A Utilização do GPS em Sistemas de Aviso e Alerta em Grandes Barragens de Aterro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Utilização do GPS em Sistemas de Aviso e Alerta em Grandes Barragens de Aterro"

Transcrição

1 A Utilização do GPS em Sistemas de Aviso e Alerta em Grandes Barragens de Aterro Laura Caldeira, João Casaca, João Bilé Serra, Maria João Henriques e Nuno Lima Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa, Portugal RESUMO: A observação de barragens de aterro baseia-se, entre outras, na medição periódica, a longo prazo, de pequenos movimentos estruturais. Recentemente têm surgido novos sistemas de medição dos movimentos tridimensionais, alguns deles capazes de fornecer dados contínuos quase em tempo real. Entre estes, salienta-se o sistema de posicionamento global (GPS), o qual elimina a dependência da linha de visada das campanhas de observação e permite a medição de maiores áreas e de um número mais elevado de pontos. Na presente comunicação apresentam-se as condições de aplicação deste tipo de sistemas na monitorização de situações extremas ou de emergência, designadamente, em sistemas de aviso e alerta de grandes barragens de aterro. PALAVRAS-CHAVE: Estação permanente, Global Positioning System (GPS), Barragens de aterro, Sistemas de Aviso e Alerta. 1 INTRODUÇÃO A observação de barragens de aterro baseia-se, entre outras, na medição periódica, a longo prazo, de pequenos movimentos estruturais. As frequências de observação são estabelecidas em função da importância relativa dos dados dos equipamentos em termos de segurança da estrutura e da fase de vida da barragem. Em barragens de aterro de grande dimensão ou de elevado risco potencial, a observação começa no início da construção para validação das hipóteses consideradas na fase de projecto. Prossegue durante as fases de primeiro enchimento, para determinação da resposta da estrutura ao carregamento inicial, ou de esvaziamento rápido, para avaliação das condições de estabilidade. Na fase de exploração distinguem-se dois períodos de observação, aos quais correspondem exigências diferenciadas. No primeiro período de exploração (em geral, de 5 anos após o primeiro enchimento) os resultados de observação são utilizados na constituição de uma base de dados e a sua análise permite revelar tendências de desempenho estrutural e calibrar os modelos de cálculo utilizados no dimensionamento e na previsão do comportamento da barragem. No restante período de exploração, serve para proceder à avaliação da segurança com base na comparação dos resultados obtidos com os registados previamente em condições semelhantes ou em modelos de comportamento devidamente calibrados. Recentemente têm surgido novos sistemas de medição dos movimentos tridimensionais, alguns deles capazes de fornecer dados contínuos quase em tempo real, os quais podem ser recolhidos num computador local ou transmitidos directamente para qualquer outra localização. Entre estes, salienta-se o sistema de posicionamento global (GPS). A utilização destes sistemas pode vir a influenciar, não apenas a quantidade e a fiabilidade da informação disponível, mas também as técnicas de pós processamento correntemente empregues. Idealmente estes sistemas devem possuir as seguintes características: durabilidade e robustez comprovadas, simplicidade de utilização e de manutenção, fornecimento de conjuntos de dados fiáveis e regulares e uma intervenção mínima de pessoal técnico para leitura dos equipamentos. Deve igualmente ser tida em conta a segurança do equipamento relativamente a roubos ou a actos de vandalismo. O GPS constitui um método de monitorização tridimensional, que elimina a dependência da linha de visada das campanhas

2 de observação e permite a cobertura de maiores áreas e de um número mais elevado de pontos. Com este sistema, as estratégias de observação variam desde a ocupação esporádica dos pontos de observação à recolha contínua de dados gravados, através de receptores GPS permanentemente instalados. O sucesso de qualquer sistema de observação GPS depende do ambiente de observação. Quer a geometria dos satélites quer o ruído não modelado são um problema na observação das barragens, onde os pontos de observação tendem a ser adjacentes a paramentos, restringindo a visibilidade dos satélites e ampliando os erros de multitrajecto. A monitorização contínua é presentemente apenas viável num pequeno número de pontos, devido ao elevado custo associado à sua instalação (permanência em cada ponto de observação de um receptor GPS, de uma antena e de uma ligação para comunicação). É utilizada, como complemento útil de sistemas de observação convencionais, na materialização da componente relativa ao processo de identificação de circunstâncias anómalas, a incluir nos sistemas de aviso e alerta dos Planos de Emergência das barragens de aterro. Em zonas de forte sismicidade, a rede GPS poderá ainda ser utilizada para a observação da estabilidade da área envolvente da albufeira e para verificar e actualizar as posições dos pontos fixos das redes tradicionais. Para a sua utilização devem ser ponderados factores como as dificuldades de acesso às barragens depois da ocorrência de eventos extremos, bem como a necessidade de observação contínua em situações de emergência. 2 OS SISTEMAS DE ALERTA O Capítulo do Regulamento de Segurança de Barragens (RSB, 1990), intitulado Medidas de Protecção Civil, exige o estabelecimento de medidas especiais com vista à protecção de pessoas e bens em caso de acidentes em barragens. As medidas compreendem o estudo de ondas de inundação resultantes de eventuais acidentes (com a determinação das zonas inundáveis e das respectivas alturas máximas de água e do tempo de chegada) e a elaboração de uma carta de riscos, que servirá de base à definição das estratégias de protecção em diferentes zonas. Complementarmente, impõe a elaboração de um Plano de Emergência e o estabelecimento de um sistema de aviso directo às populações potencialmente afectadas pela onda de inundação e de alerta às entidades intervenientes na gestão de emergência. Em fase posterior à aprovação do referido regulamento, o Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil e o Instituto da Água propuseram a diferenciação de dois tipos de Planos de Emergência complementares: (i) o Plano de emergência Interno (PEI), relativo à barragem e às suas condições de segurança e (ii) o Plano de Emergência Externo (PEE), referente à protecção de pessoas e bens localizados no vale a jusante da barragem, potencialmente afectados por uma onda de cheia induzida por um acidente ocorrido com a barragem. O PEI deve conter: (i) um conjunto de procedimentos relativos à monitorização meteorológica e à observação estrutural e hidráulica da barragem, com vista à identificação de ocorrências excepcionais ou de circunstâncias anómalas; (ii) as medidas de contingência a implementar em situações anómalas, incluindo a definição da cadeia de decisão e dos recursos necessários; e (iii) o sistema de aviso à população no vale nas imediações da barragem e de alerta ao centro operacional de protecção civil. O PEE deve contemplar o inventário dos meios e recursos disponíveis e os procedimentos a seguir pelo Sistema de Protecção Civil, com vista a garantir a segurança de pessoas e bens. À ocorrência das causas e à subsequente geração e desenvolvimento dos cenários de rotura de natureza estrutural estão, quase sempre, associadas variações anormais de deslocamentos superficiais. Deste modo, a monitorização contínua através de redes GPS deverá ser equacionada no contexto da elaboração do PEI, numa primeira fase, como meio de identificação de ocorrências excepcionais ou de circunstâncias anómalas e, em fase posterior, acoplado a sistemas de aviso e alerta adequados.

3 A sua monitorização contínua permite a identificação atempada de um eventual modo de rotura em progressão e o estabelecimento de critérios adequados de alerta, que de outra forma não seriam elegíveis como tal por impossibilidade prática. Os critérios de alerta são os limites de um ou de vários resultados da observação, que, se excedidos, devem desencadear medidas prédeterminadas, de modo a evitarem a ocorrência de danos (Olson et al., 2002). Os limites de alerta devem ser definidos sem ambiguidade, podendo ser estabelecidos em termos de valores absolutos das grandezas observadas, de taxas de variação ou de tendências de variação. Deverão ser criteriosamente seleccionados, de modo a possibilitarem a discriminação dos eventos e a terem em conta a ocorrência de falsos alarmes e de alarmes falhados.os critérios de alerta devem ser definidos a partir do tempo deterioração e do tempo que demora a implementar um ciclo de recuperação (tempo de actuação), o qual inclui a detecção, a interpretação e a análise dos dados de observação, a tomada de decisão e a implementação da acção de contingência ou de emergência. A sua detecção num estágio de desenvolvimento inicial é crucial para permitir que a reabilitação se processe. Em barragens, em Portugal, tem-se vindo a adoptar uma estratégia de planeamento de emergência baseada em quatro níveis de alerta: azul, amarelo, laranja e vermelho. Se os valores observados são inferiores ao nível de alerta azul (alerta interno) zona azul significa que a barragem tem um comportamento adequado e de acordo com o previsto. A excedência deste primeiro nível corresponde a situações de incidente declarado ou previsível, de desenvolvimento muito lento ou inexistente, sem consequências graves no vale a jusante. Quando ultrapassado é recomendável proceder ao aumento das frequências da observação e analisar criteriosamente a respectiva evolução, com vista à tomada de decisões acerca da implementação de acções de contingência. O registo de valores superiores a um nível de alerta amarelo deve corresponder à ocorrência de situações de incidente, presumidamente controladas, de progressão lenta mas evidente, com tempo suficiente para a realização de estudos adequados para apoio à tomada de adequados para apoio à tomada de decisões. Não será de excluir a possibilidade de agravamento da situação e de se produzirem consequências no vale a jusante. As principais medidas a desencadear são a monitorização permanente e a implementação de acções preventivas ou correctivas, incluindo a realização de eventuais trabalhos de reparação e de O reforço. alerta laranja (de rotura iminente) corresponde a uma situação de progressão rápida, geralmente não controlável, com consequências potenciais muito significativas no vale a jusante, na qual se torna imprescindível a aplicação dos procedimentos planeados de acções de contingência, envolvendo a intervenção de entidades exteriores, e o accionamento do sistema previsto de aviso às populações localizadas nas imediações O alerta da barragem. vermelho ou de emergência, corresponde a uma situação de acidente inevitável, para a qual é necessário proceder à evacuação da população em risco. Muitas vezes, devido a insuficiência de dados e/ou à falta de modelos de cálculo adequados, a selecção dos limites de alerta é efectuada com base na experiência comparável e na opinião de peritos. Dadas as incertezas associadas ao seu estabelecimento na fase de projecto, os limites de alerta não devem ser considerados como estáticos e imutáveis, devendo ser actualizados com base nos dados de observação recolhidos ao longo da vida da barragem, sob pena de a sua relevância para a gestão do risco ser anulada. 3 O SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL O GPS foi desenvolvido e é gerido pelo departamento da defesa dos EUA. O segmento espacial do GPS é constituído por uma constelação de 24 satélites artificiais da Terra (existem vários satélites de reserva), distribuídos por seis planos orbitais com uma inclinação de 55º, espaçados de 60º em longitude. Os satélites, que orbitam com um período de 12 horas, a uma altitude média de km, transportam a bordo emissores, receptores, relógios atómicos, computadores, etc. A distribuição espacial dos satélites assegura que, a qualquer instante e em qualquer

4 qualquer local da superfície terrestre, são observáveis, pelo menos, quatro satélites. O segmento de controlo terrestre do GPS é constituído por uma estação de controlo principal situada na base aérea de Schriever, no estado do Colorado, e por cinco estações de monitorização situadas, respectivamente, em Colorado Springs e nas ilhas de Diego Garcia, Ascensão, Kwajalein e Hawaii. As estações de monitorização rastreiam os satélites e acumulam informação, que é enviada para a estação principal, onde é processada. A estação principal controla o estado operacional dos satélites e o tempo dos seus relógios atómicos, determina os seus parâmetros orbitais e fornecelhes efemérides (posições ao longo do tempo) para difusão (broadcast ephemeris) por intermédio de três antenas emissoras situadas nas ilhas de Diego Garcia, Ascensão e Kwajalein. O chamado segmento do utilizador é constituído pelos equipamentos (antenas e receptores/processadores), na posse dos diferentes utilizadores, que recebem e processam os sinais emitidos pelos satélites. Existe uma grande variedade de equipamentos no mercado, a uma grande variedade de preços, destinados a diferentes aplicações. Os satélites do GPS possuem um oscilador muito estável que gera uma frequência fundamental de 10,23 MHz da banda HF, da qual são derivadas duas microondas da banda L, com as frequências 1575,42 MHz (L1) e 1227,60 MHz (L2), que correspondem a comprimentos de onda (CdO) com 19,05 e 24,45 cm, respectivamente, portadoras de mensagens As portadoras codificadas. L1 e L2 transportam três tipos de códigos: o código C/A (Clear Acquisition Code), o código P (Precision Code) e o código D também designado por mensagem de navegação. O código C/A, modulado somente na portadora L1, é aberto a todos os utilizadores. O código P, modulado nas portadoras L1 e L2, é reservado aos utilizadores do USDoD (US Department of Defense). O código D difunde efemérides do satélite, correcções ao tempo atómico do satélite, correcções à velocidade de propagação das microondas, informações sobre as condições operacionais Existem, emdo satélite, diversos etc.. países, organismos públicos e privados que processam, arquivam e disponibilizam informação com interesse para os utilizadores civis do GPS, entre os quais se utilizadores civis do GPS, entre os quais se destaca o IGS (International GPS Service), que recolhe diariamente códigos e fases de todos os satélites GPS observáveis, em mais de 130 estações permanentes distribuídas pelos diversos continentes. Os dados em formato RINEX (Receiver Independent Exchange) são processados em diferentes organismos e os resultados finais são arquivados em formato SINEX (Software Independent Exchange) e podem ser acedidos pela Internet. O IGS calcula efemérides de alta precisão que são disponibilizadas com um atraso de duas semanas. 4 O POSICIONAMENTO RELATIVO COM A FASE DA PORTADORA As posições GPS são relativas a um referencial cartesiano tridimensional terrestre e geocêntrico, isto é, solidário com os movimentos de rotação e translação da Terra e com a origem no seu centro de massa. O referencial tem o eixo dos zz coincidente com o eixo de rotação da Terra e os outros dois eixos no plano do Equador. O eixo dos xx encontra-se orientado positivamente para o meridiano de Greenwich. O posicionamento com o GPS baseia-se na medição das distâncias entre a antena do receptor e, pelo menos, quatro satélites. As distâncias e as posições dos satélites, dadas pelas efemérides, permitem determinar a posição da antena relativamente ao referencial atrás mencionado. Embora teoricamente baste medir apenas três distâncias para três satélites, o facto de os relógios dos receptores serem de quartzo, menos precisos do que os relógios atómicos a bordo dos satélites, obriga à determinação de uma incógnita adicional, o chamado desvio do relógio, para o que se torna necessário observar um quarto satélite. O método desenvolvido inicialmente pelo USDoD para medir as distâncias entre a antena e os satélites é o chamado método do código, baseado nos códigos C/A e P transportados pelas portadoras L1 e L2. Para ultrapassar diversas limitações impostas pelos códigos, os utilizadores civis do GPS desenvolveram um método mais preciso e independente dos códigos: o método da fase.

5 A comparação da onda portadora recebida na estação terrestre com uma sua réplica gerada no receptor permite medir a diferença de fase ( Φ) entre as duas ondas. A distância (S) entre o receptor e o satélite é dada pela soma de um número inteiro (k) de comprimentos de onda (λ) com uma fracção ( Φ/2π) de comprimento de onda. O número inteiro de comprimentos de onda (k), por ser desconhecido, é designado por ambiguidade de ciclo. Na prática, o receptor pode observar um satélite durante um certo intervalo de tempo e medir, com uma frequência de medição elevada (pode chegar a 50 Hz), a diferença de fase e o número de ciclos recebidos desde a primeira medição. Deste modo, as diferenças de fase medidas permitem calcular as distâncias correspondentes, a menos de uma incógnita: a ambiguidade de ciclo inicial. A utilização simultânea de dois receptores permite montar um sistema de equações em ordem às componentes do vector designado por base (baseline) que resulta da diferença entre os vectores posição das duas antenas, em que são eliminadas as incógnitas correspondentes ao desvio do relógio (uma por cada receptor) e à ambiguidade de ciclo inicial (duas por cada satélite observado). Se as duas estações terrestres não estiverem muito afastadas, alguns dos erros de observação, em particular, os erros devidos à propagação das portadoras na troposfera, anulam-se e as componentes da base definida pelas estações são determinadas com uma grande exactidão. Este método de posicionamento com o GPS é designado por posicionamento relativo com a fase da portadora. Dado que são precisas, pelo menos, duas diferenças de fase para, pelo menos, quatro satélites, para calcular uma base, a frequência de medição das bases tem de ser inferior à frequência de medição das fases. Por outro lado, a medição de um número redundante de diferenças de fase melhora a precisão da base. Nestas condições, é possível medir uma base com uma frequência muito elevada, em tempo quase-real, embora com uma menor precisão, ou com uma frequência menor, no chamado modo estático, mas com maior precisão. A duração típica de uma sessão de medição, em modo estático, é de uma a duas horas, embora as sessões possam durar apenas de 5 a 15 minutos (modo estático rápido). Um ensaio realizado na barragem do Alqueva, que consistiu na medição de várias bases com poucas centenas de metros, pelo método do posicionamento relativo com a fase da portadora, em modo estático (Fig. 1), permitiu constatar que é possível medir as componentes planimétricas com uma incerteza milimétrica e a componente altimétrica com uma incerteza subcentimétrica (Lima et al., 2005). Figura 1. Antena de precisão (choke ring) estacionada no coroamento da barragem do Alqueva. 5 AS ESTAÇÕES PERMANENTES GPS COM OBSERVAÇÃO CONTÍNUA O conceito de estação permanente GPS com observação contínua não é novo. O território da Península Ibérica está coberto, actualmente, por uma rede de vinte estações permanentes GPS. A componente portuguesa da rede, gerida pelo Instituto Geográfico Português (IGP), é constituída por seis estações permanentes situadas em Mirandela, Vila Nova de Gaia, Melriça, Cascais, Beja e Lagos, para além dos Açores e da Madeira. Os receptores observam de modo contínuo os satélites GPS que se encontram 10º acima do horizonte. As mensagens GPS recebidas são centralizadas no IGP e disponibilizadas ao público pela Internet. No caso de uma barragem, a instalação de diversas estações permanentes, uma num ponto de referência situado numa zona estável próxima da obra e as restantes em pontos de observação situados na barragem, permite medir, pelo método do posicionamento relativo com a fase da portadora, as bases definidas pelos pontos de observação e pelo ponto de

6 observação e pelo ponto de referência. Admitindo que a posição do ponto de referência é constante ao longo do tempo, a variação temporal das bases traduz os deslocamentos dos pontos de observação. As mensagens GPS recebidas nos pontos de observação e na estação de referência podem ser transmitidas, por fibra óptica ou por ondas rádio (em modo wireless), para um centro de recolha de informação localizado na vizinhança da barragem. Este centro pode processar ou préprocessar e retransmitir as mensagens para um centro de controlo remoto. Em qualquer das configurações, é possível monitorizar os deslocamentos das estações de controlo em tempo quase real e também em modo estático. Tendo em atenção que podem ocorrer deslocamentos dos pontos de controlo durante sessões de medição de fase muito prolongadas, é aconselhável analisar, em conjunto, os deslocamentos obtidos em tempo quase-real e em modo estático. Actualmente, encontram-se disponíveis no mercado estações permanentes GPS concebidas para a monitorização contínua de deslocamentos (Fig. 2). Os receptores estão equipados com emissores de ondas rádio de baixa potência e as baterias com painéis solares. As estações são vendidas com o software necessário para a gestão e processamento da informação. Uma das aplicações pioneiras das estações permanentes GPS à monitorização de deslocamentos em grandes barragens é relatada por Behr et al. (1998). Na barragem de Pacoima, na Califórnia, na sequência do grande sismo de 1994, foram instaladas três estações permanentes, uma no encontro esquerdo, outra a meio do coroamento e ainda uma estação de referência, cerca de 2,5 km a Noroeste da barragem. As mensagens das três estações, eram transmitidas, em modo wireless, para o centro de controlo do permanent geodetic GPS array da bacia de Los Angeles, onde eram processadas em tempo quase-real e em modo estático. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS alerta integrados em planos de emergência. A observação GPS com receptores e antenas de precisão em modo contínuo permite medir deslocamentos em tempo quase-real com uma incerteza milimétrica em planimetria e subcentimétrica em altimetria. Figura 2. Estação permanente GPS para a monitorização de deslocamentos. Prevê-se o desenvolvimento em Portugal deste tipo de aplicações, nomeadamente, a instalação de várias estações permanentes na barragem de Odelouca, actualmente em construção. REFERÊNCIAS Behr, J., Hudnut, K. e King, N. (1998), Monitoring Structural Deformation at Pacoima Dam, California Using Continuous GPS. Proceedings of IONGPS98, Nashville TN, USA. Lima, N.; Henriques, M. J. e Casaca, J. (2005), Accuracy of Displacement Monitoring at Large Dams with GPS. Proceedings of the IAG International Symposium on Geodetic Deformation Monitoring. Jaén. Olson, L. e Stille, H. (2002). Alarm Thresholds and Their Use in Design of Underground Openings. Int. Conf. on Probabilistics in Geotechnics, Graz, pp Regulamento de Segurança de Barragens (1990), Decreto-Lei nº 11/90 de Foi evidenciado o potencial do GPS na medição de deslocamentos de barragens de aterro, e, em especial, a sua aplicação a sistemas de aviso e

GPS Global positioning system

GPS Global positioning system GPS Global positioning system O Sistema de Posicionamento Global GPS-NAVSTAR (Navigation Satellite Time And Ranging) foi concebido inicialmente para substituir o sistema NNNS/TRANSIT que apresentava várias

Leia mais

Posicionamento por Satélite. Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça

Posicionamento por Satélite. Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça Posicionamento por Satélite Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça O Sistema GPS - Características Básicas O sistema GPS é composto por três segmentos:

Leia mais

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global 1 Sistema de Posicionamento Global é um sistema de posicionamento por satélite que permite posicionar um corpo que se encontre à superfície

Leia mais

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS Laura Caldeira Índice 1. Conceitos de segurança estrutural 2. Conceitos de risco 3. Utilização de sistemas de classificação 4. Considerações finais 2 1. Conceitos

Leia mais

Sistema de Posicionamento por Satélite

Sistema de Posicionamento por Satélite Implantação de Faixa de Dutos Sistema de Posicionamento por Satélite Resumo dos conhecimentos necessários para o entendimento e uso dos Sistemas de s e seus equipamentos. 1 Introdução Os sistemas de posicionamento

Leia mais

Sistema de Posicionamento Global

Sistema de Posicionamento Global GP Global Positioning ystem O istema de Posicionamento Global (NAVTAR GP NAVigation ystem with Time And Ranging Global Positioning ystem) foi criado e desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados

Leia mais

- Global Positioning System - - Sistema de Posicionamento Global -

- Global Positioning System - - Sistema de Posicionamento Global - - Global Positioning System - - Sistema de Posicionamento Global - É um sistema de navegação com base em satélites artificiais que emitem, em intervalos de 1 ms, sinais rádio, diferente de satélite para

Leia mais

LOGO FQA. Unidade 1 de FQA Nível 2. GPS e MCU. Satélites e Movimento Circular Uniforme. Marília Peres e Rosa Pais

LOGO FQA. Unidade 1 de FQA Nível 2. GPS e MCU. Satélites e Movimento Circular Uniforme. Marília Peres e Rosa Pais LOGO FQA Unidade 1 de FQA Nível 2 GPS e MCU Satélites e Movimento Circular Uniforme Marília Peres e Rosa Pais Índice 1 GPS - Sistema de Posicionamento Global 2 3 Coordenadas e Relógios Satélites Geoestacionários

Leia mais

Aula 19 TENDÊNCIAS DA CARTOGRAFIA: NOÇÕES DE GEODÉSIA. Antônio Carlos Campos. META Apresentar as tendências e perspectivas atuais da cartografia.

Aula 19 TENDÊNCIAS DA CARTOGRAFIA: NOÇÕES DE GEODÉSIA. Antônio Carlos Campos. META Apresentar as tendências e perspectivas atuais da cartografia. Aula 19 TENDÊNCIAS DA CARTOGRAFIA: NOÇÕES DE GEODÉSIA META Apresentar as tendências e perspectivas atuais da cartografia. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: determinar o GPS de navegação relacionando

Leia mais

GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS

GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Cartográfica e de Agrimensura GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS Profa. Regiane Dalazoana 4 Métodos baseados em Geodésia Espacial 4.1 Métodos Celestes da Geodésia

Leia mais

Satélite artificial e Satélite Natural

Satélite artificial e Satélite Natural Satélite artificial Satélite artificial e Satélite Natural Até à pouco tempo atrás, os satélites eram dispositivos exóticos e ultra-secretos. Foram usados primeiramente para fins militares, para actividades

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

G.P.S. SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL

G.P.S. SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL G.P.S. SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL HISTÓRIA 23/08/1499 - navegador italiano Américo Vespúcio acreditava estar navegando pelas costas das Índias (Cristóvão Colombo). Almanaque livro que lista as posições

Leia mais

CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS

CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS Orientação e Forma Diversidade = A visibilidade é variável Ordem = As categorias se ordenam espontaneamente Proporcionalidade = relação de proporção visual Cores convencionais

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Sistemas de Posicionamento Global

Departamento de Engenharia Civil Sistemas de Posicionamento Global Departamento de Engenharia Civil Sistemas de Posicionamento Global Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007 Índice: 1. INTRODUÇÃO...3 2. Constituição do Sistema...4 2.1. Satélites e

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

1.1. Viagens com GPS. Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra.

1.1. Viagens com GPS. Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra. 1.1. Viagens com GPS Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra. O que é o GPS? Como funciona o GPS? Qual é a precisão do GPS? O sistema de satélites do

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE

GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE Prof. Dra. Daniele Barroca Marra Alves Departamento de Cartografia SUMÁRIO Posicionamento Sistemas de Posicionamento GPS,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL GONÇALO PRATES Engenheiro Geógrafo ABRIL 2004 1 Sistema de Posicionamento Global Em 1973, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos iniciou

Leia mais

Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos

Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos O QUE É? O Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos - SVARH, permite conhecer em tempo-útil o estado hidrológico dos rios e albufeiras do país (níveis de água, caudais e volumes armazenados)

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil

Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil bb Luis Sá luis.sa@prociv.pt 1 O Novo RSB O novo Regulamento de Segurança de Barragens (RSB) foi aprovado pelo DL 344/2007 de 15 de Outubro Este

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 5 Guia de Orientação para Elaboração de Planos de Emergência Internos de Barragens

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 5 Guia de Orientação para Elaboração de Planos de Emergência Internos de Barragens CADERNOS TÉCNICOS PROCIV 5 Guia de Orientação para Elaboração de Planos de Emergência Internos de Barragens EDIÇÃO: AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL INSTITUTO DA ÁGUA JUNHO DE 2009 02 Cadernos Técnicos

Leia mais

Unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Física 1 PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO GPS

Unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Física 1 PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO GPS Unesp Física 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNIDADE DIFERENCIADA - SOROCABA/IPERÓ Veja também os sites: www.fis.puc-rio.br/fis-intr/gps.htm www.gpsglobal.com.br/artigos/ita12ahtml PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Métodos de Posicionamento GNSS. Prof. Pedro Donizete Parzzanini

Métodos de Posicionamento GNSS. Prof. Pedro Donizete Parzzanini Métodos de Posicionamento GNSS Prof. Pedro Donizete Parzzanini GNSS Global Navigattion Satellite System Termo utilizado para a denominação de um conjunto de Sistemas de Navegação por Satélites que permitem

Leia mais

Sistema GNSS. (Global Navigation Satellite System)

Sistema GNSS. (Global Navigation Satellite System) Sistema GNSS (Global Navigation Satellite System) POSICIONAR UM OBJETO NADA MAIS É DO QUE LHE ATRIBUIR COORDENADAS O Sol, os planetas e as estrelas foram excelentes fontes de orientação, por muito tempo.

Leia mais

CAPÍTULO 2 SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS)

CAPÍTULO 2 SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS) CAPÍTULO 2 SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS) 2.1 Introdução A utilização de ondas de rádio e satélites artificiais em navegação teve início na década de 60 com o desenvolvimento do Navy Navigational

Leia mais

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) GPSURVEY. Processamento de Bases GPS.

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) GPSURVEY. Processamento de Bases GPS. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS Módulo x (Aula Prática) GPSURVEY Processamento de Bases GPS (Carlos Antunes) INTRODUÇÃO O GPSurvey é o mais recente programa de processamento

Leia mais

Definições e Conceitos associados ao Risco Campos de Aplicação em Geotecnia. Laura Caldeira (LNEC)

Definições e Conceitos associados ao Risco Campos de Aplicação em Geotecnia. Laura Caldeira (LNEC) Definições e Conceitos associados ao Risco Campos de Aplicação em Geotecnia Laura Caldeira (LNEC) Definições e conceitos Risco valor(es) (perdas de vida e custos de perdas materiais) obtidos a partir da

Leia mais

Normas e especificações para levantamentos GPS

Normas e especificações para levantamentos GPS Normas e especificações para levantamentos GPS IBGE- DGC - Coordenação de Geodésia IBGE- UE/SC Gerência de Geodésia e Cartografia IV CONFEGE - 21/08/06 a 25/08/06 - Rio de Janeiro/RJ Conteúdo Introdução:

Leia mais

Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS

Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS Gonçalo Prates 1 e Virgílio Mendes 2 1 Escola Superior de Tecnologia da Universidade do Algarve 2 LATTEX e Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

Utilização de DGPS para Monitorização de Frotas em Ambiente Urbano

Utilização de DGPS para Monitorização de Frotas em Ambiente Urbano Utilização de DGPS para Monitorização de Frotas em Ambiente Urbano Telmo Cunha (1,2), Phillip Tomé (1), Sérgio Cunha (2), Jaime Cardoso (2) e Luisa Bastos (1) (1) Observatório Astronómico da Universidade

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1. Sistema de Posicionamento por Satélite

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1. Sistema de Posicionamento por Satélite UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1 Sistema de Posicionamento por Satélite Recife, 2014 Sistema de Coordenadas Geográficas O globo é dividido

Leia mais

O que são satélites? Existem 2 tipos de satélite, são os satélites naturais e satélites artificiais.

O que são satélites? Existem 2 tipos de satélite, são os satélites naturais e satélites artificiais. O que são satélites? Existem 2 tipos de satélite, são os satélites naturais e satélites artificiais. Satélites naturais são: a Lua que gravita em torno da Terra. Satélites artificiais são: dispositivos,

Leia mais

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) Reliance - Ashtech. Suas Aplicações Em SIG.

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) Reliance - Ashtech. Suas Aplicações Em SIG. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS Módulo x (Aula Prática) Reliance - Ashtech e Suas Aplicações Em SIG (Carlos Antunes) INTODUÇÃO O Sistema Reliance baseia-se na utilização do

Leia mais

Sincronização de Relógios

Sincronização de Relógios Sistemas de Tempo Real: Sincronização de Relógios Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas DAS UFSC romulo@das.ufsc.br http://www.das.ufsc.br/~romulo 1 Sincronização de Relógios Motivação

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

GPS. Global Positioning System

GPS. Global Positioning System GPS Global Positioning System Microsoft PowerPoint Johnny F. Crivellaro João Elinaldo GPS Global Positioning System Navegador portátil que identifica informações de satélites e define através de calculo

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Satélites Satélite é o elemento comum de interligação das estações terrenas, atuando como estação repetidora. Devido a sua altitude,

Leia mais

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal MAIO 2011 4. Informação complementar 4.1 Secção I 4.1.1 Mecanismos da estrutura de Protecção Civil Estrutura de Operações

Leia mais

Um Modo Rápido-Estático com GPS Monofrequência no Apoio à Cartografia

Um Modo Rápido-Estático com GPS Monofrequência no Apoio à Cartografia Um Modo Rápido-Estático com GPS Monofrequência no Apoio à Cartografia Carlos Antunes Departamento de Matemática Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Campo Grande - 1700 LISBOA E-mail: mcarlos

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

A Influência da Indústria em Meio Urbano. Metodologia de Estudo. Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO

A Influência da Indústria em Meio Urbano. Metodologia de Estudo. Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO A Influência da Indústria em Meio Urbano Metodologia de Estudo Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO A metodologia de avaliação da influência da indústria na qualidade do ar em meio

Leia mais

sistema de posicionamento global

sistema de posicionamento global SISTEMA GPS GPS Global Positioning System sistema de posicionamento global É um sistema de radionavegação baseado em satélites, desenvolvido e controlado pelo departamento de defesa dos Estados Unidos,

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE. Prof. MSc. Sandro M Malta

COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE. Prof. MSc. Sandro M Malta COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE Prof. MSc. Sandro M Malta Satélite Definição É chamado de satélite todo objeto que gira em torno de outro objeto. Ele é classificado em dois tipos: satélite natural satélite artificial.

Leia mais

GPS - GNSS. Posiconamento por satélites (GNSS / GPS) e suas aplicações. Escola Politécnica UFBA. Salvador-BA 2011

GPS - GNSS. Posiconamento por satélites (GNSS / GPS) e suas aplicações. Escola Politécnica UFBA. Salvador-BA 2011 Posiconamento por satélites (GNSS / GPS) e suas aplicações acaldas@ufba.br Escola Politécnica UFBA Salvador-BA 2011 GPS - GNSS Global Positioning System Global Navigation Satellite System (GPS + GLONASS

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO E APOIO TOPOGRÁFICO

ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO E APOIO TOPOGRÁFICO ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO E APOIO TOPOGRÁFICO Versão 1.0 30 de Abril de 2003 Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 2 SISTEMA DE COORDENADAS... 1 2.1 DESCRIÇÃO... 1 3 TRANSPORTE DE COORDENADAS PARA SISTEMAS DE

Leia mais

CAPÍTULO 2 SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS)

CAPÍTULO 2 SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS) CAPÍTULO 2 SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS) 2.1 Introdução O Sistema NAVigation Satellite Timing And Ranging Global Positioning System (NAVSTAR-GPS), conhecido mundialmente como GPS), é um sistema

Leia mais

Planos de Observação em Barragens Agrícolas. O Papel do LNEC

Planos de Observação em Barragens Agrícolas. O Papel do LNEC Planos de Observação em Barragens Agrícolas O Papel do LNEC Sumário >Introdução >Observação de barragens de aterro Planeamento Inspecções visuais Sistemas de Observação Distribuição dos equipamentos Frequências

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

Tutorial 1: Processamento de observações GPS no Pinnacle

Tutorial 1: Processamento de observações GPS no Pinnacle Gil Gonçalves - Versão 1.1 Tutorial 1: Processamento de observações GPS no Pinnacle ÍNDICE 1. Introdução...1 2. Passos necessários...2 Observações:...11 Anexos...12 Anexo 1: Orbitas precisas: Serviço IGS...12

Leia mais

O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens. João Palha Fernandes

O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens. João Palha Fernandes O Alerta à População em Caso de Ruptura de Barragens João Palha Fernandes Sumário Introdução Tecnologias de base Sistema de Aviso de Pedrógão Conclusões Trabalho Futuro O Problema Em caso de ruptura de

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Fernando Pardo de Santayana Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Lisboa, Portugal RESUMO:

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

Avaliação do desempenho estrutural de pontes

Avaliação do desempenho estrutural de pontes Avaliação do desempenho estrutural de pontes Luís Oliveira Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Geoprocessamento Prof. Pablo Santos 08 a Aula Global Positioning System-GPS Uma utilidade pública Uma

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS. Centro de Monitorização e Controlo do Espectro

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS. Centro de Monitorização e Controlo do Espectro AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS Centro de Monitorização e Controlo do Espectro 12 de Julho de 2011 Em 2011-07-12, e em complemento à análise de cobertura TDT solicitada para efeitos de

Leia mais

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Articulação da AIA com outros regimes de licenciamento IMPACTES AMBIENTAIS 9 ª aula Prof. Doutora

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA DE INFORMAÇÃO ADVISORY CIRCULAR

CIRCULAR TÉCNICA DE INFORMAÇÃO ADVISORY CIRCULAR CIRCULAR TÉCNICA DE INFORMAÇÃO ADVISORY CIRCULAR C.T.I. 99-01 - EDICÃO 1 ASSUNTO: CERTIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE NAVEGAÇÃO GPS EM HELICÓPTEROS OPERANDO EM CONDIÇÕES IFR EM ROTA E ÁREA TERMINAL INCLUINDO

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica

Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica Implantação de Monitoramento da Barragem de Salto Caxias através de Auscultação Geodésica Pedro Luis Faggion, Luis A. Koenig Veiga, Silvio Rogério Correia de Freitas, Carlos Aurélio Nadal Universidade

Leia mais

Plano de Emergência Externo de Ílhavo

Plano de Emergência Externo de Ílhavo Plano de Emergência Externo de Ílhavo 2012 Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 12 1. Introdução... 12 2. Âmbito de aplicação... 14 3. Objetivos gerais... 15 4. Enquadramento legal... 16 5.

Leia mais

Conceitos, ferramentas e aplicações na avaliação imobiliária: Tecnologias de informação geográfica FLOSS & FLOSS4G

Conceitos, ferramentas e aplicações na avaliação imobiliária: Tecnologias de informação geográfica FLOSS & FLOSS4G Conceitos, ferramentas e aplicações na avaliação imobiliária: Tecnologias de informação geográfica FLOSS & FLOSS4G José Miguel M. C. Gomes Aires zeaires@gmail.com 1 FLOSS & FLOSS4G "Código Aberto FSF (Free

Leia mais

Luís Filipe A. C. Nunes

Luís Filipe A. C. Nunes Luís Filipe A. C. Nunes INTRODUÇÃO A instalação e exploração de uma estação meteorológica, clássica ou automática-ema, é relativamente simples, mas pode complicarse nalgumas circunstâncias; Não existem

Leia mais

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático Neste capítulo, será feita a demonstração da aplicação do modelo num programa de cálculo automático, desenvolvido em linguagem de programação

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS PLANOS DE SEGURANÇA A sociedade é feita por todas as pessoas, em todas as idades NÚCLEO DE CERTIFICAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ALEXANDRA SANTOS E MARIA ANDERSON

Leia mais

Sistemas Wireless: Comunicação via satélite. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Sistemas Wireless: Comunicação via satélite. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Sistemas Wireless: satélite. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Satélite Aspectos Gerais Os satélites de comunicação: Surgiram na década de 60. Contendo características

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM BUCELAS, FREIXIAL E CHAMBOEIRA

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM BUCELAS, FREIXIAL E CHAMBOEIRA AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM BUCELAS, FREIXIAL E CHAMBOEIRA DGE1 - Centro de Monitorização e Controlo do Espectro Xxxxx xxxxxxxxxx Xxx x xx xxxxxxx Xxxx xxxxx Xxxx xxxxxxxx Xxxxxx xxxxxxxx 12 de Junho

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS Diário da República, 1.ª série N.º 198 15 de Outubro de 2007 7459 Artigo 3.º Entrada em vigor e produção de efeitos A presente portaria entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação e produz efeitos

Leia mais

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização do estado de

Leia mais

INFORAD-M1. Localizador/avisador de radar Para MOTOS. Guia de utilização rápida

INFORAD-M1. Localizador/avisador de radar Para MOTOS. Guia de utilização rápida INFORAD-M1 Localizador/avisador de radar Para MOTOS Guia de utilização rápida Guia de utilização rápida O INFORAD aumenta a segurança na condução, ao provocar uma redução da velocidade por parte dos condutores.

Leia mais

PPP: uma alternativa rápida, precisa e econômica para o planejamento territorial

PPP: uma alternativa rápida, precisa e econômica para o planejamento territorial PPP: uma alternativa rápida, precisa e econômica para o planejamento territorial P.C.L. Segantine, M. Menzori Escola de Engenharia de São Carlos EESC/USP seganta@sc.usp.br RESUMO Os últimos anos têm sido

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

COMO LIGAR E CONFIGURAR

COMO LIGAR E CONFIGURAR 1 2 GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA COMO LIGAR E CONFIGURAR carregar a bateria O utilizador deverá, em primeiro lugar, carregar a bateria do sistema. A primeira carga deverá ter um tempo ininterrupto de 6 horas.

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

POSICIONAMENTO POR SATÉLITES

POSICIONAMENTO POR SATÉLITES UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL POSICIONAMENTO POR SATÉLITES PROF. IANA ALEXANDRA SUMÁRIO 1. HISTÓRICO 2. COMPONENTES

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Profa. Marcia Cristina

Profa. Marcia Cristina UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CAMPUS ARAPIRACA PÓLO PENEDO CURSO ENGENHARIA DE PESCA Aula 06 Global Positioning System (GPS) Profa. Marcia Cristina A navegação na Pré-História Homem Primitivo descobre

Leia mais

Descrição do Datum Geodésico da Região Administrativa Especial de Macau

Descrição do Datum Geodésico da Região Administrativa Especial de Macau Descrição do Datum Geodésico da Região Administrativa Especial de Macau 1. Introdução Acompanhando a alteração social e o avanço de tecnologia e ciência, as tecnologias de recepção do sistema de posicionamento

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DOCENTES (2009/2010) 2009/2010 Ana Paula Falcão Flôr Ricardo

Leia mais

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Introdução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Um pouco de História Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução aos modelos de comunicação Programação de Sistemas Modelos de comunicação :1/19 Introdução (1) Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução aos modelos de comunicação Programação de Sistemas Modelos de comunicação :1/19 Introdução (1) Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 06: Métodos de inspecção e diagnóstico. 6.2. Aplicação da tecnologia laser scanning à reabilitação do espaço construído.

Leia mais

Sincronização. Tempo e Relógios. Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol

Sincronização. Tempo e Relógios. Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol Sincronização Tempo e Relógios Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol 1 O papel do tempo Crucial na ordenação de eventos Tempo Real? - Função

Leia mais