ExpEriências Em GovErnança corporativa 1. A prática da Sustentabilidade: Desafios vividos por agentes da Governança Corporativa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ExpEriências Em GovErnança corporativa 1. A prática da Sustentabilidade: Desafios vividos por agentes da Governança Corporativa"

Transcrição

1 ExpEriências Em GovErnança corporativa 1 A prática da Sustentabilidade: Desafios vividos por agentes da Governança Corporativa

2 A prática da Sustentabilidade: Desafios vividos por agentes da Governança Corporativa 1 Experiências em Governança Corporativa 1 A prática da Sustentabilidade: Desafios vividos por agentes da Governança Corporativa

3 Instituto Brasileiro de Governança Corporativa O IBGC é uma organização exclusivamente dedicada à promoção da Governança Corporativa no Brasil e o principal fomentador das práticas e discussões sobre o tema no País, tendo alcançado reconhecimento nacional e internacional. Fundado em 27 de novembro de 1995, o IBGC sociedade civil de âmbito nacional, sem-fins lucrativos tem o propósito de ser referência em Governança Corporativa, contribuindo para o desempenho sustentável das organizações e influenciando os agentes da nossa sociedade no sentido de maior transparência, justiça e responsabilidade. Presidente do Conselho de Administração Mauro Rodrigues da Cunha Vice-presidentes Gilberto Mifano e João Pinheiro Nogueira Batista Conselheiros Alberto Emmanuel Whitaker, Carlos Biedermann, Eliane Aleixo Lustosa, Leonardo Viegas, Luiz Leonardo Cantidiano e Roberto Faldini Comitê Executivo André Coutinho, Eliane Aleixo Lustosa e Ricardo Veirano Secretária-geral Heloisa Bedicks Para mais informações sobre o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, visite o site Para associar-se ao IBGC, ligue: (11) É vedada a reprodução total ou parcial deste documento sem autorização formal do IBGC. I59s Instituto Brasileiro de Governança Corporativa A Prática da Sustentabilidade: Desafios vividos por agentes da Governança Corporativa / Instituto Brasileiro de Governança Corporativa; coordenação: Cibele de Macedo Salviatto e Carlos Eduardo Lessa Brandão. São Paulo, SP: IBGC, 2009 (Série Experiências em Governança Corporativa 1). 55p. ISBN Governança Corporativa. 2. Desenvolvimento Sustentável. 3. Sustentabilidade. I. Título. II Salviatto, Cibele de Macedo, coord. III Brandão, Carlos Eduardo Lessa, coord. CDD Bibliotecária responsável: Mariusa F. M. Loução CRB-12/330

4 Créditos Este trabalho foi desenvolvido pelo Grupo de Estudos de Sustentabilidade para as Empresas (GESE) estabelecido pelo IBGC. Agradecimentos À equipe do IBGC, representada por Vera Marques e Henrique Nardini e à Vânia Campion, pelo apoio ao GESE e pelas contribuições ao conteúdo do documento. Àqueles que, demandados pelo GESE, compartilharam seus comentários e sugestões, especialmente à Cynthia Rosenburg e Peter Harazim. Ao Conselho de Administração do IBGC e à secretária-geral, pela revisão cuidadosa e sugestões efetuadas. Agradecimentos especiais Aos sete entrevistados que, generosamente, cederam seu tempo e compartilharam suas experiências profissionais e de vida: Claude Ouimet, Eduardo Bom Ângelo, José Luiz Majolo, Luiz Ernesto Gemignani, Marcos B. Egydio Martins, Ralph D. Wehrle e Renata de Camargo Nascimento. Ao José Luciano Penido, pela gentileza de escrever o Prefácio e à Jodie Thorpe, pelos comentários e pelo Posfácio. A Giovanni Barontini, pelos comentários sobre versão preliminar do trabalho e por ter sugerido a ideia de abordar a capacitação dos agentes da governança com foco no indivíduo e em seus dilemas. Contribuições Membros do GESE que contribuíram para a elaboração do documento: Alberto Emmanuel Carvalho Whitaker Álvaro Plínio Pureza André Beleza Fontana André Coimbra Felix Cardoso Aron Zylberman Cláudia Martins Cristine Marian Naum Cristine Zanarotti Prestes Rosa Daniela Hollo Aiach Diva Irene da Paz Vieira Elisabeth Barbieri Lerner Ewaldo M. K. Russo Homero Luís Santos Luciana Brenner Maria Eugênia dos Santos Buosi Paula Peirão Oliveira Paulo Bento Maffei de Souza Paulo Conte Vasconcellos Paulo Vanca Roberta Simonetti Roberto Sousa Gonzalez Rodrigo Pecchiae Ruth Goldberg Simone de Carvalho Soares Vânia Bueno Coordenação Cibele de Macedo Salviatto Carlos Eduardo Lessa Brandão (coordenador do GESE)

5 Índice Prefácio Apresentação Palavras do presidente Introdução Recapitulação de alguns conceitos Dilemas e desafios Valores e princípios Metodologia Estrutura do documento As pedras no caminho Curto prazo versus longo prazo Resistência dos indivíduos Resistência das organizações Contexto de negócios e ambiente regulatório O caminho das pedras Mudança cultural Governança Corporativa Alinhamento, diálogo e comunicação Mapeamento e mensuração Criatividade e inovação Compromisso e convicção

6 Convite à reflexão Quando o objetivo é a ferramenta Coerência entre discurso e ação Institutos e fundações Limites de atuação e liderança O futuro Posfácio Referências biográficas (perfil dos entrevistados) Referências bibliográficas

7 6 Experiências em Governança Corporativa Prefácio Sempre trabalhei na indústria de materiais básicos obtidos da natureza, primeiro com a mineração e há seis anos com a floresta plantada renovável. Como executivo, tive o privilégio de participar da rápida evolução do pensamento e das práticas das organizações diante do desafio de garantir o futuro nos negócios. Em nosso país tão desigual, acredito que o meio empresarial brasileiro vem aprendendo rápido e construindo um case bem sucedido de sustentabilidade, bem afinado com a expectativa de nosso tempo. Em minha juventude e até o início dos anos 70, tudo ligado à indústria representava o progresso, viabilizando a melhoria da qualidade de vida, o bem estar das pessoas. A promessa da felicidade na riqueza material derivada da atividade econômica parecia inesgotável. Só então começou a surgir a consciência de que era preciso mudar, ou a natureza não conseguiria sustentar a demanda indiscriminada pelos recursos nem absorver os resíduos decorrentes. Centenas de milhões de novos consumidores do mundo em desenvolvimento começaram a ter acesso a padrões aquisitivos até então restritos a populações dos países desenvolvidos. Tornou-se evidente que a ação do homem já impacta o clima na Terra, intensificam-se os efeitos das mudanças climáticas e está criada uma preocupante sobrecarga sobre o chamado capital natural. Recrudescem as questões sociais geradas pelos conflitos geopolíticos, pela desigualdade no usufruto da riqueza criada até aqui, e pela exclusão de mais de 1 bilhão de pessoas que ainda vivem na extrema pobreza, tudo isto prenunciando tempos difíceis. Hoje, a necessidade de soluções criativas e inovadoras que permitam dar conta do nosso futuro comum ganha sentido de urgência, no âmbito individual e coletivo. Mas vejo um futuro possível. Penso que será inevitável uma revolução na mentalidade individual e coletiva, no sentido de se valorizarem mais as coisas simples da vida, as riquezas não materiais e o consumo muito consciente. Novas tecnologias serão desenvolvidas para a produção de energia e bens que sejam renováveis e recicláveis. Novas políticas públicas deverão estimular essa mudança de comportamento, onerando, inclusive com impostos, níveis de consumo acima do razoável, com ênfase em emissões de carbono, no consumo de água, na conservação das florestas naturais e na expansão das florestas plantadas, no uso da terra e do mar para a produção de alimentos e de outros materiais da natureza. Nos anos 90, em um evento no IFC em Washington, ouvi de James Wolfensohn, então presidente do Banco Mundial, que neste milênio a corporação bem sucedida

8 Prefácio 7 seria aquela que soubesse dialogar com a sociedade altos padrões de qualidade de gestão, cumprir a legislação e manter uma atuação ambiental responsável seriam apenas pré-requisitos. Para ser sustentável e ter futuro, seria necessário antecipar-se às expectativas da sociedade e criar também o chamado valor social. Quando retornei ao Brasil, vi que a empresa que presidia podia e devia fazer mais nessa direção. E que isso só seria alcançável se o tema sustentabilidade estivesse enraizado na estratégia e na cultura da organização. Aprender a ouvir e a cooperar com os demais em busca de soluções harmoniosas para problemas complexos, envolvendo interesses e metas aparentemente irreconciliáveis, considerados o curto e o longo prazo, é um dos nossos maiores desafios. Buscar fazer a nossa parte e influenciar para melhor o destino coletivo já está no topo das nossas agendas, demonstrando coerência na nossa vida pessoal com os valores que procuramos vivenciar na estratégia da organização e servindo de exemplo para a nova geração de executivos e para nossos filhos e netos. Uma contribuição preciosa para os que estão engajados nessa missão é compartilhar vivências e analisá-las de maneira estruturada, como propõe esta publicação do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa que tenho o prazer de prefaciar. Nele, vemos que a superação das dificuldades e dos dilemas no processo decisório, a partir de novos olhares sobre antigos problemas, é a própria matéria-prima para a evolução das organizações e da sociedade. De novo, sou otimista. As pessoas querem a felicidade e as empresas também. Diz a antiga sabedoria oriental que estamos todos intrínseca e indistintamente unidos pelo ar que respiramos e de onde tiramos o oxigênio e a energia vital. Tanto quanto o ato de respirar que nos irmana, estamos juntos no desejo de permanecer e crescer. Por um motivo tão simples, acredito que saberemos ser suficientemente sábios para preservar o maior bem e o maior valor que é a vida. A partir, por exemplo, do admirável milagre diário da fotossíntese e do imenso potencial inexplorado das nossas florestas, talvez esteja um dos maiores trunfos do nosso país e do planeta nessa imensa, complexa e premente tarefa comum. José Luciano Penido é o presidente do Conselho de Administração da Fibria. Formado em Engenharia de Minas pela UFMG, foi diretor-presidente da VCP de 2004 a 2009 e, anteriormente, da Samarco Mineração por 12 anos. Foi vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), é diretor do Centro de Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (CIERGS) e membro do Conselho Deliberativo do Instituto Ethos.

9 8 Experiências em Governança Corporativa Apresentação O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC lança mais uma série de publicações denominada Experiências em Governança Corporativa. Grande parte das publicações de negócios tem como referência as empresas. O objetivo desta série é deslocar o foco para as pessoas que são, em última instância, os tomadores de decisão. As decisões, no ambiente da Governança Corporativa, muitas vezes de ordem subjetiva, demandam dos agentes um exercício, nem sempre fácil, de julgamento. A discussão sobre a incorporação da sustentabilidade na estratégia das organizações, por exemplo, é um tema que pode proporcionar aos leitores uma oportunidade de refletir e entender como alguns de seus pares lidaram com desafios dessa natureza. Esperamos que esta publicação estimule os leitores a pensarem sobre novos caminhos e ideias no processo de alinhamento da estratégia e da gestão das empresas com a sustentabilidade, colaborando com seu desenvolvimento pessoal e profissional como agentes da Governança Corporativa e contribuindo para a promoção de uma visão mais real e integral e, portanto, mais sustentável. Trata-se de mais uma iniciativa do IBGC para cumprir seu propósito de manter-se como a principal referência de Governança Corporativa no Brasil.

10 Apresentação 9 Palavras do presidente A racionalidade da sustentabilidade Conceito já muito utilizado no mundo dos negócios, a sustentabilidade toca a todos nós com suas dificuldades e desafios no tratamento da questão e na incorporação de suas ações no dia a dia das companhias. São os agentes da Governança Corporativa os portadores primeiros e responsáveis pela disseminação, persistência e continuidade do processo de sustentabilidade, hoje uma realidade e conduta necessárias à longevidade da organização. O IBGC, por meio de eventos, cursos e publicações de documentos, tem se empenhado em colaborar com esse debate, evidenciando a importância do tema e da sua origem relacionada ao universo das empresas, em contraponto a uma visão superficial ainda existente no mercado e em determinadas pessoas jurídicas e físicas de associar a sustentabilidade exclusivamente ao marketing e ao bom-mocismo. Para o instituto, a sustentabilidade difere disso deriva, sim, da convicção de que as empresas têm prazo de duração indeterminado por força de seu estatuto, ou seja, as decisões empresariais não podem pautar-se exclusivamente pelo período de 10 a 15 anos, tempo perceptível em um fluxo de caixa descontado, mas devem preocupar-se com a longevidade do negócio. É daí que surge a necessidade de pensar em sustentabilidade. Por meio de conversas francas com aqueles que estão na linha de frente da implementação de seus conceitos, tanto do ponto de vista das demandas como dos desafios como justificar a adoção em termos de lógica de negócio e não deixar o tema perder-se nos meandros do cotidiano, este guia brinda-nos com uma pesquisa qualitativa e estimula a reflexão, para que possamos avançar na discussão e no aperfeiçoamento das práticas nas organizações e, em especial, no que se relaciona aos tomadores de decisão: as pessoas físicas. Mauro Rodrigues da Cunha Presidente do Conselho de Administração do IBGC

11 10 Experiências em Governança Corporativa

12 Introdução Introdução Há cerca de 15 anos, a relação das empresas com a noção de sustentabilidade era pouco mais que a aspiração de um grupo restrito de pessoas que, por um viés ambiental ou social, acreditava ser possível que o mundo dos negócios incorporasse valores que minimizassem os impactos negativos causados por suas operações. Nesse período, assistimos à evolução de políticas e práticas, que partiram de uma postura mais assistencialista e/ou com foco em ecoeficiência e estão caminhando para uma ação mais integrada à estratégia da empresa, envolvendo outros níveis de governança, bem como vários grupos de stakeholders. A experiência de muitas empresas mostra que a tarefa de inserir os temas da sustentabilidade na estratégia e no dia a dia da gestão não é óbvia, nem simples e traz à tona diversos desafios e dilemas que são enfrentados por sócios, conselheiros, executivos e outros atores envolvidos neste processo. Neste contexto, o GESE (Grupo de Estudos de Sustentabilidade para as Empresas do IBGC), dando continuidade ao Guia de Sustentabilidade para as Empresas 1, que apresentou o tema de forma conceitual e abrangente, optou por examinar com mais profundidade a natureza desses desafios, a partir da experiência prática de quem os enfrentam. pessoas jurídicas não pensam, não sentem, nem agem. Estes são atributos de PESSOAS físicas Como um grupo formado por profissionais que atuam em diversas áreas da sustentabilidade e, especificamente, da Governança Corporativa, percebemos que essa discussão de forma institucionalizada, ou seja, tomando como base a pessoa jurídica como agente, apresenta algumas limitações. Pessoas jurídicas não pensam, não sentem, nem agem. Estes são atributos de pessoas físicas. Sendo assim, uma das dificuldades de implantação de um processo alinhado com a sustentabilidade dentro das empresas se dá justamente na sua dimensão humana. São os indivíduos que fazem escolhas, são motivados ou não, decidem, enfrentam resistências e se relacionam entre si. Assim, convidamos alguns agentes da Governança Corporativa, como acionistas, investidores, conselheiros e executivos seniores, para darem seus depoimentos pessoais sobre dilemas vividos enquanto tentavam atender ao compromisso com resultados econômico-financeiros e, ao mesmo tempo, inserir a sustentabilidade nas empresas. Cada um a sua maneira compartilhou conosco suas motivações e crenças pessoais, frustrações, sucessos e aprendizados durante o processo, bem como sua visão do mundo. Nosso trabalho foi o de ouvir, perguntar, compilar, 1 Ver IBGC, 2007.

13 12 Experiências em Governança Corporativa analisar, verificar pontos em comum e transformar este material em uma publicação que sirva de inspiração e fonte de referência para aqueles que se encontram ou venham a encontrar-se em situações semelhantes. É possível AO indivíduo desempenhar SEu papel de forma ALInhada com SEus princípios e VALORES, mesmo quando situações PROfISSIOnAIS exigem ações APAREntEMEnte antagônicas? Figura 1: Foco do trabalho. Fonte: Elaboração própria. Este trabalho lida com a separação que pode existir entre o ser humano e o papel que ele desempenha e com o desafio de levar-se valores pessoais para a empresa. O que fazer quando as regras do jogo ou até mesmo de sobrevivência da empresa (e na empresa) indicam uma direção diferente e conflitante com os valores do indivíduo? É possível ao indivíduo desempenhar seu papel de forma alinhada com seus princípios e valores, mesmo quando situações profissionais exigem ações aparentemente antagônicas? As análises foram feitas de forma a preservar a identidade dos entrevistados 2 e situações de sigilo das empresas envolvidas. Os diversos trechos entre aspas e em itálico referem-se às citações dos entrevistados, reproduzidas da forma mais fiel possível. O produto final representa o nosso entendimento e posicionamento com relação às entrevistas e não o conteúdo das entrevistas em si. A seguir, algumas definições utilizadas no documento, assim como a metodologia usada na sua elaboração. 2 Não obstante contarmos com uma entrevistada, usaremos o termo convidado ou entrevistado.

14 Introdução Recapitulação de alguns conceitos Abaixo, alguns aspectos tratados no Guia de Sustentabilidade para as Empresas, que apresentou a temática da sustentabilidade do ponto de vista da Governança Corporativa. Noção de Sustentabilidade Em termos econômicos, sustentabilidade significa viver da renda proporcionada pela natureza e não do seu capital, o chamado capital natural. Toda atividade econômica depende desse capital. O capital natural é responsável pela provisão dos serviços ambientais, isto é, os benefícios que os seres humanos obtêm da natureza, tais como: produção de oxigênio, sequestro de carbono, formação dos solos, provisão de água, madeira e fibras, regulação do clima, valores estéticos, espirituais e de lazer. O capital social, por sua vez, está relacionado ao grau de estabilidade social e prosperidade 3 e é fundamental na busca da sustentabilidade. A noção de capital social utilizada neste documento está associada à qualidade das relações entre pessoas e grupos na sociedade, sendo o nível de confiança um fator essencial. A noção de capital SOCIAL utilizada neste documento EStá associada à qualidade das RELAçõES entre PESSOAS e grupos na sociedade, SEndo o nível de COnfIAnça um fator essencial Governança Corporativa e Sustentabilidade Governança Corporativa é o sistema pelo qual as organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre proprietários (sócios), Conselho de Administração, diretoria e órgãos de controle. As boas práticas de Governança Corporativa convertem princípios em recomendações objetivas, alinhando interesses com a finalidade de preservar e otimizar o valor da organização, facilitando seu acesso a recursos e contribuindo para sua longevidade. A origem das boas práticas de Governança Corporativa está nos seus quatro princípios básicos: transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa. 4 Uma das práticas da boa Governança Corporativa é que o Conselho de Administração tem o dever de prover a orientação estratégica para a empresa. No desenvolvimento da estratégia empresarial, os aspectos 3. Prosperidade não está necessariamente associada ao crescimento econômico ilimitado ou outra forma de ação humana que, embora gerando valor econômico, ponha em risco a qualidade e a continuidade da vida. Quanto às empresas, para serem viáveis e longevas, elas dependem do bom funcionamento dos sistemas sociais e ambientais dos quais fazem parte. 4. IBGC 2009.

15 14 Experiências em Governança Corporativa governança, EStRAtÉGIA e sustentabilidade SE tornaram inseparáveis. Não SE POde mais planejar EStRAtEGICAMEnte SEM levar em COnta os temas da sustentabilidade de curto e longo prazos precisam ser considerados. Especialmente no que diz respeito ao último, deve-se levar em conta os temas da sustentabilidade. Pode-se deduzir, então, que governança, estratégia e sustentabilidade se tornaram inseparáveis. Não se pode mais planejar estrategicamente sem levar em conta os temas da sustentabilidade. 5 Pelos seus benefícios diretos na gestão e por facilitar o acesso ao capital, a boa Governança Corporativa vem sendo assimilada rapidamente pelas empresas e, por isto, pode funcionar como uma porta de entrada para a sustentabilidade no ambiente corporativo. Em um segundo momento, pode assumir o papel de guardiã do alinhamento da empresa com a sustentabilidade. Matriz de Evidências A relação entre os grandes itens que direcionam a determinação do valor econômico da empresa e variáveis de sustentabilidade pode ser ilustrada a partir de uma matriz: Figura 2: Matriz de evidências. Fonte: IBGC (2007, p. 21)

16 Introdução 15 Os estágios da sustentabilidade nas empresas Em função de sua postura diante dos estímulos externos (legislação e regulamentação vigente) e internos (integração à estratégia ou aos princípios e propósito da empresa), as empresas podem ser classificadas em estágios, no que diz respeito ao tratamento da sustentabilidade: Figura 3: Estágios da sustentabilidade nas empreas. Fonte: IBGC (2007, p. 24) 1.2. Dilemas e desafios O processo de tomada de decisão envolve julgamento que não se baseia apenas em aspectos de ordem técnica, mas também nos de natureza ética (princípios e valores). Algumas decisões geram os chamados conflitos de ordem ética, que podem ser divididos, por exemplo, em: problemas (ethical decisions) 6, quando não se quer fazer aquilo que julga correto, e dilemas (defining moments), quando qualquer decisão irá violar questões éticas. 7 A seguir, alguns exemplos de dilemas de ordem ética 8 : I Ganhos imediatos antepõem-se a investimentos prudentes e duradouros; II Ganhos individuais rivalizam com interesses da comunidade; III Ser honesto consigo mesmo exige quebrar um compromisso com outro(s); IV Aplicar a lei pode exigir sacrifícios. 5. Baseado no prefácio de autoria de Mervyn E. King, no Guia de Sustentabilidade para as Empresas (IBGC, 2007). 6 Termos em Inglês de Badaracco Jr., Machado Filho, Baseado em Lobos, 2003.

17 16 Experiências em Governança Corporativa PRINCÍPIOS O IBGC desenvolve seu Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa baseado em princípios, ou seja, embora as práticas possam evoluir, os princípios básicos de transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa tendem a ser duradouros Valores e princípios No escopo deste documento, valores e princípios estão ligados a uma filosofia orientadora de vida, ou seja, preceitos sobre o que é essencial na condução dos negócios e da vida de cada um. Evidenciam-se pelo que cada um faz e não pelo que se diz Metodologia Para desenvolver um texto baseado em dilemas enfrentados por indivíduos, o grupo entendeu que seria necessário obter depoimentos originais de agentes da Governança Corporativa, até por que esse tipo de conteúdo não costuma estar disponível. Em função das limitações de tempo e recursos e visando obter maiores detalhes das experiências individuais, optou-se por fazer uma pesquisa qualitativa, ou seja, baseada em uma amostra menor, mas representativa do público-alvo do IBGC. Os critérios para a definição do conjunto de entrevistados basearam-se, principalmente, em identificar indivíduos que tivessem: > Um histórico de tentativas de inserção em suas organizações de temas da sustentabilidade na estratégia e nas operações; > Exercido funções nos diversos níveis da Governança Corporativa (pares do principal público-alvo do IBGC). Foram entrevistadas sete pessoas que atuam ou atuaram no âmbito da Governança Corporativa 9 : > Acionista de empresa familiar: Renata de Camargo Nascimento; > Investidor e presidente de Conselho de Administração: Ralph D. Wehrle; > Conselheiro de administração e principal executivo Luiz Ernesto Gemignani; > Principal executivo: Eduardo Bom Ângelo; > Principal executivo e VP de operações: José Luiz Majolo; > VP de operações: Claude Ouimet; > Diretor de empresa e de organizações do Terceiro Setor e do go verno: Marcos B. Egydio Martins. 9 No Capítulo 5, pode ser encontrada uma breve biografia de cada entrevistado.

18 Introdução 17 As entrevistas seguiram, basicamente, as seguintes etapas: > Pré-entrevista, explicando o objetivo do trabalho; > Formalização do convite mediante envio de carta detalhando o roteiro da entrevista; > Assinatura de Termo de Confidencialidade por parte de todos os envolvidos; > Gravação sonora, caso disponível e autorizada pelo entrevistado; > Entrevista na sede do IBGC, em reuniões ordinárias do GESE conduzida por um dos membros do grupo, de forma a garantir a cobertura dos aspectos do roteiro que incluíram: > exposição de situações de conflito ou desafio do indivíduo, bem como seu contexto, > papel do entrevistado em cada situação (mandato, expectativas profissionais e pessoais), > desenrolar dos conflitos (dificuldades, abordagens), > desfechos, > impressões pessoais do entrevistado ( como se sentiu ao longo de cada situação), > consequências com relação à situação inicial e > recomendações, lições ou sugestões ( o que fazer e o que não fazer ); > Discussão da entrevista no ambiente do GESE. O desenvolvimento do texto foi conduzido da seguinte forma: > Uma premissa fundamental utilizada foi a de não expor os entrevista dos, nem as empresas às quais estiveram ou estão vinculados neste sentido, as citações, ao longo do documento, não indicam autoria; > Dois membros do GESE ficaram responsáveis pela redação, receben do e incorporando as sugestões dos demais, da Secretaria Geral e do Conselho de Administração do IBGC e de alguns convidados (consulta restrita). princípios & CONFIANÇA > Com a cultura corporativa ainda predominante, onde as pessoas são cobradas principalmente por produtividade que no contexto atual significa taxas de crescimento cada vez mais altas, Marcos Egydio compartilhou diversas situações e dilemas onde a fidelidade a princípios foi importante para a tomada de decisões que beneficiassem os diversos atores envolvidos. > No contexto atual em que vivemos e precisamos sobreviver, sermos competitivos é fundamental. Assim, a cautela maior deveria estar centrada em esforços para evitar que a hipocrisia seja vitoriosa. Temos que criar relações de confiança com culturas organizacionais, onde expectativas são acordadas e as regras do jogo estão claras para todos os envolvidos. Os entrevistados puderam fazer uma revisão prévia do texto final, com o direito inquestionável de vetar quaisquer menções aos seus nomes e/ ou empresas às quais estão ou estiveram relacionados. Um cuidado adicional foi tomado com relação ao patrocínio da publicação: não foram consideradas como candidatas empresas vinculadas aos entrevistados.

19 18 Experiências em Governança Corporativa 1.5. Estrutura do documento O documento está dividido em três partes. Na primeira ( As pedras no caminho ), apontamos alguns dos desafios mais comuns vivenciados pelos entrevistados. Na segunda ( O caminho das pedras ), ilustramos e organizamos como os desafios, no contexto de cada entrevistado, puderam ser tratados e endereçados. Pelas suas características, o documento não permite uma conclusão mais objetiva. Neste sentido, na terceira e última parte ( Convite à reflexão ), foram levantadas questões sobre o tema com o objetivo de estimular uma reflexão adicional dos leitores.

20 19

21 20 Experiências em Governança Corporativa

22 A prática da Sustentabilidade: Desafios vividos por agentes da Governança Corporativa 21 2 As pedras no caminho A compilação das entrevistas evidenciou alguns desafios e dilemas comuns entre os entrevistados. Chegamos a quatro macroquestões que refletem as análises dos relatos em termos dos principais desafios vividos por estas pessoas quando tentaram incorporar a sustentabilidade em suas vidas profissionais.

23 22 Experiências em Governança Corporativa 2.1. Curto prazo versus longo prazo COMO incorporar MÉtRICAS de sustentabilidade no dia a dia dos negócios em um MERCAdo que é MOVIdo pelo bônus no final do ano? Sustentabilidade, como o próprio termo sugere, relaciona-se especialmente com o longo prazo. No entanto, no contexto empresarial, assim como no político, a busca por resultados imediatos tem sido a tônica da regra do jogo. Neste sentido, equilibrar ganhos de curto prazo com posturas mais ligadas à sustentabilidade dentro das empresas desponta como um grande desafio. Foi frequente o relato de situações em que a pressão por resultados de curto prazo, seja por parte de acionistas, seja por parte de investidores ou, mesmo, de executivos motivados pelos seus bônus anuais, colocou em risco toda uma busca por estratégias mais responsáveis. Constatamos que pessoas que trabalham em empresas em estágios mais avançados de maturação da sustentabilidade 11 têm menos dificuldade em justificar ações que se contrapõem a lucros imediatos 12. Ouvimos relatos de dilemas vividos por vários entrevistados sobre a decisão de participar ou não de projetos que conflitavam com seus valores pessoais e percebemos que abrir mão deles é mais fácil quando a empresa já está em estágio mais avançado, mas não sem-esforço dos indivíduos em questão: Em nenhum momento tive dúvidas do que tinha que fazer, porém era muito cansativo, pois as pessoas tinham dúvidas e precisavam ser convencidas. Também percebemos que contar com uma visão de longo prazo contribui para o processo: Deixamos o projeto porque entendemos que, ao fazer isto, estávamos criando mais valor no longo prazo do que os poucos milhões de reais que estávamos ganhando no curto prazo. Mesmo em empresas que já desenvolveram iniciativas que vão além do cumprimento legal, existem conflitos desta natureza: É por causa do bottom line (lucro) que você mantém um CEO. Introduzir a pauta da sustentabilidade na agenda do Conselho de Administração é muito difícil ou Como incorporar métricas de sustentabilidade no dia a dia dos negócios em um mercado que é movido pelo bônus no final do ano? 11 Ver Figura Para as empresas com ações negociadas em bolsa de valores, inclui a valorização da cotação das ações no curto prazo.

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 Antes de começar, ressalto apenas que as opiniões que estarei expressando aqui hoje refletem a minha

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009 Responsabilidade Social Empresarial em Empresas Construtoras case Even Ruth Goldberg 04 de junho de 2009 Alinhando conceitos: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E C O N Ô

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas.

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. O ideário ético é um conjunto essencial de valores que deve ser conscientizado por todos na Organização para que se consiga implantar

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Rumo a novos patamares

Rumo a novos patamares 10Minutos Auditoria Estudo sobre a Situação da Profissão de Auditoria Interna Rumo a novos patamares Destaques Os stakeholders estão menos satisfeitos com a contribuição da auditoria interna em áreas de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região Central do Centro do Rio Grande do Sul CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Outubro de 2013 MISSÃO Fortalecer, qualificar,

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Assuntos ligados a pessoas que devem estar na pauta dos Conselhos de Administração

Assuntos ligados a pessoas que devem estar na pauta dos Conselhos de Administração 2º Encontro para Conselheiros Painel 02 Assuntos ligados a pessoas que devem estar na pauta dos Conselhos de Administração Neste painel, os convidados destacaram os desafios de inserir esse tema de forma

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014 Compliance e a Valorização da Ética Brasília, outubro de 2014 Agenda 1 O Sistema de Gestão e Desenvolvimento da Ética Compliance, Sustentabilidade e Governança 2 Corporativa 2 Agenda 1 O Sistema de Gestão

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Aplicação de um Programa de Ética em Instituição Financeira

Aplicação de um Programa de Ética em Instituição Financeira Aplicação de um Programa de Ética em Instituição Financeira Deives Rezende Filho Superintendente de Ética e Ombudsman Itaú Unibanco S.A. Proposta A partir da experiência da Superintendência de Ética e

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS www.empreende.com.br emp@empreende.com.br FAZENDO ACONTECER Programa de ensino de empreendedorismo inovador em nível mundial, desenvolvido

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI)

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº xx, de XX de XXXXXXX de 2011.

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é?

Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é? Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é? Para crescer profissionalmente não basta conhecer bem sua especialidade, é indispensável ser ético. De acordo com o dicionário

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO João Souza Neto, Dr. joaon@ucb.br Diana L. N. dos Santos, MSc. dianas@mpdft.mp.br www.twitter.com/govtiapf http://govtiapf.com.br/blog/ Agenda Relacionamento

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes.

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. Instituto Ethos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. MISSÃO: Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Como saber se sua empresa é. Sustentável Guia Definitivo para Diagnóstico

Como saber se sua empresa é. Sustentável Guia Definitivo para Diagnóstico Como saber se sua empresa é Sustentável Guia Definitivo para Diagnóstico Sumário 02 Introdução Presença na estratégia Práticas Pré produção Práticas Produção Práticas Gestão Como verificar 03 04 06 07

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS Os Indicadores Ethos são uma ferramenta de gestão, de uso gratuito, que visa apoiar

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha Negociação e Vendas Marketing e vendas Quais são as relações entre marketing e vendas casos e causos de negociação

Leia mais

O PAPEL DO SECRETARIADO NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Cláudia Kniess e Maria do Carmo Todorov

O PAPEL DO SECRETARIADO NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Cláudia Kniess e Maria do Carmo Todorov O PAPEL DO SECRETARIADO NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS Cláudia Kniess e Maria do Carmo Todorov AGENDA INTRODUÇÃO Conceitos de Sustentabilidade x Desenvolvimento Sustentável Projetos Sustentáveis

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Gean Roriz. Arthur Campos. A Move Empresas foi a construção de um sonho. E hoje fazemos outras pessoas tirarem do papel a marca dos seus sonhos.

Gean Roriz. Arthur Campos. A Move Empresas foi a construção de um sonho. E hoje fazemos outras pessoas tirarem do papel a marca dos seus sonhos. A Move Empresas foi a construção de um sonho. E hoje fazemos outras pessoas tirarem do papel a marca dos seus sonhos. Gean Roriz Sócio/Co-fundador Diretor de Estratégia e Inovação Move Empresas Arthur

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais