..' BELA REBECA HERTZ DO ROTULO A CONSTRU((AO DA IDENTIDADE ESTUDO DE CASO EM GESTALTERAPIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "..' BELA REBECA HERTZ DO ROTULO A CONSTRU((AO DA IDENTIDADE ESTUDO DE CASO EM GESTALTERAPIA"

Transcrição

1 BELA REBECA HERTZ DO ROTULO A CONSTRU((AO DA IDENTIDADE ESTUDO DE CASO EM GESTALTERAPIA Monografia apresentada como requisito parcial para obtenyao do titulo de EspeciaJista no Curso de P6s-.Graduayao em Psicologia Clinica da Universidade Tuiuti do Parana. Orientador: Mestre Francisco Mario Pereira Mendes. '>'..' J' CURITIBA 2005

2 SUMARIO RESUMO vi 1 INTRODUCAo 01 2 FUNDAMENTACAo TE6RICA ABORDAGEM GESTALTICA GESTAL TERAPIA E SUAS PRINCIPAlS INFLUENCIAS PRINCIPAlS TECNICAS EM GESTAL TERAPIA ESTUDO DE CASO DAD OS DE IDENTIFICACAo HISTORICO IDENTIFICACAo DA QUEIXA PADRONIZACAO MANEJO TERAPEUTICO AVALIACAo TERAPEUTICA CONCLusAo 64 5 REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS 66 6ANEXOS 68 ANEXO I - PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS ANEXO II - RELATORIO DAS PRINCIPAlS SESSOES v

3 RESUMO A partir do alendimenlo de urn pacienle na clinica de Psicologia da UTP, observou- S8 que nem sempre a queixa inicial apresentada corresponde a situac;ao existencial do clienta. Neste case especifico 0 cliente trouxe como figura 0 problema do panico generalizado. Relatava 0 medo de viajar de carro, de lugares muito abertos au fechados, medo de mullidao, medo de incomodar os oulros e de nao ler conlrole sabre suas fantasias. Porem, no decorrer do processo verificou-se que a paciente nad apresentava medo de marrer, fator caracteristico no panico, demonstrando dificuldade de percep980 tanto do seu mundo interno como externo. Percebeu-se entad, que a dificuldade de reconhecer suas proprias necessidades e de interagir com as Qutros assumiu 0 lugar de figura e a evitac;ao a levava a isolar-se e a nao querer frequenlar lugares e silua90es que 0 expusessem a eslas dificuldades. Assim, sob 0 r61ulode panico generalizado escondia-se a falla de conlalo consigo masma e com 0 mundo. Objetiva-se demonstrar atraves do estudo de caso que a configurayao existencial apresentada pelo cliente no inicio de seu processo, desvela e esconde, ao mesmo tempo, a interrup~o do processo homeostatico fundamentada no contato disfuncional do individuo e na sua precaria conscienliza9ao. A melodologia ulilizada foi a realiza~ao de pesquisa bibliog",fica em literatura especializada sobre gestalterapia para fundamentar a analise e estudo de urn caso clinico. Assim, pretende-sa com este estudo de caso, ilustrar a importancia de fomentar 0 contato e a consciencia para au xi liar 0 paciente a construir e restaurar sua identidade e concluir que 0 encontro entre terapeuta e cliente e fundamental para a continuidade e crescimento do mesmo. VI

4 1 INTRODUC;;ii.O o presente trabalho trata de um Estudo de caso clinico em Gestalterapia de urn cliente do sexo masculino, 18 anos, com queixa de comportamento f6bico com 0 diagnostico de Transtorno do panico generalizado (CID-10 F 41.0.). o ohjetivo deste estudo e avaliar e demonstrar que a queixa inicial ou FIgura apresentada palo cliente pede nao corresponctera sua interac;ao existencial atua!. Nessa casa especifico 0 cliente ralatou sintomas corresponctentes a mado de viajar de carro, de lugares muito abertos ou fechados, medo de multidao, medo de incomodar as Qutros e de nao ter controle sobre suas fantasias. Relatou sentir calafrios, dar de garganta, dispneia, ressecamento das vias respirat6rias superiores, ah'm de cefaleia. Po rem, no decorrer do processo, verificau-se que a paciente nad apresentava a sensac;ao de mado de morrer, fator caracteristico no panico, demonstrando, sim, dificuldade de percep9ao tanto do seu mundo interne como externo. Percebeu-se, entad, que a dificuldade de reconhecer suas prcprias necessidades e de interagir com os outros assumiu 0 lugar de figura e esta evita9ao o levava a isolar-se e a nao querer freqgentar lugares e situa90es que 0 expusessem a essas dificuldades. Assim, sob 0 rctulo de panico generalizado escondia-se a falta de contato consigo mesmo e com 0 mundo. Assim, pretende-se com este estudo ilustrar a importancia de fomentar 0 contato e a consciemcia para auxiliar 0 cliente a construir e restaurar sua identidade a partir da e1ei9ao de figuras naturais que vao emergindo de acordo com a autoregula9ao do organismo.

5 2 o abjetivo geral e demonstrar, atrav9s do estudo de casc, que a configurac;bo existencial, apresentada pelo cliente no inieio de seu processo, desvela e esconde, ao mesmo tempo, a interrup980 do processo homeostatico fundamentada no cantata disfuncional do individuo e na sua precaria conscientiz8c;80. Para tanto sera necessaria aprofundar a estudo sabre as disturbios de cantata au mecanismas de defesa e realizar a padronizac;ao (diagnostico processual) atrav8s da articulac;ao do conteudo das sessoes com os conceitos, principios e metodos da Gestalterapia. Pretende-se salientar como a cliente foi desvelando sua identidade a partir do estimulo ao contato e do processo de conscientizac;ao.

6 3 2 FUNDAMENTACAO TE6RICA 2.1 ABORDAGEM GESTALTICA A Gestalterapia e urn sistema terapeutico fundamentado cientifica e filosoficamente, surgido a partir das formula90es de Frederick Salomon Perls, com a participa9iio de sua esposa Laura Perls e de seu colaborador Paul Goodman. Para PIMENTEL (2003, p.31) "a Gestalterapia e uma abordagem psicol6gica que, do ponto de vista epistemol6gico, pode ser colocada entre as abordagens fenomenoi6gico-existenciais, pais urn de seus suportes conceituais basicos e 0 conceito de intencionalidade, ou seja, 0 pressuposto de indissociabilidade da consciencia e de seus objetos". A hist6ria de vida de Perls retrata urn processo continuo de questionamentos, buscas, encontros e desencontros que 0 conduziram ao desenvolvimento de uma nova forma de terapia. Perls era judeu, nascido na Alemanha, mais especificamente, em Berlim no ano de 1893, terceiro filho ap6s duas meninas. Na infancia teve uma vida cultural ative, suas idas com a mae ao teatro, opera, e muse us 8r8m freqoentes. Seu pai, urn comerciante de vinhos, esteve distante da familia, na maior parte de sua infancia. Perls fez uma formula9iio renovadora para a epoca, segundo PIMENTEL (2003, p.31), ele "desenvolveu urn estilo inconformista de critica e rebeldia ante os valores socia is de sua epoca, atitude que permeou e influencieu a elaberat;ae des pressupostos te6ricos e a pratica clinica da Gestalterapia". Na adolescencia participou ativamente de uma escola de teatro, desenvolvendo a capacidade de detectar sutilezas de entona9iio de voz, posturas e

7 4 expressoes faciais, utilizadas futuramente em seu trabalho terapeutico. uvarios elementos da educayiio academica e para-academica de Perls, respectivamente, a formayc3omedica, a experiencia psiquiatrica e psicanalltica, a freqgencia a aulas de taatro, as [aituras, a curiosidade, a sensibilidade aguc;ada e a praxis profissional inhuenciaram0 desenvolvimento da Gestalterapia"(PIMENTEL, 2003, p.31). Aos 21 anos, Perls ingressou na Universidade de Berlim para cursar medicina e posteriormente especializou-se em psiquiatria. "Enquanto terminava seu treinamento medico, juntou-se ao exercito alemao e serviu como medico na primaira guerra mundial" (FADIMAN & FRAGER, 1986, p.126). Ap6s 0 termino do conmo, fica marcado palo anti-semitismo dos oficiais alema8s, 0 que a levou a urna constanta busea de direc;8oe enraizamento. Em 1920 recebe 0 seu diploma de medico e passa a trabalhar com neuropsiquiatria. Seu pensamento e infiuenciado, nessa epoca, pelo convivio com artistas, arquitetos, poetas, filosofos, escritores que lutam por novas farmas de expressaa e se apoem a ardem vigente. Ap6s a tentativa de se estabelecer nos Estados Unidos, Perls volta a Berlim e inicia sua analise cam a psicanalista Karen Horney, que mais tarde 0 aconselha a abandonar a cidade. Muda-se para Frankfurt, em 1926, dando inicio ao seu trabalho com Kurt Goldstein no Instituto de Soldados com Lesoes Cerebrais, 0 que possibilitou 0 cantata cam a vi sao hohstica do organismo humano, baseada nas n090es da gestaltpsicologia. Nessa epoca, Perls conhece Lore (Laura) Poster, graduada em psicalagia, com formac;ao em Gestalt, que mais tarde se tarnara sua esposa e tera participayao importante no desenvolvimento da Gestalterapia. Tambem se interessa

8 5 pelo pensamento existencialista de Martin Buber e Paul Tillich, radicados naquela cidade. Em 1927, vai para Viena e inicia seu treinamento em Psicanalise. Em 1930, e analisado por Wilhelm Reich, incorporando dele a visao do corpo em rela9ao a psique. Em 1933 muda-se para Africa do Sui, fugindo do nazismo, fundando naquele pais urn instituto de psicanalis8. Apesar de ser seguidor da psicanalise ortodoxa, faz experimentos com novas formas de psicoterapia que del a divergiam. Apresenta em 1936 um trabalho no Congresso Internacional de Psicanalise na Tchecoslovaquia, cnde S8 en contra com Freud. A frustra<;8o desse encontro e decisiva para 0 abandon a paulatino da Psicanalise e 0 desenvolvimento de urna nova forma de psicoterapia. Publica 0 livre "Ego, fome e agressao", marcando definitivamente seu rompimento com a psicanalise ortodoxa e inicia 0 desenvolvimento da Terapia da Concentra<;Bo - Konzentrationstherapie - que mais tarde passa a chamar-s8 Gestalterapia. Neste seu primeiro livro Perls utiliza a expressao "fraquezas conceituais e metodologicas da psicanalise" I que decorreu da decepcionante acolhida dos seus pares durante 0 congresso internacional de psicanalise em 1936, no qual falou sobre resistencias orais, tema deste mesmo livro (PIMENTEL, 2003, p.32). A partir de 1946 muda-se para os Estados Unidos, em fun9ao do fascismo introduzido na Africa do Sui, apos a segunda guerra mundial. Em Nova lorque, varias personalldades impressionaram-se com seu livro, entre elas Karen Horney, Erich Fromm e Paul Goodman.

9 6 Em 1951, Perls lan,a 0 seu segundo livro, "Gestalt-Therapy" em parceria com Paul Goodman e Ralph Hefferline, cnde tra<;aram a narrativa das estruturas psiquicas: percep,ao, organismo saudavel e doente, desenvolvimento, self, experiemcia, cantata, temporalidade com mfase no presente e na linguagem (PIMENTEL, 2003, p.33). No ano de 1952, Perls e Laura fundam em New York 0 instituto de Gestalterapia. Com 0 intuito de divulgar a nova terapia, Perls viaja pelo mundo, 0 que the proporcionou 0 conhecimento de novos conceitos, como as seguintes: a conscientiz8<;80 corporal de Charlot Salver; 0 psicodrama de Moreno e 0 Zen Budismo, atraves de seu amigo Paul Weiss. Em 1964, muda-se para a California, instalando em Esalen urn Centro de Desenvolvimento do Potencial Humano, cnde ensinou Gestalterapia, ministrou workshops e trabalhou como terapeuta. Em 1966, a Gestalterapia come,ou a ficar conhecida por todos os Estados Unidos. Perls muda-s8 para 0 Canada em 1969, para formar uma comunidade gesh,ltica, uma especie de kibutz. Morre em Homem de extrema intui,ao, a,ao e rebeldia, a personalidade de Perls teve grande influencia em sua obra. Sua inquietayao na busea de alga em que pudesse acreditar, transformou-se em nova estrategia psicoterapeutica, que S8 estendeu aham de seu impacto pessoal. Na visao de YONTEF, citado por PIMENTEL (2003, p.34), no seu desenvolvimento "a Gestalterapia adquiriu um carater fenomenol6gico mais consistente, explicitando tematicas existenciais como a do direito a posse das proprias escolhas e comportamentos, a responsabilidade pela auto-regula,ao e a experimenta9ao para descobrir as possibilidades."

10 2.2 GESTALTERAPIA E SUAS PRINCIPAlS INFLUENCIAS o contato de Perls com a filosofia ocidental (humanista, existencialista, fenomenologica), a religiao zen budista (filosofia oriental) e com diversos conceitos te6ricos que envolvem a gestalt psicologia, a teoria de campo de Kurt Lewin, a teoria organismica de Kurt Goldstein, a psicanalise ortodoxa e a visao de Wilhelm Reich, permitiu urna sintese que proporcionou 0 desenvolvimento de urna nova forma de terapia: a Gestalterapia. A seguir serao descritas, de forma sintetica, as correntes filos6ficas e as principais conceitos cientificos que compoem a corpo teorica da Gestalterapi8. A Gestalterapia preocupa-se, acima de tudo, com a valorizayao do homem e acentua 0 que ha de positivo nele: sua beleza, sua saude, sua forya, colocando-o no centro da vida e do mundo, a partir de urna visao humanista. o humanismo tern, na sua concep9iio de mundo e de existencia, a ser humane como centro. Nessa perspectiva, as seres humanos sao vistos como seres positivqs, criativqs, dotados de potencialidades transformadoras, capazes de se fazer e de se realizar. Os existencialistas vao infiuenciar a Gestalterapia com os conceitos de "concentra~aosobre 0 ser concreto, concentra~aosobre a existencia individual em relayao aos outros, auto-responsabilidade, possibilidades de escolha significativa." (BUROW, 1985, p.41). Esta filosofia e subjetiva, pois enfatiza a existencia individual concreta. A existemcia humana, apesar de individual, e sempre urn "ser (estar)-no-mundo" e e sempre um "ser (estar)-com-os-outros". o conceito chave da filosofia de Sartre e a exislencia, a qual nao significa apenas estar vivo. As plantas e os animais tambem existem no sentido de estarem

11 8 vivos, mas sao poupadas da indaga9ao do que isto signifiea. 0 sar humane e 0 unico ser vivo consciente de sua existencia. Sartre diz que as caisas fisicas 56 sao Uem si", ao passd que 0 homem tambem e "para silt, Para Sartre "a existencia precede a essencia", 0 que signifiea que 0 homem nad passui natureza, au seja "primeiramente 0 homem existe, se descobre, surge no mundo; e 56 depois S8 define". Dasta forma, ele precisa criar sua pr6pria natureza, sua propria essencia, ja que ela nao Ihe e dada de antemao. Para 0 filosofo, somas individuos livres e nossa liberdade nos condena a tomarmos decis6es durante tada a nossa vida. Nao existem regras au valores eternos a partir dos quais nos possamos nos guiar. E isto torna mais importantes nossas decisoes e escolhas. Ele chama a aten9ao para 0 fato de 0 homem nunca poder negar sua responsabilidade pelo que taz. Existir signifiea inventar sua propria vida. Assim, a Gestalterapia tern como objetivo levar 0 cliente a responsabilizar-se pel a propria vida, produzindo mudan9as a partir de suas proprias escolhas eonscientes. Nesse senti do, a mudan9a do individuo ira oeorrer a partir da aeeita~o de si mesmo, considerando suas poteneialidades e suas limita90es. A Gestalterapia tambem sofre influencia da fenomenologia que, para chegar a ess mcia das eoisas, se utiliza da redu9ao fenomenol6giea. Esse metodo consiste em eolocar entre parenteses a realidade que se evidencia, suspend end a todo e qualquer juizo sabre 0 dado que e investigado, para ehegar-se ao fenomeno propriamente dito, tal como ele se revela a conseie!ncia.

12 9 Nao afirmar, nem negar, mas antes abandonar-se a compreensao e 0 modo de atingir a realidade, assim como ela e. Ao fazer ista, estamos nos voltando as coisas mesmas, asslm como sao, como se apresentam, sem nenhum juizo a priori, estamos superando a oposic;ao entre essencia e apar~ncia. Estamos fazendo urna reductao fenomenol6gica. (RIBEIRO, 1985, p. 47). A Gestalterapia S9 utiliza desse metoda no processo terapeutico, procurando perceber 0 cliente como urn todo, buscando sua auto-revei8'y8o permanente. 0 terapeuta caleca-s9 como facilitador do fenomeno, que an uncia a sar. Assim, ad utilizar 0 "como" e "0 que?", 0 Gestalt-terapeuta, pade abter urn cantata direto com a realidade da pessoa, que pode ser atingida atraves de atitudes do cliente, como chora, emo98o, palavras, revelando 0 sar que S8 escende atras das aparemcias, evidenciando as tobias e as reais necessidades do individuo. Na fenomenologia 0 conceito de intencionalidade explica que toda a consciencia e intencional, nao podendo estar separada do mundo, mas toda a consci mcia tende para 0 mundo, toda a consciencia e consciencia de alguma coisa. Por outro lado, tambem nao ha objeto em si, este existe sempre para urn sujeito que Ihe da significado consciente. Assim, ha uma relae;:ao entre sujeito e objeto, homem e mundo, e ambos constituem palos separados pertencentes a uma (mica realidade. GINGER (1995, p. 36) descreve n090es fundamentais que toma emprestadas da corrente tenomenologica, utilizadas na Gestalterapia. - Eo mais importante descrever do que explicar; 0 como precede 0 porque; - 0 essencial e a vivencia imediata, tal como e percebida ou sentida corporalmente - ate imaginada - assim como 0 processo que esta S8 desenvolvendo aqui e agora. - Nossa percep9ao do mundo e do que nos rodeia e dominada por fatores subjetivos irracionais, que Ihes conferem urn sentido, diferente para cada urn; isso

13 10 conduz, particularmente, a importancia de uma tamada de consciemcia do corpo e do tempo vivido, como experielncia unica de cada ser humano, estranho a qualquer teoriza~ao preestabelecida. A Gestalterapia I influenciada pelas religioes orientais, a partir da tentativa de Perls de compreender a si e ao mundo. Ele encontra no zen budismo uma maneira de estar na reahdade e a ala reagir. Sua infiuencia na Gestalterapia esta "no sentido de abertura, de abandono a si proprio, de fuga no dominic do pensamento, da fuga dos rituais, de volta ao corpo e as em090es, da nao-espera programada, do deixar acontecer (... )" (RIBEIRO, 1985, p. 124). o zen nad pede sar explicado em palavras, trata-se de uma busca de autoconhecimento, que conduz a urn astado de liberdade denominado satori. Sua pratica e a busca da ilumina980 para si e para todos as Qutros seres vivos. Sua essen cia nao esta no intelecto, mas na pratica Zazen - uma forma de meditayao sentada e silenciosa, intensa e desapegada de qualquer ideia ou desejo de resultados. Ensina que a aten9ao deve estar voltada a todos os instantes da vida e enfatiza que a melhor maneira de aprender e atraves da experiencia pessoal. o zen da importancia aos detalhes do cotidiano e a todas as a9oes, palavras e pensamentos ocorridos no aqui-e-agora. Os pensamentos filos6ficos ocidentais e orientais descritos propoem a Gestalterapia uma viscid de homem e de mundo que ira conduzir sua pratica e buscar ressonancia nos principais conceitos cientificos que a integram, compondo urn todo coerente. A seguir serao apontadas as principais teorias cientificas que infiuenciaram a Gestalterapia.

14 11 A Gestalterapia foi sistematizada principalmente, a partir dos principios e fundamentos da Gestalt Psicologia e a PSicologia da Gestalt. Assim, a compreensao das leis e canceitos dessa tendencia psicologica, que dominava a Europa nos anos vinte e trinta, e fundamental para urn adequado entendimento do que e a Gestalterapia. Gestalt e palavra alema para a qual nao se encontra uma tradul'ao perfeita em portugues. De forma aproximada, significa 0 todo, a estrutura, a forma, a organizal'ao. Assim, "gestalt quer dizer urn padrao organizado ou urn todo organizado, em contraste a uma colel'ao de partes. A 'forma' afirma a prioridade do todo em relal'ao as suas partes, cuja natureza depende de sua funl'ao no todo" (CAMPOS, 1979, p.221). A partir desse significado, a Gestalt e tida como uma psicologia da forma, tendo como principia basico que 0 todo e diferente da soma de suas partes. o ser humano e visto sob uma perspectiva holistica e total, englobando tanto a seu comportamento perceptivel externa, quanta aqueles nao totalmente perceptiveis, internos. 0 organismo humane forma urna unidade, inseparavel de corpo - alma - mente, que remete a unidade do trio sentir - pensar - agir. "A Gestalt desenvolve urna perspectiva unificadora do sar humano, integrando ao masma tempo as dimensoes sensoriais, afetivas, intelectuais, socia is e espirituais..)"(ginger, 1995, p.17). A Gestalt Psicologia surge no inicio do seculo XX, na Alemanha, e desenvolveu-se a partir de duas fontes: a recusa dos pontos de vista atomisticos da psicologia estrutural e da psicologia associacionista e da aceital'ao dos trabalhos realizados por Wertheimer, Koffka e Kohler, atraves dos quais se havia chegado a

15 12 uma sarie de pressupostos basicos dos processos da percep9ao humana, as chamadas leis da Gestalt que serao a seguir descritas. Para a Gestalt Psicologia "0 desenrolar de 8y6es e uma constants e viva dinamica entre figura e fundo" (BUROW, 1985, p.25). A percep9ao S8 da de forma dinamica e I estruturada a partir da motiv8c;8.0 do individuo. A figura esta sempre nurn primeiro plano. Assim, 0 material percebido S8 destaca e emerge de urn fundo tertii, pouco visivel, para S8 tamar claro e Gonsciente. A lei da semelhanc;8 diz que hit uma tendencia de S9 perceberem coisas que, de alguma forma, S8 assemelham como padrao. Segundo a lei da proximidade, a proximidade das partes tende a favorecer grupos perceptuais, ou seja, como pertencentes a uma mesma categoria. Essa padronizagao pela proximidade aplica-se aos sons sucessivos (audigao) e a temporalidade (fatos mais recentes sao evocados com menor dificuldade do que outros mais remotos). A lei da pregnancia ou da boa forma estabelece que um padrao e percebido de maneira a dar-ihe a melhor forma possivel De acordo com a lei do fechamento, as linhas totalmente fechadas de uma figura, sob circunstancias identicas, sao mais facilmente tomadas como unidades, do que se nao estivessem fechadas. A Gestalterapia utiliza-se dessas leis no processo terapeutico, buscando proporcionar ao cliente 0 fechamento de gestalts abertas, assuntos nao acabados que tendem a ticar no funda, provocando incemodos que impedem 0 bem-estar do individuo.

16 ,, "/ A teoria organismica de Goldstein defende que a homem tern dentro de" 5i as potencialidades que regulam seu proprio cresci mento, impulsion ado sempre no sentido da auto-regulay80, recebendo tambem infiuencias do meio no seu desenvolvimento. A partir disso, urn conceito fundamental na Gestalterapia e 0 conceito de homeostas8, que S8 refere a tendemcia natural do organismo a auto-regular-sa. 0 equilibria em geral e desfeito pelas tens6es ocasionadas pelo meio interne e externo. Perls considerou que ha uma hierarquia de necessidade. Assim, as necessidades que exigem maior urgemcia para sua satisfag80 tandem a S8 destacar como figura contra um fundo da personalidade total, levando 0 organismo a dirigir toda a sua 8980 a satisfa9ao dessa necessidade. A constanta conscientiz8gao permite ao individuo a satisfay80 das necessidades mais urgentes. 0 trabalho terapeutico dave permitir ad sujeito a conscientizaqao de seus desejos e necessidades, para que suas escolhas sejam realizadas num movimento natural e saudilvel. A auto-regulaqao e 0 processo pelo qual 0 organismo interage com 0 meio em busca de equilibrio. Perls considerava que "nenhum individuo basta a si pr6prio; 0 individuo s6 pode viver num campo que 0 cerque. Ele e, inevitavelmente, a todo instante, parte de um campo. Seu comportamento e uma funy80 do campo todo, que 0 engloba e que engloba seu meio" (BUROW, 1985, p.63). A partir da visao de que 0 comportamento do individuo esta condicionado ao campo que par ele e percebido, 0 conceito de campo torna-se fundamental para a Gestalterapia. 0 campo ou espaqo vital e descrito por Kurt Lewin como uma regiao composta de elementos intrapessoais, interpessoais, fisicos e sociais, demarcados por fronteiras. Para Kurt Lewin a pessoa representa um universe fechado; mas,

17 14 apesar disso, faz parte de urn universo mais amplo, com 0 qual S8 relaciona constantemente. A partir dessa rela9ao surgem duas propriedades: a diferencia9ao, que e a tendencia da passoa a separar-se do resto do mundo por meio de urn limite continuo; e a relag80 parte e todo, que tende a incluir a passoa nurn universe mais amplo. campo social e psicol6gico e entendido como campo de for9as, que se constitui como urn todo dinamico, concreto e delimitado. Resumidamente, pode-s8 concluir que, em sua teoria de campo, Kurt Lewin considera que 0 campo se caracteriza por constituir urna rede de relagoes entre as partes. 0 espayo vital e 0 meio em que 0 comportamento ocorra, e esta deve sar analisado como fazendo parte de um contexte que 0 influencia e par ele e influenciado. A Gestalterapia se fundamenta na teoria de campo de Kurt Lewin, servindo-se dos conceitos estruturais e dinamicos do campo (RIBEIRO, 1985, p.103). Assim, na Gestalterapia, 0 homem e vista como sar integrado ao meio, dele dependente, e sendo limitado por ele. Entretanto, a partir da conscientiza9ao desses limites, 0 individuo pode agir sobre seu ambiente e modifica-io, trazendo para si a responsabilidade pela pr6pria vida. individuo deve aceitar a sua necessidade do outro, sem, contudo, perder a sua autoconfianc;a e independencia. o pracesso terapeutico da Gestalterapia ve 0 cliente como totalidade que se manifesta no aqui-e-agora, levando em conta sua expressao verbal e seu comportamento total, atentando para a forma como pensa, sente a age no mundo. Diante disso, Perls entra em conflito com alguns conceitos da Psicanalise de Freud, considarando-os pouco claras e ultrapassados. Os principais pontos de divergencia sao explicitados em seguida: - Perls discarda da visao isolacionista da Psicanalise, que considera em sua pratica as realidades psiquicas separadas do organismo. Para ale, a pratica

18 15 terapeutica deve basear-sa na visao de que carpo, alma e espirito comp6em urna unidade indissociavel. - A Psicanalise baseia-se no principio da causalidade, que valoriza a lei da causa e efeita, levando a urna supervaloriz8c;8o do porque do comportamento. Perls considerava que essa concepc;a.o leva a urna viscid unilateral das origens do comportamento. Como alternativa Perls propoe os pensamentos diferenciadores, baseados na lei dialetica dos opostos, que procura evitar a unilateralidade e permite uma observa~ao e descri~ao apropriada do objeto. - 0 metoda psicanalitico supervaloriza 0 passado, ao enfatizar as fix8c;oes infantis primarias, cnde impulsos reprimidos S8 apresentam sob a forma de sintomas, chistes ou atos falhos. Perls considera que se ocupar do comportamento, fora do aqui-e-agora, nao produz resultados terapeuticos. A Gestalterapia possui a visao de que 0 presente e ponto de transformac;ao entre passado e futuro. - A tecnica da associac;ao utilizada na Psicanalise e centrada na verbaliz8c;8o, enfatizando a concentrayao sabre a passado, facilitando a racionaliz8c;ao e a esquiva. Para Perls, a esquiva e 0 sintoma central da neurose. Assim, desconsidera a tecnica da associayao livre e a substitui pela tecnica da concentrayao no aqui-e-agora. Assim, alem das palavras, a expressao corporal do cliente adquire grande importancia no processo terapeutico. - Para Freud a rela~ao transferencial e fator de extrema importancia para 0 sucesso do processa terapeutica. Na transferencia, a cliente, inconscientemente, identifica a terapeuta com figuras parentais que fizeram parte de sua infancia. 0 terapeuta deve aceitar essa transferencia, sem deixar-se envalver par ela, evitando reagir como pessoa, permanecendo 0 mais neutro passivel diante daquila Quee dito pelo cliente. Perls, apesar de reconhecer 0 fen6meno da transferencia, encara-o

19 16 como urn mecanisme neurotico. Para ele 0 terapeuta dave deixar-se utilizar como tela de projegao, mas colocando-se como pessoa em sua totalidade, envolvendo-se e permitindo a interay8.o e 0 contato com 0 cliente. A Gestalterapia possui uma visao global do ser humano, levando em conta as manifesta90es corporais para atingir maior conscientizac;ao e ampliac;ao do cantata, colocando em evid mcia as processos emocionais do individua, permitindo-ihe que se expresse atravas de gestos, posturas, tom de voz etc. Nesse sentido, Wilhelm Reich tera forte influencia sabre a Gestalterapia, com a sua visao do corpo e mente como unidade indissociavel. Para Reich, 0 canfiter S8 constitui de camadas de resistemcia ou mecanismos de defesa, que S8 manifestam no corpo como couraera, formando urna rigidez que leva a ser humane a agir de maneira estereotipada e impede a sua livre atuac;ao no mundo. A Gestalterapia entende que cada ser humano a <inico,singular e individual, com vivencias proprias, possuidor de caracteristicas especificamente humanas e, a partir dessa vi sao, formula sua concep9ao de saude. A Gestalterapia a uma linha fenomenologico-existencial e relacional. Essa abordagem passou a reconhecer, junto com 0 surgimento da psicologia humanista, que 0 cliente nao e 0 unico polo do processo terapeutico. Com a influencia da vertente fenomenologico-existencial comec;ou a elaborac;;ao de uma problematica especifica para a questao do papel do terapeuta no processo psicoterapeutico. Comegamos a entender que este terapeuta nao a apenas urn perito que tenta aplicar uma tecnica especifica para curar 0 cliente. A atitude fenomenologica comegou a ser desenvolvida como pressuposto de urn metodo especifico. Pouco a pouco foi ficando claro que, a partir de uma perspectiva fenomenologico-existencial de algumas vertentes de psicoterapia, nao

20 cliente deve ter uma atitude fenomenologica, mas 0 proprio terapeuta, ao longo do processo, tarnbam assume tal atitude. Psicoterapia nad e urn processo de rela~ao entre urn tecnico e urn objeto defeituqsq, E urn processo de relac;ao entre duas pessoas, dentro do contexto. psicoterapeutico, que S8 colocam em postura fenomenologica de privilegio da perspectiva de suas consci mcias e de seu vivido. A terapia deixa de ser urn relacionamento entre urn sujeito e urnobjeto e passa a ser uma relac;:ao efetiva entre dais agentes autonomos. Nesta linha de pensamento resta uma questao fundamental que e a rela9ao. Existe a necessidade de elaborac;ao de uma teoria da relac;ao e em particular de uma filosofia da rela9ao. A filosofia que da a perspectiva e a compreensao do processo da relac;ao terapeuta-cliente e a filosofia dialogica de Martin Buber I conhecida tambem como filosofia do encontro. BUBER (1958, p.56) elabora uma filosofia da rela9ao especificamente, independente das psicoterapias fenomenoi6gico-existenciais, porem essas linhas vao ser profundamente infiuenciadas por suas ideias. Martin Buber e um pensador austriaco que viveu a maior parte do tempo na Alemanha, particularmente no periodo compreendido entre as duas grandes guerras. Ele tentou elaborar uma filosofia que desse conta da relac;ao entre seres diferentes e antagonicos. Uma das aplicagoes de suas ideias foi na rela980 entre palestinos e judeus. o pensamento de Buber faz parte de uma corrente dentro do judaismo que, de certa forma, foi vencida pelo Sionismo. Buber tenta elaborar uma perspectiva politica que constituisse 0 Estado de Israel como um Estado de Judeus e Palestinos (BUBER, 1958, p.67).

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado distinto por cada pessoa. o conhecimento do mundo se obtém

Leia mais

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras Teóricos da abordagem fenomenológica Prof. Roberto Peres Veras Psicologia Fenomenológica Técnica Método Teoria Concepção de homem Concepção de mundo Filosofia Fenomenologia - Escola Filosófica Edmund Husserl

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

BRINCAR NA ESCOLA: EM BUSCA DE UMA SAÚDE VIBRANTE

BRINCAR NA ESCOLA: EM BUSCA DE UMA SAÚDE VIBRANTE BRINCAR NA ESCOLA: EM BUSCA DE UMA SAÚDE VIBRANTE Jenifer Malgarin Kitamura RESUMO A proposta deste artigo é apresentar os benefícios da inserção de atividades lúdicas do brincar na escola. A mesma pode

Leia mais

Andrea Simone Schaack Berger

Andrea Simone Schaack Berger A Criança e seus Encontros: uma conversa sobre a visão holística na Gestalt-Terapia e sua influência na forma de ver o cliente e o trabalho psicoterápico Andrea Simone Schaack Berger A Gestalt-Terapia

Leia mais

Intervenções terapêuticas

Intervenções terapêuticas Alexa B. Leirner A arte não reproduz o invisível, em vez disso, torna visível. (Paul Klee) 1 Objetivos Conhecer como a Gestalt Terapia aborda a intervenção terapêutica no trabalho com as imagens de arte.

Leia mais

FRONTEIRAS DO CONTATO GESTALT TERAPIA E AS INFLUÊNCIAS DE WILHELM REICH

FRONTEIRAS DO CONTATO GESTALT TERAPIA E AS INFLUÊNCIAS DE WILHELM REICH 1 FRONTEIRAS DO CONTATO GESTALT TERAPIA E AS INFLUÊNCIAS DE WILHELM REICH Francisco Mário Pereira Mendes Iara Lais Raittz Baratieri RESUMO Este artigo tem como objetivo descrever brevemente o percurso

Leia mais

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO Fany Patrícia Fabiano Peixoto Orientadora: Eugenia Cordeiro Curvêlo RESUMO O termo psicossomática esclarece a organização

Leia mais

Lilian Meyer Frazão * * *

Lilian Meyer Frazão * * * * * * U Lilian Meyer Frazão m conceito central em Gestalt-Terapia é o conceito de awareness1, que se caracteriza pela consciência de si e a consciência perceptiva; é a tomada de consciência global no momento

Leia mais

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO 1 RESUMO OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO Glória Maria A. F. Cristofolini Nada se passa na mente que o corpo não manifeste, cita Hermógenes. Quando a medicina ocidental passou a

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CRIATIVIDADE E SAÚDE NA GESTALT TERAPIA

RELAÇÃO ENTRE CRIATIVIDADE E SAÚDE NA GESTALT TERAPIA RELAÇÃO ENTRE CRIATIVIDADE E SAÚDE NA GESTALT TERAPIA Selma Ciornai A afinidade da Gestalt terapia com as artes existe desde o seu começo Frederick Perls trabalhou em teatro, teve aulas de pintura, e muitas

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

PSICOLOGIA DA FORMA (GESTALT)

PSICOLOGIA DA FORMA (GESTALT) ULT FATI DISCIPLINA: PSICOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO PROF. FRACASSO - AULA 29/08/12 ================================================================ MATERIAL DE APOIO FONTE: http://www.igestalt.psc.br/hist.htm

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

Seminário - Gestalt terapia

Seminário - Gestalt terapia Seminário - Gestalt terapia Deivid Gasparin - 1099442473 Laura Savioli - 121354 Michele Shiraishi 57378 VISÃO DE MUNDO E DE HOMEM - Visão de mundo: O conceito de mundo e pessoa funciona como uma gestalt,

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação, 13 Apresentação da Gestalt-terapia, 15 Introdução à obra, 17. Verbetes

SUMÁRIO. Apresentação, 13 Apresentação da Gestalt-terapia, 15 Introdução à obra, 17. Verbetes Apresentação, 13 Apresentação da Gestalt-terapia, 15 Introdução à obra, 17 SUMÁRIO Verbetes Agressão, 19 Ajustamento criativo, 20 Ansiedade, 22 Aqui e agora, 24 Assimilação, 26 Atualização, 27 Auto-apoio,

Leia mais

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Brincadeira é Jogo Sério Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Resumo A infância é fascinante, durante a vida é neste período que exteriorizamos nossos sentimentos, nossas experiências e

Leia mais

GESTALT // FRANCYMEDIA GESTALT 1. DEFINIÇÃO

GESTALT // FRANCYMEDIA GESTALT 1. DEFINIÇÃO GESTALT 1. DEFINIÇÃO Gestalt, a psicologia da forma. Fundada dentro da filosofia por Max Wertheimmer, Kurt Koffka e Wolfgan Koller, a gestalt traz novas perguntas e respostas para a psicologia. Ela se

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

Gestalt terapia. conceitos Fundamentais. Lilian Meyer Frazão. [organizadoras]

Gestalt terapia. conceitos Fundamentais. Lilian Meyer Frazão. [organizadoras] Gestalt terapia conceitos Fundamentais Lilian Meyer Frazão Karina Okajima Fukumitsu [organizadoras] Gestalt terapia Conceitos fundamentais Copyright 2014 by autores Direitos desta edição reservados por

Leia mais

SIMBIOSE E AUTONOMIA

SIMBIOSE E AUTONOMIA SIMBIOSE E AUTONOMIA FRANZ RUPPERT O trauma da simbiose e o amor que supera os enredamentos Klett-Cotta www.klett-cotta.de copyright 2010 by J. G. Cotta sche Buchhandlung Apresentação da Editora Tanto

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

14/05/2013. Psicologia da Personalidade II. MAJZampieri. Representante. Frederick Perls (1897-1967) Antecedentes Perls Gestal-terapia

14/05/2013. Psicologia da Personalidade II. MAJZampieri. Representante. Frederick Perls (1897-1967) Antecedentes Perls Gestal-terapia Psicologia da Personalidade II MAJZampieri Representante Frederick Perls (1897-1967) Antecedentes Perls Gestal-terapia 1 Gestalt-terapia final do século XIX - análise atomística Tentava compreender a experiência

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

A experiência emocional atualizadora em Gestaltterapia de curta duração

A experiência emocional atualizadora em Gestaltterapia de curta duração ARTIGOS A experiência emocional atualizadora em Gestaltterapia de curta duração Self-actualization emotional experience in short-term Gestalttherapy Ênio Brito Pinto * Professor Titular do Instituto de

Leia mais

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Carla do Eirado Silva carlaeirado@gmail.com 11º período Instituto de Psicologia Cintia Siqueira de Oliveira cintia_imjc@hotmail.com 10º

Leia mais

A transdisciplinaridade transformando a relação pesquisa / ensino / extensão na produção do conhecimento científico.

A transdisciplinaridade transformando a relação pesquisa / ensino / extensão na produção do conhecimento científico. A transdisciplinaridade transformando a relação pesquisa / ensino / extensão na produção do conhecimento científico. Eliana Branco Malanga (Universidade de Santo Amaro) ebmalanga@hotmail.com; ebmalanga@ip2.com.br

Leia mais

FENÔMENOS E PROCESSOS PSICOLÓGICOS ENFOQUE PSICODINÂMICO II

FENÔMENOS E PROCESSOS PSICOLÓGICOS ENFOQUE PSICODINÂMICO II FENÔMENOS E PROCESSOS PSICOLÓGICOS ENFOQUE PSICODINÂMICO II SILVIA MARIA BONASSI - DE Adjunto I Psicologia Clínica /UFMS/CPAR FONE: 67-81903430 silviabonassi@gmail.com ORIGEM HISTÓRICA DAS PSICOTERAPIAS

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO

PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO DOCENTE: Luciana Armesto Pedrassi ANO:2013 Para Marcel Proust: O verdadeiro ato da descoberta não consiste em encontrar novas terras, mas, sim, em vê-las com

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

Para que serve a terapia?

Para que serve a terapia? Para que serve a terapia? Por Matias José Ribeiro Para um número cada vez maior de pessoas, fazer terapia tem sido uma maneira de superar suas angústias existenciais e conquistar um pouco mais de felicidade.

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

DO ENSINO DA PSICANÁLISE NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA: ALGUMAS QUESTÕES

DO ENSINO DA PSICANÁLISE NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA: ALGUMAS QUESTÕES Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 800 DO ENSINO DA PSICANÁLISE NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA: ALGUMAS QUESTÕES Roberto Mielke 1, Carmen Lúcia

Leia mais

O RAFCAL EM UMA PERSPECTIVA CENTRADA NA PESSOA

O RAFCAL EM UMA PERSPECTIVA CENTRADA NA PESSOA O RAFCAL EM UMA PERSPECTIVA CENTRADA NA PESSOA Segundo sua criadora, a psicóloga Maria Marta Ferreira, o Programa RAFCAL (Reeducação Afeto Cognitiva do Comportamento Alimentar) é uma proposta que, enfatiza

Leia mais

INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT

INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT 1 O DIÁLOGO ABORTADO COMO A GÊNESE DOS TRANSTORNOS DA INFÂNCIA 1 Virginia Elizabeth Suassuna Martins Costa 2 O interesse em desenvolver

Leia mais

O PADRE E A SAÚDE EMOCIONAL 1

O PADRE E A SAÚDE EMOCIONAL 1 1 O PADRE E A SAÚDE EMOCIONAL 1 Ênio Brito Pinto À medida em que o ser humano avança em seus conhecimentos fica cada vez mais à mostra a enorme complexidade que somos, obrigando a novos diálogos e posicionamentos.

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

O Professor Mediador

O Professor Mediador O Professor Mediador Milene Chiovatto Escrever sobre o papel mediador do professor é isolar um dentre tantos aspectos que envolvem o ato de ensinar. Por esse motivo, optei por apontar uma série de questões

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

O IMAGINÁRIO CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES PARA UMA PSICOPEDAGOGIA REICHIANA

O IMAGINÁRIO CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES PARA UMA PSICOPEDAGOGIA REICHIANA 1 O IMAGINÁRIO CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES PARA UMA PSICOPEDAGOGIA REICHIANA Paulo F. C. Borges Sandra Mara Volpi* RESUMO Esta comunicação versa sobre a pesquisa e os resultados da prática do O Imaginário

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA. A Humanidade no século 21

19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA. A Humanidade no século 21 19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA A Humanidade no século 21 DIRETORA NATÁLIA GIRO EGOS AUXILIARES MAHER HASSAN MUSLEH E WENDY PRADO Introdução: Relacionar-se com o outro é uma condição essencial para

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas )

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas ) 1 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas ) I) DEFINIÇÃO A personalidade é a totalidade relativamente estável e previsível dos traços emocionais e comportamentais que caracterizam a

Leia mais

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Manual da Formanda drmadorr1manda. Dança Movimento Amalgama

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Manual da Formanda drmadorr1manda. Dança Movimento Amalgama ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Manual da Formanda drmadorr1manda Dança Movimento Amalgama Autor: Amalgama Companhia de Dança (Ana Alexandra Battaglia) Título: Dança Movimento

Leia mais

GRUPO DE CONVIVÊNCIA: A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA CORPORAL NUM SERVIÇO DE SAÚDE MENTAL Patricia Ziani Benites

GRUPO DE CONVIVÊNCIA: A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA CORPORAL NUM SERVIÇO DE SAÚDE MENTAL Patricia Ziani Benites 1 GRUPO DE CONVIVÊNCIA: A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA CORPORAL NUM SERVIÇO DE SAÚDE MENTAL Patricia Ziani Benites O presente artigo retrata, antes de tudo, um aprendizado de amor, o qual estou tendo a

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL.

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL. 1 INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL Paradigmas da educação Competências Paradigmas contemporâneos

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL Disciplina: A ética descritiva sob a Perspectiva Interdisciplinar 1 e 2 A ética descritiva, Logoterapia e as esferas

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL Surgimento da Psicoterapia de Grupo: Joseph H. Pratt foi o fundador da Psicoterapia de Grupo, que em 1905 pela primeira vez foi empregada com pacientes tuberculosos, no Massachussetts General Hospital

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO

MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO MULTIMEIOS DA COMUNICAÇÃO RINALDIi, Andréia Cristina Alves; ROSA, Antonio Valin; TIVO,,Emerson dos Santos; OLIVEIRA JÚNIOR, José Mendes de; REIS, Marcela Alves dos; SANTOS JÚNIOR,Sergio Silva dos; FREITAS,

Leia mais

PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL

PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL (2006) Francisco Tosta Graduado em Administração de Empresas pela PUC/PR, Brasil Acadêmico de Psicologia da Universidade Tuiuti do Paraná, Brasil A frequentar

Leia mais

FAMÍLIAS ADOTIVAS E MITOS SOBRE LAÇO DE SANGUE

FAMÍLIAS ADOTIVAS E MITOS SOBRE LAÇO DE SANGUE FAMÍLIAS ADOTIVAS E MITOS SOBRE LAÇO DE SANGUE Lidia Natalia Dobrianskyj Weber Em geral, relacionamentos em geral são processos delicados e repletos de pequenos entraves - relacionamentos entre pais e

Leia mais

CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL

CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL 1 CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL Ernani Eduardo Trotta Juliana Lima Bezerra RESUMO A incorporação de novos recursos terapêuticos pode contribuir para a ampliação da eficácia

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

I - A evolução da Psicanálise

I - A evolução da Psicanálise Necessidades e cuidados no setting. Rosa M. C. Reis. Membro Efetivo da SPRJ - Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro FEBRAPSI Federação Brasileira de Psicanálise IPA - International Association Psychoanalytical

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social ADAPTAÇÃO ESCOLAR O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social Lélia de Cássia Faleiros* Esse tema ADAPTAÇÃO ESCOLAR - tem sido motivo de grandes inquietações, principalmente

Leia mais

ABORDAGEM SUCINTA DA NEUROSE NOOGÊNICA E DO TÉDIO EXISTENCIAL, EM VIKTOR FRANKL

ABORDAGEM SUCINTA DA NEUROSE NOOGÊNICA E DO TÉDIO EXISTENCIAL, EM VIKTOR FRANKL ABORDAGEM SUCINTA DA NEUROSE NOOGÊNICA E DO TÉDIO EXISTENCIAL, EM VIKTOR FRANKL MAIA, Marianne Pelegi Acadêmica do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde de Garça (FASU). e-mail: mariannemaia@yahool.com.br

Leia mais

DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL

DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL Ricardo Rego RESUMO Apresento aqui uma proposta em que a postura do psicoterapeuta corporal varia conforme o grau de resistência. Nos

Leia mais

A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro

A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro 1 A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro A busca por esse trabalho teve inicio, quando de alguma forma, eu procurava encontrar explicações psicológicas,

Leia mais

Conceitos Introdutórios

Conceitos Introdutórios Alexa B. Leirner Pintar aquilo que vemos diante de nós é uma arte diferente de pintar o que vemos dentro de nós. (Carl.Gustav Jung) 1 Objetivos Apresentar em linhas gerais os principais objetivos e o programa

Leia mais

A DINÂMICA DO GRUPO E SUAS LEIS 1 Heloisa Junqueira Fleury

A DINÂMICA DO GRUPO E SUAS LEIS 1 Heloisa Junqueira Fleury A DINÂMICA DO GRUPO E SUAS LEIS 1 Heloisa Junqueira Fleury O Psicodrama está intimamente ligado ao trabalho com grupos. MORENO, (1993, 1994) a partir de estudos sociométricos, apresentou princípios que

Leia mais

OS INSTRUMENTOS MUSICAIS COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA

OS INSTRUMENTOS MUSICAIS COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA 68 OS INSTRUMENTOS MUSICAIS COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA SONORIDADE INTERNA AUTORA: ANA PAULA CHIZZOLINI CERVELLINI 4 Integrar a música à terapia é integrar o corpo, porque a música é feita, dita, tocada

Leia mais

Formação para Constelador Familiar segundo a no Brasil

Formação para Constelador Familiar segundo a no Brasil Formação para Constelador Familiar segundo a no Brasil Fassung 10/2013 Änderungen vorbehalten Índice Prefácio I. Introdução II. Assuntos Gerais III. Conceito dos Seminários e da Formação IV. Nossos Seminários

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

LABORATÓRIO DE PESQUISA E VIVÊNCIA SOBRE CORPO

LABORATÓRIO DE PESQUISA E VIVÊNCIA SOBRE CORPO 1 LABORATÓRIO DE PESQUISA E VIVÊNCIA SOBRE CORPO Maria Luiza Mello de Carvalho Marcus Vinícius Machado de Almeida RESUMO A graduação dos cursos voltados para a saúde e educação pode oferecer condições

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

RESENHA BIBLIOGRÁFICA

RESENHA BIBLIOGRÁFICA RESENHA BIBLIOGRÁFICA BERVIQUE, Profa. Dra. Janete de Aguirre Docente do Curso de Psicologia FASU / ACEG - Garça-SP Brasil e-mail: jaguirreb@uol.com.br 1. IDENTIDADE DA OBRA MAY, Rollo O homem à procura

Leia mais

PSICOTERAPIAS: O QUE HÁ DE NOVO?

PSICOTERAPIAS: O QUE HÁ DE NOVO? PSICOTERAPIAS: O QUE HÁ DE NOVO? Roberto Faustino de Paula (palestra proferida durante seminário promovido pela Associação Pernambucana de Terapia Familiar - APETEF Recife, 24/11/12) Quando alguém julga

Leia mais

CONVERSANDO SOBRE A ESPIRITUALIDADE DO CORPO

CONVERSANDO SOBRE A ESPIRITUALIDADE DO CORPO 1 Resumo CONVERSANDO SOBRE A ESPIRITUALIDADE DO CORPO Cristian G. Valeski de Alencar A base da espiritualidade é a harmonia entre o ego e o corpo. É um estado de graça que dificilmente é encontrado no

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

Palavras-chave: amadurecimento, amor, equilíbrio. ..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..

Palavras-chave: amadurecimento, amor, equilíbrio. ..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-.. 1 AMAR É PARA EQUILIBRISTAS Eloá Andreassa Hugo César Gaete Verdugo Resumo: O amor é a questão fundamental da vida. Mas não sabemos o que exatamente é o amor e é a vida que vai nos ensinar sobre ele através

Leia mais

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br Oficinas para Atividades com Grupos Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br I - OBJETO DO TRABALHO: 1. Analisar as principais questões metodológicas dos processos grupais, a partir

Leia mais

Gestalt terapia. Fundamentos epistemológicos e influências filosóficas. Lilian Meyer Frazão Karina Okajima Fukumitsu.

Gestalt terapia. Fundamentos epistemológicos e influências filosóficas. Lilian Meyer Frazão Karina Okajima Fukumitsu. Gestalt terapia Fundamentos epistemológicos e influências filosóficas Lilian Meyer Frazão Karina Okajima Fukumitsu [organizadoras] R_Gestalt terapia.indd 3 12/04/2013 13:57:40 Gestalt terapia Fundamentos

Leia mais

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA Autora: (Elda Elbachá Psicoterapeuta Sistêmica, Diretora, Docente e Supervisora do Centro de Estudos da Família e Casal - CEFAC/BA)

Leia mais

Educação Especial e Novas Tecnologias: O Aluno Construindo Sua Autonomia

Educação Especial e Novas Tecnologias: O Aluno Construindo Sua Autonomia I Introdução Educação Especial e Novas Tecnologias: O Aluno Construindo Sua Autonomia Teófilo Alves Galvão Filho teogf@ufba.br http://infoesp.vila.bol.com.br Com muita frequência a criança portadora de

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais.

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. Cristianne Spirandeli Marques 1 Iralva Moreira Soares Milagre 2 Introdução Alguns autores

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

ONDE ESTÁ O SEU TESÃO? OU SOBRE A FALTA DE DESEJO NOS TEMPOS ATUAIS

ONDE ESTÁ O SEU TESÃO? OU SOBRE A FALTA DE DESEJO NOS TEMPOS ATUAIS ONDE ESTÁ O SEU TESÃO? OU SOBRE A FALTA DE DESEJO NOS TEMPOS ATUAIS Alessandra da Silva Eisenreich RESUMO Trabalho, família, casa, celular conectado 24h por dia, com tantas demandas onde sobra um espaço

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE TEORIAS DA PERSONALIDADE Aluno(a) A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

O MODELO DE TRABALHO COM GRUPOS NA ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA

O MODELO DE TRABALHO COM GRUPOS NA ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA O MODELO DE TRABALHO COM GRUPOS NA ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA Afonso H Lisboa da Fonseca, psicólogo. Indice Textos ACP LABORATÓRIO DE PSICOLOGIA FENOMENOLÓGICO EXISTENCIAL Rua Alfredo Oiticica, 106 Farol

Leia mais

EXPERIMENTO-PILOTO: ARTE GESTALT E A AMPLIAÇÃO DA CONSCIÊNCIA

EXPERIMENTO-PILOTO: ARTE GESTALT E A AMPLIAÇÃO DA CONSCIÊNCIA EXPERIMENTO-PILOTO: ARTE GESTALT E A AMPLIAÇÃO DA CONSCIÊNCIA 1 AYALA, Sarita Carvalho GARCIA, Suzany Kemp PEREIRA, Claudia Carolina RODRIGUES, Annelise Brandão SILVA, Gislaine Cristina Guerra 2 BERVIQUE,

Leia mais