CONVOCADOS TODOS OS PATRIOTAS PARA DS MANIFESTAÇÕES DO DIA 18 VOZ OPERARIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONVOCADOS TODOS OS PATRIOTAS PARA DS MANIFESTAÇÕES DO DIA 18 VOZ OPERARIA"

Transcrição

1 CONVOCADOS TODOS OS PATRIOTAS PARA DS MANIFESTAÇÕES DO DIA 18 VOZ OPERARIA.> f -«i -> O -» COM.ENTARIO NACIONAL Aprofundr o Dsmscrmnto Crátr d Gurr Trição Govrno Fudl-Burguês d Vrgs[ 05 Nsss is primir mts d govrno d Vrgs já s cumulrm d tl mo oh ft qu dnuncim m»u crstr d gurr trição ncionl qu o próprio Vrgs jâ não pss dsprcbid dcpção crscnt s srlorom populrs qu crditrm m.sus promsss dmgógics. Sn úllimo discurso é confissão dêst rconhcimnlo, um lnlliv d prolongr com novs promsss mi influênci sobr crls cmds povo, quc já não suportm mis crscnt rsti d vid, o umnto d miséri, d fom d oprssão. Ms o flo primordil qu s msss, inclusiv stors qu crditrm ind crditm n dmgogi vlho tirno inovist xigm soluçõs concrts sus pr problms mis imdit, sts soluçõs não lhs pod dr st govrno d ltifundiári lists, srviçis grnds cpit- imprilismo inqu. Miíi.o no, plo contr- poiftlc d Vrgs - polític d ltifundiári ds cpitlists, grn. polític d gurr subordinção o imprilismo complt nort-mricno -.grv sss continumnt problms s condiçõs gris d Por islêci. isso, s promsss d Vrgs povo! ncontrm rprcussão cd o vx sio mnor ds msss qu s rcbr, niom..«2 &U No?0 d«bi"r c»»to d vid s rr s condiçõs d trblho d xplorção clss oprári oprssão crscm s trblhrs ns promss fbrict d rprimir ctd. ofnsiv s tubrõs contr o novo lrcrd,!,r.!i!.,,,dk r " " " ss r tc:r.itr - & ^ «sssjs is 1, ll,h,. Prdçáo foitm plo Prti Comu- sts8-" C]W d Vr« clss prcição oprri qu mtrou s msss como o cmpo d mnobr ---u l-irin.«j luwno l o cmpo grnâs cpit ists d trt gurr imprilismo dl stors o qu sprm populrs qu contribuírm pr su ês Sri, onsidçrr ntrtnto, um rro, um rro bstnt grv, qu ft, por si msm, i srão suficints rlizr o dsmscrmnto p- novo (lidd, govrno m profunpr gnhr s msss.nks qu ind tm ilusõs m pr s piçõs rvolucionáris pr s luts rè- 2JiMioj.r.is qu lvrão nso povo à indpndênci conquist d pz, JJ ncionl d dmocrci populr. Os ft mã»,w j so pns um Podro instrumnto s m comunists s militnts oprári Pjr ducr sclrcis s msss, pr orgnizá-ls rv»h,c "» s. gnhá-ls pr con,.«os ft são bs mtril d,ní, df? pr cn?2í grnds msss i«stz d orint- Mmi8t0 d DrÔblo».i"0 AS st<> lobl P»-» «solução ms rl s povo. É o «n qu já dvrti o Prti o inforpolítico Plno d Fvriro Comitê Ncionl: «O govrno d Gtúlio srá rpidmnt dsmscr nitorm diz o cmrd Diógns Arrud mnir s turm d não n isolrm s stors n tm populrs qu in- ilusõs n dmgogi gtulist, isto é, Ds s turm d lut diári ds msss siri, pl pz, por umnto d contr rsti, contr o umnto d luguéis d iifnj. P? bix rrndmnto,»»/", contr ssiduidd tc, qu dvi sr "> s o ponto d prtid pr mplir movimnt d msss». m^^^^êtm»mmmmmmmmmlm^m.^,^r^vxjxmj Em f rnt o lt.tmur.tti, às.«,30 hors, ntrg d mmoril protsto contr s rsoluçõs " gurrir colonizrs d Confrênci d Wshington As mulhrs jovns, clss oprári mnt o d povo crioc pz, xprimirão sob difrnts mnt mnirs rpuls su v- prprtiv d Trumn Gtulio drrmr sngu pr brsiliro n Coréi :. runião ENCEKUOI-SK gurr colonizção Wshington, ond continum n «tonvcrsnçõc bi-ltrnix-» dstinds pôr m prátic sus infms rsoluçõs. NcHsn confrênci, s coloni.is imprilismo qu hoj Hão us 20 nuçõs bloco grssivo lntinom<»ricno, sl.ii-iiii subordinção s govrno continnt monopnli à mquin d gurr inqus. Confirm-s, dss mo, tu o qu dissm nnt(».ipndmcnt sobr ss conclv. Á Confrênci d Wshinton fz prt pino grl imprilismo pr dsncdr gurr. Sus principis objtiv são d coordnr rtgurd nortmricn ssgurr fonts d mtéris prims pr.1 mquin dc gurr inqu. Sus rsoluçõs são ruins pr ns pov, qu pssm sr, litrlmnt, no snti conômico, político militr, colônis s Ests Unis. Esss rsoluçõs, n prtic, n colocm cm st d gurr. Estnd-s o "dcrt Brsil o st d mrgênci por Trumn n Ests Unis. RESOLUÇÕES DA CONFERÊNCIA Entr s rsoluçõs impôsts m Wshington «quislings hmisfério dstc-s formção «xrcito continntl» d 140 mil solds. Qu dsjm com isso Ests Unis? Os imprilists com isso vism runir trops d Amric Ltin pr grssão. Sob o rotulo d grntir ordm intrn continntl, ordm d fo-, m, d miséri d scrvizção o dólr, qurm Ests Unis contr, dsd gor, com um grnd forç suplmntr à dispição comn mricno, pr sr nvid pr qulqur prt. Isto.signific o nvio d ns juvntud pr morrr como g d cort n Coréi ou cm outr rgião m qu lutm pov pl su indpndênci b» str. ESCRAVIZAÇAO ECONÔMICA No trrno conômico, rsolvrm Ests Unis fzr ds mtéris prims stvtégics «fonts comuns s píss mricn». Qu signific isto? Isto implic n linção d sobrni s ns píss, à su frnt, o Brsil, m bnfício s Kxls Unis, âulco pís m condiçõs d xplorr riquzs minris hmisfério. <-o qu dizr qu ns Pátri, por xmpio, dix d psuir dirit ubsolut íobr su sub-solo sus mtéris prims. O qu lci runis m Whington, sob o rino d Ach- son, rsolvrm chmr d «Intrncionlizção-, qur dizr simplsmnt mricnizção. 0 qu ls chmm d livr csso» qur dizr x-. trtrritorilidd, isto é, o dirito qu tm minrs d fzr vlr su li dntro ds frontirs s píss qu lh são submiss. Dss mo, pod Stndrd dispnsr provção Esttuto ntrguist Ptrólo. Rockfllr, migo d Vrgs, pss sr no d nss 11- quzs minris. TERROR FASCISTA % Ms ão ficm f s rsoluçõs d Wshington. Ests tmbém s rfrm à «mnutncão d sgurnç íntrn?» s píss hmisfério. Qu vism rom isso imprilists? Vism, sob ss r-.zr p, um politic grssiv ind mis froz. Vism rforçr rção intrn, titulo d prsguição o comunismo pnhr m su rd t ptriots quc s opõm à colonizção Brsil, vism mntr ditdurs snguináris crátr ucrriro como s qu oprimm pov continnt, clrr mrch pr o fscismo, sob égid cpitl monopolist inqu. O «stilo d vid» inqu, com to o su cortjo d crims dgrdção, é ««..»..$ Impto nso pis srvi!» mnt cito por (Jtúlio-Jo Nvs. qi, sbcucm por complto ns sobrni. LACAIO-MÔR l>0 IMPERIALISMO N Confrênci d Wslun gton, o Brsil, rpi -ficiitd pl dlgs d Vrgs, fz o ppl d lcio-mór uo imprilismo, um infm ppl qu o povo brsiliro rpl, fil às sus trdiçõs d lut pl pz indpndn» ci. Sudn srvilmnt Tru- mn ou rspondn como ur cpcho d Ahson, dl-» gçâo d Vrgs prcu fp mo o grupo mis crdnci d provocrs d gurr d um bloco grssivo. Os dis. curs d João Nvs form discurs à mod hitlrist, como não s conhci m outrás confrêncis. João Nv fz s tqus U.Ps.S.S.., bss n invrsão s f» t, su tcl prdilt. Gtulio s dsmscr como um govrno d gurr «ímir;» ds librdds. í{ PROTESTOS PATRIÓTICOS E DE MASSAS Tor isso tu contr i rsoluçõs colonizrs gurrirs d Confrênci 1 «quislings» ltino-mricn. é qu s rgum m vigoro-: s protst pov h» misfrio, m prticulr o povo brsiliro. Ontm, m Montivi, rlizrm-s minfstçõs convocds pl prtidári d pz Urugui,, Ar -ntin, Brsil.- Prgui q J X Conclui n pg. 10 h l,sa^uvutj,j-»-y^ - 1 ÍJ UNIÃO E AÇÃO PARA ESMAGAR OS PLANOS DE GUERRA Li n 3. Págin b rtigo d JOÃO AMAZONAS } VJW^VJ^WjvJ, N. 99 Rio d Jniro, 14 d Abril d 1951 ANO III "i oi Hg uioui. J.HJ, ^_ «f-,., m Jt ur..um g." & 1

2 %. «n 4 2wfo$ mu rs uu. O f iutio K»t..d.«d O tu Noit tou por!,: voto «ntr 5 um rrsnluçn pct"; o Congrsso Tm» i««r Ird Imdit d» trops mricn d Curm ÍNDIA» Soviétic ofru RO mil tunrld d trigo m trtic d rnnhmo, fim d judnr o bstcimnto d po- I ilção hindu ssold pl fom. Por su v Chin Populr nviou à índi 50 mil ti-.ludiu d tirrox, rcbn m troc rtig d fbric- (io hindu. Knquno isto Kstdn Unis rcusm nvir suprimnt k índi, num bn dc iguldd co» nômic. INGLATKKRA O govrno trblhist pr- ntou o projto orçmn» to, no qul s dspss d rmn nto são lvds pr 1 bilhão 4ÍM) milhô. d librs. Aprsntn o orçmnto d ir oi».., o ministro d Fzr I, Cinitskll, confssou qu o povo britânico «-trá d pgr mis pl produt trá qu rduzir sou nivl d vid o citr o rcionmnto». FRANÇA N confrênci s vic-ministr xtrior s 4 grnds. qu s rli: m Pris, r União Soviétic voltou o inssistir n nrssidd d sr ftud rdução s rmmnt d.is ppf«ss li rpr- Snt, omo primiro psso pr cbr com tnsão n Çurop.» ARGENTINA Os» studnts cidd dc /tnsãrio rlizrm no cntro urbno um grhd dr-^-^s- ; trç.» ->tr s conclusõs d Confrênci s Chnclrs, ntrn m choqu com polici pronist q- dis -ou r^- forç.i mnifst.-irão, ftun divrss pi:- s. ü. R. S. S. Já stá son utilizd n j1 União.Soviétic nrgi so- n construção d um vsto sistm hidrlétrico. O Instituto d Ençvgi E\»tric d Acdmi d? Ciêncis d T"iSS constru, pr st fim, um quipmnto qu trnsform s rdiçõs solr m nrgi trmo-létric d outrs spécis. ITÁLIA ir Srá rlizd m Rom, nst mês, um Confrênci J Ncionl d Juvntud Itli- n. Já form fits confi rncis prprtóris m 55 J províncis, com prticipção d milhrs d jovns. A juvntud itlin, sob o rdim d gurr «Pcto Atlntico» Plno Mrshll ncontr-s dint d trrívis dificuldds: mio milhão d I jovns ncontrm-s dsmprgs, 65 por cnto s studnts bnnm s uls por flt d rcurs, nqunto morrm nulmnt n Itá- Ví 5 mil jovns tubrcul. «POLÍTICA MUNDIAL dfífcé I Dmissão k Mc Arthur A tlmlsáo... comndnt ti invsão nort-mricn n Cori», M Arthur. rvê» lou um séri iis no...jm impril.m, u msmo tm M qu dvm.i-u-.irou frs U qu 000 lrn.um., m nom s povo <in ONU, Foi o próprio Trumn qum o dmitiu, omo tinh «i Trumn o utor d su no» mco o rsponsávl dl» rto pl grssão sob u comn o povo corno. A cris cmpo impori» list m rlção h chfi d Iropns Ititrvcnclonlstns n Coréi dflgrou m con» quôncln d pro.nt fit brtmnt por M Arthur pr lstrr gurr o co» rção d Asl, invdin o trrltó rio continntl d Chi» n bombrdn imdi» tmnt provinci chins d Mndchúri. A dmissão d Mc Arthur «ignificrá ntio qu o im» prinlists inqu stão contr o lstrmnto d gurr? D form lgum. Su objtivo ó prcismnt <í-sso. como o prov o fto d rjitrm té st momnto tods s propts m fvor d um solução pcific conflito corno. Aliás, ts obstindmnt contr» ri às soluçõs pcifics ds qustõs Intrncionis foi cinicmnt dfndid,ilo chnclr mricno Achson n rcnt Confrênci s Chnclrs d Wshington, A AMERICA LATI- NA NÃO Ê UMA «RETAGUARDA TRANQÜILA» Apoir dft subsrviênci totl «Ins ci».».,-, minntri pincs Itttinu-mirirti, o imprilis- I nort-mricn já nâo ncontrm n Améric Ltin qul «rtgurd trnqüil» qu xibm pr o prsguimnto d u vnturi! gurrirs dc mincão mundil. Isto stá vidnt nw grnds mnifstçõs d rpuls à Confrênci d VVsliington c sus cors d gurr colonizção qu vém «dcsjivolvn m t píss ltinomricn. Durnt Confrênci, por xmplo, cntns d ptriots rgntin dsfilrm pls rus d Hn Airs, protstn contr runião d quislings qulmn bndir s EE.UU. m frnt à própri mbixd inqn; m Montvidéu clss oprári lnçou-s um grv grl d protsto cont». confrênci; no Chil, mnifstçõs populrs contr s impiçõs gurrirs d Trumn chgrm tl ltur, qu o lcio Vidln s viu obrig justifir» intrvnção mricn n ngóci Intrn povo chilno Assim, pov d Améric I.tin s põm m mrch contr gurr oprssão imprilist. Nsts luts constróm vr- (ldir «unidd continntl» unidd dc lut s ns povo contr o inimigo comum, o imprilismo inqu, pl pi, librtção ncionl dmocrci. Mis qu nunc 6 ncssári impri st nnidd, on cd ptriot d ns píss dv consolidr, n mis li»» solidrl»- dd is luts dc librtrão i povo» Irmã continnt. MC CARTHY SE ENGANA N dbts pr Inclusão d Espnh frnquist govrno d Bonn no Pcto d gurr Atântico, diss o cnibl Mc Crthy qu «é pr» ciso dstr s mã d Eisnhowr». qun o Scrtrio K. t Ksfmlo Uni combtu um pro-wst (» vorvl o stu ds solu çõs pcific pr o pro» blm d qu dpndm!.«/ ou gurr, impon u rjlçfto in quiílngs ltino-mricn. Assim, o fstmnto d M Arthur. ordnn por Trumn. dv n rlid» d o su complto vr» gonho frcsso no comnn» ds trop qu Invdirm Coréi. Emqunto inv» são dn piiiinuilu corn cminhv cor com pln d Wll Strt? Invsors s proximvm ds frontirs d Chin d Vniio Soviétic, Mc Arthur r um smidus, o homm providncil, o mior cbo dc gurr s Ests Uni» s. «Pod-s crditr qu um ulmpls dclr su tnh dtrmin ss r» virvolt? D form lgum. Nâo há duvid qu pro» pt por l fit ncrrv consqüêncis trmndmn» t grvs, té própri gurr mundil. El foi r» jitd como inoportun p» l govrnnts d Ingltr» r, Frnç. Austráli ou» tr píss nãi porqu sss govrnnts stjm contr xtnsão d gurr. ms.porqu pov ds» ss msm piss s opõm nrgicmnt à vntur imprilist dirigid pl A dclrção dix ind mis clro, com o cinismo tipico s fscists mricn, o crátr dss dcisão. Dint d crscnt rsistênci d clss oprári uropéi prprtiv d gurr d Wshington, Trumn Brdly procurm fzr d Espnh d Almnh Ocidntl clir d mrcnári pr grdir povo livrs. Os pov lmão spnhol. contr.t\ nào stão dispt srvir d crn d cnhão. As vigors grvs d Brclon s pujnts dmonstrçõs d juvntud mdriln,. p/o tsts populrs d xoficiis d Wchrmcht, qu s u-gum n prt d Almnh submtid o titr Adnur às trops imprilismo, são um prov d vontd d pz dsss pov. Não srá com um novo mis brutl scrificio d sngu d juvntud, s oprári cmponss d Espnh d Almãnh Ocidntl m lut pl dmocrti,».--o pl unidd s sus piss, qu Trumn Brdly dstrão s mã crniciro Eisnhowr pr su infm vntur militr. AS AÇÕES DE GUERRILHAS NA NA ESPANHA FRANQUISTA O bndi Frnco lnç mão d grup d fls gurrilhir qu tcm o squim cmponss, lnçn culp sobr vrddir gurrilhir o Ests Unis, r. imitm um Pcto d P > ru» sm morrr inglorimnt num gurr trust d Wll Strt. Assim, cris qu Irromp no cmpo Impriiilisl m rlção com gurr n Co» rl é motivd fundmn tnlmnt pl Impotênci s grssors dint d forçs cmpo d Pz no mun intiro. Ess Impo» tênln foi flgrntmnt rvld no pronrio solo co» rno, ond invsors, Imprilists nort»mrl» n sus cúmplics, mor» dm o pó d drrot irrm» diávl. Consquntmnt, o fstmnto d Mc Arthur é um vitori ds forçs qu dfndm Pz mundil. K um vitori s protst univrsis qu s Icvntn» rm contr msscrs prtics contr crinçs, vlh mulhrs d Coréi, contr ns solvurins sm nom xcutds pl nortmricn m cidds ldis corns, contr o squ d um pquno pis pl bndis imprilists. Aind rcntmnt Mc Ar» thur foi nominlmnt d» nunci prnt pov como crimino d gurr plo Congrsso Mundil s Prtidári d Pz é ss odi cnibl qu o imprilismo fst com um pontpé, omo um câo drdir gurrilhiro co» nhcr s «contr-portis» d bnlir orgnizds plo rgim frnquist. O povo tmbém s oonh, E contr ls lut dificultn cd vz mis su ngr missão. Rcntmnt, um bn d Gurd Civil conhci sob o nom d «Grupo Cornilljo» o qu vinh s dstocn por sus crims n provinci Grnd, ciu qu já nlo srvo onvnin. tmnt «ru mo. Ms nlo pudm lr q. s d qu o fstmnto ti Mc Arthur signlfiqut um tndênci á citção d solução pcific con filio corno pl Esimi Unis. A frnt d trop mricn n Coréi s n cuntrm outr monstr o crimino d gurr, omo o gnrl Ridgwy o lml. rnt Willlm Drppcr, nunin-s próxim nomção gnrl Vu Flt pr qul cmpo d btlh, o msmo crrsco povo grgo, o msmo rs Hmsvl plo msscr d Inocnts grg n gurr imund movid plo impo. rilismo inqu pl mi nção d Gréci. Assim, cb prtid» ri d Pz d nso pis continur s opor nrgi» mnt o nvio dc trops brsilir! pr Coréi, combtn ns infms r soluçõs d Tcmno Confrm l s Chnclrs, qu n ssocim às gurrs imp» rlllts s Ests Unis, xigin um solução pci» fic conflito qu dvst qul pfs qu mç pz mundil. crt d qu sm um lut ftiv, diári, cd vz mis dcisiv, con» tr gurr, pz ncrilit pod lvr-n tod humnidd á mis trrívl ds ctástrofs. om um mbcd prp» rd pl gurrilhir. O rsult combto foi o sguint: um cbo um gurd-civil morrrm qutro gurds grvmnt fris. Os gurrilhir vol» trm às sus bss sm sofrr bixs. E ssim qu lutm contr o rgim sn» guinrio Frnco br»? discípul d «Pssion» ri». VOZ OPERÁRIA Dirtor Rsponsávl WALDYRDUARTE Mtriz: Av. Rio Brnco, T ndr Sl 1712 SUCURSAIS SAO PAULO Ru s Estudnts, 84 sl 29 P. ALEGRE - Ru Richulo, 889 Bix RECIFE-- R d Plm, 295 Sl 205. E. Sl SALVADOR Ru Pdr Agtinho Goms 7. l.t ndr Sl 2 FORTALEZA R. Brão Rio Brnco, 1248, S. 2 JOÃO PESSOA Ru Silv Jrdim 689. ASSINATURAS Anu! Cr$ 30,00 Smstrl.-; s ir,,00 Trimstrl» 8,00 Numro Avulso» 0,50 Númro Atrs» 1,00 ESTE SEMANÁRIO Ê REIMPRESSO EM S. PAULO, RECIFE. PORTO ALEGRE, FORTALEZA E JOÃO PESSOA por su vz tcn s- ts d surprs. Ms o vr- Pág. 2 VOZ OPERARIA RÍO,

3 --. \-^Wwrfl?^r;?" <!- ^ ^mwrrmmttpm fmo sn Si A POSIÇÃO «DO GENERAL ESTILLAC Bli H»igrm mrrd pr K-idur. Uni» o gt> prmi Rsiitl. O umcr! Kmillr um chf militr qu ssumi»...j çtv» pi riol Irs m Mm» d nou lob-rnl. Por iruto foi rlrilo pr Prtddnl Cluh Militr. N»», lrlçio, rom o firm ji... d ««íirili.ld. dmocrátic, drrrotou o gul mrrirno Cordiro d Fri, m turno d ruj cndidtur ronurstiii fin flor cnlriitiumo d provocção frurr rrir. No iii progrm frnt Cluh Militr, o gnrl K.nllc incluiu d. í.» ds librdd, dfs d ni»»,,, riquxs minrirt mnifvliim.sr contr bomb tômic., Potiro dpois, iilrtlnlo. o gnrl K»lillsc rtilv o irco d mlnlslro d Kiirr d Gtullo. l l rum oh piors tiihrôf c liloiro» d nss sobrni, conto Joio Nvs, Lfr, Cloft, Jffl c Ci. Ah rii-drcô» d Gtúlio dpois d lito, o compromi«.«oh por êl ssumis com o imprilismo, nâo dixvm mrgm duvid». Ms o gnrl KMilIr concoru m fir prl d um govrno cujo progrm cuj tução prtic, nsss pouc mss d gtttão, outr cou nio rprsntm qu complt ngção progrm dfndi por ê» chf militr. Agor o gnrl Bstillc tá d mls rrumds fim d sguir pr oh Kxt» Uni, ond complt colonliçio d ns Pátri sld n Confrncir d Wshington. Kntr» principis rsoluçõs dss confrênci figurm ps bso lut d nss riquzs minris formção Exército Hmisrríco,,»r qul xigm inqus um ps tributo d sngu Brsil Com sss impiçõs gurrirs coloniz rs, com êss dsvrgonh sslto últim rsquíci d indpndênci d nso pis. concord o gnrl Eslillc. E sikiif pr cpitl império tr, qu êl nts, m nom d ns sobrni, diri combtr, fim d tomr prt m ngociçõs lvds fito plo cquisling» João Nvs, li rprsnt qu Vrgs o s clsss minnts squis dt lucn.s cimnts sôbr o sngu d ns juvntud. Nào há duvid qu. dint dss qudro, pr o Eslillc, sri gnr/ mis honro bnnr pst d ministro d Urgs qu vstir frd grssor. Est indic o pição qu pss gnrl Estillc. s é qu Prsidnt C lub M-litr qur sor fil compromiss ssumis oficilidd com ptriótic d nss forçs rmds. UMA POSIÇÃO E UM EQUÍVOCO Pr, "Utr!!!ÍS!, Wl&P"Wcrm um not ssind pt Iln filim not o dput Arthúr Brb, Bcrnrdcs, o ngnhiro o vnri Luiz Hildbrn outrot VSLf STSÍfoí^SI "1 «f ssumirm Z- SmTHort ^^^ ^?Tnr^S C " cnso «L C" dcícs nri íi dc 1lóss Ptrólo, cnoctz^!;;:tz,ttz %7 d 5& jolp vibr contr quilo qu c rzão d sr Jo próprio 2Pnsl SÍ " Mr» t>hbcm m «dc tl suuclt, ^. $& 0S brç dint fz 2TJ^ rcsohlçõcs scrvízr. d Confrênci é qu ÍÍÍS:: strtégics continnt êfozl mmm s vutérz Ms l gti pís continnt tm cn S? ^^^"^ds pl mquin d gurr mri- SKgft Brsil Wo Pís s qur pod Viiis? J^Í- S-US "WmU, sn Ests Von fr nl 2t \m!? "^ & «- si d ntrg» p^ &? nã é,lcccss o í& o Esttuto tvito ncjhd0 còssí no tu Congrsso, ro» qu o Cntro ><>. So? is V l d gr,ldcs»>ss m to o PnncrTooEE^m^ ^ PSSín ^mticmnt m sslzd^?- cumul qu"mfvltrrcss> Poi< P tcmniávl pl Prsidnts d po- Honr Cntro? Pulr0 Oü u mt^ ^^^ "nglo-mcrin, mblicrm ns^s-,?" pgs J 1 ^ Vl<»to MddmyÀ rj 7 <1Ctt0qH dcsm tit"dc é à colhiombum^s^tãs^ notf mcs,,ws ^»«ís ^ tm» rmo è ÒPãíW^W-f^J^ qhcls Prsonlidds, ^àsyc^^^f^^ dc Ho»-«Cntro são p- < s q C Sn0) VCrã dintc fdl uz d rov Rfutmção i^irsstí num quh C0- Just é> Portnto, mist ntm vf^0 QU co»^nãó o crátr,ntr outr^bmnf C<»mm d Wshington, juntou-s.. SÍSfSS m r?"h à"" r,h «UNIÃO E AÇÀO PARA ESMAGAR OS PLANOS DE GUERRA João Amzons k CONFEBÈNCIA s Chnclr rrltid m Ws» -fi bington trminou ttu Irhlho-t. Ilurnl virio «!.<.-. li runi«i. tm mgnt, n.,..,. nortrmricn»», o fsrndfiro» t> grnd» ngorini llinomrírn.» blrrm dr» prtiblt-mit <l som inlr-ut., m qu ftm librdd d jw rnilhõ.. d p»m.«,. rnrh finl. r.l... rorm tomd qur robtcm Ltin prálirmnt Améric m «.rol d gurr»,.sào muito» us hrt.ilir.ni..., bomrnt itlmplt-s no»»o povo qu fim ri mrsmort indgcõr fnmtt rniã%.,mr qu t onfrrnri s Cbtirrlrrc» dcid pôr m pé dr gurr Amric Ltin? Por qu dr.rm o» pí»r ltino mrrirno-.. qu ji.,,,, n miéri. dspndr Nims fhulor.- com trop» rmmrnln.? ()urrn no mç? O imporilir.i-4 ntirlr-nirricno» sus» lcio», n poi propgnd dirigid prio» grnd» trusts mono poiio». ih/.-m qu H trt dr combtr tmrc ((nn comunui. Confrênci Chncrlrrs comunist fl m mrr rfr-s m prticulr à Pnião i nio Soviétic. M» «Soviétic não mç o» pis» mricno» ou qur outro qul pi». A polilic d Cniào Soviétic é polilic d«pr, tl no intrvnção no» ssunt intrno» «l d mizd cd O colborção pis com t o» n»mim povo». O» o flo» dmonstrm omo dmon»lrm igulmnt n qu é gurr gr»»ão politic s imprilisl mricn. nort Com fito, não mío trop ruhrts qu combtm n Co réi, m trops nort-mricns qu gridm j»» povo» corno chiné... Não é Cniào Soviétic qu con»lrói bss niiliirs n» frontir» ou ns proximidd Est» Cui», mx sáo o» Est» Cnis qu pohmtim cntn» d hs milhrs ns frontir» proximidds d Cniáo So viétic. Não é Cniào Soviétic qu stblc pct mililrs contr Ksts Cni», ms são Ests Cnis qu crirm o Pcto Atlântico prprm outr msmo tipo brtmnt dirigis contr União Soviétic. Não é Cniào Soviétic qu rrm Almnh o Jpão, foc d grssão ^ qu há tão pouc n lnçrm o mun n gurr, ms Ksts Cnis qu rrmm Almnh c o Jpão colocn à frnt s sus nov xércit vlh gnris d Hitlr Mik. Enfim, não é Cniáo Soviétic qu fz propgnd d gurr prsgu prtitlári d pz União Soviétic promulg lis conlr propgnd d gurr ms são Ests Cnis sus stnts nu prsgum slvgmnt prtidári d pz fzm pl su imprns, rdio, cinm, tc, mis furi propgnd d um nov gurr mundil. É clro, portnto, qu não s trt d pôr Améric Ltin m pé d gurr pr dfndr-s d grssão comunist ou russ. A Confrênci s Chnclrs trt, n rlidd, d pôr Améric Ltin m pé d gurr pr tcr, sob dirção d.s forçs grssivs imprilismo nglomricno, pov qu mm pz qu constróm ficmnt pri- o socilismo. A prprção d Améric Ltin pr gurr d grssão d conquist qu s forçs ngrs imprilismo mricno spirm dsncdr já rlizm n Coréi, vm dsd há muito tmpo. Ml hvi o mun si d sgund grnd gurr, qu tnt horrors sofrimnt cusou à humnidd, imprilists mricn dc prcri com sus rplnts lci, firmrm o chm Pcto Hio d Jniro, primiro lo dss cdi. Sob o prtxto d dfs comum continntl imprilists mricn, com êss Pcto, drm um psso frnt no snti d colocr s forçs rmds.s píss dst hmisfério dntro.s sus pin d ção militr pr gurr. A «Crt d Bogotá» foi o sgun lo dss cdi. Aí imprilists nort-mricn tornrm mis xplicis fins grssiv.s pct concrts. S o Trt Rio d Jniro flv somnt n dfs comum contr quisqur tqus vins d for píss dst Continnt, «Crt d Bogotá» grgv quo tmbém s dvi considrr grssão qulqur «tqu» nvi ou viõs d qulqur pís mricno m não import qu prt mun. Em consqüênci >d tis cors imprilists nortmricn ssumirm o control ftivo ds forçs rmds d Améric-Ltin, pdronizn rmmnt, trinnmnt concpçõs militrs. Agor, Confrênci s Chncélrs sold mis um élo dss tr ri vl cdi. Considri.- qu chgou hor d grssão m mis lrg scl d qu é ncssário nvir mis trops pr Coréi, imprilistàs nort-mricn, juntmnt com chnclrs sus lci, trim d crição xrcito «limisfrico», o qu vl dizr, d runião d forçs militrs d t píss ltino-mricn num único xrcito sob o comn rl s gnris d Trumn. Ess dcisão prc cmufid sob o rotulo d qu s rpublics mricns dvm cuidv prticulrmnt d dsnvolvr mntr dntro d sus forçs rmds, lmnt disponívis pr «poir qulqur ção d ONU». E o critério d dfs Continnt, t qun Pcto Rio d Jniro mpli pl «Crt dé Bogotá», é gor ultrpss pl chmd «Dclrção d Wshinton». Assim, o xrcito «hmisfrico» não s dstin pns à «dfs» Continnt ou socorrr nção mricn cuj nvi ou viõs tnhm si «grdis» m outrr plgs. Est xrcito dv t cr m qulqur prt mun ond imprilists mricn, trvés d ONU, jul grm ncssário tcr. D< imdito dv sguir pr (Conclui n 10. pg.) j$êlb& NO BRASIL CONTRA A CONFERÊNCIA.ri.? t"»"»rttr»««1». # tu. rj,.7.»".dt. drruio ;. ABDICAÇÃO I>A.SOBERANIA UM «r»rrf rr,c» fzzi, «.i»»vrl«-«>. "?". tom uua- 111.roi.tti.ri... -" \ri «loi rurz Mirçi» d«fascismo tiio «ir li»»,, "r."ro lrir»nhu».». rr. «u ".;," ttm n"u?r: rortni «ir r.,iii Z7T M"no,,, Km" Wtó. «o r«b»iho pl po,irlll IfH pdld. d.,u,..rio ojz&z ;"d " ««<«Wbmrlid»,.p. ZpTtmT pnrdurrs. procp" "" "» -" ANTIGOS NAZISTAS Como r«.prrsont. (c d «un, industriis lrniãi» rir». «.rn»i»s rclcion» ri Jj^iro, c m ditlo. jyjj u»z7tl K"spr,in- ^2 ««"Ps d ocupç d Iti..-, nkr com nt- "3-5 UüS "" Prti orup Nzisf, pição di-mrdri lmã n zon ocupd ricn. pj0, nort-nio-i CARNE PARA CANHÃO Form incorpors o Exército, m VlMri. Kspírito Snto, ^dntt» un, d 300 jovns qu já s Kuirm pr. st Cpitl. As tor.d.d9 - militr-c Kspirit. Snto J dtrminrm lmbm norporção d cntns d outr jovns cm junho próximo. Ess mdids dixm clro o objtiv d formção d nm xcdnt d trops pr o «xército hmisfrico» tl Trumn o nvio d solds brsilir pr Coréi». polític «grri» d vrgs Enqunto milhrs d fl.tr<m ls nordstin stão sn vitl ms d brutis prsf-uiçõs d políci no intrior crns, o jrovêrno dc Vrgs tom providêncis pr instlr m Goiás dcslo cs d frurr isto é, lmn^ t fscists fugis d Europ num cooprtiv grári. Kio, J. VOZ OPERARIA, Pág. 3

4 tim: s 2 cruzrs, ir: 6 C0»rtrjidí^ j /t\ ^ /it \fifi^k ^&4cfi0 «mâpmtf O lnhpott dt gurr Duqu d Cns lv pr Fil dlfm novo contignt pr compor tripulção ds t» cmsdr», pro ntrg./..» qttmm 0 Brsü tá pgou..r,.i,,:,i«,. in- «./. SOO mllhdcs d cr nutro»,i tosoro mricno. Dint Um compromutsm d gurr c d, trição ncionl swiuuhm pur <?.iulm.jo Nt» tu fs crr... tmms unidds, tomrm nums d /...i.,.i..r, quo,//,i,,, j^ni,, twf (. ^i.-..- nu im/iiiiir nirnlmiu BtWfr.o/ro o ;... poro...,.., No Oongrtsso trnsit o projto d nç Pun Ntl» imru lurtur crdito d stsctnt» milhõs d cru- Sttr pr compr d Mvi» d gurr.. Rnl» Unids. O Hn.»-.mo/ msldnlt d Hum. r m/o d«cruciro d i>. /....r.. Itt bni «nordiimurmhx s fmuo» mw «j !.«..-. ittém s urdmrinh bsib mis c d md. ts d Aoronutic c Kxrcito. REALIZA SEU VII CONGRESSO O P. C. DA ITÁLIA Rrnliss m Rm o Vil Cougrr-oto Prti Comuni4 d li li. Su rnolnçõ rrprwntrão podr jud i lut ds l-»- oprri du povo itlino pl px f indpndênci ncionl,»-»íiii rom o c mi»» dmocrlico nti-imprilist m qu figurm rom dstqu s forçs progrssists d Itáli qm têm à su frnt coli-1 rim romonist-micilist lidrd por Toglitli Nnni..... Fln n sssão intigurl Congrsso, Tot-l.tti. o ssinlr o importnt ppl dr.-ciupnh pl glori 1uiáo Soviétic pl vitori d Chin Populr, firmou qu s piçõs conquistds pls forçs d pz n últim tmp s tornm cd tr mis mpls, mis sólids p mis sgurs. O.s trblh Congrsso trnscorrm m mio d grnd ntusismo. Numrs dlgçõs d trblhrs qu chgm Rom ofrcm pr- nts ã ms conclv. Oprário., cmponss, ntig gurrilhir, prs inditic, lidrs d cultur, mprgs rprsntnts d tods s cmds ds orgnizçõs dmocrátics pís, nvim sudçõs o Congrs so xprssn confinç «limitd no su êxito xprimin comprnsão qu rprsnt pr vid indpndnt povo itlino pr s forçs d pz m to o mun su vitori rlizção. Qu»(gnificn Issof Tu iitso f» p porr pln pn prtiv d pmitu tmptim p./.,. Rld Unid, prprlirtts sss qu ncurntm trmnds dtsptm», inclusiv com mnutnção d oficilidd com sol d gurr no strngiro, já qu um viso ministril por último lutir tirou sss vntgmns o» mrinitir. Entrtnto, uo govrno d gurr d Gtulio n bst quisição s dis cruzr». S o Ministério d Mu rinh cb d nuncir quisicúo d»: mis fí cnntr-torpdir Ests unis, sm dclrr qunto sobm sss no vi dspss. Por i s vê dmgogi d Gtulio, qun fl cm corts orçmntári. Qu corts orçmntári silo r.is qu n tingm ministri militrs, ms s frit pns ns obrs d snmnto, strds, scols, tcf Bis um ds rz d trmtid crsti d vid qu s cntu prticulrmnt nsss is primir mss d govn\o dc Vrgs pr qul, diss êl no último discurso, <s soluçõs não podm sr consguids di pr loi/r-. E clro qu Gtulio, instrumnto prottor s tubrõs, Gtulio, srviçl d politic dc gurr xpnsão s Bsts Unis, não qur c não pod bixr o custo d rid. Porqu s cuss principis d ctstrófic lvção custo d vid ds crimins mnobrs m torno s gênr ssnciis qu dsnrcém mrc sá voltm circulção com o» prç umnts, sss cuss rsidm n ngóci d gurr, ns vnds d gênr pr bndis grssors inquês. ns rmsss pr 09 grssors inqus d crn d outr produt qu dvrim bstcr o mrc ncionl. MOVIMENTA-SE A JUVENTUDE BRA- SILEIRA PARA O SEU FESTIVAL Com grnd ntusismo jovns d to o Brsil s prprm pr prticipr I Fstivl Brsiliro d Juvntud, mrc pr sgund quinzn d Mio. Rpzs moçs d t Ests, oprári, studnts, sportists, rtists, s congrgrão no Rio d Jniro num fst cuj lgnd diz bm d su signific: Vid, Pz Algri. A juvntud Irsilir virá o Rio pr dnsr cntr, prticipr d concurs disputs, firmr su vontd d vivr m pz d conquistr «im vid sudávl lgr, um vid d oportunidd pr studr progrdir. Já m divrs Ests, Fstivú prliminrs stão sn prprs ntr btts jog sportiv, pic-nis rprsntlõs ttris. Nsts Fstivis prliminrs, srão scolhis dlgs d cd Estd qu m comptição frtrn no Rio d Jniro concorrrão prêmi d vigm à Europ. Em São Pulo, o crtm stá sn ptrocin pl Uniáo Estdul s Estudnts divrss comissõs trblhm tivmnt. A juvntud gúch nviou à Comissão Cntrl Fstivl um grnd crtz com lgnd: «Confrtrnizção Juvnil pl lgri pl pz». No Crá, no Est Rio, m P-- nmbuco, m tod prt juvntud brsilir s mobiliz pr o su Primiro Fstivl. A proporção qu prprtiv s dsnvolvm, jovns ds fábrics, ds scols, ds fznds, comprndm qu é pris) r.poir su Fsíivl trblhm fbrilmnt, comunicn sus tividds inicitivs à Comissão Cntrl qu funcion no Rio d Jniro, à Av. Almirnt Brro, 97. UM DEWFR HUMANO E DE HAfiRA LUTAR PELA LIBERDADE DE ELISA Mis dis pronuncimnto d Insir r- Mlm s vidnt crátr rcionário pro fscist «V clu. A» ngtiv d hbsrorptis m fvor d Elis Brnco Suprmo Tribunl Fdrl mnd d sgurnç, imptr o Tribunl d Rcurs, pr fttir o.movimnto Brsiliro s Prtid, rio d Ps dirit d rlisr comi, d cor com CoitMiloição, O povo Brsiliro slá dint d mis dus provs d submiwtáo dprd ds clss minnl m no«o pis à vontd bjtio gurrir imprilismo mricno, n bor msm m qu nt fx novs imporicõ o jrovrrno d trição d Vrgs impl pr frnt u frbri prprtivo bli, pr mio s vrgonho compromisso ssumis n Confrênci d Wshington. Conkcm td o ptriots pss digns o qn pss com Ris Brnco. Flo smlhnt r inédito m os vid d povo. Plo fto d hvr dsfrld bndir d ps num dsfil ultimo 7 d stmbro, m So Pulo. Elis, xtrm mi d fmili qu nâo md ncricifio n dfs s filh d lds fmílis brsilirs qu, por isso msmo, privou-s convívio d sns dus filhs mnors, foi prs, spncd condnd 4 n Irs mss d prisão. 0 cso A Clss Oprári Européi Contr o RrmMio d Almnh Crc d 900 dlgs oprári prticiprm d Confrénci Oprári Européi, rlizd m Brlim m fins d mrço, qu tv como objtivo mobilizr trblhrs continnt uropu contr rmilitrizção d Almnh. A. rmilitrizção d Almnh ocidntl, qu stá sn rlizd ritmo intnso pl imprilists nglo-mricn stá dsprtn mis viv rpuls ntr s msss trblhrs d Europ, já qu signific o rssurgimnto cist foco no cntro fs- d Europ, o qu umnt o prigo d nov gurr trmd pl circis govrnmntis nort-mricn. Um fto qu tst imns rprcussão qu Confrênci Oprári Européi obtv ntr trblhrs d t píss d Europ é o trm si nvis tlgrms crts d sudção confrncists. Em sus rsoluçõs Confrênci ssinlou unidd d ção s trblhrs d Europ qu s lvntm contr rmilitrizção d Almnh, rssltn qu pz n Europ no mun intiro stá sn srimnt mcd pl imprilists nglomricn, qu qurm fzr d Almnh ocidntl um trmpolim pr su gurr d grssão. Assinlou ind Confrênci, qu intrsss ncionis d t píss d Europ s opõm à rmilitrição d Almnh, qu stá sn ftud contrrin cors d Ylt Potsdm. A Confrênci xortou t sindict tomrm prt n lut contr o rssurgimnto d máquin d gurr lmã, dirigin-s prticulrmnt trblhrs lmãs no snti d s gruprm m frnt únic contr politic d gurr s govrnnts d Almnh ocidntl, politic qué é rsponsávl plo dsmmbrmnto rtificil d Almnh. Chmn trblhrs uropus à lut dcidid contr rémflitrizçso d Almnh, Confrênci rcomnu utilizção d tods s forms d Jut, dsd runiõs, colt d ssinturs, pl govrn, tc, rcomnu fundmntlmnt qu trblhrs d tod Europ s solidrizm com Mn- Pz subscrvm unnimmnt xigênci d conclusão d um pcto d pz ntr sgm Conslho Mundil d s cinco grnds potêncis. foi o Suprmo m gru d rcurso. Ms ss tribunl, por unnimidd, tou ums rsolução qu o l d sr monstru dsnmn, dv srvir como dvrtênci to o nso povo: ngou-lh lihs-corpus. Mntv- prs plo crim d dixr: «Os solds ns filh nio irão pr Coréi». Isto srv pr mtrr como é grv sitnção d nso pis,.sob o govrno d Vrgs m mrch pr gurr o fscismo. Isto srv pr mtrr qu rção já gor g dsr rd m mi nm procur mis cmuflr sr iiitrnto porqu br «.lr dint d um lul brt nlr s forç d gurr. i,i. M quu r linhm clsss minm,--.,, Itrnoil, sbujs imprilumo,. «forct, ftifov ém«nti> Grd pl glorio K nisso qu s rsum o csno dr Kli.r. Brnco. Um mi br»ilrir lul d form concrt contr gurr infm r ronlr r. mss d ns filh irmão pr Corri. Dá um dificnt xmpl d dtrminção # dsprndimnto. E prs condnd. Aicor. iumiç d chss rsolv mnlr-l no cárcr. Elis slá grvmnt nfrm num cl d Cs d Dtnção d São Pulo. Ali lm hmorrgi diáris. Su vid corr prigo. Ficrá sm rspt ngtiv crul cínic tribunl d rção d gurr? Não! O tribunl ds clsss minnts nio pod ficr sm um rspt à ltur. A mãs brsilirs qu. cd di mi. m sus lrs m sus locis d Irblho, scutm o plo d Klis Brnco, náo podm dixr no cárcr, náo dixrão no cárcr. O clor d solidridd proltári populr há d chgr ít cl d Elis. E ss solidridd, qun orgnizd, tornr-- um forç podr qu vi rrncr Elis Brnco ds grrs ti sus lgozs. Elis Brnco, nrrnção d fibr hum» n, s mis nobrs sntimnt d vontd d px d mulhr brsilir, trvés d lut orgnizd ds cntns d milhrs d brsilir qu dmirm o su xmplo. ti«m qu sr dvolvid qunto nts o sio dn sn lr àn filirs d ns lut sgrd. Qu não fiqu um só ptriot sm protstr contr dcisão crimin gurrir Suprmo Tribunl dc Vrgs c imprilismo inqu! ATENTADO A LIBERDADE DE IMPRENSA EM MARÍLIA Mis um tnt contr s librdds foi comti m Mrili plo. blguins frsnt Lucs Grcx. No di 17 d mrço foi ssltd rsidênci.. nso gnt m Mrili. sr. João Prir d Mlo, qu foi ilglmnrc prso tv confisc to o mtril rltivo às sus funçõs d rprsntnt d VOZ OPERARIA. Rvln su furor bstli contr imprns dmocrátic o movimnto pré px, «tirs» ind lvrm bixo-ssins pl librdd d Elis Brnco, boltins Conslho Brsiliro d Pz mtril d jud à imprns po pulr. Contr ss tnt brutl protstm junto à Associção Brsilir d Imprns. Pág. 4 VOZ OPERARIA Rio,

5 A "SOLIDARIEDADE CONTINENTAL" MASCARA DA AGRESSÃO IMPERIALISTA I OS EE.UU. NAO OS AiütKtiSOJlES VA CoNi-ERBNCIA DR WASHINGTON FICOU DR- 01DID0 O RN VIO DR TRO- PAS LATINO - AMERICA- NAS. PRINCIPALMENTE VO URASII PARA COM BA- TRR NA CO RUI A. ESSAS TROPAS NAO VAO COUBA- TER VA CO UMA. ESSAS 1RÜPAS NAU VAO COM- BATER CONTRA A AG11KS- SAO. MAS PARTICIPAR DE UMA AURES8A0 MONS- TRUÜSA CÜNVRA OS PO-.VOS ÜA OüRMA DA CHINA. I Üc lto, oji Ests Unis são íuuc uijilssorc n Coréi n Cnin. form Cl.s qu: 1 dividirm pl /orç Curti tm dmiò prti o mntivrm sus trops no trritório corno, nqunto URSS rtirv sus trops qut: i ntrrm m prsguiço grssors jponss; plnjrm stimul» 2 rm s provocçõs govmo litr d Coréi Sul contr 9orèt Nort, obrign st últim rcorrr ás rms pr rptir á grssão rmd govér» no d Coréi Sul consyuir unificção pis; intrvirm militrmnt no conflito intr- 3 no d Coréi, nts msmo di rrncr utorizção d miori srvil qu mnj «ONU; ocuprm ilh chin 4 s Form pr isso não cons unirm rrncr, squr, utorizção d miori grssiv d ONU; rjitrm tods s 5 propts d solução pcific pr o cso d Coréi, prsntds n ONU pl União Soviétic, Chin Populr. Com o objtivo d grntir pz mundil, sts propts chgrm visr á suspnsão imdit ds oprçõs militrs à rtird d tods s trops strngirs qu tum n Coréi. lvrm sus xércit Kircssors G~ té s frontirs d Mndchuri (trritório vitl d Chhi), qu foi vd ri vzs bombrd pl viõs nort-mricn. Dis STÁLIN m su histôri ntrvist d 16 d fvriro: i E DIFTCTL CONVEN ÍER OS SOLHADOS DE QUE A CHINA, QUE NAO AMEA- ÇA NEM A INGLATERRA NKM AOS KSTADOS UNI- DOS. K A QUAu OS ESTA- DOS UNIDOS TOMARAM FORMOSA, ET UM AIÍRKS- «OR, ENQUANTO QUE OS KSTADOS UNIDOS. QUK BB APODERARAM DE FORMOSA E LEVARAM SUAS TROPAS ATE AS FRONTEIRAS DA CHINA. KSTAO SE DEFENDENDO. E DIFÍCIL XINVENCER <OM DltfiNCIA d Wshington NA o govrnou dc lci Imprji mmo qu ind minm n Anui u.i4. tin pusrm tt dispiçao d cmnrilnu totlitári d Trumn nss forçs rnids, ns rcurs conômic, nsn bss militrs, o sngu à libcrdd d ns pov. Tu isto sob o protsto rvoltntmnt cínico d «dtiltm \\V^COnirtí «& «ftocomunist». fr dcsms^uriu smnto ünpi- st vnd sngu d ipihm juvntud n blcõs»m,>riiik,5,o mtrm qu cors, d Wm»hmton no vism dfs d grkko pr. m^ imprilist contr scrvizrão pov o s no-mncn própri pov lti- sob o tcão d btru Wll Ul SOLDADO DE Qum OS KSTADOS UNI DUS TEM DIREITO DE DEFENDER SUA SEGURANÇA KM TERRITÓRIO DA CORÉIA E NAS FRONTEIRAS DA CHINA, ENQUANTO QUE A CHINA E A CORRIA NAO TEMO DIRKITO DE DE- FENDER SUA SEGURAN- CA EM SEU PRÓPRIO TKR- R1TORIO, OU NAS FRON- FIRAS DE SEU PAIS. AS ATUAIS DECISÕES DA ONU SAO DECISÕES DE ESTIMI IX) A AGRESSÃO IMPOSTAS PELOS EE. UU, CONTRA A MAIORIA ESMAGADORA DOS POVOS OS ACORDOS DE C.UERRA E COLONIZAÇÃO ADO- TADOS NA CONFERÊNCIA DE WASHINGTON MASCA- RAM-SE COM O NOME DE tuniao PARA A PAZ» E DIZEM VISAR UM APOIO EFETIVO AS.DECISÕES DA ONU» PARA COMBATE A AGRESSÃO. MAS AS DECISÕES DA ONU, ATUALMENTE NAO PASSAM DE IMPOSIÇÕES DO DEPARTAMENTO DE ESTADO NORTE-AMERICANO, QUE TRANSFORMARAM AQUELE ORGANISMO INTERNACIONAL NUMA MA- QUINA DE VOTAR A SERVIÇO DA POLÍTICA AGRES- SIVA E COLONIALISTA DOS ESTADOS UNIDOS; SAO DECISÕES ILEGAIS, CONTRA OS INTERESSES E OS DIREITOS DOS POVOS. COMO A QUE RATIFICOU A AGRESSÃO NORTE-AMERICANA NA CORÉIA E A QUE CONSIDEROU tagressorat A CHINA POPULAR PAISES ntr ls o bloco d píss ltino-mricn colonizs pl Ests llnib votrm n ONU fvor d rsolução inqu qu considr Chin Populr como grssor. Esss píss, REPRESENTAM, APENAS HABITANTES. ISTO E\ UMA PO- PULAÇAO QUASE IGUAL A DA PROrRIA CHINA. 7 PAISES ntr ls União Soviétic, índi 2 Chin Populr opusrm-s vigormnt à rsolução nort-mricn. ESSES PAÍSES TOTALIZAM UMA POPULAÇÃO DE HABITANTES isto é, crc d is trç d populção d mun. 8 PAISES à frnt píss mun árb 3 bstivrm-s d votr propt nort-mricn nr não fzr o jogo s grssors imprilists. ESSF? PAÍSES REPRESENTAM UMA POPULAÇÃO DE 133.S HABITANTES, isto é, um populção igul à d tod Améric Ltin. NA ONU, UMA MINORTA OUE REPRESENTA APE- NAS 560 MILHÕES DE INDIVÍDUOS, QUER IMPOR PELA FORÇA SUA VONTADE A UMA MAIORIA ESMAGADO- RA DE 1 BILHÃO E 300 MILHÕES DE SERES HUMANOS. NA ONU. A UNIÃO SOVIÉTICA E A CHINA, QUE REPRESENTAM A METADE DA POPULAÇÃO DO GLO- BO. DISPÕEM APENAS DE DEZ POR CENTO DOS VO- TOS, ENQUANTO OS VINTE PAISES DA AMERICA LA- TINA, TRANSFORMADOS EM COLÔNIAS DOS ESTADOS UNIDOS, QUE REPRESENTAM APENAS 7% DA POPU- LAÇAO MUNDIAL, TÊM 40% DOS VOTOS. Assim, mnobrn sus lci d Améric Ltin govrn imprilists d Europ, juntmnt com sus colônis, imprilists nort-mricn impõm à ONU provção d tods s mdids qu xijm. Por isso, pov NAO PODEM CONSIDERAR AS DECISÕES ILEGAIS DA ONU COMO DECISÕES DEMOCRÁTICAS. MAS SIM COMO DECISÕES IMPOSTAS PELO DEPARTAMENTO DE ES- TADO NORTE-AMERICANO, DIRIGIDO PELOS TRUSTES E MONOPÓLIOS DE WALL STREET. Rio VOZ OPERARIA Pás. 5 OS AGRESSORES SAO OS QUE SE BENE- I Kl AM COM A POLÍTICA I/E GUERRA 1 Çurm drkrf jurrt Qum» ltv á yrrâof RAO UNlCAMkNTh OH QUR Hh Ut..\.:. n IAil QOXi A VOUTICA DR ÜURRRA. Qurm dtrj pst Qum lut conqücnicmcnto m d- /Of du pzt HAL OH QUR CONSTRÓEM UMA VIDA NOVA R FELIZ, OH QUB PRECISAM DA PAZ PARA. CONSTRUIR O OS QUK DESEJAM A t.lhílca h DEüfcíSCA- DE1AM A AGUí&SAO Durnt o primiro smt-str d 195o hvi no mun cpitlist mt d 11 n.tlhõcs c dcmprt gs m totis. Nst prío, o numro tí dsmprgs n RE.UU. subiu 5 milhõs. Os prç s cittts sofrrm forts bixs, n RR.UU. O govrno nortmricno foi obrig vndr prç irrisóri génr limntíci cumuls plo Commoditg Crcdit Corportion fim d vitr dtriorçáo, pois rduzi-sc cd vz mis o podr d compr ds msss poulrs covircio intrncionl. Foi msmo sugrid um considrávl rdução d ár cultivd n Ests Unis. O vlor comércio mundil ntr piss cpitlists bixou dc 10%. ESTES FENÔMENOS REVÊ- LARAM O INICIO DA CRISE CÍCLICA DO SISTEMA CA- PITALISTA E PARTICU- LARMENTE, NOS ESTADOS UN1D08. VI8ANDO ADIAR A EXPANSÃO DA CRISE, 08 TRUSTES B M0N0P0LI08 IMPERIALISTAS INTEN8I- FICARAM A PRODUÇÃO DB GUERRA EM TODO O MUN- DO CAPITALISTA. B PARA AMPARAR A PRODUÇAL DE GUERRA - LANÇARAM A PRÓPRIA GUERRA COM A MON8TRUOSA AGRESSÃO A CORÉIA. Com gurr n Coréi lucr s cpitlists ~ nort-mricn lvrms fbulmnt. Assim, sss lucr umntrm d mo globl m 38%, m rlção o no d 19^9 Dividns ps- 1 Durnt s cinco últim n p» União Soviétic rlizou 4 importnts bixs no us to d Tid. Já om 1949, pós sgund rdução grl d prç d pós nurr, o slário rl o trblhrs hvim umn t m 247. rnd s cmponss m 307. Com s dus bixs d p:; ptriors, st lvção ds slári prticmnt duplicou.. O con umo d crn, 2 umntou, dsd 1947, om 124% o o d utomóvis om Os objtiv plno 3 quinquoni pós gurr, qu trminou 21 j Dzmbro d form j lcnçs suprs n principis rm d cono-1 mi soviétic. J A União Soviétic, om 4 consqüênci dsss grnds êxit d su conomi. iniciou construção obrs gigntscs, rrdrs construçõs comunis- zoo, como s 4 grnds cn-, tris hidro-ltrics. trns- formção dsrt m trrs fértis, o rflorstmnto d milhõs o milhõs hctr: pis. i OS PAISES DO CAMPO DO SOCIALISMO. TEN- DO A FRENTE A. UNIÃO SOVIÉTICA. DE- SEJAM ARDENTEMEN- TE A PAZ E LUTAM PARA MANTE-LA POR- QUE A PAZ E NECES- SARIA PARA O DESENsrm d 6 bilhõs d dôlor? pr 8 bilhõs. Ms o nivl VOLVIMENTO I N I N- d vid ds msss, sp íciálmnt d clss oprári, tor- ECONOMIA E A CONS- TERRUPTO DE SUA nou-s mis bixo. O custo d TANTE ELEVAÇÃO DO vid sofru um lvção d crc d 20% slári NIVEL DE VIDA DO frm congls. POVO. Os ltifundiári grnds cpitlists, Brsil, quis o govrno Vrgs éo rprsntnt, dsjm tmbém gurr pr rlizr grnds ngóci, vndn mtéris prims produt grícols bligrnts prç lvs. Esprm cumulr lucr xtrordinári nsss trnsçõs, como contcu durnt ultim gurr, n qul o cpitlists chgrm tr lucr d 100 por cnto mt sobr o cpitl. Por isso Vrgs-João Nvs vndm n blcõs imp» rilismo o sngu d ns juvntud pr gurr n Co» réi contr pov. j Nso povo dv dfndr su própri vid librdd, lutn: j CONTRA O ENVIO DE SOLDADOS BRASILEIROS. PARA A CORlÈIA! CONTRA O «EXERCITO HEM1SFER1- CO» DOS AGRESSORES IANQUES! CONTRA A ENTREGA DE NOSSAS MATÉRIAS PRIMAS AOS TRUSTES! CON- TRA A PRESENÇA DE SOLDAEOS AMERICANOS EM NOSSO SOLO! CONTRA A CARESTIA DA VIDA, OS BAI- XOS SALÁRIOS E AS DESPESA8 DE GUERRA! PELA PAZ, CONTRA O GOVERNO DE LATIFUNDIÁRIOS B GRANDES CAPITALISTAS SERVIÇAIS DOS TRAFICAN- TES DE GUERRA, POR UM GOVERNO DEMOCRÁTICO POPULAR! í

6 mmwmwmmmmmmm Expriêncis P Ç (bofchwqu ) DIRIGIR CONCRETAMENTE CO M CONHECIMENTO DE CAUSA (IN) COIÍRB8PONDBNTE DO tpravda BM confrênci provincil A «Ir» Prti m Klv. r nlí/.tdn i ili..-.ii.n t -iilou-w por umn lvri il vi.!...(.1..i.i..s. pl Mn i...!...)," tv dhl Vtlniit». prcrtntdm no irn blho cumiii provincil,. -...!.-«- urbn s romltr»» distritis o pl nnh!»v. sob i nspt,! > trfi s orgnnism i tio Prti. O.-.im.ir.ui.i A. Irlz, i»- crlnrlo comttè \. ovlndi t\o Prti. prsntou cm «iou inform sobr o tr Ii.-iPí dn comllê provincil P. C. lb» d Ucrâni, um blnço d lut orgnism dc Pnriid- >or urn mior urto d conomi d niliiir: d rcg.ão. Durnt is últim n o orpn io prtidário d rgi- So rlizou grnd sforço orint no snti d lvçfip d produtivl d trblho n industri, provitmnto mis prfito d técnic d mlhori d qulidd d prodtiçâo. O plno industril pr lí»r>0 foi cumpri nts sfo przo, 15 d zombro. O vlor d produçflo cim plno corrspondu ntons d milhõs d rubl. A produtividd trblh ns mprs industriis umntou rm 19,6 por conto m comprnrão grç.is á mpl Introdução d um nov cnic n produção c h difusão d oxpri- Ãnci stknovist d vngurd. A construção mpr?"..-!.! comu d cs? rsidnciis, scols, d clubs, dc instituiçõs médics d snr-tori dquiriu um grnd mplitud. EXTTOR NO TRABALHO DE CONSTRUÇÃO SOCIALISTA KIBV) Fnrnm lcnçs grn- /l ôxitns no dsnvolvimnlo d prric.ultur o no fortlci mor;») ot-^nnico rconnmioo s kolkozs. Éívou-Sí mnir prcptfvl, durnt últim n. tnir dn griçulttirn. Ao nõrm m p-":c f plno stlinisí.i trnsf"r^""""o d nturz, kolkozs suprrm m bro t-irpf t-.p is n d rflorr-<"tr-,nto, ronstruirm p nncntrrnin mis.:gi d is mil rsrvtof. dpósit d "ii. Am-rm-s s suporfiirs.o mo dur d -clirrs tnícs. s lr-"--->s d b-t-t. Ai12-.s ultr pssdò o nívl ci nfrõ d p--rr- n produção d?ris btrrb. O numro d cphcç dc f vçum ds fr7nr-s rins kolkpz-as umntou d 42 nor cnto rm is n d mis d dus vis o numro d rhrs d gdp suíno, lnífrro p dc vs mstics. A rpião rumnr nts przo pln nuis d fornrimonto d produt grícols; Aprsntrm-s prnt kolkozs d rgião, como rsult fortlcimnto s pqun rtis ^ríro- Is, novs imnss psibilidds d podro scnso.i.i gricultur sm-l list, máximo «provilmnto um podr uvmn d nplu-ncao. n cmp dn «-ii-mi i.i mltchu riniiin» vngurd. JA min prlrri-flroí mjt d su. \i-st.j... i.i i..."k../»-s nm pils <.in iii-,i.ii.itn nigunh»m»«.s no dsnvolvimnto dn conomi nncionnl nn mlhori bm-str mtril ti koluo/.in. No Inform ns IntrvnçõCK üo.»> dlgs nssinlou-s o lvntmnto nivcl orgnico-prtidnrio pomiiio prtidário it.iblho orgnismo provincil Prti. Os orgâ Prti comçm dirigir d mnir mis qulificd t stors d conomi dn cultur. combinr dc umn mlhor mnir o trblho político o trblho dministrtivo. Ao msmo tmpo submtu-s umn svr critic s séris dbilidds n mét d trbnlho s órgã Prti m primiro lugr comitê provincil. MELHORAR O NÍVEL DE TRABALHO DAS DIREÇÕES Trtou-s d ncssidd d s lvr incssntmnt o nívl d dirção prtidri. Os dlgs frizrm, ns sus intrvnçõs, qu dirção s distrit plo comitê provincil dv sr mis concrt opr- Uv. E ncssário qu s umnt ficiênci d ligção ntr órgã Prti sus orgnism c s consig qu o comitê provincil comitês distritis trblhm d mnir crir sibm, m tmpo, notr o poii o qu é novo vnç. Como s»? obsrvou n confrênci, st cpcidd flt frqüntmnt o comitê provincil comit distritis. As condiçõs cmpo s modificm considrvlmnt cm consqüênci fortlcimnto ds kolkozs. Surgirm muits novs complxs trfs qu é prciso solucionr com conhcimnto d cus, d mnir qulificd. Nm smpr, porm, o comitê provincil lv m cont s prticulridds trblho ns novs condiçõs. Poiico s procup no snti d intnsificr ficiênci d ligção com distrit. E st circunstánci impd qu o comitê provincil conhç profundmnt s condiçõs m qu s ncontrm kolkozs unifics solucion, m, tmpo, problms qu dizm rspito o su fortlcimnto orgânico conômico problms dsnvolvimnto trblho político no cmpo. ELEV VR A RESPONSA- BILIDÀDE DOS ÓRGÃOS SOVIÉTICOS O Comitê provincil não tomou s mdids hécssáíis lvr rsponsbilidd s órgã soviétic dministrtiv pl dir- «.-.<(» du»»- i».-«s Sbr tl jioiito rfriu, por xm ) 0. O...!. «l.lll.l lí.««((!ll lil. < < i.i.itii. comitê dmiritl d I. hrl.<-. O comitê provincil prmito qu o»-:.!" rgionis ndtninihirnçao ün gricultur cur.,i.nn in.d trf» sob su rspons bilidàd qu n.i.nii.i concrt n dlslrl t nn dir,, o d grlcullur si substituíd por um oc. r d piri. No nno pss o distrito Thcrknss rcbu r d Irs mil dirtivs difrnts s nrgã d dministrção trnbn-h no nmpo. O nmnr.i.l.i Rnmskl firmou qu st ocno dc ppl Impd qu tc.-ic d ngrlculttirn cuidm trbnlho básico sob suo rsponsbilidd. Os dlgs ã Confcrnl criticrm o comitê provincil tmbém plo fto d qu níío tnhn tom s providêncis ncssáris o fortlcimnto s kolkozs ntrgn su prsidênci qudr qulifics. Vrific-s, nst snti um lntidão indimissivl. lm s dlgs à orfrnci, o cmrd Bobryshiv. chmou tnçfio s prjntr pr o fto d qu nun. sri d distrit d rgião dc Kiv o númro d prsidnts d kolkozs, qu sã( o msmo tmpo técnic d gricultur, dpois fortlcimnto s rtis s tornou té msmo mnor qu nts. O comitê provincil foi submti u n ist critic p. insuficint t.?nção qu ddic distrit trss. O comitê provincii não stuu profundmnt s cuss trso dst ou dqul distrito, tn julg d su situ- Ção trvés d informs obsrvçõs suprficiis. O inform comitê provincii pontou, pop xmplo,» distrito dc Borodin como um s d: rit trsd rgião. O cmrd Ptrov, scrtrio comitê distritl d Borodin, o rconhcr procdênci d crític fit o comitê distritl. prsntou, o msmo tmpo, justs xigêncis o omit provincil. C comir distritl não r b um jud concrt comitê provincil pr u-. i mlhor orgnizção trblho politico-prtidrh O comitê provincil nviou o distrito, m crt ocsião, um brigd qu s ntrgou, durnt to um mês. à consult d cumnt. ln s limit runir tod spéci d ds. Nnhum s mmbr comitê provincil comprcu às runiõs s orgnism d bs Prli indicou o comitê distritl s dbilidds d su trblho. E diminut utilidd d um tl ro gn- d psquizs. Os dlgs à confrnci criticrm d mnir prticulrmnt gud ocmrd Pilnik, scrtrio comitê provincil P.C. (b) d Ucrâni, pl su flt d dlicdz xcss d mdids burocrtics. Os scrtári s comlté di-.ini.ilh outroi ml litiitti -J Prti s orfis soviétic rm d vr m qun suíil As sus srprnirdk». A si iimi;.m. chgou tl ponto qu t dixrm d wt\,- rigir o cmrd Pilnik pr soluçao s probk ms sob su rsponsbilidd. O TRABALHO POLÍTICO DE MASSAS As qustõs trblho orgnico-pnrtldrio tr Li lho político d ml sns ocuprm um grnd lugr ns Intrvnçõs s digs confrênci. Cltrm-s xmpl qu tstcmunhnm o nglignci» mnto trblho ductlvo s comunist», num s ri d orgnnlsm Prti. Esln situção é comprovd, cm prticulr, plo fto d xistir no comitê provincil Prti, mui t cndidt Prti qu jà ultrpssrm o stgio rgulmntr. Os prticipnts ds confrênci citrm séri cr r.critics n trblh d ducção prtidári. Assinlou-s qu muit comitês distritis não lutm plo lvntmnto nívl Ilógico s curs orgnizs pl circulo-- pls scols d formção polític tolrm ft qu rvlm um titud nglignt d lguns comunistns m rlção "- stu o prndiz. Os propgm dists são pouco juds. A «"tção d prongnd gitção ccmitê provincii Píuti ê. m "nu considrávl culpd pl situção m qu o problm s ncontr. Os militr.- t d «pr-io pstm n m^ínr prfp d su tm^o cuidm v-dp qustcs dp si-nind. Imnortnct o dn tr?>.-"""> " hurr- iticn n in\?s dr> ri?- rt-^rprn "nm pf^lpnc1» tividád (T-tã d di cpn"n nrtidrl. O cm?rd Rlníts, sprpto-t/-» ("jo pnmífô ifhno rv, Kfpv dn f. C. (h, d Ucrâni, ntrou < rnmitp nrnvinril orl su f-»l (^p tpnrf-o às institntrõp- d cultur Rimprior. ITá pm Kiv. frmou. mu^s p^-^ols sunpriorps. ms ^"íp (-<? prnn pnd p pq[ití»ção cnnitè provincil n"n ororur pnnhpcpr tividd r1?.. cdirs r- m?rv«srno lpnin no. n."n psttid.i s popi Ins m m\o sp ^ncon trm nrnhiamp»? i«ino n-.rx^^n-lpninist-» p não r>»ntir. SP^^r pomo o corno dnrftptrt dsnvolv o- âü trr ^lho. O cmrfld L., Ci. M;?lni-»-r^v. «sprprrio f<n P.C. VC. th) d t>rnnin. pronunciou um s "r^^^l. discurso n c A confrênci pnnc-ifirou stisftório o trbnlho romii-- nrmdnplííl Prti. As rpcolurns nrovd-- indicm s mprliric p. rn spnprr s ^ -.i^iifln.c! > imnl«?íonr o trbibo orgnico-prtidrio político- O. Os nrtirjnntps d ronfrp.ri nrnv.-rm, com grnd ntusis-nn. um SáÚdr^O o rrndp r.»--- mstr Prti Comunist p novo «^óticu, o cmrd J. V. Stálin. A REUNIÃO DO CONSELHO MUNDIAL DA PAZ. EM BERLIM Dcisís Sobr Problms d Orgnizção E flmpkão Movimnto m Dfs d Pz «f» Houtt» 4l j ção d mplição f slho Mundil d / «;, tw Mundil «i». Olonurlho rciro dr i:, rw lft ^ forco rcnliiiti., jp^^1 Mundil r rrcotihrcrq drh- lim.lil, v O Conslho Mundil nis difundir r«hi-inlrjj.r lgr i ONU, qu dr«d o conhcimnto dr r.d. rig-r l.»l s i ilnrlo l plrii rnpcilo, lnlo no p lbt, otiritdr d r gnhm:, tomds plo Con- [Jdr Brlim: mm rruntào mn d f»- Q rom stiifçio, o dr<i»õr» d» II Csnjrr i d.- um mior mplição, lo o«comilí Ncio- Ln.-i mplmnt Mnttod psrt, sr lv O t..iimiih» Mundil dl- THÍ pro% d inicitiv i- (omo inlrrncionl. Mundil d p. OConwlho d lis (ir com.wtirfnçáo s nçüo contr propif Convid o» («imito.- p.i.ii-i. cm divrs piss. fo borcno d lnr mdids pr lprojto d!.;, gnndn d t,. d Fz nntr s propüt Prlmnt s gurrn, qu i«rio difrnts p-i }-.,<. Os Comitês Kncionii formd «»» rspito, (i.-inii r opinião públic inbtr o nuiis mplo poio po- <i pulr pnrn pxn InitíUriJ Insist junto (omit opinião onis pni qu mobilixm públic, pr dnurj oirolí.r Iods s çõs, txt publicklmic, missõt-s rdiofônics d nsino, dit tc, qu contnhm incitmi Rcomnd nn«. Comitc] j uct i :i. cmpnh li d wlrrimcnto qu lncm um vst i pss dc bo vontd [prticipção d milhrs d tmnt qu, ( s flsidds pís, dnuncim, incssunprprr gurr. utilit Propõ o Duru d Imdidn tndnts crir, junto o Scrtri, uni d informçõs qu, ps forncr informçõs objtiv It dnuncin s notici flss ou dformds qu vi litnr histri frurrir. Conslho Mundil d P [prov com stisfção qu, O plicn s dcci.sôfg j ngrsso Mundil, s stbctçôs coltividds qu lcrm rlçõs com numr sts rlçõs prmitm dt l mplir ind mis o movimnto d pz. O Conslho t s Sud O Comitê Cntrl Pt ti Comunist d Arg tin nviou à dirção cionl Prti Comi nist Brsil scguiol sudção por motivo su 29." nivrsário fu lção. >:<x::.-<v-^-x^:--::.-»:,: ; : >&x. ss^ídi hé/ - & $ ^- ^mmmfím^^^^^^^^^^^kmm^m^mw fàx$&$fm^êx-.-.-.^ ^?B»."1 toiíji Btí -mm SiMb^^^W^-^ iui ffl K^h. -; mêèm mmmw$ws MW í I"^- ARNEDO ALVAREZ «Bun Airr, 4 d bril d 1951 Em nom s mil:tnw comunists d Argnti sguints: sgur d intrprtr sntimnt dè ns t oprári d nso >vo, qu têm um coum trdição d lut com clss oprári o povo Brsil contr oprsirs imprilists sus is ncionis, pl crci, o progrsso dpndênci ncion 1, rvim o Comitê Nohl _ Prti Comu- Bt irmão, por su inrtédio,.t. milints comunists, um rtrnl súd ç^ã o d mbt o cumprir-s o» nivrsário, d su inão. No trnscurso í d sus? n d xistênci, d- cs intirmnt à d- -s s intrsss d su lss oprári d su ovo à librdd indndênci ncionl, o Prti 0 Comunist irmão, gsi], soub mntr bm bndir mrxis- 10-lninismo-stlinismo, )rjn sus militnts Conlinur ncroclçõc com o Movimnto MundilUi 1f no» dif.-iriu.-s imih.» ur btn»cr o ponlo d cor r d# ção rotniim» lntr prticipção rciprot n» confrifn cis muni»«mi,,.hri d^jtrl ornir, d cor com o principio psrii.mii» «n bn d cumnt rftoluçõ, runião 2" propomn pl Sfldfdsd AmiRo (t)ukpri.) com o objtito d ritlhlcr condiràtr pr çò comun. E importnt dr conhcr ã lsr s rsoluçõ 3 td n lui runião pdir-lhs qu poim. Km nom llirô. o lrr«idnt Joliot-Curi dirigiu um crt ãs utoridds uprmu ds lirci pr comunicr-lhs rsolu. ção II CotiRrMo Mundil õbr o dsrmmnto. Vári rspol rcbids rvlm o inlrs sucil por cs comumrção. t sncil stblcr cont com s corrnt slstnts m ditr piss m fvor d nutrlidd, pr 4» qu s msms, n prátic, lutm prs ssivsrurdr pz. llucr mi mo» pr cooprr com movimnt pcifist t o outro grup, smpr qu êss 5 conts ss cooprção sirvm ft cus d Ps. Conslho Mundil rgistr com stisfção s sugstõs O inicitivs pr orgnizr confrêncis intrncionis qu prmitm rprsntnts utorizs d opinião public n vári piss confrontr sus idéis buscr conjuntmnt solução dc crt problms d cor com intrsss d Pz Mundil. Tis confrêncis ssgurrão psibilidd d novs rlçõs um nov mplição movimnto s combtnts d Pz. Nst ordm d idéis, o Conslho Mundil: Aprov convocção, pl Entnt Frnco-Blg contr 1 o rcrmmnto d Almnh, d um confrênci s pov s píss d Europ cuj govrn drirm o Pcto Atlântico, d qul prticiprá o povo lmão. Est confrênci sc clbrrá no mis brv przo m Pris ou m Bruxls trr como objtivo rvr qustõs d iut contr rmilitrizção d Almnh o solução pcific problm lmão. Aprov propt pr orgnizr um confrênci 2 piss d Ási d ár Pcífico, cujo objtivo sri principlmnt discutir s qustõs d lut contr rrmmnto Jpão solução pcific s conflit xistnts. r. C. d n lut contr oprssori. imprilists, prticui nt contr o imprilismo inqu, qu spoliou squi s imnss riquzs d vs pátri mpobrc vso povo, contr oligroui fudl tubrõs grnd cpitl, sus cúmplics srvís. Dfnsor consqünt pixon d intgridd d su pátri, o Prti Comunist irmão, Brsil, tm si é fil o intrncionlismo proltário ducou duc sus militnts no rdnt mor à União Soviétic o grnd chf mstr d t trblhrs port-bndir mundil d p:~. o prnd Stálin. O Prti Comunist irmão conquistou com justiç o ppl d dirignt d clss oprári Povo brsiliro, pois su pixond lut unitári m dfs d sus rivindicç conômico-sociis Imdits por um Brsil dmocrático progrssist, colocrm-no smpr à frnt d lut contr govrn rcionári fscists qu o pis suportou ns últims décds, é sob su bndir unitári qu hoj stão s runin oprári cmponss o povo to, pr lutr plo progrm stblci m su Mnifsto d Agto, progrm d progrsso, d bm-str socil, d dmocrci d Pz, cuj rlizção ssgurrá librtção ncionl socil gurri povo brsiliro. Estm sgur d qu, contn como cont o Prti irmão Brsil com militnts provs no fogo d lut com um dirignt d nvrgdur luri cmrd Luiz Crl Prsts. 1 "rói ncionl Cvliro d Esprnç d to o povo Ks confrênci»!«v«:.» txmlnr tmbém» rliço no p im- intrc-i d Ani «d» ár Pcifico d um com-ult populur sobr rniilitrixção Jpão o dn conclusão Uurnt o corrnt no, d um trt p com nt pis. Sugr qut> o Itirõ úi) su poio à rcli-tçào d conf» 3 rêncins rgionis: «s pttisvs Orinto próximo d Áfric Nort; 4» b s piss scndinv.! ilcomnd no Scrtri o stu d orgniiçúo d confroncin msmo gênro: - pr piss d Áfric Nort: b pr piss d Amric Nort d Amric UU«n. (Kst confrênci podri sr clbrd no México durnt o mês d iiromo)., O Conslho Mundil convoc o Comitês Ncionis s ss pf- intrsss pr qu ridim o máximo d sforço prr u-rsgurr o mis complto êxito dsss confrêncis. O Conslho Mundil d Pox dci convocr n U.R.S.S. n curso vrão d 1951, um Confrênci Econômic Intrncionl, brt conomists, técnic, industrii, comrcints militnts sindicis d t com o objtivo d pnis, rstblcr intrcâmbio conômico ntr o píss o mlhormnto nívl d vid s povo. A ordm di d confrênci podri sr: Psibilidds d mlhormnto ds condiçõs d vid ds populçõs m mio século XX, subordinds prsvção d pz. b Psibilidds d mlhormnto ds rlçõs conomics ntr píss. N r80,uí0 r.» Tídr & ^ " Congrsso Mundil intrçmbio sobr culturis, o o Conslho Mundi, d Pz rcomn-. tljiw-íií to su fpoiò à orgnizção frênci d médic, d um con- propt por minnts médics d Frnç d prsonlidds Itáli. Est confrênci clbr.r-s n qu dvrá Itáli durnt st no, srá ddicd\o blm d. lut contr dsstr pro- fit d gurrir n srviç prprcà d protção d súd ds ms populrs. " «Autoriz o Scrtri studr fvorcr clbrção Confrêncis Intrncionis d scritors, bi tírtít cinsts, - confrêncis 2 blms qu «dvrão discutir rlc.on opro. com o dsnvolvimnto d nl cultur d colborção ncio» culturl intrncionl ns condiçõs prsrvção d d p. «u.^tj-cs u ÍÍPÜI brsiliro, ss progrm s convrtrá no progrm d to c povo triunfrá rrncn o Brsil dr- grrs imprilismo inqu, d oligrqui fudl grnd cpitl, contribuin ssim pr ssgurr pz no mun. Viv o 29. nivrsário hróico Prti Comunist irmão Brsil! Viv «yu grnd ch 2f, o cmrd Luiz Crl Prsts! Viv p Frnt Dmocráticá d Librtção Nconl! Viv frtrnidd s pov Brsil d Argntin! Abixo gurr, viv Pz! Plo Comitê Cntrl Prti Comunist d Argntin..) Alvrz, Covill, d l Pn, Ghioldi; Lrrld, Ptr, Rl». Rlizr um confrênci d scritors rtists durnt o no d O Conslho Mundil.«urr qu o Scrtri dv poi. r clbrção d confrncis d profssors, jornlis. ts. dsportists outrs. Supr-lh tmbém xminr forms d poio qu m p>- sr prstds às orpntzçõs d jovns d studnts m su inicitiv d orpnizr o Grnd Fstivl Mundil m dfs d Pz trá qu lugr m Brlim, dc 5 19 d pto d d ir->51. O Conslho Mundil dcid formr, sob su jurisdição, um comissão intrncionl pr s rlçõs culturis, comissão qu s runirá dicmnt. prio- Rcomnd crição imdit junto cd Comitê Ncionl, d um comissão pr o intrcâmbio culturl, ncrrgd d fcilitr s vigns tnto qunto sivl p- rcíprocs dstind fortlcr cus d Pz, bm como o intrcâmbio d publicçõs à rlizção d xpiçõs culturis. Encrrg o Scrtri d- studr crição d um cntro cinmtográfico, trá qu missão d stimulr d coordnr produção distribuição d films m fvor d pz. o msmo tmpo, d dnuncir útiir-^âò cinm pr p-opgmi d purr. Rcomnd o Scrtri fzr to o psívl fim d ssgur;r qu t homns d ciênci mnts d pz prr"",iinni ;.,- -.,i9 (Conclui m pág. 11)

7 ~: - i.-«~~ MINAS GERAIS von m vimmwo dk mio dk M TAS PELA v\% DEMISSÕES EM MflSSfl NU "BELGO- MINEIRA firi áss - í_sw?t írs mi mim. «Sbrm mprgr ns forç pr Impor f rti contr nslss?_ff«i_! "rll«0 "clo í. ««wnnls d Confim.«<í-B Wn? ""^ WohlíSi Mino d ns uvontud.., _. T qu VttrRM «lt.íundinn U mil,ori 332 oul _J_2,UCPM " um Primiro u d M o%sfis"_ 80V "PW~nt.? Srá lári bix, ouwl 5_ 52? """ comr» um crátr v^ Sríi. t d. -? PRr l<?r ns f.t_ricns. dntr 2? to. _wísw»,,rcd8 8or P«l»rilo oprári,; coísc nts.» SS?? S "»""»«rcivir d.côs ÍSSí5S5fcâS?2í^S2 ^ "^,cvnlr por umnt d snlrtri mprc«. con»rn. vicir lut lut por sss rjssfüéjçm Vid "gn SSÜ? govrno. poliuc quí^nonsv^ _2L.r01"!" d gucrr d«msss trblhrs TS^iZ i íí Íl?.ÇAo mí8érln «m vrbs d 75 milhõst^tjf^^ n crédit dgurr,. 6«milhõs pr nvir nc íffift!-"^ d Exércil. d«milh p r compr " T7sZfTlc Pr Cüréi«70 «h"si S^"^.,» - -no..rc. lir. Umu unidd pro tmd fortsí _2_ í?" pcrari br" Prss, n lut por objtwck&ftsf dur Cm" mi trblhrs >rticiprm "? n d.t ^Po^o m à lut pl pz.iltçàn iont_, " Kmpr Hds comprndrão o vrddiro císírj 9,,M prndc «"««s minnts, qu gnhràf ÍZ VtU&l BVcrno d" cis- BtoruM. st govrnosso SX. " n^d«d " Fzr, portnto, dst PrhniíTS SI-11" Pr6pr,s mâ- <»< d clss oprári í" brsi o.- _., Um dt» < unirtv, dicçô.s ^nômicwtscs 2&Ç? P2 por 8U««F»J procupção durnt st mès _. X?.? "OS8 Prin^ Pümificr cuidsmnt o nso íííh Pr,8S dvcmo«despkkzo PELA VIDA 1>0S OPERÁRIOS A oprári Ad m v Frrir d Fábric d M PrSS Snt R, no vitim Rio, dc foi grv cidnt d r,cio» Í S bsolut í0 r com flt dc sffurnç rm nqul J"«Tv mpr.s. cbl prs xs um snd0 J""m rrncs Juntmnt com ro prt.ou- cblu. A oprári trnsportd foi Socorro, pr o Pronto dsmid, > dpois fit su intrnção hpitl. num N Fábric d Prfus bnt R sus trblhrs s quixm d qu s máquins são sujs c dfitus, lm d- _rm vítims dc sgulçõ-s pr- constnts d s lcçocts. prt Os slári o são fom: mquinists mis com d 20 n d srviç3 nhm ff- Cr 5,30 por hor. SURRADO tr i^yptjtio O PELEGO Noticis d Rio Clro, m São Pulo informm qu frrovi.. d Ci. Pulist, m lut pr conquistr AQni d umnto n slári, ntrrm m grv, durn um di o irtovirr.nt-). Tmbém informçõs d Jnnfli. notloiin qu mis d ROO frroviári con.nt.rrm-s m frnt à sd dn Grêmio s Frroviári d C;. "ulist, surrn xpulsn locl um plgfo. botão, m Prnímbuco, «-vindicm um qj umnto^ w/o m su. slári. A s firtrblhrs "m ond d ntusismo oprári ntr ~s d to o Est, qu l.dndd grvists. rv A,á dur ml d 20 dis. Ag PIACAVEIRAS FN- TRARAM EM GREVE Entrrm m j^rv s picvirs d fbric A. Gotr & Ci., m Slvr contr dsumn xplorção d so vitims qu por prt dr.s tfõs. Cnhm p- um diári 0 d cruzir, ou ntr procurm rduzir ind forncn-jt.s mis picv d ri-ssim qulidd pr bnf-.cir. A prvê foi dclrd d o dministrr qun- d mprs susnndu 9 onráris qu fzim prt d um comissão ncrr^-i- ri nrotstr tr con- s,t cit d coiss. A A ssoc<ção Crl hí.lhrs s Tr soli..rizou-s com lut dn. opráfiàs. ricin-s m Slvr mplo vmnto mo- d npfo às Fsts Rrvfsts v q).fr^m sus comnnhfr d stiv, pdin lhs solidrj.l o movimnto m qu stcm mpnh?dg Pág. 8 - VOZ OPERARIA - Rio, ô_j BBBE3WWBBB---B- A Ci.»id. «idururgl itigo l!.i«o Minir, qu uu st _... lovbstn t » u Ct Min. sumnto drrubn dt «^ttt» fio 60 cntv intiius 6 sgut,mio su por um conulst.i rcurso is min grv fci d ôbr JSl h com IUIÜ. ouinpii.idd s ucssivoi govr qu pssm por Blo Uirisont. mpnh gor num uiisiv contr o lno «blhrs. fim d«umntr mis su jã fbu lurob. A vid é mto rr rm Slmrá Pr gring c Blgo Minir não bs Alunlvndv poi. ds,.s no ^fl mnto custo d vl-ut crjiu... "i w- o muhò,. _ ot dc cruzir nm qu conts conts- «r_..««. lr consgui d Itcro Mc 110 no J 104D _,-,.-.?. Jl,nd" V:«««br Monlv.i» o i0 mil.iõs qu ubolsrsm strvés utr d sus Ci., «Frro Brusiliro.. Qurm mis. pr ibio, stão m dmitin B o m Horizont. mss, O lmnt princi rroz r>or _! trbsjhr cust m Bic qu stão Honxontr stbliiund, cminho «trr?i o msmo msborá MS t \qui> tmpo mi. Monlvd xigm cusí í Cr, ^ qu ficm um produção igul ou mior, ffi "f, u«««t Cri íorno 3.R0 n i trblhvm cjiit., cust Cr> 4.80 m Sh-L ôü 60 homns gor pns tri 20 3t op- tfim qui dr msm cm são produção. Os obrigs qu mc.flm trblhr!_««_. m1""? M lrtt»>lhr8 dc S. 12, Mwn 16 lgum hors. oprário so mtr cns og fsr s hors xtrs, i. 4 chm dc.o mlndro pro rci sibr 61c tod sort prsguiçõs. Aumnto d Mii.-i Não suportn mis trmnd io d xpíors- qu são vitims, oprári d Moncâ\^iJCZCmbro úluta0 «"trrm m I í,t "d0 Um -»>«< <t um crusclro por?» s r o,mc!""0 Mt P^ucno umnto gring d Blgo Minir provitntlo.s quisrm pirr d flt d c orgnizção^ iénci s trblhrs, oi consguirm ssm o trblho qu coiicdn-lls i d oo cntv smo! ^c umnto c 0 cntsv m promtn mis Jniro. E ícro qu jniro &o cumprirm pssou rrinir su orno promss. vingnç. E mis ind por _«trm visto umntr SgdS. slári,» ngr.n-s no pgr st grtificção qu é trdicionl n ln ssim o ou O. -o.s chmm <um trblhrs bom ngóci rtirm prjudic.so mnto d 50% n slári -uc <; qumo " "" «sm pr podr nfrntr tr.rcstii. d vi,hí Com xpriênin dn nllim crv irão vitori à? contj",str «.»"s rtvind ^s nu rl:!"c«^ > 50% no slãri S íoot^íl" ü 2x,«ín<,i- d ssidu^dr, J Puff.um0ntO tr;."-» cm bro rs,,n«trblhrs hors x. ó Subr. JA tim cxpcri-nc. Monlvío d lut. orgnizção, Sbm m cu m um comissão forns 2 TSlZ^ri1 combati" «Pol-ds trblhrs, por to, pí.-,_ mnobrm tplm oprári Os op.árf d Blgo nlr Mi- sbm qu pr consguir Ihori q-ilqur mé prciso lutr qu.^ pi lutr sm prci- d unidd orgnlrçào, qu são s rms s trblhrs RESPONDE COM 0 TERROR AS REIVINDICAÇÕES OPERÁRIAS A pollri» Vr», rumprio- o m:ordn d SilTirlnh, o - «-IH-rrlo. -?,,ror -tr««««000 qu. trblhm nqul " ior f/oridd. «,.r.«irmpot? _ ívü. í" " ""»«^nrrm tr»b«hr Mnol fí«-io Rm té pordrr o- ti., uo-«lmm- m M-uid num itiminho- ci pr.l.slino Ignor. ««crimr» d Mnol Rmo, foi» protstr ro.it» nm «sr rircnm qn Sllrlrinh. «umntr visn».>u_ lucr, stblcu nm odio ro-im d mults t trblhrs. qu BAXGÜ K O TRINADO DA MISlí- BIA. DO TI.KROK Q cs Mnol Rm fi é o t.ltimo um lon^ séri d violêncis «1 vm sndi comtids contr oprári. As dmissõs, s pns spncmnt são rspt sistmátic d Silvirinh qulqur, riviodinço lhrs l trb- No tmpo Est inovo, Silvirinh chirv o r-.«into d obrigr sus trblhrs sts msm trblhrs ou sofrim tod sort d violênrins por prl d políci stnovist dsfilr n dis d "I infiimil dint "o plnqu ditr, como s stivssm Ptrdçls pl mus trt sof ris..n ditdur Dutr, om Silviro guind Prsidnt Rnso Bi. «il mis trd Mlnistro d Fznd, s rbrrm. prsguiçõs Só d nm vr. 15 trblhrs form spncs brul.lmnt no Distrito rt«poliri! Bnfffi, Durnt st tmpo, foiloi trnhnlh.ors têxtis cpitl d d Rnnblic tirorm «"mnto um d 1;.% dvi cílr um.com o sindicto Silvirinh ptronl, J"s njroii-s o. como pcás nirou listmticnmnt concdr o Abono MUnl d durnt tod.s sts n. IISTA DAS VITIMAS DE SIL- VEIKINHA \i C«ytr nup 0B blhr«o Bsu so mobilizm p. xi- Slr n stisfrão d sns rlvindirçõs, Silvirinh rnpond rom Trror?_ Assim, inúmr trblhri virm prsgui», omo Frci ico Alvs d Silv, qum Sllvlrinhr mn df prndr nols dspdiu, o vlho Alfr- O Bndir, qu rhv riiilr foi pnt om flo rrusfir: Gtr Coms, qu foi dmiti sumrimnt: tc-.»p, Alfr Jé ri Snt o Jé Zcris, mb prs, spws. tortur o té ms qui- tn vris prt orno no^t d rlirrro. m sguid d.".is. Isso sm flr r.s Invsõs d lrs d trblh^rs. omo oorrn com Américo d nl. qn foi rrst ob spnmnto té o distrito nnlidl norqu rivindicv Abono d Ntl. TONTRA O TERROR DE SII.VKI- RINIIA. UNIÃO K OIU.AM7.ACAO DOS OPERÁRIOS M té gorr Silvirinh lm onrni xplorr oprimir rd vr mis su trhlhrr^, dv-s principlmnt o fto d qu io hi n fibrl um orgni.çãn qu uns t oprri p«i»n «cio dcidid po- sus rivindicçõs. O qu é prciso é xigir com firms o.honn d Ntl qu nio foi pgo. impdir n sj plicd «circulr ds mults», rivindicr mlhors skrins. Ms rclmr tu isso rom disio o udáci, unis pr o qu dr vir, pront rspondr n vlo.suri ptronl poliril com luts cd vs msis lts, pois dst form 5.no trbl..<.rs dn Rngi, rão invnivis. cr cou: CoRdfid& á Mori OSCAR C0TJ.AZ0. ptriot portorr.qiinlio qu tomoti prt num lnt pssol contr Trumn, foi condn à cdir létric. Ao sr intir d Rntn, di.s sus lirors qu!«tv pl cus d librdd su povo, crscntn: cacro r, o govrno mricno tm podr pr mtr-m, ms nunc mtrá s idéis por qu luto». Os jornis vndis o imprilismo puhttcm fotogrfi, sus, lgm, ntr is ngr igulmnt condns à mort plo bstil rgim fscist inqu. Oscr Collzo é um ptriot quivoc qu não ncontrou o cminho d lut rvolucionri sob dirção prti d clss oprri, o Prti Comunist, único btlhr consquntmnt pl librtção ncionl s pov, ms pl su firmz mrc dmirção d t qu combtm contr o imprilismo inqu pl pz. Oscr Coll.o é um ptriot «"" «"»h«morrr com dignidd dfs d sus convicçõs.

8 gjlo PAULO CONQUISTAM AS FÉRIAS COLONOS DE 4 MUNICÍPIOS poi pro d um (ori movimnto d «..-.. i-qu o sguint progrm d r.-.v.i.....iv 0 «l 8o Mnul. 8o mi,ao; m jiiij il comrc dirito A«íénu qu tém u o rwunh^iii l.f I-:.. cd íund. usin, tc, 11»» pmutob f..-.-,., st m iiismlii qu o colon,..imni... pgsj roltim. t! trblhrs d usin i nont-gd hvim fxnplo dvm runir pr discutir o problm dn tk.bro. l",,.., Tmbém foi concdi-lo dirito g fris fris, lgr um coioisan formdr com ls otonoi s municípi d Ctnduv. lti mnt mi cpzs d» divrs» sço o ftris mir disr qu s to ro d«trblho. IVildiu-in»- i 2.t Em c<l fxnd. ui nu. tc, t I lutrm p litti orgunixrm,, -.. luts. coniruirâotr s- dirito rco- «trblhr c sumn fmíli» tn A f-t-nl comissão, dvm s dirigir o pátrio o njhcl. dministrr xigir o pgmnto uucdiiu signific o ss conquist qu Prcbn «IH féris d t o; n d srviço n fndsnvolv vontd s d lut r sntin qu d ou usin, sn qu já tim dirito fri cmpo, FAKKSP «Boolo irnblliur to qu tnhm mis dc 150 di» d stão Brsilir Rurl procurn por dd trblho. burlr o «dss m«íog dirito pgmnto todol 3.» Os trblhrh qu nao tivrm d outr bnficio», como o pgmnto dus rcbi» cdrnt- d trblh dvm, tmdis muit, fris miugou oito hors lim. xigir su ntrg Im-rdlt, omo sao cmrds, trblh dt- trblho diário pr obrigs fzr ptrõs. colon, rs d usin qunndu stjm trb»!.«mm. trblhtlorcs isso di. Por ngocim rurl dvm irnnu momnto Ihn.i com o govrno impição contrio único ditmnt tomr providíncis pr. dt cor com o rtigo 159 d ConslituiçAo d Rpublic Uo Cdiço Rurl. tro dcrto-li n.» 7038 d 10 d novmbro d pr lut contr és roubo UniAo Ml. fundr sus «indicto» ou ssociçõs Gri s Trblhrs d Ribirão Prto ln- «l trblhrs ruris. (Conclusão d tmg. 12} fit-, nm «i.i um rrnhao n pl il tubrõs, pois frigoriffco prtncm trusts Imprilists, «Ao nortmricn ingls». E sts stão intrsss no umnto prço no mrn intrno n crimin xportção pr tmps qu gridm n Corin. A solução problm il crn stá n proibição dn xportçao n obrigtoridd d forncimnto pr o mrc intrno. Gtúlio não trá ss solução, únic solução crt o psivl. Ess solução qum dá é o nso povo, lutn concrt c ftivmnt pl xcução progrm d Frnt Dmocrátic d Librtção Ncionl, o Progrm d Prsts, qu inclui sss mdids no su Ponto 5.. Qun Gtúlio s rfr tubrõs, é o torto fln lij, como diz o povo. Sbm tubrõs qu, s fôr ror Vrgs, ls continurão trnmnt impuns, porqu Vrgs é su sócio ls o mntêm. Vrgs, o grnd f( Conclusão d 3» pág. ) combtr n Coréi sob s or ns bndi Mc Arthur. E pois, grssão, imdit prticipção d Amérir Ltin n gurr o qu s dcid n Confrênci s Chnclrs, com provção unnim s govrn d I píss dst Continnt qu, sm dúvid, dsjm gurr. ^ «Não são unicmnt Ests Unis o Cndá diss o cmrd Stálin rfrin-s o Continnt mricno qu spirm dsncdr um «ov gurr. Nst cminho s ncontrm tmbém vint píss ltino-mncn, cuj ltifundiri comrcint nsim um nov gurr m qulprt d Europ ou jur d Ási pr vndr píss bligrnts rtig prç fbul mss»r milhõs nst mprs sngrnt». 0 Povo brsiliro não qur 0di gurr já j»w, ".tm dmonstr loqüntwnt. Crc d 5 milhõs d Pss, psr trror dsn«m no pís, subscrvrm ^^^ COndC" mmma ^ "n s rms tomics m considrn crimino d frr o govrno qu primiro utilizr. Inúmr» vzs. <^ GETÚLIO, SERVIÇAL DO zndlro. fzr lgum cois contr lornns d su lss? Ond stao miors tubrõs snao no govrno Iodí. Jnfft. Clof, Dudt, Bouçs, Uifcr, não sao sts 08 tubrõs-chf insciávl crdum <l xplorrs povo? A Confissão tio «Gngstr» Millr Sim! E qum o confss o custo d vid sob cd qu di porqu crscm s dspss d gurr ltifundiári çmhrcrs consgum lucr fbul A cust sngu povo corno s ns pov, é um s ptrõs d Vrgs, oul qu lh troux crt d Trumn xigindp o sngu d ns juvntud mis fom miséri pr s grnds mss.s. E Millr, o sinistro sub-scrtrio d Est pr Amric Ltin, qum cb d dizr com mior dsfçtz: «O grndc umnto d procur d rtig produzis xports o rsult d continução ds çõs rmds n Corí-i d intsificçao ritmo d produçao d rmmnt n Ests Unis n Europ Ocidntl:. Mis clro não é psivl. To o mcnismo d gnnci xplorção oprssão d qu é vitim nso povo, dc qu Vrgs é gor o mior rsponsávl, ssim como o r Dutr, dsvnd-s dint d prov irrspondívl s ft. Por isso. qun Gtuüo brinc com fogo, dizn por dcmgogi qu pciênci povo stá s sgotn qu xplorrs «dvm tmr o di m qu o povo fç justiç com sus própris mã\ o povo pns rspond. Sim! E nss di. qu cd vz mis s proxim, com o dsvncimnto ds ultims ilusõs d stors ds msss sfomds. Gtuüo, o mior rsponsvl por isso tu, junto com o su cortjo d tubrõs çmhrcrs, srá o lvo principl dss justiç qu stá cminho. UNIAO E AÇÃO PARA ESMAGAR... têm protst m prç.1 púbüc contr s mdids d gurr xprss sus nsi d pz. No sio ds propris forçs rmds s dcsnyolv um sntimnto htíl à prticipção Brsil n gurr. E é st vontd d pz nso povo, su rpudio o imprilismo à gurr, qu té hoj impdiu o nvio d trops brsilirs pr Coréi. As dcisõs d Confrênci s Chnclrs vêm dmonstrr, porm, o nso povo qu sus inimig não dsistm fcilmnt s sus intnt qu grvo mç pir sobr ns Pátri; Tis dcis, qu colocm Améric Ltin m pé dc gurr, consti tum o mis grv prigo por qu já pssou nso pís m tod su histori. A vid d cd brsiliro stá m jogo mç d cmp d concontrção, trblho forç. d fom, d ocupção strngjr, rgu-s dint d Nção. O povo brsiliro prcis mis qu nunc unir sus forçs pr opor-sc vigormnt pln tnbr s sus piors inimig. O c- Rio, mi nho nso povo foi irtdic por Prsts nomnifsto d Agto Prti Comunist. Drrubr o govrno s ltifundiári c grnds cpitlists, qu srvm o imprilismo. insturr no pís um GOVERNO DEMOCRATICO POPULAR é grnd trf qu prcism t ptriots dmocrts rlizr pr slvr ns p(ri bismo pr ond vm sn conduzid. Mrchm plo cminho rvolucionário intnsificn s, çõs d mss contr s dcis d Confrênci s Chncélrs, m dfs d Pz d Indpndênci Ncionl. Dmonslrm por t mi o ódio nso povo su rpuls às mquinçõs strngiro qu n prim c qu n qur lvr à gurr, como tmbém trirs d Pátri qu vndi o sngu d ns juvntud ntrgm o Brsil à scrvidão imprilist. A situção tul xig: mis mis çõs contr o nvio d trops pr Coréi; mis c mis sforç pr populrizr orgnizr FRENT3 DEMOCRÁTICA DE LIBERTAÇÃO NACIONA VOZ OPERARIA Pág. 9 DIREITO DB FERIAS PARA OS TRABALHADORE8 AGRÍCOLAS A AftjtoriçAo CmponnM Kt» dr Sáo Pulo lnhmi.if. -.i... rontorn to, trblhr cmtr COU pn. ds frrtd d. rft r d» u-in. d curr llrm pl ronquinl d, ft-ri. rmunrd». O dirito d fri» tá»mrtrur o trblhrs r> MU pl» própri li. trblhi»t«. já tn btid mt-ss- pronuncimnto Tribunl Suprr Trblh ni ri.t-d-. Acontc, porém, qu u» f>-ml. iro- uiniro». o lluir d llr.i-.il. ngm»i»lmlimrilr o»»»lrtdn>. riroln rl dirito, mprgn pr i»lo forç, inlimidsçáo. compr d jiiirr». l. Ms o trblhr gricolss ttio sr dispts cnqtrfstr su fri. K mi ind, onqui»tr o pcmnlo é tod fri» trsd». Já lgum, colono d rf rm São Pu» lo obtivrm êxito rm r lul. Sus compnhiro dr oitlr fxnds. sguin o xmplo, prrprm-«r pr conqititr lmbm su dirrito frris. Pr conquistr rsl. como qulqur oulr rivindicção, é prciso lutr. K não»r pod tr êito n lut»rm orgnisçisj. Por isso rn.-r.mo, r prcio qur o» cmponss m cd fznd r rcunm. di-.ciitr.ru bm o problm, formm um romi»«j com lmnto mi combtivo r rpzr». o quis, â frnt dr sus fmílis compnhir, drvrm nr dirigir n ptrão «dministrr c rij-ir o pgmrnw» d féri dr iou sm d srviço n usin ou n find. K clro qur tm lltiir. co»tum roubr MUS trb» lhrs, lrs-rão qur rstr não Irm dirit. Por i»o é prciso firmr. ê prciso nâo rcur, r prciso lutr consquntmnt in inclusiv à grrvr. Os trblhrs grícols brsilir já»tão cns d sr spolis pl fzndir uiniron. Sbm dc-wd polici té tribunis stão srtiço s ptrõs qu por su própri xpriênci comprndm qu sm lut nd consguirão, pois lul d hoj pl féris é mio cminho nd pr grnd lut pl trr, como const ponto IV Progrm d Frnt Dmocrátic d Librtção NcionlCAMPONESES AMEAÇA. DOS DE DESPEJO A Compnhi d Trrs Nort Prná, d propridd s ltifundiári Vidigl, Msquit outr, lm d gring mricn lngls, stão mçn d dspjo mis dc 50 morrs d Mringá. São crc d 100 fmílis cmponss, li morrs há mis d 10 n gstn sus forçs no cultivo d trr, qu ttuirs pr«curm prsntr como «intrus>. Dint ds mçs d violncis policiis, cmponss stão s orgnizn pr rsistir m dfs ds sus trrs. ORGANIZAÇÃO DE CAMPONESES Cmponss município d_ Durtin, no Est d São Tulo, runirm-s no logr dnomin Córrgo d Águ Rs pr discutir sus rivindicçõs, dcidin for» mr uniu comissão qu iliri» j gtrá su lut r dirito d rcbimnto d féris rm» nrds mlhors piv.o pr colhits contrt, A orgnizção cogit d discutir brvmnt o Pont IV distribuição ds trr qum s trblh ks Progrm d Frnt Dmo crtic d Librtção Ncio. nl. SOLIDARIEDADE AOS CAMPONESES DE PORECATtf Jé d Silv Gurr R. João Psso Prsidnt) N rgião d Alt Sorocbn foi fundd um Comissão d Solidridd cmponss d Porctú, qu rsistm hroicmnt, d rms ns mã. o griliro Lunrdli sus cúmplics govrn di Est Prná. i A Comissão d Solidridd, já s dirigiu à pr. pulcão d rgião, solicitn o poio d t pr um grnd cmpnh d jud cmponss sus fmílis qu s virm obrigs procurr rfúgio no mto nfrntm trmnds dificuldds, fltnlhs dsd comid, té rmédi, roups, tc Os ntiv podm sr nvis pr o sguint ndrçojé d Silv Gur R. João Psso Prsidnt Brnrds. Elmnt ds mis di- Espínl, cmponês- Th, vrss cmds sociis mé Athl, comrcint município d Prsidnt Sbstião Jé Ps cmbrnrds form -m Co- ponés. missão, ntr ls t Dr.. «^ Jé d Silv Gurr, mé4?n,,ss^ W P,«dico; Lonr Brr, J^ f ^ ^omids o«profssor; João Domin- -Sft^m,SST Z6 > 0,ld"» f,m forgus Rchi, comrcint; M,,d rd mp, Antônio Prir, motoris- Um t; Wlmiro Mrtins,.f»d brv d P»oprário; Grl Silv rctú.

9 TÜtiutt d&qiacâmào A! ti MAS CRITi- CAS A «VOZ OFKIsAKIAo 114 crto rot rm V07, OIKK.\UI. {. qu m dritsm pro-r qu isto si stá com wm tonto d dsorksni-fsçilo. Tor Um», Mcrvo chmsn stnçãn pt qu pofcsmot. dwubrir ond é qu funcions ml o «.rr.iço dr. cvoz». Por xmpli s «VOZ», m u númro 91. psnins H. ns Sção «dit Dis no Hr-.il>. êh com rfcrêncis «> jornsl O Khi.uIu d Golis». ts «firi n- (orni «O K-t d..»»> form im dids por wm bn d ttirnt, n ofl nd prisão d vsri rrfirn- prcndids s dição sio jornlt. No numro «O Es t d Cniást, s nio n n irsnm. foi publicd um not sobr rbilrrtd d. qu dsmnt cv». Tn»In-ni no númro d «O K-t». not êss rspito d.-..i j/ compltmnt «VOZ», qun public n 1.".pgin, rfrin-s s bot d rção, o sguint: tksplhriu qu o nso jornl tinh si invdi dnifi. Ms tu não pss d?il mntir. Continurm firms srviço povo d dmocrci-. O.UC contrdição pod-s obsrvr í: lm jornl populr dsmntin o outro, sm o sbr. E o pior d tu é qu ««JOZ OPERARIA» podrá ficr dscrditd qui m nso Est. E s rção pg brch dsss? Srá isso qu contc m rlção às nolícis d outr Ests? Achm ncssário pôr um fim nisso. Dv ficr clro d ond s noticis sm: s dqui u dnud dirção jornl. Outr cois. A «VOZ» blic pu- m su númro 91 um notici n sção «Voz ds Fonçs» intituld «Grv n fbric Vldi». Até í nd J mis. Ms ó quo no numro S.3 pubhc d novo não si porqu, já q c nd crscut d novo. o colocn fbnc Vldi m Goiâni «m não Goindir, ond sl rlmnlt» xist. N sção «Rspondn cri» su public por dus vzs s rspts srs. Brqtto Olvo Alfr Goms. Srá flu spço í stá sobrn? ANTÔNIO BARBOSA Prsguição ot trbolhnri pl Jgunç d Lupin ffftftlrls) O mumcpio d Msríng 6 wm vnl m vivntl ils nbu^i ^«.lüim, s grutnituito... j^unçor d l.upion. O «diffor» ti M.ulsg.ir.,»l i.»».,i»i ttmi u cpitao Juso O OSMirifí. ti rnlátim d IWnw» dr ri ti ws. sn lo o scriiço B. Lop, vm umntn di ç o bono d ntl s fri rins pod, muits dn 8o sr cus if»m d dsrrrdmnt dis uprssu «.br o robn povo /oi vrgonhmmni d rmun. trns dnts, tc., «origins d Mringá. Por xmplo um 4i/i.i rm Ittnltniiuj, o pl má consrvção L prmotmi Irm tito d I mm "" M»br vlho, pi d numr qu corr tô Itrré, fic hors hors rsp. «Vo omo di rspito I iic. nom Antônio Oon tn á isslstênl o trm du nrrou, nm gnhr um rrs spuç mdir lmbm é çu, qu ocupv ns Pr rio,./»i../.. difícil.ud < d um ml orgnizd stof tmblho. nfrmiro mdico filttr o crgo d vsrrr. d pr -ssistênci, n Náo frrovi obstnt isto, há muito um d.», i tini.-if, vitims ds Os pdrir lim qu comprr qu s -poc filh s frrmm s oprssão. ts frroviári pr o trblho n frrovi 8o rttrbtm pdm um nfrmir um pr lhs tndr; toco d HA broch mis d umti um dsmpmdtir trimstr, Irs Qunto o médico, st tm três qu A...oníu Gonçlvs not, um «mtro. só tnd nao Os t rcbi ru mi st r vncimn. pdrir 10 d mnh. h,u Procur pintors «tnd, obrigs u vi)r, mínimo ás sgunds d nts ch Um, no incluin um firs slts, psívl.dpois vi m licnç trm pr o rn mislò, o consultório qu lhs Viculr c li cobr, só d 30 «lis. concdi lr prdr dc oito d; hors pr sm for. cr rcbr to um plo Cr$lv,uO; ts. Prfito D Polim. qulqur pu, f-.ir um xm Antônio pgmnto por ss lmpo. CrWum S o qu ê Gonçlvs, pru nao pior: durnt smn morrr são d obrigds tr %t8 ftot Chmt, " Vm H "" "«fom. Itlhr cs m txsso, pl ncssidd sm rcbr rmunrrão, Ns stou mt.ilou o filh vndr fim dc dscontr convnci o tmpo dc um cl d cn. dfront «Jo ds Jgns n mis nunrir coispns «v. t. como ss xplorção, «Bzr sc únic rsponsávl nd por isso n O rsolv Noi Pl, n fs o 8orocbn. qu é ncssário pr cbr com isso c à proximidds firmz s Bor dt» um Qum é obrig frroviári r> dc sus protgi cpitao trblhr for d Urd nvohn finws, «v. no rcb Iop. O no diáris. protst por t mi, or. Br so iinlzn.s c xigin, quixou o cpitao, dizn-s.á!,or trd M trvés utilizn dc trb comissõs lhrs ds por ctgori, nulção prcjutlics cm turms sus ngóci. dê onsri imdit pr substituir dsss mim cri. mét -V portrs. Trblhm xplorção. Ji hors Imditmnt só rco sps Quc toils o cpitao bm 8. n- Esss mcdds, /.-/i s unm lém compnh dt c xijm srm um injusts viir ni cr. sub-prfíto dc xplorção, pr lhs nul,, são substituição Lvi Tup» cbo prigs, plid pois mpr dit im Pul -t gs ds médico turms dsonsto. n têm As mdids, c por vári solds prtic s ds srviç v; r,i«/«, stçõs miors dc xplorção isso bm rms, pmlrrd dr origm foi o rncho d três dss bn, por prt d Uor,,- sm só srão qu culp, smgds ntrtnto, om Antônio Gonçlvs cib luts, obrigou-o rrio o op- orgnizção, nh> «d turm. com Além disso, trminr s turms com vnd d. firmz crscnt cl d cn. NAo contnt, no srvs con- s têm frroviári. fic rduzids is homns, tr JOÃO di sguint ELOY São Pulo o Prfito dispnsou Antônio Gonçlvs, funcnário licnci por motivo d ninli-.ui. sm viso prévio, fris nm nd, só porquo ousou gnhr uns níquis pr sustnto s filh nqunto não rccol d Prfitur vncimnt qu unh dirito. COSTA SANTOS Prná Contr o nvio d trops pr mort n Coréi Mnifstm ns protrnto contr on «-rédit tio gurr pr rmmnto, nvi, tc. I,iiiilniii xprssm nso _ rpudio âs intnçõs govêr-. no d nvir ns juvntud pr gurr dc grssão d-, snrdud pl iinpriiilists nort-mricn, bárbr I grssors d Coréi, Knquunto s ngm crédit pr lvour, mntm-sc ns juvntud sob rgim ro "xplorção ns fábrics c fznds sm scols sm hpitis. 1" bsur imptrintio ntrgr nso tsouro ns mocidd pr srvir d psto tubrõs rm- < inntists inqus..) Migul Chgs, Cândi 1 Morir mis 8 ssinturs (Assis São Pulo) L CONVOCADOS TODOS OS... (Conclusão d 1 pág.) i! scrvizrão prprtiv ci gurr inqus. E uq próximo di. 18, nst cpitl, m frnt o ítmrti, srá rlizd um concntrção populr, às 16,30 hors, fim sr ntrguq o Ministério ds Rlçõi Extriors um mnsgm d:. protsto, pr cuj ssintur são conclmds tods s ntidds dmocrátics, ptriótics populrs Distrito Fdrl. Qu t ptriots pss digns, tods s mãs, sps noivs comprndm significção dsss dmonstrçõs d protst contr gurr scrvizção q dólr, ni dfs dà pz d vid s brsilir. Tornr público o su protsto contr s monstrus rsòluçõs d Confrênci d Wshington, rforçr vontd d pz o spírito d indpn-íjnci d nso povo, comprcn às mnifstçõs "pois, ptriótics di 18, é, um dvr povo crioc, d clss oprári, ds mulhrs s jovns, d t quls qu mm vid lutm contr rmss d brsilir pr morrr no Coréi como g d cort, ngjs no xrcito mrcnário d Trumn! Pág. 10 VOZ OPERARIA Rio, Expl orção fudl ns fznds d cfé d Itprun Os cmponss d fznd s srs. Drci Noguir Imo Bst, Adhoj chmd Agro-Pcuri Slg, tun, s srs. Bo For- Lucs M. Bst c Abn Bussd, no dc Itprun, município so vitims ds piors forms dc xplorção Assim quo o cfé, quo tulmnt stá sn cot o prço d Cr$ por 10 quil no Rio ou sjm CrS ws co,ono8 dsts Po ^ n;ncncnlrci?u,c-p,0s f;z»ds ço d Cr$ 50,00 por blio pr- qu tm d litr. Not-s qu trtn-s d cfé d bo qulidd, o blio dc 70 litr j ultrpss um rroub. N fznd <ttuirn» Abn, o roubo ind é mior, pois o msmo blio d cfé lh é ntrgu Cr$ 20,00, prço st qu só srv pr mtr " trblhrs d fom; s mulhrs dsts çolcr. não sbm mis suportr tnts vrgonhs miséris. Os filh, smi-nús, nlfbt dsnutris. Os trblhrs são obrig: -J trblhr pr o ptrão o prço dc Cr$ 15,00 té Cr$ 10,00 por di. ^st é o prço pgo plo sr. Abn. Enqu-nto isso bnh cust té Cr$ 26,00 o quilo, o toucinho té Cr$ 18,00. O m-. tro c-è «risc» vgbun cust d Cr$ 6,00 Cr$ 10,00, u sj Cr$ 70,00 Cr$ 100,00 o quilo lgodão, nqunto plntrs vndm Ci$... 5,00 Cr$ 6,00, pnsn f-. zrm bom ngocio. E não somnt nsts fznds xist xplorção trblhr. Por tod prt é ssim. Ou d um. mnir ou d outr, t têm sus mét d xplorção. Agor, prguntm nós, trblhrs: ond stá o sr. Gtúlio Vrgs? Promtu mil coiss n sus discurs, ms t io não pss d promsss. El stá fzn como smpr fz politic d su clss, pois s:. rico não há d qurr sçrificr sus inti-ss m bnficio d nós trblhrors. E ns : problms ficrão T.xvi. dqui mis cinco n qun, por ocsião ds dm-, LUTAM OS OPERÁRIOS DA VOTORANTTM gogis polítics, prcrão outr promtn o céu trbrlhrs. Sim, ms nc.; qu sbm- disto r.ão stm dispt sprr pr srm outr vz ngns. Estm rsolvis lutr c n orgnizr, por Pz, Pão, -Trr c Libcrdd. Estm rsolvis não d xr mis quo mi tluzi.. d< xplorrs n rub.-m mis, ind como nâo bstss, xigir sngu. ns filh pr morrr pi ricç nort" mricn. Compnhir trblhrs c.o, formm ns coirtés d dfs s ns locis ti trblho, pois à n s frnt stá o Gvlc.ro ;. Esprnç, Luiz Crl Prst c o su Prti, o Prti Comunist, o úhio Prü s oprári s cmpons. Unmo-n sob bndir d Frnt Dmocrátic dc Librtção Ncionl, lnçd plo intrépi invicto Luiz Crl Prsts só ssim lcnçrm o bm str d ns filh d nss sps, o bm str povo trblhr. Alcids Jé Coutinho (Et o Rio) N Votorntin umnt cd di qu pss xplorção s oprári. Qun lgum dsmprg qu li procur trblho prgunt s fábric é bo, rspt c um só: mis prc um cmpo d concntrção qu um fábric. As suspnsõs sc rptm- torto dirito, flt-n mtril pr trblhr s hors qu lvm prs não so pgs. Os oprári trblhm dbixo ds spiongm d um comissão d três gnts d compnhi. Contr ss clim d xplorção é qu trblhrs no m ái d jniro, n sção d su pntdir, ond- mprgm tividd 40 oprári, tomrm pição. 12 s form dsss oprári- suspnss.por is dis por trm s nlhs rcus tr- com mis três mquins dss sção. No dmis di sguint, s compnhirs prlisrm o trblho iidd m sinl contr d solid o umnto ds máquins, s sn ss finl vitorio- grv. Tmbém n sção d tclgm, no di 23 dc jniro, 14 32n,:i?)!,nnrmo ^rviço form xigir d Compnhi gnlnt?ls 1).oi;no ÍJrm przo pr o grnt rsolvr. S?nHÍl! SCSum- S 15 hors Sl, wivindicçsb não stivss m mss«v «to. J-M&n «o scritório. No di sguint, Sí,, 7U(!-g,lí. Ç,ntc,Mnd0U tom«r noms d In, íi\mtcs d h- r mrcd Pr»t«-«l?r o cort -7í _l"l/.r,vtco.,u ""8 mm míts- dis1">5t" "" S. Lobo ÍSão Pulo)...- :... " -.--i-»"^ , " -»m ^mixmk:v»m>,.. yyy^-^--^^"" -it": ^ r^0^^^ "s_^> ^ -ft^- r^_sís

10 :...:-. :-- Arfk Crític Auto-Crític N Frnt d Imprns d Jto mir uni ompj - st um lo,,- M-i-mrro impfmoo s /»r.. ps o socuiiimo, Ocrrío to upmuruiod rd Vt» mt vidnt,», d oulro l, 9 dtmspèro cmpo imprilismo d gnrro, sucrstuo- Wr(tt bli por tod port, r por isso mmo mi grrivo, trr - coloc com mior rlvo importânci d imprns ^muisf populr n lut pl ps, dmocrci «o ocusli- mo,.v. mus condicó 4 vidnt qu fo cod di motor o mitigo d gurr; m», oo mmo tmpo, tomm-t tombm tmiort psibilidd d trm dtroç», pl forç d ms un scnsão, o plno» sngrnto incudidrio» d gutrr, A gurr sé pod»r inn uávl dvirt, -n trnomnt o grnd Btálin m u rcnt ntrvisto s o mm- Éidriof d gurr contgum confundir us mss populr com imnfir, rnpnd-t lvá-ks um noto gurr mundil». A itnprcns comunitt populr tm d»cr um» intrumnt dr propgnd gitção mis ficint prtidário» d p nst lut pro impdir qu incndidrio» d gurr con sigm confundir mss populrs com mntir, ngn- Is f Uni-ls um nov gurr mundih. A imprns comunitto populr, m norso pi, tm d r um s principl tn»trumnto» d ducção rvolucionári d msss, qu lhs mtr concrt objtivmnt o dikm m qu s ncontro nso poro ps om gurr, totl colo- M,:n,.i.» strngiro ou o indpndênci ncionl, ditdur /scisl ou dmocrci populr lh» pont, bn-s ss própri xpriênci populr, o cminho indicé» no Mnifsto r/f- Agto. Por isso s torn cd vs mi» urgnt qu m imprns comunist mlhor contmumnt o su nivl politico ilógico, «u form su contú, sguin s rsoluçõs último Pho Comitê Ncionl qu coloc com to forç nc»- sidd d <lrvr o miri ilógico d ns jornis rvists», Com st objtivo, VOZ OPERARIA inici um prcição cri tic dc ns imprns, visn contribuir frtrnlmnt pr n discussão critic uto-critir dc lguns problm fund mntis d imprns comunist populr. SOBRE «O DEMOCRA- TA» DE CAMPO GRAN- DE (Mto Grso) Abrin st discussão vmns dr ns opinião sôbr númr d 25 d Fvriro 4 d Mro dst no jornl <0 DEMOCRATA», d Cmpo Grnd, Mto Grso. O qu chm tnção, m primiro lujr. é dbilidd politic ilógic jornl, fundmntlmnt ilógic. No númro d 25 d Fvriro vm public, n intgr, um cumnto qu o comn ds bs nvl d Ldário vidntmnt forçou qu lguns Dpráms o ssinssm. Adint s comnt o cumnto dirn qu trblhrs o hvim ssin por flt d firmz rvolucionári». Foi Just publicção cumnto? Clro qu náo! O s qu dvri tr fito r dsmscrr coção contr trblhrs, protstr contr s violê.icis comn d bs d Ldário. Não tm-.» por qu dr curso, m ns Imprns, tis cumnt ti rção nm r ncssário Isto pr dsmcárá-lo. Mis ind: dvm tr smpr procupção d dr dstqu quilo qu n intrss, issunt qu conlr-jbum mobilizção pr ftiv ds ms- «s- Colocn ss mtéri no»to d primir DEMOCRATA págin, O infringiu rudmnt ss rgr Foi primári. justo? Clro qu não! A mtéri d mncht podri «r dnúnci d Confrênci Wshington, <ju por xmplo, siu com muito Dstqu mnor, ntrtnto, rlmnt r mtéri mts im- Portnt ponto d vist proltri. No númro 4 d " mrço toutro xmplo d mncht um fls. El diz: «A Polici d Cmpo Grnd não Pod grntir vid propndd s ciddã:». E d- Pois firm qu isso ê consjunci s bix slári «i. scrivão s prçs, d flt d vrbs pr diligêncis, tc, tc, Qu slgnific? fsto? Signific qu dirção jornl nüo stá bm convncld d qu o prlho Est vis protção s intrêsss ds clsss minouts, fundmntlmnt contr luts proltri povo! Est sri lição qu o jornl podri tirr fcilmnt s contcimnt locis (in- cpcidd dn polici dinto d ssito roub) trtn o ssunto num brv omn Uno. Não é crto qu s frroviári «I NOB ntrn sm m grv hvri polici té dmis? Não é crto qu nuns flt polid qun s trsts d rprimir mnifst çõs populsrs? O fsto d fltr policiis pr impdir qu frnt povo sj ssltd k noit ou n birr» ml sftss prov, prlssmrnt, qu st não é procupção dss stor prlho sttl fudl.burguês. Não é um qustão d vrbo, d ordns, ms um qustão d ordm grl qut s clo mlnnt rs.1 vm smpr d cor com sus Intrsss fundmntis. Aind lguns dtlhs. O «DEMOCRATA > rflt multo Insuficintmnt Intrêsss rlvindicsçõs povo d Msto Grso. Não n dá idéi d luts. A não sr lgums rfrêncis frroviári, náo há prticmnt mtéris rfltin intrss dss msss. O DEMOCRATA não fz nnhum propgnd dc URSS, isso dv sr um trf prmnnt d tod Imprns comunist populr. A divulgçáo ds grndis constnjçós socilismo m mrch pr o comunismo, ns URSS, bm como lvção continu nivl d vid s pov soviético por xmplo, d qurt rbix d prç dpois d gurr constitum um ds forms mis concrts d mtrr ã msss o rminhi d p o oocjlismo. O DEMOCRATA d Indicçós dmsldsmnt gris pr solução s problms qu s prsntm. Fl mis m drrubd tul rgim, o insturção d um govrno dmocrático o populr qu mi construção prátic d FDL.N. d orgnizção s luto , qu é tr d pr tingirm rs obj tivo. Cd problm concrto ds msss dvo tr. m n Imprns, um solução prátic t solução prcis sr rlciond objtivmnt com o Progrm d F.D.L.N. No fcho comntário sobr ubtltuicão d Lim Figuird n dirção d NOB crsvm o compnhir d O DEMOCRATA: «Cumpr portonto gor o dirtor d NOB. coronl Mrinho Lut, rprr tmnh injustiç, rintgrn no srviço ds trsd sss bngs ntig srvi rs». Est é um solução fsls, xpontnisto, rvl séris ilusõs d clss. E vidnt qu o coronl Mrinho Lutz sd frá st «rprção d injustlçs> n mdid m qu própri trblhrs lutrm por suss rivindicçõs, inclu!v pl volt s colgs fsts. O DEMOCRATA trt ind lguns ssunt plpitnts d mnir tão «toriznt» qu torn mort. Exmplo é o rtigo sobr «Rsistênci Continntol», ns dição d 25 d Fvriro. Os compnhir noticim o plo ds orgnizçós dmocrátics Rio contr Confrênci d Wshington. Ms, m vz d rproduzl-lo pr dr mis concrtmnt o povo d Mto Grso «dfinição prcis s objtiv d Confrênci», pr oncirnáio á «trfs qu cbm o nso povo», procur mtrr qu «o novo» umnto «siá n «colocção, m bo concrts, problm d rlsténci continntl ltino-mricn>. lig Isso t ntrvist cmrd Stálin o trmin sm dr clrz o litors qu é rrlmrnt ncrário fzr m função d Confrênci d Wshington, rrcr-n qur. lém d rrpro duslr o cumnto, s dvi omntá-lo m spr, mo» trn como o ssunto diz ro pito o povo d Mto Grs o o qu s pod dv fzr UL APROFUNDAR 0 DESMUSCARAMENTO... (Conclusão d I. Pg ) Ests são. rptim, lgo ms indicçós critics. Rl não significm, vidntmnt, qu tom rm sru conjunt O DEMOCRATA não sj um ftor pitivo ns lutss dmocrátics. El o é. Contribui pr o sclrcimnto d msss. Os ssunt ds s çós «Noticis Intrncionis» «Noticis s Ests. ão slcionss ntr o qu há mis Importnt. O mtril rproduzi d «Imprns Po pulr» é bm scolhi. O jor nl prsnt lgums dnúnw cis concrts intrssnt. Ms, sm dúvid, é ncmrio um grnd sforço pr mo. lhorr rpidmnt col-tco- s á ltur ds grnds tr. fs qu tm pl frnt im prns comunist populi m nso pis. Isso dv co» mçr por um mior sforc pr lvção nívl idò lógico politico d sus r tirs pl plicção, m co rátr prmnnt, d grnis rm rvolucionári d critic d uto-critic. Nst cso, portnto, trt s d profundr o drmscrrmnto govrno d Gtúlio como govrno d gurr trição ncionl, govrno d ltifundiári grnds cpitlists subordin o imprilismo inqu. n bs lvntmnto udcio nérgico d cd um ds rivindicçõs mis sntids ds msss n locis d trblho rsidênci. Ms isto so não bst. S nós, comunists, não drm um contou politico concrto qulqur um ds luts d msss. sss luts, por si ms- DECISÕES SOBRE (Conclusão d Pg. Cntrl) crts ds orgnizçõs cintific» d qu sus dscobrts sjm Utilizds unicmnt pr fins pcifico». O Conslho Mundil dirigs Comitês Ncionis conclmn- -qu dvotm máxim tnção o rcolhimnto d mi mtriis pr o Fun Mund-! d Pz. O êxito dst. cmpnh constitui -á um outr prov d dsão s pov à cus d pz. Isto prmitirá o nso movimnto cumprir su missão cd vs sssèi ficintmnt., ms, não ducrão s msss, não contribuirão pr su orgnizção pr o vnço d su conciénci rvolucionári. E nst momnto s luts d msss gnhrão um contú politico concrto s soubrm ligr tods ls à lut m dfs d ps contr o cors d gurr olonixção d Confrênci d Wshington. O problm d ps é, n rlidd, o qu clr dfinição s is cmp d forçs sociis qu s dfrontm m ns trr, o qu rrnc mscr com mior rpidz gnts PROBLEMA... rlizção d tods sts A mdids contribuirá d mnir dcisiv pr mplição nso movimnto, m. plição qu dv prsguir-s: tomn como bs rsoluçõs qu dfinm ns pição no qu concrn problms d Pz; por mio d um vst cmpnh d sclrcimnt ntr tôds s cmds d populção d cd pis, cmpnh qu propicirá um- bs pr dbts livrs honst tmbém pr çõs comuns m dfs d pz. imprilismo m ns trr, por mis disfrçs qu s prsntm,. oo msmo tmpo, o qu rún com mior mplitud tods stors cmds pro grssists povo. O pro blm d pz é o clcnhr d Aquils, o ponto mis vulnrávl ds tuis cis ss minnts, qu dsjm trblhm plo dsncdmnto d um nov gurr mundil visn rlizr grnds ngóci cumulr lucr fbul com o comrcio,d gurr. E é isto o qu xplic, justmnt, i li dd o çodmnto?com qu o tul govrno, prtis fudis-burguss qu o poim provrm o trtm d por m prátic o infms cors d Confrnd d Wshington. A lut m dfs d pz. colocd dint ds msss com objtiv concrt dfinis, como. por xm pio. lut contr s ds pss militrs, contr o umnto d trops crição «xrcito hmisférico» contr o nvio d solds brsilir pr Coréi ntrg d ns minéri strtégic trusts é quo s lig s fund mis nturlmnt ás luts pl rivindicçõs imdit s. Pois stá vidnt qu c résti d vid miséri crscnt ds msss ncontrm n politic d gurr su cus mis imdit. Isso torn mis cssivl às msss comprnsão d importânci d lut pl pz. Nst lut contr gurr miséri s ms ss podrão comprndr mis rr pidmnt. trvés d um trblho pcint concrto d sclrcimnto rliz pl comunists, quo somnt com dm bd podr ds tub clsss minnts, com < lut rvolunri plo pro grm d F.DLN. srá ro lmnt poivl grntir t pz, o bm str libr dd pr s grnds m ss povo brsiliro. N t lut pl pz s it«?indicçõs, com fusão» trit d cd rivindicção ds mss cd um t obitiv concrt sp cific d lut m dfs d pz. é qu s orofundrá c dsmscrmnto govrno d Vrgs qu s po» dr dr squrmnt às msss orintção rvolu cionári indicd plo no so Prti. Rio, VOZ OPERARIA Pág. 11 S :..". : 7.77,.7..,.; ~..:-.$W=. :_.; :..

11 V AProv Crim Jornl noliriirm u 08 vnd pál ri JoAo N «c d Fontour, qu ind s cnconlrs m Wtltington, fu ntrg d iims rsil I»«i4»l nr. firlálio Vrgs Trumn. O ruiu mulo dr»» rl nlo foi divulg,, s s lu indic, poi já d corrrm viri» di» d «u nlrcgs. prmnc urrrl. Kilr. flo, por i msmo, d- Monslr qu crt d Vr» Trumn nio pns, smo prtnd fir rír propgnd tul govrn, s crt dc um miso u- Iro miso». S o f, su trmo» nio prmsncrim crio» itri d mior «r viiu-nri. tnto pr Vrgs mo pr pátrio inqu dâr-lhr mi» mpl divuls tio. como contc com to o cumntou misl- » trocs ntr sovrnnl d diütinl piw». l«. qu crt d Vrr» vm, n rlidd, con firmr é dnúnci rlit l pd gnci llsrfic «Trl Pr» d qu Trumn nviou por intrmédio g-»lr Kdwrd Millr um crt scrt Vrg» xi Rin o nvio d trop brilirs pr Coréi ntrg gm qulqur ntrv ém minéri strtégico Brtiil Ests Unis. IhIo foi nts d instlção 4 Confrênci d Wshingrtou. A pição d dlgção d Vrgs n Confrênci, tomn inicitiv d prof>or crição limisfrico» xrcito pr combtr n» qulqur prl mun «d xijm on nort-mricn, provn ccomunidd ds mtéris prims strtégic continnt» c. finlmnt, (ornn iniifiv ds mdids qu vinm sufocr, com o trror fscist, movimnt p- riolic pl pz n Améric Ltin str pição dmonstr, irrfutvlmnt, Vrgs, como su prci f Dutr, não é mis qu um lcio s frusts monopolis inqus. Su crt d rspt Trumn é um rptição dqul ignominio cumnto, ssin plo vnd-pálri Corri c Cstro»w> qul o ministro d Dutr punh m lilão o Brsil. A crt Corri Cstro provocou just indignçio qu foi tão li qu s rfltiu n própri Câmr s Cssrs d Mndt trminou por obrigr o proprio Dutr citr rnúnci ministro d Fznd. A crt d Ctúlio, ind mis ignomini, porqu c ssind plo próprio Prsidnt d Rpublic fch vnd n blcõs imprilismo sng.._ d ns juvntud, não pod dixr d ncontrr um rpuls mis vigor mis indignd. El é um prov irrfutvl crim qu o ntigo tirno Est Novo stá comtn contr o povo brsiliro, contr vid d milhrs d jovns, contr trnqüilidd d milhrs milhrs d mãs sps, Contr indpndênci d ns pátri. nlit, nl i Imorílism lio Qur Hã Pot Bixr Prç O» ml» r«tubsrõw ncionis são sus sóci sustontécuto, fu «vrno «To»., Oi mi vnr»«luhnãm ««tmé.t. -c~. «...? r...»m«ch.p.,.o McUmo_Ch«nMn.w l. Mt. Clohs. Utr.»tr. - lvz O IW po,o M J-rtiç. com mm próprt. «Am, xmio i^sssssí riponutl pl miséri fomt qu lrv. O DISCURSO d Gtullo r prsnt. ml um pronunci mnto dmgógico, trvés qul o Urno Est Novo procur ngnr stors d mss qu nl votrm sp rsn modificçõs n Intol rvl situção m qu s sch o pl. Trt-s d um sri d dsculps sfsrrpsds com qu Gtullo procur rmcr o spirito d lut povo, dizn qu nio pod ncontrr soluçõs di pr noit c qu «dvm fugir às prcipitçõs drástics». D Promss à Rlidd às soluçõs No ntnto, qum diss no discurso Mrcnà qu i «frn prç? Qum diss, no discurso sguint, qu i «bixr o custo d vid»? Nâo foi o msmo Gtullo? Trt-s, portnto, não d prsntr dsculps dsconvrsr, ms d rspondr o sguint: Os prç form tfrs>? Os prç bixrm? A rspt é st: prç continurm subir ssustrmnt. E conclusão é qu Vrgs mnt às sus promsss qun diz gor: «Tnho pns is mss d govrno, s soluçõs pr cris conômic finncir m qu ncontri o pís nào s pod consguir di pr noit». Ou qundd firm qu s mdids d crátr mis urgnt, «já. form pts m prtic m divrs stors d dministr ção public». Porqu ft, isto é, lt diári custo d vid, provm o contrrio qu ssgur Gtúlio. Dois Dpoimnt Insuspit E tnto é vrdd qu Gtulio mnt mis um vz o povo qu o próprio Vic-Prsidnt d CCP. diz qu prç continurão subir. «Dntro d is mss no minimo firm o sr. Bnjmin Sors Cbllo m ntrvist à imprns não há psibilidd d rdução custo d vid nm d stbilizção. ce por qu? Qum o rspond é o sr. Otávio Mnds Filho, vic-prsidnt d Comissão Estdul d Prç dê São Pulo, o mis importnt cntro d produção consumo pís: «Divrs tblmnt d gênr d primir ncssidd (frinh d trigo, mcrrão, pão crn), por dcorrênci d motiv supriors, inclusiv convêni intrncionis, psivlmnt trão sus prç umnts». Eis í dsvndd, por um prpto d Gtúlio, um ds principis cuss umnto custo d vid: s xportçõs pr o xtrior, qu Vrgs stimul qu cd vz mis srão miors, m virtud ds concssõs su vrno go- imprilists nortmricn, qu xigm nss mtéris prims «riàj nr limntr su máquin d gurr sus sol ds. Govrno d ltifundiári po fsr o cuto d vid. ns Soo"1 bíkr Vrio $ fftuse <!íár,o«cpitjifttn» «-«pltllsts xplorrs suor povo no Pod cntào dr. n vhl po o govrno d tndrá somnt mgoglco lvr d trição n o su custo. nl «d Vrgs bixr pr ç tr mdids outrs m bnficio O Torto povj? E Fl Alij clsro qu nâo. Porqu o vrno go d Gtullo é um Est rzão govrno pl qusl G d ltifundiári cpitlis lu Io nâo tm utoridsd ts, d tubrõs çmbrc flr m pr tubsros «çmbr rs, submisso à conomi d gurr s Estss Unids. Mdids r bnficio povo, só o pod fzr um poi govrno no povo librto, tnto, d por- minção imprilist d xplorção fudlburgus, isto C. um dcmocrático-populr. govrno E tnto isso é vrdd qu o govrno populr d Chin, pis dvst por um gurr civil d 20 n, pl ocupção ns, jpo tc. pôd logo qu chgou o podr trminr com infição m muito pouco tm- csdjrs, fingin qu trnsfor pr sts crimin rsponsbilidd d qu é cumplic. Diz Gtullo m su discurso: «O povo sb qu muits mdids d intrss publico stão sn sbotds». Ms qu mdids d intrss publico são sts tomds plo govrno d Vrgs? O Jogo d mpurr ntr CCP, o Minis trio d Agricultur Prfitur sobr crn? Qul é rlidd? E qu crn não xist n çougus qun prc prç continum subin. N zon sul NO 31. ANIVERSÁRIO DO P. C. E. Ji M filt-mlgnon d SO cru. slr o quilo. E s houv d fsto sss mdldss, cbi fz-l» qum rspitr «cx. mf\ m ^%^ li mmw m^m^kv mmmm. 1 ^^^. A mmt^mxa \m\ cutr? Clro qu o govrno. U pivô sb, isto sim, qu solução problm d crn dpnd s frigorífic. Mi Gtúlio não mx n frigori- (Conclui n pg. 9) Nov Etp d Lut Povo Espnhol Pl Pz Indpndênci Ncionl Dpois d qus trts n d um btlh froz sm trégus ntr o povo spnhol, com clss oprári su prti d vngurd à frnt, d um l, s forcs d rção clriclfscist, obdints às ordns d Hitlr, com o poio ür,% jn,pc P^ m) mmmm mwm A gênr és- rilists ngio-mricn. d tro ou- hróic rsistênci Rpublic d respnhol íoi smg- Ms z n d mis tl bru- rção fscist não rsistênci qubrrm povo spnhol/ uoj. mis viv qu nunc convicção é d t spnhóis qu solução d sus ms so probl- pod comçr bd pl drru- d ditdur trrorist d C PCl ròs8urric<> bí C0 d Rè- A frnt dss lut, torç como mis consqünt, clss stá oprári Prti guid por su d vngurd, o Comunist. Prti A 8 d dzmbro 1950, o, d Comitô Cntrl Espnhol PC dfini clrmnt rumo o sguir pr runir forçs s concntrr golps contr licrcs rgim ror d tr- d gurr d Frnco. nlis rvolucionári, A bsd míirxismo-lninismo-stlinismo, no situção d d Espnh como d lut mundil prto ntr d o cmpo pz socilismo o cmpo d gurr imprilismo, lvv o Prti d Dolors Ibrruri proclmr: - «o rgim d i ROBERTO MORENA Frnco já nlo í só tirni, fom dgrdção ncionl. Di O rgim grnd qurid Psionri o rnço s convrtu no rfri m um rtigo: «A rtircussão prigo mortl pr intrncionl própri tnci xis- d lut d d Espnh. Por isso lut íl?it»írári,l1c contr o rvivn povo ctlão, írnqulmo s simpti índissoluvhnnto un ridd «solid- á lut pr com pl o pz, criou povo spnhol, novs á lut contr condiçflcs Inccndiiri dó contr pr lut o frnqulsmo gurr» A formção d Frnt qu é nrriso Ncionl A. Rpublicn Dmocrátic SSÍT5"?,"- P0,it,c» dmocrátic d unhl," frnt-unic dfndid mpl d lut plo Prti pl Pz contr o Comunist, frnqulsmo foi provd t»- 6 litd bndir rpublicn prl msss lvrá vitori qu ctlãs m contr su o trror imprssionnt mnifstção frnquist. N mior. clndcsti- d protsto». E conclui: - nidd, o Prti Comunist Espnhol, dsd dzmbro, lnç-s comprovd cci «A d fi- polític d unidd foi xcução pl ft c provd» dss trf tsc, gigu- qu é orgnizção mn»?» "ÜSr"S- ^ürnr i,,d «is C^3 povo num podr Frnt c Uni- tó tod n )V,idd stnd-l Espiíh, 6 dntro crir dss s condifrnn T 3 1Uttt VÍtOHoS» grnd cárcr qu é Espnh frnquist. frnqulsmo, rsult O 6 dstruir inicil dss bng üo imprilismo pln tiglo-innou sforço dss dmirávl rvolucionri, nrgi contribuir ó pr já o tm contcimnt com no mun. grnti d E p é tmbém d Brclon, o o Mnifsto ond dsnvolvimnto fvorcr d solidridjá s torn trílüci0,nl rlidd viv..-! própri «L com nhol Povo sp- solidridd qu tão ficz- O movimnto grvist Brclon, populr ^. «t0 d cão 50d contribuir pr liqui- fvrciro-mrco rgim frnquist». dst no, qu br nov tp lut n povo spnhol írnquismo, contr o!!lporíud0,8t0 u n<5»«nists comu- dmocrts não foi Brsil, pns um rivindictóri lut vm d- fzr d cus d contr lt prç c Rcpubli- Espnhol um bus s prt intgrnlo comrcints. ns lut Mtrou, igulmnt, pl Pz s «rpul- pl Dmocrci m ns populr à trr. pntrção n mric- n Espnh Nst s imprilists propósit 14 d bril, lvntm inqus nm vir-s d sr- lt bndir d solidricdd povo spnhol como n d cr- à trr d grnd Psionri. cnhão m sus sibm pln d fzr d su lut um grssão» diz cmrd lors ibrruri, Do- Scrtári P.C.E., Grl m su mgnífico «Um rtigo Nov Etp n Povo Lut Espnhol». As luts no intodcidirá sort d Rnuhiir.» SSSSSÍi^ vig^ 22SÍSS pioporcõs qu mrcm rção, comp- pl Rádio d Mcou, com rlo prprção rvolucionári o SrttZ^3ti quo «WbiS g o uilêncio pusrm Pm ri d n»vtpmssm pe? n n S prt d lut mundil s contr pov o prigo d gurr c contr scrvizção imprilist, comprndn qu drrocd d Frnco srá um vitori xcpcionl cmpo d Pz d dmocrci no mun intiro. Qu clss oprári o povo Brsil sibm dr o su quinhão d solidrldd. o povo spnhol cm nom lntrncionlismo proltário porqu, como diss há 18 n, o grnd Stálin, chf gnll s trblhrs mun intiro, «cus d Espnh nflo ssunto privtivo s spnhol», ms «um <i<" m^o hunuuib -J-.p

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min.

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min. Borbolts d vid. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2004, 38 min. BASTA um di. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2006, 55min. Brnic Bnto Univrsid Doutor m Brclon. Sociologi Autor pl Univrsid s livr A Rinvnção

Leia mais

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002.

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002. PREFEITURA i1 UN ICLPL I)I (;ARRI Prç Mrchl Dodoro d Fonsc s/ny Cntro. CEP: 49.830-0()0 CGC 13 112669/0001-17 * Tlfon (0'x79)354 1240 1 E-Mil: LEI n 45712002 D 29 d bril d 2002. Autoriz o Podr Excutivo

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

Missa Ave Maris Stella

Missa Ave Maris Stella Missa Av Maris Stlla Para coro a calla a quatro vozs SATB Notas sobr a comosição A rsnt comosição constituis a artir d um ordinário da missa m latim ara coro a quatro vozs a calla, sm divisi Sorano, Alto,

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO 1 L GLÓRI 2 IND QU FIGUIR 3 O RGURMOS 4 TRI O MU CORÇÃO 5 DUS É OM 6 M SPÍRITO, M VRDD 7 M TODO TMPO 8 U T QURO 9 LOUV 10 LOUV TI 11 MIS QU UM MIGO 12 M DLITO M TI 13 ND LÉM DO SNGU 14 O LÃO D TRIO D JUDÁ

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10 IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 d 01 10 PALESTRANTE: Domingos Poubl d Cstro Rio d Jniro, 28 d gosto

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 2010 JUNHO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA TARDE - MÓDULO DISCURSIVO São curiosos os números. Às vezes é mis útil rredondá-los do que trblhr com seu vlor

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

NESS-A TOUCH SCREEN 7" C/ MODEM

NESS-A TOUCH SCREEN 7 C/ MODEM 6 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS OMPRSSOR LTRNTIVO // LTRÇÃO LYOUT-IM MUTI PR SOPOST OTÃO MRÊNI LLN9 0 07/0/ LTRÇÃO O MOM O LYOUT LOUV 7 0 06// INLUSÃO O ORINTTIVO O LÇO OMUNIÇÃO IO V. 00 8/0/ INIIL TOS R.

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis Arznnt d Snt d Milh Rcipint Rutilizávi Miz Sd Strg In Rubl Cntinr SANAZÁRIO, Ann Chritin 1. kinzri@yh.c.br; COELHO, Fábi Cunh 1. fclh@unf.br; VIEIRA, Hnriqu Durt 1. hnriqu@unf.br; RUBIM, RqulL Filh 1.

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 3- t D q vz? Jé Rid Mi Cpítl 1 P gt Td é di pfit p l: U liv lgl, d lid. E t d di fz d! P Hê: U di vô lá íti, vid hitói d tp q l id gt. P Hit: Ah, di d ihd, it l, it ág, it hi! P L:

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais

PROFESSORA ======================= & ˆ«======================= & «G Emˆ_ «ˆ«j ˆ«

PROFESSORA ======================= & ˆ«======================= & «G Emˆ_ «ˆ«j ˆ« PROSSOR L M: Trz d átim R. rvh & # m _ Ó Œ bm cm c ri nh n si & # Ó Œ du c tm _ bém. Ns s n, qu ri ri n t, d, ju v cê tm d ns & # 2 4 _ V cê é u m grn d mi g pr fs s r qu ri d qu ns qur tn t ms tr ns s

Leia mais

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS 1) VAMOS CLBRAR Autor:Piter di Laura/Maria duarda/carlos Tocco Intro: /# D9 A/C# /B A/C# /# D9 TODOS RUNIDOS NA CASA D DUS COM CANTOS D ALRIA RAND LOUVOR VAMOS CLBRAR OS FITOS DO SNHOR SUA BONDAD QU NUNCA

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 ELETRONEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 SEGURANÇA DAS MÁQUINAS rincípio d sgurnç ds máquins: Grntir sgurnç súd ds pssos xposts durnt instlção,

Leia mais

Resumo Executivo. Análise da Cobertura

Resumo Executivo. Análise da Cobertura x f R T V z E s s FQ Z KL o H R ut K qw A O V B U r G M o z Rsumo Excutivo Anális d Cobrtur d Imprns sobr Mulhr Trblho Estudo coordndo pl ANDI Comunicção Diritos plo Instituto Ptríci Glvão no âmbito do

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL GVIÇÃO UNIVESL z- u ci féric u fr chubo rio, l qu u uprfíci ngnci uprfíci xrn fr chubo p plo cnro priii fr chubo r D coro co Li Grição Unirl, qul rá forç co qu fr chubo rirá u pqun fr locliz à iânci, o

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

ECOBOLETIM ÍNDICE CANDIDATAS JOVENS DO PEV NAS LISTAS DA CDU AO PARLAMENTO EUROPEU 2014

ECOBOLETIM ÍNDICE CANDIDATAS JOVENS DO PEV NAS LISTAS DA CDU AO PARLAMENTO EUROPEU 2014 EOBOLETI Boltim Informtivo d Juvntud do Prtido Ecologist Os Vrds númro 10. ABRIL. 2014. dição smstrl ÍNDIE 02 Abril é o sonho qu s constrói dirimnt 03 Ecolojovm procupd com minto ns scol m difícios públicos

Leia mais

PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA EMPRESA. Prof. Jos é Ricardo Tóffoli

PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA EMPRESA. Prof. Jos é Ricardo Tóffoli PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA EMPRESA Prof. Jos é Ricardo Tóffoli PARTICIPAÇÃO DA S EGURANÇA E DA MEDICINA DO TRABALHO A qualidad d vida na mprs a dpnd do trabalho d uma quip multidis ciplinar, da qual

Leia mais

21/07/2015 13:36:51 ARTE MODA ARTE ARQUITETURA ARQUITETURA ENTRETENIMENTO MODA DESTINO GASTRONOMIA GASTRONOMIA MODA POLINÉSIA FRANCESA. CAPA 24.

21/07/2015 13:36:51 ARTE MODA ARTE ARQUITETURA ARQUITETURA ENTRETENIMENTO MODA DESTINO GASTRONOMIA GASTRONOMIA MODA POLINÉSIA FRANCESA. CAPA 24. R 3 R R D S VL L Ó S L U D K LÃ W -S / 3 SH FW -S Ã P UL F S SP / / : 8:3 3// 8/ 3/ : 6: SPCL - PRU C VCÊ UC VU.in 7 R Ú 8 9 - R$,,9 R$ CP.in S D PP R S G GS S - R$, 9 R D : : U Q R VG D R SÃ PU L FS H

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy Implmntção d um sistm d control intlignt utilizndo lógic fuzzy Rsumo Mrclo Bilobrovc (UEPG - CEFET - PR) mbilo@upg.br Rui Frncisco Mrtins Mrçl (CEFET - PR) mrcl@pg.cftpr.br João Luis Kovlski (CEFET - PR)

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis Sã Pul cpt mir prt s fluxs rs, cm mstr zn influênci ptncil, rginl, lcl s rprts Ri Jnir, vis-vis principis rprts vizinhs - Sã Pul, Mins Gris Espírit Snt 148 Sã ftrs strtgics ligs rprts n snvlvimnt rginl

Leia mais

Imagens de problemas ambientais nas minerações de ferro (MG) e de estanho (RO),e nas indústrias metalúrgica e siderúrgica (MG, SP,RS)

Imagens de problemas ambientais nas minerações de ferro (MG) e de estanho (RO),e nas indústrias metalúrgica e siderúrgica (MG, SP,RS) Imgns problms mbintis ns minrçõs frro (MG) stnho (RO), ns indústris mtlúrgic sirúrgic (MG, SP,RS) MG RS: Fotos fits por Oswl Svá ntr 1991 2004, durnt visits técnics fits durnt consultori prstd os sindictos

Leia mais

PROGRAMA ANUAL DE EVENTOS // 2015. Janeiro

PROGRAMA ANUAL DE EVENTOS // 2015. Janeiro PROGRAMA ANUAL DE EVENTOS // 15 Jniro 3 sb Fir Smnl Fir d Artsnto Prç d Gliz 10 sb Fir Smnl Fir d Artsnto Prç d Gliz 10 14 fv sb sb Exposição/Workshop "Ciddão Curdor" Fórum Culturl d Crvir 11 Fir d Arts

Leia mais

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões

V300 Séries. Excelente controle de temperatura para caminhões pequenos e furgões V300 Séris Exclnt control caminhõs pqus furgõs A obtr Exclnt smpnho Alta confiabili Manutnção fácil Montagm frontal ou tto Construção pacta séri ofrc ofrc xclnt xclnt AAAséri séri ofrc xclnt A séri ofrc

Leia mais

Origem dos Jogos Olímpicos

Origem dos Jogos Olímpicos Natal, RN / /04 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: Profssor: TESTE º Trimstr º M INSTRUÇÕES: Vrifiqu s sua avaliação contém 6 qustõs ( objtivas 04 discursivas). Caso haja

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos Clnário Trinmntos 24 Acmi Grunfos Bm-vinos Acmi Grunfos Grunfos Brsil Acmi Grunfos Clnário 24 1 2008 2006 7 200 i m c A s r o t u r t s n I p i Equ 2004 Ds 2004 Acmi Grunfos nftiz importânci qu tribuimos

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

TEMA 1 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. Filipa, 12 anos

TEMA 1 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. Filipa, 12 anos 2º/3º ciclo O Ã Ç A T N E M A LIndo d pgunt u u ni u i ct n u Exit co? d d dit, d á l tção, f n ão p t t N n nci li ê f p tnt o p i hábito i g ê t d indic udávl. o ã ç t n d li Filip, 12 no lid 1 EguNntTAÇÃO

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho Ano 2 Lagdo, Domingo, 31 d maio d 2015 N o 12 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 12 29 d maio a 31 d maio d 2015 Alcion/Paulo 13 26 d junho a 28 d junho d 2015 Gralda/Antônio 14 24 d julho a 26

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO EXXA -SL 3 4 7 8 9 0 QUIPMNTOS ONTROLOS XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM SOPOR 30.400.83.7 XX SL (L44) - RJ4- /SNSORS - IM MUTIR 30.400.84. IRM INTRLIÇÃO UTOMÇÃO XX -SL 3 0// INTIIÇÃO OS SNSORS UMI PRSSÃO /03/4

Leia mais