Manual de Normalização: normas para elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Normalização: normas para elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos"

Transcrição

1 Manual de Normalização: normas para elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos 5ª edição Belo Horizonte 2013

2 Faculdade FACISABH MANUAL DE NORMALIZAÇÃO: normas para elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos Manual de orientação para a normalização de trabalhos acadêmicos, para uso dos discentes e docentes da graduação, graduação tecnológica e pós-graduação da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte FACISABH. Belo Horizonte 2013

3 Unidade: Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte FACISABH Direção: Antônio Baião de Amorim Vice-Diretora: Helenice Silene de Oliveira FICHA CATALOGRÁFICA F143m Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte - FACISABH. Núcleo de Graduação. Manual de normalização: normas para elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos / Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte - FACISABH. Núcleo de Graduação ed. - Belo Horizonte: Faculdade FACISABH, p. 1. Documentação Normalização - Manual. I. Título. CDU Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca FACISABH. Para referenciar este documento: FACULDADE FACISABH. Núcleo de Graduação e Biblioteca. Manual de normalização: normas para elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos. Belo Horizonte: Faculdade FACISABH, 2013.

4 APRESENTAÇÃO Este manual de informações didático-pedagógicas visa uniformizar os trabalhos científicos e acadêmicos produzidos pelo corpo discente e docente da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte - FACISABH. Para tanto, apresenta-se aqui padrões de normalização que nortearão a elaboração destes trabalhos. Os padrões fixados foram baseados em documentos da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e em bibliografias especializadas. Como os livros Manual para normalização de publicações Técnico-Científicas. E o livro de Marina de Andrade Marconi e Eva Maria Lakatos Fundamentos de Metodologia científica. As informações baseiam-se nas seguintes normas da ABNT: ABNT NBR 6023:2002, Informação e Documentação Referências Elaboração; ABNT NBR 6024:2012, Informação e Documentação Numeração progressiva das seções de um documento escrito Apresentação; ABNT NBR 6027:2012, Informação e Documentação Sumário Apresentação; ABNT NBR 6028:2003, Informação e Documentação Resumo: Apresentação; ABNT NBR 10520:2002, Informação e Documentação Citações em documentos Apresentação; ABNT NBR 14724:2011, Informação e Documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação; ABNT NBR 15287:2011, Informação e Documentação Projeto de pesquisa Apresentação; ABNT NBR 15437:2006, Pôsteres Técnicos e Científicos. Na quarta edição este Manual já estava totalmente de acordo com a NBR 14724/2011. A quinta edição é o resultado da revisão feita na edição anterior, para que novas e úteis informações sejam incorporadas a este manual a fim de que ele seja mais transparente e mais facilmente entendido pelos alunos. Nesta edição foi retirada a versão impressa das monografias, por já não serem mais aceitas neste formato. Núcleo de Graduação Biblioteca FACISABH

5 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Margens do anverso Quadro 1 - Divisão de seções Figura 2 - Paginação Figura 3 - Exemplo de Tabela Figura 4 - Exemplo de quadro Figura 5 - Exemplo de quadro que continua Figura 6 - Exemplo de gráfico Figura 7 - Exemplo de fórmula Figura 8 - Sumário Figura 9 - Estrutura de monografias Figura 10 - Estrutura visual dos elementos da monografia Figura 11 - Capa Figura 12 - Capa CD Administração frente Figura 13 - Capa CD Administração verso Figura 14 - Etiqueta CD Administração Figura 15 - Lombada Figura 16 - Folha de rosto Figura 17 - Folha de aprovação Figura 18- Dedicatória Figura 19 - Agradecimentos Figura 20 - Epígrafe Figura 21 - Resumo Figura 22 - Lista de ilustrações Figura 23 - Lista de tabelas Figura 24 - Lista de siglas Figura 25 - Referências Figura 26 - Apêndice Figura 27 - Anexo Figura 28 - Glossário Figura 29 - Elementos que compõem o artigo científico Figura 30 - Folha de rosto de Relatório Figura 31 - Ficha de identificação de relatório (adaptada) Figura 32 - Modelo de fichamento Quadro 2 Modelo de Cronograma

6 SUMÁRIO PARTE I RECOMENDAÇÕES PARA PUBLICAÇÕES GERAIS A PRODUÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA FACISABH FORMATO DE APRESENTAÇÃO E REGRAS GERAIS Formato Cor da letra Margens Espaçamento Fonte Título Indicativos de seção Seções Numeração progressiva Capítulos e seções secundárias Parágrafos Paginação Siglas e abreviaturas Ilustrações Tabelas, quadros e gráficos Fórmulas e equações SUMÁRIO NUMERAIS CITAÇÕES Citação direta Citação indireta Citação de citação Citação oral Regras gerais NOTAS DE RODAPÉ... 30

7 6.1 Notas de referências Notas explicativas REFERÊNCIAS Elementos de referência Autores Título Edição Local de publicação Editora Data Descrições físicas Apresentação das referências Livros e folhetos Capítulos de livros Monografias, dissertações e teses Trabalhos apresentados em eventos Normas técnicas Artigo de periódicos Artigo de jornal Constituição, códigos, leis, decretos e portarias Documentos eletrônicos Outras referências Parte II RECOMENDAÇÕES PARA PUBLICAÇÕES ESPECÍFICAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC Estrutura Elementos pré-textuais Capa Lombada Folha de Rosto Errata Folha de Aprovação Dedicatória... 64

8 Agradecimentos Epígrafe Resumo Listas Sumário Elementos textuais Introdução Metodologia Referencial teórico Caracterização da organização Apresentação dos dados Considerações finais Elementos pós-textuais Referências Apêndice Anexo Glossário PROJETO DE PESQUISA Estrutura ARTIGO CIENTÍFICO Estrutura ASPI RESENHA RESUMO RELATÓRIOS TÉCNICOS- CIENTÍFICOS Etapas do relatório Estrutura FICHAMENTO REFERÊNCIAS APÊNDICE A Dicas para apresentação de slides APÊNDICE B Estrutura de banner APÊNDICE C Redação de trabalho acadêmico ANEXO A Modelo de Cronograma

9 6 Parte I RECOMENDAÇÕES PARA PUBLICAÇÕES GERAIS 1 A PRODUÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA FACISABH Os docentes e discentes da Faculdade de Ciências Sociais de Belo Horizonte FACISABH produzem uma numerosa quantidade e variada tipologia de documentos por semestre que são o resultado de seu trabalho e estudo. No caso dos alunos, estes documentos são para atender a um pedido solicitado como avaliação por algum professor. Para garantir que a informação seja entendida por todos aqueles que a consultarão é que se faz necessário um Manual de Normalização personalizado à identidade da Instituição. As normas e os padrões recomendados pela ABNT permitem que a informação seja legível por qualquer um, onde ele estiver. Garante ainda que o trabalho acadêmico possua um alto nível de qualidade. Os trabalhos que são resultados da produção acadêmica são: a) Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) b) Projeto de Pesquisa c) Outros Trabalhos 1 1 Outros trabalhos são todos aqueles resultantes de todas as atividades realizadas durante a formação do discente. São eles: Relatórios de visitas técnicas, Relatórios de estágios, resenhas, resumos e fichamentos.

10 7 2 FORMATO DE APRESENTAÇÃO E REGRAS GERAIS 2.1 Formato Papel ofício branco, tamanho A4 (210mmX297mm). Os trabalhos devem ser impressos somente no anverso da folha, ou seja, na parte frontal da folha. 2.2 Cor da letra A cor a ser utilizada para todos os trabalhos acadêmicos é o preto. Podendo usar cores apenas para ilustrações. 2.3 Margens As margens adequadas para todas as folhas do trabalho acadêmico são: Esquerda e superior de 3 cm; e direita e inferior de 2 cm (FIG. 1). Figura 1 - Margens do anverso Fonte: ARAÚJO, Espaçamento O texto do trabalho acadêmico deve ser espaçado entre linhas pela marca 1,5 cm (um e meio). Espaços simples devem ser usados apenas nas notas de rodapé, nas citações longas, entre as linhas de uma referência, nas legendas, nas ilustrações, tabelas, e na nota da folha de rosto.

11 8 Os elementos textuais (folha de rosto até sumário), exceto a capa, deverão estar formatados em espaço simples entre linhas. 2.5 Fonte Para todo o trabalho deve-se usar somente a letra Times New Roman e tamanho 12. Exceto para as citações longas (com mais de 3 linhas), notas de rodapé, paginação, legendas e fontes das ilustrações e tabelas nas quais deve-se usar o tamanho Título Os títulos: errata, sumário, agradecimentos, listas, resumos, sumário, referências, glossário, anexos e apêndices devem ser registrados no texto em CAIXA ALTA de forma centralizada e em negrito e não possuem indicativo numérico. Os títulos da seção primária devem ser separados do texto que o precede e sucede por dois espaços de 1,5 cm. 2.7 Indicativos de seção O indicativo numérico (algarismo arábico) de uma seção precede seu título, alinhado à esquerda, separado por um espaço de caractere. Os títulos das seções primárias devem começar nos anversos das folhas, na parte superior da mancha, alinhado à esquerda e ser separado do texto que os sucede por um espaço entre as linhas de 1,5. Além disso, os títulos das subseções devem ser separados do texto que os precede e que os sucede por um espaço entre as linhas de 1,5. Os títulos que ocupem mais de uma linha devem ser alinhados a partir da segunda linha abaixo da primeira letra da primeira palavra do título Seções As seções distribuem o texto em partes. A seção primária são os capítulos que dividem o texto, as seções secundárias são subdivisões de cada capítulo, e assim por diante. Veja como as seções devem ficar organizadas no exemplo abaixo:

12 9 Quadro 1 Divisões de seções SEÇÃO PRIMÁRIA Seções secundárias Seções terciárias Seções quartenárias Seções quinárias Numeração progressiva A numeração progressiva é um indicativo numérico usado para destacar e organizar as seções do trabalho. As seções primárias devem ser impressas em CAIXA ALTA e em negrito, já as seções secundárias devem ser impressas em negrito e com apenas a primeira letra em maiúsculo. 2.9 Capítulos e seções secundárias As divisões primárias do texto (capítulos), bem como as outras partes da publicação (sumário, prefácio, índices etc.) devem abrir uma nova página e terem seus títulos digitados com letras maiúsculas, na margem esquerda precedidos de seu indicativo numérico e centralizados no caso daqueles que não possuem o indicativo numérico Parágrafos O autor pode escolher o parágrafo que prefere. São duas opções conforme a ABNT. Parágrafo tradicional: recuar o parágrafo em 2 cm da margem esquerda. Parágrafo moderno: todo o texto fica à margem esquerda e o parágrafo marcado por um espaço de 1,5 cm entre eles Paginação A paginação deve ser colocada em evidência na folha, em algarismos arábicos, não se usando nenhum tipo de pontuação ou sinal antes ou após o número. Nos trabalhos acadêmicos, devem-se contar as páginas desde a folha de rosto. A numeração deve figurar, a partir da primeira folha da parte textual, em algarismos arábicos, no canto superior direito da folha, a 2

13 cm da borda superior, ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha. (FIG. 2). 10 Figura 2 - Paginação Fonte: ARAÚJO, Siglas e abreviaturas Utiliza-se o recurso de siglas e abreviaturas de palavras ou expressões quando ao longo do texto ocorrer um número excessivo de repetições, ou ainda, quando a sigla ou abreviatura tiver um reconhecimento amplo e geral. Optando por utilizar uma sigla ou abreviatura, deve-se na primeira referência redigir a palavra por extenso seguido pela sigla ou abreviatura entre parênteses. Nas próximas referências pode-se citar apenas a sigla ou abreviatura. Não se usa abreviaturas nos títulos e plural para as 2.13 Ilustrações abreviaturas.

14 11 Compreende como ilustrações: desenhos, esquemas, figuras, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, fórmulas, quadros, tabelas e outros. Sugere-se que as ilustrações sejam inseridas o mais próximo possível do texto a que se referem. Menciona-se a ilustração dentro do texto na forma cursiva ou abreviada entre parênteses. Abaixo segue as abreviaturas das ilustrações para serem destacadas no corpo do texto: FIGURA = FIG. GRÁFICO = GRAF. MODELO = MOD. QUADRO = QUADRO TABELA = TAB. Quando a ilustração estiver no anexo ou apêndice do trabalho e esta for referenciada no corpo do texto do trabalho, a informação deverá ser colocada de forma completa. O título de qualquer ilustração deve ser digitado acima da figura, na mesma margem. Têm apenas a inicial maiúscula e são precedidos pela palavra que denomina o tipo da ilustração (Figura, Gráfico, Quadro, Mapa, Tabela, Imagem, entre outros), deve indicar o número de ordem de ocorrência no texto, são separados por travessão e devem ser digitados em fonte tamanho 10; Após a ilustração, na parte inferior, indicar a fonte consultada: Autor e ano (elemento obrigatório, mesmo que seja produção do próprio autor), legenda e notas (se necessário).

15 12 Exemplo: Gráfico 1 Elevação de posição Fonte: Manual de Contabilidade Obs.: quando a ilustração for de autoria própria, deve-se identificar com: Fonte: autoria própria ou Fonte: elaborado pelo autor Tabelas, Quadros e Gráficos Os quadros e as tabelas deverão ser numerados sequencialmente em todo o trabalho, com algarismos arábicos. No cabeçalho de cada coluna deve-se indicar o seu conteúdo. Para a construção das Tabelas usar-se-á as seguintes regras: Traços horizontais duplos, indicando o início e o fim da tabela; Traços horizontais simples para separar o cabeçalho dos demais conteúdos da tabela; Traços verticais simples separando as colunas no cabeçalho, não colocar traços no corpo da tabela; No caso de alguma linha representar a soma, deve-se colocar em negrito esta linha; Caso a tabela repita suas informações horizontalmente, devem-se separar as colunas que se repetem por meio de traços verticais duplos. Figura 3 Exemplo de Tabela Fonte: Dados de Pesquisa (2013)

16 Na formatação dos Quadros devem-se colocar traços horizontais e verticais em toda sua extensão, separando linhas e colunas. 13 Figura 4 Exemplo de quadro Fonte: Bruni e Famá (2013) Quando a tabela ou o quadro forem mais largos que a folha, os mesmos poderão ser impressos no sentido vertical, as demais formatações seguem os padrões gerais. Mas, caso ambos sejam tão longos que não caibam em uma única página, poderão ser divididos e colocados em mais de uma página. Para tanto, basta colocar os dizeres continua e conclusão, dependendo do caso. Estas palavras deverão ser colocadas abaixo do título, alinhadas a margem direita da tabela ou quadro. Figura 5 Exemplo de quadro que continua Fonte: Bruni e Famá (2013)

17 14 Figura 5 Exemplo de quadro que continua Fonte: Bruni e Famá (2013) Os títulos e a fonte consultada deverão ser repetidos quantas vezes forem as continuações da tabela ou do quadro, utilizando a mesma formatação indicada anteriormente. Figura 6 Exemplo de gráfico Fonte: Pesquisa IBGE (2013)

18 Fórmulas e equações Destaque fórmulas e equações do corpo do texto. Para tanto, torna-se necessário citá-las em um novo parágrafo e centralizadas, podendo ser numeradas com algarismos arábicos entre parênteses, alinhados à direita. Nessa numeração, deverá constar o número do capítulo e do número de sua ocorrência no capítulo, separados por ponto. Se necessário, pode-se utilizar um espaçamento maior entrelinhas maior para comportar expoentes, raiz ou outro elemento. Figura 7 Exemplo de fórmula Fonte: IBGE

19 16 3 SUMÁRIO Sumário é uma listagem das principais divisões, seções e outras partes de um documento. É registrado pela palavra SUMÁRIO, escrita em letras maiúsculas, centralizada na parte superior da página, com a mesma fonte e tamanho de letra utilizado nas seções primárias. Sumário, índice, listas e resumos não podem ser confundidos. Os quatros são partes do trabalho acadêmico e bem diferentes uns dos outros. Segundo a NBR 6027 (ABNT, 2003d) o índice é uma lista de palavras ou frases, ordenados segundo determinado critério, que localiza e remete para as informações contidas no texto ; lista é a enumeração de elementos selecionados do texto, tais como datas, ilustrações, exemplos etc., na ordem de sua ocorrência e, de acordo com a NBR 6028 (ABNT, 2003e), resumo é a apresentação concisa dos pontos relevantes de um texto. O sumário deve incluir apenas as partes da publicação que lhe sucedem, sendo assim, não deve incluir os elementos pré-textuais, com exceção do prefácio. Ele deve indicar a numeração dos capítulos e suas divisões, o título de cada parte e a respectiva paginação. No caso das publicações avulsas como livros e monografias, o sumário deve se localizar como o último elemento pré-textual, caso a publicação não tenha prefácio e, penúltimo na existência deste. (FIG. 8).

20 17 Figura 8 - Sumário SUMÁRIO 5 espaços simples 1 INTRODUÇÃO Breve histórico Evolução do tema Problema Justificativa Objetivos Hipótese para solução do problema Simulações Situações Pontos de vista METODOLOGIA REFERENCIAL TEÓRICO (ou Revisão de Literatura) CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ANÁLISE DOS RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS 25 ANEXOS 28 Fonte: ABNT

21 18 4 NUMERAIS Nos trabalhos acadêmicos, aconselha-se escrever por extenso os números que são registrados em uma só palavra (dois, vinte, cem) e usar algarismos para os números registrados com mais de uma palavra. Não se devem usar números no início das frases. Já faz dois anos que a inflação não para de subir. Antônio tem 42 anos de idade. A forma escrita por extenso pode ser empregada para indicar quantidade aproximada e unidade de ordem elevada. Em Belo Horizonte habitam cerca de três milhões de pessoas. Nos números seguidos de unidades padronizadas, é obrigatório o uso do algarismo. 10 m 50 cm 15 ml 1 kg Quando for preciso expressar porcentagem, deve-se utilizar o símbolo % precedido de um número. 10% 50% 100% Nunca se deve usar a letra i (maiúscula - I) para representar o número um.

22 19 5 CITAÇÕES As citações podem ser definidas como sendo trechos transcritos ou informações extraídas das publicações consultadas para construção do trabalho. A citação é de suma importância para sustentar e/ou completar as idéias do autor do trabalho. A fonte utilizada de base para extração das informações deve ser citada obrigatoriamente, respeitando assim os direitos autorais desses trabalhos. As citações podem ser diretas ou indiretas. 5.1 Citação direta Considera-se citação direta quando se realiza a transcrição literal de trechos de publicações de outros autores. As citações diretas são subdivididas em curtas e longas. Citação curta: recebem essa classificação aquelas citações que não ultrapassarem o limite de três linhas. Quando utilizadas deve-se inseri-la no texto entre aspas. Uma vez que a riqueza dos proprietários é dada pelo preço da ação, as ações da empresa devem sistematicamente ser avaliadas de acordo com as medidas que irão elevar o seu preço. Frezatti (1998, p. 10) completa expondo que interessa para o acionista é que o seu investimento proporcione retorno contemplando risco e timing de reposição pelo tempo decorrido. Uma vez que a riqueza dos proprietários é dada pelo preço da ação, as ações da empresa devem sistematicamente ser avaliadas de acordo com as medidas que irão elevar o seu preço. Sabe-se que o que interessa para o acionista é que o seu investimento proporcione retorno contemplando risco e timing de reposição pelo tempo decorrido. (FREZATTI, 1998, p. 10). Citação longa: será assim denominada quando ultrapassarem mais de três linhas. Essa deverá constituir um parágrafo independente, recuado da margem esquerda em 4 cm, espaço simples, fonte de tamanho 10 e dispensam as aspas.

23 20 A reestruturação do mercado de capitais brasileiro foi um sinal de: 4 cm A ruptura do modelo anterior que se sustentava na utilização de nove bolsas de valores dispersas pelas diversas regiões do Brasil e representa uma tentativa de minimizar o problema de baixa liquidez (o mercado brasileiro gira, em média, de R$ 400 a R$ 500 milhões por dia). A idéia básica não é alcançar volumes comparáveis aos das principais economias do mundo (o giro diário nos Estados Unidos é de US$ 60 bilhões), mas adequá-lo ao seu imenso potencial. (PINHEIRO, 2001, p. 89). Além da integração das bolsas de valores, o mercado de capitais brasileiro vem sofrendo outras transformações que têm contribuído para sua modernização. 5.2 Citação indireta Considera-se como citação indireta a reprodução das idéias e informações da publicação de outros autores, sem, contudo, transcrever literalmente as palavras de autores. 5.3 Citação de citação Reproduz conceito ou informação sem que o texto original tenha sido consultado, entende-se que naquela oportunidade não houve condições de recorrer à obra original. Nas referências do trabalho deve-se citar apenas a referência do documento consultado. A referência do documento não consultado poderá ser citada no rodapé do texto.

24 21 Para a redação de citação de citação dentro do texto deve-se citar o sobrenome do autor do documento original, seguido das expressões: citado por ou apud, e o sobrenome do autor do material efetivamente consultado. As referências da obra original devem ser inseridas no trabalho como nota de rodapé. A nota é inserida logo após a indicação do autor da obra original. 5.4 Citação oral A citação verbal poderá ser trabalhada no texto desde que se faça a indicação (informação verbal), mencionando-se os dados disponíveis somente em notas de rodapé. As citações orais tratam-se de dados obtidos em congressos, palestras, aulas, reportagens, entrevistas e outras. Contudo, deve-se ser bastante cauteloso ao utilizar esse tipo de citação, pois poderá haver questionamentos e esses são difíceis de serem provados.

25 Regras gerais a) Para as citações diretas deve-se citar o autor, a data da obra e a página de onde se transcreveu o trecho. b) Para as citações indiretas, deve-se indicar o nome do autor e data da obra. c) Quando desejar colocar o nome do autor da citação inserido no texto, esse deverá ser citado em letras minúsculas (caixa baixa) e, quando esse for citado apenas ao final do texto deverá inseri-lo entre parênteses em letras maiúsculas (CAIXA ALTA).

26 d) Todas as obras citadas no trabalho deverão ter sua referência citada em capítulo delineado para essa natureza no trabalho. 23 e) No caso de citações diretas, deve-se respeitar inclusive a pontuação da obra original, ou seja, se a cópia findar com ponto esse também deverá ser inserido dentro das aspas. f) Somente nos casos onde tenha coincidência de sobrenomes de autores, deverá acrescentar os prenomes por extenso.

27 g) Para as citações de documentos de instituições, deverá utilizar o nome da instituição por extenso na primeira citação. A partir da segunda citação utilizar apenas a sigla. 24 h) Nas citações de documento de autoria desconhecida, deve-se citar a primeira palavra do título, seguido de reticências. Esse caso ocorrerá com mais freqüência nas consultas realizadas em periódicos (jornal, revistas, etc.). i) Quando desejar fazer uma única citação referindo-se aos vários documentos de um mesmo autor, mas que possuem datas de publicações distintas deve-se citar primeiro o autor e em seguida as datas das obras entre parênteses

28 25 j) Já a citação de vários documentos de um mesmo autor, onde ocorre a coincidência na data de publicação, deve-se citar primeiro o autor e em seguida a data da obra precedida de uma letra do alfabeto (seguindo a estrutura do alfabeto, ou seja, deve-se iniciar esta inserção pela letra a ) em minúsculo entre parênteses. l) Em se tratando de uma citação indireta onde se utiliza vários documentos de diversos autores, deve-se mencioná-los em ordem alfabética e letra maiúscula, separando-os por ponto e vírgula, quando forem colocados dentro de parênteses.

29 26 m) Quando se tratar de uma citação indireta onde forem utilizados vários documentos de autores diferentes, e essa for colocada no corpo do texto, deve-se mencioná-los em ordem alfabética, colocando nome(s) do(s) autor(es) seguido do ano da obra entre parênteses vírgula e os dados das outras obras, seguindo o mesmo padrão.

30 27 n) Citação de uma obra que tenha dois autores deverá ser feita tendo o sobrenome deles separados pela vogal e. Não utilizar a simbologia & para separar os autores. Deverão ser indicados na ordem em que aparecem na obra. o) Citação de uma obra que tenha três autores deverá ser feito tendo os autores separados por ponto e vírgula. Os autores deverão ser indicados na ordem em que aparecem na obra. p) Citação de uma obra que tenha mais de três autores deverá ser feito indicando o primeiro autor seguido da expressão et al. e a data. q) Citação que se desconhece a data do documento deve-se registrar uma data aproximada entre colchetes. Abaixo segue algumas regras, acompanhadas de exemplos, para esse registro. [1998 ou 1999] = indica um ano ou outro da publicação

31 28 [entre 1956 e 1970] = para intervalos inferiores a 20 anos da publicação [2001?] = data provável da publicação [ca. 2002] = para data aproximada publicação [199-] = quando houver certeza da década da publicação [199-?] = para década provável da publicação [19--] = quando houver a certeza apenas do século da publicação [19--?] = para século provável da publicação r) Havendo necessidade de suprimir alguma parte de uma citação direta por concluir que a mesma é irrelevante naquele momento, deve-se fazê-la por meio do uso de reticência entre colchetes. Esse artifício poderá ser utilizado no início, meio ou no final da citação. s) Quando se desejar fazer alguma interpolação, acréscimo ou comentário no texto da citação, deve-se fazê-la entre colchetes. t) Quando se quiser salientar ou destacar alguma parte de uma citação, deve-se colocar a referida parte em negrito itálico ou grifá-la, sendo que esse tipo de alteração do texto original deve ser indicada junto à indicação da fonte com a expressão grifo nosso.

32 29 u) Quando se fizer uma citação direta de alguma obra e essa contiver algum erro gráfico ou de outra natureza, deverá ser salientado o mesmo a partir da palavra sic entre parênteses e em itálico, que significa que o texto original estava assim mesmo. v) Quando se fizer uma citação direta e essa contemple mais de uma página da obra original, deve-se indicar a página inicial e final da citação entre elas colocar um hífen. w) Quando o texto da citação for proveniente de uma base de dados eletrônica, deve-se na citação indicar o ano da elaboração da obra e não do acesso à base.

33 30 6 NOTAS DE RODAPÉ As notas explicativas de rodapé são direcionadas para esclarecer ou explicar algumas idéias. São utilizadas para não interromper um contexto lógico do texto. As notas de rodapé devem ser objetivas, claras e sucintas. As notas devem ser colocadas na parte inferior da página, separadas do texto por uma linha contínua de 5 cm e digitadas em espaço simples e com caracteres Times New Roman, tamanho 10. Para se fazer as chamadas das notas de rodapé, usam-se algarismos arábicos subscritas, com numeração consecutiva. O mercado primário trata das aplicações realizadas diretamente na atividade produtiva. Já o mercado secundário, refere-se às transferências entre investidores dos direitos sobre estes investimentos. Um outro ambiente típico de mercado secundário é o conhecido mercado de balcão, que é caracterizado por negociações de compra e venda de ações fora das bolsas de valores 1, normalmente promovido por corretoras especializadas nesta área. 1 As bolsas de valores são sociedades civis, de direito privado e sem fins lucrativos. O patrimônio da bolsa é constituído por títulos patrimoniais de propriedade das sociedades de corretoras de valores. Sua função consiste em manter um local adequado para compra e venda de títulos mobiliários. 6.1 Notas de referência Devem ser utilizadas para indicar fontes bibliográficas, permitindo comprovação ou ampliação de conhecimento. Nos slides de apresentação e no corpo do texto de algum trabalho, quando feita a citação, deve-se referenciar a fonte da citação na nota de referência. ¹ NÓBREGA, 1962, p. 22. ² FREIRE, 1989, cap. 2, p. 80. ³ CHIAVENATO, 2000, p Notas explicativas São informações que agregam valor a obra, mas que não foram inseridos diretamente no corpo do texto, e por isso são notas explicativas. São colocadas junto ao rodapé. ¹ Professor titular da Cadeira de Finanças, do Departamento de Ciências Contábeis da Faculdade FACISABH.

34 31 7 REFERÊNCIAS Trata-se de uma lista onde constam os documentos citados ao longo do trabalho. Tem por objetivo informar o leitor a respeito das obras utilizadas na construção do trabalho. Para estruturar as referências é necessário que se siga algumas regras de formatação: a) Listar os documentos por ordem alfabética de sobrenome de autores, em seguida nome dos títulos. b) Espaçamento simples entre as linhas de cada referência. c) Entre as obras referenciadas utilizar um espaço simples. d) As referências deverão ser alinhadas a esquerda. e) Destacar os títulos das publicações em negrito. f) A entrada pelo autor, deverá ser feita por seu sobrenome em CAIXA ALTA. g) Deve-se repetir o nome do autor na listagem bibliográfica, quantas vezes se fizerem necessário. Não se deve utilizar o travessão ponto (.). REFERÊNCIAS 5 espaços simples ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith; GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 3. ed. São Paulo: Pioneira, espaço simples ARCHER, Samuel Howard; DAMBROSIO, Charles. A. The theory of business finance: a book of readings. New York: MacMillan, ASSAF NETO, Alexandre. A dinâmica das decisões financeiras. Caderno de Estudos, São Paulo, v. 9, n. 16, p. 9-25, jul. / dez ASSAF NETO, Alexandre. Mercado financeiro. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

35 Elementos da referência Autores O último sobrenome do autor (exceto para aqueles compostos) deve ser digitado em letras maiúsculas, acompanhado dos prenomes, que poderão estar abreviados. O sobrenome e os prenomes deverão ser separados por vírgula. Caso seja adotada esta postura de abreviação, sugere-se que todos os documentos sejam apresentados dessa forma. Se não forem abreviados, os prenomes devem ser apresentados em letra minúscula. Defini-se como sobrenome composto as seguintes variações: Sobrenome ligado por hífen; Sobrenome que indica parentesco; Sobrenome composto por substantivo e adjetivo. ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith. ASSAF NETO, Alexandre. SERRA NEGRA, Carlos Alberto. a) Um autor SERRA NEGRA, Carlos Alberto b) Até três autores Apresenta os autores na mesma ordem em que constam na publicação, separados por ponto-e-vírgula. SERRA NEGRA, Carlos Alberto; SERRA NEGRA, Elizabete Marinho SOLOMON, Ezra; PRINGLE, John James.

36 33 c) Mais de três autores Deve-se indicar apenas o primeiro autor, acompanhado da palavra et al. em itálico. N ALEXANDER, George. et al. Obra com vários autores com um responsável intelectual destacado d) Obra com vários autores com um responsável intelectual destacado Este responsável intelectual poderá ser um organizador, editor, compilador, coordenador, etc. Obras com essa característica devem ser referenciadas pelo nome desse responsável, seguido pela abreviatura que delineia o seu papel naquela obra (Org., Ed., Comp., Coord., etc). BASSO, Leonardo Fernando Cruz. (Org.) BASTOS, Norton Torres de. (Coord.) e) Obra de responsabilidade de entidade Quando as obras forem de responsabilidade de entidades, seja órgãos estatais, empresas, associações, entidades de classe, congresso, seminários, etc, a entrada deve ser feita pelo nome próprio dessa entidade, sem abreviações. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC. Quando essa entidade tiver uma denominação genérica, seu nome (em minúsculo) deverá ser precedido pelo órgão superior em letras maiúsculas. BRASIL. Ministério da Fazenda. BELO HORIZONTE. Secretaria Municipal de Educação. Lembre-se que ao referenciar qualquer documento é muito importante para o entendimento da informação, que o primeiro nome do autor esteja completamente legível e não abreviado.

37 34 f) Obra de autor desconhecido Para este tipo de situação, a entrada deverá ser feito pelo título da publicação, sendo que a primeira palavra desse título será configurada em letra maiúscula. FINANÇAS corporativas aplicadas. Porto Alegre: Bookman, Título Em se tratando de obras avulsas ou monográficas, seus títulos deverão ser apresentados em negrito, separados do subtítulo por dois pontos. O subtítulo não deverá ser formatado em negrito. ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith; GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 3. ed. São Paulo: Pioneira, ASSAF NETO, Alexandre. Mercado financeiro. 2. ed. São Paulo: Atlas, BASTOS, Norton Torres de. Avaliação de desempenho de bancos brasileiros baseada na criação de valor econômico. Revista de Administração, São Paulo, v. 34, n. 3, p , jul. / set Quando referenciado toda a obra do periódico, o seu título deverá ser colocado em letras maiúsculas. CADERNO DE PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, São Paulo: Faculdade de Economia e Administração da USP, v. 1, n. 7, 2. trim Edição Sempre que a publicação superar a primeira edição, esta deverá ser indicada, respeitando o idioma da publicação. 3. ed. (português e espanhol) 3 rd ed. (inglês)

38 Local de publicação Deve-se registrar na referência a cidade da publicação do documento. Sendo que, quando ocorrer da editora produzir em mais de uma cidade, indica-se a primeira cidade que se apresenta ou aquela que estiver com maior destaque. São Paulo. Porto Alegre. Em caso de documentos internacionais, deve-se citar o nome da cidade no mesmo idioma de origem da publicação. New York. Madrid. Não sendo possível a identificação do local da publicação usar a abreviatura [S.l.]. ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith; GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 3. ed. [S.l.]: Pioneira, Editora O nome da editora na referência deverá ser feito abreviando os prenomes e suprimindo as palavras que indicam a natureza jurídica e comercial da mesma. Atlas McGraw Quando coincidir autor e editora, não será necessário citá-lo novamente como editora uma vez que já aparece no papel de autor. FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE FACISABH. Núcleo de Graduação. Manual de normalização: normas para elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos. Belo Horizonte, 2013.

39 36 Já no caso onde desconhecer a editora, deve-se usar a abreviatura [s.n.]. MARKOWITZ, Harry Max. Portfolio selection: efficient diversification of investments. New York: [s.n.], Data A indicação da data da publicação poderá ser feita a partir da data de copyright, da impressão ou da apresentação. Não obtendo esta informação, deve-se proceder do seguinte modo: [1998 ou 1999] = indica um ano ou outro da publicação [entre 1956 e 1970] = para intervalos inferiores a 20 anos da publicação [2001?] = data provável da publicação [ca. 2002] = para data aproximada publicação [199-] = quando houver certeza da década da publicação [199-?] = para década provável da publicação [19--] = quando houver a certeza apenas do século da publicação [19--?] = para século provável da publicação MARKOWITZ, Harry Max. Portfolio selection. Journal of Finance, Oxford, v. 7, n. 1, p , Mar. [195-?] Descrições físicas Referimos como descrições físicas: o número de páginas de uma obra, folhas e volumes consultados da obra. Não se trata de um item obrigatório de registro, mas esse sempre enriquecerá as referências.

40 37 99 p. = para obra paginada com algarismos arábicos, indicará o número de páginas da mesma. p = quando se quer destacar as páginas que foram consultadas da obra referenciada. 90 f. = para trabalhos onde o conteúdo esta escrito apenas no anverso da folha, indicará o número de folhas. 2 v. = utiliza-se em referencia a um documento com dois volumes. v. 2 = indica qual o volume utilizado da obra referenciada. Quando o documento não for paginado ou a numeração for irregular indica-se essa característica: Sem número de páginas = não paginado. Numeração irregular = paginação irregular. 7.2 Apresentação das referências Apresentaremos a seguir as normas que deverão ser utilizadas para listar as referências de acordo com tipo de documento Livros e folhetos Elementos essenciais: Autor, título, subtítulo, edição, local, editora, data. Elementos complementares: Tradutor, ilustrador, páginas, volume, série, etc. AUTOR. Título: subtítulo. Edição. Local: Editora, data. ASSAF NETO, Alexandre. Mercado financeiro. 2. ed. São Paulo: Atlas, Referência de um livro de um único autor

41 38 ELTON, Edwin. et al. Modern portfolio theory and investment analysis. New York: John Wiley, Referência de um livro de quatro autores DAMODARAN, Aswath. Finanças corporativas aplicadas. [S.l.: s.n.], Referência de um livro de local de publicação e de editora desconhecida KONDO, Yoshio. (Ed.). Motivação humana: um fator chave para gerenciamento. Tradução de Dário Ikuo Miyake. 2. ed. São Paulo: Gente, Referência de um livro onde há um responsável intelectual destacado e tradutor FINANÇAS corporativas aplicadas. Porto Alegre: Bookman, Referência de um livro com autor desconhecido UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Economia e Administração. Contabilidade introdutória. São Paulo: Atlas, Referência de um livro de responsabilidade de uma entidade Capítulos de livros a) Formato convencional Elementos essenciais: Autor, título, subtítulo da parte, referência completa da obra e páginas consultadas. AUTOR DA PARTE. Título da parte. In: AUTOR DA OBRA. Título da obra. Edição. Local: Editora, ano. Número do capítulo, páginas consultadas. BREALEY, Richard; MYERS, Stwart. Estrutura de capital. In BREALEY, Richard; MYERS, Stwart. Princípios de finanças empresariais. 5. ed. Lisboa: McGraw-Hill de Portugal, Cap. 9, p Referência de capítulo de livro

42 39 b) Formato on line Elementos essenciais: Autor, título, subtítulo da parte, referência completa da obra, páginas consultadas e endereço eletrônico e data do acesso. AUTOR DA PARTE. Título da parte. In: AUTOR DA OBRA. Título da obra. Edição. Local: Editora, ano. Número do capítulo, páginas consultadas. Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. BREALEY, Richard; MYERS, Stwart. Estrutura de capital. In BREALEY, Richard; MYERS, Stwart. Princípios de finanças empresariais. 5. ed. Lisboa: McGraw-Hill de Portugal, Cap. 9, p Disponível em: <http://www.facisa.com.br>. Acesso em: 02 jan Referência de capítulo de livro Monografia, dissertações e teses a) Formato convencional Elementos essenciais: Autor, título, subtítulo, data, número de folhas, tipo de documento, o grau e área de concentração, instituição, local. AUTOR. Título: subtítulo. Ano da apresentação. Número de folhas. Tipo de documento (O grau e Área de Concentração) Nome da Universidade, Cidade. Ano de defesa. NEVES, Antônio. A precificação de ativos de renda variável no mercado de capitais brasileiro: uma visão comparativa entre a Arbitrage Pricing Theory e o Capital Asset Pricing Model f. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte Referência de dissertação PENA, R. B. Estruturação de um modelo de previsão de crédito f. Monografia (Bacharelado em Administração) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte, Belo Horizonte Referência de monografia de graduação b) Formato online Elementos essenciais: Autor, título, subtítulo, data, número de folhas, tipo de documento, o grau, área de concentração, instituição, local, endereço eletrônico e data do acesso.

43 40 AUTOR. Título: subtítulo. Ano da apresentação. Número de folhas. Tipo de documento (O Grau e Área de Concentração) Nome da Universidade, Cidade. Ano de defesa. Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. SERRA, Evelton. Uma proposta para o ensino de mercado de capitais na abordagem de jogos de empresas f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Disponível em: <http://www.usfc.br>. Acesso em: 10 fev Referência de dissertação em meio eletrônico Trabalhos apresentados em congressos, conferências, eventos e seminários a) Formato convencional Elementos essenciais: Autor, título, subtítulo do trabalho apresentado, nome do evento, número do evento, ano e local de realização do evento, título da publicação, local, editora, data de publicação e páginas do trabalho. AUTOR. Título: subtítulo. In: NOME DO EVENTO, Número do evento., ano e Local de realização do evento, Título da Publicação, local: Editora, data da publicação. Páginas inicialfinal do trabalho. BASSO, Leonardo Fernando Cruz; SILVA, Roseli. Economic value added and the debate on the most relevant variable: monetary amount or value creation rate? In: ENCONTRO BRASILEIRO DE FINANÇAS, 1., 2001, São Paulo. Anais... São Paulo: FGV/EAESP, p Referência de artigo apresentado em encontro científico BRUNI, Adriano Leal. Mercados eficientes, CAPM e anomalias na BOVESPA ( ). In: SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, 2., 1997, São Paulo. Anais... São Paulo: FEA/USP, p Referência de artigo apresentado em seminário

44 41 b) Formato online Elementos essenciais: Autor, título, subtítulo do trabalho apresentado, nome do evento, número do evento, ano e local de realização do evento, título da publicação, local, editora, data de publicação, páginas do trabalho, endereço eletrônico e data do acesso. AUTOR. Título: subtítulo. In: NOME DO EVENTO, Número do evento., ano e Local de realização do evento, Título da publicação, local: Editora, data da publicação. p. Informar as páginas utilizadas. Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. BRUNI, Adriano Leal. Mercados eficientes, CAPM e anomalias na BOVESPA ( ). In: SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, 2., 1997, São Paulo. Anais... São Paulo: FEA/USP, p Disponível em: <http://www.sbfin.org.br>. Acesso em: 21 jun Referência de artigo apresentado em encontro científico Normas técnicas a) Formato convencional Elementos essenciais: Autor, número da norma, título, subtítulo, local, editora, data. AUTOR. Número da norma: título: subtítulo. Local de publicação: Editora, data. Número de páginas. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, p. Referência de normas técnicas b) Formato on line Elementos essenciais: Autor, número da norma, título, subtítulo, local, editora, data, endereço eletrônico e data do acesso. AUTOR. Número da norma: título: subtítulo. Local de publicação: Editora, data. Número de páginas. Descrição física do meio eletrônico (CD-ROM, disquete etc.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano.

45 42 BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal de Saúde. 005/99: norma técnica de fiscalização e vigilância sanitária em laboratórios de citopatologia... Belo Horizonte, Disponível em: <www.pbh.gob.br/smsa/vigilancia/arquivos>. Acesso em: 18 mar Referência de normas Artigo de periódicos a) Formato convencional Elementos essenciais: Autor, título do artigo, subtítulo do artigo, título do periódico, local de publicação, volume, número, páginas do artigo e data de publicação. AUTOR. Título: subtítulo. Nome do Periódico, Local de publicação, volume, número, páginas do artigo, data da publicação. ALCÂNTARA, José Carlos Guimarães. O modelo de avaliação de ativos CAPM: aplicações. Revista Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p , jul./set Referência de artigo de periódicos A indicação do mês deve ser feita na língua de origem do periódico, sempre abreviado. Caso o periódico adote as estações ou divisões do ano em vez dos meses, deve-se respeitar esta divisão. Winter trim ABREVIATURAS DOS MESES PORTUGUÊS INGLÊS ESPANHOL Janeiro = jan. January = Jan. Enero = enero Fevereiro = fev. February = Feb. Febrero = feb. Março = mar. March = Mar. Marzo = marzo Abril = abr. April = Apr. Abril = abr. Maio = maio May = May Mayo = mayo Junho = jun. June = June Junio = jun.

46 43 Julho = jul. July = July Julio = jul. Agosto = ago. August = Aug. Agosto = agosto Setembro = set. September = Sept. Septiembre = sept. Outubro = out. October = Oct. Octubre = oct. Novembro = nov. November = Nov. Noviembre = nov. Dezembro = dez. December = Dec. Diciembre = dic. TOBIN, James. Liquidity preference as a behavior toward risk. Review of Economic Studies, Oxford, v. 25, n. 66, p , Feb Referência artigo de periódicos b) Formato on line Elementos essenciais: Autor, título, subtítulo do artigo, título do periódico, local de publicação, volume, número, páginas do artigo, data de publicação, endereço eletrônico e data do acesso. AUTOR. Título: subtítulo. Nome do Periódico, Local de publicação, volume, número, páginas do artigo, data da publicação. Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. BANZ, Rolf W. The relationship between return and market value of common stocks. Journal of Financial Economics, v. 9, n. 1, p. 3-18, Mar Disponível em: <http://www.essex.ac.uk/frame html>. Acesso em: 04 maio Referência de periódicos Artigo de jornal a) Formato convencional Elementos essenciais: Autor, título, subtítulo do artigo, título do jornal, local de publicação, data de publicação, caderno e páginas. AUTOR. Título: subtítulo. Título do Jornal, Local, dia mês ano. Número ou título do caderno, seção ou suplemento, páginas inicial-final.

47 44 AZEVEDO, G. H. O Rio São Francisco pede socorro. Estado de Minas, Belo Horizonte, 02 abr Caderno gerais, p Referência de jornal b) Formato on line Elementos essenciais: Autor, título, subtítulo do artigo, título do jornal, local de publicação, data de publicação, caderno, páginas, endereço eletrônico e data do acesso. AUTOR. Título: subtítulo. Título do Jornal, Local, dia mês ano. Número ou título do caderno, seção ou suplemento, páginas inicial-final. Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. AZEVEDO, G. H. O Rio São Francisco pedi socorro. Estado de Minas, Belo Horizonte, 02 abr Caderno gerais, p Disponível em: <http://www.uai.com.br/gerais html>. Acesso em: 04 maio Referência de jornal Constituição, códigos, leis, decretos e portarias a) Formato convencional Elementos essenciais: Jurisdição, título, número, edição, local, editora, data. JURISDIÇÃO. Título. Edição. Local: Editora, data. BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, Referência de constituição BRASIL. Código civil. 46. ed. São Paulo: Saraiva, Referência de código

48 45 BRASIL. Decreto n de 4 de julho de Minas Gerais, Belo Horizonte, 5 jul p. 5. Referência de decreto b) Formato on line Elementos essenciais: Jurisdição, título, edição, local, editora, data, número de páginas, endereço eletrônico e data do acesso. JURISDIÇÃO. Título. Edição. Local: Editora, data. Número de páginas. Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. BRASIL. Senado Federal. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de Disponível em: <http://www.senado.gov.br/sf/legislacao/const/>. Acesso em: 28 abr Referência de constituição No texto: Em citações, com mais de três linhas: a) no final da citação: (BRASIL, 1988) Em citações, com menos de três linhas: a) No início da citação: Brasil (1988) b) No final da citação (BRASIL, 1988) Citação no texto CONSELHO FEDERAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS - COFECI. Resolução-COFECI Nº 326/92: aprova o código de ética profissional dos corretores de imóveis. Brasília: COFECI, Disponível em: <http://www.cofeci.gov.br/arquivos/legislacao/1992/resolucao326_92.pdf>. Acesso em: 24 abr Referência de resolução

49 46 No texto: Em citações, com mais de três linhas: a) no final da citação: (COFECI, 1992) Em citações, com menos de três linhas: a) No início da citação: COFECI (1992) b) No final da citação (COFECI, 1992) Citação no texto BRASIL. Casa Cívil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei n , de 28 de Dezembro de Altera e revoga dispositivos da Lei n , de 15 de dezembro de 1976, e da Lei no 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2007/lei/l11638.htm>. Acesso em: 27 jun Referência de lei No texto: Em citações, com mais de três linhas: a) no final da citação: (BRASIL, 2007) Em citações, com menos de três linhas: a) No início da citação: Brasil (2007) b) No final da citação (BRASIL, 2007) Citação no texto BRASIL. Senado Federal. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de Disponível em: <http://www.senado.gov.br/sf/legislacao/const/>. Acesso em: 28 abr Referência de constituição

50 47 No texto: Em citações, com mais de três linhas: a) no final da citação: (BRASIL, 1988) Em citações, com menos de três linhas: a) No início da citação: Brasil (1988) b) No final da citação (BRASIL, 1988) Citação no texto BRASIL. Senado Federal. Subsecretaria de Informações. Decreto nº 6.861, de 27 de maio de Dispõe sobre a Educação Escolar Indígena, define sua organização em territórios etnoeducacionais, e dá outras providências. Disponível em: <http://www6.senado.gov.br/legislacao/listapublicacoes.action?id=258862>. Acesso em: 30 abr Referência de decreto No texto: Em citações, com mais de três linhas: a) no final da citação: (BRASIL, 2009) Em citações, com menos de três linhas: a) No início da citação: Brasil (2009) b) No final da citação (BRASIL, 2009) Citação no texto

51 Documentos eletrônicos Referem-se a bases de dados, listas de discussão, site, arquivos em CD-ROM ou disquete, e- mail 2 entre outros. Elementos essenciais: autor, título do serviço ou produto, versão (se houver) e descrição física. Elementos complementares: local, editor, data de publicação, descrição do site, desenvolvedor do site. AUTOR. Título do serviço ou produto. Versão (se houver). Descrição física. MINAS GERAIS. Secretaria da Educação. Assessoria de Planejamento e Coordenação. Centro Produção e Difusão de Informações Educacionais. Anuário estatístico da educação: Minas Gerais: Belo Horizonte: SEEMG, CD-ROM. Referência de um CD-ROM No texto: Em citações, com mais de três linhas: a) no final da citação: (MINAS GERAIS, 2000) Em citações, com menos de três linhas: a) No início da citação: Minas Gerais (2000) b) No final da citação (MINAS GERAIS, 2000) Citação no texto 2 O devido ao seu caráter informal, interpessoal e efêmero, só deve ser utilizado quando não houver nenhum outro documento que aborda o assunto em questão.

52 49 a) Site Título do site. Descrição do site (Opcional). Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. Junta Comercial do Estado de Minas Gerais JUCEMG. Apresenta os serviços próprios do Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins do Estado de Minas Gerais. Disponível em: <http://www.jucemg.mg.gov.br/br>. Acesso em: 15 jul Referência de um site institucional No texto: Em citações, com mais de três linhas: a) no final da citação: (JUCEMG, 2009) Em citações, com menos de três linhas: a) No início da citação: JUCEMG (2009) b) No final da citação (JUCEMG, 2009) Citação no texto Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte FACISABH. Desenvolvido por Marcus Ferraz. Apresenta os serviços oferecidos pela faculdade FACISABH Disponível em: <http://www.facisa.com.br >. Acesso em: 25 jul Referência de um site institucional com desenvolvedor e data.

53 50 No texto: Em citações, com mais de três linhas: a) no final da citação: (FACISABH, 2009) Em citações, com menos de três linhas: a) No início da citação: FACISABH (2009) b) No final da citação (FACISABH, 2009) Citação no texto B) Documento avulso em meio eletrônico AUTOR. Título do documento. Título do Site. ano. Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso em: dia mês e ano. COSTA, Elenito Elias da Silva. Importantes observações contidas na DIPJ. Portal da Classe Contábil Disponível em: <http://www.classecontabil.com.br/v3/artigos/ver/2032>. Acesso em: 28 jul Referência de documento avulso em meio eletrônico No do texto: Em citações, com mais de três linhas: a) no final da citação: (COSTA, 2009) Em citações, com menos de três linhas: a) No início da citação: Costa (2009) b) No final da citação (COSTA, 2009) Citação no texto

54 51 c) Documento avulso em meio eletrônico com autor entidade PORTAL DE CONTABILIDADE. Demonstração do Resultado do Exercício (DRE). Portal de Contabilidade. Disponível em: < Acesso em: 04 dez Referência de documento avulso em meio eletrônico com autor entidade No texto: Em citações, com mais de três linhas: a) no final da citação: (PORTAL DE CONTABILIDADE, 2009) Em citações, com menos de três linhas: a) No início da citação: Portal de Contabilidade (2009) b) No final da citação (PORTAL DE CONTABILIDADE, 2009) Citação no texto Outras referências a) Tradução LANGER, Susanne. Ensaios filosóficos. Tradução de Mara Vaz. Belo Horizonte: Cantiler, p. Título original: Philosophical sketches. Referência de tradução do original b) Anotações de aula AMORIM, Antônio Baião. Sistemas de custeio. Belo Horizonte: FACISABH, Notas de aula. Referência de notas de aula

55 52 c) Palestras AMORIM, Antônio Baião. Nota fiscal eletrônica. Belo Horizonte: FACISABH, Palestra proferida na III Semana da Contabilidade FACISABH, em Belo Horizonte, em 04 maio d) Apostilas Referência de palestra AMORIM, Antônio Baião. Administração de custos. Belo Horizonte, Apostila. Referência de apostila e) Relatórios AMORIM, Antônio Baião. Sistemas de custeio. Belo Horizonte: FACISABH, p. Relatório. Referência de relatório f) Entrevistas - entrevistas individuais Neste caso deve-se entrar com o nome do entrevistado. AMORIM, Antônio Baião. Antônio Baião de Amorim: inédito. Belo Horizonte, Entrevista concedida a Maria Assis. Referência de entrevista individual - entrevistas coletivas Neste caso deve-se entrar com o nome do entrevistador. ASSIS, Maria. Encontro com os coordenadores pedagógicos da FACISABH. Belo Horizonte, Entrevista. Referência de entrevista coletiva

56 53 g) Apresentação em Slides AMORIM, Antônio Baião. Sistemas de custeio. Disciplina de Seminários. Belo Horizonte: FACISABH, f. Slides. Referência de slides h) Filmes A LIBERDADE é azul. Direção: Krzystof Kieslowski. São Paulo: Look filmes, DVD (96 min.), legendado. Tradução de: Bleu. Referência de filme i) Atlas INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (Rio de Janeiro, RJ). Atlas do Brasil: geral e regional. Rio de Janeiro, p. Referência de atlas

57 54 PARTE II RECOMENDAÇÕES PARA PUBLICAÇÕES ESPECÍFICAS 8 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC O trabalho de conclusão de curso TCC é também denominado Monografia e tem a finalidade de ser a avaliação final de determinado curso. Ele constitui o produto de leituras, observações, investigações, reflexões e críticas desenvolvidas nos cursos de graduação e pósgraduação. Sua principal característica é a abordagem de um tema único (monos = um só e graphein = escrever). Para Marconi e Lakatos (1990), monografia é Um estudo sobre um tema específico ou particular, com suficiente valor representativo e que obedece a rigorosa metodologia. Investiga determinado assunto não só em profundidade, mas em todos os seus ângulos e aspectos [...] 3 O TCC deverá ser entregue somente na versão digital, por isso a lombada não é mais um elemento obrigatório. Elementos obrigatórios: Capa, folha de rosto, folha de aprovação, resumo, listas, sumário, introdução, metodologia, referencial teórico, caracterização da organização (quando houver), apresentação dos dados, considerações finais e referências. Obs.: Os objetivos gerais e específicos são considerados elementos que ficam a parte da introdução somente para o curso de Letras. 3 MARCONI; LAKATOS, p. 205.

58 Elementos opcionais: Lombada, Dedicatória, agradecimentos, epígrafe, apêndice, glossário e anexo. 55 Para as Monografias do curso de Letras é exigido o mínimo de 30 páginas. 8.1 Estrutura Os TCC elaborados pelos discentes da Faculdade de Ciências Sociais de Belo Horizonte FACISABH deverão seguir a seguinte estrutura: Figura 9 Estrutura de monografias ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS - capa - lombada - folha de rosto - errata - folha de aprovação - dedicatória - agradecimentos - epígrafe - resumo na língua vernácula - resumo na língua estrangeira (Abstract) - listas 1. lista de ilustrações 2. lista de tabelas 3. lista de abreviaturas e siglas 4. lista de símbolos - sumário ELEMENTOS TEXTUAIS - texto 1. introdução breve histórico evolução do tema problema justificativa objetivos (geral e específicos) hipótese para solução do problema 2. desenvolvimento metodologia referencial teórico caracterização da organização Obs.: Os elementos apresentados em negrito são considerados essenciais; os demais são opcionais.

59 56 apresentação dos dados 3. considerações finais ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS - referências - glossário - apêndice(s) - anexo (s) - índice (s) Figura 10 Estrutura visual dos elementos da monografia

60 Ver detalhamento dos elementos na seqüência Elementos pré-textuais Capa Tem como objetivo a identificação do trabalho científico. Deverá conter alguns elementos essenciais a fim de atender o objetivo a que se propõe, tais como: nome da instituição, autor, título, subtítulo (caso exista), local (cidade) e ano, dispostos nesta ordem. As informações contidas na capa deverão ser todas colocadas em negrito (exceto subtítulo) e de forma centralizada. Deverá utilizar-se na capa a letra Times New Roman 12, exceto o título e subtítulo do trabalho que deverá ter fonte tamanho 14 e utilizar espaçamento de 1,5 entre linhas. Utilizar nas margens Superior e Esquerda 3 cm e Inferior e Direita 2 cm. Figura 11 - Capa

61 58 Versão digital A versão digitalizada, utilizada pelos cursos de Administração, Ciências Contábeis, Pedagogia e Letras, deve ser apresentada em dois arquivos, um se tratando do trabalho em si e totalmente completo e o outro arquivo será a ata de aprovação, todos exclusivamente salvos em formato PDF. A cor da capa utilizada para cada curso é: Azul Royal com letras douradas para o curso de Administração; Vinho com letras douradas para o curso de Ciências Contábeis; Lilás Escuro (Roxo) com letras douradas para o curso de Pedagogia; Vermelho Escuro com letras na cor branca para o curso de Letras. A capa e a etiqueta do CD seguem as cores da versão em capa dura, de acordo com os modelos encontrados neste manual. Os alunos devem, portanto, acessar o arquivo eletrônico, disponível na página da Biblioteca FACISABH, colocando os dados do seu trabalho, sem alterar a formatação. Figura 12 - Capa CD Administração frente

62 59 Figura 13 - Capa CD Administração verso Figura 14 - Etiqueta CD Administração

63 O CD deve ter a capa e a etiqueta impressas em papel fotográfico e a caixa-box para o acondicionamento do CD deve ser de acrílico (não serão aceitos os envelopes ou outros modelos). 60 O protocolo do trabalho em sua versão final deve ser feito na biblioteca nos prazos determinados a cada semestre Lombada A lombada apenas constará nos trabalhos que receberem capa dura. Nesse caso, esse elemento passa a ser obrigatório, devendo constar a sigla FACISABH, título e ano do trabalho. As letras da lombada, tal como na capa, deverão ser douradas. A lombada deverá ser escrita em letra Times New Roman, tamanho 12. O título do trabalho deverá ser centralizado na horizontal e na vertical. Figura 15 - Lombada 29,7 cm FACISABH TÍTULO DO TRABALHO 3,50cm Centralizado na horizontal e vertical Linha dupla dourada Centralizado na horizontal e vertical Linha dupla dourada ANO 3,50cm Centralizado na horizontal e vertical

64 Folha de rosto A folha de rosto trará consigo informações que auxiliarão a identificação do trabalho são elas: nome do autor, título do trabalho, subtítulo (caso exista), nota de apresentação, nome do professor orientador, local e ano. As informações contidas na folha de rosto deverão ser colocadas de forma centralizada, exceto a nota de apresentação e o nome do professor orientador que estarão recuados. Deverá utilizar-se na folha de rosto a letra Times New Roman 12, exceto o título e subtítulo do trabalho que deverão ter fonte tamanho 14, sendo que o título deverá ser apresentado em negrito. Quanto ao espaçamento entre linha, utilizar o espaço simples. Figura 16 - Folha de rosto 3 cm Nome do Aluno 15 espaços simples entre linhas (se for mais de um aluno diminuir a quantidade de espaços na mesma proporção do número de alunos) TÍTULO DO TRABALHO: subtítulo 10 espaços simples entre linhas 3 cm Trabalho de Conclusão de Curso apresentado na Faculdade de 2 cm Ciências Sociais Aplicadas de Belo 11 cm de recuo à Esquerda Horizonte no Curso de Graduação em Pedagogia como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Pedagogia. 1 espaço simples entre a nota de apresentação e o nome do professor orientador. Prof. Orientador: Nome do Professor Belo Horizonte Ano 2 cm

65 62 Exemplos de notas de apresentação: Projeto de Pesquisa apresentado no Curso de Graduação em Administração da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte como requisito parcial para aprovação na disciplina Estágio Supervisionado VII. Projeto de Pesquisa apresentado no Curso de Graduação em Ciências Contábeis da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte como requisito parcial para aprovação na disciplina Estágio Supervisionado VII. Projeto de Pesquisa apresentado no Curso de Graduação em Ciências Contábeis da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte como requisito parcial para aprovação na disciplina Estágio Supervisionado VII. Relatório de Estágio apresentado no Curso de Graduação em Ciências Gerenciais: Gestão de Empresas e Negócios da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte como requisito parcial para aprovação na disciplina Estágio Supervisionado IV. Trabalho apresentado no Curso de Graduação em Ciências Contábeis da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte como requisito parcial para aprovação na disciplina Contabilidade Intermediária II Errata Listagem de erros com as devidas correções, indicações de páginas e, quando possível, de linhas em que os mesmos aparecem. Se possível deve ser inserida, como encarte, após a folha de rosto Folha de aprovação A folha de aprovação é providenciada pela Coordenação de Curso, sendo a mesma entregue pelos membros da banca ao aluno no dia da apresentação do seu trabalho, caso ele seja aprovado. Abaixo segue o modelo proposto. Este item é obrigatório na versão digital, a

66 biblioteca somente aceitará os TCC que apresentarem sua ata de aprovação devidamente assinada. 63 Figura 17 - Folha de aprovação

67 Dedicatória Trata-se de um texto curto, onde o autor prestará uma homenagem ou dedicará seu trabalho a alguém. Deve-se utilizar espaçamento simples, letra Times New Roman tamanho 12 em itálico e alinhamento à direita. Item opcional. Figura 18- Dedicatória 3 cm 3 cm 2 cm Recuado à direita em 8 cm Dedico este trabalho aos meus queridos pais e ao meu irmão que depositaram em mim toda confiança e esperança. 2 cm 1 cm

68 Agradecimentos Esta parte do trabalho é destinada aos agradecimentos a pessoas e/ou organizações que contribuíram para a construção do trabalho. Deve-se utilizar espaçamento simples, letra Times New Roman tamanho 12 com alinhamento justificado, exceto o título da página (Agradecimentos) que deverá estar centralizado, em caixa alta e em negrito. Item opcional. Figura 19 - Agradecimentos AGRADECIMENTOS 5 espaços simples Aos diretores da empresa pesquisada pela contribuição e apoio na elaboração desta monografia. 1 espaço simples Ao meu professor orientador por toda dedicação e amor ao seu trabalho. A todos os meus amigos e colegas que de uma forma ou outra contribuíram na realização deste trabalho. 3 cm A FACISABH e em especial aos funcionários da biblioteca que sempre estavam dispostos a orientar-nos em nossas pesquisas bibliográficas. 2 cm

69 Epígrafe A epígrafe trata-se de uma citação de um pensamento que de alguma forma traduza um pouco do seu trabalho ou do sentimento do autor ao construí-lo. Deve-se utilizar espaçamento simples, letra Times New Roman tamanho 12 em itálico e alinhamento à direita. Item opcional. Figura 20 - Epígrafe 3 cm 3 cm 2 cm Recuado à direita em 8 cm Há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida." 01 espaço simples entre linhas Provérbio Chinês 1 cm 2 cm

70 Resumo Texto redigido pelo autor, onde se procura ressaltar de forma clara, direta, concisa os objetivos da pesquisa, bem como a metodologia utilizada, os resultados encontrados e as conclusões a que se chegou. Elaborado em único parágrafo, este deverá conter entre 150 a 500 palavras. Deve-se ao final do texto do resumo listar os termos que serão as palavras-chave para a recuperação do trabalho. Essas palavras-chave representam o assunto do trabalho. Cada palavra-chave deve ser separada por vírgula e iniciada com letra maiúscula. O espaçamento entre linhas será simples, letra Times New Roman tamanho 11 com alinhamento justificado. Figura 21 - Resumo RESUMO 3 cm 5 espaços simples 3 cm O tema deste trabalho é a criação de valor econômico (EVA) nas empresas brasileiras de capital aberto e os modelos de precificação de ativos financeiros de fator único. Assim, o objetivo geral da pesquisa consistiu em avaliar qual dos modelos de precificação de ativos financeiros, Capital Asset Pricing Model (CAPM) e Downside Capital Asset Pricing Model (D-CAPM), configura-se como a melhor alternativa para mensuração do custo do capital próprio das empresas brasileiras de capital aberto. Especificamente, procurou-se avaliar a eficiência da aplicabilidade do CAPM e do D-CAPM para o mercado de capitais brasileiro e comparar os resultados do EVA, atingidos a partir do uso dos modelos de precificação de ativos CAPM e D-CAPM. Nesse sentido, o trabalho teve como fundamentação teórica o modelo de criação de valor econômico e de precificação de ativos financeiros, precedido de uma revisão de literatura sobre o mercado de capitais com ênfase na evolução do mercado de capitais brasileiro. A pesquisa foi desenvolvida por meio de uma investigação quantitativa, utilizando dados amostrais do período de agosto de 1996 a setembro de 2002, coletadas pelo banco de dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da Economática. O teste da eficiência dos modelos de precificação de ativos financeiros indicou um superioridade do modelo D-CAPM frente ao CAPM, na explicação dos retornos dos títulos mobiliários do mercado brasileiro de capitais. Conclui-se, então, dentre os dois modelos de mensuração do custo do capital próprio aqui citados, que o D-CAPM é o mais indicado para utilização como instrumento auxiliador do cálculo da métrica de criação de valor econômico. 1 espaço simples 2 cm Palavras-chave: Valor econômico agregado, Capital asset pricing model, Downside capital asset pricing model, Custo de capital próprio. 2 cm

71 Listas Ordenação dos elementos ilustrativos ou explicativos que foram inseridos no trabalho. O sumário das ilustrações deve ser listado de acordo com a ordem numérica das mesmas, seguida pelo título e página correspondente. Recomenda-se, quando necessário, a elaboração de uma lista para cada tipo de ilustração. Contudo, quando estas não representarem um número significativo poderá ser condensado em: lista de ilustrações (figuras, gráficos, mapas e quadros), lista de tabelas e lista de siglas. O espaçamento entre linhas será simples, letra Times New Roman tamanho 12 com alinhamento justificado. Títulos das ilustrações alinhados. Figura 22 - Lista de ilustrações 3cm LISTA DE ILUSTRAÇÕES 5 espaços simples Figura 1 - Relação entre EVA e MVA espaço simples Figura 2 - Os pilares do EVA...26 Figura 3 - Utilidade da riqueza cm 2 cm Gráfico 1 - Conjuntos de oportunidades e conjunto eficiente...51 Gráfico 2 - Selecionando uma carteira ótimo cm

72 69 Figura 23 - Lista de tabelas 3 cm LISTA DE TABELAS 5 espaços simples 3 cm Tabela 1 - Betas dos ativos espaço simples Tabela 2 - Teste de simetria...26 Tabela 3 - Distribuição das ações ordinárias e preferenciais...45 Tabela 4 - Cálculo do CAPM Tabela 5 - Cálculo do D-CAPM...52 Quadro 1 - Ações que compõem o portfólio de análise cm 2 cm A lista de figuras, tabelas, quadros e gráficos deverá apresentar as imagens que aparecem no texto na ordem em que são citadas e, não pelo tipo de ilustração, ou seja, não colocar gráficos juntos, tabelas juntos, desrespeitando a ordem que aparece no texto. A lista de tabelas deve contemplar as tabelas e quadros utilizados ao longo do trabalho.

73 70 Figura 24 - Lista de siglas 3 cm LISTA DE SIGLAS 5 espaços simples BACEN BOVESPA CDI CMN CVM FIBV Banco Central do Brasil 1 espaço simples Bolsa de Valores de São Paulo Certificado de depósito interbancário Conselho Monetário Nacional Conselho de Valores Mobiliários Federação Internacional das Bolsas de Valores 3 cm 2 cm 2 cm A lista de siglas deverá apresentar as siglas e abreviaturas utilizadas ao longo do trabalho. Devem ser apresentadas em ordem alfabética. Primeiro apresenta-se as siglas, alinhamento a partir da margem mais extensa da sigla. Após a sigla insere-se o significado escrito por extenso.

74 Sumário Trata-se da enumeração dos capítulos e das seções na qual o trabalho está dividido, deverá estar precedidos da sua localização no corpo do trabalho. Os elementos pré-textuais (folha de rosto, agradecimentos, resumo, etc.) não deverão compor o sumário. Usar o recurso negrito e caixa alta apenas para os Capítulos (Seção primária). Para as seções secundárias deve-se usar apenas o recurso negrito, para as demais seções o texto deverá estar em caixa baixa (exceto primeira letra do título) e sem negrito. Ver modelo em Capítulo de Sumários e (FIG. 8). Não se deve utilizar pontuação ou algum outro tipo de sinalização para separar o título da numeração da seção, apenas espaço. A numeração das seções deverá ser alinhada a esquerda, enquanto os títulos das mesmas pela margem mais extensa da numeração Elementos textuais Introdução O capítulo Introdução deverá ser composto pelos seguintes itens: Breve histórico e evolução do tema: conjunto de informações claras e simples que permitirão contextualizar a pesquisa, por meio de considerações preliminares sobre o tema a ser analisado, ao longo do trabalho. Problema: definição e delimitação do tema, ou seja, do objeto de estudo, bem como sua localização no tempo e no espaço seu contexto. Após a definição do tema sugerise que o problema seja expresso de forma interrogativa, de maneira clara e explícita e deve ser delimitado a uma dimensão viável. Justificativa: define a razão que justifica o interesse ou a relevância do estudo realizado para a área de conhecimento em que se dá a pesquisa.

75 72 Objetivos: se subdividem em objetivo geral e objetivos específicos. Objetivo geral: representa o fim que o trabalho se propõe a atingir. É elaborado com base no problema de pesquisa. O alcance do objetivo geral é uma das medidas de sucesso do trabalho do aluno. Objetivos específicos: representam os passos necessários para o alcance do objetivo geral. São uma decomposição do objetivo geral em ações pormenorizadas, que servem de guia para o aluno completar o seu trabalho. Os objetivos devem ser escritos com os verbos no infinitivo. Ex.: Avaliar, Mensurar, Identificar, Analisar. Hipótese: trata-se da resposta provável e provisória para a questão que foi formulada (o problema). A hipótese está, portanto, diretamente ligada ao problema e aos termos que nele se relacionam. Por isso, pode ser compreendida como o fio condutor da pesquisa, pois indica ao pesquisador o que procurar. Desta forma, a Introdução deverá fornecer uma visão global do estudo que está sendo realizado, introduzindo o leitor ao tema pesquisado, em breve histórico e evolução conceitual. Em parágrafos construir-se-á os principais argumentos como: Justificativa, Problemática e Problema, Relevância, Abrangência e Delimitação da Abordagem, bem como as informações preliminares sobre a história, os dados, e esclarecimentos gerais de caracterização/contextualização da empresa (campo de observação/objeto de estudo) Metodologia Descreve a metodologia adotada, identificando seus pressupostos básicos explanando sobre o tipo de pesquisa qualitativa ou quantitativa, deixando para finalizar com o relato sobre o tipo de amostragem utilizada e com a breve descrição dos procedimentos empregados. Os instrumentos utilizados na pesquisa, como: roteiros de entrevistas, formulários, questionários e outras ferramentas da coleta de dados devem ser historiados, para tornar claro e completo o relato. A apresentação do método utilizado para a compilação e análise dos dados, nas pesquisas quantitativas, bem como os instrumentos utilizados, devem se estender à abordagem estatística e ao uso das medidas de tendência central e de dispersão e a variância, aplicada aos dados.

76 73 Para as pesquisas qualitativas faz-se necessária a identificação dos métodos de qualificação de análise de dados e a avaliação da análise, para a demonstração de como foram reduzidos os dados e como a solução pode ser absorvida pelas teorias existentes ou como a massa de dados foi capaz de gerar alternativas de solução, para organizar e controlar a ocorrência do fenômeno Referencial teórico Demonstra o conhecimento sobre a literatura básica do assunto pesquisado, condensando os resultados dos estudos feitos por diversos autores. Induz à busca da literatura existente para averiguar o que já foi escrito ou publicado sobre a temática escolhida, e o relato de outras pesquisas realizadas, para aumentar o conhecimento sobre o assunto. O levantamento de estudos já realizados sobre o tema pesquisado para compor o Referencial Teórico irão orientar o estudo e a evitar ponderações próprias ao senso comum. As obras efetivamente consultadas devem ser referenciadas e registradas conforme as recomendações deste manual Caracterização da organização A caracterização da empresa atende à necessidade de divulgar um conhecimento inicial, com informações preliminares. Faz-se necessário o relato do maior número possível de informações, a fim de caracterizar o objeto de estudo. Alguns dados sugeridos para fazer parte deste capítulo: breve histórico sobre o desempenho da organização; sua constituição societária, mudanças e alterações anteriores; ramo de negócios; porte da empresa; número de funcionários; faturamento; níveis hierárquicos; estrutura organizacional; estilo gerencial. O capitulo deve ser subdividido em 4 subtítulos, sendo eles: Dados Gerais, Histórico, Estrutura Física, Estrutura Organizacional (Organograma). Nos trabalhos onde não se tem uma organização como objeto de estudo, esse capítulo deverá ser suprimido.

77 Apresentação e Análise dos dados Apresenta de forma detalhada a coleta de dados e a metodologia para esta coleta. O campo de observação e análise deve ser descrito em profundidade, com a apresentação de dados, e outras informações coletadas, além das obtidas através dos instrumentos aplicados. O momento do registro e análise constitui-se em oportunidade de confrontação entre a teoria abordada no referencial teórico e a prática. Este capítulo é o espaço de comprovação ou refutação da argumentação teórica, considerando os autores eleitos no referencial teórico. Devem constar ilustrações, quadros, gráficos, tabelas, e outros elementos elucidativos, sempre considerando as determinações das normas deste manual. Neste espaço pode-se confirmar/reafirmar o propósito da investigação e demonstrar como a pesquisa pode contribuir para o conhecimento existente e estender suas implicações para pesquisas futuras. Pode-se indicar a necessidade de estudos complementares, seja para refutar hipóteses ou para ampliar o estudo. Afirmações exageradas devem ser reprimidas, embora o entusiasmo deva imperar Considerações finais Constitui-se em um parecer final a respeito da experiência vivida para a realização da pesquisa. Resgata-se do objetivo a intenção geradora e sobre ele faz-se o registro dos ganhos com a aprendizagem. Devem-se citar as partes principais da pesquisa, ampliando o relato para explicar seu alcance e como são importantes as investigações sobre a temática. Não se devem introduzir dados novos nesta parte. É o espaço onde o autor manifesta seu ponto de vista sobre a investigação da pesquisa. Pode conter sugestão de procedimentos, face ao resultado da confrontação teoria/prática. Em poucas palavras deve estar clara e objetiva a possível solução para impasses relatados na problemática, a demonstração do objetivo alcançado e a indicação de métodos e técnicas que contribuíram para a sua realização. O aluno neste espaço também poderá sugerir temas para trabalhos futuros.

78 Elementos pós-textuais Referências Consiste na apresentação das publicações utilizadas para construção do trabalho. A ordenação das referências deverão se realizar na forma alfabética. Define-se que as referências devem ser alinhadas à esquerda, em espaço simples e espaço simples entre elas. As normas para listar as referências são apresentadas no Capítulo 7 deste manual. Por se tratar de pós-texto o título (Referências) deverá ser apresentado em CAIXA ALTA, centralizado e não numerado. Figura 25 - Referências 3 cm REFERÊNCIAS 5 espaços simples 3 cm AZEVEDO, Sérgio. Guia valor econômico de marketing: para pequenas e médias empresas. São Paulo: Globo, BARTH, Nelson Lerner. Inadimplência: construção de modelos de previsão. São Paulo: Nobel, espaço simples BERNI, Mauro Tadeu. Operação e concessão de crédito: os parâmetros para a decisão de crédito. São Paulo: Atlas, cm 2 cm Apêndice Compreende texto, artigo, questionário, formulário e ilustração elaborada pelo próprio autor. Devem ser identificados por letras maiúsculas seqüenciais seguidas de seus respectivos títulos, separado por travessão.

79 76 Figura 26 - Apêndice 3 cm APÊNDICE A Roteiro de entrevista 5 espaços simples 3 cm 1 Qual a estratégia da empresa para estruturar os preços de venda dos seus produtos: estratégia baseada em seus custos ou preço de mercado? 2 cm 2 A variável custos na sua empresa é operacionalizada e gerenciada sob um enfoque mais contábil ou gerencial? Por que há esta sobreposição de foco? 3 Sintetize o processo de apuração de custos de um produto. 2 cm Anexo Compreende texto, artigo, questionário, formulário, ilustração e outros documentos citados no corpo do trabalho, que foram elaborados por terceiros. Figura 27 - Anexo 3 cm ANEXO A Tela para elaboração de orçamentos 5 espaços simples 3 cm 2 cm Fonte: Sistema Zênite (2007)

80 Glossário Trata-se de uma lista em ordem alfabética de palavras poucas conhecidas, estrangeiras, termos e expressões técnicas, acompanhadas das definições e traduções. Figura 28 Glossário 3 cm GLOSSÁRIO 5 espaços simples 3 cm Bolsas de valores: são sociedades civis, de direito privado e sem fins lucrativos. O patrimônio da bolsa é constituído por títulos patrimoniais de propriedade das sociedades de corretoras de valores. Sua função consiste em manter um local adequado para compra e venda de títulos mobiliários. Os investidores que operam na bolsa o fazem por intermédio de suas sociedades corretoras das quais são clientes. Commercial paper: é uma nota promissória de curto prazo emitida pela entidade tomadora do recurso, geralmente para financiar o seu capital de giro. O seu prazo de resgate não pode ultrapassar a nove meses. A garantia do título é o desempenho da empresa, podendo ser adquirido por qualquer tipo de investidor. 2 cm 2 cm

81 78 9 PROJETO DE PESQUISA O projeto de pesquisa parte do pressuposto da existência de um problema a ser solucionado e um planejamento para chegar ao resultado desejado. Planejamento é um processo onde ações serão direcionadas de forma coordenada e dinâmica visando execução, acompanhamento, controle e avaliação de serviços. Para um bom planejamento, é preciso definir claramente os objetivos e, com base nestes, estabelecer o tipo do planejamento estratégico, tático ou operacional a ser desenvolvido. A partir do diagnóstico elabora-se o planejamento que deve ser explicitado através de um projeto. Os projetos de pesquisa elaborados pelos alunos da FACISABH deverão seguir roteiro indicado pelo professor. No entanto, deve conter: Elementos obrigatórios: Capa, folha de rosto, listas, sumário, introdução, metodologia, referencial teórico, caracterização da organização (quando houver) e referências. Obs.¹: A capa se torna um elemento obrigatório para os trabalhos produzidos na FACISABH. Obs.²: Os objetivos gerais e específicos são considerados elementos que ficam a parte da introdução somente para o curso de Letras. Elementos opcionais: Dedicatória, agradecimentos, epígrafe, glossário, apêndice e anexo. 9.1 Estrutura Os projetos devem seguir a estrutura de apresentação das partes, essencialmente nesta ordem, indicadas no quadro abaixo:

82 79 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS - capa - folha de rosto - listas - sumário ELEMENTOS TEXTUAIS - introdução Breve histórico; Justificativa; Objetivos; Definições conceituais; - referencial teórico - metodologia Métodos e técnicas. - plano de desenvolvimento Orçamento; Cronograma; - recursos Humanos; Materiais; Financeiros. - acompanhamento, avaliação e controle ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS - referências - apêndice(s) - anexo(s) Os projetos de pesquisa deverão ser normalizados conforme apresentado no capítulo de monografias.

83 80 10 ARTIGO CIENTÍFICO 10.1 Estrutura De acordo com a NBR 6022 (2003), o artigo científico constitui-se de uma elaboração individual ou coletiva que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados acerca das mais diversas áreas do conhecimento. A estrutura básica é constituída de elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais, com uma sequência direta nas páginas (não se abre uma nova página a cada seção/título. Figura 29 - Elementos que compõem o artigo científico Elementos pré-textuais: a) título, e subtítulo (se houver); b) nome(s) do(s) autor(es); c) resumo na língua do texto; d) palavras-chave na língua do texto. Elementos textuais: a) introdução; b) desenvolvimento; c) conclusão. Elementos pós-textuais: a) título e subtítulo (se houver) em língua estrangeira; b) resumo em língua estrangeira; c) palavras-chave em língua estrangeira; d) nota(s) explicativa(s); e) referências; f) glossário; g) apêndice(s); h) anexo(s). Fonte: NBR 6022, (Adaptado) O artigo deve ter entre 15 e 20 páginas (contando do seu título até as referências). Somente Apêndices e/ou anexos podem ser acrescidos a esse limite de páginas. O espaçamento é 1,5, a letra Times New Roman, tamanho 12. Todas as páginas são numeradas, contudo a numeração só aparecerá a partir da segunda página.

84 81 FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE 1 espaço 1,5 Inserir nota de rodapé Título em CAIXA ALTA e negrito. TÍTULO DO ARTIGO: subtítulo do artigo 4 Subtítulo em caixa baixa e sem negrito. 1 espaço 1,5 Autor do Artigo Autor do Artigo 5 Inserir nota de rodapé RESUMO: Texto redigido pelo autor, onde se procura ressaltar de forma clara, direta, concisa os objetivos da pesquisa, bem como a metodologia utilizada, os resultados encontrados e as conclusões a que se chegou. Elaborado em único parágrafo, este deverá conter no máximo 250 palavras. PALAVRAS-CHAVE: 1 espaço 1,5 Espaço simples, fonte tamanho 11 e recuo de 2 cm na esquerda e direita. Caixa baixa, sem negrito. Alinhar à direita. Colocar em ordem alfabética Palavras que representam o assunto do trabalho. 1 INTRODUÇÃO A introdução expõe o tema do artigo, relaciona-o com a literatura consultada, apresenta os objetivos e a finalidade do trabalho. Trata-se do elemento explicativo do autor para o leitor. 2 DESENVOLVIMENTO O desenvolvimento ou corpo, como parte principal e mais extensa do artigo, visa a expor as principais idéias. É, em essência, a fundamentação lógica do trabalho (pode ser apresentado de modo geral como referencial teórico). Dependendo do assunto tratado, existe a necessidade de se subdividir o desenvolvimento nas etapas que seguem. 2.1 Metodologia (caso seja artigo de estudo prático) 4 Nota explicativa sobre o título do artigo, caso necessário. (Exemplo: O presente artigo faz parte da Atividade de Simulação Profissional Integrada ASPI da FACISABH) 5 Indicar período, curso e ano. Apontar o nome do professor articulador. (Exemplo: Alunos do 3º período do Curso de Ciências Contábeis, 1º semestre de Professora Orientadora: Helenice Silene)

85 82 A Metodologia é a descrição precisa dos métodos, materiais, técnicas e equipamentos utilizados. Deve permitir a repetição do experimento ou estudo com a mesma exatidão por outros pesquisadores. Esse tópico contribui para que o leitor tenha uma visão geral da pesquisa e seus processos. 2.2 Caracterização da organização (caso seja artigo de estudo prático) Este tópico deve apresentar as principais informações sobre a organização pesquisada. Deve ser subdividido em 4 subtítulos, sendo eles: Dados Gerais, Histórico, Estrutura Física, Estrutura Organizacional (Organograma). 2.3 Referencial teórico Demonstra o conhecimento sobre a literatura básica do assunto pesquisado, condensando os resultados dos estudos feitos por diversos autores. 2.4 Apresentação e análise de dados (caso seja artigo de estudo prático) Restringe-se aos resultados do trabalho e ao confronto com dados encontrados na literatura. Caso haja a necessidade de inserir ilustrações 6 no artigo, essas devem ser bem objetivas e claras. Além disso, é necessário que o(s) autor(es) façam uma seleção dessas informações de modo a tornar o trabalho completo e sucinto. 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS A conclusão destaca os resultados obtidos na pesquisa ou estudo. Nesta seção são apresentadas as conclusões correspondentes aos propósitos da pesquisa (objetivos, problema e hipóteses, se houver). Deve ser breve, podendo incluir recomendações ou sugestões para outras pesquisas na área. 6 Há a sugestão de que as ilustrações sejam limitadas a três ou quatro, no corpo do texto. As demais poderão vir como apêndice.

86 83 ARTICLE TITLE: CAPTION ARTICLE 7 abstract Resumo traduzido para o idioma de divulgação internacional keywords Palavras chaves no idioma de divulgação internacional Fonte 10 e recuo de 2 cm na esquerda e direita. REFERÊNCIAS Texto das referências. Título centralizado, em caixa alta, espaço simples. As referências devem vir alinhadas à esquerda. Texto dos anexos ou apêndices. ANEXOS OU APÊNDICES Título centralizado, em caixa alta FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS RESUMO: TÍTULO DO ARTIGO: subtítulo do artigo 8 Texto redigido pelo autor, onde se procura ressaltar de forma clara, direta, concisa os objetivos da pesquisa, bem como a metodologia utilizada, os resultados encontrados e as conclusões a que se chegou. Elaborado em único parágrafo, este deverá comter no máximo 250 palavras. Autor do Artigo Autor do Artigo 9 7 (A tradução do título: subtítulo, Resumo e Palavras-chave para outra língua é opcional) 8 Nota explicativa sobre o título do artigo, caso necessário. (Exemplo: O presente artigo faz parte da Atividade de Simulação Profissional Integrada ASPI da FACISABH) 9 Indicar período, curso e ano. Apontar o nome do professor articulador. (Exemplo: Alunos do 3º período do Curso de Ciências Contábeis, 1º semestre de Professora Orientadora: Helenice Silene)

87 84 PALAVRAS-CHAVE: Palavras que representam o assunto do trabalho. 1 INTRODUÇÃO 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 Metodologia (caso seja artigo de estudo prático) 2.2 Caracterização da organização (caso seja artigo de estudo prático) 2.3 Referencial teórico ELEMENTOS TEXTUAIS 2.4 Apresentação e análise de dados (caso seja artigo de estudo prático) 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS ARTICLE TITLE: CAPTION ARTICLE ABSTRACT KEYWORDS Referências Texto das referências. Resumo traduzido para o idioma de divulgação internacional Palavras chaves no idioma de divulgação internacional ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS Anexos E/ou apêndices Texto dos anexos e/ou apêndices.

88 ASPI A ASPI Atividade de Simulação Profissional Integrada é uma atividade pedagógica da FACISABH e constitui parte importante da construção da aprendizagem dos discentes e contribui proporciona uma formação mais ampla dos profissionais egressos da instituição. A cada semestre são propostos temas/tarefas que devem ser desenvolvidos pelos alunos que, com o acompanhamento dos professores, através de atividades teóricas e práticas que geram o desenvolvimento de uma percepção/ação interdisciplinar relacionada ao agir profissional do discente egresso de cada curso. A FACISABH acredita que ao final de cada semestre, ao desenvolver a ASPI, os alunos exercitem a prática profissional, interligada ao suporte teórico e à produção do conhecimento através da vivência do Saber Conhecer e do Saber Fazer; desenvolvendo hábitos e processos de trabalho em equipe, onde os integrantes desempenhem suas funções de forma colaborativa, valorizando a integração de vocações complementares, tais como: o gerenciamento de equipes, a gestão do tempo, o planejamento e a visão geral do processo produtivo grupal. Tem-se assim o desejo que esse processo possa contribuir para o desenvolvimento dos aspectos do Saber Ser e do Saber Conviver. O principal objetivo da ASPI é possibilitar um conhecimento globalizante que ultrapassa o limite de cada disciplina, possibilitando a visão sistêmica e interdisciplinar das atividades inerentes ao mercado de trabalho, onde os conteúdos das disciplinas são apresentados integrados, de maneira que o aluno estude todas as disciplinas oferecidas na matriz curricular do curso com equilíbrio, institui as Atividades de Simulação Profissional Integrada - ASPI que prevê atividades integradas por período. O trabalho escrito elaborado deve ter a formatação de um artigo científico conforme as orientações contidas neste manual. Caso haja especificidades que dificultem a formatação do trabalho sob a forma de artigo, o mesmo deve ser elaborado como trabalho científico de acordo com a normalização também apresentada neste manual.

89 86 11 RESENHA A resenha crítica é uma apresentação breve sobre a obra seguida da análise da mesma (no máximo 3 a 4 laudas. O texto deve ser contínuo, sem títulos ou seções. O primeiro parágrafo informa ao leitor sobre a obra e os seguintes versam sobre as idéias nela apresentadas. O penúltimo parágrafo apresenta a análise do resenhista sobre a obra (comparação com outros autores, temas, etc., ponto de vista sobre a obra nos seus aspectos formais e outras considerações que ao resenhista julgar importantes). O último parágrafo trata das indicações do resenhista (a quem a obra pode interessar e os conhecimentos prévios necessários para entendê-la). A resenha (que não é crítica) segue o mesmo esquema subtraindo a exigência do penúltimo e último parágrafos citados acima. Todo o texto tem espaçamento 1,5 e letra Times New Roman ou Arial 12, exceto quando houver outra indicação. As margens seguem o manual da FACISABH. As páginas são numeradas. Exemplo de resenha, logo abaixo:

90 87 FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA PROFESSOR: Xxxxxxx Xxxxxx 14 ABR A data de entrega tem o mês abreviado as três primeiras letras seguidas de ponto. Maio não é abreviado. Alinhamento à esquerd a, CAIXA ALTA, Negrito. Xxxxxxx Xxxxxx Xxxxxx Nome do(s) autor(es) alinhado à direita, separados com vírgula (quando houver mais de um autor) RESENHA: Teologia, filosofia y ciências de La religion Título: centralizado, negrito. Deve-se colocar o título da obra resenhada. TORRES QUEIRUGA, Andrés. Teología, filosofia y ciencias de La religíon. In: CAFARENA, Jose Gomes (Org.) Relígion. Madrid: Trotta, p Alinhar a referência da obra à esquerda. Espaço Simples. Este texto tem por objetivo apontar os aspectos da religião e sua complexidade relacionada ao desenvolvimento do homem ao longo de sua trajetória histórica em seus aspectos antropológicos, individuais e sociais. O autor, Torres Queiruga, cientista da religião, procurou sintetizar e orientar as relações entre homem e religiosidade. O texto é dividido nos seguintes sub-tópicos; I- O campo fundamental das relações (retrata a necessidade da religião para o homem, bem como os aspectos de expressões internas e externas do fenômeno religioso), II As ciências da religião (procura enfocar o surgimento das ciências humanas, sobretudo da história, da sociologia e da psicologia e suas influencias nos aspectos da expressão religiosa, III- Filosofia das religiões (demonstrando a importância da filosofia como elo de ligação entre teologia e ciência) e IV- A teologia (suas permanências e transformações frente a influencias filosóficas e científicas). O Texto de Queiruga apresenta uma síntese ampla e profunda sobre o desenvolvimento da humanidade ligando religião aos campos filosóficos, científicos e teológicos e, brilhantemente, consegue nos dar uma panorâmica da complexidade dos estudos e conhecimentos ligados ao campo religioso, bem como as várias representações de épocas históricas, das contribuições das ciências humanas, sobretudo a história, a sociologia e a psicologia da religião. Este livro é de grande importância para os profissionais, estudantes e demais interessados na área de ciências da religião e áreas afins. É interessante buscar um conhecimento sobre religiosidade e filosofia para melhor compreendê-la.

91 88 12 RESUMO O resumo é a apresentação concisa e seletiva de um texto, ressaltando de forma clara e sintética o desenvolvimento do trabalho, seus resultados, aspectos, pontos e conclusões mais importantes. Quando não integrar o texto original, o resumo deverá ser precedido da referência completa do documento resumido. (Ver Capítulo 7 - Referências). São caracterizados como: a) resumo crítico: constitui- se em uma análise crítica de um documento. (Ver Capítulo 11 Resenha); b) resumo indicativo: levantamento e apresentação sintética dos pontos importantes de um documento; c) resumo informativo: é auto-suficiente, não precisa, necessariamente, recorrer ao original. Pode incluir objetivos, metodologia, resultados e conclusão. A ABNT recomenda que o resumo contenha de 150 a 500 palavras, para os trabalhos acadêmicos e relatórios técnicos. Devem-se evitar no resumo: abreviaturas, símbolos, fórmulas, equações e diagramas que não sejam absolutamente necessários à sua compreensão, bem como comentários, críticas e julgamento pessoal do resumidor; palavras e expressões supérfluas, tais como: O presente trabalho trata-se de..., O autor do trabalho comenta..., devem também ser evitadas. Resumo também é um tipo de publicação e é uma avaliação solicitada freqüentemente pelos professores. Quando for este o caso, lembre-se de seguir estas normas e não seguir os modelos de resumos apresentados neste Manual nos capítulos de Artigo e Monografias. A estrutura de apresentação do resumo deve seguir exatamente a estrutura apresentada no Capítulo 11 Resenha. Lembre-se, portanto, de trocar a palavra RESENHA por RESUMO.

92 89 13 RELATÓRIOS TÉCNICOS- CIENTÍFICOS A NBR (ABNT, 1989d, p.1) define relatório técnico-científico como um documento que relata formalmente os resultados ou progressos obtidos em investigação de pesquisa e desenvolvimento ou que descreve a situação de uma questão técnica ou científica. O relatório técnico-científico apresenta, sistematicamente, informação suficiente para um leitor qualificado, traça conclusões e faz recomendações. É estabelecido em função e sob a responsabilidade de um organismo ou de uma pessoa a quem está submetido Etapas de um relatório a) plano inicial: determinação do objeto, preparação do relatório e do programa de seu desenvolvimento; b) coleta e organização do material: momento em que se coleta informações e as armazena para o desenvolvimento do relatório; c) redação: escrita do relatório; d) revisão: é recomendável que seja feita uma revisão crítica do relatório, considerando-se os seguintes aspectos: redação (conteúdo e estilo) seqüencia das informações, apresentação gráfica e física Estrutura Os relatórios técnico-científicos constituem-se dos seguintes elementos:

93 - capa - folha de rosto - prefácio ou apresentação - resumo - listas (Ilustrações, símbolos, abreviaturas) - sumário - texto - anexo(s) e apêndice(s) - agradecimentos - referências - glossário - índice(s) - ficha de identificação Obs.: Os elementos em negrito são obrigatórios. Os demais são opcionais. 90 a) capa: contém os dados que identificam a publicação e deve ser padronizada. b) folha de rosto: inclui os seguintes elementos: - entidade e/ou repartição e departamento: o nome do órgão ou entidade responsável vem no alto da página, centralizado, seguindo do nome do curso. - título e subtítulo: ambos serão centralizados, o título deverá estar em negrito. - nome do autor: deve ser localizado abaixo do título. - número da parte e respectivo título, se houver. - notas tipográficas: devem ser indicadas na parte inferior central da folha de rosto o local (cidade), o mês e o ano de publicação. Obs.: para demais partes (prefácio, resumo, sumário, listas) deve-se seguir orientações anteriores deste Manual. c) texto: deve apresentar introdução, metodologia, discussão, procedimentos experimentais e resultados e conclusões. d) anexos e apêndices: informações adicionais podem constar no relatório, como cálculos e dados. e) referências: consulte o capítulo Referências. f) ficha de identificação: localiza-se após o índice, e oferece informações para a perfeita identificação.

94 91 Figura 30 Folha de rosto de Relatório FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE FACISABH ADMINISTRAÇÃO 8 espaços simples RELATÓRIO GERAL SOBRE GESTÃO DE PESSOAS EM EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO DA CIDADE DE BELO HORIZONTE 4 espaços simples por Nome completo Aluna de Administração da FACISABH Belo Horizonte 2013

95 92 Figura 31 - Ficha de identificação de relatório (adaptada) Título e subtítulo Data (mês e ano) Entidade Curso Autor(es) Professor Orientador Resumo Número de páginas Anexos e Apêndices

96 93 14 FICHAMENTO O fichamento não deve ser confundido com resumo. É uma estrutura de anotação de tópicos com informações e/ou idéias extremamente relevantes que foram extraídas de um texto. O Fichamento é, portanto, um modo de coletar e de separar o conhecimento. Quando for fazer um fichamento, anote logo no início da página a referência do texto utilizado para tal. As anotações então deverão ser feitas, como àquelas que são feitas em sala de aula, ou seja, quando anotamos a fala de alguém anotamos aquilo que entendemos do que está sendo dito e não propriamente aquilo que fora falado com todas as letras, porque isso é humanamente impossível. No fichamento são anotados tópicos do que se entendeu no texto e não trechos extraídos diretamente. Conforme for anotando, indique as páginas do documento original. Isso o ajudará a encontrar a informação mais rapidamente no texto original. A estrutura do fichamento (FIG. 32) será essa: - cabeçalho contendo informações de identificação do responsável pela elaboração do fichamento; - o endereço exato da obra consultada, que é a referência bibliográfica; - os tópicos anotados com as informações relevantes do texto e poderão ser quantos forem julgados necessários; - algumas citações poderão ser acrescentadas desde que sejam normalizadas conforme Capítulo 5 deste Manual. - o último tópico poderá ser a conclusão do fichamento, a partir do entendimento da pessoa que está fazendo o fichamento ou a conclusão do autor do texto original em forma de citação. Para orientar o entendimento do texto propomos algumas perguntas a serem respondidas após sua leitura: 1. Sobre o que o autor está falando? 2. Qual a questão que pretende responder? 3. Frente a esta questão, qual a sua resposta? 4. Como fundamenta as suas afirmações e suas respostas? 5. Seus argumentos são convincentes?

97 94 6. Existem outras idéias que compõem o texto? Figura 32 Modelo de fichamento FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: METODOLOGIA CIENTÍFICA PROFESSOR: XXXX XXXXX 14 ABR A data de entrega do trabalho. O mês deve ser abreviado em caixa alta. Maio não se abrevia. XXXXXXX XXXXXXX BLIKSTEIN, Izidoro. Técnicas de comunicação escrita. 21 ed. São Paulo: Ática, 2005, p FICHAMENTO 1. A análise do primeiro acidente permite-nos afirmar que: a) escrever bem implica FIGURA necessariamente 33 Modelo a de obtenção fichamento de uma resposta correta; b) resposta correta é aquela que corresponde à ideia que temos em mente e desejamos passar ao leitor. Este primeiro segredo já aponta para uma das funções essenciais da comunicação escrita, a saber. (p. 18). 2. Resumindo, o primeiro segredo da comunicação escrita é constituído dos seguintes princípios: I) Toda comunicação escrita deve gerar uma resposta a uma determinada ideia ou necessidade que temos em mente. II) A comunicação escrita será correta e eficaz se produzir uma resposta igualmente correta. III) Resposta correta é a que esperamos, isto é, aquela que corresponde à ideia ou necessidade que temos em mente. IV) Para avaliarmos a correção e a eficácia de uma comunicação escrita, temos de verificar sempre se: a) houve resposta; b) a resposta corresponde à ideia ou necessidade que queremos passar ao leitor. (p.20). 3. O segundo segredo da comunicação escrita, segundo Blikstein (2005, p. 23), é tornar o nosso pensamento conhecido dos outros, ou, melhor ainda, escrever bem é tornar comum aos outros o nosso pensamento. (p. 23). 4. A comunicação escrita deve conter sempre alguns elementos persuativos ou lubrificantes que suavizem a transmissão dos nossos pensamentos e provoquem a simpatia dos nossos leitores, isto é, dos indivíduos a quem solicitamos uma resposta. (p. 25 e 26). 5. Por fim, a partir do apresentado, é possível dizer que comunicar-se bem ou escrever bem é uma questão de sobrevivência, por isso devemos procurar nos aperfeiçoar cada vez mais.

Manual de Normalização: normas para elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos. 6ª edição

Manual de Normalização: normas para elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos. 6ª edição Manual de Normalização: normas para elaboração de trabalhos acadêmicos e científicos 6ª edição Belo Horizonte 2014 FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE BELO HORIZONTE MANUAL DE NORMALIZAÇÃO: normas para

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Educação UAB/UnB Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania, com Ênfase em EJA Parceria MEC/SECAD NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL)

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e NORMAS PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (ABNT - NBR 15287- válida a partir de 30.01.2006) 1 COMPONENTES DE UM PROJETO DE PESQUISA (itens em negrito são obrigatórios) ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa

Leia mais

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Maria Bernardete Martins Alves Marili I. Lopes Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Módulo 3 Apresentação

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Os seguintes padrões atendem às exigências da FTC Feira de Santana, em conformidade com a NBR 14724:2002/2005 da Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS PIRENÓPOLIS 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações 1ª edição Ilhéus BA 2012 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 1 Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 Pré-textuais Textuais Pós-textuais Estrutura Elemento OK Capa (obrigatório) Anexo A (2.1.1) Lombada (obrigatório) Anexo H Folha

Leia mais

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Administração Biblioteca Normas para elaboração do TCC O que é um Trabalho de Conclusão de Curso? O TCC, é um trabalho acadêmico feito sob a coordenação

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS F A C UL DA DE DE P R E S I DE N T E V E N C E S L A U REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS APRESENTAÇÃO GRÁFICA - CONFIGURAÇÃO DAS MARGENS Ir ao menu Arquivo, escolher a opção Configurar

Leia mais

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Editoração do Trabalho Acadêmico 1 Formato 1.1. Os trabalhos devem ser digitados em papel A-4 (210 X297 mm) apenas no anverso (frente) da folha. 2 Tipo e tamanho

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Dissertação é a apresentação escrita do trabalho de pesquisa desenvolvido no âmbito do Programa de

Leia mais

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS Baseado nas obras de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconcellos; Rosy Mara Oliveira. Atualizado

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO. Apresentação gráfica

TRABALHO ACADÊMICO. Apresentação gráfica 2012 2 Núcleo de Apoio à Pesquisa na Graduação- NAP/UNIMAR Projeto de Pesquisa; Apresentação gráfica TRABALHO ACADÊMICO Apresentação gráfica Segundo normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ GESTÃO2010/2012 ESCOLASUPERIORDOMINISTÉRIOPÚBLICO(Art.1ºdaLei11.592/89) Credenciada pelo Parecer 559/2008, de 10/12/08, do CEC (Art. 10, IV da Lei Federal n.º 9.394, de 26/12/1996 - LDB) NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Biotecnociência Título Santo André dd/mm/aaaa Normas para Dissertações Mestrado em Biotecnociência - UFABC.

Leia mais

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório.

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório. 1 - ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório do Estágio Supervisionado de todos os cursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Minas Gerais Campus Formiga - irá mostrar

Leia mais

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011]

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] Professora Alcione Mazur 25/07/11 Cancela e substitui a edição anterior. ABNT NBR 14724: 2005 Não houve alterações na estrutura do trabalho, mas em uma

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= *

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= * Lombada* UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS BIBLIOTECA GLÁDIS W. DO AMARAL ORIENTAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO Elementos póstextuais INDICES * PARTE INTERNA ANEXOS * APENDICES * GLOSSARIO

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O trabalho deve ser digitado e impresso em papel formato A4. O texto deve ser digitado, no anverso das folhas, em espaço 1,5, letra do tipo

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores Tecnológicos G. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Trabalho

Leia mais

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 ESTRUTURA A estrutura e a disposição dos elementos de um trabalho acadêmico são as

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC 1 APRESENTAÇÃO As recomendações a seguir resumem os princípios para a elaboração

Leia mais

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROF. DR. MARCOS FRANCISCO R. SOUSA PROF. Me. CELSO LUCAS COTRIM APRESENTAÇÃO

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA 1 DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho, ou seja, o que não consta no texto destas

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo Objetivo ABNT Normas para elaboração de trabalhos científicos Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos, visando sua apresentação à instituição Estrutura Parte

Leia mais

Manual de normas para apresentação de trabalhos acadêmicos

Manual de normas para apresentação de trabalhos acadêmicos FACULDADE SÃO FRANCISCO DE ASSIS BIBLIOTECA Josiane Fonseca da Cunha Manual de normas para apresentação de trabalhos acadêmicos Porto Alegre 2008 Josiane Fonseca da Cunha Manual de normas para apresentação

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Apresentação gráfica

PROJETO DE PESQUISA. Apresentação gráfica 2012 PROJETO DE PESQUISA Apresentação gráfica Revisto e atualizado segundo alterações ABNT: NBR 15287:2011 Projeto de Pesquisa; NBR 14724:2011 Trabalhos Acadêmicos. Profa. Dra. Wakiria Martinez Heinrich

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia deve ter como referência a ABNT NBR 14724/ 2006, a qual destaca que um trabalho acadêmico compreende elementos pré-textuais,

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos Revisto e atualizado de acordo com a NBR 15287/2011 Brasília 2011 1 APRESENTAÇÃO De acordo

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT www.abnt.org.br Objetivos da normalização Comunicação Simplificação Níveis de normalização Menos exigente (Genérica) INTERNACIONAL REGIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (FTA) VITÓRIA DA CONQUISTA BA 2009

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA COORDENAÇÃO ADJUNTA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT

Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT FACULDADE CRISTÃ DE CURITIBA Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT Elaborado pela bibliotecária Teresinha Teterycz - CRB 9 / 1171

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 APRESENTAÇÃO Tanto o artigo quanto a monografia são trabalhos monográficos, ou seja, trabalhos que apresentam resultados de pesquisa sobre um

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA 2014 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte

Leia mais

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15287 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação Information and documentation Research project Presentation

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1)

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) 1 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) SOBRENOME, Nome Aluno 1 Graduando em Administração de Empresas Decision/FGV SOBRENOME, Nome Aluno 2 Graduando em Administração de Empresas Decision/FGV RESUMO Este

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Andersown Becher Paes de Barros * Ideraldo Bonafé ** RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF)

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) 3ª edição Revisto e atualizado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado MANUAL DE DEFESA Exame de Qualificação: banca examinadora

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 Jaciara-MT COMPOSIÇÃO DA MONOGRAFIA MONOGRAFIA Recebe nº página CAPA FOLHA DE ROSTO FOLHA DE APROVAÇÃO DEDICATÓRIA (OPCIONAL) AGRADECIMENTO (OPCIONAL) EPIGRAFE

Leia mais

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e Análise de Práticas de Gestão Organizacional em uma Empresa. OBJETIVOS: Favorecer aos alunos ingressantes

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA APRESENTAÇÃO NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS O trabalho deve ser digitado e impresso em papel

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É essencial o uso de normas técnicas para uma boa apresentação e compreensão da leitura de um trabalho acadêmico-científico.

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Segundo a NBR 15287:2011

Leia mais

Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005

Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005 Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005 Produzido pelos bibliotecários da Rede de Bibliotecas do Senac/RS com a finalidade de orientar os usuários na elaboração de seus trabalhos

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS 2013 1 ORIENTAÇÕES DE BASE As orientações apresentadas neste manual são baseadas na norma NBR 6022, da ABNT, a qual refere-se a apresentação de artigos científicos.

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - FACEMA

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - FACEMA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - FACEMA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA TRABALHOS ACADÊMICOS Caxias MA 2012 1. INTRODUÇÃO Conforme regulamento do núcleo de trabalho de conclusão de curso da

Leia mais

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ Prof. Marat Guedes Barreiros GUARUJÁ 2º semestre de 2013 PROJETO MULDISCIPLINAR Curso superior de BACHAREL em

Leia mais

AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA

AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA NORMAS DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS JUINA/MT JULHO/2009 SUMÁRIO Introdução...

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE 1 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE SOBRENOME, Nome Aluno 1 Graduando em Educação Artística Unifadra / Dracena SOBRENOME, Nome Aluno 2 Graduando em Educação Artística

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP 2011 ESTRUTURA 1 ELEMENTOS DE PRÉ-TEXTO 1.1 Capa 1.2 Lombada descendente 1.3 Folha de rosto 1.4 Folha de aprovação 1.5 Dedicatória 1.6 Agradecimentos 1.7 Epígrafe

Leia mais

NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA APRESENTADA NO FINAL DO CURSO

NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA APRESENTADA NO FINAL DO CURSO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E O U R O P R E T O - U F O P ESCOLA DE MINAS EM C O L E G I A D O C U R S O E N G E N H A R I A D E C O N T R O L E E A U T O M A Ç Ã O ( C E C A U ) NORMAS PARA

Leia mais

NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Por: Edirlane Carvalho de Souza Freitas - Bibliotecária

NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Por: Edirlane Carvalho de Souza Freitas - Bibliotecária NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Quem define a normatização técnica? Normas mais comuns utilizadas em trabalhos acadêmicos: NBR 6023 Referências; NBR 6024 Numeração progressiva

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011. Especifica os princípios gerais para a elaboração de projetos de pesquisa

PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011. Especifica os princípios gerais para a elaboração de projetos de pesquisa PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011 Especifica os princípios gerais para a elaboração de projetos de pesquisa REFERÊNCIA NORMATIVA Documentos indispensáveis à aplicação deste documento ABNT NBR 6023

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

GUIA PARA EDIÇÃO DE DISSERTAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E OUTROS TRABALHOS NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS MOLECULARES

GUIA PARA EDIÇÃO DE DISSERTAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E OUTROS TRABALHOS NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS MOLECULARES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS MOLECULARES GUIA PARA EDIÇÃO DE DISSERTAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E OUTROS

Leia mais

PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS

PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS 1. ESTRUTURA DA MONOGRAFIA PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS A estrutura de uma monografia compreende as seguintes partes: a) elementos pré-textuais; b) elementos textuais; c) elementos pós-textuais.

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Centro de Excelência em Turismo MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB Por: Jakeline V. de Pádua APRESENTAÇÃO As páginas que se seguem especificam os princípios gerais

Leia mais

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Iniciação à Pesquisa em Informática Profª MSc. Thelma E. C. Lopes e-mail: thelma@din.uem.br 2 Texto Científico: o que é? A elaboração do texto científico

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA!

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA! CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO REVISTA DiCA! Biblioteca - FAAG Tel. (14) 3262-9400 Ramal: 417 Email: biblioteca@faag.com.br http://www.faag.com.br/faculdade/biblioteca.php

Leia mais

ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005)

ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005) Errata Folha de Rosto Capa ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005) Epígrafe Resumo L. estrangeira Resumo Agradecimentos Dedicatória Folha de Aprovação Anexos Apêndices Glossário Referências

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (Conforme as Normas Técnicas da ABNT)

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (Conforme as Normas Técnicas da ABNT) GUIA PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (Conforme as Normas Técnicas da ABNT) Maceió 2011 1 TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Na academia de ensino superior podemos encontrar os seguintes tipos de trabalhos:

Leia mais

FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA

FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA CURITIBA 2012 SUMÁRIO 1. ESTRUTURA DA MONOGRAFIA...03 1.1. Elementos pré-textuais...03

Leia mais

REVISTA DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS / FAeCC / UFMT. NORMAS DE APRESENTAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO PARA A RCiC

REVISTA DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS / FAeCC / UFMT. NORMAS DE APRESENTAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO PARA A RCiC NORMAS DE APRESENTAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO PARA A 1 ARTIGO É o trabalho acadêmico que apresenta resultado de uma pesquisa, submetido ao exame de um corpo Editorial, que analisa as informações, os métodos

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5. Formatação do Texto

TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5. Formatação do Texto TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5 Antes de iniciar a digitação de seu trabalho acadêmico configure seu documento com as especificações a seguir, facilitando a visualização e sua

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA FORMOSA/GO

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL AQUIDAUANA MS 2009 1. PAPEL E PROCESSO DE MULTIPLICAÇÃO O papel

Leia mais

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Mestrado Profissional em Metrologia e Qualidade Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial 2010 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Manual de Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Engenharia de Produção NATAL RN 2010 Apresentação O curso de Engenharia de Produção institui

Leia mais

Escola SENAI Jose Polizotto. Biblioteca - Escola SENAI Jose Polizotto. Manual para elaboração de trabalhos. acadêmicos

Escola SENAI Jose Polizotto. Biblioteca - Escola SENAI Jose Polizotto. Manual para elaboração de trabalhos. acadêmicos Escola SENAI Jose Polizotto Biblioteca - Escola SENAI Jose Polizotto Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos Marília 2008 Biblioteca - Escola SENAI José Polizotto Manual para elaboração de trabalhos

Leia mais

FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO

FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO LONDRINA 2009 SUMÁRIO 1 ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO...01 1.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS...01

Leia mais

REGRAS GERAIS PARA APRESENTAÇÃO/FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS. Prof. Dr. Luiz Carlos dos Santos

REGRAS GERAIS PARA APRESENTAÇÃO/FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS. Prof. Dr. Luiz Carlos dos Santos REGRAS GERAIS PARA APRESENTAÇÃO/FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Todo trabalho acadêmico deve ser elaborado segundo parâmetros determinados pela Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. Assim,

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS BIBLIOTECA PROF. DR. ALFONSO TRUJILLO FERRARI

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS BIBLIOTECA PROF. DR. ALFONSO TRUJILLO FERRARI INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS BIBLIOTECA PROF. DR. ALFONSO TRUJILLO FERRARI GUIA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: diretrizes para normalização Rosemeire Zambini Bibliotecária CRB5018

Leia mais

NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS O texto a seguir tratará das seguintes normalizações: A. NBR 14724:2001 Informação e documentação - Trabalhos acadêmicos - Apresentação Informações pré-textuais

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP FACULDADE (do aluno) CURSO TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO RELATÓRIO AUTOR(ES) DO RELATÓRIO SÃO PAULO 200_ NOTA PRÉVIA

Leia mais