NATAL PLURAL: TRADIÇÕES CULTURAIS ENTRE O GLOBAL E O LOCAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NATAL PLURAL: TRADIÇÕES CULTURAIS ENTRE O GLOBAL E O LOCAL"

Transcrição

1 DOI: /4cih.pphuem.358 NATAL PLURAL: TRADIÇÕES CULTURAIS ENTRE O GLOBAL E O LOCAL Renato Riffel 1 Partindo da análise de algumas tradições culturais existentes nas regiões de imigração alemã do Vale do Itajaí-Mirim pretende-se tecer algumas considerações sobre a influência do processo de globalização na reestruturação dessas tradições. Tomaremos para estas análises as formas de representação, rearranjos e resignificações perpassadas por um personagem presente nas comemorações do natal nessas regiões, o Pelznickel, tomando como área de estudo a região em que hoje fica situado o município de Guabiruba. Para as reflexões neste artigo foram colhidos depoimentos de 6 pessoas de ambos os sexos com idades entre 35 a 56 anos, todas nascidas e que ainda mantém domicílio na rua Guabiruba Sul. Esta área, localizada no município de Guabiruba, em Santa Catarina, tem grande concentração de imigrantes alemães, e foi por muito tempo uma localidade onde prevaleceu a atividade rural como forma de subsistência. A coleta dos relatos teve como suporte metodológico determinados instrumentos da história oral, fazendo-se uso da pesquisa qualitativa e de entrevistas temáticas. Para DELGADO (2006), a história oral é: um procedimento metodológico que busca, pela construção de fontes e documentos, registrar através de narrativas induzidas e estimuladas, testemunhos, versões e interpretações sobre história em suas múltiplas dimensões: factuais, temporais, espaciais, conflituosas, consensuais. (DELGADO, 2006:15). Para a autora, a pesquisa qualitativa tem como característica fundamental a singularidade e a não-compatibilidade com generalizações, possibilitando recuperar memórias locais, comunitárias, regionais, étnicas, de gênero, nacionais, entre outras, sob diferentes óticas e versões, permitindo ainda a associação entre acontecimentos da vida pública e da vida privada. Já as entrevistas temáticas se referem a narrativas de experiências e processos específicos vividos ou testemunhados pelos entrevistados. A colonização do Vale do Itajaí-Mirim teve início em 1860, data da fundação da colônia e da chegada dos primeiros imigrantes vindos da Alemanha, chegando mais tarde os colonos de origem italiana e polonesa. Esses imigrantes estabeleceram-se na área geográfica

2 4678 que atualmente compreende os municípios de Brusque, Guabiruba, Botuverá e Vidal Ramos, 2 nem sempre ocupando áreas específicas conforme a sua procedência. Na região que hoje compreende o município de Guabiruba 3, a ocupação seguiu esse mesmo padrão nãohegemônico de assentamento das famílias, criando pequenas áreas de convívio entre as famílias que emigravam de uma mesma localidade, onde a preservação da língua alemã e algumas tradições puderam ser reavivadas. Estas tinham a função de servir como agentes aglutinadores das identidades tidas como alemãs, servindo como âncoras simbólicas para gente dispersa, como nos mostram FERGUSON e GUPTA (2000, p. 36). Para esses autores, os imigrantes usam a memória do seu lugar de origem para construir imaginativamente seu novo mundo, permanecendo a sua terra natal como um símbolo unificador poderoso para povos deslocados. Dessa forma, mesmo partilhando a ocupação da região com imigrantes italianos e poloneses, a afirmação das antigas tradições serve como fator unificador de identidades. Algumas destas tradições acompanharam esses imigrantes para as terras do novo mundo. No Natal, por exemplo, enfeitava-se o pinheiro, faziam-se doces cobertos com glacê e açúcar cristal colorido, e entoavam-se cânticos natalinos. Outra tradição, objeto de análise deste artigo, era a figura do Pencenickel (Pelznickel 4, no original alemão), que usando máscara e roupa escura trazia correntes para prender e bater nas crianças mal-comportadas. Sua origem remonta à Antiguidade clássica, quando em dezembro as pessoas se ocupavam de expulsar os demônios do inverno e evocar a luz do sol e a fertilidade. 5 Depois de cristianizados estes ritos deram origem à figura de São Nicolau que é bom e traz presentes, e de seu ajudante mau, o Pelznickel, que auxilia os pais na educação das crianças. Logicamente estas tradições sofreram algumas alterações ao serem transportadas para as novas áreas de habitação, tanto pelas diferenças geográficas encontradas como pelo contato com outros grupos de imigrantes e populações que já estavam estabelecidas nos arredores das áreas ocupadas 6. Mas, segundo o depoimento dos moradores da localidade estudada, tanto as vestimentas como o hábito de castigar as crianças mal comportadas prosseguem praticamente inalteradas até meados da década de 1970, período este em que a tradição do Pelznickel começa a desaparecer gradualmente, até a sua completa extinção. Os depoimentos revelam também que até esta década a figura do papai-noel bondoso, de roupas vermelhas, gorro e saco de presentes não fazia parte das comemorações do natal. Este começa a aparecer gradualmente a partir dos anos 70, primeiro nas lojas situadas em Brusque, e depois fazendo aparições esporádicas pelas ruas da Guabiruba, sendo visto com maus olhos pela comunidade

3 4679 local. Mas, com o passar dos anos, a substituição foi inevitável: sai de cena o Pelznickel que simbolizava as antigas tradições; entra em cena o Papai Noel, símbolo dos novos tempos. Essa substituição das antigas tradições pela novidade coincide com a reestruturação econômica do município de Guabiruba, pois, é nesse período que a grande maioria da população deixa as atividades rurais e passa a depender economicamente das indústrias existentes na cidade de Brusque 7. Segundo FEATHERSTONE (1994, p. 13) as mudanças na economia mundial ocorridas na década de 1970 e 1980, cujos reflexos também podem ser vistos na região estudada, são caracterizadas por uma nova fase do capitalismo, em que a globalização do capital proporcionou também uma inter-relação cultural, promovendo a interação de diversas culturas através do intercâmbio de fluxos culturais globais. A reestruturação no modo de vida das populações rurais da região pode ser vista nos relatos de NIEBUHR 8 em seu trabalho sobre a memória operária de Brusque: nas atividades sociais, tanto no meio rural como no urbano, os jovens operários procuram seguir os padrões ditados pela moda, mesmo que distantes dos grandes centros urbanos. RUFFAT 9 analisando as modificações do vestuário, já a partir da década de 1950, entre as populações mais jovens, observa que estes começam a aceitar e absorver novos hábitos motivados principalmente pelos meios de comunicação, pela cultura do consumo vinda dos EUA, e pelo distanciamento, mesmo que periódico, do meio rural no momento em que ingressavam no trabalho fabril. Podemos traçar um paralelo destes relatos com os escritos de WARNIER (2000, p.26) que em seu trabalho sobre a mundialização da cultura observa como as sucessivas revoluções industriais dotaram os países desenvolvidos de máquinas para fabricar produtos culturais e de meios de difusão extremamente potentes para divulgá-los. O autor também observa como os fluxos midiáticos, financeiros, mercantis, migratórios e tecnológicos se intensificaram a partir da década de 1970, configurado um encontro entre as culturas locais enraizadas de longa duração e os bens e serviços colocados no mercado e globalizados por sistemas de trocas e de comunicação de grande capacidade. No entanto, WARNIER assinala que a intromissão dessas novas culturas mundiais ocasionam conflitos, transformando ou até mesmo destruindo as culturas-tradições. Os argumentos de WARNIER encontram eco se analisarmos o que ocorreu em Guabiruba: podemos observar como um elemento da tradição natalina, o Pelznickel, presente por muito tempo entre as comunidades rurais de imigrantes de origem alemã na região desapareceu das festividades do natal em meados da década de No entanto, não podemos pensar que o processo de globalização produziu uma homogeneização da cultura, nem que esse processo levará as culturas do mundo inteiro a convergirem em direção a um modelo único. Alguns autores, como o próprio WARNIER

4 4680 (2000, p.35) indicam o fracasso dessas teorias, apontando a humanidade como uma máquina capaz de produzir clivagens sociais, reservas de grupos, distinção cultural, modos de vida e de consumo muito diversos, ou seja, uma máquina que produz diferenças culturais. HALL (1999, p.78) também indica a improbabilidade de que a globalização destrua as identidades tanto locais como nacionais. Ao invés disso, o autor propõe pensar numa articulação entre o global e o local, onde provavelmente são produzidas novas identificações. HALL (1999, p.84) aponta ainda a possibilidade de que a globalização possa levar a um fortalecimento das identidades locais ou à produção de novas identidades como forma de uma reação defensiva dos grupos que se sentem ameaçados por outras culturas. FEATHERSTONE (1994, p.8) também aponta para a diversidade, a variedade e a riqueza dos discursos populares e locais em detrimento das teorias que apresentam a homogeneização da cultura imposta pelo o imperialismo cultural e a americanização da cultura. É nesse ponto que podemos falar do retorno da figura do Pelznickel para as comemorações do Natal na cidade de Guabiruba. A partir do final da década de 1990, dois grupos culturais 10 existentes na cidade utilizam o personagem para conceber algumas apresentações para os festejos de natal. Segundo os depoimentos colhidos, a figura do Pelznickel é reproduzida com perfeição, como nos velhos tempos, diz uma das entrevistadas. No entanto, ele não utiliza mais correntes e varas para castigar as crianças mal comportadas e nem procura assustá-las, mas procura ter uma relação de amizade com as crianças. Outro fato novo é a presença do Papai Noel (aquele mesmo, de roupas vermelhas, gorro e saco de presentes) dividindo palcos e ruas com o Pelznickel em apresentações dos grupos culturais nas festividades do Natal, como observamos nas fotos que seguem:

5 4681 Figura 01: Pelznickel e Papai Noel Guabiruba/SC - Natal de 2007 Fonte: acervo do autor. Figura 02: Pelznickel - Guabiruba/SC - Natal de 2007 Fonte: acervo do autor. Dessa forma, voltando a citar WARNIER (2000 p.119), podemos perceber que a erosão das culturas é limitada, ou seja, nem sempre a hegemonia cultural exercida pelos países industrializados consegue fazer desaparecer as culturas locais. Por outro lado,

6 4682 FEATHERSTONE (1994, p.7) aponta que esses processos de integração e desintegração cultural muitas vezes transcendem as unidades das sociedades estatais, ocorrendo a nível transnacional ou trans-social. Nesse sentido, caberia aos grupos culturais da cidade de Guabiruba o papel de instância intermediária entre o poder público e a população no resgate das tradições do passado, já que as mesmas não possuem vínculos com o sistema oficial das políticas culturais do município. Ao que parece, segundo HALL (1999, pg.87), a globalização tem como efeito, muito mais do que homogeneizar a cultura, promover o deslocamento e a contestação das identidades centradas e fechadas das culturas, de onde emergem identidades culturais que não são fixas. Dessa forma, a tradição do Pelznickel que reaparece em Guabiruba no final da década de 1990 mostra-se reconfigurada pelos processos de uma sociedade globalizada, sem, no entanto, fazer desaparecer por completo as antigas tradições. Revelando o fortalecimento de identidades locais como forma de reação ao processo de homogeneização da cultura, produz identidades plurais e diversas como novas formas de identificações. NOTAS FINAIS 1 Aluno do Mestrado em História do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) do Centro de Ciências Humanas da Educação (FAED) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), orientado pela professora Dra. Mara Rúbia Sant Anna. 2 SEYFERTH, Giralda. A colonização alemã no vale do itajaí-mirim. p O Município de Guabiruba emancipou-se de Brusque no ano de Neste artigo manteve-se a grafia do original alemão, já que o termo apresenta corruptela e no falar popular aparece como Pencenickel ou Penceniquel. 5 RENAUX, Maria Luíza. O outro lado da história: o papel da mulher no vale do itajaí p A primeira alteração na figura do Pelznickel na nova região, e a mais visível, é a modificação do seu vestuário. Se na tradução literal do nome em alemão se encontra os indícios de como se vestia na antiguidade (Pelznickel significa Nicolau de pelego), na localidade de Guabiruba ele aparece vestido com várias camadas de folhagens amarradas junto ao corpo (geralmente folhas de palmitos), utilizando ainda máscara, galhos e chifres para completar a caracterização. Essa forma de vestir parece ter sido utilizada pelas pessoas que incorporavam o personagem já nos primeiros anos de assentamento das famílias de imigrantes alemães nessa localidade, segundo depoimentos de alguns antigos moradores. Provavelmente a abundância da vegetação nativa e o calor dos trópicos tenham propiciado o abandono das roupas dos pelegos. 8 A cidade de Brusque, no início da década de apresentava uma população aproximada de pessoas, contando com um parque industrial de 80 fábricas, 245 casas comerciais, ocupando na época o 4º lugar na arrecadação estadual. Aparelhos de televisão e rádio já eram comuns na época. Para obtenção destes dados foram usados tanto documentos oficiais emitidos pelos órgãos públicos, como também algumas publicações, de cunho menos formal, impressos pela prefeitura municipal juntamente com a secretaria de turismo. 9 NIEBUHR, Marlus. Ecos e sombras: Memória operária em Brusque-SC na década de 50. p. 104/ RUFFAT, Michèle. Modapalavra. p O Grupo de Canto Chuê-Chuá está ligado à liturgia católica da Rua Guabiruba Sul. A Associação Artístico e Cultural São Pedro, com sede na Rua São Pedro em Guabiruba, é um grupo de teatro e dança que procura resgatar as tradições germânicas na cidade. Esses dois grupos culturais não apresentam vínculos com as instituições culturais oficiais do município de Guabiruba.

7 4683 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. História oral: memória, tempo, identidades. Belo Horizonte: Autêntica, FEATHERSTONE, Mike (org.). Cultura global (nacionalismo, globalização e modernidade). Petrópolis: Vozes, HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, NIEBUHR, Marlus. Ecos e sombras: memória operária em Brusque-SC na década de 50. Itajaí: Editora da Universidade do Vale do Itajaí, RENAUX, Maria Luiza. O outro lado da história: o papel da mulher no Vale do Itajaí Blumenau: Editora da FURB, RUFFAT, Michèle. Modapalavra. Florianópolis: Editora Insular, SEYFERTH, Giralda. A colonização alemã no Vale do Itajaí-Mirim: um estudo de desenvolvimento econômico. Porto Alegre: Editora Movimento, WARNIER, Jean-Pierre. A mundialização da cultura. Bauru: EDUSC, 2000.

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE (UNIFEBE)

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE (UNIFEBE) FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: II Seminário Temático: Indústria têxtil em Brusque: 120 anos refletindo desenvolvimento em Brusque e Região 1.2. CURSO:

Leia mais

Refletir sobre a data comemorativa do natal.

Refletir sobre a data comemorativa do natal. NATAL ducação Infantil Justificativa O ano está acabando e o natal está chegando. É fundamental ressaltar o verdadeiro significado desta data: o natal não é mera troca de presentes, é momento de confraternização,

Leia mais

Festas de Outubro em Santa Catarina!!

Festas de Outubro em Santa Catarina!! ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS Festas de

Leia mais

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

REDE CULTURA VIVA DE SANTA CATARINA Uma plataforma coletiva para uma cultura colaborativa.

REDE CULTURA VIVA DE SANTA CATARINA Uma plataforma coletiva para uma cultura colaborativa. REDE CULTURA VIVA DE SANTA CATARINA Uma plataforma coletiva para uma cultura colaborativa. METODOLOGIA A plataforma da Rede Cultura Viva de Santa Catarina é uma demanda originada dos encontros dos Pontos

Leia mais

AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO

AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO Simone Aparecida Borges Dantas 1 Adriano Freitas Silva 2 Esta comunicação é fruto do projeto de pesquisa As fiandeiras de Jataí: Uma memória se

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados,

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados, Dircurso proferido Pela Dep. Socorro Gomes, na Sessão da Câmara dos Deputados do dia 08 de novembro de 2006 acerca da 19ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

OBJETIVOS CURRICULARES

OBJETIVOS CURRICULARES OFICINA DE PROJETOS Ciências Naturais 1 Construir noções sobre planeta a partir do planeta Terra; 2 Descrever a estrutura do planeta; 3 Conceituar a litosfera, destacando as rochas, os minérios e o solo

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Silêncio criativo Em Catador de Palavras, o jovem leitor tem a oportunidade de escolher as palavras mais adequadas que o ajudarão a

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro Cláudia Mendes de Abreu Furtado e Rodrigo Cunha Santos, Serviço Social do Comércio SESC PE, Professora

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB 01. RESUMO Karla Rodrigues de Almeida Graduada em Letras pela UFCG e-mail: karlaalmeida.1@hotmail.com Izanete

Leia mais

A cidade mais alema do Brasil

A cidade mais alema do Brasil O Projeto de Iniciação Turística Escolar - Pomerode foi desenvolvido e é executado pela turismóloga Priscila Romig, formada em 2004 pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB). Projeto patrocinado

Leia mais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais Bárbara Duarte de Arruda Universidade Federal Fluminense barbara.dda@gmail.com A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira

Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=590200&page=24 Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

Leia mais

PATO BRANCO, DAÍ : UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA EXPRESSÃO PRONUNCIADA POR PATO-BRANQUENSES

PATO BRANCO, DAÍ : UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA EXPRESSÃO PRONUNCIADA POR PATO-BRANQUENSES PATO BRANCO, DAÍ : UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA EXPRESSÃO PRONUNCIADA POR PATO-BRANQUENSES Ivonete de Fatima de Jesus 1 Maria de Lourdes Bernartt 2 RESUMO: O presente artigo pretende analisar a expressão

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Habilidades: Verificar as características dos principais grupos étnicos formadores da população brasileira: indígenas, negros e brancos.

Leia mais

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO MARIA CRISTINA LOZANO Grupo de Pesquisa Educação Física FEUSP / CNPQ Este estudo é um relato de um projeto de educação física, entitulado

Leia mais

Hevelyn Baer Villar_ Trabajo Final de Graduação Interdisciplinar

Hevelyn Baer Villar_ Trabajo Final de Graduação Interdisciplinar Trabalho Final de Graduação Interdisciplinar Centro Cultural Maembipe O projeto foi indicado pela Universidade Estadual de Londrina para participar no concurso Ópera Prima de projetos de Fim de Graduação.

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO.

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Marketing Infantil. Professor André Martins

Marketing Infantil. Professor André Martins Marketing Infantil Professor André Martins Século 20 Crianças vistas como seres inocentes e cheio de desejos; Natal única época de conseguir presentes; No século IV, as igrejas ocidentais passaram a adotar

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO (X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

SANTA CATARINA EM CENA 2003

SANTA CATARINA EM CENA 2003 SANTA CATARINA EM CENA 2003 Com média de 19 pontos de audiência e 63% de share e grande repercussão junto ao público, o projeto Santa Catarina em Cena, levou para os lares catarinenses, no ano de 2002,

Leia mais

PESQUISAS SOBRE A IMIGRAÇÃO ESPANHOLA NO RIO GRANDE DO SUL

PESQUISAS SOBRE A IMIGRAÇÃO ESPANHOLA NO RIO GRANDE DO SUL PESQUISAS SOBRE A IMIGRAÇÃO ESPANHOLA NO RIO GRANDE DO SUL Drª Regina Weber Daiane Souza Renata K. Veleda Vagner M. Corrêa Aluisio Lessa Os espanhóis chegaram ao Rio Grande do Sul, o estado mais meridional

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS 1 Fornecer subsídios para a construção do Mapa Conceitual da Publicidade.

OBJETIVOS GERAIS 1 Fornecer subsídios para a construção do Mapa Conceitual da Publicidade. Unidade Universitária Centro de Comunicação e Letras 95 OBJETIVOS GERAIS Fornecer subsídios para a construção do Mapa Conceitual da Publicidade. Curso Publicidade e Propaganda Eixo Disciplinar Estudos

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

Nordestinos em São Paulo: o deslindar de uma trajetória

Nordestinos em São Paulo: o deslindar de uma trajetória Nordestinos em São Paulo: o deslindar de uma trajetória Luciano Deppa Banchetti* PAIVA, Odair da Cruz. Caminhos cruzados: migração e construção do Brasil moderno (1930-1950). Bauru: EDUSC, 2004. 306 p.

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO TRÊS RIOS (RJ) RESPEITO AO MEIO AMBIENTE

FRANQUIA O BOTICÁRIO TRÊS RIOS (RJ) RESPEITO AO MEIO AMBIENTE FRANQUIA O BOTICÁRIO TRÊS RIOS (RJ) RESPEITO AO MEIO AMBIENTE RESUMO Numa sociedade cada vez mais consciente, a proteção ao meio ambiente passa a ser objetivo de atenção de franquias com um posicionamento

Leia mais

OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014

OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014 OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014 0 ALIMENTAÇÃO FONTES, CULTURA E SOCIEDADE Alimentos, Medicamentos e Venenos Religiões e Alimentação ARQUEOLOGIA E TERRITÓRIO (escolher apenas uma em cada semestre) Antropologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE Resumo Natália Cândido da Cruz Silva 1 - UFPB Márcia Verônica Costa Miranda 2 - UFPB Rebeca Nogueira Martins 3 -

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

Os Caminhos do Festival Música Nova

Os Caminhos do Festival Música Nova Os Caminhos do Festival Música Nova por Antônio Eduardo Santos RESUMO Um movimento por uma música revolucionária, nova, em oposição ao academismo dominante, teve nascimento em São Paulo, no começo dos

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Linguagem digital na vizinhança ideal: os limites narrativos de The Sims. Fabiano Andrade Curi

Linguagem digital na vizinhança ideal: os limites narrativos de The Sims. Fabiano Andrade Curi Linguagem digital na vizinhança ideal: os limites narrativos de The Sims Fabiano Andrade Curi A história de The Sims Lançado em fevereiro de 2000, rapidamente se tornou um dos jogos mais vendidos na história

Leia mais

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO Mara Pereira da Silva IFPA- CRMB pereiracantora1@hotmail.com RESUMO A pesquisa foi realizada mediante análise

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

CULTURA POPULAR E IDENTIDADE REGIONAL: A CONTRIBUIÇÃO DO SITE JORNALÍSTICO CULTURA PLURAL NOS CAMPOS GERAIS

CULTURA POPULAR E IDENTIDADE REGIONAL: A CONTRIBUIÇÃO DO SITE JORNALÍSTICO CULTURA PLURAL NOS CAMPOS GERAIS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CULTURA POPULAR E IDENTIDADE

Leia mais

ESPAÇOS MIGRATÓRIOS E REDES SOCIAIS NA CIDADE DE PRUDENTÓPOLIS-PR

ESPAÇOS MIGRATÓRIOS E REDES SOCIAIS NA CIDADE DE PRUDENTÓPOLIS-PR ESPAÇOS MIGRATÓRIOS E REDES SOCIAIS NA CIDADE DE PRUDENTÓPOLIS-PR Vanessa dos Santos Pereira Discente do curso de Geografia da UNICENTRO-Irati Bolsista do Programa Institucional de Iniciação Científica

Leia mais

O que é globalização

O que é globalização O que é globalização - Fase atual de expansão do capitalismo, fruto do avanço tecnológico em diversos setores da economia e da modernização dos sistemas de comunicação e transportes. - É responsável pela

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CEFOR - CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO ESPECIALIZAÇÃO EM INSTITUIÇÕES E PROCESSOS POLÍTICOS DO LEGISLATIVO. PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA. Projeto de Pesquisa Aluno:

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

1º Lugar: Leia e Passe Adiante.

1º Lugar: Leia e Passe Adiante. Programas Vencedores: três 7º Concurso FNLIJ Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens de todo o Brasil / Programa Nacional de Incentivo à Leitura - PROLER 2002 1º Lugar: Leia

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos.

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos. 4.3.3 Programa de Monitoramento Arqueológico O Programa de Monitoramento Arqueológico, conforme consta no Plano Básico Ambiental prevê a catalogação de amostras nas áreas de construção da Estrada Parque,

Leia mais

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS CTCH Centro de Teologia e Ciências Humanas CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Cíntia dos Santos Gomes, 1 Rosália Maria Duarte. 2 Departamento de Educação PUC-RIO 2007 1 Aluno de Graduação

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPH0339 O ENSINO SUPERIOR NO GOVERNO FHC E SUA DISTRIBUIÇÃO SOBRE O

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

Centro Empresarial rreinaugura teatro da entidade

Centro Empresarial rreinaugura teatro da entidade INFORMATIVO ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE BRUSQUE Dezembro/ Janeiro 2011 Conheça o Núcleo das Empresas Contábeis Centro Empresarial Ce rreinaugura teatro da entidade ACIBr recebe prêmio em Jaraguá do SUL Página

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

informações em documentos.

informações em documentos. C O L É G I O L A S A L L E EducaçãoInfantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000- Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL:

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 Nome: Nº 7º ano Data: / /2015 Professor: Nota: (valor: 2,0) A - Introdução Neste ano, sua pontuação foi inferior a 60,0 pontos e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

Direito de Autor e Sociedade da Informação

Direito de Autor e Sociedade da Informação Direito de Autor e Sociedade da Informação 1. Vivemos imersos há alguns anos, e de um modo crescentemente acentuado, na assim chamada sociedade da informação. Ao certo o rótulo não tem conteúdo definido,

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE.

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. Saulo de Paula Pinto e Souza Evânio dos Santos Branquinho 1068 saulodepaula@gmail.com Geografia

Leia mais

Período: agosto e setembro de 2004 Especial para mostrar a formação do mapa étnico do Sul de Santa Catarina.

Período: agosto e setembro de 2004 Especial para mostrar a formação do mapa étnico do Sul de Santa Catarina. ETNIAS DO SUL Período: agosto e setembro de 2004 Especial para mostrar a formação do mapa étnico do Sul de Santa Catarina. A região Sul de Santa Catarina se caracteriza pela colonização italiana, mas outros

Leia mais

Miscelânea - o Mercadão de Campo Grande e suas diversidades 1

Miscelânea - o Mercadão de Campo Grande e suas diversidades 1 Miscelânea - o Mercadão de Campo Grande e suas diversidades 1 Natália Moraes DOS SANTOS 2 Juliana Peruchi MARRA 3 Maitê Faustino Faria CAMPOS 4 Thiago Campos DA SILVA 5 Marcelo da Silva PEREIRA 6 Universidade

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113.

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113. O RURAL E O URBANO 1 - AS DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO 1 Desde o final do século passado, a modernização, a industrialização e informatização, assim como a crescente urbanização, levaram vários pesquisadores

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

PATRIMÔNIO CULTURAL E DESENVOLVIMENTO LOCAL EM CARAMBEÍ

PATRIMÔNIO CULTURAL E DESENVOLVIMENTO LOCAL EM CARAMBEÍ PATRIMÔNIO CULTURAL E DESENVOLVIMENTO LOCAL EM CARAMBEÍ 1 SILVA, Silmara Carneiro INTRODUÇÃO Este trabalho é resultado de um aprofundamento dos resultados da dissertação de Mestrado em Ciências Sociais

Leia mais

A poesia popular nas manifestações culturais no Tocantins: estudos sobre a literatura de cordel, das cantorias e desafios em Palmas - TO

A poesia popular nas manifestações culturais no Tocantins: estudos sobre a literatura de cordel, das cantorias e desafios em Palmas - TO A poesia popular nas manifestações culturais no Tocantins: estudos sobre a literatura de cordel, das cantorias e desafios em Palmas - TO Lauro Aguiar VIEIRA 1 RESUMO: Por ser uma literatura muito difundida

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Secretaria de Estado da Cultura

Secretaria de Estado da Cultura Secretaria de Estado da Cultura UPPM Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico GTC SISEM-SP Grupo Técnico de Coordenação do Sistema Estadual de Museus de São Paulo MUSEUS E PATRIMÔNIO Os museus

Leia mais

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Évora, 22-24 de Setembro de 2005 A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Zoran Roca e José António Oliveira CEGED Centro de Estudos de Geografia e Desenvolvimento Universidade

Leia mais