QUESTÕES GLOBALIZANTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUESTÕES GLOBALIZANTES"

Transcrição

1 1. DO GPS À DESCRIÇÃO DO MOVIMENTO O Sisema Global de Posicionameno (global posiion sysem) compreende 24 saélies, cada um de apenas 5 m de comprimeno, em órbia a uma aliude de cerca de km. Pode ser usado para deerminar a posição de um objeo com uma incereza de cerca de 10 meros. Os saélies do sisema possuem relógios aómicos e os receores relógios de quarzo, devendo ambos os relógios esar sincronizados. Cada saélie ranspora um relógio aómico de ala precisão, cujo empo é ransmiido coninuamene por meio de ondas de rádio. Num dado local, um receor de GPS deea o sinal enviado e deermina a disância que os separa, iso é, saélie e receor, a parir do conhecimeno do empo de viagem do sinal. Por riangulação do sinal de rês saélies, deermina a posição do receor. Triangulação do sinal de rês saélies O sisema de GPS em múliplas aplicações na vida quoidiana Refira duas aplicações do sisema de GPS Deermine o empo que o sinal emiido por um saélie, que esá na verical do receor, demora a ser deeado por ese Os gráficos posição-empo são uma forma eficaz de descrever o movimeno de um corpo num dado inervalo de empo. O gráfico mosra como variou a posição de uma parícula no inervalo de empo [0 ; 10] s. Classifique as afirmações seguines em verdadeiras ou falsas. Jusifique. (A) No inervalo de empo [0 ; 10] s, o deslocameno foi nulo. (B) O módulo da velocidade em = 2 s é menor que no insane = 4 s. (C) Podemos concluir que a rajeória da parícula é curvilínea. (D) A parícula iniciou o movimeno no pono escolhido para origem da rajeória. (E) A parícula moveu-se sempre no senido posiivo da rajeória. (F) O espaço percorrido pela parícula no inervalo de empo [0 ; 10] s foi zero meros. (G) O insane = 4 s represena o momeno em que a parícula invereu o senido do movimeno. (H) No inervalo de empo ]6 ;10[ s, o valor da velocidade pode ser considerado consane. x/m /s Gráfico posição-empo. 87

2 1.3. Seguidamene, apresenam-se os gráficos velocidade-empo de cinco parículas, A, B, C, D e E. v/m s -1 (A) (B) (C) (D) (E) v 0 1 v/m s -1 v/m s-1 v/m s -1 v/m s -1 v 0 /s v 0 v 0 1 /s 1 2 /s v 0 1 /s 1 /s v 2 Gráficos velocidade-empo Uilizando as leras A, B, C, D e E, idenifique uma parícula para a qual aé ao insane o movimeno é acelerado o movimeno é reardado no senido negaivo da rajeória a resulane das forças não se maneve consane a resulane das forças em senido conrário à velocidade A parícula E enconrava-se na posição 20 m no insane inicial. Admia que para essa parícula v o = 10 m s -1, v 2 =-20 m s -1, 1 = 5 s e 2 = 15 s Deermine a posição da parícula E no insane = 15 s Escreva a equação x = x() para o inervalo de empo [0;10[ s e recorrendo a máquina gráfica faça um esboço do gráfico raduzido pela equação. Transcreva-o e idenifique as coordenadas dos ponos que considere mais significaivos A força gravíica é fundamenal na descrição do movimeno de corpos que viajam pelo espaço. Considere um corpo de massa 100,0 kg que se enconra à superfície da Terra Caracerize a força gravíica a que o corpo esá submeido Admia que corpo de massa 100,0 kg faz duas viagens inerplaneárias. 1. a viagem " é ransporado para um planea X com as seguines caracerísicas: m X = 2 m Terra e r X = 2 r Terra 2. a viagem " vai a um planea Y com as seguines caracerísicas: 1 m Y = m Terra e r Y = r 2 Terra Considere as seguines afirmações: I. A força gravíica a que o corpo fica submeido no planea Y é mais inensa do que aquela a que fica submeido no X. II. A força gravíica a que o corpo fica submeido à superfície da Terra é menos inensa do que aquela a que fica submeido no Y. III. Em X e Y, a força gravíica a que o corpo fica submeido em a mesma inensidade. IV. A força gravíica a que o corpo fica submeido à superfície da Terra é mais inensa do que aquela a que fica submeido no X. Das opções seguines, selecione a única verdadeira. Jusifique a sua escolha. (A) Só a afirmação I é verdadeira. (B) As afirmações I e IV são verdadeiras. (C) As afirmações I e IV são falsas. (D) Só a afirmação IV é falsa. 88

3 1.5. Para deerminar o valor da aceleração gravíica (g) num local à superfície da Terra, um grupo de alunos uilizou uma monagem similar à que se represena na figura. Esfera de raio bem definido Célula A Célula B Monagem experimenal para deerminar a aceleração gravíica local (represenação esquemáica adapada do Exame Nacional de ạ Fase). Digiímero Largando a esfera, de raio 1,50 cm, sempre da mesma alura relaivamene à célula A, os alunos repeiram a experiência rês vezes e leram no digiímero os empos de passagem da esfera nas células A e B. Tempo de passagem na célula A/ms Tempo de passagem na célula B/ms 98,72 13,00 98,58 13,41 98,45 13, Deermine o maior desvio na medição do empo de passagem da esfera na célula A, expresso em unidades SI O inervalo de empo médio que a esfera demorou enre as células A e B foi 0,2151 segundos. Deermine o valor da aceleração gravíica no local em que foi realizada a experiência. Apresene odas as eapas de resolução Explique por que moivo nesa deerminação experimenal não é adequado uilizar o cronómero para a medição dos empos. 89

4 2. MOVIMENTO DE PLANETAS E EM TORNO DELES Johannes Kepler ( ) enunciou rês leis para o movimeno dos planeas em orno do Sol. Na abela seguine enconram-se informações de rês planeas do nosso Sisema Solar. Planea Mercúrio Terra Júpier Massa/kg 3,29 * ,97 * ,90 * Raio médio do planea/km Disância média do planea ao Sol/m 5,7 * ,5 * ,8 * Período de roação 58,65 dias 23,9 horas 9,9 horas Período de ranslação 87,97 dias 365,2 dias 11,86 anos erresres Algumas caracerísicas físicas de rês planeas. Dados relaivos ao Sol: Massa = 2 * kg; Raio = 6,96 * 10 5 km 2.1. Mercúrio é o planea mais próximo do Sol. A disância enre eles pode ser represenada por d SM A massa do Sol (M) é cerca de 6,0 * 10 6 vezes maior do que a massa de Mercúrio (m). Selecione a opção que raduz a expressão do módulo da força gravíica a que Mercúrio esá sujeio devido ao Sol. (A) F g = 6 * 10 6 * G M 2 d 2 SM (B) F g = 6 * 10 6 * G M (C) F g = G 2 (D) F g = 6 * 10 6 * G r 2 S Caracerize a resulane das forças que aua em Mercúrio Os saélies esacionários da Terra chamam-se geoesacionários. Admia que saélies esacionários de Júpier se virão a designar Júpier-esacionários Refira as caracerísicas do movimeno de um saélie para que possa ser considerado esacionário em relação a Júpier Deermine o valor da velocidade orbial de Júpier. Apresene odas as eapas de resolução Idenifique a aproximação feia (simplificação) ao resolver a alínea anerior A figura seguine represena o movimeno da Terra em orno do Sol, não esando à escala. m 2 d 2 SM M 2 r 2 M A Movimeno da Terra em orno do Sol. Tome aenção aos veores da figura seguine. Veores. Das opções seguines, selecione a que coném, respeivamene, os veores que podem represenar a velocidade, a aceleração e a força cenrípea, relaivamene à Terra na posição A. (A)»a,»c,»d (B)»e,»a,»b (C)»e,»a,»a (D)»f,»b,»a a b c d e f g h 90

5 2.4. Júpier, represenado na figura, al como odos os ouros planeas, em movimeno de roação em orno do seu eixo imaginário. As parículas A, B e C localizam-se à superfície de Júpier e a linha a racejado represena o seu eixo imaginário. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das afirmações seguines. (A) A frequência do movimeno de A é igual à de B. (B) O valor da velocidade angular de A, B e C é igual. (C) O valor da velocidade angular de A é menor do que o de B. (D) O valor da velocidade linear de B é maior do que a de A. (E) O valor da aceleração cenrípea de B é menor do que o de C. (F) O período do movimeno da parícula C é maior do que o da A e B. (G) A frequência do movimeno de A é menor do que a de C Na abela que se segue enconram-se dados relaivos a dois planeas do nosso sisema solar. A B C Júpier. Planea Massa/kg Raio/km Disância média ao Sol (milhões de quilómeros) Mare 6,42 * Saurno 5,70 * Admia que uma caixa de massa 40,0 kg era colocada à superfície desses dois planeas. Em qual dos planeas, Mare ou Saurno, a caixa ficaria submeida a uma forma gravíica mais inensa? Fundamene a sua resposa Se a caixa de 40,0 kg, quando nas proximidades de Mare, for levada da posição X para a posição Y, a inensidade da força graviacional X r M Y 2r M Mare. Selecione a opção que complea a frase anerior. (A) diminui quaro vezes. (B) aumena para o dobro. (C) reduz-se para meade. (D) aumena quaro vezes. 91

6 2.6. O Hubble é um saélie asronómico arificial não ripulado que ranspora um grande elescópio para luz visível e infravermelha. Foi lançado pela NASA, em abril de 1990, a bordo de um vaivém. Tem massa kg e orbia em orno da Terra a uma aliude consane de 589 km. Telescópio espacial Hubble Caracerize a aceleração gravíica à aliude a que orbia o Telescópio Espacial Hubble. Apresene odas as eapas de resolução Deermine o período orbial do elescópio, expresso em horas Tendo em cona a siuação descria, selecione o conjuno de gráficos que melhor raduz o valor da força gravíica e da velocidade em função do empo, durane a sua órbia em orno da Terra. (A) (B) (C) (D) F g F g F g F g v v v v Gráfico força gravíica-empo e velocidade-empo Admia que a Lua descreve uma órbia circular de raio r L em orno da Terra. Selecione, das opções seguines, aquela onde esá correamene represenada a força resulane»f r sobre o saélie e a sua velocidade»v. (A) (B) (C) (D) F r F r v v v F r F r = 0 v Força resulane sobre o saélie e velocidade orbial. 92

7 3. COMBATE A INCÊNDIOS Segundo um jornal diário, muio embora a época de fogos floresais já enha erminado no dia 15 de ouubro, ocorreram hoje dois incêndios na área de inervenção dos Bombeiros de Canas de Senhorim O segundo, em Carvalhal Redondo, consumiu 1 hecare de pinhal em resulado de mais uma queimada abandonada. Fomos alerados por vola das 19h00 e de imediao saíram para o local dois veículos (A e B) e 16 homens Devido ao rânsio que havia a essa hora, os veículos dos bombeiros iveram de ligar o pirilampo luminoso e acionar várias vezes a sirene O gráfico seguine raduz a variação da posição do veículo A dos bombeiros. A equação x = x () represena para o veículo B a variação da posição, nos primeiros seis segundos de movimeno na esrada reilínea em que se localiza o quarel. x/m 120 Veículo A Veículo A Veículo B x B = 2,5 2 (SI) Gráfico posição-empo /s Classifique o movimeno dos veículos, A e B, no inervalo de empo [0 ; 6[ s Dos gráficos, A, B, C e D, selecione a opção que melhor poderá raduzir o valor da velocidade de A e B, de [0 ; 6[ s. v/m s (A) (B) (C) (D) B v/m s v/m s v/m s A 20 A 20 A A 10 B 10 B 10 B 0 6 /s 0 6 /s 0 6 /s 0 6 /s Gráficos velocidade-empo No incêndio, um dos bombeiros segura a agulhea horizonalmene a uma alura de 150 cm do solo. Conudo, a pressão da água é reduzida e por isso não ainge a zona do fogo. Admia que cada goa de água se compora como um projéil lançado na horizonal, com velocidade de valor de cerca de 40 m s 1. Despreze a resisência do ar. Incêndio em pinhal. Carro dos bombeiros Deermine o alcance médio de cada uma das goas de água que ainge o solo, considerando- -o horizonal. 93

8 Deermine, parindo de considerações energéicas, o valor da velocidade das goas de água quando aingem o solo Admia que: não era possível aumenar a pressão de saída do jao de água; o bombeiro que segurava a agulhea esava juno à viaura e não podia aproximar-se mais do fogo. Que sugesão poderia ser dada ao bombeiro, para que o jao de água aingisse maior alcance. Fundamene a sua sugesão Devido ao rânsio que havia a essa hora, os carros dos bombeiros iveram de ligar o pirilampo luminoso e acionar várias vezes a sirene Classifique as ondas obidas aravés da perurbação gerada pelo pirilampo luminoso e pela sirene, no ar, em mecânicas/eleromagnéicas e longiudinais/ransversais. Jusifique a classificação feia A velocidade do som no ar, a 20 C, é 343 m s -1 e a equação que raduz a vibração de uma parícula de ar devido ao som emiido pela sirene é: x = 2,0 * 10-3 cos (2,0p * 10 3 ) (SI) Selecione a alernaiva correa. (A) A ampliude de vibração é 2,0 * 10-3 cm. (B) A frequência da vibração é 1000 Hz. (C) O período da vibração é 2,0 * 10 3 s. (D) O comprimeno de onda da onda sonora é 2,0 * 10-3 m Se se preendesse que a sirene emiisse um som mais grave e de maior inensidade deverse-ia uilizar uma fone com Selecione a alernaiva que complea correamene a afirmação anerior. (A) maior ampliude e maior frequência. (B) menor frequência e menor ampliude. (C) menor frequência e maior ampliude. (D) menor ampliude e maior frequência Uma goa de água que cai vericalmene, ao fim de algum empo de queda, ainge a velocidade erminal, ou seja, passa a mover-se vericalmene com velocidade consane. Também, o movimeno de uma esfera que é sola no inerior de um líquido viscoso (por exemplo, glicerina ou deergene da louça) é semelhane à da queda da goa de água, iso é, ao fim de algum empo, ainge uma velocidade consane. No movimeno da esfera no líquido, o valor da força de resisência do líquido (força de viscosidade:»f v ) é, em cada insane, direamene proporcional ao valor da velocidade da esfera. Líquido viscoso Movimeno de uma esfera num líquido. Esfera 94

9 O gráfico represena como variou o módulo do valor da velocidade de uma esfera de massa 50,0 g que foi sola no inerior de um líquido viscoso. v/m s 1 0,15 Gráfico velocidade-empo. 0 2,0 4,0 6,0 /s Faça uma esimaiva da alura da coluna de líquido aravessada pela esfera. Jusifique o valor apresenado Relaivamene ao movimeno da esfera no inerior do líquido, fizeram-se várias afirmações. Classifique-as em verdadeiras (V) ou falsas (F), jusificando. (A) Durane o movimeno, só aua uma força na esfera. (B) No insane = 4,0 s, o valor da força de viscosidade exercida pelo líquido na esfera é 0,500 N. (C) Durane o movimeno da esfera no líquido é válida a Lei da inércia ou 1 ạ Lei de Newon. (D) No insane = 1,0 s, o valor do peso da esfera é superior ao valor da força de viscosidade. (E) A força que consiui par ação-reação com a força de viscosidade esá aplicada na base do recipiene. (F) Nos primeiros 3,0 s, o movimeno é uniformemene acelerado. (G) A 2. a Lei de Newon não é válida nos primeiros 3,0 s de movimeno No movimeno do paraquedisa, ese num dado insane abre o paraquedas e ao ocar o solo flee as pernas. Eses dois facos conribuem, respeivamene, para Selecione a alernaiva que complea correamene a afirmação anerior. (A) diminuir o valor da velocidade de queda e para aumenar a força de impaco com o solo. (B) aumenar a resisência do ar e para diminuir o inervalo de empo de impaco com o solo. (C) aumenar a resisência do ar e para aumenar o inervalo de empo de impaco com o solo. (D) aumenar o valor da velocidade de queda e para diminuir a força de impaco com o solo. 95

10 4. O FAROL DE LEÇA Há cem anos era desolador o panorama que a cosa poruguesa apresenava nas proximidades do local onde se ergue hoje o Farol de Leça de acordo com as aas da Comissão dos Faróis e Balizas. O farol de Leça em uma orre de 46 m e enrou em funcionameno a 15 de dezembro de Na pare superior, em um varandim que se enconra a cerca de 40 m do solo e que permie uma observação privilegiada sobre o mar. Enre o varandim e o opo do farol há um aparelho óico, sendo a fone luminosa uma lâmpada de incandescência elérica. Nessa época, a energia necessária à lâmpada era produzida aravés de geradores de indução eleromagnéica. Farol de Leça. Dada a evolução da ecnologia, em 1938 foi insalado um radiofarol, ou seja, uma esação ransmissora especializada. Colocada numa posição geográfica fixa e precisamene conhecida, emie sinais de radiofrequência com um formao predeerminado, o que permie a esações de rádio móveis (erresres, aéreas ou maríimas) fazer a sua idenificação e deerminar a sua posição relaiva face ao pono geográfico de emissão. Por vola de 1955, o farol foi equipado com um ascensor (elevador) para acesso ao varandim da orre e em 1964 foi ligado à rede elérica de disribuição pública. Adapado de A energia necessária à lâmpada era produzida aravés de geradores de indução eleromagnéica. Nos geradores de indução eleromagnéica há campos eléricos e campos magnéicos Selecione a alernaiva que complea correamene a afirmação seguine. Quando se coloca uma carga elérica ponual, q o, num campo elérico, a força elérica (»F el ) a que esa carga fica sujeia devido ao campo (A) em sempre direção perpendicular ao veor campo elérico (»E ). (B) em a mesma direção e senido que o veor campo elérico (»E ), se a carga q o for negaiva. (C) em a mesma direção e senido oposo ao veor campo elérico (»E ), se a carga q o for negaiva. (D) não depende da carga da carga de prova Dois ímanes iguais foram colocados sobre uma mesa, al como mosra a figura. O pono X localiza-se no pono médio enre os ímanes. Ímanes. X N S N S. Dos veores seguines, selecione a opção que melhor represena o veor campo magnéico (»B ) no pono X, devido aos dois ímanes. (A) (B) (C) (D) Veores de campo magnéico. B = Escreva um exo no qual explique os conribuos experimenais de Oërsed e Faraday para o desenvolvimeno dos geradores de indução eleromagnéica. 96

11 4.2. Em 1938 foi insalado um radiofarol, ou seja, uma esação ransmissora especializada, insalada numa posição geográfica fixa e precisamene conhecida, que emie sinais de radiofrequência. Classifique como verdadeiras (V) ou falsas (F) as afirmações seguines. (A) O especro de radiofrequências é formado por radiações de elevada frequência. (B) As ondas de rádio não são radiação eleromagnéica. (C) O primeiro cienisa a produzir ondas de rádio a nível de laboraório foi Marconi. (D) As ondas de rádio êm comprimeno de onda superior ao das micro-ondas. (E) As ondas de rádio não sofrem reflexão nem refração. (F) As ondas de rádio difraam-se mais que as micro-ondas ao enconrar obsáculos. (G) As micro-ondas são usadas nas ransmissões por um saélie de comunicações, porque aravessam facilmene a amosfera erresre. (H) No vazio, as micro-ondas propagam-se a uma velocidade de 3,0 * 10 5 km/s e as ondas de rádio propagam-se a uma velocidade menor O gráfico seguine mosra o valor da velocidade de um ascensor (represenado esquemeicamene abaixo) desde que arranca aé que chega ao nível do varandim da orre, admiindo o referencial orienado do solo para o opo da orre. v/m s 1 0,5 Cabo que suspende o elevador y /s Gráfico velocidade-empo. Ascensor. x Idenifique um inervalo de empo em que se verifica a 1. a Lei de Newon ou Lei da inércia Considerando que a origem do referencial coincide com o pono de parida do elevador, para os inervalos de empo, [0 ; 20[ s e ]20; 80[ s, a lei do movimeno do elevador é, respeivamene: Selecione a opção correa. (A) x = 0,025 2 e x = 5 + 0,5 ( 2-20). (B) x = 0, e x = 5 + 0,5 ( - 20). (C) x = 0,025 e x = 5 + 0,5 ( - 20). (D) x = 0,5 + 0, e x = 5 + 0,025 ( - 20) O elevador arranca no rés do chão e para juno ao varandim. Das alernaivas seguines, selecione a que complea correamene a afirmação que se segue. De acordo com o gráfico, pode concluir-se que (A) o módulo da resulane das forças no arranque é igual ao módulo da resulane das forças na ravagem. (B) o módulo da resulane das forças no arranque é maior do que na ravagem. (C) o módulo da resulane das forças no arranque é meade do módulo da resulane das forças na ravagem. (D) o módulo da resulane das forças no arranque e na ravagem é nulo. 97

12 Admia que a cabina do elevador em a massa de 680,0 kg e no seu inerior esão duas pessoas, cada uma com massa 60,0 kg. Parindo da lei fundamenal da dinâmica, deermine a ensão no cabo que suspende o ascensor (elevador) nos insanes: = 10 s e = 50 s. Apresene odas as eapas de resolução Dois alunos esavam no varandim do farol e ravavam o seguine diálogo: Aluno A: Desprezando a resisência do ar, se eu lançar horizonalmene um berlinde (I) e u deixares cair simulaneamene, da mesma alura, ouro berlinde (II), eles chegam ao solo (horizonal) no mesmo insane. Aluno B: Não, não pode ser! Enão, não vez que, o berlinde que u lanças em uma dada velocidade inicial e o que eu deixo cair pare do repouso? Parindo das leis do movimeno, fundamene qual dos dois alunos (A ou B) esá correo no raciocínio Para o berlinde lançado horizonalmene, desprezando a resisência do ar, o par de gráficos que pode raduzir o valor da componene horizonal e verical da velocidade, v x e v y, respeivamene, é: Selecione a alernaiva correa. V x (A) (B) (C) (D) V x V x V x V y V y V y V y Gráficos v x = f() e v y = f() A luz emiida pela lâmpada aravessa o vidro da cúpula do farol para dar sinal aos barcos que se enconram no mar. Num dado insane, um feixe de luz incide no vidro, de espessura 1,0 cm, al como mosra a figura. Raio incidene ar 40 θ1 1,0 cm n vidro = 1,50 θ2 θ3 Trajeo de feixe luminoso. ar θ Das opções seguines, selecione a que define de forma correa uma relação para as ampliudes dos ângulos q 1, q 2, q 3 e q 4. (A) q 1 > 40 ; q 2 = q 3 e menores que 50 ; q 1 = q 4 (B) q 1 = 50 ; q 2 < q 3 ; q 3 = q 4 (C) q 1 = 40 ; q 2 = q 3 e menores que 50 ; q 4 = 40 (D) q 1 = 50 ; q 2 = q 3 = q 4 = Deermine o valor mínimo da ampliude do ângulo q 3 para que ocorresse reflexão oal. 98

13 4.6. Com um osciloscópio, preendeu-se medir a ensão nos erminais de uma lâmpada alimenada por uma fone de ensão alernada. A primeira figura represena a escala horizonal e a segunda a escala verical. Por fim, mosra-se o ecrã do osciloscópio ao fazer-se a medição. ms s 2 A TIME / DIV μs ,10 ms/div 2 V/div VOLTS / DIV mv Ecrã do osciloscópio Escreva o valor do período do sinal, endo em aenção a incereza de leiura associado ao valor medido Deermine a ensão nos exremos da lâmpada, quando medida num volímero. Apresene odas as eapas de resolução Admia que ao realizar esa experiência, um grupo de alunos colocava a base de empo na escala 0,50 ms/div. Nesa siuação, podemos concluir que: Selecione a opção que complea correamene a frase. (A) o período do sinal medido diminuía. (B) o período do sinal medido aumenava. (C) o período do sinal medido não sofria variação. (D) não podemos prever como variava o período do sinal. 99

14 5. NADA VEM DO NADA! O salo enre Arisóeles e Galileu foi considerável. Arisóeles pensava que a queda dos graves dependia da massa e que se operava a uma velocidade uniforme, Galileu mosrou, ao conrário, que a queda dos corpos não depende da massa (pelo menos no vazio!) e que a velocidade aumena consanemene com o empo de queda. O salo enre Galileu e Newon foi igualmene apreciável. Assim resumida, a hisória é caivane. Teriam sido precisos dois mil anos para descobrir a verdade e corrigir o erro inicial de Arisóeles! Infelizmene, isso é pura lenda. Galileu não abordou o problema como um pioneiro e o seu génio não sobreveio num oceano de ignorância milenar. Esas ideias andavam já no ar, sim, Galileu eve predecessores. Nada é criado esponaneamene, ano nas ciências como nas ouras áreas. Um pouco de Ciência para odos (adapado), Claude Allégre, Gradiva 5.1. Aendendo ao exo: Explique o significado da frase: O salo enre Arisóeles e Galileu foi considerável Faça um esboço do gráfico velocidade-empo para a queda dos graves, de acordo com Arisóeles e Galileu Transcreva uma frase que evidencie que a Ciência é um processo em consrução Um livro de divulgação cienífica refere que uma força é qualquer influência que alera o esado de repouso ou de movimeno com velocidade consane de um corpo numa linha rea Será possível um corpo er velocidade consane numa rajeória curvilínea? Fundamene a sua resposa Quando se aplica uma força a um corpo, as condições iniciais em que se enconra esse corpo (er ou não velocidade) são fundamenais para prever a forma da sua rajeória, assim como o ipo movimeno que passará a er. Observe os esquemas, A, B e C, da figura seguine. A B C v0 0 F v 0 0 F F v 0 = 0 Aendendo aos esquemas, escreva um exo onde realce: a forma da rajeória dos corpos em cada um dos esquemas A, B e C; o(s) senido(s) em que os corpos se moverão; o modo como variará o valor da velocidade dos corpos em cada um dos esquemas No esquema da figura seguine, os corpos A e B, de igual massa, enconram-se em repouso e esão ligados por um fio inexensível de massa desprezável, sendo o módulo das forças»f 1 e»f 2 ambém são iguais, ou seja,»f 1 =»F 2. O ario é desprezável. A B Fio 20 F 20 1 F 2 Blocos ligados. x 100

15 Na siuação descria e endo em aenção o esquema da figura anerior pode afirmar-se que: Selecione a opção correa. (A) O módulo da reação normal em A é igual ao módulo da reação normal em B. (B) O módulo da reação normal em A é maior do que o módulo da reação normal em B. (C) O módulo da reação normal em A é menor do que o módulo da reação normal em B. (D) O módulo da reação normal em A e B não são comparáveis Admia que se queima o fio que liga os corpos A e B Nesas condições, verifica-se que: Selecione a opção correa. (A) Os corpos A e B passam a mover-se no mesmo senido. (B) Os corpos A e B permanecem em repouso. (C) Os corpos A e B passam a mover-se no mesmo senido com acelerações de igual módulo, ou seja,»a A =»a B. (D) Os corpos A e B passam a mover-se com acelerações de igual módulo, ou seja,»a A =»a B Deermine o valor da aceleração e da reação normal do bloco B, após o fio er sido queimado, sabendo que a massa de A e de B é 4,0 kg e que»f 2 =50 N É devido à ineração graviacional ou graviação que nos manemos senados numa cadeira ou que uma caixa se maném em repouso sobre uma mesa Acerca das quaro inerações fundamenais, podemos afirmar que: Selecione a afirmação correa. (A) A ineração nuclear fore é menos inensa do que a ineração eleromagnéica. (B) A ineração eleromagnéica em uma ordem de grandeza aproximadamene igual à ineração graviacional. (C) A ineração elerofraca resula da unificação das inerações eleromagnéica e nuclear fraca. (D) Ineração nuclear fore resula do faco de as parículas erem massa É a ineração graviacional que maném uma caixa F 1 sobre uma mesa. A caixa da figura em massa 40,0 kg e esá em repouso CM sobre a mesa Idenifique o que represenam as forças»f 1 e»f 2. F Caraceriza a força que consiui par ação-reação com a força»f Um carrinho de brinquedo de massa 400,0 g, que se move a pilhas, desloca-se em linha rea com movimeno uniformemene acelerado sobre uma superfície horizonal. Caixa sobre a mesa. = 0 s = 1 s = 2 s = 3 s x/cm Uma foografia esroboscópica regisa a posição do carrinho segundo a segundo, al como mosra a figura anerior. Em = 0 s, o valor da velocidade do carrinho é nula. 101

16 Explique em que consise uma foografia esroboscópica Compare, jusificando, a direção e senido da velocidade e da resulane das forças que auam no carrinho no insane = 2 s Deermine o módulo da resulane das forças que auam no carrinho durane o movimeno. Apresene odas a eapas de resolução Admia que a parir do insane = 3 s, a resulane das forças que auam no carrinho passou a ser nula aé ao insane = 6 s. Trace o gráfico velocidade-empo para o movimeno do carrinho no inervalo [0 ; 6[ s. Apresene odas as eapas de resolução Um pequeno bloco de massa m desce um plano inclinado com velocidade consane Das afirmações seguines, selecione a única alernaiva correa. (A) Não há ario enre o bloco e o plano e a reação normal em a mesma inensidade que o peso do corpo. (B) Há ario enre o bloco e o plano e a reação normal em uma maior inensidade que o peso do corpo. (C) Há ario enre o bloco e o plano e a reação normal em inensidade inferior ao peso do corpo. (D) Não há ario enre o bloco e o plano e a reação normal em inensidade igual ao peso do corpo Admia que num dado insane a inclinação do plano inclinado foi alerada e o bloco passa a mover-se com movimeno uniformemene variado. O gráfico seguine raduz como variou o valor da velocidade em função do empo, a parir desse insane aé que ainge o plano horizonal. v/m s -1 Movimeno de um corpo no plano inclinado. θ 0,8 Gráfico velocidade-empo. 0,2 0 3 / s Deermine o espaço percorrido pelo bloco desde que passou a er movimeno uniformemene variado aé que ainge o plano horizonal Selecione, das opções seguines, a que permiirá caracerizar a resulane das forças que aua no bloco na descida do plano inclinado. 0,2-0,8 (A) F r = (N) e em o senido da velocidade ,8 (B) F r = m * (N)e em senido conrário à velocidade ,2-0,8 (C) F r = m * (N)e em senido conrário à velocidade ,2-0,8 (D) F r = m * (N)e em o senido da velocidade

17 6. EM TORNO DA VELOCIDADE DO SOM Em ceros dias de empesade ouvimos rovões e observamos relâmpagos. Apesar de serem gerados no mesmo local e no mesmo insane, só ouvimos o rovão uns insanes depois de ermos observado o relâmpago. Ese aconecimeno deve-se ao faco de a velocidade da luz no ar ser muio elevada, 3 * 10 5 km s -1, em comparação com a velocidade do som no mesmo meio, que é aproximadamene 340 m s -1. Aendendo ao valor da velocidade da luz, podemos considerar que a chegada da luz é praicamene insanânea. Noie de rovoada. No século XVII foram vários os cienisas que enaram deerminar o valor da velocidade do som. Enre eles, desaca-se Isaac Newon. Cona-se que colocou um ajudane a deonar um canhão e um ouro a cerca de 20 km que media o empo que decorria desde que eve a perceção do clarão e o insane em que ouviu o som. Com os valores obidos, Newon calculou a velocidade do som, não endo o valor enconrado grande significado uma vez que não foram considerados a densidade e a emperaura do ar. Cerca de século e meio mais arde, o físico e maemáico Pierre Simon Laplace descobriu o erro de Newon. Hoje, com medidas mais precisas, sabe-se que a velocidade do som no ar a 20 C, é 343 m s Deermine a ordem de grandeza da razão enre a velocidade da luz no ar e a velocidade do som, a 20 C Aendendo ao exo, refira dois faores de que depende a velocidade do som no ar O som do rovão propaga-se desde o local em que é gerado aé ao receor. Explique como se processa a propagação do som no ar, desde a fone aé ao receor Os diapasões são disposiivos que ao serem percuidos geram sinais simples ou puros Explique o que enende por som simples ou puro Um diapasão quando percuido emie um som de frequência 440 Hz. Selecione dos gráficos seguines o que raduz aproximadamene o período de oscilação de uma parícula do ar que se enconra juno ao diapasão a vibrar. (A) (B) (unidades arbirárias) y 0 4,54 /ms (unidades arbirárias) y 0 4,54 /ms (C) (D) (unidades arbirárias) y 0 2,27 /ms (unidades arbirárias) y 0 2,27 /ms Período de oscilação de uma parícula. 103

18 6.5. Os sons podem ser descrios por duas caracerísicas específicas: a inensidade e a alura. Observe as duas ondas sonoras sinusoidais represenadas na figura seguine, que se propagam no mesmo meio. A /s B Ondas sonoras sinusoidais. /s Jusifique a afirmação: O comprimeno de onda de A é maior que o comprimeno de onda de B Compare, jusificando, a inensidade do som A com a do som B A velocidade do som no ar varia com a emperaura de acordo com a seguine equação: v som (ar) = ( ,606 * q) sendo q a emperaura do ar, expressa em C. Deermine o comprimeno de onda de uma onda sonora de frequência 1100 Hz, quando a emperaura do ar é 35 C. Apresene odas as eapas de resolução No gráfico seguine enconra-se represenada a velocidade do som em diferenes meios. v som /m s Velocidade do som em diferenes meios Ar (15 C) Água do mar Cobre Ferro Aço Granio Um som demora um inervalo de empo D para percorrer um mero num bloco de granio. Deermine a disância que percorrerá esse som, no mesmo inervalo de empo, a propagar-se num ubo de cobre. Apresene odas a eapas de resolução No laboraório há diferenes processos de deerminar o valor da velocidade no ar. Um desses processos consise em uilizar: 2 microfones; 1 placa de som de um compuador. 104

19 Com o maerial referido, um grupo de alunos, numa das aulas laboraoriais, efeuou a seguine monagem experimenal, endo ligado cada microfone a um canal. B d A Monagem experimenal. Num dado insane, um dos alunos dá uma palmada na oura mão, em linha com os microfones A e B. O som é gravado nos dois canais por um programa de gravação, e os insanes de chegada do som a cada microfone são obidos analisando-se o arquivo de áudio gerado. Dese modo, obém-se o inervalo de empo que o sinal demorou de um microfone ao ouro. A figura ao lado mosra o resulado de uma medida obida nos canais A e B, por ese processo. Canal A Manendo a disância enre os microfones, A e B, fixa e igual a 2,00 meros, os alunos repeiram quaro vezes a experiência e mediram o inervalo de empo que o som demorou a percorrer aquela disância. Os resulados obidos enconram-se regisados na abela. Ensaio Inervalo de empo/ms 1 5,71 2 5,97 3 5,45 4 5,60 Inervalos de empo medidos enre A e B Tempo (ms) Deermine o valor da velocidade do som nas condições amosféricas em que a experiência foi realizada. Apresene odas as eapas de resolução Refira uma razão para que as mãos ao darem a palmada devam esar alinhadas com os microfones Admia que o microfone B esava mais afasado do microfone A. Refira duas alerações que prevê ocorrerem na imagem obida no ecrã do compuador. Canal B Regiso do som gravado nos dois canais da placa de som. 105

20 7. DESCOBRINDO A RÁDIO Quando Heinrich Herz iniciou o seu rabalho experimenal na Universidade de Bona já conhecia o pensameno pioneiro do cienisa briânico James Clerk Maxwell. Em 1887 udo mudou. Herz consruiu um oscilador feio a parir de esferas meálicas polidas, cada uma ligada a uma bobina de indução. Esas esferas eram separadas ligeiramene e quando Herz aplicava uma correne elérica às bobinas, as faíscas salavam no inervalo enre as esferas. Era uma demonsração ineressane, mas nada de paricularmene novo para a alura. As ondas eleromagnéicas criam correne elérica no receor e dão origem a faíscas enre as esferas. As faíscas produzem ondas eleromagnéicas. A bobina de indução cria ala volagem. Adapada de hp://www.sparkmuseum.com. No enano, Herz pensou que se as previsões de Maxwell esavam correas, enão cada faísca emiia ondas eleromagnéicas que deviam irradiar pelo laboraório. Para esar o seu pensameno, Herz consruiu um pequeno receor que consisia num fio meálico no fim do qual se enconravam mais duas pequenas esferas, de novo ligeiramene separadas. Ese receor foi colocado a vários meros do oscilador. Com esa monagem, ocorreu a primeira ransmissão e receção de ondas eleromagnéicas em laboraório. Foram precisos alguns anos aé que esa ideia fosse aplicada na consrução de um disposiivo capaz de ransmiir uma mensagem. E = m c 2 As grandes ideias que moldaram o nosso mundo (adapado), Pee Morre, FUBU Ediores (2005) 7.1. Explique qual foi o pensameno pioneiro de James Maxwell a que se refere o exo Refira por que razão a experiência de Herz pode ser considerada uma das grandes ideias que moldaram o nosso mundo Selecione a opção que complea a afirmação seguine. Com esa monagem experimenal, Herz gera em laboraório (A) ondas de rádio. (B) micro-ondas. (C) radiação infravermelha. (D) raios-x A comunicação de sinais a longas disâncias faz-se à cusa de ondas eleromagnéicas A codificação de informação para ransmiir ou armazenar pode ser feia de forma analógica ou digial. Classifique, jusificando, o sinal represenado na figura seguine como digial ou analógico. Sinal Refira uma vanagem dos sinais digiais relaivamene aos sinais analógicos A modulação de um sinal analógico consise na aleração de pelo menos uma das caracerísicas, ou seja, da frequência ou da ampliude, de uma onda designada poradora, pelo sinal que se preende ransmiir. Nas figuras seguines enconram-se dois processos de modulação. 106

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

Física B Extensivo V. 5

Física B Extensivo V. 5 Gabario Eensivo V 5 Resolva Aula 8 Aula 9 80) E 80) A 90) f = 50 MHz = 50 0 6 Hz v = 3 0 8 m/s v = f = v f = 3 0 8 50 0 = 6 m 90) B y = 0,5 cos [ (4 0)] y = 0,5 cos y = A cos A = 0,5 m 6 = 4 s = 0,5 s

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º ou 12.º Ano de Escolaridade (Decreo-Lei n.º 74/24, de 26 de Março) PROVA 715/16 Págs. Duração da prova: 12 minuos 27 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE FÍSICA E QUÍMICA

Leia mais

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro Física Lisa de Física Prof. Alexsandro MU e MU 1 - (UnB DF) Qual é o empo gaso para que um merô de 2m a uma velocidade de 18km/h aravesse um únel de 1m? Dê sua resposa em segundos. 2 - (UERJ) Um rem é

Leia mais

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza raga Índice Cinemáica...1 Exercícios... Gabario...6 Cinemáica (Não se esqueça de adoar uma origem dos espaços, uma origem dos empos e orienar a rajeória) M.R.U. =

Leia mais

EXERCÍCIOS MECÂNICA - UNIDADE 1 - CINEMÁTICA

EXERCÍCIOS MECÂNICA - UNIDADE 1 - CINEMÁTICA www.pascal.com.br MECÂNICA - UNIDADE 1 - CINEMÁTICA EXERCÍCIOS Prof. Edson Osni Ramos (Cebola) 1. (BP - 2006) Analise as senenças a seguir. I. O século XVI foi marcado pela revolução cienífica no esudo

Leia mais

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa GFI00157 - Física por Aiidades Caderno de Trabalhos de Casa Coneúdo 1 Cinemáica 3 1.1 Velocidade.............................. 3 1.2 Represenações do moimeno................... 7 1.3 Aceleração em uma

Leia mais

são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» 1 mais intensa que F» 2

são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» 1 mais intensa que F» 2 Física Unidade Movimentos na Terra e no spaço QUSTÕS PROPOSTS 4. Duas forças F» e F» 2 são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» mais intensa que F» 2. s forças podem atuar na mesma direção

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Teste de Avaliação 3 A - 06/02/2013

Teste de Avaliação 3 A - 06/02/2013 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 201 2/2013 Física e Química A Bloco II (11ºano) Teste de Avaliação 3 A - 06/02/2013 1. Suponha que um balão de observação está em

Leia mais

Física 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA CINEMÁTICA IV. 4. (0,2s) movimento progressivo: 1. Como x 1

Física 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA CINEMÁTICA IV. 4. (0,2s) movimento progressivo: 1. Como x 1 Física aula CIEMÁTICA IV 4. (,s) movimeno progressivo: COMETÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. Como x x é a diferença enre as posições dos auomóveis A e A em-se: o insane, os auomóveis A e A esão na mesma posição.

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução:

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução: Queda Livre e Movimeno Uniformemene Acelerado Sergio Scarano Jr 1906/013 Exercícios Proposo Um navio equipado com um sonar preende medir a profundidade de um oceano. Para isso, o sonar emiiu um Ulra-Som

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão Transisor de Efeio de Campo de Pora Isolada MOSFET - Revisão 1 NMOS: esruura física NMOS subsrao ipo P isposiivo simérico isposiivo de 4 erminais Pora, reno, Fone e Subsrao (gae, drain, source e Bulk)

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009 Tese Inermédio de Física e Química A Tese Inermédio Física e Química A Versão Duração do Tese: 90 minuos 26.05.2009.º ou 2.º Anos de Escolaridade Decreo-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de resposas,

Leia mais

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores 1 Tópico : evisão dos modelos Diodos e Transisores Diodos Símbolo O mais simples dos disposiivos semiconduores. Função (ideal) Conduzir correne elérica somene em um senido. Circuio abero Polarização 2

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear 2. ÍOOS E JUNÇÃO Fernando Gonçalves nsiuo Superior Técnico Teoria dos Circuios e Fundamenos de Elecrónica - 2004/2005 íodo de Junção isposiivo de dois erminais, passivo e não-linear Foografia ânodo Símbolo

Leia mais

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA)

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA) (Fuves-SP) (UERJ) No esáio o Morumbi, 0 000 orceores assisem a um jogo. Aravés e caa uma as 6 saías isponíveis, poem passar 000 pessoas por minuo. Qual é o empo mínimo necessário para esvaziar o esáio?

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 *

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * Mecânica e Sisemas e Parículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * 1. A velociae e escape e um planea ou esrela é e nia como seno a menor velociae requeria na superfície o objeo para que uma parícula escape

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo Teoria dos ircuios e Fundamenos de Elecrónica Análise de ircuios Dinâmicos no Domínio do Tempo Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@is.ul.p DEE Área ienífica de Elecrónica T.M.Almeida IST-DEE- AElecrónica

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais

PUBLICAÇÃO CDTN-944/2005. FOTOELASTICIDADE Primeiros Passos. Geraldo de Paula Martins

PUBLICAÇÃO CDTN-944/2005. FOTOELASTICIDADE Primeiros Passos. Geraldo de Paula Martins PUBLICAÇÃO CDTN-944/005 FOTOELASTICIDADE Primeiros Passos Geraldo de Paula Marins Seembro/005 COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR Cenro de Desenvolvimeno da Tecnologia Nuclear Publicação CDTN-944/005

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE 170 APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUC MINAS MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

VERSÃO 2. 11º ano de escolaridade. Teste Intermédio de Agrupamento Física e Química A AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VOUZELA E CAMPIA AGEVC.

VERSÃO 2. 11º ano de escolaridade. Teste Intermédio de Agrupamento Física e Química A AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VOUZELA E CAMPIA AGEVC. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VOUZELA E CAMPIA AGEVC 11º ano de escolaridade Teste Intermédio de Agrupamento Física e Química A 12 páginas Duração da prova: 90 min 2015-02-06 VERSÃO 2 Indique de forma legível

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capíulo 1 Inrodução Índice Índice...1 1. Inrodução...2 1.1. Das Ondas Sonoras aos Sinais Elécricos...2 1.2. Frequência...4 1.3. Fase...6 1.4. Descrição de sinais nos domínios do empo e da frequência...7

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F5 Cinemática vetorial

Física. Resolução das atividades complementares. F5 Cinemática vetorial Resolução das aiidades complemenares Física F Cinemáica eorial p. 9 (Uniau-SP) Dois objeos enconram-se em moimeno em relação a um obserador inercial O. s rajeórias são reilíneas de mesma direção e as elocidades

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Unidade de São José Telefonia Digial: Modulação por código de Pulso Curso écnico em Telecomunicações Marcos Moecke São José - SC, 2004 SUMÁRIO. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO....

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida.

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida. Diciplina de Fíica Aplicada A / Curo de Tecnólogo em Geão Ambienal Profeora M. Valéria Epíndola Lea. Aceleração Média Já imo que quando eamo andando de carro em muio momeno é neceário reduzir a elocidade,

Leia mais

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Ano Letivo 2015/ 2016 Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Objeto de avaliação O teste tem por referência o programa de Física e Química A para

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais

Kcel Motores e Fios Ltda.

Kcel Motores e Fios Ltda. Í N D I C E 1. Fundamenos gerais... 5 1.1 Moores de correne conínua... 5 1.2 Moores de correne alernada... 5 Família de moores eléricos... 5 1.2.1 Moores de indução... 6 1.2.1.1 Moores de indução monofásicos...

Leia mais

Lista de refração e reflexão Ondulatória - Prof. Flávio

Lista de refração e reflexão Ondulatória - Prof. Flávio 1. (Ufu 2006) João corre assoviando em direção a uma parede feita de tijolos, conforme figura a seguir. A frequência do assovio de João é igual a f(inicial). A frequência da onda refletida na parede chamaremos

Leia mais

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos PORTUGUÊS 78 ÍNDICE Página CORO TIPO BLOQUEIO ROSC... 80 CERTO D HOR... 81 CERTO DO DI DO MÊS... 82 CRONÓMETRO... 83 OPERÇÃO DO BOTÃO DE BLOQUEIO DE SEGURNÇ... 85 TQUÍMETRO... 86 TELÉMETRO... 88 SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

Capítulo 19. 4. (UTFPR) Na figura a seguir, temos r//s e t//u//v. Triângulos. 1. Na figura, AB = AC ead = AE. A medida do ângulo oposto α é:

Capítulo 19. 4. (UTFPR) Na figura a seguir, temos r//s e t//u//v. Triângulos. 1. Na figura, AB = AC ead = AE. A medida do ângulo oposto α é: Maemáica II Ângulos apíulo 19 1. (UNIRI) s reas r 1 e r são paralelas. valor do ângulo, apresenado na figura a seguir, é: r 1 Suponha que um passageiro de nome arlos pegou um avião II, que seguiu a direção

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 CÉREBRO ELETRÔNICO O cérebro elerônico faz udo Faz quase udo Faz quase udo Mas ele é mudo. O cérebro elerônico comanda Manda e desmanda Ele é quem manda Mas ele

Leia mais

CORREÇÃO PROVA UFRGS 2009 MATEMÁTICA FAÉ

CORREÇÃO PROVA UFRGS 2009 MATEMÁTICA FAÉ CORREÇÃO PROVA UFRGS 009 MATEMÁTICA FAÉ QUESTÃO 6 (E) ASSUNTO: MATEMÁTICA BÁSICA (PORCENT. E POTÊNCIAS DE 0) 00 milhões = 00.0 6 Regra de Três: 00.0 6,% 00%.0 8,.0.0 0 dólares QUESTÃO 7 (E) ASSUNTO: MATEMÁTICA

Leia mais

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Realizada em 8 de ouubro de 010 GABARITO DISCURSIVA DADOS: Massas aômicas (u) O C H N Na S Cu Zn 16 1 1 14 3 3 63,5 65,4 Tempo de meia - vida do U 38

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 11.02.2010

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 11.02.2010 Teste Intermédio de Física e Química A Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 11.02.2010 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3.º

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3.º ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 3.º teste sumativo de FQA 16.dezembro.01 11.º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 8 páginas e termina

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

Potência de tração de um veículo automotor que se movimenta com velocidade constante

Potência de tração de um veículo automotor que se movimenta com velocidade constante Poência de ração de um veículo auomoor que se movimena com velocidade consane Tracive power of a moor vehicle moving a consan speed Submeido à Revisa Brasileira de Ensino de Física Fernando Lang da Silveira

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR. No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas. independentemente de sua frequência.

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR. No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas. independentemente de sua frequência. PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: ONDAS Física Dudu 01. F.M. Triângulo Mineiro MG. III) No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas caminham com uma mesma velocidade, independentemente

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Capiulo V SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 5.1 - INTRODUÇÃO I - QUALIDADE DA ÁGUA A água em sua uilização obedece a padrões qualiaivos que são variáveis de acordo com o seu uso (domésico, indusrial,

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

MATEMATICA Vestibular UFU 2ª Fase 17 de Janeiro de 2011

MATEMATICA Vestibular UFU 2ª Fase 17 de Janeiro de 2011 Vesibular UFU ª Fase 17 de Janeiro de 011 PRIMEIRA QUESTÃO A realidade mosra que as favelas já fazem pare do cenário urbano de muias cidades brasileiras. Suponha que se deseja realizar uma esimaiva quano

Leia mais

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA Comunicação da informação a curta distância FQA Unidade 2 - FÍSICA Meios de comunicação É possível imaginar como seria o nosso mundo sem os meios de comunicação de que dispomos? Os * * * * Aparelhos de

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS

TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS 1 TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Applying Mosfe To Reduce The Inducance And Capaciance Parasies in Elecronic

Leia mais

Material Extra de Física

Material Extra de Física Material Extra de Física ONDAS 01. (F. M. Triângulo Mineiro MG) ENTÃO MAFALDA, O QUE ESTÁ ACHANDO DO MAR? ATÉ AGORA, UM INDECISO f (10 14 m) λ (10-7 m) 6,7 Violeta Azul 4,8 5,6 Verde x Amarelo 5,8 5,0

Leia mais

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004 RELAÇÕES DE TROCA, SAZONALIDADE E MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE DE FRANGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM NO PERÍODO 1997-2004 MARCOS ANTÔNIO SOUZA DOS SANTOS; FABRÍCIO KHOURY REBELLO; MARIA LÚCIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR PELO MÉTODO DO PONTO DE ORVALHO USANDO MATERIAIS ACESSÍVEIS E SISTEMA DE CONTROLE CONVENCIONAL

AVALIAÇÃO DE MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR PELO MÉTODO DO PONTO DE ORVALHO USANDO MATERIAIS ACESSÍVEIS E SISTEMA DE CONTROLE CONVENCIONAL GUSTAVO NEVES MARGARIDO AVALIAÇÃO DE MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR PELO MÉTODO DO PONTO DE ORVALHO USANDO MATERIAIS ACESSÍVEIS E SISTEMA DE CONTROLE CONVENCIONAL Disseração apresenada ao Insiuo Federal

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais