COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO SÃO THOMÉ, MUNICÍPIOS DE ALFENAS, SERRANIA E MACHADO (MG)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO SÃO THOMÉ, MUNICÍPIOS DE ALFENAS, SERRANIA E MACHADO (MG)"

Transcrição

1 209 COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO SÃO THOMÉ, MUNICÍPIOS DE ALFENAS, SERRANIA E MACHADO (MG) Emmanuelle Rodrigues de Nazareth 1 ; Marta Felícia Marujo Ferreira. 2 (1) Geógrafa, Universidade Federal de Alfenas Unifal-MG (2) Professor associado do curso de Geografia, Universidade Federal de Alfenas Unifal-MG ²) 1. INTRODUÇÃO Para a ciência geomorfológica, é essencial a compreensão de que a formação e a evolução da superfície terrestre resultam de fatores endógenos e exógenos, capazes de modificar a crosta terrestre ao longo dos períodos históricos e geológicos. A evolução da paisagem é cenário para estudos da geomorfologia, sendo que ao longo dos anos, várias pesquisas foram executadas sobre os processos que determinam a gênese e regem a formação das feições do relevo (SUMMERFIELD, 1991; SIQUEIRA e RIBEIRO, 2007). Sendo assim, o presente trabalho teve como finalidade realizar estudo geomorfológico na bacia hidrográfica do rio São Thomé, que integra os municípios de Alfenas, Serrania e Machado (MG), utilizando metodologias da geomorfologia. A compartimentação do relevo foi efetuada com base em estudos desenvolvidos por Pires Neto (1991), e o entendimento do condicionamento da rede de drenagem à estruturação geológica regional, foi realizado por meio da análise dos padrões e anomalias da drenagem fundamentada em Howard (1967). Este estudo justifica-se pela constatação do uso desordenado e pela degradação dos recursos naturais dos territórios da

2 bacia do rio São Thomé, sobretudo a partir de atividades intensas, vinculadas a exploração do granito, uso indevido de contaminantes pela agricultura, pela presença de feições erosivas nas encostas e pelo assoreamento de pequenos canais de 1ª e 2ª ordem. Como consequência, as vazões dos fluxos de água se alteram, além da redução da qualidade das águas OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS O objetivo geral deste trabalho foi contribuir para o conhecimento da geomorfologia de um trecho da região sul de Minas Gerais, tendo como objeto de análise a bacia hidrográfica do rio São Thomé. Como específicos teve a finalidade de espacializar e cartografar informações geográficas e geomorfológicas a partir da elaboração de mapas temáticos. 3. MATERIAIS E MÉTODOS Os materiais cartográficos disponíveis sobre a área de estudo se constituem de cartas topográficas nas escalas 1: na folha de Campestre e carta geológica 1: de Varginha. A área estudada localiza-se no Planalto Sul de Minas Gerais com intervalos de classes altimétricas que variam de 700 a 1300m (Figura 1). Incluise no Planalto de Varginha constituído de relevos de colinas associados a um conjunto de relevos de morros e montanhas. Figura 1: Área de estudo da bacia do rio São Thomé Serrania-MG Para o desenvolvimento da pesquisa, foi utilizado estudos de Pires Neto (1991), para a compartimentação do relevo, metodologias de Howard (1967) e

3 Soares e Fiori (1976) para avaliar o condicionamento da rede de drenagem à estruturação geológica regional e para a análise dos padrões e anomalias da drenagem. Foi realizada interpretação de fotografias aéreas na escala 1: para mapear feições do relevo e análise da drenagem, utilizando atributos como densidade de textura de drenagem; sinuosidade dos elementos de drenagem; angularidade, assimetria e formas anômalas RESULTADOS E DISCUSSÕES A compartimentação morfológica apresentada, revelou a presença de três compartimentos na bacia do rio São Thomé. Em cada compartimento, foram encontrados um conjunto de relevos com características morfométricas (amplitude e declividade) similares. Os tipos de relevos mapeados na bacia, se agrupam em formas de dissecação e formas de acumulação. As de dissecação, são representadas pelos Morros e Montanhas, Morros com encostas suaves, Morrotes, Colinas, Escarpas e Escarpas Dissecadas; e as formas de acumulação, representadas pelas Planícies do rio São Thomé. As escarpas contínuas e descontínuas, estão vinculadas às serras da Laranja Azeda e dos Alemães, além de depósitos coluvionares antigos em vertentes com declividades acentuadas, vinculadas aos relevos de Colinas, Morros e Montanhas e Morros com encostas suaves. Desenvolveu-se também, seções de perfis transversais dos trechos superior, médio e inferior da bacia. Resultados apontaram que, no trecho superior da bacia, há um conjunto de Morros associados a Montanhas que apresentam planícies estreitas e a ocorrência de pequenos alvéolos. Estes ocorrem isoladamente no compartimento I (Figura 2). Os alvéolos são feições que aparecem ao longo do rio principal, quando há a presença de soleira litológica. À montante desta soleira, ocorre um alargamento associado à área deposicional e, em seguida, a presença de trecho estreito para jusante. O controle estrutural de direção NW-SE condiciona a presença de anomalias de drenagem, tais como cotovelos, meandros isolados e comprimidos e áreas de iminência de capturas fluviais. No trecho médio (compartimento II), constatam-

4 se relevos de Colinas, Morrotes e Morros e a presença de planícies mais largas associadas a soleiras litológicas. O rio São Thomé, de direção geral NW-SE, recebe o córrego São José na margem direita e, entre às Serras da Laranja Azeda e dos Alemães, muda seu traçado para a direção NNW-SSW, desenvolvendo seu curso próximo ao sopé da Serra da Laranja Azeda. No trecho inferior (compartimento III), o predomínio de Colinas com vales amplos e planícies fluviais mais largas promovem a presença de meandros curtos e comprimidos exibidos pelo rio São Thomé CONCLUSÃO O presente trabalho revelou que a compartimentação morfológica adotada segundo a metodologia de Pires Neto (1991), mostrou-se eficiente. Os grandes traços do relevo mostram o predomínio de morros e montanhas, morros com encostas suaves e morrotes no setor a montante e médio da bacia. Para jusante, predominam colinas com amplitudes baixas e a presença de depósitos coluvionares decorrentes da Serra dos Alemães e da Laranja Azeda. Um conjunto de mapas temáticos (morfológico, padrões de drenagem, lineamentos e anomalias da rede de drenagem) desenvolvidos na bacia do rio São Thomé, revelou um forte controle lito-estrutural. O desenvolvimento de bacias de drenagem mostrou de uma forma geral, influências locais e regionais

5 impostas por vários fatores, principalmente litológicos, topográficos e tectônicos. Dentre estes, o fator tectônico apresentou-se como o mais provável no controle dos sistemas de drenagem da área de estudo da bacia. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 213 HOWARD, A.D. Drainage analysis in geologic interpretation: a summation. Bull. of. Amer. Assoc. of. Petr. Geol., v.51, p , NAZARETH, E. R. Estudo Geomorfológico da Bacia do Rio São Thomé, PIRES NETO, A.G. As abordagens sintético-histórica e analítico-dinâmica: uma proposição metodológica para a geomorfologia. Tese de Doutoramento, Departamento de Geografia-USP, 302p SIQUEIRA - RIBEIRO, M.C. Termocronologia e História denudacional da Serra do Mar e Implicações no controle deposicional da Bacia de Santos Tese (Doutorado em Geologia Regional) Programa de Pós-graduação em Geologia Regional, UNESP - Rio Claro SOARES, P. C. e FIORI, A. P. Lógica e sistemática na análise e interpretação de fotografias aéreas em geologia. Not. Geomorfológica, 16 (32):71-104, SOUSA-SILVA, K.; OLIVEIRA, D. Mapeamento de anomalias de drenagem: indícios de controle litológico e estrutural na bacia hidrográfica do Cotia, em Cotia SP, Brasil Quaternary and Environmental Geosciences (2009) 01(2):76-83 SUMMERFIELD, M.A. Global Geomorphology: An introduction to the study of landforms. New York, Longman Scientific & Technical, 537p., 1991.

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA DO RIBEIRÃO SÃO THOMÉ SERRANIA MG

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA DO RIBEIRÃO SÃO THOMÉ SERRANIA MG CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA DO RIBEIRÃO SÃO THOMÉ SERRANIA MG Emmanuelle Rodrigues de Nazareth 1 (manuh_rodriguess@hotmail.com); Marta Felícia Marujo Ferreira 2 (martafelicia@uol.com.br). (1)

Leia mais

9. Domínios de Dissecação

9. Domínios de Dissecação 9. Domínios de Dissecação Os domínios de dissecação correspondem a uma porção espacial na qual os processos erosivos e de dissecação do relevo são controlados por um nível de base dominante. Tem por objetivo

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL. MAPEAMENT GEMRFÓGIC N MUNICÍPI DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASI. Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br), João svaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br) Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 BAZZAN, T. ¹ ¹ Universidade Federal de Santa Maria, thiagobaz@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. ² ² Universidade

Leia mais

ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL

ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL Thiago BAZZAN 1 Vagner Paz MENGUE 2 Luís Eduardo de Souza ROBAINA 3 RESUMO Os estudos sobre a dinâmica do relevo em

Leia mais

EAD SR-II Geomorfologia. Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre. Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE

EAD SR-II Geomorfologia. Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre. Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE EAD SR-II - 2013 Geomorfologia Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE Relevo da Superfície Terrestre Caracteriza-se - elevações e depressões de diferentes

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ

MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ Dionara DE NARDIN 1 Luís Eduardo de Souza ROBAINA 2 RESUMO A problemática ambiental tornou-se evidente a

Leia mais

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/25.000 Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 1 Bolsista PIBIC/UEG 2 Orientador - Pesquisador 3 Curso de Geografia,

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E USO DE GEOTECNOLOGIAS NA CARTOGRAFIA DO ALTO SERTÃO SERGIPANO

GEOMORFOLOGIA E USO DE GEOTECNOLOGIAS NA CARTOGRAFIA DO ALTO SERTÃO SERGIPANO GEOMORFOLOGIA E USO DE GEOTECNOLOGIAS NA CARTOGRAFIA DO ALTO SERTÃO SERGIPANO Rosa Helena Almeida Leite Santos 1, José Antônio Pacheco de Almeida 2, José Batista Siqueira 3, Samiramisthais Souza Linhares

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR 17 Luiz Giovanni Bornia Acadêmico 4º Geografia - UEM luiz.bornia@cocamar.com.br Wérica Cardoso de Oliveira Acadêmica 1º Geografia - UEM wericaco@gmail.com

Leia mais

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro 1. (ENEM-2010) TEIXEIRA, W. et. al. (Orgs.) Decifrando a Terra. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009 O esquema mostra depósitos em que aparecem fósseis

Leia mais

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA DOS RIBEIRÕES LAPA/CANTAGALO IPEÚNA (SP)

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA DOS RIBEIRÕES LAPA/CANTAGALO IPEÚNA (SP) USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA DOS RIBEIRÕES LAPA/CANTAGALO IPEÚNA (SP) EDUARDO APARECIDO BONIFÁCIO COSTA 1 e MARTA FELÍCIA MARUJO FERREIRA 2 Eduardo_bonifacio88@hotmail.com, martafelicia@uol.com.br

Leia mais

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil.

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil. Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-16 GEOMORFOLOGIA DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP, BRASIL. RESUMO Melina Fushimi 1 João Osvaldo

Leia mais

O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ

O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ Silva, J.M.F. (UNICENTRO) ; Santos, L.J.C. (UFPR) RESUMO O presente artigo enfatiza o uso do sensoriamento

Leia mais

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari.

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari. 1 Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos Dourados na Bacia do Rio Araguari. José Arlindo Braga Neto 1 ; Ana Cláudia Bernardes Brito! ; Kathereyn Jéssica Rosa Fiordelice!

Leia mais

DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DO ASSOREAMENTO NO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE PETROLINA-PE E JUAZEIRO-BA.

DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DO ASSOREAMENTO NO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE PETROLINA-PE E JUAZEIRO-BA. DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DO ASSOREAMENTO NO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE PETROLINA-PE E JUAZEIRO-BA. Márcia Evangelista Sousa (UPE, discente); marah-sousa@hotmail.com Nilson Evangelista da Silva Santos Filho

Leia mais

PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS E ASPECTOS FÍSICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ATUBA: CURITIBA-PARANÁ

PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS E ASPECTOS FÍSICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ATUBA: CURITIBA-PARANÁ PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS E ASPECTOS FÍSICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ATUBA: CURITIBA-PARANÁ NUNES, F. G. 1 1- UFPR Pós Graduação em Geologia Ambiental. e-mail: fabrizia@ufpr.br RIBEIRO, N. C. 2 2-

Leia mais

Geologia: Histórico, conceitos, divisão e aplicação da Geologia CCTA/UACTA/UFCG. Geologia, geomorfologia, origem do Universo e da Terra.

Geologia: Histórico, conceitos, divisão e aplicação da Geologia CCTA/UACTA/UFCG. Geologia, geomorfologia, origem do Universo e da Terra. GERAL -AULA 1- Geologia: Histórico, conceitos, divisão e aplicação da Geologia Prof. Alexandre Paiva da Silva CCTA/UACTA/UFCG HISTÓRICO JAMES HUTTON (1726-1797) 1797) 2 THEORY of the EARTH; or an INVESTIGATION

Leia mais

MAPEAMENTO GEOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DE FUTURA RPPN (RESERVA PARTICULAR DO PATRIMÔNIO NATURAL) EM ITAARA/RS

MAPEAMENTO GEOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DE FUTURA RPPN (RESERVA PARTICULAR DO PATRIMÔNIO NATURAL) EM ITAARA/RS MAPEAMENTO GEOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DE FUTURA RPPN (RESERVA PARTICULAR DO PATRIMÔNIO NATURAL) EM ITAARA/RS Tanice Cristina Kormann taniceck@yahoo.com.br Luis Eduardo de Souza Robaina lesrobaina@yahoo.com.br

Leia mais

UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129

UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129 UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129 Formas de relevo Escarpa: encosta de planalto intensamente dissecada (erodida) Serra: Morros

Leia mais

O uso de ferramentas de geoprocessamento para a elaboração de mapeamento geomorfológico

O uso de ferramentas de geoprocessamento para a elaboração de mapeamento geomorfológico O uso de ferramentas de geoprocessamento para a elaboração de mapeamento geomorfológico Frota, K.C.P. (UERJ-FFP) ; Silva, D.S.V.M. (UERJ-FFP) ; Seabra, V.S. (UERJ-FFP) RESUMO Os estudos do relevo da superfície

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Prof.º Elves Alves

CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Prof.º Elves Alves CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br ERAS GEOLÓGICAS ERAS GEOLÓGICAS Cenozoica (Terciário e Quaternário): Dobramentos modernos: Alpes, Andes, Himalaia,

Leia mais

Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil

Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil Curso de Construção Civil Disciplina: Geologia em Engenharia Ano: 4to Professor: Dr. Silva Pereira Ginga (PhD)

Leia mais

Dinâmica de uma bacia hidrográfica

Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Início A água, na superfície terrestre, está em constante movimento, permitindo uma constante modelação da paisagem. Essa modelação

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês 1 Os exercícios deverão ser feitos no caderno. Leitura das págs. 91 e 93 do livro de Português

Leia mais

A CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOMÉTRICA E SUA EXTRAÇÃO POR SIG NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CARRO QUEIMADO - TRÊS LAGOAS/MS

A CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOMÉTRICA E SUA EXTRAÇÃO POR SIG NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CARRO QUEIMADO - TRÊS LAGOAS/MS A CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOMÉTRICA E SUA EXTRAÇÃO POR SIG NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CARRO QUEIMADO - TRÊS Braz, A.M.B. 1 ; águas, T.A. 2 ; Costa, K.C.P.C. 3 ; Senis, L.V.S. 4 ; Mirandola Garcia,

Leia mais

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro 1. Sobre a estrutura geológica e relevo brasileiro é correto afirmar que: a) a formação recente das estruturas geológicas

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

Decifrar as formas. Nesta aula, vamos acompanhar o trabalho

Decifrar as formas. Nesta aula, vamos acompanhar o trabalho A UU L AL A Decifrar as formas Nesta aula, vamos acompanhar o trabalho do geógrafo na interpretação das formas que as diferentes paisagens assumem. Vamos perceber que a crosta terrestre, ou litosfera,

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Morato de Carvalho, Thiago Latrubesse, Edgardo; Carvalho, Thiago. Geomorfologia do Estado

Leia mais

ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA

ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA 1. INTRODUÇÃO ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA Valdemir Antonio Rodrigues FCA Unesp Luis Alberto Bucci Instituto Florestal de São Paulo Danilo Simões Estudante de Pós Graduação Carlos Adolfo Bantel Engenheiro

Leia mais

GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo

GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo bruno7martins@gmail.com 1 Estrutura Geológica Bacias Sedimentares Acúmulo de sedimentos sobre os escudos Associadas a Combustíveis fósseis Rochas mais porosas, infiltração

Leia mais

A expansão urbana sobre o relevo do Município de Porto Alegre RS

A expansão urbana sobre o relevo do Município de Porto Alegre RS A expansão urbana sobre o relevo do Município de Porto Alegre RS Dias, T.S. (MESTRANDA DO POSGEA/UFRGS) ; Moura, N.S.V. (PROFESSORA DO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DA UFRGS) RESUMO Este estudo propõe uma

Leia mais

Kátia Canil IPT /

Kátia Canil IPT / Goiânia (GO), 03 a 06 de maio de 2001 Pag 1 METODOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DA CARTA DE RISCO DE EROSÃO DO MUNICÍPIO DE FRANCA, SP. Kátia Canil IPT / e.mail:canilkat@ipt.br RESUMO A ocorrência de processos

Leia mais

Módulo 3 Análise de Bacias de Drenagem

Módulo 3 Análise de Bacias de Drenagem Módulo 3 Análise de Bacias de Drenagem AULA1 Bacia de Drenagem: Limites e Importância Hierarquização de Rios em Bacias de Drenagem Perfil Longitudinal dos Rios Organização Espacial da Rede de Drenagem

Leia mais

Conceito de Relevo. Internas ou endógenas: constroem o relevo. Externas ou exógenas: desgastam, modificam e modelam o relevo.

Conceito de Relevo. Internas ou endógenas: constroem o relevo. Externas ou exógenas: desgastam, modificam e modelam o relevo. Conceito de Relevo Relevo pode ser definido o conjunto das desnivelações que ocorrem sobre a superfície terrestre e que formam o modelado do planeta. Os desnivelamentos da crosta terrestre resultam da

Leia mais

desenho. 02- Responda. às diferentes R.: R.: R.:

desenho. 02- Responda. às diferentes R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========== =========== ============ =========== =========== =========== =========== =========== =========== == 01-

Leia mais

ANÁLISE DOS PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DO MÉDIO DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-RJ.

ANÁLISE DOS PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DO MÉDIO DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-RJ. ANÁLISE DOS PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DO MÉDIO DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-RJ. ANGEL LOO 1 e CLIBSON ALVES DOS SANTOS 2 angeel.loo@hotmail.com, clibsonsantos@gmail.com 1 Estudante

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Cidadania e movimento. Aula 13. 2 Conteúdo Estrutura geológica e relevo. Habilidade Compreender a

Leia mais

Cartografia Temática

Cartografia Temática Cartografia Temática Os mapas temáticos podem ser gerados por intituições públicas e privadas, especializadas em mapeamento. Servem para auxiliar o poder público e empresas privadas na tomada de decisões,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE SUBDOMÍNIOS. Geografia 7º ANO ANO LETIVO 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO DE SUBDOMÍNIOS. Geografia 7º ANO ANO LETIVO 2015 / 2016 SUBDOMÍNIO: 1 A geografia e o território PLANIFICAÇÃO DE SUBDOMÍNIOS Geografia 7º ANO ANO LETIVO 2015 / 2016 DOMÍNIO: A TERRA: ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES 1. Compreender o objeto e o método da Geografia 1.1.

Leia mais

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado Projeto Geométrico de Rodovias Escolha do Traçado Objetivos (i) a delimitação dos locais convenientes para a passagem da rodovia, a partir da obtenção de informações básicas a respeito da geomorfologia

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA

ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA Definição de DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS: Pode ser compreendido como uma região que apresenta elementos naturais específicos que interagem resultando em uma determinada

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO GEOLÓGICA EM IMAGENS DE SENSORES REMOTOS

FOTOINTERPRETAÇÃO GEOLÓGICA EM IMAGENS DE SENSORES REMOTOS FOTOINTERPRETAÇÃO GEOLÓGICA EM IMAGENS DE SENSORES REMOTOS VISITE E CONHEÇA MEU BLOG WWW.GEOGRAFIADOBEM.BLOGSPOT.COM Dr. Stélio Soares Tavares Jr. www.geografiadobem.blogspot.com Introdução Esta apostila

Leia mais

Geografia. Estrutura Geológica do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Estrutura Geológica do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia Estrutura Geológica do Brasil Professor Luciano Teixeira Geografia ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL Formas de Relevo Montanhas Montanhas constituem grandes elevações da superfície, cujas altitudes

Leia mais

USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2

USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2 USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) 1 Bolsista PBIC/UEG; Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2 2 Orientador, Curso de Geografia, Unidade

Leia mais

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA

BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO BARBOSA Ângela Maria Soares * Carolina Santos Melo ** Laila da Silva Vieira *** Suely Regina Del Grossi **** RESUMO O presente artigo é o resultado de uma pesquisa que teve como objetivo mapear e caracterizar

Leia mais

GEOMORFOLOGIA. Conceitos básicos

GEOMORFOLOGIA. Conceitos básicos GEOMORFOLOGIA Conceitos básicos Geomorfologia Estudo das paisagens e sua evolução, resultante da competição entre processos de levantamento e rebaixamento da crosta Planícies, depressões, desfiladeiros

Leia mais

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Diálogo com os alunos. Análise e interpretação de fontes documentais (gráficos, mapas e imagens, fotografia, entre outras).

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Diálogo com os alunos. Análise e interpretação de fontes documentais (gráficos, mapas e imagens, fotografia, entre outras). ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS D. MIGUEL DE ALMEIDA DISCIPLINA: GEOGRAFIA ANO: 7º ANO 2013/2014 CONTEÚDOS A TERRA ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES Paisagens

Leia mais

Por que as paisagens possuem características únicas?

Por que as paisagens possuem características únicas? Por que as paisagens possuem características únicas? GEOGRAFIA 6 Anos Ensino Fundamental II Profª Bruna Andrade http://www.youtube.com/watch?v=yqt9pezurb0 Os elementos que compõe as paisagens são responsáveis

Leia mais

45 mm APLICAÇÃO DO RDE (ÍNDICE RELAÇÃO DECLIVIDADE-EXTENSÃO) NO CURSO PRINCIPAL DA BACIA DO RIO CLARO.

45 mm APLICAÇÃO DO RDE (ÍNDICE RELAÇÃO DECLIVIDADE-EXTENSÃO) NO CURSO PRINCIPAL DA BACIA DO RIO CLARO. APLICAÇÃO DO RDE (ÍNDICE RELAÇÃO DECLIVIDADE-EXTENSÃO) NO CURSO PRINCIPAL DA BACIA DO RIO CLARO. Carina Petsch 1 ; Jéssica Barion Monteiro 1 ; carinapetsch@gmail.com 1 - Universidade Estadual de Maringá;

Leia mais

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 CARTOGRAFIA DIGITAL COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA SUB-BACIA DO RIO COTINGUIBA(SE) LIMA, A. S. 1 ; SANTANA, L. B. 2 ; FONTES, A. L. 3 ; ALMEIDA, J. A. P. 4 RESUMO: Este artigo tem como objetivo

Leia mais

ANÁLISE MORFOESTRUTURAL NA BACIA DO RIO IPANEMA, REGIÃO DE SOROCABA SP

ANÁLISE MORFOESTRUTURAL NA BACIA DO RIO IPANEMA, REGIÃO DE SOROCABA SP ANÁLISE MORFOESTRUTURAL NA BACIA DO RIO IPANEMA, REGIÃO DE SOROCABA SP Prates de Souza, E. (UFSCAR - CAMPUS DE SOROCABA) ; Martins Arruda, E. (UFSCAR - CAMPUS DE SOROCABA) RESUMO O trabalho se baseia na

Leia mais

Mapeamento do risco de deslizamento de encostas na região da Serra do Mar no Estado do Rio de Janeiro

Mapeamento do risco de deslizamento de encostas na região da Serra do Mar no Estado do Rio de Janeiro Mapeamento do risco de deslizamento de encostas na região da Serra do Mar no Estado do Rio de Janeiro Supervisor: Gilvan Sampaio Vanessa Canavesi PCI CCST Engenheira Florestal Mestre em Ciências Florestais

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL - Abertura e aprovação do projeto do curso:

Leia mais

3 - Bacias Hidrográficas

3 - Bacias Hidrográficas 3 - Bacias Hidrográficas A bacia hidrográfica é uma região definida topograficamente, drenada por um curso d água ou um sistema interconectado por cursos d água tal qual toda vazão efluente seja descarregada

Leia mais

O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA

O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA O USO E OCUPAÇÃO DA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA, MG E OS REFLEXOS NA PERMEABILIDADE DO SOLO E NA RECARGA DA ZONA SATURADA FREÁTICA Autora: Ângela Maria Soares UFTM Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ

Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ DER-RJ Geógrafo Frank Gundim Assessora Especial de Planejamento do DER-RJ O uso inapropriado do meio ambiente aceleram e ampliam alguns processos. Por exemplo, as inundações são agravadas pelo desmatamento

Leia mais

Lista de Pontos para o Concurso de Professor Efetivo Edital 04

Lista de Pontos para o Concurso de Professor Efetivo Edital 04 Edital 04 DEPARTAMENTO DE DIREITO/CCSA MATÉRIA DE ENSINO: Filosofia do Direito e Hermenêutica. 1. O pensamento jurídico de Kant; 2. O pensamento jurídico de Hegel; 3. O pensamento jurídico de Bobbio; 4.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO CONCEITO DE DEPRESSÃO PERIFÉRICA APLICADO AO SEGUNDO PLANALTO PARANAENSE

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO CONCEITO DE DEPRESSÃO PERIFÉRICA APLICADO AO SEGUNDO PLANALTO PARANAENSE 243 CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO CONCEITO DE DEPRESSÃO PERIFÉRICA APLICADO AO SEGUNDO PLANALTO PARANAENSE Isonel Sandino Meneguzzo 1 RESUMO: O termo Depressão Periférica é comumente citado em atlas, livros

Leia mais

6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria.

6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria. HABILITAÇÃO: BACHARELADO 1ª Série 6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria. 6GEO054 CLIMATOLOGIA Bases teóricas da climatologia:

Leia mais

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA 1.0. Introdução O ciclo hidrológico, se considerado de maneira global, pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, uma vez que a quantidade total da água

Leia mais

10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS

10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS 10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS Módulo 1 O Quadro natural de O Relevo COMPETÊNCIAS A - Compreender as grandes características do relevo de

Leia mais

Geomorfologia MOVIMENTOS DE VERTENTE PREDOMÍNIO DA AÇÃO DA GRAVIDADE

Geomorfologia MOVIMENTOS DE VERTENTE PREDOMÍNIO DA AÇÃO DA GRAVIDADE Geomorfologia MOVIMENTOS DE VERTENTE PREDOMÍNIO DA AÇÃO DA GRAVIDADE MOVIMENTOS EM ZONAS DE VERTENTE Ilhas Selvagens - Madeira As zonas de vertente são locais de desnível da topografia terrestre. Podem

Leia mais

MAPEAMENTO DAS FEIÇÕES DE DISSECAÇÃO DO RELEVO DA FOLHA TOPOGRÁFICA DE SÃO PEDRO DO SUL-RS

MAPEAMENTO DAS FEIÇÕES DE DISSECAÇÃO DO RELEVO DA FOLHA TOPOGRÁFICA DE SÃO PEDRO DO SUL-RS Goiânia (GO), 03 a 06 de maio de 2001 Pag 1 MAPEAMENTO DAS FEIÇÕES DE DISSECAÇÃO DO RELEVO DA FOLHA TOPOGRÁFICA DE SÃO PEDRO DO SUL-RS RAFFAELLI, J.A(1); WERLANG, M.K.(2) (1) Licenciado em Geografia pela

Leia mais

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Roteiro Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Definição de termos e justificativa do estudo Hidrossedimentologia O que é? Por que estudar? Como pesquisar?

Leia mais

A GÊNESE DO RELEVO. GEOMORFOLOGIA (estudo do relevo) FORMAÇÃO DA TERRA (1) FORMAÇÃO DA TERRA (3) FORMAÇÃO DA TERRA (2) ORIGEM DO UNIVERSO

A GÊNESE DO RELEVO. GEOMORFOLOGIA (estudo do relevo) FORMAÇÃO DA TERRA (1) FORMAÇÃO DA TERRA (3) FORMAÇÃO DA TERRA (2) ORIGEM DO UNIVERSO GEOMORFOLOGIA (estudo do relevo) A GÊNESE DO RELEVO ORIGEM DO UNIVERSO Teoria do Big Bang. FORMAÇÃO DA TERRA (1) Resfriamento - de massa gasosa para líquido-pastosa. FORMAÇÃO DA TERRA (2) Formação da litosfera.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PAPEL DA DRENAGEM NA ELABORAÇÃO DE FEIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS NO MUNICÍPIO DE GOIANA - PE

AVALIAÇÃO DO PAPEL DA DRENAGEM NA ELABORAÇÃO DE FEIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS NO MUNICÍPIO DE GOIANA - PE Revista Brasileira de Geomorfologia - v. 10, nº 2 (2009) www.ugb.org.br AVALIAÇÃO DO PAPEL DA DRENAGEM NA ELABORAÇÃO DE FEIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS NO MUNICÍPIO DE GOIANA - PE Daniel Rodrigues de Lira Mestrando

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA CAVERNA RANCHO DAS TRÊS MENINAS, BOA VENTURA DE SÃO ROQUE (PR)

CARACTERIZAÇÃO DA CAVERNA RANCHO DAS TRÊS MENINAS, BOA VENTURA DE SÃO ROQUE (PR) CARACTERIZAÇÃO DA CAVERNA RANCHO DAS TRÊS MENINAS, BOA VENTURA DE SÃO ROQUE (PR) Edson Antonio de Lima E-mail: edsalima@hotmail.com Acadêmico de geografia- Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO)

Leia mais

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE Débora Barbosa da Silva 1 ; Neise Mare de Souza Alves 1 ; Aracy Losano Fontes 1 deborabarbs@ig.com.br Universidade

Leia mais

CAPÍTULO 7 SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AOS ESTUDOS GEOLÓGICOS

CAPÍTULO 7 SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AOS ESTUDOS GEOLÓGICOS INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 7 SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AOS ESTUDOS GEOLÓGICOS Fabio Moreira INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 7 S E N S O R I A M E NT O R E M O T O A P L I C A D O A O S

Leia mais

ANÁLISE DO RELEVO DA FLORESTA ESTADUAL EDMUNDO NAVARRO DE ANDRADE (RIO CLARO-SP) E CIRCUNVIZINHANÇAS: SUBSÍDIO PARA A AVALIAÇÃO DA ÁREA DE ENTORNO

ANÁLISE DO RELEVO DA FLORESTA ESTADUAL EDMUNDO NAVARRO DE ANDRADE (RIO CLARO-SP) E CIRCUNVIZINHANÇAS: SUBSÍDIO PARA A AVALIAÇÃO DA ÁREA DE ENTORNO ANÁLISE DO RELEVO DA FLORESTA ESTADUAL EDMUNDO NAVARRO DE ANDRADE (RIO CLARO-SP) E CIRCUNVIZINHANÇAS: SUBSÍDIO PARA A AVALIAÇÃO DA ÁREA DE ENTORNO MACHI, D.A. 1 1 Universidade Estadual de Campinas, IG/UNICAMP,

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Lucas Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Geografia Resultado / Rubrica

Leia mais

Mapeamento geoambiental da área interfluvial dos rios Ibicuí e Jaguari - São Vicente do Sul, RS 1

Mapeamento geoambiental da área interfluvial dos rios Ibicuí e Jaguari - São Vicente do Sul, RS 1 Mapeamento geoambiental da área interfluvial dos rios Ibicuí e Jaguari - São Vicente do Sul, RS 1 Elisabete Weber Reckziegel 2, Luís Eduardo de Souza Robaina 3 2 Laboratório de Geologia Ambiental (LAGEOLAM)/UFSM

Leia mais

ÁREAS DE RISCO AOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS NO MUNICÍPIO DE SANTOS, SP: ANÁLISE E INDICADORES DE VULNERABILIDADE RESUMO

ÁREAS DE RISCO AOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS NO MUNICÍPIO DE SANTOS, SP: ANÁLISE E INDICADORES DE VULNERABILIDADE RESUMO Kátia Canil Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo canilkat@ipt.br ÁREAS DE RISCO AOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS NO MUNICÍPIO DE SANTOS, SP: ANÁLISE E INDICADORES DE VULNERABILIDADE

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 10 CLASSIFICAÇÕES DO RELEVO BRASILEIRO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 10 CLASSIFICAÇÕES DO RELEVO BRASILEIRO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 10 CLASSIFICAÇÕES DO RELEVO BRASILEIRO Como pode cair no enem? (UFG) Analise os mapas a seguir. Os mapas apresentados destacam as unidades de relevo e as bacias hidrográficas

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS FORMAÇÕES FERRUGINOSAS DA BACIA DO RIO VERMELHO (GO)

DELIMITAÇÃO DAS FORMAÇÕES FERRUGINOSAS DA BACIA DO RIO VERMELHO (GO) DELIMITAÇÃO DAS FORMAÇÕES FERRUGINOSAS DA BACIA DO RIO VERMELHO (GO) Luiz Eduardo Giacomolli MACHADO Cláudia Valéria de LIMA (orientadora) Pedro Alves VIEIRA luizmachado.geo@gmail.com; claudlima@gmail.com;

Leia mais

Avaliação de perigos e riscos de inundação em Campos do Jordão (SP) aplicada à gestão local de risco de desastres

Avaliação de perigos e riscos de inundação em Campos do Jordão (SP) aplicada à gestão local de risco de desastres 16, 17 e 18 de setembro de 2014 São Paulo - SP Avaliação de perigos e riscos de inundação em Campos do Jordão (SP) aplicada à gestão local de risco de desastres Eduardo de Andrade; Paulo César Fernandes

Leia mais

Biologia Geral e Experimental

Biologia Geral e Experimental Biologia Geral e Experimental Biol. Geral Exper., 9(1):31-37 30.xii.2009 ANÁLISES MORFOMÉTRICAS EM ESTUDOS GEOMORFOLÓGICOS: A BACIA DO RIO CRIXÁS-MIRIM, ESTADO DE GOIÁS Thaís Moreira Alves 1 Thiago Morato

Leia mais

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2016

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2016 Disciplina: GEOGRAFIA Série/Ano: 1º ANO Professores: Carboni e Luis Otavio Objetivo: Proporcionar ao aluno a oportunidade de resgatar os conteúdos trabalhados durante o 1º semestre nos quais apresentou

Leia mais

UNIDADE: DATA: 27 / 11 / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF

UNIDADE: DATA: 27 / 11 / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 27 / / 205 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir. Dúvidas Mais Comuns GEO 11. Flipping Book.

Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir. Dúvidas Mais Comuns GEO 11. Flipping Book. Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir Dúvidas Mais Comuns GEO 11 Flipping Book http://netxplica.com DÚVIDAS MAIS COMUNS :: BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 http://netxplica.com 1. Ocupação antrópica

Leia mais

Zoneamento morfolitológico no Município de Manoel Viana-RS

Zoneamento morfolitológico no Município de Manoel Viana-RS 27 Zoneamento morfolitológico no Município de Manoel Viana-RS Morpholithologic zoning of the Manoel Viana Municipality-RS Luís Eduardo de Souza Robaina 1 Anderson Augusto Volpato Sccoti 2 Romario Trentin

Leia mais

NEOTECTÔNICA, SISMICIDADE NA BACIA DO PANTANAL E SUAS MUDANÇAS AMBIENTAIS

NEOTECTÔNICA, SISMICIDADE NA BACIA DO PANTANAL E SUAS MUDANÇAS AMBIENTAIS NEOTECTÔNICA, SISMICIDADE NA BACIA DO PANTANAL E SUAS MUDANÇAS AMBIENTAIS EDNA MARIA FACINCANI CPAq-UFMS Maio 2010 1. INTRODUÇÃO A Bacia do Pantanal é a maior bacia sedimentar interior ativa do Brasil,

Leia mais

A que horas, em Londrina, o representante recebeu o comunicado? Apresente o desenvolvimento dos cálculos.

A que horas, em Londrina, o representante recebeu o comunicado? Apresente o desenvolvimento dos cálculos. Dep. de Geografia e História - Disciplina: Geografia Professora: Letícia Carvalho TRABALHO DE RECUPERAÇÃO VALOR: 20 PONTOS 1º ano Integrado ENTREGAR NO DIA DA PROVA Questão 1 (Uel 2012) Às 16h30 em Pequim

Leia mais

Modelados e geografia.

Modelados e geografia. Modelados e geografia. O S modelados da Terra podem ser considerados como o assunto mais original da geomorfologia, ciência que parece dividida entre a-geografia e a geologia. A sua situação é tanto mais

Leia mais

ESTUDO DA AÇÃO DIFERENCIADA DO INTEMPERISMO NO SUL CAPIXABA: O EXEMPLO DOS MUNICÍPIOS DE MIMOSO DO SUL, VIANA E ANCHIETA JACOB, L. 1 FARIA, L. M.

ESTUDO DA AÇÃO DIFERENCIADA DO INTEMPERISMO NO SUL CAPIXABA: O EXEMPLO DOS MUNICÍPIOS DE MIMOSO DO SUL, VIANA E ANCHIETA JACOB, L. 1 FARIA, L. M. ESTUDO DA AÇÃO DIFERENCIADA DO INTEMPERISMO NO SUL CAPIXABA: O EXEMPLO DOS MUNICÍPIOS DE MIMOSO DO SUL, VIANA E ANCHIETA JACOB, L. 1 1 Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Av. Fernando Ferrari,

Leia mais

A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL)

A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL) I Seminário da Rede Incêndios-Solo e I Simpósio Ibero-Afro-Americano de Riscos 4 a 7 Nov 2015 A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL) Cláudio Henrique Reis Departamento

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATU, OESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATU, OESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATU, OESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DE NARDIN, D.¹ ¹ Universidade Federal de Santa Maria-dionaradenardin@mail.ufsm.br ROBAINA, L. E.

Leia mais

Avaliação da Ocupação do Solo da Bacia do rio Itiquira Pantanal Matogrossense, Mato Grosso, Brasil.

Avaliação da Ocupação do Solo da Bacia do rio Itiquira Pantanal Matogrossense, Mato Grosso, Brasil. Avaliação da Ocupação do Solo da Bacia do rio Itiquira Pantanal Matogrossense, Mato Grosso, Brasil. Chisato Oka-Fiori (1), Alberto Pio Fiori (2), Yociteru Hasui (3) (1) Depart. de Geografia, UFPR, 81531-990

Leia mais

ATIVIDADE ALUNO: 6º ANO TURMA: A/B/C/D E N S I N O F U N D A M E N T A L ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO

ATIVIDADE ALUNO: 6º ANO TURMA: A/B/C/D E N S I N O F U N D A M E N T A L ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO ATIVIDADE GEOGRAFIA Av. José Celso Claudio J. Camburi Tel.: (27) 33395-3000 ALUNO: 6º ANO TURMA: A/B/C/D DATA: E N S I N O F U N D A M E N T A L ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO - Conteúdos prioritários: Cap.

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DAS BRANQUINHAS, ARNEIROZ-CE

AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DAS BRANQUINHAS, ARNEIROZ-CE AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DAS BRANQUINHAS, ARNEIROZ-CE J. L. Fernandes 1 ; N. S. C. Izídio 2 ; M. M. Pereira 3 ; F. E. R. Oliveira 1 ; G. S. Silva 1

Leia mais

Quantidade de água no planeta

Quantidade de água no planeta HIDROGRAFIA Quantidade de água no planeta O Brasil possui: 10% da água superficial disponível para consumo no mundo. No Brasil a distribuição é desigual. - 70% na Amazônia - 27% no Centro-Sul - 3% no

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS VOÇOROCAS DA SERRA DA FORTALEZA EM CAMPOS GERAIS, SUL DE MINAS GERAIS

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS VOÇOROCAS DA SERRA DA FORTALEZA EM CAMPOS GERAIS, SUL DE MINAS GERAIS 87 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS VOÇOROCAS DA SERRA DA FORTALEZA EM CAMPOS GERAIS, SUL DE MINAS GERAIS Welder Junho Batista¹ Dr. Lineo Gaspar Júnior² ¹weldertiao@yahoo.com.br ²lineo.gaspar@unifal-mg.edu.br

Leia mais

CARTOGRAFIA GERAL. Por que o ser humano já na Pré-História construía estas representações?

CARTOGRAFIA GERAL. Por que o ser humano já na Pré-História construía estas representações? LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro Estagiários: Ricardo Kwiatkowski Silva / Carlos André Batista de Mello CARTOGRAFIA GERAL 1 CARTOGRAFIA: DEFINIÇÕES Por que

Leia mais

ENSINO MÉDIO Geografia

ENSINO MÉDIO Geografia ENSINO MÉDIO Geografia Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2016 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Bruno Data: / /2016 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Resultado / Rubrica

Leia mais

Geografia. Aula 01 EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL?

Geografia. Aula 01 EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? Geografia. Aula 01 Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? 1.1 Observe as imagens abaixo: O pior terremoto do Brasil derrubou 4 mil casas em João Câmara (RN), em 1996 Aécio vai à cidade onde terremoto deixou

Leia mais

ANALISE DE ANOMALIAS DE DRENAGEM NA ÁREA ABRANGIDA PELA CARTA TOPOGRÁFICA DE MAUÁ DA SERRA PR

ANALISE DE ANOMALIAS DE DRENAGEM NA ÁREA ABRANGIDA PELA CARTA TOPOGRÁFICA DE MAUÁ DA SERRA PR ANALISE DE ANOMALIAS DE DRENAGEM NA ÁREA ABRANGIDA PELA Bueno Vargas, K. 1 ; de Sordi, M.V. 2 ; Fortes, E. 3 ; Souza Jayme, N. 4 ; Prado Alves Junior, A. 5 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Email:karinevargasgeo@hotmail.com;

Leia mais

MAPEAMENTO DE ÁREAS SUSCETÍVEIS À EROSÃO NO MUNICÍPIO DE UBÁ-MG RESUMO

MAPEAMENTO DE ÁREAS SUSCETÍVEIS À EROSÃO NO MUNICÍPIO DE UBÁ-MG RESUMO 1 MAPEAMENTO DE ÁREAS SUSCETÍVEIS À EROSÃO NO MUNICÍPIO DE UBÁ-MG Clever Geraldo Coelho¹ Michelle de Sales Moreira Demolinari² Adelson Lemes Silva Júnior³ Fabrício Oliveira Ramos 4 Lucas Vallente Pires

Leia mais