Propriedades ópticas dos materiais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Propriedades ópticas dos materiais"

Transcrição

1 Eng.qxp 1/3/0 7:17 PM Page 1 Propriedades ópticas dos materiais SE, POR UM LADO, em climas relativamente quentes, a radiação solar pode ser uma das fontes de ganhos energéticos significativos no Verão, no Inverno representa uma fonte inesgotável de energia. Por outro lado, na iluminação do interior de edifícios, a luz solar é mais eficiente do que qualquer outro tipo de luz artificial. Hoje, a oferta em vidro para arquitectura e civil é muito diversificada. Desde o vidro simplesmente recozido, aos vidros serigrafados e impressos, que permitem criar ambientes distintos com diferentes níveis de privacidade, aos vidros revestidos superficialmente por filmes metálicos, com desempenhos óptico e térmico específicos, como sejam os vidro antireflexo, vidro espelhado e vidro baixo-emissivo, ou ainda vidros autolimpeza, que reduzem significativamente os custos de manutenção em edifícios ou os vidros temperados, tratados química ou termicamente de forma a optimizar o desempenho mecânico do vidro, são várias as opções. A gama de vidros laminados, filtros eficazes à radiação ultravioleta (UV) e vidros duplos torna possível uma resposta ao projecto mais exigente. A selecção do vidro, no projecto de arquitectura, passa pelo conhecimento das propriedades ópticas dos materiais. A LUZ O desempenho óptico de um material resulta da interacção deste com a radiação electromagnética. No estudo das propriedades ópticas dá-se especial ênfase à parte visível do espectro electromagnético (Figura 1), designado por luz. Algumas das manifestações da radiação electromagnética são bem interpretadas pela teoria ondulatória. A luz faz parte do espectro electromagnético e é visualizada como uma onda de comprimento l, à qual estão associadas um campo magnético e um campo eléctrico. A equação que define a onda electromagnética pode ser descrita em termos da frequência da vibração, n, da velocidade, s, e do comprimento de onda, l, de acordo com: [1] Por outro lado, a energia da radiação, E, relaciona-se com o comprimento de onda, l, e com a frequência, n, de acordo com: [2] 80 ARQUITECTURA E VIDA MAIO 2004 onde h é a constante de Planck, c a velocidade da luz no vazio (Tabela 1) e hc a energia do fotão, de acordo com a teoria corpuscular. A comprimentos de onda maiores correspondem energias de fotão menores. (h =.21 x 10-34) A reciprocidade entre comprimento de onda e frequência permite expressar a energia radiante de ambas as formas. Por comodidade, a energia electromagnética de longos comprimentos de onda representa-se em frequências ou número de onda (por exemplo, n = 2000 cm-1, para o infravermelho ou 50 Hz, para electricidade) enquanto a de frequência elevada se representa em comprimentos de onda (por exemplo, 500 nm para a cor verde). Ondas rádio e de radar: as ondas de rádio e de radar representam a parte final do espectro electromagnético na região de baixas energias. As ondas rádio e de radar atravessam a atmosfera e chegam à superfície terrestre onde nos envolvem diariamente. Níveis de exposição elevado a este tipo de radiação revelaram-se nocivos em cobaias. Conta-se que durante a II Guerra Mundial, nas manhãs mais frias de Inverno, os soldados britânicos reuniam-se em parada em frente das antenas de radar. Ora, a banda espectral de ondas rádio e de radar termina exactamente com frequências de microondas, pelo que o conforto proporcionado seria real. Infravermelho: a radiação de comprimento de onda superior ao vermelho é designada por infravermelha (IV), designação que se deve exactamente à proximidade com a região do visível. Embora não perceptível pelo olho humano, a radiação infravermelha é sentida na pele como calor. Cerca de um terço da radiação solar que chega à Terra é radiação infravermelha. Os restantes dois terços são constituídos quase exclusivamente por radiação visível. A radiação infravermelha é também a radiação emitida pelos objectos terrestres no intervalo de temperaturas de 10 oc a 100 oc. Os metabolismos biológicos geram calor que é irradiado pela pele a frequências na gama do infravermelho. Visível: na gama do visível, o menor comprimento de onda da luz que podemos perceber corresponde à cor violeta (l = 400 nm) e o maior ao vermelho (l = 700 nm). Entre estes dois limiares encontram-se o laranja, o amarelo, o verde, o azul e o índigo (Tabela 2).

2 Eng.qxp 1/3/0 7:17 PM Page 2 O controlo da radiação solar é um dos factores determinantes no design sustentado de edifícios Texto de M. Clara Gonçalves* va aos organismos biológicos. No entanto esta é absorvida, quase na totalidade, pelos gases das camadas mais elevadas da atmosfera, como acontece na reacção de decomposição do ozono. Figura 1 Espectro electromagnético Ultravioleta: a radiação de comprimento de onda inferior ao violeta designa-se por radiação ultravioleta (UV). Ultravioleta A (UVA) é a região mais próxima da região violeta, e as regiões ultravioleta B e C (UVB e UVC) correspondem a regiões mais afastadas, de comprimentos de onda ainda menores. Enquanto a radiação de longos comprimentos de onda (por exemplo IV) é completamente inofensiva aos sistemas biológicos, já a sobreexposição à radiação de energia elevada, como UV, pode ser nociva, podendo causar queimaduras cutâneas, lesões no olho humano ou ainda iniciar processos químicos degradativos, como o cancro de pele. No entanto, a exposição à radiação UV é necessária à produção de algumas vitaminas nos organismos vivos e ao crescimento saudável das plantas. Por outro lado, um grande número de produtos pode sofrer alterações mais ou menos profundas, devido a processos fotoquímicos. Daqui a importância da incorporação de filtros UV em vidros de janela. São exemplo disso os vidro duplo e vidro laminado, que permitem a protecção contra riscos de descoloração e deterioração de materiais pela radiação UV. Raios-X e raios Gama: a exposição a radiação de elevada energia é noci- Os vidros comuns são materiais transparentes na gama espectral do visível, embora opacos na gama espectral do IV longínquo e numa larga percentagem da radiação UV (Figura 2). Uma exposição solar, ainda que prolongada, sob um vidro de janela não produz melanina (responsável pelo bronzeado da pele), exactamente porque grande parte da radiação UV é filtrada pelo vidro de janela. Por exemplo, um vidro comum de janela com 1 mm de espessura filtra totalmente a radiação IV. Na região UV, para além da espessura e da composição do vidro, a presença de impurezas é determinante o elemento ferro, por exemplo, absorve na gama de UV. Além de transparentes os vidros são isolantes eléctricos. A origem de muitas das propriedades ópticas e dieléctricas dos materiais transparentes reside na dificuldade de promoção dos electrões da banda de valência para a banda de condução, onde podem conduzir a corrente eléctrica. O limiar de transparência no visível termina, para comprimentos de onda elevados, com a absorção no UV, devida a transições electrónicas entre níveis da banda de valência e níveis não preenchidos da banda de condução. A unidade estrutural da sílica vítrea e do quartzo cristalino possui ligações químicas Si-O cujas transições electrónicas ocorrem na gama do UV. Para comprimentos de onda elevados, o limiar de transparência termina devido às vibrações dos iões na rede em ressonância com a energia imposta. A ausência de fronteiras de grão nos vidros é responsável pela ausência de fenómenos de dispersão e de reflexão internos, fenómenos sempre presentes em materiais policristalinos. Embora o espectro de transmitância possa variar de vidro para vidro, as principais diferenças observam-se fora da gama de transparência (Figura 2). O limiar de transparência de um vidro de sílica pura, no UV, pode ir até 10 nm, dependendo do processo de fabrico do vidro. Já os vidros comuns, vidros de silicatos sodo-cálcicos, apresentam limiares de transparência inferiores no UV, por exemplo, de 287 nm para NA2O.3SIO2. MAIO 2004 ARQUITECTURA E VIDA 81

3 Eng.qxp 1/3/0 7:17 PM Page 3 A COR O fenómeno cor refere-se a uma resposta fisiológica ao estímulo luz que chega à retina. A sensibilidade à cor não depende apenas da intensidade luminosa, mas também da área estimulada da retina. A sensibilidade do olho humano à luz varia com o comprimento de onda e depende das condições de luminosidade. A máxima sensibilidade do olho humano é observada para um próximo de 555 nm (verde) em condições de luminosidade diurna, o comprimento de onda a que corresponde também o máximo de intensidade do espectro solar (Figura 3). As cores que formam o espectro de luz branca são designadas por cores cromáticas (vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, índigo e violeta). As cores não cromáticas são aquelas que resultam da mistura de cores cromáticas e não estão presentes no espectro (por exemplo, o castanho). As cores podem definir-se com apenas três parâmetros tom (cor), luminosidade do tom (valor do tom) e saturação do tom. O olho humano é capaz de distinguir cerca de dez milhões de cores. - Tom (cor) corresponde ao comprimento de onda ou frequência da radiação dominante. Ao tom é dado o nome amarelo, azul, etc. - Saturação corresponde à quantidade de luz branca misturada com o tom e permite caracterizar as cores pálidas (tons pastel, por exemplo). - Luminosidade (valor) descreve a intensidade da cor, i.e., o número de fotões que chegam à retina. Este modelo é designado por modelo de cor RGB. Desta forma é possível realizar a representação de uma cor sobre um diagrama plano, designado por diagrama cromático. Nesta diagrama cromático, os vértices do triângulo representam o vermelho, o verde e o azul. As outras cores serão representadas de acordo com as suas coordenadas tri-estímulos. O ponto central do triângulo de cor representa a cor branca caso em que as três cores primárias estão equitativamente presentes. No diagrama cromático estão representadas a saturação e a matiz, mas não o brilho, que deverá ser adicionado como um terceiro eixo, perpendicular ao plano do diagrama cromático. O vidro pode apresentar cor por diversas razões: 1) o vidro, embora incolor, pode estar revestido por um filme superficial; 2) o vidro, embora incolor, pode estar montado num estrutura de vidro laminado, em que o filme sintético de Butiral de Poliviníl (PVB) tem cor; 3) a massa vítrea pode, de facto, ser colorida. Neste último caso, a cor pode ter origem em fenómenos de absorção (pela presença de grupos cromóforos) ou de dispersão (pela presença de partículas coloidais ou de poros, de dimensões da ordem de grandeza do comprimento de onda da radiação). INTERACÇÃO DA LUZ COM A MATÉRIA Em arquitectura, o vidro é tradicionalmente o material transparente. Muitas das aplicações de arquitectura tiram partido das propriedade ópticas deste material. A interacção da luz com materiais transparentes processa-se de várias formas, como se ilustra na Figura 4. A luz incidente pode ser reflectida por Figura 4 Interacção da luz com um material transparente Figura 2 Espectros de transmissão para vários vidros planos. Os vidros de janela comuns são materiais transparentes na gama espectral do visível, embora opacos na gama espectral do IV longínquo e numa larga percentagem da radiação UV Figura 3 Espectro da sensibilidade do olho humano à radiação visível, em condições de visibilidade diurna (CIE, Commission International de Éclairage) A mistura de cores ocorre sempre que dois ou mais feixes de cores distintas se combinam. A maioria das cores pode produzir-se pela mistura de apenas três cores primárias o vermelho, o verde e o azul. Uma cor será então constituída pela combinação de determinadas quantidades destas três cores primárias, designadas por valores tri-estímulos e que são, R para o vermelho (do inglês red), G para o verde (do inglês green) e B para o azul (do inglês blue), pelo que: [3] qualquer superfície. A luz que atravessa o material pode ser dispersada ou absorvida. Parte da luz absorvida pode vir a ser reemitida, fenómeno que se designa por fluorescência. E, finalmente, a luz que atravessa o material é transmitida. Não considerando o fenómeno de fluorescência, a interacção da luz com um material transparente pode esquematizar-se da seguinte forma: Intensidade incidente (I 0 ) = quantidade reflectida (I R ) + quantidade dispersada (I D ) + quantidade absorvida (I A ) + quantidade transmitida (I T ) Em materiais de boa qualidade óptica, as fracções dispersada e absorvida podem ser desprezadas, pelo que: [4] 82 ARQUITECTURA E VIDA MAIO 2004

4 Eng.qxp 1/3/0 7:17 PM Page 4 [5] REFLEXÃO ESPECULAR Quando a luz atinge uma superfície, se esta for lisa e não apresentar rugosidades, a luz é reflectida espectacularmente, i.e., obedece às leis da reflexão (uma fracção da luz incidente é reflectida pela superfície com um ângulo igual ao ângulo de incidência, encontrando-se o raio incidente, o raio reflectido e a normal à superfície no ponto de incidência no mesmo plano). Este é o fenómeno que se observa em espelhos ou em superfícies polidas. É a regularidade da reflexão especular que permite a formação de imagens em espelhos. A reflexão especular é a única forma de reflexão que obedece às leis da reflexão. A fracção de luz que é reflectida especularmente por uma superfície relaciona-se com o índice de refracção do material pela fórmula de Fresnel (válida para incidência normal em materiais transparentes): [] intensamente devido a múltiplas reflexões (R = 17,4 %). O mesmo se passa com o vidro cristal de chumbo (R = 18,4 %), cujo índice de refracção (n D ~ 2,50) é bastante superior ao do vidro comum de silicato sodo-cálcico (n D ~ 1.5; R = 4,0 %). A perda da luz por reflexão especular num vidro comum, de índice de refracção n = 1,5, é de acordo com [7], (1,5-1) 2 / (1,5+1) 2 = 0,04 por superfície; ou seja, sempre que um raio luminoso atravessa uma superfície vidro / ar, a sua intensidade reduz-se 4 %. Ora, num vidro comum, após a reflexão na primeira superfície, a intensidade luminosa é reduzida a 9%. Depois de atravessar a segunda interface a redução será novamente de 4% (agora 0,04 de 9%), pelo que a fracção de luz transmitida será de 92,1%. Em alguns projectos de arquitectura e civil pretende minimizarse a componente reflexão como, por exemplo, em expositores comerciais ou em expositores de museus, recorrendo-se ao vidro anti-reflexo. Para diminuir as perdas por reflexão é comum a utilização de vidros com revestimentos de índice de refracção inferior ao do vidro base, e com uma espessura da ordem de 1 4 do comprimento de onda da radiação, de forma a permitir uma interferência destrutiva entre a reflexão do vidro e a reflexão do filme (Figura 5). Noutras soluções de arquitectura pretende-se exactamente o inverso, ou seja, minimizar a componente transmissão à custa da componente reflexão. É esta muitas vezes a solução encontrada para revestimentos exteriores de Figura 5 Princípio de um revestimento anti-reflexo. A luz reflectida pela superfície do vidro está 180º ou /2 em oposição de fase, relativamente à luz reflectida pela superfície mais externa do filme, pois atravessa este revestimento de espessura /4, duas vezes Figura Reflexão difusa numa superfície rugosa. À medida que a rugosidade da superfície aumenta, a componente reflexão difusa cresce à custa da componente reflexão especular onde R fracção de luz reflectida (especularmente) n 1 índice de refracção do meio 1 n 2 índice de refracção do meio 2 Quando a luz é transmitida, por exemplo, do vácuo ou do ar para o interior de um vidro de janela, então: pois o índice de refracção do ar é aproximadamente um. Quanto maior for o índice de refracção de um sólido, maior será a sua reflexão especular (Tabela 3). Por exemplo, o elevado índice de refracção do diamante (n D = 2.43) faz com que este, quando multifacetado, brilhe [7] edifícios de serviços, pelo que se recorre a vidro espelhado. O efeito de vidro espelhado é obtido pelo revestimento superficial do vidro-base com um filme de índice de refracção superior ao do vidro base. REFLEXÃO DIFUSA Quando a luz atinge uma superfície rugosa, a reflexão passa a ter uma componente difusa, como se ilustra na Figura. É a componente reflexão difusa que nos permite ver os objectos quando iluminados, a sua textura e a sua cor, e nos permite distingui-los do ambiente. A componente reflexão difusa cresce à custa da componente reflexão especular. Uma superfície formada por pó granulado fino apresenta somente a componente reflexão difusa, ao contrário da superfície de um espelho em que só se manifesta a componente reflexão especular. [8] MAIO 2004 ARQUITECTURA E VIDA 83

5 Eng.qxp 1/3/0 7:17 PM Page 5 REFLEXÃO MISTA A reflexão mista é uma combinação da reflexão especular e da reflexão difusa e é, provavelmente, a que melhor traduz a reflexão da maioria dos objectos. É a razão da componente reflexão difusa sobre a componente reflexão especular que determina a aparência de um sólido. O brilho de uma superfície é exactamente a medida desta razão. O projecto de arquitectura pode exigir vidros com uma elevada componente de reflexão difusa, por exemplo, quando se pretende definir espaços com níveis de privacidade distintos, como acontece em open spaces, pelo que é comum recorrer-se a vidro impresso ou vidro serigrafado. REFRACÇÃO Quando a luz atravessa dois meios transparentes de densidades distintas, como por exemplo ar/água ou ar/vidro, não só a direcção do feixe luminoso é alterada, como a própria velocidade e o comprimento de onda da luz variam abruptamente na interface. Este fenómeno, designado por refracção da luz, é responsável pela distorção da imagem de objectos imersos em copos com água, no interior de piscinas (Tabela 4) ou ainda de objectos perto do solo em dias de calor intenso (o índice de refracção depende da temperatura, pelo que perto do solo o índice de refracção terá um valor máximo, diminuindo à medida que nos afastamos do solo). Sabendo que nos vidros comuns o índice de refracção varia entre 1.5 e 1.7, o valor do ângulo limite estará então entre 42 o e 3 o em relação à normal no ponto de incidência, respectivamente. Se i for o ângulo de incidência, e r o ângulo de refracção, então estes relacionam-se com a velocidade da luz no vazio, V VAC a partir do índice de refracção, n, de acordo com a lei de Snell: Se a luz viajar de um material 1 para um material 2, então a equação [11] pode escrever-se : [10] [11] 12] Meio Vazio Ar (1 atm) Gelo (0ºC) Água (20 ºC) Vidro (chapa de vidro float) Velocidade da luz (m/s) Figura 7 Transmissão de luz num material translúcido. Ambas reflexão e transmissão apresentam componentes especulares e difusas. A forma mais simples de descrever o índice de refracção é através da razão entre a velocidade da luz no vazio e a velocidade da luz no meio: Sempre que a luz passa de um meio para outro opticamente mais denso, a sua trajectória sofre um desvio, aproximando-se da normal de incidência. Se, pelo contrário, a luz passar de um meio de índice de refracção mais elevado para outro de índice de refracção inferior, a sua trajectória também sofre um desvio, mas agora afastando-se da normal. Neste caso, existe um ângulo de incidência crítico (ângulo limite) acima do qual ocorre reflexão interna total da luz. O valor deste ângulo limite, r, depende do índice de refracção do meio, de acordo com: [9] Tabela 1 Velocidade da luz em vários meios (Adaptado de The Science and Design of Engineering Materials, Schaffer, Saxena, Antolovich, Sanders and Warner, McGraw-Hill, Boston, 1999). NOTA: Ao contrário da velocidade do som, a velocidade da luz diminui quando a densidade do meio aumenta. O índice de refracção, e logo a reflexão especular, são função do comprimento de onda da radiação. Em vidros de silicatos, quer o índice de refracção, quer a reflexão especular, decrescem monotonamente com o comprimento de onda, até cerca de 8 m, aumentando depois para um valor máximo, situado entre 9 e 10 m. É esta a razão pela qual o índice de refracção deve indicar sempre o comprimento de onda a que foi medido. É comum efectuar-se a medida de índice de refracção com a luz monocromática de comprimento de onda 598,3 nm (risca D do espectro de sódio), indicando-se então o índice com a notação n D. Nos vidros, o índice de refracção é independente da direcção (i.e., são materiais isotrópicos) mas função do comprimento de onda da radiação. Em geral, o índice de refracção decresce quando o comprimento de onda aumenta, pelo que, para um mesmo material, o índice de refracção para o vermelho é menor do que este para o violeta. É este o fenómeno que está na origem do arco-íris. 84 ARQUITECTURA E VIDA MAIO 2004

6 Eng.qxp 1/3/0 Cor Vermelho Laranja- avermelhado Laranja Amarelo Verde amarelado Verde Verde azulado Azul Violeta 7:17 PM l (nm) Page n (Hz) 4.29 x 1014 x x x x x x x x 1014 Energia (J) 2.84 x x x x x x x x x Energia (ev) Tabela 2 Espectro do visível (Adaptado de Colour and the optical properties of materials, Richard Tilley, John Wiley & Sons, Ltd, Chichester, 2000) DISPERSÃO A dispersão ocorre sempre que pequenos cristais ou outras heterogeneidades estejam presentes no vidro. Em geral, a dispersão é indesejável, embora por vezes se possa tirar partido deste fenómeno. São exemplos disso os vidros opala e rubi, fabricados intencionalmente com centros de dispersão. A dispersão é maximizada sempre que o diâmetro das partículas é da ordem de grandeza do comprimento de onda da radiação nm, para dispersão no visível (Tabela 5). ABSORÇÃO Quando ao fazer incidir luz sobre um vidro, este transmite na mesma proporção todas as frequências, o vidro diz-se incolor. No entanto, se parte da luz que entra no vidro for absorvida com intensidade desigual e de forma selectiva, então o vidro apresentará cor. Índice de refracção n Perda por reflexão R (%) Tabela 3 Perdas por reflexão especular em vidros Nota: Os valores da tabela não devem ser usados para ângulos de incidência superiores a 20o Quando não existem centros dispersores e os centros de absorção estão uniformemente distribuídos pelo material, a quantidade de luz absorvida é dada pela lei de Lambert-Beer: I intensidade da luz à saída I0 intensidade incidente l espessura óptica [13] Como a maioria dos componentes principais do vidro são incolores, é necessário adicionar agentes corantes para produzir a cor desejada. Em vidros é comum a adição de iões metálicos como centros de cor (Tabela ). A presença de cor obtida pela incorporação de óxidos metálicos na massa vítrea conduz a um produto com maior pureza de cor, relativamente aos MAIO 2004 ARQUITECTURA E VIDA 85

7 Eng.qxp 1/3/0 7:17 PM Page 7 Material Vazio Ar Água Gelo Cerâmicos Quartzo (SiO 2 ) Ametista (SiO 2 ) Cristal de rocha (SiO 2 ) Corundum (Al2O 3 ) Zircónia (ZrO 2 ) BaTiO3 Diamante (C) Vidros Vidro de sílica Pyrex Vidro de silicato sodo-cálcico Vidro flint denso Vidro de cristal de chumbo Polímeros Teflon Politetrafluoroetileno Polimetacrilato de metilo Polipropileno Polietileno de alta densidade Nylon, Epoxy Poliestireno Policarbonato Índice de refracção médio , , Tabela 4 Índices de refracção médios para vários materiais (Adaptado de The Science and Design of Engineering Materials, Schaffer, Saxena, Antolovich, Sanders, Warner, Mcgraw-Hill, 2nd ed., Boston, 1999). Nota: Os índices de refracção são superiores à unidade, uma vez que a velocidade da luz num material é sempre inferior à velocidade da luz no vazio Grau de divisão Iónica ou molecular Dissolução Coloidal ou microcristalina Grosseira Estado Dispersão coloidal ou microcristalina Dispersão cristalina Ordem de grandeza Tabela 5 Classificação de grupos cromóforos de acordo com tamanho, em vidros de cor (Adaptado de El Vidrio, José Maria F. Navarro, Consejo Superior de Investigaciones Científicas Fundación Centro Nacional del Vidrio, Madrid, 1991). CONFIGURAÇÃO ELECTRÓNICA 3d 1 3d 2 3d 3 3d 4 3d 5 3d 3d 7 3d 8 3d 9 IÃO Ti 3+ V 4+ V 3+ Cr 3+ V 2+ Mn 3+ Mn 2+ Fe 3+ Fe 2+ Co2+ Ni 2+ Cu 2+ 1 nm 1 nm 100 nm > 100 nm VIDRO fosfatos, borosilicatos silicatos Silicatos, boratos, fosfatos, borofosfatos Silicatos, boratos, aluminofosfatos, silicatos, aluminofosfatos Silicatos, boratos Silicatos Silicatos, boratos Silicatos, boratos, aluminofosfatos Boratos ricos em alcalinos Boratos pobres em alcalinos silicatos Boratos ricos em alcalinos Boratos pobres em alcalinos Silicatos, aluminofosfatos Silicatos, aluminofosfatos, boratos Tabela Coordenação de iões de metais de transição em várias matrizes vítreas. (Adaptado de Les Verres et l Etat Vitreux, J. Zarzycki, Masson, Paris, 1982) Exemplos Fe 2+, Fe 3 +, Co 2 +, Ni 2 +, Cr 3 +, Cu 2 +, V 5 +, VO 2 +, Ce 4 +, etc. Cu 2 O, Ag0, Au0, Cd(x+y)SxSey Cu0, Cr 2 O 3 NC 4 ou 4 ou 4 ou COR Violeta azul verde Verde claro violeta Amarelo pálido Amarelo/castanho Verde azulado Azul Rosa azul Azul Amarelo/castanho azul obtidos pela utilização de pintura ou de outros revestimentos superficiais em vidros. No caso dos vidros laminados, por exemplo, a cor poderá ser incorporada facilmente no filme sintético de PVB. No entanto, a incorporação da cor na massa vítrea confere, a par com uma maior durabilidade, um efeito estético superior. TRANSLUCIDEZ, OPACIDADE A transparência é a propriedade óptica que permite a transmissão nítida de uma imagem. A translucidez e a opacidade são dois termos menos objectivos. Um material não transparente mas que ainda assim é atravessado pela luz diz-se translúcido. Neste caso, a luz transmitida tem uma componente especular e uma componente difusa (Figura 7). T = T difuso + T especular [14] Quando ocorre perda total da luz transmitida, diz-se que o material é opaco. Muitos vidros e vidrados contêm compostos opacificantes que formam uma segunda fase de índice de refracção superior ao do vidro base (N D = 1.5). O grau de opacificação causado pela existência de poros ou partículas depende do seu tamanho médio e concentração, assim como da diferença entre os índices de refracção. CONCLUSÃO O grau com que a radiação solar é reflectida, transmitida, absorvida ou dispersa determina a aparência de um material. O vidro de janela comum, por exemplo, é um material transparente, em que os fenómenos de absorção e de dispersão são praticamente desprezáveis. A reflexão especular é da ordem de 7,84 % da radiação incidente, e os restantes 92,12 % são transmitidos sofrendo, no entanto, uma refracção pelo facto do vidro ser um meio mais denso do que o ar. A composição química, a espessura e o índice de refracção são variáveis intrínsecas que condicionam, em maior ou em menor grau, a aparência de um sólido transparente. Em projecto sustentado de arquitectura, as propriedades ópticas são de importância vital. Pela selecção adequada de um vidro é possível controlar a transmissão vs. reflexão, a reflexão especular em detrimento da reflexão difusa, proporcionar dispersão ou conferir cor. * professora do departamento de de materiais do IST BIBLIOGRAFIA Colour and the Optical Properties of Materials, Richard Tilley, John Wiley & Sons, Chichester, El Vidrio, José Maria F. Navarro, Consejo Superior de Investigaciones Científicas Fundación Centro Nacional del Vidrio, Madrid, Les Verres et l Etat Vitreux, J. Zarzycki, Masson, Paris, Properties of Materials, Mary Anne White, Oxford University Press, Oxford, The Science and Design of Engineering Materials, Schaffer, Saxena, Antolovich, Sanders and Warner, McGraw-Hill, Boston, Glass Engineering Handbook, G. W. McLellan and E. B. Shand, McGraw-Hill, New York, ARQUITECTURA E VIDA MAIO 2004

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções 1. O polarímetro Polarímetros são aparelhos que medem directamente a rotação de polarização, através da medição do ângulo de rotação de um analisador.

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( )

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( ) Aula Óptica Luz visível A luz que percebemos tem como característica sua freqüência que vai da faixa de 4.10 14 Hz ( vermelho) até 8.10 14 Hz (violeta). Esta faixa é a de maior emissão do Sol, por isso

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica

Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica Sumário Vidros Planos e Vidros Low-E Entendendo o Espectro Solar Formas de Propagação de Calor Conceitos Teóricos Luz Visível (Transmitida, Refletida Interior

Leia mais

VIDRO VIDRO VIDRO. Composição. A primeira peça de vidro terá sido fabricada há 5000 anos. Propriedades dos Vidros

VIDRO VIDRO VIDRO. Composição. A primeira peça de vidro terá sido fabricada há 5000 anos. Propriedades dos Vidros 1 A primeira peça de vidro terá sido fabricada há 5000 anos. Propriedades dos Vidros Transparência Dureza e fragilidade elevada Resistência mecânica Resistência à corrosão Propriedades isolantes Propriedades

Leia mais

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos Volume 8 óptica Vídeo 49.1 Vídeo 49.2 Vídeo 49.3 Vídeo 49.4 Vídeo 49.5 Vídeo 49.6 Vídeo 49.7 Vídeo 49.8 Vídeo 49.9 Capítulo 49 Espelhos Planos Um feixe de micro-ondas refletido por uma placa metálica plana

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

Capítulo 21. Vidros. Eduvaldo Paulo Sichieri - USP São Carlos Rosana Caram - USP São Carlos Joaquim Pizzutti dos Santos -UFSM

Capítulo 21. Vidros. Eduvaldo Paulo Sichieri - USP São Carlos Rosana Caram - USP São Carlos Joaquim Pizzutti dos Santos -UFSM Capítulo 21 Vidros Eduvaldo Paulo Sichieri - USP São Carlos Rosana Caram - USP São Carlos Joaquim Pizzutti dos Santos -UFSM Definição de Vidro Por vidro entende-se um produto fisicamente homogêneo obtido

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o

Leia mais

Luz e fotografia considerações iniciais

Luz e fotografia considerações iniciais Introdução às técnicas de iluminação luz e óptica 67 Luz e fotografia considerações iniciais Tudo o que a câmera registra se deve à luz, natural ou artificial. A própria palavra "fotografia" significa

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Biologia

Biofísica Bacharelado em Biologia Biofísica Bacharelado em Biologia Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 4 Luz como uma onda, refração, polarização, difracão e interferência. Formação de imagens e instrumentos óticos. Objetivos: Nesta

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

Análise Estrutural. José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira

Análise Estrutural. José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira Análise Estrutural José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira Objectivos Usar a espectroscopia na identificação de substâncias puras ou compostos orgânicos compreender a interacção

Leia mais

REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n) Analisando as Grandezas

REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n) Analisando as Grandezas ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n)

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA AS ONDAS DE CALOR 2008 RECOMENDAÇÕES SOBRE VESTUÁRIO APROPRIADO EM PERÍODOS DE TEMPERATURAS ELEVADAS Nº: 21/DA DATA: 07/08/08 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar.

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. PRINCÍPIOS DA ÓPTICA A luz do Sol percorre a distância de 150 milhões de quilômetros com uma velocidade

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

A luz propaga-se em linha recta e radialmente em todas as direcções sempre que a velocidade de propagação for constante.

A luz propaga-se em linha recta e radialmente em todas as direcções sempre que a velocidade de propagação for constante. Propagação da luz A luz propaga-se em linha recta e radialmente em todas as direcções sempre que a velocidade de propagação for constante. Ao propagar-se, a luz pode atravessar materiais transparentes

Leia mais

I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006

I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006 I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006 Prof. Luiz Fernando Rispoli Alves DECAT/EM/UFOP 2006 Base para a elaboração

Leia mais

EXTERNATO MATER DOMUS

EXTERNATO MATER DOMUS EXTERNATO MATER DOMUS RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 MATÉRIA: FÍSICA PROFESSORA: RENATA LEITE QUARTIERI ALUNO: Nº Série: 3º TURMA: Única DATA: 02 /03/2015 ASSINATURA DO

Leia mais

11ºano MÓDULO 1. Material a utilizar: esferográfica preta ou azul, máquina de calcular

11ºano MÓDULO 1. Material a utilizar: esferográfica preta ou azul, máquina de calcular 11ºano MÓDULO 1 Matriz da Prova de Equivalência à Frequência (Decreto-lei nº 74/2004) PROVA ESCRITA E PRÁTICA DE FÍSICA E QUÍMICA APLICADA 11º E 12º anos Vertente Imagem Código da Prova 815 1ª Fase / 2ªFase

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos A PKO Há mais de 15 anos no mercado brasileiro de vidros, a PKO do Brasil preza sempre pela qualidade dos seus produtos e atendimento personalizado. Tais fatores são fundamentais para

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Fábio Legramanti Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jônatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Fábio Legramanti Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jônatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 06: Ondas longitudinais e ondas transversais; Medida do comprimento de uma

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio César Giubilei

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES

QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES http:// 2 Introdução Histórico / aspectos gerais Análise qualitativa / análise quantitativa Análise clássica / análise instrumental Análise espectrofotométrica Introdução

Leia mais

Material Extra de Física

Material Extra de Física Material Extra de Física ONDAS 01. (F. M. Triângulo Mineiro MG) ENTÃO MAFALDA, O QUE ESTÁ ACHANDO DO MAR? ATÉ AGORA, UM INDECISO f (10 14 m) λ (10-7 m) 6,7 Violeta Azul 4,8 5,6 Verde x Amarelo 5,8 5,0

Leia mais

3ª sessão na área da Física de preparação para a EUSO2010

3ª sessão na área da Física de preparação para a EUSO2010 FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 3ª sessão na área da Física de preparação para a EUSO2010 Espectros de riscas de gases sujeitos a descargas: em cima mercúrio e em baixo do

Leia mais

DISCIPLINA EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES 1º. QUADRIMESTRE DE 2012

DISCIPLINA EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES 1º. QUADRIMESTRE DE 2012 INTERAÇÃO LASER-TECIDO DISCIPLINA EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES 1º. QUADRIMESTRE DE 2012 1 INTERAÇÃO LUZ-TECIDOS Reflexão Espalhamento Transmissão Refração Absorção Ar Tecido Absorção

Leia mais

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR. No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas. independentemente de sua frequência.

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR. No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas. independentemente de sua frequência. PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: ONDAS Física Dudu 01. F.M. Triângulo Mineiro MG. III) No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas caminham com uma mesma velocidade, independentemente

Leia mais

TEORIA DA COR NO DESIGN

TEORIA DA COR NO DESIGN FAUPUCRS Design Gráfico TEORIA DA COR NO DESIGN Prof. Arq. Mario Ferreira, Dr.Eng. Outubro, 2011 AXIOMAS NA ÁREA DO DESIGN Projeto cromático tipo e utilização do elemento (objeto ou imagem) tratado; Falta

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

Radiações electromagnéticas; os espectros Cláudia Costa

Radiações electromagnéticas; os espectros Cláudia Costa ESPECTROS, RADIAÇÕES E ENERGIA Radiações electromagnéticas; os espectros Cláudia Costa Sumário: Radiações electromagnéticas; Espectro visível da luz solar; Espectros térmicos; Espectros contínuos das estrelas;

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

Vidros para construção civil

Vidros para construção civil Vidros para construção civil Conceito de Vidro: Vidros industriais: Produtos inorgânicos obtidos por fusão e resfriamento sem cristalização Vidro ordinário ou neutro para construção civil: Solução amorfa

Leia mais

Física Experimental - Óptica - luz policromática e laser - EQ045B.

Física Experimental - Óptica - luz policromática e laser - EQ045B. Índice Remissivo... 5 Abertura... 8 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos algarismos 199 são destinadas ao professor.... 8 All of the basic

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Espectroscopia de Raios X

Espectroscopia de Raios X Espectroscopia de Raios X 1. Introdução Raios X O conhecimento da estrutura dos materiais, a maioria dos quais são cristalinos no estado sólido, s é fundamental para a caracterização das propriedades físicas

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

TEORIA INFRAVERMELHO

TEORIA INFRAVERMELHO TEORIA INFRAVERMELHO Irradiação ou radiação térmica é a propagação de ondas eletromagnética emitida por um corpo em equilíbrio térmico causada pela temperatura do mesmo. A irradiação térmica é uma forma

Leia mais

a) I b) II c) III d) IV e) V

a) I b) II c) III d) IV e) V 1. (Cesgranrio 1991) Sobre uma lente semiesférica de vidro incide um raio de luz, cuja direção é paralela ao eixo óptico da lente. Qual dos raios (I, II, III, IV ou V) indicados na figura a seguir que

Leia mais

Exercícios de Óptica

Exercícios de Óptica Exercícios de Óptica PROFESSOR WALESCKO 22 de dezembro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1 2 UFRGS 11 3 Gabarito 24 1 Exercícios 1. A figura abaixo representa um raio de luz que incide no espelho plano E e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas Biofísica 1 Ondas Eletromagnéticas Ondas Ondas são o modo pelo qual uma perturbação, seja som, luz ou radiações se propagam. Em outras palavras a propagação é a forma na qual a energia é transportada.

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo de micro-ondas I Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 1.º Teste sumativo de FQA 21. Out. 2015 Versão 1 10.º Ano Turma A e B Professora: Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas e termina na palavra

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

Física Experimental - Óptica - Banco óptico linear com lanterna de luz branca - EQ045.

Física Experimental - Óptica - Banco óptico linear com lanterna de luz branca - EQ045. Índice Remissivo... 4 Abertura... 7 As instruções básicas de funcionamento dos aparelhos utilizados nas atividades experimentais dos manuais, identificadas no canto superior direito da página pelos números

Leia mais

Colégio Jesus Adolescente

Colégio Jesus Adolescente olégio Jesus dolescente Ensino Médio 2º imestre Disciplina Física Setor Turma 1º NO Professor Gnomo Lista de Exercício Mensal ulas 1 à 15 1) Um raio de luz monocromático se propaga no com velocidade 200.000

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

Vidros Vidro Acidado Submetido à solução ácida que age no vidro, de maneira controlada, criando texturas, desenhos e letras e promovendo um aspecto de translucidez. Pode ser fabricado artesanal ou industrialmente

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES Nestes tipos de fechamento podem ocorrer três tipos de trocas térmicas: condução, convecção e radiação. O vidro comum é muito

Leia mais

PROTETORES SOLARES. Priscila Pessoa, bolsista PIBID, IQ-UNICAMP

PROTETORES SOLARES. Priscila Pessoa, bolsista PIBID, IQ-UNICAMP PROTETORES SOLARES Priscila Pessoa, bolsista PIBID, IQ-UNICAMP O sol é uma fonte de energia essencial para a vida na terra pois, direta ou indiretamente a maioria dos ciclos biológicos dependem da radiação

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

1. Espectros, radiação e energia

1. Espectros, radiação e energia 1. Espectros, radiação e energia Radiação é a propagação da energia por meio de partículas ou ondas no espaço. A radiação pode ser identificada: Pelo elemento condutor de energia: Radiação electromagnética

Leia mais

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem:

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: C.F.Q. 8ºA Outubro 1 1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: 1.1. Qual é o detetor de luz? O olho. 1.2. Qual é o recetor de luz? A bola. 1.3. De que cor veremos a bola se ela

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica Resolução das atividades complementares 3 Física F7 Introdução à Óptica geométrica p. 10 1 (FMTM-MG) O princípio da reversibilidade da luz fica bem exemplificado quando: a) holofotes iluminam os atores

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso a alguns conceitos que fazem parte da física óptica. Refletiu sobre o conceito de luz, seus efeitos, de que forma ela está relacionada à nossa visão e

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

Vidros de controle solar

Vidros de controle solar Vidros de controle solar ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal fernandosw@arq.ufsc.br 1 PROPRIEDADES IMPORTANTES FATOR SOLAR E RESISTÊNCIA TÉRMICA

Leia mais

Refração luminosa. antes de estudar o capítulo PARTE II

Refração luminosa. antes de estudar o capítulo PARTE II PARTE II Unidade E capítulo 13 Refração luminosa seções: 131 Considerações preliminares 132 Leis da refração 133 Dioptro plano 134 Lâmina de faces paralelas 135 Prisma 136 Refração da luz na atmosfera

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Armando Cristóvão Adaptado de "The Tools of Biochemistry" de Terrance G. Cooper Como funciona um espectrofotómetro O espectrofotómetro é um aparelho

Leia mais

5/Dez/2012 Aula 21. 21. Polarização das ondas EM 21.1 Por absorção 21.2 Por reflexão 21.3 Por birrefringência 21.4 Equações de Fresnell

5/Dez/2012 Aula 21. 21. Polarização das ondas EM 21.1 Por absorção 21.2 Por reflexão 21.3 Por birrefringência 21.4 Equações de Fresnell 5/Dez/2012 Aula 21 21. Polarização das ondas EM 21.1 Por absorção 21.2 Por reflexão 21.3 Por birrefringência 21.4 Equações de Fresnell 7/Dez/2012 Aula 22 22. Óptica geométrica 22.1 Espelhos planos 22.2

Leia mais

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni Colégio Zaccaria TELEFAX: (0 XX 21) 3235-9400 www.zaccaria.g12.br Lista de exercícios Física II (Recuperação) 2º Período 2014 Aluno(a): N.º Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni QUESTÃO 1

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

A influência das. lâmpadas na gravação

A influência das. lâmpadas na gravação A influência das lâmpadas na gravação Uma boa gravação garante a qualidade da impressão e a durabilidade da matriz. Veja como as lâmpadas influenciam esse processo Por Márcio Moraes dos Santos, da Vision-Cure

Leia mais

Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R; Machado, F.B, cap.i, pag.1

Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R; Machado, F.B, cap.i, pag.1 Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R; Machado, F.B, cap.i, pag.1 I- Introdução Conceitos Básicos Luz: É a parte visível do espectro eletromagnético, que compreende desde os raios γ até as ondas longas de rádio,

Leia mais

Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros

Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros União Astronómica Internacional Universidade Tecnológica Nacional, Argentina Colégio Retamar de Madrid, Espanha Universidade Politécnica

Leia mais

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA Questões associadas à aplicação dos lasers na Medicina Princípios Físicos e aspectos técnicos do equipamento Interacção da luz laser com os tecidos: fotocoagulação, fotovaporização,

Leia mais

Lista de refração e reflexão Ondulatória - Prof. Flávio

Lista de refração e reflexão Ondulatória - Prof. Flávio 1. (Ufu 2006) João corre assoviando em direção a uma parede feita de tijolos, conforme figura a seguir. A frequência do assovio de João é igual a f(inicial). A frequência da onda refletida na parede chamaremos

Leia mais

NÁLISE FRMCOPÊIC ENSIOS DE POTÊNCI MÉTODOS INSTRUMENTIS Profa. Ms. Priscila Torres Métodos Quantitativos Instrumentais - São mais sensíveis; - Requerem quantidades menores de amostras; - São mais seletivos

Leia mais

Espectros, Radiações e Energia

Espectros, Radiações e Energia Espectros, Radiações e Energia Adaptado de Corrêa, C. (2007), química, Porto Editora por Marília Peres 2007/2008 Espectros. Espectros de emissão e de absorção. A natureza destas e de outras figuras multicolores

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica FUNDAMENTOS DE ONDAS, RADIAÇÕES E PARTÍCULAS Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Questões... O que é uma onda? E uma radiação? E uma partícula? Como elas se propagam no espaço e nos meios materiais?

Leia mais

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE ÍNDICE balanço de energia -2 ganho térmico - perdas térmicas -4 aplicações -7 para saber mais... -8-1 balanço de energia A consiste na absorção de radiação numa superfície absorsora e na transferência

Leia mais

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

Teorias da luz. Experiências

Teorias da luz. Experiências Teorias da luz. Experiências Jaime E. Villate Departamento de Física Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Exposição na Biblioteca da FEUP 21 de Abril a 13 de Junho de 2005 1 A luz é um fenómeno

Leia mais

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14 17/Abr/2015 Aula 14 Introdução à Física Quântica Radiação do corpo negro; níveis discretos de energia. Efeito foto-eléctrico: - descrições clássica e quântica - experimental. Efeito de Compton. 22/Abr/2015

Leia mais

SANTOS, M. Técnica, espaço e tempo: Meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 28.

SANTOS, M. Técnica, espaço e tempo: Meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 28. 2 a EM 1. Leia o texto a seguir. O processo de unificação se faz por intermédio do que se chama de redes. Seria, portanto, pela unificação que adviria o fracionamento. As redes são vetores de modernidade

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais