Redução da contagem bacteriana na propriedade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redução da contagem bacteriana na propriedade"

Transcrição

1 Redução da contagem bacteriana na propriedade Marcos Veiga dos Santos

2 Agenda Fontes de contaminação do leite Redução da Contagem Bacteriana Total (CBT); Limpeza de equipamentos e utensílios Resfriamento Manejo de ordenha.

3 Boas práticas agropecuárias atividades desenvolvidas dentro da fazenda leiteira com objetivo de garantir a saúde, o bem estar e a segurança dos animais, do homem e do ambiente IDF/FAO 2004 Objetivos principais Garantia de segurança Saúde e bem-estar animal Sustentabilidade ambiental

4 Boas práticas agropecuárias Principais áreas de atuação das BPAs Boas práticas agropecuárias em fazendas leiteiras Ambiente Saúde animal Higiene de ordenha Aliment. animal Bemestar animal

5 Como caracterizar a qualidade do leite? 1) ausência de resíduos (antibióticos, pesticidas) 2) baixa carga microbiana (higiene) 3) baixa contagem de células somáticas (saúde do úbere) 4) composição (gordura e proteína)

6

7 Limites legais de CBT e pagamento do leite Europa (1992) e EUA: Programas de UFC/mL. pagamento (CBT) No Brasil: UFC/mL (S/Se, 2008) Jul/ (indiv.)/ (conj.) R$ 0,03 = <20 mil Neutro = mil Redutor = > 201 mil

8 Interpretação de resultados de análise de tanque Alta CBT é indicativo de: CBT (UFC/ml) Mastite, deficiência na limpeza Problema: > Excelente: < Manejo de ordenha Ótimo: Resfriamento deficiente Fonte: Adaptado de Bray e Shearer, 1996.

9 Ação dos microrganismos sobre a qualidade Deteriorantes: atuam pelas enzimas produzidas durante a multiplicação microbiana. Maioria das enzimas: resiste ao tratamento térmico Alta CBT: alteração da composição

10 De onde vem a contaminação inicial do leite? 1) Glândula mamária 4) Água 2) Exterior do úbere (lama barro, esterco) 3)Equipamento e utensílios para ordenha

11 Fatores importantes para a correta limpeza de equipamentos Temperatura água Ação Química Concentração do detergente Tempo de Contato Ação Mecânica Esfregação ou Turbulência

12 Quais os produtos recomendados para limpeza? 1) Detergente alcalino clorado remoção da gordura e proteína 2) Detergente ácido dissolve os minerais: remove a pedra do leite 3)Sanitizante reduzir a contaminação bacteriana entre ordenhas

13 Limpeza e desinfecção de sistemas canalizados 1) Enxágüe: com a unidade em funcionamento (morna: 40ºC) 2) Limpeza com detergente alcalino: Água a 70oC por aprox. 10 min Enxágue 3) Limpeza com detergente ácido: semanalmente Enxágue 4) Desinfecção antes da ordenha: 200 ppm de cloro

14 Ciclos de limpeza por circulação Enxágüe inicial: água morna (40ºC) remover os resíduos solúveis em água não recircular e descartar < 35ºC (solidificação da gordura) remove entre 90 e 95% dos resíduos de leite não há gasto de detergentes facilita as próximas etapas.

15 Ciclos de limpeza por circulação Limpeza com detergente alcalino clorado: Objetivo: remoção da gordura e proteína Temperatura: 70ºC alcalinidade da solução para circulação é de 250 a 500 ppm ph mínimo de 10 a 11,5 Tempo: 10 min

16 Ciclos de limpeza por circulação Limpeza com detergente ácido: remove os depósitos minerais de origem da água e do leite Freqüência de utilização: 1-2 x/semana ph menor ou igual a 3,5 Tempo: 5 min Temperatura: ambiente Desinfecção ou sanitização: reduzir a contaminação bacteriana 100 a 200 ppm de cloro disponível pode ser realizada antes da ordenha

17 Problemas mais comuns observados na limpeza 1) Uso de água fria: enxágue e limpeza alcalina 2) Volume insuficiente de água 3) Dosagem de detergentes 4) Uso de produtos sem recomendação (soda, sabão) 5) Qualidade da água 6) Demora em iniciar a limpeza

18 Distribuição de freqüência da aplicação de produtos para higienização do equipamento de ordenha e tanque de estocagem do leite em 23 propriedades Aplicação de detergente alcalino, detergente ácido e sanitizante Equipamento de ordenha Tanque de estocagem n % n % Todos 4 17,4 7 30,4 Pelo menos dois produtos 7 30, ,5 Pelo menos um ou nenhum 12 52,2 6 26,1 Total , ,0 Fonte: Arcuri, et al., Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.58, n.3, p , 2006.

19 <1%: Ordenha e higiene

20 Pagamento do leite Contagem bacteriana total (1000 ufc/ml) < >750 R$ 0,04 0 R$ -0,04

21 Fatores críticos para a limpeza

22 Fatores críticos para a limpeza

23 Suspeitas para Detectar o problema de higiene: 1. Temperatura deficiente (maioria) 2. Ordenha de tetos úmidos 3. Teteiras desgastadas 4. Quantidade e qualidade da água 5. Subdosagens e qualidade dos produtos 6. Falha na drenagem 7. Utensílios dos equipamentos mal higienizados

24

25 Resfriamento do Leite Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (FAEG). Diagnóstico da Cadeia Produtiva do Leite de Goiás: relatório de pesquisa. - Goiânia: FAEG

26 Como melhorar o resfriamento do leite?

27

28 Manejo de ordenha Teste da caneca de fundo preto: detecção da mastite clínica

29 3) Desinfecção dos tetos antes da ordenha (pré-dipping)

30 Funções da desinfecção dos tetos ANTES da ordenha Descontaminação da pele do teto Melhora a descida do leite Redução de 50% novas infecções (mastite ambiental) Melhoria da qualidade: < 80% contagem bacteriana total (CBT)

31 Influência do manejo pré-ordenha sobre a CBT do leite Lavagem com água Prédipping Secagem com papel % de redução bacteriana X 4 X X 10 X X 54 Fonte: Galton et al.,1986.

32 Resultados do experimento de validação do Kit Embrapa de ordenha manual ESTADO Rebanhos CTBA CTBD % redução p (anova) PE >0,001 AL >0,01 SP >0,05 GO ,311 RS >0,001 MG ,415 SE >0,001 Total >0,001 Fonte: Sousa e Dutra, Embrapa, 2008.

33 4) Secagem dos tetos com papel toalha descartável e colocação de teteiras

34 6) Desinfecção dos tetos APÓS a ordenha Redução transmissão mastite contagiosa Relação custo:benefício Prática obrigatória para o controle de mastite

35 Fonte: Sousa e Dutra, Embrapa, 2008.

36 Leite com Baixa CBT Durante a ordenha Desinfecção dos tetos (pré-dipping) Secagem dos tetos Limpeza e higienização de equipamentos Após a ordenha Resfriamento do leite imediato Manutenção do leite cru sob temperatura <4ºC Coleta em até 48 horas

37 Onde a qualidade do leite precisa melhorar?

38 Onde investir para melhorar a qualidade?

39 Onde investir para melhorar a qualidade? Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (FAEG). Diagnóstico da Cadeia Produtiva do Leite de Goiás: relatório de pesquisa. - Goiânia: FAEG

40 Não há como melhorar a qualidade do leite depois que ele deixa a fazenda A melhoria da qualidade começa pelas pessoas

41 Conhecimento sem ação é investimento sem retorno. Marcos Veiga dos Santos Fac. Medicina Veterinária e Zootecnia - Pirassununga-SP

Redução da contagem bacteriana na propriedade

Redução da contagem bacteriana na propriedade Redução da contagem bacteriana na propriedade Marcos Veiga dos Santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus de Pirassununga, SP. 1. Introdução A ordenha pode

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

Guiade Higienização na

Guiade Higienização na ITAMBÉ Cooperativa Central de Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. BR 262, Km 09 Belo Horizonte MG CEP: 31950-640 CNPJ: 17.249.111/0014-53 Centro de Orientação ao Cliente Fone: (0 31) 3389-4174 Guiade

Leia mais

Radar Técnico Qualidade do leite [20/09/2007]

Radar Técnico Qualidade do leite [20/09/2007] Radar Técnico Qualidade do leite [20/09/2007] Boas práticas de produção associadas à higiene de ordenha e qualidade do leite Parte 3 Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário e professor da FMVZ/USP Acesse

Leia mais

André Mendes Jorge Zootecnista

André Mendes Jorge Zootecnista Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Produção P d ã de d Leite L it d Bubalinos de b li Parte 2 André Mendes Jorge Zootecnista Prof. Dr.

Leia mais

Pesquisa com produtores sobre freqüência de ordenha, temperatura de higienização e período para troca de teteiras

Pesquisa com produtores sobre freqüência de ordenha, temperatura de higienização e período para troca de teteiras Pesquisa com produtores sobre freqüência de ordenha, temperatura de higienização e período para troca de teteiras Loreno Egidio Taffarel 1, Patricia Barcellos Costa 2, Priscila Vincenzi dos Santos 3, Enio

Leia mais

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Agenda 1. Situação atual da qualidade do leite 2. Conceitos

Leia mais

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida

Aula 05 Manejo de Ordenha. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Aula 05 Manejo de Ordenha Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Introdução Em geral, a ordenha determina a quantidade e a qualidade do leite. Retorno do investimento

Leia mais

Boas Práticas de Produção: Influência na Qualidade do Leite

Boas Práticas de Produção: Influência na Qualidade do Leite Boas Práticas de Produção: Influência na Qualidade do Leite Fatores Importantes para o Sucesso das Boas Práticas de Produção Aceitação e cumprimento do Plano por parte do Produtor Rural; Engajamento de

Leia mais

QUALIDADE DO LEITE E PAGAMENTO POR QUALIDADE MOTIVAÇÃO E PONTOS CHAVE PARA ELEVAR A QUALIDADE

QUALIDADE DO LEITE E PAGAMENTO POR QUALIDADE MOTIVAÇÃO E PONTOS CHAVE PARA ELEVAR A QUALIDADE QUALIDADE DO LEITE E PAGAMENTO POR QUALIDADE MOTIVAÇÃO E PONTOS CHAVE PARA ELEVAR A QUALIDADE ITAMAR COUSSEAU icousseau@hotmail.com Fone: (42) 9123-1308 O QUE É CUSTO CUSTO OPERACIONAL EFETIVO: composto

Leia mais

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa. A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011 Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.br 32 3311-7537 Conteúdo 1. Breve histórico sobre o tema Qualidade do

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO Como fazer a ordenha correta Para fazer a ordenha mecânica, você deve seguir os mesmos passos da ordenha manual. Siga as etapas abaixo indicadas: 1 Providencie um ambiente para a

Leia mais

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite 1 O QUE PODE AFETAR A COMPOSIÇÃO DO LEITE? RAÇA MANEJO MASTITE ESTRESSE ALIMENTAÇÃO Mastite Doença que mais causa prejuízos econômicos na cadeia

Leia mais

Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus de Pirassununga, SP.

Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus de Pirassununga, SP. Boas práticas de produção associadas à higiene de ordenha e qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus

Leia mais

Ordenha Higiênica de Leite de Cabras

Ordenha Higiênica de Leite de Cabras Ordenha Higiênica de Leite de Cabras Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Caprinos e Ovinos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ordenha Higiênica de Leite de Cabras Viviane

Leia mais

Profa. Mônica Maria Oliveira Pinho Cerqueira Escola de Veterinária UFMG

Profa. Mônica Maria Oliveira Pinho Cerqueira Escola de Veterinária UFMG Profa. Mônica Maria Oliveira Pinho Cerqueira Escola de Veterinária UFMG Qualidade do leite Práticas importantes Obtenção Manutenção Ações das indústrias Melhoria da qualidade Fazendas Coleta e transporte

Leia mais

TECNOLOGIA E CONFIABILIDADE DOS COLETORES DE AMOSTRAS INDIVIDUAIS DE LEITE DOS ANIMAIS IV CBQL FLORIANÓPOLIS - SC

TECNOLOGIA E CONFIABILIDADE DOS COLETORES DE AMOSTRAS INDIVIDUAIS DE LEITE DOS ANIMAIS IV CBQL FLORIANÓPOLIS - SC TECNOLOGIA E CONFIABILIDADE DOS COLETORES DE AMOSTRAS INDIVIDUAIS DE LEITE DOS ANIMAIS IV CBQL FLORIANÓPOLIS - SC JOSÉ AUGUSTO HORST horst@holandesparana.com.br (41) 2105-1723 Gerente PARLPR ASSOCIAÇÃO

Leia mais

CONTROLE SANITÁRIO NO PROCESSAMENTO DE LEITE. LEO KUNIGK Professor do curso de Engenharia de Alimentos da Escola de Engenharia Mauá

CONTROLE SANITÁRIO NO PROCESSAMENTO DE LEITE. LEO KUNIGK Professor do curso de Engenharia de Alimentos da Escola de Engenharia Mauá 1 CONTROLE SANITÁRIO NO PROCESSAMENTO DE LEITE LEO KUNIGK Professor do curso de Engenharia de Alimentos da Escola de Engenharia Mauá O leite durante a ordenha, no transporte e na estocagem está sujeito

Leia mais

Marília: Boa tarde a todos, sou médica veterinária formada pela UFMG em 93

Marília: Boa tarde a todos, sou médica veterinária formada pela UFMG em 93 Philipe: Boa tarde. Em nome da DeLaval e do MilkPoint, agradecemos a presença de todos. Nosso tema de hoje é: "Problemas de mastite no rebanho: medidas para evitar a mastite na época das águas". Philipe:

Leia mais

Mastite ou mamite é um processo inflamatório da glândula mamária causada pelos mais diversos agentes. Os mais comuns são as bactérias dos gêneros

Mastite ou mamite é um processo inflamatório da glândula mamária causada pelos mais diversos agentes. Os mais comuns são as bactérias dos gêneros 1 Mastite ou mamite é um processo inflamatório da glândula mamária causada pelos mais diversos agentes. Os mais comuns são as bactérias dos gêneros estreptococos e estafilococos, além dos coliformes. A

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

Visitas às Explorações no âmbito dos Planos de Controlo

Visitas às Explorações no âmbito dos Planos de Controlo BOAS PRÁTICAS NA EXPLORAÇÃO PECUÁRIA Auditório da Sede da CAP Visitas às Explorações no âmbito dos Planos de Controlo Susana Souto Barreiros DSVRLVT Lisboa,14 de Abril de 2010 Planos de Controlos Oficiais

Leia mais

Passos para Obtenção de Leite de Cabra com Qualidade

Passos para Obtenção de Leite de Cabra com Qualidade 135 on line ISSN 1808-9984 Petrolina, PE Abril, 2008 Passos para Obtenção de Leite de Cabra com Qualidade Daniel Maia Nogueira 1 Lea Chapaval 2 André Luiz Alves Neves 3 Mateus Matiuzzi da Costa 4 Considerações

Leia mais

Mastites e Contagem de Células Somáticas na Bovinocultura de Leite

Mastites e Contagem de Células Somáticas na Bovinocultura de Leite Mastites e Contagem de Células Somáticas na Bovinocultura de Leite Carolina Antunes Neves Mastite Definição: é uma reação inflamatória da glândula mamária, caracterizada por alterações físico-químicas

Leia mais

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros O Vigilante Sanitário http://ovigilanatesanitario.wordpress.com E mail : ovigilantesanitario@hotmail.com Cada segmento

Leia mais

Instrução Normativa 51. Qualidade do leite. Contagem Bacteriana Total. Células Somáticas. Ordenhador ideal? Manejo de ordenha e conservação

Instrução Normativa 51. Qualidade do leite. Contagem Bacteriana Total. Células Somáticas. Ordenhador ideal? Manejo de ordenha e conservação 2 Ordenhador ideal? 3 Instrução Normativa 51 Qualidade do leite Sanidade da Glândula Mamária Manejo de ordenha e conservação Células Somáticas Contagem Bacteriana Total 5 6 1 LEITE Qualidade nutricional

Leia mais

DESINFECÇÃO E DESINFETANTES. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu 2006

DESINFECÇÃO E DESINFETANTES. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu 2006 DESINFECÇÃO E DESINFETANTES Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ-UNESP-Botucatu 2006 1 Limpeza e desinfecção Deve ser abrangente e rotineiro Microrganismos

Leia mais

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7 CAPÍTULO 7 Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade Rodolpho de Almeida Torres Vânia Maria Oliveira Guilherme Nunes de Souza Introdução A qualidade do leite para o consumidor está

Leia mais

Gordura (g/100g) Mínimo de 3,0. Sólidos Não-Gordurosos (g/100g) Mínimo de 8,4. Acidez em ácido lático (g/100ml) 0,14 a 0,18

Gordura (g/100g) Mínimo de 3,0. Sólidos Não-Gordurosos (g/100g) Mínimo de 8,4. Acidez em ácido lático (g/100ml) 0,14 a 0,18 1. INTRODUÇÃO Atualmente se compreende como leite de qualidade os que seguem os parâmetros de composição química eigidos pela Instrução Normativa Nº62 (IN 62) do MAPA e que sejam seguidos procedimentos

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura 1 LIMA, Eduardo Henrique Oliveira; 2 NORONHA, Cássia Maria Silva; SOUSA, Edgar João Júnio¹. 1 Estudante do Curso Técnico em Agricultura e Zootecnia

Leia mais

ÍNDICE UMA HISTÓRIA DE SUCESSO... 2 COMO MELHORAR A QUALIDADE DO LEITE...3. Resfriamento do leite...3. Higiene na ordenha...4. Controle de Mastite...

ÍNDICE UMA HISTÓRIA DE SUCESSO... 2 COMO MELHORAR A QUALIDADE DO LEITE...3. Resfriamento do leite...3. Higiene na ordenha...4. Controle de Mastite... ÍNDICE UMA HISTÓRIA DE SUCESSO... 2 COMO MELHORAR A QUALIDADE DO LEITE...3 Resfriamento do leite...3 Higiene na ordenha...4 Controle de Mastite...5 Controle de Resíduos de antimicrobianos...9 Nutrição

Leia mais

Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro CCIH Núcleo de Vigilância Epidemiológica

Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro CCIH Núcleo de Vigilância Epidemiológica CCIH Núcleo de Vigilância Epidemiológica Histórico A higienização das mãos, durante gerações, foi considerada uma medida de higiene pessoal. Histórico Em 1822, um farmacêutico francês escreveu que soluções

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS EM PROPRIEDADE LEITEIRA E IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE E QUEIJO QUALHO

AVALIAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS EM PROPRIEDADE LEITEIRA E IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE E QUEIJO QUALHO AVALIAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS EM PROPRIEDADE LEITEIRA E IMPORTÂNCIA DAS BOAS PRÁTICAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE E QUEIJO QUALHO Marcus Vinicios da Costa de Souza 1 ; Ariely Conrrado de lima 2 ; Jussara Maria

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE ACIDEZ DO LEITE EM DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO. Nutr. Márcia Keller Alves Acad. Franciele Cechinato

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE ACIDEZ DO LEITE EM DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO. Nutr. Márcia Keller Alves Acad. Franciele Cechinato ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE ACIDEZ DO LEITE EM DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO Nutr. Márcia Keller Alves Acad. Franciele Cechinato Fatores determinantes: - Raça - Período de lactação; - Alimentação; - Saúde

Leia mais

Manejo Correto da Ordenha e Qualidade do Leite

Manejo Correto da Ordenha e Qualidade do Leite ISSN 0100-8625 27 Muitas vezes o produtor se questiona quais seriam as vantagens de adotar duas ou três ordenhas diárias. A resposta para esta pergunta tem que considerar uma série de fatores, tais como

Leia mais

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE Produções Didático-Pedagógicas

OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE Produções Didático-Pedagógicas Versão Online ISBN 978-85-8015-079-7 Cadernos PDE II OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE Produções Didático-Pedagógicas Título: Elaboração de um manual de boas práticas

Leia mais

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA ROTINA DE ORDENHA DE LEITE BOVINO

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA ROTINA DE ORDENHA DE LEITE BOVINO 163 ISSN: 1517-8595 CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA ROTINA DE ORDENHA DE LEITE BOVINO Lismaíra Gonçalves Caixeta Garcia¹, Jackelyne Gomes Ribeiro², Joice Vinhal Costa Orsine³ RESUMO O trabalho teve como

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA DIMENSIONAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE ORDENHA

INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA DIMENSIONAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE ORDENHA INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA DIMENSIONAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE ORDENHA NORMATIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE ORDENHA A normatização de equipamentos foi concretizada pelo comitê de Equipamentos, integrante do Conselho

Leia mais

10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína

10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Curso de Medicina Veterinaria Disciplina: Tecnologia e Inspeção de Leite e Derivados Profª Andrea O B Botelho 8 e 9º períodos ROTEIRO DE ESTUDOS - Estes

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

Enfª. Sandra De Lello Dep. de Qualidade e Treinamento

Enfª. Sandra De Lello Dep. de Qualidade e Treinamento OS BENEFÍCIOS DA LIMPEZA ALCALINA Enfª. Sandra De Lello Dep. de Qualidade e Treinamento LIMPEZA Processo de remoção física por ação mecânica das sujidades, realizado com água e detergente, de forma manual

Leia mais

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE Nívea Maria Vicentini Pesquisadora Embrapa Gado de Leite 15 o Encontro Técnico do Leite Campo Grande, 15 de maio de 2012 O QUE É O PAS?

Leia mais

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS AGROPECUÁRIAS (BPA) NA OBTENÇÃO DE MELHOR QUALIDADE NO LEITE DE COOPERATIVAS

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS AGROPECUÁRIAS (BPA) NA OBTENÇÃO DE MELHOR QUALIDADE NO LEITE DE COOPERATIVAS APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS AGROPECUÁRIAS (BPA) NA OBTENÇÃO DE MELHOR QUALIDADE NO LEITE DE COOPERATIVAS PEREIRA, E. J; 1 MANEIRA, A. A. M. 2 1 Edimilson José Pereira. Pós-Graduando em Controle de Qualidade

Leia mais

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas Análise de s ETAPA: Recepção das matérias-primas s considerados: Biológicos: bactérias patogénicas (forma vegetativa ou esporulada), parasitas e vírus Químicos: micotoxinas, aminas e toxinas naturais,

Leia mais

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Segurança Alimentar e Curso: Técnico em Agroindústria Professora: Roberta M. D. Cardozo Segurança Alimentar Grupos ou espécies de microrganismos

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 18 DE SETEMBRO DE 2002.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 18 DE SETEMBRO DE 2002. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 18 DE SETEMBRO DE 2002. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, Parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Segurança e qualidade. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Segurança e qualidade. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Segurança e qualidade Cuidados para produzir sem resíduos de antibióticos e de outros contaminantes Ano 2 Número 11 Set./Out. 2015 Nestlé EM

Leia mais

Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia. Aspectos ligados a produção higiênica de carnes

Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia. Aspectos ligados a produção higiênica de carnes Faculdade de Veterinária Dept. de Veterinária Preventiva Curso de Zootecnia Aspectos ligados a produção higiênica de carnes Fernando Bandeira 2016 Introdução Aspectos ligados a produção higiênica de carnes

Leia mais

Kit Embrapa de ordenha manual

Kit Embrapa de ordenha manual Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Gado de Leite Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Kit Embrapa de ordenha manual Autores Marne Sidney de Paula Moreira Antônio Cândido

Leia mais

MCF - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - FAZENDAS

MCF - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - FAZENDAS MCF - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - FAZENDAS MCF - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - FAZENDAS Elaborado por: Laerte

Leia mais

Montagem do Kit Embrapa de Ordenha Manual para produzir leite com qualidade

Montagem do Kit Embrapa de Ordenha Manual para produzir leite com qualidade Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Gado de Leite Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Montagem do Kit Embrapa de Ordenha Manual para produzir leite com qualidade Cartilhas

Leia mais

Utilizando a CCS e a CBT como ferramenta em tempos de pagamento por qualidade do leite

Utilizando a CCS e a CBT como ferramenta em tempos de pagamento por qualidade do leite Utilizando a CCS e a CBT como ferramenta em tempos de pagamento por qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos Professor Doutor Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP Campus de Pirassununga,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba Questão 01: Dê o fundamento e as etapas envolvidas no processo de liofilização de alimentos e cite quatro diferenças entre o processo de liofilização e o processo de secagem convencional. Pag. 1 de 15

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1

A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1 A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1 THE IMPORTANCE OF THE COUNTING OF SOMATIC CELLS AND TOTAL BACTERIAL COUNTING

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA

FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO HOMEOPÁTICO DE MASTITE COM MASTSIGO NA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS SÃO JOÃO DA BOA VISTA, SP, JULHO DE 2008.

Leia mais

Montagem do Kit Embrapa de Ordenha Manual para produzir leite com qualidade

Montagem do Kit Embrapa de Ordenha Manual para produzir leite com qualidade Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Gado de Leite Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Montagem do Kit Embrapa de Ordenha Manual para produzir leite com qualidade Autores

Leia mais

Comissão Controlo da Infecção

Comissão Controlo da Infecção Comissão Controlo da Infecção Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil, E.P.E. Helena Pereira (Enfª núcleo executivo da CCI) (Re)utilização de dispositivos médicos (DM) implica o reprocessamento

Leia mais

Boas Práticas Agropecuárias na Ordenha de Cabras Leiteiras

Boas Práticas Agropecuárias na Ordenha de Cabras Leiteiras ISSN 1676-7667 Boas Práticas Agropecuárias na Ordenha de Cabras Leiteiras 39 Introdução A caprinocultura leiteira tem aumentado sua participação no cenário agropecuário brasileiro de forma bastante significativa

Leia mais

Equipamentos de Ordenha

Equipamentos de Ordenha Equipamentos de Ordenha Recomendações do Comitê de Equipamentos Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite Comitê de Equipamentos Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) C755e Conselho Brasileiro

Leia mais

Boas Práticas na Fazenda. Controle de Antibióticos

Boas Práticas na Fazenda. Controle de Antibióticos Boas Práticas na Fazenda Controle de Antibióticos MILK SOURCING Identificação: M-1331.302-Q Direção: MSQR DocBR Vigente desde: 01/09/09 BRASIL Referência: MSQ-BR/LG Páginas: 12 Boas Práticas na Fazenda

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

PREVENÇÃO, CONTROLE E TRATAMENTO DAS MASTITES BOVINAS REVISÃO DE LITERATURA

PREVENÇÃO, CONTROLE E TRATAMENTO DAS MASTITES BOVINAS REVISÃO DE LITERATURA PREVENÇÃO, CONTROLE E TRATAMENTO DAS MASTITES BOVINAS REVISÃO DE LITERATURA TOZZETTI, Danilo Soares BATAIER, Miguel Bataier Neto ALMEIDA, Leandro Rafael de d_tozzetti@hotmail Discentes da Faculdade de

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO RECIBO. Eu,..., recebi no. dia.../.../... o manual Boas Práticas Agropecuárias - BPA

IDENTIFICAÇÃO RECIBO. Eu,..., recebi no. dia.../.../... o manual Boas Práticas Agropecuárias - BPA IDENTIFICAÇÃO Nome do produtor... Nome da propriedade... Proprietário ( ) Aluguel ( ) Arrendatário ( ) Área da propriedade...ha Município...Estado... Cadastro no SIG - SIF... Tipo de rebanho: Leite ( )

Leia mais

Coleção SENAR. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133

Coleção SENAR. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133 Coleção SENAR 133 Leite Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 TRABALHADOR NA bovinocultura de leite COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133 2005, SENAR Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU PRODUZIDO EM DUAS PROPRIEDADES DO EXTREMO OESTE DE SANTA CATARINA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRU PRODUZIDO EM DUAS PROPRIEDADES DO EXTREMO OESTE DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA- UNOESC CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA INDUSTRIAL E DE ALIMENTOS NÁDIA IONE MALDANER AVALIAÇÃO

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promoção a Saúde do Trabalhador da Saúde: O uso de Luvas e a lavagem correta das mãos entre os profissionais da

Leia mais

Controle de Qualidade de Alimentos 1º Módulo

Controle de Qualidade de Alimentos 1º Módulo VIVIAN PUPO DE OLIVEIRA MACHADO Nutricionista (Unoeste) Especialista em Saúde Coletiva (UEL) Especialista em Educação Inclusiva (Facol) Mestranda em Agronomia/Produção Vegetal (Unoeste) Controle de Qualidade

Leia mais

Comunidade. Meio Ambiente. Operações Contra Incêndios. Emergências com Produtos Químicos. Resgates

Comunidade. Meio Ambiente. Operações Contra Incêndios. Emergências com Produtos Químicos. Resgates AÇÕES CORRETIVAS EM ACIDENTES COM CARGAS PERIGOSAS Capitão BM Marcos Viana Ações de Resposta em Emergências com Produtos Químicos 1. INTRODUÇÃO Ações de Resposta em Emergências com Produtos Químicos 2.

Leia mais

DeLaval InService All Inclusive. O plano de pós-vendas e serviços para a sua fazenda

DeLaval InService All Inclusive. O plano de pós-vendas e serviços para a sua fazenda DeLaval InService All Inclusive O plano de pós-vendas e serviços para a sua fazenda Confie em quem é especialista em produção de leite A DeLaval é uma empresa global com mais de 130 anos de inovação e

Leia mais

1. A QUALIDADE DO LEITE COM BASE NA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E NA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº

1. A QUALIDADE DO LEITE COM BASE NA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E NA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1. A QUALIDADE DO LEITE COM BASE NA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E NA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 51: UM ESTUDO DE CASO DA INDÚSTRIA LACTOBOM E SEUS PRODUTORES 1 INTRODUÇÃO Julio César Barszcz Isaura Alberton

Leia mais

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012 Jean Berg Alves da Silva Médico Veterinário UFERSA (2001) Dr. Ciências Veterinárias UECE (2006) Professor do Departamentos de Ciências Animais da UFERSA HIGIENE ANIMAL Jean Berg Jean Berg Alves da Silva

Leia mais

CIÊNCIA EQUATORIAL ISSN

CIÊNCIA EQUATORIAL ISSN CIÊNCIA EQUATORIAL ISSN 2179-9563 Artigo Original Volume 2 - Número 2-2º Semestre 2012 QUALIDADE DO LEITE DE PROPRIEDADES DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO CÓRREGO DA VELHA NO MUNICÍPIO DE LUZ

Leia mais

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE Revisão 00 POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE RETIRAR A CARNE DO CONGELADOR COM ANTECEDÊNCIA ; COLOCAR EM UM RECIPIENTE ; DEIXAR DENTRO DA GELADEIRA POR NO MÁXIMO 72 HS. >RESPONSÁVEL: Manipulador. >

Leia mais

SISTEMA DE ORDENHA HIGIÊNICA PARA PEQUENOS PRODUTORES DE LEITE NO SEMI-ÁRIDO

SISTEMA DE ORDENHA HIGIÊNICA PARA PEQUENOS PRODUTORES DE LEITE NO SEMI-ÁRIDO VI ENCONTRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO 20 a 22/10/2004 Aracaju, Sergipe SISTEMA DE ORDENHA HIGIÊNICA PARA PEQUENOS PRODUTORES DE LEITE NO SEMI-ÁRIDO Orlando Monteiro de Carvalho Filho¹;

Leia mais

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR O QUE SÃO RESÍDUOS QUÍMICOS? São vestígios de substâncias que podem ser encontrados nos alimentos de origem animal (carne, leite

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS 67 TRABALHO ORIGINAL AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 EVALUATION OF CHEMICAL COMPOSITION

Leia mais

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros Instruções de montagem e utilização Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Caprinos e Ovinos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Rendimento na Fabricação de Queijos

Rendimento na Fabricação de Queijos Nova abordagem sobre Rendimento na Fabricação de Queijos Sérgio Casadini Vilela RENDIMENTO Rendimento econômico - o controle de litros de leite/ Kg de queijo (auxilia cálculo dos custos) Rendimento técnico

Leia mais

Boletim Técnico. Material Refletivo 3M Scotchlite. Tecido Refletivo Prata Descrição

Boletim Técnico. Material Refletivo 3M Scotchlite. Tecido Refletivo Prata Descrição Boletim Técnico Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Refletivo Prata 8910 Descrição O Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata 8910 foi desenvolvido para uso em vestuários de segurança e em roupas

Leia mais

LÁCTEOS SEGUROS COLETA E TRANSPORTE DE LEITE CRU (1) CRITÉRIOS BÁSICOS A SEREM OBSERVADOS PELA INDÚSTRIA

LÁCTEOS SEGUROS COLETA E TRANSPORTE DE LEITE CRU (1) CRITÉRIOS BÁSICOS A SEREM OBSERVADOS PELA INDÚSTRIA Artigo nº 3 LÁCTEOS SEGUROS COLETA E TRANSPORTE DE LEITE CRU (1) CRITÉRIOS BÁSICOS A SEREM OBSERVADOS PELA INDÚSTRIA É fundamental que a indústria estabeleça um Programa de Qualidade, fixando critérios

Leia mais

Álcool Etílico 70º INPM Desinfetante e Anti-séptico Hospitalar

Álcool Etílico 70º INPM Desinfetante e Anti-séptico Hospitalar Conceitos Básicos: 1. Desinfecção Álcool Etílico 70º INPM É o processo de destruição de microorganismos patogênicos na forma vegetativa, presentes em superfícies inertes, mediante aplicação de agentes

Leia mais

MODELO AGRODEFESA. Revisão 00. Logomarca da empresa. Programa de Autocontrole PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04. Ventilação

MODELO AGRODEFESA. Revisão 00. Logomarca da empresa. Programa de Autocontrole PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04. Ventilação PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04 Ventilação PAC 04 Página 2 de 7 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03 2.

Leia mais

REDUÇÃO DA CARGA BACTERIANA TOTAL APÓS UTILIZAÇÃO DE DESINFETANTES EM ORDENHA MECÂNICA NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIPAR EM DIFERENTES PERÍODOS

REDUÇÃO DA CARGA BACTERIANA TOTAL APÓS UTILIZAÇÃO DE DESINFETANTES EM ORDENHA MECÂNICA NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIPAR EM DIFERENTES PERÍODOS REDUÇÃO DA CARGA BACTERIANA TOTAL APÓS UTILIZAÇÃO DE DESINFETANTES EM ORDENHA MECÂNICA NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIPAR EM DIFERENTES PERÍODOS Danilo Ratti da Silva 1 ; Noemila Debora Kozerski 1 ; Romana

Leia mais

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62?

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? A QUALIDADE DA ÁGUA E OS IMPACTOS NA QUALIDADE DO LEITE Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? Clique para editar o estilo

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2012.2 INTRODUÇÃO Principais ferramentas - garantia da inocuidade,

Leia mais

A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE

A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE Agência Nacional de Vigilância Sanitária Portos, Aeroportos e Fronteiras Anexo XI PLANO DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO EMBARCAÇÕES MÉTODO I A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE Técnica de Desinfecção

Leia mais

A Ovinicultura de leite /queijo Relação produção e Industria. Maria Eugenia Lemos DSAVRC Gouveia Janeiro 2013

A Ovinicultura de leite /queijo Relação produção e Industria. Maria Eugenia Lemos DSAVRC Gouveia Janeiro 2013 A Ovinicultura de leite /queijo Relação produção e Industria Maria Eugenia Lemos DSAVRC Gouveia Janeiro 2013 Estruturas e Normas de Higiene e de Refrigeração na recolha e transporte do leite de ovelha

Leia mais

Programa de Controle da Mastite Caprina - PCMC

Programa de Controle da Mastite Caprina - PCMC Comunicado Técnico Outubro, 80 ISSN 1676-7675 Sobral, CE 2007 Programa de Controle da Mastite Caprina - PCMC Lea Chapaval 1 Introdução Um dos aspectos mais importantes dentro de um Programa de Controle

Leia mais

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 37 AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 Resumo: A elevada procura pela qualidade dos produtos

Leia mais

Análise microbiológica de leite de vacas mestiças alimentadas com óleo de palma e gordura de côco

Análise microbiológica de leite de vacas mestiças alimentadas com óleo de palma e gordura de côco Análise microbiológica de leite de vacas mestiças alimentadas com óleo de palma e gordura de côco Milk microbiological analysis of crossbred cows fed with palm oil and coconut Rafaela Vacondio, Grasiele

Leia mais

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M DEFINIÇÃO É a inflamação de uma veia, na qual as células endoteliais da parede venosa ficam bem irritadas.

Leia mais

Agenda. 1. Conceitos sobre mastite bovina e métodos diagnósticos. 2. Principais agentes causadores da mastite. 3. Prejuízos causados pela mastite

Agenda. 1. Conceitos sobre mastite bovina e métodos diagnósticos. 2. Principais agentes causadores da mastite. 3. Prejuízos causados pela mastite Agenda Controle, prevenção e tratamento da mastite Marcos Veiga dos Santos 1. Conceitos sobre mastite bovina e métodos diagnósticos 2. Principais agentes causadores da mastite 3. Prejuízos causados pela

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

A Vaca. Marcelo Crisóstomo de Faria. Fisiologia do Úbere. GEA Farm Technologies. GEA Farm Technologies A escolha certa.

A Vaca. Marcelo Crisóstomo de Faria. Fisiologia do Úbere. GEA Farm Technologies. GEA Farm Technologies A escolha certa. A Vaca Fisiologia do Úbere GEA Farm Technologies Marcelo Crisóstomo de Faria. geacrisostomo@gmail.com A VACA A Vaca O Úbere A Secreção do Leite A Descida do Leite A Produção de Leite Anatomia do úbere

Leia mais

Agricultura familiar na atividade leiteira no Brasil: Pressupostos e proposta metodológica

Agricultura familiar na atividade leiteira no Brasil: Pressupostos e proposta metodológica Agricultura familiar na atividade leiteira no Brasil: Pressupostos e proposta metodológica Duarte Vilela Embrapa Gado de Leite vilela@cnpgl.embrapa.br O que é produção familiar (i) direção dos trabalhos

Leia mais

PROFISSIONALIZAÇÃO DE PEQUENOS PRODUTORES DE LEITE PARCERIA. EMATER/Cooperativa Castrolanda/Prefeitura Municipal de Castro

PROFISSIONALIZAÇÃO DE PEQUENOS PRODUTORES DE LEITE PARCERIA. EMATER/Cooperativa Castrolanda/Prefeitura Municipal de Castro PROFISSIONALIZAÇÃO DE PEQUENOS PRODUTORES DE LEITE PARCERIA EMATER/Cooperativa Castrolanda/Prefeitura Municipal de Castro TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA Sidney S. Rodrigues de Oliveira Extensionista

Leia mais