (Serviço de Comunicação Multimídia), e um Serviço de Valor Adicionado (Serviço de Conexão à Internet). Portanto, a atividade popularmente conhecida como "Internet via rádio" compreende também um serviço de telecomunicações. Sendo assim, o entendimento da agência reguladora é de que a internet via rádio é uma mescla entre serviço de telecomunicações e serviço de valor adicionado. 7 Disponível em : acao=&coditemcanal=1266&codigovisao=$visao.codigo&nomevisao=$visao.descricao&nomecanal=internet &nomeitemcanal=d%favidas%20freq%fcentes&codcanal=366 14

17 Assim, diante dos dois posicionamentos, conclui-se que se a atividade em questão for considerada serviço de valor adicionado, afastada estaria a tipicidade formal, pois não se amoldaria ao delito previsto no art. 183 da LGT, visto que não se trataria sequer de atividade de telecomunicação. Por outro lado, caso a atividade seja considerada de telecomunicação, para haver a tipicidade formal será necessário que o ato de prover acesso à internet seja considerado uma interligação de redes de interesse coletivo, ou ainda que seja utilizado equipamentos que atuem fora das especificações contidas no anexo da Resolução 506 da ANATEL. Em resumo, para ser crime a conduta de prover internet através de ondas de rádio deve explorar um interesse coletivo (inciso I do Art. 3 do anexo da resolução 506 da ANATEL) ou ainda o equipamento funcionar em frequências que fujam das faixas de ,5 MHz, MHz, ,5 MHz e MHz, ou ainda que funcionem com ,5 MHz mas com potência superior a 400mW (0,4W) e em cidades com mais de habitantes. Não sendo nessas situações, a conduta será formalmente atípica. Todavia, haja os respeitáveis entendimentos contrários constata-se mais acertada o da ANATEL em que a internet via rádio é a união de um serviço de telecomunicações com um serviço de valor adicionado, e também é um serviço que com exploração de um interesse coletivo, sendo portanto necessária a autorização do órgão competente para funcionamento, configurando sua ausência a figura típica do art. 183 da LGT, sob o ponto de vista da tipicidade formal. 4 ANÁLISE DA TIPICIDADE MATERIAL Conforme os ensinamentos de Masson (2010, p. 157) 8, crime é toda ação ou omissão humana que lesa ou expõe a perigo de lesão bens jurídicos penalmente tutelados (grifo nosso). Esse é o conceito de crime sob o aspecto da tipicidade material, pelo qual é levado em conta para caracterizar crime a relevância do mal produzido. Desse modo, para uma conduta ser considerada delituosa, não basta ser preceituada em norma como tal, mas deve ao menos por em risco o bem jurídico protegido. 8 MASSON, Cleber Rogério. Direito Penal esquematizado - Parte geral - Vol. 1. 3ª ed. Rio de Janeiro: Forense. São Paulo: Método,

18 Nesse entendimento não basta a tipicidade formal para a caracterização do crime, é preciso também que a conduta seja tipica do ponto de vista material, logo é preciso a presença da tipicidade material. Nas situação apontadas anteriormente, verifica-se que dependendo da interpretação adotada sobre o serviço das empresas que fornecem acesso à internet através de radiofrequência, este pode ser formalmente típico ou não. Mas no caso em que houver a tipicidade formal, haverá a chamada tipicidade material? Para se responder essa pergunta é necessário se perceber qual o bem jurídico protegido pela Lei Geral das Telecomunicações e ainda também se esse bem jurídico é ameaçado pelo serviço oferecido pelas empresas provedoras. Em concordância com os ensinamentos de Baltazar Junior (2010) 9, o bem jurídico protegido pela norma do art. 183 da LGT é a segurança das telecomunicações contra interferências. A própria LGT esclarece no art. 159 que um dos objetivos da norma é evitar interferências prejudiciais que são emissões, irradiações ou induções que obstrua, degrade seriamente ou interrompa repetidamente a telecomunicação (parágrafo único do art. 159 da lei 9.472/97). Pode o serviço das prestadoras de acesso à internet lesar ou expor a perigo de lesão a segurança das telecomunicações a ponto obstruir, degradar seriamente ou interromper repetidamente algum serviço de telecomunicação? A resposta a esse questionamento torna-se mais clara quando se faz a comparação dos serviços de acesso de internet via rádio com outros serviços de radiofrequência, especialmente no tocante a frequência, potência e atenuação. 4.1 BREVE COMPARATIVO ENTRE SERVIÇOS DE RÁDIO FREQUÊNCIA As rádios comunitárias de baixa potência, estão definidas no art. 1, 2º da lei 9612/98, e devem operar em frequencia modulada (FM) 10, ou seja, na faixa de frequência entre 87,8 MHz a 108 MHz em estações com até 25 Watts de potência e sistema irradiante com até 30 metros de altura. Por sua vez, o Decreto 2.615/98 reza que as rádios comunitárias devem ter um alcance de até um quilômetro a partir da antena. 9 BALTAZAR JUNIOR, José Paulo. Crimes Federais. 5ª Ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, Embora a lei fale em freqência modulada, o correto seria modulação de frequência. 16

19 Por outro lado, as transmissões das provedoras de internet operam normalmente nas faixas de frequência de ,5 MHz, Mhz, Mhz ou ,5 MHz, sendo mais comum os equipamentos que atuam nessa última faixa de MHz, o mesmo que 2.4 GHz. Para se entender melhor a distinção entre o serviço de internet via rádio com outras atividades, é preciso inicialmente explicar que as grandezas físicas denominadas frequência e potência são medidas distintas que não devem ser confundidas.. A primeira é uma grandeza física que representa o número de ciclos de uma dada onda num ponto do espaço em cada segundo (Carvalho, 2007), e utiliza a unidade de medida Hertz (Hz). Já potência é a quantidade de energia fornecida por uma fonte em cada unidade de tempo, é normalmente medida em Watt (W). Miliwatt (mw) é a divisão de Watt por mil. Por exemplo, 400mW é o mesmo que 0,4W. Além dessas duas grandezas, é preciso falar de atenuação. Essa consiste numa redução da potência do sinal ao longo do meio de transmissão (Moreira, 1999) 11, ou seja, é a perda de potência do sinal que vai ocorrendo entre o trajeto da estação emissora e a receptora. Então pode-se concluir que a Potência do sinal que chega na recepção é igual a potência da transmissão subtraindo-se a atenuação. Para o cálculo preciso é necessário se levar em conta os ganhos da antena do aparelho emissor e o ganho da antena do aparelho receptor. Mas para fins de facilitar os cálculos de comparação entre alguns serviços de telecomunicações, é necessário desconsiderar os valores dos ganhos das antenas e considerar livre de obstáculos o espaço entre o transmissor e receptor. Logo, ainda segundo Moreira, a fórmula para se saber a potência que chega no equipamento receptor será igual a potência emitida subtraída da atenuação, o que pode ser representado por Pr=Pt-At, onde Pr representa potência na recepção, Pt a potência na transmissão e, por fim, At refere-se a atenuação. Segundo Carvalho (2007, p.41) fórmula de atenuação no espaço livre é atenuação=32,4+20 x log F (Mhz) + 20 x log R (Km), onde F é a frequência medida em Megahertz e R é a distância percorrida pelo sinal em quilômetros. Com esse dado é possível se fazer uma comparação entre uma rádio comunitária, uma grande rádio atuante na cidade de campina grande e ainda os serviços de internet via rádio. Será denominado para fins de comparação, respectivamente, de situação 1, situação 2 e situação Disponível em: <http://www3.dsi.uminho.pt/adriano/teaching/comum/factdegrad.html> 17

20 Para fazer uma comparação de como a potência de três serviços distintos decai em uma distância de um quilômetro, é preciso, unir essas duas fórmulas, resultando na seguinte: Pr=Pt- (32,4+20 x log F (Mhz) + 20 x log R (Km)). Para fins de exemplificação será adotado para situação 1 uma estação de rádio comunitária operando com 89 MHz de frequência e 25 Watts de Potência. Para situação dois será considerado uma rádio famosa no município de Campina Grande, a Campina FM. Essa estação atua com frequência de 93,1 MHz e W de potência 12. Já para a terceira situação será considerado um serviço de internet via rádio, adotando nesse exemplo a frequência de 2400 Mhz e potência de 400 mw, pois são as medidas comumente usadas por esses serviços. Substituindo as variáveis 13 da fórmula Pr=Pt- (32,4+20 x log F (Mhz) + 20 x log R (Km)) pelos valores da situação um, resultará em uma potência a um quilômetro de distância da transmissão na ordem de 1,8x10-6 Watts (0, W). Fazendo essa mesma análise considerando a Rádio Campina FM (situação 2) 14, verifica-se que a potência do sinal após 1 km de distância é de aproximadamente 3,3 x 10-3 W(0,0033W). Agora, substituindo as variáveis da fórmula pelos valores da situação 3, observa-se que a potência de recepção a um quilômetro de distância seria de aproximadamente 3,9x10-11 W(0, W). Comparando agora as três situações descritas, pode-se observar que para uma estação de internet wireless que atue na frequência de 2.400MHz alcance um quilômetro de distância com mesma intensidade de sinal de uma estação, operando nas condições descritas na situação 1, será preciso operar com uma potência na emissão da ordem de W (Dozoito mil e cem Watts). Esta mesma estação para alcançar a mesma distância, porém com mesma intensidade de sinal descrita na situação 2, precisará de uma potência de emissão da ordem de W (Trinta e três milhões de Watts). Logo, para que uma provedora de internet de MHz chegue a um quilômetro de distância com a mesma potência que chegaria o sinal da situação 2, precisará que a emissão tenha uma potência em Watts na ordem de dez bilhões Para realizar o calculo é preciso converter Watts para dbm e no final refazer a conversão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 220 /2008 - WG PROCESSO MPF Nº 1.00.000.006569/2008-99 ORIGEM: 1ª VARA FEDERAL DE CAMPINAS/SP RELATOR: WAGNER GONÇALVES EMENTA PEÇAS

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº /2012 PROCEDIMENTO MPF Nº 1.00.000.003448/2012-71 ORIGEM: PRM RIO VERDE / GO PROCURADORA OFICIANTE: SABRINA MENEGARIO RELATORA: ELIZETA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO N o 527, DE 8 DE ABRIL DE 2009 Aprova o Regulamento sobre Condições de Uso de Radiofreqüências por Sistemas de Banda Larga por meio de Redes de Energia Elétrica.

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I DAS GENERALIDADES Art. 1º Ficam instituídos por este Regulamento

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS PROVA SIMULADA OAB - DIREITO PENAL PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS Peça - MEMORIAIS, com fundamento no art. 403, 3o, do Código de Processo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 628.046 - MG (2004/0007362-1) RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA RECORRENTE : TASK SOFTWARE LTDA ADVOGADO : JOSÉ FRANCISCO DE OLIVEIRA SANTOS E OUTROS RECORRIDO : ESTADO DE MINAS GERAIS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 456.650 - PR (2003/0223462-0) RELATOR : MINISTRO JOSÉ DELGADO R.P/ACÓRDÃO : MINISTRO FRANCIULLI NETTO EMBARGANTE : ESTADO DO PARANÁ PROCURADOR : CÉSAR AUGUSTO BINDER

Leia mais

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Carlos Evangelista Gerência de Outorga e Licenciamento de Estações - ORLE Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR Agência Nacional de Telecomunicações

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta pelo Ministério Público Federal contra sentença proferida pelo MM. Juízo da 37ª Vara de Pernambuco, na

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 21.628 - SP (2007/0158779-3) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : AGOSTINHO FERRAMENTA DA SILVA JÚNIOR ADVOGADO : JULIANA FERRAMENTA DA SILVA RECORRIDO : TRIBUNAL DE

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA QUESTIONAMENTO: Solicito pesquisa acerca do enquadramento típico de indivíduo que fora abordado pela Brigada Militar, conduzindo veículo embriagado (306 dp CTB) e com a CNH vencida, sendo que foi reprovado

Leia mais

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO Professor Márcio Widal 1. Introdução. A perseguição do crime pelo Estado não pode ser ilimitada no tempo, por força, inclusive, da garantia da presunção de inocência. Além disso, o Estado deve

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MPF FLS. 2ª CCR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL VOTO Nº 7399/2015 (IPL 1763/2010-1) ORIGEM: 5ª VARA FEDERAL CRIMINAL DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR OFICIANTE: ARIANE GUEBEL DE ALENCAR RELATORA: RAQUEL ELIAS FERREIRA

Leia mais

Ribeiro R E L A T Ó R I O

Ribeiro R E L A T Ó R I O R E L A T Ó R I O Trata-se de recurso em sentido estrito interposto pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra Decisão que, desclassificando a imputação descrita na denúncia (fls. 292/294), rejeitou a denúncia

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 11.934, DE 5 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre limites à exposição humana a campos elétricos, magnéticos e eletromagnéticos; Mensagem de veto altera a Lei n o 4.771, de 15 de setembro de 1965; e dá

Leia mais

ITelefonia celular CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA

ITelefonia celular CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA I CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA e Apresentação O Brasil tem hoje duas vezes mais telefones celulares do que fixos. Essa preferência do consumidor pela telefonia móvel tem boas razões: o preço dos aparelhos,

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira APTE : RODRIGO DE BRITO LIRA REPTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : 3ª VARA FEDERAL DA PARAíBA (COMPETENTE P/ EXECUçõES PENAIS) JUÍZA FEDERAL CRISTINA MARIA COSTA

Leia mais

Conforme julgados em anexo, a venda de cigarros oriundos do Paraguai configura o crime do art. 334 1º, c do CP, de competência da Justiça Federal:

Conforme julgados em anexo, a venda de cigarros oriundos do Paraguai configura o crime do art. 334 1º, c do CP, de competência da Justiça Federal: Conforme julgados em anexo, a venda de cigarros oriundos do Paraguai configura o crime do art. 334 1º, c do CP, de competência da Justiça Federal: APELAÇÃO. ARTIGO 334 DO CÓDIGO PENAL. CONTRABANDO. CIGARROS

Leia mais

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Boletim Informativo Espectro - 03/2015 Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Versão 2.2 Fevereiro 2015 Gestão de Espectro de Radiofrequências AF Telecomunicações

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.02.652231-8/001 Númeração 6522318- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) William Silvestrini null 11/01/2006 07/02/2006 FURTO - SINAIS DE TV A CABO

Leia mais

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2004.71.00.045184-6/RS RELATORA Juíza VÂNIA HACK DE ALMEIDA APELANTE AGENCIA NACIONAL DE TELECOMUNICACOES - ANATEL ADVOGADO Guilherme Andrade Lucci APELADO ASSOCIACAO

Leia mais

Tendo em vista o artigo da Promotora de Justiça no Estado do Paraná, Dra. Suzane Maria Carvalho do Prado, disponibilizado por esse CAO-Crim, e as decisões proferidas pela Turma Recursal (Acórdão 71001890557)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL. Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo. Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL. Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo. Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A Registro nº /2013 Processo nº 0009617-48.2012.403.6109 Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A DECISÃO Cuida-se de ação civil pública ajuizada

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA 5ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA 5ª REGIÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR E DEMAIS INTEGRANTES DA 1ª TURMA DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO DVMF/MPF/PRR5/ /2016 Processo nº : 0006727-33.2011.4.05.8400 (ACR 13367 RN)

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

Anatel. Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais. Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios

Anatel. Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais. Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios Anatel Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios Porto Alegre, 4 de junho de 2009. Eng. Mauricio Peroni Especialista

Leia mais

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator):

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator): APELAÇÃO CÍVEL Nº 511146/AL (0002840-14.2010.4.05.8000) APTE : CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS DA 6ª REGIÃO (AL/PE/PB/RN/CE/PI/MA) ADV/PROC : ALINE JANISZEWSKI LINS APDO : SHBRS/AL - SINDICATO DOS

Leia mais

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA NOTA TÉCNICA Nº 812, DE 2003 Referente à STC nº 200302750, da Secretaria- Geral da Mesa, que solicita, a pedido do Conselho de Comunicação Social, a elaboração de

Leia mais

SUBSTITUTIVO. (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) O CONGRESSO NACIONAL decreta:

SUBSTITUTIVO. (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) O CONGRESSO NACIONAL decreta: 20 SUBSTITUTIVO (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), o Decreto-Lei nº 1.001, de 21 de outubro de 1969 (Código Penal Militar),

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 94/2014/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E TELECOMUNICACOES

Leia mais

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEI N.º 1.265/2003 CAPÍTULO I

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEI N.º 1.265/2003 CAPÍTULO I LEI N.º 1.265/2003 Dispõe sobre a instalação de estações transmissoras de rádio, televisão, telefonia celular, telecomunicações em geral e outras antenas transmissoras de radiação eletromagnética no Município

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA DECISÃO Nº : /2013 PCTT: 90.07.00.04 PROCESSO Nº: 12980-94.2013.4.01.3200 CLASSE : 1100 AÇÃO ORDINÁRIA/TRIBUTÁRIA AUTOR : ESTADO DO AMAZONAS RÉU : CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO AMAZONAS CRF/AM

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

Respostas do Grupo 4:

Respostas do Grupo 4: Respostas do Grupo 4: Resposta ao Grupo 1: Questão: É possível a garantia de neutralidade de redes ser concretizada para além da obrigatoriedade da interconexão,regulamentada, nos termos do artigo 146

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

GRUPO 5 NATUREZA JURÍDICA DO ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIA E DA ÓRBITA

GRUPO 5 NATUREZA JURÍDICA DO ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIA E DA ÓRBITA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO DIREITO ADMINISTRATIVO 3 TURMA B (NOTURNO) PROFESSOR DR. MÁRCIO IORIO GRUPO 5 NATUREZA JURÍDICA DO ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIA E DA ÓRBITA Resposta às perguntas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Fábio Trad) Tipifica o crime de descumprimento de medidas protetivas da Lei 11.340, de 07 de agosto de 2006 - Lei Maria da Penha. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 54, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Atribuir a faixa de radiofrequências de 4.910 MHz a 4.940 MHz também ao Serviço Móvel, manter a atribuição da faixa

Leia mais

a adaptação de músicas conhecidas sem autorização do autor

a adaptação de músicas conhecidas sem autorização do autor Prezado Coordenador: Gostaria de saber se constitui crime a reprodução de músicas, sem autorização do autor, pelos candidatos ao Legislativo Municipal ou pelas empresas que realizam a reprodução. Aqui

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 490, DE 2011 (Apensos: PL 4186/1998, PL 4225/1998, PL 1513/1999, PL 2949/2000,PL4156/2001, PL4165/2001, PL

Leia mais

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 Hassan Souki Advogado Associado do Escritório Homero Costa Advogados. A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, tipifica, em seu

Leia mais

Responsabilidade penal ambiental. A importância da reparação do dano ambiental

Responsabilidade penal ambiental. A importância da reparação do dano ambiental Responsabilidade penal ambiental A importância da reparação do dano ambiental Ideal: Meio ambiente sadio, preservado e equilibrado ecologicamente Realidade: Busca de solução jurídica diante de uma situação

Leia mais

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL Gilberto de Castro Moreira Junior * O artigo 229 da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76) define a cisão como sendo a operação pela qual a companhia

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 8ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE BELO HORIZONTE APELAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 8ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE BELO HORIZONTE APELAÇÃO EXMO.SR(a).DR(a). JUIZ(a) DE DIREITO DA 2 ª SECRETARIA CRIMINAL DO JUIZADO ESPECIAL DE BELO HORIZONTE -MG Réu: Autor: Ministério Público Processo n. APELAÇÃO O Ministério Público do Estado de Minas Gerais,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº /2012 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão PROCESSO MPF nº 1.00.000.003768/2012-21 (IPL N 0065/2011) ORIGEM: PRM IMPERATRIZ / MA PROCURADOR OFICIANTE: FLAUBERTH MARTINS

Leia mais

Sessão de 16 de dezembro de 2015 RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 RECORRENTE CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA

Sessão de 16 de dezembro de 2015 RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 RECORRENTE CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 14 / 03 / 2016 Fls.: 08 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Rubrica: ID 42833175 Sessão de 16 de dezembro de 2015 SEGUNDA CÂMARA RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 INSCRIÇÃO

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

Procuradoria Federal junto à ANEEL

Procuradoria Federal junto à ANEEL Procuradoria Federal junto à ANEEL Jurisprudência dos Tribunais De setembro a dezembro de 2012 Apresentamos os julgados dos Tribunais Federais que constam de uma pesquisa feita pela PF/ANEEL com os termos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 3.836, DE 2008 Obriga os fornecedores de produtos e de serviços a darem o troco das frações da unidade do Sistema Monetário Nacional

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal Juízo de origem: 37ª Vara Criminal da Comarca da Capital Embargante: Pither Honorio Gomes Advogado: Defensoria Pública Embargado: Ministério Público Presidente: Marcus Henrique Pinto Basílio Relatora:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DECRETA: 2001 N Despacho PROJETO DE LEI N 503/2001 DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE (ERBs) E DE EQUIPAMENTOS DE TELEFONIA SEM FIO NO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Autor: Vereador GUARANÁ A

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO APELAÇÃO CRIMINAL Nº 0000740-14.2006.4.03.6115/SP 2006.61.15.000740-4/SP

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO APELAÇÃO CRIMINAL Nº 0000740-14.2006.4.03.6115/SP 2006.61.15.000740-4/SP PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO APELAÇÃO CRIMINAL Nº 0000740-14.2006.4.03.6115/SP 2006.61.15.000740-4/SP RELATOR APELANTE : Desembargador Federal MARCELO SARAIVA : Justiça Publica

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA o. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 001.2010.006903-6/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva AGRAVANTE

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 8ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 8ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Impetrante: Impetrado: 1013166-69.2013.8.26.0053 - Mandado de Segurança HELLO BRAZIL TELECOMUCICAÇÕES LTDA. DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE RENDAS MOBILIARIAS DA SECRETARIA DAS

Leia mais

Preliminarmente à inscrição em dívida ativa, é necessário, sob pena de nulidade, a constituição do crédito tributário através do lançamento.

Preliminarmente à inscrição em dívida ativa, é necessário, sob pena de nulidade, a constituição do crédito tributário através do lançamento. A intimação do contribuinte por edital e o protesto da dívida tributária à luz da A constituição da dívida ativa tributária e não tributária do Município pressupõe a inscrição do crédito tributário e não

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DESPACHO DESPACHO ISSQN-WEB ASSUNTO: SERVIÇOS PRESTADOS POR COOPERATIVAS EM: 10 de fevereiro de 2014

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.472, DE 16 DE JULHO DE 1997. Regulamento Dispõe sobre a organização dos serviços de telecomunicações, a criação e funcionamento

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Jerusa, atrasada para importante compromisso profissional, dirige seu carro bastante preocupada, mas respeitando os limites de velocidade. Em uma via de mão dupla,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO MACHADO CORDEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO MACHADO CORDEIRO ACR 12760 AL (0007902-40.2007.4.05.8000) APTE : JOSEVAL REIS LIMA REPTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : JUÍZO FEDERAL DA 4ª VARA AL (SENTENCIANTE: DR. SÉRGIO DE

Leia mais

FURTO TENTADO EM ESTABELECIMENTO MONITORADO: CRIME IMPOSSÍVEL? Por Bruno Haddad Galvão, Defensor Público do Estado de São Paulo

FURTO TENTADO EM ESTABELECIMENTO MONITORADO: CRIME IMPOSSÍVEL? Por Bruno Haddad Galvão, Defensor Público do Estado de São Paulo FURTO TENTADO EM ESTABELECIMENTO MONITORADO: CRIME IMPOSSÍVEL? Por Bruno Haddad Galvão, Defensor Público do Estado de São Paulo Comumente a defesa se depara com denúncias por furto tentado em estabelecimento

Leia mais

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO 1. ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIAS O espectro radioelétrico ou de radiofrequências é uma riqueza da humanidade. Sua exploração de forma disciplinada permite o estabelecimento

Leia mais

Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico. Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet

Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico. Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet 1 Palestrante: Kleber de Albuquerque Brasil Mini Curriculum 1997 E.T.F.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 08/09/2015 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 3 DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do

Leia mais

RELATÓRIO. Informações do MM. Juízo a quo, às fls. 55/56, comunicando a manutenção da decisão agravada.

RELATÓRIO. Informações do MM. Juízo a quo, às fls. 55/56, comunicando a manutenção da decisão agravada. RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL ALBERTO NOGUEIRA AGRAVANTE : FRANCISCO RECAREY VILAR ADVOGADO : MARCIO ANDRE MENDES COSTA AGRAVADO : FAZENDA NACIONAL ORIGEM : TERCEIRA VARA FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (200151015086382)

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 04/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 20/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 688.223 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

ACÓRDÃO. -náj~ AC no 001.2008.006016-1/001

ACÓRDÃO. -náj~ AC no 001.2008.006016-1/001 -náj~ -,7,7 g5 Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 001.2008.006016-1/001 - CAMPINA

Leia mais

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA fls. 1 Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada> faço estes autos conclusos à(o) MM. Juiz(a) de Direito. Eu,, Escrevente, Subsc. SENTENÇA Processo

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 33/2015/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E OXMAN TECNOLOGIA

Leia mais

Nº 71005004635 (N CNJ: 0023974-85.2014.8.21.9000) COMARCA DE PORTO ALEGRE RODRIGO DE BITTENCOURT MUDROVITSCH IMPETRANTE IMPETRANTE

Nº 71005004635 (N CNJ: 0023974-85.2014.8.21.9000) COMARCA DE PORTO ALEGRE RODRIGO DE BITTENCOURT MUDROVITSCH IMPETRANTE IMPETRANTE HABEAS CORPUS. CRIME AMBIENTAL. ART. 60 DA LEI 9.605/98. FAZER FUNCIONAR ATIVIDADE POTENCIALMENTE POLUIDORA. INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE ESTAÇÃO RÁDIO-BASE (ERB). ATIVIDADE NÃO PREVISTA NA RESOLUÇÃO Nº 237/97

Leia mais

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete do Desembargador Marcos A. Souto Maior

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete do Desembargador Marcos A. Souto Maior Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete do Desembargador Marcos A. Souto Maior DECISÃO APELAÇÃO CIVEL N 048.2003.001021-8/001 CUITEGI RELATOR: Juíza Maria das Neves do Egito

Leia mais

Excelentíssima Senhora Presidente da Comissão Permanente de Direito Penal do Instituto dos Advogados Brasileiros, Dra.

Excelentíssima Senhora Presidente da Comissão Permanente de Direito Penal do Instituto dos Advogados Brasileiros, Dra. Excelentíssima Senhora Presidente da Comissão Permanente de Direito Penal do Instituto dos Advogados Brasileiros, Dra. Victória Sulocki, Indicação nº 056/2012, sobre o "Projeto de Lei nº 3901/2012, de

Leia mais

APELAÇÃO PROVIDA. Nº 70048017610 COMARCA DE ALVORADA L. G. L. APELANTE R. C. C. L. APELADO R. W. C. L. APELADO A C Ó R D Ã O

APELAÇÃO PROVIDA. Nº 70048017610 COMARCA DE ALVORADA L. G. L. APELANTE R. C. C. L. APELADO R. W. C. L. APELADO A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. ANULAÇÃO DE REGISTRO CIVIL. VÍCIO. LEGITIMIDADE ATIVA DO AVÔ REGISTRAL. DESCONSTITUIÇÃO DA SENTENÇA. PRECEDENTES DESTA CORTE E DO STJ. O pedido de anulação de registro civil de nascimento,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 864.760 - GO (2006/0145586-0) RELATORA : MINISTRA JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG) RECORRENTE : UNIÃO RECORRIDO : SALVADOR LAUREANO DE ASSUNÇÃO ADVOGADO : LÁZARO SOBRINHO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOSÉ RICARDO PORTO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOSÉ RICARDO PORTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOSÉ RICARDO PORTO DECISÃO MONOCRÁTICA REMESSA NECESSÁRIA N. 011.2010.000052-7/001 CABACEIRAS. Relator : Des. José Ricardo

Leia mais

A apelante aduziu serem devidas as verbas relativas às férias não gozadas e, por conseqüência, aos terços constitucionais decorrentes das férias.

A apelante aduziu serem devidas as verbas relativas às férias não gozadas e, por conseqüência, aos terços constitucionais decorrentes das férias. ESTADO rj'à PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Ga6inete d Desembargador José Lorenzo Seipa APELAÇÃO CÍVEL N 055.2005.000.156-3/002 Relator Miguel de Britto Lyra Filho, Juiz Convocado em substituição ao Des. José

Leia mais

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES Tiago Ghellar Fürst A nova Lei de Falências e Recuperação Judicial, que entrou em vigor no dia 09.06.2005 (Lei 11.101/2005, publicada no DOU

Leia mais

= P ( 10 db EIRP EIRP = EIRP = Effective Isotropic Radiated Power. EIRP. = Effective Isotropic Radiated Power

= P ( 10 db EIRP EIRP = EIRP = Effective Isotropic Radiated Power. EIRP. = Effective Isotropic Radiated Power Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Conceito de E.I.R.P Seção IX Seção X Sinalização de Torres Conclusões EIRP = Effective

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : UNIAO FEDERAL APELADO : JOSÉ RODRIGUES PINHEIRO ADVOGADO : SONIA REGINA DALCOMO PINHEIRO ORIGEM : QUARTA VARA FEDERAL DE VITÓRIA (200050010111940)

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2015

PROJETO DE LEI Nº DE 2015 PROJETO DE LEI Nº DE 2015 Incluir Sinais de Tvs a Cabo ao 3º do art. 155, do Decreto Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Inclua-se sinais de Tvs à cabo ao 3º,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET Anexo Biblioteca Informa nº 2.301 O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DO MARCO CIVIL DA INTERNET Autores André Zonaro Giacchetta Ciro Torres Freitas Pamela Gabrielle Meneguetti Sócio e Associados da Área Contenciosa

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

LEI Nº 1295/2014 De 12 de maio de 2014.

LEI Nº 1295/2014 De 12 de maio de 2014. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 1295/2014 De 12 de maio de 2014. DISPÕE SOBRE NORMAS GERAIS URBANÍSTICAS PARA A INSTALAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE PIRANGUINHO DE ESTRUTURAS DE SUPORTE DAS ESTAÇÕES DE

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor-Presidente, Escola Nacional da Magistratura - AMB Diretor, Escola Brasileira de Direito

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.479 RIO DE JANEIRO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

JI WrIlei. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

JI WrIlei. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ).,, JI WrIlei ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO n 041.2007.001993-4/001 RELATOR: Eduardo José de Carvalho Soares

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais