PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO INSA 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO INSA 2013"

Transcrição

1 PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO INSA

2

3 PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO INSA 2013 JULHO/2013

4 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO Governo do Brasil Presidenta da República Dilma Vana Rousseff Vice-Presidente da República Michel Miguel Elias Temer Lulia Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) Ministro de Estado Marco Antonio Raupp Secretário Executivo Luiz Antonio Rodrigues Elias Subsecretário de Coordenação das Unidades de Pesquisa Arquimedes Diógenes Ciloni 4

5 Instituto Nacional do Semiárido (INSA) Diretor Ignacio Hernán Salcedo Diretor Substituto Salomão de Sousa Medeiros Coordenador de Pesquisa Aldrin Martin Perez Marin Coordenador de Administração Vinícius Sampaio Duarte COMISSÃO: Everaldo Gomes da Silva Geovergue Rodrigues de Medeiros Sara Ranulce de Medeiros Filipe de Lucena Alcântara Bruno Paulo Luciano da Silva Santos

6 SUMÁRIO 1) Introdução...Pág. 07 2) Objetivos do plano...pág. 07 3) Diagnóstico e Ações de sustentabilidade em curso no INSA...Pág. 08 4) Qualidade de vida no ambiente de trabalho... Pág. 15 5) Compras e contratações sustentáveis... Pág. 07 6) Deslocamento de pessoal, considerando todos os meios de transporte, com foco na redução de gastos e de emissões de substâncias poluentes... Pág. 17 7) Projetos de sustentabilidade... Pág. 18 8) Considerações finais... Pág. 18 SIGLAS A3P Agenda Ambiental na Administração AGU Advocacia Geral da União CPGLS Comissão de Gestão do Plano de Gestão de Logística Sustentável E.E.E.F.M Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio E.E. Estação Experimental INSA Instituto Nacional do Semiárido MCTI Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação PGLS Plano de Gestão de Logística Sustentável PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica QVT Qualidade de Vida no Trabalho VOIP Voice Over Internet Protocol

7 PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO INSA INTRODUÇÃO A administração pública tem a responsabilidade de contribuir no enfrentamento das questões ambientais, buscando estratégias inovadoras que repensem os atuais padrões de produção e consumo, os objetivos econômicos, inserindo componentes sociais e ambientais. Diante dessa necessidade, as instituições públicas têm sido motivadas a implementar iniciativas específicas e desenvolver programas e projetos que promovam a discussão sobre desenvolvimento e a adoção de uma política de Responsabilidade Socioambiental do setor público. Nos últimos anos, o Governo Federal tem tido a preocupação em estabelecer critérios e práticas de sustentabilida de e racionalização de gastos nos mais diversos aspectos da Administração Pública. Neste sentido, foram elaboradas leis, decretos e Instruções Normativas que norteiam todas as ações voltadas à responsabilidade sócio-ambiental no âmbito do Governo Federal. Neste contexto, foi criada no INSA, a Comissão de Gestão do Plano de Gestão de Logística Sustentável (CPGLS), em atendimento à Instrução Normativa nº 10, de 12 de novembro de 2012, que, por sua vez, é uma exigência legal do Decreto nº 7.746, de 05 de junho de Cabe à Comissão estabelecer critérios de sustentabilidade ambiental, no tocante às diversas atividades impactantes do Instituto, tais como a gestão do uso das águas, energia elétrica, telefonia, consumo de combustível, frota de veículos, compras, obras e manutenção em geral, além dos contratos de vigilância e serviços gerais, tanto nas instalações da sede administrativa quanto em sua Estação Experimental. Vale salientar que o INSA é uma unidade recente, criada há poucos anos e que tende, naturalmente, a um crescimento no número de servidores e colaboradores. Isto, por si só, já constitui uma preocupação quanto à necessidade de planejamento de ações sócio-ambientais responsáveis. Outro aspecto a ser considerado no órgão que demanda aumento de gastos é a promoção de eventos, tais como seminários, encontros, workshops, o que acarretará um aumento em suas despesas. No entanto, espera-se que haja uma estabilização no ano de A própria vocação do INSA já enseja que medidas voltadas para a responsabilidade social e ambiental sejam levadas a cabo. Na explanação dos diversos itens aqui elencados, são abordados aspectos gerais tais como situação atual, medidas já implantadas e as que ainda serão postas em prática. Este primeiro trabalho não tem a pretensão se ser definitivo mas, simplesmente, o ponto de partida para outros trabalhos que deverão aprimorar o que aqui será explanado. 2 OBJETIVOS DO PLANO Neste primeiro esboço do Plano de Logística Sustentável, procuramos fazer um diagnóstico da situação atual vigente no INSA, mostrar algumas ações que já foram postas em prática e quais as ações que deverão ser implantadas. Evidentemente, muito trabalho terá que ser efetuado, uma vez que mudanças de comportamento, principalmente institucional, nem sempre são fáceis de implantar, porque envolve mudanças de paradigmas, 7

8 percepções e atitudes. A inserção de critérios de sustentabilidade nas atividades finalística e meio do INSA, é o alicerce para as ações do PLS, que buscará sensibilizar os atores envolvidos em todos os processos e em todos os setores da instituição De acordo com o art. 16, do Decreto 7.746, de 05 de junho de 2012, este PLS, deverá adotar práticas sustentáveis contemplando os seguintes itens: I material de consumo: papel para impressão, copos descartáveis e cartuchos para impressão; II energia elétrica; III água e esgoto; IV coleta seletiva; V qualidade de vida no ambiente de trabalho; VI compras e contratações sustentáveis, compreendendo, equipamentos, serviços de vigilância, de limpeza, de telefonia, apoio administrativo e de manutenção predial; VII deslocamento de pessoal, considerando todos os meios de transporte, com foco na redução de gastos e de emissões de substâncias poluentes. Adicionalmente, e de acordo com o Art. 5º, da IN 10/2012, deverá conter: atualização do inventário de bens e materiais do órgão ou entidade e identificação de similares de menor impacto ambiental para substituição; práticas de sustentabilidade e de racionalização do uso de materiais e serviços; responsabilidades, metodologia de implementação e avaliação do plano; e ações de divulgação, conscientização e capacitação. 3 DIAGNÓSTICO E AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE EM CURSO NO INSA Ciente dos desafios, o INSA já vem implantando, ao longo desses poucos anos de existência, várias ações buscando um maior comprometimento com as questões sócio-ambientais e de sustentabilidade. Abaixo, estão elencados alguns itens que constituem o foco das ações voltadas à sustentabilidade dentro da Instituição e seu consumo Papel para impressão, copos descartáveis e cartuchos para impressão; Papel A4 Copo 180ml Copo 50ml Resmas Folhas Pct c/ 100 copos Pct c/ 100 copos Cartucho Colorido Cartucho Preto Janeiro

9 PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO INSA 2013 Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Energia elétrica Este item encontra-se em fase de ajustes, tendo em vista que várias obras de expansão estão sendo executadas nas dependências do INSA, tanto na Sede quanto na Estação Experimental (complexo de laboratórios), o que aumentará a demanda por energia elétrica. Os parâmetros mais apurados de controle deverão ser implantados quando da finalização das referidas obras. O quadro abaixo, mostra o consumo mensal de energia elétrica entre os meses de Março de 2012 e Maio de 2013 na Sede Administrativa e na Estação Experimental (E.E.) do INSA. Sede E.E. KW R$ KW R$ Mar./ , , ,24 Abr./ , , ,40 Mai./ , , ,88 Jun./ , , ,22 Jul./ , , ,92 Ago./ , , ,19 Set./ , , ,54 Out./ , , ,78 9

10 Nov./ , , ,62 Dez./ , , ,30 Jan./ , , ,54 Fev./ , , ,07 Mar./ , , ,87 Abr./ , , ,63 Mai./ , , ,2 Média 12* , , ,99 Média Geral 10379, , ,36 *Jun/12 a Mai/13 Mesmo com previsão de aumento na demanda, medidas para diminuição do consumo estão sendo incentivadas, principalmente relacionada à redução no uso de ar-condicionado, dando prioridade ao aproveitamento da ventilação natural, sempre que possível; aquisição de ventiladores para uso alternativo ao ar-condicionado; incentivo ao aproveitamento da luminosidade natural, diminuindo o uso de lâmpadas. Como medida adicional, deverá ser feito um estudo para readequação do quantitativo de lâmpadas fluorescentes em determinados locais, substituição de interruptores que acendem 3 lâmpadas ao mesmo tempo e desnecessariamente, assim como campanhas para reduzir o uso de ar-condicionado na Instituição. Ademais, a aquisição de eletrodomésticos (geladeiras, bebedouros) tem exigido o selo PROCEL tipo A Água tratada Da mesma forma que o consumo de energia elétrica, o consumo de água encanada no INSA ainda encontrase em fase de ajustes dadas as várias obras já mencionadas. O quadro abaixo, mostra o consumo mensal de energia elétrica entre os meses de Março de 2012 e Maio de 2013 na Sede Administrativa e na Estação Experimental (E.E.) do INSA. Consumo de água tratada no INSA( ) S E D E E. E. M³ R$ M³ R$ Fev./ , ,95 Mar./ , ,95 Abr./ , ,42 10

11 PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO INSA 2013 Mai./ , ,29 Jun./ , ,45 Jul./ , ,5 Ago./ , ,16 Set./ , ,71 Out./ , ,60 Nov./ , ,61 Dez./ , ,62 Jan./ , ,90 Fev./ , ,17 Mar./ , ,37 Abr./ , ,99 Mai./ , ,11 Média 12* 208, ,05 175, ,27 Média Geral 237, ,82 155, ,61 *Jun/12 a Mai/13 As instalações da Sede do INSA são novas e a maior parte dos componentes hidráulicos se encontra em bom estado de conservação. Os prédios estão dotados de banheiros com vasos com caixa acoplada. No entanto, a Estação Experimental carece de maior atenção já que as instalações são antigas, necessitando de acompanhamento constante. Neste caso específico estudo para substituição de torneiras, canos com vazamento, bacias sanitárias deverá ser conduzido de maneira a adequar as instalações hidráulicas Atividades relacionadas ao tema Reuso de águas residuais. É um projeto-piloto implantado pelo Núcleo de Pesquisas em Recursos Hídricos do Instituto Nacional do Semiárido (Insa/MCTI) que tem como objetivo avaliar a possibilidade e viabilidade do uso de águas residuais de origem doméstica na recuperação de áreas degradadas. Está sendo desenvolvido no município de Campina Grande (PB) em parceria com outras instituições da região. Neste processo, as águas servidas são coletadas e armazenadas em tanques e, posteriormente, são utilizadas para irrigação dos plantios de espécies florestais nativas da Caatinga com potencial madeireiro. Este projeto está em curso e faz o aproveitamento das águas usadas provenientes dos prédios da sede administrativa do INSA. 11

12 1.4 Telefonia fixa Para reduzir o custo com ligações telefônicas, já são adotadas algumas medidas para minimizar/diminuir esses gastos, tais como o incentivo ao uso do sistema VOIP para ligações de longa distância. Além do mais, pretendese adquirir aparelhos de rádio para comunicação entre os diversos setores da Instituição, como por exemplo, entre a Sede e a Estação Experimental, assim como instalação desses equipamentos nos veículos do INSA, pois, grande parte do valor com telefonia está ligada à necessidade de comunicação interna. 3.5 Coleta Seletiva Solidária Para atender ao que dispõe o Decreto 5.940, de 25/10/2006, que institui a separação dos resíduos recicláveis descartados pelos órgãos públicos federais, e a sua destinação às associações e cooperativas dos catadores, foi instituída a Comissão para Coleta Seletiva Solidária. Este decreto objetiva a geração de trabalho e renda para os catadores por meio da implantação da coleta seletiva solidária em todos os prédios públicos federais. A referida comissão, criada em 2009, além das atribuições constantes no decreto, também aborda aspectos da Agenda Ambiental na Administração Pública A3P. Durante este período, foram realizadas palestras educativas ministradas por especialistas das mais diversas instituições e áreas (meio ambiente, recursos hídricos, cooperativas de catadores, etc) e campanhas de conscientização com os servidores e colaboradores do INSA, visando a um melhor aproveitamento e destinação dos resíduos descartados na instituição. Estas ações resultaram na destinação de mais de 2 toneladas de recicláveis (principalmente papel e plástico), além de óleo de cozinha recolhido, não apenas nas dependências do órgão, mas também dos servidores e colaboradores da instituição, como mostra o quadro abaixo. Quantitativos das doações de resíduos sólidos da Estação Experimental e Sede - INSA Ano Mat. reciclável (Kg) Total Óleo usado Kg Est. Exp. SEDE ,73 58,00 103, ,07 355,00 715, ,76 288,00 525,76 4, ,00 684,00 886,00 77,00 Total 845, , ,56 81,02 A parte orgânica dos resíduos está sendo utilizada para compostagem, sendo posteriormente aproveitada como adubo, principalmente na Estação Experimental. Para a execução das ações, foram adquiridos coletores adequados para a separação dos recicláveis e distribuídos em salas e locais de maior movimento no INSA. 12

13 PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO INSA 2013 Atualmente, há a necessidade de reativação desta comissão e de intensificação de campanhas internas, pois houve renovação no quadro de servidores e colaboradores Atividades relacionadas ao tema Projetos de inclusão social com escolas do entorno do INSA Dentro das linhas de atuação do INSA, está a difusão de conhecimento. Entendemos que investindo na formação de cidadãos conscientes trará muitos benefícios. Em 2011 por iniciativa de um dos membros da Comissão de Coleta Seletiva Solidária, Paulo Luciano, foi submetido à aprovação um Projeto de Educação ambiental intitulado ENSAIO AMBIENTAL. Com este projeto, o INSA promove ações concretas de educação ambiental, em parceria com as Secretarias de Educação do Município de Campina Grande, e do Estado da Paraíba, favorecendo o fortalecimento da temática Educação no campo em propostas pedagógicas e contextualizada buscando sensibilizar comunidades vizinhas ao INSA para questões ambientais; principalmente para escolas da rede municipal e estadual de ensino. Estas ações também contemplaram a construção de uma agenda ambiental positiva; socializando conceitos de ecologia; produzindo oficinas interdisciplinares ligadas à temática principal; fomentando a implantação de espaços verdes educadores como hortas, pomares e viveiros escolares; divulgando, através de ações do INSA, conhecimentos gerados nestas áreas. Escolas participantes do projeto Ensaio Ambiental e atividades Escola Alunos Envolvidos Atividades E.E.E.F.M. Maria Augusta Lucena Brito E.E.E.F.M. Estadual Walniza Borborema da Cunha Lima 18 Jardinagem, Visitas à CATAMAIS e ao INSA com práticas de reflorestamento, Coleta Seletiva Solidária 32 Visitas à CATAMAIS e ao INSA com práticas de reflorestamento, Coleta Seletiva Solidária, Horta com garrafas PET e Pneus E.E.E.F.M. Nossa Senhora Aparecida 18 Visitas à CATAMAIS e ao INSA com práticas de reflorestamento, Coleta Seletiva Solidária, Horta com PET e Pneus, caminhada ecológica 13

14 Escola Municipal Paulo Freire 18 Visitas à CATAMAIS e ao INSA com práticas de reflorestamento, Coleta Seletiva Solidária, Horta com garrafas PET e Pneus, caminhada ecológica Escola Municipal Severino José de Souza Escola Municipal João Francisco da Mota 18 Visitas ao INSA com práticas de reflorestamento, Coleta Seletiva Solidária, Horta com garrafas PET, caminhada ecológica 22 Visitas ao INSA com práticas de reflorestamento, Coleta Seletiva Solidária, caminhada ecológica E.E.E.F.M. Major Veneziano 10 Arborização com espécies nativas, da lateral dos blocos de salas de aula; Início da Sensibilização para a Coleta Seletiva Solidária Escola Municipal Nossa Senhora do Perpétuo Socorro 44 Visitas ao INSA com práticas de reflorestamento, Coleta Seletiva Solidária Outros Resíduos Sólidos, Líquidos e Domésticos INSA. Relato sucinto acerca do uso do solo com ênfase no descarte de resíduos sólidos, líquidos e domésticos do Sólidos (Restos de construções) Resíduos gerados pela construção do centro administrativo do INSA. - Resíduo gerado pela construção de áreas de pesquisa na fazenda experimental do INSA. Destino: Depositados em áreas de pesquisa, servindo basicamente como material de aterro de caixão das bases das estufas localizadas na Estação Experimental do INSA. - Reuso do material proveniente de demolição, extração de rocha e restos de obra, serviram para formação de barreiras em forma de curvas de níveis para contenção de solo. 14

15 PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO INSA 2013 Líquidos Água proveniente do Sistema de esgotamento sanitário da SEDE do INSA. Água proveniente do Sistema de esgotamento sanitário da Estação Experimental do INSA. Destino: Sistema de tratamento primário formado por tanque séptico e fossa séptica, em seguida a água de reuso é utilizada na irrigação de campos de pesquisa na SEDE do INSA. - Atualmente é depositado em fossa séptica e sumidouros, mas está prevista a construção de Sistema de tratamento primário formado por tanque séptico e fossa séptica, em seguida a água de reuso será utilizada na irrigação de campos de pesquisa na Estação Experimental do INSA. Domésticos Lixo doméstico gerado pela ocupação de edificações. O lixo é coletado internamente por pequenos depósitos seletivos, localizados no interior dos ambientes da SEDE e ESTAÇÃO, e encaminhado a uma cooperativa para reciclagem. 4. QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO Foi realizado o estudo intitulado Qualidade de Vida no Trabalho: Um estudo de caso no Instituto Nacional do Semiárido 1, com o objetivo de analisar a satisfação dos funcionários do Instituto Nacional do Semiárido, no que se refere à Qualidade de Vida no Trabalho (QVT). Utilizou-se o método de avaliação em QVT a partir da aplicação de um questionário composto por 37 (trinta e sete) perguntas estruturadas, com respostas variando entre muito satisfeito e o muito insatisfeito, contemplando oito dimensões: Compensação justa e adequada; Condições de trabalho; Uso e desenvolvimento de capacidades; Oportunidade de crescimento e segurança; Integração social na organização; Constitucionalismo; O trabalho e o espaço total de vida; Relevância social da vida no trabalho. A definição dos participantes do estudo foi feita a partir de um levantamento prévio quanto ao número de funcionários do INSA, o tempo de atuação, o tipo de vínculo e as funções. Constituíram o campo da pesquisa os agentes públicos vinculados ao INSA - servidores permanentes, terceirizados e bolsistas, cuja participação se deu SANTOS, A.P.S. Qualidade de Vida no Trabalho: Um estudo de caso no Instituto Nacional do Semiárido f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Gestão da Organização Pública) - Universidade Estadual da Paraíba, Secretaria de Educação a Distância SEAD, Campina Grande-PB. 15

16 com base na disponibilidade de tempo e interesse. A coleta de dados ocorreu no mês de junho de 2012 e os instrumentos utilizados foram a técnica da observação, que significa separar, em meio à complexa vida social, aquilo que é circunstancial e periférico daquilo que é essencial e diz respeito ao problema investigado e o questionário estruturado, que é uma das técnicas de investigação mais utilizadas e mais simples da pesquisa social. Verificou-se que a grande maioria dos funcionários estão satisfeitos com a gestão e as oportunidades criadas pelo INSA. Entretanto, algumas questões no tocante às relações interpessoais, comunicação, participação em processos de decisões, relação dos gestores com os outros funcionários, formação e capacitação, merecem muita atenção. São fatores que podem levar a um movimento interno favorável para o melhor desempenho individual e grupal e o sucesso das ações empreendidas pela organização. Os resultados obtidos servirão de base para a gestão do INSA implantar ações específicas melhorando elementos avaliados positivamente pelos seus funcionários, bem como contemplar outros aspectos no campo da QVT. A partir deste diagnóstico, o INSA poderá implantar ações efetivas visando à melhoria na qualidade de vida dos seus servidores e colaboradores, tais como: 1. Adotar medidas para promover um ambiente físico de trabalho seguro e saudável. 2. Incentivo à gestão participativa nas tomadas de decisão na Instituição 3. Adotar medidas para avaliação e controle da qualidade do ar nos ambientes climatizados. 4. Promover atividades de integração e de qualidade de vida no local de trabalho, tais como atividades desportivas, ginástica laboral, etc; 5. Realizar campanhas, oficinas, palestras e exposições de sensibilização das práticas sustentáveis para os servidores com divulgação por meio da intranet, cartazes, etiquetas e informativos; e 6. Produzir informativos referentes a temas socioambientais, experiências bem-sucedidas e progressos alcançados pela instituição. 7. Investir na capacitação de pessoal para melhor desempenho das atividades meio e fim do Instituto. 16

17 PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO INSA COMPRAS E CONTRATAÇÕES SUSTENTÁVEIS Neste tópico, há necessidade de adoção de medidas urgentes para racionalização do uso de alguns itens, principalmente papel, copos descartáveis e cartuchos para impressão. Atualmente já está sendo levada em conta a aquisição de papel reciclado, na ordem de 50%. Além disso, outras medidas adotadas para economia de papel e tonner são: Imprimir apenas se necessário e programar a impressão de documentos no modo frente e verso; revisar os documentos antes de imprimir; controlar o consumo de papel para impressão e cópias; manter impressoras próprias apenas em locais estratégicos, e contratação de serviço máquinas copiadoras para uso geral, evitando compras e estoque desnecessário de tonner e cartuchos de impressão; reaproveitar o papel impresso em apenas um lado para a confecção de blocos de rascunho, e realizar campanhas de sensibilização para redução do consumo de papel. O outro item que merece atenção é a redução do uso de copos plásticos descartáveis, com incentivo do uso por servidores e colaboradores de copos produzidos com materiais que propiciem a reutilização, a exemplo de canecas de porcelana, com vistas a minimizar impactos ambientais adversos, ficando copos descartáveis para serem utilizados apenas por ocasião dos eventos e por visitantes. Com relação aos demais itens, o Guia Prático de Licitações Sustentáveis, disponibilizado pela AGU já está sendo consultado para nortear novas aquisições. 6 DESLOCAMENTO DE PESSOAL, CONSIDERANDO TODOS OS MEIOS DE TRANSPORTE, COM FOCO NA REDUÇÃO DE GASTOS E DE EMISSÕES DE SUBSTÂNCIAS POLUENTES Em relação à utilização dos veículos, o INSA preocupado com a otimização dos recursos utilizados realiza um controle estratégico de sua frota por meio do software controle de veículos, que fornece relatórios detalhados sobre o custo mensal de cada carro de sua frota. Com base nisso, adotaram-se algumas medidas economicamente sustentáveis: - Horário e itinerário previamente determinados para utilização dos veículos; - Utilização, no dia a dia, dos veículos mais econômicos; - Processo de licitação para aluguel de veículos para transporte de servidores em área rural, o que proporcionou uma economia no custo da manutenção dos veículos do Instituto; - Substituição de veículos com quilometragem avançada e alto custo de manutenção; 17

18 - Abastecimento por meio de guia de autorização para um maior acompanhamento e fiscalização da utilização do combustível. 7 PROJETOS DE SUSTENTABILIDADE Águas pluviais. Estão em curso no INSA, projetos que visam à captação, armazenamento e uso de águas pluviais, o que permitirá uma redução acentuada nas despesas relacionadas à compra de água tratada. Também se pretende implantar sistema de captação da água proveniente de ares-condicionados, para uso não potável. Laboratórios em construção. Dimensionamento adequado da quantidade de lâmpadas a serem instaladas; previsão de aproveitamento da água proveniente dos destiladores a serem instalados; descarte adequado dos produtos químicos e resíduos (líquidos e sólidos) utilizados/oriundos dos laboratórios. 8 CONSIDERAÇÕES FINAIS Todos esses procedimentos e ações contidos no PGLS não serão possíveis de serem implantados se não houver o comprometimento e o efetivo envolvimento de todos os setores e atores da instituição. Este Plano é o primeiro esboço para que futuras ações sejam mais bem estruturadas e precisam ficar estabelecidos quais setores se responsabilizarão por cada um dos eixos de atuação, o que garantirá o sucesso na implantação das mudanças propostas. Para tanto, é importante definir uma política ambiental e estratégias para a instituição. A publicação de um manual com normas e procedimentos a serem adotados visando à conscientização e melhor utilização dos recursos, principalmente, água, energia, telefone e impressoras é uma das metas a serem alcançadas. Por fim, divulgar os resultados positivos e negativos alcançados, como maneira de incentivar novas adesões, tendo em vista os benefícios obtidos. Esta divulgação poderá ser feita por meio da intranet, informativos de divulgação interna, murais, cartazes, reuniões comemorativas, entre outros. 18

19 PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO INSA

20

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Guarapuava PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável UTFPR - Câmpus

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA EXECUTIVA PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015 RESULTADOS SEMESTRAIS Brasília Agosto de 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 MONITORAMENTO... 3 3

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Práticas de sustentabilidade Ações que tenham como objetivo a construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção de critérios de sustentabilidade

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque ALIMENTAÇÃO RESÍDUOS MATERIAIS ENERGIA ÁGUA TRANSPORTE BIODIVERSIDADE AGENDA AMBIENTAL Escola Parque AÇÕES SOLIDÁRIAS EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE \ ENTORNO EXTERI\\OR ENRAIZAMENTO PEDAGÓGICO ENRAIZAMENTO

Leia mais

Uao bioma Caatinga tem incentivado atitudes

Uao bioma Caatinga tem incentivado atitudes Projeto de Educação Ambiental incentiva atitudes sustentáveis em escolas públicas O projeto Ensaio Ambiental tem como lema Práticas ecológicas, defesa da biodiversidade e construção da cidadania e este

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170 PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE Endereço CAIS DO APOLO, Nº 925, BAIRRO DO RECIFE Cidade RECIFE UF PE Nome do Responsável MARCELO AUGUSTO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável Rodovia CE 292, KM 15, Gisélia Pinheiro - CEP 63.115-500 - Crato - Ceará Fone (88) 3586 8100 1. Introdução

Leia mais

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012. Estabelece regras para elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentável de que trata o art.

Leia mais

Começa por você! Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade?

Começa por você! Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade? Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade? CAMPANHA DE QUEM É A RESPONSABILIDADE? Início da Campanha outubro de 2009 Objetivo: Implementar a A3P e incentivar os servidores para adoção

Leia mais

Agenda Ambiental na Administração Pública

Agenda Ambiental na Administração Pública Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Cidadania e Responsabilidade Ambiental DCRS Agenda Ambiental na Administração Pública Um novo

Leia mais

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Comissão de Sustentabilidade Campus Verde Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas/MG - CEP 37.130-000 Fone (35) 3299-1062 http://www.unifal-mg.edu.br/sustentabilidade

Leia mais

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS:

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS: Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE Plano de Metas EP+20 +5 O O que diz a AGENDA AMBIENTAL ÁGUA Reaproveitamento de águas de chuva Tratamento de águas cinzas Fitodepuração do Rio Rainha 1.

Leia mais

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Jhéssica Cardoso Brasília, 5 de fevereiro de 2015 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Elaborando Planos de Gestão de Logística Sustentável

Leia mais

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO COORDENAÇÃO DE RECURSOS LOGÍSTICOS Paulo César Lopes Barsi Comissão de Elaboração do Plano de Logística Sustentável (PLS) Carlos Henrique Feitosa Soares Fábio

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso da competência que lhe foi conferida pelo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( X ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( X ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( X ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL. Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável. Brasília/DF, setembro de 2013.

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL. Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável. Brasília/DF, setembro de 2013. PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável Brasília/DF, setembro de 2013. SUMÁRIO 1. Introdução...01 2. Objetivos...02 3. Implantação e Avaliação...02

Leia mais

PLANO DE GESTÃO E DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE AÇÃO 2015 OBJETIVOS AÇÕES RESPONSÁVEIS CRONOGRAMA INDICADORES META 2015 RECURSOS

PLANO DE GESTÃO E DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE AÇÃO 2015 OBJETIVOS AÇÕES RESPONSÁVEIS CRONOGRAMA INDICADORES META 2015 RECURSOS MACROÁREA: ENERGIA Prover maior eficiência às Instalações elétricas gerais Prover maior eficiência na organização da manutenção Estimular boas práticas sustentáveis sobre energia elétrica Prover maior

Leia mais

Sustentabilidade na Administração Pública

Sustentabilidade na Administração Pública Sustentabilidade na Administração Pública B823s Biblioteca/CODIN/CGPLA/DIPLA/MP Bibliotecária Cristine C. Marcial Pinheiro CRB1-1159 Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O E. M. E. F. P R O F ª. D I R C E B O E M E R G U E D E S D E A Z E V E D O P

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente.

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente. Implementar ações voltadas ao uso racional de recursos sustentabilidade naturais para promover a ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal. A Esplanada terá metas de racionalização do

Leia mais

Planos de Logística Sustentáveis (manhã)

Planos de Logística Sustentáveis (manhã) Planos de Logística Sustentáveis (manhã) Brasília, 17 de junho de 2015 Conteúdo Programático: Planos de Logística Sustentável: conceitos Conteúdo Mínimo Temas e Planos de Ação para PLS Etapas de elaboração

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior Apresentação: Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Órgão integrante da Justiça Eleitoral O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior eleitorado do país (11.563.483 eleitores) 249 Cartórios Eleitorais

Leia mais

COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA

COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA O órgão público federal que aderiu ao Projeto Esplanada Sustentável PES, será considerado sustentável no tema Coleta Seletiva Solidária (Decreto 5.940/06), se alcançar 90% das

Leia mais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS Departamento de Logística e Serviços Gerais ÍNDICE PREPARAÇÃO... 3 A) IDENTIFICAÇÃO DA COMISSÃO GESTORA... 4 B) INSTITUIR POR

Leia mais

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos 147 Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos VIABILIDADE DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA NO IFPB CAMPUS PRINCESA ISABEL: CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Queliane Alves da Silva 1 ; Ana Lígia

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SUSTENTABILIDADE. Instituto Reinventar

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SUSTENTABILIDADE. Instituto Reinventar RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SUSTENTABILIDADE Instituto Reinventar Julho/2012 Apresentamos o Relatório do Nível de Sustentabilidade da Festa Junina da Escola da Vila 2012, evento realizado em junho

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P. Cidade UF CEP DDD/Telefone

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P. Cidade UF CEP DDD/Telefone PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão CNPJ/MF Endereço Cidade UF CEP DDD/Telefone Nome do Responsável CPF CI/Órgão Exp. Endereço CEP 2. DESCRIÇÃO DO PROJETO Título do Projeto

Leia mais

Diálogos do PES. Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT

Diálogos do PES. Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT Diálogos do PES Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT Cenário Histórico 2009 AGENDA SOCIOAMBIENTAL (REUNIÃO DAS AÇÕES EXISTENTES) 2010 CRIAÇÃO PROGRAMA VIVER DIREITO META 6 DO PODER

Leia mais

Relatório Final Aprovado ad referendum da Comissão Organizadora Municipal (COM)

Relatório Final Aprovado ad referendum da Comissão Organizadora Municipal (COM) Relatório Final Aprovado ad referendum da Piancó - PB Agosto de 2013 Relatório Final 1ª Conferência Municipal do Meio Ambiente de Piancó Por um futuro melhor, vamos cuidar de Piancó. (José Willame Vitor

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

Diretoria de Projetos Socioambientais

Diretoria de Projetos Socioambientais Objetivo Diretoria de Projetos Socioambientais Objetivo do Projeto Ecoeventus Projeto Ecoeventus é o alicerce de um Programa de Educação Ambiental Formal adotado com intuito de mobilizar participantes

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos

Leia mais

Ciclo Verde 2012 Projeto Escola Sustentável não é conversa, é Atitude.

Ciclo Verde 2012 Projeto Escola Sustentável não é conversa, é Atitude. Ciclo Verde 2012 Projeto Escola Sustentável não é conversa, é Atitude. 1 Ciclo Verde 2012 Projeto Escola Sustentável não é conversa, é Atitude. Local onde o projeto será instalado/executado: Escola Municipal

Leia mais

S O C I O A M B I E N TA L

S O C I O A M B I E N TA L Apresentação Todas as ações desenvolvidas pelo Banrisul estão comprometidas em preservar o meio ambiente, seja no momento de realizar um contrato de financiamento agrícola, investimento em projeto, seja

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD Institui e regulamenta o Programa de Uso Racional de Água e Energia Elétrica no âmbito da UFCSPA. O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Vice-presidente da República José Alencar Gomes da Silva

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Vice-presidente da República José Alencar Gomes da Silva Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Vice-presidente da República José Alencar Gomes da Silva Ministro de Estado do Meio Ambiente Carlos Minc Secretária Executiva Izabella Monica Vieira Teixeira

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

Plano de Logística Sustentável Observatório Nacional

Plano de Logística Sustentável Observatório Nacional Plano de Logística Sustentável Observatório Nacional Rio de Janeiro Maio 2013 Plano de Logística Sustentável Observatório Nacional Plano de Gestão de Logística Sustentável Apresentado à Direção do Observatório

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS PROGRAMA Nº 04/2012 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

Projeto Barro Preto em Ação

Projeto Barro Preto em Ação Projeto Barro Preto em Ação Mirian de Sousa SILVA 1 ; André Luis RIBEIRO 2 ; 1ªTurma de Meio Ambiente 3 1 Professora orientadora do Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) Bambuí/Extensão Oliveira-MG. 2

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Programa de Gestão Ambiental da PGR PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Brasília, abril de 2007 Considerações Gerais Finalmente a questão ambiental

Leia mais

Planos de Logística Sustentáveis (tarde)

Planos de Logística Sustentáveis (tarde) Planos de Logística Sustentáveis (tarde) Brasília, 17 de junho de 2015 MINISTÉRIO DO Estrutura PLANEJAMENTO de um PLS 1.1.Informações Básicas 1.2.Apresentação 1.4.1.1.1.Geral 1.Identificação 1.4.1.1.Objetivos

Leia mais

Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA

Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Município de Natal Área 170,298

Leia mais

Elaboração de Plano de Logística Sustentável: a experiência do Ministério do Meio Ambiente

Elaboração de Plano de Logística Sustentável: a experiência do Ministério do Meio Ambiente Elaboração de Plano de Logística Sustentável: a experiência do Ministério do Meio Ambiente Fernanda Capdeville & Thiago Uehara Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis Secretaria de Articulação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: CONSUMO DE ÁGUA

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: CONSUMO DE ÁGUA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. Unifal-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas/MG CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 Curso: Ciências Biológicas Bacharelado

Leia mais

O que é o Programa Reciclando Atitudes?

O que é o Programa Reciclando Atitudes? O que é o Programa Reciclando Atitudes? É um programa que visa despertar a reflexão da sociedade para a gestão adequada dos resíduos sólidos, através de ações socioambientais de sensibilização, formação,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

PROGRAMA AGENDA TJPA SOCIOAMBIENTAL

PROGRAMA AGENDA TJPA SOCIOAMBIENTAL PROGRAMA AGENDA TJPA SOCIOAMBIENTAL PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Excelentíssima Senhora Desembargadora Presidente do Tribunal de Justiça do Estado: Submetemos à apreciação de Vossa Excelência

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS CABRAL, Mayara da Nóbrega CHAVES, Antônio Marcos Maia CHAVES, Maria Emília Tiburtino JALES, Silvana Teresa Lacerda MEDEIROS, Leanio Eudes

Leia mais

Laboratório Nacional de Computação Científica Ações de Sustentabilidade

Laboratório Nacional de Computação Científica Ações de Sustentabilidade Laboratório Nacional de Computação Científica Ações de Sustentabilidade PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS LNCC 2013 Petrópolis, 05 de agosto de 2013 Pedro Leite da Silva Dias Diretor Alexandre Grosjgold

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Responsabilidade Socioambiental A Fecomércio-RS busca a sustentabilidade e o compromisso socioambiental das partes interessadas, por meio da melhoria contínua de serviços, processos e instalações, a partir

Leia mais

Diretoria de Gestão Assessoria Especial. Plano de Gestão de Logística Sustentável 2013

Diretoria de Gestão Assessoria Especial. Plano de Gestão de Logística Sustentável 2013 Diretoria de Gestão Assessoria Especial Plano de Gestão de Logística Sustentável 2013 Aprovado pela Comissão Gestora em 04 de abril de 2013 Aprovado pela DICOL em 17 de abril de 2013 Rio de Janeiro, 18

Leia mais

SELEÇÃO DE PROJETOS. Feiras de Economia Solidária no Brasil. Brasília/DF, Maio de 2009 SENAES/MTE - UBEE/IMS N. 01/2009

SELEÇÃO DE PROJETOS. Feiras de Economia Solidária no Brasil. Brasília/DF, Maio de 2009 SENAES/MTE - UBEE/IMS N. 01/2009 SELEÇÃO DE PROJETOS Feiras de Economia Solidária no Brasil Brasília/DF, Maio de 2009 SELEÇÃO DE PROJETOS FEIRAS INTERNACIONAIS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA - UBEE/IMS N. 01/2009 1. APRESENTAÇÃO A União Brasileira

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

Data do início da implementação da experiência: fevereiro de 1997

Data do início da implementação da experiência: fevereiro de 1997 Experiência: PROJETO DE RECICLAGEM DE PAPEL DE ESCRITÓRIO Ministério da Previdência e Assistência Social INSS/Superintendência Estadual em São Paulo Coordenação de Recursos Humanos Responsável: Marli Penteado

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL REGIMENTO INTERNO A Comissão Institucional de Gestão Ambiental CIGA, do Ministério Público

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO CAPA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo,

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE 14/03/2014 Jonas Age Saide Schwartzman Eng. Ambiental Instituições Afiliadas SPDM SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina OSS

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Ações de Ecoeficiência na Caixa

Ações de Ecoeficiência na Caixa Ações de Ecoeficiência na Caixa Marcos Históricos 2003 Adesão ao Pacto Global 2004 Aprovada Política Ambiental CAIXA 2005: Instalação do Comitê de Política Ambiental; 2007 Criação das GN Meio Ambiente

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 Dispõe sobre práticas e critérios destinados a defesa do meio ambiente e promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações de bens, serviços e obras, no âmbito

Leia mais

ESCOLA SENAI MARIO AMATO EQUIPE DE QUALIDADE AMBIENTAL PROGRAMA AMBIENTAL 4: CONTROLE E REDUÇÃO DO USO DE RECURSOS NATURAIS

ESCOLA SENAI MARIO AMATO EQUIPE DE QUALIDADE AMBIENTAL PROGRAMA AMBIENTAL 4: CONTROLE E REDUÇÃO DO USO DE RECURSOS NATURAIS ESCOLA SENAI MARIO AMATO EQUIPE DE QUALIDADE AMBIENTAL PROGRAMA AMBIENTAL 4: CONTROLE E REDUÇÃO DO USO DE RECURSOS NATURAIS Resultados do Subprograma PR 04.30: Redução do Consumo de Papel 2010 São Bernardo

Leia mais

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA SALVADOR 2012 GOVERNADOR Jaques Wagner VICE-GOVERNADOR Otto Alencar SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Osvaldo Barreto Filho SUB-SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Aderbal de Castro Meira Filho

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB 203 Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB Tarcísio Valério da Costa Universidade Federal da Paraíba/Pró

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental.

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental. PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados e Setores da Sociedade. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA DA 4ª REGIÃO PORTARIA PRR4 N.º 054, DE 03 DE JUNHO DE 2011.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA DA 4ª REGIÃO PORTARIA PRR4 N.º 054, DE 03 DE JUNHO DE 2011. PORTARIA PRR4 N.º 054, DE 03 DE JUNHO DE 2011. Institui o Programa de Gestão Ambiental e Sustentabilidade e cria a Comissão de Gestão Ambiental e Sustentabilidade no âmbito da Procuradoria Regional da

Leia mais

Presidenta da República Dilma Roussef. Vice-presidente da República Michel Temer. Ministra do Meio Ambiente Isabella Teixeira

Presidenta da República Dilma Roussef. Vice-presidente da República Michel Temer. Ministra do Meio Ambiente Isabella Teixeira 3º Edição Presidenta da República Dilma Roussef Vice-presidente da República Michel Temer Ministra do Meio Ambiente Isabella Teixeira Secretária de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental Regina

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares Faculdade de ciências e tecnologia do maranhão-facema Caxias/MA pedroftb@hotmail.com.br/coor.educacaoambiental@facema.edu.br

Leia mais

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA 1 Resultados da IV Conferência Municipal do Meio Ambiente de São Paulo, 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2013. Reelaboração Participativa do Plano de Gestão de Resíduos Sólidos - PGIRS / SP - texto

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS PROPOSTAS PARA REELABORAÇÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Texto de referência TEMA GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS 1 O processo de preparação

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais