Pró-Reitoria de Graduação Curso de Física Trabalho de Conclusão de Curso MAGNETRON: DO RADAR AO FORNO DE MICRO-ONDAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pró-Reitoria de Graduação Curso de Física Trabalho de Conclusão de Curso MAGNETRON: DO RADAR AO FORNO DE MICRO-ONDAS"

Transcrição

1 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Física Trabalho de Conclusão de Curso MAGNETRON: DO RADAR AO FORNO DE MICRO-ONDAS Autor: Karla Susane Borges dos Santos Orientador: Dr. Sérgio Luiz Garavelli Co-orientador: Dr. Arando M. Maroja Brasília - DF 0

2 Magnetron: Do Radar ao forno de icro-ondas (Magnetron: Fro radar to the icrowave) Karla S. B. Santos, Arando M. Maroja, Sérgio L. Garavelli (Curso de Física - Universidade Católica de Brasília) ( Departaento de Física Universidade de Brasília co-orientador) (Curso de Física - Universidade Católica de Brasília - orientador) A solução de u problea apresentado nu livro didático otivou o aprofundaento do estudo sobre o funcionaento de u agnetron, que é o gerador das icro-ondas de u forno. Neste trabalho são apresentados os princípios físicos de funcionaento de u agnetron e tabé os princípios de funcionaento de u forno de icro-ondas. Através da análise e edidas das diensões dos coponentes de u agnetron retirado de u forno real é estiada a freqüência de operação de u forno. Palavras-chave: Magnetron, forno de icro-ondas. The solution of a proble presented in a textbook otivated a deeper study on the operation of a agnetron, which is the generator of a icrowave oven. This paper presents the physical principles of operation of a agnetron and also the principles of operation of a icrowave oven. Through the analysis and easureents of the diensions of the coponents of an oven agnetron taken fro a real is estiated the frequency of operation of a furnace. Keywords: Magnetron, icrowave oven.. Introdução Magnetron O agnetron é ua válvula que gera icro-ondas, que são ondas eletroagnéticas, co coprientos de onda de a. As icro-ondas estão no espectro eletroagnético entre as ondas de rádio e infraverelho. Corresponde à freqüências de 300 MHz até 300 GHz. O prieiro Magnetron, que tornou possível o radar de icro-ondas foi na Segunda Guerra Mundial e continha oito cavidades ressonantes (PURCELL, 973). O radar (detecção e localização por rádio) foi o prieiro aparelho tecnológico prático para a utilização da radiação na faixa das icro-ondas. O radar foi desenvolvido para a Segunda Guerra Mundial, co o objetivo da navegação aérea e da localização de aeronaves iniigas da época. A freqüência designada dos radares está entre 5 GHz e 6 GHz (CARVALHO, 005).

3 O forno de icro-ondas foi desenvolvido durante a Segunda Guerra Mundial quando alguns pesquisadores aericanos que trabalhava co a construção de radares, percebera que as icro-ondas tabé era capazes de aquecer e cozinhar os alientos colocados próxios à fonte de eissão de radiação. Essa descoberta proporcionou a construção de fornos experientais, que na época era grandes e uito caros. Esses fora a base para o desenvolviento dos fornos doésticos atuais (CARVALHO, 005). O estudo dos radares proporcionou esclarecientos sobre as icroondas, ebora tenha sido desenvolvida essa tecnologia para a transissão de inforações, a partir de 940 o estudo desenvolvido, utilizando as icro-ondas, gerou aplicações que estão presentes atualente na sociedade. Coo por exeplo, no radar, no forno de icro-ondas, nas telecounicações, na edicina, na indústria e várias outras (CARVALHO, 005). A freqüência ais utilizada é a de,45 GHz encontrada e fornos doésticos, no entanto os fornos industriais opera co freqüências, de 3,56 MHz, 896 MHz e 4, MHz (CARVALHO, 005).. A física do Magnetron U circuito elétrico forado por ua bateria, ua bobina L e u capacitor C fora u circuito oscilante. Devido a processos sucessivos de carga e descarga do capacitor é possível produzir a variação do capo elétrico. Quando o capacitor está carregado existe u capo elétrico entre suas placas condutoras; na descarga do capacitor acontece ua diinuição da sua intensidade e logo aparece u capo agnético induzido e a corrente que percorre a bobina, esse capo agnético é crescente. Quando o capacitor fica descarregado, o capo elétrico fica nulo e o capo agnético que apareceu chega ao seu valor áxio. As sucessivas cargas e descargas do capacitor junto co os capos elétricos e agnéticos oscilantes que se reconstroe várias vezes, fora as ondas eletroagnéticas. Foi Jaes Clark Maxwell u físico e ateático britânico, que afirou que cargas elétricas oscilantes ou aceleradas gera ondas eletroagnéticas capazes de transportar energia (MAI, et. al., 008). As freqüências das ondas eletroagnéticas depende das propriedades do capacitor e da bobina. O tepo para que aconteça a carga e a descarga do 3

4 capacitor é diretaente proporcional à sua capacitância. E a energia arazenada na bobina depende da indutância. Figura 0 Modelo de oscilador elétrico (MAI, et. al., 008). A Figura 0 (a) ostra u circuito oscilante forado por u capacitor de placas paralelas, ua bobina e ua fonte (pilha). Mostrando que quando o capacitor está totalente carregado, o capo elétrico é áxio. E o capo agnético na bobina é nulo. A figura (b) ostra que quando o capacitor coeça a descarregar surge ua corrente elétrica, o capo elétrico coeça a decrescer e o capo agnético na bobina coeça a crescer. Na Figura (c) está representado quando o capacitor está totalente descarregado, o capo elétrico é nulo e o capo agnético na bobina é áxio (MAI, et. al., 008). Osciladores eletrônicos são utilizados para eitir ondas. U oscilador LC é forado por u indutor e u capacitor e paralelo. Seu funcionaento é baseado na transforação de energia elétrica arazenada entre as placas do capacitor e energia agnética da bobina. O sistea é análogo a u oscilador assa-ola (HALLIDAY, 984). A característica deste tipo de circuito, conhecido coo circuito LC, L indutor e C capacitor, possui ua velocidade que flui e volta à corrente, desde o capacitor até o indutor, e disso se produz ua frequência (f), chaada de frequência de ressonância: f LC () f é edido e Hertz, C e Farad e L e Henry. 4

5 Ressonância elétrica Ressonância elétrica acontece e circuitos que possue tanto capacitores quanto indutores. Sisteas ressonantes pode ser usados para gerar vibrações de ua freqüência deterinada, ou para obter frequências específicas de ua vibração. A aplicação ais evidente é na área das telecounicações, e que as ondas eletroagnéticas atua coo interediárias na transissão das inforações do transissor até o receptor, forando o que se chaa de sinal. O Magnetron é interessante por que possui ua caixa de ressonância análoga co as caixas de ressonância acústica presentes e instruentos usicais. São foradas de cavidades ressonantes. Essas cavidades funciona coo circuitos ressonantes co baixa perda e sua frequência de oscilação. As cavidades ressonantes de icro-ondas pode ser representadas por u circuito LC. Para ua cavidade de icro-ondas, a energia elétrica arazenada é igual à energia agnética arazenada na ressonância de u circuito LC. O fenôeno de ressonância acústica está presente nos instruentos usicais, o ar contido na cavidade de ua caixa de ressonância acústica possui ua variedade de frequências de ressonância associadas aos odos norais de vibração, constituído por ua cavidade acústica ressonante. O so que se origina das cordas vibrantes de u instruento usical é influenciado pela caixa acústica do instruento. Caixa de ressonância acústica equivalente à cavidade de ressonância elétrica do agnetron do forno de icro-ondas. (DONOSO, 008) Figura 0 - Caixa de ressonância acústica Poderá ser utilizada a freqüência angular própria das oscilações não aortecidas de u sistea assa-ola e analogia co a frequência própria do circuito LC obtendo-se então: 5

6 v k v LC () LC unidades de edidas: ω = radianos por segundo, L = Henry, C = Farad. A geração de icro-ondas é cou e dispositivos de filaento aquecido, por que eles eite elétrons que ao sere acelerados por u capo elétrico te a sua direção odificada por capos agnéticos (CARVALHO, 005). De acordo co as diensões da cavidade onde os elétrons se propaga é obtido u circuito oscilante. U dispositivo de filaento é o agnetron, capaz de gerar icro-ondas (CARVALHO, 005). Dentro do agnetron, no seu centro existe u tubo chaado catodo responsável por eitir elétrons acelerados, o catodo te ua ligação co dois filaentos que tabé se liga externaente co dois terinais do agnetron. Os elétrons acelerados são desviados por causa do capo agnético de dois iãs peranentes e alcança o anodo que é ua placa contendo diversas cavidades. Cada cavidade do anodo corresponde a ua bobina e u capacitor nua frequência de.450mhz (CARVALHO, 005). E cada cavidade aparece u capo elétrico devido ao acúulo de elétrons, igual à presença de u capacitor. Os elétrons circulando e torno das cavidades são equivalentes a u indutor. Esse dispositivo é u circuito LC que pode ser ajustado para ser u circuito ressonante co freqüência definida. Logo o Magnetron é análogo a u circuito LC (CARVALHO, 005). Figura 03 - Explicação sobre o processo fundaental de funcionaento do agnetron. 6

7 3. Principio de funcionaento do Magnetron É chaado Magnetron a válvula que produz icro-ondas na faixa de frequência de.450mhz. O princípio de funcionaento do agnetron é fundaentado no efeito de circuitos ressonantes. O circuito ressonante é capaz de gerar ondas e é forado pela junção de ua bobina e u capacitor e paralelo (MAI, et. al., 008). A Bobina é u transforador ressonante capaz de gerar ua tensão elétrica. Quando há passage de corrente elétrica pela bobina, u capo agnético é gerado e torno da bobina. Se caso ocorrer o desligaento da fonte de alientação da bobina, que gera a corrente elétrica, esse capo agnético diinuirá, gerando ua tensão na bobina, que anterá por u deterinado tepo a corrente ainda fluindo no eso sentido, preservando a energia arazenada no circuito. Essa preservação da energia, coo u arazenaento é chaada de Indutância (MAI, et. al., 008). Já o capacitor, que é constituído por duas placas condutoras etálicas separadas por algu tipo de aterial isolante, ocorre o arazenaento de energia elétrica. Quando ligaos a ua fonte de alientação, ua placa se carregará positivaente e outra negativaente. Existirá corrente no circuito soente durante a carga e descarga do capacitor (MAI, et. al., 008). Quando ligaos u conjunto bobina e capacitor e paralelo, partindo do oento e que o capacitor está totalente carregado, ou seja, capo elétrico é áxio e a corrente é nula. Nesse instante os elétrons da placa negativa do capacitor coeça a fluir pela bonina para chegare à placa positiva do capacitor, surge ua corrente elétrica na bobina que é áxia quando o capacitor estiver descarregado. A energia arazenada pela bobina é e fora de energia agnética isso acontece até que as cargas do capacitor coece a aproxiar de zero (MAI, et. al., 008). Coo o capacitor não pode fornecer elétrons para sepre, esse fluxo de elétrons entre placas coeça a cair e conseqüenteente a corrente coeça a cair, diinuindo o capo agnético produzido na bobina. A corrente vai diinuindo de acordo co o tepo, causando redução do capo agnético, iniciando u fluxo de elétrons para carregar o capacitor co a polaridade oposta à de inicio. Quando o capacitor é então carregado totalente, a placa negativa se transfora e positiva e a corrente nula (MAI, et. al., 008). 7

8 Novaente o capacitor recebe carga através da bobina forçando ua corrente no sentido contrário ao anteriorente descrito. O capo agnético da bobina auenta novaente, co sentido oposto. De acordo co que udaos o sentido da corrente udaos tabé o sentido do capo agnético. Então cada vez que o sentido da corrente se inverte, enquanto a intensidade do capo agnético da bobina diinui gradativaente antendo o tepo suficiente até o capacitor recarregar. O ciclo é repetitivo e produz ua corrente alternada no circuito. A carga e a descarga de u capacitor e de ua bobina gera oscilações eletroagnéticas. Que são as ondas eletroagnéticas que eite radiação (MAI, et. al., 008). O forno de icro-ondas é forado pelos coponentes básicos: Porta, painel de controle, prato giratório de vidro, suporte etálico para prato giratório, lâpada, dispositivo de segurança, travas de segurança, puxador e cabo de força. Figura 04 - Coponentes básicos do forno (ELETROLUX, 008). 8

9 Figura 05- Foto do forno de icro-ondas para pesquisa. Figura 06 - Os principais coponentes de u forno de icro-ondas. Os principais coponentes de u forno de icro-ondas: Magnetron, u guia de ondas, fonte de alta tensão, transforador e u retificador, e cavidade ou câara de coziento (CARVALHO, 005). O coziento por icro-ondas acontece por que as icro-ondas nessa faixa de freqüência usada nos fornos são fracaente absorvidas pelas oléculas de água, gorduras e açúcares presentes nos alientos. Essas oléculas polares (que possue pólos nos seus extreos, u positivo e outro negativo) alinha-se co o capo elétrico da radiação e coo esse capo elétrico uda de direção de acordo co a freqüência da radiação, as oléculas tenta acopanhar essa udança e puxa as oléculas vizinhas. Mas devido certa resistência da substância alguas oléculas vizinhas se opõe ao alinhaento devido. Que gera u aqueciento do eio, ela oscila e a radiação de icro-ondas é transforada e calor no interior do aliento (CARVALHO, 005). 9

10 A constante dielétrica da substância influencia na absorção das icroondas. Ela está associada ao tepo de relaxação e o grau de polarização das oléculas. A relaxação é o resultado dos dipolos elétricos quando subetidos ás variações do capo elétrico que recebe (CARVALHO, 005). A frequência de radiação do forno de icro-ondas não é igual à freqüência de oscilação das oléculas de água. Por que se fosse a esa freqüência ela seria totalente absorvida nas prieiras caadas dos alientos e a parte interna não seria penetrada. A freqüência escolhida é u eio-terno para que ocorra a penetração tanto nas prieiras caadas do aliento coo no seu interior (CARVALHO, 005). O capo eletroagnético alternado gerado leva a rotação e agitação necessária que provoca colisão de oléculas polares e íons no interior dos alientos. Estes atritos oleculares provocados pelas colisões, que gera calor e leva ao auento de teperatura. Os dois ecanisos de explicação sobre o aqueciento são a interação dipolar elétrica e iônica (FEHD, 005). A interação dipolar acontece quando: A olécula é u "dipolo". Parecido co a ação do íã, esses "dipolos" irão orientar-se quando sujeitos a capos eletroagnéticos. As interações iônicas, copostos iônicos, sais dissolvidos na coida tabé pode ser acelerado pelo capo eletroagnético e colidir co outras oléculas para produzir calor. (FEHD, 005). A coposição de u aliento irá influenciar a fora de coo ele será aquecido no forno icro-ondas. Alientos co uita água serão aquecidos ais rapidaente por causa da interação dipolar ais eficiente co a água. (FEHD, 005). 4. Objetivo Específico Estiar a freqüência de ressonância de u forno de icro-ondas. 5. Materiais e étodos. Através da solução do exercício 8.0 do livro Curso de Física de Berkeley, foi possível obter ua equação para calcular aproxiadaente e estiar o valor da freqüência de u agnetron real (PURCELL, v., p. 40, 973). 0

11 Foi feita a desontage de u forno de icro-ondas, os coponentes fora identificados. O agnetron foi cortado de fora que suas diensões pudesse ser edidas para possibilitar o cálculo da freqüência de ressonância. 6. Resultados A solução de u exercício foi otivação da pesquisa sobre a válvula agnetron. Através do exercício, obter ua fórula para calcular aproxiadaente o valor da freqüência de ressonância de u agnetron real. Partindo do exercício: 7.7 Calcule a auto-indutância de u solenóide cilíndrico de 0 c de diâetro e de copriento. Ele te u enrolaento de ua única caada contendo u total de 00 voltas (PURCELL, 973). L n la (3) 0 L N, N é o núero de espiras, é o fluxo agnético e I é a corrente. I Para u solenóide coo no caso estudado fareos as seguintes equivalências. Nesta expressão n=n/l é a densidade de espiras por unidade de copriento l e o fluxo agnético é B A onde B é o capo agnético no interior do solenóide, A é a área da seção reta do solenóide. B A (4) B 0 n I onde 0 é a constante de pereabilidade do espaço livre e te valor de (5) T /. Chegaos a conclusão que: L N I ( n l) ( 0 I n A) I n 0 la Então substituindo os valores do exercício nessa fórula. (HALLIDAY, et. al., 984),. O solenóide cilíndrico de diâetro igual a d = 0 c, N = 00 voltas, l =. Fazendo as transforações necessárias. Coo Diâetro r(raio) ; r 50

12 A área é A r que será 7,850 3 L (40 L 0 n ) (600) la n N l () (7, , Exercício otivador da pesquisa sobre o Magnetron. voltas / etro H Figura 07 - Figura do exercício. Resolução: Para escrever ua fórula para o condutor cilíndrico de extreos abertos, foi necessário partir do conjunto da figura (b) e deduzir que se tratava de u indutor e u capacitor de placas paralelas. O coportaento de u circuito LC é seelhante ao de u sistea assaola, logo fizeos as equivalências de que: Q corresponde a x, I corresponde a v, C corresponde a / k L corresponde a.

13 Se teos: dq I e dl dx v Aplicando a lei das alhas de Kirchhoff ao circuito, dt L di dt dq Substituindo a corrente I por teos: dt Q C 0 (6) d Q dt L Q C 0 É seelhante que à equação de oviento assa-ola: (7) d x kx 0 dt Dividindo todos os teros da equação (0) por L, teos: d Q dt Que é análoga a: LC x k x dt d x (8) k onde k que é a freqüência angular. Fazendo teos: LC (9) LC A C 0 d (0) Então no capacitor de placas paralelas teos F 0 8,850 pf 8,85 F pf que é o valor da perissividade do vácuo. A letra 0 8,850 8,85 A representa a área, d é a distância entre as placas. A capacitância de u capacitor é Q C () V 3

14 Ua placa do capacitor vai ter +Q e a outra -Q. Para atraíre-se utuaente. Cada placa contribui para u capo elétrico entre as placas que é E Onde 0 Q coo o capo E é unifore entre as placas, a V A diferença de potencial é igual ao produto do capo pela distância d entre as placas. (TIPLER, 000) Q d V E d d () A 0 0 Q A C 0 (3) V d Coo o exercício é be claro ao dizer que a freqüência de ressonância é independe do copriento b fazeos as substituições: L n Al (3) Para a equação acia n (N/l) é a densidade de espiras, N é o núero de espiras e l é o copriento das espiras. Para o problea é apenas unidade de espira e l é igual ao copriento b. L L 0 b A 0 0 ( ) l Al ( r L 0 b 0 A 0 Wb C d s L C 0( r ) 0 Wb b s O problea fala que o raio = a então obteos a equação ) (4) a 0 0 W s E as edidas de s e W fora conseguidas edindo a figura (c) co u paquíetro. Coo diz o exercício a=s/. 4

15 Figura 08- Largura W Figura 09- Distância entre placas s Medidas: s =,8 = 0,008 W = 3,5 = 0,0035 (4 0 7 ) ( ) (8,850 (0,5 0,008) ) (0,0035) (0,008),3480 rad s Freqüência é f,450 LC 0 Hz,454GHz.450MHz Para a pesquisa experiental foi preciso encontrar a peça fundaental da pesquisa, o agnetron, e foi necessário desontar u forno de icroondas. O forno disponibilizado foi u odelo: MS - 74MLA arca: LG Multiondas freqüência:.450 MHz potência:.050w e rede de alientação de: 0 v. Diensões Gerais do Produto (L x A x P) (): 485x80x350; - Diensões Gerais da Cavidade (L x A x P) (): 308x96x36; - Capacidade: 9 litros; - Peso líquido:.0kg. (LG, et al, MS - 74LA) Ao desontar o forno de icro-ondas encontraos o agnetron e foi possível desontá-lo tabé para que fizésseos o estudo da cavidade ressonante, fazer os devidos cortes a cavidade para edidas necessárias ao cálculo da freqüência de ressonância produzida e assi explicar a geração de icro-ondas e u odelo real. Usaos aqui ua etodologia experiental, foi feito anotações e edidas de dados coo: diâetro da cavidade, altura e largura das placas condutoras, edida entre placas e base das placas. Foi fotografado o eletrodoéstico estudado, a válvula agnetron e seus coponentes. Utilizou-se o anual do próprio forno de icro-ondas para 5

16 noes e edidas padrões de fábrica para as peças, a desontage foi toda auxiliada pelos técnicos do laboratório. Figura 0 - Foto do forno de icro-ondas aberto. Figura - Marca e odelo do agnetron estudado. Magnetron LG e ModeloM3. Através da desontage do forno foi possível ostrar as principais características do agnetron real. Figura - Magnetron ontado Figura 3- Análoga ao agnetron real (PHILCO, 008) Essa é a estrutura do agnetron para gerar a freqüência de,45ghz. 6

17 Figura 4 - A cavidade de ressonância foi Figura 5 - Cavidade inteira. cortada perpendicularente. Mas chegaos enfi na cavidade ressonante, foi feito u corte perpendicular e descoberto que a cavidade era forada por aletas que juntas forava cavidades pequenas e forato aproxiado de u quadrado. A fórula utilizada teve de ser adaptada para a área de u quadrado. As edidas essenciais da cavidade fora de acordo co a fórula deduzida para o cálculo: ela apresenta diâetro de 40. Aletas de 9,55 de altura e,80 de largura. A partir dessas edidas pôde ser calculada a freqüência de oscilação das icro-ondas do agnetron real. Essa cavidade de ressonância é coposta por u ânodo, u catodo e dois iãs fixos. O ânodo é a peça etálica que é feita co ferro ou cobre, possui u núero par de aletas forando suas cavidades. O cátodo localizado no centro da cavidade é responsável por eitir elétrons. A antena sepre fica ligada a ua aleta do anodo e é responsável por conduzir as icro-ondas para a parte externa do agnetron. A parede da cavidade ressonante funciona coo ua série de bobinas e as aletas funciona coo ua série de capacitores. Quando circula ua corrente elétrica nesse conjunto, gera capos agnéticos e capos elétricos variáveis nos espaços que fica entre as aletas. Esse funcionaento é u circuito ressonante co valores de indutância e capacitância pequenos, as que eite oscilações co alta freqüência, ou seja, eite icro-ondas nua freqüência de,45ghz. A antena recebe e irradia essa energia para a câara de coziento através do guia de ondas. O guia de ondas é u tubo etálico capaz de refletir e direcionar as icro-ondas. 7

18 Figura 6 - A cavidade co corte transversal. Figura 7 - Analogia as aletas reais. 7. Discussão Utilizando a esa questão para o cálculo experiental do agnetron real. Foi verificado que a cavidade de ressonância é diferente da cavidade do exercício anterior. E que a indutância e a capacitância depende da geoetria do objeto. E que por isso os resultados serão diferentes. Co as seguintes edidas, feitas co o paquíetro: Figura 8 - Cavidade reta. Figura 9 - Diâetro da cavidade ressonante. Figura 0 - Altura das aletas da cavidade Figura - Base da cavidade 8

19 Figura - Distância entre placas Figura 3 - Largura da placa Figura 4 - Parte para subtração de valores Obteos: diâetro de 40, aletas de 9,55 de altura e,80 de largura. Distância entre placas de 4,75. Base da cavidade é 8,80. A equação para a velocidade das oscilações eletroagnéticas independe do copriento l da bobina, logo ao substituiros na fórula, ele será anulado. L n Al (3) 0 Por isso a fórula resultante é: L L 0 0 l ( ) l A Al 0 A 0 Wl C d s L C 0 0 A W s 0A 0 Wl l s (5) 9

20 7 Teos o valor de 40 T/ A, teos o valor de 0 0 8,850 F / e para o cálculo da área utilizareos os valores edidos. A área é aproxiadaente u quadrado logo base vezes altura é a área desejada. F 0 0 rad/s Hz 3,83GHz A freqüência do agnetron real foi aior que a freqüência fixada nos anuais dos fornos de icro-ondas. A freqüência fixada é de:,45 GHz. Mas é aceitável a orde de a 3 GHz, por se tratar de u experiento, existire edidas aproxiadas e provavelente u percentual de erro aceitável.é diferente do resultado do exercício do livro tabé por que a cavidade é circular e do agnetron real é aproxiadaente u quadrado. A geoetria da cavidade ressonante influência na freqüência eitida. Aqui tabé vaos coentar as características observadas dos principais coponentes do forno de icro-ondas: Fonte de alta tensão, transforador e u retificador, agnetron, u guia de ondas, e ua cavidade ou câara de coziento. A fonte de alta tensão é fornecida pela rede elétrica da residência; O transforador e o retificador são para obter a alta tensão contínua para o funcionaento da fonte de icro-ondas; O agnetron, que produzirá u feixe intenso de icro-ondas de freqüência definida; U guia de ondas, que transportará as icro-ondas até a câara de coziento; A cavidade ou a câara de coziento é onde as icro-ondas serão absorvidas pelos alientos a sere cozidos (CARVALHO, 005). 8. Considerações finais A finalidade do agnetron é siilar a de u oscilador elétrico e u circuito ressonante LC. Ele foi construído para gerar icro-ondas. Freqüência 0

21 deterinada, controlada pelo forato da cavidade ressonante. O agnetron é o princípio fundaental de u forno de icro-ondas. O agnetron real estudado nessa pesquisa não possui cavidades ressonantes circulares e si aproxiadaente o forato de u quadrado. Que foi ua surpresa para nós, ao abriros o agnetron e fazer o corte perpendicular ao objeto, ver que as cavidades não era circulares e eso assi funcionava uito be co essa deterinada geoetria, experientalente o valor foi diferente do fixado nos anuais de icro-ondas, as foi aproxiadaente. A proposta do exercício confrontou a teoria co a experientação. A teoria criou uita expectativa e dar tudo certo, valores exatos devido a resolução do exercício de otivação. A experientação foi ais concreta, possibilitando abrir ua explicação sobre o funcionaento da válvula, entender várias coisas que estava relacionadas. O foco principal era ua pesquisa experiental e teórica que pudesse nos explicar o funcionaento dessa válvula, as explicações fora alcançadas, obtiveos u trabalho co u resultado satisfatório. 9. Agradecientos Deus, Obrigado Deus, por ter peritido que eu chegasse nesse oento tão sublie da inha vida. Por ter sido a luz que e clareou os oentos de escuridão e e protegeu para que nenhu au e acontecesse até hoje. Obrigada Deus. 0. REFERÊNCIAS Prece de Agradeciento CARVALHO, Regina Pinto de. Teas Atuais de Física: Micro-ondas. Sociedade Brasileira de Física, a ed. São Paulo: Livraria da Física, 005. BURGOS, ELETRÔNICA NET. LTDA. Curso Prático de anutenção e forno de icro-ondas. Disponível e < > Acesso e: 03/0.

22 DONOSO, José Pedro. So e Acústica: Natureza ondulatória do so. São Paulo, 008. Dissertação (Trabalho acadêico e Arquitetura), Universidade de São Paulo. Instituto de física de São Carlos - UFSC. ELECTROLUX. Microondas. Manual de instruções: MEF33, MEG33. Curitiba, 008. FEHD, Departaento do Governo de Hong Kong. Serviço Alientar e da Saúde Pública do Rao Alientar e Higiene Abiental. Disponível e <http://www.cfs.gov.hk/english/prograe/prograe_rafs/prograe_rafs_ft _0_0_cfs.htl > Acesso e: 06/005. GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA. Física: Eletroagnetiso. 3a ed. São Paulo: Editora da universidade de São Paulo, 998. HALLIDAY, David; RESNICK, Robert. Física. 4a ed. Rio de Janeiro: LTC, v.3, Física. 4a ed. Rio de Janeiro: LTC, v.4, 984. LG. Microondas: anual de instruções: MS-74MLA. MAI, Ivo; BALZARETTI, Naira Maria; SCHMIDT, João Edgar. Textos de apoio ao professor de física: Utilizando u forno de icro-ondas e u disco rígido de u coputador coo laboratório de física. Rio Grande do Sul, 008. Dissertação (Mestrado Profissional e Ensino de Física), Universidade Federal do Rio Grande do Sul. IN INFOPÉDIA, PORTO EDITORA. Micro-ondas (física). Disponível e < > Acesso e: /06/0. ALESSANDRA, NILZA FRANCINE. Projeto Microondas. O que são icroondas. Disponível e: <http://projetoicroondas.pbworks.co/w/page/9804/microondas > Acesso e: 3/06/007. WIKIPÉDIA, A ENCICLOPÉDIA LIVRE. Oscilador LC. Disponível e: < > Acesso e: 03/0 PHILCO. Microondas: anual técnico PURCELL, Edward Mills. Curso de Física de Berkeley: Eletricidade e Magnetiso. São Paulo: Edgard Blücher, v., 973. TIPLER, Paul Allen. Física para cientistas e engenheiros: Eletricidade e Magnetiso, ótica. 4a ed. Rio de Janeiro: LTC, v., 000.

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO 113 17 TEORA ELETRÔNCA DA MANETZAÇÃO Sabeos que ua corrente elétrica passando por u condutor dá orige a u capo agnético e torno deste. A este capo daos o noe de capo eletro-agnético, para denotar a sua

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

= C. (1) dt. A Equação da Membrana

= C. (1) dt. A Equação da Membrana A Equação da Mebrana Vaos considerar aqui ua aproxiação e que a célula nervosa é isopotencial, ou seja, e que o seu potencial de ebrana não varia ao longo da ebrana. Neste caso, podeos desprezar a estrutura

Leia mais

Transformadores e bobinas de alta frequência

Transformadores e bobinas de alta frequência Transforadores e bobinas de alta frequência 007 Profª Beatriz Vieira Borges 1 Transforadores e bobinas de alta frequência ideal v 1 v úcleo de ferrite i 1 i + + v 1 v - - v 1 1 1 v i 1 i 007 Profª Beatriz

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções:

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções: FÍSICA DADOS 9 N. g = 0 k 0 = 9,0 0 s C 8 c = 3,0 0 v so = 340 /s T (K) = 73 + T( o C) s 0) d = d 0 + v 0 t + at 4) E p = gh 6) 0) v = v 0 + at 5) E c = v 03) v = 04) T= f 05) 0 PV P V = 38) T T V = k0

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS CICUIOS EÉICOS EGIME PEMANENE SENOIDA, EPESENAÇÃO FASOIA E As análises de circuitos até o presente, levou e consideração a aplicação de fontes de energia elétrica a u circuito e conseqüente resposta por

Leia mais

Ano. p. 59-68 USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS P. 1. Cláudio Sérgio SARTORI

Ano. p. 59-68 USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS P. 1. Cláudio Sérgio SARTORI N., Março Ano Cláudio Sérgio SARTORI n. USO DE PROGRAMA ORIENTADO A OBJETOS EM VIBRAÇÕES MECÂNICAS p. 59-68 Instituto de Engenharia Arquitetura e Design INSEAD Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio

Leia mais

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica Relatório de Física Experiental III 4/5 Engenharia Física ecnológica ALORIMERIA rabalho realizado por: Ricardo Figueira, nº53755; André unha, nº53757 iago Marques, nº53775 Grupo ; 3ªfeira 6-h Lisboa, 6

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída.

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída. Prof. Celso Módulo 0 83 SISTEMAS DE CONTOLE DE POSIÇÃO Objetivo: converter u coando de posição de entrada e ua resposta de posição de saída. Aplicações: - antenas - braços robóticos - acionadores de disco

Leia mais

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem.

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem. POTÊNCIA EM CARGAS GENÉRICAS Prof. Antonio Sergio C. de Menezes. Depto de Engenharia Elétrica Muitas cargas nua instalação elétrica se coporta de fora resistiva ou uito aproxiadaente coo tal. Exeplo: lâpadas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA FEP2195 - Física Geral e Experimental para Engenharia I LISTA 05

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA FEP2195 - Física Geral e Experimental para Engenharia I LISTA 05 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA FEP2195 - Física Geral e Experiental para Engenharia I LISTA 05 Rotação de corpos rígidos 1. A hélice de u avião gira a 1900 rev/in. (a) Calcule a velocidade

Leia mais

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO 44 SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO Resuo Jair Sandro Ferreira da Silva Este artigo abordará a aplicabilidade das Equações Diferenciais na variação de teperatura de u corpo. Toareos

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ Departaento de Física, ITA, CTA, 18-9, São José dos

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio

Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio 5910187 Biofísica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 1 Propagação do Potencial de Ação ao Longo do Axônio Os experientos originais de Hodgkin e Huxley que os levara ao seu odelo era realizados e condições

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas www.engenhariafacil.weebly.co Resuo co exercícios resolvidos do assunto: Sisteas de Partículas (I) (II) (III) Conservação do Moento Centro de Massa Colisões (I) Conservação do Moento Na ecânica clássica,

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE Tatiana Turina Kozaa 1 Graziela Marchi Tiago E diversas áreas coo engenharia, física, entre outras, uitas de suas aplicações

Leia mais

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes.

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes. APRFUDAMET QUÍMIA 2012 LISTA 9 Leis ponderais e voluétricas, deterinação de fórulas, cálculos quíicos e estudo dos gases. Questão 01) A Lei da onservação da Massa, enunciada por Lavoisier e 1774, é ua

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departaento de Engenaria Elétrica AVALIAÇÃO DO MODELO DE TANSFOMADOES EM FUNÇÃO DA FEQUÊNCIA Por Alexandre de Castro Moleta Orientador: Prof.Dr. Marco Aurélio

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS 1º Lucas de Castro Valente*, 2º Raphael Marotta, 3º Vitor Mainenti 4º Fernando Nogueira 1

Leia mais

CORTESIA Prof. Renato Brito

CORTESIA Prof. Renato Brito INSTITUTO TECNOÓGICO DE AERONÁUTICA VESTIBUAR 987/988 PROVA DE FÍSICA 0. (ITA- 88 ) U disco gira, e torno do seu eixo, sujeito a u torque constante. Deterinando-se a velocidade angular édia entre os instante

Leia mais

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta Revisões de análise odal e análise sísica por espectros de resposta Apontaentos da Disciplina de Dinâica e Engenharia Sísica Mestrado e Engenharia de Estruturas Instituto Superior Técnico Luís Guerreiro

Leia mais

Termodinâmica Aplicada

Termodinâmica Aplicada TERMODINÂMICA Disciplina: Terodinâica Professor: Caruso APLICAÇÕES I Motores de autoóveis Turbinas Bobas e Copressores Usinas Téricas (nucleares, cobustíveis fósseis, bioassa ou qualquer outra fonte térica)

Leia mais

A Unicamp comenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES

A Unicamp comenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES A Unicap coenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES As questões de Física do Vestibular Unicap versa sobre assuntos variados do prograa (que consta do Manual do Candidato). Elas são foruladas

Leia mais

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br CURSO PREPARATÓRO PARA COCURSOS EM ELETROTÉCCA CPCE ELETRCDADE AULA TRASFORMADOR: Polaridade de u enrolaento Enrolaento e série e e paralelo Ensaio a vazio e e curto-circuito Ligações de u transforador

Leia mais

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa*

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa* 44 Equipaentos para subestações de T&D Capítulo VII Distâncias de segurança de subestações e sisteas de proteção contra incêndios e subestações Este fascículo ve apresentando conceitos de engenharia para

Leia mais

CAPÍTULO 11 CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

CAPÍTULO 11 CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA APÍTUO 11 UTOS DE OENTE ATENADA 11.1- UM GEADO DE A Φ dt onsidere ua espira girando e u capo agnético confore a figura: -O fluxo agnético será: -onde: Φ Onde: epresentação: NBA OSΘ -ogo a fe induzida na

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I PDRÃO DE RESPOST - FÍSC - Grupos H e a UESTÃO: (, pontos) valiador Revisor Íãs são frequenteente utilizados para prender pequenos objetos e superfícies etálicas planas e verticais, coo quadros de avisos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Cabos Elétricos e Acessórios 02.1. Geral 02.2. Noras 02.3. Escopo de Forneciento 02 T-.1. Tabela 02.4. Características Construtivas 04.4.1. Aplicação 04.4.2. Diensionaento 04.4.3.

Leia mais

Física C. Milan Lalic

Física C. Milan Lalic Física C Milan Lalic São Cristóvão/SE 11 Física C Elaboração de Conteúdo Milan Lalic Projeto Gráfico e Capa Hereson Alves de Menezes Copyright 11, Universidade Federal de Sergipe / CESAD. Nenhua parte

Leia mais

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Aula 2 Reatância Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Para relembrar (aula passada)... Tensão e Corrente Alternada

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios Engenharia Quíica Físico Quíica I. O abaixaento da pressão de vapor do solvente e soluções não eletrolíticas pode ser estudadas pela Lei de Raoult: P X P, onde P é a pressão de vapor do solvente na solução,

Leia mais

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO Quando a istura apresenta as esas características e toda a extensão do recipiente teos ua istura hoogênea e, se tiver ais

Leia mais

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Hector M. O. Hernandez e André P. Assis Departaento de Engenharia Civil & Abiental, Universidade de Brasília, Brasília,

Leia mais

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS Pedro Massanori Sakua, Álvaro José Noé Fogaça, Orlete Nogarolli Copel Copanhia Paranaense de Energia Paraná Brasil RESUMO Este

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências

Faculdade de Tecnologia e Ciências Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso: Engenharia de Telecomunicações Disciplina: Eletrônica de Radiofreqüência Carga Horária: 80 horas Professor: Clovis Almeida Faculdade de Tecnologia e Ciências Regras

Leia mais

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Manipulação, Armazenamento, Comercialização e Utilização de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departaento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 28/2008 Manipulação,

Leia mais

Introdução ao estudo dos osciladores

Introdução ao estudo dos osciladores Introdução ao estudo dos osciladores Os receptores de rádio modernos, que você usa em seu lar ou automóvel, contém osciladores. Todo transmissor usa um oscilador para produzir os sinais que transmite,.

Leia mais

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 024- Processamento de Alimentos PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS INTRODUÇÃO São empregadas em alimentos porque geram calor O forno de

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

c) Escreva a reação química de decomposição da azida de sódio formando sódio metálico e nitrogênio gasoso.

c) Escreva a reação química de decomposição da azida de sódio formando sódio metálico e nitrogênio gasoso. 1. (Fuvest 015) O sistea de airbag de u carro é forado por u sensor que detecta rápidas diinuições de velocidade, ua bolsa inflável e u dispositivo contendo azida de sódio (NaN 3 ) e outras substâncias

Leia mais

Indutores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br

Indutores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Indutores Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Indutores Consistem de um condutor enrolado com N voltas (espiras) na forma de um solenóide, ou de um tiróide. Podem conter ou não um

Leia mais

CAPACIDADE ELÉTRICA. Unidade de capacitância

CAPACIDADE ELÉTRICA. Unidade de capacitância CAPACIDADE ELÉTRICA Como vimos, a energia elétrica pode ser armazenada e isso se faz através do armazenamento de cargas elétricas. Essas cargas podem ser armazenadas em objetos condutores. A capacidade

Leia mais

5 de Fevereiro de 2011

5 de Fevereiro de 2011 wwq ELECTRÓNICA E INSTRUMENTAÇÃO º Exae 010/011 Mestrado Integrado e Engenharia Mecânica Licenciatura e Engenharia e Arquitectura Naval 5 de Fevereiro de 011 Instruções: 1. A prova te a duração de 3h00

Leia mais

Lei de Coulomb: Campo Elétrico:

Lei de Coulomb: Campo Elétrico: Lei de Coulomb: Método para distribuição de cargas: Dividir a distribuição em infinitos dq Analisar feito por dq Dividir em suas componentes dfx e dfy Analisar se há alguma forma de simetria que simplifica

Leia mais

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO IMPULSO E QUNTIDDE DE MOVIMENTO 1. Ua bolinha se choca contra ua superfície plana e lisa co velocidade escalar de 10 /s, refletindo-se e seguida, confore a figura abaixo. Considere que a assa da bolinha

Leia mais

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição Revisão 05 07/2015 NORMA ND.22 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejaento e Operação Rua

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração Nov/03 Prograa de Pós-Graduação e Eng. Mecânica Disciplina: Siulação de Sisteas Téricos Introdução aos ciclos de refrigeração Organização: Ciclo de Carnot Ciclo padrão de u estágio de copressão Refrigerantes

Leia mais

Componentes de um sistema de realidade virtual

Componentes de um sistema de realidade virtual p prograação Coponentes de u sistea de realidade virtual Neste artigo apresenta-se a idéia de u projeto que perite a siulação de u passeio ciclístico utilizando a realidade virtual. Os sentidos do ciclista

Leia mais

física GREF leituras de

física GREF leituras de versão preliinar leituras de física GREF Física Térica. para ler, fazer e pensar 3 14. Terra: Planeta Ägua. 15. Os ateriais e as técnicas. 16. Mudanças sob pressão. 17. O ais frio dos frios. 18. Transfornações

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

Aparelho de elevação ABS 5 kn

Aparelho de elevação ABS 5 kn 1 597 0503 PT 01.2013 pt Instruções de ontage e de serviço Tradução das instruções originais www.sulzer.co Instruções de ontage e de serviço Instruções de ontage e de serviço para aparelho de elevação

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO Fonte: ANATEL DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 635 A maior intensidade do campo magnético

Leia mais

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS

CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1 CAPíTULO 10 - ACELERAÇÃO DE CORIOL\S E CORRENTES GEOSTRÓFICAS 1. Introdução Seja u vetor à nu sistea de coordenadas (x, y, z), co os versores T,], k, de odo que - - - A = A 1 i + A 2 j + A 3 k. A derivada

Leia mais

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo Eliana S. de Souza raa Índice Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico... Exercícios... Gabarito... Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico Lançaento horizontal x oiento ertical queda

Leia mais

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash.

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash. Teoria dos Jogos. Introdução A Teoria dos Jogos é devida principalente aos trabalhos desenvolvidos por von Neuann e John Nash. John von Neuann (*90, Budapeste, Hungria; 957, Washington, Estados Unidos).

Leia mais

Circuitos Elétricos Capacitores e Indutores

Circuitos Elétricos Capacitores e Indutores Introdução Circuitos Elétricos e Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e indutores: elementos passivos, mas e indutores não dissipam energia

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ROGÉRIO ESPÍNDOLA SILVEIRA ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UM MOTOR VOICE COIL

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ROGÉRIO ESPÍNDOLA SILVEIRA ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UM MOTOR VOICE COIL UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ROGÉRIO ESPÍNDOLA SILVEIRA ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UM MOTOR VOICE COIL Canoas, Dezebro de 2009 Departaento

Leia mais

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas e Condensação ecotec pro www.vaillant.pt info@vaillant.pt Caldeira ural ista de condensação, co pré-aqueciento de A.Q.S. Vaillant Group International GbH Berghauser

Leia mais

1. Definições Iniciais

1. Definições Iniciais O Básico da Criptografia usada na Internet Alessandro Martins Mestrando e Redes de Coputadores - PESC/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro {artins@ufrj.br} RESUMO O objetido deste texto é apresentar

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistea de chuveiros autoáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Nora de Procediento Técnico 104páginas SUMÁRIO 1 2 3 4 5 Objetivo

Leia mais

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros.

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Ensino Fundaental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Autoria: Jaie Crozatti Resuo: Para contribuir co a discussão da gestão de políticas públicas

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Nuérico Faculdade de ngenhari Arquiteturas e Urbaniso FAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronoia) VI Integração Nuérica Objetivos: O objetivo desta aula é apresentar o étodo de integração

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções.

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções. Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano Docuento de apoio Módulo Q 2 Soluções. 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante Dispersão Ua dispersão é ua istura de duas ou ais substâncias,

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:18. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:18. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Doutor e Física pela Universidade Ludwig Maxiilian de Munique, Aleanha Universidade Federal da

Leia mais

COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA

COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA Jorge Orlando Cuéllar Noguera Doutorando e Gestão abiental - UFSC -c.p. 5074 CEP 97110-970 Santa Maria

Leia mais

NOVOS PRODUTOS Micrómetro Laser Scan USB com leitor incorporado LSM 5200

NOVOS PRODUTOS Micrómetro Laser Scan USB com leitor incorporado LSM 5200 NOVOS PRODUTOS Micróetro Laser Scan USB co leitor incorporado LSM 5200 Inforação detalhada na página 336. Micróetros Laser Scan Micróetros Laser Unidades de Medição Páginas 333 335 Micróetros Laser LSM

Leia mais

Modelagem, similaridade e análise dimensional

Modelagem, similaridade e análise dimensional Modelage, siilaridade e análise diensional Alguns robleas e MF não ode ser resolvidos analiticaente devido a: iitações devido às silificações necessárias no odelo ateático o Falta da inforação coleta (turbulência);

Leia mais

ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA

ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA Laboratório de Broatologia e Análises Broatológicas ANÁLISE DE UMA REFEIÇÃO VEGETARIANA Trabalho realizado por: Ana Gonçalves José Nogueira Luís Tavares Laboratório de Broatologia e Análises Broatológicas

Leia mais

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Campo Magnético (Fundamentos de Física Vol.3 Halliday, Resnick e Walker, Cap.

Leia mais

XVII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA I ENCONTRO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS IV WORKSHOP DE LASER E ÓPTICA NA AGRICULTURA 27 a 31 de outubro de 2008

XVII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA I ENCONTRO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS IV WORKSHOP DE LASER E ÓPTICA NA AGRICULTURA 27 a 31 de outubro de 2008 ESTUDO DA COMPOSIÇÃO FÍSICA DO BAGAÇO DE CANA JOYCE MARIA GOMES COSTA 1* ; JOHNSON CLAY PEREISA SANTOS 2 ; JEFFERSON LUIZ GOMES CORRÊA 3 ; VIVIANE MACHADO DE AZEVEDO 4 RESUMO O objetivo deste trabalho

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 14 e 85 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando ais. Pouco iporta o destino: a verdade é que

Leia mais

Capítulo 14. Fluidos

Capítulo 14. Fluidos Capítulo 4 luidos Capítulo 4 - luidos O que é u luido? Massa Especíica e ressão luidos e Repouso Medindo a ressão rincípio de ascal rincípio de rquiedes luidos Ideais e Moviento Equação da continuidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a interdependência das várias áreas de conhecimento dentro da Física, julgue os itens a seguir. 61 A temperatura de um cubo de gelo a 0 ºC, ao ser colocado em um

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Quíica Experiental I Bacharelado e Quíica Engenharia Quíica Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 5 Tensão Superficial de Líquidos Deterinação da tensão superficial de líquidos. utilizando a técnica

Leia mais

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L setor 1302 13020508 Aulas 39 e 40 CONCENTRAÇÃO COMUM, PORCENTAGEM EM MASSA DE SOLUTO E NOÇÃO DE PPM (PARTES POR MILHÃO) Concentração Concentração Cou (C) C 1 Densidade (d) g/l; g/ 3, etc d 1+ 2 g/c 3,

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos II

Laboratório de Circuitos Elétricos II PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II NOME DO ALUNO: Laboratório de Circuitos Elétricos II Prof. Alessandro

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

Quinta aula de estática dos fluidos. Primeiro semestre de 2012

Quinta aula de estática dos fluidos. Primeiro semestre de 2012 Quinta aula de estática dos fluidos Prieiro seestre de 01 Vaos rocurar alicar o que estudaos até este onto e exercícios. .1 No sistea da figura, desrezando-se o desnível entre os cilindros, deterinar o

Leia mais

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria.

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria. Hydro Z Unikap atua na construção civil, e instalações hidráulicas prediais, residenciais, coerciais e industriais, co ais de il itens produzidos confore as noras vigentes, garantindo total segurança na

Leia mais

Prof. Graça. Circuitos elétricos CC

Prof. Graça. Circuitos elétricos CC 01 Prof. Graça Circuitos elétricos CC Circuitos elétricos de CC Conteúdo Circuitos Equivalentes Princípio da Superposição Elementos Lineares egras de Kirchoff Divisor de tensão Circuito de várias malhas

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física. v.18 n.6 2008. Ivo Mai Naira Maria Balzaretti João Edgar Schmidt

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física. v.18 n.6 2008. Ivo Mai Naira Maria Balzaretti João Edgar Schmidt v.18 n.6 2008 UTILIZANDO UM FORNO DE MICROONDAS E UM DISCO RÍGIDO DE UM COMPUTADOR COMO LABORATÓRIO DE FÍSICA Ivo Mai Naira Maria Balzaretti João Edgar Schmidt Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS INTRODUÇÃO Os osciladores são dispositivos cuja função principal é transformar energia CC aplicada, em energia AC. Para que haja essa transformação é necessário

Leia mais

Prismas, Cubos e Paralelepípedos

Prismas, Cubos e Paralelepípedos Prisas, Cubos e Paralelepípedos 1 (Ufpa 01) Ua indústria de cerâica localizada no unicípio de São Miguel do Guaá no estado do Pará fabrica tijolos de argila (barro) destinados à construção civil Os tijolos

Leia mais

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas elétricas ou a seleção de freqüências em filtros para caixas

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 03: Efeitos da corrente elétrica sobre um fio material; Carga e descarga

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 2006. 1 POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 2006. 1 POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA. RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 006. POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA. 5. O gráfico ao lado ostra o total de acidentes de trânsito na cidade de Capinas e o total de

Leia mais

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização Polarização: Propriedade das ondas transversais Ondas em uma corda Oscilação no plano vertical. Oscilação no plano horizontal. Onda

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Aula 4. Inferência para duas populações.

Aula 4. Inferência para duas populações. Aula 4. Inferência para duas populações. Teos duas aostras independentes de duas populações P e P : população P aostra x, x,..., x n população P aostra y, y,..., y Observação: taanho de aostras pode ser

Leia mais