Editorial EDITORIAL. Olá Amigos do The Club,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editorial EDITORIAL. Olá Amigos do The Club,"

Transcrição

1

2

3 EDITORIAL Editorial THE CLUB Av. Profº Celso Ferreira da Silva, 190 Jd. Europa - Avaré - SP - CEP Informações: (14) Suporte: (14) Fax: (14) Internet Cadastro: Suporte: Informações: Dúvidas Correspondência ou fax com dúvidas devem ser enviados ao - THE CLUB, indicando "Suporte". Opinião Se você quer dar a sua opinião sobre o clube em geral, mande a sua correspondência para a seção "Tire sua dúvida". Reprodução A utilização, reprodução, apropriação, armazenamento em banco de dados, sob qualquer forma ou meio, de textos, fotos e outras criações intelectuais em cada publicação da revista The Club Megazine são terminantemente proibidos sem autorização escrita dos titulares dos direitos autorais. Impressão e acabamento: HIPERGRAF Indústria Gráfica Tel.: (14) Cep Rua Francisca A. Pereira Borges, 436 Barra Bonita - Vila São Caetano Tiragem: exemplares Olá Amigos do The Club, Esta edição está recheada de matérias interessantes. O Nosso consultor técnico Vitor Scarso traz muitas novidades, uma tratando de algumas novidades do Delphi 2007 for Win 32 e outra do novo Firebird 2.1 (versão beta). Outras matérias ditas também como importantes para os senhores, uma denominada Trabalhando com UDFs ( Funções definidas pelo usuário) e outra chamada Acessando o Firebird com seu Driver Específico, estas duas foram escrita pelo nosso consultor técnico Thiago Cavalheiro Montebugnoli. Não deixem de verificar nossa seção clássica de Perguntas e Respostas e Dicas e Truques, onde irão encontrar as perguntas mais frequentes realizadas em nosso suporte e dicas que certamente irão ajudá-los. Boa Leitura. Copyright The Club Megazine 2007 Diretor Técnico Mauro Sant Anna Colaboradores Mauto Sant Anna Delphi é marca registrada da Borland International, as demais marcas citadas são registradas pelos seus respectivos proprietários. Editorial Trabalhando com UDFs Silverlight Acessando o Firebird com o Driver DBX específico (UB) Firebird 2.1 (Beta) Perguntas & Respostas Dicas & Truques

4 FireBird Trabalhando com UDFs Por Thiago Cavalheiro Montebugnoli O que é uma UDF? Nesta matéria abordarei um assunto muito interessante em se tratando do Banco de Dados Firebird, as denominadas UDFs, para quem não conhece UDF(User Defined Function) são funções definidas pelo usuário, uma função escrita em qualquer linguagem de programação capaz de gerar uma biblioteca compartilhada. No Windows são conhecidas pelo nome de Dynamic Link Libraries (as conhecidas DLLs). Utilizando as UDFs De primeiro momento estarei demonstrando como utilizar as UDFs vindas do próprio Interbase/Firebird e estarei listando as principais, consequentemente as que são mais utilizadas e em seguida estarei apresentando algumas Bibliotecas de terceiros. Sobre o autor Thiago Cavalheiro Montebugnoli é tecnólogo, formado pela Faculdade de Tecnologia de Botucatu SP (FATEC) e consultor técnico do The Club. As UDFs são armazenadas por padrão no seguinte diretório C:\Arquivos de programas\firebird\firebird_x\udf. Quando o firebird é instalado, como padrão teremos quatro arquivos, um chamado ib_udf.dll outro fbudf.dll (as UDFs) e mais dois denominados ib_udf e fbudf (onde ficam as declarações das respectivas UDFs). Primeiramente clique com o botão direito sobre o ib_udf e abra com o bloco de notas. Percebam que aparecerão várias declarações de UDFs que poderão ser utilizadas pelo Firebird. Iremos utilizar a conhecida ferramenta para gerenciamento de Banco de Dados chamada Ibexpert (caso não possuam, ela Figura 01. Registrando o Banco Employee. 4

5 FireBird possui uma versão Freeware que poderá ser baixada através do site Abra o Ibexpert e registre o banco de dados que já vem com o Firebird, a partir do menu Database selecione a opção Register Database e configure o banco de dados EMPLOYEE.FDB como na figura 01. (Por padrão esta Base de Dados é encontrada no seguinte diretório C:\Arquivos de programas\firebird\firebird_x\examples\employee.fdb onde x é a versão do Firebird utilizado). Com o Ibexpert aberto clique no ícone (New Sql Editor) para podermos declarar as nossas UDFs. Neste momento irei utilizar uma UDF explicando como deve ser declarada seguida de um exemplo. Temos a seguinte tabela: Select codigo,abs(valor) from tabela Este select irá retornar valores positivos, ou seja, teremos como resultset os seguintes registros. Abra o arquivo ib_udf e copie o seguinte código: DECLARE EXTERNAL FUNCTION abs DOUBLE PRECISION RETURNS DOUBLE PRECISION BY VALUE ENTRY_POINT IB_UDF_abs MODULE_NAME ib_udf ; Cole no ibexpert em seguida pressione F9 ou clique em Execute e por final dê um Commit Transacion. Vejam quoi adicionado ao Banco de Dados ma UDF chamada ABS (Figura 02). Conhecendo as UDFs A partir daqui irei apresentar algumas das principais UDFs deste arquivo ib_udf seguida de uma breve explicação sobre elas. a s c i i _ c h a r DECLARE EXTERNAL FUNCTION ascii_char INTEGER RETURNS CSTRING(1) FREE_IT ENTRY_POINT IB_UDF_ascii_char MODULE_NAME ib_udf ; Utilização: Recebe como parâmetro um valor inteiro e retorna seu valor em código Ascii. Exemplo: select ascii_char(cust_no) from sales a s c i i _ v a l Figura 02. UDF Criada no Banco Employee. Esta UDF recebe como parâmetro um valor numérico(double precision) e irá retornar um número absoluto (positivo). Iremos simular uma situação. DECLARE EXTERNAL FUNCTION ascii_val CHAR(1) RETURNS INTEGER BY VALUE ENTRY_POINT IB_UDF_ascii_val MODULE_NAME ib_udf ; Utlização: Recebe como parâmetro um valor ascii e retorna um valor inteiro correspondente. Exemplo: select ascii_val(campo) from tabela 5

6 FireBird div DECLARE EXTERNAL FUNCTION div INTEGER, INTEGER RETURNS DOUBLE PRECISION BY VALUE ENTRY_POINT IB_UDF_div MODULE_NAME ib_udf ; Utilização: Esta UDF recebe como parâmetros dois valores inteiros e retorna a parte inteira da divisão do primeiro pelo segundo. Exemplo: select div(cust_no,qtyordered) from sales floor DECLARE EXTERNAL FUNCTION floor DOUBLE PRECISION RETURNS DOUBLE PRECISION BY VALUE ENTRY_POINT IB_UDF_floor MODULE_NAME ib_udf ; Utilização: Recebe como parâmetro um valor do tipo double precision e retorna a parte inteira deste parâmetro Exemplo: select floor(new_salary) from salary_history log DECLARE EXTERNAL FUNCTION log DOUBLE PRECISION, DOUBLE PRECISION RETURNS DOUBLE PRECISION BY VALUE ENTRY_POINT IB_UDF_log MODULE_NAME ib_udf ; Utilização: Útil para operações matemáticas, esta UDF recebe como parâmetro dois valores(x e y) e tem como retorno o logaritmo base x por y Exemplo: select log(x,y) from tabela lower DECLARE EXTERNAL FUNCTION lower CSTRING(255) RETURNS CSTRING(255) FREE_IT ENTRY_POINT IB_UDF_lower MODULE_NAME ib_udf ; Utilização: Recebe como parâmetro um campo tipo string de até 255 caracteres e como retorno um valor com caixa baixa Exemplo: select lower(last_name) from employee lpad DECLARE EXTERNAL FUNCTION lpad CSTRING(255), INTEGER, CSTRING(1) RETURNS CSTRING(255) FREE_IT ENTRY_POINT IB_UDF_lpad MODULE_NAME ib_udf ; Utilização: Recebe como parâmetros uma string de até 255 caracteres, um inteiro e um caracter. Exemplo: select lpad(first_name,20, ) from employee Entendendo: No exemplo acima, insere espaços em branco à esquerda do campo fisrt_name até obter um total de 20 caracteres (contando os espaços em branco). ltrim DECLARE EXTERNAL FUNCTION ltrim CSTRING(255) RETURNS CSTRING(255) FREE_IT ENTRY_POINT IB_UDF_ltrim MODULE_NAME ib_udf ; Utilização: Recebe como parâmetro uma string de até 255 caracteres e tem como retorno esta mesma string com remoção dos espaços em branco da esquerda. Exemplo: select ltrim(first_name) from employee mod DECLARE EXTERNAL FUNCTION mod INTEGER, INTEGER RETURNS DOUBLE PRECISION BY VALUE ENTRY_POINT IB_UDF_mod MODULE_NAME ib_udf ; Utilização: Recebe como parâmetros de entrada dois valores inteiros e como retorno o resto da divisão do primeiro parâmetro pelo segundo. Exemplo: select mod(campo1,campo2) from tabela substr DECLARE EXTERNAL FUNCTION substr CSTRING(255), SMALLINT, SMALLINT RETURNS CSTRING(255) FREE_IT ENTRY_POINT IB_UDF_substr MODULE_NAME ib_udf ; 6

7 FireBird Utilização: Recebe como parâmetro uma string de até 255 caracteres e dois valores inteiros (o primeiro indica a posição e o segundo a quantidade de caracteres). Útil para pegar pedaços de strings. Exemplo: select substr(last_name,1,3) from employee.percebam que este select irá trazer como resultset apenas os três primeiros caracteres do campo last_name. strlen DECLARE EXTERNAL FUNCTION strlen CSTRING(32767) RETURNS INTEGER BY VALUE ENTRY_POINT IB_UDF_strlen MODULE_NAME ib_udf ; Utilização: Recebe como parâmetro uma string e tem como retorno o tamnho desta string Exemplo: select strlen(last_name) from employee Neste momento iremos verificar algumas UDFs interessantes vindas do arquivo fbudf.dll. Faça o mesmo procedimento citado acima. Abra este arquivo e perceba a quantidade imensa de UDFs para serem utilizadas. dow declare external function dow timestamp, varchar(15) returns parameter 2 entry_point DOW module_name fbudf ; Utilização: Recebe como parâmetro um campo tipo timestamp e retorna o dia da semana correspondente Exemplo: select dow( 05.07') from employee ou select dow( ') from employee ou select dow( :25:32') from employee addday declare external function addday timestamp, int returns timestamp entry_point addday module_name fbudf ; Utilização: Recebe como parâmetro um campo tipo timestamp e um inteiro. Ela serve para adicionar dias a data informada. Exemplo: select addday( ', 20) from employee Obs: Esta biblioteca de Funções possui várias UDFs relacionadas às datas e horas. Todas seguem a mesma linha de raciocínio, veja abaixo: AddWeek Adiciona Semanas a uma data. AddMonth Adiciona meses a uma data. Addyear Adiciona ano a uma data. AddMillisecond Adiciona milisegundos a uma hora. AddSecond Adiciona segundos a uma hora. AddMinute Adiciona minutos a uma hora. AddHour Adiciona horas a uma hora. sright declare external function sright varchar(100) by descriptor, smallint, varchar(100) by descriptor returns parameter 3 entry_point right module_name fbudf ; Utilização: Recebe como parâmetro um campo do tipo varchar(100) e um inteiro. O segundo parâmetro determina quantos caracteres são mostrados da direita para a esquerda do campo informado no primeiro parâmetro. Exemplo: select sright(first_name, 5) from employee round declare external function Round int by descriptor, int by descriptor returns parameter 2 entry_point fbround module_name fbudf ; Utilização: Recebe como parâmetro um valor a ser arredondado. Ela serve para arredondar valores. Exemplo: select round(25.99) from tabela dpower declare external function dpower double precision by descriptor, double precision by descriptor, double precision by descriptor returns parameter 3 entry_point power module_name fbudf ; Utilização: Recebe como parâmetro dois valores que podem ser do tipo double precision, sendo o primeiro o número a ser elevado pelo segundo. É uma UDF de exponenciação. Exemplo: select dpower(2.36, 2.58) from tabela 7

8 FireBird Utilizando UDFs de terceiros Depois de conhecermos algumas UDFs vindas do próprio Firebird agora iremos adicionar algumas de terceiros no nosso Banco de Dados. Iremos utilizar uma chamada FreeUdfLib do seguinte autor Greg Deatz e alterada por Cláudio Valderrama. Baixe esta biblioteca através do seguinte link Descompacte no diretório de sua escolha e copie os seguintes arquivos: ext_funcs e FreeUDFLib.dll para o diretório C:\Arquivos de programas\firebird\firebird_x\udf. Abra o Arquivo ext_funcs e observem a quantidade enorme de UDFs. Encontraremos tratando de campos do tipo Blob, Data e Hora, Funções Matemáticas entre outras. Abaixo mostrarei algumas que considero mais interessantes. f_blobsize declare external function f_blobsize blob returns integer by value entry_point BlobSize module_name FreeUDFLib.dll ; Utilização: Recebe como parâmetro um valor do tipo blob e retorna um inteiro.como o próprio nome já diz, tem como retorno o tamanho do campo Blob. Exemplo: select f_blobsize(job_requirement) from job f_strblob declare external function f_strblob cstring(254), blob returns parameter 2 entry_point StrBlob module_name FreeUDFLib.dll ; Utilização: Recebe como parâmetro uma string e tem como retorno um campo do tipo Blob. Exemplo: select f_strblob(job_country) from job f_addmonth declare external function f_addmonth date, integer returns date /* free_it */ entry_point AddMonth module_name FreeUDFLib.dll ; Utilização: Recebe como parâmetros: um campo do tipo Date e um valor inteiro. Adiciona meses à data informada. Exemplo: select F_addmonth( ,5) from tabela Importante: A Biblioteca fbudf também contém UDFs para trabalhar com Datas, mas observem que o tipo de campo é timestamp. Abaixo verifiquem a quantidade de funções interessantes sobre datas, estarei dando uma breve explicação sobre elas. f_year: Retorna o ano de uma data. f_month: Retorna o mês de uma data. f_addyear: Adiciona anos a uma data. f_ageindays: Verifica a quantidade de dias no intervalo entre duas datas. f_cdowshort: retorna o dia da semana. f_cmonthlong: retorna o mês da data informada. f_dayofmonth: retorna o dia do mês da data informada. f_lrtrim declare external function f_lrtrim cstring(254) returns cstring(254) /* free_it */ entry_point lrtrim module_name FreeUDFLib.dll ; Utilização: Recebe e retorna como parâmetro uma string. Sua função é de remover espações em branco localizado na esquerda e na direita de uma string. Exemplo: Select f_lrtrim( The Club - O Maior clube de programadores ) from tabela f_propercase declare external function f_propercase cstring(254) returns cstring(254) /* free_it */ entry_point ProperCase module_name FreeUDFLib.dll ; Utilização: Recebe e retorna como parâmetro uma string. O retorno desta UDF será a primeira letra em maiúscula e o resto em minúscula. Exemplo: select f_propercase( thiago ) from tabela 8

9 FireBird f_ibpassword declare external function f_ibpassword cstring(32) returns cstring(32) /* free_it */ entry_point IBPassword module_name FreeUDFLib.dll ; Utilização: Recebe como parâmetro uma string e retorna esta string criptografada. Exemplo: Select f_ibpassword(job_country) from job Além desta biblioteca de Funções existem outras (também ditas open-source) que poderão ser úteis para os senhores. Eu particularmente recomendo uma chamada tbudf (Tecnobyte UDF para Firebird) do autor Daniel Pereira Guimarães que poderá ser baixada no seguinte link Esta biblioteca além de ser tão boa quanto a FreeUDFLib possui uma ótima documentação em português. Para utilizá-la siga os mesmos passos ditos anteriormente. Criando uma UDF your project s (select Project-View Source) USES clause if your DLL exports any procedures or functions that pass strings as parameters or function results. This applies to all strings passed to and from your DLL even those that are nested in records and classes. ShareMem is the interface unit to the BORLNDMM.DLL shared memory manager, which must be deployed along with your DLL. To avoid using BORLNDMM.DLL, pass string information using PChar or ShortString parameters. } uses SysUtils, Classes; {$R *.res} end. Quando iremos criar uma UDF não podemos esquecer uma regra básica, é recomendável ser uma função simples e rápida. Significa que uma função que manipula strings, realiza cálculos matemáticos, manipula datas como nos exemplos citados acima são ótimas candidatas a virarem uma UDF. A ferramenta para criarmos nossa UDF será o delphi 7. Abra o Delphi, vá em File/New/Other. Na aba New escolha DLL Wizard, veja figura 03. Logo em seguida clique em ok. Aparecerá os seguintes códigos. library Project1; { Important note about DLL memory management: ShareMem must be the first unit in your library s USES clause AND Figura 03. Criando uma UDF. 9

10 FireBird Logo após Library iremos colocar o nome da Biblioteca. Defina como quiser, neste caso específico iremos definir como THECLUB. Em uses iremos utilizar apenas a unit chamada SysUtils e por final remova a cláusula {$R *.res} que não iremos utilizar.veja abaixo como está ficando nosso código: library THECLUB; uses SysUtils; end. Iremos construir uma UDF simples, receberá uma string como parâmetro e retornará esta mesma string com espaço em branco entre seus caracateres. Veja abaixo nossa função: Function ESPACO(var1:pchar): pchar; cdecl; export; var i:integer; var2, var3: string; for i:=1 to Length(var1) do var2 := copy(var1,i,1) + ; var3 := var3 + var2; result := pchar(var3); Fica uma dúvida, porque utilizar pchar ao invés de string? Para quem não sabe pchar é um ponteiro para caracter. Ponteiro é uma variável que contém um endereço de memória. Este endereço é a posição de outra variável ou de um determinado dado na memória. Tratando-se de UDFs (criação de DLLs propriamente ditas) não seria recomendável a utilização de strings como variáveis (seja de retorno ou de entrada) e sim do tipo pchar ou shortstring. Outra dúvida, o que significa cdecl e export? Cdecl: Significa o tipo de chamada, determina a ordem na qual os parâmetros são passados para a rotina. Ele passa os parâmetros da direita para a esquerda. Na forma cdecl o chamador é responsável por remover da pilha os parâmetros de retorno das funções. Export: indica que a função poderá ser chamada por outros aplicativos.(no nosso caso o Firebird) Mas não iremos nos aprofundar muito neste assunto, para quem se interessar veja nossa matéria chamada Trabalhando com Procedures e Funções encontrada no seguinte link do mês de Dezembro de Veja abaixo como ficou a UDF criada pelo Delphi. library THECLUB; uses SysUtils; Function ESPACO(var1:pchar): pchar; cdecl; export; var i:integer; var2, var3: string; for i:=1 to Length(var1) do var2 := copy(var1,i,1) + ; var3 := var3 + var2; result := pchar(var3); exports ESPACO; end. Após construirmos nossa UDF iremos salvá-la em File/Save All em seguida compilá-la. Fiquem atentos, não podemos executar uma DLL pelo Delphi, através do RUN do Menu Run, pois não se trata de uma aplicação. Clique em Project/ Compile THECLUB. Percebam que ao compilar nosso projeto será criado um arquivo chamado THECLUB.dll, ou seja, estamos terminando o processo de criação de nossa UDF, basta apenas declará-la no nosso Banco de Dados. Copie o arquivo THECLUB.dll para a seguinte diretório C:\Arquivos de programas\firebird\firebird_x\udf (que é o diretório onde ficam armazenadas as UDFs do Firebird e as de terceiros). Em seguida abra o Ibexpert para declararmos nossa UDF. Observe abaixo como fica: 10

11 FireBird DECLARE EXTERNAL FUNCTION UDF_ESPACO CSTRING(32) RETURNS CSTRING(32) ENTRY_POINT ESPACO MODULE_NAME TESTE.dll Utilizando nossa UDF chamada udf_espaco: select udf_espaco(last_name) as LAST_NAME from employee Veja o resultado (Figura 05) DECLARE EXTERNAL FUNCTION UDF_ESPACO: coloque o nome da UDF. ENTRY_POINT ESPACO MODULE_NAME TESTE.dll : ESPACO seria o nome da UDF criada no Delphi e TESTE.dll o nome da biblioteca. Clique em Execute e logo após Commit Transaction, veja na figura 04 a nossa UDF criada com sucesso no banco de dados. Figura 05. Resultado de nossa instrução SQL. Conclusão Vimos neste artigo como se trabalhar com UDFs, desde sua definição até a criação de uma pelo Delphi. Espero que tenha ajudado e gostado da matéria. Figura 04. UDF criada no Banco de Dados. Um forte abraço e até o mês que vem. 11

12 Silverlight Silverlight Por Mauro Sant Anna Em 2001 durante sua palestra de abertura no PDC, o principal evento para desenvolvedores da Microsoft, Bill Gates citou a reunificação das interfaces com usuário como uma das principais razões por trás do desenvolvimento da plataforma.net, depois da cisão causada pelo aparecimento da Web. Efetivamente, a Web oferece enormes vantagens de alcance, distribuição e atualização, mas à custa de uma experiência com o usuário pobre. Já os aplicativos gráficos tinham boa interface com usuário, mas traziam problemas de distribuição e atualização. A idéia de unir as vantagens das duas plataformas na tecnologia então batizada de SmartClient sempre me pareceu uma ótima idéia. Não só eu, mas também o Gartner Group ficou entusiasmado com a novidade e previu que em 2006 a maioria dos novos aplicativos na plataforma Microsoft seria SmartClient e não Web. Lógico que o apoio do Bill Gates tornaria a tecnologia imbatível! Infelizmente, isso não aconteceu. A maior parte dos novos aplicativos desenvolvidos hoje é feita para a Web. Para a Web quer dizer que o aplicativo roda em um servidor e troca páginas HTML com um navegador como o Internet Explorer ou Mozilla. O aplicativo em si pode ser mais ou menos burro, dependendo da quantidade de scripts de cliente ( JavaScript ) que se coloca na página. Caso a página não contenha nenhuma linha de script de cliente, ela é HTML pura e todo o código é executado no servidor, mesmo para as coisas mais simples como validar se um campo foi preenchido. Hoje em dia é muito difícil encontrar uma página assim, até porque ferramentas como o ASP.NET geram automaticamente scripts de cliente para coisas relativamente simples, como validação de campos texto e processamento imediato ( postback ) de ações como seleção em listboxes ou clique em links. Algumas coisas mais sofisticadas, como menus de navegação, estão disponíveis gratuitamente na Web e também não dão muito trabalho para incluir nos aplicativos, até porque o script não é compilado e é fácil conseguir inspiração em outros sites. Até aqui, tudo bem. Infelizmente, os chatos dos usuários estão acostumados com um padrão de interface muito mais interativa e agradável, que já é oferecida atualmente pelos aplicativos GUI escritos com ferramentas tradicionais como Visual Basic ou Delphi. Em alguns casos, é até possível imitar estes mesmos recursos como barras de ferramentas e caixas de diálogo através do uso de scripts de cliente desenvolvidos especialmente para os aplicativos. As coisas ficam complicadas quando desejamos fazer coisas mais complexas com os scripts de cliente, especialmente relacionadas à lógica exclusiva dos aplicativos. A programação de scripts de cliente é, em geral, muito mais complexa e menos produtiva que a programação de aplicativos comuns em Visual Basic. Esta perda de produtividade é enorme, usualmente na casa de uma ordem de magnitude. Na verdade, uma página que envia scripts para o navegador é essencialmente um gerador de aplicativos e desenvolver geradores de aplicativos não é fácil. Recentemente a tecnologia AJAX, exemplificada na plataforma Microsoft pelo Atlas, facilitou a inclusão de scripts nas páginas, sem que o programador precise se preocupar muito com isso. Mesmo assim, a interface Web não tem a mesma interatividade da interface Windows. A plataforma.net trouxe outra alternativa: os aplicativos SmartClient, capazes de ser distribuídos pela Web mas mantendo a interface Windows e com programação nas linguagens tradicionais do.net como VB.NET ou C#. No início, por volta de 2002, SmartClient significava colocar em páginas Web controles.net e tags href referenciando executáveis. Esta tecnologia evoluiu para o ClickOnce no.net 2.0 em Infelizmente nenhuma das duas teve grande repercussão. Elas sofreram dois problemas, um técnico e outro de marketing. Tecnicamente, o modelo de segurança chamado CAS (Code Access Security) é difícil de entender e implantar. Do ponto de vista de divulgação, ninguém de fora do grupo que cuidava da própria tecnologia jamais deu a menor bola para o SmartClient. Por exemplo, a Microsoft jamais criou um aplicativo de uso amplo para funcionar como demonstração da nova tecnologia. Eu mesmo sugeri para várias pessoas da Microsoft idéias de aplicativos que mostrassem as vantagens do SmartClient, como por exemplo um cliente alternativo para o HotMail ou então uma melhor interface de busca no site MSDN. Onde estava Bill Gates para fazer essas coisas acontecerem? Será que ele não se importava mais? Teríamos que nos contentar com o Flash da Adobe ou com o Java Script turbinado que a Google chamou de AJAX? Em 2005 Bill Gates anunciou sua aposentadoria e em 2006 nomeou Ray Ozzie como seu sucessor. Ozzie seria a pessoa responsável pela visão tecnológica em uma empresa cada vez mais dominada por executivos de vendas extremamente preocupados com os números de curto prazo. 12

13 Silverlight Eu já estava convencido que teria que me conformar com uma mistura de AJAX e Flash quando Ray Ozzie anunciou com bandas e fanfarras no evento MIX o SilverLight 1.1, uma nova implementação da tecnologia SmartClient sem seus tradicionais problemas. Em termos de marketing, o Silverlight teve uma divulgação excelente, incluindo um bom tempo nas principais home pages dos sites Microsoft. Em todo mundoo Silverlight é considerado algo quente. Do ponto de vista técnico ele também não decepciona. O beta que está no ar desde fevereiro e corresponde ao Silverlight 1.0 permite a criação de interfaces com usuário mais bonitas através do uso do WPF (Windows Presentation Foundation) misturado com JavaScript. Mas é o alfa da versão 1.1, colocado no ar depois do MIX, que traz a grande novidade: uma versão light do.net Framework. Esta versão é pequena, estará disponível para plataformas não-microsoft como MacOS e traz um modelo de segurança bastante simplificado. Ou seja: o SilverLight 1.1 promete entregar as promessas do SmartClient, unindo a distribuição e alcance da Web com uma interface com usuário bem mais rica e semelhante aos aplicativos GUI. Já surgiram até extensões para Silverlight que emulam os próprios controles WinForms. Veja em products/default.aspx É claro que o diabo está nos detalhes. Embora seja uma versão simplificada, o Silverlight deve ser capaz de atender às maiorias das necessidades de negócio de seus usuários. A versão atual tem limitações, por exemplo, falta um mecanismo declarativo de controles vinculados, o que facilita bastante o desenvolvimento de aplicativos de negócios que lidam com bancos de dados. Mas ainda é cedo para emitir um parecer completo. Tecnicamente não acredito ser difícil para a Microsoft produzir um produto ao mesmo tempo simples e poderoso em um curto espaço de tempo. O mais importante é que com o apoio do Ray Ozzie, o novo homem de visão da Microsoft, o Silverlight deve ter um futuro brilhante à sua frente. Sobre o autor Mauro Sant Anna nunca trabalhou na Microsoft, mas conhece bastante a empresa, já que é MVP e Regional Director of the Year. Ele coordena os cursos na M. A. S. Informática (www.mas.com.br) e bloga em Português em e em inglês em maurosjungle.spaces.live.com. 13

14 Firebird Acessando o Firebird com o Driver Dbexpress específico (UIB) Por Thiago Cavalheiro Montebugnoli Neste artigo estarei demonstrando como acessar o Firebird junto com seu Driver gratuito específico produzido pela UIB(Unified Interbase).Na realidade com o passar do tempo cada vez mais o Firebird se diferencia do Interbase. E por que não utilizar um próprio driver para o Firebird? Nesta matéria estarei explicando como utilizar este driver e montar um projeto em Delphi 7. Estaremos disponibilizando a DLL dbexpuibfire15.dll no final deste artigo para o Download. Copie a DLL dbexpuibfire15.dll para a pasta C:\Arquivos de programas\borland\delphi7\bin do Delphi. Após copiar a DLL abra o arquivo dbxdrivers.ini encontrado na pasta C:\Arquivos de programas\arquivos comuns\borland Shared\DBExpress e iremos realizar algumas alterações neste arquivo. Confira abaixo: Observação Importante: Para realizar estas alterações feche o Delphi. [Installed Drivers]... Após esta linha adicione o código abaixo: UIB FireBird15=1 SQLDialect=3 Interbase TransIsolation=ReadCommited User_Name=SYSDBA WaitOnLocks=True Em seguida clique em salvar e feche este arquivo.coloque a DLL dbexpuibfire15.dll na pasta C:\Windows\System32. Utilizando o UIB Iremos montar um exemplo bem simples utilizando o delphi 7 com o Firebird Abaixo a instrução SQL para criar nossa tabela: CREATE TABLE TBCLIENTE ( COD_CLIENTE INTEGER NOT NULL, NOME_CLIENTE VARCHAR(40), CIDADE VARCHAR(40)); ALTER TABLE TBCLIENTE ADD CONSTRAINT PK_TBCLIENTE PRIMARY KEY (COD_CLIENTE); Em seguida abra o Delphi 7, clicando em File/New Application. Coloque no formulário um Sqlconnection e em seguida iremos utilizar nosso Driver criado anteriormente.veja a Figura 01 abaixo: Driver Name: UIB Firebird15 Connection Name: THECLUB Em seguida: [UIB FireBird15] GetDriverFunc=getSQLDriverINTERBASE LibraryName=dbexpUIBfire15.dll VendorLib=fbclient.dll BlobSize=-1 CommitRetain=False Database=database.fdb ErrorResourceFile= LocaleCode=0000 Password=masterkey RoleName=RoleName ServerCharSet= Figura 01: Criando uma conexão. 14

15 Firebird Percebam na Figura 02 as configurações de nossa conexão. Na chave DriverName o valor UIB Firebird15. Figura 02: Propriedades da conexão. Neste momento iremos criar um cadastro simples, como se estivéssemos utilizando o Driver do Interbase. Coloque no formulário os seguintes componentes: Sqldataset, DatasetProvider, ClientDataset, Datasource,Dbgrid, Dbnavigator e finalmente um Button. Configure os componentes normalmente ligando suas respectivas propriedades. Veja a figura 03 ao lado: Configure apenas o button com o seguinte código: procedure TForm1.Button1Click(Sender: TObject); ClientDataSet1.ApplyUpdates(0); Figura 03: Cadastro de Cliente. 15

16 Firebird Figura 04: Layout Final. Pronto, Os senhores estão utilizando o Firebird com seu próprio driver de conexão sem muito esforço. Apenas algumas configurações utilizando a DLL dbexpuibfire15.dll. Importante: lembre-se de enviar esta nova DLL para o cliente. Esta DLL pode ser armazenada tanto na mesma pasta do executável quanto na C:\Windows\System32. Conclusão Como já tinha mencionado no início deste artigo, cada vez mais o Firebird se diferencia do Interbase. A utilização deste driver específico junto com sua DLL Fbclient garante uma melhor compatibilidade com o Delphi seguida de uma melhor performance. Sobre o autor Thiago Cavalheiro Montebugnoli é tecnólogo, formado pela Faculdade de Tecnologia de Botucatu SP (FATEC) e consultor técnico do The Club. Seção Pérolas Alguem dai me indicou um livro, outro dia. Agora eu posso compra-lo más infelizmente não me lembro mais qual o livro. Se descobrir quem foi, fico grato;...tem como um texto que está em um dbloockup ser copiado para um edit, afim de que o usuario faca apenas o complemento.ex. Anel... (...Rod. Elo coraçao), está confuso? Até mais... 16

17 Firebird Firebird 2.1 (Beta) - Parte I A IBPHOENIX lança o Firebird 2.1 (versão beta). Os apaixonados pelo Firebird irão gostar muito desta versão para teste, que vem cheio de novas idéias e tecnologias. Nós do The Club não poderíamos ficar de fora. O Firebird é um excelente Banco de Dados e usados por muitos usuários pela sua praticidade e facilidade de uso. A nova versão do FireBird 2.1(beta) está disponível nesse link: umn.dl.sourceforge.net/sourceforge/firebird/firebird _win32.zip Esta matéria vem com o objetivo de mostrar os novos recursos dessa versão com alguns exemplos práticos. Chega de enrolação e vamos ao que realmente interessa. Para poder trabalhar com o Banco de Dados estou usando como ferramenta o IBExpert para manipular os dados. Criando e Registrando Banco de Dados O primeiro ponto a ser analisado é com relação a criar e registrar o BD. Agora todos os bancos criados devem usar a nova DLL fbclient.dll, que está localizada na pasta seguinte pasta: C:\Arquivos de programas\firebird\firebird_2_1\bin Veja na Figura 01 como ficará a criação e conexão do Banco de Dados, após criar o banco de dados é necessário registrar o importante dessa tela é definir a versão do Firebird a ser usado no nosso caso é Firebird 2.1 (veja na Figura 02). Figura 01 - Criando o Banco de Dados 17

18 Firebird Figura 02 Registrando o Banco de Dados Novidades do Firebird 2.1 (Beta) Mesmo sendo uma versão para teste a IBPhoenix traz com essa nova versão algumas novidades muito interessantes como: Database Triggers Mudanças nas VIEWS Cláusula RETURNING Função List( ) Novos JOINS Essas serão algumas das muitas novidades abordadas nessa primeira matéria sobre o Firebird 2.1. DATABASE TRIGGERS Como sabemos triggers são os chamados gatilhos e são comandos localizados no banco de dados que podem ser acionados em eventos UPDATE, INSERT, DELETE. Agora com essa versão é possível desenvolver triggers para eventos de transação e conexões ocorridas. Segue a sintaxe da criação da Trigger: {CREATE RECREATE CREATE OR ALTER} TRIGGER <name> [ACTIVE INACTIVE] ON <event> [POSITION <n>] AS BEGIN... END <event> ::= CONNECT DISCONNECT TRANSACTION START TRANSACTION COMMIT TRANSACTION ROLLBACK Para entendermos melhor como funciona esse tipo de Trigger vejamos o seguinte exemplo: Caso deseje criar um LOG no banco de dados usando uma tabela no BD para futuras consultas é 18

19 Firebird possível criar uma Trigger que quando conectar no banco de dados ele armazene o usuário e a hora que conectou. Vamos ver esse exemplo na prática. Eu criei uma tabela no BD chamada LOG com a seguinte estrutura: CREATE TABLE LOG ( USUARIO VARCHAR(20), DATA DATE, HORA TIME ); Depois de criado a tabela vamos criar a Trigger segue os comandos abaixo: registrados na tabela LOG (Figura 04). Esse é um exemplo simples de como trabalhar com este novo evento. Realmente esta nova possibilidade de trabalhar com as Triggers irá alegrar muitos programadores. Muitos até mesmo eu procurava alguma forma de obter este evento e realizar alguns testes quando se conectar ao banco de dados. Figura 04 Dados da tabela LOG Figura 03 Tela de criação de Trigger CREATE TRIGGER REG_USER ACTIVE ON CONNECT POSITION 0 AS Insert into log values( USER, current_date, current_time ); end Para quem está usando o IBExpert é importante observar na tela de criação de Trigger uma opção que aparecerá na parte superior da tela onde você escolhe se a Trigger é direcionada para tabelas ou databases, veja a Figura 03. Esta Trigger está configurada para ser executada no evento CONNECT, ou seja, quando o usuário conectar é executado. Mas existem outros eventos como DISCONNECT, TRANSACTION START, TRANSACTION COMMIT, TRANSACTION ROLLBACK. No próprio IBExpert é possível testar a Trigger, basta clicar com o botão direito do mouse em cima do banco de dados e escolher a opção RECONNECT. Veja como ficou os dados Mudanças nas VIEWS Um grande problema que nós encontrávamos era não poder usar um Alias nas colunas quando trabalhávamos com visões. Pois agora é possível! Veja como fica a sintaxe: CREATE VIEW V_TEST AS SELECT * FROM LOG; Cláusula RETURNING Em Stored Procedure para retornar um valor usamos o RETURNS. Agora nesta versão é possível usar a cláusula RETURNING nos comandos DELETE, UPDATE ou INSERT. O Returning não deve ser usado para retorno de vários registros, pois ele somente devolve um único registro. Veja a sintaxe: 19

20 Firebird INSERT INTO... VALUES (...) [RETURNING <column_list> [INTO <variable_list>]] INSERT INTO... SELECT... [RETURNING <column_list> [INTO <variable_list>]] UPDATE OR INSERT INTO... VALUES (...)... [RETURNING <column_list> [INTO <variable_list>]] UPDATE... [RETURNING <column_list> [INTO <variable_list>]] DELETE FROM... [RETURNING <column_list> [INTO <variable_list>]] Usando a tabela do exemplo anterior executei a seguinte instrução SQL: INSERT INTO LOG values(user, current_date,current_time) RETURNING user Com esse comando ele insere o registro e retorna a coluna desejada como parâmetro. Outros exemplos de como usar essa cláusula: INSERT INTO T1 (F1, F2) VALUES (:F1, :F2) RETURNING F1, F2 INTO :V1, :V2; INSERT INTO T2 (F1, F2) VALUES (1, 2) RETURNING ID INTO :PK; DELETE FROM T1 WHERE F1 = 1 RETURNING F2; UPDATE T1 SET F2 = F2 * 10 RETURNING OLD.F2, NEW.F2; FUNÇÃO LIST() Esta função retorna uma string, resultado da união de valores não nulos de um grupo. Retorna o ZERO se houver valor nulo (NULL). Veja a sintaxe do comando: LIST ( [ {ALL DISTINCT} ] <value expression> [, <delimiter value> ] ) <delimiter value> ::= { <string literal> <parameter> <variable> } Esta função traz algumas regras: 1. Se não forem usadas as cláusulas ALL ou DISTINCT, o ALL será usado como padrão. 2. Se não for usado um delimitador <delimiter value>, o padrão será usar o ; para separar os valores concatenados. Temos que salientar algumas observações com relação ao uso desta função. Todos os valores 1. Valores numéricos e Data/Hora que são implícitas serão convertida em strings. 2. Os valores dos resultados são do tipo BLOB. 3. É possível ordenar os valores com o Group. Vejam alguns exemplos usando esta função com a tabela que estamos trabalhando nesta matéria, os resultados são muitos interessantes: Examples: /* A */ SELECT LIST(USUARIO, ; ) FROM LOG /* B */ SELECT USUARIO, LIST(USUARIO) FROM LOG GROUP BY USUARIO NOVOS JOINS Com a finalidade de facilitar o nosso dia-da a IBPHOENIX adicionou dois novos JOINS nessa versão beta. São eles: O COLUNA NOMEADA (NAMED COLUMNS) e o NATURAL join. Primeiramente vamos ver a sintaxes dos dois joins: <named columns join> ::= <table reference> <join type> JOIN <table reference> USING ( <column list> ) <natural join> ::= <table reference> NATURAL <join type> JOIN <table primary> Agora vamos ver as regras do primeiro join NAMED

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows

Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows DINAMIC LINK LIBRARIES Capítulo 7 Neste capítulo discutiremos o que é uma DLL, seus aspectos e tipos e ainda, porquê é tão importante para as aplicações Windows O QUE É UMA DLL? Dinamic Link Libraries

Leia mais

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL.

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2012 Edição 7 Listando e Gravando Listando itens em ComboBox e gravando os dados no

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox.

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. - Construção do Banco de Dados: Para podermos inserir algo em um banco precisaremos de um Banco de Dados, para isto iremos montar um utilizando o Programa Database

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI - UTILIZANDO OPENDIALOG PARA ARMAZENAR IMAGENS EM BANCO DE DADOS Criaremos uma solução simples para criar

Leia mais

Sistema básico de cadastro em Delphi com banco de dados InterBase.

Sistema básico de cadastro em Delphi com banco de dados InterBase. Sistema básico de cadastro em Delphi com banco de dados InterBase. Nesta apostila vamos abordar o uso do banco de dados Interbase e o acesso nativo com os componentes da paleta InterBase do Delphi, eu

Leia mais

Fortes Report Parte 1 Desenvolvendo o Primeiro Relatório

Fortes Report Parte 1 Desenvolvendo o Primeiro Relatório Fortes Report Parte 1 1 Fortes Report Parte 1 Desenvolvendo o Primeiro Relatório Amigos, fazer relatórios é o famoso mal necessário, que particularmente eu não me incomodo em desenvolver, até porque, geralmente

Leia mais

Conteúdo O que é?... 4 Histórico... 4 Onde Baixar?... 4 Diferença entre Firebird e o Interbase... 4 Como instalar?... 4 Instalando o Ibexpert...

Conteúdo O que é?... 4 Histórico... 4 Onde Baixar?... 4 Diferença entre Firebird e o Interbase... 4 Como instalar?... 4 Instalando o Ibexpert... Apostila FIREBIRD 1 Firebird Equipe: BARBARA CAROLINE SOUZA DE OLIVEIRA Nº 04 GUILHERME ROBERTO PINTO DE SOUZA Nº 16 JOSÉ ROSA MARTINS NETO Nº 22 RAFAEL ALVES DE SOUSA Nº 36 WELLINGTON COSTA SANTOS OLIVEIRA

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Configurando DDNS no Stand Alone

Configurando DDNS no Stand Alone Configurando DDNS no Stand Alone Abra o seu navegador de internet e acesse o endereço http://www.advr.com.tw(ou, http://59.124.143.151 ). Clique em Register para efetuar o cadastro de um novo grupo.(foto

Leia mais

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi Índice Índice...1 Desenvolvendo Conduits...2 (Passo a Passo)...2 Criando um Arquivo.mdb... 2 Arquivos...6 Instalando os componentes... 7 Recompilando os Comonentes do Delphi...13 Configurando a Conexão

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco 1 Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco MARCELO JALOTO (marcelo@jaloto.net) é graduado no curso superior Projetos e Gestão de Redes de Computadores e formado no curso Técnico em Processamento

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho.

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho. DELPHI BÁSICO VANTAGENS Ambiente de desenvolvimento fácil de usar; 1. Grande Biblioteca de Componentes Visuais (VCL - Visual Component Library), que são botões, campos, gráficos, caixas de diálogo e acesso

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets

Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets O objetivo mais importante no desenvolvimento de um programa é fornecer ao cliente maior liberdade para usar as interfaces e ao mesmo tempo tornar

Leia mais

Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 5 SELECT * FROM Minha_memoria Revisando Sintaxes SQL e Criando programa de Pesquisa Ano:

Leia mais

Dando um passeio no ASP.NET

Dando um passeio no ASP.NET Dando um passeio no ASP.NET Por Mauro Sant Anna (mas_mauro@hotmail.com). Mauro é um MSDN Regional Director, consultor e instrutor. O principal objetivo da arquitetura.net é permitir ao usuário o fácil

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS

INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS 1) Clique duas vezes no arquivo ControlGasSetup.exe. Será exibida a tela de boas vindas do instalador: 2) Clique em avançar e aparecerá a tela a seguir: Manual de Instalação

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela Certamente você já ouviu falar muito sobre triggers. Mas o quê são triggers? Quando e como utilizá-las?

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri OBJETIVOS DA AULA: Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Fazer uma breve introdução a respeito do MS SQL Server 7.0; Criar uma pequena base de dados no MS SQL Server 7.0; Elaborar

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Apostila desenvolvida pelos Professores Ricardo Santos de Jesus e Rovilson de Freitas, para as Disciplinas de Desenvolvimento de Software I e II, nas Etecs de

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

Avançado. Visão geral do ambiente do VBA Retornar à planilha Excel

Avançado. Visão geral do ambiente do VBA Retornar à planilha Excel Avançado Trabalhando com VBA Descubra a linguagem de programação do Microsoft Office e torne-se um expert no desenvolvimento de funções, macros e planilhas eletrônicas Nas edições anteriores da revista

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem 1 de 20 Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem Resolvi documentar uma solução que encontrei para fazer minhas cópias de segurança. Utilizo um software gratuito chamado Cobian Backup

Leia mais

Configuração Do Firebird no Ide NetBeans

Configuração Do Firebird no Ide NetBeans Configuração Do Firebird no Ide NetBeans Inicialmente devemos fazer o download do Netbeans 5.5 localizado no site da Sun (www.sun.com). Em seguida baixar o driver JayBird, localizado no site do firebird

Leia mais

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Memória Flash Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9 DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9 Í N D I C E Capítulo 1 - O Início de Tudo 1 Reunindo todas as informações necessárias 2 Instalando o Visual FoxPro 2 Configurando o Visual FoxPro 7 Capítulo

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Compartilhamento de Arquivos no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução...

Leia mais

JDBC Java Database Connectivity

JDBC Java Database Connectivity 5 JDBC Java Database Connectivity Prof. Autor: Daniel Morais dos Reis e-tec Brasil Programação Avançada Para Web Página1 Meta Trabalhar com bancos de dados em aplicações web em JSP através das classes

Leia mais

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes.

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes. ACESSO REMOTO Através do Acesso Remoto o aluno ou professor poderá utilizar em qualquer computador que tenha acesso a internet todos os programas, recursos de rede e arquivos acadêmicos utilizados nos

Leia mais

CRIANDO UM BANCO DE DADOS

CRIANDO UM BANCO DE DADOS CRIANDO UM BANCO DE DADOS Bem, antes de iniciarmos propriamente no delphi, devemos aprender a usar sua ferramentas, sendo uma das mais importantes o Database Desktop, pois é com esta que construímos nossos

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 Na aula anterior, vimos sobre: a) Janela de comando b) Gerenciador de Projetos c) Database Designer e Table Designer Prosseguiremos então a conhecer as ferramentas

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Instalação, configuração e manual 1 Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS

Leia mais

CRIAÇÃO DE RELATÓRIOS EM DELPHI

CRIAÇÃO DE RELATÓRIOS EM DELPHI PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO CRIAÇÃO DE RELATÓRIOS EM DELPHI Relatórios são tão importantes quanto as consultas, com a vantagem de poder imprimir os valores armazenados nos Bancos

Leia mais

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 1 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 1 Procedimentos para Download e Instalação do NVDA... 2 Iniciando

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View www.cali.com.br - Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View - Página 1 de 29 Índice INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (FIREBIRD E

Leia mais

Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados

Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados UTFPR DAELN - Disciplina de Fundamentos de Programação II ( IF62C ). 1 Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados 1) Introdução! Em algumas situações, pode ser necessário preservar os objetos

Leia mais

Android e Bancos de Dados

Android e Bancos de Dados (Usando o SQLite) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Programação para Android. Aula 08: Persistência de dados SQL

Programação para Android. Aula 08: Persistência de dados SQL Programação para Android Aula 08: Persistência de dados SQL Persistência de dados Na maioria das aplicações precisamos ter algum tipo de persistência de dados. Para guardar informações de forma persistente

Leia mais

Persistindo dados com TopLink no NetBeans

Persistindo dados com TopLink no NetBeans Persistindo dados com TopLink no NetBeans O que é TopLink? O TopLink é uma ferramenta de mapeamento objeto/relacional para Java. Ela transforma os dados tabulares de um banco de dados em um grafo de objetos

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este manual tem como objetivo propiciar a integração do SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL junto as ADMINISTRADORAS

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Abril 2013 Sumário 1. Agente... 1 2. Onde instalar... 1 3. Etapas da Instalação do Agente... 1 a. Etapa de Instalação do Agente... 1 b. Etapa de Inserção

Leia mais

NOVO COMPONENTE ASSINADOR ESEC

NOVO COMPONENTE ASSINADOR ESEC NOTAS FISCAIS DE SERVIÇO ELETRÔNICAS PREFEITURA DE JUIZ DE FORA COMPLEMENTO AO SUPORTE A ATENDIMENTO NÍVEL 1 1.0 Autor: Juiz de Fora, Fevereiro 2015. PÁGINA 1 DE 38 SUMÁRIO 1REQUISITOS MÍNIMOS CONFIGURAÇÕES

Leia mais

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA Você deve ter em mente que este tutorial não vai te gerar dinheiro apenas por você estar lendo, o que você deve fazer e seguir todos os passos

Leia mais

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato Introdução ao X3 Exercício 1: Criando um registro de Contato Inicie por adicionar um novo registro de Contato. Navegue para a tabela de Contato clicando na aba de Contato no alto da página. Existem duas

Leia mais

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO Antes de criarmos um novo Banco de Dados quero fazer um pequeno parênteses sobre segurança. Você deve ter notado que sempre

Leia mais

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes ALUNES MANUAL DO USUÁRIO Guia rápido Alunes 1 Manual de Instruções Versão 2.0 Alunes Informática 2 Sumário Introdução... 5 Pré-requisitos... 5 Principal/Home... 6 Como editar texto do home... 7 Desvendando

Leia mais

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 24/08/2011 No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006

Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006 Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA DE MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006 Empresas Especiais Suporte 2.01. Cadastro das empresas 2.02. Relação das empresas 2.03. Controle das emissões 2.04. Exclusão

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Introdução. Nesta guia você aprenderá:

Introdução. Nesta guia você aprenderá: 1 Introdução A criação de uma lista é a primeira coisa que devemos saber no emailmanager. Portanto, esta guia tem por objetivo disponibilizar as principais informações sobre o gerenciamento de contatos.

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Apostila 3 Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 30/09/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Exclusão de registros Consultas por Dados de Resumo Group by / Having Funções

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

Projeto Supermercado - Produtos

Projeto Supermercado - Produtos OBJETIVO: Este projeto possibilitará fazer a manutenção dos dados da tabela de Produtos. Didaticamente, ele permite ao programador iniciante ter os primeiros contatos com os objetos de visualização individual

Leia mais

Modo Estrutura é o ambiente de definição e estruturação dos campos, tipos de dados, descrição e propriedades do campo.

Modo Estrutura é o ambiente de definição e estruturação dos campos, tipos de dados, descrição e propriedades do campo. Unidade 02 A- Iniciando o Trabalho com o ACCESS: Criar e Salvar um Banco de Dados Acessar o ACCESS Criar e Salvar o Banco de Dados Locadora Encerrar o Banco de Dados e o Access Criando um Banco de Dados

Leia mais

Manual Captura S_Line

Manual Captura S_Line Sumário 1. Introdução... 2 2. Configuração Inicial... 2 2.1. Requisitos... 2 2.2. Downloads... 2 2.3. Instalação/Abrir... 3 3. Sistema... 4 3.1. Abrir Usuário... 4 3.2. Nova Senha... 4 3.3. Propriedades

Leia mais

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova.

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova. 3.5 Páginas: Ao clicar em Páginas, são exibidas todas as páginas criadas para o Blog. No nosso exemplo já existirá uma página com o Título Página de Exemplo, criada quando o WorPress foi instalado. Ao

Leia mais

Acessando um Banco de Dados

Acessando um Banco de Dados Acessando um Banco de Dados Introdução Agora que você já está craque em JSP e já instalou seu servidor, vamos direto para a parte prática! Neste tutorial vamos aprender a acessar um banco de dados. Para

Leia mais

MANUAL DE FTP. Instalando, Configurando e Utilizando FTP

MANUAL DE FTP. Instalando, Configurando e Utilizando FTP MANUAL DE FTP Instalando, Configurando e Utilizando FTP Este manual destina-se auxiliar os clientes e fornecedores da Log&Print na instalação, configuração e utilização de FTP O que é FTP? E o que é um

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0

Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0 Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0 Importante: as instruções contidas neste guia só serão aplicáveis se seu armazenamento de mensagens for Avaya Message Storage Server (MSS)

Leia mais

Acesso à Dados ZEOS x Delphi. Professor Anderson

Acesso à Dados ZEOS x Delphi. Professor Anderson Acesso à Dados ZEOS x Delphi Professor Anderson Introdução O ZEOS é uma biblioteca que provê o acesso à uma base de dados em MYSQL. Através dessa Library, podemos realizar operações de manipulação da base

Leia mais

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Nome Número: Série Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Proposta do projeto: Competências: Compreender a orientação a objetos e arquitetura cliente-servidor, aplicando-as

Leia mais

PROJECT 1 Delphi Project (Extensão. DPR)

PROJECT 1 Delphi Project (Extensão. DPR) CAPÍTULO2 1. A ESTRUTURA DE UM APLICATIVO Quando iniciamos uma aplicação em Delphi ele interpreta que iremos desenvolver um projeto. Este gerencia um conjunto de recursos como Forms, Units, objetos, funções

Leia mais

Treinamento sobre SQL

Treinamento sobre SQL Treinamento sobre SQL Como Usar o SQL Os dois programas que você mais utilizara no SQL Server são: Enterprise Manager e Query Analyzer. No Enterprise Manager, você pode visualizar e fazer alterações na

Leia mais

Principais Característic

Principais Característic Principais Característic Características as Software para agendamento e controle de consultas e cadastros de pacientes. Oferece ainda, geração de etiquetas, modelos de correspondência e de cartões. Quando

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS FORMULÁRIOS COM ABAS Trabalhar com abas (ou guias) é um recurso

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 09 de julho de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

Manual da Ferramenta Metadata Editor

Manual da Ferramenta Metadata Editor 4 de março de 2010 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 3 3 Visão Geral 3 3.1 Instalação............................. 3 3.2 Legenda.............................. 4 3.3 Configuração Inicial........................

Leia mais

Configurando o Sistema Operacional TC-OS

Configurando o Sistema Operacional TC-OS Configurando o Sistema Operacional TC-OS O TC-OS é o Sistema Operacional das soluções Thin Clients da ThinNetworks. Foi desenvolvido especialmente para servir a thin clients possibilitando-os se conectar

Leia mais

Aula: BrOffice Impress primeira parte

Aula: BrOffice Impress primeira parte Aula: BrOffice Impress primeira parte Objetivos Conhecer as características de um software de apresentação; Saber criar uma apresentação rápida com os recursos de imagem e texto; Saber salvar a apresentação;

Leia mais

SGCD 2.2. Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.2. Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 13/AGO/2012 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais