A Percepção da Radioatividade por Estudantes de Nível Superior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Percepção da Radioatividade por Estudantes de Nível Superior"

Transcrição

1 Mundo & Vida vol. 3 (2) 2002 A Percepção da Radioatividade por Estudantes de Nível Superior Alphonse Kelecom & Rita de Cássia dos Santos Gouvea Pós-Graduação em Ciência Ambiental PGCA e Laboratório de Radiobiologia e Radiometria Departamento de Biologia Geral, C.P , Niterói RJ, Brasil; Resumo A percepção da radioatividade por estudantes universitários é muito superficial. Suas informações provêm da imprensa, raramente de estudos, fazendo com que ela seja desconhecida, temida e rejeitada. Em geral eles não sabem definí-la, sequer parcialmente, nem conhecem a maioria das suas aplicações. Aceitam a existência de radioatividade natural no solo e a execução de testes nucleares ambientalmente limpos e seguros para todas as formas de vida. Palavras-chave: radioatividade,radioatividade natural, definição,rejeição, aplicações, alunos universitários. Radioactivity Perception among High Level Students. Abstract Radioactivity perception by high level students is very superficial. Their informations originate from the midia, seldom from studies; therefore radioactivity is mostly unkown, feared and rejected. Students are in general unable to define radioactivity, even in part, and most of the common uses are unknown to them. The existence of natural radioactivity in soil is acepted as are safe and environmental clean nuclear tests. Key words: radioactivity natural radioactivity, definition, rejection, uses,high level student. La Perception de la Radioactivité chez les Etudiants de Niveau Supérieur. Résumé La perception de la radioactivité chez les étudiants universitaires est très superficielle. Leurs connaissances viennent des midias, rarement de l école. C est pourquoi la radioactivité est mal connue, crainte et rejetée par ces étudiants qui en général na savent pas la définir, ni même en partie. Ils ne connaissent pas non plus ses applications courantes. Ils acceptent l existence de radioactivité naturelle dans le sol ainsi que l exécution de tests nucléaires sans risques pour la vie et propres pour l environnement. Mots-clé: radioactivité, radioactivité naturelle, définition, rejet, applications, étudiants universitaires. Não se deve temer a Radioatividade e sim respeita-la. (segundo K.Z. Morgan) 1. INTRODUÇÃO Desde a sua descoberta por Henri Becquerel em 1896, a Radioatividade tem suscitado as mais diversas reações junto à comunidade científica em particular e junto ao grande público em geral. Desde incredulidade, admiração e adoção à desconfiança, rejeição e ódio, toda uma gama de sentimentos foi aparecendo. Com efeito, nos seus primórdios, a Radioatividade passou rapidamente de mera curiosidade de laboratório à poderosa ferramenta que permitiu a Ernest Rutherford de propor, entre outras coisas, um modelo coerente para a estrutura do átomo e, com isto, desvendar os segredos da natureza íntima da matéria. Por outro lado, foi também baseado em experiências de desvio de partículas alfa pelos núcleos dos átomos que Henry Mooseley deu uma forma definitiva à Tabela Periódica dos Elementos, mostrando que a seqüência dos mesmos obedecia, não à massa atômica como proposto anteriormente por Mendeleiev, mas sim ao número de prótons contidos nos núcleos (o número atômico), o que permitiu mais tarde atribuir as propriedades químicas dos elementos à estrutura da nuvem eletrônica. Paralelamente, os trabalhos do casal Curie impulsionaram a descoberta de novos elementos químicos naturalmente radioativos, bem como permitiram desvendar a natureza complexa da radiação nuclear, composta de partículas alfa (α) ou beta (β) e de raios gama (γ). Observou-se também que quando o decaimento radioativo resultava em emissão de partículas, novos elementos químicos eram formados, por transmutação. Era o velho sonho dos alquimistas quase realizado. Na verdade nunca o será; mas ficava claro que reações químicas e reações nucleares eram fundamentalmente diferentes. Embora estas descobertas tivessem rendido muitos Prêmios Nobel de Física e de Química, é bem provável que a Radioatividade nunca teria saído dos laboratórios de pesquisa ou da literatura científica se não fossem as inúmeras aplicações que viriam a surgir com os anos. Entre estas, as aplicações na Medicina, principalmente na luta contra o câncer e, mais tarde, a produção de energia elétrica foram as primeiras grandes conquistas. Mas houve também a insensatez humana: a Bomba Atômica, com seu enorme poder de destruição. Daí em diante, a radioatividade passaria a ser questionada e, numa segunda fase, intensamente combatida, por movimentos pacifistas, movimentos ecológicos e, inclusive, por cientistas nucleares. 78

2 Laboratório de Radiobiologia e Radiometria Prof. Pedro Lopes dos Santos Nome do Aluno : Data : Curso : Formação (Pós-Grad.) : 1. Quando você ouve falar em radioatividade, seu primeiro pensamento é positivo ou negativo? Qual é e explique porque? 2. Você saberia definir radioatividade? sim não Tente numa frase. 3. Existe, no seu entender, radioatividade natural? caso afirmativo : onde? na Terra sim não não sei solo ar águas continentais mar no sistema solar sim não não sei planetas espaço interestelar no cosmos sim não não sei nossa galáxia outras galáxias 4. A radioatividade é utilizada em inúmeras aplicações. Apontem na lista abaixo onde você acha que ela é usada. armamento produção de energia forno microondas conservação de alimentos beneficiamento de pedras (semi)-preciosas telecomunicações (rádio, TV, telefone fixo) telefone celular navegação espacial navegação marítima navegação submarina diagnóstico de doenças tratamento de doenças Raios-X ou Abreugrafia tomografia computadorizada relojoaria proteção como pára-raios envelhecimento de objetos de arte beneficiamento de vinho Figura 1. Questionário aplicado. análise laboratorial imunologia bioquímica física biologia química fisiologia indústrias metalúrgicas outros (quais?)... De maneira geral, estas atitudes resultaram e ainda resultam de reações espontâneas de rejeição motivadas mais pelo medo e pelo desconhecimento, do que por uma postura refletida baseada numa análise de riscos. Nisto, a imprensa tem uma profunda responsabilidade, pois o caráter sensacionalista invariavelmente embutido nas notícias sobre o nuclear pouco contribui para o esclarecimento do público leigo, fazendo com que a palavra radioatividade se torne sinônima de coisa ruim. Existe de fato um forte preconceito a respeito de tudo o que tange a esta temática, sendo ponto pacífico a certeza de que o nuclear vende muito mal a sua imagem e que seriam necessárias intensas campanhas de esclarecimento para, se não reverter, pelo menos amenizar este quadro. 1 1 Encontro Nacional sobre Aplicações Nucleares (ENAN). Debate sobre o tema A Imagem do Nuclear, VI Rio de Janeiro RJ, Surge então a pergunta : Qual é a percepção que um público mais esclarecido tem da radioatividade? Sem ter a pretensão de esgotar o assunto, este artigo traz algumas respostas a esta pergunta. 2. METODOLOGIA Foi escolhido como público mais esclarecido, alunos da Universidade Federal Fluminense (UFF), inscritos numa das diversas disciplinas de Radiobiologia ministradas pelos autores. Eles pertencem a 9 cursos de graduação: Ciências Biológicas, Enfermagem, Farmácia, Física, Medicina, Medicina Veterinária, Odontologia, Nutrição e Psicologia, e 2 cursos de pós-graduação: Biologia Marinha (PGBM) e Ciência Ambiental (PGCA). O questionário fechado (formulário) reproduzido acima (Figura 1) foi distribuído no início da primeira aula de cada turma para um total de 350 alunos. Foi explicado que se tratava de uma pesquisa, que o teste não valia nota na avaliação final da Disciplina de Radiobiologia e que o teste era facultativo. 79

3 Tabela 1. Primeiro sentimento relativo à radioatividade e percentual de rejeição. Cursos alunos nº (%) negativo negativo MAS dividido positivo total da rejeição (%) Graduações da área da Saúde Enfermagem 49 (14,5) 55,1 14,3 18,4 12,2 69,4 Medicina 92 (27,2) 58,7 7,6 19,6 14,1 66,3 Odontologia 16 (4,7) 37,5 0 56,3 6,3 37,5 Veterinária 30 (8,9) 40,0 6,7 30,0 23,3 46,7 Psicologia 1 (0,3) Nutrição 1 (0,3) Graduações da área das Exatas Biologia 41 (12,1) 56,1 7,3 26,8 9,8 63,4 Farmácia (ciclo básico) 27 (8,0) 51,9 11,1 22,2 14,8 63,0 Física 20 (5,9) 35,0 10,0 15,0 40,0 45,0 Pós-Graduações Biologia Marinha PGBM 12 (3,6) 50,0 8,3 8,3 33,3 58,3 Ciência Ambiental PGCA 49 (14,5) 57,1 10,2 22,4 10,2 67,3 Total Área Saúde (Graduações) 189 (56,0) 53,4 8,5 23,8 14,3 61,9 Total Área Exatas (Graduações) 88 (26,0) 50,0 9,1 22,7 18,2 59,1 Total Graduações 277 (82,0) 52,3 8,7 23,5 15,5 61,0 Total Pós-Graduações 61 (18,0) 55,7 9,8 19,7 14,8 65,6 TOTAL GERAL 338 (100) 53,0 8,9 22,8 15,4 61,8 3. RESULTADOS PGBM 3,6% Veterinária 8,9% Odontologia 4,7% Medicina 27,2% PGCA 14,5% Nutrição 0,3% Biologia 12,1% Enfermagem 14,5% Psicologia 0,3% Farmácia 8,0% Física 5,9% Figura 2. Participação Percentual dos Cursos. Foi dado um tempo de cerca de 30 minutos para o preenchimento do formulário. Eventuais dúvidas quanto ao preenchimento foram esclarecidas na hora. Dos formulários recolhidos, 12 foram descartados por terem sido apenas parcialmente preenchidos, faltando repostas para as perguntas 3 e/ou 4 (6 casos), por terem sido preenchidos dois formulários por um mesmo aluno (1 caso) ou por ter sido marcado nenhum campo (2 casos) ou, pelo contrário, todos os campos (3 casos) acrescidos de comentários explicando porque o aluno não queria ser usado para este tipo de teste. Sobraram 338 questionários válidos, sendo 277 de alunos das graduações e 61 de alunos das pósgraduações (PG). A pesquisa foi iniciada no segundo semestre de 1999 e foi encerrada em outubro de Dos alunos Trezentos e trinta e oito (338) alunos da UFF participaram desta pesquisa. Eles se encontram distribuídos nas graduações em Ciências Biológicas (41), Enfermagem (49), Farmácia (27), Física (20), Medicina (92), Medicina Veterinária (30), Odontologia (16), Nutrição (1) e Psicologia (1), e nas PG em Biologia Marinha (PGBM, 12) e Ciência Ambiental (PGCA, 49). No total, são 277 alunos de graduação (82%) e 61 de PG (18%). A participação percentual por curso aparece na Tabela 1 e na Figura 2. Os alunos de graduação estavam cursando o ciclo básico, do 2º ao 5º período, sendo a maioria deles dos 3º e 4º períodos. Já os alunos de pós-graduação se encontravam no primeiro ano dos seus cursos. Para fins de análise dos resultados, pode-se separar os alunos de graduação em dois outros grupos, ligados à sua área de formação : o grupo da saúde reunindo 189 alunos da enfermagem, medicina, medicina veterinária, odontologia, nutrição e psicologia, representando 68% do total da graduação, e o grupo das exatas e da terra reunindo 88 alunos das graduações em ciências biológicas, física e farmácia, representando 32% do total da graduação (Tabela 1). Observa-se que a graduação em Farmácia foi incluída neste grupo pois os alunos do ciclo básico de farmácia cursam essencialmente disciplinas da área das ciências exatas e da terra. 80

4 3.2. Dos formulários Sabe-se que os resultados das pesquisas feitas utilizando questionários podem ser fortemente influenciados pela estrutura, clareza e até seqüência das perguntas. Tentamos minimizar tais complicações explicando claramente o que se pretendia com a pesquisa e como entender as perguntas formuladas. Assim mesmo surgiram alguns problemas inesperados. Um destes foi relativo ao campo Nome do Aluno. Os alunos, sobretudo os das PG, se sentiam incomodados em declarar seus nomes, preferindo nitidamente o anonimato. De fato, para os fins desta pesquisa, o campo nome não era indispensável; seu preenchimento visava apenas permitir aos autores de avaliar o progresso dos alunos ao cursar a disciplina de Radiobiologia. Foi então facultado aos entrevistados o direito de preencher ou não este campo. Observou-se que os alunos que preencheram seus nomes eram principalmente aqueles que declaravam conhecer a definição da radioatividade (se sentiam seguros) e os alunos que anularam seu questionário não preenchendo nenhum campo, ou todos eles, ou ainda fazendo comentários não solicitados (veja acima, Metodologia). Aqueles que não indicaram seus nomes eram alunos das PG, das graduações onde o nível médio é considerado mais fraco, ou das Ciências Biológicas, único curso onde a Radiobiologia é obrigatória. O campo Data consta do questionário, pois permite detectar respostas que poderiam sofrer a influência de acontecimentos fortuitos noticiados na imprensa, como foi o caso do afundamento do submarino nuclear russo Kursk em 2000 e que levou ao aumento de acertos no item específico da pergunta 4. Os campos Curso e Formação (este só para as PG), são necessários para que se possa associar as respostas obtidas aos centros de interesse, sensibilidade e/ou viés profissional (no caso dos PG) dos entrevistados, já que este teste foi feito durante a primeira aula, ou seja ainda na ausência de conhecimento específico sobre radioatividade. A ordem das perguntas foi estabelecida cuidadosamente. Primeiro, pediu-se aos entrevistados de expressar livremente seu sentimento a respeito do tema radioatividade. Depois, perguntou-se se eles sabiam conceituar o tema da pergunta anterior. A seguir, uma vez que a radioatividade está muito associada a ações antrópicas julgadas erradas ou desastrosas, pergunta-se se a radioatividade poderia ser natural e onde ela estaria distribuída, ou poderia ser encontrada. Por fim, solicitou-se apontar em quais campos da atividade humana encontram-se aplicações nucleares. Neste ponto do formulário, tivemos que introduzir algumas modificações, após a 1ª aplicação, pois observamos erros de interpretação: trocamos beneficiamento de gemas por beneficiamento de pedras (semi)- preciosas pois os alunos ou não entendiam a palavra gema, ou pensavam se tratar de gema de ovo. Substituímos também o item irradiação de alimentos por conservação de alimentos e forno microondas, pois irradiação de alimentos era entendida como preparação de alimentos em fornos micro-ondas. De mesmo, acrescentamos o item telefonia celular separando-o de telecomunicações, em razão da enorme controvérsia a respeito das antenas repetidoras, o que levava os alunos a se esquecer da telefonia fixa, das ondas rádio e da TV. Os 139 primeiros formulários entregue possuíam duas perguntas adicionais que foram retiradas pois eram de difícil racionalização. São elas: a. Alguns países voltaram a fazer testes nucleares. O que você acha a respeito disto? b. O que você sabe da posição dos movimentos ecológicos a respeito do assunto radioatividade? As respostas serão comentadas no final da Discussão. As respostas à primeira pergunta que trata do primeiro pensamento que vem em mente quando se fala em radioatividade foram classificadas como: pensamento negativo, pensamento negativo MAS quando o aluno sabia que existem aspectos positivos ligados à radioatividade, pensamento dividido (nem positivo, nem negativo) e finalmente pensamento positivo. Os resultados numéricos por curso, no total das graduações ou das PG e no total geral aparecem na Tabela 1. No caso da segunda pergunta relativa à definição da radioatividade, a ausência de marcação de um dos quadrados Sim ou Não foi contabilizada como uma resposta não sei se sou capaz de definir o tema. As definições foram classificadas como certa quando a definição proposta continha a maioria dos elementos característicos do fenômeno de radioatividade, ½ certa quando a definição era por demais incompleta ou quando ela não permitia uma clara distinção em relação a outras propriedades físicas da matéria, errada quando a resposta era falsa, inconsistente ou esotérica. Nota-se que cerca de ¼ dos alunos não tenta propor definição alguma (classificado como sem resposta). Os resultados desta pergunta aparecem na Tabela 2. A apuração das terceira e quarta perguntas sobre radioatividade natural e aplicações prescinde de maiores explicações. Os resultados se encontram nas Tabelas 3 e 4 respectivamente. 81

5 Cursos Tabela 2. Definição da Radioatividade: número de respostas e percentuais. alunos Sabe definir? Definição nº sim não não sei certa ½ certa errada sem Graduações área da Saúde Enfermagem Medicina Odontologia Veterinária Psicologia Nutrição Graduações área das Exatas Biologia Farmácia (ciclo básico) Física Pós-Graduações Biologia Marinha PGBM Ciência Ambiental PGCA Total Área da Saúde (Graduações) 189 (100%) 46 (24,3%) 130 (68,8%) 13 (6,9%) 13 (6,9%) 38 (20,1%) 76 (40,2%) 62 (32,8%) Total Área das Exatas (Graduações) 88 (100%) 24 (27,3%) 57 (64,7%) 7 (8,0%) 6 (6,8%) 28 (31,8%) 29 (33,0%) 25 (28,4%) Total Graduações (100%) (25,3%) (67,5%) (7,2%) (6,9%) (23,8%) (37,9%) (31,4%) Total Pós-Graduações (100%) (34,4%) 50,8%) 14,8%) (9,8%) (27,9%) (39,3%) (23,0%) TOTAL GERAL 338 (100%) 91 (26,9%) 218 (64,5%) 29 (8,6%) 25 (7,4%) 83 (24,6%) 129 (38,1%) 101 (29,9%) 4. DISCUSSÃO 4.1. Do primeiro sentimento a respeito da radioatividade A análise da Tabela 1 mostra que a rejeição à radioatividade é quase unânime: 53% dos entrevistados expressaram sentimentos negativos de desconfiança e de medo, relacionados com os problemas das armas atômicas, do terrorismo internacional, do lixo nuclear, das poluições atmosférica, marinha e terrestre resultantes de acidentes como o de Tchernobyl. Esta rejeição é ligeiramente maior nas PG (55,7%) em relação às graduações (52,3%) e é maior na área da Saúde (53,4%) do que na área da Ciências Exatas e da Terra (50,0%). Acrescenta-se ainda os cerca de 9% dos entrevistados cuja reação é negativa embora saibam que existem lados positivos nas aplicações nucleares. Ficamos então com ~62% de rejeição. Quase ¼ dos entrevistados (23%) está dividido, mas apenas 15% dizem ter pensamento positivo a respeito do Nuclear. Estas respostas se concentram nas áreas das Exatas (Física 40% e Biologia Marinha 33%). As maiores taxas de rejeição (negativo e negativo MAS, Tabela 1) se encontram na Enfermagem (69,4%), Medicina (66,3%) e, não surpreendentemente, na Ciência Ambiental (67,3%). As menores taxas de rejeição se observam na Física (45%), como esperado, e inesperadamente na Odontologia (38%) e na Medicina Veterinária (47%). Nestas graduações, no entanto, a aceitação (pensamento positivo) varia muito: Física 40%, Medicina Veterinária 23% e Odontologia somente 6%. É que, neste curso, os alunos estão muito divididos (56,3%). Veremos mais adiante que isto resulta de uma confusão bastante geral na qual os RX são considerados uma aplicação nuclear, o que é um erro crasso Da Definição da Radioatividade A avaliação dos formulários indica que a noção de radioatividade é muito pouco clara para o público universitário entrevistado (Tabela 2). Mais de ¼ dos alunos (26,9%) declara saber definir radioatividade, mas apenas 7,4% apresentam uma definição aceitável, embora incompleta, na imensa maioria dos casos. Outro quarto (24,6%) forneceu elementos corretos de 2 Os RX são produzidos pela desaceleração de ume feixe de elétrons nas proximidades do núcleo de átomos (Bremstrahlung) ou pelo preenchimento com elétrons das camadas L ou M de uma lacuna eletrônica existente na camada K da nuvem eletrônica (RX característicos), não sendo portanto um fenômeno nuclear. 82

6 definição (Tabela 2, coluna ½ certa), mas 38,1% erram e 29,9% nem tentam propor definição alguma. Comparando com a Graduação, um percentual maior de alunos da PG declara saber definir radioatividade (34,4 % versus 25,3) e consegue: 9,8% de acertos versus 6,9%. O percentual de definições erradas é o mesmo para Graduação (37,7%) e PG (39,3%). Observa-se ainda que na PG um percentual menor de alunos desiste de propor uma definição: apenas 23,0% contra 31,4% da graduação. Comparando as áreas de formação Saúde e Exatas, como definidas no item 3.1, observa-se que um percentual ligeiramente maior de alunos das Exatas declara saber definir radioatividade : 27,3% nas graduações das Exatas versus 24,3% da Saúde, mas um percentual idêntico acerta: 6,9% da Saúde contra 6,8% das Exatas. Em contrapartida, um número menor de alunos das Exatas erra na definição (Exatas 33,0% e Saúde 40,2%) e um número maior propõe definições semi-corretas (Exatas 31,8% e Saúde 20,1%). Entre as propostas de definição de radioatividade, selecionamos alguns exemplos que merecem destaque. A seguir, aparecem em itálico os textos exatos e entre parêntese a graduação ou PG do aluno autor da definição. Para muitos, a radioatividade é uma forma de energia (Vet); mais precisamente, uma energia liberada (Bio, Far, Odo, Vet) através da emissão de radiação (Fis, Med, Odo), partículas (Bio, Enf, Far, Fís, Vet), raios (Bio, Enf, Med, Vet) ou ondas (Bio, PGBM, PGCA). Isto é correto mas incompleto. Os erros aparecem quando o aluno tenta ser mais preciso! Partículas α e β são freqüentemente chamadas de ondas, inversemente raios γ são rotulados de partículas; UV (Vet) e RX (Med) são citados como integrantes da radiação nuclear. Diversos alunos lembram que a radioatividade tem algo a ver com cargas iônicas 3 (Odo), ou estaria relacionada com o movimento de íons (Bio, Enf), ou seja: seria a atividade exercida por íons (Med). Vagas noções herdadas das aulas de química do 2º Grau fazem associar íons e elétrons, o que explica talvez as definições erradas que seguem: a radioatividade seria uma alteração no átomo devido à perda ou ao ganho de elétrons (Odo), ela estaria relacionada com a mudança da posição dos elétrons em suas camadas (Enf), ou com a atividade dos elétrons dos átomos (Med), ou ainda com a agitação de elétrons produzindo uma reação em cadeia (Vet), ou mais simplesmente com uma modificação da estrutura elétrica dos átomos (Bio). Tais erros seriam facilmente evitados se os alunos 3 As partículas α e β possuem cargas elétricas e a principal interação da radiação nuclear com a matéria resulta na ionização da mesma. lembrassem que radioatividade, energia atômica (ou energia nuclear) são noções intimamente associadas, e logo que a radioatividade é um fenômeno que ocorre nos núcleos dos átomos. Outro aspecto interessante está traduzido na afirmação de um graduando em medicina : É muito difícil para um leigo ver a radioatividade como algo natural. Por isto, a imensa maioria pensa que a radioatividade é um fenômeno induzido e não espontâneo. Assim, a radioatividade é a emissão de radiação por um núcleo quando bombardeado (Odo), ou é a energia liberada pela manipulação de átomos (Bio) ou de certos elementos químicos (Odo), ou ainda a liberação de partículas quando um átomo é bombardeado (Far) ou quando certa substância é estimulada (Enf). Neste ponto da discussão, seria oportuno definir Radioatividade. «A radioatividade é a propriedade que certos nuclídeos (isótopos) apresentam de liberar aleatória e espontaneamente o excesso de energia nuclear que possuem, em busca da sua estabilidade, sob a forma de radiação corpuscular (partículas α e/ou β) ou de radiação eletromagnética (γ), gerando, no caso de radiação corpuscular, novos nuclídeos por transmutação.» Este apecto da transmutação é fundamental, mas foi citado por pouquíssimos alunos, inclusive raramente por aqueles cuja definição foi considerada correta. O que muitos lembram é o caráter penetrante da radiação emitida (Bio, Med, Odo, Vet, PGBM, PGCA), mas poucos falam do seu caráter ionizante (só dois alunos da Medicina e da Medicina Veterinária) ou dos benefícios que ela pode trazer (Far, Med, Vet). A definição é dada muitas vezes em função dos efeitos ou das aplicações da radiação. Por exemplo, a radioatividade é: a emissão de partículas que afetam os organismos de modo positivo ou negativo (Far), ou a utilização de radioisótopos em pesquisa, experiências e exames (Bio), a ação dos raios sobre tecidos vivos (Vet), ou ainda o uso da radiação para tratamentos (Enf, PGCA). O preconceito ao qual fizemos alusão na Introdução aparece em diversas definições. Citaremos algumas. Radioatividade é aquilo que se usa para destruir ou salvar vidas (Vet), são raios que atravessam células podendo ou não ocasionar danos (Vet), é a liberação de partículas ionizantes prejudiciais à saúde (Vet), é a emissão de partículas prejudiciais que podem destruir células (Fís), é uma radiação produzida que pode ser maléfica ou não 83

7 Tabela 3. Distribuição da Radioatividade Natural: número de respostas e percentuais por grupo. item Bio 41 Enf 49 Far 27 Fís 20 Med 92 Nut 1 Odo 16 Psi 1 Vet 30 BM 12 CA Totais percentuais 49 Saú Exa Grad PG Geral na Terra? sim não não sei caso afirmativo no solo no ar nas águas no mar sem resposta no sistema Solar? sim não não sei caso afirmativo nos planetas no espaço sem resposta no Cosmos? sim não não sei caso afirmativo na nossa galáxia nas outras galáxias sem resposta Bio: Ciências Biológicas, Enf: Enfermagem, Far: Farmácia, Fís: Física, Méd: Medicina, Nut: Nutrição, Odo: Odontologia, Psi: Psicologia, Vet: Medicina Veterinária; BM: Mestrado em Biologia Marinha (PGBM) e CA: Mestrado em Ciência Ambiental (PGCA); Saú: área da Saúde (graduação); Exa: área das Exatas (graduação); Geral: Total Geral (Fís), é a energia que tem poder de penetrar nos corpos prejudicando-os (PGCA), é a emissão de raios maléficos à nossa saúde (Enf), é a radiação nuclear que pode gerar problemas de saúde (Med), são ondas com grande poder de destruição (Med); por fim, a radioatividade é as vezes natural, mas principalmente induzida e maléfica (Med). As novas tecnologias não escapam do preconceito: a radioatividade está presente nos eletro-eletrônicos, de uso doméstico, criados pelo homem 4 (Med)! O meio ambiente é usado para sustentar o preconceito: a radioatividade é um tipo de poluição que causa danos ao meio ambiente (PGCA), são substâncias químicas que se comportam de maneira singular no ambiente e nos organismos vivos (Enf), é a ação de vários tipos de raios sobre o ambiente (Med), é a atividade de diversas partículas altamente reativas... com alvo específico na natureza (Bio). Por fim, é o que existe no meio natural e que pode ser produzido para outros fins (Bio). 4 Quando solicitado de esclarecer este ponto, o aluno apontou os telefones celulares e os fornos a microondas. Algumas definições são muito surpreendentes: a radioatividade é a atividade radiográfica do átomo (Odo), o movimento de ondas no espaço (Vet), tem a ver com comprimento de onda (Bio), é uma vibração de alta freqüência produzida por substâncias minerais (PGCA), algo que pode alterar o desenvolvimento natural (Enf), uma radiação emitida por seres vivos (Med), ou ainda um tipo de emissão de energia liberada pela vibração molecular (Bio). Muito disto resulta de informações obtidas da imprensa ou de lembranças de noções estudadas no 2º Grau, mas que não foram bem assimiladas. Neste particular, pode se questionar a eficiência do ensino de 2º Grau cujo objetivo principal parece ser a produção de alunos capazes de passar no Vestibular, mais do que de alunos com uma formação básica para o resto da vida. Respostas de alunos da medicina, que, na UFF, fazem parte dos estudantes melhor preparados, ilustram bem a afirmação feita acima: a radioatividade resulta da atividade dos radioisótopos, só não sei o que é radioisótopo (!) e esta outra que diz: a radioatividade é algo como uma energia com propriedades específicas que conheço, mas que não sei explicar (!). 84

8 4.3. Da Radioatividade Natural Muito mais clareza têm os alunos da presença da radioatividade no ambiente, no sistema solar ou no cosmos (Tabela 3). De maneira geral, a grande maioria dos alunos, mas não a totalidade (91%), declara existir radioatividade natural na Terra. Na sua opinião, ela estaria localizada principalmente no solo (76%), sendo os demais compartimentos menos lembrados: ar (44%), águas continentais (38%) e mares (35%), embora eles sejam também naturalmente radioativos. A preferência para o solo parece indicar que este é considerado mais material do que o ar ou a água, e logo parece ser um melhor suporte para substâncias radioativas. Estas tendências são as mesmas entre alunos de graduação e de PG, embora estes últimos apontem a presença de radioatividade não somente no solo (74%) mas também e com freqüência maior nos demais compatimentos: ar 54% (contra 42% nas graduações), águas 49% e mares 52% versus 35 e 31% respectivamente, nas graduações. Isto se explica provavelmente pelo fato das PG envolvidas (Biol. Marinha e Ciência Ambiental) terem o meio ambiente como centro de interesse. Comparando as graduações em função da área de formação, observa-se maior convicção da existência de radioatividade natural na Terra entre os alunos das Exatas (96%) do que os da Saúde (88%), apesar dos alunos da Saúde enfatizarem mais sua presença no solo (78%) em relação aos alunos das Exatas (73%). Os demais compartimentos aparecem aproximadamente com a mesma freqüência. A idéia de existir radioatividade natural no sistema solar alcança essencialmente os mesmos patamares do que para a Terra (~90%), com a exceção dos alunos das graduações da área das Exatas (apenas 85%). Surpesas aparecem ao se perguntar onde estaria esta radioatividade. Os alunos da Saúde são mais categóricos que os alunos das Exatas ao afirmar sua presença nos planetas (76% contra 69%). Estranhamente, apenas 59% dos estudantes de PG pensam da mesma maneira. A razão disto não está clara, mas poderia estar ligada à idéia de que radioatividade=poluição=homem e uma vez que ele ainda não pisou nos demais planetas do sistema solar, estes estariam isentos de contaminação radioativa, o que seria então uma negação implícita da existência de radioatividade natural. Outro ponto deixou todos os grupos muito divididos: a existência de radioatividade natural no espaço intersideral. Apenas a metade dos alunos (~50%) acha que sim, embora exista de fato. Nas décadas de 60 e 70 do século passado, no auge da conquista espacial, ninguém duvidaria da radioatividade interestelar, pois falava-se muito de raios cósmicos e dos cinturões de Van Allen sendo atravessados pelos cosmonautas. Quanto à existência de radioatividade natural no cosmos, aproximadamente ¾ dos entrevistados (78%) são da opinião que existe, na nossa galáxia (72%) e talvez nas outras (56%). Um quarto (23%) não se pronuncia a respeito. Entre os estudantes de graduação, a convicção é ligeiramente maior para os das Exatas (existe sim 82% e na nossa galáxia 78%) do que para os da Saúde (76% e 72% respectivamente). Surpreendentemente, os pós-graduandos hesitam em se pronunciar de maneira precisa. Para eles existe radioatividade natural no cosmos (80%), mas apenas 61% pensam que exista na nossa galáxia e 31% se abstêm de opinar. Difícil é tentar entender porque os alunos que acham existir radioatividade natural na Terra hesitam em afirmar o mesmo no caso do sistema solar (embora a própria Terra faça parte do sistema solar e embora o Sol seja considerado uma gigantesca bomba atômica), ou no caso do cosmos cuja idade é determinada pela presença de urânio nas galáxias mais distantes. Há nesta atitude uma falta de coerência, característica dos alunos menos treinados a fazer correlações do que a responder perguntas de múltipla escolha onde as respostas mais óbvias são consideradas pegadinhas. De qualquer maneira esta atitude caracteriza um conhecimento pouco seguro do assunto tratado, fazendo com que nosso público mais esclarecido não se diferencie muito do público leigo ao qual fizemos alusão no final da Introdução. Finalmente, embora a pergunta 3 do formulário esteja se referindo à radioatividade natural e embora isto tenha sido enfatizado quando da entrega dos questionários e no próprio formulário ao imprimir a palavra natural em negrito, não há como saber se as respostas dos alunos se referem efetivamente à radioatividade natural e não à ações antrópicas que resultaram nas explosões de bombas atômicas, na construção de centrais nucleares ou na contaminação ambiental devido a acidentes nucleares ou à estocagem de rejeitos nucleares (o assim chamado lixo atômico ). Se isto tem sido o caso, as respostas e suas análises desviariam muito do objetivo da pergunta que era de avaliar a percepção da existência da radioatividade não ligada a atividades humanas Das Aplicações da Radioatividade Desde o fim da IIª Guerra Mundial, a radioatividade tem sido associada às bombas atômicas e à produção de energia elétrica em usinas nucleares. Por outro lado, a alta incidência de câncer põe uma grande fatia da população em contato com técnicas de radioterapia. Esperar-se-ia, então, que estas três aplicações fossem as mais freqüentemente citadas pelo nosso 85

9 Tabela 4. Das aplicações da radioatividade, valores numéricos de respostas afirmativas por orientação e percentuais por grupo. Os itens e valores em itálicos não são aplicações nucleares. item Bio 41 Enf 49 Far 27 Fís 20 Med 92 Nut 1 Odo 16 Psi 1 Vet 30 BM 12 CA Totais percentuais 49 Saú Exa Grad PG Geral Energia ,8 90,9 94,2 95,1 94,4 RX ,3 89,8 94,2 91,8 93,8 Tratamento doenças ,6 90,9 92,8 93,4 92,9 Diagnóstico doenças ,6 88,6 91,3 86,9 90,5 Armamento ,9 83,0 87,7 95,1 89,1 Física ,8 92,0 89,2 82,0 87,9 Química ,5 90,9 84,5 85,2 84,6 Tomografia ,4 75,0 78,7 73,8 77,8 Análise laboratorial ,7 76,1 76,5 63,9 74,3 Bioquímica ,1 78,4 75,5 68,9 74,3 Biologia ,1 80,7 70,8 72,1 71,0 Imunologia ,7 63,6 66,4 62,3 65,7 Telecomunicações ,2 65,9 66,8 52,5 64,2 Navegação espacial ,3 50,0 62,5 47,5 59,8 Forno micro-ondas ,5 68,2 58,8 41,0 55,6 Navegação submarina ,2 40,9 46,6 45,9 46,4 Telefonia Celular ,6 65,9 47,3 34,4 45,0 Conservação alimentos ,8 60,2 41,5 47,5 42,6 Fisiologia ,9 56,8 41,2 37,7 40,5 Metalurgia ,3 39,8 40,8 32,8 39,3 Navegação marítima ,7 30,7 22,4 39,3 37,3 Envelh. objetos de arte ,2 18,2 21,7 19,7 21,3 Pára-raios ,5 20,5 19,1 19,7 19,2 Benef. pedras preciosas ,7 18,2 14,4 19,7 15,4 Relojoaria ,3 10,2 13,7 16,4 14,2 Outros ,2 6,8 5,1 8,2 5,6 Benef. de vinho ,2 3,4 3,2 9,8 4,4 Bio: Ciências Biológicas, Enf: Enfermagem, Far: Farmácia, Fís: Física, Méd: Medicina, Nut: Nutrição, Odo: Odontologia, Psi: Psicologia, Vet: Medicina Veterinária; BM: Mestrado em Biologia Marinha (PGBM) e CA: Mestrado em Ciência Ambiental (PGCA); Saú: área da Saúde (graduação); Exa: área das Exatas (graduação); Geral: Total Geral; Benef.: beneficiamento; Envelh.: envelhecimento. público-alvo. Isto é verdade apenas entre os alunos da Pós-Graduação em Ciência Ambiental (PGCA). Analisando os dados contidos na Tabela 4, observa-se que a área energética é a mais citada, por 94,4% do conjunto dos entrevistados. As armas nucleares, porém, ficam apenas em quinto lugar, com 89,1%, após o diagnóstico de doenças 4º lugar com 90,5%, o tratamento de doenças 3º lugar com 92,9% e, surpreendentemente, os RX 2º lugar com 93,8%, quase empatado com a produção de energia! Este erro fundamental (veja nota 2) é geral, sendo ligeiramente mais freqüente nas graduações (94,2%, 1º lugar) do que nas PG (91,8%, 4º lugar) e também entre os alunos da área da Saúde (96,3%, 1º lugar) do que entre os alunos das Exatas (89,8%, 5º lugar). Preocupante mesmo são os 90% dos alunos da Física que reconhecem os RX como uma aplicação nuclear. A confusão se explica talvez pelo fato dos RX serem radiações ionizantes à imagem das radiações nucleares. Já a tomografia computadorizada, que é meramente uma sofisticação da aplicação de RX, aparece só no 8º lugar, com cerca de 78%. Outra incoerência! Entre as ciências básicas, a Física aparece em 1º lugar do total geral com 87,9%, seguida da Química (84,6%), Bioquímica (74,3%), Biologia (71,0%), Imunologia (65,7%) e, menos lembrada, a Fisiologia com apenas 40,5%. Esta situação se altera nas PG onde a Química (85,2%) passa na frente da Física (82,0%). Já na área das Exatas, a Física e a Química (esta empatada com Energia e Tratamento de Doenças) conquistam os 1º e 2º lugares, respectivamente com 92 e 90,9%. Tecnologias contemporâneas parecem associadas à radioatividade no imaginário dos estudantes universitários. Assim, as telecomunicações (64,2%), os fornos de microondas (55,6%) e a telefonia celular (45,0%) são erroneamente aceitas como aplicações nucleares, talvez por que todas sejam tidas como emissoras de radiação. Há nisto, claramente, uma confusão quanto ao significado da palavra radiação, confusão esta que se encontra também na imprensa. Lembraremos aqui que nem toda radiação é de origem nuclear, mas que toda onda eletromagnética é uma radiação, seja ela onda de rádio, telefonia, televisão, infravermelho, luz visível, ou ultravioleta. 86

10 item Tabela 5. Dos Testes Nucleares e da posição dos Movimentos Ecológicos: número de respostas e percentuais por grupo. Enf 24 Far 6 Fís 9 Med 51 Odo 3 Psi 1 Vet 26 BM 3 CA Totais percentuais 16 Saú Exa Grad PG Geral Testes Nucleares erro ,4 46,7 51,6 57,9 52,5 opinião dividida ,0 40,0 39,2 31,6 38,1 sem opinião ,6 13,3 9,2 10,5 9,4 Movimentos Ecológicos são contra ,5 60,0 69,2 73,7 69,8 não sei ,7 20,0 25,8 15,8 24,5 outra posição ,8 20,0 5,0 10,5 5,7 A diferença das radiações nucleares é que estas são capazes de ionizar a matéria por onde elas passam, originando efeitos físicos, químicos e biológicos. Esta associação espontânea das tecnologias avançadas com a radioatividade (um símbolo do moderno) ainda se observa nas respostas relativas às navegações espacial, submarina e marítima. Em todos os grupos de estudantes das graduações, PG, das áreas da Saúde ou das Exatas, a navegação espacial é mais citada (~60%) do que a navegação submarina (46,4%) que é mais lembrada que a marítima (37,3%), muito embora satélites, submarinos, porta-aviões e navios quebragêlo usem motores nucleares para sua propulsão. Algumas aplicações nucleares são praticamente ignoradas entre os estudantes universitários entrevistados. É o caso do beneficiamento de pedras (semi)- preciosas, a fabricação de pára-raios e a produção de mostradores de relógios. Por outro lado, as sugestões erradas beneficiamento de vinhos e envelhecimento de objetos de arte não atraíram muitos alunos. Raros são os alunos indicando outras aplicações, e nestes casos são citadas as técnicas de datação arqueológicas com carbono-14 (Fís,Med), o uso de traçadores na pesquisa básica ou na medicina (Bio), a esterilização de seringas e equipamentos cirúrgicos (Far), ou o uso de isótopos como ferramenta geoquímica (PGBM). Ninguém cita a ativação neutrônica. O caso da conservação de alimentos merece comentários. Menos de 43% dos estudantes apontam esta técnica como uma aplicação nuclear, embora ela o seja. Os acertos são maiores nas PG (47,5%) do que nas graduações (41,5%), sendo que os alunos das Exatas estão muito melhor informados a respeito (60,2%) do que os alunos da Saúde (32,8%). Isto pode em parte ser o reflexo de uma matéria apresentada num canal de televisão, na época em que algumas turmas fizeram o teste, e que enfatizou a irradiação de alimentos dando, inclusive, uma série de informações erradas ou distorcidas. Esta matéria, pelo seu conteúdo, deve ter atraído principalmente um público interessado em ciências básicas, o que pode justificar esta grande discrepância entre alunos da Saúde e das Exatas. Entre os alunos da Saúde, os graduandos em Medicina Veterinária se destacam, com 70% de acertos, provávelmente em razão da existência de uma disciplina de Tecnologia de Alimentos que aborda a conservação de alimentos pela irradiação com 60 Co. Como se comportaram nesta pergunta a turma de alunos da PG em Ciência Ambiental, sendo ela a única turma multidisciplinar a participar da pesquisa? Os mestrandos do PGCA foram os únicos a citar Energia, Armamento e Tratamento de doenças como as três principais aplicações nucleares. No resto, não se diferenciaram sensivelmente do conjunto. É possível que no final do mestrado esta situação seja diferente Dos Testes Nucleares Um número menor de estudantes participou desta parte da pesquisa: foram 139 alunos distribuídos entre graduação (120 alunos, 86,3%) e PG (19, 13,7%). O grupo das Exatas é composto de 15 alunos, sendo 6 da Farmácia e 9 da Física; o grupo da Saúde é muito maior, 105 alunos, pertencentes às graduações em Enfermagem (24), Medicina (51), Odontologia (3), Psicologia (1) e Medicina Veterinária (26). A PGBM participou com apenas 3 alunos e a PGCA com 16. A Tabela 5 (parte superior) apresenta a quantificação das respostas dadas à pergunta : Alguns países voltaram a fazer testes nucleares. O que você acha a respeito disto? Mais da metade (52,5%) se posiciona contra os testes nucleares e 38,1% têm uma opinião dividida; 9,4% não se define. Nas PG, a rejeição é maior ainda: 57,9%. Comparando as áreas da Saúde e das Exatas, embora estes dois grupos sejam muito desproporcionais, observa-se, como esperado, uma menor rejeição por parte dos alunos das Exatas (46,7%) contra 52,4% do grupo da Saúde. Esta postura é liderada pela Física. Entre as opiniões contrárias, lê-se que os testes nucleares são desnecessários (Med,Psi), perigosos 87

11 (Enf,Fís,Med,Vet,PGBM,PGCA), maléficos (Enf,Med, Vet,PGCA), que eles causam danos ao meio ambiente (todos), provocam desigualdade entre as nações (Med, Vet,PGCA), que constituem uma ruptura de acordos internacionais para suspensão de testes (Enf) ou de não-proliferação de armas nucleares (Med) e, por fim, que visam o poder econômico (Vet,PGCA), político e militar (Enf,Med,Vet,PGCA). São crimes ecológicos (Fís) horríveis (Vet). Resumindo, as opiniões contrárias expressam o medo, uma preocupação ambiental, bem como posturas sócio-políticas. Os argumentos a favor citam os benefícios advindos do domínio tecnológico (Enf, Fís, Med, Odo,Vet,PGCA) e de aplicações únicas (Enf,Med), oferecendo uma alternativa energética para o futuro (Vet), conquistas na medicina e na saúde em geral (Enf,Med,Vet), sendo isto tudo importante para o desenvolvimento de um país (Fís,Med). Testes nucleares só são aceitos se forem subterrâneos (PGCA), absolutamente seguros (todos), se não apresentarem perigo para o meio ambiente e a vida em geral (todos), se informarem corretamente o público leigo (Med) e se não forem feitos com o intuito de desenvolver armas nucleares (todos). Claramente, o nuclear suscita atitudes muito divergentes que parecem estar ligadas ao próprio paradoxo da radioatividade que tanto mata quanto cura Dos Movimentos Ecológicos O mesmo elenco de 139 alunos respondeu ainda à pergunta: O que você sabe da posição dos movimentos ecológicos a respeito do assunto radioatividade? A apuração das respostas aparece na Tabela 5 (parte inferior). Quase 70% declararam que os movimentos ecológicos têm posição contrária ao uso da energia nuclear quer seja bélico ou pacífico. Um quarto (24,5%) não sabe do assunto e menos de 6% apresentam opiniões diferentes, principalmente os alunos da Física. Nas PG, um maior percentual de alunos conhece a posição contrária dos movimentos ecológicos à radioatividade (73,7%) e um número menor (15,8%) não opina. Os movimentos ecológicos são qualificados de informados ou pacifistas (PGCA) pelos que os apóiam e de mal informados (PGBM), radicais (Enf,Med,Vet) extremistas (Med) e até de histéricos (Enf) pelos que não apoiam suas idéias e/ou métodos. Diz-se deles que militam pelo uso racional e contra o uso impróprio da energia nuclear (Enf,Med,Vet), o que já resultou em legislação mais adequada (Med). Os movimentos ecológicos estão preocupados com o lixo (Far, Vet, PGBM,PGCA), vazamentos (Enf,Fís,Med), explosões (PGCA) e querem conscientizar a população (Enf, PGBM). Por outro lado, os opositores sustentam que tais movimentos fazem acreditar que só há riscos (Fís, Med), mas conclui-se que se o uso do nuclear for inevitável (PGBM), será necessário responsabilizar as indústrias e os governos (Med) pelo gerenciamento de tudo o que envolve o uso da radioatividade e pelos eventuais acidentes que possam advir deste uso. De maneira geral, os movimentos ecológicos têm a simpatia do público universitário entrevistado. 5. CONCLUSÕES Este estudo mostra que o público de estudantes de nível superior, escolhido como público mais esclarecido, não se distingue muito do público leigo quando o assunto é radioatividade. Aliás, muitos alunos, se consideram absolutamente leigos na matéria. Em geral, a fonte de informações invariávelmente citada, o ponto de referência do saber, é a imprensa: jornais, televisão, revistas. Nunca uma aula, um livro ou uma revista de divulgação científica! Considerando que os jornalistas, incluindo os de colunas científicas, não costumam ter uma boa formação em ciências, o valor científico e a credibilidade das informações veiculadas na imprensa é no mínimo questionável, principalmente pela falta de comprovação das matérias publicadas. Raramente os alunos se referem aos seus conhecimentos adquiridos nos bancos da escola ou da faculdade, deixando transparecer uma profunda dicotomia entre os estudos e o que se aproveita deste saber no dia-a-dia. Uma aluna da Medicina se conscientizou disto ao declarar: Alías, me confundi agora! Não sei se toda radioatividade está relacionada ao núcleo do átomo! Estou com vergonha, me lembro de ter estudado isto bem...(sic)... mas esqueceu. Não há, nestas condições, de se estranhar que o sentimento que domina quanto à radioatividade seja o preconceito. De fato, como afirma a mesma aluna: Somos levados, de um ponto de vista sócio-cultural, a encarar a radioatividade como causadora de malefícios. Daí os 62% de rejeição à radioatividade apurados nesta pesquisa. Contudo, só 7% dos alunos de graduação e 10% de PG sabem definir o tema, embora 27% declarem saber a definição. Tem-se uma idéia tão errada da radioatividade que 94% dos alunos consideram os RX como aplicação nuclear! Idem para tomografia, telecomunicações, telefonia celular e até forno micro-ondas, mas o armamento nuclear é citado por apenas 89% dos estudantes, embora seja um dos maiores temores confessos. Em geral, os alunos da 88

12 área das Exatas fornecem respostas mais corretas e/ou menos emotivas que os alunos da área da Saúde. A existência da radioatividade natural na Terra, no Sistema Solar e no Cosmos é aceita, mas é associada principalmente ao meio sólido, o solo ou os planetas. Ar, águas, mares, espaço intersideral são bem menos citados. Testes nucleares são aceitos, na condição que sejam subterrâneos e absolutamente seguros para o meio ambiente e para as diversas formas de vida. Este parece ser um ponto crucial e que resulta provávelmente do trabalho desenvolvido pelos movimentos ecológicos. Não há dúvida de que as explosões das bombas atômicas no final da II Guerra Mundial, o acidente nuclear de Tchernobil na Ukrânia (ex União Soviética), em 1986, e o acidente radiológico de Goiânia, no ano seguinte, contribuíram sobremaneira para a desconfiança, o preconceito e a rejeição de tudo o que tange à radioatividade. Diante da escassez mundial de energia e face ao esgotamento progressivo dos lençóis de petróleo, é provável que dentro de umas duas décadas, não haverá outra alternativa a não ser o uso mais intenso da energia nuclear. Há de se de vencer os medos e os preconceitos. Ao nosso ver, a aceitação do nuclear está condicionada a três ações essenciais: a. fazer intensas campanhas de esclarecimento do público em geral visando a absoluta transparência da qual todos sentem falta; b. dar garantias absolutas quanto ao manejo dos rejeitos nucleares, à proteção ambiental e à preservação de todas as formas de vida; e c. introduzir o ensino obrigatório de noções básicas de radioatividade, abordando propriedades físico-químicas, efeitos biológicos da radiação, radioproteção e aplicações nucleares. Não se teme o que se conhece bem. Como dizia K.Z. Morgan: Não se deve temer a radiação e sim respeita-la. 6. AGRADECIMENTOS A todos os alunos das graduações em Ciências Biológicas, Enfermagem, Farmácia, Física, Medicina, Medicina Veterinária, Odontologia, Nutrição e Psicologia e alunos das pós-graduações em Biologia Marinha e Ciência Ambiental da Universidade Federal Fluminense que contribuíram para esta pesquisa. 89

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá!

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá! Manual do aluno Sumário ÍCONES ORGANIZADORES... 3 EMENTA... 4 Objetivo do curso... 5 Público-alvo... 5 Pré Requisitos... 5 Carga-horária... 6 Dicas para estudo... 6 Exercícios de fixação e Avaliação...

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 16

8ª série / 9º ano U. E. 16 8ª série / 9º ano U. E. 16 Radiação O dicionário de física descreve radiação como: Designação genérica da energia que se propaga de um ponto a outro do espaço, no vácuo ou em um meio material, mediante

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Questionário Linha de Base: Educadores Estado: Cidade: Nome Pesquisador: Sala N : Professor N : [Estes dados devem ser preenchidos pelo pesquisador] Boas vindas Caro(a) Educador(a): O objetivo deste questionário

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio Ambiente 4 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURAIS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando,

Leia mais

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA Elizabeth Cristina Tavares Veloso 1, Juracy Regis de Lucena Junior 2. 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas Biofísica 1 Ondas Eletromagnéticas Ondas Ondas são o modo pelo qual uma perturbação, seja som, luz ou radiações se propagam. Em outras palavras a propagação é a forma na qual a energia é transportada.

Leia mais

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1 Rosa de Hiroshima Ney Matogrosso Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam

Leia mais

Guia do Professor Distribuição de água no planeta

Guia do Professor Distribuição de água no planeta Guia do Professor Distribuição de água no planeta Introdução Sempre se ouviu falar que o nosso planeta deveria se chamar Planeta Água e não Planeta Terra. Esta idéia deriva da visualização da Terra do

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

Química. Prof. Arilson. Aluno(a):

Química. Prof. Arilson. Aluno(a): Produção de energia Projeções indicam que até 2050 o consumo de energia terá um aumento de 160%.Uma das possíveis opções para solucionar esse problema de produção de energia é a utilização da energia nuclear.existem

Leia mais

Brasília abril / 2006

Brasília abril / 2006 O que pensam, sobre meio ambiente, o(a)s aluno(a)s do ensino fundamental do Espírito Santo que participaram do processo de seleção do(a)s delegado(a)s para a II Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA REGIMENTO PARA PARTICIPAR DA FEIRA DE CIÊNCIAS N.º 001/2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Treinamento de Crise: simulações para lidar com situações reais

Treinamento de Crise: simulações para lidar com situações reais POP 2008 Relações Públicas na Gestão de Crise Resumo Treinamento de Crise: simulações para lidar com situações reais Bayer CropScience Desafio Preparar executivos para agir de forma organizada, ágil e

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação

http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação Profa. Katia Aquino http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação Radiação ionizante Arranca elétrons da matéria não ionizante Excitação da matéria partícula http://blogtecrad.blogspot.com/2010_09_01_archive.html

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

Informativo de Segurança e Saúde

Informativo de Segurança e Saúde Informativo de Segurança e Saúde 03/2010 Introdução: O Grupo Técnico de Estudos de Espaços Confinados GTEEC, coordenado pela CPFL Energia e ligado ao Comitê de Segurança e Saúde no Trabalho - CSST da Fundação

Leia mais

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI.

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI. Sumário Introdução 5 Tensão elétrica 6 Eletrização de um corpo 6 Eletrização por atrito 8 Atração e repulsão entre cargas elétricas 9 Potencial elétrico 10 Relação entre desequilíbrio e potencial elétrico

Leia mais

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras;

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras; Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Pesquisas de opinião pública;!

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA RAIOS-X + MATÉRIA CONSEQUÊNCIAS BIOLÓGICAS EFEITOS DAZS RADIAÇÕES NA H2O A molécula da água é a mais abundante em um organismo biológico, a água participa praticamente

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Projeto Escola Solar

Projeto Escola Solar Projeto Escola Solar Projeto Escola Solar Por Walder Antonio Teixeira Introdução O que vem a ser uma Escola Solar? Demos o nome de Escola Solar para o nosso projeto, pois utilizamos a prática com energia

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial.

Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Radioatividade II e Energia Nuclear Meia-vida Tempo necessário para que a atividade radioativa de uma amostra seja reduzida à metade da atividade inicial. Meia-vida Tempo necessário para que a atividade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS EXPERIMENTAIS PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS EXPERIMENTAIS PARA O ENSINO DE QUÍMICA A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS EXPERIMENTAIS PARA O ENSINO DE QUÍMICA Juciery Samara Campos de OLIVEIRA 1 ; João Lopes da SILVA NETO 2 ; Thayana Santiago MENDES 3 ; Raquel de Lima PEREIRA 4 ; Luciene Maria

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE?

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - POLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL PROFESSORA MORGANA BOZZA ALUNAS DA TURMA 71 DA ESCOLA

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

Espectometriade Fluorescência de Raios-X

Espectometriade Fluorescência de Raios-X FRX Espectometriade Fluorescência de Raios-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro FEG Conceito A espectrometria de fluorescência de raios-x é uma técnica não destrutiva que permite identificar

Leia mais

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Área Responsável Implantação Preparado por: Leonardo Moulin Franco 27 de maio de 2009 Revisão 00 TABELA DE REVISÃO DESTE MANUAL REVISÃO

Leia mais

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS Meio Ambiente Tudo que está a nossa volta: todas as formas de vida e todos os elementos da natureza. Ecologia Ciência que estuda a relação dos seres vivos

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro?

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro? Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Serviços de qualidade;! Pesquisas

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE D I R E T O R I A D E S A Ú D E 05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE Em 05 de Junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente e nesse ano o foco está voltado para as Mudanças Climáticas com o tema

Leia mais

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS GOVERNO DE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL NAIR PALÁCIO DE SOUZA NOVA ANDRADINA - MS PROJETO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS 1.TÍTULO: Projeto Óleo e água não se

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ED Comunicação e Expressão /2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 2 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES Resumo Angelita Ribeiro da Silva angelita_ribeiro@yahoo.com.br O tema do trabalho foi Raios, Relâmpagos e Trovões. Os alunos investigaram como se dá a formação dos três fenômenos.

Leia mais

NOME COMPLETO DA SUA INSTITUIÇÃO. Nome completo do integrante A Nome completo do integrante B Nome completo do integrante C

NOME COMPLETO DA SUA INSTITUIÇÃO. Nome completo do integrante A Nome completo do integrante B Nome completo do integrante C NOME COMPLETO DA SUA INSTITUIÇÃO Nome completo do integrante A Nome completo do integrante B Nome completo do integrante C TÍTULO DO TRABALHO: subtítulo, se houver Santa Rita do Sapucaí 2015 Nome completo

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

Resultados da Pesquisa sobre Lixo Eletrônico

Resultados da Pesquisa sobre Lixo Eletrônico Autores: Mayara Zago Munaretto Fernando dos Santos Sobre a pesquisa UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC Resultados da Pesquisa sobre Lixo Eletrônico No mês de junho de 2012, foi aplicado um

Leia mais

ITelefonia celular CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA

ITelefonia celular CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA I CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA e Apresentação O Brasil tem hoje duas vezes mais telefones celulares do que fixos. Essa preferência do consumidor pela telefonia móvel tem boas razões: o preço dos aparelhos,

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos A RADIAÇÃO IONIZANTE O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos Palestra introdutória Curso de Física da Radiação I -2004/1 Resp.: Prof. Stenio Dore O que é radiação? Def. abrangente: É o transporte

Leia mais

O USO DO SIMULADOR ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA BÁSICO PARA O ENSINO DE QUÍMICA

O USO DO SIMULADOR ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA BÁSICO PARA O ENSINO DE QUÍMICA O USO DO SIMULADOR ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA BÁSICO PARA O ENSINO DE QUÍMICA Mariane Gama NABIÇA 1 mariane_gama@hotmail.com Davi Henrique Trindade AMADOR 1 henriquetrindade9@yahoo.com.br 1 Universidade

Leia mais

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros.

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros. PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1 INSTRUÇÕES Existem diferenças entre um Curso Programado ou Programa em Instrução Programada e um livro - texto comum. A primeira diferença é que o material se apresenta

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 1. Conceituar a Contabilidade Ambiental; 2. Definir Meio Ambiente 3. Citar as finalidades da Contabilidade Ambiental; 4. Conhecer a evolução histórica; 3

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS DADOS DA SEPARAÇÃO DO VESTIBULAR PARA AS HABILITAÇÕES DA ENGENHARIA NA UFF

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS DADOS DA SEPARAÇÃO DO VESTIBULAR PARA AS HABILITAÇÕES DA ENGENHARIA NA UFF ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS DADOS DA SEPARAÇÃO DO VESTIBULAR PARA AS HABILITAÇÕES DA ENGENHARIA NA UFF Maria Helena Campos Soares de Mello - helenamello@yahoo.com.br Universidade Federal Fluminense Dep. de

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL Danilo Coutinho da Silva Bacharel e Licenciado em Geografia - UFPB danilogeog@hotmail.com INTRODUÇÃO A Educação Ambiental (EA) deve

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto

O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto Ciências da Comunicação: Jornalismo, Assessoria e Multimédia O consumo de conteúdos noticiosos dos estudantes de Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto Metodologia da Investigaça

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

PESQUISA MAIORIDADE PENAL

PESQUISA MAIORIDADE PENAL PESQUISA MAIORIDADE PENAL OBJETIVOS Entender o pensamento da população do Rio sobre a redução da maioridade penal; Saber se ela é favorável a mudança das penalidades aplicadas ao menor infrator; Buscar

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR

EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR A radioatividade e as radiações ionizantes não são percebidas naturalmente pelos órgãos dos sentidos do ser humano, diferindo-se da luz e do calor. Talvez seja por isso que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE DOCENTE RESPONSÁVEL : MARIA LUIZA TONUSSI DE OLIVEIRA

PLANO DE TRABALHO DOCENTE DOCENTE RESPONSÁVEL : MARIA LUIZA TONUSSI DE OLIVEIRA COLÉGIO ESTADUAL BARBOSA FERRAZ Ensino Médio, Normal e Profissional Rua Rio Grande do Sul, 1200 Centro - Telefone: (43) 3472-5009 www.colegiobarbosa.com.br e.mail: colbarbosa@ig.com.br CEP: 86870-000 -

Leia mais

Lixo na escola: Educação ambiental e a Sustentabilidade escolar

Lixo na escola: Educação ambiental e a Sustentabilidade escolar Lixo na escola: Educação ambiental e a Sustentabilidade escolar E.M. Jenny de Andrade Faria Patrícia Mara Nunes de Souza Mariele Rosa Introdução Dentre os reflexos do consumo exagerado, e quase sempre

Leia mais

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você conhecerá mais sobre a regulamentação que trata da exposição

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA Gestão de Carreira Gestão de Carreira é um dos temas que mais ganhou destaque nesta última década,

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

Lição 3. Instrução Programada

Lição 3. Instrução Programada Lição 3 É IMPORTANTE A ATENTA LEITURA DAS INSTRUÇÕES FORNECIDAS NAS LIÇÕES 1 e 2. NOSSO CURSO NÃO SE TRATA DE UM CURSO POR COR RESPONDENCIA; NÃO NOS DEVERÃO SER MAN- DADAS FOLHAS COM AS QUESTÕES PARA SEREM

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN.

A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN. Eixo temático: Educação e Ciências Exatas e Naturais A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN. Daniella Regina Arantes Martins

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

Análise de dados da Pesquisa Espontânea sobre Aquecimento Global 1º semestre de 2010

Análise de dados da Pesquisa Espontânea sobre Aquecimento Global 1º semestre de 2010 Análise de dados da Pesquisa Espontânea sobre Aquecimento Global 1º semestre de 2010 Foi realizada entre os dias 4 e 19 de maio uma pesquisa sobre aquecimento global em cinco municípios da Grande Vitória:

Leia mais

MEDIDAS PREVENTIVAS PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES

MEDIDAS PREVENTIVAS PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES MEDIDAS PREVENTIVAS PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES Autores Antônio Alexandre Franco Thomaz Élson Lourenço Bomfim Inaldo Nóbrega da Cunha Filho PREMIUM CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO LTDA RESUMO No setor elétrico,

Leia mais

PESQUISA DE IMAGEM DO TCE GO SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA

PESQUISA DE IMAGEM DO TCE GO SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIAS PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO CONTROLE EXTERNO PROMOEX PESQUISA DE IMAGEM DO TCE GO SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA PESQUISA QUANTITATIVA NOVEMBRO / DEZEMBRO / 2010

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos

Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos 15 2. METODOLOGIA CIENTÍFICA Metodologia científica é a disciplina que estuda os caminhos do saber, aonde método significa caminho, logia estudo e ciência saber. De forma simplificada, então, a metodologia

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule -2012 UFBA UFBA - 2ª - 2ª FASE 2012 Questão 01 Ilustração esquemática (fora de escala) da formação da grande onda Em 11 de março de 2011, após um abalo de magnitude 8,9 na escala Richter, ondas com amplitudes

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Evolução da ideia do átomo 1) Partícula maciça, indivisível e indestrutível; 2)

Leia mais